Você está na página 1de 6

1a Questão (Ref.

: 201408044744) Pontos: 0,1 / 0,1

Determinada autoridade policial recebeu informações de vizinhos de Lucas dando conta de que ele possuía arma
de fogo calibre .38 em sua casa, razão pela qual resolveu indiciá- lo pela prática de crime de posse de arma de
fogo de uso permitido, infração de médio potencial ofensivo, punida com pena de detenção de 01 a 03 anos e
multa. No curso das investigações, requereu ao Judiciário interceptação telefônica da linha do aparelho celular
de Lucas para melhor investigar a prática do crime mencionado, tendo sido o pedido deferido. De acordo com a
situação narrada, a prova oriunda da interceptação deve ser considerada

E) Ilícita, pois somente a autoridade policial tem legitimidade para representar pela medida.
A) ilícita, pois somente o Ministério Público tem legitimidade para representar pela medida.
C) ilícita, pois o crime investigado é punido com detenção.
B) válida, desde que tenha sido deferida por ordem do juiz competente para ação principal.
D) ilícita, assim como as dela derivadas, ainda que estas pudessem ser obtidas por fonte
independente da primeira.

2a Questão (Ref.: 201407994037) Pontos: 0,1 / 0,1

CESPE-2014-TJ-CE 11-Acerca das decisões e comunicações e dos atos processuais, assinale a opção correta

A citação é o ato pelo qual se dá ciência a alguém dos atos e termos do processo.
A lei classifica expressamente os atos do juiz em sentenças, decisões interlocutórias e despachos
Em regra, no julgamento da lide, cabe ao juiz recorrer à analogia, aos costumes, à equidade e aos
princípios gerais do direito.
As partes podem, de comum acordo, reduzir ou prorrogar o prazo peremptório quando o pedido fundar-
se em motivo legítimo.
Documento redigido em língua estrangeira prescinde de formalidades para ser juntado aos autos.

3a Questão (Ref.: 201407223628) Pontos: 0,1 / 0,1

Assinale a opção INCORRETA.

O juiz criminal deve observar regime de provas legais.


Na falta de exame de corpo de delito, a prova testemunhal
Os jurados no tribunal do júri julgam por íntima convicção.
O juiz criminal pode rejeitar o laudo pericial.

4a Questão (Ref.: 201407905373) Pontos: 0,1 / 0,1


XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO O Delegado de Polícia, desconfiado de que Fabiano é o líder de uma
quadrilha que realiza assaltos à mão armada na região, decide, com a sua equipe, realizar uma interceptação
telefônica sem autorização judicial. Durante algumas semanas, escutaram diversas conversas, por meio das
quais descobriram o local onde a res furtiva era armazenada para posterior revenda. Com essa informação, o
Delegado de Polícia representou pela busca e apreensão a ser realizada na residência suspeita, sendo tal
diligência autorizada pelo Juízo competente. Munidos do mandado de busca e apreensão, ingressam na
residência encontrando diversos objetos fruto de roubo, como joias, celulares, documentos de identidade etc.,
tudo conforme indicou a interceptação telefônica. Assim, Fabiano foi conduzido à Delegacia, onde se registrou a
ocorrência. Acerca do caso narrado, assinale a opção correta.

A realização da busca e apreensão não é admissível porque houve representação do Delegado de


Polícia, não existindo justa causa para o ajuizamento da ação penal.
A realização da busca e apreensão é admissível, apesar da interceptação telefônica ter sido realizada
sem autorização judicial, existindo justa causa para ajuizamento da ação penal.
A realização da busca e apreensão é admissível, tendo em vista que houve autorização prévia do juízo
competente, existindo justa causa para ajuizamento da ação penal.
A realização da busca e apreensão não é admissível, pois derivou de uma interceptação telefônica ilícita,
aplicando-se a teoria dos frutos da árvore envenenada, não existindo justa causa para o ajuizamento da
ação penal.

5a Questão (Ref.: 201407770857) Pontos: 0,1 / 0,1

(FCC/2013 ¿ TJ/PE ¿ Titular de Serviços de Notas e de Registros - adaptada) A sentença estabelecida pelo
Código de Processo Penal pode ser conceituada como a decisão final, por meio da qual se soluciona o mérito da
causa. A respeito das regras concernentes à sentença no processo penal, assinale a alternativa correta.

O juiz poderá, de ofício, modificar a descrição do fato contida na denúncia ou queixa, atribuindo-lhe
definição jurídica diversa, desde que não tenha de aplicar pena mais grave.
O juiz, ao proferir sentença condenatória, decidirá, fundamentadamente, sobre a manutenção ou, se for
o caso, imposição de prisão preventiva ou de outra medida cautelar, sem prejuízo do conhecimento da
apelação que vier a ser interposta.
O Ministério Público, se entender cabível nova definição jurídica do fato após o encerramento da
instrução probatória, devido à prova existente nos autos de elemento ou circunstância da infração penal
não contida na acusação, poderá aditar a denúncia ou queixa, no prazo de 5 (cinco) dias.
Nos crimes de ação de iniciativa pública, o juiz não poderá proferir sentença condenatória caso o
Ministério Público tenha opinado pela absolvição.
O juiz, sem modificar a descrição do fato contida na denúncia ou queixa, poderá atribuir-lhe definição
jurídica diversa, desde que não tenha de aplicar pena mais grave.

