Você está na página 1de 21

Sistemas Estruturais - Concreto

Universidade Paulista
Prof. Jefferson Rosa
Aula 06
Efeito do vento em edificações
NBR 6123/88 – Forças devidas ao vento em edificações e Apostila Prof.
Zacarias

Sistemas Estruturais - Concreto 1


Objetivos
❑ Conceituar vento e seus efeitos em edificações,
❑ Apresentar conceitos básicos da NBR 6123 e
❑ Calcular pressão dinâmica do vento.

Sistemas Estruturais - Concreto 2


Vento
• Fenômeno meteorológico gerado pelo movimento das
massas de ar na atmosfera. Diferença de pressão
gerada na atmosfera, influenciada pela mudança de
temperatura e vapor d’água.
• Movimento de rotação, translação, fatores externos
(umidade, evapotranspiração, etc).
• Obstáculos.

Sistemas Estruturais - Concreto 3


Vento
• Efeitos na direção vertical e efeitos na direção
horizontal.
• Edificações estão sujeitas a cargas horizontais
provocadas pelo vento sendo que as edificações altas
e esbeltas tendem a sofrer mais com esse tipo de
esforço.

Sistemas Estruturais - Concreto 4


Sistemas Estruturais - Concreto 5
Vento
• Os efeitos do vento nas
edificações são a
combinação de pressão
positiva, pressão negativa ou
sucção e esforços de fricção.
• Pressão positiva
• Pressão negativa
• Fricção

Sistemas Estruturais - Concreto 6


NBR 6123
• As considerações para • Quando a edificação, seja por
determinação das forças suas dimensões e ou forma,
devidas ao vento são regidas e provoque perturbações
calculadas de acordo com a importantes no escoamento
NBR 6123/1988. ou por obstáculos na sua
• Muitos casos não são vizinhança, deve-se recorrer a
considerados dentro da NBR ensaios em túnel de vento,
6123. onde possam ser simuladas as
características do vento
natural.
Sistemas Estruturais - Concreto 7
Túnel de vento
Sistemas Estruturais - Concreto 8
Conceitos
• É importante definir alguns dos aspectos que regem as forças
devidas ao vento, antes de passar a seu cálculo.

Região onde o vento sopra Região oposta de onde o


(em relação à edificação) vento sopra
Sistemas Estruturais - Concreto 9
Conceitos
• O vento sempre atua perpendicularmente a superfície que
obstrui sua passagem.
Pressão efetiva acima da Pressão efetiva abaixo da
pressão atmosférica de pressão atmosférica de
referência (sinal positivo) referência (sinal negativo)

Sistemas Estruturais - Concreto 10


Conceitos
• Um valor positivo para F indica que esta força atua para o
interior, e um valor negativo indica que esta força atua para o
exterior da edificação.

Sistemas Estruturais - Concreto 11


Cálculo
• Os cálculos são determinados a partir de velocidades básicas
determinadas experimentalmente em torres de medição de
ventos, e de acordo com a NBR 6123 a 10 metros de altura,
em campo aberto e plano.
• A velocidade básica do vento é uma rajada de três segundos
de duração, que ultrapassa em média esse valor uma vez em
50 anos, e se define por 𝑉0 .

Sistemas Estruturais - Concreto 12


Cálculo
• Isopletas

Sistemas Estruturais - Concreto 13


Cálculo
• Essas velocidades foram processadas estatisticamente, com
base nos valores de velocidades máximas anuais medidas em
cerca de 49 cidades brasileiras.
• Desprezadas velocidades inferiores a 30 m/s.
• Consideração: vento atua em qualquer sentido e na direção
horizontal.

