Você está na página 1de 21

Apresentação

Com a morte de seu irmão Nityananda, em 13 de dezembro de


1925, Jiddu Krishnamurti encontrou-se em profunda crise pessoal,
talvez o episódio mais doloroso de sua vida. Enquanto no auge desta
grande tristeza, ele lutou para entender o que ele estava passando. De
fato, a morte de Nitya parece ter sido um ponto de virada decisivo na
evolução espiritual de Krishnamurti. A morte de Nitya serviu como
trampolim para Krishnamurti, catapultando-o para sua libertação
final. Em 1927, com 31 anos de idade, seu desenvolvimento espiritual é
completo e o impacto contundente e esmagador dessa recente
experiência mística é visivelmente evidente nos anos imediatamente
seguintes. Ele vem através da linguagem, vocabulário e estilo deste
período.

A linguagem de Krishnamurti neste período inicial estava em fluxo e


mudou drasticamente de ano para ano. Ele introduziu novos modos de
expressão - o Reino da Felicidade, Libertação, Verdade, Voz da
Intuição e Individualidade - que logo foram abandonados e
substituídos por sua vez. De fato, Krishnamurti supostamente
classificou suas palestras e escritos antes de 1933 como "fragmentados"
e desejou que os primeiros escritos fossem ignorados. No entanto, um
exame mais detalhado revela que, embora sua linguagem estivesse
evoluindo, a essência de seus ensinamentos permaneceu consistente
desde esse período até sua morte. Com extraordinária rapidez e em
resposta direta à má interpretação e tradução por parte de sua
audiência, Krishnamurti começou a "limpar" suas palavras e assim
desenvolveu o estilo de linguagem enxuto, preciso e contemporâneo
pelo qual se tornou renomado.

As primeiras obras não apenas lançam luz sobre as origens dos


conceitos centrais dos ensinamentos, mas também revelam por que ele
sentiu ser necessário mais tarde adotar sua postura de marca
registrada, rígida e não comprometedora. No entanto, se examinado
com o benefício de ter lido os trabalhos posteriores, a natureza emotiva
desses primeiros trabalhos não precisa cobrir os insights fundamentais
que os ensinamentos de Krishnamurti incorporam. Pelo contrário, se
tivermos cuidado com o risco inerente de interpretações erradas, este
material oferece um raro vislumbre de uma mente que acaba de
descobrir o "Reino da Felicidade".

Nesses estágios iniciais, Krishnamurti descreve espontaneamente o que


está vivenciando e tenta comunicar o tipo de mente necessário para
alcançar esse estado de "felicidade verdadeira". Ele usa palavras de
uma forma natural e "inocente", pois ainda está por descobrir o papel
importante que sua escolha de palavras terá. O valor desses primeiros
trabalhos está nessa entrega “apaixonada”. Mais importante ainda, eles
revelam o quanto que Krishnamurti tão deliberadamente ocultou nos
ensinamentos posteriores.

Certos termos nos primeiros trabalhos parecem ser, a princípio,


diametralmente opostos aos fundamentos dos ensinamentos como os
conhecemos hoje. Especificamente, Krishnamurti falou então da
importância de ter "desejo puro", certeza absoluta, memória verdadeira
- ao mesmo tempo enfatizando que os "esforços" de alguém têm que se
basear no entendimento e não na convicção ou acordo. Em suma, os
primeiros escritos fornecem uma pista vital para resolver um dos
enigmas básicos dos ensinamentos - ou seja, como é que, "decorrente
da total inação, há uma ação tremendamente positiva, mas não no
sentido de o positivo e o negativo ".

[Observação: Não encontrei o autor desse texto. Trata-se de um


prefácio de outra coletânea de textos também dessa época (Primeiros
Escritos, 1927, 1928 e 1929), que também pretendo traduzir. Achei bem
apropriado.]

O Reino da Felicidade
J. Krishnamurti, fala em Eerde Castle, Holanda, 1926

O Reino da Felicidade reúne as palestras dadas ao círculo de amigos


no verão de 1926. Aqui, Jiddu Krishnamurti é encontrado conversando
com grande decisão e sobre assuntos que ele desenvolverá mais tarde.

Krishnamurti traça a origem do espírito de fanatismo religioso e


intolerância sectária, bem como a instituição dos mediadores
espirituais da Verdade. A liberdade implica mais independência na
busca da verdade; porque a verdade não pode ser comprometida.
"O senso de unidade é o que mais importa na vida; essa é a única
comida que você pode dar aos famintos, a única solução para todos os
problemas da vida. A ideia intolerante de que você deve estar errado se
você for independente, mas certo se você me segue - minha intuição
especial, meu mestre especial, minha divindade especial, é contrário ao
progresso espiritual".

Prefácio de J. Krishnamurti
Fui convidado a escrever um prefácio para as páginas seguintes.
Francamente, eles não precisam disso, mas talvez seja necessário
algum tipo de explicação para sua aparência.

São conversas dadas a alguns amigos meus no Castelo de Eerde,


Ommen, Holanda. O Castelo é do estilo de construção do início do
século XVIII, e é suposto ser um dos melhores exemplares daquele
período. Certamente é um dos lugares mais bonitos que conheço. Tudo
no Castelo é daquele período e está em perfeitas condições. Os
Gobelins são maravilhosos e dão uma atmosfera de antiga dignidade e
beleza. Grandes árvores de duzentos ou trezentos anos cercam o
Castelo, e seus poderosos topos desaparecem nas nuvens, e lá você
pode ouvir estranhos sussurros.

O lugar é cheio de charme e felicidade, e minhas palestras


naturalmente se voltam para aquele assunto eterno.

J. Krishnamurti.

A VOZ DA INTUIÇÃO
Eu quero, se puder, colocar diante de você certas ideias, que você deve
cultivar, e que lhe dariam uma concepção definida e inteligente da
verdadeira vida espiritual. Eu acho que todos vocês percebem que para
criar - como você deve criar por estar vivo - deve haver esforço e
descontentamento; e, para guiá-lo nessa criação, você deve cultivar seu
próprio ponto de vista, suas próprias tendências, suas próprias
habilidades; e por isso desejo despertar em cada um, aquela Voz,
aquele Tirano, o único guia verdadeiro que te ajudará a criar. A maioria
de vocês prefere - é uma maneira muito mais fácil - copiar. A maioria
de vocês gosta de seguir. A maioria de vocês acha muito mais fácil não
cultivar suas próprias tendências, suas próprias qualidades, suas
próprias naturezas, mas sim, seguir cegamente. E eu acho que você vai
concordar comigo que isso é devastador para o desenvolvimento
daquela Voz. O mais nobre guia que cada um de nós tem é essa Voz,
esse Tirano, essa Intuição; e é no cultivo, no enobrecimento e no
aperfeiçoamento dessa Voz, que chegamos ao objetivo - nosso próprio
objetivo.

