Você está na página 1de 53

Atividades de Língua Portuguesa

Série Enigmas para resolver

São Paulo
Maio de 2016
GOVERNADOR
Geraldo Alckmin

Vice-Governador
Márcio Luiz França Gomes

SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO
José Renato Nalini

Secretário Adjunto
Francisco José Carbonari

Chefe de Gabinete
Marília Marton

Coordenadora de Gestão da Educação Básica (CGEB)


Valéria de Souza

Diretora do Departamento de Desenvolvimento Curricular e de Gestão da Educação Básica


(DEGEB)
Regina Aparecida Resek Santiago

Equipe Técnica Tecnológica


Renata da Silva Simões
Camila Carvalho Lopes
Eva Margareth Dantas

Equipe de Apoio
Douglas Alves Almeida, Gabriely Santos Hora, Hércules Macedo Barbosa, Marta de Oliveira Contreras,
Thiago Nazario Agostinho

Equipe Técnica Pedagógica


Valéria Tarantello de Georgel (direção), Angela Maria Baltieri Souza, Clarícia Akemi Eguti, Katia
Regina Pessoa, Mara Lúcia David, Roseli Cordeiro Cardoso, Rozeli Frasca Bueno Alves

Parceiros
Concepção e coordenação
Jacqueline Peixoto Barbosa

Elaboração de atividades de Matemática


Silvia Sentelhas e Robespierre Sentelhas

Elaboração de atividades de Língua Portuguesa


Eduardo de Moura, Heloisa Amaral Dias de Oliveira e Jacqueline Peixoto Barbosa

Apoio
Instituto Natura e Instituto Inspirare
Introdução

Do  detetive  que  existe  em  todo  leitor  e  do  leitor  que  existe  em  todo  
detetive...  

A   atividade   de   ler   é   muito   semelhante   ao   trabalho   de   um   detetive.   Um   crime   não   se   esclarece  


por   si:   o   detetive   colhe   pistas   e   evidências,   estabelece   relações   de   diferentes   tipos,   levanta  
hipóteses   e   tenta   comprová-­‐las,   tudo   para   que   possa   descobrir   o   culpado.   Na   leitura,   um  
processo  muito  semelhante  tem  lugar:  a  partir  de  um  objetivo,  que  pode  ser  muito  variado  ‒  
estudar   sobre   alguma   coisa,   fazer   uma   comida   que   não   se   sabe   como,   saber   mais   sobre   os  
últimos  acontecimentos  do  mundo,  conhecer  a  opinião  de  alguém  sobre  algo  polêmico  (uso  de  
celular  na  escola,  por  exemplo),  sobre  um  filme,  um  livro  ou  um  game  (Pokémon  Go  e  tantos  
outros),     dentre   outras   possibilidades   –,   o   leitor   persegue   informações   no   texto,   busca   pistas   e  
evidências   para   “descobrir”   o   que   pode   significar   o   que   não   está   explícito,   estabelece   relações  
de  diferentes  tipos,  levanta  hipóteses  etc.  O  leitor  está  longe  de  ser  um  sujeito  passivo!  

O  convite   aqui  é  levar  esse  paralelo  entre  leitor  e  detetive  até  as  últimas  consequências!  Por  
meio   da   leitura   de   textos,   você   vai   resolver   alguns   casos   policiais   e,   por   meio   da
resolução   desses   casos   policiais,   espera-se   que   você   possa   desenvolver   mais   habilidades   de
leitura.  

Boa  sorte  (você  vai  precisar)!  

A  pontuação  
Seu/sua  professor(a)  vai  definir  junto  com  a  classe  se  haverá  ou  não  a  atribuição  de  bônus  por  
casos  resolvidos  e  como  isso  poderá  funcionar.  Uma  sugestão  de  pontuação  é  apresentada  na  
próxima  página.  
Quadro  de  pontuações  
Cada   caso   solucionado   pode   render   de   10   a   100   pontos.     Lance   no   quadro   abaixo   a   pontuação   obtida   em   cada   caso   e,  
depois,   verifique  os  apetrechos  conquistados:  

Entre  960  e  1200  pontos:  Um  grande  detetive  


QUADRO  DE  PONTUAÇÃO  
Você   é   um  grande   leitor/detetive.   Consegue   desvendar  
CASOS   PONTOS   mistérios:   é   capaz   de   localizar   informações,   estabelecer  
diferentes   tipos   de   relação   entre   partes   de   um   mesmo   texto  
e  entre  textos,  de  inferir  implícitos  e  de  perceber  os  efeitos  
CASO  1   causados  por  escolhas  feitas  pelo  autor.  

CASO  2   Por tudo que conquistou merece um tablet de espionagem


máxima
_________________________________________________________________________  
CASO  3  
Entre  710  e  950  pontos:  Detetive  
CASO  4  
Você   pode   ser   considerado  um   leitor/detetive.   Você   é   observador.  
É   capaz   de   localizar   informações,   estabelecer   diferentes   tipos   de  
CASO  5   relação,   de   inferir   implícitos,   de   perceber   os   efeitos   causados   por  
escolhas   feitas   pelo   autor,   o   que   lhe   separa   de   um   detetive   como  
Sherlock  Holmes  é  a  prática.  
CASO  6  
Por tudo que conquistou merece um celular com linha secreta  
CASO  7  
_________________________________________________________________________  

Entre  500  e  700  pontos:  Aprendiz  de  detetive  


CASO  8  
Você   é   um   aprendiz   de   detetive   e   um   leitor   em   potencial:   uma  
pessoa  com  muita  vontade  e  com  talento  para  investigação,  mas  que  
CASO  9  
ainda  necessita  desenvolver  algumas  habilidades  de  leitura.  
Você recebeu um relógio da agência de detetives
CASO  10  
_________________________________________________________________________  
CASO  11  
Entre  300  e  490  pontos:  Oficial  em  treinamento  
Você   ainda   é   um   oficial   em   treinamento:   uma   pessoa   com   talento  
CASO  12   Ativ.  1:  
para   investigação.   Mas   ainda   precisa   desenvolver   habilidades   de  
leitura.  Não  desista!  
Ativ.  2:  

Ativ.  3:   Você recebeu disfarces de detetive

TOTAL   __________________________________________________________________________  

Entre  100  e  290  pontos:  Aspirante  a  detetive  

Você   ainda   é   um  aspirante   a   detetive   que   precisa   desenvolver  


muitas  habilidades  de  leitura,  mas  não  desista.    
Você recebeu um receptor de mensagens secretas  
Sumário

O   sumário   contém   hiperlinks   e   a   ficha-­‐resumo   da   atividade.   Clique   nos   itens   para   ser  
direcionado  à  atividade.  

Caso  1  –  O  que  é  e  o  que  não  é  um  caso  policial  

Sinopse:   você   será   convidado   a   resolver   muitos   casos   policiais   nessa   série   de   atividades.  
Então,  a  ideia  é  que  você  comece  reconhecendo  histórias  policiais  em  livros,  filme  e  
games  para  se  preparar  para  o  que  está  por  vir  pela  frente.  

Caso  2  –  Foi  o  Coronel  Mostarda,  com  a  chave  inglesa,  na  sala  de  estar  

Sinopse:   quem   nunca   jogou   detetive?   O   jogo   traz   vários   elementos   de   um   crime:   vários  
suspeitos,  um  culpado,  um  local  e  uma  arma.  Só  faltou  uma  coisa:  o  motivo.  A  partir  
da  leitura  de  notícias  de  jornais,  o  desafio  é  descobrir  os  motivos  que  teriam  levado  
aos  crimes  noticiados.    

Caso  3  –  Detetives  famosos  que  podem  inspirar:  Sherlock  Holmes  e  Hercule  Poirot  

Sinopse:  informações  advindas  de  áudios,  retratos  falados  e  trechos  de  histórias  devem  ser  
relacionadas  para  que  você  possa  saber  um  pouco  mais  sobre  dois  grandes  detetives:  
Sherlock  Holmes  e  Hercule  Poirot.    

Caso  4  -­‐  O  detetive  certo  para  o  caso  

Sinopse:   qual   seria   o   detetive   certo   para   cada   caso?   A   partir   de   uma   sinopse   de   casos   a  
resolver,  você  vai  construir  o  detetive  mais  adequado  para  resolver  cada  caso.  

Caso  5  ‒  Enigmas  ilustrados  

Sinopse:  existe  um  crime  perfeito?  Não,  todo  crime  sempre  deixa  uma  pista  e,  se  soubermos  
olhar,   a   gente   sempre   acaba   encontrando   alguma.   De   olhos   abertos,   prestando  
atenção   nos   textos   escritos   e   no   que   as   imagens   mostram,   você   será   convidado   a  
resolver  quatro  casos.

Caso  6  –  O  enigma  dos  quadrinhos  

Sinopse:   um   crime   abalou   o   mundo   dos   quadrinhos.   A   partir   de   uma   pista   dada   por   um  
informante,   você   deverá   descobrir   o   quadrinista   culpado.   Para   isso,   você   precisará  
analisar  tirinhas  e  identificar  o  recurso  de  humor  utilizado  pelo  criminoso.  

Caso  7  –  Cada  parte  em  seu  lugar  

Sinopse:  um  criminoso  está  sabotando  originais  de  livros  em  uma  editora  especializada  em  
livros   de   suspense.   Enquanto   a   polícia   investiga   o   culpado,   você   vai   ajudar   os   editores  
a  reorganizarem  as  histórias  de  mistério  sabotadas.  
Caso  8  –  Detetive  do  passado  

Sinopse:   esse   caso   requer   uma   volta   no   tempo.   De   volta   ao   Brasil   do   séc.   XIX,   você   vai  
resolver   um   caso   proposto   pelo   jogo   Detetives   do   Passado,   que   tematiza   a   escravidão  
no  Brasil.  

Caso  9  –  O  sumiço  da  galinha  

Sinopse:  o  que  teria  acontecido  com  a  galinha?  O  desafio  aqui  é  descobrir  o  


o  destino  da  galinha  antes  de  saber  o  final  da  história,  que  é  contada  em  texto  e  vídeo.  

Caso  10  –  Roubo  no  mundo  das  artes  

Sinopse:   três   são   os   suspeitos   de   roubos   envolvendo   o   munda   das   artes.   A   descoberta   do  
culpado  depende  da  observação  de  pistas  cifradas  enviadas  por  um  delator  anônimo,  
em  cartas  enigmáticas  e  vídeos.  

Caso  11  –  Quem  disse  o  quê?  

Sinopse:   identificar   quem   fala   o   quê   pode   ajudar   na   resolução   de   crimes   que   envolvem  
escutas  telefônicas  e  diálogos  suspeitos.  Ao  longo  desse  caso,  você  deverá  identificar  
falas   e,   ao   final,   será   convidado(a)   a   transcrever   um   diálogo   para   um   trecho   de   um  
livro  policial.  

Caso  12:  Presos  por  desrespeitar  a  ortografia  

Sinopse:  um  ladrão  deixa  nos  locais  do  crime  bilhetes  em  que  comete  erros  sistemáticos  de  
ortografia.  Sua  missão:  descobrir  se  um  novo  roubo  foi  cometido  pelo  mesmo  ladrão  
ou  por  outro.  Para  isso,  vai  ter  que  refletir  sobre  o  tipo  de  erro  de  ortografia  cometido  
pelo(s)  ladrão(ões).  
Sumário

Caso  1
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________   Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  1  –  O  que  é  e  o  que  não  é  um  caso  policial  

Para   adentrar  a   vida   de   um   detetive,   é   preciso   primeiro   saber   o   que   é   (e   o   que   não   é)   um   caso  
policial.    

1. Leia  a  seguir  alguns  significados  que  a  palavra  “caso”  pode  ter:

Caso:  
1. Relação  amorosa,  geralmente  extraconjugal  ou  secreta.*
2. Manifestação  de  doenças  em  um  indivíduo.*
3. História  contada  de  forma  detalhada  e  engraçada  ou  exagerada.
4. Ocorrência  policial,  que  demanda  uma  investigação  para  saber  se  houve  um
crime  ou  não  e  determinar  os  culpados  e  as  circunstâncias  do  crime.

