Você está na página 1de 10

Aula 4 – A estrutura

Muitas vezes, as causas dos problemas durante os ensaios e os concertos são estruturais.
Por isso, o cuidado com a estrutura é tão importante. E, nesta aula, você verá o porquê.

Com o estudo dessa aula, esperamos que você seja capaz de reconhecer quais itens da
estrutura não estão disponíveis para o seu trabalho e, portanto, defina metas para
alcançá-los.

E que também entenda a relação entre esses itens e o resultado de seu trabalho. Por
exemplo, no dia a dia, você poderá encontrar na estrutura as razões para os problemas
musicais do seu grupo.

Relacionaremos, nesta aula, os vários aspectos da estrutura que tornam possível o


trabalho do regente, tais como:

• condições e acústica da sala de ensaios;

• arquivo (acervo de partituras);

• sala de instrumentos;

• pessoal responsável pelos vários setores;

• soluções simples para a existência e o funcionamento da estrutura.

Bom estudo

SALA DE ENSAIOS

A sua sala de ensaios é sua casa e, como toda casa, exige cuidados diários. Em especial,
atenção à segurança, limpeza e higiene que, além do bem-estar, contribui para a sua
saúde e a do seu grupo.

Os músicos, especialmente os de sopros e os cantores, mantêm atitude respiratória mais


intensa durante os ensaios, o que os torna mais suscetíveis a problemas respiratórios.
Por isso, é importante o cuidado com relação à circulação de ar no ambiente, a fim de
evitar pó, ácaros e outros agentes nocivos.

Pelo mesmo motivo, a manutenção do ar condicionado deve ser realizada regularmente.


O acúmulo de sujeira nesse aparelho pode desencadear infecção pulmonar e problemas
alérgicos, como rinite, sinusite e asma. Isso torna-se mais sério levando-se em conta a
intensidade da respiração dos músicos.
Os mesmos cuidados devem ser tomados com relação aos tapetes ou carpetes. Consulte
sempre as recomendações dos fabricantes e profissionais da saúde sobre os
procedimentos específicos.

Além disso, o ar seco e frio pode reduzir o funcionamento dos cílios dos pulmões,
aumentando a quantidade de secreção.

Limpeza e higiene

A limpeza do ambiente de trabalho é responsabilidade de todos.

Durante a Copa do Mundo de Futebol aqui no Brasil, ficamos impressionados com


cenas da torcida japonesa limpando seu espaço no estádio após um jogo.

Isso, é claro, vem de um hábito nacional, uma consciência cultural. Porém não é difícil
inserir esse tipo de consciência no microrganismo que é o nosso grupo.

É do interesse de todos que o ambiente de trabalho esteja saudável. Por isso, com
argumentos lógicos e de forma amigável, o regente pode sugerir formas de tornar os
cuidados com o ambiente um hábito para seu grupo.

Saiba mais!

Em um filtro de ar condicionado sujo foram identificados 150 tipos de bactérias e 70 de


fungos. Isso ocasiona o que os médicos chamam de “síndrome do edifício doente”. Ao
primeiro sinal de qualquer problema dessa ordem, uma atitude definitiva deve ser
tomada.

De forma geral, o ideal é que as acústicas da sua sala de ensaios e da sala de concertos
sejam idênticas.

É comum, o grupo “sentir” a diferença, fazendo com que parte do trabalho que foi
realizado nos ensaios seja anulada. Aspectos como equilíbrio das vozes, brilho do som e
volume são os primeiros afetados.

No que se refere à acústica, algumas características devem ser observadas:

Isolamento acústico

Solução para melhoramento acústico

Paredes espessas com tijolos maciços ajudam a isolar o som. Outra possibilidade são as
chamadas drywall, preenchidas com revestimento acústico interno.
Placas de madeira, placas de lã de rocha, revestimento de gesso acartonado (alguns tipos
são específicos para isolamento acústico), ou até tapeçarias, quando aplicadas sobre a
parede, melhoram o isolamento.

Mantas acústicas no forro e placas de madeira são soluções para o teto.

É importante ressaltar que as diferentes soluções trazem mudanças específicas em


aspectos como timbre e reverberação, e devem ser analisadas cuidadosamente a fim de
se optar por aquela mais adequada às características do ambiente e à necessidade do
grupo.

Tão importante quanto o isolamento acústico, é a quantidade de reverberação (eco) no


ambiente.

Um ambiente cheio de reverberação impede que regente se atente a todos os aspectos de


uma execução musical. Como, por exemplo, articulação, dinâmica e equilíbrio.

Por isso, é recomendável que o ambiente tenha vida, isto é, uma reverberação na medida
“certa”. Um ambiente sem reverberação é extremamente desconfortável para o músico.