Sistemas Estruturais - Concreto 14


Cálculo
• A velocidade básica do vento 𝑉0 é multiplicada pelos fatores
𝑆1 , 𝑆2 e 𝑆3 para ser obtida a velocidade característica do
vento.
𝑉𝑘 = 𝑉𝑜 ∙ 𝑆1 ∙ 𝑆2 ∙ 𝑆3 (𝑚Τ𝑠)
Onde:
𝑆1 = fator topográfico
𝑆2 = fator de rugosidade e dimensões da edificação
𝑆3 = fator estatístico
Sistemas Estruturais - Concreto 15
Fator Topográfico S1
Terreno plano ou fracamente 𝑆1 = 1,0
acidentado
Taludes e morros
𝜃 ≤ 3°; 𝑆1 = 1,0
𝑧
Onde z é a altura total da 6° ≤ 𝜃 ≤ 17°; 𝑆1(𝑧) = 1,0 + 2,5 − 𝑡𝑔(𝜃 − 3°) ≥ 1
𝑑
edificação (até a 𝑧
𝜃 ≥ 45°; 𝑆1 𝑧 = 1,0 + 2,5 − 0,31 ≥ 1
cumeeira). 𝑑
𝐼𝑛𝑡𝑒𝑟𝑝𝑜𝑙𝑎𝑟 𝑙𝑖𝑛𝑒𝑎𝑟𝑚𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑝𝑎𝑟𝑎 3° < 𝜃 < 6° 𝑒 17° < 𝜃 < 45°

Vales profundos, protegidos de


vento em qualquer direção 𝑆1 = 0,9

Sistemas Estruturais - Concreto 16


Categorias de Rugosidade do Terreno
Categoria I Mar calmo, lagos e rios, pântanos sem vegetação
Categoria II Zonas costeiras planas, campos de aviação, pradarias, fazendas sem muros
Categoria III Casas de campo, fazendas com muros, subúrbios, com altura média dos
obstáculos de 3,0m
Categoria IV Cidades pequenas, subúrbios densamente construídos, áreas industriais
desenvolvidas, com altura média dos obstáculos de 10,0m
Categoria V Florestas com árvores altas, centros de grandes cidades, complexos
industriais bem desenvolvidos com altura média igual ou superior a 25,0m
Classe da Edificação
Classe A Todas as unidades de vedação, seus elementos de fixação e peças
individuais de estruturas sem vedação. Toda edificação na qual a maior
dimensão horizontal ou vertical não exceda 20 m.
Classe B Toda edificação ou parte de edificação para a qual a maior dimensão
horizontal ou vertical esteja entre 20 m e 50 m.
Classe C Toda edificação ou parte de edificação para a qual a maior dimensão
horizontal ou vertical exceda 50 m.
Sistemas Estruturais - Concreto 17
𝑆2 é determinado definindo uma categoria (rugosidade do terreno) e uma
classe de acordo com as dimensões da edificação. Onde z é a altura total da
𝑧 𝑝 edificação (até a
𝑆2 = 𝑏 ∙ 𝐹𝑟 cumeeira).
10
Classes
Categoria Parâmetros
A B C
b 1,10 1,11 1,12
I
p 0,06 0,065 0,07
b 1,00 1,00 1,00
II Fr 1,00 0,98 0,95
p 0,085 0,09 0,10
b 0,94 0,94 0,93
III
p 0,10 0,105 0,115
b 0,86 0,85 0,84
IV
p 0,12 0,125 0,135
b 0,74 0,73 0,71
V
p 0,15 0,16 0,175
Sistemas Estruturais - Concreto 18
Fator Estatístico – S3
Grupo 1 Edificações cuja ruína total ou parcial pode afetar a segurança ou
possibilidade de socorro a pessoas após uma tempestade destrutiva
𝑆3 = 1,10
(hospitais, quartéis de bombeiros e de forças de segurança, centrais
de comunicação, etc.)
Grupo 2 Edificações para hotéis e residências. Edificações para comércio e
𝑆3 = 1,00
indústria com alto fator de ocupação
Grupo 3 Edificações e instalações industriais com baixo fator de ocupação
𝑆3 = 0,95
(depósitos, silos, construções rurais, etc.)
Grupo 4 Vedações (telhas, vidros, painéis de vedação, etc.) 𝑆3 = 0,88
Grupo 5 Edificações temporárias. Estruturas dos grupos 1 a 3 durante a
𝑆3 = 0,83
construção

Sistemas Estruturais - Concreto 19


Cálculo
• A Pressão dinâmica (ou de obstrução) do vento, em
condições normais de pressão (1 atm = 101320 MPa) e
temperatura de 15° é dada por

𝑞 = 0,613 𝑉𝑘2 (𝑁Τ𝑚²)

Sistemas Estruturais - Concreto 20


Exemplo
• Determinar a velocidade característica e pressão dinâmica de
um galpão na região metropolitana de São Paulo. Dados:
• Terreno plano
• Depósito com baixo fator de ocupação
• Determinar aos 3m e no topo.

Sistemas Estruturais - Concreto 21