Você está na página 1de 6

08/02/2018 Emil Cioran – Wikipédia, a enciclopédia livre

Emil Cioran
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Emil Cioran (Rășinari, 8 de abril de 1911 — Paris, 20 de
junho de 1995) foi um escritor e filósofo romeno radicado Emil Cioran
na França. Em 1949, ao publicar "précis de decomposition",
passa a assinar E.M. Cioran, influenciado por E.M. Forster
-esse "M" não tem nenhuma relação com outros nomes do
filósofo (como Michel, Mihai, etc.)

Um dos melhores conhecedores da obra de Cioran é o


filósofo espanhol Fernando Savater.

Emil Cioran nasceu em Rășinari, Condado de Sibiu (na


Transilvânia, parte do território Austro-Húngaro na época).
Seu pai, Emilian Cioran era um padre Romeno Ortodoxo e
a mãe, Elvira Cioran (sobrenome Comaniciu) era originária
de Veneţia de Jos, um povoado próximo a Făgăraş. O pai de
Elvira, Gheorghe Comaniciu, era tabelião e ganhou o título
de barão pelas autoridades imperiais. Assim, pode-se dizer Escola/Tradição: Pessimismo, Ceticismo,
que Emil Cioran, em virtude da linhagem materna Cinismo, Niilismo
pertencia a uma pequena família de nobres na Transilvânia. Data de 8 de abril de 1911
nascimento:
Após estudar Ciências Humanas no colégio Gheorghe Lazăr Local: Rășinari, Áustria-Hungria
em Sibiu, Cioran começou a estudar Filosofia na Data de 20 de junho de 1995 (84 anos)
Universidade de Bucareste aos 17 anos. Ao ingressar na falecimento
universidade, aproximou-se de Eugène Ionesco e Mircea Local: Paris, França
Eliade, os três permaneceriam amigos por muitos anos. Fez Trabalhos Breviário de Decomposição,
amizade com os futuros filósofos romenos Constantin notáveis Silogismos da Amargura,
Exercícios de Admiração
Noica e Petre Ţuţea durante o período em que receberam
Influências: Diógenes de Sínope, Budismo,
ensinamentos de Tudor Vianu e Nae Ionescu. Cioran, Montaigne, Rochefoucauld,
Eliade e Ţuţea tornaram-se adeptos das idéias de seu Kant, Schopenhauer,
mestre Nae Ionescu – ou seja, uma corrente denominada Dostoiévski, Baudelaire,
Mallarmé, Nietzsche, Bergson,
Trăirism. Chestov, Klages, Spengler.

Absorvendo influências Germânicas, seus primeiros


estudos centralizaram-se em Immanuel Kant, Arthur Schopenhauer, e
principalmente Friedrich Nietzsche. Tornou-se um agnóstico, tomando por
axioma "a inconveniência da existência". Durante seus estudos na
Universidade, Cioran também foi influenciado pelas obras de Georg
Simmel, Max Stiner, Ludwig Klages e Martin Heidegger, e também pelo
filósofo russo Lev Shestov, que aliou a crença na arbitrariedade da vida à
base de seu pensamento. Cioran graduou-se com uma tese sobre Henri
Bergson; mais tarde, porém, renegaria Bergson, alegando que este não
local de nascimento em Răşinari
compreendera a tragédia da vida. rejeitou também Heidegger dizendo "seu
palavreado é mais original que o pensamento", em entrevista já idoso.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Emil_Cioran 1/6
08/02/2018 Emil Cioran – Wikipédia, a enciclopédia livre

Algumas de suas ideia notáveis são o pessimismo (de Schopenhauer),


ceticismo (de Montaigne), cinismo (de Diógenes), niilismo e antinatalismo.
Um jornal britânico o chamou de "o rei dos pessimistas", um francês de
"arauto de miséria humana", e "o niilista que o século XX profetizou".
Suicídio, morte, obsessão, vazio são temas recorrentes em sua obra, e se
chamava aos dezenove anos de "especialista no problema da morte".

