Você está na página 1de 20

MINISTÉRIO DA DEFESA

MC/HB/31/T MARINHA DO BRASIL


F-1661/2003

PORTARIA Nº 156/MB, DE 3 DE JUNHO DE 2004.


Estabelece a Estrutura da Autoridade
Marítima e delega competências aos Titulares dos
Órgãos de Direção Geral, de Direção Setorial e de
outras Organizações Militares da Marinha, para o
exercício das atividades especificadas.

O COMANDANTE DA MARINHA, no uso das atribuições que lhe conferem os


art. 4º, 17, parágrafo único, e 19 da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999, e de acordo
com os art. 11 e 12 do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, resolve:

Art. 1º Estabelecer a estrutura da Autoridade Marítima, conforme o organograma


constante do Anexo A, e de acordo com as atribuições e os níveis de atuação dos órgãos
envolvidos, na forma do contido no Anexo B.

Art. 2º Delegar competências, concernentes à Autoridade Marítima, aos Titulares


dos Órgãos de Direção Geral, de Direção Setorial e de outras Organizações Militares, na forma
do contido nos anexos, como a seguir mencionados:
I- Ao Chefe do Estado-Maior da Armada, Anexo C;
II- Ao Comandante de Operações Navais, Anexo D;
III- Ao Diretor-Geral de Navegação, Anexo E;
IV- Ao Diretor de Portos e Costas, Anexo F;
V- Ao Diretor de Hidrografia e Navegação, Anexo G; e
VI- Aos Comandantes dos Distritos Navais e ao Comandante Naval da
Amazônia Ocidental, Anexo H.

Art. 3º Os órgãos subordinados têm o prazo de 90 (noventa) dias para


adequarem as normas e procedimentos em vigor ao disposto na presente Portaria.

Art. 4º As normas decorrentes desta Portaria obedecerão à legislação em vigor,


às orientações baixadas pelo Comandante da Marinha e, no que couber, aos atos e resoluções
internacionais ratificados pelo Brasil, especificamente aos relativos à salvaguarda da vida humana
e à segurança da navegação, no mar aberto e hidrovias interiores, e à prevenção da poluição
ambiental por parte de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio.

-1-
MARINHA DO BRASIL
(Continuação da Port nº
156/MB/2004...........................................................................................)
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
--

Art. 5º Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.

Art. 6º Revoga-se a Portaria nº 173/2003, do Comandante da Marinha.

ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO


Almirante-de-Esquadra
Comandante da Marinha
MARISE SILVA CARNEIRO
Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE
Distribuição:
EMA DGPM Com2ºDN Com4ºDN SECIRM
ComOpNav SGM DAdM Com5ºDN CIM
DGN TM DHN Com7ºDN PEM
CGCFN Com1ºDN Com3ºDN CNAO SDM (Arq MB)
DGMM DPC Com8ºDN Com6ºDN Arquivo 2

-2-
Apêndice I ao Anexo C, do Of nº 10-58/2004 do EMA.
Anexo A, da Port nº 156/MB/2004.

ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DA AUTORIDADE MARÍTIMA (RELAÇÃO ENTRE AS ATIVIDADES)

AUTORIDADE
Assessor da AM não Assessor da
= AM = CM (Cmte MB) MARÍTIMA Autoridade Marítima
está acima dos outros
(CEMA)
RAM (ligados ao pto)

Representantes da AM para a Representantes da AM para Representante da AM para a


Segurança da Navegação e o Organismos Internacionais, Antártica e os
Meio Ambiente Investigação Científica Marinha Recursos do Mar
(ComOpNav e DGN) e Bens Submersos (SECIRM)
(CEMA/DPC/DHN/ComDN/CNAO)

Representante da AM para
a Marinha Mercante
(DPC)

CNAO = Cmte Naval da Amazônia


Ocidental -> não existe +, hoje é ComDN
Representantes da AM para a
Segurança do Tráfego Aquaviário
(DPC/DHN/ComDN/CNAO)

Agentes da
Representantes da AM para Autoridade Marítima AAM
o Socorro e Salvamento
(ComDN/CNAO)
ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO
Almirante-de-Esquadra
Representantes da AM para Comandante da Marinha
o Meio Ambiente MARISE SILVA CARNEIRO
(DPC/ComDN/CNAO) Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE
-A-1-
Anexo B (7), da Port nº 156/MB/2004

ESTRUTURA DA AUTORIDADE MARÍTIMA

DEFINIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES E DOS NÍVEIS DE ATUAÇÃO


DOS ÓRGÃOS ENVOLVIDOS

Art. 1º A Autoridade Marítima (AM), exercida pelo Comandante da Marinha (CM), tem
competência para o trato dos assuntos que cabem à Marinha do Brasil (MB) como atribuições
subsidiárias.

§ 1º São atribuições subsidiárias todas aquelas conferidas à MB por norma legal e que não
sejam relacionadas com a defesa da Pátria e a garantia dos poderes constitucionais, da lei e da
ordem, como estabelecido na Constituição Federal.

