Você está na página 1de 19

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

PROJETO DE PESQUISA

1- PLANO DE TRABALHO
Edital: PROPP – Pesquisa e Inovação sem Fomento nº 01/2019.
Título do projeto: Observatório de atividades físicas e esportivas.
Coordenador: Prof. Dr. Joel Saraiva Ferreira.
E-mail: joel.ferreira@ufms.br
Área de Conhecimento 1: Ciências da Saúde. Educação Física.
Instituição Executora: Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS.
Unidade Executora: Faculdade de Educação – FAED.

Início Previsto: 01/06/2019


Término Previsto: 31/05/2023

2- DESCRIÇÃO DA PROPOSTA

RESUMO
A literatura científica apresenta registros sobre a distribuição, frequência e fatores associados à
prática regular de atividades físicas e esportivas, assim como os riscos do comportamento
sedentário. Tais informações estão bem avançadas no cenário internacional, mas ainda
incipientes no contexto do território brasileiro e escassas em âmbito regional de Mato Grosso do
Sul. A partir dessa constatação, o presente projeto de pesquisa foi elaborado com o objetivo de
verificar os fatores associados ao comportamento sedentário e à prática de atividades físicas e
esportivas entre frequentadores de espaços e equipamentos de lazer em Campo Grande-MS. É
um estudo exploratório, com delineamento transversal e abordagem quantitativa na análise dos
dados, que será desenvolvido por um período de 48 meses (de junho de 2019 a maio de 2023).
Os dados serão coletados por meio de aplicação de questionários sobre nível de atividade física
habitual, comportamento sedentário, indicadores sociodemográficos e de saúde dos sujeitos
avaliados, além das coordenadas geográficas dos locais de coleta desses dados. Serão incluídos
no estudo os indivíduos que frequentam espaços e equipamentos de lazer do município de
Campo Grande, seja para prática de exercícios físicos ou para contemplação das ações culturais,
esportivas e sociais realizadas nesses locais. Para as análises das variáveis será usado
tratamento estatístico e geoprocessamento para apresentação dos resultados. Ao final do período
do estudo espera-se que os dados obtidos contribuam para o desenvolvimento de políticas
públicas voltadas à promoção de um estilo de vida fisicamente ativo para a população.

Palavras-chave: atividade física, esporte, comportamento sedentário, atividades de lazer.


INTRODUÇÃO
A importância da prática regular de atividades físicas e esportivas para a promoção da
saúde (em seu conceito mais amplo envolvendo aspectos biológicos, psicológicos e sociais),
assim como os riscos à saúde relacionados ao comportamento sedentário, estão bem
documentados na literatura científica (BOUCHARD, BLAIR, HASKELL, 2012; WORLD HEALTH
ORGANIZATION, 2014). Da mesma forma, é reconhecida a relevância de estudos que avaliem as
condições em que tais práticas são ofertadas, sejam lúdicas ou competitivas, em diferentes
contextos e com distintos grupos populacionais (HALLAL et al., 2014).
Nesse sentido, ao realizar pesquisas de caráter epidemiológico cujo objeto de estudo seja
a prática de atividades físicas e esportivas, devem ser selecionados mecanismos de avaliação
que permitam posterior análise comparativa com os próprios dados (reavaliações) ou com outros
levantamentos análogos e que ainda sejam suficientemente adequados para a formulação de
políticas públicas voltadas à promoção de um estilo de vida ativo fisicamente para a população
(REIS, PETROSKI, LOPES; 2000).
No âmbito internacional já é possível identificar iniciativas que englobam recomendações
de prática de atividades físicas e esportivas para a população, desenvolvimento de questionários
que avaliam o nível de atividade física, intervenções voltadas à promoção de um estilo de vida
ativo e diminuição do comportamento sedentário (CRAIG et al., 2003; WORLD HEALTH
ORGANIZATION, 2010).
Por outro lado, investigações que abranjam todo o território brasileiro são menos
numerosas (BRASIL, 2015; INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2016;
BRASIL, 2018) e estudos no âmbito regional de Mato Grosso do Sul são escassos. Para colaborar
com o desenvolvimento do conhecimento científico, de modo a cobrir essa lacuna de
conhecimento do contexto regional, o presente projeto de pesquisa foi proposto e apresenta como
objetivo principal verificar os fatores associados ao comportamento sedentário e à prática de
atividades físicas e esportivas entre frequentadores de espaços e equipamentos de lazer em
Campo Grande-MS.

REFERENCIAL TEÓRICO
A partir do momento em que os estudos epidemiológicos passaram a ter interesse na
prática de atividades físicas como uma variável capaz de influenciar o processo de
morbimortalidade da população, muitas constatações foram estabelecidas (PITANGA, 2002). A
principal delas, apontada desde a década de 1950 em Londres pelos estudos do médico Jeremy
Morris (MORRIS et al., 1953), foi de que a prática de atividades físicas em diferentes contextos é
um fator de proteção contra doenças cardiovasculares, ao passo que a adoção de
comportamentos sedentários tem efeitos deletérios sobre a saúde das pessoas.
Por outro lado, o contexto moderno que a maioria da população vivencia no século XXI,
com acesso a aparatos tecnológicos e comodidades urbanas, possibilita que as pessoas tenham
menor necessidade de realizar esforços físicos (ou os realizam com menor intensidade) nas
atividades cotidianas. Como efeito dessa nova configuração de estilo de vida, observa-se baixos
níveis de prática regular de atividades físicas e esportivas, somadas a prolongados momentos de
comportamento sedentário no cotidiano dos indivíduos (HALLAL et al., 2012).
Conceitualmente, todas as ações realizadas pela musculatura esquelética, com gasto
energético maior que os níveis de repouso, são entendidas como atividades físicas
(CASPERSEN, POWELL e CHRISTENSON, 1985). No entanto, a diversidade de interpretações
que a população faz sobre os conceitos de “atividade física” e “esporte”, exige que ambas as
expressões sejam igualmente aceitas no momento de coletar dados para estudos de maior
abrangência (BRASIL, 2016). Já o comportamento sedentário corresponde a todos os momentos