21 rue de l'Odéon

Índice
Carreira na Romênia
Berlim e Romênia
Carreira na França
Estilo e temas principais
Manuscritos
Obras principais
Ligações externas
Referências Tumba de Cioran

Carreira na Romênia

Berlim e Romênia
Em 1933, ganhou uma bolsa de estudos para a Universidade de Berlim, onde teve contato com Nicolai Hartmann e
Ludwig Klages. Em Berlim, interessa-se pelas ações do Regime Nazista, e colabora com uma coluna do Vremea
abordando o assunto (aí Cioran confessa: "não há atualmente político que me desperte maior simpatia e admiração do
que Hitler",[1] e elogia o Night of the Long Knives — "o que a humanidade teria a perder se a vida de alguns imbecis
fosse suprimida?"), e, em carta endereçada a Petru Comarnescu, descreve-se como um "Hitlerista". Cioran tinha uma
visão similar sobre Fascismo Italiano. Saudou as vitórias da Segunda Guerra Italo-Abisínia, ao afirmar que: "O
Fascismo é um choque, sem o qual a Itália é um compromisso comparado à Romênia de hoje".[2]

O primeiro livro de Cioran, Sur les cimes du désespoir (No Auge do Desespero, traduzido mais precisamente como:
"Nos Cumes do Desespero") foi publicado na Romênia em 1934 e condecorado com o Commission’s Prize e com o
Young Writers Prize como sendo um dos melhores livros escritos por autor jovem inédito. Sucederam-se: O Livro das
Desilusões (1935), A Transfiguração da Romênia (1936) e Lágrimas e Santos (1937), também publicados na Romênia.
Embora não tenha sido membro efetivo, na Romênia, Cioran começou a se interessar pelas idéias propagadas pela
Iron Guard – uma organização ultra-direitista, cuja ideologia nacionalista ele apoiou até os início da Segunda Guerra
Mundial, apesar de supostamente desaprovar seus métodos violentos. Mais tarde renega esse movimento do qual
aproximou-se na juventude, criticando os movimentos de direita e fascistas como sendo paixões e doenças da
juventude.

Cioran foi crítico de si mesmo nesse aspecto na segunda edição de A Transfiguração da Romênia, publicada nos anos
1990, eliminando do texto várias passagens que ele considerou extremistas ou "pretensiosas e estúpidas". A obra
expressava simpatia pelo totalitarismo, tema também presente em vários artigos publicados por Cioran nessa época, e
que visava estabelecer a "urbanização e a industrialização" como "duas obsessões de um povo emergente" Marta
Petreu , em seu livro An Infamous Paste: E.M. Cioran and the Rise of Fascism in Romania, publicada em inglês no

https://pt.wikipedia.org/wiki/Emil_Cioran 2/6
08/02/2018 Emil Cioran – Wikipédia, a enciclopédia livre

ano de 2005, faz uma profunda análise desta obra. Faz também uma crítica fortíssima a si mesmo a aos movimentos
fascistas que se relacionou-se quando jovem no texto autobiográfico Meu País, onde condena-se por "morrer de paixão
por seu país".[3]

No entanto, foi difícil conciliar suas primeiras necessidades de modernização com o tradicionalismo militar. Em 1934,
Cioran escreveu: "Acho que o nacionalismo fértil, criativo e vigoroso da Romênia só pode ser um tipo de nacionalismo
que não só descarte a tradição, como também renega-a e derrota-a". A desaprovação do que ele via como
características essencialmente romenas estavam presentes em suas obras ("Em todas as máximas, todos os provérbios,
todas as reflexões, nosso povo expressa a mesma timidez diante da vida, a mesma hesitação, a mesma resignação…
[…]Os truísmos do cotidiano romeno são alienantes."), que foram criticadas pela revista ultra-direitista Gândirea (seu
editor, Nichifor Crainic, referia-se ao A Transfiguração da Romênia como sendo um "sangrento e impiedoso massacre
da atual Romênia, sem [poupá-la] sequer do matricídio e do sacrilégio"), e também por vários artigos do Iron Guard.

