Você está na página 1de 12

Traduções em prosa da Odisseia de Homero:

exemplos e problemas

André Malta*
Universidade de São Paulo

ABSTRACT: My aim is to discuss four Portuguese translations of


Homer’s Odyssey. Two were written in prose (by Dias Palmeira/
Alves Correia and by Jaime Bruna), in the 20th century, and two
in free verse (by Frederico Lourenço and by Donaldo Schüler), in
the 21st century. A quick review of these examples reveals that all
of them want to recover Homer’s narrative fluidity, without giving
attention to its main formal aspects — which surely enhance the
understanding of the contents. As to the latest versions, it is possible
to claim that, despite the impressive differences between them,
deployment of a free verse betrays the goal of only establishing a line
by line correspondence between the original text and the translation,
and in the end the principles of a prose translation seem again to
guide these versions to Portuguese.
KEYWORDS: Homer; Odyssey; prose translation.

A s traduções de Homero para as línguas modernas, desde as primeiras


edições em grego da Ilíada e da Odisseia no final do século XV, representam
um capítulo fascinante na história da literatura ocidental. Vista em conjunto,
é uma produção rica e variada, que reflete não só o desenvolvimento das
literaturas nacionais, com suas diferentes fases e tendências, mas também
o modo como Homero foi sendo lido e interpretado — desde as visões
recuadas (mais retóricas e a-históricas) até as mais recentes e próximas de
nós (historicistas e especializadas).

* andremal@uol.com.br

5
nuntius antiquus Belo Horizonte, v. X, n. 1, jan.-jun. 2014
ISSN: 2179-7064 (impresso) - 1983-3636 (online)

Grosso modo, é possível dividir as traduções em três tipos — e penso


aqui apenas naquelas que tiveram impacto maior nos ambientes em que
foram publicadas (deixando de lado as com propósito meramente escolar):
1) as poéticas e não acadêmicas, até o final do século XVIII/ início
do XIX, que deveriam tratar Homero sobretudo como grande poeta,
preservando seu “espírito”;
2) as especializadas, a partir do século XIX, que queriam dar a Homero
um tratamento mais histórico, o que possibilitava um esvaziamento do
elemento literário ou a recriação formal em correspondência direta com
o original; e
3) as derivadas do movimento modernista, a partir do século XX,
que abriram espaço para a exploração de novos recursos (e a revalorização
do verso), além de admitirem às vezes um rebaixamento do tom épico,
quando não adotavam a mais pura coloquialidade.
Em língua inglesa, cujo repertório de traduções homéricas, como se
sabe, é espantoso (veja-se o livro de George Steiner, Homer in English, de
1996), poderíamos dizer que Alexander Pope é o maior representante do
primeiro tipo; as versões “bíblicas” de Lang, Leaf & Myres (Ilíada) e Butcher
& Lang (Odisseia), ou as recriações “hexamétricas” parciais do conhecido
Matthew Arnold, do segundo; e os trabalhos de E. Rieu, ou ainda de Robert
Fitzgerald e Robert Fagles, do terceiro. No Brasil, seria possível pensar,
mantendo a correspondência, nos nomes de Odorico Mendes (tipo 1),
Carlos Alberto Nunes (tipo 2) e Haroldo de Campos (tipo 3).
Mas onde situar, nesse quadro amplo e nada estático, o papel
das traduções especificamente feitas em prosa? É certo que elas só
começaram a ganhar espaço e reputação a partir do século XIX, não só
por conta do estabelecimento do romance como gênero literário maior,
mas também em função do crescimento do olhar científico, que buscava
privilegiar, no momento da tradução, outros aspectos que não o poético;
nesse movimento, nada mais conveniente do que o texto solto, capaz,
teoricamente, de manter a “fidelidade” ao conteúdo — como se vê ainda
hoje em coleções especializadas de prestígio, como são a “Les Belles Lettres”
e a “The Loeb Classical Library”.
Aqui cabe fazer um recuo e destacar o trabalho pioneiro e
interessantíssimo de Mme. Dacier (Anne Dacier, 1647? 1654?-1720). Filha
de um professor de grego e casada com um pupilo do pai, André Dacier,
Anne Dacier, além de figura isolada num meio totalmente masculino,
foi editora e tradutora de destaque, que se notabilizou, depois de já ter
trabalhado com Calímaco, Safo, Anacreonte, Aristófanes, Plauto e Terêncio,
pelas traduções em prosa de Homero — a Ilíada, de 1699, e a Odisseia, de
1708 — e por seu envolvimento na segunda fase da chamada “Querela dos

