Você está na página 1de 26

Eletrônica Eletrônica básica - Prática

Associação de resistores
Associação de resistores

Associação de resistores

© SENAI-SP, 2003

Trabalho editorado pela Gerência de Educação da Diretoria Técnica do SENAI-SP, a partir dos
conteúdos extraídos da apostila homônima, Associação de resistores - Prática, SENAI - DN RJ, 1984

Capa Gilvan Lima da Silva


Digitalização UNICOM - Terceirização de Serviços Ltda

SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial


Departamento Regional de São Paulo - SP
Av. Paulista, 1313 – Cerqueira Cesar
São Paulo – SP
CEP 01311-923

Telefone (0XX11) 3146-7000


Telefax (0XX11) 3146-7230
SENAI on-line 0800-55-1000

E-mail Senai@sp.senai.br
Home page http://www.sp.senai.br

2 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

Sumário

Prática 5
Medida de resistência equivalente 13
Resumo 19
Referências bibliográficas 23

SENAI-SP - INTRANET 3
Associação de resistores

4 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

Prática

Exercício 1

1. Qual é a característica fundamental de uma associação série, com relação aos


caminhos para circulação da corrente elétrica?

2. Qual é a característica fundamental de uma associação paralela, com relação aos


caminhos para circulação da corrente elétrica?

3. Identifique os tipos de associação (série, paralela e mista).

a. b.

c. d.

SENAI-SP - INTRANET 5
Associação de resistores

e. f.

4. O que é resistência total ou equivalente de uma associação de resistores?

Exercício 2

1. Determine a resistência equivalente das associações série abaixo.

a.

b.

c.

6 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

d.

e.

Exercício 3

1. Determine a resistência equivalente das associações paralelas abaixo.

a.

b.

c.

d.

SENAI-SP - INTRANET 7
Associação de resistores

e.

f.

2. Registre ao lado de cada associação a equação mais adequada para o cálculo da


resistência equivalente.

a.

b.

c.

d.

8 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

Exercício 4

1. Determine a resistência equivalente entre os nós indicados em cada uma das


associações de resistores.

a. entre os nós A e B

b. entre os nós B e C

2. Determine na seqüência os valores de RA, RB e Req em cada uma das


associações.

a.

b.

SENAI-SP - INTRANET 9
Associação de resistores

c.

3. Determine, na seqüência as resistências equivalentes totais de cada uma das


associações.

a.

b.

c.

10 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

4. Tomando como base o conjunto de resistores abaixo determine os valores pedidos.

a. A resistência equivalente, vista dos pontos A e C (ou seja, considerando os


pontos A e C como terminais do circuito).
ReqAC = Ω

b. A resistência equivalente, vista dos pontos D e C.


ReqDC = Ω

c. A resistência equivalente vista dos pontos B e C.


ReqBC = Ω

d. A resistência equivalente, vista dos pontos A eD.


ReqAD = Ω

SENAI-SP - INTRANET 11
Associação de resistores

12 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

Medida de resistência
equivalente

Objetivos
• Exercitar o cálculo de resistência equivalente de associações série, paralela e
mista de resistores.
• Medir a resistência equivalente de um circuito.
• Exercitar no uso do ohmímetro.

Equipamento
• Multímetro.

Lista de materiais
• Resistores
- R1 - 100Ω 5%
- R2, R3 - 560Ω 5%
- R4 - 1,5kΩ 5%
- R5 - 2,7kΩ 5%
- R6 - 4,7kΩ 5%
- R7 - 1,2kΩ 5%

Circuito série

1. Monte o circuito da figura abaixo.

SENAI-SP - INTRANET 13
Associação de resistores

2. Calcule a resistência equivalente do circuito.


Req = Ω

3. Meça a resistência equivalente entre os terminais da associação série.


Req = Ω

4. Compare o valor real com o valor calculado.

5. Acrescente mais um resistor (entre os restantes) que colocado em série com o


circuito já montado resulte em uma resistência equivalente de 8,9kΩ.