Após voltar de Berlim (1936), Cioran lecionou Filosofia no colégio "Andrei Şaguna", em Braşov, por um ano. Em 1937,
foi morar em Paris , após conseguir uma bolsa de estudo no Institut Français de Bucarest, a qual seria prolongada até
1944. Após passar um curto período em sua terra natal (de novembro 1940 a fevereiro 1941), Cioran não mais
retornou; nesta sua última estada na Romênia, ele deu sinais de ter estreitas relações com a Iron Guard, força
dominante na época (see National Legionary State) – em 28 de novembro, ele fez um discurso na Rádio Romena ,
controlada pelo estado, baseado no retrato de Corneliu Zelea Codreanu, o principal líder deste movimento, que
morrera dois anos antes (louvando-o por ter ele e o Iron Guard, entre outros, "dado aos romenos um objetivo").

Começou a escrever seu último livro em romeno, The Passionate Handbook, em 1940. Esta obra só foi concluída em
1945. Mais tarde Cioran renunciaria não só ao seu amor platônico pelo Iron Guard, como também às suas idéias
nacionalistas, passando a expressar frequentemente seu arrependimento por seu envolvimento emocional nessas
causas. Por exemplo, em uma entrevista, dada em 1972, ele condenou tais idéias, referindo-se a elas como "um
complexo de movimentos; mais do que isto, uma corrente e uma a seita doentias", e admitiu: "Eu descobri então […] o
que significa ser levado por uma corrente sem o menor traço de convicção. […]. Hoje estou imune a esse tipo de
coisa."[4] as well as from various Iron Guard papers.[5]

Carreira na França
O ano de 1937 registra a partida de Cioran para a França, tendo conseguido uma bolsa escolar no Institut Français de
Bucarest. Desde o momento de sua partida, Cioran publicou apenas livros em francês (que foram muito apreciados,
não só por seu conteúdo, como também por seu estilo repleto de lirismo e pela sofisticação da linguagem). De fato, ele
se recusava a escrever em romeno, acentuando a tal ponto o desligamento de seu país, que até as cartas enviadas aos
familiares eram escritas em francês.

Em 1949, publicou seu primeiro livro em francês, Précis de Decomposition (Breviário de Decomposição), pela
Gallimard – editora que viria a publicar a maioria de seus livros posteriormente – e foi condecorado com o Rivarol
Prize em 1950. Mais tarde, Cioran passou a recusar todos os prêmios literários que lhe eram conferidos. Cioran
estabeleceu residência permanente no Quartier Latin de Paris. Viveu a maior parte de sua vida isolado, evitando o
contato com o público. Apesar disto, tinha muitos amigos, com quem frequentemente conversava, tais como Mircea
Eliade, Eugène Ionesco, Paul Celan, Samuel Beckett, e Henri Michaux.

Estilo e temas principais


Exaurindo seu interesse pela filosofia conservadora, já na juventude, Cioran criticava o pensamento sistemático e a
especulação abstrata, defendendo as reflexões pessoais e o lirismo apaixonado. "Não invento nada; simplesmente, sou
o mensageiro das minhas sensações", afirmaria mais tarde.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Emil_Cioran 3/6
08/02/2018 Emil Cioran – Wikipédia, a enciclopédia livre

O Pessimismo marcaria seus trabalhos posteriores, com visíveis traços críticos voltados para a sua infância (em 1935,
sua mãe teria dito a ele que, se soubesse que seria tão infeliz, tê-lo-ia abortado). O pessimismo de Cioran, porém (que
pode ser chamado de ceticismo, ou mesmo nihilismo), é capaz de existir, permanecendo, em seu particular modo de
ser, alegre; não é um pessimismo que remonte às suas simples origens, ao questionamento das origens individuais.
Quando a mãe de Cioran lhe falou sobre o aborto, ele admitiu que aquilo não o perturbou, e sim despertou dentro dele
uma sensação extraordinária, que o levou a uma visão maior sobre a natureza da existência ("Eu sou apenas um
acidente. Por que levar isso tão a sério?" – diria ele mais tarde, ao referir-se a este incidente).

