Você está na página 1de 19

Manual da UFCD 3062 – Manutenção

de jardins
Guida Isabel Martins Querido
Data (início da UFCD)
RUI PENA & ASSOCIADOS, GABINETE DE CONSULTORIA, ESTUDOS E FORMAÇÃO, LDA
Instalações: Rua D. João I, 119-123, 4450-164 Matosinhos

Este manual surge no contexto do curso UFCD de operador de jardinagem, mais


concretamente no módulo de manutenção de jardins.
Tem como finalidade ser utilizado no decorrer das sessões, bem como sempre que o
formando sinta necessidade do mesmo, tanto para as aulas como para momentos futuros em
contexto de trabalho ou mesmo a nível pessoal.
Índice

Índice
Introdução .................................................................................................................................... 4
Objetivos ....................................................................................................................................... 5
Conteúdos ..................................................................................................................................... 6
Glossário de termos .................................................................................................................... 17
Conclusão……………………………………………………………………………………………………………………………….18

Bibliografia .................................................................................................................................. 19
Introdução
As plantas são um ótimo recurso para quem procura qualidade de vida, principalmente
hoje quando vivemos a síndrome da correria generalizada.
Elas funcionam como antídoto para combater stress e uma série de outros distúrbios
por ele ocasionados. Afinal, as plantas e as flores trazem alegria, beleza, harmonia,
tranquilidade, bem-estar, relaxamento. Além disso, são um chamariz para pássaros,
borboletas, joaninhas, e exalam indescritíveis aromas.
Como se vê, as infinitas espécies que usamos para decorar nossas casas, tanto interna
como externamente, não se restringem à fascinante função de adorno. Elas são também
indispensáveis para a nossa saúde, interferem positivamente no nosso estado de ânimo, de
forma simples e natural.
E já que as plantas nos brindam com tão preciosos benefícios, elas merecem os nossos
cuidados. Mas, para que fiquem bonitas e saudáveis, existe uma condição: o cuidado deve ser
permanente e o nosso olhar sempre atencioso.
Objetivos
 Proceder à sachagem e monda de placas ajardinadas e à execução de retanchas em
canteiros e outras placas ajardinadas.

 Reconhecer a importância do aproveitamento de detritos vegetais para a preparação


de composto/terriço.

 Proceder à limpeza dos jardins, tanques, lagos, jogos de água, etc..


Conteúdos
INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO DE JARDINS

A construção de um jardim começa com a preparação de uma boa estrutura física,


drenagem, arejamento e fertilização do solo. Na prática, esses cuidados irão proporcionar aos
inúmeros organismos que nele vivem (fungos, bactérias, nemátodos (em filamentos),
minhocas, etc.) um microclima favorável, para além de, energia e nutrientes. A vida presente
no solo é, portanto, a base da sua vitalidade e o suporte da saúde e vigor das plantas.

A textura do solo resulta da percentagem de argila, limo e areia. Os solos arenosos


possuem geralmente uma boa drenagem, enquanto que os solos argilosos apresentam
dificuldade na infiltração e disponibilidade de água às plantas. A textura define também o
movimento de água no solo, enquanto que nos solos argilosos a água infiltra-se lentamente e
estende-se à superfície, nos solos arenosos a água infiltra-se com facilidade arrastando consigo
os nutrientes solúveis.

Podemos ter um jardim livre de pragas e doenças sem ter que utilizar pesticidas de
síntese, adotando práticas preventivas e profilaxias menos agressivas e amigas do ambiente.
Para evitar que as doenças se instalem nas plantas devemos ter práticas corretas e vigilância
constante. Os esporos patogénicos hibernam sobre os restos vegetais ou no solo, prontos a
infetar na próxima Primavera, mas uma boa limpeza de Inverno reduz, consideravelmente, os
riscos de contaminação por esta via. Eliminar os potenciais núcleos de infestação, recolhendo
os restos de plantas, frutos caídos, restos de podas e infestantes (materiais que podem ser
aproveitados para fazer composto), devendo eliminar ou queimar as plantas ou parte de
plantas doentes, estas nunca devem ser adicionadas ao composto.
Sacha

O que significa sachar?