2
em que as pessoas adotam condições de baixo gasto calórico, como em situações de postura
sentada ou reclinada (TREMBLAY, 2012).
Para ampliar a discussão em torno da prática de atividades físicas em âmbito populacional,
convencionou-se denominar como “domínios” os diferentes contextos em que são realizadas
todas essas atividades, gerando assim uma diferenciação em: atividades físicas domésticas;
laborais; de deslocamento; de lazer (PITANGA, 2016). De forma ampla, os quatro domínios
despertam interesse em estudos de caráter epidemiológico, mas o contexto da prática de
atividades físicas de lazer é o que tem recebido maior afeição, por se tratar de um momento em
que as pessoas têm maior possibilidade de escolha sobre suas atitudes, dentre as opções que
envolvem realizar ou não realizar atividades físicas e esportivas em seu tempo livre (SILVA e
FERREIRA, 2018).
Ainda em relação ao aspecto conceitual, uma proposta de nomenclatura desenvolvida por
Dumith (2010) tem sido amplamente utilizada para descrever o perfil epidemiológico das pessoas
em âmbito populacional, no que se refere à prática de atividades físicas e esportivas, assim como
dados relativos ao comportamento sedentário. São adotados pontos de referência ligados à soma
dos minutos semanais que uma pessoa dedica às atividades físicas e esportivas de intensidade
moderada ou vigorosa ou ainda o tempo despendido em comportamento sedentário. Sendo
assim, é possível não apenas dicotomizar a população quanto ao nível de atividade física, pois os
indivíduos podem ser distinguidos em: inativos fisicamente; insuficientemente ativos fisicamente;
ativos fisicamente; muito ativos fisicamente; além de possibilidade de identificação da presença
aceitável ou excessiva de comportamentos sedentários ao longo de uma semana corriqueira.
A partir desse alinhamento teórico e conceitual, fica mais viável identificar condições de
prática de atividades físicas e esportivas já pesquisadas, para conhecer detalhes e possíveis
lacunas de conhecimento ainda existentes.
Nesse sentido, já há dados que evidenciam um panorama preocupante em nosso planeta,
os quais apontam que cerca de 3% de toda a carga de doenças ocorridas no mundo apresentam
alguma relação de causalidade com a inatividade física da população e com o excesso de
comportamento sedentário (esse número aumenta para 20% quando o recorte é somente sobre
doenças do aparelho cardiovascular), ao mesmo tempo em que aproximadamente 40% da
população adulta e 80% de crianças e adolescentes não realizam a quantidade mínima de
atividade física semanal necessária para atuar como fator de proteção contra doenças crônicas
não transmissíveis (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2002).
No Brasil o interesse por estudos ligados à epidemiologia da atividade física e ao
comportamento sedentário cresceu exponencialmente a partir do início do século XXI, tendo como
foco principal a identificação dos determinantes para a prática de atividade física, assim como os
níveis de prática de atividade física dos grupos populacionais, sendo que tais informações foram
obtidas principalmente por meio de estudos transversais e em menor proporção por estudos de
coorte (RAMIRES et al., 2014).
Ao debruçar atenção sobre a mais recente publicação relacionada a epidemiologia da
atividade física da população brasileira, os dados apontam uma situação preocupante com a
população adulta (≥ 18 anos de idade) apresentando cerca de 37% de pessoas ativas fisicamente,
46% de insuficientemente ativos fisicamente e outros 14% de inativos fisicamente, somados a
61% de pessoas que apresentam comportamento sedentário de risco para a saúde (BRASIL,
2018). Entre os mais jovens (crianças e adolescentes) o panorama segue itinerário semelhante,
com aproximadamente 34% de pessoas ativas fisicamente, quando os pesquisados são escolares
do nono ano do ensino fundamental, em todas as capitais brasileiras (INSTITUTO BRASILEIRO
DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2016).
Já o contexto do estado de Mato Grosso do Sul é pouco provido de informações capazes
de demonstrar detalhes do perfil epidemiológico dos habitantes locais, no que se refere à prática
de atividades físicas e esportivas ou ainda quanto ao comportamento sedentário. Os escassos

3
dados existentes são oriundos de levantamentos nacionais, inclusive já mencionados
anteriormente, que avaliaram as capitais brasileiras. Sendo assim, sabe-se somente que 40% dos
campo-grandenses são ativos fisicamente no lazer, com maior proporção de homens nesse grupo,
enquanto 57% apresentam comportamento sedentário incompatível com os padrões
recomendados para a saúde, com distribuição igual entre homens e mulheres (BRASIL, 2018) e
ainda que aproximadamente 40% dos escolares do nono ano do ensino fundamental da capital
sul-mato-grossense são ativos fisicamente (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E
ESTATÍSTICA, 2016).
A partir do referencial exposto é notória a demanda por estudos capazes de trazer
evidências científicas sobre a prática de atividades físicas e esportivas ou ainda em relação ao
comportamento sedentário de distintos grupos populacionais do município de Campo Grande.
Sendo assim, é justificável o desenvolvimento do presente projeto de pesquisa, cujo propósito se
assenta exatamente sobre a demanda aqui evidenciada, para que sejam tomadas decisões
baseadas em evidências, tanto de modo individual, coletivo e por meio de políticas públicas.

