Você está na página 1de 26

Ano Lectivo 2014/2015

Hécate: um estudo inicial

Trabalho realizado para as disciplinas de

História da Grécia Antiga e História das Religiões Grega e Romana,

regida pelo Profº Dr. Nuno Simões Rodrigues

Entregue a: 23 de Janeiro de 2015

Joana Vieira Varela

Nº 46066

Mestrado em História, especialidade de História Antiga


Dos muitos deuses gregos que se conhecem, Hécate é uma das deusas das quais menos se
conhece.

Filha de Astéria e Perses e descendente directa da geração dos Titãs, Hécate é mais
caracterizada pelas suas funções do que pelas lendas em que aparece. Hesíodo, na Teogonia, dá uma
grande importância a Hécate, mostrando os dons que Zeus lhe concede, ainda que ela seja filha
única1. Durante a guerra contra os Gigantes, Hécate lutou ao lado de Zeus e dos deuses do Olimpo,
recebendo também por isso grandes honras23.

Deusa benévola, Hécate adquire as suas características mais negativas a partir do período
clássico4, tornando-se uma deusa mais negra e constantemente ligada a fantasmas 5. A deusa podia
controlá-los para proteger quem a honorasse e lhe pedisse ajuda, mas podia também enviar
daemones para atacar quem achasse que assim o merecia.

Não tendo um mito próprio, esta deusa grega da magia, das encruzilhadas e da noite, estava
ligada a Ártemis e Selene, deusas da lua.

Num dos mitos em que aparece, é relatado o rapto de Perséfone. Esta deusa, que mais tarde se
tornou rainha do Submundo, foi raptada pelo seu tio, Hades. Aquando do rapto, Perséfone teria
gritado por ajuda e apenas Hélio, Hécate e a Deméter a teriam ouvido. Mãe de Perséfone, Deméter
procurou durante nove dias e nove noites pela filha, tendo encontrado Hécate no décimo dia.
Contudo, ela não a pode ajudar pois não teria reconhecido o raptor da jovem, apenas o deus Hélio,
que tudo vê, pode dizer a Deméter o que tinha acontecido. Ao encontrar Perséfone, Hécate, que
tinha acompanhado Deméter na procura da filha, vai acompanhar a jovem deusa ao submundo e
garantir que o acordo feito entre a mãe desta e Hades se cumpra 6.

1
Confira Hesíodo, Teogonia trabalhos e dias, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2005, vv.411-452
2
Vide Paul Hamlyn, ed., New Larousse Encyclopedia of Mythology, London, New York, Sydney, Toronto, 1968,
p.165
3
Para uma análise mais direccionada sobre Hécate na Teogonia, vide Deborah Boedeker, “Hecate: A
Transfunctional Goddess in the Theogony?”. Transactions of the American Philological Association, vol.113,
Baltimore, The Johns Hopkins University Press, 1983, pp. 79-93. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/284004
4
Os arqueólogos do século XIX, através da estratigrafia, criaram uma divisão em três períodos: o arcaico (do século
VIII a.C. a VI a.C.), o clássico (entre o século V a.C. e a 1ª metade do século IV a.C.) e o período helenístico (da 2º
metade do século IV a.C. ao século I d.C.). Mais tarde foram definidos cinco períodos: o minóico, o micénico, o
homérico (ou heróico), o arcaico, o clássico e o helenístico, por fim.
5
Confira Tricia Magalhães Carnevale, Hekate, de deusa ctônica dos atenienses do período clássico à deusa da
feitiçaria no imaginário social do Ocidente. Dissertação de mestrado em História, especialidade de História Política,
apresentada à Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012,p.44. Exemplar policopiado. Disponível
em:
http://www.academia.edu/4932370/Hekate_de_deusa_ct%C3%B4nica_dos_atenienses_do_per%C3%ADodo_cl%C3%
A1ssico_%C3%A0_deusa_da_feiti%C3%A7aria_no_imagin%C3%A1rio_social_do_Ocidente
6
Sobre este mito vide Marília P. Futre Pinheiro, Mitos e Lendas da Grécia Antiga, Lisboa, Clássica Editora, 2011,
p. 269-273
2
Joana Varela
46066
Aquando do rapto de Perséfone, Hécate encontrava-se na sua caverna, sendo que esta se torna
a “personificação da morte no hino – com o rapto de Perséfone e sua descida às entranhas do mundo
– e do útero, da parte maternal, quando a deusa se torna sua protectora, como uma segunda mãe”7.
Hécate adquire assim algumas características maternais, ligadas à protecção dos jovens, sendo por
vezes considerada a “ ‘ foster mother goddess’ of the youth” 8. Esta caverna ou gruta simboliza
também o estado intermediário de Hécate, ou seja, ela não se encontra à superfície nem no
submundo, mas antes num ponto entre estes dois.9

Ligada às fases de transições pelas quais as korae passavam, Hécate atendia aos casamentos e,
como Ártemis, deveria abençoar o casamento e ajudar na passagem da donzela para mulher 10, sendo
este um dos factores de associação das duas deusas acima referidas: “Hecate’s connection to
spectral beings can particularly be derived from her function in the premarital rites of transition for
women: unmarried girls and childless women who died thus, according to Greek ideas,
unsuccessfully, could become menacing ghosts who went about in the entourage of Hecate,
probably because she was responsible for their lot.”11.

Os Oráculos Caldeus identificam-na como ventre da vida, a partir da qual todo o Cosmos foi
criado.12

Uma das versões do mito de Ifigénia 13 pode aqui ter um vínculo dado que, na versão em
causa, quando Ifigénia iria ser morta em sacrifício a Ártemis, a deusa tê-la-ia salvo e
transformando-a na deusa Hécate.

Também a sua ligação aos cães a caracteriza como uma deusa ligada ao nascimento – estes só
foram associados a demónios e às almas inquietas mais tardiamente. No início eram considerados
animais com uma natureza amistosa e carinhosa, um animal que protegia e guardava os seus filhos:
“Hecate’s connection with dogs and dogs sacrifices probably resulted, on one hand, from her role as

7
Vide Leandro Mendonça Barbosa, Representações do ctonismo na cultura grega (séculos VIII-V a.C.), Dissertação
de doutoramento em História, especialidade de História Antiga, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de
Lisboa, Lisboa, 2014, p.501. Exemplar policopiado. Disponível em: http://hdl.handle.net/10451/11696
8
Confira Pierre Grimal, “Hecate”, The dictionary of classical mythology, USA, UK, Australia, Blackwell
Publishing, 1996, p.181
9
Vide Sarah Iles Johnston, Hekate Soteira: A Study of Hekate’s Roles in the Chaldean Oracles and Related
Literature, Atlanta, Georgia, Scholars Press, 1990, p.28
10
Sobre estes ritos de passagem, atente-se no trabalho de idem, “Hecate and the dying maiden”. Restless dead:
encounters between the Dead in Ancient Greece, .Berkeley, Los Angeles, London, University of California Press, 1999,
pp.203-249
11
Vide Hubert Cancik; Helmuth Schneider, ed., Brill’s Encyclopedia of the Ancient World New Pauly, Antiquity
Vol. 6 HAT-JUS, Brill Leiden, Boston, 2005, p.38
12
Confira Sarah Iles Johnston, Restless dead […], p.211
13
Esta versão do mito está presente é contada por vários autores, como por exemplo Estesícoro. Atente-se em
Jennifer Larson, Ancient greek cults: a guide, New York, London, Routledge, 2007, p.166
3
Joana Varela
46066
a birth goddess, on the other hand, at the end of the classical era, the dog was connected with
Hecate’s appearances as a mistress of ghosts, accompanied on her nightly wanderings by a pack of
howling dogs that were seen as the souls of the dead, or were coming as announced by the howling
dogs.”14.

