Você está na página 1de 6

INTERPRETAÇÃO DA PAREIDOLIA E DA ARTE RUPESTRE

RESUMO: A Pareidolia visual ocorre quando padrões significativos representando


objetos familiares são vistos no que, na realidade, são dados aleatórios ou sem sentido. É
importante para a antropologia por duas razões: como um fenômeno psicológico do
sistema visual humano; e por causa de seu importante papel na interpretação de arte
rupestre. Uma vez que o cérebro tenha sido condicionado a antecipar padrões específicos,
ele tende a descobri-los com estimulação mínima, porque a maior parte da informação
processada pelo centro visual humano deriva de dentro do cérebro. A detecção do padrão
criativo que constitui a "interpretação" da arte rupestre é efetivamente uma projeção do
significado inventado nas marcas mudas na rocha. A percepção de um detetive moderno
busca o motivo por detalhes que ressoam com seu sistema visual, da mesma forma que o
pareidolia opera. Decide arbitrariamente quais aspectos são naturalistas e quais não são,
e se decide quais aspectos da imagem são diagnósticos. No entanto, o cérebro do
observador moderno da arte rupestre difere significativamente de seu criador, e a noção
de que conhecedores de arte rupestre podem de alguma forma conjurar os significados
êmicos de motivos de arte rupestre a partir das experiências passadas de seus próprios
cérebros está equivocada. Este artigo ilustra o envolvimento da pareidolia na apreciação
da arte rupestre através de uma série de exemplos e tentativas de explicar essas
observações.

PALAVRAS-CHAVE: Pareidolia - Apophenia - Sistema visual – Grafismos Rupestres -


Arte rupestre - Petroglifo – Interpretação Iconográfica

INTRODUÇÃO

A Pareidolia é um fenômeno psicológico no qual o sistema visual humano percebe um


padrão figurativo onde nenhuma imagem realmente existe. O termo também é aplicado a
sons, por exemplo, quando mensagens ocultas são percebidas em gravações sonoras
(Vokey, Read 1985, Zusne, Jones 1989). O tema da interpretação pareidólica da arte
rupestre foi considerado antes (por exemplo, Bednarik 2013a), mas, apesar de sua grande
importância para a disciplina da ciência da arte rupestre, não foi examinado em nenhum
detalhe. Uma experiência recente na Mongólia Interior levou a essa exploração da
questão.

Pareidolia é uma forma de apofenia (ou padronização; Shermer 2008), a tendência


humana de perceber padrões significativos dentro de dados aleatórios (Brugger 2001). O
"significado anormal" que define a apofenia está enraizado neurologicamente na
capacidade do cérebro de filtrar a massa de informação sensorial recebida para detectar
sinais significativos, sejam eles auditivos ou visuais. No efeito de preparação mental, o
cérebro e os sentidos estão preparados para interpretar estímulos de acordo com um
modelo esperado. Esse processo, chamado de "aprendizagem de associação", é
fundamental para todo o comportamento animal, mas no caso do cérebro humano
altamente evoluído, "falta um regulador de detecção de erros para modular o mecanismo
de reconhecimento de padrões" (Shermer 2008). Isso não tem efeito negativo na seleção
natural, porque o custo de ver um padrão falso como real é significativamente menor do
que o custo de não detectar um padrão real; daí a seleção natural favorecerá a
padronização. O engano da percepção visual é "paradoxalmente uma ambiguidade de
percepção que teria valor durante o Pleistoceno" (Bednarik 1986, 202). Faz sentido para
a seleção natural favorecer estratégias que façam associações causais incorretas, a fim de
estabelecer aquelas que são essenciais para a sobrevivência e a reprodução. Esta é a base
para explicar a apofenia e, mais especificamente, a pareidolia: no Pleistoceno, fazia
sentido mudar para uma resposta de voo, mesmo quando o urso das cavernas percebido
era apenas uma rocha em forma de urso. Nosso sistema visual é muito lento: ninguém
jamais viu o presente, são necessários centenas de milissegundos para processar seus
dados no cérebro; portanto, o tempo é essencial e o que o tálamo envia ao córtex é, na
verdade, uma aproximação precipitada. A veracidade da informação não era
necessariamente de primordial importância, assim como a criação de construções
humanas da realidade tem pouca base na verdade:

Desde que a estrutura lógica internamente consistente não seja desafiada por ela, não há razão para
supor que uma cosmologia cultural ou modelo epistemológico totalmente falso não possa ser formado e
mantido indefinidamente por uma espécie inteligente ... o sucesso evolucionário é irrelevante para o
objetivo mérito ou validade de tais modelos (Bednarik 2011, 6–7).

