Você está na página 1de 26

1

UNIVERSIDADE DO PORTO - FLUP

ECONOMIA

Conceitos Básicos e Revisões

Baseado no material desenvolvido pelos diversos docentes de Introdução à Economia,


FEP-UP, bem como nos materiais disponibilizados pela Prof. Lurdes Martins, EEG-UM.

Economia: Conceitos e Objeto

1
Economia
3

 A Economia é o estudo da forma como as sociedades utilizam recursos


escassos para produzir bens com valor e de como os distribuem pelos
vários indivíduos.

 A Economia estuda como a sociedade decide empregar os seus recursos


(que são escassos) na produção de determinados bens e serviços
(escolhidos de entre outras alternativas) de modo a satisfazer as
necessidades humanas (que são ilimitadas).

 A Economia é uma ciência social - O objeto da ciência económica são os


fenómenos sociais já que:
 A Economia estuda as pessoas e as sociedades
 A Economia estuda os fenómenos sociais que envolvam escassez e
escolha

Escassez, Escolha e Eficiência


4

 Os recursos devem ser utilizados de forma eficiente pois os bens são


escassos mas as necessidades são ilimitadas.

 Escassez: O mundo tem recursos limitados mas as necessidades e


desejos dos indivíduos são ilimitados

 Escolha: Dadas as necessidades ilimitadas e os recursos escassos,


torna-se necessário fazer escolhas quanto aos bens a produzir e
consumir (já que não é possível produzir tudo aquilo que as pessoas
desejam ter)

 Eficiência: Como existe escassez, as escolhas devem ser feitas de


modo a assegurar a eficiência
 A economia está a produzir de forma eficiente quando o bem-estar económico
de um indivíduo não pode ser aumentado ser prejudicar o bem-estar de outro
indivíduo.

2
Os 3 problemas centrais da Economia
5

 O que produzir
 Que bens produzir e em que quantidades

 Como produzir
 Quem fará a produção, com que recursos e recorrendo a que
tecnologia

 Para quem produzir


 Como é repartido o produto nacional

Quem é o responsável pelas decisões económicas?


6

 3 sistemas económicos: Economias de Mercado, Economias


Planificadas e Economias Mistas

 Economia de Mercado (pura): o mercado resolve as três questões


essenciais, através funcionamento perfeito do mecanismo de
determinação de preços
 Mercado: Mecanismo pelo qual compradores e vendedores se confrontam
para determinar o preço e a quantidade de um bem ou serviço
 O que produzir: as empresas produzem apenas os bens cuja receita total não
seja inferior ao custo total
 Como produzir: determinado pela concorrência entre produtores
 Para quem produzir: quem vai consumir e em que quantidades depende da
oferta e procura dos fatores de produção

3
Quem é o responsável pelas decisões económicas?
7

 Economias Planificadas: o Estado resolve as três questões essenciais (o


que produzir, como produzir e para quem produzir)
 O Estado é o detentor dos recursos produtivos
 O Estado decide o que produzir e como produzir
 O Estado decide sobre a repartição do rendimento

 Economias Mistas: o mercado e o Estado resolvem as três questões


essenciais, com pesos distintos de cada um deles consoante o tempo e o
espaço
 Em quase todas as economias vigora um sistema misto, com a coexistência de setor
público e setor privado
 Nestas economias parte das decisões são tomadas pelo mercado, parte pelos
Governos
 Na maior parte das economias modernas as decisões de como e o que produzir são
tomadas pelo mercado, embora sob influência do Governo
 As decisões de para quem produzir são especialmente influenciadas pelo Governo

A “mão invisível” e as falhas de mercado


8

 A “mão invisível” (Adam Smith): O mecanismo de preços é o elemento


regulador central numa economia de mercado

 Na prossecução egoísta exclusiva do seu benefício pessoal, todos os indivíduos


são levados, como que por uma mão invisível, a promover o máximo benefício
para a sociedade

 “Cada indivíduo esforça-se para que a sua produção tenha o valor máximo.
Geralmente não tem intenção de promover o interesse público nem sabe
sequer em que medida o está a fomentar. Pretende unicamente a sua
segurança, apenas o seu próprio ganho. E assim prossegue, como que levado
por uma mão invisível, na consecução de um objetivo que não fazia parte das
suas intenções. Na prossecução do seu próprio interesse, promove
frequentemente o interesse da sociedade de uma forma mais efetiva do que
quando realmente o pretende fazer”.

