Você está na página 1de 11

Resumo de provas dimensional de caldeiraria

Instrumentos de caldeiraria
Escala graduada

Resolução 0,5 mm

Trena

Força de tração: até 5m 20 N (2kgf) Maior que 5m 50N (5kgf)

Tolerâncias de trena erro dimensional 0,5 mm

Critério de aceitação

Comprimen Class
Tolerâncias
to e

1 ± 0,3
≤1m
2 ± 0,6

1 ± (0,3+L .10⁻⁴)
> 1m
2 ±(0,6+L .10⁻⁴)

Nível de mangueira (transparente)

Distância entre pontos a serem medidos é de 10 m.

Diâmetro da mangueira 10 mm

Nível de bolha

Caldeiraria e carpintaria tolerância: 3 a 5 mm /m

Pedreiro: tolerância: 5 a 10 mm /m

Esquadro

Caldeiraria e carpintaria tolerância: 1 a 3 mmm /m

Pedreiro: tolerância: 5 a 8 mm /m

Nível ótico

tolerância: 1 a 3 mm /km (de precisão)

70 metros de visada

Clinômetro
tolerância: 0,28 mm /m ou 1` (1 minuto)

Prumo

Altura máxima de medição 5 m (encontra medidas por projeção)

Paquímetro

Resolução (vernier) 1/20 = 0,05 1/50 = 0,02 pol 1/16 x 4/1 = 1/64

Calibrado com bloco padrão e anéis padrão

Goniômetro

Resolução 60”/20 = 3”

Calibrado com bloco padrão e anéis padrão

Micrômetro

Resolução 0,5/50 = 0,01 passo da rosca do tambor = 0,5 mm

Calibrado com bloco padrão

Ultrassom

Funciona a 200 KHz ou 0,2 MHz

Acoplante Carboxi-metil celulose

Ondas mecânicas

• Transversais, Normal, cisalhamento ou corte, baixa propagação

• Longitudinais, Anormal, compressão, alta propagação

Efeito piezoelétrico

Transforma energia mecânica em elétrica e vice-versa

Cabeçote Inverso, emite a onda.

Cabeçote Normal, recebe a onda.

Velocidade de propagação

Transforma energia mecânica em elétrica e vice-versa

Velocidade de propagação

Longitudinal
Resolução 0,5/50 = 0,01 passo da rosca do tambor = 0,5 mm

Calibrado com bloco padrão

Velocidade de propagação do
ultrassom

Material Onda Onda


longitudinal transversal

Aço 5.900 m/s 3.200 m/s

Alumíni 6.300 m/s 3.100 m/s


o

Água 1.480 m/s -------

Ar 330 m/s --------

Geometria
Ortocentro encontro de 3 alturas

Baricentro encontro de 3 medianas

Incentro encontro de 3 bissetrizes

circuncentro encontro de 3 mediatrizes

VIM

6.2 – Padrão Internacional

6.3 – Padrão Nacional

6.4 – Padrão Primário

6. 5 – Padrão Secundário
6.6 – Padrão Referência

6.6 – Padrão de Trabalho

Amostragem e Inspeção

Inspeção por atributos

• É qualitativa, pois mede as características do produto. É rápida,


econômica e simples.

• ex: calibrador passa-não-passa.

Inspeção por Variáveis

• Uma característica da qualidade é medida. (peso, tamanho, velocidade,


etc)

• É quantitativa, pois afere as tolerâncias de medidas do produto. É lenta,


complexa e cara.

• Oferece mais informações e tem tamanho de amostras menores.

• ex: peso do saco de trigo.

VAD - Variável Aleatória Discreta

• Algo que pode ser contado ou medido(peso, tamanho, velocidade, etc).


EX.: Peças com erro de uma amostra ou tonalidade de cor na pintura.

VAC - Variável Aleatória Contínua

• Algo que NÃO pode ser contado ou medido e que assume valores
infinitos. EX.: vida útil da lâmpada.

