Você está na página 1de 80

SANGUE

• funções do sangue

• pigmentos respiratórios (hemoglobina,


hemocianina, hemeritrina, clorocruorina)

• Curva de dissociação do oxigênio (pressão do O2 por Saturação (%) de


oxigênio da hemoglobina)

• Fatores que influenciam a ligação do O2 com a hemoglobina:


temperatura , pH, fosfatos orgânicos, altitude, tamanho, difusão facilitada
do pigmento respiratório

• CO2 – curva de dissociação, anidrase carbônica (importância)


Circulação

Sistemas circulatórios
Todos os animais
exibem sistema
circulatório?
Esponjas, Cnidários, Platelmintos não possuem
sistema circulatório que transporte um líquido interno,
mas todos possuem mecanismos para propelir líquido.
Movimentação do sangue através
do corpo:

1. Forças provocadas por contrações rítmicas


2. Retração elástica das artérias
3. Compressão dos vasos sanguíneos
4. Contração de músculos lisos que envolvem
os vasos

Fluxo através de um gradiente de pressão


O tempo t em que uma molécula demora
para se deslocar de uma ponto A para um
ponto B é proporcional ao quadrado da
distância x
1. Órgão propulsivo principal

1. Peristáticas- e.g. Coração dos invertebrados- uma constrição num


“tubo” movimenta o sangue impulsionando-o para frente.

Fluxo unidirecional mesmo quando não há válvulas


1. Órgão propulsivo principal

2. Bombas com câmaras (tipo I): veias de paredes relativamente finas-


redução volumétrica ocorre devido a ação muscular adjacente- fluxo
sanguíneo contra a força da gravidade
1. Órgão propulsivo principal

3. Bombas com câmaras (tipo II): contração rítmica das paredes


forçam o sangue para fora da câmara
Componentes básicos do sistema
circulatório:

1. Órgão propulsivo principal

2. Líquido que circula no sistema

3. Sistema de tubos, canais e outros


espaços através do qual o líquido
circula
2. Líquidos que circulam no sistema

Líquido intersticial: líquido extracelular que banha os tecidos de invertebrados e


vertebrados

Mesmo animais que não apresentam sistema circulatório especializado são


capazes de propelir líquido intersticial pelo corpo por fluxo de massa

SANGUE: Líquido que circula dentro de um


sistema circulatório fechado

HEMOLINFA: Líquido que circula dentro de sistema


circulatório aberto

SISTEMA LINFÁTICO: sistema circulatório auxiliar


que movimenta o fluído resultante da
ultrafiltração nos vasos sanguíneos pequenos

SISTEMA SECUNDÁRIO nas brânquias de alguns


peixes – sistema análogo ao linfático
TIPOS DE CIRCULAÇÃO

Circulação fechada- sangue flui por um sistema de


tubos ou canos elásticos
Vertebrados, moluscos cefalópodos, equinodermos,
anelídeos: artérias, capilares e veias.

Circulação aberta- vasos interrompidos, o sangue flui


livremente nos tecidos
Invertebrados de maneira geral, tunicados e moluscos
não cefalópodes
SISTEMA CIRCULATÓRIO FECHADO

“Vantagens”:
1- sangue
transportado
diretamente para os
órgãos- controle na
distribuição
sanguínea,
2- circulação mais
rápida a altas
pressões e
3- diferentes
pressões no sistema
– ultrafiltração renal
SISTEMA CIRCULATÓRIO ABERTO

Vantagens:
1- baixa pressão- não requer
muita resistência de vasos

HEMOLINFA: flui
através de vasos
sanguíneos mas
quando entra em
contato com os seios
ela entra em contato
direto com os tecidos

Sangue (heme),
linfa e líquido
intersticial
indistinguível
SISTEMA CIRCULATÓRIO FECHADO X ABERTO
Vertebrados

Maior complexidade: vida aquática → terrestre

Peixes X Mamíferos
Ciclóstomos

Sistema parcialmente aberto

Característica: Coração branquial e corações acessórios


(caudais, cardinais e porta)
Ciclóstomos

Contração
dos
músculos a
esquerda
Haste de
Contrações alternadas cartilagem
Válvulas- fluxo unidirecional flexível

Movimento muscular no coração caudal


Peixes

Coração com 2 câmaras em série

Um Átrio e um Ventrículo

Diferenças entre elasmobrânquios e teleósteos- localização


do coração- em Elasmobrânquios em uma câmara rígida-
pressão negativa- sucção do átrio
Teleósteos- Durante a contração ventricular
a pressão sanguínea é elevada e
transmitida ao bulbo arterial elástico,
quando o ventrículo relaxa o refluxo é
impedido por válvulas
Elasmobrânquios-
Durante a sístole
(contração
ventricular) o coração
diminui de tamanho
(> pressão ventrículo
e pressão negativa
no átrio e seio
venoso). O átrio
contrai e o sangue flui
para o ventrículo. O
refluxo de sangue é
impedido por válvulas
Peixes

