Você está na página 1de 10




    
       !"#$"
%'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*<>=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+&4- (IHJ&?,.+/?<>=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.&
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

CONDIÇÕES ERGONÔMICAS DO
AMBIENTE DE TRABALHO DE
FUNCIONÁRIOS DA ÁREA
ADMINISTRATIVA: O CASO DE UMA
REFINARIA DE PETRÓLEO
INSTALADA NA AMAZÔNIA
OCIDENTAL

Adilson Correa Alves (PETROBRAS)


adilsonalves@petrobras.com.br
Mirian Serrão Vital (UEA)
mvital@uea.edu.br

O presente artigo tem como objetivo verificar as condições


ergonômicas dos funcionários da área administrativa de uma refinaria
de petróleo, instalada na Amazônia Ocidental, na cidade de Manaus.
Trata-se de pesquisa bibliográfica, descritivva e de abordagem
quantitativa, onde se utilizou de questionário junto aos colaboradores
para obtenção dos resultados da pesquisa no que concerne à
verificação das condições de segurança, conforto e eficiência das
pessoas nos locais de trabalho. Buscou-se ainda, através da pesquisa,
conhecer as percepções que estes colaboradores possuem sobre alguns
aspectos ergonômicos necessários para melhorar as condições de
trabalho existentes. O estudo constata alguns aspectos ergonômicos
que geram insatisfação no quadro funcional investigado.Os principais
aspectos de insatisfação observados relacionam-se à temperatura e à
qualidade do ar no espaço de trabalho, postura e aparência do
ambiente de trabalho considerando-se arquitetura e mobiliários.Dentre
os aspectos que proporcionam satisfação, destacam-se: iluminação e
facilidade para operação do sistema utilizado. Por fim o trabalho
apresenta proposta de melhoria para o setor estudado no que diz
respeito à ergonomia e melhores condições de trabalho.

Palavras-chaves: Ergonomia, Condições de Trabalho, Escritório


Informatizado, Refinaria de Petróleo.
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

1. Introdução
De acordo com Grandjean (1998), as mudanças tecnológicas e as novas técnicas de gestão dos
negócios, têm causado várias alterações nos métodos e processos de produção. Para
acompanhar estas mudanças, é necessário proporcionar aos colaboradores condições
adequadas para que estes possam exercer suas tarefas e atividades com conforto e segurança.
Desta forma, é necessário projetar o posto de trabalho e organizar o sistema de produção com
concepção ergonômica.Tendo como premissa que a conquista da qualidade dos produtos ou
serviço e aumento da produtividade, só será possível com a qualidade de vida no trabalho,
projeto ergonômico do posto de trabalho e do sistema de produção não é mais apenas uma
necessidade de conforto e segurança, e sim, uma estratégia para empresa sobreviver no mundo
globalizado (IBIDEM, p. 23).
Para Brunet et al. (2003), o trabalho é uma das fontes de satisfação de diversas necessidades
humanas, como auto-realização, manutenção de relações interpessoais e sobrevivência. Por
outro lado, também pode ser fonte de adoecimento quando contém fatores de risco para a
saúde e o trabalhador não dispõe de instrumental suficiente para se proteger destes riscos. De
acordo com a Associação Brasileira para Prevenção de Acidentes (2000), a segunda causa de
afastamento do trabalho, no Brasil, são as doenças ocupacionais.
A atividade humana no trabalho evoluiu. No escritório, em particular, a presença do
computador, como “novo amigo inseparável do homem”, apresenta desafios que ocupam, ou
deveriam ocupar, todos aqueles que estão envolvidos com planejamento e projeto dos espaços
e instalações de trabalho. As questões que a implantação de postos de trabalho informatizado
trouxe para o ambiente organizacional, alterando as relações interpessoais, transformaram o
escritório em um enorme campo de estudo (IBIDEM, p. 29).
A despeito de toda pesquisa já existente, muitas questões ainda se encontram sem solução
adequada, enquanto que outras surgem com o desenvolvimento das novas tecnologias que,
inadvertidamente, submetem os seus usuários a novos constrangimentos, de natureza física e
cognitiva.Atualmente um forte componente mental está agregado às inúmeras funções que são
desempenhadas com computadores. As solicitações físicas também não são mais as mesmas.
Hoje trabalhar em escritório informatizado significa manter posturas rígidas ao longo da
jornada de trabalho e disponibilizar os membros superiores para realizar a comunicação
necessária com o sistema informatizado. Esta evolução trouxe conseqüências em nível do
custo humano do trabalho e promoveu uma revisão dos conceitos tradicionais aplicáveis ao
projeto de mobiliário, ambiente físico e organização do trabalho.
O objetivo deste trabalho é identificar a importância da implantação do processo ergonômico
e seu reflexo na qualidade de vida dos funcionários da área administrativa de uma refinaria
de petróleo, localizada na Amazônia Ocidental, na cidade de Manaus. Esta unidade de
negócios da Petrobrás, refina, transporta petróleo para toda a região norte, como também
identifica, analisa, desenvolve e implanta projetos de geração de energia elétrica. Além disso,
opera usinas e comercializa a energia onde a Petrobrás atua diretamente ou por meio de
participação societária.
Os colaboradores avaliados são um total de 15, distribuídos entre os setores de saúde,
segurança e meio ambiente ( SMS),terminal de transferências, estocagens e interfaces (TTEI),
e produção (PR) da área administrativa e também nos turnos de revezamento.
2. HISTORIA DA ERGONOMIA

