Você está na página 1de 28

03/04/2017

Profa. Cristina Helena dos Reis Serra


2017

SOLUÇÕES FARMACÊUTICAS
"São preparações líquidas que contém uma ou mais substâncias químicas
dissolvidas em um solvente apropriado ou mistura de solventes miscíveis“
(Definição (USP 23 ed.)
Fármaco ou associação de fármacos
Excipientes / Adjuvantes

Dissolvidos em um sistema solvente


(veículo)
Sistema HOMOGÊNEO
(a olho nu e ao microscópio)

VIA DE ADMINISTRAÇÃO
 VIA ORAL – Soluções orais
 VIA TÓPICA – Soluções Tópicas
 VIA PARENTERAL – Soluções injetáveis
 Outros tipos de soluções

1
03/04/2017

Via oral – Soluções orais


xaropes, elixires, gotas orais...

Bromidrato de dextrometorfano a 0,133 %


p/ v. Contém Sacarose, Etanol, Benzoato
de sódio

Via tópica – Soluções


Tópicas
 Soluções tópicas:
 Antissépticos e desinfetantes
 Gargarejos e colutórios
 Soluções otológicas
 Soluções de uso nasal (errinos)
 Soluções oftálmicas

2
03/04/2017

Via parenteral
Soluções injetáveis
Soluções parenterais – Injetáveis

Outros tipos
Soluções para irrigação e lavagem

Soluções extrativas: tinturas e extratos fluídos

Vantagens das soluções


farmacêuticas

 Uniformidade
 Versatilidade
(via de
administração/doses)
 Vários tipos de
pacientes
 Biodisponibilidade

3
03/04/2017

Desvantagens
 Estabilidade – (presença de água)
 Limitações na solubilidade
 Acondicionamento e transporte (volume)
 Doses múltiplas – administração pelo próprio
paciente

Prevalece
comprimidos

Prevalece
soluções
orais

Requisitos - Soluções
Requisitos Fatores fundamentais
 Qual o solvente mais SOLUBILIDADE
adequado?

 Como manter a ESTABILIDADE FÍSICA, QUÍMICA


estabilidade? E MICROBIOLÓGICA

 Há necessidade de
mascarar sabor e CARACTERES SENSORIAIS
odor?

4
03/04/2017

Soluções

Solubilidade

Estabilidade

Características
Sensoriais

SOLUBILIDADE
(g/mL ou mg/mL)

5
03/04/2017

Solubilidade
 Ácido bórico..................... 10% (m = 6,0 g)
 Água destilada.............qsp 60 mL

 Ácido bórico – para dissolver 1 g são necessários 18 mL


de água (The Index Merck)

 ESTA FÓRMULA É VIÁVEL????


 Para preparar esta fórmula o volume necessário de água
será de 108 mL!!!!

SOLUBILIDADE
A expressão partes refere-se à dissolução de 1 g de um sólido
no número de mililitros do solvente estabelecido no número de
partes.
Expressões descritivas de solubilidades relativas (FB 4 ed.,
1988)
Partes de solvente para dissolver
Termo descritivo uma parte de soluto

Muito solúvel Menos de 1 parte


Facilmente solúvel De 1 a 10 partes
Solúvel De 10 a 30 partes
Ligeiramente solúvel De 30 a 100 partes
Pouco solúvel De 100 a 1.000 partes
Muito pouco solúvel De 1.000 a 10.000 partes
Praticamente insolúvel ou insolúvel Mais de 10.000 partes

Fatores que afetam a solubilidade dos solutos


(fármacos e adjuvantes)
 Características moleculares – estrutura química
 pH e pKa
 Temperatura
 Solvente
 Co-solvente
 Solubilização
 Formação de Complexos
 Tamanho de partícula
 Polimorfismo

6
03/04/2017

SOLUBILIDADE:
Características moleculares
 Estrutura químicas e presença de grupos funcionais
 Presença de grupos polares:
 COOH, OH, CHO, COH, CHOH, CH2OH
 NO2, NH2, SO3H