Hécate tinha um papel importante como deusa ligada ao nascimento pois não só
supervisionava a transição de uma alma quando esta saía do corpo, mas também quando entrava
neste.15

Desde a época clássica que Hécate está conectada com fantasmas e daemones16, entidades que
tinham uma “ability to harm or frighten men if they so wished and a nebulous existence between
man god, life and death”. Como estas criaturas costumavam localizar-se nas encruzilhadas, Hécate é
por excelência a deusa que os gere e guia, quando possível. Todos os que não fazem a passagem
ficam no Limbo e vagueiam pelo mundo com a deusa.

Além da conotação com as encruzilhadas, estes espíritos estavam também associados à lua
pois, segundo a visão de Plutarco que Sarah Johnston desenvolve, a lua seria a sua casa, quer isto
dizer, a lua tinha uma natureza dividida (tanto terrena como celestial) e também os daemones a
tinham, e eram também eles que permitiam a ligação entre os domínios da terra e do céu. 17 Assim,
como Hécate possuía estas mesmas características, é facilmente compreensível o porquê da união
de todas estas características numa só figura de uma deusa.

Contudo, e tal como os outros deuses gregos, Hécate dava e tirava, isto é, todos os deuses têm
uma vertente positiva e uma vertente negativa: “Like all divinities, Hecate can take away what she
gives. Perhaps women who try to avert Hecate in some other fragments from Sophron are also
concerned with protecting a parturient woman and her infant.”.18

14
Confira Hubert Cancik; Helmuth Schneider, ed., op.cit., pp.38-39
15
Para um maior desenvolvimento no tema de Hécate como deusa ligada ao nascimento, vide Sarah Iles Johnston,
Hekate Soteira […], p.23 n.8, apud Fritz Graf, Nordionische Kulte, Rome, [s.n.], 1995, p.257; Theodor Kraus, Hekate:
studien zu wesen und Bild der Göttin in Kleinasien und Griechenland, Heidelberg, Winter, 1960, p.86; Erwin Rohde,
Psyche: The cult of Souls and Belief in Immortality among the Greeks. Translation by W.B. Hillis. London, English Ed.,
1925, p.322
16
Ainda que existam diferenças entre as almas desencarnadas e as entidades chamadas daemones, para este estudo
serão considerados como espíritos com características muito semelhantes. Para uma confrontação de vários autores
antigos e a sua caracterização destes seres, vide Sarah Iles Johnston, Hekate Soteira […], pp.36-37
17
Recupere-se o entendimento de Idem, ibidem, pp.34-35
18
Vide Sarah Iles Johnston, Restless dead […], p.212
4
Joana Varela
46066
Terá sido devido às suas características mais maternais que esta deusa vinda, provavelmente
da Cária (Ásia Menor), chegou ao panteão dos deuses gregos: “on a votive relief from imperial
Phrygia, which shows two young boys, a mother prays to Hecate for help with her children” 19.

Num dos seus templos, em Lagina, é visível um fresco que mostra como Hécate teria ajudado
a proteger o deus Zeus em bebé, ao apresentar uma pedra disfarçada deste deus a Cronos, enquanto
outra figura feminina levaria o bebé para longe. 20

Ainda que esta seja a única evidência do envolvimento de Hécate neste nascimento, podemos
talvez ligar esta versão do mito à importância que Zeus, na Teogonia de Hesíodo, mostra à deusa
que o protegeu.

As crianças eram elementos da família aos quais era dada uma maior atenção devido às taxas
de mortalidade, tendo-se encontrado vestígios de hekataia21 à porta de casas, que serviriam para
invocar a protecção de Hécate22. Sarah Johnston propõe que se estas estátuas tinham como função
proteger os elementos mais jovens das famílias, então poderiam estar em qualquer sítio da oikos. Se
estão à porta, segunda a autora e sua avaliação de Aristófanes, “their location at the entrances to the
houses, as Aristophanes describes, was directly related to their kourotrophic23 potency24”.

Deusa ligada às encruzilhadas e às entradas, como já foi referido, está também ligada aos
lugares de transição e aos ritos de transição. Os dois últimos acabam por estar interligados como um
só através da deusa que com eles se identifica: podemos observar uma correlação entre a passagem
da mulher virgem a mãe, que precisaria da ajuda de Hécate para se proteger contra fantasmas
vingativos (por exemplo de mulheres que tivessem morrido antes do seu tempo), com a sua ligação
às almas inquietas e aos outros fantasmas que entrariam em contacto com a deusa nos pontos
liminares. Estas almas inquietas poderiam causar loucura ou terrores nocturnos, daí talvez a ligação
da deusa aos cultos mistéricos pois uma das coisas que seria prometida era exactamente a cura da
loucura.25

19
Idem, Ibidem, p.213
20
Vide Sarah Iles Johnston, Restless dead[…], p.213
21
Hekataia são estátuas ou santuários em honra de Hécate, que eram erigidas principalmente em encruzilhadas
(lugar onde se poderia encontrar a deusa) ou à porta das casas gregas. Para um maior desenvolvimento sobre este tema,
vide Idem, ibidem, pp.60-61
22
Vide Idem, ibidem, p.214
23
“Kourotrophos, the goddess concerned with the nurture of children”, Idem, ibidem, p.52
24
Idem, ibidem, p.214
25
Confira Hubert Cancik; Helmuth Schneider, ed.,op.cit.,p.39
5
Joana Varela
46066
Ainda que maioritariamente considerada uma deusa virgem (talvez pela sua ligação a
Ártemis), Hécate é tida como mãe de Circe, Medeia e ainda Absirto26, por Diodoro Sículo 27 (ou
Diodoro da Sicília) na sua obra Bibliotheca (4.45.2-3), como visível em seguida:

“Indeed, they say that Helios had two sons, Aeëtes and Perses.

Of these, Aeëtes was king of Colchis, and the other of the Tauric land,

and both excelled in cruelty.

Perses had a daughter, Hecate, who was superior to her father

in daring and lawlessness. […]

After this, she [i.e. Hecate] married Aeëtes and bore two daughters,

Circe and Medea, and also a son, Aegialeus.”28

Enquanto que Diodoro faz destas três mulheres mãe e filhas, Hesíodo, na Teogonia, apresenta
uma genealogia diferente, na qual identifica Circe como filha de Perseida e do deus Hélio, irmã de
Eetes, e tia de Medeia, filha de Eetes e Idia. Hécate, como já foi referido, é filha de Astéria e
Perses29. O facto de nesta última obra Hécate ser vista como uma deusa virgem pode também ser
alusivo ao facto de os gregos considerarem que uma mulher sob o efeito do amor e da influência de
Afrodite seria uma mulher que não controlava os seus desejos e podia voltar-se para a magia e ser
influenciada por estes deuses.

É fácil perceber o porquê da ligação destas três mulheres: as três feiticeiras, são o arquétipo
que representa as mulheres que dominam a magia e os venenos, sendo a elas que se recorre ao
querer fazer algum feitiço.