Ao cultivar esta Voz até que ela se torne o único Tirano, a única Voz a
qual obedecemos, devemos descobrir nosso objetivo e trabalhar
incessantemente para sua realização. Agora, qual é esse objetivo? Para
mim é isto: eu quero alcançar a Verdade Última. Quero chegar a um
estado em que sei por mim mesmo, que conquistei, que alcancei, que
sou a personificação dessa Verdade, de modo que todas as pequenas
lutas, os pequenos tumultos, as pequenas perturbações da vida -
embora tenham seu valor, não me aborrece, não obscurece a visão da
Verdade. E ao atingir esta verdade, eu alcanço ao mesmo tempo o que
desejo - a paz, a perfeita tranquilidade da mente e das emoções. Esse é
o objetivo para mim. E, primeiramente, é essencial o fortalecimento
dessa voz, em cada um de nós, que se afirma de tempos em tempos. E
ao cultivar e enobrecer a Intuição, devemos aprender a pensar e agir
por nós mesmos. O cultivo dessa voz da intuição significa uma vida de
acordo com seus decretos.

A imitação não tem nada a ver com o belo; a arte não consiste na cópia
da natureza como é, mas na nobreza do símbolo dessa natureza que ela
representa. Então cada um de nós tem que ser um artista, um artista
que cria para si mesmo, porque ficou emocionado com um vislumbre
da Visão. Você descobrirá que verdadeiros e grandes artistas,
verdadeiros e excelentes professores, não têm o senso de
exclusividade; eles incorporam todas as coisas, são parte de todas as
coisas. Devemos ser variados para produzir a coisa perfeita. Um jardim
cheio de rosas, por mais bonito que seja, torna-se monótono. Você
pode ter as mais perfeitas rosas de muitos tipos e cores, mas se elas são
todas rosas, o jardim não tem uma sensação de beleza. Há uma
tendência em cada um de nos tornarmos como os outros. Todos
desejamos nos conformar a um certo tipo e nos adequar a moldes que
não são criados por nós mesmos. Isso é fatal para o desenvolvimento
da intuição perfeita. E, no entanto, nunca devemos esquecer que todos
nos encontraremos no Reino da Felicidade.

Temos uma tendência, através do nosso nacionalismo, das nossas


formas de culto, a pensar que somos diferentes das outras pessoas; nós
tratamos o mundo como fora de nós e nos tornamos exclusivos em
nossa perspectiva. Nós estaremos destruindo, em vez de criar, se
tivermos uma visão tão limitada, ideias tão estreitas. Eu quero, se eu
puder, despertar em cada um de vocês esta Voz, que os guie ao longo
da linha que você quer seguir, que é a sua própria vida, o caminho de
sua própria criação. E enquanto você obedecer aquela Voz, essa
Intuição, você não pode errar; é na tentativa de seguir as ordens, as
ideias e as visões dos outros que você erra. Posso apontar meu ideal da
verdade, da paz perfeita, da bondade amorosa, mas vocês devem lutar e
chegar a ela por si mesmos. Eu posso estabelecer os princípios da
verdade, mas através de sua própria voz, através da obediência dessa
voz, você deve desenvolver sua própria intuição, suas próprias ideias, e
assim você chegará à meta onde todos nos encontraremos.

Isto é para mim a grande coisa da vida. Eu não quero obedecer a


ninguém, não importa quem ele é, desde que eu não ache que ele está
certo. Eu não quero me esconder atrás da tela que oculta a Verdade. Eu
não quero ter crenças às quais não posso responder e às quais não
posso dar minha alma e meu coração e todo o meu ser. Em vez de ser o
comum e o medíocre, você ouvirá essa Voz, cultivará essa Intuição e,
assim, descobrirá novas avenidas da vida, em vez de ser varrido sem
rumo por outros caminhos.

Ao perceber este ideal, como eu disse, você deve desenvolver sua


intuição. Uma perfeita harmonia de emoções e de mente é essencial,
para que a intuição, a voz do seu verdadeiro eu, possa se expressar. A
intuição é o sussurro da alma; A intuição é a palavra guia em nossa
vida. Quanto mais harmonizarmos nossos sentimentos fortes e nossa
mente apurada, aperfeiçoando-os e purificando-os, mais
provavelmente ouviremos aquela Voz, a Intuição que é comum a todos,
a Intuição que é da humanidade e não de um indivíduo em
particular. Você deve ter sentimentos fortes, seja de amor, de intensa
felicidade, de verdadeira bondade. Uma pessoa que não tem
sentimentos é inútil; enquanto que, se ele tem sentimentos fortes,
mesmo que sejam do tipo errado, ele sempre pode treiná-los para se
tornarem refinados e perfeitos. E a pessoa que é dura e indiferente não
pode criar, destruir ou construir. Você descobrirá que um grande
destruidor nunca é uma pessoa pequena - há algo de maravilhoso
nele; Um grande amante nunca é medíocre ou pequeno. Quanto mais
sentimentos você tiver, melhor; mas, ao mesmo tempo, você precisa
aprender a controlá-los, porque as emoções são como ervas daninhas e,
a menos que você as contenha, elas estragam o jardim. Se você tiver
emoções fracas, mas alimentá-las dia a dia, elas se fortalecerão e
crescerão. A ideia de que não devemos ter sentimentos e emoções é
absurda e não espiritual. Quanto mais você estiver borbulhando de
sentimentos, melhor; mas você descobrirá que precisa controlá-los e,
se não o fizer, sofrerá. Se você não os controla, você está indo mais
longe do que sua intuição, você está vagando pelos desvios ao invés de
andar na estrada principal em direção ao seu objetivo. Tenha
sentimentos tremendos. Pratique com eles.

Não seja negativo, pessimista, reticente, mas saia e seja


aventureiro. Sinto isso com tanta força, porque todos nós nos tornamos
de um único tipo; todos nós queremos pensar na mesma linha, todos
nós queremos nos aproximar da mesma pessoa, todos nós tememos
que, se não pertencermos a esse movimento ou àquele, não
avançaremos. O que é avanço? É a sua própria felicidade - o progresso
é apenas uma palavra. Eu prefiro ser feliz a ganhar toda a satisfação
que o mundo pode dar. O que importa a que religião você pertence, que
glórias você carrega, contanto que você se sinta realmente feliz e possa
manter seu objetivo absolutamente claro e não desmamado? Imagine,
por um momento, o Senhor Buda e Seus discípulos. Eles foram as
grandes exceções de sua idade. Todos eles tinham um Mestre, um
objetivo, um ideal, e esse era Ele. E, no entanto, eles tinham, cada um
deles, a centelha do gênio; eles não eram medíocres, porque seguiam
Aquele que era a exceção, a flor da humanidade, e tais exemplos todos
nós devemos nos tornar.

