Você está na página 1de 5

SUMARÉ Prof.

:
Ricardo Heitor
Curso: Gestão Financeira Disc.: Gestão de Custo e Formação de
Preço
ANÁLISE DO PONTO DE EQUILIBRIO

A análise do ponto de equilíbrio permite compreender como o lucro pode ser afetado pelas
variações nos elementos que integram as receitas de vendas e os custos e as despesas totais.

Sob a ótica contábil, o ponto de equilíbrio corresponde a certo nível de atividade onde o
lucro será nulo. À medida que os volumes de operações se deslocar acima do ponto de equilíbrio
surgirão lucros crescentes; abaixo desse ponto ocorrerão prejuízos cada vez maiores. A análise
distingue dois pontos de equilíbrio contábeis relacionados com o lucro operacional e com o lucro
líquido. Também é possível calcular um ponto de equilíbrio econômico onde o lucro líquido
corresponderá a remuneração esperada pelos acionistas sobre o capital próprio.

Adicionalmente, o instrumental permite determinar o valor das receitas de vendas


necessárias para cobrir os desembolsos relativos aos custos operacionais e financeiros e ás
amortizações das dívidas.

Elementos Envolvidos

Os elementos envolvidos na análise do ponto de equilíbrio são:


 As quantidades produzidas e vendidas e os respectivos preços, determinantes das receitas de
vendas; e
 Os custos e despesas variáveis e fixas.

Volume de Produção e Vendas

Também conhecido por análise das relações custo-volume-lucro, o ponto de equilíbrio


ignora aspectos relacionados com a formação dos estoques, pressupondo que toda a produção seja
vendida.

Custos (ou Despesas) Variáveis

São aqueles cujo valor total aumenta ou diminui direta e proporcionalmente com as
flutuações ocorridas na produção de vendas.

Nas empresas industriais encontramos os seguintes custos variáveis: consumo de


matérias-primas e de outros materiais de produção, energia industrial, materiais de embalagem,
fretes comissões sobre vendas, impostos e contribuições calculadas sobre o faturamento etc.

Nas empresas comerciais, além de algumas das despesas acima citadas, temos o custo
das mercadorias vendidas.

1
SUMARÉ Prof. :
Ricardo Heitor
Curso: Gestão Financeira Disc.: Gestão de Custo e Formação de
Preço
Custos (ou Despesas) Fixos

São os que permanecem constantes dentro de certo intervalo de tempo, independentemente das
variações ocorridas no volume de produção e vendas durante esse período.

Exemplo:
 Salários e encargos sociais dos supervisores e de outros funcionários da área industrial, bem como
as folhas de pagamento dos mensalistas de todas as demais áreas da empresa;
 Despesas de depreciação calculada linearmente, despesas
financeiras, contraprestações de contratos de leasing, aluguéis, imposto predial, iluminação,
materiais de escritório etc.

Muitos consideram a mão-de-obra direta aplicada a produção como um custo variável; porém,
dependendo das circunstancias, esse item poderá ser classificado como custo fixo, principalmente a
curtíssimo prazo. A remuneração das horas extras certamente constitui um custo variável.

Representação dos Elementos

Q = Quantidades produzidas e vendidas (não há estoques)


P = Preço unitário de venda (havendo descontos por quantidades, este valor unitário
refletiria a média ponderada dos diferentes preços)
V = Custo variável unitário (valor médio unitário do conjunto de custos e despesas variáveis)
Fo = Custos operacionais fixos (valor total)
Ff = Despesas financeiras (valor total líquido das receitas financeiras; consideradas fixas por
não variarem proporcionalmente com a produção e as vendas).
P.q = Receita total de vendas.
V.q = Custo variável total.
Ft = Custo fixo total. = Fo+Ff

A partir desses elementos a demonstração do resultado teria a seguinte estrutura:

+ Receita de vendas pxq


- Custo variável vxq
= Margem de contribuição p x q – v x q = q(p – v)
- Custos Operacionais fixos Fo
= Lucro Operacional Laji
- Despesas Financeiras Ff
= Lucro antes do IR LAIR
- Provisão p/ imposto de Renda
= Lucro Líquido LL

Tipos de Ponto de Equilíbrio:

Pontos de Equilíbrio para um único produto

A análise do ponto de equilíbrio pode ser realizada em relação ao lucro operacional (LAJI)
ao lucro antes do imposto de renda (LAIR).