* Significados  extraídos  de  Dicionário  Priberam  da  Língua  Portuguesa  [em  linha],  2008-­‐2013,
<http://www.priberam.pt/dlpo/caso>.  Acesso  em:  22  dez.  2015.

2. Agora,   leia   os   textos   abaixo   e   procure   determinar   o   sentido   de   “caso”   em   cada   uma
das  alternativas,  colocando  o  número  da  definição  nos  parênteses.  (20  pontos)

[ (  ]    )  Os  casos  de  dengue  aumentaram  30%  no  último  mês.


[ (  ]    )  O  caso  só  foi  descoberto  porque  os  dois  foram  vistos  aos  beijos  no  estacionamento
de  um  shopping  no  horário  de  almoço.

[(   ]   )   O   caso   nunca   foi   resolvido:   no   ano   de   2006,   cinco   agências   bancárias   foram
assaltadas     da   mesma   forma:     a   casa   ao   lado   foi   alugada,   um   túnel   foi   cavado   e   o   cofre
foi  aberto  com  o  uso  de  explosivos  (em  todos  os  casos,  uma  pá  e  uma  picareta  foram
deixados   no   chão   do   banco   junto   com   um   bilhete   escrito   com   recortes   de   revista   –
“Com   os   cumprimentos   da   família   Tatu”)   [texto   elaborado   especialmente   para   essa
atividade].

[ (      )  Ele  era  o  melhor  contador  de  caso  da  região.  Nem  bem  tinha  terminado  o  café  da
]
manhã   e   começou:   foi   pelas   bandas   do   riacho   fundo.   Nem   precisou   de   barco,   das
margens  mesmo  jogou  o  anzol  e  pescou  um  peixe-­‐boi,  que  puxou  sozinho  para  a  terra.
Quando  perguntaram  para  ele  onde  estava  o  fruto  de  sua  pesca  ele  me  sai  com  essa:
“depois  que  terminei  de  recolher  o  anzol  um  jacaré  pulou  da  água  e  devorou  o  peixe-­‐
boi”  [Texto  elaborado  especialmente  para  essa  atividade].
3. Agora,  vamos  nos  aproximar  mais  dos  casos  policiais  por  meio  dos  livros  de  literatura  e
filmes.  Assinale,  a  seguir,  as  capas,  contracapas  ou  resenhas  de  livros  ou  de  DVDs  que
dizem  respeito  a  histórias  policiais:  (20  pontos)

           CAPA  1  

         CAPA  2  
           CAPA  3  

        CAPA  41  

1
 Disponível  em:  <http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=40246>.  Acesso  em  21  mar.  2016.  
          CAPA  5  

4. Um  bom  detetive  observa  muito  bem  os  detalhes!  Volte  às  capas  de  livros  e  de  filmes
assinaladas   e   encontre   pelo   menos   cinco   elementos   em   cada   uma   delas   (imagens,
cores,  palavras  utilizadas,  tipos  de  personagens  e  de  conflitos  etc.)  que  dão  pistas  de
que  as  histórias  selecionadas  são  mesmo  histórias  policiais.  (30  pontos).

Capa  do  DVD  Assassinato  no  Expresso  Oriente:

Capa  do  Livro  Os  crimes  ABC:  

Capa  do  Livro  O  Mistério  do  5  Estrelas:  


5. Agora,   você   irá   jogar,   por   alguns   minutos,   3   jogos   (no   máximo   2   minutos   por   jogo).
Observe  qual(is)  deles  pode(m)  ser  considerado(s)  game(s)  de  detetive  e  por  quê?  (30
pontos).

Você   não   tem   muito   tempo   para   explorar   os   detalhes   do   game,   precisará,   portanto,
pôr   em   prática   seu   olhar   de   investigador   –   aguçado   aos   detalhes.   Fique   atento   às
próprias  informações  que  os  sites  trazem  sobre  os  jogos  (“dica”,  “sobre  o  jogo”  etc.),
isso  renderá  pistas  preciosas  para  responder  a  essa  questão.

Jogo  1:  Jogo  Ancient  Jewel  Rush


<http://escoladigital.org.br/odas/5781650069702d18a52e0a00>
Jogo  2:  O  mistério  de  Aleijadinho
<http://www.escoladigital.org.br/odas/o-misterio-de-aleijadinho>
Jogo  3:  Sherlock  Holmes  2
<http://www.escoladigital.org.br/odas/57816a1f69702d18a9a20900>
Sumário

Caso  2
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________    Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  2  –  Foi  o  Coronel  Mostarda,  com  a  chave  inglesa,  na  sala  de  estar  

O   título   da   atividade,   que   faz   referência   a   um   famoso   jogo   de   detetive,   traz   elementos  
importantes   para   a   investigação   de   um   crime:   o   criminoso,   a   arma   e   o   local   do   crime.   Mas  
deixa   de   contemplar   outro   elemento   importante:   o   motivo.   Ainda   que   sejam   inventadas,   as  
histórias  policiais  se  inspiram  em  elementos  da  realidade.  O  próprio  Allan  Poe,  considerado  pai  
das  narrativas  de  enigma,  se  inspirou  em  notícias  de  jornais  para  escrevê-­‐las.  
1. Leia,   a   seguir,   os   títulos   de   possíveis   notícias   e   selecione   os   títulos   que   pareçam   ser   de
notícias  policiais,  ou  seja,  notícias  que  envolvam  algum  tipo  de  crime:  (20  pontos)
(        )  Banco  Minter  decreta  falência.
(        )  Desfalque  no  banco  BDV  foi  organizado  pelo  vicei presidente.
(        )  Quatro  caixas  eletrônicos  são  assaltados  em  Guaianazes.
(        )  Caixas  eletrônicos  passarão  a  ter  leitor  de  digital.
(        )  Morre,  aos  50  anos,  o  rei  do  pop  Michael  Jackson.
(        )  MC  Daleste  é  baleado  em  show  em  Campinas  (SP).

2. Agora,  leia  as  notícias  policiais  a  seguir   e   procure   descobrir   os  motivos  para  o  crime:2
(80 pontos)

2
 Apenas  a  primeira  notícia  foi  efetivamente  publicada  em  um  jornal,  as  demais,  embora  baseadas  em  fatos  reais,  
foram  produzidas  para  a  presente  atividade.  
 

Notícia  1:  

Sete pessoas são mortas em cinco horas após assassinato


de PM em São Paulo
Criado em 09/10/12 18h09 Por Camila Maciel
Edição: Davi Oliveira Fonte: Agência Brasil

São   Paulo   –   Sete   pessoas   foram   assassinadas   os   assassinatos   ocorridos   em   sequência.   As  


e   cinco   ficaram   feridas,   entre   a   noite   de   imagens   das   câmeras   de   segurança   do   posto  
ontem   (8)   e   a   madrugada   desta   terça-­‐feira,   de   combustíveis   estão   sendo   utilizadas   para  
nos   municípios   de   Taboão   da   Serra   e   Embu   tentar  identificar  os  suspeitos.  
das   Artes,   na   Grande   São   Paulo.   As   mortes  
O   delegado   titular   do   1º   Distrito   Policial   de  
ocorreram   em   um   intervalo   de   menos   de  
cinco  horas,  logo  após  a  morte  do  soldado  da   Taboão   da   Serra,   Gilson   Campinas,   não  
Polícia  Militar  Hélio  Miguel  Gomes  de  Barros,   descarta   a   possibilidade   de   que   as   mortes  
de   36   anos,   cuja   morte   é   investigada   como   tenham  sido  uma  retaliação  ao  assassinato  do  
policial.  “Tudo  depende  da  investigação.  Nada  
crime  de  execução.  
é   descartado,   mas   a   ação   foi   muito   rápida  
De   acordo   com   a   Polícia   Civil,   o   policial   militar   após  a  morte  do  policial  militar.  Há  indícios  de  
estava   em   dia   de   folga   e   foi   baleado   em   um   que   pode   ter   ocorrido   uma   ação   nesse  
posto   de   combustíveis   localizado   em   Taboão   sentido”,  admitiu.  (...)    
da  Serra,  por  volta  de  21h50min  de  ontem.  A  
Polícia  Civil  e  a  Corregedoria  da  Polícia  Militar    
investigam   se   há   relação   entre   a   morte   do   Disponível  em:  <http://www.ebc.com.br/2012/10/sete-­‐
policial  e     pessoas-­‐sao-­‐mortas-­‐em-­‐intervalo-­‐de-­‐cinco-­‐horas-­‐apos-­‐
assassinato-­‐de-­‐pm-­‐em-­‐sao-­‐paulo>.  Acesso  em:  21  mar.  
  2016.  

O  motivo  mais  provável  para  o  assassinato  das  7  pessoas  foi:  


(      )  ambição    
(      )  queima  de  arquivo  (assassinato  de  pessoa  que  pode  revelar  culpados)  
(      )  vingança  
(      )  ciúme  
   
 

Notícia  2:    

Jovem é preso depois de agredir namorada com celular

Jeferson   Pinheiro,   24,   foi   preso   em   seguir,   a   ofendê-­‐la   com   palavras   de   baixo  
flagrante,  na  noite  de  ontem  em  um  bar  na   calão   e   terminando   por   agredi-­‐la  
Vila   das   Mercês,   após   agredir   a   namorada,   fisicamente  c om  o  c elular.    
Janice   Fernandes,   21,   com   o   celular   da  
vítima.     Dois   policiais   que   faziam   a   patrulha   na  
região   detiveram   Jeferson   que   foi   levado  
Após   ler   mensagens   no   celular   de   Janice   e   para   o   26º   DP.   Janice   teve   dois   dentes  
ver   algumas   fotos   enviadas,   Jeferson   quebrados  e  h ematomas  n o  rosto  e  b raços  
começou  a  g ritar  c om  a  v ítima,  p assando,  a    

 
O  motivo  mais  provável  para  a  agressão  foi:  
(      )  ambição    
(      )  queima  de  arquivo  (assassinato  de  pessoa  que  pode  revelar  culpados)  
(      )  vingança    
(      )  ciúme  
 

Notícia  3:    

Testemunha é sequestrada na porta da sua casa

Alberto   Mendes   da   Costa,   testemunha   Alberto   iria   depor   no   dia   seguinte   na  


chave   da   Operação   Lava   a   Seco,   foi   Operação  Lava  a  Seco  e  havia  a  expectativa  
sequestrado   na   porta   da   sua   casa   no   início   de   que   seu   depoimento   fosse   fundamental  
da   noite   de   ontem,   no   bairro   de   Santana,   para   apontar   envolvimento   de   políticos   e  
na  c apital  d e  S ão  P aulo.         empresários.  

Alberto   foi   abordado   por   volta   das   19h,    


quando   entrava   na   garagem   de   sua   casa,  
por   três   carros   que   o   cercaram   e   o  
renderam,  s egundo  informação  d e  v izinhos.  

O  motivo  mais  provável  para  o  sequestro  foi:  


(        )  ambição    
(      )  queima  de  arquivo  (assassinato  de  pessoa  que  pode  delatar  culpados)  
(        )  vingança  
(        )  ciúme  
 
Notícia  4:    

Mandante do roubo do quadro de Picasso é preso

O   empresário   José   Fernandes   da   Costa   foi   dos  q uatro  p articipantes  d o  roubo  d o  


preso   ontem   em   flagrante   pela   polícia   em   quadro  d e  P icasso  d o  M useu  d e  B elas  
sua   casa   na   Zona   Sul   de   São   Paulo.   De   Artes.    
posse   de   um   mandato   de   busca,   a   polícia  
revistou  a  casa  do  empresário  e  localizou  a   Com  fortuna  e stimada  e m  m ais  d e  R $  1 00  
milhões  o  e mpresário  é  u m  c olecionador  d e  
obra   de   arte   em   um   falso   vão   climatizado  
arte  c onhecido  
esculpido  e m  u ma  d as  p aredes   d a  p iscina.  
 