§ 2º São Representantes da Autoridade Marítima:


I- Representantes da Autoridade Marítima para a Segurança da Navegação e o Meio Ambiente;
II- Representante da Autoridade Marítima para a Marinha Mercante;
III- Representantes da Autoridade Marítima para a Segurança do Tráfego Aquaviário;
IV- Representantes da Autoridade Marítima para o Socorro e Salvamento;
V- Representantes da Autoridade Marítima para o Meio Ambiente;
VI- Representantes da Autoridade Marítima para Organismos Internacionais, Investigação
Científica Marinha e Bens Submersos; e
VII- Representante da Autoridade Marítima para a Antártica e os Recursos do Mar.

Art. 2º O Assessor da Autoridade Marítima, assim designado o Chefe do Estado-Maior da


Armada, é responsável pelo assessoramento ao CM nos assuntos concernentes à Autoridade
Marítima.

Parágrafo único. Ao Assessor da Autoridade Marítima compete, especificamente:


I- propor os responsáveis por atribuições não especificadas na estrutura da Autoridade
Marítima;
II- esclarecer as competências e dirimir dúvidas concernentes às atribuições da Autoridade
Marítima;
III- manter a Estrutura da Autoridade Marítima atualizada em relação à legislação vigente;
IV- criar Grupos de Trabalho para o trato de assuntos da Autoridade Marítima;
V- determinar a análise, por sua iniciativa, das Normas da Autoridade Marítima emitidas pelos
Representantes, quanto à compatibilidade com as correspondentes delegações de competência e
atribuições, determinando as modificações porventura necessárias;
VI- determinar a análise dos assuntos afetos à Autoridade Marítima que forem submetidos ao
Comandante da Marinha, quando for pertinente; e
VII- contribuir para a formulação e condução de políticas nacionais que digam respeito ao mar.

Art. 3º Os Representantes da Autoridade Marítima para a Segurança da Navegação e o Meio


Ambiente são responsáveis pelos assuntos concernentes à segurança da navegação, à salvaguarda
da vida humana no mar aberto e hidrovias interiores e à prevenção da poluição ambiental por
parte de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio.

§ 1º Para atuar nesses assuntos, são assim designados o Comandante de Operações Navais e o
Diretor-Geral de Navegação.

-B-1-
§ 2º Ao Comandante de Operações Navais compete, especificamente:
I- supervisionar as atividades dos Representantes da AM subordinados;
II- coordenar e controlar a execução de atividades de assistência e salvamento de embarcação,
coisa ou bem em perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores;
III- aprovar as normas, no âmbito da MB, relativas à busca e salvamento de vida humana em
perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores;
IV- promover, coordenar e controlar a execução dos serviços de busca e salvamento de vida
humana em perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores;
V- orientar os órgãos subordinados quanto às consultas referentes a aforamento de terrenos de
marinha;
VI- articular-se com os órgãos do Ministério dos Transportes para orientar a compatibilização
de procedimentos relativos às atividades da Direção Civil do Transporte Marítimo em situações
de tensão internacional ou guerra; e
VII- determinar o provimento de segurança ao transporte aquaviário de equipamento vital, de
material especificado e de material nuclear do Programa Nuclear Brasileiro.

§ 3º Ao Diretor-Geral de Navegação compete, especificamente:


I- promover e supervisionar a execução de atividades voltadas para a segurança da navegação
aquaviária;
II- supervisionar, no que se refere à Defesa Nacional e à segurança da navegação, as
atividades relativas à Marinha Mercante;
III- supervisionar as atividades dos Representantes da AM subordinados;
IV- estabelecer a Política de Ensino Profissional Marítimo; e
V- atualizar o valor da Tarifa de Utilização de Faróis, mediante proposta do Diretor de
Hidrografia e Navegação.

§ 4º São subordinados aos Representantes da Autoridade Marítima para a Segurança da


Navegação e o Meio Ambiente:
I- o Representante da Autoridade Marítima para a Marinha Mercante;
II- o Representante da Autoridade Marítima para a Segurança do Tráfego Aquaviário;
III- o Representante da Autoridade Marítima para o Socorro e Salvamento; e
IV- o Representante da Autoridade Marítima para o Meio Ambiente.

Art. 4º O Representante da Autoridade Marítima para a Marinha Mercante é responsável pelos


assuntos concernentes à Marinha Mercante, ao Ensino Profissional Marítimo e aos Aquaviários.

Parágrafo único. Para o trato desses assuntos, é assim designado o Diretor de Portos e Costas,
ao qual compete, especificamente:
I- estabelecer a precedência hierárquica dos cargos e funções a bordo das embarcações
nacionais;
II- gerir o Fundo de Desenvolvimento do Ensino Profissional Marítimo, prestando contas ao
Tribunal de Contas da União;
III- determinar o cumprimento do disposto na Convenção Internacional sobre Normas de
Treinamento de Marítimos, Expedição de Certificados e Serviço de Quarto;
IV- orientar, coordenar, controlar e fiscalizar as atividades de ensino dos estabelecimentos e
organizações navais integrantes do Sistema de Ensino Profissional Marítimo; e
V- aprovar as Normas da Autoridade Marítima relativas ao Sistema de Ensino Profissional
Marítimo, que se fizerem necessárias ao cumprimento da legislação atinente.

