Você está na página 1de 6

EFÉSIOS 1.

1-6 / A FAMÍLIA DE DEUS

1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus por vontade de Deus, aos santos que vivem em Éfeso e
fiéis em Cristo Jesus,
2 graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.
3 Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda
sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo,
4 assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e
irrepreensíveis perante ele; e em amor
5 nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o
beneplácito de sua vontade,
6 para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, (ARA)

INTRODUÇÃO

- Pai que bate em filha e mulher/ alcoólatra/ ameaças constantes

- O pecado atua em todas as áreas e na área familiar seus efeitos se fazem muito visíveis:

• Problemas familiares recorrentes: falta de diálogo e interação; filho único mimado por
pais inconsequentes; estrutura machista de subjugação e opressão.
• MP denuncia mulher por matar filha bebê a marretadas e atear fogo ao corpo em
Goiânia (14/03/19 – G1)
• Adolescente mata pai a golpes de facão e marreta para defender mãe de agressão, na
PB (05/12/18 – G1)
• Maioria dos casos de violência sexual contra crianças e adolescentes ocorre em casa;
notificações aumentaram 83% (29/06/18 – G1)
• Um a cada três casamentos termina em divórcio no Brasil (09/01/18 – Veja)

PROPOSIÇÃO GERAL: Deus forma uma família para si e a abençoa.

- O que Efésios nos fala?

1. A maior necessidade e milagre dos homens é por salvação! Não carros, motos, vida luxuosa,
cursos bacanas e roupas caras. Não namorados, melhores amigos e paixões. Precisamos da
salvação para que sejamos libertos dos ídolos. Somente o Evangelho é poderoso para salvar
homens caídos em pecados, derrotados por si próprios e por Satanás. Nada promove uma
transformação mais radical no ser humano que a vivificação que Espírito Santo faz brotar na
alma do ser humano. Precisamos sempre trazer à mente o Evangelho da graça!
* Carta paulina pastoral - Paulo está preso (60 d.C)
* Carta doutrinária (proclamativa e evangelística) - não polêmica, não apologética - capítulo 1-3
* Carta paulina ápice - linguagem, formato e conteúdo ("bênçãos celestiais em Cristo" - 5x/
"mistério" - 6x) / Efésios: igreja plantada por Áquila e Priscila e firmada por Paulo/3ª viagem mis.

2. O que as cidades precisam é do agir soberano e salvador de Deus. É Deus quem no meio de
um povo idólatra, caído e pecador, toma para si homens e mulheres e lhe dão uma nova
identidade - a de filhos de Deus. O que Recife, Natal, São Paulo e João Pessoa precisa, em última
instância, é da redenção do Senhor Jesus e do agir poderoso do Espírito Santo na alma dos
homens. Deus edifica uma família multirracional e multigeracional para si no meio da velha
sociedade. A partir disso, amamos e valorizamos a igreja!
* Éfeso: cidade portuária e comercial
* Éfeso: dotada de cultos e religiões - deusa Diana (templo maior que o Paternon de Atenas)
* Éfeso: centro cultural e filosófico (comparada a Alexandria, no Egito)

3. Vida e doutrina são inerentes entre si; nunca se desligam. A prática cristã deve permear todas
as esferas de vivência humana. O Evangelho deve ser exalado de forma tal na vida do salvo que
sua vida deve ser o Evangelho tomando forma e se desenhando em cada atitude.
* Cap. 4-6
* Relacionamentos: sociais, familiares e luta espiritual
* Irradiação do Evangelho em todas as áreas da vida

1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus por vontade de Deus, aos santos que vivem em Éfeso e
fiéis em Cristo Jesus, 2 graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor
Jesus Cristo.

