Você está na página 1de 3

Atividade – Estruturas de Apoio

1) Relacionadas à Hidrovia
Assoreamento:
Assoreamento é o acúmulo de sedimentos (areia, entulho e lixo, por exemplo)
no leito dos lagos, rios e demais cursos d’água, fenômeno este provocado
naturalmente ou por influência humana.
Batimetria:
A batimetria é a medição da profundidade dos oceanos, lagos e rios e é expressa
cartograficamente por curvas batimétricas que unem pontos da mesma
profundidade com equidistâncias verticais, à semelhança das curvas de nível
topográfico.
Derrocamento:
É a retirada de material do fundo do rio, que não é orindo de assoreamento, ou
seja, o material que compõe naturalmente o leito do rio, que pode ser pedregoso
ou não.
Dragagem
Drenagem é a ação de secar algo que se encontra bastante húmido.
Normalmente, consiste numa técnica para a secagem do solo molhado ou
totalmente submerso sob a água.
Eclusa:
Pequeno canal, em águas onde há grandes desníveis, a fim de possibilitar a
descida ou a subida de embarcações; esclusa.

2) Relacionadas ao transporte marítimo

Berço:
É posição de atracação de um terminal ou porto onde a embarcação entra para
as suas operações.
Cais:
Um cais (do céltico, através do francês antigo quai) é uma estrutura, geralmente
uma plataforma fixa em estacas, ou região à beira da água, na borda de uma
abra ou de um porto, onde barcos podem atracar e aportar para carregar e
descarregar carga e passageiros.
Dolfins:
É uma coluna de concreto fincada no fundo do mar que aflora à sua superfície e
serve para atracar (dolfim de atracação) e para amarrar (dolfim de amarração)
navios.
Enrocamento:
É um maciço composto por blocos de rocha compactados.
Molhe:
Um molhe é uma obra marítima de engenharia hidráulica que consiste numa
estrutura costeira semelhante a um pontão, ou estrutura alongada que é
introduzida nos mares ou oceanos, apoiada no leito submarino pelo peso próprio
das pedras ou dos blocos de concretos especiais (tetrápodes ou outros),
emergindo da superfície aquática.

Tetrápodes:
Os tetrápodes foram desenvolvidos na década de cinquenta pela companhia
francesa Sogreah Ingenierie para a construção de estruturas costeiras.
Pier:
Píer ou ponte-cais ou pontão (plural: píeres) é uma passarela sobre a água,
suportada por largas estacas ou pilares.
Quebra-mar:
Um quebra-mar ou talha-mar é uma estrutura costeira que tem por finalidade
principal proteger a costa ou um porto da ação das ondas do mar.

3) Relacionadas às Embarcações
Agua de lastro:
Água de lastro é a água do mar captada pelo navio para garantir a segurança
operacional do navio e sua estabilidade
Proa:
A proa ou vante é em náutica a parte da frente de uma embarcação.
Popa:
A popa ou ré é a secção traseira de uma embarcação, sendo tecnicamente definida
como a área construída entre o painel de popa e as alhetas da embarcação

Calado:
Distância medida na vertical, da face inferior da quilha, à linha de água; espaço ocupado
pelo navio dentro de água; o mesmo que fundo.

Estibordo:
Ao lado direito das embarcações dá-se o nome de estibordo, e é assinalado com uma luz
verde de navegação, que representa a esperança e o descobrimento.
Bombordo:
Ao lado esquerdo, chama-se bombordo. Este nome vem do fato de os navios ao descerem o
Atlântico ao logo da costa africana terem à sua esquerda a terra e os respectivos portos – bom
bordo – enquanto que do lado direito só existia o mar e o desconhecido. Este lado é
representado com uma luz vermelha, cor do coração e da saudade.

4) Relacionadas à Gestão
Capatazia:
É a atividade de movimentação de mercadorias nas instalações de uso público,
compreendendo o recebimento, conferência, transporte interno, abertura de volumes
para a conferência aduaneira, manipulação, arrumação e entrega, bem como o
carregamento e descarga de embarcações, quando efetuados por aparelhamento
portuário

Estiva:
Estiva ou estivagem é a ação de colocar a carga a bordo de um navio. Seu objetivo é
conseguir que seja transportada com um máximo de segurança para o navio e a
sua tripulação, ocupando o mínimo espaço possível, evitando avarias na mesma e
reduzindo ao mínimo as demoras no porto de descarga.

Praticagem:
A praticagem (no Brasil) e pilotagem (em Portugal) é o serviço de auxílio oferecido
aos navegantes, geralmente disponível em áreas que apresentem dificuldades ao
tráfego livre e seguro de embarcações, em geral de grande porte.

Prático:
O prático (no Brasil) ou piloto (em Portugal) é um profissional habilitado por processo
seletivo elaborado pela Marinha do Brasil e não por concurso público, pois a praticagem
é uma atividade privada, não se tratando de cargo ou emprego público.