Você está na página 1de 483

II ii ‘‘

yy aa mm uu nn ii ss ii dd dd hh aa

AA rr hh aa pp ii aa gg hh aa

MM ee ss tt rr ee -- RR aa ii zz

dd aa

EE ss cc oo ll aa

ddee

SS íí nn tt ee ss ee

FF

RRiivvaa ss

NNee tt oo

CCuurr aa

\\

ee

AA uu ii oo cc uu rr aa

■■

--

rr

üconeücone

editoraeditora

UU mm bb aa nn dd ii ss tt aa

"Rivas"Rivas NetoNeto (Yamunisiddha(Yamunisiddha Arhapiagha)Arhapiagha) veioveio àà TerraTerra comcom aa missãomissão espiritualespiritual dede resgatarresgatar ee replasmarreplasmar aa UmbandaUmbanda emem suasua totaltotal pureza.pureza. NestaNesta obraobra ímparímpar eleele reiterareitera aa ancestralidaancestralidadede ee aa universalidadeuniversalidade dada UmbandaUmbanda queque remete-nosremete-nos àà ConvergêConvergênciancia ee àà PazPaz Mundial."Mundial."

ee àà PazPaz Mundial."Mundial." advogado,advogado, internacionalmenteinternacionalmente

advogado,advogado,

internacionalmenteinternacionalmente conhecido.conhecido.

escritorescritor

renomadorenomado

ee

oradororador

espíritaespírita

"Concordamos"Concordamos integralmenteintegralmente comcom YamunisiddhaYamunisiddha ArhapiaArhapiaghagha quandoquando dizdiz queque aa PazPaz MundialMundial éé oo reflexoreflexo dada pazpaz intinternaerna dede cadacada indivíduo.indivíduo. AA curacura dasdas doençasdoenças físicas,físicas, afetivasafetivas ouou mentaismentais nãonão éé apenasapenas umauma buscabusca compassivacompassiva dede aliviaraliviar oo sofrimento,sofrimento, masmas uumama necessidadenecessidade nana evoluçãoevolução kármicakármica dodo planeta."planeta."

médicomédico cardiologista,cardiologista, livre-docentelivre-docente dada UNIFESPUNIFESP eekármicakármica dodo planeta."planeta." espiritualista.espiritualista. "A"A

espiritualista.espiritualista.

"A"A PsiquiatriaPsiquiatria ee aa MedicinaMedicina emem geralgeral tendemtendem atualmeatualmentente aa umauma visãovisão organicistaorganicista dosdos distúrbiosdistúrbios dada personalidade,personalidade, compreensívelcompreensível porpor serser aa CiênciaCiência dede queque dispomos.dispomos. Contudo,Contudo, cabecabe tambémtambém àà CiênciaCiência nãonão fecharfechar ouou dogmatizardogmatizar oo conhecimento,conhecimento, estandoestando abertaaberta tambémtambém aosaos insightsinsights queque podempodem serser proporcionadosproporcionados porpor umauma visãovisão metafísicametafísica dada

livrolivro Sacerdote,Sacerdote, MagoMago ee MédicoMédico éé umauma contribuiçãocontribuição dede valorvalor

mementente

OO

inestimávelinestimável parapara aa EspiritualidadeEspiritualidade ee parapara aa CiênciaCiência emem geral."geral."

ee parapara aa CiênciaCiência emem geral."geral." psiquiatrapsiquiatra forense,forense, professorprofessor

psiquiatrapsiquiatra

forense,forense,

professorprofessor

dede

psiquiatriapsiquiatria dada USP,USP, leitorleitor críticocrítico dada literaturaliteratura esespiritualista.piritualista.

"Filosofia,"Filosofia, Ciência,Ciência, MísticaMística ee ArteArte sese entrelaçamentrelaçam ddee taltal formaforma nosnos textostextos dede MestreMestre ArhapiaghaArhapiagha queque oo leitorleitor sese vêvê numanuma novanova dimensãodimensão dede percepçãopercepção dada realidade.realidade. MuitasMuitas dasdas doençasdoenças queque nosnos afligemafligem nana práticaprática médicamédica encontramencontram nãonão apenasapenas explicação,explicação, masmas umum caminhocaminho dede resolução.resolução. LerLer Sacerdote,Sacerdote, MagoMago ee MM édicoédico apaziguaapazigua nossanossa alma."alma."

apaziguaapazigua nossanossa alma."alma." pediatra,pediatra, especializadaespecializada emem

pediatra,pediatra, especializadaespecializada emem pneumologiapneumologia infantil.infantil.

"Um"Um grandegrande livrolivro oo aquiaqui apresentado.apresentado. FicaFica claroclaro queque oo conhecimentoconhecimento sósó éé vivovivo quandoquando refletereflete aa experiênciaexperiência prática,prática, aa vivênciavivência pessoal.pessoal. NãoNão bastabasta saber,saber, éé precisopreciso fazer,fazer, viverviver ee ser."ser."

precisopreciso fazer,fazer, viverviver ee ser."ser." médicomédico ginecologistaginecologista ee

médicomédico ginecologistaginecologista ee obstetra,obstetra, terapeutaterapeuta sexualsexual

dada SociedadeSociedade BrasileiraBrasileira dede SexualidadeSexualidade HumanaHumana ee funfundadordador dede umum movimentomovimento pelapela humanizaçâohumanizaçâo dada medicina.medicina.

"A"A neuroimunoendocrinologianeuroimunoendocrinologia estudaestuda aa interligaçãointerligação eentrentre osos sistemassistemas nervoso,nervoso, endócrínoendócríno ee imunológico,imunológico, queque reguregulamlam diversasdiversas funçõesfunções corpóreascorpóreas queque mantêmmantêm oo equilíbrioequilíbrio orgânicoorgânico ee sãosão tambémtambém reponsáveisreponsáveis porpor muitasmuitas doenças.doenças. TudoTudo funcionafunciona dede mamaneiraneira integradaintegrada ee refletereflete aa herançaherança genéticagenética dede cadacada um.um. NesteNeste livro,livro, descobrimosdescobrimos queque antesantes dada formaforma vemvem oo Ser,Ser, ee queque sese oo própriopróprio códigocódigo genéticogenético éé funçãofunção dodo espírito,espírito, entãoentão aa doençadoença estáestá nono espíritoespírito ee aliali tambémtambém aa suasua cura."cura."

ee aliali tambémtambém aa suasua cura."cura." neurologistaneurologista clínico,clínico, médicomédico

neurologistaneurologista

clínico,clínico,

médicomédico

dada

BeneficênciaBeneficência

Sacerdote,Sacerdote, MagoMago ee MédicoMédico

CuCurara ee AutocuraAutocura UmbandistaUmbandista

TerTerapapiaia dada AAlmlmaa

DadosDados InternacionaisInternacionais dede CatalogaçãoCatalogação nana PublicaçãoPublicação ((CIP)CIP) (Câmara(Câmara BrasileiraBrasileira dodo Livro,Livro, SP,SP, Brasil)Brasil)

AA rhrh aappiaia gghha,a, YYamam uuninisisidddd hhaa Sacerdote,Sacerdote, magomago ee médicomédico

umbanumbandistadista

AArhrh aappiaiagghha.a.

:: curacura ee autocuraautocura // YamYamunisiddhaunisiddha

22000033

:: terapiaterapia dada almaalma --

SãSãoo PPauau lolo

::

ÍcÍconone,e,

ISBNISBN

85-274-0699-385-274-0699-3

1.1. CuCurara pelopelo espíritoespírito

2.2. EspiritualidadEspiritualidadee

3.3. MM agiaagia

(Culto)(Culto)

umbandumbandistaista

4.4. MM istiisticismocismo

I.I. Título.Título.

5.5. TantriTantrismosmo

6.6. UmUmbandabanda

II.II. TítuloTítulo:: CuraCura ee autocuraautocura

IIIIII Título:Título: TerapiaTerapia ddaa alma.alma.

02-607602-6076

CDD-299.672CDD-299.672

índicesíndices parapara catálogocatálogo sistemático:sistemático:

1.1. AutAutocuraocura tântricatântrica

299.672299.672

::

UmUm bandabanda

::

ReReligiãoligião

2.2. CuCurara tântricatântrica

299.672299.672

:: UmUm bandabanda

:: RReligieligiãoão

3.3. MMedicinedicinaa espiriespiritualtual

299.672299.672

::

UmUmbandabanda

::

RReligiãoeligião

VV aa mm ww nn iiss iidd dd kk aa

.A.A ee llaa aa pp iiaa gg KK aa

AAddeses++eeee XX aa rrvv iiee iicc oo

OO uu ee aa dd oo ee

FF

RR iivvaass AA lleettoo

Sacerdote,Sacerdote, MagoMago ee MédicoMédico

CCururaa ee AutocuraAutocura UmUmbandistabandista

TerTerapiapiaa dada AAlmlmaa

XconeXcone

editoraeditora

©© CoCopyrightpyright 20032003 íconeícone EditoEditorara Ltda.Ltda.

CoordenaçãoCoordenação GeralGeral YamYamunisidunisiddhadha ArhaArhapiapiaghagha

RevisãoRevisão YamashalaYamashala (Ana(Ana CCristinaristina KashiwagiKashiwagi))

DiagramaçãoDiagramação AraobAraobatanatan ee YamashYamashalaala (Rog(RogerT.erT. SoareSoaress ee AnaAna CristinCristinaa KashiwagKashiwagi)i)

CapaCapa YaranandaYarananda (Alexandra(Alexandra Abdala)Abdala)

PinturasPinturas emem TelaTela YacybhavaYacybhava (Cristina(Cristina MáMárciarcia GonçalGonçalves)ves)

ProibidaProibida aa reproduçãoreprodução totaltotal ouou parcialparcial destdestaa obraobra,, dede qualquerqualquer formaforma ouou meiomeio eletrônico,eletrônico, mecânico,mecânico, inclusiveinclusive atravésatravés dede processosprocessos xerográficos,xerográficos, semsem premissãopremissão expressaexpressa dodo editoreditor (Lei(Lei n°n° 9.610/98).9.610/98).

TodosTodos ooss direitosdireitos reservadosreservados pelapela ÍCONEÍCONE EDITORAEDITORA LTDA.LTDA. RuaRua dasdas PalmPalmeiras,eiras, 213213 -- SantaSanta CecCecíliaília CEPCEP 01226-01001226-010 -- SãSãoo PaPauloulo -- SPSP Fone/Fax:Fone/Fax: (11)(11) 3666-30953666-3095 www.iconwww.iconelivraria.comelivraria.com.br.br e-rnail:e-rnail: cditora@editoraicone.com.brcditora@editoraicone.com.br edicone@bol.com.bredicone@bol.com.br

O O l i v r o l i v r o SaceSacerdordotete,, MM agoago

OO livrolivro SaceSacerdordotete,, MM agoago ee MM édicédicoo CuraCura ee AutocuraAutocura

UmbandistaUmbandista traztraz aa estaesta editoraeditora aa honrahonra dede colaborar,colaborar, dede algumalgumaa forma,forma, parapara aa aproximaçãoaproximação dosdos homenshomens ee dosdos povos.povos. NNossoosso com-com- promissopromisso comcom aa universalidadeuniversalidade ee principaprincipalmentelmente comcom aa conver-conver- gênciagência nosnos impeliuimpeliu aa lançarlançar esteeste livro.livro. NãoNão teríamoteríamoss ousadoousado en-en- trartrar nessanessa empreitadaempreitada sese nãonão tivéssemostivéssemos aa confiançaconfiança queque temostemos nono carátercaráter universaluniversal destedeste textotexto ee nono seuseu autor.autor. ConhecemosConhecemos YamunisiddhaYamunisiddha ArhapiaghaArhapiagha comocomo sacerdo-sacerdo- te,te, mago,mago, médico,médico, escritorescritor ee amigo;amigo; todastodas essasessas facfacetasetas demons-demons- tramtram aa versatilidadeversatilidade dede suasua personalidade,personalidade, masmas nãonão abrangemabrangem aa totalidadetotalidade dodo serser humano,humano, queque sósó podepode serser conhecidaconhecida nana convi-convi- vênciavência ee nana trocatroca dede experiexperiências.ências. DessaDessa amplitudeamplitude dede senti-senti- mentos,mentos, pensamentospensamentos ee idéiasidéias compartilhadascompartilhadas éé queque aadquiri-dquiri- mosmos aa certezacerteza dede queque aa mentemente humanahumana nãonão estáestá confinconfinadaada àà pequenapequena caixcaixaa crancraniana,iana, parapara elaela nãnãoo existemexistem limiteslimites ouou frofrontentei-i- ras;ras; oo serser estáestá alémalém dodo humano.humano.

EsperamosEsperamos queque esteeste livrolivro proporcioneproporcione aoao leitorleitor umauma novanova visãovisão dede saúdsaúdee ee doença,doença, ee oo auxilieauxilie aa vislumvislumbrarbrar umauma novanova ppers-ers- pectivapectiva parapara asas relaçõesrelações humanashumanas queque devemosdevemos esperaresperar parapara osos

novosnovos tempos.tempos.

OO EdEditoritor

Mandala-YantraMandala-Yantra dosdos ArashasArashas dada Medicina,Medicina, osos SupremosSupremos IluminadosIluminados dodo MundoMundo

ReveladaRevelada aoao MestreMestre TântricoTântrico CuradorCurador YamunisiddhaYamunisiddha ArhapiaghaArhapiagha

OshalaOshala 1616 pétalaspétalas YeYemamanjanja 1414 pétalaspétalas YYororii 1212 pétalaspétalas ShangoShango
OshalaOshala
1616 pétalaspétalas
YeYemamanjanja
1414 pétalaspétalas
YYororii
1212 pétalaspétalas
ShangoShango
1010 pétalaspétalas
OgunOgun
88 pétalaspétalas
OshossiOshossi
66 pétalaspétalas
YoYorimrimaa
44 pétalaspétalas
CentrosCentros dede IluminaçãoIluminação (Chakras)(Chakras)
sobsob oo comandocomando dosdos SeteSete Arashas,Arashas,
segundosegundo aa EscolaEscola dede SínteseSíntese

Mandala-YantraMandala-Yantra dede ConexãoConexão comcom MestreMestre YamunisiddhaYamunisiddha AArhapiagharhapiagha YaYantrantra dede pepermrmississãoão parparaa osos exeexercrcícíciosios tântrtântricosicos

OO sofrimesofrimento,nto, incapacidadeincapacidade dede experimexperimentarentar aa vidavida ddee maneiramaneira

OO sofrimesofrimento,nto, incapacidadeincapacidade dede experimexperimentarentar aa vidavida ddee maneiramaneira agradável,agradável, podepode serser manifestadomanifestado dede váriasvárias fformas,ormas,

inclusiveinclusive comocomo doençasdoenças dodo corpocorpo físico.físico. TodoTodo esforçesforçoo dodo SerSer Humano,Humano, aoao longolongo dodo tempo,tempo, temtem sidosido parapara minimizarminimizar e,e, sese

popossívssível,el, exextintinguguirir aa dodorr dede quaqualqulquerer origorigemem

vevez,z, didizezerr queque totododo oo prprogreogressosso dada sociesociedadedade visavisa,, emem últúltimimaa

instância,instância, melhorarmelhorar aa qualidadequalidade dede vida,vida, construirconstruir asas basesbases necessáriasnecessárias àà felicidade.felicidade. Entretanto,Entretanto, porpor algumalgum motivo,motivo, nossasnossas estratégiasestratégias nãnãoo

parpareceecemm prprodod uzuzirir resuresultadltadosos satsatisfaisfatórtóriosios

avançoavanço tecnológico,tecnológico, aindaainda carecemoscarecemos dede PazPaz InternaInterna ee Ex-Ex- terna.terna. VivemosVivemos emem buscabusca dede valoresvalores queque nosnos façamfaçam sesentirntir pleplenosnos ee aacredcreditamitamosos queque conconquiquistanstandodo várváriosios objeobjetostos mamate-te- riaisriais obteremosobteremos confortoconforto e,e, principalmente,principalmente, seremosseremos aceitosaceitos