2
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

Conforme Lida (2003) a ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho ao homem. O


trabalho aqui tem uma acepção bastante ampla, abrangendo não apenas maquinas e
equipamento utilizados para transformar os materiais, mas também toda a situação em que
ocorre o relacionamento entre o homem e seu trabalho. Isso envolve não somente o ambiente
físico, mas também os aspectos organizacionais de como esse trabalho é programado e
controlado para reduzir os resultados desejados.Observa-se que a adaptação sempre ocorre do
trabalho para o homem. A recíproca nem sempre é verdadeira. Ou seja, é muito mais difícil
adaptar o homem ao trabalho. Isso significa que a ergonomia parte do conhecimento do
homem para fazer o projeto do trabalho, ajustando-o às capacidades e limitações humanas.
A ergonomia é estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho, equipamento e
ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos da anatomia, fisiologia e
psicologia na solução dos problemas surgidos desse relacionamento (HAAN et al.; 1999).
Segundo Rio & Pires (2001) a ergonomia é o “ramo da ciência e tecnologia que inclui o que é
conhecido e teorizado sobre o comportamento e características humanas que podem ser
validamente aplicadas à especificação, design, avaliação, operação e manutenção de produtos
e sistemas para aumentar a segurança, o efetivo e satisfatório uso por indivíduos, grupos e
organização”.Em 1989, no IV Congresso Internacional de Ergonomia Lida (2003), adotou o
segundo conceito: “A ergonomia é o estudo cientifico da relação entre homem e os meios,
métodos e espaço de trabalho. Seu objetivo é elaborar, mediante a constituição de diversas
disciplinas cientificas que compõem, um corpo de conhecimentos que, dentro de uma
perspectiva de aplicação, deve resultar numa melhor adaptação do homem aos meios
tecnológicos e ao ambientes de trabalho e de vida”.
3.ERGONOMIA APLICAÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS
Um principio importante na aplicação da ergonomia é que os equipamentos, sistemas e tarefas
deve ser projetados para uso coletivos sabendo-se que há indiferenças pessoais em uma
população. Observa Dul & Weerdmeester (1998) “ que os projetos devem atender 95% dessa
população. Isso significa que 5% dos extremos dessa população (indivíduos muito gordos,
muito alto, muito baixo, mulheres grávidas” idosos ou deficientes físicos), para as quais os
projetos de uso coletivos não adaptam bem. Nesses casos, é necessário realizar projeto
específico para essas pessoas. O que podemos observar diretamente, que a ergonomia nos
escritórios informatizados da refinaria de Manaus aplica–se de forma coletiva, não
priorizando o aspecto antropométrico individual.
4.MODELO CONCEITUAL DO TRABALHO COMPUTADORIZADO:
constrangimento no trabalho com uso do computador
A interação entre o trabalhador e o computador depende de diversas condições que em
conjunto afeta a sua saúde e segurança. Lida (2003) propôs um modelo conceitual para o
trabalho computadorizado envolvendo aspectos individuais, tecnológicos, relativos à tarefa,
ambientais e organizacionais.
Os aspectos individuais correspondem às características físicas, de percepção, de
personalidade e de comportamento do usuário. Dos aspectos individuais decorre a maneira
como o individuo se relaciona com os demais aspectos. A tecnologia afeta o individuo através
das exigências de habilidade e conhecimentos para seu uso efetivo. A tarefa afeta o individuo
através de exigências de habilidade e conhecimentos. Em conjunto, tecnologia e tarefa
definem as demandas cognitivas e físicas. Por seu lado, o ambiente afeta o conforto e o
ânimo. Finalmente, a estrutura organizacional define a natureza das relações de trabalho.