Art. 5º Os Representantes da Autoridade Marítima para a Segurança do Tráfego Aquaviário são


responsáveis pelos assuntos concernentes à segurança do tráfego aquaviário, à inspeção naval, à

-B-2-
segurança das embarcações, à praticagem, à sinalização náutica, à cartografia náutica e à
meteorologia marinha.

§ 1º Para o trato desses assuntos, são assim designados o Diretor de Portos e Costas, o
Diretor de Hidrografia e Navegação, os Comandantes dos Distritos Navais e o Comandante
Naval da Amazônia Ocidental.

§ 2º Ao Diretor de Portos e Costas compete, especificamente:


I- estabelecer as zonas em que a utilização do serviço de praticagem é obrigatória e
especificar as embarcações dispensadas do serviço;
II- determinar a tripulação de segurança das embarcações;
III- determinar os equipamentos e acessórios que devam ser homologados para uso a bordo de
embarcações e plataformas e estabelecer os requisitos para a homologação;
IV- estabelecer a dotação mínima de equipamentos e acessórios de segurança para
embarcações e plataformas;
V- estabelecer os requisitos referentes às condições de segurança e habitabilidade para
embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio;
VI- promover a execução das atividades de vistorias de embarcações;
VII- definir áreas marítimas e interiores para constituir refúgios provisórios;
VIII- estabelecer os limites da navegação interior;
IX- aprovar as Normas da Autoridade Marítima relativas a:
a) habilitação e cadastro dos aquaviários e amadores;
b) tráfego e permanência das embarcações nas águas sob jurisdição nacional, bem como sua
entrada e saída de portos, atracadouros, fundeadouros e marinas;
c) realização de inspeções navais e vistorias;
d) arqueação, determinação da borda-livre, lotação, identificação e classificação das
embarcações;
e) inscrição das embarcações e fiscalização do Registro de Propriedade;
f) cerimonial e uso dos uniformes a bordo das embarcações nacionais;
g) registro e certificação de helipontos das embarcações e plataformas;
h) execução de obras, dragagens, pesquisa e lavra de minerais sob, sobre e às margens das
águas sob jurisdição nacional, no que concerne ao ordenamento do espaço aquaviário e à
segurança da navegação;
i) cadastramento e funcionamento das marinas, clubes e entidades desportivas náuticas;
j) cadastramento de empresas de navegação, peritos e sociedades classificadoras;
l) aplicação de penalidade pelo Comandante de embarcação;
m) regulamentação do serviço de praticagem;
n) inquéritos administrativos sobre acidentes e fatos da navegação;
o) transporte de madeira em toros por via fluvial;
p) medidas administrativas necessárias ao cumprimento da legislação em vigor;
q) assistência e salvamento de embarcação, coisa ou bem em perigo no mar, nos portos e nas
vias navegáveis; e
r) orientação para emissão de Parecer relativo às solicitações de cessão de uso de espaços
físicos de corpos d’água de domínio da União para fins de aqüicultura;
X- julgar os recursos sobre multas aplicadas por infrações aos regulamentos e leis relativos à
segurança da navegação, em última instância; e
XI- estabelecer as Regras Especiais Complementares ao RIPEAM para o uso em rios, canais,
lagoas e lagos.

§ 3º Ao Diretor de Hidrografia e Navegação compete, especificamente:


I- determinar a elaboração e orientar a execução do Plano Cartográfico Náutico Brasileiro;

-B-3-
II- autorizar e controlar os levantamentos hidrográficos executados por órgãos públicos e
autarquias, estaduais e municipais, e órgãos privados;
III- determinar a elaboração e a disseminação dos Avisos aos Navegantes e os Boletins
Meteorológicos relativos às áreas de responsabilidade do Brasil;
IV- supervisionar e orientar as atividades concernentes à meteorologia marítima, bem como
promover o seu desenvolvimento e pesquisa;
V- determinar a elaboração e a edição das cartas e publicações náuticas sob responsabilidade
do Brasil;
VI- notificar os proprietários das terras influenciadas pelo sinal visual de auxílio à navegação e
transmitir às municipalidades respectivas as limitações quanto à altura das construções
adjacentes, desimpedimento de ângulos de visibilidade e demais providências pertinentes para a
plena proteção à utilização do sinal; e
VII- aprovar as Normas da Autoridade Marítima relativas a:
a) estabelecimento e funcionamento de sinais e auxílios à navegação;
b) levantamentos hidrográficos e cartas náuticas;
c) utilização de faróis; e
d) atividades de meteorologia marítima.

§ 4º Aos Comandantes dos Distritos Navais e ao Comandante Naval da Amazônia


Ocidental compete, especificamente:
I- coordenar as atividades das Administrações dos Portos no que concerne à Autoridade
Marítima;
II- promover a fiscalização dos procedimentos para a segurança do transporte aquaviário de
material nuclear;
III- promover a fiscalização das embarcações quanto ao seguro obrigatório de danos pessoais
causados por embarcações ou sua carga;
IV- promover a execução da inspeção naval; e
V- determinar a emissão e aprovar parecer relativo à cessão de uso de espaços físicos de
corpos d’água de domínio da União para fins de aqüicultura, no que concerne à segurança do
tráfego aquaviário.