Tipos de planos de amostragem

Por lote. (variáveis e desvio padrão) são 4 tipos

1- Simples.

• Quando a primeira amostra é satisfatória

• Retirada aleatória

2- Dupla.

• Quando a primeira amostra NÃO foi satisfatória

• Retirada aleatória
3- Multipla

• Quantidade deamostras maior que 2 (duas)

• Retirada aleatória

4- Sequencial.

• É escolhida uma amostra por vez, em reprovação escolhe outras


sucessivamente até a decisão de aceitação ou rejeição do lote.

• Não tem tamanho pré-fixado do lote.

• É aleatório

• O tamanho do lote é menor que a amostragem simples ou dupla

Classificação dos planos de amostragem por lote

NQA – Nível de Qualidade Aceitável

• Qualidade de aceitação muito elevada

• Baixo risco de rejeição de lotes

QL – Proteção de Qualidade Limite

• São aconselháveis para inspeção de lotes isolados;

• Produção intermitente;

• Visa oferecer proteção ao consumidor;

• Nível de aceitação do consumidor em 3% (limite);

• Risco ao consumidor de até 5%.

Severidade da inspeção

Inspeção Normal

• É posta em prática no início da inspeção e perdura se a


qualidade continuar de acordo com as exigências especificadas.

Inspeção Severa

• Aplicada quando se torna evidente a deterioração da qualidade.

Inspeção Atenuada

• Aplicada quando a qualidade é muito boa;

• Exige maior rigor na inspeção para efetuar esta comutação;


• Em qualquer sinal de deterioração da qualidade, passará
obrigatoriamente para normal ou severa.

Medidas de dispersão 2,3,6,8,11

• Desvio Padrão Populacional xθn 3,2863

• Desvio Padrão Amostral xθn⁻¹ 3,6742

• Amplitude> - < valor 11-2=9

• Variância² Populacional (xθn)² 10,8

• Variância² Amostral (xθn⁻¹)² 13,5

Medidas de Tendência Central (5M)


2,4,8

• Media Aritmética n¹+n²+n³/n 2+4+8/3 =4,67

• Media Geométrica G= ³√2.4.8 ³√2x4x8 =4

• Media Harmônica H= 3/1/2 x ¼ x 1/8 3/7/8


=3,43

• Mediana (valor do elemento central) ordenado =4

• Moda

• Unimodal Repete 1 vez


• Bimodal Repete 2 vezes
• Sem moda Não há repetição

As relações

Precisão com Desvio Padrão (medida de


dispersão)

Exatidão com Média (medida de


tendência central)

Normas Petrobras
N-115 Montagem de Tubulação Metálica
n-269 Montagem de Vasos de Pressão

N-271 Montagem de Tanques

N-293 Montagem de Estruturas Metálicas

N-1853 Montagem de Estruturas Oceânicas

Tubulação N-115

Tubos

São condutos fechados destinados ao transporte de fluídos.

Tubulação

Conjunto de tubos acoplados entre si e seus acessórios. Classificam-se em


metálicos , não metálicos e metálicos com revestimento contra corrosão, bem como
refratários.

Spool

É um pequeno trecho de tubulação pré-montado contendo tubos, tês, curvas,


flanes, redução, etc., que ao serem interligados formam uma linha.

Desvios dimensionais
± ½º - Ângulos entre trechos da tubulação.

±3mm - Comprimento de trechos retos.

±1,5mm – rotação do flange.

± ½º - Perpendicularismo da face do flange.

Vasos de pressão N-269

Vasos de pressão são:

• Permutadores de calor;

• Torres;

• Esferas.

Elementos de Permutadores de calor:

• Cabeçote estacionário;

• Espelho flutuante;

• Tubulação;
• Tirante. Brasagem

• Chicana Soldagem

• Casco Mandrilagem

Desvios dimensionais
± 1mm/m (Max 12mm/m) - Alinhamento horizontal.

± 1mm/m (Max 10mm/m) - Verticalidade.

