Você está na página 1de 9

1

ESCOLA DE TERAPIAS ORIENTAIS DE SÃO PAULO

SUSILAINE MORAES AQUINO

35 - B

PRINCÍPIOS DA MAGNETOTERAPIA

APLICADA À ACUPUNTURA

São Paulo

2011
2

SUMÁRIO

1. HISTÓRICO ............................................................................................................ 3

2. TEORIA GERAL ..................................................................................................... 4

3. INDICAÇÕES .......................................................................................................... 5

4. INSTRUMENTOS PARA A MAGNETOTERAPIA .................................................. 6

4.1 Rodelas Magnéticas ............................................................................................ 6

4.2 Aparelho magnético terapêutico com tipos diferentes .................................... 6

4.3 Canetas magnéticas ............................................................................................ 6

5. PRINCIPAIS MÉTODOS ......................................................................................... 7

6. INDICAÇÃO DE PONTOS PARA TRATAMENTO COM MAGNETOS..................8

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ..................................................................... ..9


3

1. HISTÓRICO

Há 200 anos, o Dr. Samuel Hahnermann, considerado “pai da homeopatia”,

iniciou os estudos sobre os efeitos dos magnetos. O pesquisador produziu

medicamentos homeopáticos, a partir da magnetização da água em contato com os

polos Norte ou Sul, cujas ações resultaram distintas.

Posteriormente, criou novo medicamento com ação bipolar. Segundo ele,

encontrou casos em que o contato de um ímã por apenas meio minuto era suficiente

para se obter um amplo espectro de ação terapêutica.

Antigamente, na China, usava-se o ímã em infusão, para beber. A partir da

dinastia Song passou-se a utilizá-lo sobre o ponto de Acupuntura.

A Magnetoterapia desenvolveu-se mais intensamente nos últimos 50 anos. E

mais especificamente, na Índia, devido ao limitado poder econômico da maioria da

população, já que essa terapia é de baixo custo. Foi também nesse país que se

produziram mais pesquisas e bibliografia sobre o assunto.


4

2. TEORIA GERAL

No organismo dos seres vivos ocorrem diversos fenômenos elétricos

responsáveis pela manutenção da vida. Em toda movimentação de cargas elétricas,

há indução de cargas magnéticas e vice-versa. Não existem fenômenos puramente

elétricos, sempre são eletromagnéticos. Assim, os processos de digestão e de

absorção dos alimentos; da polarização das membranas de células nervosas; da

absorção da energia luminosa pelas células da retina, e demais transmissões de

mensagens, são todos fenômenos eletromagnéticos, portanto influenciados por

campos eletromagnéticos.

O Ponto de Acupuntura corresponde à concentração bioelétrica, e pode ser

perturbado por agentes internos ou externos. Por isso a ação de campo magnético

interfere nesse campo bioelétrico, a fim de restaurar o equilíbrio, ou seja, tratar as

doenças.

Em Medicina Tradicional Chinesa, essa intervenção pretende “drenar os

meridianos e canais, e regular o fluxo de energia e de Xue (energia do sangue).

Apesar de se tratar de método simples e econômico, comprovou-se a

eficiência da Magnetoterapia para: analgesia, tratamento de edemas, diarreia,

hipertensão, artrite, distensões ou contusões musculares, neurastenia, insônia, e

outros, em diversos tratamentos realizados nas diversas cidades chinesas.

Os únicos efeitos colaterais, raramente observados, foram: sensação de

cabeça leve, náuseas, taquicardia, cansaço ou sonolência. Tais sintomas

temporários, relatadas no início do tratamento, desapareceram rapidamente, sem

alterar os resultados. Raros são os pacientes resistentes ao tratamento com

magneto ou que piorem com ele. Para esses casos, basta interromper o tratamento

e não haverá sequelas.


5

3. INDICAÇÕES DE TRATAMENTO

A aplicação de Magneto promove efeito de sedação e/ou tonificação, e a

consequente regulação do sistema nervoso autônomo.

Aplica-se o polo Norte para sedação e o polo Sul para tonificação dos pontos

de acupuntura, quando utilizados isoladamente.

O polo Norte, aplicado sob a pele, é indicado para traumas recentes, dores

agudas, infecções, sedação de ponto de Acupuntura. Seu efeito é vasoconstritor

(diminui o calibre do vaso por constrição das fibras musculares sob a ação do

sistema nervoso simpático).

Já o polo Sul é indicado para dores crônicas, regeneração, cicatrização,

inflamações, tonificação dos pontos e tem efeito vasodilatador (produz a dilatação de

um vaso, especialmente de arteríola). Funciona como bolsa de água quente.

Emprega-se em método de tratamento para purificar o sangue ou evitar

depósitos de ácido úrico, colesterol, triglicérides, carbonatos, cálcio, fosfatos e

oxalatos, além de outras substâncias indeterminadas, denominadas genericamente

toxinas.

Para estimular a circulação dos meridianos, deve-se posicionar o polo Norte

de um ímã ao Sul de outro. Desse modo cria-se um campo magnético pelo qual as

linhas de força transitam de um a outro.

Para tonificar, posicionam-se os ímãs, no sentido Norte-Sul, e percorre-se o

trajeto do meridiano. Para promover a sedação, as linhas de força devem percorrer

em sentido contrário ao da circulação de energia.


6

4. INSTRUMENTOS PARA A MAGNETOTERAPIA

4.1 Rodelas magnéticas

Normalmente são produzidas com ímã ferro-oxigênio, ímã alumínio-níquel-

cobalto e ímã cobalto, metal alcalino permanente. Tais rodelas são aplicadas sobre

os pontos de Acupuntura.

