Você está na página 1de 16

?????

ISSN 1679-0189
o jornal batista – domingo, 15/03/15 1
Ano CXIV
Edição 11
Domingo, 15.03.2015
R$ 3,20
Órgão Oficial da Convenção Batista Brasileira Fundado em 1901
2 o jornal batista – domingo, 15/03/15 reflexão

EDITORIAL
O JORNAL BATISTA
Órgão oficial da Convenção Batista
Brasileira. Semanário Confessional,
doutrinário, inspirativo e noticioso.
Meu chamado,
Voz de Deus
Fundado em 10.01.1901
INPI: 006335527 | ISSN: 1679-0189

PUBLICAÇÃO DO
CONSELHO GERAL DA CBB
FUNDADOR
W.E. Entzminger
PRESIDENTE
às Nações
Vanderlei Batista Marins

“M
DIRETOR GERAL eus irmãos, mensagem da salvação em Quando amamos, nos de- nificativo a fazer com sua
Sócrates Oliveira de Souza quanto a Cristo. No texto bíblico que dicamos, colocamos nossas vida? Algo que seja mais
SECRETÁRIA DE REDAÇÃO mim, es- nos serve como base para vidas ao dispor para: orar importante? Envolva-se com
Paloma Silva Furtado tou con- o desafio deste ano - “Meu - em primeiro lugar, pois a Deus e com o ministério que
(Reg. Profissional - MTB 36263 - RJ) vencido de que já estais chamado, voz de Deus às obra de Missões depende Ele tem para você.
cheios de bondade e ple- Nações” - podemos observar primordialmente da oração. Nosso foco na Campanha
CONSELHO EDITORIAL namente supridos de todo que o apóstolo Paulo define Obedecer - certos de que a 2015 de Missões Mundiais
Celso Aloisio Santos Barbosa conhecimento, sendo, vós claramente sua chamada, obediência é o pronto aten- – “Meu Chamado, Voz de
Francisco Bonato Pereira mesmos, capazes de instruir- mas, também demonstra, dimento à ordem da determi- deus às Nações” - é despertar
Guilherme Gimenez
-vos uns aos outros. Mas, que cada um de nós tem nação de Deus de interceder, os vocacionados a fazerem
irmãos, em parte vos escrevi tarefas específicas: de ir aos campos e de contri- parte dos planos de Deus
Othon Avila
mais ousadamente, como “...Quanto a mim, estou buir. Ofertar - a oferta é uma com tudo o que são, sabem
Sandra Natividade
para vos trazer outra vez isto convencido” - o convenci- consequência da confiança e têm. Seus dons e talentos
à memória, pela graça que mento pessoal da sua cha- no Pai a quem nos dirigimos podem levar a voz de Deus
EMAILs por Deus me foi dada; que mada, o que significa saber e em oração e, obedientes, até aonde? Talvez não seja
Anúncios: seja ministro de Jesus Cristo, dizer que cada crente tem um atendemos, ofertando nossas possível mensurar o alcance
jornalbatista@batistas.com ministrando o Evangelho de chamado específico e precisa vidas e contribuindo com os da mensagem do Evangelho a
Colaborações: Deus, para que os gentios se ter consciência e convenci- recursos materiais necessá- partir do uso da sua vocação.
editor@batistas.com tornem uma oferta aceitável mento do mesmo. Paulo esta- rios para que a obra possa O importante é saber que a
Assinaturas: a Deus, santificados pelo Es- va convencido do seu chama- ser realizada. Precisamos partir do momento em que
assinaturaojb@batistas.com pírito Santo” (Rm 15.14-16). do, mas também convencido reconhecer que fazer missões você decide dedicar a sua
“Meu chamado, Voz de de que aqueles irmãos de é fazer a vontade de Deus. vida para o Reino, o Senhor
REDAÇÃO E Deus às Nações”. Com base Roma também já estavam Como discípulos de Jesus, so- a usará. Como informado em
CORRESPONDÊNCIA no texto bíblico acima, essa preparados: “...Sendo, vós mos desafiados a fazer a Sua nosso material da Campanha:
Caixa Postal 13334 é a expressão temática que mesmos, capazes de instruir- vontade; somos desafiados a existem 3.800 povos nessa
CEP 20270-972
norteia este ano o nosso -vos uns aos outros” – Para atender os seus ensinos. Essa situação no mundo inteiro.
esforço para chegar a todas que a obra de evangelização é uma tarefa que Deus con- Independentemente de fa-
Rio de Janeiro - RJ
as nações e povos não al- do mundo aconteça, precisa- fiou a nós, ninguém poderá tores sociais, econômicos
Tel/Fax: (21) 2157-5557
cançados, através de nosso mos de crentes preparados, fazer o que nos foi confiado, e políticos, nossa missão é
Fax: (21) 2157-5560 programa de Missões Mun- capazes de instruir outros. e se não o fizermos, seremos transformar esse cenário, por
Site: www.ojornalbatista.com.br diais. A obra de missões se Precisamos reconhecer que a responsabilizados por negli- amor e obediência a Jesus.
faz com a participação de obra de missões é a demons- gência. Reconhecendo a importân-
A direção é responsável, perante a todos que amam cumprir o tração do amor de Deus. A A coisa mais importante cia das igrejas na responsa-
lei, por todos os textos publicados. chamado de Deus e enten- obra de missões é resultado da sua vida é servir a Deus bilidade de fazer o nome de
Perante a denominação batista, dem que, juntos, formamos do amor que os discípulo s de através do cumprimento da Cristo conhecido até os con-
as colaborações assinadas são de uma forte voz, uníssona, que Jesus têm por todas as criatu- missão. Esta é a melhor ma- fins da terra. Eles dependem
responsabilidade de seus autores e chegará até aos lugares mais ras, assim como Deus amou a neira de investir a sua vida. do “Meu chamado, Voz de
não representam, necessariamente, remotos do planeta com a todo o mundo. Você conhece algo mais sig- Deus às Nações”. (SOS)
a opinião do Jornal.

DIRETORES HISTÓRICOS
Ca O Jornal Batista é uma bem como a divulgação dos

do rtas
grande bênção! trabalhos realizados com
W.E. Entzminger,
missões em Gramado -RS, e
s le
fundador (1901 a 1919);
A graça e a paz de Cristo o Projeto realizado em 2014
A.B. Detter (1904 e 1907);
ed
ito
Jesus! sobre a saúde do homem
S.L. Watson (1920 a 1925); ito
r@
r
Amados, sou promotora de na Campanha “Novembro
tas es
Theodoro Rodrigues Teixeira ba Missões na Primeira Igreja Azul”, dentre outros. Este
tis
(1925 a 1940); Batista Filadélfia, no distrito Jornal é uma grande benção!
.co
Moisés Silveira (1940 a 1946); m de Mucuri – MG. Recebo Que Deus continue ilumi-
Almir Gonçalves (1946 a 1964); com muita alegria O Jornal nando suas vidas, em nome
José dos Reis Pereira Batista e agradeço a Deus de Jesus.
(1964 a 1988); As mensagens enviadas devem ser concisas e identificadas (nome com- por tamanha dedicação e
Nilson Dimarzio (1988 a 1995) e pleto, endereço e telefone). OJB se reserva o direito de publicar trechos. autenticidade por parte dos Sandra Pereira de Oliveira,
As colaborações para a seção de Cartas dos Leitores podem ser en- editores do mesmo. Fico membro da Primeira Igreja
Salovi Bernardo (1995 a 2002)
caminhadas por e-mail (editor@batistas.com), fax (0.21.2157-5557) grata pela divulgação sobre Batista Filadélfia - Mucuri –
ou correio (Caixa Postal 13334, CEP 20270-972 - Rio de Janeiro - RJ).
INTERINOS HISTÓRICOS
o “Dia da Esposa de Pastor”, MG
Zacarias Taylor (1904);
A.L. Dunstan (1907);
Salomão Ginsburg (1913 a 1914);
L.T. Hites (1921 a 1922); e
A.B. Christie (1923).