 Sais
 Sulfatos
 Sais de metais alcalinos (sódio, potássio)
 Cloridratos
 Cloretos

Solubilidade em água de alguns compostos


orgânicos em relação à estrutura química

Mililitros de água necessários


Composto Fórmula para dissolver 1 g da
substância

Benzeno C6H6 1.430

Ácido Benzóico C6H5COOH 275

Álcool benzílico C6H5CH2OH 25

Fenol C6H5OH 15

Metilparabeno C6 H4(OH)COOCH3 400

Propilparabeno C6H4(OH)COOCH2CH2CH3 2.000

Solubilidade em água e álcool de alguns ácidos fracos e bases


fracas e seus sais
(mL de solvente para dissolver 1 g da substância)
Composto Água Álcool
Atropina 455 2
Sulfato de atropina 0,5 5
Codeína 120 2
Sulfato de codeína 30 180
Fosfato de codeína 2,5 325
Fenobarbital 1.000 8
Fenobarbital sódico 1 10

Procaína 200 solúvel


Cloridrato de
1 15
procaína

7
03/04/2017

SOLUBILIDADE:
pH e pKa
 Boa parte dos fármacos são ácidos fracos ou bases fracas

 Bases fracas se dissolvem melhor em pHs relativamente


mais ácidos

 Ácidos fracos se dissolvem melhor em pHs relativamente


mais básicos
USO DE SOLUÇÃO TAMPÃO –
faixa de pH adequado

pH x Estabilidade x Solubilidade x Compatibilidade Fisiológica

Soluções tampão – ácido bórico/borato de sódio; ácido bórico/acetato de


sódio; fosfato de sódio/difosfato de sódio; ácido bórico/carbonato de sódio

SOLUBILIDADE:
Temperatura

 Aumento da temperatura - Aumenta a


solubilidade e velocidade de dissolução

 Ex: Sacarose dissolve mais rapidamente sob


aquecimento
 Parabenos dissolvem em água sob
aquecimento
 Estabilidade das substâncias frente ao
aquecimento

SOLUBILIDADE:
Solvente ou sistema solvente
 Soluções aquosas
 Água  Soluções oleosas
 Glicerina  são menos comuns
– solventes:
 Propilenoglicol  Óleos fixos de
origem vegetal
 Sorbitol  Parafina líquida
 Polietilenoglicol (de baixo  outros (xileno -
gotas auriculares)
peso molecular)
 Álcool

8
03/04/2017

SOLUBILIDADE:
Solvente ou sistema solvente
 ÁGUA PURIFICADA (PW)
 SORBITOL
 GLICERINA
 PROPILENOGLICOL
 POLIETILENOGLICOL - PEG 400 - soluções tópicas

 ÁLCOOL
 crianças com menos de 6 anos – até 0,5%; entre 6 -12 anos – até 5%.

SOLUBILIDADE:
Co-solventes

 Co-solvência

 Ex. fenobarbital (1,2 g/L em água e 13 g/L em álcool)

 Co-soventes - etanol, sorbitol, glicerina,


propilenoglicol, polímeros do polietilenoglicol

 Qual a razão para empregá-los?

Solubilidade do fenobarbital com uso de co-


solventes
Álcool
absoluto e
glicerina

Etanol e
água

Glicerina
e água

9
03/04/2017

Exemplos
Xarope anti-histamínico  Solução anti-fúngica

Maleato de clorfeniramina............... 0,4g Iodo.................................................2,0g


Ácido benzóico................................2,0g
Glicerina ..................................... 25,0 mL
Ácido salicílico.................................2,0g
Xarope Simples............................ 83,0 mL Glicerina....................................15,0 mL
Solução de sorbitol (67%) ........ 282,0 mL Álcool 70% qsp........................100,0 mL
Benzoato de sódio .......................... 1,0 g
Álcool .......................................... 60,0 mL
Corante e Flavor ................................. q.s.
Água purificada q.s.p. .............. 1000,0 mL

SOLUBILIDADE:
Solubilização
 Presença de tensoativos
 “Qualquer material pode
ser solubilizado em
qualquer solvente pela
escolha adequada de um
tensoativo “ (McBain)

 tensoativos mais usados


– tween 20 e 80 na
concentração de 0,2 a
10% – vitaminas,
hormônios, teofilina,
benzocaína, sulfonamidas.