Ilustração: fundamentos de um prédio alto e imponente / árvores altas, raízes imensas

I) OS FUNDAMENTOS DA FAMÍLIA DE DEUS – VV.1-2


A) A autoridade da Igreja (v.1)
A.1 Apostólica – “apóstolo de Cristo Jesus”
1. Diretamente convocados por Jesus – testemunha do Cristo ressurreto
2. Exclusivamente atuantes na base da igreja
3. Apóstolo: “enviado”

A.2 Divina – “por vontade de Deus”

B) Os distintivos da Igreja (v.2)


B.1 Os santos em Cristo
1. Separados/diferentes e consagrados (dedicados inteiramente) por Deus
2. Unidos a Cristo (união mística – participantes da natureza divina)
3. Dupla natureza (velho homem; novo homem)

B.2 Os fiéis
1. Confiantes na pessoa de Jesus (o que ele diz ser, o que Ele é: filho de Deus)
2. Confiantes na obra do Messias (“Cristo Jesus”)

C) Os benefícios da Igreja (v.2)


C.1 Graça – a causa dos benefícios do Evangelho
1. Benefício imerecido
2. Benefício contínuo (início, meio e fim da caminhada cristã)
3. Causadora de tudo (eleição, regeneração, justificação, santificação e glorif.)

C.2 Paz – a consequência dos benefícios do Evangelho


1. Expressão judaica conhecida
2. Paz com Deus (reconciliação = “nosso Pai”)
3. Paz de Deus Pai e Deus Filho
APLICAÇÃO: Sobre ser família de Deus

B.1 Ser cristão não é tomar uma decisão meramente. É termos uma identidade firme em Jesus
– independente de circunstâncias, obrigações culturais e aplausos humanos! A identidade dos
Filhos de Deus encontra-se guardada no próprio Deus. A identidade que ganhamos não depende
de nós mesmos, nem dos outros. Quem nos separa, nos consagra e nos chama de santos é o
próprio Deus. Pecadores e indignos, mas amados pelo Criador. Não somos mais o que o
relacionamento fracassado diz que somos; não somos o que nossa bancária diz que somos; não
somos as altas ou baixas notas dizem que somos; não somos o que os aplausos dizem que
somos; não somos o que o nosso histórico familiar diz que somos. Somos o que Deus diz que
somos: santos, separados, consagrados por Deus. No cerne desta identidade, está a luta contra
o pecado, o amor e zelo pelas coisas de Deus (por sua Palavra, seus atributos e sua obra na Cruz
do calvário).

B.2 Se a identidade que temos está firme em Cristo, nosso compromisso último é com Cristo.
Nossa obediência última não é à ordem da cultura ao nosso redor. Nossa obediência última é a
Cristo – pois nele confiamos, a Ele, portanto, somos fiéis. O cristão é um bicho estranho: “vive
em Éfeso”, “está ligado a Cristo” e é “fiel a Cristo”. O “ser cristão” equivale a confiar em Jesus
Cristo, na sua perfeita obra que paga nossos pecados e, assim, obedecer-lhe em todos os
aspectos da nossa vida. Portanto, estejamos no trabalho, sejamos fiéis. Estejamos na faculdade,
sejamos fiéis. Abramos nossas redes sociais, sejamos fiéis. Tiremos férias e aproveitemos tempo
livre de descanso, sejamos fiéis. Se por Deus somos separados eternamente, sejamos
eternamente fiéis ao nosso salvador.

C.1 Somos libertos da necessidade exacerbada de sermos notados. Não precisamos provar aos
outros que somos bons. Nós não somos, por nós mesmos, bons, perfeitos e belos diante de
Deus. Mas somos amados e abençoados graciosamente por Deus. Deus já nos notou, nos amou,
mesmo sem merecermos, recebemos vida por causa do sangue de Jesus jorrando na Cruz.
Fomos aprovados diante de Deus por causa da graça de Jesus derramada sobre nós. Qual maior
aprovação que esta podemos obter?