ARTE: Oliverartelucas
IMPRESSÃO: Jornal do Commércio
reflexão o jornal batista – domingo, 15/03/15 3
Integralmente submissos
a Cristo e chamados para ser
a voz de Deus ao mundo

Levir Perea Merlo, pastor, tema da Campanha de ultrapassem as expectati- ministros de Cristo Jesus graça de Deus, mesmo
colaborador de OJB Missões Mundiais é extre- vas. Como será possível para proclamar a todos diante das barbaridades
mamente relevante para levantar uma oferta que os povos que o Senhor cometidas pelo “Estado
“... Por causa da graça que todos nós: “Meu Chama- represente os anseios de é bom. Quando estamos Islâmico”. Como é grati-
por Deus me foi dada, para do, Voz de Deus às na- um povo missionário e conscientes de que não ficante saber que a Igreja
ser ministro de Cristo Jesus ções”. Vale lembrar que envolvido na Obra do somos de nós mesmos, Perseguida da Ásia e da
entre os gentios, ministran- a obra de Missões Mun- Reino de Deus? mas de Deus, compre- África está se espalhando
do o Evangelho de Deus, diais, da Convenção Ba- A resposta vem do texto endemos o nosso dever por todos os lugares e
para que sejam aceitáveis tista Brasileira, está pre- bíblico acima. É possível sacerdotal de proclamar divulgando a fé salvado-
os gentios como oferta, sente em mais de 80 pa- levantar ofertas para a o Evangelho da graça do ra dAquele que nos cha-
santificada pelo Espírito íses, sendo voz de Deus Obra de Deus, não so- Senhor. Isso, para que mou para sermos porta
Santo” (Rm 15.15b-16). às nações. Durante o mês mente monetárias, mas todos os povos se tornem vozes às nações e cada
de março, as Igrejas Ba- de vidas consagradas e uma oferta aceitável ao dia santificados pelo Espí-

O
mês de mar- tistas e Congregações são comprometidas com o Senhor Jesus Cristo. rito Santo. Que o Senhor
ço sempre nos desafiadas a levantarem Reino, e isso por causa Como é gratificante ver nos ajude a proclamarmos
causa grandes uma grande oferta mis- da graça que o Senhor nos e ouvir irmãos egípcios o Evangelho em tempo e
surpresas. O sionária, inclusive que deu. Ele nos fez servos e dando testemunho da fora de tempo.
4 o jornal batista – domingo, 15/03/15 reflexão

GOTAS BÍBLICAS
NA ATUALIDADE
OLAVO FEIJÓ
Pastor, professor de Psicologia

Vocação
Evangelismo: pré-natal
repensando o seu papel social “Ouvi-me, ilhas, e escutai rina, quando nossa dimen-
vós, povos de longe: O Se- são é diminuta como a do
óvulo materno. Lá, naquela
Elias Gomes de Oliveira, bíblica, só um dos leprosos dade e não somente pregar nhor me chamou desde o
realidade aparentemente
pastor da Primeira Igreja teve a decência de agradecer, uma boa teologia dentro das ventre, desde as entranhas
de minha mãe fez menção sem significado, o poder
Batista Missionária Parque sem nem pensar em conver- nossas igrejas.
consciente do Criador já
das Missões - Duque de sões. Jesus alimentou e curou Através desta reflexão po- do meu nome” (Is 49.1).
caracteriza nosso lugar no

O
Caxias - RJ milhares de pessoas, mas ao demos chegar à conclusão de
profeta Isaías, Seu universo.
longo do seu ministério agre- que não existe no evangelis-
juntamente com Os desígnios de Deus
“E disse-lhes: ide por todo gou apenas setenta e tantos mo uma questão de relativa
outros escritores são infinitamente incom-
mundo e pregai o evangelho seguidores fiéis. importância no trabalho da
bíblicos, afirma preensíveis para nós. São,
a toda criatura” (Mc 16.15). O apóstolo Paulo exorta os igreja ou na vida humana.
que Deus atua em nossa entretanto, reais e concre-
crentes em Gálatas: “Enquan- Ele responde ao mandamento

E
vida já desde o tempo em tizados desde a eternidade
m uma época em que to temos oportunidade, faça- de amar e procurar o bem
que éramos apenas feto: do Senhor. O fato de não
se têm pensado sobre mos bem a todos, mas prin- do outro. Evangelismo diz
“Eu ainda estava na barriga entendermos, não muda
a perseguição aos cris- cipalmente aos domésticos respeito ao resgate do indi-
da minha mãe quando o Se- nada nos onipotentes pro-
tãos em comunidades da fé” (Gl 6.10). Observem víduo do pecado e da sua
nhor Deus me escolheu. Eu jetos de Deus. A mensagem
islâmicas, torna-se de funda- que Paulo não escreveu, “So- transformação.
nem havia nascido, quando da Bíblia, então, é de tran-
mental importância pensar mente aos domésticos da fé”, Nisso, o discipulado (minis-
Ele me chamou pelo nome” quilidade, fé e obediência.
sobre o papel desempenhado então este versículo não pode tério que segue naturalmente
(Is 49.1). Se somos obedientes ao
pela igrejas, principalmente ser utilizado para justificar um evangelismo bem-suce-
O poder de intervenção convite do Senhor, nossa
em relação ao evangelismo. uma ação social apenas para dido) deve incluir prepara-
de Deus não tem limites vida confirma a soberania
Quando os trabalhos ecle- cuidar dos ‘fiéis’. Ao mesmo ção dos seguidores de Jesus
– nem de espaço, nem de de Deus – neste mundo e
siásticos se restringem so- tempo, esse versículo torna para se engajarem nestes
tempo. À semelhança de no mundo por vir. Não im-
mente dentro da igreja, pos- impossível onde o evangelis- resgates e transformações so-
Isaías, Jeremias 1.5 e Paulo porta nossa idade e nosso
suímos um grande número mo é a meta principal. ciais. Cada um de nós precisa
(Gálatas 1.15) nos revelam tamanho: somos membros
de pessoas. Porém, quando O pastor Dutra (2004) afir- aprender a perguntar-se: “Eu
que o planejamento do Se- integrados da estratégia uni-
as atividades são voltadas ma que os missiólogos afir- estou refletindo as caracte-
versal do Senhor. Nossa
para fora dos templos suntuo- mam que não pode haver rísticas de Deus, de justiça nhor para conosco começa
vocação é pré-natal.
sos, existe uma dificuldade nenhum esquema uniforme e amor, nas minas atitudes e desde a nossa vida intraute-
muito grande dos irmãos em de evangelização. O que ações?”.
aderirem ao evento. está dando certo em uma
É comum medir o sucesso determinada igreja, não quer
de um projeto social dizer que dará certo em ou-
evangélico, por exemplo, tra. Assim, pode-se dizer que
pelo número de pessoas o trabalho de evangeliza-
que se converteram como ção urbana executado pela
resultado dessa ação social. igreja nunca será ou estará
M e m br os de i g r ejas a té completo. Nesse sentido,
reclamam do desperdício haverá sempre necessidade
de recursos quando a ação de descobrir as realidades
social não resulta nessas con- desconhecidas e repensar
versões. os métodos, técnicas e es-
Sem dúvida nenhuma, tratégias utilizadas nesse
como observamos no minis- processo.
tério de Jesus, boas obras em O amor pelos perdidos
favor dos outros podem esti- deve e precisa ser no sentido
mular as pessoas a louvarem de prover suas necessidades
a Deus e, às vezes, como no e mostrar o Plano de Salva-
caso do leproso samaritano, ção. A aplicação de tempo de
isso é evidenciado por um estudo na Palavra de Deus e
“voltar para Jesus”, “uma o preparo de novos obreiros
conversão”. Cristo nos chama para o campo vêm de uma
para sermos o sal da terra e a visão global do evangelis-
luz do mundo; não somente mo inovador, para auxiliar
para isso, mas também para a sociedade no sentido de
que “As pessoas vejam as melhorar o comportamento
boas obras e glorifiquem ao humano e deixar as pessoas
Pai que está nos céus” (Mt mais sensíveis aos manda-
5.16). mentos de Deus.
Quando estudamos a Bíblia A oração é importante,
percebemos que Jesus cuida- mas, a ação de sair de dentro
va das pessoas até sabendo, da igreja e ir para fora, é de
na sua sabedoria divina, que suma importância para a sal-
nem todos os auxiliados, vação de pessoas que ainda
curados ou libertados O se- encontram-se sem Jesus. É
guiriam. Na nossa leitura este o nosso papel na socie-
reflexão o jornal batista – domingo, 15/03/15 5
Passaram-se a
Copa, o Natal e o
Carnaval. E agora?
Celson Vargas, pastor da to não é da alçada da Igreja partir disso, cumprirão sua viverá por fé” (Rm 1.16–17). Não serão cinzas na testa,
Igreja Batista Monte Moriá de Jesus, constituída por Ele missão executiva com justiça “E assim, se alguém está em jejuns de carne ou comida
– Volta Redonda - RJ para estar no mundo, e por e dignidade. Não são protes- Cristo, é nova criatura: as (isso a maioria já faz por falta
Ele caminhar anunciando o tos ou críticas que tocarão os coisas antigas já passaram; de recursos), confissões de

M
uito se fala que Seu Evangelho, que é a for- corações insensíveis desses eis que tudo se fez novo” (II pecados a homens e outros
em nosso país ma plenamente eficiente de homens ainda dominados Co 5.17). vãos sacrifícios, que farão
aproveita-se os levar os homens, principal- pelo pecado e, consequente- Não coloque suas espe- com que sejam perdoados
êxtases desses mente os responsáveis pelo mente, voltados unicamente ranças ou se distraia com por Deus. O único meio
eventos para introduzir me- grande caos político-admi- para os seus interesses pes- as falsas e, aliás, compro- para isso é que você vá a
didas dolorosas – financeira- nistrativo em todo o mundo, soais, egoístas e perversos. metedoras, alegrias desses Jesus e cumpra o que Ele te
mente falando – sobre os om- ao arrependimento e à ren- “Pois não me envergonho do eventos, todos criados pelos orienta para ser perdoado,
bros já decaídos do povão, dição a Cristo Jesus. Dessa Evangelho, porque é o poder homens com objetivos uni- salvo e liberto: “Arrependei-
ou população que já vive sob forma, justificando-os dos de Deus para a salvação de camente financeiros. Somos -vos, pois, e convertei-vos
grandes dificuldades sociais. seus pecados e transforman- todo aquele que crê, visto os seus alvos. Certamente, para serem cancelados os
Não tenho por objetivo me do-os em homens tementes que a justiça de Deus se re- muitos estão arrependidos vossos pecados” (At 3.19).
ater nessa vertente, até por- a Deus, que amam ao seu vela no Evangelho, de fé em do que tenham praticado Que o Senhor para isso nos
que entendo que esse assun- semelhante e, certamente, a fé, como está escrito: o justo no embalo desses eventos. abençoe.