Adam Smith, “A Riqueza das Nações”, 1776

4
A “mão invisível” e as falhas de mercado
9

 O mercado (a “mão invisível”) nem sempre conduz ao


resultado mais eficiente possível.
 Nestas situações, dizemos que existem falhas de mercado.
 Justifica-se, então, a intervenção do Estado….

 Falhas de mercado: o mercado pode não permitir uma ótima


afetação dos recursos, nomeadamente, devido a:
 Existência de concorrência imperfeita (poder de mercado)
 Presença de Externalidades

A “mão invisível” e as falhas de mercado


10

 Concorrência imperfeita (poder de mercado) – quando um comprador ou


vendedor é capaz de influenciar o preço de um bem. Tal resulta em
preços superiores e quantidades transacionadas inferiores à situação
ideal de maximização do bem-estar social

 Externalidade: ocorre quando um agente económico provoca, de forma


não intencional, benefícios ou danos na esfera económica de um outro
agente fora do mercado, não sendo estes efeitos internalizados pelo
sistema de preços.
 Tipos de externalidades:
 Externalidades Positivas
 Externalidades Negativas

5
A “mão invisível” e as falhas de mercado
11

 Externalidades Positivas: quando é gerado, de modo não intencional, um


benefício para outro agente económico – bem-estar social > bem-estar
privado
 Exemplos: Uma propriedade vizinha bem conservada que faz subir o valor de
mercado da nossa propriedade; Um perfume agradável usado pela pessoa
sentada ao nosso lado; Estradas e jardins públicos, defesa nacional, vacinação,
investigação científica, defesa da saúde pública

 Externalidades Negativas: quando é gerado, de modo não intencional, um


custo para outro agente económico – bem-estar social < bem-estar
privado
 Exemplos: Poluição atmosférica, poluição das águas, poluição sonora (ex: festas
barulhentas na vizinhança); Congestionamento de trânsito numa artéria já
existente em resultado da abertura de um centro comercial; Fumo do cigarro
(fumadores passivos)

As 3 funções económicas principais do Estado


12

 Aumentar a eficiência, nomeadamente intervindo quando existem falhas de


mercado.
 O papel do Estado consistirá na promoção da concorrência, procurando refrear as
tentativas de abuso de posição dominante e regulamentando o mercado em questão.
 O Estado deverá ainda promover as externalidades positivas e combater as
externalidades negativas (nomeadamente através de regulamentação e fiscalização).

 Promover a equidade, redistribuindo o rendimento entre grupos particulares,


através de instrumentos como os impostos e as transferências.
 Os mercados não produzem necessariamente uma justa repartição do rendimento.
 A eficiência implica que a sociedade obtém o máximo possível com os seus recursos
escassos enquanto que a equidade significa que os benefícios obtidos são distribuídos de
forma justa pelos membros da sociedade

 Promover a estabilidade macroeconómica e o crescimento “sustentado” da


economia, através do uso da política macroeconómica (orçamental,
monetária, cambial)

6
13

Economia: Conceitos e Metodologia

A Análise Económica
14

 A análise dos fenómenos económicos como resultado de


escolhas em escassez
 “Não há almoços grátis!” – As pessoas quando escolhem enfrentam
um trade-off, isto é, para obterem uma coisa têm geralmente de
sacrificar outra
 É necessário comparar os custos e benefícios das várias
alternativas: a análise custo-benefício é central em Economia
 Os conceitos de racionalidade e equilíbrio são relevantes na
escolha económica.

 Custo de oportunidade: representa o valor da melhor alternativa


disponível quando um agente económico tem que escolher entre
duas opções mutuamente exclusivas.