C.2 A identidade que Deus nos livra da busca frenética por encontrarmos satisfação pessoal nas
coisas ou pessoas. Não são contatinhos, não são festas, não é o sexo por sexo, não é nada disso!
A paz de Jesus é a única coisa que preenche o homem por inteiro e não deixa brecha alguma
sem seu amor e sua graça. O cristão, por participar da natureza divina e ser ligado a Cristo,
encontra satisfação e paz profunda na pessoa de Jesus – não nos prazeres fúteis que o pecado
oferta. A paz que Jesus nos oferta está acima dos prazeres carnais que podemos ganhar. A paz
que Deus oferta, através de Jesus, é atemporal e supramaterial. Não se limita ao tempo nem ao
que temos em mãos no momento.

3 Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda
sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo,

II) AS BÊNÇÃOS DA FAMÍLIA DE DEUS – VV.3-6


A) Gerais: todas as bênçãos celestiais – motivo de louvor (v.3)
A.1 Divinas: procedem da filiação eterna
1. Partem da filiação eterna: Pai de nosso Senhor Jesus Cristo
2. Partem do sublime amor entre o Pai o Filho: “Deus de Jesus Cristo”
3. A superioridade da Aliança com o Filho (Abraão, Isaque, Davi, Jesus)
A.2 Superiores: espiritualmente evangélicas
1. Ilimitadas em extensão: toda sorte de bênção
2. Ilimitadas em profundidade/significado: bênção espiritual

A.3 Celestiais: produzem dupla identidade no cristã


1. “Regiões celestiais” – 5x na carta
2. Esfera em que o Cristo ressurreto está
3. Cristo é quem possibilita todas as bênçãos que recebemos
4. Identidade celestial: nEle, já somos o que seremos em plenitude

4 assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e
irrepreensíveis perante ele; e em amor

B) Específica: eleição soberana (v.4)


B.1 O autor da eleição: Deus, o Pai
B.2 O tempo da eleição: antes de todas as coisas
B.3 O agente da eleição: nele, Jesus Cristo
B.4 O objeto da eleição: os filhos de Deus
B.5 O propósito da eleição: piedade diante de Deus (irrepreensíveis = amomos)

5 nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o
beneplácito de sua vontade, 6 para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu
gratuitamente no Amado,

C) Específica: adoção divina/patria potestas (v.5-6)


C.1 Livremente: segundo o beneplácito de sua vontade
1. Deus é autossuficiente (não se move por algo fora de si)
2. Deus é perfeito (não se move por tendências e equívocos)

C.2 Graciosamente: nos concedeu gratuitamente


C.3 Amorosamente: em amor (ágape) / no Amado (somos amados pois estamos no
Amado)
1. Amor divino/puro
2. Amor perfeito
3. Amor altruísta

C.4 Gloriosamente: para o louvor da glória de sua graça


1. A salvação não tem um fim último em nós
2. A salvação é para a glória de Deus

APLICAÇÃO: Sobre as bênçãos por ser família de Deus

A – Não precisamos mais andar em buscas neuróticas por bens materiais a fim de nos
satisfazermos. Talvez tenhamos andados demais por caminhos pavimentados com nossos
interesses egocêntricos. Devemos saber que esse não é o estilo de vida que nos leva à presença
do Pai – onde há satisfação, alegria e prazer constantes. Em Cristo, e somente em Cristo temos
tudo que necessitamos: a graça. A graça do Senhor nos basta. Cristão, olhe para as bênçãos que
o Senhor derramou sobre você. Olhe para a graça bendita do Deus tripessoal que, pela Cruz,
comprou nossa salvação e garantiu os tesouros celestiais mais preciosos para nós.
Contextualização cultural : consumismo/busca pelo ter para ser (valor simbólico – Pierre
Bourdier)/narcisismo

As bênçãos do Senhor são divinas: não partem do homem falho, que decepciona e se altera, são
poderosas, satisfazem, preenchem e abundam em nossa alma. Não dependemos de coisas, a
presença de Deus garantida por Jesus a nós nos basta! As bênçãos do Senhor são superiores:
são muitas e profundas. Invejaremos o quê deste mundo que seja comparável às doces bênçãos
superiores do Senhor? As bênçãos do Senhor são celestiais! Não se perdem e não se desgastam.
Antes, nos dotam de sentido e nos direcionam à glória de Deus, a fim de que nós louvemos e
adoremos ao Senhor com tudo que somos e temos.