AAppesesarar dede todtodoo

PodPodememos,os, tatal-l-

amados

ee amados

SSaaccee

rrddoo\\ee

,,

MM aaggoo ee MMééddiiccoo

AsAs intenintençõesções sãosão justjustasas ee louválouváveis,veis, porporémém devedevemosmos ad-ad- mitirmitir queque oo caminhocaminho queque tomamostomamos temsetemse reveladorevelado incincipiente.ipiente. EmEm algumalgum momentomomento dada trajetóriatrajetória dada humanidadehumanidade perdemperdemosos oo fiofio queque nosnos guiavaguiava ee nosnos tornamostornamos erranteserrantes emem desdesacordoacordo comcom todatoda harmoniaharmonia queque nosnos cerca,cerca, expressaexpressa nana NatureNatureza.za. EmEm conseqüênciaconseqüência dessedesse desalinhodesalinho comcom aa Naturalidade,Naturalidade, crcriamosiamos doençasdoenças ee distúrbios,distúrbios, atravésatravés dede processosprocessos espirítiespiríticoco psicpsicossomossomáticáticosos aindaainda poucpoucoo conhconhecidoecidoss pelpelaa CiCiênênciciaa AAccaa-- dêmica.dêmica. YaYamumunisinisiddhddhaa AArhrhapapiaiaghghaa conconduzduz oo lleieitotorr dede Sacerdo-Sacerdo-

tete ,, MM aaggoo ee MM ééddicic oo CuraCura ee AutoAutocuracura UU mbanmban distadista aa umauma via-via-

gemgem àsàs origensorigens espirituaisespirituais dada RaçaRaça Humana,Humana, apontandapontandoo osos momentosmomentos críticoscríticos dede desviodesvio dodo curso,curso, oo eloelo perdidoperdido entreentre aa vidvidaa ee aa nanaturturalidalidadade,e, expexplicalicandondo osos proceprocessosssos dedecocorrerrententess dodo extravioextravio dodo caminho.caminho. AvançaAvança nasnas causascausas dasdas doençdoençasas físi-físi- cascas ee espirituais,espirituais, nosnos mecanismosmecanismos energéticosenergéticos envolenvolvidosvidos ee suassuas manifestaçõesmanifestações biológicas.biológicas. Assim,Assim, atingeatinge desdedesde asas mani-mani- festaçõesfestações maismais concretasconcretas dasdas doençasdoenças atéaté suassuas origeorigensns kármicas,kármicas, desvelandodesvelando aa primeiraprimeira causacausa ee aa primeiraprimeira doençadoença paparara aa ccompompreenreensãosão dede todotodos.s. ComoComo MestreMestre TântricoTântrico CuradorCurador (Sacerdote,(Sacerdote, MagoMago ee Médico),Médico), aprofundaseaprofundase emem suassuas váriasvárias encarnaçõesencarnações cocomomo Sa-Sa- cerdotecerdote entreentre osos váriosvários povospovos dada antigüidade,antigüidade, nana ÁsÁsiaia ee nana ÁÁfrfricicaa e,e, emem temtempospos lonlongíngínqüoqüos,s, nana prprópópriaria AmAm éréricica.a. HojHoje,e, comocomo MestreMestre EspiritualEspiritual emem missãomissão nono Brasil,Brasil, mostramostra emem seusseus livroslivros queque asas vivênciasvivências kármicaskármicas transcendemtranscendem oo temptempoo ee oo espaçoespaço ee fazemfazem eclodireclodir aa verdadeverdade dodo espíritoespírito aa todotodoss osos po-po- vos,vos, ondondee querquer queque eestejamstejamos.os. ReReafiafirmrmaa queque oo eespspíritíritoo livlivrere éé universal,universal, suasua moradamorada éé emem todostodos osos lugareslugares ee suasua ffamília,amília, aa humanidade.humanidade. EsteEste éé umum livrolivro queque agradaráagradará oo leitorleitor porpor suasua profuprofundi-ndi- dadedade filosóficafilosófica ee suasua correlaçãocorrelação diretadireta comcom aa prátiprática,ca, umauma

1414

YY aamm uu mm ssidid dd kk aa

AA

rrkk aapp iaia gg hh cc

KK

característicacaracterística dede YamunisiddhaYamunisiddha Arhapiagha,Arhapiagha, queque comcom umauma linguagemlinguagem claraclara ee precisaprecisa proporcionaproporciona aprendizado,aprendizado, cresci-cresci- mentomento espiritualespiritual ee harmoniaharmonia físicafísica aoao mesmomesmo tempo.tempo. ComCom aa ajudaajuda destedeste MestreMestre EspiritualEspiritual poderápoderá oo leitorleitor adentadentrarrar pelaspelas causascausas dede seuseu própriopróprio sofrimentosofrimento ee descobrirdescobrir queque aa AutocuraAutocura

éé possível.possível. Principalmente,Principalmente, entenderáentenderá oo queque vemvem aa sserer aa ver-ver- dadeiradadeira Autocura,Autocura, queque passapassa pelaspelas moléstiasmoléstias físicasfísicas ee alcançaalcança aa essênciaessência dede cadacada ser,ser, ondeonde Autocura,Autocura, Verdade,Verdade, LibLibertaçãoertação ee

IluminaçãoIluminação compõesmcompõesm aa RealidadeRealidade indissolúvelindissolúvel ee etereterna

AA YamYamuniunisidsiddhadha ArArhahapipiagag haha agradecemagradecemosos aa opop orortutu-- nidadenidade dede compartilharcompartilhar esteeste momentomomento dede reconciliaçãreconciliaçãoo dodo homemhomem consigoconsigo mesmomesmo e,e, humildemente,humildemente, pedimospedimos suasua bênção.bênção.

na

homemhomem consigoconsigo mesmomesmo e,e, humildemente,humildemente, pedimospedimos suasua bênção.bênção. na 1515

1515

““InIn MM emem orioriamam ””

AA WW ooooddroroww WW ililssoonn dada MM aattttaa ee SiSilvalva,, MMesestrtree YaYapacpacananyy (1(1991717-1-198988)8),, MeuMeu PPaiai,, MeuMeu MestrMestre,e, MeuMeu Amigo,Amigo, qqueue ccomom ssuuaa sabedoriasabedoria milenarmilenar meme alçoualçou aosaos últimosúltimos degrausdegraus dada FFilosofiailosofia dodo OculOcultoto -- AA Proto-SíProto-Síntesentese CósmCósmicica.a.

MM enen MMesestrtre.e

AA TTii dedicodedico maismais esteeste livro,livro, nana certezacerteza dede queque meme inspirasinspiras ee meme

porvir

susténssusténs nana jornadajornada dodo hojehoje ee dodo porvir

Mestre,TuasMestre,Tuas bênbênçãosçãos!! CoComm todotodo oo resrespeitopeito,, permita-mpermita-mee desejar-desejar- tete queque osos ARÀSHASARÀSHAS tete abençoemabençoem sempre.sempre. HaverãoHaverão dede abençoar-te,abençoar-te, eternamente!eternamente!

yycc\\ww\\LL\\vv\\\\ss\\ddddWWcc\\yy\\****kkaappiaia00kkaa

yycc\\ww\\LL\\vv\\\\ss\\ddddWWcc\\ yy\\****kkaappiaia00kkaa "Ucmfnco "Ucmfnco SSugugaaddoo»»**

"Ucmfnco

"Ucmfnco

SSugugaaddoo»»**

AA MM eueu ss PPaiaiss

MMinhinhaa eternaeterna gratidgratidão,ão, pelapela bênçbênçãoão dodo recomeçorecomeço

AosAos IrIrmmããosos

Wilson,Wilson, ReginaRegina ee Iara.Iara.

ÀÀ SaSacecerdrdototisisaa YaYamamararacyêcyê

Esposa,Esposa, companheiracompanheira ee mãe,mãe, porpor suasua tolerância,tolerância, amoramor ee sabedoriasabedoria milenares.milenares.

AA MM eueu ss SeSeisis FFililhhosos

Domingo,Domingo, Marcelo,Marcelo, Márcio,Márcio, Thales,Thales, AthusAthus ee Thetis,Thetis, mmeuseus agradecimentosagradecimentos sinceros,sinceros, pelapela compreensãocompreensão dasdas horashoras queque nãonão pudemospudemos estarestarjuntos.juntos. QueQue ArashArashalaala -- SenSenhorhor LumLuminarinar dede todotodoss osos IluminadosIluminados osos abençoeabençoe sempre.sempre.

ÀÀ TTererezezininhaha

IrmãIrmã EspiritualEspiritual ee AmigaAmiga milenar,milenar, mmeueu fraternalfraternal agradagradecimenecimento.to.

AosAos IrIrmm ããosos EEspspiriritituauaisis ddee TodTodosos osos SiSiststememasas FF ililososófóficicoo-R-R eeliliggioiosososs

EstamosEstamos emem buscabusca dada Proto-SínteseProto-Síntese Cósmica,Cósmica, dada TradiTradiçãoção dede SínteseSíntese queque reformularáreformulará idéias,idéias, conceitos,conceitos, derrubanderrubandodo dog-dog- matismosmatismos estéreis,estéreis, unindo-nosunindo-nos nosnos PrincípiosPrincípios dada ConConvergênciavergência UniversalUniversal onde,onde, acimaacima dede SistemasSistemas Filosóficos,Filosóficos, CienCientíficos,tíficos, ArtArtístiísticocoss ee Religiosos,Religiosos, prevaleceráprevalecerá aa SínSíntesetese CósmCósmicaica firmafirmadada naTriunidadenaTriunidade AmorAmor // SabedoriaSabedoria // AtividadeAtividade Cósmicos.Cósmicos. AssiAssim,m, congcongraturatulo-melo-me comcom todostodos osos IrmãosIrmãos PlanetáPlanetáriosrios queque,, comocomo nós,nós, estãoestão vivenciandovivenciando osos tempostempos chegadoschegados dada UNIDADE,UNIDADE, ddaa PROTO-SPROTO-SÍNTESEÍNTESE CÓCÓ SMSMICA.ICA.

AA MM eueuss DDisiscícípupuloloss TTememplplárárioioss

MembrosMembros integrantesintegrantes dada O.I.C.D.,O.I.C.D., nosnos grausgraus dede MestrMestreses

Espirituais,Espirituais, MestresMestres dede Iniciação,Iniciação, IniciadosIniciados SuperiSuperiores,ores, GuardiõesGuardiões dodo Templo,Templo, ArtesõesArtesões dodo Templo,Templo, NeófitosNeófitos emem ProvProvasas ee Neófitos,Neófitos, meusmeus agradecimentosagradecimentos pelapela dedicaçãodedicação ee amamoror àà vivênciavivência temptemplárialária ee àà minhaminha pespessoasoa QueQue osos ARASHASARASHAS osos abençoemabençoem comcom oo PoderPoder dada VerdadeVerdade ee estaesta tragatraga PazPaz ee AlegriaAlegria eternas!eternas!

OM

OM

AM*

ARANAUARANAUAM*

ARARASASHAHA****

OMOM !!

RÁ-ANRÁ-AN GÁGÁ

AosAos ““IrIr mmããosos EE spsp iriritituuaaisis””

EUÁ.EUÁ

QueQue comocomo eueu tiveramtiveram aa alvissareiraalvissareira oportunidadeoportunidade dede conviverconviver comcom oo homemhomem ee vivenciar,vivenciar, comocomo discípulos,discípulos, MestreMestre YaYapacanypacany emem suasua últimaúltima ee iluminadailuminada missãomissão planetária.planetária.

;At*kcipiacjka;At*kcipiacjka

A^A^ WW stst ^e^e XX cc mm tt rr icic oo

CC uu mm dd oo i*i*

** ARANAARANA UAMUAM (ARA(ARA ANAUANAUAM)AM) —— SignificaSignifica BênçãosBênçãos Divinas,Divinas, dede pazpaz ee luluz.z. PodePode tamtam -- bémbém serser saudaçãsaudação:o: SaSalvlve!e! Glória!Glória! ReRegozgozijoijo!! SaSaravravá!á! **** ARASHAARASHA —— VocábuloVocábulo paroxítono,paroxítono, denominaçãodenominação dosdos SeSenhoresnhores dada Luz.Luz. OO mesmomesmo queque Orisha,Orisha, queque éé oo vocábulovocábulo maismais recente.recente.

ExcertosExcertos IntrodutóriosIntrodutórios :: ResgatandoResgatando asas VivênciasVivências 2211

ExcertosExcertos IntrodutóriosIntrodutórios :: ResgatandoResgatando asas VivênciasVivências

2211

IntroduçãoIntrodução

AA DoeDoençança PrimPrimevaeva (( CaboclCabocloo UrubatãUrubatãoo dada GuiaGuia))

6767

Doença:Doença: SinônimoSinônimo dede ImperfeiçãoImperfeição (( CaboclCabocloo SeteSete EspadasEspadas)) 7575

UmbandaUmbanda ee MedicinaMedicina (Yamuni(Yamunisidsiddhadha AA rhaprhap iaghaiagha ))

81

81

PartPartee II —— CC onconc eitoseitos IntroduzindoIntroduzindo aa DoutrinaDoutrina dodo TrípliceTríplice CaminhoCaminho VisãVisãoo dede SínteseSíntese SobreSobre DoenDoentestes ee DoençasDoenças SaúdeSaúde ee DoençaDoença —— VidaVida ee Morte.Morte.

8787

ParteParte IIII —— MedicinaMedicina dede SínteseSíntese FundamentosFundamentos dada MedicinaMedicina dede SínteseSíntese

1010 99

FisiologiaFisiologia dada EnergiaEnergia Sutil:Sutil: CanaisCanais —— ChakrasChakras

111155

HumHumoreores:s: LíquorLíquor -- SaSangngueue -- SêmSêmenen -- LinfaLinfa -- BB ililee

114747

DialéticaDialética dada MedicinaMedicina UmbandísticaUmbandística

1616 77

EtiologiaEtiologia dasdas doençasdoenças

AA

DoençaDoença PrimevaPrimeva —— KarmaKarma CausaiCausai DoeDoençasnças AdquiridasAdquiridas —— KarmaKarma CC ononstitstituíuídodo

B.B. DoençasDoenças ProvocadasProvocadas PelaPela

AtrAtraçãaçã oo ee AtuAtuaçãaçãoo dede SeresSeres EspEspiritirituauais

DoençasDoenças KármiKármico-Espco-Espirituaisirituais

is

C.C. DoençasDoenças Infecto-ContagiosasInfecto-Contagiosas

(Doenças(Doenças

D.D. DoençasDoenças ProvocadasProvocadas porpor Conflitos:Conflitos:

Planetárias)Planetárias)

DD .l

l.

DoenDoençasças devidevidodo aoaoss conflconflitositos mento-psicológicos

mento-psicológicos

DesestruturaDesestrutura dosdos trêstrês veículosveículos dada personalidadepersonalidade DesestruturaDesestrutura mentalmental DesestruturaDesestrutura emocionalemocional DesestruturaDesestrutura etéreo-físicaetéreo-física D.2.D.2. DoençasDoenças devidodevido aosaos conflitosconflitos psico-emotivospsico-emotivos ComportameComportamentonto anôanômalmalo.o. DesestabilizaçãoDesestabilização emocionalemocional D.3.D.3. DoençasDoenças devidodevido aosaos conflitosconflitos emotivo-energéticemotivo-energéticosos ErrosErros dietéticosdietéticos ErrosErros respiratóriosrespiratórios SexSexoo -- tóxtóxicicosos -- vícvíciosios ExposiçãoExposição aa fatoresfatores mesológicosmesológicos negativosnegativos

177177

171799

1S1S 77

1919 33

202022

220066

227227

ParteParte IIIIII —— TerapiaTerapia UmbandísticaUmbandística IntroduçãoIntrodução àà TerapiaTerapia dada AA lmlm aa CasosCasos ClínicosClínicos ee NosológicosNosológicos EspirituaisEspirituais

MapaMapa Kármico;Kármico; MapaMapa GenéticoGenético ee ImunogenéticoImunogenético ExplicandoExplicando asas DoençasDoenças ManifestadasManifestadas pelospelos DoentesDoentes 229999

23

23

77

2424 33

OO SacerdSacerdote,ote, oo MagoMago ee oo MM éé dd icic oo

330077

CuraCura ee AutocuraAutocura UmUmbanbandistdistaa —— AA ReRealalizaizaçãçãoo EspiEspirituritualal

33 11 99

ExcertoExcertoss FinaFinaisis

440077

GloGlossássáriorio

447777

NestaNesta obraobra pretendemospretendemos dede formaforma simples,simples, comcom totaltotal
NestaNesta obraobra pretendemospretendemos dede formaforma simples,simples, comcom totaltotal

NestaNesta obraobra pretendemospretendemos dede formaforma simples,simples, comcom totaltotal transparência,transparência, remeterremeter oo LeitorLeitor IrmãoIrmão PlanetárioPlanetário àà compreen-compreen- sãosão dada etiologiaetiologia (causa)(causa) primevaprimeva dasdas doençasdoenças ee parapara iistosto vamosvamos fixarfixar nossanossa atençãoatenção nono homem,homem, nono doente,doente, queque éé aa ““caucau sasa ””dede

todastodas asas doenças.doenças.

