Você está na página 1de 4

A ALIANÇA DO LIMIAR

INTRODUÇÃO:

Há vários conceitos e princípios na bíblia que não são entendidos ou são mal
interpretados porque não se conhece o contexto da cultura oriental.

A aliança de hospitalidade, concedida a um hóspede por um anfitrião, é um dos


conceitos que tem sido mal-entendido pela grande maioria das pessoas da
cultura oriental.

O CONCEITO ORIGINAL DE ALIANÇA

A. Entendendo o costume oriental de hospitalidade

1. Quando um hospede atravessa o limiar (soleira) da casa, o anfitrião entra em


uma aliança de hospitalidade, assumindo o compromisso de protege-lo com a
própria vida.

2. O hóspede, que atravessa o limiar da casa, respeita e concorda em se


submeter à autoridade e às decisões do anfitrião, e se ele cruzar o limiar da
casa com má intenção no coração, será amaldiçoado.

Este conceito ainda é tão forte no Oriente Médio, que um ladrão jamais entrará
pela porta da frente. Em João 10.1, Jesus usa esta mesma figura:

João: 10. 1. Em verdade, em verdade vos digo: quem não entra pela porta no
aprisco das ovelhas, mas sobe por outra parte, esse é ladrão e salteador.

B. Sangue é derramado no limiar para saudar o hóspede

1. Quanto mais ilustre o hóspede, mais valioso o sangue; e o grau da


homenagem definia o tipo de animal que era sacrificado.

2. Na mentalidade ocidental o que o sangue representa? A morte. Mas na


mente oriental a vida da carne está no sangue, e o sangue representa vida.
Lv17.11 e 14

. 11. Porque a vida da carne está no sangue; pelo que vo-lo tenho dado sobre o
altar, para fazer expiação pelas vossas almas; porquanto é o sangue que faz
expiação, em virtude da vida. 14. Pois, quanto à vida de toda a carne, o seu
sangue é uma e a mesma coisa com a sua vida; por isso eu disse aos filhos de
Israel: Não comereis o sangue de nenhuma carne, porque a vida de toda a
carne é o seu sangue; qualquer que o comer será extirpado.

3. No Oriente Médio, até mesmo estranhos vão se comprometer desta forma


entre si. Veja a atitude de ló ao estabelecer uma aliança, em Gn 19.4 a 8
19. 4. Mas antes que se deitassem, cercaram a casa os homens da cidade, isto
é, os homens de Sodoma, tanto os moços como os velhos, sim, todo o povo de
todos os lados;
5. e, chamando a Ló, perguntaram-lhe: Onde estão os homens que entraram
esta noite em tua casa? Traze-os cá fora a nós, para que os conheçamos.
6. Então Ló saiu-lhes à porta, fechando-a atrás de si,
7. e disse: Meus irmãos, rogo-vos que não procedais tão perversamente;
8. eis aqui, tenho duas filhas que ainda não conheceram varão; eu vo-las trarei
para fora, e lhes fareis como bem vos parecer: somente nada façais a estes
homens, porquanto entraram debaixo da sombra do meu telhado.

C. O dever do hóspede

1. O hóspede deve passar por cima do limiar para entrar em aliança,


entregando-se a proteção daquela família.

2. Pisar no sangue seria o maior insulto que se podia fazer nessa ocasião.

Esse costume nos ajuda a entender Hb 10.26 a 29 que diz que se pecarmos
voluntariamente depois de termos feito aliança com Jesus Cristo é em
essência como pisar no seu sangue derramado por nós.

D. Como este conceito está relacionado ao casamento?

1. No casamento o marido é representado como sendo o anfitrião e a esposa


como sendo a hóspede.

2. O marido deve amar e proteger sua esposa no mesmo grau em que


observamos um anfitrião oriental disposto a morrer para proteger seus
convidados.

3. A esposa deve honrar e respeitar seu marido no mesmo grau em que


observamos um hóspede oriental disposto a honrar e se submeter ao seu
anfitrião.

E. Costume comum de receber um rei no Antigo Oriente

1. Outra pratica ligada a esse costume era reservar um bezerro cevado para a
visita de um rei que vinha a uma aldeia para saber quem era leal a ele.

2. Quando encontrava pessoas leais, o próprio rei, ou seus emissários, entrava


na casa do súdito e estabelecia uma aliança com a família. Caso contrário,
mandava o exército atacar os inimigos até erradica-los daquelas terras.

