Você está na página 1de 2

Disciplina: História

Professor: Luciana Brum


Estudante: _____________________________________________________
Data: _____/_____/ 2019 Turma: 7º___

AVALIAÇÃO 1ºBIMESTRE (CONTEÚDO: CIDADANIA NA REPÚBLICA VELHA)

1-Completamente analfabeto, ou quase, sem assistência médica, não lendo jornais, nem revistas, nas quais se limita a ver
as figuras, o trabalhador rural, a não ser em casos esporádicos, tem o patrão na conta de benfeitor. No plano político, ele
luta com o “coronel” e pelo “coronel”. Aí estão os votos de cabresto, que resultam, em grande parte, da nossa organização
econômica rural. LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-Ômega, 1978 (adaptado).
O coronelismo, fenômeno político da Primeira República (1889-1930), tinha como uma de suas principais características o
controle do voto, o que limitava, portanto, o exercício da cidadania. Nesse período, esta prática estava vinculada a uma
estrutura social.
a)igualitária, com um nível satisfatório de distribuição da renda.
b) estagnada, com uma relativa harmonia entre as classes.
c)tradicional, com a manutenção da escravidão nos engenhos como forma produtiva típica.
d)ditatorial, perturbada por um constante clima de opressão mantido pelo exército e polícia.
e)agrária, marcada pela concentração da terra e do poder político local e regional.

2- Considere a charge para responder à questão.


A charge é uma menção ao voto:
a)secreto, uma conquista dos sindicatos operários durante a era
Vargas.
b)censitário, em que havia a exigência de uma renda anual para
votar e para se candidatar a cargos públicos
c)da mulher, fruto da luta feminina nos anos 30
d)da mandioca, em que votar era permitido apenas para homens
livres e com uma renda igual ou superior ao valor de 1,5
toneladas de mandioca.
e))do cabresto, uma característica do coronelismo

3-Em 1891 foi promulgada a primeira Carta Constitucional da República. Esta constituição caracterizava-se pela eleição
direta em todos os níveis, todavia a alguns segmentos sociais foi negado o direito do voto.
Estavam impedidos de votar:
a) os analfabetos, as mulheres, os pobres (voto censitário) e os religiosos.
b) os analfabetos, as mulheres, os soldados e os menores de idade.
c) os analfabetos, as mulheres, os soldados e os menores de dezesseis anos.
d) os religiosos, as mulheres, os camponeses e os menores de idade.
e) os religiosos, os camponeses, os menores de idade e os soldados.

4-“A cidadania moderna – ou seja, a integração das pessoas no governo, via participação política; na sociedade, via direitos
individuais; e no patrimônio coletivo, via justiça social – continua sendo aspiração de quase todos os países, sobretudo, os
que se colocam dentro da tradição ocidental (…) Simplificando muito, pode-se dizer que o processo histórico de formação
da cidadania, no Ocidente, seguiu dois caminhos, um de baixo para cima, pela iniciativa dos cidadãos, outro de cima para
baixo, por iniciativa do estado e de grupos dominantes”. (CARVALHO, J. Murilo de. Cidadania, Estadania e Apatia. In: Jornal
do Brasil. 24 jun. 2001. p. 8.)
A instauração do regime republicano no Brasil representou para muitos a possibilidade de democratização da sociedade por
meio da afirmação dos direitos civis, políticos e sociais. No entanto, já em seu nascedouro, a república brasileira impunha
restrições ao exercício da plena cidadania. Cite um limite ao exercício da cidadania que conste da legislação eleitoral
dos primórdios da República e explique as consequências sociais dessa limitação para o povo.
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________

5- Analise a charge que segue e depois responda:

A ilustração refere-se:
a) ao alto grau de abstenção dos eleitores na Primeira
República, o que facilitava a ação de políticos ilustrados.
b) à prática dos grupos oligárquicos, que controlavam de perto
o voto de seus dependentes e agregados.
c) ao elevado índice de analfabetismo no campo, o que
favorecia a distribuição de cédulas eleitorais falsas.
d) à alternância no poder federal, graças ao controle dos votos,
de políticos populares dos diversos Estados brasileiros.
e) ao controle do governo central sobre os governadores, que se
valia do estado de sítio no período eleitoral.

6- Todas as alternativas apresentam citações coerentes com o funcionamento político-eleitoral da República Velha,
EXCETO:
a) “O coronel poderia ter controle direto ou indireto sobre o eleitorado; havia aquele que visitava grande parte de seus
eleitores com muita frequência, assim controlando diretamente seus votos, ou aquele que enviava ‘cabos eleitorais’,
que repassavam as ordens do chefe.”
b) “Eram muito comuns na República Velha os municípios com mais eleitores que habitantes: analfabetos, crianças,
defuntos ou eleitores que votavam em vários municípios ou votavam várias vezes num mesmo pleito, num mesmo
município.”
c) “São importantes para a compreensão desse período aspectos como o carisma dos líderes e a identificação que
propiciava entre Estado e indivíduos e o respeito à decisão e participação popular.”
d) “A consolidação do compromisso entre o governo federal e os governadores estaduais facilitou o predomínio dos dois
estados mais fortes na época: Minas Gerais e São Paulo. Ambos garantiam o maior número de cadeiras no Congresso.”
e) “Essas práticas eram facilitadas pelo sistema eleitoral em vigor, no qual o voto era aberto. Para votar, o cidadão
dirigia-se à mesa eleitoral, escrevia o nome do seu candidato e assinava ao lado.”

7- Qual era o papel político dos coronéis na República Velha?


__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________

“É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer.”Aristóteles

Você também pode gostar