Art. 6º Os Representantes da Autoridade Marítima para o Socorro e Salvamento são


responsáveis pelos assuntos concernentes à busca e salvamento de vida humana e assistência e
salvamento de embarcações em perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores.

Parágrafo único. Para o trato desses assuntos, são assim designados os Comandantes de
Distritos Navais e o Comandante Naval da Amazônia Ocidental, aos quais compete,
especificamente:
I- supervisionar as atividades dos Agentes da Autoridade Marítima subordinados;
II- promover, coordenar e controlar a execução dos serviços de busca e salvamento de vida
humana em perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores;
III- promover, coordenar e controlar a execução das atividades de assistência e salvamento de
embarcação, coisa ou bem em perigo, nos portos e nas vias navegáveis interiores;
IV- coordenar as ações de redução de danos relacionados com sinistros marítimos e fluviais e o
salvamento de náufragos; e
V- apoiar as ações de defesa civil com pessoal, material e meios de transporte.

Art. 7º Os Representantes da Autoridade Marítima para o Meio Ambiente são responsáveis


pelos assuntos concernentes às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, à prevenção da
poluição por parte de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio, e à poluição
causada por lançamento de óleo e outras substâncias nocivas ou perigosas em águas sob
jurisdição nacional.

-B-4-
§ 1º Para o trato desses assuntos, são assim designados o Diretor de Portos e Costas, os
Comandantes de Distritos Navais e o Comandante Naval da Amazônia Ocidental.

§ 2º Ao Diretor de Portos e Costas compete, especificamente:


I- coordenar as ações decorrentes da aplicação da legislação ambiental por parte dos Agentes
da Autoridade Marítima;
II- determinar a emissão dos Certificados de Garantia Financeira para os navios de bandeira
brasileira relativos à Convenção Internacional de Responsabilidade Civil em Danos causados por
Poluição por Óleo;
III- comunicar ao órgão regulador da indústria do petróleo as irregularidades encontradas
durante a fiscalização de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio atinente àquela
indústria;
IV- estabelecer requisitos e elaborar normas para a prevenção da poluição por parte de
embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio; e
V- julgar os recursos sobre multas aplicadas por Agentes da Autoridade Marítima por infração
aos regulamentos e leis relativos à poluição ambiental, em última instância.

§ 3º Aos Comandantes de Distritos Navais e ao Comandante Naval da Amazônia


Ocidental compete, especificamente:
I- supervisionar as atividades dos Agentes da Autoridade Marítima subordinados;
II- implementar e promover a fiscalização do cumprimento de leis e regulamentos no mar
aberto e nas hidrovias interiores, em coordenação com outros órgãos do Poder Executivo,
federal, estadual ou municipal;
III- promover a fiscalização dos navios, plataformas e suas instalações de apoio, e as cargas
embarcadas, de natureza nociva ou perigosa, e determinar a autuação dos infratores; e
IV- determinar a obtenção dos dados e informações e a apuração das responsabilidades sobre
os incidentes com navios, plataformas e suas instalações de apoio que tenham provocado danos
ambientais, providenciando seu encaminhamento à Diretoria de Portos e Costas, para as
providências necessárias no âmbito do Sistema Nacional de Meio Ambiente.

Art. 8º Os Representantes da Autoridade Marítima para Organismos Internacionais,


Investigação Científica Marinha e Bens Submersos são responsáveis pelos assuntos concernentes
aos organismos internacionais relacionados com o mar; à pesquisa e investigação científica em
águas sob jurisdição nacional; e à pesquisa, exploração, remoção e demolição de coisas ou bens
afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas sob jurisdição nacional, em terreno de
marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, sob domínio da União, em decorrência de
sinistro, alijamento ou fortuna do mar.

§ 1º Para o trato desses assuntos, são assim designados o Chefe do Estado-Maior da


Armada, o Diretor de Portos e Costas, o Diretor de Hidrografia e Navegação, os
Comandantes de Distritos Navais e o Comandante Naval da Amazônia Ocidental.

§ 2º Ao Chefe do Estado-Maior da Armada compete, especificamente:


I- autorizar a exploração, remoção e demolição, no todo ou em parte, de coisas ou bens
afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas sob jurisdição nacional, em terreno de
marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em decorrência de sinistro, alijamento ou
fortuna do mar, que tenham passado ao domínio da União, bem como aprovar os planos de
execução dessas atividades;
II- designar a Comissão de Peritos para avaliação das coisas ou bens resgatados quanto ao
valor artístico, ao interesse histórico, cultural ou arqueológico e atribuição dos seus valores;

-B-5-
III- coordenar as atividades dos órgãos nacionais na Comissão Coordenadora de Assuntos da
Organização Marítima Internacional (CCA-IMO); e
IV- autorizar o desenvolvimento de atividades de pesquisas e investigações científicas
realizadas na plataforma continental e em águas sob jurisdição nacional.