7
Custo de Oportunidade
15

 Custo absoluto vs. Custo relativo


 Custo absoluto de um bem – custo de se produzir uma
unidade de um bem (medido, por exemplo, em unidades
monetárias (€) ou em horas de trabalho)
 Custo relativo de um bem – custo do bem expresso em
termos de outro bem, i.e., o rácio de 2 custos.
 Custo relativo do bem X (em relação ao bem Y) = Cx /Cy

 Exemplo 1: Um iphone tem um custo de produção de 300€ e um HTC tem


um custo de produção de 100€.
 Custo absoluto do iphone = 300€
 Custo relativo do iphone (em relação ao HTC) = 300€/100€ = 3 → 1
iphone  3 HTC

Custo de Oportunidade
16

 O Custo de oportunidade é um custo relativo – traduz o


número de unidades do outro bem que têm de ser
sacrificadas para se poder produzir uma unidade adicional do
bem em questão.

 Custo de oportunidade do bem X = Cx /Cy

 No caso do exemplo, o custo de oportunidade do iphone é


igual a 3 – para se produzir um iphone adicional torna-se
necessário sacrificar a produção de 3 HTC (note-se que o
custo de produção de um iphone é de 300€ e que o custo de
produção de 3 HTC é de 100€+100€+100€ = 300€)

8
Custo de Oportunidade
17

 Exemplo 2: O custo de produção de um sofá é de 150€ e o


custo de produção de uma cadeira é de 50€.
 Custo (absoluto) do sofá = 150€
 Custo (absoluto) da cadeira = 50€

 Custo de oportunidade (custo rela vo) do sofá = 150€/50€ = 3 → por


forma a produzir um sofá adicional torna-se necessário prescindir da
produção de 3 cadeiras.

 Custo de oportunidade (custo relativo) da cadeira = 50€/150€ = 1/3


= 0,3(3) → por forma a produzir uma cadeira adicional torna-se
necessário prescindir da produção de 0,3(3) sofás.

Custo de Oportunidade
18

 O conceito de custo de oportunidade é extensível a diversas áreas da


economia…
 O custo de oportunidade representa o valor da melhor alternativa
disponível quando um agente económico tem que escolher entre duas
opções mutuamente exclusivas.

 Exemplo 3: Suponhamos que um aluno dispõe de 1h30m nas quais


pode (i) assistir a uma aula ou (ii) dormir. O custo de oportunidade de ir
assistir à aula corresponde ao valor da 1h30m de sono perdido.

 Exemplo 4: Suponhamos que um estudante tem disponíveis 10€ e pode


optar por comprar um CD ou um livro. O custo de oportunidade do CD
traduz-se no livro que deixa de ser adquirido e o custo de oportunidade
do livro traduz-se no CD que não foi comprado.

9
Custo de Oportunidade
19

Exercícios:

1. Considere que o custo de produção de um automóvel é de 5000€ e o custo


de produção de uma mota é de 2500€. Determine o custo de oportunidade
de cada bem e indique o seu significado.

2. Suponha que tem disponíveis 20€. Pode optar por um uma ida a um
jogo de futebol, cujo bilhete tem um preço de 20€, ou por ir a uma
peça de teatro, cujo bilhete tem um preço de 10€. Determine o custo
de oportunidade da ida ao jogo de futebol. Interprete o valor obtido.

A Análise Económica
20

 É necessário comparar os custos e benefícios das várias


alternativas - análise custo-benefício
 Tomar decisões com base em custos e benefícios:
 Vou à aula de Economia ou fico a dormir em casa?
 Fico aqui na Universidade uns anos a tirar o curso ou vou já
trabalhar?
 …

 Custos marginais e benefícios marginais: as decisões


económicas devem ser tomadas tendo em conta o acréscimo
de custos e benefícios, ignorando os custos passados e não
recuperáveis (custos afundados ou sunk costs)

10
A Análise Económica
21

 Exercício:

O Sr. Paulo é dono de uma padaria e paga mensalmente uma renda de


2000€. As previsões feitas pelo Sr. Paulo para o mês de Outubro mostram
que se ele mantiver a padaria aberta terá receitas no valor de 4000€ e custos
de 3000€. Se o Sr. Paulo optar por fechar a padaria não terá receitas ou
custos adicionais. Sabe-se ainda que o Sr. Paulo já pagou a renda de Outubro
e que esta não pode ser reembolsada nem a padaria pode ser usada para
qualquer outro fim.