Sabe por que


não oramos?
Rodrigo Odney, pastor da os cultos de oração. Não para nós, nos esforçamos sua terra. Estarão abertos da sua Igreja, e que não
Primeira Igreja Batista em nos importamos. por tê-la. Quanto tempo os meus olhos e atentos os sejamos crentes apáticos
Pompéia – SP Sabe por que não ora- você dedica para comprar meus ouvidos à oração que e indiferentes à prática da
mos? Porque somos deso- um bem de consumo que se fizer neste lugar” (II Cr oração.

S
abe por que não ora- bedientes. A igreja é con- lhe agrada? Quantos sacri- 7.14-15). Se você não gostou do
mos? Porque somos vocada à oração, mas a fícios você faz para ter o Seja um crente que ora, que leu, te pergunto: qual
orgulhosos. Pensa- minoria atende ao chamado que quer? tanto no seu quarto, quanto foi a última vez que você
mos que podemos da oração. Só busca a Deus O que fazer? em sua igreja. Esteja pre- participou de uma vigília
resolver tudo por nossa pró- quando está em apuros. Se “Se o meu povo, que se sente no próximo culto de de oração? Qual foi a últi-
pria capacidade. Quando tudo “vai bem”, para que chama pelo meu nome, se oração da sua igreja. Junta- ma vez que você participou
não oramos, dizemos com as me unir em oração com humilhar, e orar, e me bus- mente com os seus irmãos, da oração semanal e domi-
atitudes que não precisamos meus irmãos? car, e se converter dos seus clame por arrependimento, nical da sua igreja? Qual foi
de Deus para nos capacitar e Sabe por que não oramos? maus caminhos, então, eu perdão e sua misericórdia a última vez que você par-
fortalecer nos combates da Porque somos preguiçosos. ouvirei dos céus, perdoarei para com o seu povo. Que ticipou do culto de oração
vida e da igreja. Depois de 08 a 10 horas os seus pecados e sararei a Deus tenha misericórdia com os seus irmãos?
Sabe por que não oramos? de trabalho, não queremos
Porque somos negligentes. nos dar o trabalho de ir
Acomodados, não fazemos à igreja para orar com os
a obra que Deus nos orde- irmãos em Cristo. Dizemos
nou. Não nos compromete- que oramos em casa, mas
mos com Deus e nem com a será verdade? Quem ora
sua Obra. Basta realizarmos em casa valoriza a oração
nossas ambições. conjunta ao povo de Deus.
Sabe por que não ora- Sabe por que não ora-
mos? Porque somos in- mos? Porque desprezamos
crédulos. Não confiamos a Deus. Queremos as bên-
que Deus pode impactar a çãos de Deus, mas sem
nossa cidade por meio do nenhum comprometimento
seu povo. Não cremos que com Deus e sua Igreja. So-
Deus ouve e atende as nos- mos piores do que os que
sas orações e súplicas. Não ainda não foram alcança-
cremos no poder da oração. dos. Estes desconhecem o
Sabe por que não oramos? Evangelho da graça, nós
Porque amamos o mundo. o conhecemos e não nos
Damos mais importância importamos. Sabemos que
ao trabalho, ao descanso, Deus nos capacita a obe-
aos estudos e nem nos im- decê-lO, mas não nos esfor-
portamos em estar em co- çamos como é devido. Não
munhão com Deus e com o mortificamos a nós mesmo.
seu povo. Basta a obrigação Sabe por que não oramos?
de domingo à noite. Não va- Porque não queremos. Ar-
lorizamos a vida da Igreja. rumamos desculpas desca-
Não valorizamos a oração bidas. Quando reconhece-
coletiva. Não valorizamos mos que algo é importante
6 o jornal batista – domingo, 15/03/15 reflexão

vida em família Caminhos da Mulher de Deus


Gilson e Elizabete Bifano ZENILDA REGGIANI CINTRA,
pastora e jornalista, Taguatinga, DF.

Deus
cuidará,
mas... #Somospovodacruz
C
erta vez, em um cional que necessitam. Líde-
congresso sobre res, empresários, pastores e
família, ouvi uma muitos outros tipos de profis-
história muito triste, sionais podem incorrer nesta

H
mas que serve de alerta para falha. á um clamor em ais dos cristãos, um dos gru- a frase em hashtag: #somoso-
todos nós. Deus realmente cuida da nossos corações. pos de terror mais conhecidos povodacruz ou #eutambém-
Um homem, sensível às nossa família enquanto es- Há um clamor no é o Estado Islâmico (EI), que souopovodacruz a fim de
necessidades das crianças tamos envolvidos em nosso coração do povo quer dominar a Jordânia, Isra- expressar solidariedade aos
abandonadas, sentiu no co- trabalho e ministério, mas salvo por Cristo Jesus por el, Palestina, Líbano, Chipre e heróis da fé do nosso tempo.
ração o desejo de organizar a cota de atenção, demons- intermédio da cruz. Há um o sul da Turquia. Ele obriga as Nas casas, nos templos, nas
uma instituição para abrigar trações de amor e cuidado clamor nas igrejas espalhadas pessoas que vivem nas áreas ruas e nas escolas os cristãos
e cuidar dessas crianças. A emocional, se dá quando pela face da terra. Há um cla- que controla a se converte- estão sendo perseguidos. Me-
referida instituição começou estamos presentes física e mor que sobe aos céus. rem ao islamismo, além de ninas cristãs são sequestradas
a crescer no seu país. Este emocionalmente. Essas últimas semanas te- viverem de acordo com a in- e vendidas como escravas
homem então sentiu que a Na história da Igreja exis- mos sido impactados pelas terpretação sunita da religião sexuais. Homens, mulheres e
organização poderia ajudar tem muitos exemplos de ho- notícias de cristãos martiri- e sob a lei charia, o código crianças fogem para as mon-
crianças de todo o mundo. mens e mulheres que foram zados por amor a Jesus. A de leis islâmico. Aqueles que tanhas, para outras cidades
Sabendo dos desafios que es- bênçãos para milhares de Missão Portas Abertas, que se recusam podem sofrer tor- ou países, mas muitos deles
tavam à sua frente, em suas pessoas ao redor do mundo, trabalha com cristãos perse- turas e mutilações ou serem não têm condições ou tempo
conversas com Deus, dis- mas perderam suas próprias guidos no mundo, classificou condenados à pena de morte. para isso e morrem ou sofrem
se: “Deus, eu vou começar famílias e casamentos. os dez países, no ano de O grupo é particularmente violência por causa da sua fé
a ajudar as criancinhas de É conhecida a história da- 2014, onde seguir a Cristo violento contra muçulmanos em Cristo Jesus.
todo o mundo. Vou sair do quele menininho que ao pode custar a vida: Coreia xiitas, assírios, cristãos armê- “Alguns foram torturados
meu país, viajar bastante e dormir ouviu do seu pai a do Norte, Somália, Iraque, nios e yazidis. até a morte, outros acorren-
implantar a organização para afirmação de que Deus cui- Síria, Afeganistão, Sudão, Irã, Estarrecidos, temos visto tados e jogados na cadeia,
ajudar as crianças abando- daria dele durante a noite. Ao Paquistão, Eritreia e Nigéria. imagens de martírio e violên- outros foram mortos a pedra-
nadas de muitos países. Eu que o menininho disse para o Desde 2002, e também para cia contra nossos irmãos que das, outros serrados ao meio
vou cuidar delas e o Senhor seu pai: “Eu sei que Deus vai a Classificação dos Países muitas vezes desafiam nossa e outros mortos à espada. An-
vai cuidar das minhas aqui cuidar de mim enquanto dur- Perseguidos 2015, a Coreia compreensão da realidade. davam como refugiados pelos
em casa”. mo, mas antes de dormir, eu do Norte continua a ser o De forma pejorativa, o EI desertos e montes, vivendo
Começou então a viajar de quero que fique ao meu lado lugar mais difícil do mundo chama os cristãos de “o povo em cavernas e em buracos
um lado para o outro. A ins- um Deus de pele e osso”. para praticar o cristianismo. da cruz”. Muitas pessoas na terra. E o mundo não era
tituição cresceu. Empresas, Cuidado com a ideia de Entre os perseguidores atu- colocaram nas redes sociais digno deles” (Hb 11.36-38).
governos e pessoas come- que Deus vai cuidar dos fi-
çaram a apoiar financeira- lhos e da família enquanto
mente. Hoje esta instituição você faz algo nobre e apro-
– que prefiro não mencionar vado pelo próprio Deus. Ele
o nome – é conhecida em não vai fazer o que podemos
todo o mundo. Mas onde e devemos fazer pelos filhos,
está o lado triste da história? cônjuges e familiares. Os
O lado triste da história é que abraços, beijos, o brincar,
as criancinhas da sua casa, passear, caminhar na pra-
seus próprios filhos, todos se cinha do bairro, segurar as
envolveram com drogas. mãos, levar os filhos para a
Mas, Deus então não cui- escola, participar da reunião
dou dos seus filhos? Teria de pais e mestres, ir ao con-
Deus falhado no trato? Deus sultório, dar o beijo de boa
foi injusto? Muitos estão cor- noite, cobrir com o cobertor
rendo o sério risco de repetir são tarefas que Deus não vai
a história deste líder da orga- fazer em nosso lugar. Esta
nização filantrópica. Cuidam tarefa é de gente de carne e
dos outros, mas não cuidam osso. É dos pais e mães, ma-
de si mesmo e dos seus que- ridos e esposas.
ridos. Por isso, é preciso sabedo-
Muitas vezes no afã de ria para equilibrar respon-
fazer coisas boas para os sabilidades profissionais e
outros, negligenciamos nos- familiares. No final da vida,
sos queridos que precisam creio eu, Deus vai nos pedir
também receber diariamente contas, em primeiro lugar,
a porção do alimento emo- dos nossos filhos e família.
missões nacionais o jornal batista – domingo, 15/03/15 7
Ações da Cristolândia emocionam Vencedores da Vida:
alunos de psicologia da PUC-RJ Projeto esportivo
Redação de Missões
Nacionais
evangeliza adolescentes em
Passo Fundo – RS
F
oi realizada na PUC-RJ
uma palestra sobre as
ações da Cristolândia.
O convite foi feito por
um grupo de alunos do curso
de psicologia, que fez um tra-
balho sobre o serviço da Mis-
são Batista, e sua professora
doutora em psicologia social.
Participaram da apresenta-
ção, a missionária Alessandra Alunos da Cristolândia palestraram a convite dos universitários
Amorim, coordenadora da que desenvolveram o trabalho sobre o Projeto
Cristolândia da Central do
Brasil; Camila Miguel, psicó- senvolvido pelo Projeto de aquilo que lhes foi apresen-
loga da Missão; e o ex-aluno Missões Nacionais. “É pos- tado, e agradecendo a Deus
da Cristolândia, Jonas. sível mudar o nosso Brasil, pela existência da JMN e da Durante as aulas de futsal, nossos missionários falam de Jesus aos
Ao longo da palestra, to- vocês estão vendo?”, disse Cristolândia. adolescentes
dos na sala foram levados às a professora que afirmou Louvado seja o nosso Se-
lágrimas, ao conhecerem a que eles não seriam mais nhor por essa oportunidade
os mesmos diante de tudo de testemunhar o Seu poder! Redação de Missões meninos, Pedro e Linear con-
fundo o trabalho social de-
Nacionais seguirão chegar até seus ami-
gos e familiares. Como fruto
Líderes Indígenas participam de curso
O
s missionários deste Projeto, eles também
Pedro e Linear sonham em ver o surgimento
de capacitação em Tocantins – TO Neves atuam em de líderes jovens para a igreja
Passo Fundo - RS, local e para a plantação de
Redação de Missões e têm investido em relacio- novas igrejas.
Nacionais namentos evangelísticos no “Vamos prosseguir utilizan-