3
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

Os constrangimentos posturais, relacionados ao trabalho de digitadores em centro de


transcrição de dados são por demais divulgados e estão confirmados por inúmeras pesquisas
(MORAES et al., 1998). O impacto desse problema no setor produtivo é de tal importância,
que a sua preveenção constitui o cerne da Norma Regulamentadora 17 (NR 17). Disso decorre
uma certa confusão, explicável pela abordagem microergonomica, de que o atendimento aos
aspectos ligados diretamente à postura por si só resolveria a questão ergonômica em
escritório.
Menos divulgados, são os impactos provocados por fatores térmicos no ambiente de trabalho
informatizado. Pesquisas indicam que a qualidade do projeto térmico afeta diretamente a
carga mental, podendo comprometer a concentração e os rendimentos nas atividades
intelectuais (SILVA & MOREIRA,1998). Também contribui para o aumento ou redução da
hiperemia (irritabilidade dos olhos), que é um problema característico de trabalho continuo
com leitura, agravado pela leitura em telas.Atualmente tem merecido grande relevância o
conjunto de problemas nos olhos e na visão relacionados ao trabalho com terminais de vídeo,
que compõem a síndrome denominada Computer Vision Syndrome (CVS), na terminologia
da Americana Optometrit association (ABOUT, 2005).
5.RESULTADOS
Os resultados serão apresentados através de análise descritiva. Para as perguntas fechadas, são
apresentadas figuras contendo os resultados alcançados pela percepção dos sujeitos da
pesquisa.

7%

40% 53%

1 2 3

Figura1- Grau de instrução dos entrevistados

A entrevista foi assim distribuída: 5 colaboradores da Segurança Meio ambiente e Saúde


(SMS), 5 colaboradores do Terminal de Transferência e Estocagem e Interfaces (TTEI) e 5
colaboradores da Produção (PR), perfazendo um total de 15 colaboradores. Todos do sexo
masculino.Todos os entrevistados compõem o efetivo do administrativo e de turno da
Refinaria de Manaus, e executam atividades em escritório informatizado.
Tabulação dos dados relativos ao questionário dos itens de satisfação ergonômica em
escritório informatizado.
1) Temperatura e qualidade do ar no seu espaço de trabalho :1-Insatisfeito 2-Satisfeito
3-Muito satisfeito

4
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

0%

47% 53%

1 2 3
Figura 2 - Satisfação em relação a temperatura e qualidade do ár
Conforme pode-se analisar na figura 2, 53% dos funcionários responderam que estão
insatisfeitos com a temperatura e a qualidade do ar no ambiente de trabalho e 47%
responderam que estão satisfeitos com o a temperatura e a qualidade do ar. Quanto a muito
satisfeito nenhuma das pessoas respondeu.
2) Iluminação em seu ambiente de trabalho:1- Insatisfeito =33% 2-Satisfeito = 60%
3-Muito satisfeito = 7%

7%
33%

60%

1 2 3

Figura 3- Satisfação em relação a iluminação


De acordo com a figura 3, pode-se concluir que a maioria, ou seja , 60 % dos funcionários da
Refinaria de Manaus, estão satisfeitos com a iluminação do seu ambiente de trabalho, e 33%
estão insatisfeitos com a iluminação e somente 7% estão muito satisfeito com a iluminação
do ambiente de trabalho.
3)Nível de ruído em seu ambiente de trabalho:1- Insatisfeito = 47% 2- Satisfeito = 53%
3-Muito satisfeito = 0%

0%

47%
53%

1 2 3

Figura 4 - Satisfação em relação ao nível de ruído


Segundo a figura 4, 53% dos funcionários da Refinaria estão satisfeitos com o nível de ruído,
e que 47% estão insatisfeitos e nenhum funcionário está muito satisfeito com o nível de ruído
no ambiente de trabalho.
4)Facilidade de operação do sistema (software) que você utiliza: 1-Insatisfeito = 0%
2- Satisfeito = 87% 3-Muito satisfeito = 13%

5
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

13% 0%

87%

1 2 3

Figura 5- Facilidade de operação com softwares


Conforme pode-se observar na figura 5, a maioria dos funcionários estão satisfeitos com
software que utilizam, ou seja, 87%, enquanto 13% estão muito satisfeito e nenhum
respondeu que está insatisfeito com os software que utilizam na Refinaria de Manaus.
4)Sua postura de trabalho com o computador, considerando posição do equipamento, apoio
para digitação: 1-Insatisfeito = 53% 2- Satisfeito = 47% 3-Muito satisfeito =
0%