INTERESSE E ENTUSIASMO
Eu gostaria de mostrar a importância de se interessar pela vida, porque
sem interesse você não pode fazer nada. Você deve estar intensamente
interessado. Estou interessado em todas as coisas porque toda a vida
ao meu redor me dá compreensão. Não há mais nada para mim na vida
a não ser encontrar a Verdade, encontrar a Felicidade, encontrar paz e
tranquilidade.

Para estar realmente interessado, você deve ter a mente e as emoções


vivas o dia inteiro, ativas e não dormentes. Eu poderia lhe dar um
pouco do interesse que sinto, para que você possa despertar esse
interesse em si mesmo. Pois se você não tem esse interesse, esse desejo
de encontrar, aquele anseio de alcançar, essa inclinação de deixar de
lado tudo para alcançar o máximo, você não será capaz de aprender a
se sacrificar. Esse interesse só vem se você for verdadeiramente
civilizado. Para o selvagem que está entrando no primeiro estágio da
vida, para quem tudo é novo, que está acumulando karma, que está
aprendendo a sofrer, que está começando a criar, para aquele selvagem
há apenas um interesse estreito na vida. Ele quer adquirir,
experimentar, provar tudo que é físico; enquanto que a pessoa
civilizada e culta, através da evolução de muitas vidas e através do seu
karma passado, acumulou conhecimento, experiência, intuição e poder
de discriminação. Ele está o tempo todo descartando as coisas que não
são importantes e para ele esta é a única maneira de despertar o
interesse pelo desejo de encontrar a Verdade.

Agora, para você e para mim, esse interesse de encontrar a verdade


deve ser em sua essência tão emocionante e vital quanto é para o
bárbaro que está apenas começando a provar os prazeres e as
sensações da vida. Mas vocês se colocaram em um caminho diferente,
possuindo novos desejos, porque vocês já passaram pelo estágio do
selvagem a quem os acontecimentos cotidianos físicos da vida estão
todos absorvendo. Ele ainda está criando karma para si mesmo,
enquanto você deveria estar se libertando dele. Você deve estar
fortalecendo sua vontade e guiando seus desejos para que possa
aprender a seguir a Voz do Tirano. A única maneira de ouvir e seguir
essa Voz, seu guia de todos os tempos, é através do entusiasmo. Se você
tem esse entusiasmo, descobrirá que sua intuição, aquela voz que
estamos ansiosos para ouvir, se tornará seu Mestre, a única autoridade
em suas vidas.

Para despertar o interesse, você deve observar, você deve aprender a


pensar, você deve aprender a usar sua imaginação, você deve aprender
a sofrer sem realmente passar por todos os processos do sofrimento
comum. Vou lhe dar um exemplo. Outro dia, em minha imaginação, saí
para passear com meu irmão. Seguimos por um caminho estreito e, o
tempo todo, percebi que minha própria sombra era mais escura que a
dele. Eu ponderei por algum tempo sobre isso. Percebi que minha
consciência estava mais centrada em mim do que em meu irmão. Era
como olhar através de dois copos; um mais escuro que o outro, e o mais
escuro era eu mesmo. Mas eu queria que as duas sombras refletissem
da mesma forma; e depois de algum tempo a diferença desapareceu, de
modo que pude me identificar, identificar minha personalidade, com
meu irmão. E então eu me deitei em um jardim - na imaginação - e
estava olhando para uma folha de grama. Você sabe como a grama,
quando cresce pela primeira vez, fica absolutamente esticada em uma
bainha, e pouco depois ela se divide em duas ou três lâminas. Eu me
sentia como aquela grama que ainda não havia se dividido em lâminas
separadas. Então, eu podia sentir a grama empurrando por debaixo da
terra, a seiva subindo por ela, e as lâminas se separando, e eu era eu
mesmo cada lâmina. Quando voltei, disse a mim mesmo: não quero
mais nada em minha vida do que ter a capacidade de perder o sentido
do eu separado. Porque então eu posso esquecer o "eu" e me identificar
com o resto do mundo - com todos os reinos, vegetais, animais e
humanos! Eu estou mais perto da verdade, mais perto dessa
perfeição. É o eu separado, é esse estreitamento do eu, essa divisão que
o eu cria que se interpõe no caminho.
Para ter imaginação e interesse, como eu disse, você deve manter sua
mente alerta, você deve observar um ao outro, aprender um com o
outro; tens de tatear até que o teu interesse seja despertado, até que o
teu entusiasmo seja claro e definido e não fraco e vago, até que a chama
do génio arde dentro de ti. Para mim, o gênio é a pessoa que vê seu
objetivo, cujo entusiasmo está sempre vivo, que caminha
constantemente em direção a esse objetivo, que luta o tempo todo para
manter a Visão desanuviada; que nunca é submerso pelas coisas
insignificantes da vida, por problemas familiares e mundanos, mas que
está o tempo todo empurrando-os para o lado e tentando manter essa
Visão sempre clara e pura diante de si. Enquanto o homem comum, o
burguês, é sufocado pelo mundo; ele não tem a Visão, mas sucumbe ao
seu ambiente, e assim perde o poder sobre a vida.

Ao esforçar-se para alcançar o objetivo, você deve esquecer as


turbulências do mundo; você deve adquirir esse interesse que o leva
sempre para frente, dando-lhe vitalidade mental e moral. Se você vai
criar, se você vai ajudar o mundo - não apenas alguns, mas o mundo
inteiro - você deve ter essa Visão, se preencher com essa Visão; e
quando você se encheu disto, quando você é parte disto, quando é seu,
quando você conhece a Verdade por si mesmo, então você pode trazer
outros para isto. Isso é o que você tem que fazer e esse é o desejo que
deve ser despertado dentro de você; não que você possa se tornar
deuses em seus próprios círculos, mas que você possa dar aos outros
essa Visão, que é a única questão na vida.

O Professor é para todos, Ele é o amante do mundo, e Ele nunca ficará


satisfeito em dar Seu conhecimento e amor a alguns. Ele vem para
todos. Ele anseia por despertar a beleza e a felicidade da vida em todos,
e quanto mais há de nós que entendemos essa atitude, quem tem algo a
dar, quem lutou, quem acendeu a vela do gênio em nós mesmos,
melhor seremos nós capazes de entender, seguir e servir.