SOLUBILIDADE:
Formação de complexos
 Formação de complexos
(cafeína-benzocaína;
teofilina-salicilato de sódio;
Iodo e PVP; Iodo e Iodeto de
Potássio)

 Ciclodextrinas

 Dispersões/soluções sólidas
 PVP
 PEG
 Poloxamer

10
03/04/2017

OUTRAS CARACTERÍSTICAS
 Tamanho de partícula - Redução do tamanho
das partículas

 Polimorfismo (formas cristalinas x forma


amorfa)

CONSERVANTES

PARABENOS - Solubilidade
diminui com o aumento do R.
 GARANTIR ESTABILIDADE MICROBIOLÓGICA
 Mais usados:
 Parabenos (pKa 8,5) (ésteres do ácido parahidroxibenzóico) (0,1 - 0,2 %);
 Compostos de amônio quaternário (<0,02%)
 agem como tensoativos.

 ácido benzóico (pKa 4,5) e seus sais (0,1% - 0,2%),


 ácido sórbico (pKa 4,8) e seus sais (0,1% - 0,2%);
 álcool (acima de 15%; 15-20%).

 Incompatibilidades: tensoativos não-iônicos (tweens), gomas, gelatina, PVP, CMC, MC,


Polietilenoglicóis.

11
03/04/2017

ANTI-OXIDANTES
SEQUESTRANTES
 Anti-oxidantes

 Hidrofílicos
 Vitamina C ou ácido
ascórbico e ésteres
 Sulfito e metabissulfito

 Lipofílicos
 BHT
 BHA
 Vitamina E
 Sequestrantes
 EDTA
 Ácido citrico
 Ácido tartárico

AGENTES CORRETIVOS DE pH e
SISTEMAS TAMPÃO
 pH (corrigir ou manter o pH numa faixa adequada)

 Ácido cítrico
 Hidróxido de sódio diluído
 Ácido clorídrico diluído
 Sistemas tampões
 Fosfato
 Citrato
 Acetato

12
03/04/2017

Formas de mascarar sabor


desagradável
 Uso de substâncias que conferem sabor
doce (edulcorantes)
 Uso de substâncias que proporcionam
aroma (aromatizantes)
 Uso de agentes de viscosidade
 Uso de corantes

EDULCORANTES

 SACAROSE - sabor agradável


 ASPARTAME - estabilidade na faixa de pH: 3,4 e 5,0.
200 vezes mais doce que a sacarose.
 SACARINA - 250 a 500 vezes mais doce que a sacarose.
 CICLAMATOS - Sabor residual amargo e metálico
 Polióis – sorbitol, glicerina

EDULCORANTES
SOLUBILIDADE
EDULCORANTE CONC. DULÇOR SOLUBILIDADE (mL de solvente
USUAL por 1 g)
ÁGUA ÁLCOOL OUTROS

ASPARTAME - 180-200 pouco pouco -


CICLAMATO 0,17% 30 5 250 PPG (25)
SÓDICO
SACARINA 0,02 A 500 290 31 Glicerina
0,5% (p/p) (50)
SACARINA 0,075-0,6% 300 1,2 50 PPG (3,%)
SÓDICA
SACAROSE Menos que 1 0,5 170 -
85% (p/v)
GLICERINA Menos 20% - miscível miscível -
SORBITOL 20-70% 0,5-0,6 0,5 25 -
PÓ DE STÉVIA Menos que 30 - - -
0,3%

13
03/04/2017

AROMATIZANTES
 Substâncias de origem natural ou sintética, destinados
a serem incorporados às formulações com a finalidade
de mascarar ou melhorar o sabor e odor.

