Você está na página 1de 13

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE DRENAGEM A PARTIR DA

RETENÇÃO E INFILTRAÇÃO DAS ÁGUAS DE CHUVA NO


SOLO, VISANDO A REDUÇÃO DAS ENCHENTES
URBANAS

Fernanda Christine Beux 1

2
Adacto Benedicto Ottoni

RESUMO
É fato que os episódios de inundações em centros urbanos em decorrência de eventos chuvosos tem
sido cada vez mais frequentes. A impermeabilização do solo, que impede a infiltração das águas de
chuva no terreno, é um dos principais causadores deste aumento do escoamento superficial.
Adicionado a isto, a implantação de tubulações de drenagem torna o escoamento até os pontos mais
baixos da bacia mais rápido, diminuindo o tempo de deslocamento e aumentando os picos de vazão.
Além de causar danos materiais, esses alagamentos também colocam em risco inúmeras vidas
humanas. A fim de aumentar a infiltração das águas pluviais no solo e controlar o escoamento
superficial é importante a adoção de técnicas alternativas de drenagem. Este trabalho aborda seis
tipos de dispositivos de drenagem que permitem a infiltração das águas precipitadas (Bacias de
Infiltração, Valas de Infiltração, Trincheiras de Infiltração, Poços de Infiltração, Bio-retenção e
Pavimentos Permeáveis). Também relata três trabalhos de pesquisa a respeito de pavimentos
permeáveis cujas conclusões apontaram eficiência no desempenho deste tipo de revestimento.

PALAVRAS-CHAVE: Contenção na fonte. Métodos alternativos de drenagem. Infiltração.

ALTERNATIVE METHODS OF DRAINAGE FROM THE


RETENTION OF RAIN INFILTRATION AND GROUND
WATER, AIMED AT REDUCING URBAN FLOOD

1
Engenheira Civil, Fundação Oswaldo Cruz (Farmanguinhos/ FIOCRUZ). Fernandabeux@gmail.com
2
Engenheiro Civil Sanitarista, UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
adactoottoni@gmail.com

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


ABSTRACT
It is a fact that episodes of flooding in urban areas as a consequence of rainfall events has been
increasingly frequent. The soil sealing, which impedes the infiltration of rainwater on the ground, is a
major cause of this increased runoff. Added to this, the implementation of drainage pipes makes the
flow to the lowest points of the basin faster, reducing travel time and increasing the peak flows.
Besides causing damage, these floods also endanger many lives. With a view to increase the
penetration of rainwater in the soil and controlling the flow surface is important to adopt alternative
techniques for drainage. This work discusses six types of drainage devices that allow the infiltration of
precipitated water (Infiltration Basins, Swales, Infiltration Trenches, Infiltration Wells, Bioretention and
Porous Pavements). It also reports on three research papers on pervious pavements which findings
showed efficiency in the performance of this type of coating.

KEYWORDS: Containment at source. Alternative methods drainage. Infiltration.

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE DRENAJE DE LA


RETENCIÓN DE INFILTRACIÓN DE LLUVIA Y AGUA
TIERRA, DESTINADAS A REDUCIR URBANO DE
INUNDACIONES

RESUMEN
Es cierto que los episodios de inundaciones en áreas urbanas debido a eventos de lluvia han sido
cada vez más frecuentes. El sellado del suelo, lo que impide la infiltración de agua de lluvia en el
suelo, es una causa importante de este aumento de la escorrentía. Añadido a esto, la aplicación de
tubos de drenaje hace que el flujo de los puntos más bajos de la taza más rápido, reduciendo el
desplazamiento de tiempo y el aumento de los picos de flujo. Además de causar daños materiales,
estas inundaciones también ponen en peligro muchas vidas. Con el fin de mejorar la infiltración de
agua de lluvia en el suelo y controlar el flujo superficial es importante adoptar técnicas de drenaje
alternativas. Este documento analiza seis tipos de dispositivos de drenaje que permiten la infiltración
del agua precipitada (cuencas de infiltración, zanjas de infiltración, zanjas de infiltración, pozos de
infiltración, Bio-retención y permeables Pavimentos). También informa de tres trabajos de
investigación sobre los pavimentos permeables cuyas conclusiones señalado desempeño eficiente de
este tipo de revestimiento.