Eu estava falando sobre o Buda e Seus discípulos e, como eu disse,


esses discípulos não poderiam ser pessoas comuns; eram exceções,
como os tremendos pinheiros na floresta, dando amor verdadeiro
àqueles que queriam abrigo em grandes alturas. Porque eles entendiam
o grande Mestre, porque eles respiravam o mesmo ar perfumado e
viviam em Seu mundo, eles eram capazes de dar ao mundo parte
daquela beleza eterna. É isso que temos de ser: pinheiros no topo das
montanhas, não os arbustos comuns das planícies, porque existem
milhares deles; mas ainda assim devemos ser também arbustos. Pois
você só pode ser um grande pinheiro se souber o que é ser uma
pequena trepadeira ou uma erva daninha no jardim.
É isso que quero dizer quando digo que devemos nos interessar pela
vida. Nós devemos viver cada momento do dia. Eu estava lendo a Bíblia
ontem e cheguei a uma frase: "Meu filho, se vieres servir a Deus,
prepara tua alma para a tentação." Sua alma, seu corpo, tudo, deve
estar vivo para a tentação do tipo certo, para que você tenha prazer em
servir e dar. É por isso que você deve ser culto. Eu não posso imaginar
um gigante real sendo inculto, rude. Eu não falo de um gigante no
corpo, mas de um gigante nas emoções e na mente.

Você só pode ouvir essa Voz, seus tons claros, sua autoridade
dominante, se você tem essa cultura, esse interesse, esse
entusiasmo. Essa é a razão pela qual eu sempre gosto de insistir -
embora devamos prestar atenção aos aspectos físicos da vida, à beleza,
à limpeza e ao bem-estar - que é muito mais importante do que todos
eles terem cultura emocional e mental. . Você pode vestir seu corpo da
maneira mais bonita que quiser, mas enquanto sua mente e suas
emoções não forem civilizadas, você não será capaz de ouvir essa
Voz. Não quero dizer que você não deva se vestir de maneira perfeita,
arrumada e muito bonita, mas o que é mais importante é obter esse
refinamento e senso de cultura perfeitos, tanto mentais quanto
emocionais. Não há nada no mundo mais gratificante, mais
satisfatório, mais prazeroso do que esse sentimento de nobreza; e eu
gostaria de poder lhe dar o interesse de adquirir essa nobreza, essa
demanda intencional de sua alma. Onde quer que você esteja, seja nas
escolas, nas tribunas, ou na vida cotidiana, se você tem essa atitude
mental, se você tem um ouvido que está se esforçando para ouvir a Voz,
não importa muito o que você é, a que classe, o que tipo, que
temperamento você possui, ou que religião você adora. Afinal, essas
distinções e divisões são apenas marcas do mundo que passa. Não
preciso de ninguém para me dizer o que sou, desde que saiba que sou
livre, feliz e franco. Eu não preciso da autoridade dos outros. São
aqueles de vocês que ainda estão incertos, ainda se esforçando para as
pequenas coisas da vida que precisam da autoridade e bênçãos dos
outros; estabelecendo assim uma nova ortodoxia. Contanto que você
ande com uma visão clara, desde que ouça aquela Voz que é universal e
obedeça àquela Voz, não importa o que alguém no mundo possa
dizer; pois você está certo quando está obedecendo ao Mais Alto. Mais
e mais quero despertar em você esse desejo de ver por si mesmo
aquelas coisas que estão escondidas de seus olhos; de modo que uma
vez que você tenha visto, uma vez que tenha sentido, você pode sair e
arrancar os véus dos olhos dos outros. Não é bom simplesmente dar-
lhes pequenas satisfações, pequenos pensamentos e pequenas
doutrinas. Cada um de vocês tem que se tornar um mensageiro, um
exemplo similar. É muito mais importante que você perceba que deve
ter esse anseio de ver por si mesmo, de ouvir por si mesmo e não se
contentar com o que os outros declaram. Primeiro você deve ter o
nobre desejo, então você irá satisfazê-lo e você expandirá e ampliará
suas almas. Cada um de nós é o centro de seu próprio círculo,
pensando o tempo todo em si mesmo; mas, pensando em si mesmo de
forma criativa. Devemos esquecer, tanto quanto pudermos, nosso
pequeno eu e sentir que somos todos um. Embora eu possa ter um
corpo marrom e cabelo preto, eu devo fazer parte de você e você deve
ser parte de mim. Pois essa é a única maneira de viver - nos perdermos
no mundo dos outros e ainda assim manter nossa própria Visão.

PERSONALIDADE
Ao tentar realizar a Verdade, a Felicidade suprema, devemos ter em
mente que o motivo não deve ser satisfação pessoal, nem prazer
pessoal, mas o desejo de servir e ajudar. Você não deve ter a ideia de
que servir e ajudar é o bem dos pequenos, os de mente estreita, os
burgueses; que ao servir você deve se tornar uma máquina, que você
deveria obedecer à outra pessoa. Ao realizar a perfeição da Verdade,
você está obtendo verdadeira Felicidade, e você serve porque não pode
evitar servir.

Eu tive a Visão por mim mesmo, e agora ninguém pode quebrá-la ou


tirá-la de mim, porque é parte da minha alma, parte do meu corpo,
parte do meu próprio ser. Tornou-se inalterável; e quanto mais eu
mudo, mais permanente se torna. Você só pode ver isso, você só pode
absorver a Verdade e se tornar parte da Verdade, se você aprender a se
tornar impessoal - no sentido de que você perde seu próprio eu, seu
próprio ponto de vista pessoal, que é pequeno - e se identifica com a
verdade eterna. Personalidade, é claro, cada um de nós deve ter; você
não deve se livrar da personalidade, mas você não precisa ser
pessoal. Quanto mais você evoluir, o mais próximo da Verdade você
chegar, maior será sua personalidade e mais florescerá sua alma; a
medida que você é da Verdade, mais pessoal você será. Enquanto você
está alcançando esta verdade, você desenvolverá sua própria
personalidade, expressará suas próprias tendências.

Para ganhar a atitude impessoal, a primeira coisa elementar com a qual


você tem que lutar é a autossatisfação. Você deve se revoltar contra
estar satisfeito consigo mesmo. Se você tiver sucesso no mundo, ou
alcançar uma distinção espiritual, existe ao mesmo tempo uma
tendência para ficar satisfeito com o que você fez e para se gloriar
nele. Se você continuar se submetendo a essa satisfação, você não
avançará nem seguirá em direção ao seu objetivo. Você não pode se
aproximar da Verdade até ter aprendido a estar acima das tristezas e
prazeres. Você sofre, se você é pessoal, se você é satisfeito consigo
mesmo, se você está contente com seu pequeno eu. Mas enquanto você
mantiver essa Visão constantemente à sua frente, contanto que você
esteja o tempo todo arrancando o véu que você cria em torno dela, você
nunca poderá ser auto satisfeito. Você sabe como as pessoas, quando
têm sucesso em pequenas coisas, carregam em seus rostos uma
aparência de contentamento, como se tivessem feito algum trabalho
tremendo; e gradualmente essa satisfação física se espalha para a alma,
e assim eles estagnam. Se você quiser chegar a este objetivo, se você
quiser ter a Verdade com você, você não deve parar para adorar em
pequenos santuários e pequenas verdades. Você não precisa ir e adorar
em pequenos altares toda a sua vida quando o grande templo de
adoração estiver lá. Você está parando, está desperdiçando seu tempo
nesses santuários, em vez de ser levado a adorar incessantemente no
Altar da Verdade, para acompanhar as exigências da evolução. E se
você acredita no Professor da Humanidade, você também está além de
todos os Altares, dogmas e doutrinas, e vê a Verdade através de todas
as telas que escondem a Visão.