Sachar significa escavar ou remover superficialmente a terra, com o fim de tirar


as ervas daninhas ou outros infestantes.

Muitos infestantes podem ser facilmente eliminadas com uma sacha, utilizando uma
cobertura (mulching) ou recorrendo a plantas tapizantes ou de cobertura. As
infestantes devem ser eliminadas antes de florirem, para evitar que produzam
sementes e as incorporem no solo. As ervas daninhas vivazes (grama, escalracho)
espalham-se pelo terreno através de rizomas, cujo menor fragmento pode dar origem
a novas plantas, por isso, convém arrancá-las totalmente, com uma cava de pelo
menos 15 cm de profundidade.

Mulching

Monda de placas ajardinadas

As ervas daninhas são apenas plantas situadas no local errado. Noutras circunstâncias, algumas
são valiosas, como os dentes-de-leão, as ortigas e a valeriana vermelha. Num jardim bem
cuidado, além de serem pouco estéticas competem com as espécies cultivadas pelo espaço,
pela luz, pela água e pelos nutrientes, entre outros, pelo que é necessário controlá-las. Existem
diversas técnicas, como é o caso da monda manual, que é a melhor opção para eliminar as que
nascem entre outras plantas.

Cavar é adequado quando se começa um novo canteiro, aplicar mulching é um método


preventivo e borrifar inseticidas o mais adequado quando já cobriram uma superfície
considerável. A enxada, a forquilha e o ancinho são ferramentas adequadas para a monda
manual, prática ideal para pequenas zonas. Se for o caso, arranque todas as raízes para que as
plantas não voltem a crescer.

Repassar o terreno uma vez por mês é suficiente para evitar que invadam os canteiros ou os
maciços. Para não estragar as plantas cultivadas, deve cavar suavemente, raspando entre um a
dois centímetros. Faça a operação com tempo seco e sol. As daninhas arrancadas podem ir
para o monte de composto, mas é preferível destruir espécies como verdolaga, grama ou
junça.

Retanchas em canteiros e outros placas ajardinadas

A retancha consiste em substituir as espécies que se encontram secas, doentes ou com


deficiente desenvolvimento vegetativo.

Preparação do terriço

Terriço é adubo constituído por terra misturada às substâncias animais e vegetais que nela se
decompuseram; húmus, terra vegetal, terra preta.
Terriço - estrumar e adubar

O adubo e o estrume em conjunto não só melhoram a estrutura do solo, como


também fornecem nutrientes. Os fertilizantes químicos fornecem nutrientes, mas não
melhoram a estrutura.
Assim, a utilização contínua de fertilizantes, não compensada pela aplicação de
estrume, provoca a deterioração da estrutura do solo.
Não se pode deitar estrume fresco diretamente no solo, a menos que se enterre
bem fundo, e se deixe o solo de pousio durante o Inverno. O estrume fresco é demasiado
rico e inibe o crescimento da planta. Empilha-se num monte firme e deixa-se a curtir.
Recolhe-se a água que escorre do estábulo, rica em nutrientes, e deita-se no monte de
estrume. Quando se cavar a terra, junta-se composto ou estrume bem curtido — cerca de
um balde por metro quadrado.

Destroçador de resíduos vegetais

O composto orgânico é o adubo mais antigo e mais natural do mundo, podendo


ser feito e usado diretamente em cada jardim. Ao contrário da turfa, o composto orgânico
volta a adicionar ao solo as substâncias nutritivas e os minerais, animando a vida dos
solos de forma muito superior aos adubos convencionais. Numa mão cheia de composto
há mais organismos vivos do que pessoas no mundo: cerca de 10 biliões de organismos.