A   polícia   chegou   ao   empresário,   após   a  
prisão  d e  d ois    

O  motivo  mais  provável  para  o  roubo  do  quadro  foi:  


(      )  ambição    
(        )  queima  de  arquivo  (assassinato  de  pessoa  que  pode    revelar  culpados)  
(        )  vingança  
(        )  ciúme  
   
Sumário

Caso  3
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________     Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  3  –  Detetives  famosos  que  podem  inspirar:  Sherlock  Holmes  e  Hercule  Poirot  

1. Você  vai  ouvir  dois  áudios  que  apresentam  os  detetives  Sherlock  Holmes  e  Hercule  Poirot,
dois   dos   detetives   mais   famosos   da   literatura   e   do   cinema.   Além   de   longa   metragens,   os
dois   personagens   já   mereceram   até   série   de   TV.   Depois   de   ouvir   o   áudio,   você   deverá
reconhecer  a  foto  de  cada  um  deles,  sua  ficha  de  identificação  e  trechos  de  suas  histórias.
Para   facilitar,   procure   tomar   nota   das   características   dos   detetives   enquanto   escuta   o
áudio.  Suas  anotações  vão  ajudá-­‐lo  a  identificar  o  retrato,  a  ficha  e  os  casos.

Clique  nos  links  e  fique  atento  com  papel  e  caneta  a  postos!

Áudio  1:  Grandes  Detetives  Sherlock  Holmes


<  http://www.escoladigital.org.br/odas/57917e8469702d3dc9651400>  (Holmes)
Áudio  2:  Grandes  Detetives  Hercule  Poirot
<http://www.escoladigital.org.br/odas/57917ffe69702d3dd9211400>  (Poirot)

2. Determine   de   quem   são   as   fotos   que   se   seguem,   identificando-­‐as   com   Holmes   ou


Poirot.  (20  pontos)

Detetive  13   Detetive  24  

3
 Disponível  em:  <http://migre.  me/sNDV8>.  Acesso  em:  03  fev.  2016.  
4
 Disponível  em:  <http://migre.me/sNDYh>.  Acesso  em:  03  fev.  2016.  
3. Agora,  levando  em  conta  as  informações  do  áudio,  coloque  o  nome  do  detetive  na  primeira  
linha  das  fichas  de  identificação  e  preencha  os  campos  em  branco:  (30  pontos)  

Ficha  de  Identificação  1  

Nome      

Nacionalidade   Belga  
Moradia   Londres  
Sexo   Masculino  
Características   Estatura  baixa  (1,60m  de  altura),  cabeça  oval  e  levemente  inclinada  para  
físicas   o  lado,  cabelo  preto  e  ralo,  olhos  verdes  e  bigode    
Outras    
características    
 
 
 
 
 
 
Amigos   Capitão  Hastings,  Inspetor  Japp  e  Ariadne  Oliver  
Inimigo   Vera  Rossakoff  
Criador(a)    
Alguns  dos   Assassinato  no  Oriente  Expresso,  Morte  no  Nilo,  Os  Crimes  ABC,  Os  Cinco  
livros  famosos   Porquinhos,  Cai  o  pano,  O  Assassinato  de  Roger  Ackroyd  
Primeira   O  Misterioso  Caso  de  Style  
aparição  
Última   Cai  o  Pano  (oficial)  
aparição   Os  Crimes  do  Monograma  
 
Ficha  de  Identificação  2  

Nome      

Nacionalidade   Inglês  
Nascimento   6  de  janeiro  de  1854  
Moradia   221B  Baker  Street,  Londres  
Sexo   Masculino  
Características    
físicas    
 
 
Outras    
características    
 
 
 
 
 
 
Amigos   Dr.  John  H.  Watson,  Lestrade  e  Gregson,  policiais  da  Scotland  Yard  
Inimigo   Professor  Moriarty  
Criador(a)    

Alguns  dos   Um  estudo  em  vermelho,  O  signo  dos  quatro,  Os  cães  dos  Baskervilles  
livros  famosos  
Primeira   Um  Estudo  em  Vermelho,  1887  
aparição  
Última   O  velho  solar  de  Schoscombe,  1927  
aparição  
 
4. Agora  responda  algumas  questões  sobre  os  dois  detetives:  (20  pontos)  

a.    Quanto  ao  local  de  nascimento,  os  dois  detetives:  


‒ tinham  a  mesma  nacionalidade  (        )  
‒ tinham  nacionalidades  diferentes  (        )  
b.  Os  dois  detetives  protagonizaram  muitos  casos  em  um  mesmo  país.  Esse  país  foi:  
‒ França  (        )  
‒ Inglaterra  (        )  
c.  O  amigo  mais  chegado  de  Holmes  era:  
‒ Watson  (        )  
‒ Hastings  (        )    
 
d.  Os  casos  “Um  estudo  em  vermelho”  e  “O  velho  solar  de  Schoscombe”  foram  resolvidos  
por:  
‒ Holmes  (        )  
‒ Poirot  (        )  
5. Agora   o   desafio   maior:   você   vai   descobrir   que   caso   foi   resolvido   por   qual   detetive,   lendo  
apenas  um  pequeno  trecho  das  histórias:  (30  pontos)  

Caso  1    

“—  Ah,  a  atenção  do  nosso  criminologista  foi  despertada!  ‒  exclamou  Parker.  —  Conte-­‐lhe  
tudo,   Sra.   Robinson.   Hastings   é   um   grande   decifrador   de   mistérios.  Soltei  uma  risada,  um  
tanto  embaraçado,  mas  não  de  todo  insatisfeito  com  o  papel  que  me  era  atribuído.  
—  Não  chega  a  ser  nada  realmente  estranho,  capitão  Hastings,  apenas  esquisito.”  
A  Aventura  do  Estrela  do  Ocidente.  Disponível  em:  <http://migre.me/sPA7i>.  Acesso  em:  21  mar.  2016.  
 
Detetive  que  resolveu:  ______________________________.  
Pistas  que  ajudaram  a  identificar  o  detetive:  _____________________________________  
 _________________________________________________________________________  
 
 
Caso  2  

“—   Que   diabo   você   tem   feito,   Watson?   —   perguntou-­‐me   ele,   sem   esconder   o   seu   espanto,  
enquanto  passávamos  pelas  ruas  apinhadas  de  Londres.  —  Vejo-­‐o  magro  como  um  sarrafo  
e  escuro  como  uma  castanha.  
Fiz-­‐lhe  um  breve  relato  das  minhas  aventuras  e  mal  o  concluíra  chegamos  ao  nosso  destino.  
—   Coitado!   —   exclamou   ele,   condoído   pelos   infortúnios   que   acabava   de   ouvir.   —   E   que   faz  
agora?  
—   Procuro   alojamento   —   respondi.   —   Tento   resolver   o   problema   de   encontrar   quartos  
confortáveis  a  preços  razoáveis.  
—  É  curioso  —  disse  o  meu  companheiro.  —  Você  hoje  é  a  segunda  pessoa  que  fala  dessa  
maneira.”  
Um  estudo  em  vermelho.  Disponível  em:  <http://migre.me/sPA9L>.  Acesso  em:  21  mar.  2016.    
 
Detetive  que  resolveu:  ______________________________.  
Pistas  que  ajudaram  a  identificar  o  detetive:  _____________________________________  
 _________________________________________________________________________  
 
 
Caso  3  

Na  primeira  semana  de  julho,  meu  amigo  ausentou-­‐se  tantas  vezes  de  casa,  que  senti  que  
alguma   coisa   se   passava.   O   fato   de   vários   homens   de   má   aparência   terem   vindo   perguntar,  
nessa   semana,   pelo   capitão   Basil,   fez-­‐me   compreender   que   [...]   estava   trabalhando   sob  
algum   dos   inúmeros   disfarces   e   nomes   falsos   que   lhe   ocultavam   a   identidade.       Ele   tinha  
pelo   menos   cinco   pequenos   refúgios   em   Londres,   onde   poderia   mudar   de   personalidade.  
Nada  me  dissera  das  suas  atividades,  e  não  era  meu  hábito  forçar  confidências.  
 
(A  aventura  de  Black  Peter).  Disponível  em  https://mundosherlock.wordpress.com/canon_e/arthur-­‐conan-­‐
doyle-­‐a-­‐volta-­‐de-­‐sherlock-­‐holmes-­‐1905/pedro-­‐negro/  
 
Detetive  que  resolveu:  ______________________________.  
Pistas  que  ajudaram  a  identificar  o  detetive:  _____________________________________  
 _________________________________________________________________________  
 
   
Sumário

Caso  4  
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________   Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  4  ‒  O  detetive  certo  para  o  caso5  

Fora   do   universo   dos   super-­‐heróis,   não   existe   um   ser   (detetive,   por   exemplo)   que   possa   dar  
conta  de  toda  e  qualquer  situação.    Por  essa  razão,  é  comum  que  alguns  se  especializem  em  
certos  tipos  de  crimes.  Você  agora  vai  construir  o  detetive  adequado  para  cada  um  dos  casos  
apresentados.  

1. Leia  o  texto  abaixo,  sintetize  as  principais  informações  sobre  ele  e  escolha  as  características
que  um  detetive  deverá  ter  para  resolvê-­‐lo.

Caso  1  

A   Polícia   Federal   tem   fortes   suspeitas   da   existência   de   grupos   clandestinos   que   exploram  
ilegalmente  regiões  da  Floresta  Amazônica,  cortando  árvores  para  o  comércio  de  madeira.  
Tais  regiões  são  reservas  ecológicas,  sendo,  portanto,  expressamente  proibidas  a  derrubada  
de   árvores   e   a   caça   de   animais   em   seu   interior.   Como   a   Amazônia   é   uma   região   que  
interessa   não   só   ao   Brasil,   mas   também   ao   restante   do   mundo,   pela   biodiversidade   que  
apresenta  e  por  ser  considerada  por  alguns  o  “pulmão  do  mundo”,  a  CIA  e  o  FBI,  chamados  
pela  polícia  brasileira,  resolveram  colaborar  nas  investigações.  A  Polícia  Federal,  a  CIA  e  o  
FBI   decidiram,   em   um   primeiro   momento,   mandar   um   único   agente,   para   não   levantar  
suspeitas.   Esse   agente   deveria   descobrir   onde   estão   ocorrendo   as   derrubadas,   quem  
comanda  o  esquema,  para  onde  vai  a  madeira  extraída  e  quem  são  os  compradores.    

Texto  adaptado  de  Barbosa,  J.  P.  Narrativa  de  Enigma.  São  Paulo:  Editora  FTD,  2002,  pp.  65-­‐69.  

a. Crime:   _________________________________________________________________
(10  pontos)

b. De  acordo  com  o  resumo  do  caso,  o  detetive  escolhido  terá  que  descobrir:  (10  pontos)

(          )  o  local  do  crime,  os  mandantes  e  o  destino  da  madeira  extraída.  


(          )  o  local  do  crime,  o  tipo  de  madeira  extraída  e  os  mandantes.  
(          )  os  mandantes  do  crime,  o  destino  da  madeira  extraída  e  o  preço  pago  por  ela.  

c. Dada   essa   situação,   você   vai   criar   o   detetive   que   mais   chances   teria   para   resolver   o
caso.  A  seguir,  você  encontrará  uma  lista  de  características  que  um  detetive  pode  ter.