6
MALTA, André. Traduções em prosa da Odisseia de Homero: ..., p. 5-16

Antigos e Modernos”. Há vários elementos em jogo no projeto tradutório


de Mme. Dacier, expostos no prefácio à Ilíada, os quais não me sinto capaz
de abordar devidamente, mas neste âmbito vale destacar a ideia central —
que ela herdara de Pierre Daniel Huet (1630-1721), autor de um De optimo
genere interpretandi (1661) — de que no trabalho de transposição poética o
conteúdo pode ser superior à forma, e as ideias podem e devem se sobrepor
à expressão material da palavra.
É verdade que essa justificativa principal para a opção singularíssima
pela prosa — na virada do século XVII para o XVIII — acaba fazendo parte
de um paradoxo: como apontou Fabienne Moore num ensaio fundamental,
a mesma estudiosa que condenava as narrativas burguesas defendia a
forma mais burguesa de se traduzir, justamente pela sua possibilidade de
popularização... Mas o interessante é notar que, além dessa vontade “de
traduzir para os que não o conhecem”, Mme. Dacier estava consciente de
que era “certamente melhor verter o que Homero pensou e disse, ainda que
de uma forma mais simples e menos poética” (cito aqui a partir da edição
1
de D. Robinson). Para ela, a limitação da nossa poesia fazia com que poetas
antigos como Homero, quando traduzidos em versos, “deixassem de ser
poetas”; valia o ditado antigo: seria mais fácil roubar a clava de Hércules...
A prosa, ao contrário, era capaz de “seguir as noções do poeta” e “reter a
beleza de suas imagens”.2 Na opinião da tradutora, Platão já indicara isso,
ao pôr em prosa (reformulando o discurso direto em indireto) os versos
iniciais da Ilíada (República 3, 386c-387a). Mme. Dacier chega a afirmar
que “às vezes há um acabamento, uma beleza, uma energia na prosa que
a poesia não pode alcançar” — e para exemplificar ela cita os hebreus e
seus livros sagrados, “que fizeram da sua prosa uma espécie de poesia”.3
Seria um erro, no entanto, diante dessa rápida exposição, imaginar que
a tradução de Anne Dacier é “fiel à letra”, dentro do nosso espírito acadêmico,
em geral afeito à prosa por tal motivo. Ela mesma deixa claro que não busca
uma versão “servil” — e sabemos como o “bom gosto” da época interferiu
no resultado do trabalho (seu e de outros), por mais diversas que fossem
as orientações; sabemos ainda como o “bom gosto” responde até hoje pela
fama geral das traduções para o francês, “de todas as línguas europeias”, nos
dizeres de Ortega y Gasset (em seu ensaio “Miséria e esplendor da tradução”,
de 1937), “a que menos facilita a tarefa de traduzir”...4

1
Cf. Robinson (ed.), 2002, p. 187 e 188.
2
Cf. Robinson (ed.), 2002, p. 188.
3
Cf. Robinson (ed.), 2002, p. 189.
4
Cf. Ortega y Gasset, 2013, p. 48

7
nuntius antiquus Belo Horizonte, v. X, n. 1, jan.-jun. 2014
ISSN: 2179-7064 (impresso) - 1983-3636 (online)