Teste hidrostáticos em vasos de pressão


Manômetros
- Quantidade

Mínimo de 3 manômetros, sendo um situado próximo ao inspetor


durante o teste.

- Calibração

A validade de calibração é de 3 meses.

- Escala

1,5 a 4 vezes a pressão de teste, preferencial o dobro da pressão.

- Divisão da escala

Não deve exceder a 5% da indicação máxima da escala.

- Proteção

Deve ser instalada válvula de alívio ou disco de ruptura igual ou


inferior ao valor da pressão de teste alternativo.

- Quantidade

Mínimo de 3 manômetros, sendo um situado próximo ao inspetor


durante o teste.

Estruturas Oceânicas N-1852


Compenentes:

• Virola; (cam)

• Nó; (cam + 2 stubs)


• Tramo; (2 virolas + nó)

• Tronco;

• Cone;

• Stub;

• Contraventamento;

• Ramificação (stub).

Virola

Chapa que calandrada adquire a forma de tubo.

Tramo

Conjunto de duas ou mais virolas.

Conjunto de virola mais 2 stub..

Jaqueta

Conjunto de nós, tramos, e contraventamento.

Desvios dimensionais
+10 – 0 Comprimento de ramificação e tronco.

± 15’ (15 segundos) Ângulo de ramificação e tronco.

± 30’ (30 segundos) Ângulo entre stubs.

± 5mm excentricidade de tubos.

Fabricação e montagem
Virolas

Até 3 m de comprimento, um tubo deve ter no máximo 2 soldas


circunferenciais.

Comprimento

Comprimento máximo da virola de estaca deve ser de 1 m.

Flexa

A flexa deve ser de 3mm/3m.

Máximo de 12mm/12m.

Acima de 12 m a flexa é de 13 mm no máximo.

Alinhamento das juntas de topo


Máximo de 10% da espessura da parede. Máximo permitido é de 6mm.

Desalinhamento maior que 3 mm, deve ser soldado em ambos os lados.

Ovalização

Ovalização máxima de 1% do diâmetro nominal ou máximo de 6mm.

Esquadro e biséis

Diferença máxima de 0,5% do diâmetro externo ou máximo de 4mm.

Tanques N-271
Tipos de tanques quanto a fundação
Fundação direta do tipo aterro compactado; (muito barato)

Base com laje integral de concreto (muito cara);

Base com anel de concreto.

Tanque com fundação direta do tipo aterro compactado


Tipo de construção mais em conta devido ao baixo custo de aterro
compactado.

Utiliza brita, areia e cascalho fino na compactação do terreno.

Dispensa concretagem.

Tanque com base de laje integral de concreto


Este sistema é muito caro, pois utiliza sistema de estaqueamento com
profundidade de aproximadamente 20 metros.

Utiliza base de concreto de aproximadamente 250 de espessura.

Tanque com Base de anel de concreto


Recomendado para:

• Terrenos de qualidade duvidosa;

• Grandes diâmetros (maior que 30m (100ft));

• Grandes alturas (aproximadamente 12m (40ft));

• Tanques de teto flutuante.

Quanto ao teto:
Teto Fixo - Autoportantes; até diâmetro de 6 metros
(apoiado no costado e suportado por estrutura de
perfis).

Teto flutuante - Apoiado na superfície do líquido armazenado.

Coluna guia no prumo, tolerância ± h/1.200 (h altura


da coluna em mm)

Controle dimensional:

Chapa do costado -

Deformação horizontal ± 15mm/m

Deformação vertical ± 15mm/m

Largura e comprimento ± 1,6mm

Diferença das diagonais ±3,2mm

Nivelamento do costado 6mm para pontos não consecutivos.

Construção de base

Inclinação mínima do piso 1/120

A largura das bases do anel de concreto deve ser verificada a


cada 30° ou 10m ao longo do perímetro da base.

Deve ser verificado se a orientação da linha de centro e as


dimensões do rebaixo da porta de limpeza estão de acordo
com o projeto.

Deve ser verificado o diâmetro, a declividade e o nível da


base.