Você está na página 1de 2

a uma fissura devida ao esforço transverso ou de torção.

É, portanto, necessário definir a


posição de referência para a determinação da temperatura do estribo ou cinta.

4. Com base na temperatura de referência, a resistência ao esforço transverso e esforço de


torção, em situação de incêndio, é calculada do modo seguinte:

D.3 Procedimentos para a verificação da resistência aos esforços


transversos de secções transversais de betão armado
1. Calcule a geometria da secção reduzida de acordo com o Anexo B.1, (Temperaturas), ou
B.2, (Isotérmicas e método de zona).

2. Calcule o valor da tensão residual de compressão do betão de acordo com Anexo B.1 ou
B.2, (tensão máxima, fcd,fi=fcd,fi(20) dentro da isotérmica dos 500 ºC, quando se usa a
isotérmica dos 500 ºC ou a tensão de compressão reduzida fcd,fi=Kc(θM).fcd,fi(20) quando se
usa o método da zona

3. Calcule valor da tensão residual de tracção do betão de acordo com o Anexo B.1 ou B.2
(tensão máxima de tracção, fctd,fi=fctd,fi(20) dentro da isotérmica dos 500 ºC, quando se usa
a isotérmica dos 500 ºC ou a tensão de tracção reduzida fctd,fi=Kct(θM).fctd,fi(20) quando se
usa o método da zona). Os valores de Kc,t(θ) pode ser encontrado na Figura 3.2.

4. Calculo a área efectiva traccionada, (ver EN 1992-1-1, Secção 7) delimitada na parte


superior pela linha a-a, (Figura D.2).

5. Calcule a temperatura de referência θp, nos estribos ou nas cintas, como a temperatura do
ponto P, (intercepção da linha a-a com o estribo ou cinta) como mostra a Figura D.2. A
temperatura do aço pode ser calculada através de um programa de computador usando
campos de temperaturas ou usando os campos de temperaturas fornecidos no Anexo A.

6. A tensão de cálculo nos estribos ou nas cintas pode ser determinada em função da
temperatura de referência fsd,fi=Ks(θ).fsd(20).

7. Os método de cálculo para o dimensionamento e verificação do esforço transverso, como


no EN 1992-1-1, pode ser usada directamente na secção transversal reduzida usando os
valores da tensão reduzida do aço e do betão como anteriormente indicado.

55
D.4 Procedimentos para a verificação da resistência à torção de
secções transversais de betão armado
1. Adaptar as regras 1 a 3 de B.3.1.

2. Cálculo da temperatura de referência, θp, no estribo ou na cinta no ponto P, (intercepção


do segmento a-a com o estribo ou cinta), como a Figura D.3 mostra. A temperatura do
aço pode ser calculada através de um programa de cálculo ou usando os campos de
temperatura, (como os apresentados no Anexo A).

3. O cálculo da tensão de dimensionamento do aço no estribo ou cinta deve ser feita em


relação à temperatura de referência fsd,fi=Ks(θ).fsd(20).

4. Os método de cálculo para o dimensionamento e para a verificação dos esforços de torção,


como os indicados em EN 1992-1-1, podem ser aplicados directamente à secção reduzida,
utilizando os valores da tensão do aço e do betão em função da temperatura atrás
descritos.

56