O Sr. Paulo pretende obter o máximo lucro possível, sendo o lucro a


diferença entre as receitas e os custos. Deverá o Sr. Paulo manter a padaria
aberta no mês de Outubro ou, pelo contrário, deve fechá-la?

Metodologia da Economia
22

 O processo científico em Economia passa essencialmente


pela construção de modelos com vista à interpretação das
relações entre variáveis:

 Observação dos acontecimentos económicos


 Construção de estatísticas e registos históricos

 Análise teórica
 Construção de modelos teóricos que permitam racionalizar os fenómenos
observados

 Análise Empírica
 Utilizações de técnicas estatísticas para com os dados recolhidos testar os
modelos teóricos

11
A Condição Ceteris Paribus
23

 Expressão latina que significa “mantendo tudo o resto


constante”
 A condição Ceteris Paribus é essencial na análise económica
 Quando se analisa o impacto de uma variável económica é
necessário manter tudo o resto constante

 Exemplo:
 Geralmente esperaremos que a quantidade procurada de um bem
diminua com aumento do preço do bem. Tal poderá ser verdade
ceteris paribus, ou seja, mantendo tudo o resto constante
 Se o rendimento dos consumidores aumentar, por exemplo, é possível que
a quantidade procurada do bem aumente mesmo com um aumento do
preço!

Classificação dos bens e serviços


24

 Bens versus serviços


 Os bens são objetos materiais, tangíveis (tais como sapatos, livros, canetas,
automóveis, iPads) ou intangíveis (tais como os bens digitais: aplicações para
telemóveis, música,…)
 Os serviços são atividades fornecidas por várias pessoas, tais como advogados,
dentistas, cabeleireiros ou explicações de inglês.

 Bens de consumo versus bens de capital


 Os bens de consumo são bens que se destinam à satisfação de necessidades
humanas. Podem ser bens duradouros (como os automóveis, os móveis ou os
eletrodomésticos) ou bens não duradouros (como os alimentos, os perfumes ou os
combustíveis).
 Os bens de capital são bens que permitem produzir outros bens. É o caso das
máquinas, dos equipamentos, das instalações fabris, etc.

12
Classificação dos bens e serviços
25

 Relação com outros bens


 Bens Substitutos: bens com caraterísticas semelhantes, que os consumidores percecionam
como comparáveis ou similares. O aumento do preço de um bem tenderá a fazer
aumentar a quantidade procurada do outro bem.
 Exemplos: O café e o chá podem ser bens substitutos; A Coca-Cola e a Pepsi constitui outro
exemplo de bens substitutos, tal como o carro e o autocarro.

 Bens Complementares: bens que são normalmente usados em conjunto para satisfazer o
fim a que se destinam. O aumento do preço de um bem tenderá a fazer diminuir a
quantidade procurada do outro bem.
 Exemplos: O automóvel e o correspondente combustível são bens complementares; também o café
e o açúcar o são; as impressoras e os correspondentes tinteiros são bens complementares

 Bens Independentes: bens que não estão relacionados entre si, não sendo substitutos
nem complementares. O aumento do preço de um bem tenderá a não ter qualquer efeito
na quantidade procurada do outro bem.
 Exemplos: o pão e o automóvel podem ser bens independentes, tal como o computador e os
gelados; também uma camisa e um croissant poderão ser bens independentes

26

O Modelo de Possibilidades de Produção

13
O Modelo de Possibilidades de Produção
27

 É útil para analisar as possibilidades de produção de uma


economia.
 Ilustra bem os conceitos de escassez, escolha e eficiência

 As possibilidades de produção de uma economia dependem:


 Da dotação de fatores produtivos (os recursos disponíveis)
 Terra: representa todos os recursos naturais, o que os nossos processos produtivos
recebem da natureza
 Trabalho: trabalho humano utilizado na produção
 Capital: representa os bens duradouros que são produzidos com vista a produzir
outros bens (ex: edifícios, máquinas, ferramentas, equipamento produtivo,…)

 Da tecnologia disponível
 Inclui conhecimentos, métodos e processos de produção

A Fronteira de Possibilidades de Produção


28

 Admitamos que uma


determinada economia pode
apenas produzir dois bens
durante um determinado período
de tempo: X e Y.

