Você está na página 1de 53

PROFESSOR: ANDRÉ

LOIOLA
CONTEÚDO: LOGÍSTICA E
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
DATA: 25/03/2019
29 - Logística Reversa
A logística reversa se preocupa com o destino que um produto terá
ao chegar ao final de sua vida útil.
A prática da logística reversa faz com que a empresa reduza alguns
custos, além de ajudá-la a construir uma imagem de responsabilidade
ambiental diante dos seus consumidores.

Podemos dizer que a logística reversa é a logística de trás para frente.


A logística reversa ocorre por dois motivos. Ou pelas regulamentações de descarte correto de
determinados produtos, como agrotóxicos, baterias de celulares... Ou para agregar valor ao que
pode ser seu “lixo”.

119
Há três fatores que impulsionam a pratica da logística reversa:

1. A consciência e a preocupação com o meio ambiente vêm crescendo na mente


das pessoas.
2. O avanço tecnológico oferece maiores possibilidades e facilidades para reciclar os
materiais.
3. A legislação exige que alguns materiais tenham tratamento adequado após o
uso.

120
A logística reversa se utiliza principalmente dos transportes.
Vejamos um exemplo bem claro de logística reversa
As cervejarias, ou mesmo a Coca-Cola, elas possuem bebidas em garrafas que são
retornáveis. Essas garrafas são utilizadas mais de uma vez. Tendo esse processo eles
aproveitam o frete. Pois o caminhão vai cheio com bebidas para entrega e volta com as
garrafas retornáveis, o que seria diferente sem a logística reversa, o caminhão voltaria
vazio.
Isso significa que a empresa reduz gastos com a embalagem do seu produto, uma vez que
não terá que adquirir novas garrafas, e sim somente higienizá-las. E o melhor, ele está
fazendo um bem para o meio ambiente, pois os vidros levam tempo indeterminado para se
decompor. Tudo isso a empresa faz sem gerar custos a mais, uma vez que esse frete já está
sendo embutidos no custo das bebidas que foram entregues.

121
Por Que Fazer Logística Reversa?
Política Nacional de Resíduos Sólidos
– O que era estratégia virou obrigação

122
UM CONTATO INICIAL COM
A PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

123
UM CONTATO INICIAL COM
A PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos
O que é? Lei 12.305 de 2010
Segundo o Ministério do Meio Ambiente:
“A Política Nacional de Resíduos Sólidos contém instrumentos importantes
para permitir o avanço necessário ao País no enfrentamento dos principais
problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo
inadequado dos resíduos sólidos.”
www.mma.gov.br/política-de-resíduos-sólidos

124
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos
Lixo x Resíduo Sólido "Lixo é resíduo sólido da atividade de um aglomerado
humano” (Lucas Nogueira Garcez)

125
UM CONTATO INICIAL COM
A PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos
Características do Lixo Humano
• Inevitável - Produção (Resíduos) x Consumo (Resíduos/Descarte)
• Grande heterogeneidade de composição - Alimentos, ciscos, excrementos
animais...
• Grande variação de volume - Clima, padrão de vida, período econômico...
Daí a necessidade de legislação específica - O que ela diz?

126
UM CONTATO INICIAL COM
A PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

127
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

Ciclo de Vida dos


produtos

128
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos
Ciclo de Vida dos Produtos: Responsabilidade Compartilhada
De quem?
Fabricantes
Importadores
Distribuidores
Comerciantes
Consumidores
Titulares dos serviços públicos de limpeza urbana
129
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos
O que a lei estabelece?
“Lixo” é responsabilidade de todos
• Incentivos Fiscais e Financeiros
• Cooperativas de catadores de recicláveis
• Coleta seletiva e logística reversa
• Fundo Nacional do Meio Ambiente
Fiscalização sanitária e ambiental
Educação ambiental
Fim dos lixões
130
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

