Você está na página 1de 27

Artigos

DOI: 10.5433/2176-6665.2016v21n2p332

A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De


Belo Horizonte: Um Estudo De Caso À Luz De
Comparações Com As Cidades De São Paulo E Rio De
Janeiro

Daniela Passos1

Resumo
O presente trabalho procura analisar como se constituiu o espaço urbano e social
da cidade de Belo Horizonte, no final do século XIX e início do século XX, à luz
de comparações com as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro no mesmo período.
Inaugurada em 1897, a nova capital mineira se tornou a primeira cidade planejada
do país. O objetivo deste ensaio é o de explicitar como as ideias republicanas
inspiraram à experiência urbanística da cidade, seu aspecto modernizante e ao
mesmo tempo sua estratificação social, que classificava e hierarquizava o território
belorizontino, no intuito de assegurar as condições de vida para uma população
em rápido crescimento, adequando a cidade aos negócios e criando mecanismos
de controle social para a uma população carente e trabalhadora de Belo Horizonte.
Palavras-chaves: Belo Horizonte. Estado. São Paulo. Rio de Janeiro

Belo Horizonte’s Urban Space Formation: A Study


Illuminated by the comparisons with the cities of São Paulo
and Rio de Janeiro

Abstract
This article seeks to analyze how the urban space and urban social city of Belo
Horizonte was constituted, in the late 19th and early 20th century. For doing so,

1 Doutora em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. Mestre em


História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Brasil. ddanipassos@gmail.com

332 Artigo recebido em 26/06/2015. Aceito em 10/02/2016.


we bring to light some comparisons with the cities of São Paulo and Rio de Janeiro
in that same period. Created in 1897, the new capital became the first planned city
in Brazil. The goal of this essay is to clarify how the Republican ideas inspired
the city’s urban experience, its modernizing aspect and at the same time its social
stratification, which classified and put hierarchy logics in the industrial territory
of Belo Horizonte, in order to ensure the conditions of life for a rapidly growing
population, adapting the city to business and creating social control mechanisms for
a needy and hard-working population.
Keywords: Belo Horizonte. State. São Paulo. Rio de Janeiro

Introdução

Considerando a cidade como um espaço que passa por


processos de constantes transformações, cuja origem se confunde com
a própria sociedade que ali se estabelece (ou mesmo precede o centro
urbano em expansão), podemos afirmar que o ambiente citadino
torna-se, pois, a um só tempo, gerado e gerador de novas formas de
relações sociais.
Pensar a cidade é, acima de tudo, entender o que existe entre
os elementos contrários que compõem a trama dos diversos confrontos
sociais. O próprio espaço urbano tende a denunciar a existência de uma
possível tensão intrínseca em sua mudança. Neste caso, o urbano pode
ser tido como obra histórica, que se produz continuamente a partir das
contradições inerentes da sociedade. No caso da “cidade progresso” o
que se vê é um cenário de amplas avenidas, praças arborizadas, espaços
comerciais, cafés, construções imponentes, asfalto, enfim, uma série
de artifícios que procuram condicionar o homem moderno a atitudes
e comportamentos previsíveis e padronizados. A cidade moderna
reinventa e ressignifica caminhos antes tidos como tortuosos, impondo
um ritmo de vida diferenciado e comportamentos que são próprios
do processo de modernização. Entretanto, o impacto visual da cidade
moderna, forjada a partir de projetos políticos modernizantes (como
plantas, mapas, códigos de posturas, entre outros), não é capaz de

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 333


apagar as vivências e as sociabilidades antes experimentadas nestes
espaços já transformados (LOPES, 2010).
Conhecer o processo de construção da cidade de Belo
Horizonte se faz importante para entendermos as especificidades
que diferenciam o seu processo de formação histórico/social das
demais capitais do país (entre elas podemos citar as cidades do Rio
de Janeiro e São Paulo). Belo Horizonte também se tornou um local de
segmentação, que hierarquizou seu território e expulsou para a área
suburbana e rural as camadas populares, incluindo os trabalhadores.
De tal modo, é necessário ter em mente que o projeto da
cidade e as medidas tomadas para sua completa implantação devem
ser entendidos dentro do seu tempo, numa visão de valorização do
racional e para uma capital que se pretendia modelo dentro do “Estado
republicano”.
No que se refere à metodologia da pesquisa, primeiramente
foram delineadas as obras bibliográficas relacionadas ao estudo teórico,
foco desta pesquisa. A mesma foi guiada por temas que envolvem o
contexto sobre a construção do espaço sócio urbano da cidade de Belo
Horizonte à luz de comparações com os projetos de urbanização das
cidades de São Paulo e Rio de Janeiro em fins do século XIX e início do
século XX.
Outros documentos também foram estudados, visando
complementar este trabalho, principalmente os documentos
relacionados à construção da cidade de Belo Horizonte, sendo eles
produzidos pela Superintendência de Desenvolvimento da Região
Metropolitana de Belo Horizonte, os Anais do Conselho Deliberativo
da capital, documentos estes produzidos pelo poder público da
cidade de Belo Horizonte, disponíveis no Arquivo Público da Cidade
de Belo Horizonte (APCBH) e parte da documentação produzida
pela Comissão Construtora da Capital, disponível para pesquisa no
Arquivo Público Mineiro (APM).

334 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


Assim, o objetivo deste artigo é o de pensar como o aspecto
disciplinar e a imagem do moderno marcaram a construção do
espaço urbano e social da cidade de Belo Horizonte tendo, à luz de
comparações, os modelos urbanísticos das cidades de São Paulo e do
Rio de Janeiro, para entendermos o contexto histórico do surgimento
da nova capital mineira.

A Construção Da Cidade De Belo Horizonte: Formação


Urbana E Espacial

A cidade de Belo Horizonte foi construída pela intervenção


estatal, num traçado modernizador, inspirado nas experiências
urbanísticas das cidades europeias e norte-americanas, ou seja, trata-
se de uma cidade planejada. Segundo Letícia Julião (1996, p. 51), a
criação e a construção da cidade concretizavam os desejos de uma elite
que encarava o advento da República como sinal de ruptura com o
passado, preconizando a modernização e o desenvolvimento nacional.
As novas ideias, surgidas com o advento da República, vieram
afetar diretamente a vida política do país, já que poderiam significar
o rompimento com o sistema político centralizador exercido pelo
governo imperial. O ambiente de incertezas dos primeiros anos do novo
regime político, em meio à necessidade de legitimação, determinou
um horizonte favorável a um ousado projeto de construção de uma
cidade capital (CARVALHO, 1987).
O ideal de modernização foi de fundamental importância para
se pensar uma nova cidade capital, uma nova territorialidade para sede
do governo do Estado de Minas Gerais. A modernização, atingido as
áreas econômicas, políticas e sociais e o modernismo englobando a
arte, a cultura e a sensibilidade foram fatores chaves para se pensar
um novo espaço para a capital mineira, agregando, assim, todo o
simbolismo de uma época (fins do século XIX e início do século XX).

