Você está na página 1de 6

IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 14, NO.

10, OCTOBER 2016 4255

A Characterization of Vertical Axis Wind Turbines


I. M. Albuquerque and F. F. S. Matos
Abstract— Vertical axis wind turbines (VAWT) have a Dentre as fontes renováveis disponíveis, a energia
number of advantages over the horizontal axis wind turbines proveniente dos ventos destaca-se por conta de seu uso pelo
(HAWT), however the performance is a little smaller, so that homem, desde tempos imemoriais, quando as forças dos
researches for their development should be continued for the ventos eram aproveitadas na movimentação de barcos a vela e
implementation of these turbines in urban environment for
electrical energy generation. This paper provides an overview of
no bombeamento de água através dos moinhos de vento. No
characterization of the VAWT, through a literature review, entanto, a geração de energia elétrica é a mais recente e
making comparisons with the HAWT and highlighting the principal forma de aproveitamento da energia eólica, que é a
advantages and disadvantages of this type of turbines. The paper energia resultante do deslocamento das massas de ar
also defines and compares the main exist types of VAWT for provocado pelo aquecimento irregular da superfície da Terra
application in urban environment, so that aims to be a first step [2]. A forma de captação dessa energia se dá pela utilização de
towards development of a VAWT research. Finally, this paper turbinas eólicas, que são dispositivos que convertem a energia
features how the aerodynamic optimization of a VAWT can be cinética do vento em energia elétrica por meio do torque
obtained defining the experimental and the computational gerado pela passagem do fluxo de ar através das pás da
numerical analysis, by the relationship between them.
turbina, convertido então em energia elétrica pelo gerador [3].
Keywords— Turbina eólica de eixo vertical - TEEV, turbina
As turbinas eólicas existentes podem ser divididas em duas
eólica de eixo horizontal - TEEH, vertical axis wind turbine - categorias: turbinas de arrasto e de sustentação, baseadas nas
VAWT, horizontal axis wind turbine - HAWT, Rotor Darrieus, forças que atuam de forma a movimentar o equipamento.
Rotor Savonius, computational fluid dynamics - CFD. Assim, as forças necessárias para gerar torque nas turbinas
eólicas estão intimamente ligadas ao formato das pás, onde o
I. INTRODUÇÃO1 arrasto aerodinâmico, ou simplesmente arrasto (drag), é a
componente vetorial da força paralela à direção do

O AUMENTO da demanda por energia elétrica nos centros


urbanos, devido a fatores como o crescimento
populacional, a melhoria da renda e o desenvolvimento
escoamento, e a sustentação aerodinâmica, ou simplesmente
sustentação (lift), é a componente vetorial da força
perpendicular à direção do escoamento [4], conforme a Fig. 1.
tecnológico, tem contribuído consideravelmente para a busca As turbinas de arrasto têm a sua eficiência limitada, devida à
pela geração de energia por fontes renováveis em detrimento incapacidade de as pás girarem mais rápido que a velocidade
da energia gerada por meio de combustíveis fósseis, já que do fluxo, e essa limitação faz com que este tipo de turbina não
atualmente existe um senso comum em reduzir as taxas de seja usualmente utilizada na geração comercial de energia
emissões de poluentes e gases que provocam o efeito estufa, elétrica, embora sejam populares em sistemas artesanais pela
na medida em que diminuem as reservas de combustíveis facilidade de sua construção. Já as turbinas de sustentação são
fósseis. A evolução das energias renováveis entre os anos de mais eficientes, pois as forças de sustentação impulsionam as
2004 a 2014 superou todas as expectativas, onde a capacidade pás da turbina a se movimentarem mais rápido que a
e a produção de todas as tecnologias renováveis aumentaram velocidade do fluxo [5].
substancialmente devido às políticas de apoio que se
espalharam por muitos países em todas as regiões do planeta
[1]. Atualmente, as tecnologias em energias renováveis são
vistas não somente como uma ferramenta para melhorar a
segurança energética e adaptação às mudanças climáticas, mas
também são reconhecidas como investimentos que podem
proporcionar vantagens econômicas, reduzindo a dependência
por combustíveis importados, melhorar a qualidade do ar
local, impulsionando o acesso à energia e ao desenvolvimento
econômico e a criação de empregos [1]. Figura 1. Forças de arrasto e sustentação. Fonte: O Autor.
Desta forma, o objetivo deste trabalho consiste em
caracterizar uma turbina eólica de eixo vertical, diferenciando- Outra forma usual de classificar as turbinas eólicas é em
as das de eixo horizontal, destacando as suas principais relação à posição do eixo principal sobre o qual giram as
características, vantagens e desvantagens. Por fim, realiza-se partes móveis, em eixos horizontais (TEEH - Horizontal Axis
uma análise sobre estudos das turbinas eólicas de eixo vertical Wind Turbine - HAWT) e eixos verticais (TEEV - Vertical
em CFD, destacando os parâmetros necessários para a análise Axis Wind Turbine) [7], conforme a Fig. 2. Ainda que as
computacional. TEEV tenham sido as primeiras turbinas usadas para o
aproveitamento da energia do vento, os pesquisadores
modernos perderam o interesse por elas devido a uma
I. M. Albuquerque, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
do Ceará - IFCE, Maracanaú, Ceará, Brasil, igormagalhaes87@hotmail.com
percepção inicial de não poderem ser usadas na produção de
F. F. S. Matos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do energia elétrica em grande escala e, devido a isso, as TEEH
Ceará - IFCE, Maracanaú, Ceará, Brasil, ffsmatos@ifce.edu.br passaram a ser o foco principal das atividades de pesquisa
4256 IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 14, NO. 10, OCTOBER 2016

