Você está na página 1de 10

  

 
 
 

 
 
 
Humberto Augusto, Rafael Kauã, Wendel, Diogo, Lucas Mazolini 
 
O que são materiais poliméricos 
 
 
Podemos definir os polímeros — também chamados de plásticos — como um grupo 
de materiais criados artificialmente com alguma origem orgânica sintética que, em 
algum estágio dentro da sua fabricação, puderam alcançar a condição plástica sob 
a qual foram moldados com aplicações de pressão e calor.  

 
Podemos também definir os polímeros como materiais com base em resinas 
elétricas, que possuem certa resistência mecânica. Alguns polímeros se tornam 
borrachudos, assim como algumas formas de borracha química podem ser 
consideradas plásticos. 
Como elemento principal de todos os polímeros, temos o carbono. Geralmente 
acontece a junção de um átomo de carbono com outros quatro de algum elemento. 
Para compreender esse processo, precisamos conhecer alguns conceitos 
fundamentais sobre os polímeros: 
 
> Monômero: ​Definida como a menor unidade molecular componente da partícula 
elementar da matéria. Seria como uma pequena parte que virá a compor uma 
estrutura. 

Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros. 


> Polímero: ​Definido como o agrupamento e organização de monômeros, por um 
processo muito associado à fusão: a polimerização. 
 

 
 
É comum, no comércio, os polímeros serem chamados de “resina”. E, como 
monômeros, podemos citar o ​fenol, o formaloide, a uréia, o acetato de vinil, o etileno 
e afins. 
Como resultado de uma polimerização, o processo onde vários monômeros são 
agrupados, originam-se grandes moléculas. Um polímero linear, após o processo, 
apresenta apenas uma unidade de largura, no entanto, apresentando 
comprimentos realmente grandes, como numa corda. 
Quando o plástico é formado por polímeros lineares, a aderência de suas cadeias 
entre si é devida à atração intermolecular, ocorrendo quando as cadeias se cruzam 
ou se tocam. As forças primárias são aquelas que mantêm o elo dos polímeros 
lineares, enquanto as que os juntam são as secundárias. Essas secundárias são as 
forças coesivas, que conferem ao plástico suas propriedades individuais. 
Quando as forças que mantém as cadeias próximas é fraca, a elasticidade e 
flexibilidade é maior, enquanto que quando esta força é maior, o material 
polimérico se torna mais rígido e resistente ao dobramento e deformação. 
 

Propriedades dos Polímeros


 
Podemos caracterizar os polímeros através de certas propriedades, que podem ser 
mecânicas, químicas, térmicas ou elétricas. 
 
- Costumam ter uma baixa densidade e uma boa resistência ao desgaste e a 
ruptura. 
- Possuem baixa condutividade e alta resistência elétrica. 
- Num quesito térmico, reagem de forma variada, então é difícil classificar. 
- Não são atacados por ácidos, bases ou agentes atmosféricos. 
 

 
Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros. 
Classificação dos Polímeros 
 
Os polímeros correspondem ao agrupamento de monômeros que, ao se ligarem, 
formam macromoléculas. A reação que forma os polímeros é chamada de 
polimerização. 
Os polímeros estão divididos em dois grupos diferentes, denominados polímeros de 
adição e condensação. 
 
Polímeros de adição.  
Formados a partir de um único monômero, através de uma reação de adição. As 
substâncias usadas na geração de polímeros manifestam de forma obrigatória uma 
ligação dupla entre os carbonos. Ao momento que ocorre a polimerização, acontece 
a quebra da ligação π e também a geração de duas novas ligações simples. 

A + A → AA 
Polímeros de condensação. 
São gerados pela reação entre dois monômeros diferentes através de uma reação de 
condensação. Nessa reação ocorre a eliminação de outra molécula, geralmente a 
água. Nessa modalidade de polimerização, os monômeros não necessitam 
demonstrar ligações duplas por meio dos carbonos, no entanto, é extremamente 
necessária a presença de dois tipos de grupos funcionais distintos. 

 
 
 
 

Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros. 


Vantagens e desvantagens
 
VANTAGENS ​✓ 
1. Facilidade na fabricação. Também pode-se notar a fácil modelagem e a 
produção seriada de peças complexas. 
2. Nos polímeros, é notável a baixa densidade e uma razoável relação 
resistência por peso. 
3. Uma boa resistência à corrosão e baixa tendência à oxidação. 
4. São bons isolantes términos e elétricos — vide a borracha — além de 
uma baixa permeabilidade ao vapor. 
5. Transparentes em grande parte dos casos e um armotecimento 
razoável, tendo como exemplo as engrenagens plásticas, que são 
bastante silenciosas. 

DESVANTAGENS ​X 
1. Apresenta uma baixa resistência mecânica e uma grande propenção 
ao empenamento e a deformação gradual à fluência e ao calor. 
2. Pode ser deformado e deteriorado pela luz do sol, fungos e pragas, 
como ratos. 
3. Em alguns casos, cheira bastante mal. 
4. É complexo o reparo das peças, geralmente compensando sua 
reposição. 
5. São viáveis, devido ao custo, apenas em grandes compras. 