1a Questão (Ref.: 201407223674) Pontos: 0,1 / 0,1

(Magistratura/PR-2008) Quanto aos atos jurisdicionais penais, assinale a alternativa correta:

As decisões interlocutórias simples servem para solucionar questão controvertida e que diz respeito ao
modus procedendi, sem contudo trancar a relação processual; as interlocutórias mistas, por sua vez,
apresentam um plus em relação àquelas: elas trancam a relação processual sem julgar o meritum
causae.
As decisões interlocutórias simples são aquelas que encerram a relação processual sem julgamento do
mérito ou, então, põem termo a uma etapa do procedimento. São exemplos desse tipo de decisão a que
recebe a denúncia ou queixa ou rejeita pedido de prisão preventiva;
As decisões interlocutórias mistas não se equiparam as decisões interlocutórias simples, pois as primeiras
servem para solucionar questões controvertidas e que digam respeito ao modus procedendi, sem contudo
trancar a relação processual. Enquanto que as decisões interlocutórias simples trancam a relação
processual sem julgar o meritum causae;
A decisão que não recebe a denúncia é terminativa de mérito, por isso não pode ser considerada decisão
interlocutória mista;

2a Questão (Ref.: 201407994036) Pontos: 0,1 / 0,1

(MPDFT - 2013 - MPDFT - Promotor de Justiça) - Assinale a alternativa INCORRETA:

O Código de Processo Penal faz distinção entre provas e elementos informativos.


O ônus da prova, na ação penal condenatória, recai sobre a acusação.
Nos termos do Código de Processo Penal, o juiz não pode determinar, de ofício, a produção antecipada de
provas urgentes e relevantes, no curso do inquérito policial
A prova oral pode, em dadas situações, prevalecer sobre a prova pericial, na avaliação judicial dos fatos
que são o objeto da imputação
O Código de Processo Penal considera a fonte independente como exceção à proibição de utilização das
provas ilícitas por derivação

3a Questão (Ref.: 201407770841) Pontos: 0,1 / 0,1

No que diz respeito à sentença no processo penal, é incorreto afirmar que:

O juiz, ao proferir sentença condenatória, decidirá, fundamentadamente, sobre a manutenção de prisão


preventiva.
O juiz, ao proferir sentença condenatória, fixará valor máximo para reparação dos danos causados pela
infração, considerados os prejuízos sofridos pelo ofendido.
A intimação da sentença será feita ao réu, pessoalmente, se estiver preso.
O juiz, sem modificar a descrição do fato contida na denúncia ou queixa, poderá atribuir-lhe definição
jurídica diversa, ainda que, em consequência, tenha de aplicar pena mais grave.
Nos crimes de ação pública, o juiz poderá proferir sentença condenatória, ainda que o Ministério Público
tenha opinado pela absolvição.

4a Questão (Ref.: 201407994035) Pontos: 0,1 / 0,1

VUNESP - 2013 - TJ-RJ - Assinale a alternativa correta a respeito das provas processuais penais

A regulamentação dos meios de prova feita pelo Código de Processo Penal é taxativa, não sendo
admitidas provas atípicas ou inominadas
A teoria dos frutos da árvore envenenada está positivada em nossa legislação infraconstitucional
não há nenhum tipo de procedimento no Processo Penal brasileiro que adote o sistema da intima
convicção.
Fatos axiomáticos são os que dependem de prova
O Código de Processo Penal não admite, nem mesmo excepcionalmente, a prova tarifada como sistema
de apreciação da prova.

5a Questão (Ref.: 201407730012) Pontos: 0,1 / 0,1

Sobre a Prova, de acordo com o Código de Processo Penal, é correto afirmar:

O juiz formará sua convicção pela livre apreciação da prova produzida em contraditório judicial, podendo
fundamentar sua decisão exclusivamente nos elementos informativos colhidos na investigação,
ressalvadas as provas cautelares, não repetíveis e antecipadas.
São admissíveis as provas derivadas das ilícitas quando não evidenciado o nexo de causalidade entre
umas e outras, ou quando as derivadas puderem ser obtidas por uma fonte dependente das primeiras.
Considera-se fonte independente a prova que por si só seria incapaz de conduzir ao fato objeto da prova.
Preclusa a decisão de desentranhamento da prova declarada inadmissível, esta não será inutilizada por
decisão judicial.
O juiz formará sua convicção pela livre apreciação da prova produzida em contraditório judicial, não
podendo fundamentar sua decisão exclusivamente nos elementos informativos colhidos na investigação,
ressalvadas as provas cautelares, não repetíveis e antecipadas.