SABOR FLAVORIZANTE
DOCE Baunilha; frutas; uva; tutti-fruti; frutas silvestres.
ÁCIDO Limão; lima; laranja; cereja; uva; framboesa.
SALGADO Nozes; creme; canela; laranja.
AMARGO Café; chocolate; menta; cereja; pêssego; framboesa;
laranja; limão; lima.

AGENTES MODIFICADORES DE
VISCOSIDADE
 VISCOSIDADE
 Adjuvante do paladar
 Melhorar o escoamento

 PVP(1% a 2%)
 Derivados de celulose (CMC sódica ou MC - 1% a
2%)
 (Dispersá-los em água antes de utilizá-los na preparação das soluções)

CORANTES
 Compostos orgânicos, de origem natural ou
sintético, ou idêntico ao natural, reproduzido por
síntese.
 90% dos corantes são sintetizados a partir da anilina
 1938 - Regulamentação do FDA - FD&C; D&C
 Concentração usual - 0,0005 a 0,001%
 Seleção se faz em função:
 ASPECTO TÉCNICO e LEGAL

14
03/04/2017

CORANTES
 Incompatibilidades
 Estabilidade (pH, luz, calor, oxidantes e redutores)
 Solubilidade no veículo
 Inocuidade à saúde – aspecto legal
 Poder tintorial (define a concentração)
 Características organolépticas

 Diversidade na nomenclatura
 bordeaux S = vermelho alimentício 9 = vermelho ácido 27 =
INC 16185A = FD&C vermelho n. 2

OUTROS ADJUVANTES

AGENTES ISOTONIZANTES
(soluções ofitálmicas e outras)
 Evitar dor e irritação

 Cloreto de sódio
 Dextrose

 soluções injetáveis
 soluções oftálmicas
 soluções para aplicação em mucosas

15
03/04/2017

Formulação
Expressão Abreviatura Significado
 Calcular quantidades
Porcentagem % p/v Massa (g) em
 Estudo critico peso sobre 100 mL do
volume produto final
Água Boricada
Ácido bórico...................................3,0% Porcentagem % v/v Volume (mL)
Metilparabeno................................0,1% volume sobre em 100 mL
Água deionizada qsp................100,0mL volume do produto
final

Porcentagem % p/p Massa (g) em


peso sobre 100 g do
peso produto final

Exemplos :

LÍQUIDOS

 1 % p/v = 1 g do componente em 100mL do


preparado

 1 % v/v = 1 ml do componente em 100mL


do preparado.

PÓS
 1 % p/p = 1 g do componente em 100g do preparado

16
03/04/2017

Pesagem
 Separação das matérias-
primas
 Pesagem em balanças
adequadas

Trituração
Pequena escala Larga escala

Dissolução em pequena escala


 Dissolução das substâncias em
pequenas quantidades do
solvente apropriado – sub-
misturas

17
03/04/2017

Dissolução em grande escala

Em pequena escala
 Finalização do preparo –
acerto de volume final e
obtenção de mistura
homogênea

 Filtração

Em grande escala

18
03/04/2017

Em grande escala

ENVASE

19
03/04/2017

ENVASE

ENVASE
 Qual a medida exata de uma colher de sopa, tão usada
nas prescrições médicas?

As soluções podem ser desenvolvidas para serem dispensadas em colheres


dosadoras/copos dosadores ou em gotas

Doses dos medicamentos líquidos:

Tais medidas tem a indicação de capacidade a seguir:


Colher de café......................................3 mL
Colher de chá.......................................5 mL
Colher de sobremesa..........................10 mL
Colher de sopa....................................15 mL

As doses menores que 3 mL costumam ser indicadas em GOTAS.