 
 

 
 
 
 
 
Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros. 
Polimerização

A polimerização comumente uma formação de moléculas grande à partir de outras 


moléculas menores. Mas existem casos como a ​polimerização aditiva​, onde é feita a 
junção de monômeros sob certas condições controladas términas e de pressão, onde 
há um catalisador — que não participa como compositor da molécula final, apenas 
tem como função a facilitação da quebra das ligações químicas). 

Também existe a ​polimerização por condensação​, que é a junção de dois tipos 


diferentes de monômeros com o objetivo de, também sob condições controladas, 
criar polímeros — e também são usados catalisadores. 
 
 
Moldagem
 

Moldagem por compressão. 


No molde, antes de ser aquecido e resfriado, é colocado um volume de pó-plástico. 
Depois o molde é fechado e uma pressão é aplicada sobre ele, na parte superior. A 
pressão e o calor simultâneos amolecem o pó que flui por dentro da cavidade, 
formando a peça. 

 
 
 
 

Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros. 


Moldagem por extrusão. 
A matéria prima, após ser amolecida, é expulsa pela extrusora — uma matriz 
instalada no equipamento. Daí sai o produto capaz de conservar sua forma mesmo 
frente à extensão. Sacolas, filmes e embalagens, depois de passar por esse processo, 
podem ser rígidos ou semi-rígidos, como tubos, mangueiras e chapas. 

Moldagem por injeção. 


Aqui o material plástico é amolecido num cilindro aquecido. Então ocorre sua 
injeção sob alta pressão para o interior de um molde frio, onde volta a endurecer e 
toma sua forma acabada. 

Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros. 


 

 
Moldagem por sopro. 
Esse é o processo usado na obtenção de peças ocas por insuflação de ar pelo interior 
de um molde, de um modo que permita a expansão da massa plástica. É comum, por 
esse processo, a produção de frascos à partir de algum termoplástico. O processo de 
moldagem por sopro possui duas variações, que são: 

​ opro via injeção: ​A criação de uma peça oca por meio da moldagem por 
S
injeção; Ar comprimido é soprado internamente no momento em que a peça é 
aquecida, expandindo-a até o formato final. 

​ opro via extrusão: ​A criação de uma peça cuja matéria prima é amolecida e 
S
expulsa pela extrusora. Quando o molde da peça é fechado, uma agulha é 
introduzida pela mangueira resultante da primeira etapa do processo, por onde ar é 
soprado, provocando a entrada do material e a moldagem da peça, que é retirada 
após o resfriamento. 

 
Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros. 
Cotidiano
 
Apesar de poucos conhecerem a definição de “polímero”, eles estão muito presentes 
no nosso cotidiano. Depois de entendermos de que se trata essa palavra, fica mais 
fácil imaginar o quão presente está na nossa vida. 

 
O chiclete que mascamos é um exemplo de polímero. 

Os pneus de carro, por exemplo, são compostos por borracha sintética, que é um tipo 
de polímero de adição. Outro exemplo do mesmo tipo de polímero é o PVC, usado nos 
canos; e o poliestireno, que compõe os isopores.  

Também podemos citar alguns polímeros de condensação, cujo material mais 


conhecido é o plástico das garrafas PET. Também encontramos polímeros de 
condensação nos silicones e nos coletes à prova de bala. 

Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros. 


Agora, um tipo material polimérico que poucos já ouviram falar mas utilizam com 
muita frequência, pertencente aos polímeros de rearranjo, é o poliuretano. Podemos 
encontrar esse material, por exemplo, nas esponjas e outros materiais feitos de 
espuma, como o acolchoado dos sofás. 

 
 
Comparações de Polímeros e Metais
 
Para falarmos das diferenças entre Polímeros e Metais, devemos considerar quais 
são as características principais de cada um deles, as dividindo em partes: 

Os metais possuem condutividade maior do que os polímeros. ​Enquanto a 


resistência elétrica nos polímeros é bastante marcante, por isso costumam ser 
usados como isolantes, enquanto os metais são usados como condutores. 
Observamos isso no cobre, ouro, prata e afins. 

Os metais possuem ponto de ebulição e fusão bem mais altos que os polímeros. 
Enquanto alguns polímeros tendem ao ponto de fusão baixo, a maior parte dos 
metais possuem altas temperaturas.  

Os metais possuem uma rigidez bem maior que a dos polímeros. ​Além disso, a 
elasticidade e capacidade de deformação dos polímeros é muito maior. Vemos isso 
nas borrachas sintéticas, nos elásticos e nas esponjas, que podem ser muito mais 
facilmente dobrados e retomar sua forma anterior. 

Tecnologia dos Materiais - Mecatrônica Integrado 1 - Grupo dos Polímeros.