F
bairro Vera Cruz. Eles rea- do a ferramenta de ministério
oi finalizada mais uma lizaram a primeira clínica esportivo com o Projeto Jo-
temporada de aulas de futebol, chamada “Ven- gada Certa, que funcionará
do Curso de Capaci- cedores no Jogo da Vida”. semanalmente com ativida-
tação de Líderes Indí- Por meio deste Projeto, eles des esportivas e discipulado
genas. As aulas foram minis- passaram três dias investin- para adolescentes. Nossa
tradas pelos missionários que do na evangelização de 30 expectativa é aprofundar o
atuam entre os indígenas da meninos, de idades variadas. relacionamento com eles e
etnia Xerente, em Tocantins “Falamos abertamente do seus familiares, tendo assim,
- TO, entre eles, os pastores Missionários junto com a turma no encerramento do Curso de
amor e justiça de Cristo. Per- oportunidades naturais de
Guenter Carlos Krieger e Capacitação de Líderes Indígenas deste mês de janeiro de 2015
cebemos a necessidade de evangelização e discipula-
Rinaldo de Mattos. O pastor Indígena’ e falei em algumas Missões Nacionais louva ao investirmos nessa nova ge- do”, explicam.
Valdir Soares, gerente nacio- devocionais. Foi muito bom! Senhor por esta oportunidade ração, em uma tentativa de Além dos esportes, os mis-
nal para evangelização dos No meio do curso, tive a que os obreiros tiveram de ganharmos eles antes que o sionários estão trabalhando
povos indígenas, também re- oportunidade de visitar a al- capacitar os indígenas que já mundo faça isso”, declaram para avançar nos Relacio-
presentou Missões Nacionais deia do Funil, a 12 Km de To- são líderes em suas aldeias. os missionários. namentos Discipuladores e
e foi um dos professores do cantínia - TO, em companhia Interceda pelos missionários, O objetivo deste projeto Pequenos Grupos Multiplica-
curso. Ao todo, 11 pessoas do pastor Cláudio, a primeira a fim de que continuem com esportivo é possibilitar que dores (PGMs). Interceda por
participaram do curso, que aldeia onde trabalhei entre os saúde e capacitados por Deus os adolescentes conheçam este ministério, a fim de que
durou duas semanas. Xerente, em 1959”, relatou o para a proclamação do Evan- o amor de Cristo e passem continue alcançando vidas
“Dei a disciplina ‘Igreja pastor Rinaldo. gelho entre os indígenas. a servi-lo. Ao alcançar estes para Cristo.
8 o jornal batista – domingo, 15/03/15 notícias do brasil batista

INTEGRALMENTE
SUBMISSAS A
CRISTO FOTOS: SÉLIO MORAES
Aildes Pereira de do Sul, representada pela
Secretária de Promoção irmã Marilda Maurer de
Oliveira, presidente, e sua

M ais de quatro mil mu-


lheres cristãs, vindas
de todas as regiões do Brasil
equipe de trabalho, vestidas
de prendas, receberam todas
de braços abertos e com um
se encontraram no dia 05 de sorriso cheio de amor nos lá-
Fevereiro, na região das hor- bios, para a realização da 92ª
tênsias, Gramado, RS, para Assembleia Anual da UFMBB
juntas celebrar e adorar o que teve cerca de 1.300 mu-
Deus Eterno! lheres cristãs inscritas como
A União Feminina Mis- mensageiras, representando
sionária Batista do Rio Gran- a UFMB de suas igrejas.
Diretoria da UFMBB na abertura da 92ª Assembleia.

Mônica Coropos coordenou a música. Pr. João Marcos, JMM, entrega placa para Lucia Dulce Consuelo recebendo uma lembrança
Margarida, pelos 30 anos de trabalho na UFMBB. pelos 30 anos como redatora do MANANCIAL.

Lucia Margarida, recebendo homenagem pelos Conjunto Geração Fiel, participou do Relatório do SEC com a participação de
30 anos de trabalho na UFMBB. louvor da Assembleia. ex-alunos, alunos e professores.

Alunos e ex-alunos participando do Boas-vindas da UFMB do Rio Grande do Sul Campos que ultrapassaram o alvo de
reltório do CIEM. para as mulheres cristãs do Brasil. Educação Cristã Missionária em 2014
notícias do brasil batista o jornal batista – domingo, 15/03/15 9

Conjunto Feminino da UFMB do Distrito Federal. Eliane Melo Salgado de Moraes, presidente Presença de mais de 4 mil mulheres cristã
da UFMBB entregando a mensagem oficial. em Gramado, RS.

Oração em favor do Staff da UFMBB Pr. Fabricío e Pr. Fernando Brandão na Momento de oração pelos líderes.
após apresentação do relatório. reunião da UFMBB.

Soraia Machado, JMN, participando do Esmeralda Augusto, presidente da UFMBF Conjunto Juvenil - Arautos do Rei,
culto da noite. participando do culto da noite. PIB Imperatriz, MA.

DIRETORA EXECUTIVA: Lucia Margarida Pereira de Brito - SECRETÁRIA DE PROMOÇÃO: Aildes Soares Pereira - EDITOR DE ARTE: Rogério de Oliveira
Rua Uruguai, 514 - Tijuca - CEP: 20510-060 - Rio de Janeiro - Telefone: (21) 2570-2848 - FAX: (21) 2278-0561 - Ligado 24 h
Site: www.ufmbb.org.br - E-mail: ufmbb@ufmbb.org.br - E-mail: eventos@ufmbb.org.br - E-mail: pedidos@ufmbb.org.br
10 o jornal batista – domingo, 15/03/15 notícias do brasil batista