Usualmente a dose terapêutica do medicamento


deve estar contida em 20 gotas ou seja 1ml.

20
03/04/2017

ENVASE

SOLUÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO ORAL -


CLASSIFICAÇÃO

 REQUISITOS - PROPRIEDADES SENSORIAIS - SABOR

 XAROPES

 ELIXIRES

 GOTAS

 SOLUÇÃO PARA REHIDRATAÇÃO ORAL

21
03/04/2017

Definição de Xarope
 É a forma farmacêutica aquosa caracterizada pela alta
viscosidade, que apresenta não menos que 45% (p/p)
de sacarose ou outros açúcares na sua composição. Os
xaropes geralmente contêm agentes flavorizantes.
Quando não se destina ao consumo imediato deve ser
adicionado de conservadores antimicrobianos
autorizados. (Formulário nacional da farmacopeia
brasileira – 2012)

XAROPES
 Xarope simples – veículo para a maioria das soluções orais.

 São soluções hipertônicas, límpidas, aquosas e densas,


densidades de 1,30 g/mL. (Densidade da água é 1,0 g/mL)

 Exemplo de veículo:

 Xarope Simples
 Sacarose...............850,0 g (85%)
 Metilparabeno.......1,0 g (0,1%)
 Água qsp...............1000,0 mL

Xarope Simples
 Densidade do xarope simples =  Aquecimento com temperatura
1,3g/mL controlada (não ser superior a 75°C
 D = m/V (g/mL) (dissolução do açúcar)

 1 mL de xarope tem peso de 1,3 g;  Utilização de polióis


(glicerina/sorbitol) para evitar a
 Portanto, 100 mL de xarope recristalização
apresenta um peso total de 130 g,
dos quais, 85g são de açúcar;

 O que sobra será constituído por


água purificada:

 130 - 85 = 45g de açúcar = 45 mL


de água

22
03/04/2017

XAROPES
 Xarope isento de sacarose
 Reproduz as propriedades do xarope simples
 Composição:
 Edulcorante sintético - sacarina sódica (0,5%),
ciclamato de sódio (0,05%)
 Solvente – mistura de sorbitol, glicerina e água
 Viscosidade - Polímeros da celulose: metilcelulose,
hidroxipropilcelulose (não glicogênicas)
 Conservantes – parabenos e outros

Xarope expectorante
 Guaiafenesina 5,0 g
 Cloreto de amônia 5,0 g
 Sacarose 400,0 g
 Benzoato de sódio 1,0g
 Álcool 50,0 mL
 Sacarina sódica 5,0 g
 Ciclamato de sódio 0,5 g
 Essência de cereja 0,5 mL
 Corante vermelho framboesa 0,6 g
 Água destilada q.s.p. 1000,0 mL

Xarope anti-histamínico
Maleato de clorfeniramina............... 0,4g
Glicerina ..................................... 25,0 mL
Xarope Simples............................ 83,0 mL
Solução de sorbitol (67%) ........ 282,0 mL
Benzoato de sódio .......................... 1,0 g
Álcool .......................................... 60,0 mL
Corante e Flavor ................................. q.s.
Água purificada q.s.p. .............. 1000,0 mL

23
03/04/2017

ELIXIR
 É a preparação Elixir de dexametasona
farmacêutica, líquida, (500 mg/5 mL)
límpida, hidroalcoólica, de Dexametasona ........................10,0g
sabor adocicado, agradável, Óleo de laranja ................. 0,025mL
apresentando teor Propilenoglicol .................. 10,0 mL
alcoólico na faixa de 20% a Álcool ................................ 22,0 mL
50%. Solução de sorbitol ........... 50,0 mL
 Solventes adicionais - Sacarina sódica....................5,0 g
glicerina, sorbitol e, às Ciclamato de sódio...............0,5 g
vezes, xaropes. Corante ........................................ qs
água purificada qsp............ 100,0 mL

 (Formulário nacional da
farmacopeia brasileira – 2012)

 Biotônico Fontoura – início - percentual de 19,5% álcool


 (1910 – Farmacêutico Cândido Fontoura – o nome foi dado por Monteiro
Lobato)
 Curiosidades – Lei Seca EUA

 Em 2001, por determinação da Anvisa, que proibiu que fortificantes pediátricos


tivessem mais de 0,5% de álcool em sua composição, o Biotônico passou por
mais uma mudança.

