Você está na página 1de 34

NORMA ABNT NBR

BRASILEIRA 14331
Segunda edição
25.05.2009

Válida a partir de
25.06.2009

Alumínio e suas ligas — Tel acessórios —


Requisitos, projeto e insté
Aluminium and its alloys - R o o fin g . ssories - Requirements,
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

project and fixing

Palavras-chave: Alumínio. Ligas de alumínio. Telhas.


Descriptors: Aluminium. Aluminium alloy. Roofing.

ICS 77.150.10; 91.060.20

ISBN 978-85-07-01540-6

ASSOCIAÇÃO Número de referência


BRASILEIRA
DE NORMAS ABNT NBR 14331:2009
TÉCNICAS 28 páginas

© ABNT 2009

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

O
cT
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

/
/
&

© ABNT 2009
Todos os direitos reservados.
^rvados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida
ou utilizada por qualquer
uer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito da ABNT.

ABNT
Av.Treze de Maio, 13 - 28° andar
20031-901 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 3974-2346
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br

ii © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

Sumário Página

Prefácio........................................................................................................................................................................v
1 Escopo............................. .1
2 Referências normativas... Q : 1
3 Termos e definições....... . 2
4
5
5.1
5.2
Símbolos e abreviaturas..
Requisitos gerais............ .
Composição química...... .
Propriedades mecânicas.
S?: ............................ 11
............................ 11
............................ 11
............................ 12
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

5.3 Acabamento superficial... ............................ 12


5.4
5.5
6
6.1
Dimensões....................... .
Repetição dos ensaios.....
Acessórios........................................
Cumeeira perfil..................................
ü ............................ 12
.............................13
.............................13
............................. 13
6.2 Cumeeira "shed"............................... .............................13
6.3 Cumeeira lisa.................................... ............................. 13
6.4
6.5
6.6
Rufo de topo......................................
Rufo lateral superior ou contra-rufo
Rufo lateral inferior ou contra-rufo..
EiÉE ............................. 13
.............................13
.............................13
6.7 Calha.................................................. ............................. 14
6.8 Pingadeira para calha....................... ...:y ^ = : :: ::: ............................. 14
6.9 Haste.................................................. ............................. 14

ÍÉÊÊÊ
6.10 Arruela.............. ............................. 14
6.11 Porca sextavada ............................. 14
6.12 Calço................. ............................. 14
6.13 Goiva nervurada ............................. 14
6.14 Arruela de guarnição flexível u côncava...................................................................................... 14
6.15 Fita de vedação. ............................ 16
6.16 Isolamento entre a telha e ............................ 16
6.17 Fechamento das onda: as....... ............................ 16
6.18 Parafuso de cobertura e de fachada..........................................................................................................17
6.19 Parafuso de costura....................................................................................................................................18
7 Critérios de cálculo........ 18
7.1 Consideraçõesles^Reraii
gerais.... 18
7.2 Coeficiente de(|eiu^ança........................................................................................................................... 19
7.3 Cálculo daj aiHa^Mie vento.......................................................................................................................... 19
7.3.1 Pressão de obstrução do vento................................................................................................................. 19
7.3.2 Telha trapezoidal......................................................................................................................................... 19
7.3.3 Telha ondulada............................................................................................................................................ 20
7.4 Equações para vãos máximos admissíveis.............................................................................................. 20
7.4.1 Dois apoios.................................................................................................................................................. 20
7.4.2 Três apoios................................................................................................................................................... 20
7.4.3 Quatro apoios.............................................................................................................................................. 21
7.5 Balanços longitudinal e lateral................................................................................................................... 21
8 Cálculo da inclinação e curvatura do telhado.......................................................................................... 22
8.1 Grau de inclinação....................................................................................................................................... 22
8.2 Comprimento do pano................................................................................................................................ 23
8.3 Raio de curvatura para telhas onduladas................................................................................................. 23
8.4 Quantidade de telhas.................................................................................................................................. 24
9 Seqüência de instalação............................................................................................................................ 24

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados iii


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

10 Recobrimento e sobreposição de telhas 25


11 Compatibilidade comoutros materiais........................................................................................................26
11.1 Metais ferrosos............................................................................................................................................ 26
11.2 Cobre e suas ligas....................................................................................................................................... 26
11.3 Chumbo........................................................................................................................................................ 26
11.4 Concreto ou alvenaria...................................................................................................................................26
11.5 Zinco............................................................................................................................................................. 26
11.6 Madeira......................................................................................................................................................... 26
12 Embalagem................................................................................................................................................... 26
Anexo A (informativo) Dados para as informações de encomenda.................................................................... 27
Anexo B (informativo) Recomendações sobre transporte, manuseio, armazenamento e instalação............ 28
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

/
/
$

iv © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

Prefácio

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras,
cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização
Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), são elaboradas por Comissões de
Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores
e neutros (universidade, laboratório e outros).

Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras das Diretivas ABNT, Part
arte 2.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) chama atenção para idade de que alguns dos
elementos deste documento podem ser objeto de direito de patente. A não deve ser considerada
responsável pela identificação de quaisquer direitos de patentes.
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

A ABNT NBR 14331 foi elaborada no Comitê Brasileiro do Alumínio -35), pela Comissão de Estudo de
Produtos Laminados (CE-35:000.04). O Projeto circulou em C acional conforme Edital n° 03,
de 27.02.2009 a 27.04.2009, com o número de Projeto ABNT NBR 1

Esta Norma cancela e substitui as ABNT NBR 15143:2004 e ABNT NBR 15196:2005.

Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 14331:2003), a qual foi tecnicamente
revisada.

O Escopo desta Norma Brasileira em inglês é o seguint

Scope

This Standard establishes the requirements, roject and fixing for roofing and its accessories (wave and trapezoidal
ruffle and ends, fixing sets and sealing elem< of aluminium and its alloys.

This Standard is applied for roofing and ories used in cover production, façade and side faces, constituting
oneself in structural elements and finish ■building in general.

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados V


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97
NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14331:2009

Alumínio e suas ligas — Telhas e acessórios — Requisitos, projeto e


instalação

1 Escopo

Esta Norma especifica os requisitos, projeto e instalação para telhas e seus a (rufos e arremates, de perfil
ondulado ou trapezoidal, conjuntos de fixação e elementos de vedação) de alu suas ligas.

Esta Norma se aplica a telhas e acessórios utilizados na construção erturas, fachadas e revestimentos
laterais, constituindo-se em elementos estruturais e de acabamento de edi ões em geral.
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

2 Referências normativas

Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à deste documento. Para referências datadas,
aplicam-se somente as edições citadas. Para referências adas, aplicam-se as edições mais recentes do
referido documento (incluindo emendas).

ABNT NBR 6123, Forças devidas ao vento em edifica

ABNT NBR 6599, Alumínio e suas ligas - Proces. dutos - Terminologia

ABNT NBR 6834, Alumínio e suas ligas - Cla o da composição química

ABNT NBR 6999, Alumínio e suas ligas - Pro< laminados - Tolerâncias dimensionais

ABNT NBR 7000, Alumínio e suas ligas 'utos extrudados - Propriedades mecânicas

ABNT NBR 7549, Alumínio e suas Yodutos laminados, extrudados e fundidos - Ensaio de tração

ABNT NBR 7556, Alumínio e suas s - Chapas - Requisitos

ABNT NBR 7823, Alumínio ligas - Chapas - Propriedades mecânicas

ABNT NBR 8116, Alumíni as ligas - Produtos extrudados - Tolerâncias dimensionais

ABNT NBR 8117, Alumínio e suas ligas - Arames, barras, perfis e tubos extrudados - Requisitos

ABNT NBR 10844, Instalações prediais de águas pluviais

ABNT NBR 15144, Alumínio e suas ligas - Tratamento de superfície - Revestimento orgânico de chapas para fins
arquitetônicos

ABNT NBR ISO 2107, Alumínio e suas ligas - Produtos trabalháveis - Designações das das têmperas

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 1


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

3 Termos e definições

Para os efeitos deste documento, aplicam-se os termos e definições da ABNT NBR 6599 e os seguintes.

3.1
altura da onda
altura do trapézio
distância entre dois planos paralelos que passam externamente a duas cristas da corru

3.2
calço
peça extrudada em alumínio, liga de alumínio ou injetada de cloreto de polivinila (PVC), utilizada como suporte das
telhas, atuando como elemento limitador (apoio), por ocasião do aperto das fixações - haste ou parafuso
(ver Figuras 1 e 2)
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Figu alço para telha ondulada

Figura 2 — Calço para telha trapezoidal

2 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

3.3
calha
peça utilizada para captar a água pluvial que escoa no beiral da telha (ver Figura 3)
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

3.4
corrida
volume de metal vazado sob controle de análise, que garante que a composição química seja mantida de acordo
com os limites dos elementos químicos da liga especificada

3.5
corrugação
processo mecânico de perfilação a frio que é su da a chapa, com o objetivo de melhorar a resistência
mecânica e proporcionar a geometria específica I do produto envolvido

3.6
cumeeira
peça utilizada na parte mais elevada do telhado, que corresponde à reta horizontal de interseção de duas águas
opostas, cuja função é unir e vedar essas duas águas

NOTA São padronizados os seguir

a) cumeeira de perfil ondulado (ver Figura 4) e trapezoidal (ver Figura 5);

b) cumeeira "shed" ou rufo de topo ondulado (ver Figura 6) e trapezoidal (ver Figura 7);

c) cumeeira lisa, espigão ou água-furtada (ver Figuras 8, 9 e 10). Na confluência da parte baixa do telhado denomina-se
água furtada.

Figura 4 — Cumeeira de perfil ondulado

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 3


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

ondulada ou rufo de topo ondulado

Figura 7 — Cumeeira "shed" trapezoidal ou rufo de topo trapezoidal

4 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Figura 10 — Cumeeira de água-furtada

3.7
fixadores
conjuntos de elementos utilizados para fixar a telha ou acessórios na estrutura

NOTA A fixação pode ser feita com haste ou parafuso autoperfurante.