4.2 Aparelho magnético terapêutico com tipos diferentes

Tipo rotatório – frequentemente utilizado. Requer motor que utiliza ímã

permanente para girá-lo e produz campo magnético alternado ou de impulso elétrico.

Aparelho eletromagnético – conecta a corrente elétrica ao corpo magnético

para formar o campo magnético.

Aparelho vibratório – possui duas ações: campo magnético e de massagem

sobre os pontos.

4.3 Canetas magnéticas

Trata-se de kit – composto por duas canetas, respectivamente

correspondentes aos polos Norte e Sul.

Em auriculoterapia podem-se usar as canetas magnéticas para sedar ou

tonificar os pontos que serão tratados. Após massagear os pontos com deficiência,

aplica-se a caneta magnética com sinal positivo (polo Norte), por 30 segundos; nos

pontos dolorosos, a caneta com sinal negativo (polo Sul), por 1 minuto. Devido ao

formato, as canetas podem ser facilmente utilizadas para estimular os canais

energéticos ou meridianos.
7

5. PRINCIPAIS MÉTODOS

Método de colagem – o mais utilizado por ser de fácil aplicação e resultado


satisfatório. Consiste em colar a rodela magnética diretamente no ponto de
Acupuntura, com micropore.
Terapia magnética rotatória – instala-se a rodela magnética em aparelho
rotatório para tratar hematomas, úlceras cutâneas, frieiras, enterites e
doenças oculares. Durante a aplicação é necessário o contato do magneto
no ponto ou área afetada, de 20 a 30 minutos.
Terapia auricular – fixar a esfera magnética de 1 a 3 mm de diâmetro, com
micropore, diretamente no ponto Auricular. Deve-se utilizar de 2 a 5 esferas;
mantidas de 5 a 7 dias. A aplicação seguinte deverá ser na outra orelha,
caso não haja impedimento. Indicada para tratamento de insônia e doenças
dermatológicas.
Fio elétrico duplo (de aparelho terapêutico em um objeto magnético maior
que 2.000 gauss) - fixado no ponto escolhido ou na zona enferma para
produzir efeito geral do campo magnético e da corrente de impulso, durante
20 a 50 minutos. Utilizado para tratar tumores benignos, dores, edemas,
nódulos e doenças anais.
Acupuntura magnética – por meio de agulha intradérmica ou auricular,
introduzida em ponto de Acupuntura, com ímã fixado na ponta da agulha,
durante 3 a 5 dias.
Aplicação de agulha filiforme – em cuja ponta se fixa magneto, por 30
minutos. Após a inserção de agulha, conecta-se peça magnética de aparelho
de impulso elétrico, a fim de formar campo magnético no corpo ou no cabo
da agulha. Comumente utilizado para tratar afecções nas zonas profundas e
no tratamento de surdez ou mudez.

A Magnetoterapia é indicada para tratar várias doenças, sem

contraindicações, no entanto deve ser utilizada com prudência em recém-nascidos,

gestantes, pacientes acometidos com febre alta, hipertensão, hemorragia, doença

infecciosa aguda ou dilatação brônquica.


8

6. INDICAÇÃO DE PONTOS PARA TRATAMENTO COM MAGNETOS

articulação E6-7, ID19


temporomandibular - ATM
cotovelo IG11, TA5-10
intervertebrais Huato ( Norte e Sul opostos), B37-40
joelho E34-35, BP9, VB34, Pontos Extras:Heding, Xiyan
e Xixia.
lombo-sacral VG3, B30-57
ombro TA14, ID9-11, VB21-10
pé BP4, B65, VB35
punhos e mãos TA4-5, Pontos Extras: Zhongquan, Baxie,
Shixuan.
quadril VB29-30-34
bronquite VC22, B13, VG14, E40, Ashi e Pontos Extras
bronquite asmática VC17-22, VG14
ciática B23-37-40-54, VB30-34, Ashi
contusões e ferimentos Ashi e pontos locais.
dor de dente E6-7-44, IG20-4, P9
enurese VC3-4-6, BP6, B23, E36, VB34
enxaquecas E38, VB20, TA5, IG4, Pontos Extras: Yintang,
Dangyang, Sizhong, Sishencong
gastroenterocolite VC4-8-12, E25-36-37, BP9
ginecologia VC4-6, BP6-10, IG3
hérnia discal Huato e Ashi
hipertensão primária IG11, E36, VB34-39, BP6
lombalgia B23-25, VG4, Ashi
entorse, lombar VG3, B23-25-32, Ashi
nevralgia do trigêmio E2-6-7, TA17, VB14, IG4, Ponto Extra:
Jiachengjiang
nevralgia intercostal TA6, VB34, Ashi
neurastenia, insônia C7, BP6, E36, Ponto Extra: Anmian
teno-sinovite TA4-5, C7, Ashi
9

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHONGHUO, Tian Tratado de Medicina Chinesa. [assessor médico para versão

em português Ysao Yamamura] São Paulo: Roca, 1993.

COSTA, Rubens, Eletroacupuntura e outros recursos eletro-eletrônicos

aplicáveis à Medicina Chinesa. São Paulo: Plêiade, 2002.

ETOSP – Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Acupuntura. São Paulo:

ETOSP – Escola de Terapias Orientais de São Paulo, vol.3, 2010.

FORNARI, Marco. Apostila de Moxaterapia, Ventosaterapia e Gua shá. Curso

ministrado na ETOSP – Escola de Terapias Orientais de São Paulo, 2010.

SILVA, Carlos Roberto Lyra da; SILVA, Roberto Carlos Lyra da; VIANA, Dirce La

Placa. Dicionário Ilustrado de Saúde: Compacto. São Caetano do Sul-SP: Yendis,

2005.