NossaNossa assertivaassertiva podepode serser impactante;impactante; todavia,todavia, lendolendo oo li-li- vrvro,o, mmelelhoho rr enententen dederemrem osos oo axioaxiomama básicbásicoo dada MM eded icicininaa

Umbandística:Umbandística: oo HH omemomem éé aa causacausa dede todastodas asas dodoenças.enças. SeSe éé causacausa delasdelas,, nelenele enencontramcontram -se-se tambémtambém osos meimeiosospaparara neutralineutralizá-las.zá-las.

MuitosMuitos dede nossosnossos LeitoresLeitores ee mesmomesmo aquelesaqueles queque sese simpatizamsimpatizam comcom nossanossa visãovisão doutrináriadoutrinária —— aa propagadapropagada ppelaela EscolaEscola dede SínteseSíntese —— podempodem nãonão entenderentender oo porquêporquê dede esescre-cre- vermvermosos sobresobre asas doençdoençasas ee suasua curcura.a. AA esessesess IrmãosIrmãos ee aa todostodos osos interessadosinteressados emem nossanossa filosofiafilosofia ee mesmomesmo emem nossasnossas revrevelaçõeselações doutrinárias,doutrinárias, pedimospedimos especialespecial atençãoatenção aoao queque sese seguseguirá.irá. TodosTodos nósnós tivemostivemos umum início,início, umauma origem.origem. QuQualal origem,origem, qualqual início?início? ComoComo seresseres espirituaisespirituais tivemostivemos oo inícioinício existencialexistencial

S>a<ze.rc\o\e.,S>a<ze.rc\o\e., JV\agoJV\ago eeMMééddiiccoo

nono ReinoReino Natural,Natural, desdedesde quandoquando rodamosrodamos pelapela primeiraprimeira vezvez aa RodaRoda dodo Destino,Destino, oo KarmaKarma Constituído.Constituído. QuanQuantoto àà nossanossa essessênciaência espiritual,espiritual, nósnós emem espírespírito,ito, essaessa éé adimensionaladimensional (não(não estáestá afetaafeta aa local,local, espaçoespaço ouou ttamanho)amanho) ee atemporalatemporal (não(não éé regidaregida pelopelo tempo).tempo). IstoIsto é,é, nãonão esestátá emem lo-lo- calcal algum,algum, portantoportanto nãonão temtem manifestação;manifestação; nãonão está,está, nãonão é,é, “inexiste”“inexiste” nestanesta dimensão.dimensão. IssoIsso significasignifica que,que, sendsendoo aa Essên-Essên- ciacia espiritualespiritual imaterial,imaterial, nãonão haveráhaverá fimfim parapara oo EspEspírito,írito, as-as- simsim comocomo tambémtambém nãonão houvehouve início.início. QuandoQuando falamosfalamos emem inícioinício ouou fim,fim, nosnos referimosreferimos sempresempre aoao UniversoUniverso AstAstral,ral, rei-rei- nono dasdas realidadesrealidades transitórias.transitórias. NoNo ReinoReino VirginalVirginal nãonão háhá espaço/tempo;espaço/tempo; oo espíritoespírito éé aa únicaúnica realidade.realidade. PelosPelos motivosmotivos jájá discutidosdiscutidos emem nossasnossas outrasoutras obras,obras, interpenetramosinterpenetramos oo ReinoReino dada Energia,Energia, oo UniversoUniverso AstrAstral,al, emem suassuas diversasdiversas dimensõesdimensões ee densidades,densidades, ondeonde consubstconsubstanciamos,anciamos, manifestamonosmanifestamonos emem “veículos“veículos ouou organismos”organismos” dimensionais.dimensionais. OO SerSer EspiritualEspiritual EssencialEssencial —— adimensionaladimensional ee atemporatemporalal —— ,, porportantotanto imanifesto,imanifesto, pepenetranetra nono aspecaspectoto manifestomanifesto,, existeexisten-n- cialcial (dimensional(dimensional ee temporal).temporal). AíAí éé regidoregido porpor espaço/tempoespaço/tempo —— possuipossui existência,existência, poispois sese manifestamanifesta nana substânciasubstância (veículo(veículo dede manifestaçãomanifestação ouou existência).existência). FalamosFalamos atéaté aquiaqui dada metafísicametafísica umbandista,umbandista, levantandolevantando umum poucopouco dodo véuvéu queque cobrecobre aa Realidade,Realidade, cujacuja conquistaconquista éé oo interesseinteresse primordialprimordial dada iniciaçãoiniciação espiritual.espiritual. SãoSão discussõesdiscussões dede carátercaráter abstratoabstrato queque tocamtocam oo íntimoíntimo daqueledaquele queque busbuscaca aa neutralizaçãoneutralização dada ilusão,ilusão, dada dordor ee dodo sofrimento.sofrimento. MaisMais umauma vezvez podepode oo leitorleitor amigoamigo perguntarperguntar qualqual aa rela-rela- çãoção disdissoso tudotudo comcom aa UmbandUmbanda,a, comcom suasua ritualística,ritualística, conhecidaconhecida nosnos váriosvários templostemplos dodo BrasilBrasil ee dodo Mundo.Mundo. RespondemosRespondemos queque aa UmbandaUmbanda procuraprocura estabelecerestabelecer umum caminhocaminho queque vaivai dada formformaa maismais materialmaterial atéaté aa essêncessênciaia espiritespirituu

2222

QQ

\Umumsicldha\Umumsicldha lA^hcipicigkalA^hcipicigka KK

al.al. NNosos váriosvários templostemplos adaptamse,adaptamse, emem proporçõesproporções distintas,distintas, esessesess doisdois aspectos,aspectos, servindoservindo aoao graugrau dede amadurecimentoamadurecimento jájá alcança-alcança- dodo porpor aqueleaquele grupo.grupo. EmEm nossonosso templo,templo, nana OrdemOrdem IniciáticaIniciática dodo CruzeiroCruzeiro DiDi-- vinovino,, temtemosos comocomo propostaproposta filosóficfilosóficaa oo queque denominamosdenominamos Es-Es- colacola dede Síntese,Síntese, queque éé aa visãovisão nãodualistanãodualista dada Realidade.Realidade. PorPor esseesse motivomotivo temostemos váriasvárias formasformas dede rito,rito, reproduzindoreproduzindo aa mmar-ar- chacha dada UmbandaUmbanda dada formaforma àà essência.essência. EE claroclaro queque hojehoje temostemos aa possibilidadepossibilidade dede realizarrealizar umauma amostragemamostragem significativasignificativa dodo MovimentoMovimento UmbandistaUmbandista emem fun-fun- çãoção dede nossanossa experiênciaexperiência pessoal,pessoal, nessanessa vidavida ee emem ooutras.utras. ParaPara aa melhormelhor compreensãocompreensão dede SaceSacerdordotete,, MM agoago ee MédicoMédico —— CuraCura ee AutoAutocuracura UmUm bandistabandista,, respeitosamenterespeitosamente devassaremosdevassaremos asas cortinascortinas dodo tempotempo ee dodo espaçoespaço ondeonde nossonosso serser espiritualespiritual vvemem tecendotecendo oo panopano dede fundofundo existencialexistencial queque resultouresultou nana presentepresente encarnaçãoencarnação dessedesse SacerdoteSacerdote queque lheslhes escreve.escreve. MelhorMelhor entende-entende- remosremos oo porquêporquê dede aa UmbandaUmbanda interessarseinteressarse nãonão sósó pelaspelas doen-doen- ças,ças, masmas tambémtambém porpor suassuas causascausas e,e, principalmenteprincipalmente ppeloselos aspec-aspec- tostos dede curacura ee autocura.autocura. Esperamos,Esperamos, apresentadoapresentado esseesse resumoresumo biográfico,biográfico, exporexpor aa trajetóriatrajetória tambémtambém dada UmbandaUmbanda ee dede nossanossa tarefa,tarefa, deixandodeixando re-re- gistradogistrado parapara asas futurasfuturas geraçõesgerações aa históriahistória dede nosnossasa famíliafamília es-es- piritualpiritual,, queque sese dilatadilata aa cadacada diadia ee procuraprocura ssee solidarizarsolidarizar comcom todostodos osos irmãosirmãos planetáriosplanetários parapara queque vivamos,vivamos, enfim,enfim, umauma ffa-a- míliamília planetária,planetária, semsem nenhumnenhum tipotipo dede exclusão.exclusão. Sucintamente,Sucintamente, partiremospartiremos dede nossanossa reencarnaçãoreencarnação atualatual ee dela,dela, comcom totaltotal fidelidade,fidelidade, interpenetraremosinterpenetraremos outrosoutros tempotemposs emem váriasvárias plagplagasas planetárias.planetárias. EsperamosEsperamos queque oo LeLeitoitorr IrmãoIrmão PlaPla-- netárionetário melhormelhor entenda,entenda, porpor intermédiointermédio dede nossanossa saga,saga, oo amor,amor, oo respeitorespeito ee aa humildadehumildade aoao Sagrado,Sagrado, osos quaisquais nosnos aacompanhamcompanham nasnas váriasvárias existências,existências, ondeonde invariavelmenteinvariavelmente estivemosestivemos vivincula-ncula- dodoss aoao Sacerdócio,Sacerdócio, àà MagiaMagia SuperiorSuperior ee àà MedicinaMedicina (Cu(Curandeirorandeiro ouou Médico).Médico).

2323

S>ace-v'c\o\e.,S>ace-v'c\o\e., ]\Aago]\Aago eeAAAAééddiiccoo

AntAnteses dede explicarmosexplicarmos nossnossaa afinidadeafinidade desdedesde oo passpassadoado longínquolongínquo atéaté oo presentepresente pelopelo Sacerdócio,Sacerdócio, pelaspelas ArtesTeúrgicaArtesTeúrgicass ee pelapela Medicina,Medicina, façamosfaçamos esquematicamenteesquematicamente aa LinhaLinha dodo Tem-Tem- popo ee melhmelhoror entenderementenderemosos nossanossa odisséiaodisséia,, oraora nono planoplano astral,astral, oraora nono planoplano físico.físico.

LINHALINHA DODO TEMPOTEMPO

PASPASSADSADOO

<-------------------------------------------------><------------------------------------------------->

VIDAVIDA

PP RR EE GG RR EE SS SS AA

VIDAVIDA

AA SS TT RR AA LL II ZZ AA DD AA

VIDAVIDA

EE MM BB RR II OO NN ÁÁ RR II AA

PRESENTEPRESENTE

<<---------------------- >>

FUTURFUTUR OO

<<-------------------- >>

EXISTÊNCIAEXISTÊNCIA

VVIIDDAA

PP RR EE SS EE NN TT EE

AA SS TT RR AA LL II ZZ AA DD AA

MoMorterte

NascimentNascimentoo

MoMorterte

PorPor ora,ora, focalizemosfocalizemos nossosnossos estudosestudos ee conclusõesconclusões nono pperíerí-- odoodo dede tempotempo compreendidocompreendido dodo nascimentonascimento dada presentepresente exis-exis- tênciatência atéaté osos diasdias atuais.atuais. Todavia,Todavia, nãonão percamospercamos dede vistavista osos pe-pe- ríodosríodos dada vidavida intrauterina,intrauterina, dada vidavida astralizadaastralizada ee dada vidavida pregressapregressa (o(o esquemaesquema dada LinLinhaha dodo TempoTempo éé cíclico,cíclico, rítmico,rítmico, repetindose,repetindose, podendopodendo remeternosremeternos aoao inícioinício dede nossnossaa históriahistória planetária).planetária).

AA RROODDAA DODO TETE MMPOPO

F/PF/P (Ausência(Ausência dede DualidaDualidade)de)

(P)(P) PassadoPassado (Inconsciente)(Inconsciente) (Pr)(Pr) PresentPresentee (Consc(Consciente)iente) (F)(F) FutuFuturoro (Supra-C(Supra-Consciente)onsciente)

PrPr

2424

^^aammuummssiiddddkkoo AA rrkkaapp iiaaggkkaa

$$

NaNa dependênciadependência dada evoluçãoevolução ouou dodo graugrau consciencialconsciencial temtem oo indivíduoindivíduo maiormaior ouou menormenor consciênciaconsciência dosdos períodosperíodos citados,citados, emboraembora tambémtambém recebareceba asas influênciasinfluências destasdestas fases.fases. AlgAlgununss médiunsmédiuns têmtêm comocomo acréscimoacréscimo kármico,kármico, visandovisando melhormelhor serviremservirem aosaos necessitados,necessitados, acessoacesso aa ssuasuas vivênvivên ciascias passa-passa- dasdas ee mm esmoesmo aa vidvid asas passadpassadas,as, semsem nenhumnenhum danodano àà consciênciaconsciência (estado(estado superiorsuperior dede consciência)consciência) ouou aoao psicossomatismo,psicossomatismo, poispois estasestas sãosão percebidaspercebidas viavia DimensãoMediunidadeDimensãoMediunidade ee nãonão porpor pro-pro- cessoscessos antinaturais.antinaturais. (DimensãoMediunidade:(DimensãoMediunidade: penetrapenetrarr nana Li-Li- nhanha dodo Tempo,Tempo, trazendotrazendo informaçõesinformações fidedignasfidedignas dasdas épocasépocas emem estudoestudo ouou queque sese deseja.deseja. EE umauma clarividênciavivênciaclarividênciavivência queque pe-pe- netranetra nono espaço/tempo).espaço/tempo). NesteNeste excertoexcerto entraremosentraremos diretodireto emem nossanossa presentepresente exis-exis- tência,tência, queque teveteve inícioinício nono finalfinal dada décadadécada dede quarenta,quarenta, avançan-avançan- dodo parapara oo primeiroprimeiro anoano dada décadadécada dede 5050 dodo séculoséculo passadopassado (séc.XX);(séc.XX); nono adendoadendo constanteconstante nono finalfinal dodo livrolivro (excerto(excerto ffinal)inal) entraremosentraremos emem nossasnossas reminiscênciasreminiscências dodo passadopassado próxpróximoimo ee lon-lon- gínquo.gínquo. EsperamosEsperamos assimassim demonstrardemonstrar oo motivomotivo dede háhá muitamuitass exis-exis- tênciastências estarmosestarmos diretamentediretamente ligadosligados comcom oo Sacerdócio,Sacerdócio, ccomom aa MagiaMagia ouou TeurgiaTeurgia ee comcom aa MedicinaMedicina (cura(cura dasdas mazelasmazelas dodo cocor-r- popo físicofísico densodenso ee sutil).sutil). QuandoQuando estávamosestávamos emem viasvias dede voltarvoltar aa habitarhabitar umum corpocorpo físico,físico, haviahavia poucospoucos anosanos queque oo planetaplaneta saírasaíra dede umauma tormentostormentosaa ee vergonhosavergonhosa guerraguerra fratricidafratricida (Segunda(Segunda GueGuerrarra MundialMundial),), comcom danososdanosos agravagravosos ee embarembaraçosaços kármicoskármicos parapara aa ComunidadeComunidade PlPla-a- netária.netária. SobSob osos impactosimpactos desastrososdesastrosos dada miséria,miséria, dada dor,dor, dede sofri-sofri- mentosmentos atrozesatrozes ee dada desolação,desolação, haveríahavería oo inícioinício dada reconstreconstruçãorução dede umum mundomundo novo,novo, dede umauma novanova humanidade,humanidade, ondeonde auguravaaugurava sese nãonão maismais seremserem deflagradasdeflagradas ignominiosasignominiosas guerras.guerras. HouveHouve ee aindaainda háhá umauma tentativatentativa dede mudançamudança dede valores,valores, mobilizandomobilizando osos

2525

SaSa cc ee rdrd oo ttee,,J\AagoJ\Aago eejSAédicojSAédico

cidadãoscidadãos planetáriosplanetários parapara mantermanter oo planeta,planeta, seuseu ambieambiente,nte, poispois sese oo mesmomesmo forfor agredidoagredido comocomo vemvem sendo,sendo, comcom explosõesexplosões nu-nu- cleares,cleares, desmatamentos,desmatamentos, alteraçõesalterações significativassignificativas dada camadacamada dede ozônio,ozônio, comcom gravesgraves repercussõesrepercussões sobresobre aa continuaçãocontinuação dada vida,vida, aa mesmamesma estaráestará seriamenteseriamente comprometidacomprometida emem futurofuturo nãonão tãtãoo dis-dis- tante.tante.