HIPÓTESE
Há fatores sociodemográficos associados tanto ao comportamento sedentário quanto à
prática de atividades físicas e esportivas entre frequentadores de espaços e equipamentos de
lazer em Campo Grande-MS.

OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL: Verificar os fatores associados ao comportamento sedentário e à prática de
atividades físicas e esportivas entre frequentadores de espaços e equipamentos de lazer em
Campo Grande-MS.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
a) Descrever o perfil sociodemográfico dos frequentadores de espaços e equipamentos de
lazer em Campo Grande-MS.
b) Analisar o estilo de vida ligado ao comportamento sedentário e à prática de atividades
físicas e esportivas entre frequentadores de espaços e equipamentos de lazer em Campo
Grande-MS.
c) Elaborar mapas temáticos representativos do comportamento sedentário e da prática de
atividades físicas e esportivas entre frequentadores de espaços e equipamentos de lazer
em Campo Grande-MS.

METODOLOGIA
O que se propõe é a realização de um estudo exploratório, com delineamento transversal e
abordagem quantitativa na análise dos dados.
Os sujeitos do estudo serão pessoas que compõem grupos populacionais passíveis de
avaliação da prática de atividades físicas e esportivas ou do comportamento sedentário. Tais
grupos serão organizados em dois segmentos, a saber: a) crianças e adolescentes; b) adultos e
idosos. Em todos os casos, há um limite geográfico para composição dos grupos populacionais,
que é o município de Campo Grande, capital do estado de Mato Grosso do Sul.
Para ter acesso aos espaços e equipamentos de lazer de Campo Grande (praças e
parques esportivos, centros de convivências de idosos, academias ao ar livre, etc.) e,
consequentemente, aos indivíduos que frequentam tais locais, foi solicitada e obtida autorização

4
da Fundação Municipal de Esporte de Campo Grande (FUNESP) para o desenvolvimento da
pesquisa (ANEXO A), que incluirá a avaliação do público que usufrui dos diversos projetos de
atividades físicas e esportivas ofertadas pela FUNESP nesses locais (CAMPO GRANDE, 2019).
Serão sujeitos do estudo as pessoas que participam efetivamente dos programas de
exercícios físicos e também aquelas que acompanham tais atividades por meio da contemplação
da prática esportiva ou simplesmente frequentam tais espaços e equipamentos de lazer para fins
sociais ou culturais ligados ao interesse individual e familiar. A determinação do número de
indivíduos que participarão do estudo ocorrerá por meio de cálculo amostral, com base em uma
amostragem probabilística da população que frequenta os espaços e equipamentos de lazer de
Campo Grande, considerando para isso a população cadastrada junto à FUNESP. As avaliações
serão realizadas em quantidade suficiente para que os dados sejam representativos de cada
grupo populacional estudado, sempre com um acréscimo de 10% no número de indivíduos, para
fins de segurança no caso de necessidade de descarte de questionários que apresentem
inconsistência nos dados obtidos. Para os cálculos amostrais será usado um nível de confiança de
95% (bicaudal) e margem de erro de 5%.
O estudo será desenvolvido durante 48 meses, de junho de 2019 a maio de 2023. O
prolongado período de estudo justifica-se pela intenção do grupo de pesquisa em manter o
observatório ao longo desses anos, verificando assim o comportamento dos grupos populacionais,
em função das sazonalidades temporais de um mesmo ano ou de anos consecutivos, no que se
refere as variáveis de interesse desta investigação. É válido destacar que não haverá qualquer
forma de estudo longitudinal neste projeto.
Para a coleta de dados, cada sujeito do estudo será contatado nos próprios espaços e
equipamentos de lazer que frequenta e receberá informações quanto ao objetivo do estudo e aos
procedimentos relacionados à coleta, análise e divulgação dos resultados obtidos. As variáveis de
interesse, em qualquer grupo avaliado, incluem especificamente o nível de atividade física habitual
e a frequência de comportamento sedentário, assim como os dados sociodemográficos e de
saúde que podem ter alguma associação com as duas variáveis principais (atividade física e
comportamento sedentário).
Todas as avaliações serão conduzidas e supervisionadas pelo pesquisador responsável
pelo presente projeto de pesquisa. Mas, para potencializar um maior alcance no estudo, outros
profissionais e acadêmicos serão treinados (pelo pesquisador responsável) para colaborar com a
coleta de dados, constituindo assim uma equipe de pesquisa maior. Esse treinamento será
realizado nas dependências do curso de Educação Física da UFMS, em Campo Grande, no início
do projeto e, sempre que necessário, durante seu desenvolvimento.
Para avaliar o nível de atividade física habitual ou comportamento sedentário serão
utilizados questionários específicos para cada grupo avaliado (segmentos “a” e “b”, mencionados
anteriormente). Nesse caso, quando os dados forem obtidos com pessoas menores de 18 anos de
idade será utilizado o questionário desenvolvido e validado por Farias Junior et al. (2012). Já para
os indivíduos adultos ou idosos os dados serão obtidos com uso do Questionário Internacional de
Atividade Física (IPAQ), já validado para uso com a população brasileira (MATSUDO et al., 2001)
ou com o questionário proposto por Dumith, Gigante e Domingues (2007) para identificar os
Estágios de Mudança de Comportamento para a prática de atividade física. Todos os instrumentos
de pesquisa mencionados nesse parágrafo estão disponíveis como Anexos (B, C, D) do presente
projeto de pesquisa. Para identificação das características sociodemográficas e de saúde dos
participantes do estudo será usado o formulário desenvolvido especificamente para essa
finalidade (Apêndice A).
Para a elaboração dos mapas temáticos representativos do comportamento sedentário e
da prática de atividades físicas e esportivas, no momento da coleta de dados serão catalogados
os endereços postais (logradouro, número e bairro) de cada um dos espaços e equipamentos de
lazer. Com auxílio de um aparelho de GPS (Global Positioning System) os endereços postais