PALABRAS CLAVE: Contención en la fuente. Métodos alternativos de drenaje. Infiltración.

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


INTRODUÇÃO

Água é vida. Ela é fundamental para a manutenção da biodiversidade dos


ecossistemas terrestres. Porém, aproximadamente 3% da água do planeta é doce.
Acredita-se que num futuro próximo teremos conflitos pelo uso de água potável.
Neste contexto de possibilidade de escassez da água para consumo a
gestão dos recursos hídricos torna-se prática fundamental. Esta gestão inclui um
conjunto de medidas que devem ser implementadas nas bacias a fim de minimizar
as alterações provocadas pela ação do homem.
As situações de enchentes e inundações surgem das crescentes áreas
impermeabilizadas nas grandes cidades. Nestes momentos, além de todos os
transtornos e mortes que as enchentes podem causar, é também muito comum a
proliferação de doenças de veiculação hídrica em pessoas que tenham permanecido
em contato prolongado com água ou lama contaminadas.
Um manejo adequado das águas pluviais priorizando métodos que
controlem os deflúvios na fonte pode reduzir não só os alagamentos, mas também
todos os danos causados tanto aos cofres públicos quanto aos cidadãos.

METODOLOGIA UTILIZADA

Foi desenvolvida pesquisa bibliográfica com vistas a identificar as


características específicas e os condicionantes de projeto e execução de seis tipos
de dispositivos de drenagem que permitem a infiltração das águas precipitadas
(Bacias de Infiltração, Valas de Infiltração, Trincheiras de Infiltração, Poços de
Infiltração, Bio-retenção e Pavimentos Permeáveis). Este trabalho também relata
três experimentos de pesquisa realizados pelo Instituto de Pesquisas Hidráulicas da
UFRGS, desde o ano de 2000, a respeito de pavimentos permeáveis cujas
conclusões apontaram eficiência no desempenho deste tipo de revestimento.

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


Bacias de Infiltração

IPH/DEP (2005) define bacias de infiltração como um terreno cercado por


taludes que retem as águas de chuva até que estas infiltrem através da base e de
seus lados. Normalmente são escavadas, porém pode-se utilizar pequenas encostas
já existentes na área. Para sua adoção é importante se certificar da permeabilidade
do solo e de que o nível do lençol freático seja suficientemente profundo, sendo
indicado sua utilização em áreas de até 20 hectares; o uso do vertedouro é de
caráter emergencial, pois o volume retido é liberado unicamente por infiltração.

Valas ou Valetas de Infiltração

As valas ou valetas de infiltração são dispositivos de drenagem lateral,


frequentemente empregados paralelos às ruas, estradas, estacionamentos e
conjuntos habitacionais, entre outros. Eles concentram o fluxo das áreas próximas e
propiciam condições para uma infiltração ao longo do seu comprimento. Durante
chuvas intensas o nível das águas se elevam e permanecem com água durante
algum tempo, pois a infiltração é vagarosa. Desta forma, o volume das valetas deve
ser grande o suficiente a fim de que não ocorram alagamentos (TUCCI, 1998).
Quando o escoamento no valo for maior que a capacidade de infiltração,
essa estrutura trabalha tal qual um reservatório de detenção. Em períodos de
precipitações escassas ou de estiagem, ele é mantido seco (TUCCI, 1998). O uso
deste tipo de estrutura é praticável somente em áreas de solo permeável, e cujo
nível médio do lençol freático seja inferior ao fundo da vala.