6. Monte o resistor selecionando e meça a resistência equivalente.


Req = Ω

7. Desmonte o circuito.

Circuito paralelo

1. Monte o circuito da figura abaixo.

Pode-se afirmar que a resistência equivalente será menor que 1,5kΩ? Por quê?

2. Calcule a resistência equivalente da associação.


Req = Ω

14 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

3. Meça a resistência equivalente da associação.


Req = Ω

O valor real confere com o teórico?

Uma diferença de ± 5% na comparação dos dois valores é admissível? Por quê?

4. Desmonte o circuito.

5. Monte o circuito da figura abaixo.

A resistência equivalente deste circuito pode ser calculada de três formas


diferentes. Quais são elas?

6. Determine a resistência equivalente e confira fazendo a medida.


Req = Ω

7. Desmonte o circuito.

SENAI-SP - INTRANET 15
Associação de resistores

Circuitos mistos

1. Monte o circuito da figura abaixo.

2. Determine, por cálculo, a resistência entre os pontos A e B.

3. Meça a resistência entre os pontos A e B.


RAB = Ω

4. Determine, por cálculo, a resistência entre os pontos B e C do circuito.

5. Meça a resistência entre os pontos B e C.


RBC = Ω

Qual é a resistência total do circuito entre os pontos A e C?

16 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

6. Meça a resistência total do circuito.


Req = Ω

O valor medido confere com o calculado (admitindo-se a tolerância)?

7. Monte o circuito da figura abaixo.

8. Determine, matematicamente, a resistência equivalente do circuito.

Req = Ω (calculado)

9. Meça com o ohmímetro a resistência equivalente do circuito.


Req = Ω (medido)

O valor medido confere com o calculado?

Que tolerância pode haver entre os valores calculado e medido?

SENAI-SP - INTRANET 17
Associação de resistores

18 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

Resumo

Associação de resistores

A associação de resistores é uma reunião de dois ou mais resistores em um circuito


elétrico.

Os pontos da associação que são conectados a fonte geradora são denominados de


terminais.

SENAI-SP - INTRANET 19
Associação de resistores

Os pontos onde existe a interligação entre dois ou mais resistores são denominados de
nós.

Tipos de associação de resistores

Apesar do ilimitado número de associações diferentes que se pode obter interligando


resistores em um circuito elétrico, todas estas associações podem ser classificadas
segundo três designações básicas:
• Associação série;
• Associação paralela;
• Associação mista.

Associação série de resistores


Uma associação de resistores é denominada série quando os resistores que a
compõem estão interligados de forma que exista apenas um caminho para a
circulação da corrente entre os seus terminais.

Características
• Existe apenas um caminho para a circulação da corrente elétrica entre os
terminais;
• A resistência total ou equivalente é a soma das resistências parciais: Req = R1 + R2
+ R3 + ... + Rn.

20 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

Associação paralela de resistores


Uma associação de resistores é denominada paralela quando os resistores que a
compõem estão interligados de forma que exista mais de um caminho para a
circulação da corrente elétrica entre seus terminais.

Características
• Existe mais de um caminho para a circulação da corrente elétrica;
• O valor da resistência equivalente de uma associação de resistores em paralelo é
sempre menor que o resistor de menor valor.

A resistência equivalente de uma associação paralela de resistores é dada pela


equação:

1
Re q =
1 1 1
+ + ... +
R1 R 2 Rn

Trabalhando-se matematicamente a equação fundamental obtém-se duas


equações simplificadas que podem ser utilizadas em situações específicas.

R1 x R 2
Re q = associação paralela de 2 resistores
R1 + R 2

R
Re q = associação paralela com todos os resistores de mesmo valor
n

R é o valor de um resistor 
onde  
n é o número de resistores de mesmo valor 

SENAI-SP - INTRANET 21
Associação de resistores

Associação mista de resistores


Uma associação de resistores é denominada mista quando for composta por grupos
de resistores em série e em paralelo.