AtuAtualmalmenteente,, emboemborara guerrasguerras aindaainda sejamsejam deflagradasdeflagradas (o(o queque éé inadmissívelinadmissível parapara oo ““homehomemm civilizado”;civilizado”; seráserá mesmomesmo civicivi-- lizado?),lizado?), háhá umauma conscientizaçãoconscientização dosdos danosdanos aoao planeplanetata ee àà hu-hu- manidade.manidade. TTantoanto istoisto éé verídicoverídico queque oo desarmamendesarmamentoto dasdas ““gragran-n- desdes potências”potências” mundiaismundiais éé umauma constanteconstante preocupaçãopreocupação dada ONU,ONU, principprincipalmealmentente nono queque sese refererefere aoao arsenalarsenal dede armasarmas atômicas,atômicas, químicasquímicas ee biológicas.biológicas. AnAntestes dada Perestroika,Perestroika, dada quedaqueda dodo muromuro dede BerBerlim,lim, oo mundomundo estavaestava sempresempre emem alerta,alerta, temerosotemeroso dede umauma guerraguerra nnu-u- clearclear desencadeadadesencadeada pelospelos desentendimentosdesentendimentos entreentre osos EUEUAA ee aa entãoentão UniãoUnião Soviética,Soviética, ouou entreentre oo CapitalismoCapitalismo ee oo CComunis-omunis- mo.mo.

NaNa atualidade,atualidade, séculoséculo XXI,XXI, talveztalvez nãonão hajahaja maismais oo perigoperigo iminenteiminente dede umauma guerraguerra nuclear,nuclear, poispois nãonão háhá maismais aa UniUniãoão So-So- viéticviéticaa ee conseqüenconseqüentementetemente oo ComunisComunismo.mo. Porém,Porém, háhá oo CaCa pipi-- talismotalismo vorazvoraz ee desumanodesumano queque fazfaz vassalos,vassalos, traztraz misérimisérias,as, iniini qüidadesqüidades ee desigualdadesdesigualdades sociais,sociais, políticas,políticas, econômeconômicas,icas, cultu-cultu- raisrais ee étnicas,étnicas, fomentandofomentando osos conflitosconflitos geradoresgeradores dede vviolênciasiolências várias.várias.

PorPor suasua vez,vez, oo socialismosocialismo estáestá cadacada vezvez maismais frágil,frágil, poispois oo poderpoder emanaemana dada polítipolíticaca econôeconômicamica emem queque sãsãoo privilegiadasprivilegiadas aass oligarquias,oligarquias, aa globalizaçãoglobalização dada miséria.miséria. HáHá poucospoucos ricoricoss (con-(con- centraçãocentração dede riquezas)riquezas) ee muitosmuitos miseráveismiseráveis (concentraçã(concentraçãoo dede pobreza),pobreza), conseqüênciaconseqüência diretadireta dede formasformas dede governogoverno queque nãonão interferem,interferem, porpor poucopouco queque seja,seja, nana economia,economia, produzindoproduzindo con-con- centraçãocentração ouou reservareserva dede mercadosmercados queque nãonão permitempermitem aa livrelivre circir

2626

\!an\un\s\ddU.a\!an\un\s\ddU.a yy WW hh aa pp iiaa gg kk aa

$$

culaçãoculação dede capitaiscapitais ee mercadorias,mercadorias, oo mínimomínimo queque poderipoderiaa sese es-es- peperarrar parparaa umauma humhumanidanidadeade maismais jujustasta ee frafraterternana,, ondeonde oo cooperativismocooperativismo sobrepujassesobrepujasse aa competição.competição. MesmoMesmo queque houvessehouvesse competição,competição, queque sese dispensassemdispensassem reservasreservas parapara oo social,social, teríamosteríamos umum “capitalismo“capitalismo sosocializado”cializado” ouou maismais humano,humano, queque nãonão dedesprezassprezassese oo SagradoSagrado —— pontpontoo dede equi-equi- líbriolíbrio ee convergênciaconvergência entreentre oo capitalismocapitalismo ee socialismosocialismo,, queque de-de- nominamosnominamos cooperativismocooperativismo sinárquico,sinárquico, istoisto é,é, oo governgovernoo queque emanaemana dodo povopovo sagrado,sagrado, sendosendo todostodos osos homens,homens, paísespaíses,, conti-conti- nentesnentes ee povospovos sagrados.sagrados. HaveremosHaveremos dede preservarpreservar osos mananciaismananciais dodo mundo,mundo, prin-prin- cipalmentecipalmente asas fontesfontes dede águaágua potávelpotável ee tambémtambém nossonossoss mares,mares, nossasnossas florestas.florestas. NoNo casocaso específicoespecífico dodo BrasilBrasil essesesses investimen-investimen- tostos trariamtrariam recursosrecursos diversosdiversos parapara seremserem aplicadosaplicados nono socisocial,al, prodproduzinuzindodo trabalho,trabalho, havendohavendo trabalhadores,trabalhadores, poispois certamentecertamente diminuirseiadiminuirseia oo êxodoêxodo rural,rural, invertendoseinvertendose naturalnaturalmentemente esteeste fluxo.fluxo.

AA inversãoinversão dodo fluxofluxo (então(então dada cidadecidade parapara oo campo)campo) cria-cria- riaria trabalhotrabalho nono campocampo comcom justiçajustiça social,social, podendopodendo estestarar aíaí aa quedaqueda dramáticadramática dada guerrilhaguerrilha urbana,urbana, dada guerraguerra civilcivil nãonão decla-decla- radarada e,e, principalmente,principalmente, dada fomefome ee dada morte.morte. ParaPara taltal eveventoento re-re- dentodentorr acontecer,acontecer, pprecisrecisamosamos contarcontar comcom aa boavontadeboavontade dede nossnossaa plutoplutocraciacracia desaliandodesaliandosese dosdos modelosmodelos imperialistasimperialistas queque nosnos impõemimpõem outrosoutros paísespaíses —— tudotudo sobsob nossanossa aquiescência.aquiescência. TudoTudo istoisto aconteceacontece poispois nãonão pensamospensamos nono próximo,próximo, nana interdependênciainterdependência ee muitomuito menosmenos nono fatofato dede queque somossomos transitórios,transitórios, mortais.mortais. Sim,Sim, quemquem nascenasce (talvez(talvez porpor istoisto chore-chore- mosmos quandoquando nascemos)nascemos) cedocedo ouou tardetarde morre.morre. SóSó nãonão momorrerre quemquem nãonão nasce.nasce. NãoNão sendosendo niilistaniilista ee nemnem reverenciandoreverenciando ooss existencialistas,existencialistas, nãonão podemospodemos negarnegar queque agimosagimos comocomo sese nuncanunca fôssemosfôssemos morrer,morrer, nemnem cogitamoscogitamos sese vivemosvivemos bem,bem, sese morremorrere-re- mosmos bem.bem. ConContudo,tudo, casocaso hajahaja vidavida pósmopósmorte,rte, comocomo serseria?ia? NãoNão

2727

SSaacceerrddoottee//hAagohAago ee MMééddiiccoo

seriaseria dede acordoacordo comcom nossanossa cconduta,onduta, principprincipalmentealmente comcom nossosnossos

então?

semelhantes?semelhantes? EE então?

DesdenhamosDesdenhamos dada interdependência,interdependência, quandoquando nãonão aa olvi-olvi- damosdamos completamente.completamente. SomosSomos renitentes,renitentes, revéisrevéis àsàs LeLeisis dodo

UniversoUniverso queque afirmam:afirmam: enquantoenquanto houhou verver alguémalguém sofsofrendo,rendo, umum in-in- divídudivíduoo queque sseja,eja, aa papazz ee aa felicidfelicidadadee dede ninguémninguém seráserá complcompletaeta

PrecisamosPrecisamos urgentementeurgentemente irir atrásatrás destasdestas verdades,verdades, aantesntes queque elaselas venhamvenham atrásatrás dede nósnós desnudandodesnudando nossonosso egoísmo,egoísmo, vergastandovergastando nossanossa vaidade.vaidade. Antes,Antes, porém,porém, reavaliemosreavaliemos condutas,condutas, sigamossigamos nossasnossas vidasvidas comocomo quisermos,quisermos, masmas nãonão nosnos distanciemdistanciemosos dodo

SagrSagradoado aa EspiriEspiritualitualidadedade UU niversalniversal inerenteinerente aa todotodo serser humhum a-a- nono,, vvivivenen tete emem seuseu intinterioerior.r.

ApApósós esestastas ilaçõilações,es, queque reflrefletemetem nossanossa posiçãoposição ee visãovisão nono âmbitoâmbito social,social, econômicoeconômico ee político,político, retornemosretornemos aoao tematema cen-cen- traltral queque muitomuito temtem aa verver comcom curacura ee autocura.autocura. ComCom aa tarefatarefa dede vencervencer aa guerraguerra ee banirbanir definitivamedefinitivamentente osos sofrimentos,sofrimentos, asas doresdores ee aa mortemorte éé queque emem todostodos ooss quadrantesquadrantes dodo planetaplaneta encarnaramencarnaram ee encarnamencarnam espíritosespíritos comcom senssensoo dede unun i-i- versalidadeversalidade,, parapara atuaratuar nasnas Religiões,Religiões, restaurandoas,restaurandoas, fazendofazendo asas conviverconviver pacificamente,pacificamente, semsem excluirexcluir ee nemnem sese concontraportrapor àsàs Filosofias,Filosofias, àsàs CiênciasCiências ee àsàs Artes.Artes. EssesEsses missionárimissionáriosos estãoestão tra-tra- balhandobalhando semsem alardealarde ee comcom denododenodo têmtêm procuradoprocurado derrderrubarubar asas barreirasbarreiras ee tabustabus queque separamseparam osos homens,homens, comocomo sese osos homenshomens fossemfossem realmenterealmente diferentesdiferentes entreentre sisi EnsinamEnsinam osos vanguardeirosvanguardeiros

dodo amanhãamanhã queque devemosdevemos pp aa uu ttaa rrmm oonn ooss pp eellaa ss ssemem elelhhaannçaça ss,, qquuee

superamsuperam asas difdiferenças.erenças. EssesEsses SeresSeres Espirituais,Espirituais, missionáriosmissionários anô-anô- nimos,nimos, tiveramtiveram experiênciasexperiências emem váriosvários setoressetores FilosFilosóficoRelióficoReli giosos,giosos, CientíficosCientíficos ee Artísticos,Artísticos, conquistandoconquistando aa vivisãosão uu niversalniversal

dodo SagradoSagrado,,passandopassando aa trabalhartrabalharpporor suasua difusãodifusão emem todostodos osos sesetortores,es, nãonão sósó religioreligioso,so, popoisis oo SagradoSagrado ppodod ee eestarstar nana FilosofiFilosofia,a, nana ArtArte,e, nana CiênciaCiência ouou mmesmoesmofoforara dedelalas,s, alémalém dedelaslas NãoNão afirmamafirmamosos queque nãonão estejaesteja nelnelasas,, masmasppododee esestatar,r, seserr enconencontradotradofoforraa dedelaslas

2828

^am^amunisiunisidddd kaka jjAAii»h»hapap iagiag kaka

$$

^am^amunisiunisidddd kaka jjAAii»h»hapap iagiag kaka $$ ,, DepoisDepois destasdestas considerações,considerações,
^am^amunisiunisidddd kaka jjAAii»h»hapap iagiag kaka $$ ,, DepoisDepois destasdestas considerações,considerações,
^am^amunisiunisidddd kaka jjAAii»h»hapap iagiag kaka $$ ,, DepoisDepois destasdestas considerações,considerações,

,,

^am^amunisiunisidddd kaka jjAAii»h»hapap iagiag kaka $$ ,, DepoisDepois destasdestas considerações,considerações,

DepoisDepois destasdestas considerações,considerações, queque acreditamosacreditamos merecemerecerr serser discutidasdiscutidas amplamente,amplamente, penetremospenetremos sucintamentesucintamente nasnas váriasvárias fasesfases dede nossanossa presentepresente reencarnaçãoreencarnação ee melhormelhor entenentenderemosderemos osos motivosmotivos dede sermsermosos SacerdoteSacerdote dede Umbanda,Umbanda, MestrMestree TântricoTântrico (Grau(Grau SuperiorSuperior dede MagoMago poispois fazfaz aa conexãoconexão entreentre oo SSacerdote,acerdote, oo MagoMago ee oo Médico)Médico) ee SacerdoteSacerdote dede AsclépioAsclépio (médico)(médico) PenetremosPenetremos respeitosamenterespeitosamente nono portalportal dodo Tempo,Tempo, inicinici-i- andoando pelapela nossanossa existênciaexistência presente,presente, deixandodeixando parapara oo excertoexcerto finalfinal asas reminiscênciasreminiscências dede nossasnossas existênciasexistências passapassadas,das, ondeonde explicitaremosexplicitaremos nossanossa ligaçãoligação indestrutívelindestrutível comcom aa TraTradiçãodição dede Síntese,Síntese, ondeonde oo Sacerdote,Sacerdote, oo MagoMago ee oo MédicoMédico erameram ee sãosão aa mesmamesma pessoa.pessoa.

MasMas agora,agora, visandovisando oo entendimenentendimentoto dodo realreal encadeamencadeamentoento dodo ontemontem comcom oo hoje,hoje, dissertemos,dissertemos, observandoobservando cronolcronologica-ogica- mentemente asas fasesfases dodo destino,destino, emem queque ficafica patenteadopatenteado oo compro-compro- missomisso dede sermos,sermos, assimassim comocomo muitos,muitos, divulgadordivulgador ee guarguardiãodião dodo Sagrado.Sagrado.