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


Trincheira de Infiltração

Trincheiras são escavações rasas preenchidas com pedras a fim de criar um


armazenamento subterrâneo temporário que permita a infiltração das águas pluviais
no terreno. Sua forma apresenta largura e profundidade reduzidas em relação ao
comprimento (Figura 1). Na sua configuração ideal, recebem fluxo lateral de uma
superfície adjacente impermeável, mas também pode receber entradas de fontes
pontuais (CIRIA, 2007b).
Uma trincheira de infiltração pode ser usada como parte de um grande
sistema de drenagem de águas pluviais, ou até mesmo, como integrante de um
sistema de água de chuva para uma pequena área, tal qual uma fração de um
telhado (PENNSYLVANIA, 2006).

Figura 1: Execução de uma trincheira

Fonte: CIRIA, 2007.

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


Figura 2: Vala de Infiltração

Fonte: CIRIA, 2007.

Poços de infiltração

Um poço de infiltração consiste em um pequeno fosso, geralmente


preenchido com cascalho ou brita (figura 2.14). São concebidos para armazenar e
propiciar uma lenta infiltração das águas no terreno e sua principal aplicação é no
controle do escoamento das águas de chuva provenientes de telhados de
edificações.
Podem tanto ser um poço escavado preenchido com agregados graduados
envoltos em tecido geotêxtil, quanto uma câmara de armazenamento pré-fabricada,
ou ainda uma seção de um tubo (PENNSYLVANIA, 2006). O geotêxtil tem a função
de reter os finos que podem colmatar os poros do poço de infiltração mais
rapidamente (PINTO, 2011).

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


Bio-retenção

Sistemas de bio-retenção (também chamados de jardins da chuva) são


depressões pouco profundas onde são plantadas vegetações nativas especialmente
selecionadas a fim de tratar e reter as águas de chuva (Figura 3) (PENNSYLVANIA,
2006).
Figura 3: Exemplo Bio-retenção com extravasor

Fonte: PENNSYLVANIA, 2006

São geralmente estabelecidos nos baixios dos terrenos para que as águas
precipitadas na bacia escoem até eles. Podem ser implantados com plantas de
diferentes espécies e tamanhos e podem compor a paisagem natural da região onde
estão inseridos. Neles, as águas provenientes das chuvas intensas empoçam na
superfície e infiltram no solo. Por meio de adsorção, filtração e decomposição da
matéria orgânica os poluentes são extraídos da água. Os elementos essenciais
nesse sistema são as plantas, responsáveis pela retirada da água e dos poluentes
(RIGHETTO, 2009).
Quando adequadamente projetadas, as técnicas de bio-retenção imitam os
ecossistemas florestais naturais através de uma diversidade de espécies, densidade
e distribuição da vegetação, e com a utilização de espécies nativas, resulta em um
sistema resistente a insetos, doenças, poluição e alterações climáticas
(PENNSYLVANIA, 2006).

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


Pavimentos Permeáveis

Os pavimentos permeáveis têm sido utilizados nos Estados Unidos e Europa


desde meados dos anos 70 (URBONAS, 2000). Este tipo de revestimento é uma
opção à utilização das superfícies impermeáveis tradicionalmente adotadas, tal qual
o asfalto e superfícies em concreto, utilizadas na pavimentação de áreas destinadas
a estacionamentos de veículos, passeios públicos e até mesmo no interior de lotes.
São dispositivos através do qual o escoamento é desviado por meio de uma
camada permeável para um reservatório subterrâneo de pedra, situado sob a
superfície do terreno. Após, o escoamento armazenado gradualmente se infiltra no
terreno ou ocorre uma lenta liberação por tubulações coletoras subterrâneas. O
pavimento permeável se parece com os revestimentos convencionais. No entanto,
ao contrário destes, ele contém pouca ou nenhuma quantidade de agregados finos.
Assim, forma vazios que propiciam a infiltração (CHATTANOOGA, 2008 e Araújo et
al., 2000). Ele pode ser constituído por (URBONAS, 2000):
 asfalto poroso;
 concreto poroso,
 blocos modulares

Os pavimentos permeáveis são tipicamente formados por três camadas:


 a primeira composta pelo pavimento permeável propriamente dito –
que pode ser asfalto ou concreto poroso;
 a segunda é o filtro, formado por agregados finos ou médios;
 e a terceira, o reservatório de pedras, composta por agregados
graúdos.