5
 Atividade  retirada  de  adaptada  de  Barbosa,  J.  P.  Narrativa  de  Enigma.  São  Paulo:  Editora  FTD,  2002,  pp.  65-­‐69.  
Mas,  atenção!!!  Para  que  você  não  construa  simplesmente  um  “super-­‐homem”  muito  
longe  de  um  detetive  real,  você  vai  poder  escolher  apenas  QUATRO  características  da  
lista  a  seguir.  Pense  na  situação  dada  e  escolha  quatro  características  que  esse  detetive  
deve  possuir  para  que  possa  resolver  o  caso.  (10  pontos)  

LISTA  DE  CARACTERÍSTICAS  


(        )  possui  bom  preparo  físico  (inclui   (        )  possui  conhecimentos  de  
resistência  e  forma  física)   zoologia  

(        )  é  muito  forte     (        )  possui  conhecimentos  de  


(        )  é  excelente  nadador   matemática  

(        )  é  um  excelente  piloto  de  avião   (        )  possui  conhecimentos  de  


(        )  é  muito  observador  (nada  passa   administração    

despercebido  diante  de  seus  olhos)   (        )  possui  conhecimentos  de  


(        )  é  um    mestre  dos  disfarces  (pode   engenharia  de  estradas  

aparecer  disfarçado  de  qualquer  pessoa,  sem   (        )  possui  conhecimentos  de  


levantar  suspeitas)   informática  (sabe  recuperar  
informações,  cruzar  dados,  invadir  
(        )  possui  um  excelente  raciocínio  dedutivo  
arquivos  protegidos  com  senhas  
(        )  possui  conhecimentos  de  geografia   de  segurança  etc.)  
(        )  possui  conhecimentos  de  história  
(        )  comunica-­‐se  muito  bem  
 (       ) possui  conhecimentos  de  botânica   (inclui  saber  fazer  perguntas,  
conseguir  informações,  saber  
negociar,  confundir  etc.  

___________________________________________________________________________  
 

d. Agora,   descreva   o   detetive   que   você   começou   a   criar.   Mas,   atenção!!!   Você   NÃO  
deverá   simplesmente   dizer,   de   forma   direta,   suas   características,   com   frases   do   tipo  
“John   é   um   detetive   muito   forte,   observador,   possui   um   ótimo   preparo   físico   e   sabe  
pilotar   aviões.”   Esse   é   um   jeito   mais   simples   e   comum   de   descrever.     Escolha   DUAS   das  
características   que   você   atribuiu   ao   detetive   no   exercício   anterior   e   ilustre   cada   uma  
com  uma  situação  que  exemplifique  essa  característica,  como  nos  três  exemplos  que  se  
seguem:  

Exemplos:  
Conhecia   informática   como   ninguém:   era   capaz   de   adentrar   em   qualquer   sistema   de  
segurança  em  busca  da  informação  desejada.  [...]  
Era  um  mestre  dos  disfarces;  podia  se  fazer  passar  por  qualquer  um  a  qualquer  hora  do  
dia  ou  da  noite:  mulher,  homem,  velho,  jovem,  estrangeiro...  Até  por  criança  já  havia  se  
passado.  [...]  
Tinha  uma  memória  de  elefante.  Jamais  anotava  nada  e  se  lembrava  de  tudo  ‒  nomes,  
endereços,  fatos,  pistas.  Cheguei  a  suspeitar  que  no  lugar  de  neurônios,  ele  possuía  um  
HD.    

Agora   é   a   sua   vez.   Preste   atenção   na   pontuação   que   foi   usada   para   ilustrar   a  
característica  do  detetive.  Nos  dois  primeiros  exemplos,  foram  usados  dois-­‐pontos  (:)  e,  
no  terceiro,  travessão  (–).  Tente  construir  duas  frases  descritivas,  conforme  o  exemplo  
acima,  variando  a  pontuação.  (10  pontos)  

 
 
 
 
 
 
2. Agora,  leia  o  caso  2:  

Caso  2  
 
Inconformado   com   o   relatório   final   de   CPI,   que   não   conseguiu   apontar   a   participação   de  
políticos  famosos  em  um  esquema  de  corrupção  envolvendo  desvio  de  dinheiro  público  em  
obras  viárias,  um  deputado  federal  resolveu  contratar  um  detetive  para  esclarecer  o  caso.  
Este  detetive  deverá  descobrir  quais  políticos  famosos  estão  envolvidos  neste  esquema  de  
corrupção   e   como   o   esquema   funciona   e   deve   apresentar   provas   que   comprovem   o  
suposto  envolvimento.  
 
Texto  adaptado  de  Barbosa,  J.  P.  Narrativa  de  Enigma.  São  Paulo:  Editora  FTD,  2002,  pp.  65-­‐69.  
a. Crime:    ________________________________________________________________

(10  pontos)  

b. O  detetive  escolhido  para  o  caso  terá  que  descobrir:  (10  pontos)

(        )  os  culpados  e  o  funcionamento  do  esquema.  

(        )  os  culpados  e  os  valores  desviados.  

(        )  o  funcionamento  do  esquema  e  os  valores  desviados.  

c. Tal   como   na   situação   1,   você   só   poderá   escolher   QUATRO   características   da   lista   a


seguir  que  o  detetive  deverá  possuir  para  poder  desvendar  o  caso.  (10  pontos)

LISTA  DE  CARACTERÍSTICAS  


(        )  possui  bom  preparo  físico  (inclui   (        )  possui  conhecimentos  de  
resistência  e  forma  física)   zoologia  

(        )  é  muito  forte     (        )  possui  conhecimentos  de  


(        )  é  excelente  nadador   matemática  

(        )  é  um  excelente  piloto  de  avião   (        )  possui  conhecimentos  de  


(        )  é  muito  observador  (nada  passa   administração    

despercebido  diante  de  seus  olhos)   (        )  possui  conhecimentos  de  


(        )  é  um    mestre  dos  disfarces  (pode   engenharia  de  estradas  

aparecer  disfarçado  de  qualquer  pessoa,  sem   (        )  possui  conhecimentos  de  


levantar  suspeitas)   informática  (sabe  recuperar  
informações,  cruzar  dados,  invadir  
(        )  possui  um  excelente  raciocínio  dedutivo  
arquivos  protegidos  com  senhas  
(        )  possui  conhecimentos  de  geografia   de  segurança  etc.)  
(        )  possui  conhecimentos  de  história  
(        )  comunica-­‐se  muito  bem  
 (        ) possui  conhecimentos  de  botânica   (inclui  saber  fazer  perguntas,  
conseguir  informações,  saber  
negociar,  confundir  etc.  

___________________________________________________________________________  

d. Agora,   você   vai   descrever   o   detetive   que   começou   a   criar.   Mas,   atenção!!!   Você   NÃO
poderá   simplesmente   dizer,   de   forma   direta,   suas   características,   com   frases   do   tipo
“John   é   um   detetive   muito   forte,   observador,   possui   um   ótimo   preparo   físico   e   sabe
pilotar   aviões.”   Para   cada   característica   que   você   atribuir   ao   detetive,   você   deverá
estabelecer  uma  comparação.  Veja  alguns  exemplos.
Exemplos:
Tinha o rosto pálido, os olhos irrequietos e amedrontados, como os de um animal que
está sendo caçado. [...]
Era pequena e esguia, muito loira, aparência infantil, os olhos azuis grandes e inocentes
como os de uma criança. (A Aventura do ‘Estrela do Ocidente’ - Agatha Christie). [...]
Tinha uma memória de elefante. Jamais anotava nada e se lembrava de tudo ‒ nomes,
endereços, fatos, pistas. Cheguei a suspeitar que no lugar de neurônios, ele possuía uma
HD.
(Note que neste último exemplo, a palavra “como” não aparece. Em vez de dizer “tinha a
memória como a de um elefante” optou-se por dizer “tinha uma memória de elefante”).

Agora,   é   a   sua   vez.   Escolha   duas   características   e   crie   duas   frases   estabelecendo  
comparações.  (20  pontos)  
Sumário

Caso  5
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________   Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  5  –  Enigmas  ilustrados  


Hora   de  colocar   a   mão   na   massa!   Você   vai   ter   que   resolver   quatro   casos.   Fique   atento   a   todas  
as  informações  ditas  e  observe  todos  os  detalhes  da  cena  do  crime.  
1. O  primeiro  caso  vai  ser  resolvido  coletivamente.
• Seu  professor  vai  acessar  O  Caso  da  Colina  Negra6,  disponível  em:
<http://www.escoladigital.org.br/odas/5791c34b69702d3dd94c1400>.

2. Agora,  é  com  você!  Tente  resolver  os  três  casos:  (Cada  caso  resolvido  rende  25  pontos)
• O  roubo  de  1  milhão  de  dólares
<  http://www.escoladigital.org.br/odas/5791c4e469702d3dc2971200  >
• O  caso  do  papagaio  da  Duquesa
<http://www.escoladigital.org.br/odas/um-enigma-ilustrado>
• O  roubo  do  baú  lacrado
<http://www.escoladigital.org.br/odas/5791c62f69702d352e320000>

3. Para  terminar,  o  desafio  final:  descubra  duas  coisas  em  comum  nos  casos  analisados.  (25
pontos)  

6
 Disponível  em:  <http://sitededicas.ne10.uol.com.br/enigmas-­‐logicos-­‐o-­‐caso-­‐da-­‐colina-­‐negra.htm>.  Acesso  em:  11  
jan.  2016.  
Sumário

Caso  6
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________   Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  6:  O  enigma  dos  quadrinhos7  

Quatro   roubos   agitaram   o   mundo   dos   quadrinhos:   os   originais   dos   primeiros   números   das  
tirinhas  do  Menino  Maluquinho,  da  Turma  da  Mônica,  do  Geraldinho  e  da  Lola  foram  roubados  
em  plena  luz  do  dia.  

Investigações  preliminares  levaram  a  quatro  quadrinistas8  suspeitos:  Paulo  Quadros,  Joel  das  
Tiras,  Zé  dos  balões  e  Duda  HQ.  Um  informante  da  polícia  enviou  três  pistas  e  simplesmente  
desapareceu.  As  pistas  eram  as  seguintes:  

• O  culpado  NÃO  é  o  quadrinista  que  costuma  brincar  com  as  letras  e  os  números.
• Os  personagens  criados  pelo  culpado  NÃO  retratam  pessoas  do  interior  de  São  Paulo.
• O  culpado  NÃO  é  o  quadrinista  que  costuma  brincar  com  o  duplo  sentido  das  palavras.

A  seguir,  leia  as  tirinhas  produzidas  pelos  quatro  suspeitos,  responda  à  questão  colocada  para  
cada  tirinha  e,  a  partir  das  três  pistas  acima,  procure  determinar  quem  é  o  culpado.  

Tirinha  19  

1. Como  podemos  ter  certeza  de  que  o  tênis  é  mesmo  “pirata”?  (10  pontos)

7
 As  tirinhas  integrantes  dessa  atividade  tiveram  alguns  de  seus  títulos  e  assinaturas  retirados  em  função  da  
proposta  de  atividade.  As  tirinhas  originais  podem  ser  acessadas  nos  links  indicados.  
8
 Quadrinista  é  autor  de  história  em  quadrinhos.  
9
 Tirinha  original  de  autoria  de  Rafael  e  disponível  em:  <http://coletivocatarse.com.br/home/wp-­‐
content/uploads/2013/04/13.sapatira89-­‐p.jpg>.  Acesso  em  02  jan.  2016.  
 