 A Figura ilustra a Fonteira de


Possibilidades de Produção desta
economia (a curva) e o Conjunto
de Possibilidades de Produção
(os pontos da FPP e abaixo da
FPP)
Figura adaptada de Lypsey & Chrystal (2011)

14
Fronteira de Possibilidades de Produção (FPP)
29

 A FPP representa as quantidades máximas de produção que podem ser


obtidas por uma economia, dados os seus conhecimentos tecnológicos e
a quantidade de fatores de produção disponíveis.

 Fronteira vs. Conjunto


 A FPP representa combinações eficientes alternativas dos bens.
 Qualquer ponto fora da fronteira, mas dentro do conjunto, viola o
princípio da racionalidade – com os mesmo recursos é possível
produzir mais de ambos os bens.
 Pontos dentro da FPP traduzem a existência de recursos sub-utilizados
– existem recursos que não estão a ser utilizados (e.g., desemprego)
ou que não estão a ser utilizados da forma mais eficiente possível.
 Nota: pontos fora da FPP são inatingíveis…

FPP, escassez, escolha e eficiência


30

 Eficiência: quando num determinado momento do tempo a sociedade


não pode aumentar a produção de um bem sem reduzir a produção de
outro bem
 Pontos na FPP implicam que os recursos e os fatores produtivos estão a ser empregues
de forma eficiente
 Pontos no interior da FPP traduzem combinações de bens que são ineficientes

 Escassez:
 Dados os conhecimentos tecnológicos e as disponibilidades de fatores produtivos, existe
um montante máximo de cada bem que é possível produzir em cada momento
 É devido à escassez que a FPP é negativamente inclinada

 Escolha:
 Qualquer ponto da fronteira FPP indica-nos uma combinação específica dos dois bens
produzidos na economia a que corresponde uma dada afetação dos recursos disponíveis
na economia. Cada uma dessas combinações pode ser a produção da economia.

15
FPP e Custo de Oportunidade
31

 Na FPP, o aumento de produção de um bem só é possível se


se reduzir a produção de outro bem (porque há escassez).

 O custo de oportunidade (CO) define quanto é que é


necessário sacrificar de um bem para podermos produzir uma
unidade adicional de outro bem.

 O custo de oportunidade do bem X corresponde ao declive da FPP.

 O custo de oportunidade de X refere-se ao número de unidades de que têm


de ser sacrificadas para se produzir uma unidade adicional de , mantendo
tudo o resto constante

FPP e Custo de Oportunidade


32

 A FPP é côncava em relação à origem, o que traduz custos de


oportunidade crescentes
 Ou seja, quanto mais estivermos a produzir de um bem, mantendo os outros
recursos constantes, maior é o custo de oportunidade de produzir unidades
adicionais

 Porquê custos de oportunidade crescentes?

 Existência de vários fatores de produção com produtividades marginais


decrescentes – A lei dos rendimentos decrescentes justifica a existência de custos
de oportunidade crescentes.
 O aumento na utilização de um recurso na produção de um bem, mantendo os
outros recursos constantes, gera aumentos de produção sucessivamente menores.
Exemplo: terreno de cultivo, aumentando o número de trabalhadores

 Existência de recursos especializados

16
Expansão da FPP
33

 A expansão da FPP pode


ser conseguida através:

 De um aumento dos recursos


 Por exemplo, porque houve
crescimento populacional,
investimento, expansão territorial

 Do progresso tecnológico
 Permite produzir mais com os
mesmos recursos
Figura adaptada de Lypsey & Chrystal (2011)

34

Economia: Considerações Finais

17
Microeconomia versus Macroeconomia
35

 Microeconomia

 Estuda o comportamento de entidades individuais, como as empresas, as


famílias e os mercados e analisa a tomada de decisão dos agentes económicos
na afetação de recursos escassos.