§ 3º Ao Diretor de Portos e Costas compete, especificamente:


I- aprovar as Normas da Autoridade Marítima para as operações e atividades de pesquisa,
exploração, remoção e demolição de coisas ou bens afundados, submersos, encalhados e
perdidos em águas sob jurisdição nacional, em terreno de marinha e seus acrescidos e em
terrenos marginais, em decorrência de sinistro, alijamento ou fortuna do mar, inclusive quanto
aos requisitos básicos dos planos de execução dessas atividades; e
II- autorizar a pesquisa de coisas ou bens afundados, submersos, encalhados e perdidos em
águas sob jurisdição nacional, em terreno de marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais,
em decorrência de sinistro, alijamento ou fortuna do mar, que não estejam sob domínio da
União.

§ 4º Ao Diretor de Hidrografia e Navegação compete, especificamente:


I- determinar o acompanhamento do desenvolvimento de atividades de pesquisa e
investigações científicas realizadas na plataforma continental e em águas sob jurisdição nacional,
a análise de seus resultados e sua disseminação aos demais órgãos interessados;
II- promover e coordenar a participação do País nas atividades da Comissão Oceanográfica
Intergovernamental (COI), relacionadas com os Serviços e Mapeamento Oceânicos; e
III- supervisionar as atividades do Banco Nacional de Dados Oceanográficos (BNDO), Centro
Depositário da COI e integrante do Sistema Mundial de Dados Oceanográficos.

§ 5º Aos Comandantes de Distritos Navais e ao Comandante Naval da Amazônia


Ocidental compete, especificamente:
I- autorizar a exploração, remoção e demolição, no todo ou em parte, de coisas ou bens
afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas sob jurisdição nacional, em terreno de
marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em decorrência de sinistro, alijamento ou
fortuna do mar, que não estejam sob domínio da União, bem como aprovar os planos de
execução dessas atividades;
II- coordenar, controlar e fiscalizar as operações e atividades de pesquisa, exploração,
remoção e demolição de coisas ou bens afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas
sob jurisdição nacional, em terreno de marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em
decorrência de sinistro, alijamento ou fortuna do mar;
III- promover a fiscalização do desenvolvimento de atividades de pesquisas e investigações
científicas realizadas na plataforma continental e em águas sob jurisdição nacional; e
IV- promover a fiscalização da visita aos portos brasileiros ou do trânsito de navios de pesquisa
estrangeiros em águas sob jurisdição nacional.

Art. 9º O Representante da Autoridade Marítima para a Antártica e os Recursos do Mar é


responsável pelos assuntos concernentes à Antártica e aos Recursos vivos e não-vivos existentes
na Zona Econômica Exclusiva e na Plataforma Continental Brasileira.

Parágrafo único. Para o trato desse assunto, é assim designado o Secretário da Comissão
Interministerial para os Recursos do Mar, ao qual compete, especificamente:
I- coordenar a atualização do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro, quando necessário; e
II- contribuir para a formulação e condução de políticas nacionais que digam respeito aos
recursos do mar e à Antártica.

-B-6-
Art. 10. Os Titulares das OM, e seus prepostos, que, por força das Normas da Autoridade
Marítima, tenham atribuições dentro desta Estrutura, são designados Agentes da Autoridade
Marítima.

ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO


Almirante-de-Esquadra
Comandante da Marinha
MARISE SILVA CARNEIRO
Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE

-B-7-
Anexo C, da Port nº 156/MB/2004

DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA DO COMANDANTE DA MARINHA,


NA QUALIDADE DE AUTORIDADE MARÍTIMA:

Art. 1º Fica delegada competência ao Chefe do Estado-Maior da Armada, vedada a


subdelegação, para, observada a legislação pertinente:
I- autorizar a exploração, remoção ou demolição, no todo ou em parte, de coisas ou bens
afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas sob jurisdição nacional, em terrenos de
marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em decorrência de sinistro, alijamento ou
fortuna do mar, que tenham passado ao domínio da União, bem como aprovar os planos de
execução dessas atividades 1;
II- designar a Comissão de Peritos para avaliação das coisas ou bens resgatados quanto ao
valor artístico, ao interesse histórico, cultural ou arqueológico, e a atribuição dos seus valores1;
III- autorizar o desenvolvimento de atividades de pesquisas e investigações científicas
realizadas na plataforma continental e em águas sob jurisdição nacional2;
IV- designar representante para atuar como observador em navio estrangeiro autorizado a
realizar pesquisa ou investigação científica, quando navegando em águas sob jurisdição
nacional, nos casos em que o embarque ou o desembarque se der em portos estrangeiros2; e
V- avaliar as solicitações de autorização de acesso e remessa de componente do patrimônio
genético existente na zona econômica exclusiva e na plataforma continental brasileiras,
emitindo a posição da MB ao órgão competente 3.

ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO


Almirante-de-Esquadra
Comandante da Marinha
MARISE SILVA CARNEIRO
Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE

1
Lei nº 7.542 de 26/09/1986 (alterada pela Lei nº 10.166 de 27/12/2000).
2
Decreto nº 96.000 de 02/05/1988.
3
Medida Provisória nº 2.186-16 de 23/08/2001.
-C-1-
Anexo D, da Port nº 156/MB/2004

DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA DO COMANDANTE DA MARINHA,


NA QUALIDADE DE AUTORIDADE MARÍTIMA:

Art. 1º Fica delegada competência ao Comandante de Operações Navais para, observada a


legislação pertinente:
I- aprovar as normas, no âmbito da MB, relativas à busca e salvamento de vida humana em
perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores;
II- coordenar e controlar a execução de atividades de assistência e salvamento de
embarcação, coisa ou bem em perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores 1;
III- promover, coordenar e controlar a execução dos serviços de busca e salvamento de vida
humana em perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores 2;
IV- determinar o provimento da segurança ao transporte aquaviário de equipamento vital, de
material especificado e de material nuclear do Programa Nuclear Brasileiro 1;
V- delegar a execução de serviços de assistência e salvamento de embarcação, coisa ou bem
em perigo no mar, nos portos e nas vias navegáveis interiores a outros órgãos federais,
estaduais, municipais e, por concessão, a particulares, em áreas definidas de jurisdição1; e
VI- delegar a execução de serviços de busca e salvamento de vida humana em perigo no mar,
nos portos e nas vias navegáveis interiores a outros órgãos federais, estaduais, municipais e, por
concessão, a particulares, em áreas definidas de jurisdição2.

Art. 2º O Comandante de Operações Navais poderá delegar as competências previstas nos


incisos II a IV do art. 1°, vedada a subdelegação subseqüente.

ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO


Almirante-de-Esquadra
Comandante da Marinha
MARISE SILVA CARNEIRO
Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE

1
Decreto nº 2.210 de 22/04/1997.
2
Lei nº 7.273 de 10/12/1984
-D-1-
Anexo E, da Port nº 156/MB/2004

DELEGAÇÕES DE COMPETÊNCIA DO COMANDANTE DA MARINHA,


NA QUALIDADE DE AUTORIDADE MARÍTIMA:

Art. 1º Fica delegada competência ao Diretor-Geral de Navegação, vedada a subdelegação,


para, observada a legislação pertinente:
I- promover e supervisionar a execução de atividades voltadas para a segurança da
navegação aquaviária;
II- supervisionar, no que se refere à Defesa Nacional e à segurança da navegação, as
atividades relativas à Marinha Mercante;
III- estabelecer a Política de Ensino Profissional Marítimo 1 ;
IV- atualizar o valor da Tarifa de Utilização de Faróis, mediante proposta do Diretor de
Hidrografia e Navegação 2;
V- determinar a emissão e aprovar o parecer da Marinha nos processos referentes à
exploração e pesquisa na plataforma continental e em águas sob jurisdição nacional, quando os
pedidos de autorização forem feitos por órgãos públicos, entidades paraestatais ou privadas,
pessoas físicas ou jurídicas brasileiras 3; e
VI- designar representante para atuar como observador em navio estrangeiro autorizado a
realizar pesquisa ou investigação científica, quando navegando em águas sob jurisdição
nacional, nos casos em que o embarque e o desembarque se derem em portos nacionais3.

ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO


Almirante-de-Esquadra
Comandante da Marinha
MARISE SILVA CARNEIRO
Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE

1
Decreto nº 94.536 de 29/06/1987.
2
Decreto-Lei nº 1.023 de 21/10/1969.
3
Decreto nº 96.000 de 02/05/1988.
-E-1-
Anexo F (3), da Port nº 156/MB/2004

DELEGAÇÕES DE COMPETÊNCIA DO COMANDANTE DA MARINHA,


NA QUALIDADE DE AUTORIDADE MARÍTIMA:

Art. 1º Fica delegada competência ao Diretor de Portos e Costas, para, observada a


legislação pertinente:
I- estabelecer a precedência hierárquica dos cargos e funções a bordo das embarcações
nacionais 1;
II- estabelecer as zonas em que a utilização do serviço de praticagem é obrigatória e
especificar as embarcações dispensadas do serviço;
III- determinar a tripulação de segurança das embarcações;
IV- determinar os equipamentos e acessórios que devam ser homologados para uso a
bordo de embarcações e plataformas e estabelecer os requisitos para a homologação;
V- estabelecer a dotação mínima de equipamentos e acessórios de segurança para
embarcações e plataformas;
VI- estabelecer os requisitos referentes às condições de segurança e habitabilidade e para a
prevenção da poluição por parte de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio;
VII- promover a execução das atividades de vistorias de embarcações;
VIII- definir áreas marítimas e interiores para constituir refúgios provisórios;
IX- estabelecer os limites da navegação interior;
X- aprovar as Normas da Autoridade Marítima relativas a:
a) habilitação e cadastro dos aquaviários e amadores;
b) tráfego e permanência das embarcações nas águas sob jurisdição nacional, bem como
sua entrada e saída de portos, atracadouros, fundeadouros e marinas;
c) realização de inspeções navais e vistorias;
d) arqueação, determinação da borda-livre, lotação, identificação e classificação das
embarcações;
e) inscrição das embarcações e fiscalização do Registro de Propriedade;
f) cerimonial e uso dos uniformes a bordo das embarcações nacionais;
g) registro e certificação de helipontos das embarcações e plataformas;
h) execução de obras, dragagens, pesquisa e lavra de minerais sob, sobre e às margens
das águas sob jurisdição nacional, no que concerne ao ordenamento do espaço aquaviário e à
segurança da navegação;
i) cadastramento e funcionamento das marinas, clubes e entidades desportivas náuticas;
j) cadastramento de empresas de navegação, peritos e sociedades classificadoras;
l) aplicação de penalidade pelo Comandante de embarcação;
m) regulamentação do serviço de praticagem;
n) inquéritos administrativos sobre acidentes e fatos da navegação;
o) transporte de madeira em toros por via fluvial;
p) Sistema de Ensino Profissional Marítimo, que se fizerem necessárias ao cumprimento
da legislação atinente;
q) orientação para emissão de Parecer relativo às solicitações de cessão de uso de espaços
físicos de corpos d’água de domínio da União para fins de aqüicultura 2;