Tirinha  210  

2. Circule  o  Wally.  (10  pontos)  

Tirinha  311  

3. O  que  provoca  humor  nessa  tirinha?  (10  pontos)  

                                                                                                                       
10
 Tirinha  original  de  autoria  de  Rafael  disponível  em:  <http://coletivocatarse.com.br/home/caracteres-­‐3/>.  Acesso  
em:  02  jan.  2016.    
11
 Tirinha  produzida  para  essa  atividade.  
Tirinha  412:    

4. Por  que  se  desconfia  que  os  dois  estão  brigados?  (10  pontos)  

Tirinha  513:  

5. Quem  é  o  Joel?  (10  pontos)  

                                                                                                                       
12
 Tirinha  original  de  autoria  de  Rafael  e  disponível  em:  <http://coletivocatarse.com.br/home/caracteres-­‐13/>.  
Acesso  em:  02  jan.  2016.  
13
 Tirinha  original  de  autoria  de  Rafael  e  disponível  em:  <http://coletivocatarse.com.br/home/caracteres-­‐6/>.  
Acesso  em:  02  jan.  2016.  
Tirinha  614  

6. O  que  provoca  humor  nessa  tirinha?  (10  pontos)

Tirinha  715  

7. O  que  provoca  humor  nessa  tirinha?  (10  pontos)

8. Após analisar todas as tirinhas, não resta nenhuma dúvida: o quadrinista ladrão é o

(30 pontos)

14
 Tirinha  original  disponível  em:  <https://goo.gl/QwlXYR>.  Acesso  em:  02  jan.  2016.    
15
 Tirinha  original  disponível  em:  <http://coletivocatarse.com.br/home/sapatiras-­‐11/>.  Acesso  em:  02  jan.  2016.  
Sumário

Caso 7
Série Enigmas para resolver
Aluno ______________________________________ Turma _________________
Professor ___________________________________
Caso  7:  Cada  parte  em  seu  lugar  

No   começo   do   inverno   paulista   de   1928,   em   que   o   clima   da   cidade   de   São   Paulo   era   mais  
úmido   e   frio   do   que   é   hoje,   um   estranho   fenômeno   começou   a   acontecer   na   Editora  
Misteryum.  A  pequena  empresa,  que  funcionava  no  bairro  do  Cambuci,  ficava  em  um  estreito  
prédio   de   três   andares,   no   alto   de   uma   ladeira   íngreme   e   sinuosa.   O   prédio   não   tinha  
aquecimento  interno  e  a  umidade  marcava  suas  paredes,  descascando  parte  do  reboco.    

Quem   subisse   a   rua,   logo   avistaria   uma   placa   já  


gasta   com   o   nome   da   editora   e,   se   fosse   pessoa  
observadora,   logo   iria   notar   que   os   negócios   não  
andavam   bem.   De   fato,   nos   últimos   meses,   algo  
muito,  muito  estranho,  acontecia  ali.  
O   enigma   mais   do   que   misterioso   que   estava  
acontecendo   ali   era   inexplicável.   Os   livros   eram  
produzidos   manualmente.   Para   que   eles   fossem  
impressos,  era  preciso  montar  cada  página  antes,  
colocando   cada   letra   à   mão   em   caixilhos,   primeiro  
compondo  frases,  depois  parágrafos  e,  por  último,  
a  página.  Depois  de  prontas,  as  páginas  iam  para  a  
máquina   de   impressão.   A   partir   daí,   podiam   ser  
feitas   milhares   de   cópias.   No   passado   muitos  
livros  foram  fabricados  dessa  forma.  

Os   tipógrafos   trabalhavam  
intensamente   durante   o   dia,  
compondo   as   páginas   com   cada  
palavra,   frase   ou   parágrafo   em   seu  
devido   lugar,   para   que   os   leitores  
pudessem   ler   o   texto   e   apreciar   as  
histórias.  
No   dia   seguinte,   quando   iam   colocar  
os   caixilhos   na   impressora,   os  
parágrafos   estavam   totalmente  
bagunçados!   Eles   tinham   que  
começar   a   organização   novamente,  
usar   de   toda   a   paciência   do   mundo  
para   cumprir   a   tarefa.   Mas,   toda   vez  
que   uma   nova   página   era   criada  
durante   o   dia,   o   fenômeno   da  
misturação  acontecia.    
Isso  não  poderia  continuar  acontecendo!  Era  preciso  solucionar  o  mistério!    Então,  chamaram  
um   detetive   para   resolver   o   caso.  Mas  antes  mesmo  de   resolvê-­‐lo  definitivamente,  era  preciso  
dar   conta   de   uma   urgência:   arrumar   a   sequência   de   um   capítulo   de   um   livro   que   precisava   ser  
lançado   em   breve.   Um   novo   atraso   na   publicação   desse   livro   causaria   o   rompimento   de   um  
contrato   e,   certamente,   a   falência   da   editora.   Você   e   seus   colegas   foram   então   convocados  
para  ajudar  o  detetive  do  caso.  Enquanto  ele  tenta  descobrir  o  que  ou  quem  estava  por  trás  da  
desarrumação  dos  textos,  vocês  devem  colocar  o  texto  a  ser  impresso  em  ordem.  Mas  é  bom  
se  preparar,  porque  a  história  em  questão  envolve  aparições,  desaparecimentos  e  sustos...    
Mas,  antes  de  arrumar  as  páginas  desorganizadas,  vocês  precisam   conhecer  a  história  do  livro.  
Para  isso,  realizem  as  atividades  a  seguir:  
1. Ouça   o   áudio   a   seguir   de   um   programa   que   apresenta   o   livro   “Ele,   Lá   e   os   Outros”,   de  
autoria  de  Percival  Tadeu  Figueiredo.  Ouça  até  1min58s  e  converse  com  os  colegas  sobre  
o  resumo  do  início  da  história  apresentado.  
 

Áudio:  Livros  a  dois  cliques  -­‐  Ele,  Lá  e  os  Outros:    

<http://www.escoladigital.org.br/odas/5791c7a669702d3dc9a61400  >  

 
 
2. Nos  três  primeiros  capítulos,  resumidos  no  áudio  que  acabaram  de  ouvir,  ocorreu  um  fato  
que  deixou  os  alunos  de  certa  escola  muito  agitados.    Levando  em  conta  a  sequência  de  
fatos  do  áudio  ouvido,  leiam  os  títulos  desses  capítulos  e  os  enumerem  de  acordo  com  a  
ordem  que  acham  que  eles  ocupam  no  livro.  (10  pontos)  

a)  O  Dia  Seguinte  ([        ]                )                  b)  A  Boataria  ([        ]                )                                                        c)  O  Susto  ([        ]                  )  

 
3. Leia,  agora,  o  início  do  quarto  capítulo.    

“As   horas   pareciam   intermináveis,   o   pessoal   não   tirava   os   olhos   do   relógio   e   nada   de  
chegar  a  hora  de  ir  para  casa.  O  pior  de  tudo  é  que  sempre  tem  um  engraçadinho  que  
repete  aquela  frase  sem  graça,  achando  que  está  agradando:  

—  Dá  meia  noite,  mas  não  dá  a  hora  da  gente  ir  embora.  
O   tempo   estava   congelado   e   a   mão   da   ansiedade   parecia   puxar   os   ponteiros   para  
trás.  Foi  quando  se  ouviu  um  medonho  grito  de  horror,  misturado  com  desespero,  ou  
qualquer   coisa   deste   tipo.   Os   cabelos   arrepiaram-­‐se   pelos   corpos   e   por   alguns  
segundos  todos  ficaram  tal  qual  o  ponteiro  do  relógio.  Congelados.”  
Marque  os  trechos  que  indicam  que  o  tempo  parecia  não  passar.  (10  pontos)  

a)  —  Dá  meia  noite,  mas  não  dá  a  hora  da  gente  ir  embora.  (              )  

b)   As   horas   pareciam   intermináveis,   o   pessoal   não   tirava   os   olhos   do   relógio   e   nada   de  


chegar  a  hora  de  ir  para  casa.  (            )  

c)   Foi   quando   se   ouviu   um   medonho   grito   de   horror,   misturado   com   desespero,   ou  


qualquer  coisa  desse  tipo.  (              )  
d) O  tempo  estava  congelado  e  a  mão  da  ansiedade  parecia  puxar  os  ponteiros  para  trás.
(              )

4. Como   você   pode   observar,   o   narrador   fala   de   diferentes   formas   que   o   tempo   estava
demorando  para  passar,  repetindo  essa  informação  mais  de  uma  vez.  Podei se  dizer  
que essa  repetição.  (10  pontos)

           revela  que  o  autor  da  história  não  tem  um  domínio  mínimo  da  escrita  de  narrativas,
pois  repete  desnecessariamente  informações.

            ajuda   a   causar   um   clima   de   suspense   na   história,   permitindo   que   o   leitor   possa


tomar  mais  contato  com  o  sentimento  das  personagens.

        não  tem  nenhuma  importância,  já  que  ela  não  altera  em  nada  os  fatos  centrais  da
narrativa.  Dá  na  mesma  dar  a  informação  só  uma  vez  ou  repetii la.

5. Na  história,  a  palavra  “Congelados”,  significa  o  mesmo  que:  (10  pontos)

a) (          )  muito  gelados.

b) (          )  paralisados.

c) (          )  insensíveis.

6. Como   você   constatou,   no   quarto   capítulo,   aconteceu   novamente   outro   fato   estranho.
Qual  dos  títulos  abaixo  pode  ser  o  desse  capítulo?  (10  pontos)
(          )  A  investigação   (          )  Na  Sala  da  Professora   (          )  Tudo  de  novo

7. Ouça,  agora,  a  continuidade  do  áudio  que  você  começou  a  ouvir  na  questão.  Nessa  parte
(a  partir  de  1min59s),  o  áudio  traz  a  leitura  do  último  trecho  do  quarto  capítulo  do  livro.

8. Depois   de   terem   conhecido   alguns   dos   acontecimentos   dos   três   primeiros   capítulos   da
história   e   o   final   do   quarto   capítulo,   chegou   a   hora   de   ajudar   realizar   sua   parte   nesse
caso:  reorganizar  as  partes  da  história  que  foram  embaralhadas.  Para  isso,  leia  os  trechos
indicados   com   as   letras   A,   B,   C,   D   e   procure   estabelecer   a   ordem   correta   deles.   (50
pontos)  

Trecho  A  
A  Diretora  imediatamente  arrasta  a  Menina  por  entre  os  outros  alunos  em  direção  à  sua  sala,  
ao  mesmo  tempo  em  que  emite  a  ordem:  
– Voltem  para  as  suas  salas.  Não  foi  nada.  Foi  só  um  susto.
E  desta  vez  não  houve  ensaio  de  vaia.  Um  murmurinho  extremamente  íntimo  entre  os  alunos  
e   entre   os   professores   ocupava   o   ar,   juntamente   com   o   barulho   do   pessoal   retornando  
pacificamente  para  as  salas  de  aula.  
Trecho  B    
O   segundo   grito   veio,   e   este,   diferente   do   primeiro,   fez   todos   os   alunos   levantarem   das  
carteiras  e  os  professores,  instintivamente,  irem  em  direção  da  porta.  
A   sequência   de   frenéticos   e   pavorosos   gritos   a   partir   daquele   instante   instaurou   um  
verdadeiro   caos   na   escola.   Os   professores   saíam   das   salas,   seguidos   pelos   alunos,   que  
arrastavam  carteiras  e  espalhavam  os  materiais  escolares  pela  sala  e  pelos  corredores.  
Todos  estavam  pelos  corredores  da  escola  e  não  era  somente  um  grito  feminino  que  se  ouvia  
agora.   Vários   outros   gritos   misturavam-­‐se   ao   original,   que   a   esta   altura,   já   não   se   sabia   de  
onde  vinha  e  quem  era  o  dono.  
 

Trecho  C    
Todos   foram   rodeando   a   apavorada   criatura   como   se   esta   estivesse   cercada   por   um   cordão   de  
isolamento  invisível,  todos  mantinham  praticamente  a  mesma  distância  da  Menina,  até  que  a  
Diretora  rompeu  o  cordão  de  isolamento  para  acudi-­‐la.  
A  Diretora  aproximou-­‐se,  apoiou  a  Menina  nos  braços  e  perguntou:  

–  O  que  foi  que  aconteceu?  


A  Menina  olha  para  a  Diretora  e  diz:  
–  Uma  loira.  
 

Trecho  D    

O  caos  parecia  não  ter  fim,  então  a  correria  foi  diminuindo,  a  gritaria  parando  e  todos  foram  
ficando  estáticos  diante  da  gélida  figura  da  menina,  que  agora  podiam  perceber  ser  dona  dos  
pavorosos  gritos.  
A  Menina  estava  no  meio  do  pátio,  ancorada  no  mesmo  pilar  que  servira  de  apoio  ao  Pedrinho  
no   dia   anterior.   Sua   aparência   estava   terrível,   os   olhos   esbugalhados,   a   cor   branca,   o   suor  
gotejando  por  todos  os  orifícios  de  sua  pele  e  sua  respiração  ofegante,  davam  a  impressão  que  
a  ancorada  havia  acabado  de  fugir  da  jaula  de  um  leão  faminto.  
 