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 335


Movido pela nova ordem republicana, positivista e científica,
e inspirado ainda em um repertório urbanístico em alta no estrangeiro,
o engenheiro chefe da Comissão Construtora da nova Capital, Aarão
Reis (atendendo ao governo da época) planejou a cidade concebendo
as ruas como “artérias e veias” (SENNETT, 2006). O planejamento
das cidades, durante o século XIX, assentou-se em ideais sanitaristas,
comparando-as a um corpo saudável, limpo e onde o movimento se
dava com total liberdade. Com isso, a população poderia respirar
livremente, numa cidade altamente organizada e compreensiva, em
que ruas, avenidas e praças representassem uma ruptura radical com
o modelo das cidades até então existentes.
As cidades planejadas, ainda segundo Richard Sennett (2006),
eram pensadas de acordo com a revolução científica da compreensão
do corpo humano e de sua circulação sanguínea, proposto por
William Harvey em sua obra de 1628, De motu cordis. O que Harvey
expôs parecia bastante simples: o coração bombeia sangue através das
artérias e veias, recebendo-o das veias, para ser bombeado. Muitos
engenheiros e urbanistas fizeram tal analogia na construção de cidades:
a livre circulação (como a sanguínea) ao longo das ruas principais,
transformando-as num importante espaço urbano, cruzando áreas
residenciais ou atravessando o centro da cidade.
Construtores e reformadores passaram a dar maior ênfase a
tudo que facilitasse a liberdade de trânsito das pessoas, imaginando
uma cidade de “artérias” e “veias” contínuas, através dos quais os
habitantes pudessem se transportar, tais como hemácias e leucócitos
no plasma saudável. Assim, as palavras “artérias” e “veias” entraram
para o vocabulário urbano já no início do século XVIII, aplicadas por
projetistas que tomaram o sistema sanguíneo como modelo para o
tráfego, quando muitos engenheiros estabeleceram uma ligação entre
saúde, locomoção e circulação.

336 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


Belo Horizonte não fugiu a estes ideais. Segundo o artigo n.2, do
decreto de n.803 do ano de 1895, sobre o levantamento da planta geral
da capital, temos que: “a sua área será dividida em seções, quarteirões,
lotes, com praças, avenidas e ruas necessárias para a rápida e fácil
comunicação dos seus habitantes, boa ventilação e higiene”2.
Aarão Reis planejou as ruas da área central com largura de
20m, para a conveniência, arborização e livre circulação de veículos.
Já as avenidas tiveram suas larguras fixadas em 35m, suficiente
para dar beleza e conforto à população. E não bastava um modelo
traçado somente em soluções arquitetônicas, a gestão moderna da
cidade exigia intervenções das mais diversas como saberes jurídicos,
médicos-sanitaristas e estatísticos, entre outros, na busca por respostas
a problemas como miséria, falta de saneamento, doenças, densidade
populacional e o potencial de tensões e revoltas sociais (BARRETO,
1995).
Inaugurada em 12 de dezembro de 1897, a cidade-capital
representou tudo o que de moderno era preconizado, nas palavras
de Joaquim Nabuco Linhares (1905, p. 381): “Hércules e titânicos
foram os trabalhos então realizados. Do Nada pode-se dizer, e em tão
curto espaço, surgiram as belas avenidas e ruas que aqui estão e os
suntuosos edifícios públicos e particulares que garbosos sustentam
nesta cidade.”
Característica de uma cidade que se desejava moderna3, Belo
Horizonte não fugiu ao paradigma de ser um local de segmentação.
De acordo com o estilo funcional e progressista de urbanismo que se
iniciou na segunda metade do século XIX, a nova capital de Minas
Gerais também possuía espaços classificados e ordenados de acordo
com as funções e necessidades sociais. Tal fato é percebido no projeto

2 Minas Gerais, Ouro Preto: 11/ 01/1895, p.84 ( apud BARRETO, 1995, p. 232).
3 De acordo com Rogério Arruda (2000, p. 221) o termo moderno significaria um ideal de
mudança, de transformação: a busca incessante de um novo tempo.

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 337


(planta) do engenheiro Aarão Reis, que dividiu Belo Horizonte em três
zonas:
A zona urbana que constituía o espaço moderno e
ordenado reservado para as elites mineiras. Possuía
avenidas largas, retas, geométricas, infraestrutura sanitária
e técnica, área que deveria ser espelho das cidades mais
modernas do mundo; a zona suburbana, fora dos limites
da Avenida do Contorno que funcionava como uma
fronteira que separava a vida urbana da suburbana, onde
as moradias eram sofríveis e os serviços precários; e, por
fim, a zona rural, um cinturão verde, onde se localizariam
os núcleos coloniais que abasteceriam a Capital de frutas,
legumes, verduras e matéria prima para a sua construção
(OLIVEIRA, 2004, p. 34-35).

Esta divisão funcionava como instrumento para o controle


da cidade, sendo que os construtores fixaram os seus limites,
classificaram e hierarquizaram os territórios, que deixaram de ser uma
“dimensão indefinida” para se transformarem em áreas delimitadas e
identificáveis (JULIÃO, 1996, p. 57).
O objetivo desse “enquadramento social” era estabelecer uma
ordem dentro da cidade. De acordo com os construtores da cidade
(lembrando que os mesmos eram influenciados pelo contexto da
ordem liberal vigente), era necessário traçar com a régua e o compasso
uma ordem social harmônica, unitária, onde não houvesse lugar para
a chamada “desordem urbana”.
Nas intervenções eram implantados sistemas sanitários
públicos; abertas longas avenidas compatíveis com o
tráfego denso; fincados edifícios modernos nos antigos
cenários medievais. Tratava-se de assegurar condições
mínimas de vida para uma população em rápido
crescimento, adequar a cidade aos negócios, às instituições
e ao poder burguês e, ainda, criar dispositivos de controle
da multidão de homens pobres e trabalhadores, de modo
a ajustá-los às exigências produtivas modernas e a um
padrão de ordem urbana (JULIÃO, 1996, p. 55).