3.8
geometria do perfil das telhas
característica geométrica de cada espessura de telha, sempre por unidade de largura transversal

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 5


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

3.9
goiva
peça estampada utilizada entre a arruela de vedação dos fixadores e a telha para distribuir as tensões oriundas
de ventos incidentes (ver Figuras 11 e 12)
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Figura 12 — Goiva trapezoidal

3.10
haste
gancho
peça utilizada para fix ou acessório na estrutura, acompanhada de arruelas de alumínio, de vedação e de
porca (ver Figura 13

Figura 13 — Conjunto de fixação com haste, arruelas e porca

6 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

3.11
largura total
distância entre as bordas laterais, medida transversalmente, a uma distância entre 500 mm e 1 000 mm da
extremidade do comprimento da telha

3.12
largura útil para recobrimento duplo
distância entre os centros das cristas da última onda de uma das bordas até a penú nda da lateral oposta,
medida transversalmente, a uma distância entre 500 mm e 1 000 mm da extremida comprimento da telha
ondulada ou trapezoidal

NOTA Para coberturas com telhas onduladas utiliza-se recobrimento duplo, dentemente da inclinação da
cobertura.

3.13
largura útil para recobrimento simples
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

distância entre os centros das cristas das bordas laterais, medida tra mente, a uma distância entre 500 mm
e 1 000 mm da extremidade do comprimento da telha

3.14
parafusos autoperfurantes
conjunto de fixadores para aplicação da telha ou acessórios na estrutura e também para união entre as telhas
(costura) e rufos (ver Figura 14)

Telha ondulada para Telha trapezoidal Telha trapezoidal Telha ondulada e


cobertura e fechamento para cobertura para fechamento trapezoidal para costura

,nHn rrn

Parafuso autoperfurante Parafuso autoperfurante


010-16x3/4” 012-14x3/4” 0 1 /4 ”-14x7/8”

Parafuso autoperfurante
012-14x1 ” + arruela BW-7/8”

Figura 14 — Tipos de parafusos autoperfurantes


iX /
3.15
passo da onda ou do trapézio
distância entre centros de duas cristas consecutivas e no mesmo plano

3.16
pingadeira para calha
peça utilizada como remate do beiral e da calha para evitar o retorno das águas das telhas (ver Figuras 15 e 16)

NOTA No caso de telha ondulada, é utilizado o rufo de topo.

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 7


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

O
Figura 15 — Pingadeira para calha ondulada
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

3.17
recobrimento longitudinal
sobreposição das extremidades longitudinais das telhas, cujas dimensões de recobrimento são condicionadas ao
projeto de cobertura (ver Figura 17)

Figura 17 — Recobrimento longitudinal

8 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

3.18
rufo
peça utilizada com o cum eeira em cobertura "shed" e com o rem ate do fecham ento vertical sobre a cobertura

NOTA São padronizados os seguintes tipos:

a) rufo de topo ou cumeeira "shed' ondulada (ver Figura 6) e trapezoidal (ver Figura 7);

b) rufo lateral inferior e superior ou contra-rufo ondulado (ver Figura 18) e trapezoidal (ver Figu
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

19 — Rufo lateral trapezoidal

3.19
sobreposição lateral dupla
sobreposição das extremidade is das telhas com 1 % onda (ver Figura 20)

Figura 20 — Sobreposição lateral dupla utilizada para coberturas

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 9


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

3.20
sobreposição lateral simples
sobreposição das extremidades laterais das telhas com % onda (ver Figura 21)
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Figura 21 — Sobreposição lateral simples

3.21
telha
chapa corrugada
produto perfilado de alumínio ou de liga de alumínio, de perfil ondulado ou trapezoidal (ver Figuras 22 e 23)

Legenda
A largura total
B largura útil
C altura da onda
D passo da ond

Figura 22 — Telha ondulada

10 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

Legenda
A largura total
B largura útil
C altura do trapézio
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

D passo do trapézio

4 Símbolos e abreviaturas

Para os efeitos deste documento, aplicam os seguintes s e abreviaturas.

A área, em milímetros quadrados por metro

E módulo de elasticidade, em quilogramas-f por centímetro quadrado, sendo que cada liga possui seu
módulo de elasticidade e é utilizada para ulos estruturais, conforme as equações da resistência
dos materiais

F Fy/S = tensão admissível, em quilogramas-força por centímetro quadrado

Fy tensão de escoamento, em quiloc


ilograms rça por centímetro quadrado

J momento de inércia, em centíme


metros elevados à quarta potência por metro

L espaçamento entre apoios, em metros

q carga uniformemente distribuída, em quilogramas-força por metro quadrado

S fator de segurança = ,3 0

W módulo de resiistência,.em centímetros cúbicos por metro

5 Requisit

5.1 Composição química

5.1.1 Os limites de composição química de calhas, cumeeiras, pingadeiras para calha, rufos e telhas devem
estar de acordo com a ABNT NBR 6834.

5.1.2 Os corpos-de-prova podem ser tirados quando do vazamento do metal (corrida) ou dos produtos
mencionados em 5.1.1.

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 11


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

5.1.3 Caso os corpos-de-prova sejam tirados por ocasião do vazamento do metal, deve ser tirado pelo menos
um corpo-de-prova para cada corrida proveniente da mesma fonte do metal em fusão.

5.1.4 Quando os corpos-de-prova forem tirados do produto, eles devem ser representativos de cada corrida do
lote.

5.1.5 Os corpos-de-prova dos produtos mencionados em 5.1.1 devem ser obtidos a partir de um pedaço
ou pedaços representativos do lote, devendo ser submetidos à ação de um ímã, a fim de eliminar eventuais
partículas de aço provenientes das ferramentas utilizadas, estar isentos de lubrificantes e ter massa mínima
de 75 g.