 A Microeconomia procura estudar o comportamento do consumidor, do


produtor, do trabalhador, centrando-se na análise individual de um
determinado mercado. Assim, lida com temas como a oferta e procura de
determinado bem, as escolhas de trabalho e lazer de um indivíduo, as decisões
de produção de uma empresa, a sua concorrência e os custos, receitas e lucros
correspondentes.

 Adam Smith é o “pai fundador” da Microeconomia

Microeconomia versus Macroeconomia


36

 Macroeconomia

 Estuda o desempenho global da economia

 É a área da economia que se foca na análise das tendências da economia do


país, lidando com temas como o produto, o crescimento económico, a
inflação, o desemprego e com as políticas (monetárias, orçamentais,…)
associadas a estas variáveis.

 Considera uma perspetiva agregada da economia, distinguindo variados


agentes económicos, nomeadamente famílias/consumidores, empresas,
Estado e Resto do Mundo.

 As raízes da Macroeconomia radicam do trabalho desenvolvido por John


Maynard Keynes (1936)

18
Microeconomia versus Macroeconomia
37

 Não existe conflito ente a Micro e a Macro, apenas uma diferença de


perspetiva:

 A Micro analisa o comportamento de indivíduos e empresas,


assumindo que agregados como o produto nacional ou a taxa de
desemprego se mantêm constantes

 A Macro analisa o comportamento de agregados como o produto


nacional e a taxa de desemprego, ignorando (por simplificação) as
diferenças entre os indivíduos

Curto Prazo versus Longo Prazo


38

 É usual efetuarmos a análise económica tendo em consideração dois


horizontes temporais distintos.

 Curto Prazo: período de tempo relativamente curto no qual algumas


variáveis podem ser ajustadas mas outras permanecem fixas
 Por exemplo, a empresa só pode alterar alguns fatores de produção (por
exemplo, o trabalho); os restantes fatores (por exemplo, capital) são fixos

 Longo prazo: período de tempo suficientemente longo para que todas


as variáveis possam ser ajustadas
 No longo prazo, todas as variáveis podem ser alteradas – por exemplo, a
empresa pode alterar todos os fatores de produção
 Também o progresso tecnológico pode ter lugar no longo prazo

19
Economia Positiva versus Economia Normativa
39

 Economia Positiva
 Descreve os factos de uma economia e como ela funciona,
pretendendo analisar a tomada de decisão dos agentes económicos
 Também tem como objetivo a previsão de como é que a economia
reagirá perante determinadas alterações ou mudanças.
 Exemplo: O facto de o Governo providenciar cuidados de saúde a toda a população
aumenta as suas despesas.

 Economia Normativa
 Produz recomendações que envolvem juízos de valor
 Estuda quais deverão ser os objetivos de uma economia, expressando
valores ou julgamentos morais sobre a economia e quais deveriam ser
os objetivos da política económica
 Exemplo: O Governo deve providenciar cuidados básicos de saúde a toda a
população

Exercício
40

Qual das afirmações seguintes pode ser classificada como economia positiva
ou economia normativa?
a) O dinheiro dos impostos devia ser aplicado no combate à pobreza.
b) Os impostos deviam incidir apenas sobre os cidadãos mais ricos do país.
c) Há uma relação negativa entre inflação e desemprego.
d) O aumento do rendimento dos consumidores faz aumentar a quantidade
procurada de automóveis.
e) A maior preocupação do governo deve ser reduzir o desemprego a zero.
f) A oferta de moeda afeta a inflação.
g) O aumento do salário mínimo faz diminuir o incentivo a trabalhar.
h) O Estado deve responsabilizar-se por assegurar uma educação gratuita
para toda a população.