338 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


Portanto, as cidades amplas, abertas, livres para passagens
e transparentes valorizaria a individualidade. As pessoas estariam
enquadradas no conjunto que foi articulado. Os espaços abertos e
iluminados da cidade deveriam colocar todos sob a vista de todos.
As construções das cidades e a revolução urbanística (cidades
planejadas) com suas ruas largas, vastas e limpas, poderiam também
tornar visíveis as pessoas que nela transitam e vivem. A cidade se
tornaria uma paisagem naturalizada, palco de acontecimentos que
nada opera, local que se reproduz, se filtra, se duplica ou se absorve
a luz, permitindo ser visto ou se ver, conforme uma vontade alheia
aos transeuntes. Sabemos que esta situação não basta para formar
comportamentos, mas pode ser através dela que eles venham a se
desenvolver. Por outro lado, cabe ressaltar que este sistema de ordem
era característico do contexto liberal vigente no início do século XX,
onde a ideia de cidadania e individualismo era enfatizada. Neste
sentido, os indivíduos, mesmo sendo “vigiados”, também cumpriam
a máxima da valorização do bem público, de preservação e respeito ao
espaço urbano social.
Antes mesmo da inauguração da capital mineira, foi transferido
da cidade de Sabará o destacamento militar que se instalou na Praça
Belo Horizonte (bairro de Santa Efigênia). De acordo com os estudos
da Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana,
as ações das forças de segurança eram chamadas a atuar sobretudo
na vila operária (Barro Preto) em incidentes (como brigas, discussões,
pequenos motins, etc.) entre estrangeiros e nacionais e na dissolução
de reuniões operárias de caráter reivindicatório (PLAMBEL, 1979, p.
106). Assim, para muitos, se o Estado não se excedesse em punições,
seria:
[...] impossível manter a ordem naquele meio excepcional
de Belo Horizonte, com os seus 5.000 operários de todas
as nacionalidades, muitos desacompanhados de suas
famílias e outros tantos que não as tinham, além de

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 339


crescido número de aventureiros, de desclassificados e
de malfeitores de toda espécie. Ora, aqueles homens que,
durante o dia, brandiam as ferramentas, explanando o
solo e construindo a cidade que aqui hoje admiramos, mal
a noite caia, ajuntavam-se em tavernas, que proliferavam
por toda parte como cogumelos, e aí bebendo, fumando,
jogando, discutindo, armavam frequentes distúrbios. Mas
bastava que surgisse ali o temido capitão Lopes e tudo
serenava, pois, ele, sem nada temer, entrava nas tascas,
entre os brigões, prendia-os, entregava-os aos soldados.
Os raros que se revoltavam contra a sua energia pagavam
caro a ousadia: recolhia-os ao xadrez de sua delegacia,
depois de fazê-los saborear as doçuras dos marmeleiros do
seu quintal... Por fim, até os mais valentões se submetiam à
sua autoridade, passivamente, a fim de evitar a marmelada.
E era assim que ele, à noite, enquanto a população ordeira
dormia tranquilamente, percorria as tascas, dando
ordens, repreendendo, mandando fechar portas, sempre
respeitado e temido, dando margem a que os construtores
da cidade pudessem trabalhar despreocupados em relação
ao delicado problema da ordem pública (BARRETO, 1995,
p. 351).

Desta forma, percebemos que todo e qualquer desvio da


ordem original era tido como caos urbano. A intenção (ou tendência)
dos construtores da nova capital mineira tornar-se-ia a de impedir as
manifestações da pluralidade dos habitantes sendo estas suscetíveis
de serem banidas do espaço citadino. Na cidade capital mineira nada
poderia ser mais atraente do que um espaço modelar, disciplinado,
com conceitos e condutas traçados para que se revelasse tudo e
ensinasse como as relações entre coisas e pessoas deveriam ser.
Polo civilizacional; centro poderoso; irradiadora de energia,
fortaleza, beleza e vitalidade4; vetor de desenvolvimento econômico
e cultural; espaço para a celebração do futuro e para a exibição das
conquistas da modernidade; vitrines da civilização. Estas são algumas

4 Estes termos aparecem no jornal A Gazeta de Ouro Fino no contexto de debates sobre a
mudança da capital de Minas Gerais. A Gazeta de Ouro Fino, 25 dez. 1892 (apud ARRUDA,
2011).

340 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


representações sobre o que se esperava e de como se via uma cidade
capital na segunda metade do século XIX, em várias partes do mundo
(ZUCCONI, 2009, p. 29).
Esta experiência, ao que parece, não é algo incomum no Brasil
e nem em outros países da América Latina, de modo que podemos
acreditar que esses modelos urbanos estão diretamente relacionados
ao processo de expansão capitalista do final dos Oitocentos. Nesse
período de profundas transformações políticas e econômicas internas
e externas, em que estabeleciam conexões variadas com o contexto
internacional, o Brasil (assim como boa parte da América Latina) se
consolidava como Estado nacional e vivia os desafios da modernidade
industrial capitalista. Para além da criação das novas cidades
planejadas, as transformações contemplaram também projetos de
remodelação urbana (ARRUDA, 2011, p. 24).
O espaço público, neste contexto de ordem liberal, segundo
Richard Sennett (1989), destinava-se muito mais a ideia passagem do que
de permanência. As ruas amplas seriam específicas para movimentação
e circulação, uma espécie de arquitetura da visibilidade. Por ser um
espaço amplo, aberto e público, acabaria por produzir um isolamento,
pois todos estariam visíveis a todos, o que tornaria a liberdade do
espaço um conflito com a liberdade do corpo. O individualismo das
grandes cidades veio “amortecer” o corpo moderno, não permitindo
que ele criasse vínculos. Os corpos individuais se tornaram desligados
dos lugares que passaram a transitar, perdendo ainda a noção de
destino compartilhado e se tornaram desencorajados a se organizarem
em grupos. As cidades planejadas passariam então a funcionar como
isolante do espaço; praticamente esvaziando-o, impossibilitariam as
aglomerações e privilegiariam o corpo em movimento. Assim, evitar-
se-iam os tumultos.
Em se tratando do plano da cidade de Belo Horizonte houve
uma rigidez quanto à construção do espaço, que destinava a área

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 341


interna - perímetro da Avenida do Contorno - a funções específicas,
empurrando para as zonas suburbanas e rurais as camadas populares.
Isto se deu ainda pela grande dificuldade de acesso à moradia dentro
da área central, que deveria ser obtida através do mercado imobiliário,
que crescia juntamente com a cidade, sendo que o crescimento
populacional se deu da periferia para o centro.
É importante salientar que o espaço em construção da nova
capital mineira visava o funcionamento eficiente do Estado, desta
forma, no que se refere à ocupação, tratava-se de atender primeiramente
aos funcionários públicos oriundos de Ouro Preto (antiga capital de
Minas Gerais). O governo mineiro cederia gratuitamente um lote
de terreno na nova capital, de acordo com a planta geral, para cada
um dos funcionários estaduais que por força de suas funções fossem
obrigados a transferir-se para Belo Horizonte; e aos proprietários de
casas em Ouro Preto que pagassem o imposto predial no exercício do
ano de 1890 e que construíssem suas novas residências até o prazo de
17 de dezembro de 1893 (BARRETO, 1995, p. 238). Esta foi uma das
formas encontradas pelo governo para vencer a resistência dos que
não queriam a mudança.
No bairro Funcionários abrigou-se o funcionalismo público.
Tal localidade se constituiu em uma espécie de “cartão de visitas”,
pois possuía excelentes casas, ruas simétricas (como em todo traçado,
dentro da chamada área urbana) e ótimas instalações sanitárias. Porém,
é importante destacar que mesmo neste bairro havia a convivência
vertical entre classes sociais, pois abrigava funcionários públicos
em geral, desde desembargadores a servente de escolas (COSTA;
BAPTISTA, 1998, p. 263). Por sua vez, a área central foi destinada
à construção de prédios públicos, do Parque Municipal e da Zona
Comercial (atualmente conhecida como Rua Santos Dumont).
Assim, a área central era considerada a mais “atraente”,
pois concentrava os serviços urbanos modernos como saneamento e