1
Lei nº 9.537 de 11/12/1997.
2
Decreto nº 4.895 de 25/11/2003.

-F-1-
r) operações e atividades de pesquisa, exploração, remoção e demolição de coisas ou
bens afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas sob jurisdição nacional, em
terrenos de marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em decorrência de sinistro,
alijamento ou fortuna do mar, inclusive quanto aos requisitos básicos dos planos de execução
dessas atividades 3;
s) assistência e salvamento de embarcação, coisa ou bem em perigo no mar, nos portos e
nas vias navegáveis interiores;
t) requisitos de segurança, habitabilidade e homologação de material;
u) fixação da tripulação de segurança das embarcações; e
v) medidas administrativas, necessárias ao cumprimento da legislação em vigor;
XI- coordenar as ações decorrentes da aplicação da legislação ambiental por parte dos
Agentes da Autoridade Marítima;
XII- estipular os valores dos emolumentos relativos a serviços prestados em decorrência da
aplicação da Lei nº 9.537, de 11 de dezembro de 1997 (LESTA);
XIII- estabelecer os requisitos para homologação de Estações de Manutenção de
Equipamentos de Salvatagem 4;
XIV- encaminhar os dados, informações e resultados de apuração de responsabilidades ao
órgão federal de meio ambiente, para avaliação dos danos ambientais e início das medidas
judiciais cabíveis 5;
XV- comunicar ao órgão regulador da indústria do petróleo irregularidades encontradas
durante a fiscalização de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio, quando
atinentes à indústria do petróleo5;
XVI- autorizar a pesquisa de coisas ou bens afundados, submersos, encalhados e perdidos
em águas sob jurisdição nacional, em terreno de marinha e seus acrescidos e em terrenos
marginais, em decorrência de sinistro, alijamento ou fortuna do mar, que não estejam sob
domínio da União3;
XVII- estabelecer as “Regras Especiais Complementares ao RIPEAM” para o uso em rios,
canais, lagoas e lagos;
XVIII- julgar os recursos sobre multas aplicadas por infração aos regulamentos e leis relativos
à segurança da navegação, em última instância;
XIX- julgar os recursos sobre multas aplicadas por agentes da Autoridade Marítima, por
infração aos regulamentos e leis relativos à poluição ambiental, em última instância;
XX- baixar os atos relativos aos empregados do Ensino Profissional Marítimo;
XXI- delegar competência para entidades especializadas, públicas ou privadas, para aprovar
processos, emitir documentos, realizar vistorias e atuar em nome do Governo brasileiro em
assuntos relativos à segurança da navegação, salvaguarda da vida humana e prevenção da
poluição ambiental;
XXII- apreciar, decidir e expedir os atos competentes sobre as transferências de categorias do
pessoal da Marinha Mercante;
XXIII- expedir certidões requeridas pelo pessoal da Marinha Mercante; e
XXIV- reconhecer entidades, empresas ou organismos que representarão o Governo brasileiro
na realização de vistorias, inspeções e respectiva emissão de certificados às Convenções
Marítimas Internacionais das quais o Brasil é signatário.

3
Lei nº 7.542 de 26/09/1986.
4
Decreto nº 2.596 de 18/05/1998.
5
Lei nº 9.966 de 28/04/2000.
-F-2-
Art. 2º O Diretor de Portos e Costas poderá delegar a competência prevista no inciso III do
art. 1º, vedada a subdelegação subseqüente.

ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO


Almirante-de-Esquadra
Comandante da Marinha
MARISE SILVA CARNEIRO
Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE

-F-3-
Anexo G, da Port nº 156/MB/2004

DELEGAÇÕES DE COMPETÊNCIA DO COMANDANTE DA MARINHA,


NA QUALIDADE DE AUTORIDADE MARÍTIMA:

Art. 1º Fica delegada competência ao Diretor de Hidrografia e Navegação para, observada a


legislação pertinente:
I- determinar a elaboração e orientar a execução do Plano Cartográfico Náutico Brasileiro 1;
II- autorizar e controlar os levantamentos hidrográficos executados por órgãos públicos e
autarquias, estaduais e municipais, e órgãos privados1;
III- determinar a elaboração e a disseminação dos Avisos aos Navegantes e dos Boletins
Meteorológicos relativos às áreas de responsabilidade do Brasil;
IV- supervisionar e orientar as atividades concernentes à meteorologia marítima, bem como
promover o seu desenvolvimento e pesquisa 2;
V- determinar a elaboração e a edição das cartas e publicações náuticas sob a responsabilidade
do Brasil;
VI- notificar os proprietários das terras influenciadas pelo sinal visual de auxílio à navegação e
transmitir às municipalidades respectivas as limitações quanto à altura das construções
adjacentes, desimpedimento de ângulos de visibilidade e demais providências pertinentes para a
plena proteção à utilização do sinal 3; e
VII- aprovar as Normas da Autoridade Marítima relativas a:
a) estabelecimento e funcionamento de sinais e auxílios à navegação;
b) levantamentos hidrográficos e cartas náuticas;
c) utilização de faróis; e
d) atividades de meteorologia marítima.