5
serão vinculados às respectivas coordenadas geográficas (latitude e longitude) de cada local, para
a formação do banco de dados.
Posteriormente será obtida a malha digital da área urbana do município de Campo Grande,
disponibilizada publicamente no website do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE
(IBGE, 2016). A partir desse ponto será organizado um Sistema de Informações Geográficas
(SIG), que utilizará os dados já coletados, associando-os aos respectivos dados de localização
dos espaços e equipamentos de lazer do município. Com o uso do software de código aberto
QGIS serão produzidos mapas temáticos com as coordenadas geográficas e análise estatística
espacial, segundo a técnica de alisamento de Kernel (GATRELL et al., 1996; BRASIL, 2007), que
resultará na estimativa alisada da intensidade dos eventos sobre a área estudada, obtendo-se
padrões de densidade espacial dos pontos, com uma superfície de risco para a ocorrência do
objeto de estudo.
Quanto aos aspectos éticos, o projeto será submetido à apreciação de um Comitê de Ética
em Pesquisa com Seres Humanos (CEP) e a coleta de dados somente terá início após obtenção
de parecer favorável à sua execução. Dentre os procedimentos éticos adotados está o uso de um
Termo de Assentimento Livre e Esclarecido, quando os sujeitos do estudo tiverem menos de 18
anos de idade (Apêndice B), assim como um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para os
pais dos participantes menores de 18 anos de idade (Apêndice C) e para adultos ou idosos (≥18
anos de idade) que forem sujeitos do estudo (Apêndice D).
Serão adotados os seguintes critérios de inclusão para os sujeitos do estudo: pessoas que
frequentam espaços e equipamentos de lazer no município de Campo Grande-MS; pessoas que
residem no município de Campo Grande-MS.
Já os critérios de exclusão para os sujeitos do estudo são: indígenas; pessoas com
restrição de liberdade que estejam eventualmente nos locais de coleta de dados no momento da
pesquisa; pessoas com limitações físicas ou cognitivas que as impeçam de praticar atividades
físicas e esportivas regulares.
Os riscos aos participantes do estudo são considerados baixos e incluem um possível
cansaço ou desconforto ao responder os questionamentos relacionados à prática de atividades
físicas ou esportivas. No entanto, a equipe de pesquisa fará todos os esforços para que não haja
qualquer forma de incômodo ou constrangimento dos pesquisados. Para isso, medidas
preventivas serão tomadas, como a aplicação do questionário em local reservado e confortável
(levando em consideração, nesse caso, as peculiaridades dos espaços e equipamentos de lazer),
assim como a garantia de preservação do anonimato do sujeito pesquisado e de seus dados.
Como benefícios aos participantes do estudo é possível apontar principalmente a
possibilidade de acesso às informações que os ajudarão a identificar a própria
condição/classificação de prática de atividades física e esportivas ou comportamento sedentário,
em relação aos padrões indicados para a promoção da saúde. Além disso, os participantes
estarão colaborando diretamente para o progresso da ciência e com a geração de dados que
podem subsidiar a criação de políticas públicas voltadas à promoção de um estilo de vida ativo
fisicamente para a população.
Para a análise dos dados do estudo, inicialmente todas as informações obtidas serão
organizadas em planilha eletrônica do programa Excel for Windows e posteriormente as variáveis
de interesse para o estudo passarão por tratamento estatístico no programa BioEstat 5.0,
permitindo assim que sejam realizadas avaliações de associação e correlação entre as
informações coletadas. Antes das análises inferenciais, os dados serão avaliados quanto à
distribuição de normalidade das informações, para que sejam utilizados os testes específicos para
cada condição: distribuição paramétrica ou distribuição não paramétrica.

6
CRONOGRAMA
O estudo será desenvolvido durante em um período de 48 meses, com o seguinte
cronograma:
1º ANO DA PESQUISA
MESES
AÇÕES/ETAPAS
1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º

Submissão do projeto ao CEP X X X X


Treinamento da equipe de pesquisa X X X
Coleta e análise de dados X X X X X X X
Produção científica X X X
Relatório parcial X

2º ANO DA PESQUISA
MESES
AÇÕES/ETAPAS
13º 14º 15º 16º 17º 18º 19º 20º 21º 22º 23º 24º

Coleta e análise de dados X X X X X X X X X X X X


Produção científica X X X X X X X X X X X X
Relatório parcial X

3º ANO DA PESQUISA
MESES
AÇÕES/ETAPAS
25º 26º 27º 28º 29º 30º 31º 32º 33º 34º 35º 36º

Coleta e análise de dados X X X X X X X X X X X X


Produção científica X X X X X X X X X X X X
Relatório parcial X

4º ANO DA PESQUISA
MESES
AÇÕES/ETAPAS
37º 38º 39º 40º 41º 42º 43º 44º 45º 46º 47º 48º