342 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


iluminação. Obviamente, por ser o território mais elegante era o menos
acessível, já que seus terrenos eram bem valorizados (pelos padrões
de mercado da época). Portanto, a área central, especificamente o
bairro Funcionários e as partes altas, próximas às ruas “Bahia”, “Rio
de Janeiro” e “Espírito Santo”, acabou se tornando o lugar das elites,
que construíram suas residências, faziam negócios e desfrutavam
do lazer. Os pobres também estavam localizados na área central,
porém ficavam restritos apenas ao Barro Preto, ao bairro do Quartel
(atualmente conhecido como bairro de Santa Efigênia) e ao bairro do
Comércio (atual Hipercentro, ou Centro da cidade).
Depois desta análise da cidade de Belo Horizonte, cabe
fazermos uma abordagem comparativa do processo de urbanização das
cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Assim, conseguiremos perceber
o quanto que a cidade de Belo Horizonte teve de especificidades em
sua formação, e como a atuação do poder público foi significativa para
a construção da cidade capital mineira.

A construção do espaço urbano nas cidades de São Paulo e Rio


de Janeiro em fins do século XIX e início do século XX.

No fim do século XVI, a cidade de São Paulo continha mais


ou menos 120 casas, amontoadas no alto do morro. A vida rural era
mais importante: o local preferencial de moradia era a fazenda; a casa
da cidade era mero alojamento para visitas temporárias. O planalto
paulista tinha sua base econômica na agricultura de subsistência. O
descobrimento do ouro, nos fins do século XVII, em nada auxiliou o
desenvolvimento da vila. Pelo contrário, muitos paulistas migraram
para as zonas de mineração. De outro lado, rotas fluviais e terrestres
foram se desenvolvendo entre São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso,
fazendo de São Paulo um entreposto comercial. Em 1765, a população

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 343


foi estimada em 6 a 7 mil habitantes, incluindo aí os escravos (1970).
Em 1836, a população da cidade alcançava cerca de 22 mil habitantes:
A posição econômica da cidade mudou com a expansão
da cultura do café na província de São Paulo. A primeira
zona a ser favorecida pela produção intensiva do café
foi o vale do Paraíba, tributária do Rio de Janeiro. Dado
o rápido e constante aumento das plantações de café
após a Independência, a lavoura cafeeira expandiu-se
para o noroeste da capital. Essa nova região apresentava
certas vantagens em relação ao vale do Paraíba: não era
montanhosa, possuía grandes faixas de terras roxas,
extremamente favoráveis à plantação do café. Para a
cidade de São Paulo, a importância desse deslocamento
territorial da cafeicultura foi crucial: um vasto e rico
interior agrícola tornava-se tributário da capital e de
seu porto, Santos. A partir de 1867, ano em que foi
implantada a primeira ferrovia na cidade, interligando
Santos e Jundiaí, seus vales foram sendo atravessados
por ferrovias. A capital aumentou sua população para
cerca de 32 mil moradores em 1870, dos quais um terço
era escravo. Entroncamento ferroviário, sede de uma
província em plena expansão, a cidade passava por uma
importante transformação urbanística, social e econômica
(CARVALHO; PASTERNAK; BÓGUS, 2010, p. 302-303).

Assim, do núcleo provinciano, considerado de “segunda


categoria”, antes de 1870, a cidade de São Paulo passou à condição de
centro da região economicamente mais dinâmica do país. A “capital do
café”, durante o período denominado de República Velha, despontou
do impulso agroexportador, iniciando ainda um centro fabril, que
em meados do século XX, já era conduzida a estágio de metrópole
industrial (CAMPOS, 2002, p. 17). Assim, a perspectiva da construção
de um centro urbano de porte, no lugar da “cidadezinha” modesta,
existente até então, passou a implicar a emergência de propósitos
centralizadores e expansionistas amparados na ideia da modernização
(como em Belo Horizonte) da região paulistana.

344 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


Sem dúvida, o marco divisor para o crescimento da cidade de
São Paulo foram os anos da década de 1870, onde houve um impulso
da comercialização e do plantio do café. Tal fato levou a reestruturação
do espaço, baseado principalmente na criação de canais de exportação
e interiorização do território paulista. O sistema ferroviário passou a
fazer uso de um corredor de escoamentos desembocando no porto da
cidade de Santos. Desta forma, a concentração do fluxo comercial sobre
o eixo São Paulo-Santos teria enorme impacto sobre o crescimento da
capital paulista.
Nesse momento, e em especial a partir da década de
1870, a cidade passa a conviver com intensas mudanças
socioeconômicas, demográficas e urbanísticas, em meio
à prosperidade crescente das exportações cafeeiras do
chamado “Oeste” paulista, à implantação da ferrovia e à
crise final da escravidão no país. Esse conjunto de fatores
conflui para caracterizar a urbanização paulistana de fins
do XIX. Ela implica uma alteração das funções dos espaços
da cidade em favor de um maior controle e racionalização,
de modo a assegurar para São Paulo o status de entreposto
comercial e financeiro privilegiado para as relações
entre a lavoura cafeeira paulista e o capital internacional
(FREHSE, 2001, p. 170).

Por conta da expansão cafeeira, nos anos de 1872-18755 o


governo de São Paulo (chefiado pelo presidente da província, João
Teodoro Xavier – nomeado pelo partido conservador do gabinete
do Visconde Rio Branco), criou condições para expansão urbana. O
objetivo era transformar a cidade de São Paulo em polo de atração
comercial. Para além do sistema de transportes e a expansão cafeeira, a
cidade tornava-se polo administrativo, centro residencial, financeiro e
de negócios. As intervenções realizadas visavam remodelar os espaços
públicos, tornando-os mais atraentes, criar novos bairros destinados
a receber o afluxo populacional e estabelecer ligações viárias entre os

5 Período que também ficou conhecido como a “segunda fundação” de São Paulo por ser um
momento de grande intervenção pública no processo de urbanização da capital paulista.