relacionadas ao aproveitamento da energia do vento [6]. Quanto aos aspectos ambientais, que não devem ser
Contudo, os trabalhos de pesquisa relacionados às TEEV desconsiderados, as TEEV também apresentam vantagens,
seguiram em paralelo, porém em menor escala, e atualmente como menores níveis de ruído, menor impacto visual e maior
sabe-se que essas turbinas são adequadas para a geração de adaptabilidade à arquitetura dos prédios, além de um menor
energia elétrica em condições onde as tradicionais TEEH não risco de acidentes com pássaros e/ou outros animais que
são eficientes, como em regiões com grandes velocidades de voam. O ruído de uma turbina eólica consiste, principalmente,
vento e em escoamentos turbulentos [6]. no ruído aerodinâmico da rotação das pás e das vibrações
mecânicas da caixa de engrenagens e do gerador [11]. Já no
caso de uma turbina estar instalada em uma rota migratória de
pássaros, estes podem se chocar com as pás, causando
ferimentos e até mesmo a morte, pois a velocidade tangencial
de rotação das pontas das pás das turbinas de larga escala
podem chegar a mais de 70 m/s. Em se tratando de TEEV, por
serem de menor escala, esse efeito nos pássaros é minimizado,
uma vez que os rotores são posicionados próximos ao solo. O
impacto visual é uma característica que varia muito para cada
indivíduo, uma vez que para alguns, uma turbina eólica
inserida em um determinado ambiente pode não parecer uma
imagem agradável. Neste caso, as torres das turbinas de larga
escala podem ter mais de 100 metros de altura e assim, podem
ser observadas à distância. Para minimizar esse efeito visual,
as turbinas eólicas, usualmente, têm cores neutras, como
branco ou cinza claro, são instaladas de forma espaçada e seu
Figura 2. TEEH (esquerda) e TEEV (direita). Fonte: O Autor.
design é projetado também com essa preocupação [11]. As
TEEV, em geral, também são pintadas na mesma escala de
Mesmo com as TEEH sendo as mais popularmente
cores, mas por serem de menor escala, são facilmente
difundidas no cenário de energia eólica para a geração de
integradas à arquitetura das cidades, pois seu design já é
energia elétrica em larga escala, as TEEV apresentam uma
pensado de forma a harmonizar-se ao local de sua instalação,
série de vantagens que as tornam viáveis para o mesmo
o que geralmente ocorre sobre os prédios.
objetivo, a geração de energia elétrica. Quanto à capacidade
Desta forma, entende-se que as vantagens das TEEV
de produção, em condições de escoamentos laminares, como
aplicadas em ambientes urbanos, para a mini ou micro geração
em regiões costeiras ou offshore, as TEEH são mais eficientes;
de energia elétrica se sobressaem se comparadas às suas
contudo em regiões de escoamentos turbulentos, como em
desvantagens, como também em relação às vantagens das
regiões densamente construídas e nas cidades, as TEEV se
TEEH, tornando-se necessário caracterizar o melhor modelo
sobressaem. Isso ocorre porque as TEEH precisam ser
de TEEV para este fim.
posicionadas na direção perpendicular ao escoamento para que
se possa extrair a máxima energia do vento, o que não ocorre
II. ASPECTOS GEOMÉTRICOS DAS TEEV
nas TEEV, pois estas captam o fluxo em qualquer direção [5].
Em outras palavras, as TEEV não necessitam de mecanismos
Não há um padrão definido quanto à forma ideal para uma
que as orientem na direção do escoamento, característica essa
TEEV, mas existem alguns modelos patenteados que
extremamente necessária nas TEEH [8].
acabaram por nortear os estudos deste tipo de turbina, que se
Quanto ao tamanho da turbina ou ao diâmetro do rotor, as
diferem por aspectos geométricos e por princípios de
TEEV são vantajosas por, comumente, serem turbinas de
funcionamento. O diagrama na Fig. 3 exibe um resumo da
pequeno porte. Uma típica turbina de grande porte ou larga
classificação das turbinas eólicas quanto às forças
escala apresenta um rotor com o diâmetro variando de 50 a
aerodinâmicas atuantes. A posição do eixo principal, já
100 metros, enquanto que uma turbina de pequena escala tem
descrito, assim como os principais aspectos geométricos.
o diâmetro do rotor variando entre 3 e 10 metros [7]. Por
serem de uma escala menor, as TEEV podem ser instaladas
próximas ao solo, e esta outra vantagem permite maior
facilidade de instalação e manutenção da turbina e de outros
componentes, o que também diminui esses custos [9]. Pro
outro lado, a proximidade com o solo pode apresentar uma
desvantagem das TEEV em relação às TEEH, uma vez que
com essa proximidade entre o rotor e o solo, podem existir
variações cíclicas da potência a cada revolução do rotor [5].
Quanto à velocidade de arranque, as TEEH possuem um bom
torque de partida, e assim, são capazes de operar em baixas
velocidades de fluxo [10], enquanto que as TEEV do tipo
Darrieus, em geral, possuem uma elevada inércia inicial sendo
necessário um mecanismo para a sua partida inicial [5].
Figura 3. Classificação das turbinas eólicas. Fonte: O Autor.
MAGALHÃES ALBUQUERQUE AND MATOS : A CHARACTERIZATION OF VERTICAL AXIS WIND 4257