Coleta e análise de dados X X X X X X X X X X X X


Produção científica X X X X X X X X X X X X
Relatório final X X

7
ORÇAMENTO
O estudo será desenvolvido com o seguinte orçamento, já planejado para os quatro anos
de pesquisa:
ITEM QUANTIDADE VALOR UNITÁRIO VALOR TOTAL
Combustível 400 litros R$ 4,60 R$ 1.840,00
Papel sulfite A4 20 resmas R$ 18,00 R$ 360,00
Impressora laser 01 unidade R$ 600,00 R$ 600,00
Toner para impressora laser 02 unidades R$ 180,00 R$ 360,00
Notebook 01 unidade R$ 1.500,00 R$ 1.500,00

TOTAL R$ 4.660,00

Todas as despesas contidas no orçamento serão custeadas pelo pesquisador responsável


pelo projeto. Contudo, ao longo dos quatro anos de pesquisa, o projeto poderá ser submetido a
avaliação em editais de fomento à pesquisa e, caso seja contemplado, poderá receber recursos
para potencializar as ações previstas.

REFERÊNCIAS
BOUCHARD C, BLAIR SN, HASKELL WL. Physical activity and health. Champaign, IL: Human
Kinetics; 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sistemas de Informações


Geográficas e Análise Espacial na Saúde Pública. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por
inquérito telefônico – VIGITEL. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

BRASIL. Ministério do Esporte. Diagnóstico Nacional do Esporte – DIESPORTE Caderno 1.


Brasília: Ministério do Esporte; 2015.

BRASIL. Ministério do Esporte. Diagnóstico Nacional do Esporte – DIESPORTE Caderno 2.


Brasília: Ministério do Esporte; 2016.

CAMPO GRANDE. Prefeitura Municipal de Campo Grande. Fundação Municipal de Esportes.


Campo Grande-MS: Funesp, 2019. Disponível em <http://www.campogrande.ms.gov.br/funesp/>.
Acesso em fevereiro de 2019.

CASPERSEN CJ, POWELL KE, CHRISTENSON GM. Physical Activity, Exercise, and Physical
Fitness: Definitions and Distinctions for Health-Related Research. J Public Health Res.
1985;100(2):126-131.

CRAIG CL, MARSHALL AL, SJÖSTRÖM M, et al. International physical activity questionnaire: 12-
country reliability and validity. Med Sci Sports Exerc. 2003;35(8):1381–1395.

DUMITH SC. Atividade física e sedentarismo: diferenciação e proposta de nomenclatura. Rev


Bras Ativ Fis Saúde. 2010;15(4):253-254.

8
DUMITH SC, GIGANTE DP, DOMINGUES MR. Stages of change for physical activity in adults
from Southern Brazil: a population-based survey. Int J Behav Nutr Phys Act. 2007;4(25):1-10.

FARIAS JUNIOR JC, LOPES AS, MOTA J, SANTOS MP, RIBEIRO JC, HALLAL PC. Validade e
reprodutibilidade de um questionário para medida de atividade física em adolescentes: uma
adaptação do Self-Administered Physical Activity Checklist. Rev. Bras. Epidemiol. 2012;15(1):198-
210.

GATRELL, A. C.; BAILEY, T. C.; DIGGLE, P. J.; ROWLINGSON, B. S. Spatial point pattern
analysis and its application in geographical epidemiology. Transactions of the Institute of British
Geographers. 1996;21(1):256-274.

HALLAL PC, ANDERSEN LB, BULL FC, GUTHOLD R, HASKELL W, EKELUND U. Global
physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. 2012;380:247-257.

HALLAL PC, MARTINS RC, RAMÍREZ A. The Lancet Physical Activity Observatory: promoting
physical activity worldwide. Lancet. 2014;384:471–472.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Mapeamento das Unidades


Territoriais. Mapeamento Topográfico. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/default_prod.shtm#TERRIT. Acesso em: 02 de maio de
2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Nacional de


Saúde do Escolar. Rio de Janeiro: IBGE; 2016.

MATSUDO S, ARAÚJO T, MATSUDO V, ANDRADE D, ANDRADE E, OLIVEIRA LC, BRAGGION


G. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade
no Brasil. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2001;6(1):5-18.

MORRIS JM, HEADY JÁ, RAFFLE PAB, ROBERTS CG, PARKS JW. Coronay heart-disease and
physical activity of work. Lancet. 1953;28:1111-1120.

PITANGA FJG. Epidemiologia aplicada à atividade física e saúde. In: SILVA JVP, GONÇALVES-
SILVA LL, MOREIRA WW (Org.). Educação física e seus diversos olhares. Campo Grande-MS:
Ed. UFMS; 2016.

PITANGA FJG. Epidemiologia, atividade física e saúde. Rev. Bras. Ciên. e Mov. 2002;10(3):49-54.

RAMIRES VV, BECKER LA, SADOVSKY ADI, ZAGO AM, BIELEMANN RM, GUERRA PH.
Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física e comportamento sedentário no Brasil:
atualização de uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2014;19(5):529-530.

REIS RS, PETROSKI EL, LOPES AS. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. 2000;2(1):89-
96.

SILVA JVP, FERREIRA JS. Lazer e saúde: uma interface ainda por fazer no âmbito acadêmico-
científico do lazer? In: MOREIRA WW, SILVA JVP (Org.). Lazer e esporte no século XXI:
novidades no horizonte? Curitiba: Intersaberes; 2018.