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 345


diversos componentes da nova ordem urbana: centro de negócios, áreas
residenciais, estações ferroviárias (CAMPOS, 2002, p. 47).
[...] Entre as obras de embelezamento e lazer, João Teodoro
abriu novos caminhos e reformou outros, incluindo a
cidade antiga num sistema viário que preservava o seu
centro ao mesmo tempo em que ordenava um anel de
circulação externa ao Triângulo, potencializando futuras
ocupações no que até então era apenas uma periferia vazia.
O investimento na facilitação de locomoção dentro da
cidade nesses anos parece, assim, ter sido muito mais um
dos aspectos de uma política de expansão, que procurava
incentivar a ocupação futura das áreas periféricas da
capital, do que uma necessidade premente da população
(AZEVEDO, 2009, p. 95).

Contudo, cabe ressaltar, que foi somente no período


republicano (fins do século XIX e início do século XX) que o projeto
de urbanização da cidade de São Paulo tornar-se-ia prioridade, assim
como nas cidades do Rio de Janeiro e Belo Horizonte.
Em comparação com Belo Horizonte, a cidade de São Paulo
teve em seu traçado urbano um aspecto de formação mais “autônoma”.
Os urbanistas Vítor Freire, Saturnino de Brito e Ricardo Severo
(responsáveis pela remodelação urbana da cidade paulista), mesmo
tecendo elogios aos empreendimentos de Aarão Reis e sua equipe
no processo de construção da cidade de Belo Horizonte (onde havia
se priorizado a circulação urbana, bulevares largos e arborizados,
rodeados de edificações higiênicas), procuraram construir um
caminho próprio para a cidade de São Paulo, não subordinado às
ideias de “haussmannianas”6 adotadas pelos engenheiros chefes de
Belo Horizonte e do Rio de Janeiro.

6 As ideias de haussmannização se referem à reforma urbana realizada em Paris durante


o Segundo Império (1853-1870) por ordem de Napoleão III e sob a direção do Prefeito do
Sena Georges-Eugène Haussmann. Esta reforma urbana representa o conjunto das obras
realizadas em Paris e define uma forma de intervir no espaço urbano, remodelando-o de
forma “intensa e radical”.

346 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


No processo de urbanização e remodelação da cidade de
São Paulo, mesmo havendo ações de caráter higienistas, de controle
e disciplina da população mais pobre, através de medidas sanitárias
(a exemplo de Belo Horizonte e bem ao estilo de Hausmann)7, o que
prevaleceu foi a intenção de transformar a capital paulista numa
“vitrine condigna para a economia cafeeira” (CAMPOS, 2002). Ou
seja, mesmo havendo intervenções estatais no plano urbanístico da
cidade paulista, o liberalismo predominante na condição dos negócios
agroexportador também interviu no processo de urbanização da
capital paulista8, o que diferencia seu processo urbanístico (mesmo
que parcialmente) do que ocorreu em Belo Horizonte, onde o poder
público foi mais incisivo e decisivo na construção da capital mineira.
Desta forma, durante o processo de remodelação do espaço e
urbanização na cidade em São Paulo:
Qualquer processo de tomada de decisões, definição da
política estatal, ou tentativa de impor um “consenso”
indicando o caminho a ser seguido, envolvia a disputa entre
visões divergentes, ecoando a disparidade dos interesses
em jogo. Tal situação ressoava na esfera municipal, uma
vez que o processo de intervenção urbanística, longe de
ser mero campo de progresso técnico, implicava opções
com sérias consequências sobre as condições de vida,
acumulação e produção vigentes no centro urbano
(CAMPOS, 2002, p. 283).

7 No mesmo espírito sanitarista e disciplinador (adotado pelas cidades do Rio de Janeiro e


mais especificamente em Belo Horizonte), a Câmara paulistana reformou a Polícia Sanitária
Municipal, a cargo da Intendência de Polícia e Higiene – com poderes para inspecionar
prédios comerciais e de moradia (visando particularmente os cortiços – moradias populares)
exigir reformas e demolições, desinfetar habitações e vacinar a população (CAMPOS, 2002. p.
62).
8 Os serviços públicos da capital paulista eram financiados, em grande parte pelo erário
provincial, depois estadual. Ora, o café fez aumentar bastante a receita provincial de São
Paulo, a qual em 1836 não passa de 292 contos, alcançando 489 contos em 1851, mas saltando
para 1.420 contos em 1871, para 2.506 em 1876, para 3.520 em 1881 e para 5.700 contos em
1886. Em 15 anos, de 1836 a 1851 a receita paulista aumentou de 68%; nos 15 anos de 1871 a
1886 de maior surto cafeeiro, o crescimento da receita foi de 300% (SINGER, 1968, p. 39).

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 347


Concluindo, o que se percebe, se comparado com a cidade de
Belo Horizonte, é que na cidade de São Paulo, devido ao comércio
agroexportador do café, na formação social e urbana da cidade, houve
poucas medidas intervencionistas do poder público em seu traçado
urbanístico. Não eram apenas as implicações técnicas do progresso
urbano que estavam em jogo. Outras situações também estavam em
fase de desenvolvimento na capital paulista como a acumulação e
produção econômica e as condições de vida não apenas da população
de baixa renda, mas também (e principalmente) da elite paulista em
formação. Em Belo Horizonte, ao contrário, o poder público foi mais
incisivo na criação do espaço urbano da nova capital mineira.
Em se tratando da capital federal, a cidade do Rio de
Janeiro também passou por um intenso processo de urbanização e
remodelação de seu espaço no início do XX. Na verdade, com o advento
da República, a cidade fluminense sofreu grandes modificações tanto
no aspecto econômico, como também nos aspectos social, político,
cultural e claro, urbanístico, que já vinham sendo processados desde
meados do século XIX, mas que somente puderam ganhar a devida
força com a mudança de regime político.
A reforma urbana, ocorrida na cidade do Rio de Janeiro
entre os anos de 1903 e 1906, teve dois tipos de intervenções: uma
conduzida pelo governo federal e projetada pelo ministro Lauro
Müller e o engenheiro Francisco Bicalho (principalmente focando a
modernização do porto do Rio de Janeiro) e a outra levada a cabo pela
prefeitura do Estado, por meio do prefeito Francisco Pereira Passos
(ficando conhecida como reforma Pereira Passos). Ambos os projetos
de intervenção urbana resultaram da iniciativa do então Presidente
da República Rodrigues Alves que, desde o seu discurso de posse,
anunciara uma grande ação de reformulação urbana, sob o pretexto
de melhorar a imagem, a sanidade e a economia da capital federal,
a fim de facilitar a imigração de estrangeiros ao Brasil (AZEVEDO,