''

IIaa FasFasee  dodo nascimentnascimentoo aoaoss 44 anosanos JJ

DoDo nascimentonascimento (1950)(1950) aosaos quatroquatro anos,anos, éé dignodigno dede notnotaa afirmarafirmar queque nascinasci nono mêsmês sete,sete, àà meianoite,meianoite, comcom peperfeitarfeita saúdesaúde e,e, segundosegundo meusmeus pais,pais, sobsob osos influxosinfluxos dede exuberanteexuberante plenilúnio.plenilúnio. NasciNasci emem famíliafamília dede “classe“classe média”,média”, sobsob oo desvelodesvelo aamoro-moro- soso dede paispais ee familiares,familiares, amparadoamparado porpor vibraçõesvibrações ausauspiciosaspiciosas dede MestresMestres AstralizadosAstralizados Superiores,Superiores, segundosegundo asas prediçõeprediçõess feitasfeitas aa

2929

S>o.c.e.v-Áo\e.,S>o.c.e.v-Áo\e., AA áá aa gg oo ee MM éé dd ii cc oo

meusmeus paispais pelopelo Sr.Sr. Mirabelli,Mirabelli, espiritualistaespiritualista conceituaconceituadodo ee pa-pa- renterente dede meumeu avôavô materno.materno. MeusMeus familiares,familiares, principalmenteprincipalmente meusmeus pais,pais, erameram simpa-simpa- tizantestizantes dada “Umbanda”,“Umbanda”, maismais precisamenteprecisamente dodo CultoCulto dede NaçãoNação AfrAfricaicano,no, algoalgo queque alhuresalhures explicarei.explicarei. OsOs familiaresfamiliares maternos,maternos, tiostios ee tias,tias, erameram respeitáveisrespeitáveis diri-diri- gentesgentes espíritasespíritas (kardecistas),(kardecistas), nasnas erroneamenteerroneamente denomdenominadasinadas “mesas“mesas brancas”.brancas”. MalMal denominadas,denominadas, poispois sese háhá aa brancabranca éé por-por- queque háhá aa negra.negra. EE qualqual oo motivomotivo dede diferenciálas?diferenciálas? SeSeriaria devidodevido aoao preconceitopreconceito dosdos cultoscultos oriundosoriundos dosdos africanos?africanos? OuOu pporor causacausa dede oo negronegro nãonão poderpoder freqüentarfreqüentar (naqueles(naqueles idosidos temptempos)os) aa famigeradafamigerada “mesa“mesa branca”?branca”? EmEm qualquerqualquer dosdos doisdois ouou mmesmoesmo nosnos doisdois motivosmotivos apresentadosapresentados jájá estavaestava caracterizadocaracterizado oo racis-racis-

espirítico

momo espirítico

Sinceramente,Sinceramente, prefeririapreferiria estarestar erradoerrado emem meumeu juízjuízoo sobsobrere oo tema;tema; apesarapesar dede tudo,tudo, gostariagostaria dede renderrender homenagenshomenagens aaosos tiostios dede minhaminha mãe,mãe, principalmenteprincipalmente àà tiatia AngélicaAngélica TerniTerni BBergamoergamo ee aoao tiotio AntônioAntônio Bergamo,Bergamo, inclusiveinclusive aoao Sr.Sr. FernandoFernando TerniTerni (pai(pai dada tiatia Angélica)Angélica) queque dirigia,dirigia, nana época,época, umum CentroCentro EspEspíritaírita nana RuaRua Catumbi,Catumbi, nono Canindé,Canindé, emem SãoSão Paulo.Paulo. HáHá muitomuito tempotempo nãonão vejovejo aa queridaquerida “tia“tia Angélica”,Angélica”, hohojeje comcom maismais dede 8585 anos,anos, sendosendo assíduaassídua trabalhadoratrabalhadora ee médmédiumium dodo ““NúcleoNúcleo PazPaz ee AmAmoror emem Jesus”,Jesus”, nono TatuTatuapé.apé. AA elaela ee aa todostodos dessadessa saudosasaudosa época,época, nossasnossas maismais puraspuras vibraçõesvibrações dede paz!paz! QuantoQuanto aosaos familiaresfamiliares paternos,paternos, oo irmãoirmão dede meumeu paipai (t(tioio Paco)Paco) ee seuseu cunhadocunhado (tio(tio Ernesto)Ernesto) erameram prosélitosprosélitos dodo CCultoulto dede NaçãoNação Africano.Africano. ErnestoErnesto dede XangôXangô eraera umum babalorixábabalorixá concei-concei- tuadotuado dada NaçãoNação KêtoKêto (Yorubá(Yorubá ouou Nagô),Nagô), sendosendo queque comcom ele,ele, comocomo veremosveremos nasnas linhaslinhas queque sese seguirão,seguirão, “aprendi”“aprendi” osos “awôs”“awôs” dodo axé,axé, dasdas “comidas“comidas dede santo”santo” (o(o ajeum,ajeum, comocomo eleele ddizia),izia), comocomo preparápreparálaslas parapara dadarr nono ossosséé semanal,semanal, osos rituaisrituais dede padê;padê; oo xirêxirê e,e, principalmente,principalmente, oo boribori queque antecediaantecedia aa feitura;feitura; osos ebósebós aa exu;exu;

3030

VorVornwninwnisisiddkcddkcii .A.Arkrkapap iagiag kaka

$$

asas qualidadesqualidades dede exuexu (ólobé,(ólobé, elebó,elebó,jelújelú,, alaketo,alaketo, enugbarijóenugbarijó,, lonanlonan ee outros);outros); oo erindilogumerindilogum ee oo opeleifá,opeleifá, aa alubaçaalubaça ((alubosaalubosa =ce-=ce- bola);bola); comocomo partirpartir (cortar)(cortar) oo obíobí parapara oo jogo;jogo; comocomo usálousálo nono boribori etc.etc. PorPor tudotudo issoisso ee maismais soulhesoulhe muitomuito grato,grato, poispois mnemonicamentemnemonicamente despertoudespertou emem mimmim osos fundamentosfundamentos queque eueu aprenderaaprendera ee vivenciaravivenciara numnum passadopassado distante,distante, emem ÁfrÁfrica,ica, ondeonde forforaa umum humildhumildee BabalawôBabalawô realreal cujacuja didijinajina eraera II fafa t’t’oshoosho MM etalafietalafi

Isto,Isto, fiqueifiquei sabendosabendo maismais tarde,tarde, masmas citocito parapara

todostodos entenderementenderem oo porquêporquê dede meusmeus pais,pais, nosnos primeirprimeirosos quatroquatro anosanos dede minhaminha vida,vida, levaremmelevaremme aoao Candomblé,Candomblé, aoao IlêIlê dodo tiotio ErnestoErnesto dede XangôXangô (tivera(tivera laçoslaços profundosprofundos comcom oo CultCultoo dosdos Orixás).Orixás). NaNa realidade,realidade, conhecioconhecio profundamenteprofundamente dede meusmeus 99 aa 1122 anosanos dede idade,idade, algoalgo queque relataremosrelataremos quandoquando discorrediscorrermosrmos sobresobre estaesta fase.fase.

AAlalabábá OOgugu nnjájá

——

22aa FaseFase  dosdos 55 aosaos 99 anosanos

VV

NãoNão saberiasaberia explicarexplicar (talvez(talvez porpor influênciainfluência dodo irmãirmãoo dede minhaminha mãe,mãe, oo Sr.Sr. OlivérioOlivério Bontempi,Bontempi, nana épocaépoca diretodiretorr dodo cen-cen- tro)tro) aa razãorazão dede meusmeus paispais naquelenaquele tempotempo freqüentarefreqüentaremm tam-tam- bém,bém, ee dede formaforma atéaté assídua,assídua, oo CentroCentro EspíritaEspírita UbirUbiratanatan nana RuaRua Ipanema,Ipanema, nono Brás.Brás. EraEra umum templotemplo espíritaespírita dirigidirigidodo pelopelo médiummédium Sr.Sr. Romualdo,Romualdo, queque soubesoube muitomuito depoisdepois serser funfuncionáriocionário dada antigaantiga CentralCentral dodo Brasil,Brasil, tendotendo sese radicadoradicado emem SSãoão PauloPaulo oriundooriundo dodo RioRio dede Janeiro.Janeiro. OO Sr.Sr. Romualdo,Romualdo, aa quemquem mmuitouito res-res- peitava,peitava, eraera umum senhorsenhor dede unsuns 6060 anosanos dede idade.idade. HojeHoje tenhotenho consciênciaconsciência queque oo centrocentro tinhatinha fortesfortes influênciasinfluências ddee Umbanda,Umbanda, poispois quemquem “b“baixava”aixava”eraera oo espíritoespírito queque davadava oo nomenome dede Ubiratan,Ubiratan, expressandoseexpressandose dede formaforma simples,simples, comcom umum sotaquesotaque própróprioprio dosdos indígenasindígenas brasileirosbrasileiros (será?),(será?), sendosendo oo dirigentedirigente esespiritualpiritual dosdos trabalhostrabalhos lálá desenvolvidos.desenvolvidos.

3131

Sacerdote^Sacerdote^ .Meigo.Meigo ee AâédicoAâédico

NãoNão possoposso meme esqueceresquecer que,que, emboraembora nana épocaépoca freqüenfreqüen tássemostássemos maismais assiduamenteassiduamente oo C.E.U.C.E.U. (Centro(Centro EspíritEspíritaa Ubiratan),Ubiratan), nãonão deixamosdeixamos dede pelopelo menosmenos umauma vezvez porpor mmêsês irir aoao IlêIlê ouou RoçaRoça dodo tiotio Ernesto,Ernesto, ondeonde nessanessa épocaépoca ensinaensinavammevamme algunsalguns toquestoques nosnos ilusilus (atabaques),(atabaques), comcom osos cânticoscânticos sagradossagrados ee umauma sériesérie muitomuito grandegrande dede orikisorikis (atributos(atributos ouou louvlouvoresores aosaos Orishás)Orishás) ee dançasdanças sagradas.sagradas. QueQue saudades!saudades! QuandoQuando completaracompletara novenove anos,anos, jájá acostumadoacostumado ee gostangostan-- dodo dada práxispráxis dodo CultoCulto dede Nação,Nação, ondeonde participavaparticipava atativamenteivamente segundosegundo minhasminhas possibilidadespossibilidades (as(as dosdos 99 anos),anos), eleele resolveuresolveu “le-“le- vanvantartar”” meumeu Eledá,Eledá, OlOloriori,, ElemElemii ee oo Bará,Bará, ee oo fezfez comcom oo OpelêOpelê Ifá,Ifá, dodo qualqual sese orgulhava,orgulhava, lembromelembrome bem,bem, poispois dizidiziaa serser umum dosdos únicúnicosos aa sabesaberr aa adivinhaçãoadivinhação pelopelo OpelêOpelê IfIfáá —— oo RosáRosáriorio dede Ifá,Ifá, gabandosegabandose porpor sabersaber dede corcor muitosmuitos odusodus ee suassuas historietas,historietas, osos itanifáitanifá queque pacientementepacientemente meme contavacontava ee meme explicexplicava.ava. Em-Em- borabora tendotendo novenove anos,anos, acreditemacreditem ouou não,não, eueu entendiaentendia tudo,tudo, nadanada meme pareciaparecia novo,novo, éé comocomo sese eueu estivesseestivesse revendorevendo algalgo,o, sabiasabia queque tinhatinha aquiloaquilo dentrodentro dede mim.mim. LembLembromerome perfeitamenteperfeitamente queque numanuma manhã,manhã, oouu melhor,melhor, aoao meiodia,meiodia, aoao somsom dodo cantocanto dodo galogalo muitasmuitas vezesvezes rrepetido,epetido, ouviouvi deledele algumasalgumas palavraspalavras mágicasmágicas (ofás)(ofás) queque tambétambémm nãonão meme erameram estranhas,estranhas, ee eleele deudeu inícioinício aoao “levantamento”“levantamento” dede meumeu oduodu pessoalpessoal queque nãonão possoposso revelar.revelar. MaMass posspossoo dizerdizer queque eleele vvaticaticii nounou serser eeuu filhofilho dede Ogum,Ogum, umauma qualidadequalidade interessanteinteressante dede OgumOgum ee OxaguiãOxaguiã (Oxalá(Oxalá novo).novo). CantouCantou (korin)(korin) ee dançoudançou (jo)(jo) alegremente,alegremente, comocomo sempsempre,re, juntamentejuntamente comcom suassuas ebamisebamis ee iaosiaos ee muitasmuitas abiãs,abiãs, aalgumaslgumas ekedisekedis ee dada YanáYaná d’Ogumd’Ogum queque eraera suasua SidagãSidagã (aquela(aquela queque saíasaía comcom oo padepade ee ebó,ebó, parapara dardar omi,omi, otioti ee outrasoutras coisascoisas parapara Exu).Exu). ConheciConheci seusseus axogunsaxoguns (aqueles(aqueles queque sacrificavamsacrificavam osos aanimaisnimais dede duasduas ouou quatroquatro patas).patas). TambémTambém nãonão possoposso meme esqueceresquecer dada YabYabassêassê DofDofma,ma, umauma morenmoreninhainha muitomuito generosa,generosa, comcom aa qualqual

3232

TamuniTamunisisiclcldkadka AA rkrk apap iagiag hh aa

$$

aprendíaprendí algunsalguns dosdos segsegredosredos dada ““ComComidaida Ritualística”,Ritualística”, oo ““MM anan -- jarjar dosdos Deuses”.Deuses”. TenhoTenho muitomuito respeito,respeito, carinhocarinho ee gratidgratidãoão porpor todostodos ee principalmenteprincipalmente porpor ele,ele, oo queridoquerido tiotio ErnestoErnesto ccomoomo oo chamávamos.chamávamos. MoMo JubaJuba OlugbonOlugbon Ernesto.Ernesto.

// ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

33aa FaseFase  dosdos 99 aoaoss 1122 anoanoss

VV

OO Sr.Sr. Romualdo,Romualdo, dodo CentroCentro EspíritaEspírita Ubiratan,Ubiratan, diziadizia aa meusmeus paispais queque eueu eraera médiummédium dede Umbanda,Umbanda, nãonão adiantanadiantandodo eleseles meme levaremlevarem aa outrosoutros “centros”,“centros”, poispois eueu tinhatinha vvindoindo comcom compromissoscompromissos seríssimosseríssimos nana Umbanda,Umbanda, tudotudo planejadoplanejado cocomm aa aquiescênciaaquiescência dede sapientíssimossapientíssimos mentoresmentores espirituais.espirituais. IstoIsto tudotudo aconteceriaaconteceria nana horahora certa;certa; assim,assim, orientouorientou meusmeus paispais ququee meme levassemlevassem aa umauma TendaTenda dede Umbanda,Umbanda, poispois mminhainha tartarefaefa seriaseria porpor lá,lá, segundsegundoo ele,ele, comcom oo papassarssar dodo tempotempo eueu iriairia ttornornáLáLaa conhconhe-e- cidacida ee reconhecida,reconhecida, poispois dede háhá muitomuito eueu haviahavia sidosido ppreparadoreparado “pelo“pelo mundomundo espiritual”espiritual” parapara aa tarefa.tarefa. NãoNão meme pediupediu parapara nãonão irir àà roçaroça dodo tiotio Ernesto,Ernesto, oo mesmomesmo acontecendoacontecendo quantoquanto aoao seuseu centro.centro. DisseDisse simsim queque podepoderiaria irir ondeonde quisesse,quisesse, todavia,todavia, minhaminha missãomissão seriaseria nana UmbanUmbandada ee queque antesantes dosdos vintevinte anosanos eueu estariaestaria nono comandocomando dede umauma TeTendanda dede UmbandaUmbanda ee mais,mais, queque eleele meme viavia escrevendoescrevendo váriasvárias obraobras.s. VatiVati cinoucinou queque nono momentomomento previstoprevisto pelopelo mundomundo espiritualespiritual eeuu coco nhecerianheceria umum médiummédium (era(era MestreMestre mesmo)mesmo) queque meme dariadaria aa InIni-i- ciação,ciação, taltal qualqual eueu fizerafizera numnum passadopassado distante,distante, emem outrasoutras ter-ter- ras,ras, emem outrooutro setorsetor filosóficoreligioso.filosóficoreligioso. AntesAntes porporém,ém, eueu teria,teria, comocomo nono passadopassado (em(em outrasoutras vidas),vidas), dede conhecerconhecer todostodos osos as-as- pectospectos dede UmbanUmbanda,da, desdedesde osos maismais simplesimpless aosaos maismais compcomple-le- xos,xos, comcom osos devidosdevidos Mestres.Mestres. EmboraEmbora nãonão oo tenhatenha dito,dito, quisquis dizermedizerme queque nãonão desde-desde- nhassenhasse dede nada,nada, dede ninguémninguém ee que,que, parapara aprenderaprender ouou mesmomesmo