Em meados de 1920, o engenheiro Sigurd Johannes


Savonius divulgou uma patente de uma TEEV que ficou
conhecida como rotor Savonius [9], que é basicamente uma
turbina de arrasto que apresenta uma geometria relativamente
simples e, consiste em dois semicilindros fixados a um eixo
central que, vistos de cima, sua forma se assemelha à letra "S"
[9], conforme a Fig. 4. Em um dado instante uma das pás
captura o fluxo e é arrastada por este na mesma direção do
escoamento enquanto que a outra se move no sentido contrário
à direção do fluxo; assim, o torque líquido de rotação desta
turbina é igual ao torque gerado pela energia do vento que é
capturado pela pá que está sendo arrastada, subtraído do
torque resistivo da outra pá que está se opondo ao movimento
[4]. Este tipo de turbina apresenta como principal vantagem a
capacidade de operar a baixas velocidades de fluxo e possui
um bom torque de partida. No entanto, por outro lado, tem
Figura 5. Turbina eólica do tipo Darrieus (batedeira de ovos). Fonte: O Autor.
baixa capacidade de geração de energia (característica já
citada das turbinas de arrasto) além de sua geometria grosseira
Existe ainda uma configuração de TEEV que agrega as
[4]. A capacidade de auto partida deste tipo de turbina é uma
características das turbinas Savonius e Darrieus na tentativa de
grande vantagem, desde que turbinas eficientes sejam
juntar os méritos das duas configurações, destacando o alto
desenvolvidas, e assim estas podem ser aplicadas na produção
valor de torque de partida da turbina Savonius e a alta
comercial de energia elétrica [6]. Contudo, a baixa capacidade
eficiência da turbina Darrieus, apresentando um alto
de geração de energia elétrica das turbinas do tipo Savonius
coeficiente de potência - ‫ܥ‬௣ [14], contudo, mais estudos ainda
faz com que esta não seja comumente aplicada para esta
finalidade, sendo mais utilizadas para medições da velocidade são necessários para a validação desse resultado para
dos ventos [12], sob a forma de anemômetros. aplicação desta turbina em escala comercial [6].
Uma derivação da turbina Darrieus é conhecida como
turbina eólica de pás retas (Straight bladed wind turbine), que
consiste em uma turbina de sustentação cuja configuração
usual baseia-se em duas pás, denominada de Rotor H, ou três
pás, denominada de Giromill [6]. As pás têm o formato de um
aerofólio e são fixadas ao eixo central por uma barra central,
onde uma das pás é montada a favor do vento (upwind) e a
seguinte é posicionada contra o vento (downwind), e isso faz
com que o ângulo de ataque das pás varie constantemente
durante a rotação [4], conforme a Fig. 6. Neste tipo de turbina,
quando configurada com apenas duas pás (Rotor H) a
operação torna-se pulsante e por essa razão são utilizadas três
ou mais pás, tornando mais suave sua operação.

Figura 4. Turbina eólica do tipo Savonius. Fonte: O Autor.

Em 1931 o engenheiro aeronáutico francês Georges Jean


Marie Darrieus patenteou um tipo de turbina que ficou
conhecida como rotor Darrieus [6], que funciona devido às
forças de sustentação geradas pelo conjunto de aerofólios
(pás), que no projeto original tem a forma de uma batedeira de
ovos [13], conforme a Fig. 5. As turbinas Darrieus apresentam