O “Lixo” é responsabilidade de todos


O resíduo deve voltar aos seus geradores:
• Tratados
• Reaproveitados

131
UM CONTATO INICIAL
COM A
PNRS - Política Nacional
de Resíduos Sólidos

132
UM CONTATO INICIAL
COM A
PNRS - Política Nacional
de Resíduos Sólidos

133
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

Para os Consumidores
• Levar os resíduos aos pontos
de coleta

134
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

Para os Catadores / Separadores


• Coletar, separar resíduos
• Enviá-los para a reciclagem

135
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

Para os Lojistas / Distribuidores


• Encaminhar os resíduos aos
produtores

136
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

Para Produtores:
• Separar e reaproveitar o que
for possível
• Dar destino adequado aos
resíduos “inúteis”

137
UM CONTATO INICIAL COM A
PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos

Não é
exclusividade do
Brasil

138
139
Existem dois tipos
Canais de Distribuição Reversos de Pós-Consumo
Canais de Distribuição Reversos de Pós-Venda

140
Retorno de produtos consumidos
Por quê retornar um produto consumido?
• O produto não tem mais uso
• O produto ficou obsoleto (nas mãos do usuário)
• O produto quebrou

141
Três diferentes categorias
• Reciclagem
• Reuso
• Desmanche

142
Reciclagem
• Processamento
industrial para
reaproveitamento

143
Reuso
Reutilização sem modificação significativa
• Pode ser com finalidade diferente

144
Desmanche
Reutilização de partes
• Sem exigir processamento industrial

145
Canais de Distribuição Reversos
CDR de Pós-Venda
Retorno de produtos não consumidos
Por quê retornar produto não consumido?
• Estoques excessivos / produtos em consignação
• Finalizou a validade do produto (perecíveis)
• O produto ficou obsoleto (na prateleira)
• Defeito de fabricação

146
Canais de Distribuição Reversos
CDR de Pós-Venda
Três diferentes categorias de fluxo reverso
• Retornos comerciais
• Retorno por garantia e/ou qualidade
• Devoluções por substituição de componentes

147
Canais de Distribuição Reversos
CDR de Pós-Venda
Retornos Comerciais
• Devoluções por erros de expedição
• Retorno de produtos em consignação
• Defasagem (fora de moda, sazonalidade...)
• Deve ser definido em contrato

148
Canais de Distribuição Reversos
CDR de Pós-Venda
Retornos por Garantia e/ou Qualidade
• Produtos defeituosos
• Produtos danificados (p.e.: no transporte)
• Prazo de validade expirado

149
Canais de Distribuição Reversos
CDR de Pós-Venda

Devolução por Substituição de Componentes


• Manutenção e consertos

150
151
AVALIANDO O DESTINO DOS RESÍDUOS
Destino dos Resíduos Pós-Consumo
Consumo Crescente
• Produção e Descarte
• Obsolescência Programada!
Reduzir/Reaproveitar/Reciclar
• Reciclar é viável?
• Preço de Venda
• Preço da Coleta + Transporte + Processamento
• E o custo da degradação ambiental?
Viabilidade individual x sociedade
152
AVALIANDO O DESTINO DOS RESÍDUOS
Destino dos Resíduos Pós-Consumo
Reaproveitar e Reciclar: depende do tipo
Composição Química: Orgânicos x Inorgânicos
Origem
• Domiciliar
• Comercial
• Varrição de Feiras Livres
• Serviços de Saúde e Hospitalares
• Portos, Aeroportos e Terminais Rodoviários
• Industriais
• Agrícolas
• Entulhos
• Rejeitos de Mineração
153
AVALIANDO O DESTINO DOS RESÍDUOS
Destino dos Resíduos Pós-Consumo

Reaproveitar e Reciclar:
depende do tipo – Tipo

154
AVALIANDO O DESTINO DOS RESÍDUOS
Destino dos Resíduos Pós-Venda
Depende do tipo de retorno
Retornos comerciais
• Encaminhamento para outros distribuidores
• Vendas em pontas de estoque
• Promoções