26
Aegialeus é uma alternativa do nome Absirto (Absyrtus ou Apsyrtus). Este era, segundo alguns autores, meio-
irmão da feiticeira Medeia, e, numa das versões do mito dos Argonautas, teria sido morto por ela. Nesta versão, Medeia
e Absirto são filhos de Eetes e este, ao ver os pedaços do filho mutilado, recolheu-os, dando assim tempo a Jasão para
levar o velo de ouro e a Medeia para a Grécia. Noutra versão do mito, Absirto tinha sido enviado pelo seu pai Eetes para
procurar e trazer para casa Medeia e ela tê-lo-ia morto num templo de Ártemis.
27
Segundo a Encyclopedia Britannica, “Diodorus Siculus, (flourished 1st century B.C., Agyrium,, Sicily),Greek
historian, the author of a universal history, Bibliothēkē (“Library”; known in Latin as Bibliotheca historica), that ranged
from the age of mythology to 60 B:C.. Para mais informações sobre este autor, vide
http://www.britannica.com/EBchecked/topic/164108/Diodorus-Siculus;
28
Confira Evelien Bracke, Of metis and magic: The Conceptual Transformations of Circe and Medea in Ancient
Greek Poetry, Dissertação de doutoramento em Ancient Classics, apresentada à National University of Ireland,
Maynooth, 2009, pp.42-43. Exemplar policopiado. Disponível em:
http://eprints.maynoothuniversity.ie/2255/1/e_bracke_thesis.pdf
29
Vide Hesíodo, Teogonia trabalhos e dias, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2005, vv.956-962
6
Joana Varela
46066
Por exemplo, Teócrito escreve, no Idílio 2, a história da jovem Simeta, apaixonada por Délfis,
que já não a visita há doze dias. Ela decide então fazer um feitiço que o atraia, chamando a deusa
Hécate e pedindo para que a magia que está fazer seja tão ou mais forte que as grandes feiticeiras
como Circe, Medeia e Perimede: “Eu te saúdo, Hécate [que infundes] o terror [e o pânico em quem
te olha]. Assiste-me [neste transe] até ao fim e torna as minhas bruxarias mais eficazes que as de
Circe, ou de Medeia ou da loira Perimede”.

Mas não só a estas feiticeiras estão presentes nas preces de Simeta, também Selene é
invocada: “Tu, porém, Selene resplandece em [toda a tua] claridade… Sem dúvida, é a ti, Selene,
que, em voz baixa, vou dirigir os meus feitiços, ó deusa, e a Hécate, divindade ctónica (…)” 30. Gow
na sua análise da obra de Teócrito refere que “the second vocative probably indicates that Selene is
summoned not merely to light Simaetha but to obey her spells (…)”.

Já os “male lovers address their prayers to the sun, female to the moon, but the moon may
also be invoked as the celestial aspect of Hecate (…)31.

São especialmente as jovens mulheres que recorrem a Hécate pois esta é uma deusa que está
presente nos três grandes momentos da vida da mulher: desde o seu nascimento ao seu casamento e
à sua morte onde, com o deus Hermes 32, acompanha a alma no seu caminho até ao submundo,
levando consigo duas tochas que iluminam o caminho.

Variadamente representada com estas tochas, Hécate é chamada “bringer of light 33, com o
epíteto “Phosphoros”34, trazendo não só “light in the form of burning torches but also the light of
knowledge or insight”35.

Nas páginas seguintes são apresentadas algumas imagens que mostram tanto uma visão
contemporânea de Hécate, como a forma como a deusa era representada na época clássica e greco-
romana:

30
Vide Nuno Simões Rodrigues. Traduções portuguesas de Teócrito, Lisboa, Universitária Editora, 2000, p.57
31
Confira A.S.F. Gow, ed. Theocritus, New York, Cambridge University Press, vol.1, 1973, p.38
32
Enquanto deus que acompanha os mortos na sua passagem, o Hermes é caracterizado pelo termo “psicopompo”.
As figuras psicopompas são entidades cuja função é guiar outro ser, neste caso ajudar a alma a atravessar para o
submundo. Na literatura grega existem várias figuras que se enquadram neste panorama: Caronte, o próprio deus Hades,
o cão Cerebero, Hermes e Hécate. Sobre este assunto vide: Sarah Iles Johnston, Restless dead[…], p.15, pp.73-74
33
Vide Kathleen Granville Damiani, Sophia: exile and return, Dissertação de doutoramento em Interdisciplinary
Humanities, com especialização em Philosophy, apresentada à Graduate School of the Union Institute, Ohio, 1997,
p.73. Disponível em:
http://api.ning.com/files/v85E*VTkKRgSgZMwJSkPbq3T82WZWiQPdXuLx7o3cCxjuJbX7xRujYukt9qBFABQ9Gm
bFGhm-SLN4h4AUOj46Dro7UMjyI72/SophiaExileandReturn.pdf
34
Sarah Iles Johnston, op.cit., p.206
35
Confira Shelly M. Nixon, Hekate: Bringer of Light, California, California Institute of Integral Studies, [s.d.], p.8.
Disponível em: http://coastline.files.wordpress.com/2013/12/hekate.pdf
7
Joana Varela
46066
Figura 1 - “Ribbed black-glaze jug (oinochoe). Greek, about 350-
Figura 2 – “Hecate”. Imagem retirada de: 300 BC, Made in Athens, Greece; from Capua in Campania, Italy.
Encyclopædia Britannica Online, Here the female figure with her whirling drapery, snaking ringlets
http://www.britannica.com/EBchecked/m and ecstatic gaze dances up to the flaming altar with a lighted
edia/142408/The-triple-formed-Hecate- torch flaring in each hand. The vigour and movement of her pose
wood-engraving and drapery contrast with the stiff, three-headed cult statue on the
column to the right of the altar. The goddess or priestess is
modelled in added clay, and was originally fully gilded. Against
the black surface of the vase she stands out as though magically
illuminated in the darkness of the night.” Imagem e legenda
retiradas de:
http://www.britishmuseum.org/explore/highlights/highlight_object
s/gr/r/ribbed_black-glaze_jug.aspx

Figura 4 - “The Night-Hag Visiting Lapland Witches, by


Henry Fuseli (Swiss, Zürich 1741–1825 London). It
Figura 3 - "Hecate and her dogs. 2011", de illustrates a passage from "Paradise Lost," II (622–666)
Barahona Possollo. Imagem e legenda retiradas de: in which the hellhounds surrounding Sin are compared
to those who "follow the night-hag when, called, / In
https://dl.dropboxusercontent.com/u/2176344/KP20 secret, riding through the air she comes, Lured with the
13/gallery/201109.jpg smell of infant blood, to dance / With Lapland witches,
while the laboring moon Eclipses at their charms."
"Night-hag" is an epithet of the Greek goddess Hecate,
who presided over witchcraft and magical rites.”
Imagem e legenda retiradas de: 8
Joana Varela http://www.metmuseum.org/collection/the-collection-
online/search/436423
46066
Figura 5 - "Adaptation of a Greek statue of about Figura 6 - "Marble statuette of triple-bodied Hekate
425 B.C. attributed to Alkamenes. Imperial, 1st– and the three Graces. Late Hellenistic, 1st–2nd
2nd century A.D.”. Imagem e legenda retiradas century A.D.”. Imagem e legenda retiradas de:
de: http://www.metmuseum.org/collection/the- http://www.metmuseum.org/collection/the-
collection-online/search/255108 collection-online/search/255881