O TEMPLO DO CORAÇÃO
Temos falado sobre a ideia da verdade e como alcançar essa verdade e
essa felicidade. Quero impressionar-te que essa verdade, embora
abstrata, é para mim a personificação do meu professor particular, a
personificação do meu amante.

Se você entrasse em um templo e visse as paredes e os pilares nus e


nada além da mera concha externa, pareceria frio e sem vida; pois
mesmo havendo certo senso de beleza e beleza estética, em um Templo
você também precisa da imagem de sua criação. Cada um de nós tem
um templo, mas devemos criar a Imagem, o Ídolo, a Beleza em torno
da qual podemos desenvolver nosso amor e devoção; porque, se
mantivermos o Templo vazio, como a maioria de nós, não podemos
criar.

É pela adoração, pelo amor, pela devoção, que criamos, que fazemos o
templo viver. E esse templo para mim é o coração. Se você coloca
Aquele que é a Incorporação de Amor e Verdade em seu coração, se
você O cria com suas próprias mãos, sua própria mente, suas próprias
emoções, esse coração, ao invés de ser frio e abstrato e distante, se
torna real e vivo e radiante. Essa é a verdade. E nós devemos perceber
que este templo, sem a vitalidade, sem a vida, sem a influência
energizante que esta imagem dá, torna-se difícil, torna-se frio e sem
alegria. Considerando que, se você tem ele lá, você se torna parte dele,
você se torna ele mesmo. Você é o templo exterior, e queima dentro de
você é o Eterno, este Santo dos Santos no qual você pode ir e adorar à
sua vontade, longe do mundo, longe de todas as turbulências e todos os
problemas.

Mas você tem que embelezar o templo primeiro. Você tem que fazer
esse templo, que é o corpo físico, perfeito, forte e muito bonito. Cada
gesto, cada movimento, cada ação, seja em tempo de bem-estar ou em
tempo de tristeza, a cada hora, a cada momento do dia, deve ser
refinada e bela e deve representar o templo no qual a Eternidade
habita. Portanto, você deve ter este corpo absolutamente limpo, bonito,
radiante, para que Aquele que está em seus corações possa se mostrar
através de suas expressões físicas.

Eu não acho que você perceba suficientemente que com a cultura da


mente e da emoção ocorre o refinamento do corpo. Sem cultura e
refinamento, o corpo se torna cru, feio e não representa, na expressão
exterior, Aquele que você tem dentro de si. A primeira coisa que você
deve ter em mente é que, para possuí-lo em seus corações, você deve
ter um tabernáculo adequado, uma morada adequada. E então, com
essa beleza física, com essa nobreza emocional e mental, você alcançará
uma alegria séria.

A maioria de nós, se nos tornarmos sérios, perde a sensação de


alegria. A seriedade que é sem alegria, sem deleite, é artificial na
maioria dos casos e, portanto, deve ser evitada. Se você cultiva
seriedade com alegria, que surge porque você o tem em seu coração,
como uma parte de si mesmo, então essa seriedade se encanta, em vez
de se transformar em morbidez e expressões desajeitadas. Quando você
vê, você deve vê-lo por alegria e não por seriedade. Você só pode se
aproximar dEle quando estiver realmente feliz, quando estiver
realmente iluminado, quando estiver realmente encantado; não através
da seriedade da religiosidade e de uma ideia sombria de
espiritualidade. Quando você está realmente vivo com alegria, com
felicidade, Ele habita no Templo do seu coração.

Ontem saí para passear sozinho, queria recuperar minha alegria


original, que por um momento perdi. Eu me esforcei para chegar a uma
certa altura emocional e mentalmente, e não consegui chegar lá; Eu
não conseguia atingir aquela altitude, essa altura emocional e mental,
apenas lutando.

Eu ansiava por alcançar meu Guru, meu amante, meu gênio, minha
fonte de felicidade; e, como antes na índia, eu o vi, não quando estava
lutando ou tentando chegar perto dEle, mas quando era natural e havia
dentro de mim uma fonte borbulhante de felicidade. Eu o vi encher o
céu, as folhas de grama, eu o vi em toda a extensão da árvore, eu o vi no
seixo, eu o vi em toda parte, eu o vi em mim mesmo. E então meu
templo estava cheio, meu Santo dos Santos estava completo. Eu era Ele
e Ele era eu mesmo, e essa era a Verdade para mim.

A Verdade como uma coisa abstrata não tem valor até lhe dar aquela
intensa alegria e devoção pessoal e o desejo de criar, não apenas dentro
de si mesmo, mas criar ao seu redor. Assim como os pássaros cantam
espontaneamente, por sua própria vontade, de sua própria sinceridade,
assim também a Verdade deve vir e encher seu templo por sua própria
vontade; mas você deve fornecer o material, você deve fornecer as
circunstâncias, você deve fornecer o mármore de que para esculpir a
imagem. E esse mármore deve ser alegria, felicidade intensa e alegria
séria. Seja sério - não com rostos longos, nem grotescamente, mas sério
com alegria; tenha aquela seriedade que lhe dá excitação - excitação
para brincar, excitação para ser nobre, excitação para ser feliz. E você
deve criar essa imagem em seus corações. Você deve fazer da sua casa o
seu templo.

Todos os dias tenho uma visão diferente da minha verdade. Quando


você está no topo de uma montanha, estende-se antes de um alcance
mais alto, invisível das planícies. Ao subir essa faixa, você acha que
finalmente alcançará a cúpula, de onde verá todas as coisas; mas isto
não é assim, pois quando você o escalou, ainda há outro alcance mais
elevado que esconde a visão completa. Assim é com a verdade. Deve
haver constante mudança, constante alteração de sua visão. Quando
você tem esse desejo, essa capacidade de se encher com o Seu gênio,
com a Sua força, com a Sua nobreza, então você mesmo se torna nobre
e aprende a refletir Sua originalidade divina. Nele estão todas as fontes
da originalidade, todas as fontes de beleza, todas as fontes da criação; e
tentativas de ser originais, belas, criativas, são de pouca utilidade se
não temos o entendimento e a capacidade de tocar a fonte das
coisas. Enquanto você tem campos verdes, céus perfeitos e quietude,
você deve colocar esta imagem esculpida em seus corações, que você
criou de suas próprias mentes, com suas próprias mãos.