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


RESULTADOS OBTIDOS

Pela pesquisa bibliográfica desenvolvida confirmou-se que a adoção de


métodos de drenagem que visem a infiltração das águas no solo podem reduzir
consideravelmente os escoamentos superficiais, amortecendo os picos de vazões
durante os eventos chuvosos. São procedimentos, que se utilizados somados a um
conjunto de medidas, podem auxiliar na diminuição das inundações urbanas.
As características favoráveis mais relevantes quanto à implantação das
Bacias de Infiltração, Valas de Infiltração, Trincheiras de Infiltração, Poços de
Infiltração, Bio-retenção e Pavimentos Permeáveis é que estes dispositivos
permitem:
 recarga de águas subterrâneas
 redução de cheias à jusante
 redução da vazão de pico das águas pluviais

Por outro lado, observou-se que a manutenção periódica é de extrema


importância, a fim de aumentar a longevidade e manter o bom desempenho destes
métodos não convencionais de drenagem. Caso não passem por uma manutenção
periódica, exigirão reabilitação dispendiosa ou deverão ser substituídos a fim de
manter a sua função.
No estudo sobre bio-retenção concluiu-se que a vegetação contribui
significativamente para o manejo das águas pluviais. Com o acréscimo de áreas
verdes, parte da água fica retida na terra e parte é consumida pelas plantas,
suavizando o pico dos horários de chuva intensa. Adicionado a isso, a cobertura
vegetal limita a possibilidade de erosão do solo minimizando assoreamento dos
cursos d’água. A Figura 3 demonstra um exemplo típico.
A pesquisa bibliográfica realizada também buscou apontar, num estudo de
três casos experimentais, a real eficiência de alguns tipos de superfícies

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


permeáveis. São opções aos pavimentos impermeáveis que vem sendo utilizadas no
Brasil e que podem trazer ótimos resultados se utilizadas apropriadamente.

Figura 4: Seção transversal da estrutura do pavimento permeável.

Fonte: ACIOLI, 2005

Os experimentos realizados pelo Instituto de Pesquisas Hidráulicas da


UFRGS, desde o ano de 2000, destacaram a eficiência dos pavimentos de asfalto
poroso e de blocos vazados para o controle na geração de escoamento superficial.
O terceiro destes casos apresentados foi capaz de trazer mais certezas quanto ao
real desempenho de pavimentos permeáveis e segurança aos profissionais no
processo decisório de adoção deste tipo de revestimento. Este caso prático
comparou o desempenho de dois tipos de pavimentos implantados em um
estacionamento (Figura 4). Em metade da área implantou-se asfalto poroso, e a
outra com blocos vazados preenchidos com pedriscos. Esta superfície de blocos foi
a que apresentou melhor desempenho, mantendo uma ótima permeabilidade,
mesmo após alguns anos sem qualquer manutenção.

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


CONCLUSÕES

Um acelerado processo de urbanização desprovido do devido planejamento


cria impactos ambientais como o aumento das inundações e a degradação da
qualidade das águas pluviais. As ações do Poder Público no Brasil, buscando a
solução destes problemas, estão quase sempre voltadas para adoção de medidas
estruturais. São obras de drenagem que apenas transferem, por meio de tubulações,
as águas precipitadas para áreas mais à jusante, sem avaliar globalmente as bacias.
Frente a isto, é primordial que o Poder Público, durante a elaboração dos
Planos Diretores de Drenagem Urbana, considere o uso de dispositivos que
retenham água nas bacias hidrográficas, permitindo a infiltração das águas e a
redução dos escoamentos superficiais. Deve-se primar pela adoção de métodos não
convencionais de drenagem que busquem o controle na fonte, tais quais os
abordados neste trabalho (bacias de infiltração, valas de infiltração, trincheiras de
infiltração, poços de infiltração, jardins de chuva e pavimentos permeáveis). Porém,
é relevante mencionar que medidas compensatórias de drenagem urbana que
utilizam técnicas alternativas a fim de reduzir ou controlar os excedentes pluviais,
frutos da impermeabilização das superfícies, isoladamente não promovem o controle
das inundações, apenas as amenizam.
Neste contexto, é vital a implementação de programas de monitoramento
ambiental para garantir a proteção das Áreas de Preservação Permanente. Estas
faixas de preservação de vegetação - geralmente localizadas ao longo dos cursos
d’água, nascentes, reservatórios e em topos de morros - têm a função primordial de
preservar os recursos hídricos. Também é importante o monitoramento permanente
hidrométrico e de qualidade das águas dos rios, visando embasar as atuações
corretivas de enchentes na bacia hidrográfica.
Para se aumentar a eficácia na gestão e controle das enchentes urbanas, é
necessário que outras soluções complementares aos pavimentos permeáveis e a