348 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


2003, p. 41), além de dar visibilidade e concretude ao ideal da então
República instaurada.
A remodelação urbana da capital federal consistiu
fundamentalmente na abertura, prolongamento e alargamento de
um conjunto de ruas da cidade, modificando assim o sistema viário
da urbe. Semelhante ao que ocorreu na cidade de Belo Horizonte, o
projeto de reestruturação da cidade do Rio de Janeiro visava um centro
urbano organicista. Ou seja, os engenheiros, responsáveis pelo projeto
de remodelação da cidade, idealizavam a urbe fluminense como um
“corpus continente de diversos órgãos vitais, sendo a ligação das ruas
fundamentais para o funcionamento harmônico do corpo urbano.”
(AZEVEDO, 2003, p. 53)
O ideário de civilização presente no processo urbanístico de
Pereira Passos era atinente a uma série de valores desenvolvidos pela
sociedade europeia (belle époque) ao longo da modernidade. Consistia
na manutenção de uma civilidade urbana burguesa – na qual a ideia
de individualidade e de uso regulamentado do espaço público se
ligava a atividade estética e cultural, na reverência a um passado e no
respeito à lei e à ordem pública estabelecida pelo Estado e através de
uma elite política ilustrada.
Como resultado, o governo carioca de então passou a
estabelecer uma série de medidas proibitivas, que tinham a intensão
de promover uma nova ética urbana, novos usos e costumes
considerados condignos com os padrões daquilo que se julgaria
civilizado. Ser civilizado em uma grande cidade seria, sobretudo, ter
posturas pertinentes ao senso de individualidade, ao reconhecimento
da legitimidade do espaço privado e principalmente da percepção
do espaço público como um espaço que deve ser utilizado a partir
da observação às regras estabelecidas por leis. No entanto, longe do
universo de práticas e formas de uso do espaço urbano pelas camadas
populares, as normas “civilizadoras” decretadas pela municipalidade

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 349


tinham como referência os padrões burgueses de países como França
e Inglaterra, exemplos máximos do que a prefeitura do Rio de Janeiro
entendia por civilização.
Assim, tal fato atribuía a esse conjunto de normas
reguladoras da ética urbana uma dimensão quixotesca,
pois tentava-se impor um padrão de civilidade urbana
burguesa e europeia a uma cidade de tradição escravista
e culturalmente heterogênea – marcada pela presença de
uma miríade de migrantes e imigrantes. Nesse período, o
espaço público do Rio de Janeiro era ocupado por figuras
como capoeiras, ex-escravos biscateiros – muitos dos quais
foram negros ao ganho antes da abolição –, carroceiros,
vendedores de perus, de vísceras, de leite retirado
diretamente da vaca, trapeiros, rezadeiras, tatuadores,
entre outros. Como cidade tropical e de tradição escravista,
era comum ver-se nas ruas estreitas e sinuosas do Rio de
Janeiro o contraste entre os “cavalheiros” cariocas trajados
de paletó, dividindo o espaço com negros descalços e sem
camisa, anunciando aos gritos seus serviços e produtos.
Somava-se a este cenário a presença de migrantes e
imigrantes de diversas partes – quase sempre rurais – do
Brasil e do mundo em roupas surradas e não raro de pés
descalços (AZEVEDO, 2003, p. 62).

No que se refere ao contingente demográfico da cidade do


Rio de Janeiro, de acordo com José Murilo de Carvalho (1987, p. 16),
as alterações quantitativas foram impressionantes. Alterou-se não
apenas o número de habitantes, mas também sua composição étnica e
de estrutura ocupacional. A abolição da escravatura, no ano de 1888,
lançou o restante da mão de obra escrava no mercado de trabalho livre
e engrossou o contingente de subempregados e desempregados. Além
disso, provocou um êxodo para a cidade proveniente da região cafeeira
do estado do Rio de Janeiro e um aumento na imigração estrangeira,
especialmente de portugueses. A população, em termos absolutos,
quase dobrou entre 1872 e 1890, passando de 266 mil para 522 mil.
Ainda de acordo com José Murilo uma consequência
importante a ser ressaltada deste grande contingente populacional

350 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


foi o acúmulo de pessoas em ocupações mal remuneradas ou sem
ocupações fixas. Domésticos, jornaleiros, trabalhadores em ocupações
mal definidas, poderiam chegar a mais de 200 mil em 1906, vivendo
em tênues fronteiras entre a legalidade e ilegalidade, por vezes
participando simultaneamente de ambas.
Esta população poderia ser comparada às classes
perigosas ou potencialmente perigosas de que se falava na
primeira na primeira metade do século XIX. Eram ladrões,
prostitutas, malandros, desertores do Exército, da Marinha
e dos navios estrangeiros, ciganos, ambulantes, tropeiros,
criados, serventes de repartições públicas, engraxates,
carroceiros, floristas, bicheiros, jogadores, receptadores,
pivetes (a palavra já existia). E é claro, a figura tipicamente
carioca do capoeira [...]. Morando, agindo e trabalhando,
na maior parte nas ruas centrais da Cidade, tais pessoas
eram as que mais compareciam nas estatísticas criminais
da época, especialmente as referentes às contravenções do
tipo desordem, vadiagem, embriaguez, jogo (CARVALHO,
1987, p. 18).

Desta forma, na tentativa de impor “civilidade” ao habitante


da urbe, Pereira Passos foi emitindo, ao longo de sua gestão, uma
série de proibições relativas a práticas urbanas comuns na cidade. O
prefeito passou a proibir que se cuspisse na rua e nos bondes, proibiu
a vadiagem de caninos, proibiu que se fizessem fogueiras nas ruas da
cidade, que soltassem balões, proibiu a venda ambulante de loterias,
de exposição de carnes à venda nas ruas, também proibiu o trânsito
de vacas leiteiras na cidade e andar descalço e sem camisa. (BRENNA
apud AZEVEDO, 2003, p. 62). O que para uma cidade de população
tão heterogênea, podemos deduzir o qual difícil foi aplicar tais leis.
Assim, reforçando o papel do centro urbano como o de lugar
modelar da civilização, Pereira Passos buscou estabelecer artérias
de ligações diretas do centro com todas as regiões da cidade (muito
semelhante ao projeto de urbanização da cidade de Belo Horizonte).
A intenção de Pereira Passos era tornar o centro da cidade um lugar