os maiores valores de eficiência entre as TEEV, porém,
geralmente, elas sofrem com baixos torques de partida [6], ou
seja, não são capazes de realizar a auto partida, sendo
necessário uma excitação externa para iniciar a rotação [13].

Figura 6. Turbina eólica Giromill (Darrieus). Fonte: O Autor.


4258 IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 14, NO. 10, OCTOBER 2016

Diante disto, além das vantagens e desvantagens acima apresentar velocidades supersônicas na ponta da pá e um
citadas, outros fatores devem ser considerados na torque pulsante, e por isso não são usuais. Já sistemas com
caracterização de uma TEEV. muitas pás são usuais na moagem de grãos, por exemplo, onde
um alto torque é exigido [16]. Usualmente, as turbinas de
III. PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA sustentação podem operar com o número de pás variando de
uma até cinco; no entanto a configuração com três pás tem se
Alguns fatores são determinantes para o desempenho de mostrado melhor em relação ao balanceamento, eficiência e
uma TEEV e esse, por sua vez, é decisivo para a escolha do impacto visual [4].
tipo de rotor a ser utilizado. Ainda em relação às turbinas de sustentação, para uma
As curvas de performance, através dos coeficientes de mesma velocidade angular do rotor, a velocidade linear em
potência (power) - ‫ܥ‬௉ , de torque (torque) - ‫ܥ‬ொ e de impulso diferentes pontos da pá varia, e em particular, a ponta da pá
(thrust) - ‫ ்ܥ‬, são os principais indicadores do desempenho de tem a mais alta velocidade, pois é o ponto mais afastado do
uma turbina. Esses indicadores variam com a velocidade do eixo de rotação [4]. A relação de velocidade de ponta (Tip
vento, sendo que a potência determina a quantidade de energia Speed Ratio - TSR) é um número adimensional que determina
captada pelo rotor, o torque determina o tamanho da caixa de quantas vezes a velocidade da ponta da pá é maior do que a
engrenagens que será acoplada ao gerador elétrico, e o velocidade do vento, e aumentar a TSR significa aumentar a
impulso do rotor tem grande influência no projeto estrutural velocidade angular do rotor, aumentar o ‫ܥ‬௉ que, por sua vez,
da torre [15]. A Figura 7 apresenta um gráfico ‫ܥ‬௉ X aumenta a potência da turbina [4]. Contudo, a relação com a
Velocidade periférica da turbina [10], no qual se pode solidez deve ser observada, uma vez que esta determina a
observar que, em ordem crescente de coeficientes de velocidade de rotação em que a turbina apresenta seu
desempenho, os rotores Savonius, Darrieus e as turbinas de coeficiente de desempenho máximo; assim, alta solidez,
alta velocidade de pás duplas e triplas (TEEH). Assim, fica normalmente, determina baixas TSR e baixa eficiência [17]. A
evidenciado, quanto ao desempenho, a vantagem das TEEH Figura 8 apresenta o gráfico ‫ܥ‬௉ X TSR, no qual uma curva de
em relação às TEEV. Fica claro também a vantagem do rotor desempenho característica de uma turbina pode ser observada.
Darrieus em relação ao Savonius, em relação ao desempenho. Em geral, inicialmente o valor do ‫ܥ‬௣ aumenta com o aumento
do TSR até atingir o máximo, e em seguida tende a diminuir
com o incremento do TSR [13].