Anterior às brânquias

Algumas espécies possuem um pequeno coração caudal, em outras o


movimento corpóreo auxilia o retorno do sangue ao coração
Peixes
respiração aérea
acessória
Peixes Pulmonados

Início da separação da circulação pulmonar da do


restante do corpo
PEIXES PULMONADOS

• Brânquias menores- menor perda de O2 para o meio


• Átrio divido em duas câmaras e ventrículo parcialmente dividido.
• Sangue dos pulmões-retorna ao átrio esquerdo e o direito recebe sangue
do corpo (desoxigenado). O sangue arterial segue para a cabeça e o
desoxigenado para as brânquias e destas para o corpo.
Anfíbios
Átrios separados e ventrículos não dividido

O átrio esquerdo recebe


sangue dos pulmões e o
direito do sistema- válvula
espiral direciona o
sangue para o sistema
pulmocutâneo ou
sistêmico
Fluxo do sangue venoso para o sistema
pulmocutâneo- vantagens- desvios do influxo
sanguíneo para a pele durante mergulho
Répteis

Não crocodilianos – 2 átrios separados, 3


ventrículos parcialmente

Sangue praticamente sem


mistura
Sangue desoxigenado entra no átrio
direito e flui para o Cavum Venosum.
Vai para o Cavum Pulmonale

O Sangue oxigenado entra pelo átrio


esquerdo chega ao Cavum Arterial e
daí segue para a aorta esquerda e
direita para o sistema

Desvio D-E- atalho do sangue


desoxigenado dos pulmões para a
circulação sistêmica novamente

Adaptação para mergulhos?


Répteis
Crocodilianos completamente divididos -
forâmen no arco aórtico

Durante mergulho apresentam


alterações- forâmen entre os dois arcos
aórticos-
desvio da circulação pulmonar durante
mergulho.
Aves e mamíferos
Separação completa entre circulação sistêmica e
pulmonar

Diferentes pressões na circulação sistêmica e


pulmonar

Pressão maior na sistêmica

Diferenças anatômicas - arco aórtico esquerdo em


mamíferos e direito em aves
Mamíferos Aves
O circuito sistêmico e pulmonar
completamente separado em aves
e mamíferos são relativamente
inflexíveis, pois o sangue não pode
ser desviado de uma parte do
sistema para outra

Isto representa um problema?

Não, visto que estes animais respiram a


taxas relativamente contínuas, assim a
habilidade de desviar o fluxo de sangue
dos pulmões não foi uma força
importante para moldar a evolução do
sistema circulatório destes grupos
Invertebrados

•Maioria sistema aberto

•Fechado apenas em alguns grupos


Anelídeos
Vasos secundários Coração peristáltico

Grande vascularização da superfície da pele (obtenção de O2) e Vários corações com


dilatações contráteis→ Vaso dorsal- ondas peristálticas levam o sangue para a região
anterior do corpo, Vaso ventral no qual o sangue segue o fluxo contrário e Vasos
laterais -conectam o vaso dorsal e o ventral (corações acessórios)
Anelídeos
Anelídeos

Qual é o valor adaptativo de um sistema circulatório


tão complexo e presença de pigmento respiratório?
Anelídeos

Um sistema circulatório bem desenvolvido e a presença de pigmento


respiratório possibilita a vida de anelídeos de grande porte que realizam
trocas gasosas apenas pelo tegumento
Equinodermos
3 sistemas preenchidos por fluidos
1. Sistema celômico- entre a parede do corpo e o trato digestivo-
transporte de nutrientes
2. Sistema Vascular aqüífero- locomoção – sistema hidráulico- pés
ambulacrais
3. Sistema Hemal- em alguns pepinos do mar tem a presença de
hemoglobina
Pepino do mar – P50 do O2 – 5 e 10 mmHg (alta afinidade pelo O2) e ausência de
efeito Bohr- características adaptativas para ambientes hipoxicos
Moluscos
Sistema aberto – maioria
Pode ser utilizado como sistema hidráulico para a
locomoção e há um nível, mesmo que pequeno de
direcionamento do sangue para os pés.