André Milano, um artista completo

N
a minha busca um jeito de me colocar no trabalhar com as crianças da Acho que o que eu mais Hoje, Jesus para mim é
pelos artistas das que eu mais amava, mas que igreja, e de ter tido a chance gostei é um que estou produ- não apenas o Salvador, mas
nossas Igrejas, me não via como chegar lá. Uma de ensinar alguns deles um zindo agora, um projeto de o Autor da vida e do Uni-
deparei com mais semana depois me ligaram pouco de teatro e da arte dos vídeo, onde contamos as his- verso, o motivo e razão da
um jovem super talentoso. para fazer uma peça, sem eu bonecos. Coloque Deus em tórias da Biblia com bonecos minha existência, e procuro
Trata-se de André Milano, ter praticamente nenhuma primeiro lugar e Ele vai con- de uma forma bem divertida. fazer dEle o meu Senhor a
de 32 anos, paulista de São experiência. A peça se tornou duzir você pelo caminho bom. Espero que em breve esteja cada dia. Busco aprender o
Caetano do Sul, formado em em um programa de TV, e daí Trabalhei em uma peça infantil pronto e todos possam ver. tempo todo o que significa,
publicidade e propaganda, aproveitei e fui aprendendo com bonecos em 2005, depois na minha trajetória, viver
produtor de vídeo, diretor, e estudando, por perceber em um canal UHF chamado Quem é Jesus para você e para a glória dEle, e confio
produtor de teatro, ator e bo- que era isso mesmo que eu NGT aqui em São Paulo, ondequando decidiu viver para a que, enquanto for esse o
nequeiro profissional. André queria fazer. trabalhei em três programasglória dEle? meu desejo, o Espírito Santo
é casado com Aline Milano. Desde muito pequeno eu infantis durante três anos, e es-
Eu nasci em uma família sempre vai me puxar para
Ambos são membros da Pri- brincava com os bonecos do cristã, portanto, fui ensinado
tive em uma montagem teatral Ele.
meira Igreja Batista de Baeta meu tio em apresentações que no Evangelho desde peque-
de Pedro e o Lobo, no Auditó-
Neves, em São Bernardo do ele fazia em igrejas e comuni- rio do Ibirapuera e no Tuca,
no. Mesmo assim, chegando Contatos do meu amigo
Campo – SP. dades. Já era apaixonado! Um trabalhei em programas da TV
à adolescência percebi que André Milano - E-mail:
dia, com 15 anos, resolvi fazer Cultura, como “Os Cupins”, tinha que tomar uma decisão andre_milano@hotmail.com /
André, nos fale sobre o seu uns bonecos; meu tio viu, e “TV Cocoricó”, “Que monstroprópria a respeito de tudo o Tel: 11- 98790 -6175 / Face-
amor pela arte e as oportuni- me obrigou a fazer alguns para te mordeu?” e “ Vila Sésamo”,
que eu tinha ouvido a vida book: https://www.face-
dades dentro da sua carreira: ele, por mais que eu dissesse e fiz alguns comerciais de TV
toda. Decidi que queria Jesus book.com/andre.milano.16
Desde criança gostava da que ainda não sabia direito. Eu com bonecos. Fora isso, dirijo
e, apesar de ter demorado al-
arte, não apenas de assistir acabei fazendo e, assim, em- uma cia de manipuladores e gum tempo ainda para sanar Para compartilhar da sua
ou saber sobre arte. Eu sabia polgado pelos meus bonecos, estamos desenvolvendo al- algumas daquelas dúvidas arte, favor escrever para
que, apesar de ser muito tími- começei a fazer cada vez mais guns projetos para teatro eimportantes que a maioria de mim e, dentro do possível,
do, era isso que me apaixo- apresentações na minha igreja vídeo. nós temos nessa idade, nunca publicaremos sua história.
nava quando eu pensava no e nas igrejas de amigos. Desde me arrependi por nenhum Roberto Maranhao, Arte e
que iria fazer. Fui começar essa época até agora, fico feliz Qual o projeto em que momento de ter escolhido Cultura CBB – E-mail:
profissionalmente em 2005, em ter a arte como minha pro- você mais gostou de traba- Jesus e não ter me desviado marapuppet@hotmail.com
quando pedi a Deus para dar fissão, de nunca ter deixado de lhar? dEle.

PIB em Jardim Mariléa - Rio das Ostras - RJ -


retoma atividades dos PGMs

Marcos Azevedo, pastor das Ostras – RJ, retomou Tanto adultos como crian- que estão sendo abrangidas O pastor Fábio Marinho,
de Pequenos Grupos, as atividades dos Pequenos ças aprenderam sobre o de- pelo PGM na cidade. titular da Igreja, enfatizou a
Evangelismo e Missões da Grupos Multiplicadores no ver missionário do PGM e “Estamos com 19 PGMs importância de avançarmos
Primeira Igreja Batista em mês de fevereiro, com iní- sobre sua estratégia de evan- em 10 bairros do muni- na proclamação do Evangelho
Jardim Mariléa - Rio das cio no dia 26. No primeiro gelização. Todos foram re- cípio, com o objetivo de através dos PGMs. “Eu não
Ostras – RJ encontro do ano, todos os cebidos com um delicioso compartilhar o amor de tenho dúvidas de que, através
PGMs se reuniram no templo lanche preparado carinhosa- Deus através dos relacio- dos relacionamentos e teste-

A
Primeira Igreja Ba- e depois se multiplicaram mente pelas irmãs. Os líderes namentos”, afirma Marcos munho pessoal, poderemos
tista em Jardim Ma- pelas salas de estudo. A par- de todos os grupos foram Azevedo, pastor de Peque- avançar estrategicamente a
riléa, localizada no tir deste mês de março, eles apresentados e foi ressaltado nos Grupos, Evangelismo e fim de ganharmos mais e mais
município de Rio passarão a se reunir nos lares. sobre as diversas localidades Missões da Igreja. pessoas para Cristo.
missões mundiais o jornal batista – domingo, 15/03/15 11
Adilson Santos: um novo desafio.
O mesmo amor por missões
Marcia Pinheiro – Redação dia de igreja é fazer com que
de Missões Mundiais pessoas sirvam e se dediquem
ao Senhor da melhor maneira

O
dia 22 de feverei- possível.
ro marcou o iní-
cio de uma nova Qual o envolvimento da
caminhada para Igreja Batista de Constanti-
o pastor Adilson Santos. Após nópolis com missões?
12 anos à frente da mobiliza- A Igreja está prontinha para
ção de Missões Mundiais, ele dar um salto ainda maior por
assumiu a Igreja Batista Cons- causa daquilo que ela repre-
tantinópolis em Educandos - senta na região e daquilo que
Manaus - AM. Vários líderes ela já faz. Ela sedia uma con-
cristãos e amigos de Adilson ferência que é a abertura de
estiveram presentes ao culto Missões Mundiais para todo o
de posse entre eles os pas- Amazonas, e nas conferências
tores João Marcos Barreto eu pude participar, o pastor
Soares e Davidson Freitas, Antônio Galvão esteve lá,
diretor-executivo e gerente entre outros missionários. A
de Comunicação e Marketing Igreja tem uma visão bastante
da JMM, respectivamente. ampla sobre missões. Ela tem
O mensageiro da noite foi o um barco que vai ser inaugu-
pastor Eli Fernandes de Oli- rado agora, e eu estou tendo o
veira, 1º vice-presidente da privilégio de alugar um barco
Convenção Batista Brasileira com 30 lugares, dois andares,
e pastor da Igreja Batista da para trabalhar na calha do Rio
Liberdade, em São Paulo - Madeira, apoiando os projetos
SP. de Missões Nacionais. A Igre-
Antes da cerimônia de pos- ja tem ao lado do seu templo
se, ele falou um pouco sobre uma quadra de esportes, com
esse novo desafio. aulas de jiu-jítsu e futebol
ofertadas à comunidade. Eles
Pastor, fale um pouco so- também prometeram que vão
bre o seu relacionamento instalar uma tabela de bas-
com Missões Mundiais ao quete e eu vou montar uma
longo desses 12 anos: escolinha, relembrando meu
Adilson Santos: Nós, eu e passado como atleta. A Igreja
minha esposa, Silvia, sempre sedia uma conferência para
incentivamos a obra missio- pastores de lugares carentes
nária. E no contexto da igreja que vêm de toda a Amazônia
local, o pastor Waldemiro para uma atualização, levan-
Tymchak (ex-diretor execu- do preletores como Russell
tivo da JMM) conheceu um Shedd, Luiz Sayão e Augustus
pouco do nosso trabalho. Foi Nicodemus. Eu vejo que são
ele que nos convidou para liderar a mobilização da JMM carinho e respeito que a e também apoiaria uma igreja várias as possibilidades que a
trabalhar na JMM, deixando em todo o Brasil. denominação tem para com lá. Mas quando entendi de Igreja tem, e ela quer conti-
a igreja local para trabalhar o senhor? Deus o momento de deixar nuar apoiando a obra Batista
com a mobilização no estado Como surgiu o convite Eu acho que Deus é mui- a JMM e assumir a igreja, o na Amazônia, no Brasil e no
de São Paulo. Então, nosso para assumir a Igreja Batista to bom comigo. Na minha próprio pastor João Marcos mundo.
primeiro contato com a JMM de Constantinópolis? jornada, sempre procuro de- disse que Missões Mundiais
foi esse envolvimento natu- Por três vezes estive na Igreja senvolver amizades e traba- não sairia de mim e eu não Algo mais que o senhor
ral de incentivar missões na para fazer conferência missio- lhar realmente em favor da sairia da JMM. E eu me colo- gostaria de destacar sobre
igreja local e no ambiente da nária. E o pastor Jorge Max denominação e da obra mis- quei à disposição para o que esse tempo em Missões Mun-
Convenção Batista Brasileira tomou a decisão, direcionado sionária. Acho que isso acaba precisar. E ele falou: “Você diais?
também quando eu presidia por Deus, de deixar a Igreja ficando. A gente está aí para sabe que eu vou convocar Eu destaco as experiências
alguma associação regional. e vir para missões. Hoje ele servir em qualquer posição, e mesmo”. Estou mantendo das viagens missionárias, e
Buscamos essa aproximação, é nosso missionário em Por- sempre com prioridade à obra alguns eventos agendados e aproveito para incentivar aque-
e o pastor Waldemiro nos tugal. E ele, nesse processo, missionária. outros que surgirem também. les que podem ir ao campo. É
convidou. Isso aconteceu a começou a orar a respeito Em algumas necessidades que muito importante o missionário
partir do ano de 2002. Eu da sucessão pastoral e sentiu Como será agora o rela- aparecerem, desde que não receber a visita de pastores,
cheguei à JMM em janeiro também essa possibilidade cionamento com Missões prejudiquem a igreja local, de voluntários. Isso dá fôlego,
de 2003 oficialmente, e co- pedindo para eu orar. Orei, e a Mundiais? eu ajudarei e apoiarei para o renova o ânimo para eles conti-
mecei trabalhando com a primeira resposta foi negativa. Essa transição foi uma sur- avanço da obra missionária. nuarem. A Igreja está me dando
mobilização em São Paulo. A Igreja insistiu e, por algumas presa para mim, e entendo Levarei comigo lições precio- todo o suporte para eu continu-
questões, inclusive de sentir que até para o pastor João sas desse período com a JMM, ar a fazer isso. Pelo menos uma
E como foi depois passar à falta desse dia a dia na Igreja, Marcos. Eu estava indo para principalmente o convívio vez por ano, a gente irá a algum
mobilização nacional? passei a considerar essa possi- o pastoreio dos missionários com os missionários. A gente campo de Missões Mundiais.
Trabalhei oito anos com a bilidade de fazer um projeto no Oriente Médio e Norte da pôde também contribuir com Tenho muito a agradecer.
mobilização em São Paulo. com a igreja local. Ajudou África, e isso ficou inviabiliza- o cuidado para com esses Agradecer aos diretores que
E por atuar também com o bastante na decisão também do porque teve o ebola de um obreiros. Essa experiência de eu pude servir. Primeiro, ao
pastoreio de missionários, a questão de a Igreja ter uma lado, e eu brinco que de outro cuidar dos missionários em pastor Waldemiro; depois ao
caravanas no campo, o pas- boa visão missionária, de a lado teve o “ebala”, as guerras vários contextos nos ajuda pastor Sócrates Oliveira, que
tor Waldemiro sempre pedia gente ter várias oportunidades lá no Oriente Médio. E como agora a cuidar dos irmãos nas assumiu interinamente após o
isso, que eu liderasse a mo- na região da Amazônia com a a gente não ia conseguir fazer suas necessidades, procuran- falecimento do pastor Walde-
bilização nacional. Então, Igreja, de continuar fazendo esse trabalho de pastoreio, o do incentivá-los para que eles miro e, agora, ao pastor João
passei a mobilizar igrejas em missões no Brasil e no mundo. pastor João Marcos me convi- possam servir ao nosso Mestre Marcos. No que ele precisar,
outros estados que requisita- dou para mobilizar a JMM em cada vez melhor. Também estarei aqui na Região Norte
vam a minha presença. Nos O senhor é um líder mui- todo o território americano. trabalhei com gestão de pes- para servir, tanto eu quanto a
últimos quatro anos, passei a to querido. Como vê esse Eu iria para os Estados Unidos soas na mobilização. E o dia a minha esposa.
12 o jornal batista – domingo, 15/03/15 notícias do brasil batista