Figura 7. Gráfico de desempenho de turbinas eólicas. Fonte: [10].

O ângulo de ataque, a quantidade, a velocidade de ponta e Figura 8. Gráfico Cp X TSR. Fonte: O Autor.
a geometria das pás também são fatores importantes que
influenciam no desempenho das TEEV, pois são as pás que IV. ESTUDOS EM FLUIDO DINÂMICA
interagem com o vento de forma a produzir torque e estão COMPUTACIONAL
intimamente ligadas às curvas de performance. A geometria
da pá deve ser considerada na escolha do rotor, pois isto A Fluidodinâmica Computacional (Computational Fluid
implica diretamente na facilidade de construção do modelo, Dynamics - CFD) foi desenvolvida para solucionar problemas
logística e custos. O custo total de uma turbina depende da que não apresentavam soluções de forma analítica e também
soma dos custos de produção, de instalação, manutenção, como uma forma de reduzir os custos com experimentos, uma
financiamento e da quantidade de energia captada [18]. O vez que não existe um modelo físico, apenas um modelo
número de pás de uma turbina é denominado de solidez da pá, computacional. As equações que regem o escoamento de
e altas relações de solidez exigem altos torques de partida e fluidos, e que são resolvidas pelos softwares de CFD, formam
uma operação com baixas velocidades; assim, para a geração um sistema de equações diferenciais parciais, mas em
de energia elétrica, as turbinas têm uma baixa relação de decorrência dos termos não lineares, os métodos analíticos
solidez, com duas ou três pás [16]. Uma turbina de uma única podem não gerar soluções [19]. Assim, a performance
pá é tecnicamente viável, porém essa configuração pode aerodinâmica de uma TEEV pode ser determinada de duas
MAGALHÃES ALBUQUERQUE AND MATOS : A CHARACTERIZATION OF VERTICAL AXIS WIND 4259