9
TREMBLAY M. Standardized use of the terms “sedentary” and “sedentary behaviours”. Appl.
Physiol. Nutr. Metab. 2012;37: 540–542.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global recommendations on physical activity for health.


Geneva: WHO Press, World Health Organization; 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable diseases 2014.


Geneva: WHO Press, World Health Organization; 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. World Health Report. Reducing risks, promoting healthy life.
Geneva: WHO Press, World Health Organization; 2002.

10
APÊNDICE A – Formulário para coleta de dados sociodemográficos e de saúde.

CÓDIGO PARA A PESQUISA: ________

INICIAIS DO NOME DO PARTICIPANTE: ____________


IDADE: _________ anos.
SEXO: (__) Masc. (__) Fem.
PROFISSÃO: _______________________________________________________
ESTADO CIVIL: _____________________________________________________

SOBRE A ESCOLARIDADE:
(__) Sem escolaridade formal.
(__) Ensino Fundamental (completo ou em andamento).
(__) Ensino Médio (completo ou em andamento).
(__) Ensino Superior (completo ou em andamento).

SOBRE A UNIDADE HABITACIONAL:


Quantas pessoas residem na mesma casa que você (incluindo você)? ___________
A residência é: (__) Própria (__) Alugada (__) Emprestada (__) Financiada

SOBRE A PRESENÇA DE DOENÇAS E AGRAVOS À SAÚDE (auto referidas):


 Você possui diagnóstico médico (algum médico já te disse que você tem):
Hipertensão Arterial (pressão alta)? (__) Sim (__) Não
Diabetes? (__) Sim (__) Não
Colesterol elevado? (__) Sim (__) Não
Obesidade? (__) Sim (__) Não
Problemas na coluna? (__) Sim (__) Não
Depressão? (__) Sim (__) Não
Doenças osteoarticulares (artrite, artrose, etc.)? (__) Sim (__) Não
Outra doença ou agravo: ____________________________________________________

SOBRE OS CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO:


(__) Indígena.
(__) Pessoa com restrição de liberdade (frequentando eventualmente o local de coleta de
dados do presente estudo).
(__) Pessoa com limitação física ou cognitiva para a prática de atividades físicas e
esportivas regulares.

11
APÊNDICE B – MODELO DE TERMO DE ASSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (para os
participantes menores de 18 anos de idade).

Você está sendo convidado a participar de uma pesquisa chamada “OBSERVATÓRIO


REGIONAL DE ATIVIDADES FÍSICAS E ESPORTIVAS”. Seus pais já concordaram que você
participe.
Esta pesquisa tem como objetivo estudar como está a prática de atividades físicas e
esportivas entre pessoas que moram em Campo Grande-MS.
Você não precisa participar da pesquisa se não quiser, é um direito seu e não terá nenhum
problema se desistir. A pesquisa será realizada com crianças, adolescentes, adultos e idosos que
responderão a alguns questionários sobre a prática de atividades físicas e informações sobre suas
características pessoais (sexo, idade, escolaridade, local de moradia, doenças existentes). Esses
questionários serão aplicados pelo pesquisador Joel Saraiva Ferreira, da Universidade Federal de
Mato Grosso do Sul (UFMS). Este método é considerado seguro, mas caso ocorra alguma
eventualidade que possa lhe causar algum incômodo, a aplicação do questionário poderá ser
interrompida a qualquer momento e você poderá desistir de participar caso esteja se sentindo
desconfortável com a pesquisa.
Não haverá nenhum tipo de ressarcimento ou pagamento para você participar da pesquisa,
pois os questionários serão aplicados no local onde você estuda, durante o período regular de
aulas.
Caso aconteça algo errado, você pode me procurar no telefone 3345-7630, que é do meu
local de trabalho na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande.
Mas há coisas boas que podem acontecer com a sua participação na pesquisa, como o
fato de você receber informações sobre sua classificação de prática de atividades físicas ou de
comportamento sedentário em relação ao padrão recomendado para a promoção da saúde. Além
disso, sua participação vai colaborar diretamente para o progresso da ciência e com a geração de
dados que podem ajudar a criação de políticas públicas voltadas à promoção de um estilo de vida
ativo fisicamente para a população.
Ninguém saberá que você está participando da pesquisa, não falaremos para outras
pessoas o seu nome nem as informações que você nos der nos questionários. Os resultados da
pesquisa serão publicados em congressos ou em artigos, mas sempre mantendo em sigilo os
nomes dos participantes.
Se você tiver alguma dúvida pode me perguntar ou ligar para o telefone que escrevi na
parte de cima desse texto.

Eu, _____________________________________________________________________,
aceito participar da pesquisa “OBSERVATÓRIO REGIONAL DE ATIVIDADES FÍSICAS E
ESPORTIVAS”, que tem como objetivo verificar os fatores associados ao comportamento
sedentário e à prática de atividades físicas e esportivas no município de Campo Grande.
Declaro que entendi as coisas boas e as coisas ruins que podem acontecer. Entendi que
posso dizer SIM e participar da pesquisa, mas que a qualquer momento posso dizer NÃO e
desistir do estudo e, nesse caso, ninguém vai ficar aborrecido e eu não terei nenhum prejuízo.
O pesquisador tirou minhas dúvidas e conversou com os meus pais/responsáveis.
Recebi uma cópia deste Termo de Assentimento e li e concordo em participar da pesquisa.

Local e data: _________________________, ______ de ______________________ de _______.

_______________________ _____________________
Assinatura do(a) participante Assinatura do pesquisador

12
APÊNDICE C – MODELO DE TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (para os
pais dos participantes menores de 18 anos de idade).