Curitiba - PR sedia o “I Seminário de Políticas


Públicas e as Organizações do 3o setor com
ênfase nas Comunidades Cristãs-Evangélicas”

Dorgival Lima Pereira, Políticas Públicas; líderes das tiane Yared; o presidente da lestra realmente esclarecedo- Velha - ES e outras partes
pastor, coordenador Organizações do 3º setor de FIEP e parceiro na promoção ra e emocionante, que serviu do país.
executivo da BGC e assessor outras áreas e também da do evento, doutor Edson Luiz para reafirmar às autoridades A coordenação geral do
da Coordenação Geral do área de Comunidades Tera- Campagnolo, bem como a e aos mais de 200 líderes Seminário foi do pastor Hil-
Seminário pêuticas. O Seminário teve assessora direta do ministro religiosos de Instituições e quias Paim, que contou com
um caráter suprapartidário e da secretaria-geral da Presi- Comunidades Terapêuticas o apoio e auxílio de equipe
de grande importância para dência da República, doutora e de outros setores que par- composta pelo pastor Dorgi-

N
o último dia 20 as Comunidades Terapêuti- Lais Vanessa Lopes, e coorde- ticiparam deste importante val Lima Pereira (coordena-
de fevereiro, o cas, Instituições de Combate nador geral do Departamento Seminário, que vale a pena dor da BGC); da assessora da
Grupo Evangélico às Drogas, Igrejas e demais de Transferências Voluntárias investir nos equipamentos senadora Gleisi Hoffmann;
de Ação Social e entidades do 3º setor. do Ministério do Planeja- que servem as pessoas em senhora Antonia Martins; da
Política - GEASP -, em par- Foi uma grande oportuni- mento, doutor José Antonio condições de vulnerabili- diretora de Educação Cris-
ceria com o Serviço Social dade para interação do 3º de Aguiar Neto. As palestras dade, e que os evangélicos tã da CBP, senhora Rosane
da Indústria - SESI -, uma setor com as autoridades foram muito esclarecedoras fazem e continuarão fazendo Torquatto; e do assessor da
Organização pertencente ao governamentais, como o mi- e todos saíram bastante sa- com ou sem o financiamento Gerência de Projetos Estra-
Sistema FIEP, promoveram o nistro interino do Desenvol- tisfeitos. do poder publico, pois nossa tégicos do SESI e coordena-
“I Seminário de Política Pú- vimento Social e de Combate Representando a Junta de motivação é a consciência dor do Programa “Cuide-se
blicas e as Organizações do à Fome, doutor Marcelo Car- Missões Nacionais da CBB, da missão. Foi realmente um Mais”, senhor Fábio Bighetti
3º setor com ênfase nas Co- doni da Rocha, que também esteve presente ao evento o dos pontos altos do evento. Fontoura, dentre outros co-
munidades Cristãs-Evangéli- é o secretário-executivo da pastor Celso Godoy, coorde- Foi um importante case do laboradores e voluntários. O
cas”. O evento contou com a Pasta. Participaram também nador dos Batistas brasileiros Seminário. evento contou com o apoio
participação de 230 pessoas, o secretário Nacional de Polí- na Área de Projetos Sociais e Além dele, o pastor José de várias Instituições como
dentre elas, autoridades do ticas Sobre as Drogas, doutor Prevenção às Drogas, o qual Francisco Veloso, conheci- o Reage, REPAS, COMPED,
governo Federal, Estadual e Vitore André Zílio Maximia- apresentou com clareza as do e experiente terapeuta, BGC, CBP, Núcleo de Comu-
Municipal, líderes religiosos no; a senadora do Paraná, mudanças experimentadas palestrante e responsável nhão Pastoral, Cruz Azul Bra-
do Paraná e da Grande Curi- doutora Gleisi Hoffmann; a em sua vida pessoal e fa- pelo atendimento a depen- sil, Igreja Batista de Lindóia,
tiba, responsáveis por Áreas deputada Federal mais vota- miliar, a partir do encontro dentes químicos em recu- dentre outras, e realmente foi
do 1º setor que coordenam da do estado, doutora Cris- pessoal com Jesus. Uma pa- peração na cidade de Vila uma bênção.
notícias do brasil batista o jornal batista – domingo, 15/03/15 13
OBITUÁRIO

Pastor Daniel Idelfonso


Fabiano do Carmo, pastor lhedor, um servo de oração, tério pastoral, quis chamá-lo
interino da Igreja Batista que tantas vezes, daquele para a glória.
Ebenézer – Mesquita - RJ púlpito de madeira, procla- À família do pastor deixa-
mou mensagens divinais de mos o consolo real e que a

N
o dia 10 de ja- pura exaltação a Deus e de memória do pastor viva em
neiro de 2015 crescimento à Igreja. nós. E, eu, pastor Fabiano,
perdemos um O pastor Daniel trouxe um que vos escrevo este artigo,
grande amigo, novo tempo para as nossas deixo aqui o meu agradeci-
um grande pai, um marido vidas como Igreja, ele foi mento a Deus por ter coloca-
excelente, um verdadei- um vaso nas mãos do oleiro do este grande ministro em
ro ombro amigo, um bom moldado cada dia para a nossas vidas e deixo um re-
pastor, daqueles que Deus missão do Reino de Deus gistro: esse homem de Deus
coloca para ser bênção em aqui na terra, um embaixa- me colocou no mesmo nível
nossas vidas, pastor Da- dor de Cristo extraordinário. e postura pastoral como ele,
niel Idelfonso. Não venho Falar do pastor Daniel em sem nem mesmo questionar
aqui para falar de tristeza, palavras é até covardia por a minha idade para isso.
e sim de coisas boas desse tantas e tantas experiências Que nós, amigos, igreja e
grande homem de Deus, boas que compartilhamos família, possamos lembrar
um homem de sorriso fácil, por longos anos. Mas, o Se- sempre deste grande pastor.
trabalhador, um ajudador nhor dos pastores, que um Até um dia meu, e nosso,
da Obra de Deus, um aco- dia o chamou para o minis- pastor Daniel Ildefonso.