formas, por experimentação e por simulação numérica, via o ‫ܥ‬௣ , numericamente previsto, diminui com o aumento da
CFD [20]. solidez da turbina, enquanto que o TSR também diminui [29].
A análise em CFD de uma TEEV pode sofrer algumas Howell et. al. [17], em seus estudos também concluíram que
variações de acordo com o software utilizado para isso; uma solidez elevada resulta em um menor TSR e, em
contudo, alguns procedimentos são semelhantes e já consequência, uma baixa eficiência.
consolidados. Inicialmente, um modelo computacional 2D ou Desta forma, os estudos em CFD auxiliam no projeto de
3D desenvolvido em software CAD é inserido em um uma TEEV com um maior grau de precisão, através da
software de CFD onde são definidas a malha computacional, otimização do projeto da lâmina e da visualização do campo
os domínios, as condições de contorno, o modelo de de escoamento, o que não somente acelera a concepção da
turbulência e os parâmetros do fluido e do escoamento. São turbina como reduz o custo total do projeto [6]. Assim o
definidos dois domínios principais, um rotativo, onde a malha pesquisador pode realizar a otimização aerodinâmica da
do rotor está definida (malha de deslizamento – sliding mesh), turbina no software de CFD obtendo a melhor configuração da
e outro estacionário, onde a malha do ambiente externo à geometria com a possibilidade de erros minimizada e somente
turbina está definida. No domínio rotativo, em especial então o modelo físico pode ser submetido a experimentações
próximo às pás, a malha é refinada, enquanto que na região em túnel de vento para a validação dos resultados, de forma
estacionária a malha é relativamente maior devido ao campo que as ferramentas de análise computacional, através de CFD,
de escoamento ser mais simples [30], conforme a Figura 9. e experimental, através do túnel de vento, são complementares
Este procedimento é observado nos estudos realizados pelas e não concorrentes, onde o resultado de uma valida os dados
referências [17, 22, 23, 24, 25, 26, 27]. fornecidos pela outra.

V. CONCLUSÃO

A busca por fontes alternativas de energia é uma realidade


crescente e as pesquisas em relação às TEEV têm
acompanhado essa tendência, em especial para a aplicação
deste tipo de turbina em regiões urbanas na micro e mini
geração de energia elétrica para unidades residências. Neste
contexto, o presente artigo tem por objetivo determinar um
embasamento como passo inicial para a pesquisa das TEEV.
Sabe-se que as TEEH são as mais utilizadas na geração de
energia elétrica em grande escala, mas isso se dá devido à
grande concentração de estudos e pesquisas realizados para o
seu desenvolvimento. Entretanto, as vantagens das TEEV em
Figura 9. Malha refinada próximo a pá. Fonte: O Autor. relação as TEEH, quando aplicadas a regiões urbanas, se
sobressaem, e isso é suficiente para justificar a concentração
No estudo realizado por Mohamed et. al. [21], um total de de esforços em estudá-las e desenvolvê-las. Da mesma forma,
25 perfis aerodinâmicos foram estudados com diferentes TSR, entende-se que a aplicação da TEEV em ambientes urbanos
de forma a analisar a melhor performance possível para uma para a micro e mini geração de energia elétrica pode gerar
turbina Rotor H, no qual os estudos em CFD mostraram que o benefícios como a sustentabilidade, por se tratar de uma fonte
perfil LS(1)-0413 apresentou um ‫ܥ‬௣ cerca de 10% superior ao de energia limpa e renovável; a economia, uma vez que o
NACA 0018, no entanto, o perfil NACA 63-415 apresentou consumo de energia proveniente da concessionária é reduzido;
uma faixa de operação mais ampla, em relação a todos os e até mesmo a autonomia de energia elétrica, pois a produção
demais. pode ser maior que o consumo, e assim esse excesso pode ser
Nguyen et. al. [28] realizaram um estudo para investigar o exportado para a rede da concessionária, gerando créditos ao
efeito da espessura das pás na capacidade de auto partida de consumidor.
uma turbina Rotor H de 1 kW, em que os autores observaram Entende-se também que as TEEV do tipo Savonius
que alguns fatores são preponderantes. Três fatores afetam a apresentam uma geometria mais simples e por isso são mais
capacidade de auto partida da turbina analisada, como a fáceis de serem fabricadas, porém os atuais modelos
posição azimute de partida, a velocidade do vento e o perfil desenvolvidos não apresentam uma boa eficiência para a
das pás [28]. A posição azimute de partida é o fator que mais geração de energia elétrica. Desta forma as TEEV do tipo
afeta e que o perfil aerodinâmico NACA 0021 pode iniciar Darrieus são as mais indicadas para essa função e, neste
bem a partida da turbina [28]. contexto, acredita-se que as turbinas de pás retas, configuradas
Mohamed [30], de forma a estudar a redução do ruído em com três pás, são as ideais, pela eficiência e pela facilidade de
turbinas de eixo vertical, realizou um estudo em CFD, que construção das pás.
indica que o aumento do TSR aumenta levemente o nível de Por fim, entende-se que os estudos de modelos
ruído gerado por uma turbina. computacionais, através de CFD, e experimentais, por meio de
Outra aplicação usual dos estudos em CFD estão túneis de vento, são essenciais no desenvolvimento das TEEV,
relacionados ao número de pás da turbina e/ou solidez. Casteli de forma a se obter a otimização aerodinâmica, assim como a
et. al. [29] realizaram um estudo com uma turbina Darrieus de otimização estrutural da turbina.
pás retas, onde a quantidade de pás variava entre 3 e 5, em que
4260 IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 14, NO. 10, OCTOBER 2016