Suas obras retratavam frequentemente uma atmosfera de tormento e tortura, situações que Cioran viveu e que vieram
a ser dominadas pelo lirismo, sempre propenso a expressar sentimentos violentos. Os livros que escreveu em romeno,
quando jovem, identificam-se mais com esta característica. Preocupado com a questão da morte e do sofrimento, ele
foi atraído pela idéia do suicídio, acreditando ser esta uma idéia que poderia ajudar um indivíduo a continuar vivendo,
uma idéia que ele explorou profundamente em seu livro Sur les cimes du désespoir (Nos Cumes do Desespero). O
tema da alienaçao do homem, o mais proeminente dos temas existenciais apresentados por Jean-Paul Sartre e Albert
Camus, é assim formulado, em 1932, pelo jovem Cioran: "Seria a existência o nosso exílio e o vazio a nossa pátria?" As
obras de Cioran abrangem também muitos outros temas como: o pecado original, o sentido trágico da história, o fim
da civilização, a negação da consolidação pela fé, a obsessão do absoluto, a vida com expressão do exílio metafísico do
homem, etc. Ele era um pensador apaixonado pela história, a qual estudou profundamente na Universidade; leu os
autores relacionados com os períodos tidos como "decadentes". Autores como Oswald Spengler influenciaram a
filosofia política de Cioran, ao oferecerem reflexões gnósticas sobre o destino do homem e das civilizações. De acordo
com Cioran: "uma vez que o homem se mantém em contato com suas origens e não se dissocia de si próprio, ele resiste
à decadência. Hoje, o homem caminha para a sua própria destruição por meio da auto-objetivação, da produção e
reprodução impecáveis, do excesso de auto-análise e transparência, por meio de um triunfo artificial".

No que diz respeito a Deus, Cioran observou que "sem Bach, Deus seria apenas um mero coadjuvante" e que "a música
de Bach é o único argumento que prova que a criação do universo não pode ser vista como um grande erro."

William H. Gass se referia à obra de Cioran como "um romance filosófico sobre temas modernos como: a alienação, o
absurdo, a futilidade, a decadência, a tirania da história, a vulgaridade das mudanças, a consciência como agonia, a
razão como doença". Ironicamente, Cioran ficou famoso quando começou a escrever em francês, um idioma com o
qual brigava desde a juventude. O uso do idioma adotado raramente foi tão contundente quanto o uso do idioma
romeno, este último oferecia os recursos da originalidade de entonação. No Brasil estudiosos como José Thomas
Brum, Paulo Jonas Piva, Rossano Pecoraro se dedicaram a traduzir várias obras de Cioran buscando inserir, através de
artigos científicos e livros, o seu pensamento na tradição filosófica contemporânea.

Manuscritos
Após a morte de Simone Boué, companheira de Cioran durante boa parte de sua vida, uma série de manuscritos (cerca
de 30 cadernos), escritos por ele, foram encontrados no apartamento onde moraram por um negocioante, que tentou
leiloá-los em 2005. No entanto, por decisão do Tribunal de Apelação de Paris, sua comercialização foi vetada; este
processo ainda se encontra pendente na França. Entre esses manuscritos, em sua maioria rascunhos de trabalho já
publicados, foi encontrado um diário inédito, descrevendo sua vida após 1972 (ano em que se encerram os cadernos).
O documento é de grande interesse para leitores e editores, e é provavelmente o último trabalho não publicado de
Cioran.