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


intervenções de retenção e infiltração das águas de chuva também sejam adotadas.
Alguns exemplos são:
 reflorestamento, de preferência com vegetação nativa, priorizando as
Áreas de Preservação Permanente (APPs), que são: topos de morros,
encostas com inclinação acima 45 graus e faixas marginais de proteção
dos rios;
 construção de pequenas e médias barragens de cheias, a serem
localizadas nos trechos médios e superiores dos rios;
 reservatórios (bacias de detenção) espalhadas no solo urbano a fim de
reter e acumular águas de escoamento superficial nos períodos de
chuvas intensas (minimizando os picos de vazões hídricas nas calhas
dos rios que geram o seu transbordamento);
 captação das águas de telhado;
 saneamento de esgoto e lixo na bacia hidrográfica (que contribuem para
o entupimento do sistema de drenagem e para o assoreamento e
poluição dos rios);
 intervenções e obras de controle de erosão na bacia hidrográfica (para
reduzir o assoreamento e poluição dos rios);
 outras atuações similares dentro do conceito da sustentabilidade
ambiental.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARAÚJO, P., TUCCI C. E. M., GOLDENFUM, J. Avaliação da eficiência dos pavimentos


permeáveis na redução de escoamento superficial. RBRH, V5 n.3 p 21-28. 2000.

ACIOLI, L. A. Estudo experimental de pavimentos permeáveis para o controle do escoamento


superficial na fonte. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2005.

CASTRO, A. S.,GOLDENFUM, J. A. Uso de pavimentos permeáveis no controle quali-


quantitativo do escoamento superficial urbano. Anais do 26º Congresso Brasileiro de Engenharia
Sanitária e Ambiental. Porto Alegre - RS. 2011.

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13


CHATTANOOGA. Stormwater BMP Manual - Best Management Practices. Section 9 - Low
Impact Designs. City of Chattanooga/ Hamilton County/Town of Signal Mountain/ Tennessee. 2008.

CIRIA C697. The SUDS manual. ISBN 978-0-86017-697-8. London, 2007.

IPH/DEP. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Plano Diretor de Drenagem Urbana – Manual de
Drenagem Urbana. 2005.

PENNSYLVANIA - Stormwater Best Managemente practices manual. Chapter 6: Structural BMPs.


2006.

PINTO, L.L.C. O desempenho de pavimentos permeáveis como medida mitigadora da


Impermeabilização do solo urbano. Tese de Doutorado. USP, 2011.

RIGHETTO, A.M. Manejo de Águas Pluviais Urbanas. Projeto PROSAB. ABES. Rio de Janeiro.
2009.

TUCCI, Carlos E. M., PORTO, Rubem, La Laina e BARROS, Mário T. de, Drenagem Urbana, Editora
da UFRGS, Porto Alegre, 1998.

URBONAS, B. Assessment of Stormwater Best Management Practice Effectiveness (Chapter 7).


In: Innovative Urban Wet-Weather Flow Management Systems, Field, R., J.P. Heaney, and R. Pitt,
(editors). U.S. Environmental Protection Agency, Cincinnati, OH. EPA/600/R-99/029. 2000.

Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 03, n. 17, 2015, pp. 01-13