3. Como o rei determinava quem era leal ou não? O que ele procurava?
Procurava pelo sangue derramado no limiar.

4. A passagem bíblica de Êxodo 12 apresenta um aspecto comum ao povo


judeu que precisamos entender para aplica-lo ao casamento. Neste texto
destacamos duas palavras hebraicas: a primeira palavra é abar, que significa
passar por ou passar ao lado; a segunda é pessach, páscoa, que significa
cruzar o limiar onde o sangue foi derramado, ou seja, entrar em aliança:

a. Verciculo 12: nesta noite passarei pela (abar) terra do Egito;

b. Verciculo 13: Quando eu vir o sangue passarei por vós;

c. Verciculo 22: Os israelitas foram instruídos a pintar a frente da casa com


sangue, novamente o costume comum para a vida de um rei;

d.Verciculo 23: Deus entrará (entrar em aliança/ pessach), na habitação, não


passar ao lado;

e. O propósito do sangue no limar não é manter Deus do lado de fora da casa,


mas convida-lo a entrar em sua casa como um rei.

F. A ALIANÇA DE DEUS

1. No casamento, não é possível viver em aliança incondicional com o cônjuge


usando as próprias forças, porque não temos forças suficiente para isso.
Precisamos do poder sobrenatural de Deus para amar nosso cônjuge
incondicionalmente.

2. Nós nos separamos de Deus devido as escolhas que fizemos e ao nosso


pecado (Isaias 59.2)

. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os


vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça.

3. Para desfrutarmos da aliança de Deus temos que nos aproximar Dele com
um coração sincero e com fé Hb 10. 19 a 22, pois ao cruzarmos o limiar
seremos salvos e nossos pecados perdoados.

4. Como cruzarmos o limiar? Através do Senhor Jesus Cristo, que é o caminho,


a verdade e a vida (Jo 14.6).

Para atravessar o limiar precisamos crer em nosso coração que Jesus Cristo
morreu e ressuscitou dentre os mortos; e que Ele derramou o seu sangue para
perdoar os nossos pecados e permitir que tenhamos acesso a Deus.

Você pode fazer isso através de uma oração, declarando com a sua boca que
Jesus Cristo é o Salvador e Senhor da sua vida. Rm. 10.9 e 10.

Para compartilhar:
A.Você se sente capaz de andar em comunhão eterna com seu marido ou
esposa? Por quê? Dividem um com o outro.
B. Na lição que nós vimos, o marido tem o papel de anfitrião, sendo aquele que
protege a esposa (hóspede, na visão oriental), dando a vida por ela. Você tem
se sacrificado para proteger e suprir as necessidades da sua esposa? Você
tem valorizado ela, e colocado ela num patamar mais importante do que você?
Divida seus pensamentos e sentimentos com ela.
C. Quando a esposa (hóspede) diz sim ao entrar na casa do anfitrião (marido)
ela aceita submeter-se à sua autoridade. Você tem vivido essa autoridade no
seu casamento? Tem demonstrado respeito e aceitação pelo seu marido?
Divida seus pensamentos e sentimentos com ele.
D. Você entendeu o conceito original de aliança, instituído por Deus para
abençoar o seu casamento? Tem vivido todos os aspectos desse conceito no
seu casamento? Olhe nos olhos do seu marido ou esposa e ore ao Senhor
arrependendo-se dos momentos em que essa aliança não tem sido uma
realidade e peça a ele para que vocês consigam estabelecer essa aliança
como regra em seu casamento.

TAREFA PRATICA: COMPROMETENDO-SE COM A ALIANÇA DO


CASAMENTO

A. Continuem a orar diariamente um pelo outro como aprendido na lição 1.

B. Marquem um tempo par compartilhar, com honestidade, as seguintes


questões:

1. Até agora, o seu compromisso pessoal em seu casamento tem sido mais o
de uma aliança ou de um contrato?

2. Relembrem os votos que vocês juraram um ao outro no dia do seu


casamento. Essas palavras descrevem uma aliança ou um contrato?

3. Como vocês avaliam as formas que o seu casamento tem representado o


costume oriental da aliança do limiar?

4. Marido, por favor, ore com a sua esposa comprometendo-se com o Senhor e
com ela a ser um anfitrião na aliança do limiar, amando-a, tratando-a com
carinho, protegendo-a e pronto a morrer por ela.

5. Esposa, por favor, ore com seu marido comprometendo-se com o Senhor e
com ele a ser como uma hóspede na aliança do limiar, honrando-o,
respeitando-o e falando bem dele.