Obras principais
Em português do Brasil

Nos Cumes do Desespero, tradução do romeno de Fernando Klabin, Editora Hedra, 2012
Breviário de Decomposição, tradução do frances de José Thomaz Brum, Editora Rocco 2011
https://pt.wikipedia.org/wiki/Emil_Cioran 4/6
08/02/2018 Emil Cioran – Wikipédia, a enciclopédia livre

Silogismos da Amargura, tradução do frances de José Thomaz Brum, Editora Rocco 2011
História e Utopia, tradução do frances de José Thomaz Brum, Editora Rocco 2011
Exercícios de Admiração, tradução do frances de José Thomaz Brum, Editora Rocco 2011
Antologia do Retrato de Saint Simon a Tocqueville, Editora Rocco, 1994.

Em português de Portugal

A Tentação de Existir, tradução do francês de Miguel Serras Pereira e Ana Luisa Faria, Relógio d'Água Editores,
1988
História e Utopia, tradução do francês de Miguel Serras Pereira, Bertrand Editora, 1994
Silogismos da Amargura, tradução do francês de Manuel de Freitas, Letra Livre, 2009
Do Inconveniente de Ter Nascido, tradução do francês de Manuel de Freitas, Letra Livre, 2010
História e Utopia, tradução do francês de Miguel Serras Pereira, Letra Livre, 2014.

Em romeno

Pe culmile disperării (literally On the Summits of Despair; translated "On the Heights of Despair"), Editura
"Fundaţia pentru Literatură şi Artă", Bucharest 1934
Cartea amăgirilor, Bucharest 1936
Schimbarea la faţă a României ("The Transfiguration of Romania"), Bucharest 1936 –Lacrimi şi Sfinţi ("Tears and
Saints"), "Editura autorului" 1937
Îndreptar pătimaş ("The Passionate Handbook") , Humanitas, Bucharest 1991

Em francês

Mon pays/Ţara mea ("My country", written in French, the book was first published in Romania in a bilingual
volume), Humanitas, Bucharest, 1996
Précis de décomposition ("A Short History of Decay"), Gallimard 1949
Syllogismes de l'amertume (tr. "All Gall Is Divided"), Gallimard 1952 (tr. Silogismos da Amargura. Letra Livre.
Lisboa, 2009)
La tentation d'exister ("The Temptation to Exist"), Gallimard 1956 English edition: ISBN 0-226-10675-6
(tr.Tentação de Existir. Relógio D´Água. Lisboa, 1998)
Histoire et utopie ("History and Utopia"), Gallimard 1960 (tr. História e Utopia. Bertrand. Lisboa, 1994)
La chute dans le temps ("The Fall into Time"), Gallimard 1964
Le mauvais démiurge (literally The Poor Demiurge; tr. "The New Gods"), Gallimard 1969
De l'inconvénient d'être né ("The Trouble With Being Born"), Gallimard 1973
Écartelèment (tr. "Drawn and Quartered"), Gallimard 1979
Exercices d'admiration 1986, and Aveux et anathèmes 1987 (tr. and grouped as "Anathemas and Admirations")
Cahiers ("Notebooks"), Gallimard 1997

Ligações externas
Cioran.eu (http://www.Cioran.eu) (ligações em vários idiomas)

Referências
3. Cioran, in Ornea, p.98
1. Cioran, 1933, in Ornea, p.190
4. Crainic, 1937, in Ornea, p.143
2. Cioran, 1936, in Ornea, p.192
5. Ornea, p.143-144

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Emil_Cioran&oldid=50569278"

Esta página foi editada pela última vez à(s) 03h37min de 24 de novembro de 2017.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não
Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de
uso.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Emil_Cioran 5/6
08/02/2018 Emil Cioran – Wikipédia, a enciclopédia livre

https://pt.wikipedia.org/wiki/Emil_Cioran 6/6

Interesses relacionados