Essa pequena digressão teve o propósito de mostrar, muito


rapidamente, o ganho geral que se pôde ter, como bem anteviu Anne
Dacier, com o advento das traduções em prosa da poesia de Homero: em
lugar da luta com estilos poéticos que muitas vezes nada tinham a ver com
o homérico, e que exigiam graus variados de adaptação do leitor, agora
seria possível, por meio de uma forma vernácula mais acessível — afeita
à narrativa e, portanto, a um traço fundamental dos poemas homéricos
—, entrar em contato de modo mais simples e direto com a poesia (em
sentido amplo) de suas ideias e imagens.
É com essa breve introdução em mente que queria comentar
inicialmente aqui, já no ambiente da língua portuguesa, duas traduções em
prosa da Odisseia, a dos padres Eusébio Dias Palmeira e Manuel Alves Correia,
saída originalmente em 1938, em Portugal, e a de Jaime Bruna, ex-professor
da Universidade de São Paulo (e tradutor prolífico), saída quase quarenta anos
depois, em 1976, aqui no Brasil. Ainda no século XX outras transposições do
poema vieram a público, como a de Antônio Pinto de Carvalho (no Brasil)
e a de Geminiano Cascais Franco (em Portugal), mas são versões indiretas,
feitas a partir do francês, ainda que com muita competência.
Como costuma acontecer com as traduções de viés mais acadêmico,
o projeto da “fidelidade” dispensa explicações sobre a atividade realizada —
e por isso essas duas edições da Odisseia, quais sejam, a de Dias Palmeira/
Alves Correia e a de Jaime Bruna. não trazem nenhum comentário a
respeito. Isso significa dizer que o tradutor está empenhado — como Mme.
Dacier — em reproduzir tudo o que vai dito no original, sem qualquer
constrição formal e rítmica, o que lhe permite, em tese, acomodar com
fluência ideias e imagens do grego, sem perda significativa das informações.
Um confronto rápido com o original logo desfaz, no entanto, essa ilusão de
reprodução ideal do conteúdo. Elegi, para meu comentário, os vinte e dois
versos iniciais do famoso Canto XXII da Odisseia, que narra o massacre dos
pretendentes, episódio já muito popular entre os antigos. Trata-se de uma
passagem curta, mas acredito que representativa das principais tendências
exibidas pelos tradutores abordados aqui (por motivo de espaço e clareza,
deixarei de fora da discussão minúcias filológicas presentes no trecho,
algumas delas com impacto sobre o trabalho do tradutor).
Elaborações sintáticas de modo a deixar Homero mais elegante;
omissões de termos repetidos, com o mesmo propósito; acréscimo de
alguma ideia ausente no original; e não-tradução de certos termos (por
desatenção?): tanto o trabalho de Dias Palmeira/ Alves Correia quanto o
de Jaime Bruna mostram exemplos dessas ocorrências. Veja-se, em Dias
Palmeira/ Alves Correia, a inclusão do advérbio “imediatamente”, logo
no primeiro parágrafo; a redução drástica da construção coordenativa,

8
MALTA, André. Traduções em prosa da Odisseia de Homero: ..., p. 5-16

com o sumiço da repetição original “flechas/ setas” e da qualificação das


mesmas armas como “rápidas”. No segundo parágrafo, “morte funesta”
traduz, literalmente, “morte má e sorte negra”, e ocorrem ainda outras
três omissões: “sangue humano/ másculo”; “repeliu-a rapidamente”; e “um
grande tumulto pelo palácio”:

Dias Palmeira/ Alves Correia (1938):


O prudente Ulisses despojou-se imediatamente dos seus andrajos
e, saltando para o grande limiar da porta com o arco e o carcás cheio
de frechas, que despejou a seus pés, disse aos pretendentes:
“Já está terminado o certame decisivo. Agora vou atirar a outro alvo,
ao qual ainda nenhum homem atirou. Quero ver se lhe acerto e se
Apolo me dá essa glória”.
Após estas palavras, dirigiu a frecha amarga contra Antínoo. Ora este
ia levar aos lábios uma linda taça de oiro, com duas asas, que tinha
já entre as mãos, para beber vinho, sem se preocupar no seu espírito
com a morte. Quem, com efeito, poderia pensar que, entre tantos
convivas, um só homem, ainda que fosse muito valente, lhe daria
morte funesta? Ulisses acertou-lhe com o dardo na garganta, cuja
ponta lhe atravessou, de um lado a outro, o macio pescoço. Antínoo
tombou para o lado e, ao ser atingido, o copo caiu-lhe das mãos.
Um jorro espesso de sangue brotou-lhe logo do nariz; e, dando na
mesa com o pé, repeliu-a de si, e os alimentos, o pão e a carne assada
espalharam-se pelo chão e sujaram-se no pó.
Os pretendentes, ao verem o homem tombar, fizeram um grande
tumulto.5

Em Jaime Bruna, os problemas são menos numerosos, ainda que


logo de saída ele também evite a repetição original de mesmo verso “flechas/
setas”. No parágrafo seguinte, temos “negro destino duma triste morte”; o
particípio traduzido por Dias Palmeira/ Alves Correia por “ao ser atingido”
desaparece; e o período final é reelaborado, tornando-se mais rebuscado.
Sinal do propósito de fundo em comum é perceber como o “e” homérico
que vem logo após a fala de Odisseu, “disse”, ganha nesses tradutores
tratamento quase idêntico: “Após essas palavras”/ “Com essas palavras”:

Jaime Bruna (1976):


O solerte Odisseu despojou-se dos andrajos, galgou de um salto a
longa soleira, segurando o arco e a aljava cheia; despejou a seus pés
as setas ligeiras e disse aos pretendentes:

5
Cf. Dias Palmeira; Alves Correia, 1994, p. 313.

9
nuntius antiquus Belo Horizonte, v. X, n. 1, jan.-jun. 2014
ISSN: 2179-7064 (impresso) - 1983-3636 (online)

“Essa competição inexequível acabou afinal; agora visarei outro


alvo, que ainda homem nenhum atingiu, e espero acertar, se Apolo
me der essa glória”.
Com essas palavras, endereçou amarga seta a Antínoo, no momento
em que ia erguendo uma copa de ouro cinzelada, de duas asas; ele
já a segurava nas mãos, para beber vinho, longe de cuidar da morte.
Quem, rodeado de comensais, imaginaria que um homem, só
entre muitos, por mais valente que fosse, lhe houvera de aprontar
o negro destino duma triste morte? No entanto, Odisseu alvejou-o,
acertando com a seta na garganta; a ponta varou, sem desvios, o
delicado pescoço. Antínoo tombou para um lado; a taça caiu-lhe
das mãos; no mesmo instante, subiu-lhe às narinas um jato grosso
de sangue humano; com rápido pontapé, arredou de si a mesa,
espalhando a comida pelo chão; caíram na sujeira pão e nacos de
carne assada.
Ergue-se na mansão um escarcéu dos pretendentes, ao verem o
homem caído.6

Não se pode negar, contudo, a despeito das “infidelidades”, o


serviço que essas propostas de tradução prestam no sentido de facilitar o
acompanhamento do texto, sobretudo numa passagem narrativa como essa.
Note-se, nesse sentido, o desrespeito ao grego e a inclusão de “Antínoo”
(que deixa de ser sujeito oculto) no momento em que se fala de sua
queda — expediente facilitado pela prosa e capaz de desfazer possíveis
ambiguidades. A conclusão é que a suposta fidelidade, nesses projetos, por
mais “bíblica” que pretenda ser, trai sempre visões estéticas e tratos com o
texto muito particulares e marcados, o que nos joga na dura realidade de
um inevitável, e rico, enviesamento.
Vejamos agora, trabalhando ainda com o mesmo trecho da Odisseia,
as traduções saídas na primeira década deste século XXI (a mais recente, no
entanto, é a de Trajano Vieira, de 2011), que se apresentam como poéticas.
Enquanto poesia, é bom deixar claro, ambas poderiam adotar uma feição
bastante prosaica, da mesma maneira que traduções em prosa poderiam
ter — e às vezes têm — caráter poético. Mas o fato é que, examinadas de
perto, elas me parecem prosa com disposição poética (isto é, linha a linha),
não havendo nesses textos nada de propriamente poético — no sentido de
investirem num projeto de valorização sustentada da forma. É a partir desse
sentido específico que estou dando aqui a “poético” — ciente dos inúmeros
problemas que essa definição envolve — que julgo possível abordar os