2
SUMARÉ Prof. :
Ricardo Heitor
Curso: Gestão Financeira Disc.: Gestão de Custo e Formação de
Preço
No primeiro caso teremos o ponto de equilíbrio operacional (PEO), que corresponde ao
nível de atividades em que as receitas de vendas são iguais ao total dos custos operacionais,
variáveis e fixos, determinando um valor nulo para o LAJI. Nesse nível, a margem de contribuição
total iguala-se aos custos operacionais. Assim temos:

PEO em quantidades => q = Fo / p – v


PEG em quantidades => q = Ft / p – v
Exemplo:

A indústria Unipro fabrica apenas um produto e projetou os seguintes dados para próximo
exercício social:

 Preço unitário de venda p= 10


 Custo variável unitário v= 4
 Custo fixos
o Operacionais Fo= 27.000
o Financeiros Ff = 3.000
o Totais Ft = 30.000

Deseja-se conhecer os pontos de equilíbrio operacional (PEO) e o global (PEG) em termos


de quantidades e de receitas de vendas (líquidas de impostos e contribuições incidentes sobre o
faturamento).

 Pontos de equilíbrio em quantidades:

PEO q =Fo / p – v = 27.000 / (10 – 4) = 4.500 unidades

PEG q =Ft / p – v = 30.000 / (10-4)= 5.000 unidades

 Pontos de equilíbrio em receitas de vendas (admitindo-se as quantidades acima)

PEO p.q = Fo (p – v)/p = 27.000 / (10-4)/10= 27.000 / 0,60 = 45.000

PEG p.q= Ft / (p – v)/p= 30.000 / (10-4)/10= 30.000 / 0,60 =50.000

A partir das igualdades básicas que definem os pontos de equilíbrio, pode-se determinar
qualquer dos elementos e, até mesmo calcular o volume de vendas correspondente a certo lucro
desejado.

Vamos designar genericamente por ‘F’ os custos fixos que poderão corresponder ‘Fo’ ou
‘Ft’.
Sendo p.q = v.q + F, podemos isolar o p, v e F (q corresponde a ponto de equilíbrio). Assim,
temos:

3
SUMARÉ Prof. :
Ricardo Heitor
Curso: Gestão Financeira Disc.: Gestão de Custo e Formação de
Preço

Então: p = v.q + F / q; v = p.q – F / q; F = q. (p – v)

Vejamos alguns exemplos:

1º) Dados v = $ 4, Fo =27.000 e q = 4.500 Qual seria o preço unitário de venda que resultaria
um LAJI = 0 ?

2º) Dados p = $ 10, Ft =30.000 e q = 5.000 Qual seria o custo variável unitário para se obter
um LAIR = 0 ?

3º) Dados p = $ 10, v= $4 e q = 5.000 Qual o total de custos fixos que resultaria um LAIR = 0 ?

4º) Dados p = $ 10, v= $4 e Ft = 30.000 Qual a quantidade de Vendas que resultaria um LAIR
= $ 6.000 ?

Demonstrar os resultados da empresa aos níveis de 4.500 unidades (=PEO), 5.000unidades


(=PEG) e ________ unidades.

Unidades Vendidas Q 4.500 5.000 _______


$ $ $
Preço unitário de venda p
Custo variável unitário v
Margem de contribuição unitária p-v

Receitas de vendas p.q


Custos variáveis v.q
Margem de contribuição q (p-v)
Custos Operacionais Fixos Fo
Lucro operacional LAJI
Despesas financeiras Ff (3.000) (3.000) (3.000)
Resultado antes do IR LAIR 0 0 6.000

Conclusão:

Operando ao nível de 4.500 unidades, a empresa obteria uma margem de contribuição


igual aos custos operacionais fixos, fazendo com que o LAJI seja nulo e sofrendo um prejuízo final

4
SUMARÉ Prof. :
Ricardo Heitor
Curso: Gestão Financeira Disc.: Gestão de Custo e Formação de
Preço
correspondente às despesas financeiras. Aumentando as vendas para 5.000 unidades, o LAJI
corresponderia ao valor das despesas financeiras, e no final não haveria lucro ou prejuízo. Com
____________ unidades, o LAIR corresponderia a 10% das receitas de vendas.

Você também pode gostar