Pastor João Paulichenco foi estar com Jesus


Arnon Henrique Tavares, o nosso filho João Henrique casa e, andando pela calçada,
membro da Primeira Igreja P. Tavares, ambos, marido e um carro ao sair da garagem o
Batista em Dracena - SP mulher, empregaram-se no atropelou, jogando-o ao chão.
ramo do comércio: ela como Nesse acidente fraturou os os-

F
oi esta a triste notí- secretária e ele como agente sos de um lado da bacia, sen-
cia que recebemos na do comércio exterior. do operado duas vezes com
manhã do dia 18 de Com muita dificuldade, colocação de hastes dentro
fevereiro, quando nos- formou-se na faculdade de do osso do fêmur. Depois foi
so filho João Henrique nos teologia em Perdizes - SP, a reoperado para trocar a haste
passou naquele momento. uma distancia de 30 Km de por placas, ficando imobiliza-
Pastor João, descendente sua cidade, Osasco; depois do. Tal procedimento acarreta
de ucranianos que vieram se formou em direito e exer- muitas complicações, como
como imigrantes, ainda jo- ceu o ministério, sendo, a pneumonia (o paciente não
vem aceitou o convite para princípio, em São Caetano e pode expelir secreções pul-
assistir a um trabalho, em depois em Osasco. Advogava monares) e também infecção
uma reunião da sua grei Ba- nas horas vagas, às vezes, aos generalizada, o que ocasiona
tista e, logo, aceitou a Cristo. mais chegados às Igrejas da a terrível “Sepse”.
Em continuação de suas lidas sua grei. O pastor João Paulichenco
religiosas, sentiu o desejo Quanto à convivência com nos deixou uma experiência
e chamado para ser pastor. familiares, eu nunca vi um de vida salutar. Foi arrebata-
Casou-se com a jovem, tam- casal de avós tão chegado do ao paraíso e ouviu pala-
bém descendente de ucrania- aos filhos e netos. Estes o vras inefáveis. Que façamos
nos, Ana Paulichenco. Desse chamavam de “Deid” e a avó os mesmos ensinamentos
casamento nasceram três de “Baba”. para que também tenhamos
lindas filhas, Ruth, Noemi e Há questão de três meses, já um encontro salutar com
Miriam, que é casada com morando em Perdizes, saiu de Cristo.
14 o jornal batista – domingo, 15/03/15 ponto de vista

Departamento de Ação Social da CBB

Realidade que não


podemos ignorar
Remy Damasceno, A tendência que muitos de desempenhar o papel de reli- para atos reprováveis, inclusi- Após sua realização, o
coordenador do nós têm de negar que deter- gioso, mas que se encontram ve a violência. Alguns acabam DAS publicará no próprio O
Departamento de Ação minados males acontecem distantes do Evangelho de progredindo ao ato em si. Jornal Batista, bem como no
Social da CBB no ambiente cristão não se Cristo. Além desse segundo Se não há motivos para Portal Batista, a análise das
mostra razoável, ao menos motivo, há ainda a descon- negar sua realidade, faz-se informações obtidas. Após

N
o 8° Encontro Na- por três motivos. O primei- fortável constatação de que necessário enfrentá-la. Visan- essa etapa, publicaremos
cional Batista de ro, é evidente e prático: os todos nós somos capazes de do auxiliar as igrejas nesse artigos no site oferecendo
Ação Social, ocor- males simplesmente acon- praticar o mal. enfrentamento, o Departa- informações e reflexões para
rido em fevereiro tecem. Não há como negar Paulo afirmou que ele vivia mento de Ação Social da melhor compreensão so-
em Gramado - RS, tratou-se a presença de atos ilegais e o dilema de querer fazer o Convenção Batista Brasileira bre a violência e modos de
sobre violência doméstica, moralmente condenáveis em bem e não conseguir e, talvez (DAS) e os líderes de ação so- enfrentá-la.
em especial a praticada con- nossas igrejas, os exemplos o pior, de não querer fazer o cial que algumas Convenções Algumas realidades nós
tra a mulher. Entre relatos de são diversos. Mas, não era mal e fazer, como descreve regionais possuem (há líderes gostaríamos de ignorar, mas,
casos e dados estatísticos, para nos surpreender, afinal, Romanos 7.19-20. Realidade em 12 Convenções), realiza- fazê-lo, é lançar alguns em
ficou evidenciado que este Jesus informou que haveria decorrente da existência do rão uma pesquisa visando um sofrimento sem esperan-
problema também ocorre, lobos em pele de ovelha em pecado em nós. Reconhecen- compreender melhor essa ça. E nós somos o povo que
para nossa tristeza, em nos- nossas igrejas, como diz Ma- do essa realidade, sabemos realidade e sua incidência proclama e vive a verdadeira
sas igrejas. teus 7.15. Pessoas que sabem que há em nós a inclinação entre as Igrejas Batistas. esperança: Jesus Cristo.

O CNJ e o
casamento
homoafetivo:
avanço ou
retrocesso?
Gilberto Garcia, mestre em teria o CNJ competência para ser alvo de ações judiciais de A Procuradoria-Geral da nal, razão pela qual haveria
Direito, colaborador de OJB emanar decisões com força crimes de ódio, seguindo de- República (PGR) e a Advo- violação ao princípio da se-
de lei e, dessa forma, a todos cisões judiciais que apoiam cacia Geral da União (AGU) paração dos poderes. Para a

A
Escola de Magis- obrigando, assim, usufruir a legalidade do casamen- sustentam que o casamento PGR, o STF já decidiu pela
tratura do Tribu- uma prerrogativa que é do to homossexual (...)”, “(...) homoafetivo é direito cons- interpretação ampla e inclu-
nal de Justiça do Legislativo Pátrio? Igrejas (Norte-Americanas) titucional, pois enviaram pa- siva ao conceito de família
estado do Rio de É de se registrar o noticia- têm alterado seus Estatutos recer ao Supremo Tribunal ditado pela Constituição Fe-
Janeiro – EMERJ - através do do pela mídia internacional para se proteger contra ações Federal opinando pela impro- deral (...)”.
Fórum Permanente de So- o que vem acontecendo na judiciais relativas ao Casa- cedência da ADIN, proposta Por isso, relevantíssimo o
ciologia Jurídica realizou um Inglaterra: “(...) Casal gay mento Gay. As igrejas es- pelo Partido Social Cristão enfrentamento da temática
excepcional encontro, com vai processar Igreja sobre tão começando a adicionar - PSC -, em uma perspectiva pela EMERJ, eis que esta não
o ousado tema acima expli- o casamento gay. O casal cláusulas em seus estatutos de extensão da interpretação é pacifica na comunidade ju-
citado, para o debate entre a homossexual promovido para que seus ministros só da Constituição Federal. rídica nacional, havendo po-
sociedade e juristas a respei- pelo governo britânico para realizem casamentos tradi- A ação impetrada pelo sicionamentos diametralmen-
to da Resolução 175/13 do ajudar a vender a nova le- cionais em suas instalações, PSC questiona a Resolução te opostos, com argumentos
CNJ, que obriga os cartórios gislação do casamento gay em resposta às decisões do 175/13 do Conselho Na- fundamentados, inclusive
do país a atender requeri- do estado para o público já casamento homossexual da cional de Justiça - CNJ, ór- como considerado pelos pa-
mentos de casais gays para a afirmou que a política não Suprema Corte (...), relativa gão do Poder Judiciário que lestrantes do Encontro no
conversão de uniões estáveis vai longe o suficiente, e está a inconstitucionalidade da tem precipuamente função TJ/RJ que compartilharam
em casamentos, e efetivar pensando em processar a Lei Federal que definia casa- administrativa relativa ao posicionamentos favoráveis
casamentos homoafetivos, Igreja em um outro impulso mento como união entre um controle externo da atuação e contrários.
onde participaram estudan- para redefinir a instituição homem e uma mulher (...)”, disciplinar dos magistrados Na Europa temos o exem-
tes de direito, servidores do casamento (...)”, em que deixando a definição para os brasileiros, atualmente pre- plo francês. Eis que, quando
do judiciário, ativistas do pese a lei do casamento gay estados. sidido pelo presidente do o Judiciário foi provocado,
movimento gay, advogados, aprovada pelos ingleses dis- Algumas Igrejas nos EUA, Supremo Tribunal Federal, deliberou que a legitimidade
juízes, desembargadores, por de regulamentos que “(...) estão reescrevendo seus ministro Joaquim Barbosa, é do Legislativo; destacando
professores de direito etc. desobrigariam as igrejas a estatutos, especificamente à quem tivemos a satisfação que o Brasil é um dos poucos
Após as ricas exposições foi realizarem casamentos ho- para proibir celebrantes do de presentear pessoalmente países onde o Poder Judici-
aberto o debate aos partici- moafetivos. casamento homossexual do no Salão Nobre do STF, com ário tem se posicionado em
pantes, quando fizemos dois Nos EUA noticiou-se: “(...) uso de suas instalações (...)”, uma de nossas obras, o Livro: temas que grupos da socie-
questionamentos aos com- Pastores não querem ser em uma espécie de Blinda- “Novo Direito Associativo”, dade civil têm pleiteado sob
ponentes da mesa: Primeiro : processados por não reali- gem Jurídica Estatutária que Editora Método/Grupo GEN. a alegação de que o Poder
não é competência do Poder zarem casamentos gays. É também já é utilizada no “(...) O PSC alega que o Legislativo estaria se omitin-
Legislativo a promulgação de difícil nadar contra a maré Brasil, como recomendado CNJ extrapolou sua com- do, entre os quais a questão
lei que normatize o casamen- de mudanças. Os religiosos pela Convenção Geral das petência administrativa e do casamento homoafetivo,
to homoafetivo no sistema de algumas congregações Assembleias de Deus no Bra- invadiu a prerrogativa legis- o que é preocupante para a
legal brasileiro? Segundo : conservadoras dizem temer sil – CGADB. lativa do Congresso Nacio- sociedade civil.
ponto de vista o jornal batista – domingo, 15/03/15 15