A  sequência  correta  é:  

1ª  trecho:             3º  trecho:            

2º  trecho:             4º  trecho:            

9. Agora,   clique   no   link   abaixo   para   ter   acesso   ao   livro   inteiro   (é   preciso   preencher   os  
campos   “tipo   de   mídia”,   “categoria”   e   “autor”   ou   “título”   para   que   a   busca   possa   ser  
feita),   cujos   trechos   são   trabalhados   nessa   atividade.   Vá   à   página   6   para   ver   se   a  
sequência  faz  sentido.  Aproveite  para  checar  se  a  sequência  que  você  propôs  é  a  correta.    

<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ea000904.pdf>      
Sumário

Caso  8
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________     Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  8:  Detetive  do  passado  

Uma   investigação   também   pode   envolver   o   passado.   A   proposta   agora   é   que   você   jogue   o  
game   Mistérios   do   passado,   que   tem   como   temática   geral   a   escravidão   no   Brasil   no   século  
XIX,  um  episódio  da  nossa  história  que,  infelizmente,  ainda  não  foi  totalmente  superado.      

A   proposta   é   que   você   resolva   o   caso   escolhido,   colocando-­‐se   no   lugar   de   um   escravo   que  
transportava   coisas   com   suas   próprias   mãos.   Além   de   definir   como   você   vai   transportar   o  
piano   envolvido   no   caso   em   questão,   você   deverá   preencher   a   Ficha   Síntese   do   Caso   6,  
disponibilizada   a   seguir.   De   posse   da   ficha,   acesse   ao   jogo   Detetives   do   Passado  
<http://www.escoladigital.org.br/search?q=Detetives+do+passado>.      

Boa  sorte!  

Ficha  Síntese  do  caso  6  –  Detetives  do  Passado  


(10  pontos  cada  questão)  

1. Quem  carregava  coisas  pelas  ruas  no


Brasil  do  séc.  XIX?  Que  coisas  carregadas
são  mencionadas  no  game?

2. Quem  não  carregava  coisas  pela  rua  e


por  que  não  carregava?

3. Etapa  1,  pista  2B:  onde  a  menina  do


quadro  do  Debret  está  indo?

4. Após  incluir  um  trecho  de  um  texto  em  que  missionários  americanos  relatam  que  havia
escravos  encarregados  de  transportar  passageiros  em  cadeirinhas,  os  autores  do  game
incluem  o  seguinte  parágrafo:

Depois  de  observar  o  costume  das  cadeirinhas,  Daniel  Kinder  e  James  Fletcher  
tiveram  mesmo  coragem  de  escrever  que  era  penoso  “para  uma  pessoa  branca  subir  
a  pé  as  encostas  íngremes  onde  fica  a  Cidade  Alta?”  Volte  lá  e  confira.    
A  intenção  dos  autores  ao  fazerem  esse  comentário  era:  
(        )    chamar  atenção  dos  jogadores/leitores  para  a  altura  enorme  que  separava  a  Cidade  
Alta  da  Cidade  Baixa  em  Salvador.  
(        )    mostrar  a  sensibilidade  dos  missionários  para  com  os  homens  brancos  e  negros  do  
Brasil.  
(    )    mostrar  indignação  diante  do  comentário  dos  missionários,  que  dizia  que  era  penoso  
para  um  branco  subir  a  pé  sem  considerar  o  que  seria  para  um  negro  subir  com  todo  
esse  peso.  
5.  Etapa  1,  pista  2D:  o  que  está  à  venda    
no  anúncio  do  Jornal  do  Comércio?    
 

6.  Por  que  as  pessoas  compravam  piano?    

7.  Quais  eram  as  funções  das  canções    


cantadas  durante  o  transporte  braçal  das  
coisas?    

8.  Leia  o  texto  da  Etapa  3,  pista  1  C,    


observe  atentamente  a  xilogravura  da  
pista  2  da  Etapa  3  e  diga:  como  eram    
carregados  os  pianos?  O  texto  e  a  
 
imagem  dão  a  mesma  informação?    
 

9.  Qual  o  endereço  da  loja  de    


instrumentos  musicais  Isidoro  
Bevilacqua?    

10.  Construa  um  roteiro  para  transporte    


do  piano,  desde  a  loja  até  a  casa  de  Iaiá  
Garcia,  usando  os  verbos  no  infinitivo  e    
indicações  de  sentido  e  distância,  como  
 
no  exemplo  que  você  pode  consultar  
clicando  AQUI.    
Sumário

Caso  9
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________   Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  9:  O  sumiço  da  galinha  


Uma  família  comprou  uma  galinha  viva  (era  uma  família  de  antigamente,  claro)  para  cozinhá-­‐la  
no  almoço  de  domingo.  Naquele  tempo,  nada  era  mais  normal  do  que  torcer  o  pescoço  da  ave  
e  retirar  suas  penas  e  miúdos  internos  antes  de  prepará-­‐la  de  acordo  com  o  cardápio  do  dia.  

Bem,  essas  eram  as  intenções  da  família.  


Mas,  e  as  intenções  da  galinha?  O  que  se  passaria  naquele  pequeno  cérebro?  O  fato  é  que  a  
galinha  sumiu,  assim  de  repente,  não  mais  que  de  repente.  
Sua  missão  é  fazer  as  atividades  a  seguir  para  encontrar  a  galinha  fujona  e  tentar  adivinhar  que  
destino  está  reservado  para  ela.  
Vamos  lá?  
1. Leia   o   início   do   conto   escrito   por   Clarice   Lispector,   autora   de   muitas   narrativas
empolgantes.

Uma  Galinha

“Era  uma  galinha  de  domingo.  Ainda  viva  porque  não  passava  de  nove  horas  da  manhã.

Parecia   calma.   Desde   sábado   encolhera-­‐se   num   canto   da   cozinha.   Não   olhava   para
ninguém,   ninguém   olhava   para   ela.   Mesmo   quando   a   escolheram,   apalpando   sua
intimidade   com   indiferença,   não   souberam   dizer   se   era   gorda   ou   magra.   Nunca   se
adivinharia  nela  um  anseio.

Foi  pois  uma  surpresa  quando  a  viram  abrir  as  asas  de  curto  voo,  inchar  o  peito  e,  em  dois
ou   três   lances,   alcançar   a   murada   do   terraço.   Um   instante   ainda   vacilou   —   o   tempo   da
cozinheira   dar   um   grito   —   e   em   breve   estava   no   terraço   do   vizinho,   de   onde,   em   outro   voo
desajeitado,  alcançou  um  telhado”.

(Clarice  Lispector,  Laços  de  Família.    RJ:  Editora  Rocco,  1998.)  

2. Conversem  sobre  as  questões  a  seguir.  (30  pontos)

a. No   trecho   do   conto   que   acabaram   de   ler,   o   que   quer   dizer   a   frase   “Era   uma   galinha
de  domingo”?

b. Como  a  galinha  se  comportava  no  início  do  conto?


c. Que  sentimentos  as  pessoas  demonstravam  pela  ave?  

d. O  que  vocês  acham  que  a  galinha  foi  fazer  no  telhado  do  vizinho?  

3. Em   duplas   ou   grupos,   assistam   à   animação   Uma   galinha  


<http://www.escoladigital.org.br/odas/54b976fa69702d65e2320
100>     produzida   por   Rafael   Aflalo,   a   partir   do   conto   de   Clarice.  
Tentem   descobrir   o   que   vai   acontecer   com   a   galinha   antes   de  
chegar  ao  final  da  história.      

4. Agora,   comentem   o   vídeo   e,   em   seguida,   escolham   as   alternativas   corretas   para  


completar  as  frases.  (30  pontos)  

a. No  vídeo,  há  um  momento  em  que  a  mulher  e  a  galinha:  

Entram  em  conflito.  (        )  

Tornam-­‐se  companheiras.  (        )  

b. As  cenas  entre  a  mulher  e  a  galinha:  

Foram  imaginadas  para  causar  tristeza.  (        )  

Foram  elaboradas  para  criar  efeito  de  humor.  (          )  

c. No  final  do  vídeo,  a  galinha:  

Vai  para  a  panela.  (          )  

Foge  e  sobrevive.  (          )  

 
5. Leia   o   restante   do   conto   para   saber   se   a   história   de   Clarice   Lispector   e   a   contada   no  
vídeo   terminam   da   mesma   forma.   Consulte:  
<http://www.releituras.com/clispector_galinha.asp>.  

 
6. Depois  da  leitura,  leiam  as  questões  e  marquem  as  alternativas  corretas.  (40  pontos)  

a. No  conto,  a  galinha  vai  para  o  telhado  do  vizinho  e  é  trazida  de  volta  para  a  cozinha.  
O  que  acontece  depois  que  ela  volta?  

Ela  põe  um  ovo.  (        )  


Ela  apanha  e  é  colocada  de  castigo.  (          )  

A  galinha  é  agarrada  e  vira  uma  refeição.  (          )  

b. Depois   que   ela   põe   o   ovo   há   uma   mudança   brusca   na   história.   Qual   é  

essa mudança?

Nesse  momento,  a  família  doa  a  galinha  para  o  vizinho.  (          

Nesse  momento,  alguém  da  família  defende  a  galinha.  (          

Nesse  momento,  toda  a  família  dá  bronca  na  galinha.  (          

c. As   personagens   e   as   cenas   dos   contos   de   Clarice   Lispector   são   figurativas,   isto   é,


reagem  como  pessoas  reais.  Pensando  nisso,  assinale  a  frase  correta.

A  galinha  do  conto  pode  representar  as  pessoas  conformadas  com  seu  destino.  (        )

A   galinha   do   conto   pode   representar   pessoas   que   lutam   com   o   que   parece   estar
destinado  a  elas.  (          

d. A  galinha,  no  final  do  conto,  tem  o  mesmo  destino  que  a  galinha  da  animação?

Sim.  (          )

Não.    )  
Sumário

Caso  10
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________   Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  10:  Roubo  no  mundo  das  artes  


A   Polícia   Federal   está   atrás   de   uma   quadrilha   de   roubo   de   obras   de   arte   que   está   em   plena  
atividade   nas   Américas.   Seis   roubos   em   grandes   museus   foram   realizados   nos   últimos   oito  
meses.  Dentre  os  quadros  roubados,  há  obras  de  Frida  Khalo,  Portinari  e  Tarsila  do  Amaral.  A  
polícia   suspeita   que   três   homens   podem   ser   o   chefe   da   quadrilha.   Vejam   as   fichas   dos  
suspeitos:  

SUSPEITO  1   SUSPEITO  2   SUSPEITO  3  

Nome   Mario  Palomino   Roberto  Rodriguez   Mario  Sabater  

Nacionalidade   Chileno   Argentino   Chileno  

Gerente  de  uma  


Empregado  de  uma   Empregado  de  uma  
Profissão   empresa  de  
madeireira   fábrica  de  tintas  
caminhões  

Antecedentes  
NÃO   SIM.  Já  esteve  preso   SIM.  Já  esteve  preso  
criminais  

 A  Polícia  Federal  recebeu  um  envelope  com  uma  denúncia  anônima  ‒  um  bilhete  e  um  vídeo:  

Em cada texto, poderão ser encontradas peças de um quebra-


cabeça. Mas o tempo para vê-los é curto, o que requer muita
atenção.
Assinado: Um amigo das artes
1. Assista  ao  vídeo  enviado:

VÍDEO  
DENÚNCIA  
 
2. Sem  saber  exatamente  o  que  mais  observar  no  vídeo  além  do  que  é  proposto,  o  que  não  
lhe  dava  muitas  pistas  sobre  o  caso,  um  delegado  chefe  da  PF  propôs  que  seus  agentes  
preenchessem  o  quadro  a  seguir  para  tentar  encontrar  as  pistas.  Assista  ao  vídeo  
novamente  e  preencha  o  quadro:  (25  pontos)  

TEXTOS   GÊNERO  DO   PISTAS  PARA  IDENTIFICAÇÃO   FINALIDADE  DO  TEXTO  


TEXTO   DO  GÊNERO  TEXTUAL  

Texto  1        

     
 
 
 

Texto  2        

     
 
 

Texto  3        

   

 
 
 

Texto  4        

 
 
 

Texto  5        

 
 
 
 

Um  segundo  bilhete  anônimo  foi  recebido  pela  PF:  

Uma pista para cada texto:

1) No texto que tem o objetivo de informar sobre acontecimentos de


interesse social, você vai encontrar uma pista sobre a nacionalidade do
chefe da quadrilha de falsificadores: atente-se para o local em que não
há vírus Zika na América do Sul.
2) O processo ilustrado por ele inclui a profissão do culpado.
3) No texto escrito para quem quer aprender a jogar um jogo, você vai
encontrar uma pista que indica os lugares pelos quais o criminoso já
passou na vida real.
4) No texto escrito com o objetivo de informar/ensinar sobre a vida e obra
de um artista, o homem mais alto da foto tem o mesmo nome do
culpado.
5) O tema do texto dá pistas de como a quadrilha transporta as obras de
arte roubadas.