Da mesma forma, tanto a apofenia como a pareidolia têm sido vantajosas na evolução
humana, apesar de serem crenças inteiramente errôneas, e sem dúvida contribuíram para
a formação da falsa construção da realidade que adotamos hoje. Portanto, elas não são
ferramentas úteis na pesquisa de arte rupestre, onde a questão da veracidade é de suma
importância e o raciocínio de causa e efeito precisa ser aplicado em vez do pensamento
associativo. Seus efeitos precisam ser examinados de perto e tal revisão pode se beneficiar
de um projeto sistemático. Primeiro, vários exemplos precisam ser descritos e analisados,
isto é, os elementos ou estrutura do fenômeno precisam ser submetidos a um exame
detalhado. Isso vai ajudar numa melhor apreciação dos efeitos da pareidolia, como eles
se manifestam em exemplos práticos ligados a paleoarte, e vai levar à identificação dos
fatores subjacentes. Esse processo deve então facilitar a formulação de uma síntese geral
do impacto da pareidolia nos pintores de arte rupestre.

PINTURAS NAS ROCHAS

Como editor da revista Rock Art Research desde sua fundação em 1984, recebemos
muitas dúzias de submissões sobre rochas de propriedades icônicas de uma forma ou de
outra, e testemunhamos inúmeros exemplos de crença fervorosa em fenômenos
pareidólicos.

Algumas dessas experiências pareciam bastante bizarras. Uma mulher relatou que
encontrou imagens dentro de pedrinhas quando as separou, e alegou que essas fotos
haviam sido colocadas lá deliberadamente por aborígines. Em outra ocasião, examinamos
Cedar-by-the-Sea, um sítio petroglifo na Ilha de Vancouver, na costa oeste do Canadá
(Hill, Hill 1974: 99). O proprietário se esforçou muito para nos convencer de que, além
dos vários petróglifos do local, há também uma decoração intricada na superfície da
rocha. Nós simplesmente não conseguimos ver o que ela queria dizer e demorou algum
tempo para perceber que ela percebia os padrões gerais de intemperismo em escala
submilimétrica no pavimento da rocha como tendo sido criados por humanos. Explicação
do fenômeno como acréscimos minerais naturais e suas modificações foi recebida com
incredulidade.

Estas são manifestações relativamente incomuns, bastante extremas, da visão pareólica,


nas quais nenhuma consideração foi dada à lógica ou à razão. De longe, a forma mais
comum diz respeito às pedras em cuja morfologia o sujeito percebe a semelhança de um
objeto. Na grande maioria dos casos, as pedras parecem animais ou rostos. As pedras
podem variar do tamanho do seixo ao tamanho do pedregulho; podem ser de depósitos
aluviais e arredondados ou podem ser fraturados, caso em que as fraturas são percebidas
como antropogênicas e deliberadas. A maioria, se não todas, as reivindicações nesta
categoria são que os objetos datam dos períodos Paleolítico Inferior ou Médio (por
exemplo, Matthes 1969, Benekendorff 2012). Várias centenas de pessoas estão
envolvidas na coleta dessas pedras, e algumas delas estão conectadas a uma rede
internacional. Estes aficionados são encontrados particularmente no norte da França,
Holanda, Inglaterra e norte da Alemanha, muitas vezes em regiões onde os depósitos de
sílex são comuns. Flint tem a característica de Robert G. Bednarik de ser fraturado
facilmente por vários processos naturais, o que muitas vezes resulta em peças de formato
incomum que atraem a atenção dos colecionadores. No entanto, o fenômeno não se limita
inteiramente ao noroeste da Europa; também foi notado em outras partes do mundo, como
os Estados Unidos e a Austrália. Conhecemos vários desses coletores de pedras e
entramos em contato com muitos outros que procuraram garantir nosso apoio a seus
pontos de vista. Muitos deles possuem um bom conhecimento arqueológico; a maioria é
acessível ao argumento racional, mas todos insistem que os primeiros hominídeos foram
capazes de detectar propriedades icônicas em pedras e que o que eles estão encontrando
apenas satisfaz essa expectativa.