Estrumar as plantas com composto caseiro dá-lhe a satisfação de saborear as suas


próprias frutas e legumes e apreciar flores bonitas e ervas aromáticas cheias de sabor. Por
isso, ao cortar arbustos, plantas e flores o bom jardineiro tem a consciência de que toda
essa matéria orgânica não se perde, mas sim, volta a ser usada no jardim, como estrume
ou como matéria triturada. E ainda um efeito colateral positivo:
 Na compostagem caseira poupa-se algum dinheiro
 O caixote do lixo fica aliviado e é necessário comprar menos estrume.
Corretamente cortados, misturados e arejados, os detritos orgânicos decompõem-se,
resultando estrume de grande qualidade.
Quanto melhor a compostagem – mistura de detritos ”verdes” ricos em azoto e restos
de plantas ”castanhos” ricos em carbono – melhor fertilização e melhor composto.

Compostagem – fácil de fazer, como deve ser!


O local de compostagem deverá situar-se num lugar junto a uma casa, protegido do
vento, e na penumbra, de preferência próximo de uma torneira e uma tomada elétrica (por
exemplo para o triturador) e não à vista.
Deve ser um local com capacidade para pelo menos 2, de preferência 3 recipientes: Um
para a compostagem, outro para o composto pronto e outro para a recolha de restos secos de
plantas.
Recolha e separação sistemática dos ramos separados de detritos verdes de plantas e
materiais húmidos e com terra, protegendo-os da chuva (cobri-los).
A matéria orgânica, proveniente do jardim e dos resíduos domésticos, é adequada para
a compostagem caseira. A mistura de detritos “verdes” ricos em azoto e restos de plantas
“castanhos” ricos em carbono determina a qualidade de fertilização.
A trituração de ramos, ramagens e caules de plantas com o triturador de jardinagem
faz aumentar a superfície dos restos de plantas, favorecendo o apodrecimento através dos
micróbios e agentes de decomposição.

Nunca se deve amontoar grandes quantidades de um só material, mas sim misturar


sempre (por ex., relva cortada com aparas de madeira). A trituração poupa o trabalho de virar
e transferir o composto!
Colocar os recipientes de compostagem sobre a terra e nunca sobre placas de pedra.
Proteger contra excesso de água, humidade acumulada e contra a secagem (cobrir). Muito
Importante: bom arejamento.
O composto bruto não está pronto e as substâncias nutritivas nele contidas ainda não
estão de forma a serem aproveitadas pelas plantas. Contudo ele favorece grandemente a vida
dos solos. O composto bruto é ideal para utilizar como matéria triturada (mulching).
O processo de compostagem dura vários meses, consoante a estação do ano e a
temperatura ambiente.
O composto é o melhor adubo biológico. O cheiro a fungos é sinal de maturação.
O composto mais maduro já não contém quaisquer vermes. As substâncias nutritivas
são libertadas, podendo ser absorvidas pelas plantas. No entanto, o composto pronto não é
terra para plantas: é necessário misturá-lo com terra.
Da composição correta da matéria-prima depende a rapidez do processo de
decomposição e a qualidade do composto orgânico. O nitrogénio provém da parte verde, ou
seja, de aparas de relva, flores, folhas e vegetais. O carbono provém da parte lenhosa, ou seja,
dos ramos de árvores, sebes e arbustos.
Passos para a compostagem
1. ESCOLHA O LOCAL
De preferência à sombra, com um ponto de água e sem vento (para evitar a
secagem do composto).

2. PREPARE O FUNDO
Coloque uma camada de pequenos ramos para possibilitar o arejamento e impedir
a compactação.
3. MISTURE OS MATERIAIS
Disponha os resíduos verdes e castanhos em camadas alternadas, sendo a última
sempre de resíduos castanhos.

4. DEIXE AREJAR
Coloque a pilha de resíduos orgânicos em contacto com a terra para permitir a
entrada de microrganismos e a drenagem da água.

5. MANTENHA O COMPOSTO HÚMIDO


Regue sempre que necessário.