20
Porque discordam os economistas?
41

 Discordam sobretudo em questões normativas


 Exemplo: devemos ou não limitar as importações?
 A Economia Positiva explica-nos as implicações disso: teremos preços mais
elevados dos bens importados, menos unidades consumidas e
eventualmente maior produção e emprego locais
 As dúvidas surgem quando é necessário decidir se devemos sacrificar o
bem-estar de uns agentes económicos para favorecer outros agentes
económicos (por exemplo, consumidores versus produtores)

 Mas também discordam em questões positivistas


 Porque utilizam modelos diferentes para descrever a economia, seja
por diferente medida seja por diferentes conceções teóricas

42

Exercícios

21
Exercícios – Escolha múltipla
43

1. Uma das definições mais comuns de economia parte da ideia de que:


a) os recursos são escassos face às necessidades da sociedade que são limitadas
b) os recursos são escassos face às necessidades da sociedade que são ilimitadas
c) todos os recursos são limitados menos o recurso tempo que é ilimitado
d) os agentes económicos têm acesso a recursos ilimitados

2. Qual das seguintes afirmações representa uma análise normativa?


a) O preço da carne deveria ser de 10€/kg para assegurar que os produtores têm boas
condições de vida.
b) Quando o preço das bananas aumenta, a quantidade procurada pelos
consumidores diminui.
c) Quando o desemprego aumenta, o poder de compra das famílias diminui
d) Nenhuma das alíneas anteriores está correta.

Exercícios – Escolha múltipla


44

3. O custo de oportunidade é:
a) o valor da melhor alternativa sacrificada quando fazemos uma determinada opção
b) o número de escolhas possíveis para gastar o rendimento disponível
c) uma medida do número de oportunidades existentes para aplicar o rendimento
d) As opções b) e c) estão corretas.

4. Mesmo as políticas públicas têm "custos de oportunidade" o que significa que:


a) será sempre necessário aumentar os impostos
b) devemos gastar todo o orçamento disponível
c) há sempre uma alternativa sacrificada quando se opta por uma certa medida de
política
d) a ação do governo é habitualmente ineficiente

22
Exercícios – Escolha múltipla
45

5. A Economia positiva:
a) estuda a atividade económica e afirma, por exemplo: a taxa de juro subiu 1% e as
pessoas pouparam mais 0.9%.
b) descreve o funcionamento da economia, por exemplo: a taxa de poupança baixou
de 20% para 15% do rendimento
c) emite juízos de valor, por exemplo: o Estado deve tomar medidas de proteção para
com os trabalhadores do Leste a residir em Portugal
d) as alternativas a) e b) estão corretas

6. Relativamente à Microeconomia e à Macroeconomia:


a) A análise dos preços do pão praticados no Porto é feita pela Macroeconomia
b) A análise do desemprego e das políticas económicas necessárias para o diminuir é
feita pela Macroeconomia
c) A Microeconomia estuda o país como um todo, preocupando-se com a dívida
pública, o défice, a inflação e o emprego.
d) Nenhuma das opções anteriores está correta.

Exercícios – Escolha múltipla


46

7. Admita que, em determinada economia, a taxa de natalidade vem sendo sempre


significativamente superior à taxa de mortalidade e que os restantes recursos
produtivos permanecem constantes. Nestas condições, poderemos esperar, ao longo
do tempo:
a) Uma deslocação da FPP para a direita
b) Uma deslocação da FPP para a esquerda
c) A FPP não vai ter nenhuma alteração face à situação inicial.
d) Uma alteração ao longo da FPP

8. A condição ceteris paribus:


a) Implica que a análise do impacto de uma variável deve ser feita assumindo que
todas as restantes variáveis permanecem constantes
b) Impede a análise económica, já que na realidade há várias variáveis que se
alteram.
c) Só é aplicável na análise microeconómica e não à macroeconomia.
d) As alíneas a) e c) estão corretas.

23
Exercícios – Escolha múltipla
47

9. Relativamente às externalidades, podemos afirmar que:

a) Existe uma externalidade positiva quando é gerado, de modo intencional, um


benefício para outro agente económico.

b) Existe uma externalidade negativa quando é gerado, de modo intencional, um


benefício para outro agente económico.

c) Existe uma externalidade positiva quando é gerado, de modo não intencional, um


custo para outro agente económico.

d) Existe uma externalidade negativa quando é gerado, de modo não intencional, um


custo para outro agente económico.

Exercícios – Escolha múltipla


48

10. Quais dos seguintes bens são bens substitutos?


a) Impressora HP e papel para impressora
b) Hambúrguer da McDonald’s e Hambúrguer da Burger King
c) Um automóvel Audi e um sumo Compal
d) Nenhuma das anteriores está correta.