NOTA O lote pode apresentar diferentes comprimentos nominais, desde que m demais características
(geometria do perfil e espessura do produto).

5.2 Propriedades mecânicas


S*
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Deve ser retirado um corpo-de-prova do produto, a cada corrida, garantindo-se um valor mínimo de limite de
escoamento (LE) de 115 MPa para as telhas.

Para os demais produtos de alumínio ou liga de alumínio devem se

acordo com a ABNT NBR ISO 2107.


K
ser atendid os os valores mínimos especificados
pelas ABNT NBR 7000 e ABNT NBR 7823, de acordo com sua res p e c a liga
, e têmpera. A têmpera deve estar de

O corpo-de-prova deve ser ensaiado conforme a ABNT NBR

5.3 Acabamento superficial

O acabamento superficial dos produtos corresponde


dentes à de:
esignação especificada para o alumínio ou liga de
alumínio deve ser especificado no pedido de compsra (ver Ane;
nexo A) e estar de acordo com as ABNT NBR 7556
ou ABNT NBR 8117.

Para produtos pintados oriundos de chapas, deví/e ser s<


seguida a ABNT NBR 15144.

5.4 Dimensões

A verificação das dimensões de calhas, cumeeiras, pingadeiras para calha, rufos e telhas deve ser efetuada com
eles apoiados sobre uma superfície plana e lisa,
li sem fixações, livre de tensões, utilizando-se instrumentos de
medições adequados a cada caso, o, ou seja,
si capazes de apurar as dimensões com a devida precisão de casas
decimais.

As tolerâncias dimensionais das tel has com perfil ondulado ou trapezoidal devem estar de acordo com
as especificações da Tabel

Para calhas, cumeeiras


as, pingadeeiras para calha, rufos e telhas devem ser seguidas as especificações das
ABNT NBR 6999 e para calços e hastes devem seguidas as especificações da ABNT NBR 8116.

Tabe foierâncias dimensionais da telha com perfil ondulado ou trapezoidal

Espessura Largura b
Altura da onda ou Passo da onda ou Esquadroc Comprimento
nominal a mm do trapézio (C) do trapézio (D)
mm mm mm mm mm
Total (A) Útil (B)
+2% +2 % + 1,0 + 2,0 + 13,0
> 0,4 13,0
-0% -0% - 2,0 - 2,0 - 13,0
aA tolerância de espessura deve seguir a especificação da ABNT NBR 6999.
bA tolerância de largura é dada em porcentagem da largura especificada, em milímetros.
cA tolerância de esquadro é obtida através da diferença das medidas das diagonais do produto.

12 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

5.5 Repetição dos ensaios

O lote deve ser aprovado se forem atendidos os requisitos especificados em 5.1 a 5.4. Se um ou mais dos
requisitos especificados em 4.1 a 4.4 não forem atendidos, outros corpos-de-prova de duas peças diferentes do
mesmo produto e do mesmo lote devem ser extraídos para novos ensaios. Os resultados destes ensaios devem
atender a estes requisitos; caso contrário, o lote deve ser rejeitado.

6 Acessórios

6.1 Cumeeira perfil

A cumeeira perfil tem como padrão o ângulo interno de 180°, podendo ada na obra, conforme a inclinação
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

do telhado, até um ângulo interno de 90°. Sua fixação deve ser elemento a cada duas ondas para
a cumeeira trapezoidal e a cada quatro ondas para a cumeeira ondulac A cumeeira perfil deve ser estampada
a partir de chapa lisa na espessura de 0,8 mm ou perfilada e dobrada espessura > 0,5 mm.

6.2 Cumeeira "shed'

A cumeeira “shed" é utilizada em telhados do tipo m qualquer inclinação, cujo ângulo é sempre
determinado em função do projeto. Sua fixação deve s um elemento a cada duas ondas para a cumeeira
trapezoidal e a cada quatro ondas para a cumeeira Na aba lisa, a fixação pode ser determinada pelo
projeto. A cumeeira “shed"deve ser estampada ou d partir de chapa lisa na espessura de 0,8 mm.

6.3 Cumeeira lisa

A cumeeira lisa pode ser utilizada em cobe duas águas, "shed", espigões ou invertida como água furtada.
Seu ângulo é determinado sempre em funç projeto. Sua fixação deve ser no mínimo com um elemento
a cada 50 cm por aba. A cumeeira lis ser estampada ou dobrada a partir de chapa lisa na espessura
de 0,8 mm.

6.4 Rufo de topo

O rufo de topo pode ser utiliz. a arrematar a cobertura com fechamentos em lanternins e platibandas mais
altos. Seu ângulo é determina^ f
unção do projeto. Sua fixação deve ser com um elemento a cada duas ondas
para a cumeeira trapezoidal e a cada quatro ondas para a cumeeira ondulada na aba estampada. Na aba lisa,
a fixação pode ser determinada pelo projeto. O rufo de topo deve ser estampado ou dobrado a partir de chapa lisa
na espessura de 0,8 mm.m.