Assinado: Um amigo das artes.


Agentes  da  área  de  tecnologia  conseguiram  localizar  os  textos  apresentados  no  vídeo.  Clique  
no  link  a  seguir  para  acessá-­‐los:  

Sua  missão,  agora,  é  ler  esses  textos  para  tentar  descobrir:  

• Qual  dos  três  suspeitos  é  o  culpado?  

• Como  as  obras  estão  sendo  levadas  para  fora  do  país?  

_____________________________________________________________________________  

TOP  SECRET  
VOCÊ  SÓ  DEVE  CLICAR  AQUI,  APÓS  DESVENDAR  QUAIS  SÃO  OS  TEXTOS  DO  VÍDEO.  
Sumário

Caso  11
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________   Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  11  –  Quem  disse  o  quê  e  em  que  circunstâncias?  

1. Uma   quadrilha   de   espionagem   cibernética   vem   atuando   junto   a   várias   empresas,


roubando  dados  sigilosos.  Após  meses  de  investigação,  a  polícia  chegou  a  dois  suspeitos,
conhecidos  como  Jorge  Miguel  Download  e  Maria  dos  Dados,  que  haviam  trabalhado  nas
empresas   que   tiveram   seus   dados   roubados.   Uma   das   escutas   telefônicas   colocada   pela
polícia   em   telefones   de   especialistas   em   sistemas   computacionais   captou   a   seguinte
conversa   entre   alguém   que   aparenta   ter   encomendado   o   crime   de   roubo   de   dados   e
alguém  que  executou  o  crime:

‒  Você  tem  certeza  de  que  ninguém  viu  você  acessar  o  computador?  [_____  
]
‒  Certeza  absoluta.  Esperei  todos  saírem,  escondida  em  um  banheiro.  Quando  saí,  olhei  
em  todos  os  locais  antes  de  acessar  o  computador  central.  [_____  
]
‒   Todos   os   dados   foram   copiados.   Tudo   o   que   foi   acessado   na   última   semana   e   estava   na  
memória  recente  também  foi  copiado.  [_____   ]
‒  Ótimo.  Por  enquanto  é  só.  Aguarde  novas  instruções.  _[ ____  
]
‒   Ah,   sim...   Só   mais   uma   coisa:   continue   indo   normalmente   ao   trabalho   por   mais   uns   dias  
para  não  levantar  suspeitas.  [_____   ]
‒  Pode  deixar.  Fico  no  aguardo  de  novo  contato.  _[ ____  
]

a. Coloque  M  ao  lado  das  falas  que  você  considerar  que  são  do  mandante  do  crime  e  C  ao
lado  das  falas  que  você  considerar  que  são  do/da  criminoso(a).  (10  pontos)

b. Levando  em  conta  essa  conversa,  diga:  quem  está  executando  os  crimes  de  roubo  de
dados  –  Jorge  Miguel  Download  ou  Maria  dos  Dados?  (20  pontos)

Resolvido  o  caso  anterior,  passemos  para  uma  etapa  mais  avançada:  identificar  quem  
diz   o   quê   em   um   trecho   de   uma   das   histórias   mais   famosas   do   grande   Sherlock  
Holmes.    
 

2. O   trecho   foi   retirado   de   Os   cães   de   Baskervilles.   Leia   o   boxe   sobre   a   obra   para   você  
compreender  em  que  situação  o  diálogo  que  você  vai  analisar  se  dá:  

Um  dos  livros  mais  conhecidos  de  Sherlock  Holmes  e  considerado  dentre  os  100  melhores  
livros   do   século   XX,   em   uma   listas   elaborada   pelo   jornal   francês   Le   Monde,   “O   Cão   dos  
Baskervilles”,   de   Arthur   Conan   Doyle,   conta   um   caso   enigmático   que   começa   quando  
Holmes  e  Watson  recebem  a  visita  de  um  médico  do  interior   –  Dr.  Mortimer.  O  motivo  da  
visita  é  que  o  médico  desejava  desvendar  a  recente  morte  de  Charles  Baskerville.  
Mortimer   conta   aos   dois   amigos   que,   na   região   em   que   viviam   os   Baskervilles,   corria   a  
lenda  de  um  cão  diabólico  que  matara,  ao  longo  de  500  anos,  várias  pessoas  dessa  família.  
Recentemente,  Sir  Charles  Baskerville  tinha  morrido  em  circunstâncias  estranhas,  ligadas  
a   um   cão.   Seu   sobrinho,   Henry,   segundo   contara   Mortimer,   também   corria   risco   de  
morrer.  O  médico  do  interior  não  queria  admitir,  mas  parece  que  estava  influenciado  pela  
lenda  do  cão  maldito.  
Holmes  e  Watson  resolvem  acompanhar  Dr.  Mortimer  até  a  vila  em  que  ele  e  Sir  Henry  
Baskerville  viviam,  embora  Sherlock  não  acreditasse,  é  claro,  no  cão  fantasmagórico.  Além  
disso,  estava  provado  que  Sir  Charles  havia  morrido  de  ataque  cardíaco.    
Veja  abaixo  as  capas  de  edições  de  livros  e  de  um  DVD  que  contam  a  história  de  O  Cão  
dos  Barkervilles.  Repare  como  esse  cão  imaginário  é  retratado  em  cada  capa  pelos  artistas  
gráficos   encarregados   de   desenhá-­‐la.   Não   só   parecem   muito   bravos,   como   têm   algo   de  
fantasmagórico,  não  é  mesmo?  
 

   
 

 
a. Leia  o  trecho  do  primeiro  capítulo  do  livro,  em  que  Sherlock  Holmes  é  contatado  para  
solucionar  o  caso:  16  

“Sherlock   Holmes   golpeou   o   joelho   com   a   mão,   com   um   gesto   de   impaciência.     –  


________________  

‒  Se  ao  menos  eu  estivesse  lá!  -­‐  exclamou  ele.  _________  

 ‒  Esse  é  evidentemente  um  caso  de  interesse  extraordinário,  e  que  apresenta  imensas  
oportunidades  ao  especialista  científico.    Esse  terreno,  no  qual  eu  podia  ter  lido  tanta  
coisa  foi  há  muito  apagado  pela  chuva  e  desfigurado  pelos  tamancos  dos  camponeses  
curiosos.     Oh,   Dr.   Mortimer,   Dr.   Mortimer,   e   pensar   que   o   senhor   podia   ter   me  
chamado!  O  senhor  cometeu  o  pecado  da  omissão.  _________  

                                                                                                                       
16
 Tradução  livre  de  trecho  da  obra  de  Arthur  Conan  Doyle,  em  espanhol,  “El  Sabueso  de  los  Baskerville”,  disponível  
em  <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bk000186.pdf>.  
‒  Eu  não  podia  chamá-­‐lo,  Sr.  Holmes,  sem  revelar  ao  mundo  esses  fatos  que  acabo  de  
contar-­‐lhe,  e  já  dei  minhas  razões  para  não  desejar  fazer  isso.  Além  disso...  _________  

‒  Por  que  você  vacila?  _________  

‒  Há  um  reino  em  que  o  mais  arguto  e  o  mais  experiente  dos  detetives  fica  impotente.  
_________  

‒  O  senhor  quer  dizer  que  a  coisa  é  sobrenatural?  _________  

‒  Não  digo  que  seja  positivamente.”  _________  

Agora,  responda  às  questões:  

b. Neste  trecho,  que  personagens  dialogam?  (10  pontos)  

c. Coloque  as  iniciais  do  autor  de  cada  uma  das  falas  do  diálogo  acima.  (10  pontos)  

3. Suponha   agora   que   a   conversa   entre   as   duas   personagens   acima   fosse   contada   da  
maneira   apresentada   a   seguir.   Tente   perceber   o   que   é   diferente   nas   duas   maneiras   de  
contar  a  mesma  conversa:  

Ao  ouvir  o  relato  do  Dr.  Mortimer,  Sherlock  Holmes  disse  (batendo  com  a  mão  no  joelho  
num  gesto  de  impaciência),  que  o  médico  deveria  tê-­‐lo  convidado  para  examinar  a  cena  
em  que  ocorreu  a  misteriosa  morte.  

Mortimer   respondeu,   afirmando   que   não   poderia   revelar   ao   mundo   os   acontecimentos  


que   presenciara.   Afinal,   ele   já   tinha   apresentado   os   motivos   que   o   levaram   a   manter  
segredo.    

Não  se  conformando  com  a  explicação  dada  pelo  médico,  o  detetive  perguntou  sobre  o  
motivo   de   sua   dificuldade   em   falar   sobre   os   fatos   relatados.   Dr.   Mortimer,   como   se  
pedisse   desculpas,   afirmou   que   existem   casos   que   não   podem   ser   resolvidos   nem   pelo  
mais   experiente   dos   detetives.   Sherlock,   então,   indagou   se   ele   achava   que   a   causa   da  
morte  tinha  sido  sobrenatural.  O  médico  respondeu  que  não  poderia  fazer  tal  afirmação.”  

a. Que   diferenças   você   pode   observar   entre   as   duas   formas   de   contar   a   conversa?   (10  
pontos)  

 
 

b. Qual  delas  nos  causa  a  sensação  de  estarmos  observando  diretamente  a  conversa?  (10  
pontos)  

Quer   conferir   o   restante   da   história?   Há   várias   edições   de   O   Cão   dos   Baskerville,  


inclusive   em   quadrinhos.   No   link   a   seguir,   você   pode   encontrar   uma   edição  
disponibilizada:    

<https://mundosherlock.wordpress.com/canon_e/arthur-­‐conan-­‐doyle-­‐o-­‐cao-­‐dos-­‐
baskervilles-­‐1902/>  

 
4. Agora,   assista   ao   vídeo   indicado   para   acessar   mais   diálogos.   Procure   observar,   nos  
diálogos  que  trazem  narrador,  que  tipo  de  informação  ele  acrescenta  além  de  identificar  a  
personagem   que   está   falando.   No   final   do   vídeo,   aparece   um   link   para   uma   atividade.  
Clique  no  link  para  acessar  a  atividade  e  tente  descobrir:  será  que  a  vítima  está  falando  a  
verdade  para  o  delegado?  (30  pontos  a  atividade  toda)  

Acesse:  http://goo.gl/vNzdGP  

   
Sumário

Caso  12
Série  Enigmas  para  resolver

Aluno  ______________________________________   Turma  _________________

Professor  ___________________________________  

Caso  12:  Presos  por  desrespeitar  a  ortografia  

Agora,   você   vai   conhecer   dois   casos   que   foram   desvendados   porque   os   culpados   não  
conheciam  regras  ortográficas.    

Primeiro  caso:  

Dentro  de  um  cofre  de  banco  roubado,  a  polícia  encontrou  o  seguinte  bilhete:  

Cavalu dadu não se olha os dentis.


Dias  mais  tarde,  em  outro  banco  assaltado,  outro  bilhete  é  encontrado:  

Cachorru que lati não mordi.


Na  semana  seguinte,  outro  bilhete  é  encontrado  dentro  de  um  cofre  roubado:  

Cada macacu no seu galhu.