AGRADECIMENTOS aerodynamic optimization of a vertical axis wind turbine blades”.


Applied Mathematical Modelling. v. 40, p. 1038-1051, 2016.
[26] A. Orlandi, M. Collu, S. Zanforlin, A. Shires. “3D URANS analysis
Os autores agradecem ao Instituto Federal de Educação, of a vertical axis wind turbine in skewed flows”. Journal of Wind
Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE, Campus de Engineering and Industrial Aerodynamics. v. 147, p. 77-84, 2015.
Maracanaú, pelo suporte e acesso às informações técnicas [27] Y. Wang, X. Sun, X. Dong, B. Zhu, D. Huang, Z. Zheng.
“Numerical investigation on aerodynamic performance of a novel
necessárias ao desenvolvimento deste trabalho. vertical axis wind turbine with adaptative blades”. Energy
Conversion and Management. v. 108, p. 275-286, 2016.
REFERÊNCIAS [28] Chi-Cong Nguyen, Thi-Hong-Hieu Le, Phat-Tai Tran. “A Numerical
Study of Thickness Effect of the Symmetric NACA 4-Digit Airfoils
[1] “The First Decade: 2004 – 2014 – 10 years of renewable energy on Self Starting Capability of a 1 kW H-Type Vertical Axis Wind
progress” – Renewable Energy Policy Network for the 21st Century. Turbine”. International Journal of Mechanical Engineering and
[2] P. R. Rodrigues. “Energias Renováveis: Energia Eólica”. Livro Applications. Special Issue: Transportation Engineering Technology
Digital. 2011. – Part. II. v. 3, No. 3-1, p. 7-16, 2015.
[3] “Wind Energy implications of large-scale deployment on the GB [29] M. R. Castelli, S. De Betta, E. Benini. “Effect of Blade Number on a
electricity system” - Royal Academy of Engineering. Straight-Bladed Vertical-Axis Darrieus Wind Turbine”. Internal
[4] A. Hemami. “Wind Turbine Technology”. 1st ed. New York: Journal of Mechanical, Aerospace, Industrial, Mechatronic and
Cengage Learning, 2012. 400 p. Manufacturing Enginnering. v. 6, No: 01, 2012.
[5] V. Nelson. “Wind Energy. Renewable Energy and the [30] M. H. Mohamed. “Reduction of the Generated Aero-acoustics Noise
Environment”. 1st ed. CRC Press, 2009. 298 p. of a Vertical Axis Turbine using CFD (Computational Fluid
[6] M. M. A. Bhutta, N. Hayat, A. U. Farooq, Z. Ali, S. R. Jamil, Z. Dynamic). Energy. v. 96, p. 531-544, 2016.
Hussain. “Vertical Axis Wind Turbine – A review of various
configurations and design techniques”. Renewable and Sustainable
Energy Reviews. v. 16, i 4, p. 1926-1939, 2012. Igor Magalhães Albuquerque é graduado em Engenharia
[7] A. Tummala, R. K. Velamati, D. K. Sinha, V. Indraja, V. H. Mecânica pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR,
Krishna. “A review on small scale wind turbines”. Renewable and Fortaleza, Ceará, Brasil, em 2014. Possui experiências em
Sustainable Energy Reviews. v. 56, p. 1351-1371, 2016. gestão de frotas, manufatura, P&D e gerenciamento da
[8] S. A. Tabassum, S. D. Probert. “Vertical-Axis Wind Turbine: a produção e manutenção. Atualmente, é mestrando no
modified design”. Applied Energy, 1987; 28(1): 59-67. Programa de Pós-Graduação em Energias Renováveis -
[9] S. Roy, U. K. Saha. “Review on the numerical investigations into PPGER, Mestrado Acadêmico em Energias Renováveis no
the design and development of Savonius wind rotors”. Renewable Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Maracanaú,