Art. 2º O Diretor de Hidrografia e Navegação poderá delegar as competências previstas nos


incisos II, III, V e VI do art. 1º, vedada a subdelegação subseqüente.

ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO


Almirante-de-Esquadra
Comandante da Marinha
MARISE SILVA CARNEIRO
Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE

1
Decreto-Lei nº 243 de 28/02/1967.
2
Decreto nº 70.092 de 02/02/1972.
3
Decreto-Lei nº 9.210 de 29/04/1946.
-G-1-
Anexo H (2), da Port nº 156MB/2004

DELEGAÇÕES DE COMPETÊNCIA DO COMANDANTE DA MARINHA,


NA QUALIDADE DE AUTORIDADE MARÍTIMA:

Art. 1º Fica delegada competência aos Comandantes dos Distritos Navais e ao Comandante
Naval da Amazônia Ocidental para, observada a legislação pertinente:
I- supervisionar as atividades dos Agentes da Autoridade Marítima subordinados;
II- coordenar as atividades das Administrações dos Portos no que concerne à Autoridade
Marítima 1;
III- promover a execução da inspeção naval;
IV- determinar a emissão e aprovar parecer relativo à cessão de uso de espaços físicos de
corpos d’água de domínio da União para fins de aqüicultura, no que concerne à segurança do
tráfego aquaviário 2;
V- delegar aos municípios a fiscalização do tráfego de embarcações que ponham em risco a
integridade física de qualquer pessoa nas áreas adjacentes às praias, quer sejam marítimas,
fluviais ou lacustres 3;
VI- autorizar a exploração, remoção ou demolição, no todo ou em parte, de coisas ou bens
afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas sob jurisdição nacional, em terrenos de
marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em decorrência de sinistro, alijamento ou
fortuna do mar, que não tenham passado ao domínio da União, bem como aprovar os planos de
execução dessas atividades 4;
VII- coordenar, controlar e fiscalizar as operações e atividades de pesquisa, exploração,
remoção e demolição de coisas ou bens afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas
sob jurisdição nacional, em terrenos de marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em
decorrência de sinistro, alijamento ou fortuna do mar3;
VIII- promover a fiscalização do desenvolvimento de atividades de pesquisas e investigações
científicas realizadas na plataforma continental e em águas sob jurisdição nacional 5;
IX- promover a fiscalização da visita aos portos brasileiros ou do trânsito de navios de
pesquisa estrangeiros em águas sob jurisdição nacional 4 ;
X- adotar as medidas administrativas previstas na LESTA;
XI- instaurar procedimentos administrativos, lavrar Autos de Infração e aplicar as
penalidades previstas na LESTA;
XII- ordenar ou providenciar a demolição de obra ou benfeitoria e a recomposição do local,
quando realizadas em desacordo com as normas estabelecidas pela Autoridade Marítima2;
XIII- determinar a obtenção dos dados e informações e a apuração das responsabilidades
sobre os incidentes com embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio que tenham
provocado danos ambientais;
XIV- promover a fiscalização das embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio, e as
cargas embarcadas, de natureza nociva ou perigosa, e a autuação e aplicação das sanções aos
infratores, nas situações previstas na Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 (Lei de Crimes
Ambientais), e na Lei nº 9.966, de 28 de abril de 2000 (Lei do Óleo), para a Autoridade
Marítima;
XV- intervir, junto às Administrações dos Portos, para assegurar ou garantir aos navios da
MB a prioridade para atracação no porto1;

1
Lei nº 8.630 de 25/02/1993.
2
Decreto nº 4.895 de 25/11/2003.
3
Lei nº 9.537 de 11/12/1997.
4
Lei nº 7.542 de 26/09/1986.
5
Decreto n° 96.000 de 02/05/1998.

-H-1-
XVI- determinar a emissão e aprovar o parecer da MB relativo à consulta para o aforamento
de terrenos de marinha localizados em suas áreas de jurisdição 6; e
XVII- designar os Agentes da Autoridade Marítima competentes para lavrar Autos de Infração
previstos na LESTA, Lei de Crimes Ambientais e Lei do Óleo.

Art. 2º Os Comandantes dos Distritos Navais e o Comandante Naval da Amazônia Ocidental


poderão delegar as competências previstas nos incisos II a IV e VIII a XVI do art. 1º.

Art. 3º A competência prevista no inciso XVII do art. 1º poderá ser delegada, vedada a
subdelegação subseqüente.

ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO


Almirante-de-Esquadra
Comandante da Marinha
MARISE SILVA CARNEIRO
Capitão-de-Corveta (T)
Encarregada da Divisão de Secretaria
AUTENTICADO DIGITALMENTE

6
Decreto-Lei nº 2.490 de 16/08/1940.
-H-2-