3333

SS aa cc ee rr dd oo ii ee

//

JJ \\AA aa gg oo

ee

]] \\AA éé dd ii cc oo

reaprenderreaprender,, teriateria dede tterer humildade,humildade, serser pacpaciente,iente, poispois aprenderiaaprenderia desdedesde osos aspectosaspectos míticos,míticos, étnicos,étnicos, culturais,culturais, sincsincréticosréticos (que(que atendematendem àsàs necessidadesnecessidades kármicaskármicas regionaisregionais ouou supersuperficiais),ficiais), oo queque realmenterealmente aconteceu,aconteceu, começandocomeçando pelospelos ensinamentensinamentosos ím-ím- pareparess dodo ErnestoErnesto dede XangôXangô MasMas quandoquando eleele dissedisse queque nono futurofuturo seriaseria iniciado,iniciado, queque entenderíaentendería aa UmbandaUmbanda emem seusseus aspectosaspectos universais,universais, eessenciais,ssenciais, queque teriateria impoimportânciartância capitalcapital nana difusãodifusão dela,dela, confesconfessoso queque ouviouvi atentamenteatentamente ee guardeiguardei emem meumeu interior,interior, poispois nana épocépocaa oo queque queriaqueria mesmomesmo eraera estarestar nono CandombléCandomblé dodo tiotio ErnestoErnesto ((ObáObá OmolokanOmolokan AdêAdê Ojuba),Ojuba), ErnestoErnesto dede XangôXangô Airá,Airá, parapara apaprenderrender osos toquestoques especiaisespeciais nosnos ilusilus ensinadosensinados porpor eleele mesmmesmo.o. ApósApós umum anoano ee meiomeio eueu conhecia,conhecia, pelospelos menosmenos sabiasabia identificidentificarar osos váriosvários toquestoques ee mesmomesmo tocálos,tocálos, inclusiveinclusive comcom osos aguidaviaguidavi (como(como sese fossemfossem baquetasbaquetas ritualísticasritualísticas compridascompridas ee finas).finas). AlAlémém dosdos toquetoques,s, apraprendiendi aa consagraconsagrarr nono aaxéxé osos aatabatabaquesques,, algoalgo maravilhosomaravilhoso ee dede singelasingela relevânciarelevância mágicaespmágicaespiritual.iritual. ApAprenrendidi comocomo consagrarconsagrar parapara cadcadaa OrishOrishaa comcom osos ddevi-evi- dosdos elementoselementos parapara assentálo,assentálo, poispois segundosegundo ele,ele, osos atabaquesatabaques deveriamdeveriam serser consagrados,consagrados, assentados,assentados, poispois osos mesmomesmoss “comi-“comi- am”am” comocomo osos orixás,orixás, sendosendo esteeste umum grandegrande awô,awô, dede altíssimaaltíssima relevância,relevância, ee osos irmãosirmãos dosdos CultosCultos dede NaçãoNação AfricanoAfricanoss queque re-re- ceberamceberam oo dekádeká sabemsabem dodo queque eueu estouestou dizendo.dizendo. AssiAssim,m, aprendendoaprendendo muitamuitass coiscoisas,as, fafalandolando umum poucopouco dada “língua“língua dede santo”,santo”, percebendopercebendo ee respirandorespirando oo fundamfundamento,ento, osos ixésixés inesquecíveis,inesquecíveis, aprendiaprendi muitosmuitos erós,erós, certoscertos ofáofás,s, palavraspalavras mágicassagradasmágicassagradas (mantras(mantras nana verdade)verdade) queque erameram profproferidaseridas oraora mastigandosemastigandose obí,obí, oraora outraoutra ervaerva ee mesmomesmo atarêatarê (pi(pimenta);menta); conheciconheci algunsalguns assentamentosassentamentos parapara EWEEWE (folhas)(folhas) ee ououtrostros fun-fun- damentosdamentos importantes,importantes, ee mesmomesmo aprendiaprendi comocomo sese assenassentavatava oo ixéixé (o(o mastromastro centralcentral dodo ilê);ilê); estavaestava próximopróximo dede seserr raspado,raspado, catulado,catulado, enfimenfim iniciado.iniciado.

3434

T^T^ amuamu rnrnsisidcdclhelhe ii

AA ii TT aa pp ii aa gg hh aa

$$

PróximoPróximo aosaos meusmeus dozedoze anos,anos, eleele dissedisse queque eueu nãonão popodede riaria maismais fazerfazer somentesomente boribori brancobranco (havia(havia feitofeito várváriosios borisboris semsem sangue,sangue, mengamenga ouou ejé),ejé), haveriahaveria dede começarcomeçar aa dardar oo bboriori verda-verda- deirodeiro queque eueu sabiasabia serser comcom sanguesangue dosdos ejilêejilê (pombo)(pombo);; antesantes po-po- rém,rém, fezfez oo ritualritual dede lavagemlavagem dasdas contas;contas; algoalgo porpor mmimim jamaisjamais esquecido.esquecido. OsOs colarescolares dede contascontas dede 77 fiosfios foramforam lavadoslavados comcom sasabãobão dada costa,costa, colocadoscolocados sobresobre umasumas ervas,ervas, sendosendo vertidovertido sobresobre eleseles dendê,dendê, sanguesangue dodo galogalo ee ervas,ervas, asas mesmasmesmas queque eueu utiutilizeilizei nono ariaxéariaxé (banho(banho dede limpeza).limpeza). DepoiDepoiss destedeste ritorito dede lavarlavar asas cocontas,ntas, tendotendo eueu passadpassadoo porpor umauma sériesérie dede aprendizadosaprendizados “teóricos”“teóricos” ee principalmenprincipalmentete práticospráticos (danças,(danças, comidascomidas votivasvotivas dadasdadas nono ossé,ossé, palavraspalavras sasagradasgradas —— ofasofas etc.),etc.), foifoi marcadomarcado oo diadia dodo boribori (dar(dar dede comercomer àà cabeça,cabeça, fortalecêla)fortalecêla) comocomo tambémtambém dede eueu raspar,raspar, catular,catular, fafazerzer oo “santo”“santo” —— queque nono casocaso eraera OgumOgum —— ,, cujcujasas contascontas erameram azuazuisis escescurasuras,, alémalém dede umum dede contascontas brancasbrancas parapara Oxalá.Oxalá. TudoTudo preparado.preparado. NoNo diadia antanteriorerior aoao marcadomarcado parapara oo ritualritual fomosfomos parapara aa roça,roça, poispois nãonão iríamosiríamos deitardeitar nono roncóroncó,, masmas numnum locallocal contíguo.contíguo. FicaríamosFicaríamos emem obrigaçãoobrigação trêstrês dias,dias, sósó dormiria-dormiria- mosmos nana esteira,esteira, comocomo sósó comeriamoscomeriamos comidascomidas votivas,votivas, sendosendo queque trêstrês vezesvezes aoao diadia tomávamostomávamos banhobanho dede abôabô (que(que ccheiravaheirava muitomuito mal),mal), masmas queque nãonão passavapassava pelopelo oriori (eu(eu nãonão jojogavagava nana cabeça).cabeça). MuitoMuito bem,bem, eiseis queque eraera chegadochegado oo grandegrande momento!momento! EleEle sese prepara,prepara, deixamedeixame sentadosentado nana esteiraesteira (cissa)(cissa) ee pró-pró- ximoximo aa elaela osos pombos,pombos, oo mel,mel, oo dendê,dendê, osos galos,galos, sabsabãoão dada costa,costa,

navalha,navalha, comidacomida votiva,votiva, vasilhavasilha dede louçalouça ee barro,barro, áágua,gua, ervas,ervas, obéobé (faca)(faca) ee obi,obi, ee osos elementoselementos parapara assentarassentar oo “s“santo”.anto”. EuEu esta-esta- va,va, apesarapesar dede tudo,tudo, sumamentesumamente calmo,calmo, sereno,sereno, emboemborara sobsob fforor-- testes ee impactantesimpactantes vibraçõesvibrações queque nãonão obstanteobstante faziamfaziammeme pro-pro-

fundamentefundamente feliz.feliz. PareciaParecia queque estavaestava emem “estado“estado dede ere”

ere”

3535

SSaacceeffcclloo++ee,, MMaaggooee MMééddiiccoo

QuandoQuando iaia iniciariniciar oo ritual,ritual, eleele fezfez suasua invocaçãoinvocação aa OrungamOrungam ee confirmconfirmouou oo odu.odu. AA segseguiruir,, novanova jogadjogada,a, ee aconteceacontece oo inespe-inespe- rado,rado, oo imprevisto,imprevisto, poispois segundosegundo eleele nãonão poderíapodería dardar cocorterte nono meumeu ori,ori, poispois alémalém dede eueu serser umum BabatundéBabatundé (um(um ancesancestraltral reencareencarnado),rnado), eraera abicôabicô (o(o santosanto jájá traziatrazia aa obrigaçãoobrigação feita),feita), mamass precisariaprecisaria dardar ejéejé nana terra,terra, comcom muitomuito omi.omi. EE assassimim nãonão ververteuteu sanguesangue emem meumeu ori,ori, masmas emem meusmeus pés,pés, oo queque segundosegundo eelele repre-repre- sentavasentava umauma oferendaoferenda aosaos meusmeus ancestrais,ancestrais, queque nãonão eeramram meusmeus paispais carnais,carnais, poispois ooss mesmosmesmos estavamestavam vivos;vivos; meusmeus péspés represrepresen-en- tavamtavam osos ancestraisancestrais (p(péé direitodireito  pai;pai; ppéé esquerdoesquerdo  mãe).mãe). CoComomo meumeuss péspés foramforam lavadoslavados comcom sanguesangue,, creiocreio queque meusmeus guardiõesguardiões ancestraisancestrais —— osos Exus,Exus, tomaramtomaram contaconta parapara queque eueu tivessetivesse poderespoderes (agbara)(agbara) parapara pisarpisar ondeonde eueu deveriadeveria pisapisarr ee pisopiso (seria(seria oo sanguesangue dadosdados aosaos EgunsEguns parapara vencervencer ijá).ijá). QuantoQuanto àà “morte”,“morte”, devesedevese aosaos aspectosaspectos ancestraisancestrais ddesseesse respeitávelrespeitável culto,culto, queque estavaestava permitindopermitindo queque eueu emem bboaoa pazpaz dede lálá meme retirasseretirasse parapara cumprircumprir aa missão,missão, agoraagora confirconfirmandomando oo OpelêOpelê IfáIfá queque oo Sr.Sr. RomualdoRomualdo meme disseradissera doisdois anosanos antesantes dada data.data. InteressanteInteressante queque oo tiotio ErnestoErnesto conheciaconhecia osos “rudimentos“rudimentos”” dede UmbandaUmbanda (Umbanda(Umbanda Traçada),Traçada), masmas principalmenteprincipalmente dodo CatimCatimbó,bó, dada Encantaria,Encantaria, ondeonde ccomom elelee conheciconheci MestreMestre Serapião,Serapião, MestreMestre MarujoMarujo entreentre outrosoutros MestraçosMestraços ouou MestreMestre dodo CCatimbó,atimbó, queque quandoquando baixavambaixavam diziam,diziam, lembromelembrome bem,bem, estarestar acosacostandotando nono médium.médium. MuitasMuitas coisascoisas aprendi,aprendi, mormentemormente nasnas garrafadas,garrafadas, nosnos feifei-- tiçostiços (bozós)(bozós) ee contrafeitiços,contrafeitiços, asas firmezasfirmezas dada esqueesquerdarda ee asas flo-flo- resres comcom melmel parapara asas firmezasfirmezas dada direita.direita. NestaNesta épocaépoca vi,vi, aprendiaprendi ee vivivivi coisascoisas impressionantesimpressionantes,, im-im- possíveispossíveis dede seremserem descritdescritasas ouou relatadas,relatadas, mamass comcom certezcertezaa jaja -- maismais esquecidas.esquecidas. OO mesmomesmo aconteciaacontecia comcom certascertas EntidadesEntidades dada EncantariaEncantaria (Caboclos(Caboclos Encantados,Encantados, OrixásCaboclosOrixásCaboclos ee outros)outros) queque segunsegun

3636

MamunisMamunisiiddkaddka AA rkrk apap iagiag kk aa

dodo eleele erameram encantencantados.ados. MasMas muitosmuitos erameram empregadosempregados dosdos ExExus,us, enquantoenquanto outrosoutros nuncanunca haviamhaviam nascidonascido aquiaqui nana Terra,Terra, erameram en-en-

cantadoscantados dosdos rios,rios, dodo mar,mar, dodo barro,barro, dada gameleira,gameleira, algunsalguns queque

ee umauma

meme lembro,lembro, diziamsediziamse marinheirosmarinheiros dasdas águaságuas quentes.quentes

sériesérie dede mulheresmulheres ccomom nomesnomes ee atitudesatitudes estranhas.estranhas. Enfim,Enfim, acheiachei tudotudo muitomuito diferentediferente dada nação,nação, masmas confessoconfesso queque tantantoto nono

CatimCatimbó,bó, comocomo nana EncantariaEncantaria muitomuito aprendi,aprendi, mumuitoito vivivivi e,e, muitomuito

maismais aindaainda vi.vi. É,É, meusmeus caroscaros IrmãosIrmãos PlanetáriosPlanetários estestiveive lálá ee vivi ee

comocomo vi

AAoo encerrencerrarar esteeste tópicotópico queroquero agradeceragradecer aa todastodas aass EEntinti-- dadesdades queque tantotanto meme ajudaramajudaram ee ensinaramensinaram pelapela fidelifidelidade,dade, poispois disserammedisseramme queque meumeu caminhocaminho seriaseria outro,outro, masmas queque nãnãoo meme esqueceriam,esqueceriam, poispois seríamosseríamos inseparáveis.inseparáveis. DisseramDisseram qqueue muitomuito eueu precisariaprecisaria dede auxiliares,auxiliares, ee queque quandoquando oo ““penachudo”penachudo” (Ca(Cabobo-- clo)clo) chegassechegasse ee trouxessetrouxesse asas “ordens“ordens ee direitosdireitos dede trabalho”trabalho” jun-jun- toto cocomm osos Exus,Exus, eleseles meme escorariamescorariam porpor baixo,baixo, ee ququee nãonão ttemes-emes- sese nada,nada, estariamestariam comigocomigo comcom aa permissãopermissão dede meusmeus guguiasias espi-espi-

rituais,rituais, queque atuariamatuariam desdedesde osos planosplanos dada EncantariaEncantaria (com(com osos espíritosespíritos afins)afins) atéaté níveisníveis inimaginávinimagináveiseis porpor dentrodentro dada Umbanda.Umbanda. LembromeLembrome bembem destasdestas palavras;palavras; tambémtambém disseramdisseram queque eeuu te-te- riaria muitosmuitos amigos,amigos, masmas queque teriateria inimigosinimigos ocultos,ocultos, dede outrasoutras vidas,vidas, queque dede todastodas asas foformasrmas tentatentariamriam inveinverterrter osos conceitosconceitos queque traríamos.traríamos. QueQue ficássemosficássemos sempresempre emem paz,paz, poispois aa verdadeverdade vencevencería,ría, mamass aa demandademanda dasdas trevas,trevas, dada mentiramentira ee dada imposturaimpostura

vi

seriaseria grande,grande, todaviatodavia venceriamos.venceriamos. É,É, bem

Continuando,Continuando, poispois alhuresalhures explicaremosexplicaremos oo queque estasestas enti-enti- dadesdades disseram,disseram, oo queque foifoi confirmadoconfirmado pelopelo insigneinsigne MMestre,estre, PaiPai

ee AmigAmigoo WW .W.W

felicidadefelicidade rararara dede serser iniciadoiniciado ee consagradoconsagrado MédiumMédiumMagista,Magista, nono graugrau dede Mago,Mago, apósapós convivênciaconvivência dede dezoitodezoito anos.anos. LembroLembro meme aindaainda dasdas palavraspalavras dasdas EntidadesEntidades dodo ErnestoErnesto queque diziam:diziam:

bem

dada MattMattaa ee Silva,Silva, oo PaPaii Matta,Matta, comcom quequemm tivtivee aa