Materiais adequados para compostagem


Toda a matéria orgânica decomponível, proveniente do jardim e dos resíduos
domésticos, tais como restos de verduras, restos das colheitas, flores, sub arbustos, aparas de
relva, folhagem, restos da poda de árvores, arbustos e sebes, plantas de vasos e canteiros,
detritos domésticos (fruta e verdura, chá, café, ovos) e pouca quantidade de serradura.
Não recomendável para a compostagem

Ervas daninhas com muita


semente ou raízes e plantas
doentes, papel e papelão.

Totalmente desaconselhado

Todos os
materiais
metálicos, vidro e
plásticos.

Fatores que influenciam o processo de compostagem

TEMPERATURA - Deve medir-se a temperatura periodicamente, sendo


que a temperatura ideal deverá situar-se entre os 60 e os 65ºC.

AREJAMENTO - Sem oxigénio os microrganismos não conseguem respirar


e, por conseguinte, não conseguem realizar a compostagem. Daí que seja
necessário revirar a pilha de resíduos orgânicos para o arejar.

HUMIDADE - Para que os microrganismos possam atuar eficazmente, a


pilha de resíduos orgânicos deverá ter alguma humidade. Regularmente,
pegue numa porção da pilha de resíduos orgânicos e aperte. As mãos
deverão ficar húmidas, mas não deverá escorrer água.
Limpeza geral dosa jardins, tanques, lagos, jogos de água

Jardim

Um jardim é sempre uma mais valia para qualquer casa ou local público, mas um
jardim bonito pode mudar completamente a visão que temos de determinado imóvel ou
espaço. A relva impecável, as flores coloridas e, quem sabe, uma piscina de sonho, fazem com
que uma casa vire casa de revista, ou um jardim, local de relaxamento ou lazer, onde todos
gostam de estar. Mas para manter um espaço exterior assim, é importante ter em conta a
necessidade de manutenção do mesmo. A limpeza e o cuidado com as plantas, mobiliário e
decoração farão toda a diferença entre um jardim com potencial e um jardim de sonho!

1. Não deixar acumular folhas no chão

Um tapete relvado? Sim!


Um tapete de folhas secas?
Nem pensar! Por muito que
goste do ar de outono, as
folhas secas vão dar um ar
mais abatido e menos
convidativo ao seu jardim.

2. Cuidar das árvores e mante-las aparadas

Aparar as árvores do jardim vai ajudar a que as


mesmas cresçam de forma saudável e ornamentem o
espaço equilibradamente, evitando que doenças se
alastrem. O mesmo se deve fazer com os arbustos.
3. Mantenha a relva com uma altura máxima

Se o jardim tem uma área com relva, é muito


importante que esta se mantenha bem cortada. Em
relação à altura, é uma questão de gosto pessoal,
mas não convém deixá-la muito grande pois corre o
risco de dar um ar muito desleixado ao jardim.

4. Remover todas as ervas daninhas, de forma periódica

Outro aspeto que se deve ter em


atenção é o aparecimento e crescimento
de ervas daninhas. São horríveis e são
mesmo capazes de acabar com as
plantas. Deve-se ter sempre o cuidado
de as remover assim que elas apareçam,
para que não ganhem força nem abafem a beleza do jardim.

Tanques, lagos e jogos de água

Evitar a proliferação de insetos e microrganismos potencialmente prejudiciais, tratando


sempre da limpeza dos recursos hídricos do jardim: piscina, fontes, lagos, etc. É muito
importante que estas águas, principalmente as paradas, tenham uma boa higiene – caso
contrário, para além de ficar feio, poderá estar a contribuir para um foco de doenças incrível.

