Você está na página 1de 4

OS VERDADEIROS BEREANOS

Perilo Borba

“Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra

com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram

assim” (Atos 17.11)

Infelizmente, muitos interpretam de uma forma equivocada o versículo acima. Os

Bereanos, classificados por Lucas (escritor de Atos) como mais nobres do que os

exemplares Tessalonicensses, são tidos, para muitos, erroneamente, como críticos

doutrinários.

O que os Bereanos faziam não era fiscalizar o que ouviam. Eles não eram críticos,

como, infelizmente, alguns são e utilizam-se deste versículo para se classificar como

“mais nobres”. Mas, estes não são “Bereanos” verdadeiros.

É bem verdade que eu também considero um ato nobre você saber julgar todas as coisas

que ouve (as coisas ouvidas, não as pessoas que falaram) e reter o que é bom. Paulo

ensinou isto aos próprios Tessalonicensses (I Ts. 5.21). Os Bereanos foram considerados

mais nobres porque, embora os Tessalonicensses também tenham recebido a Palavra (e

com alegria em meio a muita tribulação – I Ts. 1.6), eles examinaram as escrituras para

conferir o que receberam. Mas, infelizmente, muitos que pensam que agem como eles,

estão examinando apenas para julgar e não retém nada, quando há, muitas vezes, muito

o que reter ou receber.

Os verdadeiros “Bereanos” (aqueles que são nobres como os cristãos de Beréia citados

por Lucas em Atos 17.11) são os que:


– Recebem a Palavra com toda avidez,

– Examinam as Escrituras todos os dias para ver se as coisas são, de fato, assim.

A palavra grega traduzida por “receber” em português, é “dechomai”. Alguns dos

significados dela são: Agarrar e tomar posse. Essa mesma palavra grega foi utilizada por

Paulo em I Corintios 2.14, e traduzida em várias versões portuguesas como “aceitar”:

“O homem natural não ACEITA as coisas do Espírito de Deus porque lhe são loucura”.

Já os espirituais, eles “dechomai” pelo Espírito. Eles aceitam, recebem, agarram e

tomam posse… pelo Espírito.

A Palavra de Deus não pode ser recebida pela mente natural, senão ficará limitada. Ela

precisa ser agarrada pelo nosso espírito. Precisamos guardá-La no mais íntimo do nosso

coração (espírito). Não é um filtro ou julgamento mental, mas espiritual. É por isso

também que quando ouvimos uma doutrina falsa, fora do contexto da Palavra de Deus,

percebemos um freio e um incômodo no nosso espírito. É o que chamamos de “voz da

consciência”.

Como os Bereanos a recebiam, agarravam e tomavam posse da Palavra? Com avidez. O

que significa: zelo, entusiasmo, inclinação, intensidade e disposição.

A minha pergunta é: Como nós temos recebido a Palavra? Lembrando-nos de que, antes

de recebê-la, é necessário ouvi-la ou lê-la. Como temos ouvido-a? Como temos lido-a?

É preciso avidez, zelo, entusiasmo, inclinação, intensidade e disposição. Pedro falou que

devemos desejá-la como os recém-nascidos desejam o leite materno. Independente de

qual é o locutor, seja “Paulo” ou “Apolo”.


Você já viu como um recém-nascido deseja o leite materno? Eu ainda não sou pai, mas

já presenciei algumas cenas com primos e filhos de amigos. Quando o bebê está com

fome, ele chora, esperneia, grita e continua chorando até que seja amamentado. Isso é

fome de verdade! E é essa fome que devemos ter para receber a Palavra de Deus.

A ponto de, durante toda a semana, todos os dias, examinarmos, voltarmos a ler,

voltarmos a ouvir, meditarmos novamente, comermos novamente aquela mesma

Palavra, confirmando no nosso espírito: É isso mesmo! Isto é a verdade! Afinal, a fé

vem pelo ouvir, e o ouvir, ouvir, ouvir, ouvir, ouvir… a Palavra de Deus.

O que acho mais interessante é que, segundo Atos 17.11, os Bereanos não examinaram

as Escrituras enquanto a estavam recebendo. Pode até ser que tenham feito isto, mas

Lucas não registrou. A ordem foi: Receberam e Examinaram. Ou seja, recebeu e

manteve o que recebeu, ou, continuou recebendo diariamente!

Volto a dizer, é necessário ter um julgamento sobre tudo o que ouvirmos, não podemos

engolir qualquer doutrina ou qualquer coisa que digam que é a Palavra de Deus.

Devemos observar se aquilo concorda com o contexto de toda a Bíblia, se há duas ou

três passagens que confirmem aquilo nas Escrituras. Entretanto, além do bom senso para

manejar bem a Palavra da verdade, é necessário também muito cuidado para não sermos

apenas excelentes juízes, porém, medíocres recebedores.

Aprendamos a receber! Independente do quanto você já conhece da Palavra de Deus,

sempre haverá mais para se conhecer e sempre será necessário ouvir de novo o que já se
recebeu. Mantenhamo-nos recebendo, apegando-nos com mais firmeza às verdades já

ouvidas, para que delas, em tempo algum, nós nos desviemos (Hb. 2.1).

Sejamos equilibrados!

Muito mais do que ser um crítico do que é mal, seja um recebedor do que é bom.

Criticar nunca foi e nunca será uma nobreza. Mas, receber e examinar o que se recebeu

para manter aquilo é, sim, um nobre ato e uma sábia prioridade.