Você está na página 1de 3

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS


Processo Nº. : 0062895-23.2016.8.05.0001
Classe : RECURSO INOMINADO
Recorrente(s) : VALDECI DA SILVA DA CRUZ

Recorrido(s) : BLU LIFE COMERCIO LTDA


MAGAZINE LUIZA LOJAS MAIA FS VASCONCELOS
E CIA LTDA

Origem : 10ª VSJE DO CONSUMIDOR (VESPERTINO)

Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

VOTO- E M E N T A

RECURSO INOMINADO. CONSUMIDOR. VÍCIO DO PRODUTO.


APARELHO CELULAR. PARTE AUTORA QUE ALEGA DEFEITO NA
TELA DO APARELHO CELULAR, TODAVIA ADMITE QUE O DANO
OCORREU EM VIRTUDE DE QUEDA. MAU USO CARACTERIZADO.
INEXISTÊNCIA DE VÍCIO DO PRODUTO OU SERVIÇO. FATO
CONSTITUTIVO DO DIREITO DA PARTE AUTORA NÃO
CARACTERIZADO. ART.373, INCISO I DO CPC. SENTENÇA DE
IMPROCEDÊNCIA MANTIDA.

1. Trata-se de recurso contra sentença que julgou improcedente a ação, nestes


termos: “Inexistindo prova concreta e suficiente dos fatos, não há como acolher-se o pedido da
parte autora.Em consequência, não há que se falar em indenização por danos morais e nem
materiais.Por tais razões, improcede por completo o pedido formulado pela parte autora, de
maneira que não há falar-se em dever de indenizar, sendo a improcedência solução que se
impõe.Ante o exposto, considerando as razões supracitadas, e por tudo que dos autos consta,
JULGO IMPROCEDENTE A PRETENSÃO.”.
2. O recorrente pugna pela reforma da sentença , reiterando as razões
expostas em sede prefacial, aduzindo que celebrara contrato de compra e venda
de aparelho celular com a empresa demandada bem como seguro garantia; que o
produto caiu e teve a tela danificada, motivo pelo qual requereu a reparação do
defeito junto à assistência, o qual fora negado. Pleiteia a restituição do valor pago,
bem como indenização pelos danos morais.

3. A sentença vergastada não merece reforma. Com efeito, a despeito das


alegações da acionante, de tudo quanto exposto nos autos não houve a prova de
prática de qualquer ato ilícito ou falha na prestação dos serviços que possa ser
imputada à parte demandada. Com efeito, não fora apresentada a comprovação da
existência de vício do produto , apenas exsurgindo o direito do consumidor a valer-
se de uma das possibilidades do art. 18 do CDC se acaso constatada a existência
de defeito que torno o produto inservível para o fim ao qual fora destinado. Em
assim sendo, a própria parte autora admite que o produto caiu, e teve danificado o
seu monitor, constituindo típica hipótese de mau uso do mesmo, não podendo ser
imputada à empresa demandada a responsabilidade pelo evento ocorrido.

4. A conduta narrada, assim, não se subsume à quaisquer das categorias


previstas no CDC, seja vício do produto, seja falha na prestação dos serviços, eis
que a conduta supostamente ilegal não pode ser imputada à demandada.

5. Nestes termos, não se aplica ao caso a inversão do ônus da prova, sendo


dever processual da parte autora a prova do fato constitutivo de seu direito, nos
termos do art.373, inciso I do CPC, o que, ademais, estaria ao seu alcance, sendo
prova de fácil constituição,. que todavia não logrou fazer no presente caso, não
apontando nenhuma conduta praticada pelo réu que tenha o condão de causar o
dano que alega a parte autora ter sofrido, sendo insuficiente para a formação da
convicção desta julgadora meras alegações, quando o contexto fático-probatório
não se revela suficiente para embasar a pretensão formulada. Não sendo provado
o ato ilícito em sí, não há que se falar em danos morais na espécie.
6. ISTO POSTO, voto no sentido de CONHECER DO RECURSO E NEGAR-
LHE PROVIMENTO, para manter a sentença objurgada pelos próprios
fundamentos. Sem custas processuais e honorários advocatícios por ser a
parte beneficiária da justiça gratuita.

Salvador, Sala das Sessões, 27 de Outubro de 2016.

BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE


Juíza Presidente e Relatora
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS

Processo Nº. : 0062895-23.2016.8.05.0001


Classe : RECURSO INOMINADO
Recorrente(s) : VALDECI DA SILVA DA CRUZ

Recorrido(s) : BLU LIFE COMERCIO LTDA


MAGAZINE LUIZA LOJAS MAIA FS VASCONCELOS
E CIA LTDA

Origem : 10ª VSJE DO CONSUMIDOR (VESPERTINO)

Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

ACÓRDÃO
Acordam as Senhoras Juízas da 2ª Turma Recursal dos Juizados
Especiais Cíveis e Criminais do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, MARIA
AUXILIADORA SOBRAL LEITE –Presidente e Relatora , ISABELA SANTOS LAGO e
ALBÊNIO LIMA DA SILVA HONÓRIO, em proferir a seguinte decisão : RECURSO
CONHECIDO E IMPROVIDO . UNÂNIME, de acordo com a ata do julgamento. Sem
custas processuais e honorários advocatícios, por ser a parte beneficiária da justiça
gratuita.
Salvador, Sala das Sessões, 27 de Outubro de 2016.

BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE


Juíza Presidente e Relatora