0%

47%
53%

1 2 3

Figura 6 - Percepção em relação a postura de trabalho com o computador


Quanto à questão da posição do computador e apoio para digitação, observa-se na figura 6
que, 53% responderam estarem insatisfeitos, 47% estão satisfeitos e nenhum respondeu está
muito satisfeito com a posição do computador e o apoio para digitação.
6) Espaço que você dispõe na mesa para seu trabalho:1-Insatisfeito = 60% 2-Satisfeito =
40% 3- Muito satisfeito = 0%

0%

40%

60%

1 2 3

Figura 7 - Percepção em relação ao espaço disponível para colocação de mesas


De acordo com a figura 7, 60% dos funcionários estão insatisfeitos com o espaço que dispõem
na mesa em que trabalham, 40% satisfeitos com o espaço que têm e nenhum funcionário
respondeu está satisfeito com o espaço que dispõe na mesa em que trabalha.
7)Aparência do seu ambiente de trabalho, considerando arquitetura e mobiliário: 1-
Insatisfeito =60% 2-Satisfeito = 40% 3-Muito satisfeito = 0%

6
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

0%

40%

60%

1 2 3

Figura 8 - Percepção em relação ao lay out


Conforme a figura 8, demonstra que 60% dos funcionários entrevistados estão insatisfeitos
com a aparência do ambiente em que trabalham, mas diretamente falando da arquitetura e do
mobiliário, 40% estão satisfeitos e nenhum respondeu está muito satisfeito com tal aparência.
8)Cadeira com rodízios: 1-Nada importante = 13% 2-Neutro = 7% 3-Muito importante =
80%

13%
7%

80%

1 2 3

Figura 9 – Percepção em relação a uso de cadeiras


De acordo com a figura 9, 80% dos funcionários consideram muito importante à cadeira com
rodízios, 13% consideram nada importante esse tipo de cadeira e 7% ficaram neutros em
relação a essa questão.
9)Assento giratório:1-Nada importante = 13% 2-Neutro = 7% 3-Muito importante = 80%

13%
7%

80%

1 2 3

Figura 10 – Percepção ao uso de assento giratório


Na figura 10, observa-se que 80% dos funcionários da Refinaria de Manaus, consideram
muito importante às cadeiras com assento giratório, 13% consideram nada importante esse
tipo de assento e 7% permaneceram neutros a esse questionamento.
10) Assento com regulagem de altura:1-Nada importante = 7% 2-Neutro = 7% 3-Muito
importante = 86%

7
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

7%
7%

86%

1 2 3

Figura 11 – Importância do assento com regulagem de altura


Conforme a figura 11, 86% dos funcionários consideram muito importante os assentos com
regulagem de altura, 7% consideram nada importante esse tipo de assento e também 7%
ficaram neutros nesta questão.
11) Cadeira com apoio de braço.1-Nada importante = 7% 2-Neutro = 7% 3-Muito
importante = 86%

7%
7%

86%

1 2 3

Figura 12 – Importância de cadeiras com apoio de braço


Conforme, pode-se analisar na figura 11, 86% dos funcionários da Refinaria de Manaus,
consideram muito importante à cadeira com apoio de braço, 7% consideram nada importante
e 7% ficaram neutros em relação a esse questionamento.
12)Estofamento do assento:1-Nada importante = 7% 2-Neutro = 0% 3-Muito importante
=93%

7%
0%

93%

1 2 3

Figura 13 – Importância de assento com estofamento


De acordo com a figura 13, 93% dos funcionários, ou seja quase todos, consideram muito
importante o estofamento do assento das cadeiras que utilizam 7% considera nada importante
esse tipo de acessório e não houve funcionário que ficasse neutro nesse assunto em questão.
13) Plataforma para apoio dos pés:1-Nada importante = 7% 2-Neutro = 33% 3-Muito
importante = 60%