Figura 7 – “Registre supérieur : Triple HECATE (= trois figures


drapées, coiffées d'un polos, debout de face) entre un buste de MEN
sur un socle, son croissant de lune dépassant de ses épaules, et un
buste de DEMETER, sur un socle, la tête surmontée d'épis de blé.
Au-dessus, au centre, buste de ZEUS (cheveux longs, barbe,
himation) surmonté d'un buste d'HELIOS (couronne radiée,
vêtement retenu par une agrafe sur la poitrine). A dr. du buste de
Zeus, une étoile et un croissant de lune; à sa g., une étoile et une
inscription. Registre inférieur: bustes des DEFUNTS. Entre les
deux registres et sous le registre inférieur : inscriptions” Imagem e
legenda retiradas de: http://www.limc-france.fr/objet/6179

Na figura 3 observamos um quadro de um pintor contemporâneo que representa Hécate com a


sua tocha e os seus cães, que anunciavam a sua presença, aqui representados sob a forma de
homens. É possível também associar esta imagem dos cães com forma humana às almas que
caminhavam com Hécate no limbo, as almas que não faziam a passagem e ficavam ao serviço de
Hécate, como se verá mais à frente neste estudo inicial.
9
Joana Varela
46066
As figuras 5 e 6 representam uma visão tríplice da deusa Hécate: a menina, a mulher jovem e
a mulher madura, mais velha e sábia. Por vezes, esta tríada é identificada com Perséfone, Ártemis e
Hécate, ou ainda Selene, Ártemis e Hécate36, sendo estas três deusas identificadas com lua, cada
uma com uma fase diferente: Selene a lua crescente, Ártemis a lua cheia e Hécate, a lua nova e
escura, fazendo já a conexão às características mais negras e negativas da deusa: “When the moon
is dark, there is Hecate. She brings light, but not the light of welcome. From the dark side of the
moon, she brought somas, progenitor of sometimes –indeed often- unwelcome truth”37.

Também Marija Gimbutas refere esta situação, mas com uma visão mais negra: “Artemis and
Hekate are one, a lunar goddess of the live cycle, the other at the end; one young, pure and
beautiful, connected with young life, and the other gruesome, connected with death” 38.

Hécate estaria também ligada à lua devido ao seu papel de intermediária, pois a própria lua
estaria no éter, no espaço entre os céus e a terra, e era essencial para a mediação. A lua era atribuída
a Hécate por ser “the portion of the universe that most suited her”.39

Segundo John Roberts, a partir de 430 a.C. tornaram-se mais frequentes as imagens de Hécate
como as das figuras 5 e 6, onde a deusa aparece representada com três corpos que significariam as
encruzilhadas onde muitas vezes se encontrava e onde eram maioritariamente feitos os sacrifícios
em sua honra40. Pierre Grimal, entre outros autores, apoia também esta hipótese da deusa Hécate em
três figuras41.

Pausânias atribui a Alcâmenes a criação destas imagens triformes: “It was Alcamenes, in my
opinion, who first made three images of Hecate attached to one another, a figure called by the
Athenians Epipurgidia (on the tower)”42.

Leandro Barbosa expõe claramente o papel de Hécate: “é a deusa trifuncional, seja por seus
atributos lunares, mas também pelas suas próprias funções de deusa. Hécate é a soberana: a que
rege pelos reis e juízes de tribunais; é também uma divindade da força física, pois está junto aos

36
Vide Hubert Cancik; Helmuth Schneider, ed., op.cit.,p.39
37
Confira David Leeming, Jake Page, Goddess: myths of the female, New York, Oxford University Press, 1994,
p.152
38
Atente-se no estudo de Marija Gimbutas, The language of the goddess: unearthing the hidden symbols of western
civilization, San Francisco, Harper & Raw Publishers, 1989
39
Vide Sarah Iles Johnston, Hekate Soteira […], p.33 passim
40
Vide John Roberts, ed., The Oxford Dictionary of the Classical World, Oxford, Oxford University Press, 2005,
p.326
41
Atente-se em Walter Burkert, Religião grega na época clássica e arcaica, Lisboa, Fundação Calouste
Gulbenkian, 1993, pp.335-336
42
Confira T.E Page, ed., Pausanias: description of Greece, translation by W.H.S. Jones, I volume, Cambridge,
Massachusetts, Harvard University Press, 1959. Book II – Corinth, XXIX – XXX . 3
10
Joana Varela
46066
guerreiros, atletas e cavaleiros; ainda é a deusa fertilizadora – e este é um caráter indo-europeu, que
possivelmente remete a uma deidade antiga e poderosa – que provém os alimentos, ligada aos
pescadores e aos criadores de animais, nutrindo os jovens” 43.

Hécate é representada, como é visível nas figuras 5, 6 e 7 com um tocado alto e coroas radiais
e, durante a época romana, começa a ser mais representada com serpentes e facas, como visível na
figura 1, elementos estes mais ligados à prática da magia.

Na figura 7, temos também a presença da deusa Hécate tríplice, mas desta vez as três formas
da deusa encontram-se lado a lado na estela funerária. Zeus marca também presença, com Hermes
para acompanhar, com Hécate, as almas dos defuntos, que se encontram representados na zona
inferior da estela, até ao mundo inferior. É visível uma lua que pode ser vista como a lua crescente
ou minguante, contudo autores apresentam a possibilidade de esta representar a lua crescente
identificada com Selene44.

Claudina Romero Mayorga descreve este tipo de estela: “En estos relieves suele aparecer el
retrato del fallecido y en otro registro, la figura de Hécate en su triple forma, pero no como si de un
hecateum se tratara, sino como tres figuras sucessivas representadas una al lado de la otra, sin la
menor existencia de espacio. En estos casos, las figuras aparecen vestidas con una larga túnica y sus
cabezas se hallan tocadas con un polos. Flanqueando sus cuerpos, hallamos divinidades secundarias
que representan la Luna y el Sol. 45” Como podemos observar, esta descrição está de acordo com a
estela da figura 7.

O papel de Hécate como guia ou divindade que servia como intermediário desenvolveu-se
46
cada vez mais a partir da sua associação à “cosmic soul” , que acabava por ter funções
semelhantes. A “cosmic soul” era então um intermediário entre os dois mundos: vários autores
utilizam esta visão de Platão como elemento presente na sua literatura, tornando-a uma figura
criativa e de aspecto transmissivo, ligada a uma reminiscência do feminino.

43
Vide Leandro Mendonça Barbosa, op.cit., p.498
44
Atente-se no estudo de Claudina Romero Mayorga, Aproximación a la Iconografía de Hécate: Magia,
Superstición y Muerte en la Sociedad Romana, [s.l.], [s.d.], pp.3-4. Disponível em:
http://www.academia.edu/3664471/Aproximaci%C3%B3n_a_la_Iconograf%C3%ADa_de_H%C3%A9cate_Magia_Su
perstici%C3%B3n_y_Muerte_en_la_Sociedad_Romana
45
Idem, Ibidem, p.6
46
Sarah Iles Johsnston resume bastante coerentemente uma definição do que se pode caracterizar como esta “cosmic
soul”: “the Soul sits at the center of, yet encloses, the Cosmos, thereby representing the threshold between the Sensible
World (to which the term “Cosmos” regularly refers in philosophical literature) and the Intelligible World. It is
composed of and contains unifies opposing principles that are essential to the functioning of the Cosmos. (…) Finally, it
is a constituent and thus partial source of the human soul, which also includes mortal instruments.”. Sarah Iles Johnston,
Hekate Soteira:[…], p.15. Para um maior desenvolvimento sobre este estudo, vide Idem, Ibidem, pp.14-20 e pp.49-70
11
Joana Varela
46066
Fortemente cultuada em Lagina, Hécate estava ligada à “procissão da chave” que se realizava
anualmente nesta cidade. Sarah Johnston propõe que este ritual inclui, no fim, uma abertura de
portões que estaria relacionada com a habilidade desta deusa poder fechar os portões e proteger a
cidade ou abri-los para que esta recebesse influências benéficas47.