155
AVALIANDO O DESTINO DOS RESÍDUOS
Destino dos Resíduos Pós-Venda
Depende do tipo de retorno
Retornos por Garantia/Qualidade
• Remanufaturamento / Revenda
• Reposicionamento (CPUs) / Revenda
• Tratamento/descarte

156
AVALIANDO O DESTINO DOS RESÍDUOS
Destino dos Resíduos Pós-Venda
Depende do tipo de retorno
Substituições de Componentes
• Remanufaturamento / Revenda
• Ponta de estoque / pequenos defeitos
• Reciclagem
• Tratamento/Descarte

157
158
Logística Reversa e Competitividade
Logística reversa é custo?
• Sim!
Ele deixa de existir se a empresa não fizer?
• Fica para a sociedade!

Essa lógica precisa mudar!


• Quem deve pagar? Consumidor e Produtor?
159
Logística Reversa e Competitividade
Como competir se concorrentes não fazem?
• Incentivos fiscais (p.ex.: redução de IPI)
• Reaproveitamento/Reciclagem
• Marketing

160
MEDINDO O
DESEMPENHO LOGÍSTICO

161
Desempenho Logístico
• Diferentes Perspectivas
– Custos
– Serviço ao cliente
– Produtividade Medidas Internas
– Gestão de ativos
– Qualidade

– Benchmarking Medidas Externas


Medidas de Desempenho
162
Desempenho: Custo
Custoreal: decorrência direta do desempenho logístico
• Essência do processo orçamentário logístico
• Valores totais
Exemplos
• Análise do CustoTotal
• CustoUnitário
• Custo como Porcentual de Vendas
• Frete de Suprimentos
• Frete de Entrega
• Custos do Depósito
163
Desempenho: Custo
Custoreal: decorrência direta do desempenho logístico
• Essência do processo orçamentário logístico
• Valores totais
Exemplos
• CustosAdministrativos
• Processamento de Pedidos
• Mão de ObraDireta
• Comparação Valor Real x Orçado
• Análise de Tendência deCustos
• Rentabilidade Direta aoProduto
164
Desempenho: Produtividade
Produtividade: mede desempenho organizacional
• Relação entre resultados e recursos usados
• TaxasouÍndices
Exemplos
• Unidades expedidas por funcionário(s)
• Unidades por dólar de mão deobra
• Pedidos por representante(s) devendas
• Comparação com padrões históricos
• Programas de metas
165
Desempenho: Ativos
Mensuração de Ativos: mede investimentos e aplicação de recursos
• Investimentos em instalações eequipamentos
- Retorno sobre investimento
• Aplicação de capital de giro emestoque
- Velocidade de Rotação
Exemplos
• Custo de manutenção de estoque
• Rotação de estoque
• Níveis de estoque

166
Desempenho: Ativos
Mensuração de Ativos: mede investimentos e aplicação de recursos
• Investimentos em instalações eequipamentos
- Retorno sobre investimento
• Aplicação de capital de giro emestoque
- Velocidade de Rotação
Exemplos
• Número de dias de suprimento
• Obsolescência de estoque
• Retorno do patrimônio líquido
• Retorno do investimento
167
Desempenho: Qualidade
Medidas de Qualidade: avaliações orientadas aos processos
• Eficácia de um conjunto deatividades
- Não se preocupa tanto com atividades individuais

Exemplos
• Índice deavarias
• Valor dasavarias
• Número de devoluções
• Número de solicitações decrédito
• Custo de mercadorias devolvidas
168
Desempenho: Qualidade
Benchmarking: medida externa
• Manter perspectiva orientada aocliente
• Obter ideias inovadoras de outros setores

169
Desempenho: Serviços ao Cliente

Serviços ao Cliente: verdadeira fonte de vantagem competitiva


• Veremos mais a frete!

170