Desejo forçar a abertura das portas do templo em cada um de vocês e


deixar entrar a luz do sol que irá ajudá-lo a destruir o que é feio, criar
de novo e reconstruir; pois essa é a única maneira pela qual você
alcançará essa Verdade, a única maneira de manter essa Eternidade em
seu templo. E quando Ele vier a cada um de vocês, como Ele
frequentemente vem, Ele só permanecerá com você se você tiver a
capacidade de santificá-Lo no templo do seu coração, se você tiver a
sabedoria de viver com Ele, e não perder o fruto de muitas tristezas e
êxtases.

Quão alegre e feliz você será se tiver o desejo de adorar naquele


santuário, naquele altar, e esquecer todo o resto!

Ontem, por um momento, pensei que o havia perdido e não conseguia


respirar, não conseguia me mexer; todas as portas e janelas do meu
templo estavam fechadas e eu estava na escuridão. Eu tive que lutar
para abri-los e procurá-lo. Quando o encontrei e senti a realidade de
sua presença, então tudo voltou a ser paz, luz e alegria. Depois da
nuvem e da chuva e da tempestade, surge um raio de sol, toda a
Natureza irrompe para encontrar esse raio. Foi assim que eu me senti
ontem.

Uma vez que você percebe essa beleza, essa nobreza, essa felicidade
eterna que vem quando você sente essa verdade em seu coração, o
mundo inteiro se torna para você o Santo dos Santos. Você vive e
respira e olha de lá, e cada pequena coisa, cada pequena ação, cada
pequeno pensamento, cai em seu devido lugar; e você obtém o
verdadeiro refinamento, a verdadeira restrição, a verdadeira
iluminação. Essa é a única maneira de você adquirir a centelha de
gênio, essa é a única maneira de ser feliz. Se você tem essa alegria séria,
a sensação de bem-estar espiritual, moral e intelectual, então você verá
a glória; e cada um de vocês terá essa luz, essa pureza, aquela sensação
de nobreza e grandeza que nada no mundo pode perturbar. Tudo
respira sua glória, e tudo o que é ignóbil desaparece e morre. Você não
pode conceber sua perda se não for à fonte das coisas. Somente na
fonte você conhecerá o começo e o fim. E, o que é muito mais
importante - você estará lá com Ele, você será uma parte Dele; e assim
você mesmo se tornará a fonte para milhares de outros.

Então eu quero que você mantenha diante de si esta ideia de um


templo e da imagem dentro. Onde quer que você esteja, esteja você em
uma sala ou em uma rua, quer esteja brincando ou trabalhando - você
ficará sereno e terá aquela solene postura, pois Ele está sempre com
você. O que importa para o Deus interior se houver conflito ou luta fora
do templo? Enquanto você estiver tranquilo, enquanto estiver
adorando e encorajando os outros a adorar, contanto que você esteja
fazendo os outros felizes, o que mais importa? Todas as formas de
adoração exterior, todos intérpretes de Deus, deixam de afetá-
lo. Contanto que você tenha essa glória, você será feliz; quando você
bebeu naquela fonte você será um gênio, você criará, você fará outros
felizes. E por isso nós existimos.
O RIO E O OCEANO
Em um dia em que há milhas e mais milhas de céu azul e há inúmeras
sombras, a única coisa sobre a qual falar é o Reino da Felicidade; e
como, enquanto temos as atrações físicas e a beleza física ao nosso
redor, podemos também ter a Felicidade espiritual, aquele Reino da
Felicidade, dentro de nós. A única maneira possível de possuir esse
reino é esquecer-se e identificar suas almas com o Eterno. Todos nós
temos essa crença intensa - para alguns é mais do que crença - que um
tempo deve vir, como eu penso que virá, quando aquela Voz para a qual
estamos ouvindo, aquela Voz cujo comando nós obedecemos, nos
incitará a desistir de tudo e segui-la. Isso vai acontecer com cada um de
nós; essa ordem, esse comando, chegará a cada um de formas variadas,
sob diferentes aspectos, sob diferentes condições, mas está fadado a
vir. E quando chegar, em que atitude mental, em qual condição
emocional deveremos responder? Como deveremos desistir e seguir? O
que isso significará para nós?

Eu pensei em mim mesmo o que isso envolverá. Para mim, parece que
desistir do físico - os confortos físicos comuns, o bem-estar físico, a
riqueza, as relações familiares - será relativamente fácil; o que será
muito mais difícil e muito mais sério e muito mais digno de desistir,
muito mais sagrado e santo, será abandonar meu eu separado e me
identificar com Ele. Identificar-se com Ele significa que você deve
deixar de lado suas próprias predileções, seus próprios preconceitos,
suas próprias inclinações particulares e todas essas coisas. Isso é muito
mais difícil e, no entanto, é isso que você terá que fazer. Você terá que
esquecer o que você é e se tornar como ele.

Você já notou como uma pequena colina pode esconder toda uma gama
de montanhas nevadas, de modo que você ache que essa pequena
colina é toda a visão e não enxerga a tremenda vista que se estende
para longe - milha após milha atrás dela? É exatamente o mesmo com a
gente. Nós pensamos que desistindo de pequenas coisas nós
conseguimos. Pequenas coisas não importam; não precisamos desistir
das pequenas coisas; é como estar de pé na frente da pequena colina -
precisamos ir além daquela pequena colina para ver os picos
gigantescos. Não adianta apegar-se à sua própria linha particular, à sua
própria atitude particular, à sua própria forma particular de devoção
ou adoração. As estrelas cintilam, brilhantes e belas, antes que a lua
saia, e então todas elas cedem, e vão para o fundo, diante da única
rainha, a única régua do céu. Então todos vocês devem estar diante
daquele que é nosso governante. Isso não significa que você deve jogar
fora sua individualidade, mas que você deve se tornar como Ele; e você
só pode fazer isso se for capaz de ver tudo na vida do ponto de vista
dele.

Para um artista que olha para uma nuvem, para o céu ou para uma
árvore, isso tem um significado diferente; ele olha para eles do ponto
de vista de como os pintará, de como pode reproduzi-los como um
símbolo para o mundo - não necessariamente copiando-os, mas
compartilhando com os outros o que ele percebeu neles. Isso é
exatamente o que você tem que fazer. Você tem que destruir todas as
coisas que o prendem e subir a essa altitude onde você se torna parte
Dele; e de lá você deve olhar para si mesmo e para o mundo. Não é bom
estar sempre cercado de prazeres particulares. Você deve subir a essa
altura e daí dirigir suas mentes, emoções e corpos físicos, e essa é a
única maneira pela qual você será capaz de segui-Lo.