3737

SS aa cc ee rr dd oo tt ee ,, J^AagoJ^Aago e.e. AA áá éé dd iiee oo

“quanto“quanto maismais altoalto oo prédio,prédio, maismais parapara baixobaixo devemdevem estestarar firma-firma- dosdos osos alicerces”.alicerces”. OO interessanteinteressante éé queque muitosmuitos fenômenosfenômenos fabulososfabulosos pre-pre- sencieisenciei inin locoloco,, outrosoutros viavia claclarividência,rividência, queque todaviatodavia nãonão meme cabecabe revelar.revelar. QueroQuero deixardeixar cclarolaro ququee ErnestoErnesto dede XangXangôô eraera dodo cultoculto dede naçãonação africano,africano, haviahavia sidosido iniciadoiniciado porpor umum BabalorixáBabalorixá famoso,famoso, queque infelizmenteinfelizmente nãonão saberíasabería dizerdizer quemquem foi,foi, masmas comocomo algunsalguns outrosoutros respeitáveisrespeitáveis irmãosirmãos dodo Candomblé,Candomblé, derivouderivou parapara asas prá-prá- ticasticas dede UmbandaUmbanda ouou suassuas derivadas.derivadas. NoNo CultoCulto dede NaçãoNação osos OrixásOrixás nãonão falam,falam, sendosendo queque mumui-i- tostos consulentesconsulentes queriamqueriam mesmomesmo conversarconversar comcom osos espíritespíritosos parapara resolveremresolverem seusseus problemas,problemas, fossemfossem eleseles quaisquais fossem,fossem, pportantoortanto nãonão vejovejo nistonisto umauma mistura,mistura, masmas simsim umauma necessárianecessária ee inteli-inteli- gentegente adaptação,adaptação, queque jájá ocorreocorre emem quasequase todotodo IlêIlê Axé,Axé, dede formaforma declaradadeclarada ouou subjacente.subjacente. NoNo términotérmino dada dissertaçãodissertação sumarizadasumarizada destadesta fase,fase, nãonão popodemdem osos deideixarxar dede reregigistrstrarar nossanossa eteete rnrnaa grgratatidãidã oo aoao Sr.Sr. RomualdoRomualdo ee aa todostodos dodo C.E.U.C.E.U. (Ce(Centrontro EspiritaEspirita Ubiratan)Ubiratan) pelapela atençãoatenção ee desvelodesvelo aa nósnós dispensados.dispensados. EspecialmenteEspecialmente aoao nossonosso queridoquerido ErnestoErnesto dede XangôXangô (tio)(tio) pelopelo carinhocarinho patepaternalrnal ee pelospelos inolvidáveisinolvidáveis ixésixés,, assentamentosassentamentos dede santo,santo, nono diadia dodo orunkóorunkó (dar(dar oo nome),nome), quandoquando oo orisorishaha davadava seuseu bradobrado (ilá),(ilá), nosnos ossésossés anuaisanuais ondeonde permitiupermitiu minhaminha partici-partici- paçãopação nãonão sósó dede foformarma passivpassivaa assistindo,assistindo, masmas enensinansinandomdomee aa “botar“botar aa mão”,mão”, aa práxispráxis queque tãotão útilútil meme éé nosnos diasdias dede hoje.hoje. PorPor seuseu intermédiointermédio traveitravei contatocontato muitomuito intensointenso comcom ententidadesidades dodo CatimbóCatimbó ee dada Encantaria,Encantaria, àsàs quaisquais queroquero firmarfirmar minhminhasas ho-ho- menagens,menagens, reverências,reverências, porpor tudotudo queque meme ensinaramensinaram ee pelapela

amizade

amizade

FoiFoi parapara mimmim umauma honrahonra iniciariniciar minhaminha jornadajornada mediúnmediúnicaica comcom todastodas estasestas entidadesentidades ee seuseuss médiunsmédiuns —— Babalorixás,Babalorixás, TTatasatas ee tantostantos outros.outros. AA todos,todos, muitomuito obrigobrigadoado emem dimensãoeternidade.dimensãoeternidade.

3838

yy aa mm uu nn isisii dd dd kk aa

44aa FasFasee  dosdos 1212 aoaoss 1177 anoanoss

VV

JJ

AA rr kk ap\agi\aap\agi\a xx,,

AquiAquiesceescendondo aoaoss desígniosdesígnios superioressuperiores comocomo sempresempre fizefize--

mos,mos, fomosfomos direcionadosdirecionados àà TendTendaa dede UmbaUmbandandaXangôXangô Kaô,Kaô, aa pp riri -- meirameira tendatenda queque conhecconhecemos.emos.

PorPor intervençãointervenção dede minhaminha mãemãe conheciconheci aa TendaTenda XangôXangô KaôKaô dirigidadirigida porpor Dr.Dr. CarlosCarlos CruzCruz (era(era médico),médico), umum SSenhorenhor baianobaiano queque faziafazia “Umbanda“Umbanda Branca”,Branca”, segundosegundo suassuas própriprópriasas palavras.palavras. ParaPara mimmim eraera tudotudo muitomuito diferentediferente dodo queque vivenciaravivenciara cocomm tiotio ErnestoErnesto nono Candomblé,Candomblé, confessoconfesso queque nono inícioinício meme sentisenti

tristetriste ee desanimado,desanimado, inclusiveinclusive pelapela ausênciaausência dosdos toqtoquesues ee dasdas dançasdanças queque lálá erameram desconhecidos.desconhecidos. EleEle ee suasua esposa,esposa, DonaDona Helena,Helena, erameram médiunsmédiuns dosdos bonbons,s, tantotanto queque ele,ele, “incorporado”“incorporado” comcom oo CabocloCaboclo dada Luz,Luz, cocontoumentoume muitasmuitas passagenspassagens ocorridasocorridas lálá nana RoçaRoça dodo ErnestoErnesto dede XXangô,angô, acontecendoacontecendo oo mesmomesmo comcom oo PretoVelho,PretoVelho, PaiPai Julião,Julião, aalgolgo queque

animou

meme animou

umum pouquinho.pouquinho.

FoiFoi nestanesta Tenda,Tenda, queque sese situavasituava nana ruarua LacerdaLacerda Franco,Franco, próximopróximo àà ruarua HeiHeitortor Peixoto,Peixoto, queque tivemostivemos aa primeiraprimeira mmanifes-anifes- taçãotação mmediúnica.ediúnica. AA EntEntidadeidade EspiritualEspiritual apresenapresentousetouse emem per-per- feitafeita incorporaçãoincorporação (não(não temostemos consciênciaconsciência dessedesse fato)fato),, masmas an-an- testes vimosvimos umauma luzluz forteforte ee penetrantepenetrante chegar.chegar. NãoNão davadava parapara identidentificarificar foformarma alguma,alguma, aa nãonão serser aa intensaintensa luz.luz. AA EntidadeEntidade apresentouseapresentouse comocomo umauma criança,criança, denominandosedenominandose DoumDoum NoNo mesmomesmo dia,dia, quandoquando seuseu DoumDoum subiu,subiu, “desceu”“desceu” emem terraterra oo Ca-Ca- bocloboclo AngarêAngarê dede Ogum.Ogum. EsseEsse caboclo,caboclo, segundosegundo meusmeus paipais,s, logologo foifoi cantandocantando seuseu “ponto”“ponto” ee dissedisse terter vindovindo emem nomenome dede CabocloCaboclo

UrubatãoUrubatão dada GuiaGuia que,que, quandoquando eueu estivesseestivesse preparado,preparado, assumiassumi riaria aa responsabilidaderesponsabilidade pelopelo meumeu mediunismo.mediunismo.

3939

S>cxc.e.Y-Áo\e.,S>cxc.e.Y-Áo\e., ]\/\ago]\/\ago eeMMééddiiccoo

AA TendaTenda dede XXangangôô KaôKaô eraera emem umum salãosalão dede unsuns lOmlOm xx 5m5m nosnos fundosfundos dada residênciaresidência dosdos citadoscitados médiuns,médiuns, sensendodo oo cor-cor- popo mediúmediúniconico formaformadodo porpor umasumas 2200 pespessoasoas.s. LLemembrobrommee bembem queque haviahavia poucpoucasas imagens,imagens, porémporém nãonão meme esqueçoesqueço dede terter vistovisto aa dede ““JesuJesus”,s”, aa dede ““SãoSão JerôJerôninimmo”o” emem destaqdestaque,ue, aa dede “São“São JoJorgrge”,e”, dede “São“São Sebastião”,Sebastião”, entreentre outras.outras. NestaNesta abençoadaabençoada TeTendanda fica-fica- mosmos dede unsuns doisdois aa trêstrês meses,meses, portantoportanto poucopouco tempo,tempo, mmasas re-re- cordamoscordamos comcom saudades,saudades, poispois foifoi lálá queque pelapela primeiraprimeira vezvez cede-cede- mosmos nossanossa máquinamáquina físicafísica aosaos MentoresMentores d’Aruanda.d’Aruanda. AhAh!! QueQue saudades!!!saudades!!! OndeOnde estarãoestarão aquelasaquelas pessoaspessoas maravilhosasmaravilhosas?? NãoNão importaimporta ondeonde estejam,estejam, oo importanteimportante éé queque continuemcontinuem maravi-maravi-

lhosas

Prosseguindo,Prosseguindo, poispois comocomo dissemosdissemos estamosestamos sintetizandsintetizando,o, nana épocaépoca encontramosencontramos porpor intermédiointermédio dede amigosamigos dede meusmeus paispais oo médiummédium AntônioAntônio RomeroRomero —— oo Sr.Sr. Toninho.Toninho. MédiumMédium ímpímparar dede CabocloCaboclo PedraPedra BrancaBranca (Xangô),(Xangô), PaiPai Serafim,Serafim, PedrinhoPedrinho ee ExuExu TiTirirriri.i.

lhosas

continuam

ElasElas continuam

LembromeLembrome bembem queque oo conheciconheci nana casacasa dosdos amigosamigos cita-cita- dos,dos, quandoquando vivi pelapela primeiraprimeira vezvez oo CabocloCaboclo PedraPedra BrancaBranca Este,Este, quandoquando chegouchegou pertoperto dede mimmim contoucontou muitasmuitas coisascoisas queque oo mé-mé- diumdium comcom certezacerteza nãonão sabia,sabia, inclusiveinclusive oo “sundidé”,“sundidé”, oo sanguesangue derramadoderramado nosnos péspés (lá(lá nana RoçaRoça dodo ErnestoErnesto dede Xangô),Xangô), enentretre outrasoutras coisas.coisas. ApApósós esteeste dia,dia, aa seuseu pedidopedido resolvemosresolvemos acomacompanhpanháloálo emem seusseus trabalhos,trabalhos, mesmomesmo porqueporque havíamoshavíamos sidosido convidadosconvidados pelopelo CabocloCaboclo PedraPedra Branca,Branca, queque nono diadia afirmouafirmou sermossermos filfilhoho dede

Ogum

Ogum

OO Sr.Sr. AntônioAntônio RomeroRomero eraera motoristamotorista particularparticular dede umumaa abastadaabastada famíliafamília dodo IpirangaIpiranga nana ruarua OliveiraOliveira Alves,Alves, próximopróximo àà

ruarua SilvaSilva Bueno.Bueno. SeusSeus patrõespatrões permitiram,permitiram, poispois tambtambémém parti-parti- cipavamcipavam dasdas giras,giras, queque umum dosdos aposentosaposentos parapara osos funcfuncionáriosionários fosfossese cedidocedido parapara organizarseorganizarse aa TendaTenda dede UmbandaUmbanda dodo CaCabo-bo- cloclo PedraPedra Branca.Branca.

(o(o queque batiabatia comcom oo vaticíniovaticínio dodo ErnestoErnesto dede Xangô).Xangô).

4040

VV aa mm ww nn iiss iidd dd KK aa

AA

rr KK aa pp ii aa gg kk aa

XX,,

NoNo locallocal citadocitado vimosvimos oo CabocloCaboclo PedraPedra BrancaBranca ffazerazer ver-ver- dadeirosdadeiros milagres,milagres, tantotanto desmanchandodesmanchando trabalhostrabalhos dede MagiaMagia Negra,Negra, comocomo encaminhandoencaminhando pessoaspessoas desnorteadas,desnorteadas, levalevantandontando osos doentes,doentes, amparandoamparando osos fracos,fracos, animandoanimando osos desanidesanimadosmados ee fortalefortalecendocendo aindaainda mamaisis osos fortes.fortes. AA partpartirir daídaí ccomeçamosomeçamos abrirabrir nossonosso coraçãocoração àà UmbandaUmbanda poispois inútilinútil seriaseria negarnegar osos fenômenosfenômenos queque presenciamos,presenciamos, comocomo muitasmuitas outrasoutras coisascoisas maravilmaravilhosashosas vis-vis-

queque sonssons,, inexistentesinexistentes aquiaqui nestanesta

tastas nana clarivclarividência

idência

cores

queque cores

terraterra ee queque meme fizeramfizeram amaramar asas propostaspropostas dada UmbandaUmbanda SabiaSabia queque ele,ele, oo Sr.Sr. Antônio,Antônio, haviahavia recebidorecebido aa corocoroaçãoação porpor intermintermédioédio dede seuseu PaiPai,, CaboCabocloclo GuaranGuarantan.tan. FazendoFazendo eleele questãoquestão queque eueu conhecesseconhecesse oo cavalocavalo dodo SSr.r. Guarantan,Guarantan, emem umum determinadodeterminado diadia fomosfomos comcom oo Sr.Sr. AnAntôniotônio conhecêlo.conhecêlo. OO locallocal eraera nono Brooklin,Brooklin, lemblembromerome ququee eraera próxi-próxi- momo dada indústriaindústria dede máquinasmáquinas Vigorelli,Vigorelli, nana épocaépoca impimportantíssi-ortantíssi- mama fábricafábrica dede máquinasmáquinas dede costuracostura (era(era nana RuaRua AlvorAlvorada).ada). OO Sr.Sr. AntônioAntônio RomeroRomero eraera umauma pessoapessoa simples,simples, haviahavia nascidonascido nono interiorinterior paulista,paulista, eraera umum verdadeiroverdadeiro “ca“caboclo”,boclo”, em-em- borabora dede pelepele clara,clara, comcom osos cabeloscabelos jájá encanecidos,encanecidos, poispois jájá estavaestava alcançandoalcançando aa casacasa dosdos 6060 anos.anos. OO Sr.Sr. RobertoRoberto GetúlioGetúlio dede Barros,Barros, oo “cavalo”“cavalo” dodo CaboclCabocloo GuarantanGuarantan ee dede PaiPai SebastiãoSebastião dodo CongoCongo eraera umum “senhor“senhor”” dede aproximadamentaproximadamentee 3535 anosanos SeusSeus predicadospredicados mediúnicosmediúnicos nana éépocapoca foramforam aa mimmim demonstradosdemonstrados pelapela suasua clarividênciaclarividência apuapuradarada quan-quan- do,do, nono mesmomesmo dia,dia, conversavaconversava comcom eleele emem suasua residênresidênciacia ee per-per- guntoumeguntoume sese estavaestava comcom dordor dede cabeça.cabeça. DeDe fatofato estaestava,va, pareciaparecia queque elaela iaia explodir.explodir. ApesarApesar distodisto continuoucontinuou aa conveconversarsa e,e, quan-quan- dodo jájá conversávamosconversávamos porpor unsuns quinzequinze minutos,minutos, eleele meme pergun-pergun- tou,tou, aliásaliás afirmou:afirmou: suasua dordor dede cabeçacabeça passou;passou; realmrealmenteente haviahavia passpassado.ado. NoNo diadia queque estivemosestivemos comcom oo Sr.Sr. AntônioAntônio nana casacasa dodo SSr.r. RobertoRoberto GetúlioGetúlio dede Barros,Barros, acompanharamnosacompanharamnos meusmeus paipais.s. FoFo

4141

Sacerdote.,Sacerdote., JV\agoJV\ago ee ,/VAédico,/VAédico

mosmos nono automóvelautomóvel dodo Sr.Sr. Antônio,Antônio, nana verdadeverdade umum OldsOldsmobilemobile pretopreto dede proprpropriedadeiedade dada famílifamíliaa JaphJaphet.et. LáLá chegamoschegamos pporor vovoltalta dede umasumas novenove horas,horas, ocasiãoocasião emem queque fomosfomos muitomuito bembem rerecebi-cebi- dosdos pelopelo RobertoRoberto ee porpor suasua consorte,consorte, aa Sra.Sra. Cida.Cida. NumNum ambienteambiente dede paz,paz, cortesiacortesia ee alegriaalegria ouvíamosouvíamos atenaten-- tamentetamente asas palavraspalavras dodo Sr.Sr. Roberto,Roberto, dodo Sr.Sr. Antônio;Antônio; realmenterealmente estávamosestávamos felizes,felizes, poispois sentíamossentíamos queque havíamoshavíamos reencreencontradoontrado velhosvelhos ee grandesgrandes amigamigos.os. FicamosFicamos lálá porpor umasumas trêstrês ouou quatroquatro horas,horas, ee confessoconfesso ququee parecepareceumeume serser apenapenasas unsuns 2200 aa 3030 minutos.minutos. CoComomo eraera tarde,tarde, agradecemosagradecemos aa recepçãorecepção ee quandoquando íamosíamos nosnos retirandoretirando,, nosnos cum-cum- primprimentos,entos, RobRobertoerto pediupediu aosaos meusmeus paipaiss ee aoao Sr.Sr. AnAn tôtôninioo queque meme levassemlevassem nana semanasemana seguinteseguinte aoao TemploTemplo dede Sr.Sr. GuaraGuarantanntan nana RuaRua AlencarAlencar dede Araripe,Araripe, nono Sacoman,Sacoman, ee queque eueu fosfossese comcom minhaminha “vestimenta“vestimenta branca”.branca”. Realmente,Realmente, nana semanasemana seguseguinte,inte, comocomo combinado,combinado, lálá estivemosestivemos ee pelapela primeiraprimeira vezvez vivi oo Sr.Sr.

ncia

GuarantaGuarantan;n; vivioo nana clarividêclarividência

queque alalegregria!ia!