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 351


para o convívio “civilizado”, um espaço que convidaria os habitantes
dos mais diversos locais do Rio de Janeiro a frequentá-lo, uma vez que
seria lugar de aprendizado da ética urbana, da civilização que deveria
tomar toda a cidade.
Contudo, cabe ressaltar que a reforma urbanística empreendida
por Pereira Passos, foi um pouco menos conservadora do que a que
foi promovida na cidade de Belo Horizonte. Isto porque, diferente
de uma avenida que contornasse a cidade e servisse como “cinturão”
separando a zona urbana da suburbana (a “Avenida do Contorno” em
Belo Horizonte), o que houve na cidade carioca foi o estabelecimento
de avenidas que ligassem a zona sul ao centro, bem como esta aos
subúrbios, regiões que receberam diversas obras de melhoramento
e implementações viárias, o que proporcionou uma interligação
orgânica entre diversos bairros e regiões do subúrbio desta cidade.
Houve assim, uma busca de tentar articular diversas regiões urbanas
com o centro urbano do Rio de Janeiro, algo fundamental no projeto de
integração conservadora, no qual o centro urbano da cidade aparecia
como centro modelar da civilização, lugar da sua exemplaridade para
os habitantes das demais regiões da urbe (AZEVEDO, 2003, p. 69).
Desta forma, podemos dizer que a reforma Pereira Passos, foi
um pouco diferente do que aconteceu em Belo Horizonte. A renovação
urbanística do centro carioca tentou não excluir totalmente a presença
das camadas populares deste novo espaço em construção. Houve uma
ligeira tentativa de integrá-las, mesmo que de maneira conservadora,
ou seja, estimulando a participação da população mais carente no
centro urbano, contudo, a partir de sua adesão a uma visão de mundo
individualista, liberal e de comportamento ao estilo burguês europeu.
Os populares, durante a reforma Pereira Passos, tiveram que deixar a
cidade (o centro) e se alojarem nos subúrbios e nos morros adjacentes.
O intuito do prefeito com a tentativa de integração era a de que era
possível levar “civilização” ao subúrbio, pois o carioca, ao frequentar

352 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


o centro, fosse para trabalho ou lazer, levaria de volta ao seu local de
moradia a civilidade, a ética urbana e a educação estética necessária,
disseminando a “civilização” por toda a cidade.
Porém, é perceptível que a reforma Passos aumentava a
segmentação social e o distanciamento espacial entre os setores da
população mais carente e os “nobres viventes” do centro fluminense,
ao modelo do que acontecia também em Belo Horizonte. O incremento
que se fez no caso da cidade do Rio de Janeiro, se comparado com a
nascente capital mineira, foi a heterogeneidade da composição social
na cidade carioca. Este grande contingente diverso populacional, fez
com que setores da população forjassem novas realidades sociais e
culturais, o que em muitos momentos manifestaram politicamente e
por vezes, de forma violenta (a exemplo de algumas revoltas populares
como a da Vacina – 1904). Mesmo tentando levar a “civilidade” por
toda cidade, podemos perceber que as medidas impostas por Pereira
Passos foram bastante difíceis de serem cumpridas.
Destarte, podemos afirmar que o processo de urbanização
da cidade carioca vem ao encontro com o que foi adotado na cidade
de Belo Horizonte, ou seja, o de remodelação do espaço para a então
República instaurada, levando em conta o símbolo maior de ordem
e progresso. O urbanismo praticado no centro da cidade do Rio de
Janeiro e da nova capital mineira passou a ser o de criar um espaço
limpo, circulante e principalmente disciplinado. Contudo, como visto,
este ideal para o centro do Rio de Janeiro se tornou bem mais caro do
que em Belo Horizonte, devido ao fato de existir uma aglomeração
muito mais heterogenia de personagens na capital federal do que na
então nascente cidade mineira.
Em suma, se fizermos uma comparação com o processo de
urbanização da cidade de Belo Horizonte, com as cidades de São Paulo
e Rio de Janeiro, podemos perceber semelhanças e diferenças entre
elas. O que marca fortemente o projeto de urbanização esta pautado no

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 353


advento do modelo político instaurado, a República (principalmente
nos casos belorizontino e carioca), onde o espaço em formação serviu
para concretizar um ideal de cunho político, variando a forma como
o intervencionismo estatal se deu em cada um dos dois projetos de
construção da cidade. Em São Paulo, a urbanização foi marcada pelo
progresso do comércio cafeeiro e se deu de forma um pouco mais
caótica. Todavia, nas três cidades citadas vemos um poder público
controlar a população mais carente, principalmente com medidas
sanitaristas e de vigília.
O espaço se tornou algo a ser dominado e domesticado.
Mesmo que na cidade de São Paulo, a urbanização tenha se dado de
forma mais livre do que no Rio de Janeiro e principalmente em Belo
Horizonte, a disciplina era imposta aos habitantes da cidade, seja
através do intervencionismo estatal na modelação do espaço (Belo
Horizonte e Rio de Janeiro), seja regulada pelo tempo e pelo ritmo do
trabalho (São Paulo).
Assim, conseguimos perceber o quanto que a cidade de Belo
Horizonte teve de especificidades em sua formação, e como a atuação
do poder público foi significativa para a construção da cidade capital
mineira.

Considerações Finais

Traçados urbanísticos são projetos de redesenvolvimento


urbano de caráter misto, unindo políticas de uso do solo e instrumentos
financeiros para promover transformações urbanísticas por meio
de capitais públicos e privados. É importante salientar que o termo
significa tanto a definição da política pública, quanto o estabelecimento
de um projeto urbanístico específico para o redesenvolvimento de
uma área urbana. Isso significa que, embora existam parâmetros gerais
para o funcionamento de uma operação urbana, cada projeto contém

354 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


elementos particulares e contextuais, constituindo não somente um
lugar próprio (uma geografia urbana), mas também parâmetros
urbanísticos distintos para cada experiência (SIQUEIRA, 2014).
Assim, o plano urbanístico que se formou (ou se construiu) na
cidade capital mineira teve como uma das características a “negação”
da possibilidade de participação política dos setores populares,
contrariando, em muitos momentos os princípios de “liberdade e
igualdade”, ao adotar mecanismos de disciplinas sociais. Vale lembrar
que Belo Horizonte foi construída justamente no contexto do surgimento
da República brasileira, o que poderia levar tanto ao povo da época,
quanto aos analistas de agora, a ilusão de que houve participação
popular efetiva na consolidação e determinação do planejamento
urbano. Entretanto, a República brasileira nascente era um cenário
que não desejava ou instigava uma participação popular efetiva, de
forma que ao mesmo tempo que o novo regime político despertasse
entre os excluídos do governo monárquico certo entusiasmo quanto
às novas possibilidades de participação (CARVALHO, 1987, p. 12), as
políticas públicas deveriam assegurar que essa mesma participação
não ocorresse. A intervenção pública, nas cidades em questão (e
principalmente em Belo Horizonte) foi contraditória, pois mesmo
trazendo resultados, do ponto de vista da recuperação urbana,
era também, discriminatória e excludente, particularmente com a
população removida dos grandes centros; ao mesmo tempo em que
favoreceu (ainda que involuntariamente) aqueles que permaneceram
e se instalaram na área central, especialmente os proprietários de
imóveis.
Com as modificações sofridas nas relações de trabalho, no
final do século XIX, com o fim da escravidão, as classes dominantes
procuraram ajustar a população de baixa renda aos dispositivos de
repressão. O governo procurou disciplinar os homens despojados de
bens. Eram mecanismos mais sutis e disseminados por toda sociedade,