Quantos de vocês, eu me pergunto, realmente entenderão, realmente


seguirão, quando o momento realmente chegar, o momento em que
vocês ouvirem aquela Voz que vocês reconhecem como a autoridade
absoluta, cujo comando é final? Eu me pergunto quantos de vocês,
mesmo que vocês possam obedecer, se misturarão com Ele como uma
gota de água que desaparece no mar, um rio que flui para o vasto
oceano? Vocês são todos muito estreitamente individualistas; você tem
seu próprio Deus particular, seu próprio deleite particular, seu próprio
modo particular de expressão, modo de pensar, modo de
expressão. Seguir não significa que você deva aceitar cegamente; mas
seguir significa que você deve manter seus olhos abertos e seus
corações claros, livres de todos os preconceitos, todas as ideias
preconcebidas, e assim ser capaz de se perder no Eterno. Essa é a única
maneira em que você deve seguir, a única maneira em que você pode
possivelmente criar. Se você vive naquela Eternidade, nessa altura
estupenda, você se torna um gênio, você se torna aquilo que cada um
de vocês realmente anseia ser, e então você será feliz. É ao esquecer o
eu separado, ao destruir esse eu, ao misturar-se com o Universo, que
você pode encontrar a Felicidade; e quando você faz distinções falando
sobre grupos particulares, temperamentos particulares, tipos
particulares, você está se afastando da realidade, não percebendo que
essas são apenas marcas de distinção, meras indicações de seu
ambiente especial. Eles não resolvem o problema; a única solução está
no esquecimento do eu separado, em se tornar parte do Eterno.

Siga o Eterno, que é perpétuo, imutável, não o fugaz e o


momentâneo. Você obterá uma perspectiva verdadeira do seu
propósito, se perceber que precisa dar oportunidades adequadas no
físico para a educação da alma. Sempre falamos em educar o físico,
mas esquecemos a educação do suprafísico. O ego deseja evoluir e
atingir a perfeição; e aqui no físico, se você tiver em vista o anseio da
alma, você, a mente inferior, perceberá quando e como você deve ceder
aos anseios do Eu maior.

Você deve desenvolver o hábito de viver no Reino da Felicidade, porque


eu não acho que você perceba o quão expansivo é, como este Reino se
estende milhas após quilometragem se você entrar em suas
fronteiras. Eu não acho que você entenda que Felicidade, verdadeira
Felicidade, está acima de todas as coisas no mundo, físicas ou
espirituais. É o único estado que vale a pena entrar, o único reino que
vale a pena conquistar e possuir. E eu levaria todos vocês para esse
Reino e deixaria que vocês vissem a beleza disso por si mesmos, porque
uma vez que você o tenha visto, você não o abandonará, você não
desejará mais as coisas transitórias e mutáveis. Tenho certeza de que,
cada vez mais, à medida que o tempo passa, será confirmado que essa é
a única verdade que vale a pena ter, a única verdade que vale a pena
dar.

Você também deve ter cultura, a cultura que vem da leitura, a cultura
das realizações ordinárias no físico, a cultura da consideração, da
felicidade, daquela alegria intensa e séria. Se você pode ter a cultura de
todas essas coisas, absorva-a, faça-a parte de sua natureza; você então
se tornará Seus verdadeiros seguidores. Sem cultura, sem refinamento,
você não pode se tornar parte do mais refinado e do mais culto, que é
Ele; nem você pode ficar com Ele e cooperar de maneira inteligente e
entusiasta com ele. Um homem que é um artista, que está criando, que
está sofrendo, que tropeça, estará mais próximo a Ele do que aquele
que está meramente satisfeito e adora em seu próprio altar particular.

Você deve ser assim, como um artista, e cooperar com Ele e dar ao
mundo o que cada um de vocês realmente entende. E quando você está
nesse estado, você não tem ideia de como a sensação de solidão, a
sensação de depressão, todas aquelas coisas que nos atrapalham, que
matam nosso espírito, que enfraquecem nosso senso de bem-estar,
desaparecem. Quando você faz parte daquele Reino que importa na
vida, quando você está com aquela Vida que dura através de eras e
íons, você esquece se está sozinho, se está deprimido, se é grande ou
bem-sucedido. O que a maioria de vocês teme é solidão, falta de amor e
amizade pessoal um pelo outro. Essas coisas, embora sejam agradáveis
no momento, embora tenham seu valor, você não sente falta, porque
você tem companheirismo com o Eterno. Toda árvore, todo pássaro,
toda folha de grama, toda sombra, te dá algo que vale mais do que as
satisfações físicas passageiras, pois é parte do Eterno. É por isso que
você deve ter sua vida centrada lá, e assim ganhar sua visão do Eterno.
O VALOR DA EXPERIÊNCIA
Eu quero falar sobre aquela Voz, aquele Tirano, que você deve treinar,
e cuja autoridade é o único comando que você deve obedecer. À medida
que você começa a evoluir, naturalmente encontrará problemas, lutará
contra dificuldades, que devem ser resolvidas por você mesmo. Você
tem que se tornar como uma árvore que resiste a inúmeras
tempestades e conhece sua própria força, seu próprio deleite na
proteção que dá e que nada no mundo, nem vento, terreno ou celestial,
pode arrancar; é tão firme quanto uma rocha. Como você vê uma rocha
permanecendo impassível, embora as ondas do oceano colidam com
ela, você vê esta árvore firme, abrigando milhares de pássaros, porque
ela está bem enraizada, cresceu profundamente. Isso é o que você tem
que ser.

A única autoridade que você reconhece, o único comando que você


permite, deve ser a Voz dessa Intuição que é inalterável, que nada no
mundo pode abalar. Deste modo, você gradualmente desenvolve aquela
sensação de beleza que é de sua própria criação, que aumenta com o
passar do tempo e lhe dá alegria; essa é a única autoridade que
qualquer pessoa civilizada, culta e espiritual pode reconhecer; não a
autoridade de outro, nem o rótulo espiritual de outro, pois você só pode
reconhecer aquilo que você sente de dentro.

Temos discutido como desenvolver essa Voz, aquele Tirano inabalável,


e examinamos uma ou duas ideias. Eu quero colocar diante de você
outra ideia. Se você deseja reconhecer tal Voz, você deve ter revolução,
você deve ter anarquia dentro de você, você deve ter
descontentamento; você deve estar em um redemoinho, mental e
emocional, e o centro do redemoinho deve se tornar mais forte e mais
forte, e que as pequenas coisas da vida são jogadas fora, e somente a
força do propósito permanece. Fora do caos dentro de você, você deve
dar à luz a estrela dançante! Esse descontentamento que dá origem ao
verdadeiro contentamento deve ser encorajado, e não posto de lado e
subjugado e morto. Quanto mais você questionar e exigir, maior será a
força de seu redemoinho, quanto maior a quebra, maior a força do
desejo de descobrir a Verdade. Você tem que criar um redemoinho em
sua mente e em suas emoções; não um redemoinho de mero
sentimentalismo e excitação, mas um redemoinho que põe de lado e
destrói o desimportante - um redemoinho que gira em torno de um
único propósito; e gira e gira com maior velocidade e reúne maior
energia, e dessa energia nascerá o verdadeiro gênio, a estrela dançante
de sua criação.
Como você vai ganhar esse descontentamento divino? Você não pode
adquirir esse descontentamento simplesmente ouvindo os outros; eles
podem apenas fornecer o andaime, que ajuda você a subir e a construir,
mas você deve carregar seus próprios tijolos e sua própria argamassa,
você mesmo deve ser o construtor. Para isso, você deve passar por suas
próprias experiências, e é por isso que a simples inocência não é
espiritual. O homem que conhece grandes tristezas, grandes êxtases,
grande devoção, grandes explosões de adoração ou de raiva, pode se
tornar uma pessoa verdadeiramente espiritual, porque está o tempo
todo buscando, a todo momento perguntando.