A posse da chave era algo visto como símbolo de algum poder, sendo comummente associado
à senhora da casa48. Pode também significar a chave para outros domínios, como por exemplo,
“Aeacus held the keys to Hades”49. Na vertente de Hécate, esta deusa teria as chaves que abriam as
portas do Hades, para onde guiaria as almas.

Durante a procissão em Lagina, a sacerdotisa de Hécate levaria consigo uma chave, ainda que
alguns autores refiram que seria apenas uma chave do templo, a maior concorda que esta seria uma
metáfora para a chave da deusa e, como tal, expressava a sua natureza.50

É importante frisar que os “key-holders establish and retain the liminal points and boundaries
that structure space—their keys ‘close doors’.”51 Hécate podia permitir a passagem das almas ou
podia “fechar-lhes as portas” e obrigá-las a ficar com ela no limbo, às suas ordens.

Este ritual poderia ainda estar ligado à visão grega mais tardia de Hécate como guardiã de
passagens e entradas, onde muitas vezes se encontravam as hekataia, como já foi mencionado.

Poder-se-á assumir que a sua ligação às entradas estivesse ligada à sua função como deusa da
cidade na Cária52, sendo que esta vertente atravessou a Grécia apenas na sua função protectora de
entradas, não tanto como deusa protectora da cidade, possivelmente devido ao facto de esta vertente
já estar ocupada por outras deusas como Atena e Hera, entre outros.53

Os mitos antigos que a ligam à Cária trazem consigo uma visão desta deusa ligada à Deusa-
Mãe “Earth (γαĩα) for Hecate seems to mean the human world, befitting her role among kings,
warriors, horse-men, and herdsmen. On sea (θάλασσα), she is goddess of fisher-men.”, como
Hesíodo a classifica na Teogonia.

47
Vide Sarah Iles Johnston, Restless dead […], p.206
48
Vide Sarah Iles Johnston, Hekate Soteira […], p.40
49
Idem, ibidem, p.41 n.25
50
Idem, ibidem, p.42
51
Idem, ibidem, p.47
52
Confira Marija Gimbutas, The Gods and Goddesses of Old Europe: 7000 to 3500 BC. Myths, legends and cult
images, Berkeley, Los Angeles, University of California Press, 1974, p. 197
53
Vide Sarah Iles Johnston, Restless dead […], p.207
12
Joana Varela
46066
Patricia Marquardt vai contra esta visão da ligação antiga de Hécate à deusa Mãe e à Terra-
Mãe, dizendo que a deusa grega teria adquirido estas características através do seu sincretismo com
Ártemis e não com os mitos da deusa Mãe, mais primitivos, e ligados a natureza54.

Já Panagiotis Dellis identifica a Terra, o Submundo e a Lua com Ártemis, Hécate e Selene,
respectivamente, unindo a Hécate tríplice mais tardia a esta visão, sendo que esta deusa é o elo que
une o submundo, a terra e o céu55.

Hécate pode-se ligar também ao deus Apolo pois um dos epítetos deste deus é Hékatos e
Hécate seria o seu feminino, assim como Ártemis 56.

O próprio Apolo deveria estar ligado às entradas e na sua vertente de Apolo Agyieus está
ligado aos caminhos e estradas57. Também no templo de Mileto de Apollo Delphinius Hécate está
representada, como protectora de entradas. 58

Enódia era também um epíteto concedido a Hécate, sendo que inicialmente esta seria uma
deusa distinta que acabou por sofrer um processo de sincretismo com Hécate. “Enódia” expressa
particularmente a sua ligação às encruzilhadas, dado que o próprio nome significa “na estrada”59,
mas especialmente a ligação de três estradas60.

Esta deusa com origem na Tessália estava também ligada a nascimentos e à protecção de
entradas, o que reforça a conexão à deusa Hécate. 61 Terá sido também através da ligação de Hécate
a Enódia que a deusa grega terá adquirido as suas características mágicas e ligadas à feitiçaria. 62

O seu papel como deusa ligada à magia está intimamente ligado com o seu papel de senhora
de daemones, pois estes eram as suas ferramentas, sendo que muitos dos actos mágicos dependiam
deles. Contudo, há que ter em mente que, mesmo sendo eles que agiam, só o faziam em nome de
Hécate e com o controlo desta.63 Foi a ligação a estas entidades que maioritariamente associou a

54
Confira Patricia A. Marquardt, “A portrait of Hecate”. The American Journal of Philology, Vol. 102, Nº 3, USA;
The Johns Hopkins University Press, Autumn, 1981, p.258. Disponível em http://www.jstor.org/stable/294128
55
Vide Panagiotis Dellis, Artémis Hécate sélène: Dans les mythes et les rites, Université Paul Valéry, Montpellier,
1999, p.33. Disponível em:
http://www.academia.edu/4882080/Art%C3%A9mis_H%C3%A9cate_S%C3%A9l%C3%A8n%C3%A9_dans_les_Myt
hes_et_les_Rites
56
Vide Leandro Mendonça Barbosa, op.cit., p.493
57
Confira Sarah Iles Johnston, Hekate Soteira […], p.21
58
Retome Patricia A. Marquardt, op.cit., p. 251
59
Atente-se no estudo de Tricia Magalhães Carnevale, op.cit., pp.34-35
60
Vide Sarah Iles Johnston, op.cit., pp.23-24
61
Vide Hubert Cancik; Helmuth Schneider, ed., op.cit., p.39
62
Confira Patricia A. Marquardt, op.cit., p.252
63
Sobre este assunto, vide o que afirma Sarah Iles Johnston, op.cit., pp.144-145
13
Joana Varela
46066
deusa à bruxaria: eram elas que permitiam à deusa ajudar os teurgistas a acederem ao reino
celestial.

É possível também associar a Hécate aos deuses egípcios, seja a Ísis devido à sua forte ligação
à magia, a Heket dado o seu papel no auxílio de nascimentos, a Anúbis pela sua ligação ao
submundo ou ainda à deusa Maet (ou Maat) que tinha, como Hécate nos Oráculos Caldeus, uma
vertente teúrgica e cosmológica.

No caso de Ísis, esta grande deusa está intimamente ligada à magia pelo principal mito que a
inclui, no qual a deusa salva o marido e irmão Osíris 64. É através da magia que Ísis consegue
conceber, dando à luz Hórus e adquirindo assim características maternais e uma associação directa
com crianças e jovens. 65

Meta E. Williams afirma que “Isis was queen of the Gods, the Great Lady, and also Mistress
of Words of Power, Goddess of Spells and Weaver of Spells, and Hecate is nothing more than a title
of Isis personified”66.

Contudo, eu não concordo com a opinião desta autora pois, com bases nos estudos de outros
autores já referidos ao longo deste trabalho, Hécate é uma divindade que, a surgir a partir de outra
seria da deusa Enódia, pois a maior dúvida que se coloca relativamente a estas duas deusas, Enódia
e Hécate, é qual seria a primeira a ter as características que hoje conhecemos, ou seja, foi a partir de
um sincretismo com a deusa Enódia que Hécate se tornou uma deusa ligada aos nascimentos e à
feitiçaria ou será que Enódia é que adquiriu os atributos de deusa ligada a crianças e ao parto? Por
enquanto os historiadores dividem-se com opiniões variadas67.