 A partir de abril de 2001 - tônicos e fortificantes para estimular o apetite e o


crescimento (uso pediátrico), não poderão ter mais que 0,5% de etanol em sua
fórmula.

GOTAS
GOTAS  Paracetamol gotas
 forma farmacêutica líquida que em
geral, apresenta elevada  Paracetamol.................200mg
concentração de fármaco  ciclamato sódico...........0,10%
 sacarina sódica.............0,20%
 benzoatode sódio.........0,20%
 destinam-se principalmente para  metabissulfitode sódio....0,15%
uso após diluição adequada  corante amarelo crepúsculo FDC
(solução 1%).................2 gotas
 Acondicionadas em recipientes de  glicerina..........................5,0%
pequeno volume e flexíveis  flavorizantes.....................qs
 água deionizada qsp.......1,0 mL

24
03/04/2017

REHIDRATAÇÃO ORAL

 São preparações vendidas na forma líquida (soluções) ou em


pó.
 Destinam-se à reposição de sais perdidos durante processos de
desidratação
 Uma típica solução para rehidratação contémem cada litro: 45
mEq de Na, 20 mEq de K, 35 mEq Cl, 30 mEq citrato, 25 g de
dextrose.
 Edulcoradas, aromatizadas e coradas

Loção
 É a preparação líquida aquosa ou hidroalcoólica, com
viscosidade variável, para aplicação na pele, incluindo
o couro cabeludo. Pode ser solução, emulsão ou
suspensão contendo um ou mais princípios ativos ou
adjuvantes.

 (Formulário nacional da farmacopeia brasileira – 2012)

25
03/04/2017

SOLUÇÕES PARA APLICAÇÃO NA PELE


 REQUISITOS:
 Umectação – polióis (glicerina/propilenoglicol)
 Álcool - sensação de frescor – concentração –
determinar local de aplicação (pele íntegra, pele com
lesão e mucosas)
 pH (soluções tampão)
 Estabilidade – Conservantes; quelantes e anti-
oxidantes
 Viscosidade – derivados de celulose, PVP

SOLUÇÕES PARA APLICAÇÃO NA PELE – EXEMPLOS


Aquosas

 TINTURA DE IODO

Iodo.......................................2,0g
Iodeto de potássio.................2,5g
Álcool 70% v/v qsP...........100 mL

SOLUÇÕES PARA APLICAÇÃO NA PELE – EXEMPLOS


Aquosas
Água Boricada
Ácido bórico...................................3,0%
Metilparabeno................................0,1g
Água deionizada qsp................100,0mL

Água oxigenada 10 V
Peróxido de hidrogênio 130 V.....8,5 mL
Fenacetina...................................0,05%
Água deionizada qsp...............100,0 mL

Líquido de Dakin
Hipoclorito de Sódio .................... 0,5%
Ácido Bórico ............................... 0,4 %
Água Deionizada. q.s.p.......... 100,0 mL

26
03/04/2017

SOLUÇÕES PARA APLICAÇÃO NA PELE – EXEMPLOS


Hidro-alcoólicas
 Solução de gluconato de
clorohexidina0,5% em etanol 75% -
 Solução Álcool 70% desinfecção e antissepsia da pele
Álcool etílico 92,8....700,0 mL
Glicerina...................100,0 mL
Água deion.....qsp....1000,0 mL  Solução de gluconato de
clorohexidina4,0% em água e etanol
 Solução de triclosan 7% - ferimentos e antissepsia da pele em
cirurgias.
Triclosan...............................2%
Alcool 70%............qsp...100 mL