6
Cf. Bruna, 1996, p. 256.

10
MALTA, André. Traduções em prosa da Odisseia de Homero: ..., p. 5-16

trabalhos apresentados em verso de Frederico Lourenço e Donaldo Schüler


na mesma perspectiva daqueles de Dias Palmeira/ Alves Correia e Jaime
Bruna. Se voltarmos às comparações, seria possível dizer que Frederico
Lourenço é uma espécie de Richmond Lattimore (o tradutor em versos de
Homero mais popular entre os acadêmicos de língua inglesa); e Donaldo
Schüler, pela liberdade e o rebaixamento, um Émile Victor Rieu (prosa)
combinado com Robert Graves (verso): feitas tanto uma quanto outra por
especialistas da área de Letras Clássicas, essas traduções se prenderiam,
respectivamente, aos tipos 2 e 3 apresentados no início.
Note-se que, diferentemente das outras vistas aqui, essas trazem
textos explicativos sobre o projeto tradutório. No caso do trabalho de
Frederico Lourenço, o “Prefácio” da edição portuguesa, de 2003, virou
“Nota sobre a tradução” na edição brasileira, de 2011, apenas com a
supressão de um breve comentário inicial sobre os trabalhos de Dias
Palmeira/ Alves Correia e Cascais Franco, que teriam um “problema de
base”, “o fato de serem em prosa, o que não só empobrece como dificulta
7
a leitura” (pela dificuldade de se acompanhar a numeração dos versos).
Lourenço afirma que a Odisseia foi vertida “com a máxima fidelidade ao
original”, mas que não se trata de uma tradução “nem arcaizante nem
acadêmica”.8 Ele diz que a “transposição plena do hexâmetro dactílico para
o português é impossível, dada a inexistência na nossa língua de sílabas
longas e breves”, mas que “alguma coisa da paleta sonora do hexâmetro foi
possível preservar”, e que cultivou “um tipo de verso de extensão moldável,
com vincados contornos rítmicos”, sendo que no caso de algumas fórmulas
procurou “reproduzir, no nível da própria fonética, a musicalidade do
original”.9 Mais à frente, o tradutor afirma que procurou “respeitar também
a estética enunciativa do verso homérico no que concerne à alternância
entre versos autocontidos, que formam um enunciado completo, e versos
que cavalgam no seguinte”. Por fim, Lourenço informa que “na maior
parte dos casos, foi possível fazer corresponder a cada verso em grego
um verso em português”, mas que “houve passagens em que tal processo
não pareceu exequível”, o que resultou numa Odisseia em português com
“alguns versos a mais” — ainda que ressalve que “do conteúdo original,
pouco — diria mesmo nada — se perdeu”.10

7
Cf. Lourenço, 2003, p. 7.
8
Cf. Lourenço, 2011, p. 107.
9
Cf. Lourenço, 2011, p. 108.
10
Cf. Lourenço, 2011, p. 109.

11
nuntius antiquus Belo Horizonte, v. X, n. 1, jan.-jun. 2014
ISSN: 2179-7064 (impresso) - 1983-3636 (online)

Logo de cara, chama atenção a defesa da “máxima fidelidade” e da


“perda zero” — típica do tradicional conservadorismo dos filólogos —, numa
época em que as reflexões sobre tradução sugerem postura mais cautelosa.
Essa ingenuidade, me parece, já desmente por si a afirmação de que não se
trata de trabalho acadêmico. Na realidade, esse parece ser, em sua essência,
um trabalho norteado pelo espírito da prosa, segundo o qual se deve manter
a elegância e a fluência — objetivo que Lourenço alcança com excepcional
êxito — em detrimento do ritmo e da forma. Daí soarem como um pouco
vazias suas preocupações com a “paleta sonora do hexâmetro”, seus “vincados
contornos rítmicos” e a “musicalidade do original”: a versão tem a marca do
ouvido apurado, mas não propriamente poético, porque ao longo do texto
não é possível discernir esse tipo de economia formal que ele aponta. O
desrespeito à correspondência absoluta entre o número de versos — que ele
admite —, somado à desatenção com os cavalgamentos e o desenho sintático
de Homero — que o tradutor não admite —, parece confirmar as suspeitas
de que a execução não condiz com a carta de intenções.
Na passagem sob exame não há, é verdade, versos a mais, mas é
perceptível (pelas barras paralelas que inseri no texto, marcando o fim de
verso no original) o descuido com o “enjambement”. Note-se ainda a troca
de “rápidas” por “todas”, no terceiro verso, e as omissões de “grande”,
no segundo verso, de “na garganta”, no décimo quinto, de “espesso”, no
décimo oitavo, e de “pelo palácio”, no último. No décimo quarto, “negro
destino” vira “escuridão do destino”, rompendo o paralelismo, e no nono
o sujeito oculto Antino (forma que Lourenço adota para Antínoo) é
explicitado, no típico procedimento explicativo da prosa:

Frederico Lourenço (2003):


Em seguida despiu os farrapos o astucioso Ulisses
e deu um salto em direção à soleira, segurando o arco
e a aljava// cheia de setas. Entornou as setas todas
à frente dos pés e assim disse aos pretendentes:
“Na verdade chegou ao fim este certame tremendo. 5
Agora noutro alvo, que nunca antes foi atingido,// verei
se consigo acertar, se Apolo der cumprimento à minha prece”.
Assim falou, e contra Antino disparou uma seta amarga.
Ora Antino estava no momento de levar à boca uma bela
taça,// vaso dourado de asa dupla; pegara nela com a mãos, 10
para beber um gole de vinho. O morticínio estava longe
dos seus pensamentos. Pois quem dos celebrantes do banquete
pensaria// que um homem, isolado entre tantos, ainda que forte,
lhe traria a morte malévola e a escuridão do destino?
Mas Ulisses disparou contra ele e atingiu-o com a seta, 15

12
MALTA, André. Traduções em prosa da Odisseia de Homero: ..., p. 5-16

cuja ponta lhe atravessou por completo o pescoço macio.