Já Heket era uma deusa representada comummente com forma de rã, símbolo de vida e
ressurreição68. Associada a nascimentos, esta era uma das deusas que auxiliava nos partos e cuidava
tanto da criança como da parturiente. Ao lado do deus Khnum, é vista como deusa protectora, a
deusa que devolve a vida ao deus Osíris 69: “the lifegiving powers of Heket enabled her to be

64
Este mito está relatado na obra De Iside et Osiride, de Plutarco.
65
Vide Cláudia Monte Farias, “Ísis”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de Luís Manuel de Araújo. 1ªedição,
Lisboa, Editorial Caminho, 2001, pp.452-453
66
Confira Meta E. Williams, “Hecate in Egypt”. Folklore, Vol. 53, Nº 2 (Jun., 1942), UK, Taylor & Francis Ldt,
p.112. Disponível em http://www.jstor.org/stable/1257561
67
Para uma maior discussão sobre este tema vide, por exemplo, William Berg, “Hecate: Greek or “Anatolian?” ”.
Numen, Vol. 21, Fasc. 2, UK, Brill, 1974, pp. 128-140. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/3269561
68
Vide Meta E. Williams, op.cit., p.112
69
Vide Luís Manuel de Araújo, “Heket”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de […]. 1ªedição, Lisboa, Editorial
Caminho, 2001, p.411
14
Joana Varela
46066
adopted as a benign deity fit to accompany Osiris”.70 Não sendo uma deusa ligada a feiticeiras ou à
magia, é pouco ou nada conhecida fora do Egipto, tendo uma posição muito menor no panteão de
deuses egípcios em comparação com Ísis. 71

Deus com nome semelhante à deusa em estudo, Heka merece também ser aqui mencionado
pois ele “embodies the concept of magical power and energy” 72.

No Livro dos Mortos, é relatado que os falecidos teriam o poder de Heka para se protegerem e
neutralizarem perigos que poderiam existir no submundo.73 Observamos claramente uma ligação à
visão mais tardia de Hécate como senhora dos fantasmas e daemones.

No entanto, apesar das características comuns entre estes deuses, Hécate é maioritariamente
associada ao deus Anúbis. Deus ligado aos mortos, Anúbis é representado por um cão negro
selvagem (ou por um chacal), sendo que se pode desde já fazer a possível ligação aos cães de
Hécate que anunciavam a chegada da deusa. Era este deus que realizava o embalsamento e protegia
a múmia e o seu túmulo. Já na época greco-romana Anúbis tornou-se uma “divindade cósmica,
reinando sobre a terra e o mar”, tal como Hécate que tem poderes sobre a terra, o mar e os céus
como divindade celestial. 74

Por fim, nesta conotação com os deuses egípcios podemos ainda relacionar Hécate como a
“cosmic soul” dos Oráculos Caldeus com a deusa Maet. Esta deusa representa o conceito que lhe dá
o nome, sendo um símbolo da filosofia egípcia a nível sociológico, ideológico e cosmológico. 75
Hécate como “cosmic soul” tinha três grandes funções: “transmitter of the Ideas and thereby
structurer of the physical world; dividing bond between the Intelligible and Sensible Worlds; source
of individuals souls and enlivener of the physical world of man” 76, tal como a Maet era a “ordem
cósmica e social”77.

70
Confira George Hart, “Heket”, The Routledge Dictionary of Egyptian Gods and Goddesses. 2nd edition, New
York, Routledge, 2005, p.67. Disponível em http://obinfonet.ro/docs/relig/egipt/egyptgods.pdf
71
Vide Meta E. Williams, op.cit., p.112
72
Vide George Hart, op.cit., p.66
73
Vide Idem, ibidem, pp.66-67
74
Confira Malgorzata Kot Acúrcio, “Anúbis”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de Luís Manuel de Araújo.
1ªedição, Lisboa, Editorial Caminho, 2001, pp.80-81
75
Atente-se no estudo de Luís Manuel de Araújo, “Maet”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de […]. 1ªedição,
Lisboa, Editorial Caminho, 2001, pp.524-536
76
Vide Sarah Iles Johnston, Hekate Soteira […], p.49
77
Retome-se o que diz Luís Manuel de Araújo, op.cit., pp.528-530
15
Joana Varela
46066
Voltando à perspectiva grega, desde o século IV a.C. que Hécate Ctónica, isto é, do
submundo, e Hermes Ctónico (psicopompo) estão representados em tabuletas de maldições, que
teriam como função amarrar e neutralizar oponente do criador da tabuinha78.

Vejamos como exemplo: “Hermes of the Underworld and Hekate of the Underworld. Let
Pherenikos be bound before Hermes of the Underworld and Hekate of the Underworld. I bind
Pherenikos’s (girl) Galênê to Hermes of the Underworld and to Hekate of the Underworld I bind
(her). And just as this lead is worthless and cold, so let that man and his property be worthless and
cold, and those who are with him who have spoken and counseled concerning me.” 79

Para apaziguar e conseguir o auxílio desta deusa tardiamente identificada com a magia,
poções, ervas e não só, eram feitas variadas oferendas e utilizados vários symbola na realização de
feitiços.

Uma das oferendas mais comuns era as sobras de alimentos que eram deixados nas
encruzilhadas em sua honra. Shelly Nixon coloca a possibilidade destas oferendas estarem ligadas a
um antigo culto de fertilidade e a um ciclo de morte e renascimento 80.

Podemos fazer uma ligação entre este ciclo e o facto de Hécate poder conceder peixe em
abundância ou poder fazer o gado definhar, ou seja, ela tinha uma vertente ctónica e rural81.

Estas oferendas eram maioritariamente feitas durante as noites de lua cheia., sendo que além
das sobras de alimentos, eram oferecidos bolos decorados com tochas miniaturas acesas, salmonete
e cachorros, especialmente os pretos82. Já outros autores dizem que estas oferendas seriam feitas
durante a lua nova, isto é, na passagem do mês antigo para o novo 83.

Era nestes momentos de passagem que a deusa se tornava presente, pois era nos “interstices
between safely defined territories (home, sanctuary, city) and times (new and old month) that
dangerous spirits were emboldened to attack the unwary”84. O seu poder derivava então do seu
controlo sobre estes espíritos.

78
Vide Jennifer Larson, ibidem, p.167
79
A este propósito tenha-se em conta John G. Gager, Curse tablets and Binding Spells from the Ancient World, New
York, Oxford University Press, 1992, pp.126-127
80
Atente em Shelly M. Nixon, op.cit., p.12
81
Vide Leandro Mendonça Barbosa, op.cit., p.492
82
Vide John Roberts, ed., op.cit., p.326
83
Confira Sarah Iles Johnston, Hekate Soteira […], p.26
84
Vide Jennifer Larson, op.cit., p.166
16
Joana Varela
46066
Concluindo, este trabalho tinha como objectivo mostrar um estudo inicial sobre a deusa grega
Hécate, para ser mais aprofundado num projecto de maior envergadura.

Com um papel importante na Teogonia de Hesíodo, percebemos que Hécate é inicialmente,


uma deusa benéfica com características maternais, ligada a Perséfone e Deméter, com domínio
sobre a terra, o mar e os céus, devido às honras que Zeus lhe concedeu, talvez devido ao seu auxílio
durante a guerra contra os gigantes ou talvez ainda devido à sua presença no desenrolar do
nascimento deste deus e à protecção que lhe concedeu.