De forma geral, quanto mais lisa e “dura” a superfície, mais reverberação ela vai
proporcionar. Materiais como porcelanato, vidro, são materiais que causam muita
reverberação.

Difusores Acústicos

Se, no ambiente em que você trabalha a reverberação não for um problema muito sério,
você poderá experimentar colocar seu grupo em posições diferentes na sala, adicionar
alguns móveis e objetos e até tapetes em lugares estratégicos. Isso costuma dar bons
resultados. Porém, se o problema for mais sério, pode haver necessidade de instalação
de painéis de madeira ou outros materiais acústicos disponíveis no mercado.
As soluções que você acabou de ver influenciam a cor ou timbre do som de seu grupo.
Materiais mais “duros” costumam adicionar brilho e, consequentemente, materiais mais
moles, em geral, “escurecem” o som.

Isso não é regra absoluta. Por isso, no caso da maioria dos grupos com recursos
limitados, o que vale é a experimentação.

Acústica é matéria complexa, com diversas variáveis, que somente profissionais


especializados dominam completamente. Nesta aula, citamos soluções simples, dentro
da realidade em que a maioria dos regentes trabalham.

O importante é a compreensão das motivações para essa busca. O crescimento do nível


sonoro de um grupo está diretamente ligado as condições acústicas de seu espaço de
trabalho diário.

Acervo de Partituras

Para organização do acervo, é necessário, basicamente, uma sala com boas condições
estruturais, mesa, cadeira, estante, computador e impressora.

Em relação ao recurso humano, um profissional, para exercer a função de arquivista,


com conhecimento musical, da estrutura do grupo, e de algum software de notação
musical (Finale, Sibelius etc.).

Em muitos casos, os grupos possuem um acervo de obras de importância histórica para


a cidade e para o grupo. O domínio na utilização de software de notação musical é
especialmente importante na recuperação desse material.

O regente deve estar sempre em contato com esse profissional, para que ele possa
trabalhar em sintonia com as necessidades e agenda do grupo.

Por exemplo, as partituras devem ser enviadas aos músicos antes do primeiro ensaio
para que se preparem antecipadamente. Isso agiliza, e muito, o trabalho do regente.
O arquivista deve se certificar de que todas as partes estão nas estantes antes do início
dos ensaios, e que sejam recolhidas no final do trabalho.

Como hábito, os músicos fazem anotações em suas partes durante os ensaios. Por isso, é
necessário que se mantenham sempre as mesmas partes, nas mesmas estantes, e para os
mesmos músicos.

O regente e o arquivista devem manter muita atenção no funcionamento desse setor,


pois é uma fonte passível de desperdício material e, portanto, de gastos desnecessários.

Os instrumentos de sua banda, orquestra, são um patrimônio. E devem ser tratados


como tal.

Muitos grupos possuem em seu acervo diversos instrumentos, como tímpanos,


percussão em geral, piano, harpa e contrabaixos. Além do valor financeiro desses
instrumentos, devem considerar a sua importância para o funcionamento do grupo.

Basicamente, todos os cuidados para saúde e bem-estar dos integrantes do grupo devem
ser pensados também em relação aos instrumentos. Por exemplo, cuidados com
temperatura, umidade, transporte etc.

Por isso, a necessidade de um profissional que seja o curador desse patrimônio. Alguém
que mantenha controle da utilização desses instrumentos e dos cuidados necessários
para sua conservação.

Esse controle deve ser feito, de forma sistemática, criando-se protocolos de


procedimento para uso do acervo. Como, em princípio, os músicos são os primeiros
responsáveis pelo estado geral dos instrumentos, eles devem ser educados sobre esses
protocolos.

É recomendável que o curador mantenha registro do uso e da conservação de cada


instrumento, pois eles também sofrem uma degradação natural, o que implica
manutenção periódica. Essa manutenção pode ser realizada pelo curador, se ele possuir
conhecimento para tal. Porém, se esse não for o caso, ele será encarregado de definir um
profissional reconhecido para realizar as manutenções ou os reparos necessários nos
instrumentos.

Dica do maestro!

Existem diversos cursos de manutenção de instrumentos musicais. Manter uma pessoa


com essa competência na curadoria dos instrumentos pode ser de grande valor para o
grupo.

Seja um teatro, um salão, um palco ao ar livre, ou outro espaço para realização de


concertos, algumas condições devem ser garantidas para que o regente tenha o resultado
musical coerente com o nível de seu grupo, e compatível com o trabalho realizado nos
ensaios.

Sabemos que vários fatores (iluminação, acústica, espaço físico etc.) fogem ao controle
do regente, principalmente quando ele utiliza espaços variados para realizar os
concertos. Porém, sempre que possível, ele deverá exigir as condições mínimas para a
apresentação de seu grupo.