 Solução anti-fúngica
Iodo.................................................2,0g
Ácido benzóico................................2,0g  Merthiolate (digluconato de
Ácido salicílico.................................2,0g clorexidina 10 mg/mL)
Glicerina....................................15,0 mL  Digluconato de clorexidina 10 mg,
Álcool 70% qsp........................100,0 mL Veículo aquoso q.s.p. 1 ml

SOLUÇÕES PARA APLICAÇÃO NA PELE –


EXEMPLOS - Outras
 Vernizes e colódios – soluções
contendo filme elástico
destinadas a aplicação em
 Linimentos – soluções lesões da pele, como calos,
mais viscosas, aplicadas na olho de peixe, verrugas.
pele, com atrito.

 Cada mL de linimento contém:


salicilato de metila ...75,0 mg;  Cada ml contém:
cânfora ...57,6 mg; mentol...14,4  ácido salicílico...147,7 mg
mg ; terebintina ...125,5mg ;  ácido láctico...130,0 mg
veículo q.s.p ...1,00mL (Excipientes: colódio elástico, éter
(essência de mostarda, essência etílico e álcool etílico.)
de alfazema, triglicérides de
ácido graxo e álcool etílico).

SOLUÇÕES PARA APLICAÇÃO NA MUCOSA ORAL


 Colutórios
 Soluções destinadas à aplicação nas mucosas da
boca, gengiva e garganta
 Podem conter analgésicos; antissépticos e
adstringentes
 Aromatizadas e edulcoradas
 Corretivos de cor;
 Baixa viscosidade;
 Veículos - Glicerina; Água; Propilenoglicol
 Podem conter óleos essenciais, como Mentol,
 Eucaliptol, timol

27
03/04/2017

SOLUÇÕES PARA APLICAÇÃO NA MUCOSA ORAL

 Solução de fluoreto de sódio a 0,05%  antisséptico bucal


Fluoreto de sódio.........................0,05% Cloreto de cetilpiridínio..............25,0 mg
Sacarina.......................................0,1% Essência de canela....................2 gotas
Essência de menta................... 2 gotas
Essência de hortelã....................2 gotas
Metilparabeno................................0,1%
Mentol.....................................100,0 mg
Água deionizada qsp...............100,0 mL
Corante amarelo de tartaraazina (solução a
1,0%)................. 2 gotas
 Solução evidenciadora de placa
Eritrosina....................................3,0% Álcool etílico.................................qs
Glicerina.....................................10,0% Tween 80..................................... 0,1%
Sacarina.......................................0,1% Sacarina.......................................0,1%
Essência de morango............... 2 gotas Água deionizada qsp...............100,0 mL
Metilparabeno................................0,1%
Água deionizada qsp...............100,0 mL

Bibliografia
 ALLEN, L.V., POPOVICH, N. G., ANSEL, H. C. Formas
farmacêuticas e sistema de liberação de fármacos. 8 ed. Sede São
Paulo: Artmed, 2007. 775p.
 ANSEL. H. C., STOKLOSA, M. J. Cálculos Farmacêuticos. 12 ed.
São Paulo: Artmed, 2008. 451 p.
 AULTON, M. E. Delineamento de formas farmacêuticas. 2 ed.
Porto Alegre: Artmed, 2005. 677 p.
 LACHMAN, N.L., LIEBERMAN, H. A., KANING, I.L. Teoria e
prática na indústria farmacêutica. Lisboa: Calouste Gulbenkian,
2001.
 THOMPSON, J.E. A prática farmacêutica na manipulação de
medicamentos. Porto Alegre: Artmed, 2006. 576 p.
 RAYMOND C ROWE. Handbook of Pharmaceutical Excipients.
6 ed.Washington: Pharmaceutical Press, 2009, 888 p.

28