Protectora dos jovens e das mulheres enquanto deusa ligada ao nascimento e aos ritos de
transição, foi sincretizada com Ártemis em algumas circunstâncias, e protegia as mulheres de
fantasmas vingativos.

Ao ser associada com as almas perdidas e sendo vista como guia destas, Hécate tornou-se
também “mistress of the moon”, senhora da lua, ser intermediário que podia atravessar reinos.
Acompanhada por uma matilha de cães, os uivos destes anunciavam a presença da deusa,
principalmente em encruzilhadas.

Representada como deusa tríplice, Hécate, devido às suas características lunares, foi
frequentemente associada com Ártemis e Selene, e com estas deusas, a cada fase da lua,
respectivamente a lua nova, a lua cheia e a lua crescente.

A partir do período clássico foi identificada com feitiçaria, associação que se manteve até aos
nossos dias, principalmente devido ao seu uso em várias peças, como por exemplo Medeia, de
Eurípides ou o Idílio 2 de Teócrito.

A sua ligação à feitiçaria deriva possivelmente da sua origem na Cária e do seu provável
sincretismo com a deusa Enódia, também ela deusa ligada à magia, feitiços, poções, entre outros.

Um dos seus maiores templos situava-se em Lagina, onde um ritual ligado a chaves se
realizava, reintroduzindo a temática de Hécate como guardiã de entradas e passagens, como a
senhora que poderia abrir as portas do Hades.

Acompanhada por tochas, Hécate guiava as almas e, aquelas que não atravessassem,
tornavam-se parte do seu séquito, almas que mais tarde seriam utilizadas para responder e agir no
seu nome. Honrava-se esta deusa com oferendas como comida e sacrifícios de animais,
principalmente cães pretos.

17
Joana Varela
46066
A sua ligação a cultos do feminino deriva das suas características como deusa virgem e
mulher protectora de mulheres.

Com uma possível correlação com os deuses egípcios, e não só, observámos que os panteões
têm em comum figuras com características muito semelhantes, vertente esta que terá um maior
desenvolvimento num futuro trabalho, onde será tratado com maior expressão as origens de Hécate
e como esta se tornou uma deusa do panteão grego.

Finalmente, este trabalho deixa em suspenso perguntas sobre Hécate, como donde será
verdadeiramente esta deusa, terá sido idealizada a partir de outras deusas ou terá sido ela a transferir
características, perguntas estas que espero poder vir a obter algumas respostas através do estudo de
mais textos e passagens referentes a Hécate.

18
Joana Varela
46066
FONTES E BIBLIOGRAFIA:

I. FONTES:

1. Fontes Impressas:

HESÍODO

Teogonia trabalhos e dias, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2005

PAGE, T.E, ed.,

Pausanias: description of Greece, translation by W.H.S. Jones, I volume, Cambridge,


Massachusetts, Harvard University Press, 1959. Book II – Corinth, XXIX – XXX

RODRIGUES, Nuno Simões

Traduções portuguesas de Teócrito, Lisboa, Universitária Editora, 2000, pp.55-65

2. Fontes Iconográficas:

http://www.britannica.com/EBchecked/media/142408/The-triple-formed-Hecate-wood-
engraving [Consultado a 11.12.2014]

http://www.britishmuseum.org/explore/highlights/highlight_objects/gr/r/ribbed_black-
glaze_jug.aspx [Consultado a 11.12.2014]

http://www.limc-france.fr/objet/6179 [Consultado a 11.12.2014]

https://dl.dropboxusercontent.com/u/2176344/KP2013/gallery/201109.jpg [Consultado a
11.12.2014]

http://www.metmuseum.org/collection/the-collection-online/search/436423 [Consultado a
11.12.2014]

http://www.metmuseum.org/collection/the-collection-online/search/255108 [Consultado a
11.12.2014]

http://www.metmuseum.org/collection/the-collection-online/search/255881 [Consultado a
11.12.2014]

II. BIBLIOGRAFIA:

19
Joana Varela
46066
1. Bibliografia Geral:

1.1 Obras de Referência:

ACÚRCIO, Malgorzata Kot

“Anúbis”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de Luís Manuel de Araújo. 1ªedição,


Lisboa, Editorial Caminho, 2001, pp. 80-81

ARAÚJO, Luís Manuel de

“Época greco-romana”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de […]. 1ªedição, Lisboa,


Editorial Caminho, 2001, pp.323-324

IDEM

“Heket”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de […]. 1ªedição, Lisboa, Editorial Caminho,
2001, p.411

IDEM

“Maet”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de […]. 1ªedição, Lisboa, Editorial Caminho,
2001, pp.524-536

FARIAS, Cláudia Monte

“Ísis”, Dicionário do Antigo Egipto. Direcção de Luís Manuel de Araújo. 1ªedição, Lisboa,
Editorial Caminho, 2001, pp. 452-453

GRIMAL, Pierre

“Hecate”, The dictionary of classical mythology, USA, UK, Australia, Blackwell Publishing,
1996

HART, George

“Heket”, The Routledge Dictionary of Egyptian Gods and Goddesses. 2nd edition, New York,
Routledge, 2005, p.67. Disponível em http://obinfonet.ro/docs/relig/egipt/egyptgods.pdf

ROBERTS, John, ed.

“Hecatē”, The Oxford Dictionary of the Classical World, Oxford, Oxford University Press,
2005
20
Joana Varela
46066
1.2 Referências electrónicas:

http://www.britannica.com/EBchecked/topic/164108/Diodorus-Siculus

1.3 Obras Gerais

CANCIK, Hubert; SCHNEIDER, Helmuth, ed.

Brill’s Encyclopedia of the Ancient World New Pauly, Antiquity Vol. 6 HAT-JUS, Brill
Leiden, Boston, 2005

HAMLYN, Paul Hamlyn, ed.

New Larousse Encyclopedia of Mythology, London, New York, Sydney, Toronto, 1968

2. Bibliografia específica:

BARBOSA, Leandro Mendonça

Representações do ctonismo na cultura grega (séculos VIII-V a.C.), Dissertação de


doutoramento em História, especialidade de História Antiga, apresentada à Faculdade de Letras da
Universidade de Lisboa, Lisboa, 2014. Exemplar policopiado. Disponível em:
http://hdl.handle.net/10451/11696

BERG, William

“Hecate: Greek or “Anatolian?” ”. Numen, Vol. 21, Fasc. 2, UK, Brill, 1974, pp. 128-140.
Disponível em: http://www.jstor.org/stable/3269561

BOEDEKER, Deborah

“Hecate: A Transfunctional Goddess in the Theogony?”. Transactions of the American


Philological Association, vol.113, Baltimore, The Johns Hopkins University Press, 1983, pp. 79-93.
Disponível em: http://www.jstor.org/stable/284004

BRACKE, Evelien

Of metis and magic: The Conceptual Transformations of Circe and Medea in Ancient Greek
Poetry, Dissertação de doutoramento em Ancient Classics, apresentada à National University of
Ireland, Maynooth, 2009. Exemplar policopiado. Disponível em:
http://eprints.maynoothuniversity.ie/2255/1/e_bracke_thesis.pdf

21
Joana Varela
46066
BURKERT, Walter

Religião grega na época clássica e arcaica, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1993