11. A Joana inscreveu-se num curso de informática. O curso é composto por 10 aulas, cada uma
das quais com um custo de 10€. No início de cada aula, a Joana paga o custo dessa aula. A Joana
frequentou 3 aulas, mas percebeu que o curso nada lhe trazia de positivo e que as restantes
aulas também não iam ser relevantes. Mas, dado que já tinha “investido” 30€ nas 3 primeiras
aulas, a Joana não quis “perder o dinheiro” e acabou por fazer as 10 aulas do curso.
a) Numa análise custo-benefício, a Joana tomou a decisão correta.
b) Os 30€ representam custos afundados e não são relevantes para a escolha de continuar ou
não a frequentar o curso.
c) A Joana tem um benefício adicional com as restantes aulas de zero e um custo adicional de
70€.
d) As alíneas b) e c) estão corretas.

24
Exercícios – Escolha múltipla
49

12. Relativamente à “mão invisível” de Adam Smith e às funções do Estado, podemos afirmar
que:
a) Há circunstâncias que justificam a intervenção do Estado na economia.
b) A “mão invisível” assegura que o mercado fornece sempre a solução mais eficiente possível.
c) Entre outras, são funções do Estado a promoção da concorrência e da equidade.
d) As opções a) e c) estão corretas.

13. O Sr. Mário é o dono de um restaurante. O Sr. Mário investiu 2500€ em remodelações no
restaurante. No entanto, os clientes têm sido poucos e, na verdade, ele estima que as suas
receitas sejam de 5000€ e os seus custos sejam de 7000€. Mas o Sr. Mário prefere continuar
com o restaurante aberto pois custa-lhe “perder” todo o dinheiro que investiu nas
remodelações e que não é passível de recuperação.
a) Os 2500€ relativos às remodelações são custos afundados.
b) Os 2500€ relativos às remodelações não são relevantes para a tomada de decisão.
c) Numa análise custo-benefício, o Sr. Mário deve fechar o restaurante.
d) Todas as alíneas estão corretas.

Exercícios – Escolha múltipla


50

14. A Sara e o João conheceram-se quando ambos frequentavam o 10º ano de escolaridade e
namoram desde então. Este ano letivo, a Sara entrou para a faculdade, mas o João optou por
outra via, começando a trabalhar na empresa do Pai. À medida que o semestre ia passando, o
João ia ficando cada vez mais aborrecido com a namorada: ela agora estava sempre ocupada a
estudar as matérias das várias unidades curriculares, em particular Economia, e ele já não
conseguia estar com ela tanto tempo como estava quando andavam ambos no ensino
secundário. A Sara procurava apaziguar o namorado, explicando que a faculdade exigia bastante
mais trabalho do que estavam habituados anteriormente, enfatizando o facto de não existirem
“almoços grátis”. O João não entendia o que ela queria dizer e começava a pensar que ela
gostava cada vez menos dele.
a) A Sara refere que “não há almoços grátis”, o que significa que o João tem de ser mais
compreensivo com ela.
b) O facto de o João concluir que a Sara gosta menos dele do que gostava anteriormente
constitui uma incorreta aplicação da condição Ceteris Paribus.
c) Para a Sara, o João é um custo afundado, uma vez que não lhe permite estudar as várias
unidades curriculares da forma como ela pretende.
d) Nenhuma das opções anteriores está correta.

25
Exercícios – Escolha múltipla
51

15. Qual das seguintes afirmações é verdadeira?

a) O custo de oportunidade do bem X traduz o número de unidades do bem


X que têm de ser sacrificadas para se poder produzir uma unidade adicional
do outro bem.
b) O custo de oportunidade representa o valor da melhor alternativa
disponível quando um agente económico tem que escolher entre duas
opções mutuamente exclusivas.
c) Se o custo relativo do bem X (em relação ao bem Y) é igual a 2, tal significa
que o bem X tem um custo de produção igual a metade do custo de
produção do bem Y.
d) O custo relativo do bem X (em relação ao bem Y) pode ser calculado
dividindo o custo do bem Y pelo custo do bem X, isto é, Cy /Cx.

26