A questão é complicada pelo fato de que pelo menos alguns hominídeos do Paleolítico
Inferior possuíam de fato a capacidade de ver a semelhança entre um objeto natural e um
que se assemelha. Duas pedras de formas naturais foram modificadas para enfatizar suas
propriedades figurativas por pessoas do Acheuliano. A proto-estatueta Tan-Tan do
Marrocos é de um depósito de ocupação que se acredita ser da ordem de 400 ka (400.000
anos) (Bednarik 2003). É uma peça de quartzito que foi moldada por processos naturais,
mas como se assemelha a um corpo humano, essa semelhança foi acentuada pela adição
de vários sulcos e, em seguida, o objeto foi revestido de hematita. Outra protofigura, de
Israel, é uma pedra de tufo e escória com a forma natural de uma cabeça feminina,
pescoço, tronco e braços, escavados de um depósito de ocupação com mais de 230 ka
(Goren-Inbar 1986). Verificou-se que ele foi superficialmente modificado pela adição de
ranhuras e abrasão de certos aspectos, destacando também uma semelhança com uma
figura feminina (Marshack 1996, 1997). Um terceiro exemplo é um elenco de chocos
fósseis encontrado em um local de habitação do Último Acheuliano em Erfoud Site A-
84-2, Marrocos (Bednarik 2002). Tais fósseis não ocorrem naturalmente naquela região
e, como manuta, esse fragmento tem uma semelhança tão forte com um pênis humano
que, presumivelmente, isso também foi percebido pelo hominídeo que o depositou na
estrutura do abrigo. Outros achados relevantes são os modelos fósseis coletados por
hominídeos do Paleolítico Inferior e Médio, o que sugere que a semelhança entre eles e
seus referentes vivos foi reconhecida. O espécime mais antigo que sugere tal
reconhecimento, no entanto, é significativamente mais antigo. As pedras de Makapansgat
foram transportadas por uma grande distância e depositadas em uma caverna de dolomita
sul-africana de 2,5 a 3 milhões de anos atrás. Está completamente inalterado, mas consiste
de uma pedra vermelha incomum e muito dura, jaspilite e sua semelhança com uma
cabeça é tão marcante que se acredita ter sido apreciada por um hominídeo no momento
da aurora da linhagem humana (Bednarik, 1998).

Portanto, a crença dos colecionadores de milhares e milhares de "figuras de pedra", de


que tal reconhecimento de propriedades icônicas em produtos naturais era possível para
pessoas do Paleolítico Inferior, é perfeitamente justificada. No entanto, a grande maioria
de suas pedras coletadas não foi encontrada em locais de ocupação demonstrados; eles
são achados aleatórios, principalmente de camas de cascalho que não contêm ferramentas
de pedra. Sem um contexto arqueológico, não há razão para atribuí-los aos hominídeos,
porque o fato de que eles podem se assemelhar aos biomorfos é simplesmente atribuível
ao acaso: uma certa porcentagem de todo o rio poderia ser interpretada como tal por
pessoas que têm alta suscetibilidade a pareidolia. O mesmo se aplica a pedaços
naturalmente quebrados de pederneira. Isso ainda não significa que tal objeto de um
depósito arqueológico genuíno, contendo ferramentas de pedra paleolíticas e outras
evidências, deve necessariamente ser um objeto de paleoarte. Pode ser, mas o ponto
precisa ser demonstrado, e os dois fatores de significância são a presença forense de traços
de trabalho e a propriedade de ser de um material que não pode ocorrer no local por meio
de transporte puramente natural. Nenhum dos numerosos itens desse tipo que
examinamos parece atender a esses requisitos.

DOS ANIMAIS EXTINTOS

Estes exemplos de pareidolia foram apenas apresentados para ilustrar alguns efeitos
pertinentes do fenômeno, mas o objetivo deste artigo é examinar os efeitos da pareidolia
na interpretação da arte rupestre. Um dos efeitos mais consequentes é quando a idade dos
motivos da arte rupestre é deduzida da suposta representação de animais extintos. Alguns
exemplos recentes e representativos disso estão listados aqui, mas muitos outros podem
ser dados.

O local de arte rupestre da Upper Sand Island, perto de Bluff, no sul de Utah, é um
penhasco de arenito vertical de várias centenas de metros de comprimento, com milhares
de petroglifos (Malotki, Wallace 2011). Entre eles estão os zoomorfos, antropomorfos e
vários símbolos repetidos, como arcos duplos e segmentos de círculo totalmente
martelados. Devido à densidade da arte rupestre, que se estende a vários metros acima do
alcance humano atual, as superposições são comuns entre os motivos. Em uma
localização na parte central do penhasco de 20 m, a uma altura de cerca de 5 m acima da
berma no seu pé, ocorre uma combinação de várias marcas rochosas. A mais antiga é uma
fissura vertical, uma das muitas no mesmo painel que foi submetida a erosão granular
acelerada atribuível à umidade intersticial emergente. Perto de seu topo é um petroglifo
com contorno alongado com barramento vertical. Este é um tipo de motivo bem
conhecido do estilo Glen Canyon da região geral (Turner 1963, 1971), e é um dos cerca
de cinco contornos levemente zoomórficos dispostos em uma faixa horizontal.
Sobreposto sobre este é um segmento de círculo densamente batido do tipo ocorrendo
várias vezes dentro de alguns metros da localização. Finalmente, perto do sulco natural
está um dos vários pares de arcos encontrados nesta parede, mas desconectados do sulco
da solução.

Você também pode gostar