and Sustainable Energy Reviews. v. 24, p. 73-83, 2013. Ceará, Brasil.
[10] R. W. Fox, A. T. McDonald, P. J. Pritchard. “Introdução à mecânica
dos fluidos”. 6 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006. 799 p. Francisco Frederico dos Santos Matos é graduado em
[11] W. Tong. “Wind power generation and wind turbine design”. 1st ed. Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Ceará
Southampton: WIT Press, 2010. 722 p. (1996) e título de Doutor em Engenharia Mecânica pela
[12] M. Islam, D. S. K. Ting, A. Fartaj. “Aerodynamic model for Universidade Federal de Santa Catarina (2002). Atuou como
Darrieus-Type straight-bladed vertical axis wind turbines”. Eng. Pesquisador II na Whirlpool S.A. durante 4 anos e 11
Renewable and Sustainable Energy Reviews. v. 12, p. 1087-109, meses, onde obteve experiência na área de ganho de
2008. Eficiência Energética, com compressores herméticos de
[13] S. Mathew. “Wind Energy – Fundamentals, Resource Analysis and refrigeração: dimensionamento de válvulas automáticas que atuam com ação
Economics”. 1st ed. Heidelberg: Springer, 2006. 246 p. de escoamento, dimensionamento de mancais hidrodinâmicos e magnéticos.
[14] B. K. Debnath, A. Biswas, R. Gupta. “Computational fluid dynamics Atualmente é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e
- Analysis of a combined three-bucket Savonius and three-bladed Tecnologia do Ceará, onde atua nos cursos de graduação em tecnologia e
Darrieus rotor at various overlap”. Journal of Renewable and mestrado acadêmico em energias renováveis.
Sustainable Energy. v. 1, p. 1-13, 2009.
[15] T. Burton, D. Sharpe, N. Jenkins, E. Bossanyi. “Handbook of wind
energy”. 1st ed. Chichester: John Wiley & Sons, Ltd, 2001. 617 p.
[16] M. R. Patel. “Wind and solar power systems - Designs, Analisys and
Operation”. 2nd ed. Boca Raton: CRC Press, 2006. 448 p.
[17] R. Howell, N. Qin, J. Edwards, N. Durrani. “Wind tunnel and
numerical study of a small vertical axis wind turbine”. Renewable
Energy. v. 35, p.412-422, 2010.
[18] I. Paraschivoiu. “Wind turbine design with empgasis on Darrieus
concept”. 1st ed. Canada: Polytechnic International Press; 2002.
[19] M. Potter, D. C. Wiggert. “Mecânica dos fluidos”. 3 ed. São Paulo:
Thomson, 2004. 688 p.
[20] A. M. Chowdhury, H. Akimoto, Y. Hara. “Comparative CFD
analysis of a vertical axis wind turbine in upright and tilted
configuration”. Renewable Energy. v. 85, p. 327-337, 2016.
[21] M. H. Mohamed, A. M. Ali, A. A. Hafiz. “CFD analysis for H-Rotor
Darrieus turbine as a low speed wind energy converter”.
Engineering Science and Technology, an International Journal. v 18,
i. 1, p. 1-13, 2015.
[22] S Kim, C Cheong. “Development of low-noise drag-type vertical
wind turbines”. Renewable Energy. v. 79, p. 199-208, 2015.
[23] S. Giorgetti, G. Pellegrini, S. Zanforlin. “CFD investigation on the
aerodynamic interferences between médium-solidity Darrieus
vertical axis Wind turbine”. Energy Procedia. v. 81, p. 227-239,
2015.
[24] M. T. Bouzaher, M. Hadid. “Active control of the vertical axis wind
turbine by the association of flapping wings to their blades”.
Procedia Computer Science. v. 52, p. 714-722, 2015.
[25] M. Kear, B. Evans, R Ellis, S. Rolland. “Computational