Pense e
produza
teologia
Samuel Amaro dos Santos, dadeiros motivos pelos quais pessoas entendam que seja mos, medo de pessoas e de mantém submersos no mar
pastor da Igreja Batista em precisamos pensar e produ- relevante, que nós entenda- instituições que, infelizmen- da mediocridade. Abaixo a
Laje do Muriaé - RJ zir teologia e, entre muitos mos. Precisamos de liberda- te, geram o medo, pois algu- alienação teológica, a eliti-
motivos que poderia falar, de para pensar e construir mas vezes somos oprimidos, zação do saber teológico, a

P
recisamos pensar e quero destacar apenas um uma teologia mais Crística e ameaçados, perseguidos por decapitação do pensar, ao
produzir teologia. É como razão principal para menos farisaica. Liberdade te- aqueles que fazem parte de emburrecimento teológico,
isso mesmo que leu. pensarmos e produzirmos ológica que é gerada, cresce uma “elite clerical teológica” ao empobrecimento espiri-
Parto do princípio teologia, a nossa profunda e se fortalece, pois tem seu muitas vezes denominacio- tual, ao encarceramento da
que podemos pensar, estudar necessidade de conhecer nascedouro em Deus; liber- nal, que querem não só calar reflexão, abaixo a produção
e produzir teologia. Pensar e Deus e Sua vontade. “Sobre dade que nasce da escravi- a nossa boca, mas trancafiar de reprodutores e não de
produzir teologia não é algo Deus, só Deus pode falar. dão, nossa escravidão a Deus a nossa liberdade de pensar e pensadores, produtores.
restrito a uma pequena elite Logo, a teologia somente e Sua vontade, pois quanto refletir. Pensar, refletir, ques- Encerro minha palavra,
intelectual que do alto de pode ser o serviço à vonta- mais o conheço, mais livre tionar não significa apostasia nem esgotando, nem imagi-
suas cátedras fazem jorrar de de Deus, o serviço à sua sou. Precisamos de liberdade denominacional, não signifi- nando que essas são as únicas
um conhecimento e saber te- Palavra”. (Roldán, cintando para questionar, reconsiderar ca renovação e abandono de lições que possamos apren-
ológico que devem ser acei- Karl Barth no Livro “Para que alguns temas, alguns posi- doutrinas, mas a segurança der, mas, propondo e desa-
tos por nós, meros mortais, serve a Teologia”, pg. 33). cionamentos; precisamos ser de que podemos pensar sem fiando a todos a rompermos
como a totalidade da verda- Precisamos conhecer mais alforriados e alforriar pessoas o risco de uma debandada com a preguiça, com o medo,
de. Não. Também podemos a Deus, e podemos, pois para o debate, não apenas doutrinária, pois pensaremos com a acomodação, com o
pensar e produzir teologia. Ele se revelou e nos permite como simples ouvintes, mas biblicamente, refletiremos, acanhamento, com os mitos
Destaco que há um grupo conhecê-lO. Façamos isso como vozes que podem e de- avaliaremos e reavaliaremos sobre a teologia, e pensarmos
seleto de teólogos que pen- através da teologia. Deus é vem ser ouvidas. Precisamos nossa doutrina sempre fun- e produzirmos uma teologia
saram e pensam, produziram o maior teólogo que exis- de liberdade para dizer que damentados nas Escrituras; que nasça do nosso profundo
e produzem boa teologia, o te, escreveu o melhor livro decidimos pensar e produzir somos o povo da Bíblia, ain- desejo e da nossa necessida-
que para nós é importante, de teologia, enviou Jesus teologia. Precisamos de uma da somos. de de conhecer mais a Deus
pois nos serve como fonte para nos ensinar a teologia liberdade que surge não das A teologia é libertadora e Sua vontade, que nasça da
de pesquisa, e precisamos prática, aulas de campo, amarras que violentamente e não opressora. Há que pesquisa incessante e incan-
deles. Somos gratos. A todos, aplicação de Sua teologia retiramos, mas a liberdade bela teologia ensinou Jesus sável das obras teológicas que
o nosso reconhecimento. de uma forma que pudesse que surge da maturidade te- quando fez o doce convite, temos, não como o destino
Mas, isso não significa que ser ouvida, sentida, experi- ológica, que não aceita mais “Venham a mim todos os final do saber teológico, mas
na teologia exista o clero e o mentada. Enviou o Espírito nenhum tipo de amarra, pois que estais cansados e sobre- como um mapa que mostra
laicado, os senhores absolu- Santo para ser o nosso guia, é livre, biblicamente livre. carregados e eu vos aliviarei. muitos outros destinos. Que
tos e os vassalos. Não. Creio para que fosse um luzeiro Só alcançaremos a liberdade Tomai sobre vós o meu jugo nasça de debates inteligentes
que existem classes distin- que nos permitisse estudar, teológica se nos tornarmos e aprendei de mim, porque e construtivos, não como
tas com propósitos comuns, aprender e praticar a teolo- cada vez mais escravos de sou manso e humilde de uma queda de braços ou um
classes que divido com muita gia de Deus, conhecendo Deus, da Sua Palavra e da coração, e achareis descanso UFC teológico e, sim, da
simplicidade em duas: a pri- o próprio Deus. Precisamos Sua vontade. para a vossa alma. Porque o união daqueles que querem
meira, a teologia produzida usar a teologia para conhe- Precisamos pensar e produ- meu jugo é suave, e o meu pensar e produzir teologia re-
na/e para a academia e, a cer mais a Deus e não mais zir teologia, mas sem medo. fardo é leve” (Mt 11.28-30). levante. Que nos impulsione
segunda, a teologia recebida sobre Deus, precisamos tirá- O medo de refletir e fazer Todos que aceitaram o con- a pensarmos e produzirmos
na academia, mas, pensada, -lo dos tubos de ensaios, do teologia paralisa a produção vite de Jesus, encontraram uma teologia local relevante,
aperfeiçoada, praticada nas microscópio, das páginas teológica local e nos leva a uma doce liberdade, Jesus não criadora de abismos, mas
igrejas, nas comunidades. dos livros, e colocá-lo como uma mesmice que nos faz os convidou para a liberdade construtora de pontes, que
Por quem? Por nós, pastores, Senhor absoluto em nossos apenas reproduzir, não nos espiritual, e não para a alie- pode ser sentida, experimen-
líderes, igrejas locais. corações. Precisamos pensar dando ao trabalho de, pelo nação, não para um campo tada, ouvida e entendida, mas
Precisamos pensar e pro- e fazer teologia, pois temos menos, refletir no que já foi de concentração teológico a pensarmos e produzirmos
duzir teologia, mas pelas uma profunda necessidade produzido, mas apenas re- doutrinário opressor. Não uma teologia relevante para
razões certas. Então, surge de conhecer Deus. produzir, repetir pobreza podemos ter medo de pensar a Igreja, nossa comunidade,
a pergunta: por que e para Também precisamos pen- teológica, preguiça teológi- e produzir teologia, sei que é e que nasça da observação
que pensar e produzir teolo- sar e produzir teologia, mas ca. Precisamos lançar fora o arriscado, pois muitas vezes de necessidades, observação
gia? Para ostentar o título de com liberdade para pensar. medo que nos torna covar- ela é a voz que denuncia, que gera reflexão, que gera
teólogo ou de bacharel em Liberdade teológica para pen- des, tímidos, que nos para- toca na ferida e incomoda, compaixão, que nos move
teologia? Apenas para enri- sar, não liberalismo teológi- lisa. Temos muito medo de revela as nossas mazelas, para a ação, a pensarmos e
quecimento do conhecimen- co, mas liberdade para cons- errar, medo de admitir que arranca as nossas másca- produzirmos uma teologia
to? Para ser pastor ou liderar truir uma teologia que nasce erramos, medo das críticas, ras, mas, liberta, e como para/e do século XXI, para
algum ministério? Essas e da pesquisa, observação, medo de nos comprometer, é bom ser livre, não pode- que respondamos teologica-
outras razões agem como reflexão, da ação da Igreja no medo de falar, medo de pen- mos fazer do medo uma mente as demandas e interro-
fatores reducionistas dos ver- mundo, uma teologia que as sar, medo de nos posicionar- tábua de salvação que nos gações do nosso tempo.