O ideal é que o local no qual o concerto será realizado seja checado com antecedência,
com relação, por exemplo, à metragem de palco. O local deve possuir espaço suficiente
para que seu grupo possa se dispor de forma confortável e, principalmente, em uma
formação semelhante às condições que têm na sala de ensaios. Essa formação é algo que
requer experimentação do regente, nos ensaios e concertos.

A seguir, você verá alguns exemplos de formação (setup) para os três tipos de grupos
(Orquestra, Banda e Coral). Tão logo você tenha a formação ideal para seu grupo, ela
deve ser enviada aos responsáveis pelos concertos para que as condições de palco sejam
avaliadas antecipadamente.

Em geral, tem-se uma queda de qualidade e eficiência bastante acentuada quando se


muda algo no setup do grupo. Os músicos sentem de forma bastante negativa quando há
mudanças de lugar, de distância etc.

Observe alguns exemplos de formação.

ORQUESTRA

BANDA
CORAL
Dois exemplos se o seu Coral possui deficiência nos Baixos:

Dois exemplos se o seu Coral possui deficiência nas vozes masculinas:

Outro aspecto que deve ser considerado no espaço de concerto é a acústica. O espaço
permitir um mínimo de qualidade para não prejudicar o som de seu grupo. Se houver
necessidade de amplificação, que seja feita da forma mais discreta possível e com
qualidade e fidelidade ao som original. Isso também deve, sempre que possível, ser
preparado e exigido antecipadamente.

Outros Fatores

De forma geral, todos os aspectos aos quais devemos nos atentar na sala de ensaios,
também devem ser considerados no espaço de concertos. Por exemplo, limpeza,
umidade, iluminação suficiente e correta, espaço de preparação para os músicos, devem
ser prioridades.

É importante também que os músicos recebam as informações sobre o espaço e o


cronograma de atividades. Nada é mais frustrante para o músico do que não saber para
onde ir, quando ir para o palco.

Como vimos em aula anterior, se não houver uma equipe ou pessoa responsável por
essa organização, esta será uma função do regente.

Nesta aula, você conheceu as condições estruturais e funcionais necessárias para que
você e seu grupo realizem seus trabalhos com qualidade. Condições como:
Estrutura da Sala de Ensaios

• limpeza, higiene e saúde do ambiente.

• acústica.

• reverberação.

Acervo

• sala de instrumentos.

• instrumentos e partituras.

Sala de Concertos

• espaço

• setups.

• acústica

REFERÊNCIAS:

BAKALEINIKOFF, V. Style. In: Elementary Rules of Conducting. Rockville Centre:


Belwin Inc., 1938.

DE LA GORCE, Jérôme. Jean-Baptiste Lully (Lulli, Giovanni Battista). Disponível


em: <http://archive.is/BE6c> . Acesso: 26.fev.2017.

GALKIN, Elliott W. (1988). A History of Orchestral Conducting. In: Theory and


Practice. NY, Pendragon Press, 1988.

GROSBAYNE, B. Representative Programs. In: Techniques of Modern Orchestral


Conducting. Cambridge Massachusetts: Harvard University Press, 1976.

HAMBURGER, M. A Napoleonic Era. In: Bethoven: Letters, Journals and


Conversations. US: ABC-Clio, 1978.

HARRIS, B. Construction. In: Home Studio Setup. Burlington, MA: Focal Press,
2014.

HOLDEN, Raymond: The technique of conducting. In: The Cambridge Companion


to Conducting. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.
KENNEDY, Michael. Conducting. In: Oxford Concise Dictionary Of Music. Oxford:
Oxford University Press, 2007.

LIVELEAK. Conductor disappointed by horn players during his last concert.


Disponível em: <https://www.liveleak.com/view?i=cf9_1400502901>. Acesso:
26.fev.2017.

MASLOW, A. H. Uma Teoria da Motivação Humana. In: Motivation and Personality.


Nova York: Harper & Brothers, 1954.

SCHERCHEN, Hermann. Particularidades del Acto de Dirigir. In: El Arte de Dirigir


la Orquestra. Barcelona: Talleres Gráficos Ibero-Americanos, 1950.

SWIFT, F. F. Building the Program. In: Fundamentals of Conducting. Rockville


Centre: Belwin Inc., 1961.

WAKIN, Daniel J. The Maestro's Mojo. Disponível em: The New York Times.
<http://www.nytimes.com/2012/04/08/arts/music/breaking-conductors-down-by-
gesture-and-body-part.html?_r=1&pagewanted=all>. Acesso: 04.mar.2017.

WOOLSTON, C. Sick Building Syndrome: Is Your Office Making You Sick?


Disponível em: https://consumer.healthday.com/encyclopedia/asthma-and-allergies-
4/asthma-news-47/sick-building-syndrome-is-your-office-making-you-sick-
646729.html. Acesso: 07.mar.2017.

Você também pode gostar