Inclinou-se para o lado; a taça caiu-lhe das mãos// ao ser
atingido, e logo das narinas jorrou um jato de másculo
sangue. Depressa afastou// a mesa com um pontapé
e toda a comida foi parar ao chão,// conspurcando o pão 20
e as carnes assadas. Então surgiu entre os pretendentes
uma gritaria desmedida, ao verem o homem caído.11

A versão de Donaldo Schüler, publicada em três volumes (a única


bilíngue), segue caminho diferente, mostrando-se bem mais desnivelada,
e pouco criteriosa. No volume 1, ao final de uma breve introdução, lemos
um parágrafo em que o tradutor apresenta seu propósito de “afrouxar a
carga sintática e vocabular que abafa vozes juvenis”, mantendo o “diálogo
entre nosso tempo e outros tempos” e tendo “em mira fazer personagens
reviverem em nosso dizer coloquial”.12 Schüler diz ainda que pretendeu
“criar ritmos livres, não subordinados a modelos, movimentos próximos
à mobilidade do hexâmetro homérico”, e reconhece que as fórmulas
“aparecem modificadas, moduladas, contornadas em consonância com
procedimentos da literatura escrita”, recebendo destacado cuidado em
relação à sonoridade.13 No volume 3, esse mesmo texto é reapresentado,
seguido agora de uma nota “Sobre a tradução”. Trata-se de uma reelaboração
do eixo central que já havia sido exposto anteriormente — a popularização
pelo recurso à coloquialidade. Com base na afirmação de que “tradução
fiel não existe”, Schüler faz as seguintes afirmações, que destaco:

1) “Quisemos fazer com que Homero deixe de ser um autor para


poucos sem deixar de ser Homero”.
2) “Optamos por linguagem popular até nas palavras de xingamento.
Se correspondem ao original não está em foco. Importa que
funcionem em português. A precisão esteve, entretanto, sempre
no horizonte de nossas preocupações”.
3) “O modernismo brasileiro desvendou insuspeitos recursos
poéticos na linguagem coloquial. Recorremos ao sabor de expressões
correntes a todo instante, misturamos níveis de linguagem. A
sonoridade nos foi preocupação constante. Em lugar de algemar os
versos a medidas consagradas, preferimos dar ouvidos aos móveis
embalos do hexâmetro. Não se confunda isso com expansão
prosaica”.14

11
Cf. Lourenço, 2011, p. 493 e 494.
12
Cf. Schüler, 2007, vol. 1, p. 10.
13
Cf. Schüler, 2007, vol. 1, p. 10.
14
Cf. Schüler, 2007, vol. 3, p. 11.
13
nuntius antiquus Belo Horizonte, v. X, n. 1, jan.-jun. 2014
ISSN: 2179-7064 (impresso) - 1983-3636 (online)

Assumir o mote modernista é uma opção interessante e, obviamente,


válida, mas a proposição geral soa confusa e contraditória. A meu ver,
falta, fundamentalmente, justificar a correlação entre a “voz” do texto de
partida e a pretendida para o de chegada. É difícil, além do mais, não se ter a
impressão de absoluto desprezo pelo ritmo quando Schüler termina versos,
como nesta amostragem, com “do”, “e o”, “me”, “que”, “das”, “pelo”. Se a
passagem em foco não traz o registro baixo e de apelo juvenil/ popular que é
característico desse projeto, e que às vezes é quase o do “poema-piada” (Od.
9, 273-5: “...Que Zeus vá à merda. Nós, os Ciclopes,/ cagamos no poder
dele. Um peido na fuça dos/ lá de cima...”), por outro lado não dispensa a
paráfrase recriadora — perigosa porque traz consigo a impressão de arbitrária,
preguiçosa — e o ritmo sincopado, ágil (sobre essas características, veja-se a
resenha de Lilian Sais citada nas referências). O leitor sente, ao final, certo
desconforto. Dizer que a tradução fiel não existe é bem diferente de praticar
uma recriação própria: uma não leva necessariamente à outra:

Donaldo Schüler (2007):


Odisseu, farto em planos, arranca os farrapos do
corpo, salta ao espaçoso limiar com o arco e o
carcás carregado de frechas. Esparramados os velozes
projéteis a seus pés, a voz valente perpassa o espaço:
“Ah! Ah! Acabou o acirrado certame. Mas não me 5
escapa novo escopo, fora da mira de outro frecheiro.
Saberei alcançá-lo se Apolo me conceder esta glória”.
Antínoo chama-se o alvo da seta certeira. O ouro
da taça subia-lhe fulgurante aos lábios. Duplas eram
as asas, erguidas por mãos decididas. Rubro rutilava 10
na taça o vinho. A morte não lhe anuviava a mente.
Quem pensaria durante folguedos de banquete que
um só se lançaria contra muitos, ainda que fosse o
melhor, com negros planos de morte e matança?
Zuniu a seta. Odisseu visou a garganta. A ponta 15
perfurou a delicada pele do pescoço. Antínoo caiu
de costas. A taça saltou das mãos do ferido. Das
narinas esguichou um jato de sangue. O pé bateu
brusco na perna da mesa. As iguarias rolaram pelo
chão. Pão e assados se perderam no pó. O tumulto 20
alvorotou toda a sala. À vista do homem tombado,
os convivas// saltaram...15

15
Cf. Schüler, 2007, vol. 3, p. 267.

14
MALTA, André. Traduções em prosa da Odisseia de Homero: ..., p. 5-16

Sim, Frederico Lourenço é poético em certo sentido porque a


apresentação do texto em versos já pressupõe uma disposição diferente
por parte do leitor (é bom lembrar que traduções norte-americanas
ditas “poéticas”, como a de Robert Fagles, trazem a marca do prosaísmo
tão característico da poesia desse país); a de Donaldo Schüler tem, sim,
certo dinamismo poético e a herança haroldiana da ênfase na sonoridade:
o conceito de “poético”, sabemos, é mutável como um Proteu. No
entanto, no sentido em que o estou empregando aqui, faltam a ambas,
para que possam receber tal definição, uma economia e um tratamento
mais intensivo dado ao original — ou seja, uma preocupação contínua
com outros elementos que não apenas a recriação distendida (elegante ou
coloquial) do conteúdo —, como se vê nas transposições de Odorico (Ilíada
e Odisseia), Nunes (também dos dois épicos) e Haroldo (Ilíada)/ Trajano
(Odisseia). Sente-se, nos dois casos, guardadas as enormes diferenças, que
se realizou um trabalho de sobrevoo, sem a paciente descida aos detalhes.
A poesia homérica, no entanto, tomada em seu valor geral, não se perde
— muitas vezes fica até mais acessível, inteligível. São, portanto, traduções
fáceis de ler, muito divergentes entre si pelo tom e pelo andamento geral,
que se dirigem a públicos distintos. E isso é bom.

Referências
BRUNA, J. Homero: Odisseia. São Paulo: Cultrix, 1996.
DIAS PALMEIRA, E.; ALVES CORREIA, M. Homero: Odisseia. Lisboa: Sá da
Costa, 1994.
LOURENÇO, F. Homero: Odisseia. Lisboa, Cotovia, 2003.
LOURENÇO, F. Homero: Odisseia. São Paulo: Penguin/ Cia. das Letras, 2011.
MOORE, F. Homer revisited: Anne Le Fèvre Dacier’s preface to her prose
translation of the “Iliad” in early eighteenth-century France. Studies in the literary
imagination, Atlanta, vol. 33, n. 2, p. 87-107, 2000.
ORTEGA Y GASSET, J. Miséria e esplendor da tradução (trad. Mauri Furlan e
Mara Gonzalez Bezerra). Scientia traductionis, Florianópolis, n. 13, p. 5-50, 2013.
ROBINSON, D. (ed.). Western translation theory. Northampton: St. Jerome
Publishing, 2002.
SAIS, L. Resenha da tradução de Donaldo Schüler. Letras Clássicas, São Paulo,
vol. 9, p. 253-267, 2005.
SCHÜLER, D. Homero: Odisseia. 3 vols. Porto Alegre: L&PM, 2007.
STEINER, G. Homer in English. New York: Penguin, 1996.

15