6.5 Rufo latera l superior ou contra-rufo

O rufo lateral superior ou contra-rufo pode ser utilizado quando o fechamento lateral acompanha a inclinação do
telhado. Sua fixação deve ser com um elemento a cada 50 cm por aba. Deve ser perfilado, estampado ou dobrado
a partir de chapa lisa na espessura de 0,8 mm.

6.6 Rufo lateral inferior ou contra-rufo

O rufo lateral inferior ou contra-rufo possui as dimensões do rufo lateral superior e pode ser aplicado na lateral da
telha com fechamento lateral mais alto. Sua fixação deve ser com um elemento a cada 50 cm na aba estampada
ou perfilada e, quando necessário, na aba lisa. Deve ser perfilado, estampado ou dobrado a partir de chapa lisa
na espessura de 0,8 mm.

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 13


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

6.7 Calha

A calha deve ser fabricada a partir de chapa lisa, com espessura mínima de 0,8 mm, dobrada ou perfilada.
Possui dimensões variáveis e deve ser determinada em projeto, em função do volume das águas pluviais.
A calha não deve ser fixada na telha.

6.8 Pingadeira para calha

A pingadeira para calha pode ser utilizada entre a telha e o vão existente. Suas dimens am de acordo com
o projeto. Tem função de evitar retornos de águas que correm por baixo da telha. tilizados os mesmos
elementos de fixação da telha. A pingadeira não deve ser fixada na calha e dev estampada ou dobrada
a partir de chapa lisa na espessura de 0,8 mm.

6.9 Haste
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

A haste é uma peça de liga de alumínio utilizada para fixar a telha na est ssante pela onda alta. Permite a
acomodação das telhas à estrutura quando da movimentação da cob vitando rompimentos indesejáveis
das telhas, oriundas de total engastamento. A haste também evita a o o do furo na telha devido à dilatação
e/ou movimentação da cobertura, pois os ganchos apresentam u vimento pendular, cujo efeito é positivo
sobre a cobertura. A haste deve ser produzida pelo processo de nas ligas 6261 ou 6351, têmpera T6,
diâmetro nominal do corpo de 6,8 mm e da rosca 8 mm. Seu c to é variável e deve suportar dobramento
com raio mínimo de 6 mm.

6.10 Arruela

A arruela pode ser côncava ou plana e deve ser prod alumínio a partir de chapa laminada, nas ligas das
séries 3XXX, têmpera H18 ou 5XXX, têmpera H1 com diâmetro interno compatível com o diâmetro da
haste. A espessura da arruela côncava deve esta 0,7 mm e 1,0 mm e da arruela plana entre 1,5 mm
e 2,0 mm.

6.11 Porca sextavada

A porca sextavada deve ser produzida vergalhão sextavado extrudado nas ligas de alumínio 6063, 6261
ou 6351, têmpera T6, com diâmetro int patível com o diâmetro da haste.

6.12 Calço

O calço atua como elemento limitador, mantendo a permanência da altura da onda, contribuindo para que não
ocorra amassamento tanto das telhas como dos acessórios, por ocasião do aperto das porcas. Suas dimensões
devem ser compatíveis com os perfis das telhas.

6.13 Goiva nervura

A goiva nervurada contribui para que não ocorra amassamento das ondas, por ocasião do aperto das porcas,
evitando o rasgamento das telhas junto aos fixadores. A goiva deve ser produzida a partir de chapa laminada de
alumínio estampada, nas ligas das séries 3XXX, têmperas H16 ou H18, 5XXX, têmperas HX4 ou HX6,
com diâmetro interno compatível com os fixadores e dimensões compatíveis com os perfis das telhas.
A espessura deve estar entre 0,7 mm e 1,0 mm.

6.14 Arruela de guarnição flexível plana ou côncava

A arruela de guarnição flexível plana ou côncava atua como elemento de vedação à infiltração de água. Deve ser
produzida em PVC ou etileno propileno dimetil (EPDM) e deve ser compatível ao especificado em 6.10.
A espessura nominal da arruela plana deve ser de 2,0 mm e a da côncava (tipo chupeta) de 1,0 mm.
As Figuras 24 e 25 mostram um conjunto de fixação envolvendo haste, arruela, porca sextavada, calço, goiva
nervurada e arruela de guarnição, para telhas ondulada e trapezoidal.

14 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados
ABNT NBR 14331:2009

15
ABNT NBR 14331:2009

6.15 Fita de vedação

A fita de vedação atua como elemento de vedação à infiltração de água, devendo ser aplicada na sobreposição
lateral (ver Figura 26) e no recobrimento longitudinal das telhas (ver Figura 27). A fita deve ser produzida
em espuma de células fechadas de polietileno expandido reticulado quimicamente auto-extinguível (PEE), com
uma face auto-adesiva. Suas dimensões mínimas devem ser 3,0 mm de espessura, 15 mm de largura
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Para o fechamento das ondas deve ser utilizada uma vedação entre os acessórios lisos, descritos em 6.2, 6.3, 6.4
e 6.8, e a telha, tanto para o lado superior como inferior da cobertura, conforme Figura 28. Pode também ser
utilizada para fechamento entre a telha e a alvenaria. A vedação deve ser produzida em PEE de células fechadas,
com ou sem adesivo, e deve ter espessura mínima de 30 mm e ser compatível com o perfil da telha.