Dez  dias  depois,  outro  assalto  e  outro  bilhete:  

Quem com ferro fere com ferro será ferido.


Só  que,  dessa  vez,  a  polícia  apanhou  o  criminoso  deixando  o  local  do  crime.  Sem  alternativas,  o  
ladrão   se   entregou,   mas   quando   foi   questionado   sobre   os   outros   assaltos,   disse   que   não   os  
tinha   cometido.   Chamado   para   ajudar   a   polícia,   Hercule   Holmes   logo   deduziu   que   o   ladrão  
apanhado   muito   provavelmente   não   seria   mesmo   o   autor   dos   outros   três   assaltos.   Por   que  
Holmes  chegou  a  essa  conclusão?  

Para  resolver  esse  caso,  você  vai  revisitar  alguns  conteúdos  ortográficos  que  poderão  ser  úteis.  

Como  é  que  se  escreve?  


Atividade  1  –  Ortografia:  Falamos  de  um  jeito  e  escrevemos  de  outro  

1. Para   começar,   você   vai   assistir   a   uma   declamação   feita   por   uma   jovem   do   poema   de   Carlos
Drummond   de   Andrade   O   amor   é   bicho   instruído
http://www.escoladigital.org.br/odas/o-amor-e-bicho-instruido.   Depois   de   assistir   ao   vídeo,  
converse   com  um  colega  sobre  as  questões  que  se  seguem:  (20  pontos)  

a. Gostou  da  declamação?  Por  quê?

b. O   que   é   dito   sobre   o   amor   nesse   poema?   Traz   só   alegrias?   Afeta   de   forma   igual   ou
diferente  homens  e  mulheres?

c. O   poeta   usa   imagens   poéticas   para  “descrever”   o   amor,   como   se   estivesse   “fazendo   um
desenho”  ao  criar  o  poema.    Que  imagens  são  essas?

2. Veja  e  ouça  novamente  a  declamação.  Enquanto  ouve,  faça  um  registro  escrito  do  poema
em  seu  caderno.  Se  necessário,  ouça  mais  de  uma  vez.

3. Depois  que  toda  a  turma  tiver  registrado  o  poema,  alguns  alunos  farão  um  ditado  para  o
professor,  que  deverá  escrever  o  poema  no  quadro.  (30  pontos)

4. Corrija   seu   ditado   a   partir   do   texto   registrado   pelo  professor.   Anote   as   palavras   que   você
errou,  registrando-­‐as  de  forma  correta.  (20  pontos)

Atividade  2  –  Ortografia:  Grafia  do  O/U  e  E/I  no  final  das  palavras  

1. Leia   as   palavras   que   se   seguem,   observando   como   as   letras   finais   são   pronunciadas:   (10
pontos)

urubu,  sapato,  angu,  mercado,  abraço,  ovo,  caju,  peru,  médico.  


Há   algum   som   que   se   repete   no   final   de   todas   as   palavras?   Que   som   é   esse?   Nos   exemplos  
dados,  esse  som  pode  ser  grafado  com  que  letras?    
2. Procure  descobrir  quando  devemos  usar  uma  ou  outra  letra  na  escrita  desse  som  no  final
de  palavras.  Compartilhe  as  descobertas  com  seus  colegas.
DICA:   procure   identificar   a   tonicidade   das   palavras.   Para   relembrar   a   tonicidade   das
palavras,  responda  ao  quiz  disponível  no  link  abaixo  e  depois  leia  o  boxe  sobre  tonicidade.

3. Acesse   o   link   Falso   ou   Verdadeiro   <


http://www.escoladigital.org.br/odas/5791d3c769702d60a94b0000>   para   prosseguir   com
as  atividades.  (10  pontos)  

Tonicidade  

No   Falso   ou   Verdadeiro   que   você   respondeu,   o   assunto   foi   tonicidade.   Essa   palavra,  
como  você  já  sabe,  é  usada  para  indicar  a  sílaba  da  palavra  que  é  pronunciada  com  mais  força,  
com  mais  intensidade.    Por  exemplo,  nas  palavras  que  você  analisou  na  atividade  2,  algumas  
têm   a   sílaba   tônica   no   final,   na   última   sílaba   (caso   de   urubu,   peru,   angu,   caju).   Estas   são   as  
oxítonas,  que  podem  ou  não  receber  acento  gráfico.    Outras,  as  paroxítonas,  têm  a  penúltima  
sílaba   como   a   mais   forte.     Este   é   o   caso   de   mercado,   abraço,   sapato,   fácil,   lápis.   Algumas  
paroxítonas   levam   acento   gráfico   outras,   não.   As   proparoxítonas   têm   a   sílaba   tônica   na  
antepenúltima   sílaba,   como   em   árvore,   dúvida,   médico.   Todas   as   proparoxítonas   recebem  
acento  gráfico.  
Todas  as  sílabas  que  não  são  tônicas,  em  qualquer  tipo  de  palavra,  são  átonas,  isto  é,  elas  têm  
pouca  força,  pouca  intensidade.  

4. Agora,  assinale  a  alternativa  que  traz  a  grafia  correta  das  palavras.  Marque  as  respostas
corretas.  (10  pontos)
a. Nome  de  fruta  que  usamos  em  saladas  e  molhos.
tomate  (        )
tomati
b. Nome  do  oitavo  mês  do  ano.
agostu  (        )
agosto
c. Utensílio  usado  para  guardar  alimento:
poti  (        )
pote
d. Utensílio  usado  para  servir  alimentos.
pratu  (        )
prato  (        

5. Leia  as  palavras  a  seguir  em  voz  alta.  Em  qual  delas  a  letra  final  E  não  corresponde  ao  som  E
da  palavra  lida?  Assinalei a:  (10  pontos)
a. café
b. boné  (          
c. bote  (
d. bebê  (      )  
6. Acertou   as   respostas   da   questão   2?   Então,   assinale   com   um   X   as   frases   corretas.   (10
pontos)
a. A  letra  E  pode  ser  pronunciada  como  I  quando  seu  som  é  fraco,  isto  é,  átono.
b. A  letra  E  é  pronunciada  com  som  de  “e”  quando  fizer  parte  de  sílaba  tônica.

7. Você  observou  que  o  modo  de  grafar  o  som  “e”  em  sílabas  tônicas  ou  átonas,  em  finais  de
palavras   é   diferente?   Você   já   viu   que   o   mesmo   acontece   com   palavras   terminadas   com   a
letra  O  ou  U.  Qual  (is)  palavra(s)  da  lista  abaixo  tem  (têm)  sílaba  tônica  no  final?
Marquei a(s):  (10  pontos)
a. canto
b. espanto
c. urubu
d. moço

Ao   assinalar   a   palavra   correta,   você   deve   ter   reparado   que   ela   não   recebe   acento   para  
marcar  a  tonicidade.  Isso  acontece  porque,  como  você  já  viu,  as  palavras  oxítonas  podem  
ser   acentuadas   ou   não.     Só   levam   acentos   agudo   ou   circunflexo   as   palavras   oxítonas  
terminadas  em  a,  e,  o  e  em  seguidas  ou  não  de  s  (as,  es,  os  e  ens).    

8. Vá   para   Passatempos   Educativos:   “Palavras   oxítonas”


<http://www.escoladigital.org.br/odas/5791d3c769702d60a94b0000>   e   faça   as   três
primeiras  atividades  desse  bloco.  (10  pontos)  

9. Além   das   palavras   oxítonas,   como   você   já   aprendeu,   existem   as   paroxítonas   e   as


proparoxítonas.  Relembre  o  que  sabe  e  marque  a  alternativa  incorreta:  (10  pontos)
a. Palavras  paroxítonas  têm  como  sílaba  tônica  a  penúltima  sílaba.  ()
b. Palavras  proparoxítonas  têm  como  sílaba  tônica  a  antepenúltima  sílaba.  ()
c. Palavras  paroxítonas  sempre  recebem  acento  na  sílaba  tônica.  ()

Há   paroxítonas   que   recebem   acentuação   gráfica   em   suas   sílabas   tônicas.   São   as   que  
terminam   com   R,   X,   N,   L,   PS,   I,   IS,   UM,   UNS,   US,   Ã,   ÃO,   ÃS,   ÃOS   e   as   que   terminam   em  
ditongo   oral   seguido   ou   não   de   S.   Alguns   exemplos:   caráter,   tórax,   hífen,   inflável,   bíceps,  
táxi,  tênis,  álbum,  vírus,  órfã,  órgãos,  cárie  etc.  

10. Retome   seus   conhecimentos   sobre   paroxítonas   clicando   em   Passatempos   Educativos:


“Palavras   paroxítonas”
<http://www.escoladigital.org.br/odas/5791d4c969702d3dc9d41400>.   Faça   as   três
primeiras  atividades  desse  bloco,  no  qual  você  encontrará  palavras  acentuadas  ou  não.  (10
pontos)
As  palavras  proparoxítonas  são  pouco  numerosas  em  nossa  língua  portuguesa.  Todas  elas  
recebem   acentuação   na   sílaba   tônica.   São   exemplos   de   palavras   proparoxítonas:   sílaba,  
tônica,   átona,   polissílaba,   monossílaba,   vítima,   lâmpada,   límpido,   árvore,   romântico,  
pêssego.   Há   palavras   com   sílabas   tônicas   na   antepenúltima   sílaba,   originárias   de   outras  
línguas,  que  usamos  constantemente  e  não  são  acentuadas.  São  exemplos  dessas  palavras  
habitat  e  performance.  

11. Depois  de  todas  essas  atividades,  responda  à  questão:  (10  pontos)
a. Escrever  como  se  fala  sempre  é  correto?  Por  quê?

b. Há  alguma  regra  que  regula  o  uso  do  O/U  e  do  E/I  em  final  de  palavra?

12. Agora   que   revisou   seus   conhecimentos   ortográficos,   você   já   pode   dizer   se   Holmes   está
certo  e  como  fez  para  descobrir  que  o  último  assalto  provavelmente  não  foi  realizado  pelo
mesmo  ladrão:  por  que  Holmes  afirma  que  provavelmente  o  autor  do  último  assalto  não  é
o mesmo  que  realizou  os  outros  três  assaltos?  (30  pontos)

Como  é  que  se  escreve?  

Segundo  caso:  

Agora,   você   vai   conhecer   outro   crime   que   foi   descoberto   por   causa   de   erros   de   ortografia  
cometidos.    

Atividade  3  ‒  Ortografia:  Grafia  do  O/U  e  E/I  no  meio  das  palavras  

1. Leia  a  notícia  que  fala  sobre  esse  crime,  clicando  no  link  a  seguir:  (40  pontos)
Erro  de  grafia  leva  polícia  a  prender  quadrilha  

Agora,  responda  às  questões:    

a. Como  a  polícia  chegou  até  os  ladrões?  

b. O  que  pode  ter  motivado  o  erro  de  ortografia  cometido  pelos  ladrões?  

c. Seria   possível   evitar   esse   erro   de   ortografia,   caso   os   ladrões   conhecessem   as   regras  
ortográficas?  

d. O   que   é   diferente   e   o   que   é   igual   em   relação   ao   caso   anterior   dos   ladrões   de   banco  
quanto  aos  erros  de  ortografia  cometidos?  

 
2. Agora,  leia  outra  notícia  sobre  o  mesmo  fato.  

Bando  é  descoberto  por  erro  de  grafia  e  preso  


3. Preencha  o  quadro  com  as  informações  solicitadas:  (60  pontos)

Notícia  1   Notícia  2  
Agora  SP   O  Estado  de  SP  

DUAS  INFORMAÇÕES  QUE  


COINCIDEM  NAS  DUAS  
NOTÍCIAS    

DUAS  INFORMAÇÕES  
DIFERENTES  

(CONTRADITÓRIAS)  NAS  
DUAS  VERSÕES  

DUAS  INFORMAÇÕES  
COMPLEMENTARES  
CONSIDERANDO-­‐SE  AS  
DUAS  NOTÍCIAS