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 355


como exemplo, a adaptação da população aos serviços de higiene ou
mesmo os mecanismos de repressão direta como a polícia. O intuito
era o de adaptar os novos cidadãos ao sistema político vigente
(ANDRADE; MAGALHÃES, 1989).
E o estado teve um papel fundamental, pois mesmo havendo
ausência de legislação trabalhista, tanto os modelos de salubridades
quanto as ordens policiais, eram mecanismos disciplinadores da massa
de trabalhadores urbanos. Estas estruturas estavam incumbidas de
assegurar a ordem pública na cidade, o que representou submeter os
espaços de moradia, lazer e mesmo o trabalho das classes populares
a expedientes normativos, aliados a uma vigilância e repressão
sistemática (JULIÃO, 1996, p. 85).
Desta forma, a nascente Belo Horizonte (e até mesmo as cidades
do Rio de Janeiro e São Paulo) estava mais preocupada com o controle
da massa social, fazendo cidadãos ativos apenas uma pequena elite
dos estratos médios e altos da sociedade. A rua, mesmo prometendo
lazer (o parque) e diferentes meios de se ganhar a vida, era também
(e principalmente para as classes populares) um local de insegurança,
onde homens pobres conviviam diariamente com a arbitrariedade e a
violência da polícia no espaço público. Era uma ordem liberal, porém
antidemocrática, e resistente à democratização.
Contudo, é importante ressaltar que influenciado pelos
conceitos de racionalização, modernização e na excelência do regime
republicano, o estado mineiro interveio racional e radicalmente no
espaço em construção, se fortalecendo e conservando as forças que
nele se faziam representar, através de uma redistribuição, da sociedade
neste novo espaço (ANDRADE; MAGALHÃES, 1989, p. 135).
Portanto, o projeto da cidade quanto às medidas tomadas
para sua completa implantação (e nisto inclui-se a remoção das favelas
centrais, o aparato policial e as exigências quanto à salubridade imposta
à classe socialmente desfavorecida), devem ser entendidos dentro do

356 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016


seu tempo, numa ótica de valorização do racional e para uma capital
que se pretendia modelo dentro do Estado republicano de então.

Referências
ANDRADE, Rodrigo Ferreira; MAGALHÃES, Beatriz de Almeida. Belo Horizonte:
um espaço para a república. Belo Horizonte: UFMG, 1989.

ARRUDA, Rogério Pereira. Álbum de Bello Horizonte: signo da construção


simbólica de uma cidade no início do século XX. 2000. 216 f. Dissertação (Mestrado
em Comunicação Social) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de
Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte, 2000.

ARRUDA, Rogério Pereira. Cidades-Capitais imaginadas pela fotografia: La Plata


(Argentina) e Belo Horizonte (Brasil), 1880-1897. 2011. 274 f. Tese (Doutorado
em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e
Ciências Humanas, Belo Horizonte, 2011.

AZEVEDO, André Nunes de. A reforma Pereira Passos: uma tentativa de


integração urbana. Revista Rio de Janeiro, n. 10. p.39-79, maio/ago. 2003. Disponível
em: <http://www.forumrio.uerj.br/documentos/revista_10/10-AndreAzevedo.pdf>.
Acesso em: 20 nov. 2014.

AZEVEDO, Elciene. A metrópole às avessas: cocheiros e carroceiros no progresso


de invenção da “raça paulista”. In: AZEVEDO, Elciene et al. Trabalhadores na cidade:
cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em São Paulo, séculos XIX e XX. Campinas,
SP: Ed. da UNICAMP, 2009. p. 63-106.

BARRETO, Abílio. Memória histórica e descritiva: (história antiga e história média).


Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro (Centro de Estudos históricos e Culturais),
1995. 2 v.

CAMPOS, Candido Malta. Os rumos da cidade: urbanismo e modernização em São


Paulo. São Paulo: Ed. SENAC, 2002.

CARVALHO, Inaiá Maria Moreira de; PASTERNAK, Suzana; BÓGUS, Lúcia


Machado. Transformações metropolitanas: São Paulo e Salvador. Caderno CRH,
Salvador, v. 23, n. 59, maio/ago. 2010. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/
S0103-49792010000200007>. Acesso em: 11 jan. 2016.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que


não foi. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

COSTA, Heloísa Soares de Moura; BAPTISTA, Maria Elisa. A arquitetura


silenciosa. In: CASTRIOTA, Leonardo Barci (Org.). Arquitetura da modernidade. Belo
Horizonte: UFMG, 1998. p. 263-293.

DANIELA PASSOS | A Formação Do Espaço Urbano Da Cidade De Belo Horizonte 357


FREHSE, Fraya. Potencialidades do método regressivo–progressivo: pensar a
cidade, pensar a história. Tempo Social. São Paulo, v. 13, n. 2, nov. 2001. Disponível
em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702001000200009>. Acesso em: 12 jan. 2016.

JULIÃO, Letícia. Itinerários da cidade moderna (1891-1920). In: DUTRA, Eliane de


Freitas; MELLO, Ciro Flavio Bandeira de (Org.). BH: Horizontes históricos. Belo
Horizonte: C/ Arte, 1996. p. 49-119.

LINHARES, Joaquim Nabuco. Mudança da Capital: apontamentos históricos.


Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, Ano 10, n. 1-2, p. 339-382, 1905.

LOPES, Valéria Maria Queiroz Cavalcante. Uberlândia: histórias por entre trilhas,
trilhos e outros caminhos. Uberlândia: EDUFU, 2010.

OLIVEIRA, Éder Aguiar Mendes de. A imigração italiana e a organização operária


em Belo Horizonte nas primeiras décadas do século XX. 2004. 93 f. Monografia
(Especialização em História) – Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo, Pedro
Leopoldo, 2004.

PLAMBEL. Superintendência de desenvolvimento da Região Metropolitana de


Belo Horizonte. O processo de desenvolvimento de Belo Horizonte: 1897-1970. Belo
Horizonte: Plambel, 1979. 2 v, p. 3-182.

SENNETT, Richard. Carne e pedra. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São


Paulo: Cia das Letras, 1989.

SINGER, Paul. Desenvolvimento econômico e evolução urbana. São Paulo: Nacional,


1968.
SIQUEIRA, Marina Toneli. Entre o fundamental e o contingente: dimensões da
gentrificação contemporânea nas operações urbanas em São Paulo. Cadernos
Metrópole, São Paulo, v. 16, n. 32, nov. 2014. Disponível em: <http://dx.doi.
org/10.1590/2236-9996.2014-3205>. Acesso em: 12 jan. 2106.

ZUCCONI, Guido. A cidade do século XIX. Tradução de Marisa Barda. São Paulo:
Perspectiva, 2009. (Debates, 319).

358 MEDIAÇÕES, LONDRINA, V. 21 N. 2, P. 332-358, JUL./DEZ. 2016