O seu filho/A sua filha está sendo convidado(a) a participar de uma pesquisa chamada
“OBSERVATÓRIO REGIONAL DE ATIVIDADES FÍSICAS E ESPORTIVAS”. Para isso, você que
é responsável por ele/ela precisa decidir se ele/ela poderá participar ou não. Por favor, não se
apresse para tomar a decisão. Leia atentamente o que está nesse texto e se houver alguma
dúvida pergunte ao responsável pela pesquisa. Nesse caso, o pesquisador responsável é o
professor Joel Saraiva Ferreira, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
A pesquisa tem como objetivo estudar como está a prática de atividades físicas e
esportivas entre pessoas que moram em Campo Grande-MS.
Não haverá nenhum tipo de ressarcimento ou pagamento para seu filho/sua filha participar
da pesquisa, pois os questionários serão aplicados no local onde ele/ela pratica atividades físicas,
durante o período regular dessas atividades.
Seu filho/Sua filha responderá alguns questionários que possuem somente perguntas
sobre a prática de atividades físicas e informações sobre suas características pessoais (sexo,
idade, escolaridade, local de moradia, doenças existentes).
Caso seu filho/sua filha se sinta constrangido(a) em responder qualquer pergunta, ele/ela
não precisará responder, pois assim não haverá nenhum dano para ele/ela.
Todos os dados obtidos com os questionários serão mantidos em sigilo. Não falaremos
para outras pessoas o nome nem as informações que seu filho/sua filha nos der nos
questionários. Os resultados da pesquisa serão publicados em congressos ou em artigos, mas
sempre mantendo em sigilo os nomes dos participantes.
É importante também que você saiba que todos os questionários ficarão sob
responsabilidade do pesquisador por um período de cinco anos. Depois desse prazo os
questionários serão descartados de forma segura, de modo que não ofereça nenhum risco de
quebra de sigilo.
Caso você tenha dúvida, pode me procurar no telefone 3345-7630, que é do meu local de
trabalho na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande. Para
perguntas sobre os direitos do(a) seu filho/sua filha como participante desse estudo, você pode
entrar em contato com o Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade
Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) pelo telefone 3345-7187.
A participação nesse estudo não oferece nenhum prejuízo para seu filho/sua filha, mesmo
assim você pode escolher que ele não participe da pesquisa ou pode desistir a qualquer
momento. Se você não permitir que seu filho/sua filha participe desse estudo, isso não impedirá
que ele/ela participe de outras pesquisas no futuro.
Caso concorde com a participação de seu filho/sua filha na pesquisa, você receberá uma
via assinada desse Termo de Consentimento e pedirá que ele/ela apresente ao pesquisador no
dia da aplicação dos questionários. Você receberá outra via, igual a essa, também assinada, para
que fique guardada contigo.

Eu, _________________________________________________________, responsável


pelo(a) menor ______________________________________________________, declaro que li
e entendi esse Termo de Consentimento e todas as minhas dúvidas foram esclarecidas e que
aceito que meu filho/minha filha participe da pesquisa.

Local e data: _________________________, ______ de ______________________ de _______.

_______________________ _____________________
Assinatura do(a) responsável Assinatura do pesquisador

13
APÊNDICE D – MODELO DE TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (para os
participantes com idade ≥ 18 anos).

Meu nome é JOEL SARAIVA FERREIRA, sou pesquisador da Universidade Federal de


Mato Grosso do Sul - UFMS.
O(a) Senhor(a) está sendo convidado(a) a participar voluntariamente desta pesquisa
científica intitulada “OBSERVATÓRIO REGIONAL DE ATIVIDADES FÍSICAS E ESPORTIVAS”. O
estudo tem por finalidade verificar os fatores associados ao comportamento sedentário e à prática
de atividades físicas e esportivas no município de Campo Grande.
Se for do seu interesse em participar, você responderá um questionário sobre sua prática
de atividades físicas e esportivas, além de dados sociodemográficos como: idade, sexo,
escolaridade, local de habitação, doenças existentes. Também serão perguntadas informações
sobre sua medida de estatura (altura) e peso corporal.
Não haverá nenhum tipo de ressarcimento ou pagamento para você participar desta
pesquisa, pois as informações serão obtidas sem a necessidade de você se deslocar para outra
instituição/local. O próprio pesquisador irá aplicar os questionários onde você estiver. Então, sua
participação é voluntária e você tem toda a liberdade de desistir do estudo a qualquer momento.
Sinta-se à vontade para solicitar quaisquer esclarecimentos sobre os objetivos e os
questionários usados na pesquisa, seja antes, durante ou após a entrevista, bem como esclarecer
qualquer outra dúvida. O(a) senhor(a) também poderá solicitar informações, posteriormente, pelos
telefones 3345-7630 (minha sala de trabalho na UFMS) ou 3345-7187 (Comitê de Ética em
Pesquisa em Seres Humanos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).
Como responsável por este estudo assumo o compromisso em manter sigilo e anonimato
sobre experiências pessoais que possam ser verbalizadas no decorrer da coleta de informações e
que não haverá qualquer prejuízo, caso você decida desistir da pesquisa a qualquer momento.
Entre as possibilidades de riscos estão o possível cansaço para responder os
questionários sobre atividade física e dados sociodemográficos e algum eventual incômodo com
alguma pergunta relacionada ao assunto pesquisado, porém serão feitos todos os esforços para
que estes riscos sejam minimizados. Quanto aos benefícios, sua participação na pesquisa te
ajudará a identificar sua condição de prática de atividade física ou de comportamento sedentário,
em relação aos padrões indicados para a promoção da saúde. Além disso, sua participação
colaborará diretamente para o progresso da ciência e com a geração de dados que podem
subsidiar a criação de políticas públicas voltadas à promoção de um estilo de vida ativo
fisicamente para a população.
Esclareço, ainda, que os resultados desta pesquisa poderão ser utilizados em publicações,
em eventos e artigos científicos futuros, mas sempre preservando totalmente o anonimato dos
participantes. Ou seja, suas respostas não serão reveladas a ninguém, apenas o pesquisador
saberá o conteúdo das suas respostas.
Todos os questionários usados neste estudo ficarão armazenados por cinco anos, sob a
responsabilidade do pesquisador. Depois desse prazo, os questionários serão descartados de
forma segura, de modo que não ofereça risco de quebra de sigilo das informações contidas neles.