Para se tornar espiritual, viver feliz e servir, você deve ter uma "alma
preparada para a tentação".

A experiência é essencial. As pessoas que são inocentes em termos de


crianças tendem a ser mesquinhas, estreitas e ciumentas, e é contra
coisas triviais que devemos lutar. Estes não tendem a dar grandes e
verdadeiras experiências. Você não quer a inocência de uma criança
que não teve experiência, que não sabe o que é sofrer, o que é estar em
um turbilhão de emoções, o que é sofrer mentalmente; já a criança
tagarela, fala muito e é cheia de mi, mi, mi. Você deve ser como o
homem que sofreu, que sabe, que construiu. Tal homem você deve
ser. Você deve ter sua própria emoção de vida, e não a emoção do
outro. Também não significa que você deve se precipitar em
experiências absurdas, expressões absurdas de seus
sentimentos. Prazeres, dores, tristezas e alegrias comuns devem ser
suas experiências; fora destes você deve construir. Eles são seus
canais seus rios nos quais você deve navegar para o vasto oceano onde
você perde sua própria experiência, sua própria identidade e se torna
uma gota naquele oceano. Mas você deve ter um barco em que possa
ir; você deve ser capaz de navegar, você deve ser capaz de remar, você
deve ter todo o acúmulo de experiências atrás de você; você deve estar
entusiasmado com a ideia de novas experiências do tipo certo; você
deve ter esse descontentamento divino, esse caos, que dará origem à
estrela dançante.

A maioria das pessoas se satisfaz e se contenta com suas pequenas


vidas - e, assim, cria para si o estreito mundo da mediocridade. E para
ser diferente, você deve se encontrar, dar à luz a seu verdadeiro eu,
seguir seu próprio caminho, manter em vista seu próprio objetivo - o
objetivo que é a Felicidade, que é a Verdade. Como um pescador, que
vai de lagoa a lagoa, de rio a rio, de oceano a oceano, pescar, acumular
experiência, não estando satisfeito com um peixinho, ou com um
enorme peixe, você deve desejar reunir e manter os vários tipos cores e
expressões da divindade em todos os oceanos da vida. Vocês devem
ouvir por si mesmos aquele chamado, aquela Voz que só vem através
da experiência, através do pensamento, através do sentimento. Você
não quer fotos, você não quer cerimônias, você não quer nada na vida
se tiver essa coisa, esse anseio aventureiro e divino. No pássaro que voa
no céu azul, o brilho de luz em sua asa, na árvore solitária, nos prados
tranquilos e no pequeno riacho que vagueia, na flor, habita a
divindade; eles são a verdade da vida, são as expressões reais da
espiritualidade. Porque quando você reconhece a Verdade naquelas
pequenas coisas da vida cotidiana e se perde em sua beleza, você terá
adquirido aquela Verdade eterna, então você viverá naquele Reino da
Felicidade. Quando você tiver adquirido isso, você será capaz de dar
aos outros. A pessoa que não tem e que ainda está tentando convencer
os outros, é o hipócrita; mas a pessoa que o possui, em um grau
pequeno, falará com certeza, com conhecimento, com autoridade. Você
falará com autoridade porque sabe o que significa sentir com o
Universo e com a humanidade, com todos os que sofrem, com todos os
que são felizes; você criará e fará com que os outros criem suas
próprias ideias, suas próprias concepções de vida. Isso dará um tom
diferente à sua existência, uma alegria diferente, uma emoção
diferente; então todas as formas externas e expressões não terão valor,
porque estão na fonte Eterna de todas as coisas. E você só pode chegar
lá se tiver esse caos, esse descontentamento, esse desejo perpétuo. Uma
visão do Eterno não satisfaz; uma visão abre outra, e assim continua
em vida após vida. A evolução não começa subitamente num
determinado momento, nem para num dado momento, nem depois de
uma vida; é uma estrada sem fim, e a pessoa que gosta de caminhar
não para de adorar em pequenos santuários, pequenos
convencionalismos, formas exteriores e altares de suposta grandeza - a
evolução de outro modo torna-se um longo sofrimento. Se ele vê à
distância o templo de sua própria criação, a imagem de sua própria
criação, que ele criou através do sofrimento, através da felicidade,
através da beleza da vida, então ele está andando perpetuamente no
Reino da Felicidade.

Você deve ser uma coisa ou outra; ou você deve ser um gênio, um
criador, um destruidor ou uma alga marinha comum no meio da
corrente que é fustigada de um lado para o outro. Você deve ser a
corrente principal da vida, a força principal da vida, porque você vive
Nele e tem o seu ser Nele. A beleza que é a Verdade, a qual, por sua vez,
é Aquele por quem todos anseiam, Aquele a quem você adora, Aquele
cuja imagem você cria em seus corações, torna-se uma parte de você,
porque você se esforçou por Ele e O encontrou . Tal concepção dá a
inspiração para existir, a inspiração para respirar, pensar e sentir. Mas
se você estiver conformado e satisfeito, perde a grande emoção
aventureira da espiritualidade; em vez de ajudar, você se torna mero
seguidor; em vez de sermos criadores, somos apenas resíduos da vida.

Eu gostaria que você pudesse ver - tenho certeza que você faria, para
cada um de nós vê em momentos de êxtase e felicidade - a importância
de manter este padrão, esta cultura e de viver neste Reino da
Felicidade. Se você está lá, morando com segurança naquele Reino,
pode vagar e criar mais vitalmente, mais perigosamente, mais
nobremente, do que qualquer outra pessoa, porque pode sempre se
retirar para esse Reino. Dá-lhe uma sensação de emoção, de vitalidade,
de ser grande não só para si mesmo, mas para ajudar os outros e para
destruir coisas que não importam e para criar as coisas que são
Eternas. Em vez de serem gigantes da ignorância, vocês devem ser
gigantes criativos. No momento atual, todos procuramos, tateamos,
questionamos, enquanto a solução de todas essas coisas está em cada
pedra comum, em todas as coisas que vivem e se movem, em todas as
coisas animadas e inanimadas. Se você é realmente iluminado, pode
sair e se tornar mensageiro daquele Reino. Bebi na fonte e anseio por
trazer cada um de vocês para isso; e quando você se deleitar e se
divertir nas sombras da Eternidade, também desejará trazer outros a
ela.