CARNEVALE, Tricia Magalhães

Hekate, de deusa ctônica dos atenienses do período clássico à deusa da feitiçaria no


imaginário social do Ocidente. Dissertação de mestrado em História, especialidade de História
Política, apresentada à Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012,p.44.
Exemplar policopiado. Disponível em:
http://www.academia.edu/4932370/Hekate_de_deusa_ct%C3%B4nica_dos_atenienses_do_per%C3
%ADodo_cl%C3%A1ssico_%C3%A0_deusa_da_feiti%C3%A7aria_no_imagin%C3%A1rio_socia
l_do_Ocidente

DAMIANI, Kathleen Granville

Sophia: exile and return, Dissertação de doutoramento em Interdisciplinary Humanities, com


especialização em Philosophy, apresentada à Graduate School of the Union Institute, Ohio, 1997,
p.73. Disponível em:
http://api.ning.com/files/v85E*VTkKRgSgZMwJSkPbq3T82WZWiQPdXuLx7o3cCxjuJbX7xRuj
Yukt9qBFABQ9GmbFGhm-SLN4h4AUOj46Dro7UMjyI72/SophiaExileandReturn.pdf

DELLIS, Panagiotis

Artémis Hécate sélène: Dans les mythes et les rites, Université Paul Valéry, Montpellier,
1999. Disponível em:
http://www.academia.edu/4882080/Art%C3%A9mis_H%C3%A9cate_S%C3%A9l%C3%A8n%C3
%A9_dans_les_Mythes_et_les_Rites

DUNCAN, Anne

“Spellbinding performance: poet as witch in Theocritus’ second Idyll and Apollonius’


Argonautica”, Helios, OBERHELMAN, Steven M. ed., vol.28, nº1, Texas, Texas Tech University
Press, 2001, pp.43-56. Disponível em:
http://digitalcommons.unl.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1083&context=classicsfacpub

GAGER, John G.

Curse tablets and Binding Spells from the Ancient World, New York, Oxford University
Press, 1992
22
Joana Varela
46066
GIMBUTAS, Marija

The Gods and Goddesses of Old Europe: 7000 to 3500 BC. Myths, legends and cult images,
Berkeley, Los Angeles, University of California Press, 1974

IDEM

The language of the goddess: unearthing the hidden symbols of western civilization, San
Francisco, Harper & Raw Publishers, 1989

GOW, A.S.F., ed.

Theocritus, New York, Cambridge University Press, vol.1, 1973

HUSAIN, Shahrukh

Divindades Femininas: criação, fertilidade e abundância, a supremacia da mulher, mitos e


arquétipos. Köln, Evergreen,2001

JOHNSTON, Sarah Iles

Hekate Soteira: A Study of Hekate’s Roles in the Chaldean Oracles and Related Literature,
Atlanta, Georgia, Scholars Press, 1990

IDEM

Restless dead: encounters between the Dead in Ancient Greece, Berkeley, Los Angeles,
London, University of California Press, 1999

IDEM, ed.

Religions of the ancient world: a guide, Cambridge, The Belknap Press of Harvard University
Press, 2004

IDEM,

Ancient Greek Divination, UK, Wiley-Blackwell, 2008

LAMBERT, Michael,

“Desperate Simaetha: gender and power in Theocritus, Idyll 2”, Acta Classica, HILTON, J. L.
ed., vol.45, South Africa, 2002, pp.71-88. Disponível em: http://www.casa-kvsa.org.za/2002/AC45-
04-Lambert.pdf
23
Joana Varela
46066
LARSON, Jennifer Larson

Ancient greek cults: a guide, New York, London, Routledge, 2007

LEEMING, David Leeming; PAGE, Jake

Goddess: myths of the female, New York, Oxford University Press, 1994

LEFKOWITZ, Mary R.

Women in Greek Myth, 2nd edition, London, Duckworth, 2007

LUCK, Georg

Ancient pathways and hidden pursuits: religion, morals, and magic in the ancient world,
USA, The University of Michigan Press, 2000

MARQUARDT, Patricia A.

“A portrait of Hecate”. The American Journal of Philology, Vol. 102, Nº 3, USA; The Johns
Hopkins University Press, Autumn, 1981, pp.243-260. Disponível em
http://www.jstor.org/stable/294128

MAYORGA, Claudina Romero

Aproximación a la Iconografía de Hécate: Magia, Superstición y Muerte en la Sociedad


Romana, [s.l.], [s.d.]. Disponível em:
http://www.academia.edu/3664471/Aproximaci%C3%B3n_a_la_Iconograf%C3%ADa_de_H%C3
%A9cate_Magia_Superstici%C3%B3n_y_Muerte_en_la_Sociedad_Romana

NIXON, Shelly M.

Hekate: Bringer of Light, California, California Institute of Integral Studies, [s.d.], p.8.
Disponível em: http://coastline.files.wordpress.com/2013/12/hekate.pdf

OGDEN, Daniel,

Greek and Roman Necromancy, New Jersey, Princeton University Press, 2001

IDEM

A companion to greek religion, USA, UK, Australia, Blackwell Publishing, 2007

24
Joana Varela
46066
PEREIRA, Maria Helena da Rocha

Estudos de História da Cultura Clássica I volume – Cultura Grega, 11ª edição revista e
actualizada, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2012

PETROPOULOU, Maria-Zoe

Animal sacrifice in Ancient Greek Religion, Judaism, and Christianity, 100BC to AD200,
Oxford, New York, Oxford University Press, 2008, pp.32-106

PINHEIRO, Marília P. Futre

Mitos e Lendas da Grécia Antiga, Lisboa, Clássica Editora, 2011, p. 269-273

RODRIGUES, Nuno Simões

“Medeia, a deusa solar. Releitura de uma velha problemática”, O sol greco-romano,


coordenação de FIALHO Maria do Céu, D’ENCARNAÇÃO, José, ALVAR, Jaime; Coimbra,
Universidade de Coimbra, Universidad Carlos III, 2008, pp.31-42. Disponível em:
http://hdl.handle.net/10451/3100

SARIAN, Haiganuch

“Hécate Duplo de Ártemis: uma interpretação da cratera ática de Toronto”, Boletim do CPA,
nº 4, [s.n.], Campinas, jul./dez. 1997, pp.15-22. Disponível em:
http://www.ifch.unicamp.br/cpa/boletim/boletim04/02sarian.pdf

SILVA, Cláudia Raquel Cravo da

Magia Erótica e Arte Poética no Idílio 2 de Teócrito. -Dissertação de Doutoramento em


Estudos Clássicos (área de especialização em Literatura Grega), apresentada à Faculdade de Letras
da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2008. Exemplar policopiado. Disponível em:
http://hdl.handle.net/10316/7538

STRATTON, Kimberly

“Magic Discourse in the Ancient World”. Defining magic: a reader. OTTO, Bernd-Christian,
STAUSBERG, Michael, ed., UK, USA, Equinox Publishing, 2012. Disponível em:
https://www.academia.edu/2361516/Magic_Discourse_in_the_Ancient_World

25
Joana Varela
46066
STRATTON, Kimberly; KALLERES, Dayna S., ed.

Daughters of Hecate: Women and Magic in the Ancient World, New York, Oxford University
Press, 2014

WILLIAMS, Meta E.

“Hecate in Egypt”. Folklore, Vol. 53, Nº 2 (Jun., 1942), UK, Taylor & Francis Ldt, p.112.
Disponível em http://www.jstor.org/stable/1257561

26
Joana Varela
46066