Você está recebendo duas vias desse termo. Se estiver esclarecido sobre a finalidade desse
estudo e concordar em participar, por favor, assine as duas cópias. Eu ficarei com a primeira e
você ficará com a segunda via.

Declaro que após ter sido convenientemente esclarecido(a) e informado(a) pelo pesquisador e ter
entendido o que me foi explicado, concordo em participar do estudo.

Local e data: _________________________, ______ de ______________________ de _______.

_______________________ _____________________
Assinatura do(a) participante Assinatura do pesquisador

14
ANEXO A – Autorização da Fundação Municipal de Esporte de Campo Grande (FUNESP) para o
desenvolvimento da pesquisa.

15
ANEXO B – Questionário de Atividade Física para Adolescentes – QAFA.

16
ANEXO C – Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) – Versão Curta.

QUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FÍSICA

FORMA CURTA

Nome:_______________________________________________________________________
Data:_____/_____/_____ Idade:___________ Sexo: ( ) F ( )M

Nós estamos interessados em saber quais tipos de atividade física as pessoas fazem como parte do seu
dia-a-dia. As perguntas estão relacionadas ao tempo que você gasta fazendo atividade física em uma semana
NORMAL, TÍPICA ou HABITUAL. As perguntas incluem as atividades que você faz no trabalho, para ir
de um lugar a outro, por lazer, por esporte, por exercício físico ou como parte das suas atividades em casa ou
no jardim. Suas respostas são MUITO importantes. Por favor, responda cada questão mesmo que considere
que não seja ativo. Obrigado pela sua participação!

Para responder as questões lembre que:

 Atividades físicas VIGOROSAS são aquelas que precisam de um grande esforço físico e que fazem
respirar MUITO mais forte que o normal;

 Atividades físicas MODERADAS são aquelas que precisam de algum esforço físico e que fazem
respirar UM POUCO mais forte que o normal.

Para responder as perguntas pense somente nas atividades que você realiza por pelo menos 10 minutos
contínuos de cada vez:

1a Em quantos dias de uma semana normal, você realiza atividades VIGOROSAS por pelo menos 10
minutos contínuos, como por exemplo correr, fazer ginástica aeróbica, jogar futebol, pedalar rápido na
bicicleta, jogar basquete, fazer serviços domésticos pesados em casa, no quintal ou no jardim, carregar pesos
elevados ou qualquer atividade que faça você suar BASTANTE e aumentar MUITO sua respiração ou
batimentos do coração.

Dias _____ por SEMANA ( ) Nenhum

1b Nos dias em que você faz essas atividades vigorosas por pelo menos 10 minutos contínuos, quanto tempo
no total você gasta fazendo essas atividades por dia?

Horas: ______ Minutos: _____

17
2a Em quantos dias de uma semana normal, você realiza atividades MODERADAS por pelo menos 10
minutos contínuos, como por exemplo pedalar leve na bicicleta, nadar, dançar, fazer ginástica aeróbica leve,
jogar vôlei recreativo, carregar pesos leves, fazer serviços domésticos na casa, no quintal ou no jardim como
varrer, aspirar, cuidar do jardim, ou qualquer atividade que faça você suar leve ou aumentem
moderadamente sua respiração ou batimentos do coração (POR FAVOR, NÃO INCLUA
CAMINHADA).

Dias _____ por SEMANA ( ) Nenhum

2b Nos dias em que você faz essas atividades moderadas por pelo menos 10 minutos contínuos, quanto
tempo no total você gasta fazendo essas atividades por dia?

Horas: ______ Minutos: _____

3a Em quantos dias de uma semana normal você CAMINHA por pelo menos 10 minutos contínuos em casa
ou no trabalho, como forma de transporte para ir de um lugar para outro, por lazer, por prazer ou como forma
de exercício?

Dias _____ por SEMANA ( ) Nenhum

3b Nos dias em que você caminha por pelo menos 10 minutos contínuos quanto tempo no total você gasta
caminhando por dia?

Horas: ______ Minutos: _____

4a Estas últimas perguntas são em relação ao tempo que você gasta SENTADO ao todo no trabalho, em
casa, na escola ou faculdade e durante o tempo livre. Isto inclui o tempo que você gasta sentado no escritório
ou estudando, fazendo lição de casa, visitando amigos, lendo e sentado ou deitado assistindo televisão.

Quanto tempo por dia você fica sentado em um dia da semana?

Horas:_______Minutos:_______

4b Quanto tempo por dia você fica sentado no final de semana?

Horas:_______Minutos:_______

18
ANEXO D – Instrumento indicado para avaliação dos Estágios de Mudança de Comportamento
para a prática de atividades físicas.

19