B) A bênção da eleição corta o nervo do orgulho! Se somos eleitos, não somos eleitos por nós
mesmos. Afinal, Deus só pode ser movido por si próprio. Não podemos viver orgulhosos diante
da doutrina da eleição! A eleição parte de Deus e não depende de nós. A eleição partiu de Deus
quando sequer havíamos chegado à existência, quando sequer o universo e as galáxias houvesse
sido formados. Quando Cristo morreu, Cristo já estava ligado a nós. A salvação não ganha forma
prática por causa dos nossos atos ou por algo que tenhamos feito para Deus. A salvação tem um
agente, e esse agente não somos nós – é Jesus Cristo. A eleição garante que, por causa da
pregação do Evangelho, ouviremos a voz do Senhor nos chamando e atenderemos.

A bênção da eleição corta o nervo do pecado! Se somos eleitos, não somos eleitos para vivermos
uma vida cheia de pecados. Você se diz eleito? Mostre-me suas obras. Você pratica obras de
alguém que exala o bom perfume do senhor Jesus Cristo? O propósito da eleição é nos levar a
uma vida que glorifica a Deus por espelhar o Seu caráter na prática. Somos alvos da eleição
divina para que vivemos de forma digna e honrável diante do próprio Deus. A responsabilidade
de alguém que é eleito é imensa: ser irrepreensível não apenas diante de homens e mulheres,
mas, sim, do próprio Deus. Ser irrepreensível é fazer da sua própria vida (e dela inteira) um culto
diante de Deus. Se você não sente prazer na santidade, não sinta prazer na eleição.

C) A bênção da adoção nos dá um pai! Um pai que nos ama de forma livre, não forçada. Um pai
que não faz joguinhos, antes, adota livremente. Um pai que não some por muito tempo e
reaparece para dar uma mesada. Um Pai que disciplina na medida correta. Um Pai que não
abusa; antes, cuida, zela e ama. Deus não somente é nosso juiz, é também nosso advogado e
Pai. O Criador se torna nosso Pai, cheio de graça, amor e misericórdia.

O tipo de amor com que o Pai nos ama é incondicional, não há nada em nós que faça Deus nos
amar mais ou menos. Não temos nada a oferecer a Deus; Ele sabe bem disso. Mas decidiu
graciosamente nos amar. Isto nos ensina com qual amor devemos amar o próximo. O amor que
vence os interesses próprios, o amor que se dedica ao próximo, o amor que tem prazer em
servir. Não é o amor que antes de amar verifica conta bancária, diplomas ou moradia. É o amor
que ama para transformar. Amor que ama para agir positivamente na vida do próximo. Esse
deve ser o amor que flui do cristão. Quão falhos temos sido nessa tarefa?

O amor nos abraça para que abracemos uma realidade maior: a glória de Deus. O amor de Deus
nos beija para que louvemos a Deus. O amor nos ama para que amemos e adoremos ao Senhor.
A salvação é como um vai-e-volta, começa na pessoa de Deus e termina na pessoa de Deus. A
finalidade última da salvação é glorificar a Deus acima de todas as coisas. Não, não é trazer glória
para nós. A salvação nos liberta dessa necessidade de glória e honra e nos leva a glorificar a Deus
em tudo.
CONCLUSÃO
- Deus é o Pai que forma uma família para si, cuida e zela! Altera nosso senso acerca do que
somos e temos;
- Somos santos e fiéis, peregrinos neste mundo, cidadãos da pátria eterna, confiantes na obra
vicária de Jesus, que perdoa os pecados do homem – com uma identidade bem definida;
- Temos bênçãos eternas, divinas e gloriosas. Não necessitamos invejar o que o mundo tem ou
consegue: a obra de Cristo na cruz basta para termos tudo que necessitamos;
- Deleite-se sempre no plano perfeito de Deus para unir sua família e glorificar seu santo nome;
- Chamado ao arrependimento e à fé!