Sistema fechado
Polvo e lulas
Sistema de alta pressão- reservatório de pressão-
capacidade natatória única.
Moluscos

Possivelmente o sistema circulatório


fechado dos cefalópodes evoluiu a
partir de um ancestral cujo sistema
circulatório era aberto (Nautilus)
Insetos
Membranas longitudinais
Órgãos pulsáteis

óstios

Musculatura aliforme

Coração dorsal com uma musculatura chamada de aliforme que


quando contrai permite a entrada de sangue no coração através dos
óstios

Corações acessórios nas asas e antenas- não coordenados ao


coração dorsal

Membranas longitudinais nos membros e antenas – fluxo


bidirecional.

Sistema circulatório- transporte de hormônios e transmissão e


dispersão de calor
Aracnídeos
Semelhante a insetos, porém maior papel na respiração
(hemocianina e sangue banhando o sistema laminar)

Coração no dorso do abdome- se enche pelos óstios - aorta


para as pernas

Funções- Transporte de gases e Força hidrostática nos saltos

Podendo alcançar 400 mmHg de pressão (~0,5ATM)


Crustáceos
• Presença de pigmentos
respiratórios
• Decápodes sistema circulatório
mais desenvolvido
• Coração dorsal (sangue entra
através de óstiios)- artéria
dorsal- seios ventrais (perfusão
nos tecidos)- artéria ventral-
brânquias- coração
Coração carrega sangue
oxigenado- diferente dos peixes
Crustáceos

Estruturalmente é um sistema aberto mas


funcionalmente atua como um sistema fechado

 Há controle na abertura dos óstios do coração (fluxo


sanguíneo)
 Vasos sanguíneos com válvulas musculares
 Seios pequenos que atuam funcionalmente como vasos
sanguíneos
Crustáceos

“Para animais mais ativos uma alta capacidade de transporte de gases


(presença de pigmentos respiratórios) e mais importante que para
animais mais lentos e sedentários--- custos envolvidos na produção do
pigmento”
Sistemas circulatórios
fechados evoluíram
independentemente à partir de
sistemas abertos ancestrais.
Evolução Convergente Diferem em estrutura mas não
funcionalidade
Insetos????

Organismos altamente
ativos com alta demanda
de oxigênio

Sistemas circulatórios
fechados evoluíram
independentemente à partir de
sistemas abertos ancestrais.
Evolução Convergente Diferem em estrutura mas não
funcionalidade
Como suprir de oxigênio um mamífero pequeno com
uma alta taxa metabólica?

• Meios químicos: maior • Meios físicos:


capacidade sanguínea de 1. Uma bomba maior
transporte (mais 2. Aumento do volume
hemoglobina) sistólico
É semelhante em 3. Aumentando a freqüência
mamíferos- independe do dos batimentos cardíacos
tamanho
4. Aumento da extração de
O2 do sangue venoso
Como suprir de oxigênio um animal pequeno com uma
alta taxa metabólica?
Mcardíaca = 0,0059 Mcorpórea0.98

• Meios físicos:
1. Uma bomba maior
2. Aumentando a freqüência
dos batimentos cardíacos
3. Aumento do volume
sistólico
4. Aumento da extração de
O2 do sangue venoso
As grandes diferenças nas taxas metabólicas não se refletem no tamanho do
coração
Inclinação da reta= 0.98 não é significativamente diferente de 1.
Tamanho do coração do mamífero varia na proporção de 1 para 1 com sua
massa
Sendo que o coração corresponde a aproximadamente 0.59% da massa
corpórea do animal
Como suprir de oxigênio um animal pequeno com uma
alta taxa metabólica?

Homem repouso 70 BPM • Meios físicos:


Elefante 25 BPM
Musaranho em repouso 600 PBM 1. Uma bomba maior
Em atividade 1200 em colibris e
2. Aumentando a freqüência
morcegos
Fc (min-1) dos batimentos cardíacos
repouso
3. Aumento do volume
sistólico
Fc = 600min-1 Fc = 241M-0,25
4. Aumento da extração de
O2 do sangue venoso
Em mamíferos o aumento
da taxa de bombeamento
(freqüência cardíaca) em
Fc = 25min-1 animais menores aumenta
na proporção exata da
demanda de O2 durante o
0,003 Massa (Kg) 3.000 repouso (0,25)
Volume sistólico- Volume de sangue que percorre o
coração durante a sístole- Dependente do tamanho do coração
mas pode ser aumentado durante a atividade

• Meios físicos: 1 1’
1. Uma bomba maior
2. Aumentando a freqüência 2 2’
dos batimentos cardíacos
3. Aumento do volume 3 3’
sistólico
4. Aumento da extração de Quando o ventrículo se contrai
O2 do sangue venoso nem todo o sangue é expulso do
coração
Adrenalina- pode aumentar a
força da contração
Quanto mais distendido estiver o
músculo mais força terá a
contração
Volume sistólico- Volume de sangue que percorre o
coração durante a sístole- Dependente do tamanho do coração
mas pode ser aumentado durante a atividade

influenciado por • Meios físicos:


1- hormônios (adrenalina)- aumenta 1. Uma bomba maior
a força de contração e;
2. Aumentando a freqüência
dos batimentos cardíacos
2- quantidade de sangue nos
ventrículos quando se inicia a 3. Aumento do volume
contração (o coração vai se sistólico
contrair mais, expulsando maior
4. Aumento da extração de
quantidade de sangue, se estiver
mais distendido durante a O2 do sangue venoso
contração- retorno venoso ao
coração)

Maior retorno venoso- maior a distensão do músculo cardíaco- maior a


contração- maior volume sistólico (lei de Starling)
Como suprir de oxigênio um animal pequeno com uma
alta taxa metabólica?

• Meios físicos:
1. Uma bomba maior
Débito cardíaco 2. Aumentando a freqüência
dos batimentos cardíacos
Volume de sangue bombeado pelo
coração por unidade de tempo- é 3. Aumento do volume
dependente da frequência e do volume sistólico
sistólico
4. Aumento da extração de
O2 do sangue venoso
Durante a atividade quando o volume de
oxigênio consumido é maior o débito
cardíaco aumenta, porém não
proporcionalmente ao volume de oxigênio
consumido. Parte do aumento é coberto na
diferença arteriovenosa de oxigênio (mais
O2 é extraído do sangue venoso)
Débito Cardíaco
Repouso X Durante a atividade

Truta de 1 kg Repouso Atividade

Q (ml/min) = 17,4 52,9 (3,04 x)

Vs = 0,46ml 1,03ml (2,24 x)


8 x VO2 Fc = 37,8/min 51,4/min (1,36 x)

Aumento da capacidade do sangue em obter O2


Pomba de 0,4 kg Repouso Atividade

Q(ml/min) = 195,5 1065 (5,4 x)


Vs = 1,70ml 1,6 (0,9 x)
10 x VO2 Fc = 115/min 670/min (5,8 x)
Aumento na extração de Oxigênio
Aumentar o Débito cardíaco
Aumentar a quantidade de O2 liberado nos tecidos
~100 x VO2
Repouso Atividade

Fh 70 BPM 200 BPM


Vh 70 ml 100 ml
Qh 4900 20000

Aumento de 46 X

Extração de
O2 = 32% 85%
Aumento na extração de Oxigênio
REGULAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS
Distribuição do fluxo
Distribuição desigual

Modifica-se devido a fatores


Atividade
Controle da temperatura (e.g. circulação periférica diminui em
temperaturas mais baixas)
Vasos sanguíneos
Artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias
Morfologia, anatomia e histologia diferem

Maior ramificação maior área


coberta
Maior volume sanguíneo
Maior pressão
Sistema venoso- reservatório Menor velocidade
em relação ao
de volume em relação ao
sistema venoso
Sistema arterial- reservatório sistema venoso e
de pressão arterial
Fluxo em tubos
Mecânica de fluidos

Nos pés aumenta a


pressão venosa devido ao
Tubo horizontal Tubo em U aumento dado pela altura
da coluna- retorno venoso
auxiliado pela presença de
51 válvulas e músculos
envolvendo as principais
veias nas pernas

100 Quando deitado o


fluxo sanguíneo seria
similar a um tubo
horizontal em que a
95 100 95 presença de atrito
183 diminui a pressão no
sistema
Pressão sanguínea
Mecânica de fluidos

Girafa X Seres humanos

Maior pressão para que


o sangue chegue ao
cérebro, artérias
espessas para evitar
Pressão 100 mmHg
colapso e sistema
venoso cheio de
válvulas para facilitar o
retorno sanguíneo dos
4m Pressão 260 mmHg membros
Pressão 50 mmHg

Pressão 100 mmHg


Pressão sanguínea
Mecânica de fluidos

Serpentes possuem
pressões baixas

Serpentes terrestres tem


pressões arteriais menores

Serpentes arborícolas
possuem pressões arteriais
maiores
Capilares- como ocorrem as trocas

Pequena espessura (1 µm)- difusão

Pressão no interior do capilar força o fluído para


fora – filtração de massa (retenção de proteínas-
aumento da pressão coloidosmótica- efeito
osmótico devido a retenção de moléculas de
grande peso molecular no interior dos capilares)
˃ pressão- fluído é forçado ˃ pressão coloidosmotica-
para fora do capilar fluído entra no capilar

Ligeiramente menor-
sistema linfático realiza
a drenagem do fluído
perdido pelo sistema
capilar retorne ao fluxo
sanguíneo