Para determinar a resistência de uma associação mista utiliza-se um recurso: dividir a


associação em pequenas partes que possam ser calculadas como associações série
ou paralelas.

Para realizar corretamente a divisão da associação mista utilizam-se os nós formados


no circuito.

A partir da identificação dos nós, procura-se analisar como estão ligados os resistores
entre cada dois nós do circuito.

22 SENAI-SP - INTRANET
Associação de resistores

Referências bibliográficas

SENAI/DN. Associação de resistores, prática. Rio de Janeiro, Divisão de Ensino e


Treinamento, 1984. (Série Eletrônica Básica).

SENAI-SP - INTRANET 23
Associação de resistores

24 SENAI-SP - INTRANET
Eletrônica básica

Teoria 46.15.11.752-8 Teoria 46.15.12.760-4


Prática: 46.15.11.736-4 Prática: 46.15.12.744-1
1. Tensão elétrica 41. Diodo semi condutor
2. Corrente e resistência elétrica 42. Retificação de meia onda
3. Circuitos elétricos 43. Retificação de onda completa
4. Resistores 44. Filtros em fontes de alimentação
5. Associação de resistores 45. Comparação entre circuitos retificadores
6. Fonte de CC 46. Diodo emissor de luz
7. Lei de Ohm 47. Circuito impresso - Processo manual
8. Potência elétrica em CC 48. Instrução para montagem da fonte de CC
9. Lei de Kirchhoff 49. Multímetro digital
10. Transferência de potência 50. Diodo zener
11. Divisor de tensão 51. O diodo zener como regulador de tensão
12. Resistores ajustáveis e potenciômetros 52. Transistor bipolar - Estrutura básica e testes
13. Circuitos ponte balanceada 53. Transistor bipolar - Princípio de funcionamento
14. Análise de defeitos em malhas resistivas 54. Relação entre os parâmetros IB, IC e VCE
15. Tensão elétrica alternada 55. Dissipação de potência e correntes de fuga no transistor
16. Medida de corrente em CA 56. Transistor bipolar - Ponto de operação
17. Introdução ao osciloscópio 57. Polarização de base por corrente constante
18. Medida de tensão CC com osciloscópio 58. Polarização de base por divisor de tensão
19. Medida de tensão CA com osciloscópio 59. Regulador de tensão a transistor
20. Erros de medição 60. O transistor como comparador
21. Gerador de funções 61. Fonte regulada com comparador
22. Medida de freqüência com osciloscópio 62. Montagem da fonte de CC
23. Capacitores 63. Amplificador em emissor comum
24. Representação vetorial de parâmetros elétricos CA 64. Amplificador em base comum
25. Capacitores em CA 65. Amplificador em coletor comum
26. Medida de ângulo de fase com osciloscópio 66. Amplificadores em cascata
27. Circuito RC série em CA 67. Transistor de efeito de campo
28. Circuito RC paralelo em CA 68. Amplificação com FET
29. Introdução ao magnetismo e eletromagnetismo 69. Amplificador operacional
30. Indutores 70. Circuito lineares com amplificador operacional
31. Circuito RL série em CA 71. Constante de tempo RC
32. Circuito RL paralelo em CA 72. Circuito integrador e diferenciador
33. Ponte balanceada em CA 73. Multivibrador biestável
34. Circuito RLC série em CA 74. Multivibrador monoestável
35. Circuito RLC paralelo em CA 75. Multivibrador astável
36. Comparação entre circuitos RLC série e paralelo em CA 76. Disparador Schmitt
37. Malhas RLC como seletoras de freqüências 77. Sensores
38. Soldagem e dessoldagem de dispositivos elétricos
39. Montagem de filtro para caixa de som
40. Transformadores

Todos os títulos são encontrados nas duas formas: Teoria e Prática