16 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Figura 28 — Fechamento

6.18 Parafuso de cobertura e de fachada

O parafuso de cobertura (ver Figura 29) e de fachada (ver Figura 30) deve ser utilizado para fixar a telha na
estrutura metálica, conforme Figura 28. Este parafuso deve ser autoperfurante de 10-16 X 3/4” para telha
ondulada e de 12-14 X 1” mais arruela BW-7/8” para telha trapezoidal, ponta n° 3, para chapas até 5 mm de
espessura e pontas n° 5 ou 6 para perfis laminados, com tratamento superficial de polímero organo-metálico
à base de alumínio. Este parafuso deve ser acompanhado de uma guarnição de EPDM.

O parafuso para fachada é o mesmo especi ara a telha ondulada e de 12-14 X 3/4” para a telha
trapezoidal, sem a utilização de arruela.

Para panos de telhados com mais de 20 re a calha e a cumeeira, deve ser criada junta de dilatação
na estrutura.

As fixações nas terças devem ser adamente a cada 300 mm, ou seja, 1a, 3a e 5a ondas, para as telhas
trapezoidais e 1a, 4a e 8a ondas, pa lhas onduladas.

Figura 29 — Parafuso de cobertura

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 17


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

Figura 30 — Parafuso de fachad


Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

6.19 Parafuso de costura

O parafuso para fixação de telha/telha (costura) deve ser utilizado <ar uma telha em outra telha, de acordo
com a Figura 31, a cada 800 mm até 1 200 mm, devendo sempre proporcionalmente o meio do vão entre
apoios. Este parafuso deve ser do tipo autoperfurante de 1/4” ponta n° 1 , com tratamento superficial de
polímero organo-metálico à base de alumínio. Este parafuso ■acompanhado de uma guarnição de EPDM.

igura 31 — Parafuso de costura

7 Critérios de cálculo

7.1 Considerações

A principal carga aci que age sobre as telhas é o vento, sendo que seu efeito é de pressão de obstrução
ou de sucção, e no devem ser consideradas a carga uniformemente distribuída e as recomendações da
ABNT NBR 6123 portamento estrutural da telha é similar ao de uma viga contínua, uniformemente
carregada e ap vários suportes (terças), variando conforme seus tramos estejam apoiados em dois,
três, quatro ou uportes, o que é expresso nas equações da resistência dos materiais. Para o cálculo
e o dimensionamento das telhas são utilizados três critérios de avaliação:

a) tensão admissível: máxima tensão que ocorre na fibra extrema da telha, a qual deve ser inferior à tensão
admissível do material;

b) flecha máxima: flecha máxima do tramo carregado da telha, a qual deve ser inferior a L/90, sendo L
o espaçamento entre apoios;

c) flambagem local: a telha, quando carregada e fletida, não deve apresentar enrugamento (abolhamento) da
face comprimida, característica de flambagem local.

18 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

7.2 Coeficiente de segurança

A telha, por ser um elemento acessório da cobertura, tem um coeficiente de segurança adotado de
S = 1,30, uma vez que uma falha estrutural da telha não deve colocar em risco a estrutura da cobertura.
Esse coeficiente de segurança deve ser aplicado no limite de escoamento do material para se estabelecer
a tensão admissível de projeto.

7.3 Cálculo da carga de vento

7.3.1 Pressão de obstrução do vento

De acordo com a ABNT NBR 6123, a pressão de obstrução do vento é dada p guintes equações:

V2
q =—
16
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Vk = S1 x S2 x S3 x V0

onde

q é o valor numérico da carga de vento, expresso em ama-força por metro quadrado (kgf/m2);

q = Vk2 / 16 ;

Vk é o valor numérico da velocidade característ vento, expresso em metros por segundo (m/s);

Si é o valor numérico do fator topográfico;

S2 é o valor numérico do fator rugosid

S3 é o valor numérico do fator est

V0 é o valor numérico da v básica do vento, expresso em metros por segundo (m/s), obtida
no gráfico das isopletas, co a região onde a obra se localiza.

7.3.2 Telha trapezoidal

Devido à assimetria das ondas, as cotas Ys e Yi em relação à linha de centro de gravidade não são iguais.
Dessa forma, o módulo de resistência inferior (Wi) é diferente do módulo de resistência superior (Ws), conforme
ilustrado na Figura 32. Assim, a tensão admissível apresenta maior capacidade de carga à sucção do que
à pressão.

Figura 32 — Módulo de resistência da telha trapezoidal

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 19


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

7.3.3 Telha ondulada

Por ser o perfil simétrico, as cotas Ys e Yi em relação à linha de centro de gravidade são iguais. Dessa forma,
o módulo de resistência é único (Ws = Wi), conforme ilustrado na Figura 33.