1a Questão (Ref.: 201407331722) Pontos: 0,1 / 0,1

VI Exame de Ordem Unificado

Trácio foi denunciado pela prática do delito descrito no artigo 333 do Código Penal. A peça inaugural foi recebida
pelo Juiz Titular da Vara Única da Comarca X, que presidiu a Audiência de Instrução e Julgamento. Encerrada a
instrução do feito, o processo foi concluso ao juiz substituto, que proferiu sentença condenatória, tendo em vista
que o juiz titular havia sido promovido e estava, nesse momento, na 11ª Vara Criminal da Comarca da Capital.
De acordo com a Lei Processual Penal, assinale a alternativa correta.

A sentença é nula, porque ao juiz substituto é vedada a prolação de decisão definitiva ou terminativa.
Não há nulidade na sentença, porque não se faz exigível a identidade física do juiz diante das
peculiaridades narradas no enunciado.
A sentença é nula, porque viola o princípio do juiz natural.
A sentença é nula, porque foi prolatada por juiz que não presidiu a instrução do feito, em desacordo
com o princípio da identidade física do juiz.

2a Questão (Ref.: 201407770861) Pontos: 0,1 / 0,1

(OAB ¿ XIV Exame) Wilson está sendo regularmente processado pela prática do crime de furto. Durante a
instrução criminal, entretanto, as testemunhas foram uníssonas ao afirmar que, para a subtração, Wilson
utilizou-se de grave ameaça, exercida por meio de uma faca. A partir do caso narrado, assinale a opção correta.
Caso o magistrado entenda que deve ocorrer o aditamento da inicial acusatória, se o promotor de
justiça e, recusar-se a fazê-lo, o juiz estará obrigado a absolver o réu da imputação que lhe foi
originalmente atribuída.
A hipótese é de emendatio libelli e o juiz deve absolver o réu relativamente ao crime que lhe foi
imputado.
Não haverá necessidade de aditamento da inicial acusatória, haja vista o fato de que as alegações
finais orais acontecem após a oitiva das testemunhas e, com isso, respeitam-se os princípios do
contraditório e da ampla defesa.
A hipótese é de mutatio libelli e, nos termos da lei, o Ministério Público deverá fazer o respectivo
aditamento.

3a Questão (Ref.: 201407294931) Pontos: 0,1 / 0,1

Em caso de sentença absolutória, se o fundamento for

atipicidade, não poderá ser promovida ação civil para reparação do dano.
inimputabilidade do acusado, será aplicada medida de segurança consistente, sempre, em internação.
estado de necessidade, poderá ser promovida ação civil de reparação do dano por terceiro que não criou
a situação de perigo.
inexistência do crime, poderá ser promovida a ação civil para reparação do dano, mas não poderá ser
promovida mais nova ação penal pelo mesmo fato.
insuficiência de provas, poderá ser promovida nova ação penal se surgirem novas provas.

4a Questão (Ref.: 201407784548) Pontos: 0,1 / 0,1

Analise as afirmativas abaixo relacionadas à Lei dos Juizados Especiais Criminais (Lei nº 9.099/95): I - A citação
do acusado será sempre pessoal e, sempre que possível, será realizada no próprio Juizado, ou por meio de
mandado. Já a intimação será realizada por correspondência, com aviso de recebimento pessoal ou, sendo
necessário, por oficial de justiça, independentemente de mandado ou carta precatória, ou ainda por qualquer
meio idôneo de comunicação. II - A competência do Juizado será determinada pelo lugar em que foi consumada
a infração penal. III - A suspensão condicional do processo será revogada se, no curso do prazo, o beneficiário
vier a ser processado por outro crime ou não efetuar, sem motivo justificado, a reparação do dano. E poderá ser
revogada se o acusado vier a ser processado, no curso do prazo, por contravenção, ou descumprir qualquer
outra condição imposta. IV - Caberá apelação, interposta no prazo de dez dias por petição escrita, da qual
constarão as razões e o pedido do recorrente, da decisão de rejeição da denúncia ou queixa e da sentença, que
será julgada por turma composta de três Juízes em exercício no primeiro grau de jurisdição, reunidos na sede
do Juizado. A análise permite concluir que:

as afirmativas I e II estão corretas;


apenas a afirmativa II está incorreta;
a afirmativa IV está correta e a afirmativa I está incorreta;
todas as afirmativas estão corretas.
a afirmativa III está verdadeira e a afirmativa IV está incorreta;
5a Questão (Ref.: 201407799820) Pontos: 0,1 / 0,1

Ao prolatar a sentença, após verificar a existência de provas concretas acerca da autoria e materialidade, o juiz
entende ser o réu absolutamente incapaz, nos termos do Código Penal. Diante de tal situação, deverá o juiz:

condenar impropriamente o réu, e aplicar medida de segurança, eis que isento de pena.
absolver propriamente o réu, pois se trata de excludente de culpabilidade.
absolver impropriamente o réu, e aplicar medida de segurança, eis que isento de pena.
condenar o réu, e aplicar a pena correspondente, como efeito obrigatório da sentença condenatória.
absolver propriamente o réu, pois de trata de excludente de ilicitude.