8
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

7%

33%
60%

1 2 3

Figura 14 – Percepção sobre uso de plataforma para apoio dos pés


Segundo o que se observa na figura 14, 60% dos funcionários da Refinaria de Manaus,
consideram muito importante à utilização da plataforma para apoio dos pés, 33% ficaram
neutros quanto ao questionamento e 7% considera nada importante o uso de tal acessório.
6. CONCLUSÕES E DISCUSSÕES
Ficou evidenciado, a partir do estudo de caso, a existência de grandes demandas ergonômica
que englobam as diversas dimensões do trabalho. Neste estudo, confirmou-se a hipótese que
os usuários têm consciência dos fatores que afetam o seu trabalho. Além disso, foi possível
demonstrar que os mesmos percebem, de maneira nítida, a complexidade do ambiente
organizacional. Em geral, os fatores observados pelos usuários dos escritórios informatizados
pesquisados estão de acordo com o que vem sendo apontado na literatura.
Percebeu-se também que em função das mudanças tecnológicas e as técnicas de gestão de
negócios, foram apresentadas várias alterações nos métodos e processo de produção. Para
acompanhar estas mudanças, é necessário compreender que os colaboradores precisam de
condições adequadas para que possam exercer suas atividades com conforto e segurança.
Assim, o posto de trabalho é um escritório produtivo com uma estrutura complexa, na qual
todos os elementos devem ser planejados minuciosamente, para que exista uma total
coordenação entre eles. Dentre os diversos fatores de importância que devem ser levados em
consideração num projeto de escritórios são fatores técnicos, organizacionais e arquitetônicos.
Os seres humanos passam boa parte de suas vidas nos locais de trabalho, daí o cuidado com
que um ambiente de trabalho deve ser planejado.Como buscar responsáveis pela má qualidade
de vida no trabalho e conseqüentemente a queda da produtividade?
Esta é uma questão muito delicada, por isso vem da própria estrutura do país que, em dado
momento, resolveu sair da agricultura para a industrialização, sem estar preparada para esta
transformação e mudança comportamental no que se refere ao ambiente de trabalho.Conhecer
o individuo é importante, principalmente para saber quais são os seus limites saber adequá-los
ao ambiente de acordo com suas diferenças e particularidade de cada individuo, por isso é
necessários a descrição do cargo e o conhecimento do biótipo e das características de cada
organismo, para que as exigências e esforços necessários para a realização do trabalho não
leve ao desgaste do trabalhador na execução de sua tarefa.
Referências
BRUNET, ; NEW, S.Kaizen in Japan: na empirical study. International Journal of Operations and Pruction
Mnaagement, v.23, n.12, p. 1426-1446, 2003.
DUL, Jan. WEERDMEESTER, Bernard. Ergonomia Prática. Trad. Itiro lida. São Paulo, Editora Edgard
Blucher 1998

9
P PQ RSRUT8VW XYVAZ\[XVA]W RSXYVA]^F_Y`6`.aYbY`8aYcY% dYe %f_Y`6gUdhY_Yijk% h
l'mMn?mIo p?q rsut9mv wJx*myrz9o w9{?t9|~}~w??t?v€{9q ~‚ w?p9wƒ~w9„?o myq nO…mMp9o r~|u}~w9†>z?o wO‡ˆm…NwmyƒIt?ƒN…mMnJ…rM„?q ‚ q {?r~{9m
Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de outubro de 2007

GUÉRIN, F; LAVILLE, A; DANIELLOU, F; DURAFFOURG, J; KERGUELEN, A. Compreender o


trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. Trad. Giliane. M.J. Ingrata, Marcos Maffei. São Paulo:
Editora Edgard Blücher: Fundação Vazolini, 2004.
GRANDJEAN, Etienne. Manual de ergonomia : adaptando o trabalho ao homem. trad. João Pedro stein. 4 ed.
Porto Alegre: Editora Bookman, 1998.
HAAN, J.; YAMAMOTO, M. Zero inventory management: afcts or fiction? Lessons from Japan. International
Journal of Production Economics, v. 59, p. 65-75, 1999.
LAVILLE, Antoine. Ergonomia. Tradução: Márcia Maria Neves Teixeira. São Paulo, EPU, Editora. Da
universidade de São Paulo, 1977.
LIDA, Itiro. Ergonomia projeto e produção. 9 ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 2003.
MORAES, Anamaria de;CAMINADA,Antônio, CHALFUN, Felipe Ramos. Avaliação Ergonômica de
mesas e Cadeiras para Trabalho em terminais de Vídeo. 2005.
MORAES, A., SOARES, M.M. ergonomia no Brasil e no Mundo. Um quadro, uma fotografia. Rio de janeiro,
ABERGO, ESDI/UFRJ, UNIVERTA.2005.
RIO, Rodrigo Pires do, PIRES, Licínia. Fundamentos da prática ergonômica. 3 ed. São Paulo: Editora LTr,
2001.
SILVA, Ricardo Moreira da, MOREIRA, Josilena Aires. Uma analise da utilização do mobiliário
ergonômico – caso: Telpa S.A. In: XVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Piracicaba. Anais.
Piracicaba: Unimep/Abepro,1998.

10