Figura 33 — Módulo de resistência da telha ondulac

7.4 Equações para vãos máximos admissíveis


Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

7.4.1 Dois apoios

O máximo espaçamento entre dois apoios, em centímetros (ve a 34), levando-se em conta a tensão
admissível do material, é dado pela seguinte equação:

8. F.W
Lmáx =
q

A flecha máxima 9 0 , em centímetros, é dada pela se uação:

0,85. E.J
Lmáx = 3,
q

ra 34 — Máximo espaçamento entre dois apoios

7.4.2 Três apoios

O máximo espaçamento entre três apoios, em centímetros (ver Figura 35), levando-se em conta a tensão
admissível do material, é dado pela seguinte equação:

8.F.W
Lmáx =
q

A flecha máxima 9 0 , em centímetros, é dada pela seguinte equação:

2,04. E.J
Lmáx =
q

20 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

Figura 35 — Máximo espaçamento entre três

7.4.3 Quatro apoios

O máximo espaçamento entre quatro apoios, em centímetros (ver levando-se em conta a tensão
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

admissível do material, é dado pela equação:

10.F.W
Lmáx =
q

A flecha máxima — , em centímetros, é dada pela seguir o:

1,61. E.J
Lmáx = 3
q

36 — Máximo espaçamento entre quatro apoios

NOTA 1 Os valores o convertidos para metro, dividindo-se os resultados por 100, adotando-se o menor valor
calculado.

NOTA 2 O cálculo da flambagem local depende de considerações sobre a geometria do perfil da telha, de suas porções
planas nas regiões comprimidas e da espessura da chapa, sendo mais sensível para espessuras menores.

7.5 Balanços lo igitudinal e lateral

Os balanços porventura existentes em beirais e topos das edificações (ver Figura 37), entre os finais das telhas
e o último apoio da estrutura, não devem ultrapassar a máxima distância especificada na Tabela 2, pois se tornam
áreas frágeis à ação dos ventos e também ao apoio para uma eventual manutenção.

Na lateral da telha não é possível ter balanço, a menos que haja prolongamento da terça que lhe dá sustentação.

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 21


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

Figura 37 — Balanços longitudinal e lateral


O
Tabela 2 — Distância máxima para balançi cT
Balanço
Perfil da telha
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

mm
' ' Trapezoidal ^ ^ ^ ^ e x 800
Ondulado e x 600

8 Cálculo da inclinação e curvatura do telhad o

NOTA O Brasil, por ser um país tropical e de imensa áre


-ea, sofre a ocorrência de chuvas intensas, que variam conforme a
região. Conhecendo-se o índice pluviométrico, é pos: , sivel dimeensionar calhas e condutores, de acordo com a
ABNT NBR 10844, assim como a inclinação e o compririmento do pai pano de telhados com telhas trapezoidais ou onduladas,
e do raio de curvatura e comprimento do arco de tel mente com telhas onduladas, para o melhor escoamento
das águas.

8.1 Grau de inclinação

O grau de inclinação i do telhado (ver Fig


igura 38) de
eve ser calculado pelas seguintes equações:

i• = tg
* a =—
h
c

a = arctgi
£

Figura 38 — Comprimento do pano

22 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

8.2 Comprimento do pano

O comprimento do pano Lmáx do telhado (ver Figura 37) deve ser calculado pela seguinte equação, em função
da intensidade pluviométrica (/), em milímetros por hora, de acordo com a ABNT NBR 10844:
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

90

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 23


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

8.4 Quantidade de telhas

A quantidade de telhas, independentemente do seu perfil, trapezoidal ou ondulado, deve ser calculada pelas
seguintes equações:

(D + B)

O
a=
Lu

Q= axz

onde

a é a quantidade de faixas distribuídas;


cT
D é o comprimento do telhado;
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

B é o comprimento dos beirais;

Lu é a largura útil da telha;

Q é a quantidade de telhas;

z é o número de águas.

9 Seqüência de instalação

9.1 Antes de se iniciar a instalação e a fix telhas, deve-se verificar a existência de um projeto
detalhado para a montagem.

9.2 Verificar se a estrutura está de acorido com o projeto, sobretudo com relação ao comprimento e à largura,
espaçamento entre apoios, nivelamento, pri
. umo e paralelismo dos apoios.

9.3 Deve ser verificado o sentido do> vento predominante no local e o início da montagem deve partir do lado
contrário do sopro do vento, indo do
Io beira
iral para
ra a cumeeira, conforme mostrado na Figura 40.

NOTA Recomendações sobre tra nsporte, manuseio, armazenamento e instalação das telhas são dadas no Anexo B.

24 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

Figura - Seqüêncla de instalação

10 Recobrimento e sobreposição de telh

Para que a cobertura seja completamente estan ua da chuva, é necessário seguir as especificações de
sobreposições transversais e longitudinais o da inclinação do telhado, fornecidas na Tabela 3.
A sobreposição transversal deve sempre ser re uma terça. Deve-se utilizar fita de vedação, conforme
aplicação ou montagem.

— Sobreposição de telhas

Recobrimento Sobreposição lateral


Inclinação do telhado
longitudinal Telha
Telha ondulada
mm trapezoidal
w
Abaixo de 5 % 200 a Dupla Dupla
De 5 % a 10 % 200 a Simples Dupla
Acima de 10 % 150 b Simples Dupla
Fechamento lateral 100 b Simples Simples
'a 20.
iura 19.

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 25


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

11 Compatibilidade com outros materiais

11.1 Metais ferrosos


Deve ser evitado o contato direto do alumínio com ferro e/ou aço, através da utilização de materiais isolantes,
tais como borracha, neoprene, PEE, PVC, EPDM etc. O aço em contato com o alumínio deveeve ser
ser necessariamente
galvanizado a fogo.

11.2 Cobre e suas ligas


T
Deve ser evitado o contato do alumínio com cobre e suas ligas, através da utilização de materiais isolantes,
tais como borracha, neoprene, PEE, PVC, EPDM etc. Em circunstância alguma devem ser ututilizados fixadores de
cobre nas chapas de alumínio.