Limpeza de um lago ou tanque de jardim


Manter um lago bonito todo o ano requer uma manutenção cuidada. A limpeza de um
pequeno lago não é uma tarefa muito complicada, mas são necessários alguns cuidados
específicos, especialmente entre abril e outubro, altura em que frequentemente existe maior
queda de flores e folhas.
Ter cuidados de limpeza regulares com a manutenção do lago é também fundamental
não só para o manter bonito, mas também para a saúde dos seres vivos (como peixes, por
exemplo) que nele possam habitar.
Manter o Lago ou tanque limpo

Material vegetal morto e em decomposição (como folhas, ervas e flores, por exemplo)
poluem a água. Por isso, será sempre uma boa opção limpar uma vez por semana o lago com
uma rede adequada, especialmente nos períodos mais críticos entre a primavera e o outono.
Se o lago estiver rodeado de árvores pode também colocar-se a rede por cima deste para
apanhar as folhas que vão caindo.
Manter cerca de 60% da superfície da água do lago coberta de plantas como lírios de
água. Este tipo de
plantas vão ajudar a
manter a
temperatura da água
mais fria, dificultando
o crescimento e
propagação de algas,
que são
especialmente problemáticas nas alturas mais quentes do ano, deixando a água verde. Com a
ajuda destas plantas a água mantém-se limpa conforme as plantas vão crescendo.
No outono, quando as plantas em torno do lago ou tanque começarem a morrer e
secar é importante que sejam aparadas ou cortadas, de modo a evitar que possam cair na água
do lago.
Também os peixes ou outros seres vivos que habitem no lago podem ser uma grande
ajuda para manter a água do lago limpa todo o ano. Os peixes, por exemplo, podem comer as
algas que se vão formando, por isso, não lhes dê alimentação em excesso.

Temperatura

Controle a temperatura da água do lago regularmente, especialmente nos meses mais


quentes em que é frequente existir maior evaporação da água. Repor a água perdida e manter
os níveis de oxigénio adequados, quer seja através de plantas ou de uma bomba adequada.
Este pormenor é especialmente importante no caso de ter peixes a habitar o lago.
Glossário de termos

Drenagem – Operação que consiste em facilitar, por meio de drenos ou fossas, o escoamento
das águas nos terrenos demasiado húmidos.

Nemátodos – Fibroso, em filamentos.

Microclima – Conjunto das condições de temperatura, de humidade e de vento relativo a um


espaço homogéneo de pequena extensão à superfície do solo.

Limo - Mistura de água, argila e substâncias orgânicas.

Infesta – Fazer grandes estragos em.

Mulching - um tipo de cobertura para o solo que ajuda, e muito, a proteger a terra.

Retanchar - Pôr um bacelo no covacho de outro para o substituir.

Húmus – Camada superior do solo, composta em especial de matéria orgânica,


maioritariamente vegetal, decomposta ou em composição

Turfa - é um material de origem vegetal, parcialmente decomposto, encontrado em camadas,


geralmente em regiões pantanosas e também sob montanhas.

Microrganismo – Organismo excessivamente pequeno como as bactérias, os protistas, os vírus,


etc.

Penumbra – Ponto de transição da luz para a sombra.


Conclusão

A falta de uma manutenção adequada compromete a estrutura do jardim, o solo e as


próprias plantas. Muitas vezes, a forma original do jardim se descaracteriza e o encanto
causado pela presença de plantas saudáveis e bonitas deixa de existir.
São as medidas de conservação que garantem o sucesso ininterrupto de um projeto
paisagístico, além da preservação do investimento feito pelo homem. Este é um trabalho de
caráter contínuo e deve ser feito de forma sistemática e planeada. As regas devem ser
frequentes, respeitando a necessidade de cada planta. Além disso, as podas de formação e
limpeza precisam ser feitas em épocas certas do ano, procurando contribuir com o
desenvolvimento saudável da planta.
O preço e o tempo destinados a uma manutenção variam de acordo com o tamanho de
cada área verde, quer sejam gramados, canteiros ou vasos. Na ponta do lápis, percebe-se que o
que se paga para manter, é infinitamente inferior ao que se desembolsa para refazer. Com
cuidados simples e planejados podemos contribuir para que as plantas se manifestem em
jardins saudáveis, funcionais, viçosos, convidativos e com sua proposta original preservada.
Bibliografia

https://pt.scribd.com

http://www.ambisousa.pt

https://pt.wikipedia.org

Você também pode gostar