11.3 Chumbo
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

O alumínio não sofre ataque quando em contato com o c exceto em atmosfera marítima.
Nessas circunstâncias, ambas as superfícies devem ser protegidas de pintura.

11.4 Concreto ou alvenaria

O alumínio em condições perfeitamente secas não necessit eção especial, quando em contato com esses
materiais. Caso o alumínio necessite ser embutido no co ou na alvenaria, deve ser protegido com tinta
à base de asfalto, na região de contato, pois em condiçõe; pode ocorrer um ataque de fraca intensidade.

11.5 Zinco

O alumínio não é atacado, quando em contato 4 /


ito com o zinco.
z Em atmosferas agressivas, o zinco é atacado
primeiramente, devendo ser protegido por meio de pintu -

11.6 Madeira
4
Em condições secas, não há reação eontre o alum
/
mínio e a madeira. Tratando-se de madeiras verdes, as partes
em contato devem ser protegidas com tinta à b,ase de asfalto. Em atmosferas marítimas, deve-se utilizar materiais
isolantes, tais como borracha, neoprene,
;ne, feltr
ltro asfáltico etc. Vapores provenientes da secagem de madeiras
são muito agressivos ao alumínio.
NOTA
útil das telhas e dos acessórios
do produto.
.
Em ambientes agressivos ... ato do alumínio com alguns compostos químicos pode causar a redução da vida
rança, recomenda-se consultar o fabricante para avaliar a viabilidade da aplicação

12 Embalagem
As telhas e os acessó
isórios dever
evem ser fornecidos de forma a não sofrerem danos durante o manuseio e o transporte
e identificados na pr
rópria embal
balagem ou na primeira peça do lote com os seguintes dados:

a) nome do fabric
ibricante;

b) tipo da telhaa ou do acessório;

c) liga e têmpera;

d) dimensões nominais, em milímetros;

e) quantidade, massa total, em quilogramas, ou número de peças;

f) identificação do lote ou do volume;

g) número desta Norma.

26 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY


ABNT NBR 14331:2009

Anexo A
(informativo)

Dados para as informações de encomenda

Q
Recomenda-se que o pedido de compra das telhas e dos acessórios contenha as seguintes informações:

a)

b)
tipo da telha ou do acessório;

liga e têmpera;
CS
c) dimensões nominais, em milímetros;
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇÃO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

d) tipo de acabamento;

e)

f)
jp
quantidade, massa total, em quilogramas, ou número de pe

se for exigido, os resultados dos ensaios de análise do _

g) número desta Norma.

<0
<5
<5

© ABNT 2009 - Todos os direitos reservados 27


Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY
ABNT NBR 14331:2009

Anexo B
(informativo)

Recomendações sobre transporte, manuseio, armazenamento e instalação

B.1 Recomenda-se que a telha seja transportada totalmente apoiada e protegid na para evitar que
o material seja molhado ou fique umedecido durante o percurso até seu destino.

B.2 Caso o produto esteja molhado ou tenha condensação de vapor d’água, recom enda-se enxugá-lo, peça
por peça, na ocasião do seu descarregamento. Convém que o produto molhado não sseja armazenado, mesmo
que sua instalação seja imediata, pois a água pode provocar o aparecime manchas comprometedoras
à estética da edificação, apesar de não prejudicar suas propriedades mecâ
Exemplar para uso exclusivo - DEMONSTRAÇÃO DO SERVIÇO ABNTCOLEÇAO PARA UNIVERSIDADES - 33.402.892/0002-97

B.3 No descarregamento das telhas recomenda-se utilizar o mesmo de homens tanto na carroceria do
caminhão quanto no solo e convém que estes estejam equipados com e proteção, pois apesar de as telhas
terem peso reduzido, existe a necessidade de mais de um para transportá-las. Quanto maior
o comprimento da telha, maior a quantidade de homens.

B.4 Recomenda-se utilizar apoios de madeira por deba s telhas para se evitar amassamentos
ou arranhões nelas. Convém que as telhas não sejam arras hipótese alguma.

B.5 Recomenda-se que o local de armazenamento sej ventilado e coberto. Caso o armazenamento seja
em local não coberto, convém que os produtos sejam os com lonas ou materiais impermeáveis, tomando-
se o cuidado de se observar com freqüência se há ação de vapor d'água e/ou umedecimento das telhas,
que podem provocar oxidação na forma de m de água, alterando o aspecto estético do produto.
Estas manchas não são removíveis.

B.6 Quando for necessária a proteção com lona, recomenda-se que esta seja colocada de forma inclinada para
que a água escorra mais rapidamente e para facilitar a circulação interna de ar. Convém que a lona esteja presa
ao solo e que o material fique totalmente isolado da umidade do solo.

B.7 Recomenda-se que a telha seja a na posição vertical. Quando isso não for possível, convém manter
ventilação entre as pilhas. Recomen se que estas pilhas sejam apoiadas sobre calços de madeira, distanciadas
do solo no mínimo 15 cm, e cerca de uma pilha para outra.

28 © ABNT 2009 - Todos os direitos reservados

Impresso por: IFTO - PALMAS - SIDNEY