ParaPara encurtarencurtar nossanossa dissertação,dissertação, diremosdiremos apenasapenas queque oo TemploTemplo eraera pequeno,pequeno, seuseu pisopiso eraera dede areiaareia dodo marmar ee cobertocoberto espiritualmenteespiritualmente porpor verdadeirasverdadeiras constelaçõesconstelações dede entidadentidadeses es-es- pirituaispirituais dede altaalta escolescol dada EspiritualidadeEspiritualidade Superior.Superior. FicamosFicamos tratra--

balhandobalhando lálá durantedurante unsuns trêstrês meses.meses. SóSó nosnos retirandoretirando poporquerque osos trabalhostrabalhos terminavamterminavam muitomuito tardetarde e,e, comocomo estudávamos,estudávamos, nãonão conseguíamosconseguíamos acordar.acordar. AssimAssim pedimospedimos umum agô,agô, ee obtivemobtivemolo.olo. EmboraEmbora nãonão fôssemosfôssemos aoao terreiroterreiro dodo Sr.Sr. Guarantan,Guarantan, nãonão perdemosperdemos oo cocontatontato comcom oo Sr.Sr. RobertoRoberto CoComm autorizaçãautorizaçãoo deledele ee dodo Sr.Sr. GuarantanGuarantan freqüentávamosfreqüentávamos nana medidamedida dede nossasnossas popossi-ssi- bilidadesbilidades oo terreiroterreiro dodo Sr.Sr. PedraPedra Branca,Branca, ondeonde ficamosficamos aatété 1967.1967. NoNo mesmomesmo ano,ano, 1967,1967, fomosfomos semsem avisaravisar visitarvisitar oo terreiroterreiro dodo Sr.Sr. Guarantan,Guarantan, queque agoraagora estavaestava funcionandofuncionando nana AAv.v. SantaSanta Catarina,Catarina, 414,414, nono Aeroporto.Aeroporto. NesteNeste diadia oo TerreiroTerreiro eestavastava lotadolotado ee ele,ele, Roberto,Roberto, nãonão poderiapoderia terter meme visto.visto. MasMas oo Sr.Sr. GuaGuarantanrantan

4242

VVVVmmuummssiiddddkkaa jj\\ ÁÁ \\ aappiiaaggll\\aa

00

^^

sim,sim, mandoumandou chamarchamar emem vozvoz altaalta oo “cavalo”“cavalo” dodo Sr.Sr. UrubaUrubatãotão dada

falange

Guia,Guia, dizendodizendo queque oo mesmomesmo eraera oo chefechefe dada falange

AA parpartirtir destedeste diadia Sr.Sr. UrubUrubatãoatão dada GGuiauia iniciouiniciou suasua tare-tare- fa,fa, taltal qualqual haviahavia vaticinadovaticinado oo CabocloCaboclo Angarê,Angarê, algalgoo queque oo RobertoRoberto nãonão sabia,sabia, masmas oo Sr.Sr. Guarantan,Guarantan, sim.sim. QueQue penapena queque rarosraros hojehoje possuampossuam aa mediunidademediunidade comocomo aa dede umum RobertoRoberto GeGe túliotúlio dede Barros,Barros, umum AntônioAntônio Romero,Romero, dede DonaDona MercedeMercedess DTomassoDTomasso ee dede MariaMaria dasdas DoresDores FranciscoFrancisco dada Cruz,Cruz, rerespecti-specti- vamente,vamente, médiunsmédiuns dodo CabocloCaboclo GuGuarantaarantan,n, CabocloCaboclo PedraPedra Bran-Bran- ca,ca, CabocloCaboclo MataMata VirgemVirgem dosdos AstrosAstros ee CabocloCaboclo ArrudaArruda MuitosMuitos devemdevem terter conhecidoconhecido osos médiunsmédiuns AntônioAntônio Ro-Ro- meromero ee RobertoRoberto GetúlioGetúlio dede Barros,Barros, comcom osos quaisquais eueu tivetive aa rararara felicidadefelicidade ee oo karmakarma dede méritomérito parapara juntojunto delesdeles trabalhtrabalharar nana CasaCasa dede CaridadeCaridade dodo CabocloCaboclo Guarantan.Guarantan. Sim,Sim, nana épocépoca,a, em-em- borabora comcom 1717 anos,anos, eraera umum médiummédium prontopronto parapara trabalhtrabalharar nono abençoadoabençoado terreiroterreiro dede Sr.Sr. Guarantan,Guarantan, ondeonde tambémtambém trtrabalhouabalhou oo Sr.Sr. AntônioAntônio Romero.Romero. FiqueiFiquei nesteneste abençoadoabençoado ee luminosoluminoso terreiro,terreiro, queque tintinhaha maismais dede 100100 médiuns,médiuns, atéaté quandoquando fuifui consagradoconsagrado ee coroadocoroado ssegundoegundo osos fundamentosfundamentos expostosexpostos ee preconizadospreconizados porpor RobertoRoberto GeGetúliotúlio dede Barros,Barros, queque afirmavaafirmava fazerfazer umauma “Umbanda“Umbanda Pura”,Pura”, uumama “Umbanda“Umbanda Branca”.Branca”. ParaPara lálá acorriamacorriam milharesmilhares dede pessoaspessoas todastodas asas semansemanas,as, fazendofazendo comcom queque invariavelmenteinvariavelmente osos ritosritos terminassemterminassem qquaseuase aoao raiarraiar dodo dia.dia. ApAprovroveiteitandandoo aa impossibilidadeimpossibilidade dodo Sr.Sr. AnAn tôtôninioo RomeroRomero dede ficarficar atéaté altasaltas horas,horas, poispois trabalhavatrabalhava todastodas asas manhãsmanhãs ee bembem cedo,cedo, ee comocomo eueu estudavaestudava tambémtambém muitomuito cedo,cedo, emem boaboa paz,paz, pe-pe- dindodindo agôagô pelospelos motivosmotivos aludidos,aludidos, meme retirei.retirei. PermanePermanecici comcom Sr.Sr. Antônio,Antônio, queque depoisdepois dede unsuns mesesmeses montariamontaria oo templtemploo dodo CabocloCaboclo PedraPedra BrancaBranca nana ruarua BomBom PasPastor,tor, próximopróximo aoao Sacoman;Sacoman;

4343

SSaacceerrddoottee//MMaaggooeeAA^^ééddiiccoo

parapara serser bembem exato,exato, nana susuaa subida,subida, parapara aqueaquelesles queque vvinhainhamm dada ViViaa AnchiAnchieta.eta. FicamosFicamos porpor lálá umum tempotempo ee tambémtambém aprendemosaprendemos muitís-muitís- simassimas outrasoutras coisas;coisas; comocomo tínhamostínhamos recebidorecebido aa consaconsagraçãogração ee ordenaçãoordenação sacerdotal,sacerdotal, pedimospedimos umum agôagô aoao CabocloCaboclo PedPedrara BrancaBranca parapara monmontartar nossonosso templotemplo nosnos fundosfundos dada cascasaa dede nossosnossos paispais EleEle ee CabocloCaboclo GuarantanGuarantan derammederamme oo agô.agô.

^^ 5a5a FasFasee 

dosdos 1717 aoaoss 1199 anoanoss ^^

TínhTínhamoamoss obtidoobtido oo agôagô dede CabocCaboclolo GuaGuaranrantantan ee dede CCa-a- bocloboclo PedraPedra Branca,Branca, ee dosdos doisdois médiuns,médiuns, queque erameram exexcelentes,celentes, muimui principalmenteprincipalmente porpor suassuas entidadesentidades espirituais.espirituais. Realmente,Realmente, erameram verdadeirosverdadeiros portavozesportavozes dodo AstralAstral Superior,Superior, dada SagradaSagrada CorrenteCorrente AstralAstral dede UmbandaUmbanda ee mesmomesmo abrindoabrindo oo TemploTemplo dodo CabocloCaboclo UrubatãoUrubatão ee dodo CabocloCaboclo ArrudaArruda comcom aa médiummédium MMariaaria dasdas DoresDores FranciscoFrancisco dada Cruz,Cruz, continueicontinuei indoindo aoao TempTemplolo dodo Sr.Sr. PedraPedra BrancaBranca (do(do Sr.Sr. AntônioAntônio Romero).Romero). íaíammosos àsàs 22 aass ee 6a6ass feirfeiras,as, poipoiss nasnas 44 aassfeirfeirasas fazfazíamíamosos aa ““girgiraa emem nossonosso Templo”,Templo”, ee assimassim fizemosfizemos atéaté oo finalfinal dede 191969,69, quandoquando oo Sr.Sr. AntônioAntônio RomeroRomero desencarnou,desencarnou, devidodevido aa umum AcideAcidentente VascularVascular CerebCerebralral (derrame(derrame cerebral).cerebral). NãoNão maismais nosnos esqueceesquece-- mosmos dede seuseu desencarne,desencarne, poispois oo mesmomesmo ocorreuocorreu nono diadia 3030 dede Dezembro,Dezembro, sendosendo seuseu corpocorpo inumadoinumado emem 3131 dede DezembroDezembro dede 19691969 àsàs 17:0017:00 horas,horas, nono CemitérioCemitério dede Congonhas.Congonhas. FoiFoi aí,aí, somentesomente aí,aí, queque começamoscomeçamos aa questionarquestionar aa momorte.rte. QueQue porpor maismais queque aa evitássemosevitássemos umum diadia elaela teriateria dede vir,vir, nãonão sósó parapara osos outros,outros, mmasas incinclusivelusive parparaa mim.mim. NaNa époépocaca istoisto terrificoterrificouu me,me, desoloume.desoloume. ChegueiCheguei aa pensarpensar sese valiavalia aa penapena nanascer,scer, cres-cres- cer,cer, sofrer,sofrer, adoeceradoecer ee depoisdepois morrer.morrer. ComCom estaesta criscrisee existencial,existencial, resolviresolvi auxiliarauxiliar aa combatêlacombatêla ee assimassim dediqueimedediqueime aaindainda maismais aoao espiritual.espiritual.

4444

yy<< aa mm uu mm ss ii dd dd kk aa

77^^ rr KK aa pp ii aa gg KK cc ii

))((

NaNa época,época, comcom 1919 anos,anos, jájá freqüentávamosfreqüentávamos umauma FaculdaFaculda-- dede dede EngenhariaEngenharia pelapela manhãmanhã ee aa dede FísicaFísica àà noite.noite. AA FaculdadeFaculdade dede EngenEngenhariaharia deveusedeveuse aoao fatofato dede traba-traba- lharlhar comcom meumeu paipai emem umum “ferrovelho”“ferrovelho” queque sese cogitavacogitava ttransfor-ransfor- marmar emem umauma metalúrgica;metalúrgica; porpor issoisso estavaestava fazendofazendo engenhengenharia,aria,

metalúrgico

seriaseria engenheiroengenheiro metalúrgico

SeSe gostavagostava dada Física,Física, nãonão estavaestava nemnem umum poucopouco satissatisfeitofeito comcom oo cursocurso dede engenharia,engenharia, ee assimassim desisti.desisti. Resolvi,Resolvi, ouvindoouvindo meumeu íntimo,íntimo, minhasminhas predisposiçõespredisposições naturaisnaturais ee asas intuiçõesintuições dede Sr.Sr. UrubatãoUrubatão dada Guia,Guia, fafazerzer medi-medi- cina,cina, poispois queriaqueria auxiliarauxiliar nana erradicaçãoerradicação dada dordor ee dodo sofri-sofri- mento;mento; constrangiameconstrangiame pungentementepungentemente aa dordor dodo próximpróximo,o, queriaqueria dede todastodas asas formasformas possíveispossíveis exterminála,exterminála, mmanteranter aa vidvida.a. AsAssisimm,, depoisdepois dede umum anoano dede estudoestudoss inteintensonsos,s, ingingresres-- savasava nono cursocurso dede medicina.medicina. Infelizmente,Infelizmente, nemnem sempresempre aa medicinamedicina consegueconsegue sucessosucesso contracontra aa morte,morte, poispois todostodos queque nascem,nascem, obrigatoriamenteobrigatoriamente têmtêm dede morrer,morrer, eueu sósó desejavadesejava queque nãonão morressemmorressem antesantes ddaa horahora ee queque quandoquando morressem,morressem, oo fizessemfizessem dada formaforma maismais amena,amena, trantran qüilaqüila ee naturalnatural possível.possível. TalveTalvezz sejaseja interessanteinteressante oo LeLeitoitorr IrmãoIrmão PlanePlanetáriotário sabesaberr queque quandoquando trabalhamostrabalhamos nana metalúrgicametalúrgica dede meumeu pai,pai, mmuitasuitas vezesvezes conduziconduzi ““oo velhovelho”” MercedeMercedess 11111133 trucadotrucado ouou aa carretacarreta Scania,Scania, masmas mesmomesmo assimassim encontravaencontrava tempotempo parapara oo estudestudoo (an-(an- testes dede entrarentrar nana FaculdadeFaculdade dede Medicina)Medicina) ee tempotempo parapara oo lazer.lazer. DosDos nossosnossos estudosestudos jájá falamos;falamos; quantoquanto aoao lazer,lazer, gostgostávamosávamos dede músicamúsica ee tocávamostocávamos bateria,bateria, tocandotocando nana noitenoite ee emem aalgunslguns bonsbons conjuntosconjuntos (mas(mas sempresempre nãonão podiapodia continuarcontinuar porpor causacausa dodoss estu-estu- dos).dos). EraEra umum admiradoradmirador dodo JazzJazz ee dada BossaBossa Nova.Nova. EnfimEnfim,, mes-mes-

momo sendosendo espiritualistaespiritualista nãonão deixeideixei dede viverviver comocomo todotodos.s. Toda-Toda- via,via, oo sensentidotido dada vidavida eenconncontravatrava comcom osos espíritos,espíritos, comcom osos quaquaisis

conversava

nãonão rarasraras vezesvezes conversava

4545

SS aa cc ee rr dd oo tt ee

,,

]] \\AA aa gg oo

ee

MM éé dd ii cc oo

6a6a FasFasee  dosdos 2020 aoaoss 2121 anoanoss

vv

EstudandoEstudando ouou trabalhando,trabalhando, nuncanunca maismais havíamoshavíamos deixa-deixa- dodo aa Umbanda,Umbanda, poispois nelanela encontramosencontramos nossanossa razãorazão dede vida,vida, comocomo tambémtambém nãonão tínhamostínhamos maismais osos vaziosvazios atéaté entãoentão incompreensincompreensí-í- veisveis ee impreenimpreenchíveis.chíveis. FoiFoi nessanessa épocaépoca queque Sr.Sr. UrubatãoUrubatão dada GuiaGuia pediunospediunos parapara buscarbuscar umum locallocal forafora dada residênciaresidência dede nossosnossos pais,pais, ee foifoi oo queque fizemos.fizemos. OO TemploTemplo nono fundofundo dede casacasa tornarasetornarase pequeno,pequeno, ee jájá re-re- cebíamoscebíamos maismais dede 100100 pessoaspessoas nosnos rituaisrituais dasdas 6a6a feiras.feiras. CComom oo pedidopedido dodo CabocCaboclolo UrubatUrubatãoão dada GuiGuiaa alugamosalugamos umum prédioprédio dede

303000 m2m2 nana ViaVia AnchAnchietaieta 30308,8, nono MoinMoinhoho VeVelholho ParaPara nossanossa satisfaçãosatisfação ee alegria,alegria, nana inauguraçãoinauguração —— diadia 28/28/ 07/1970,07/1970, recebemosrecebemos aa visitavisita dodo médiummédium RobertoRoberto GetúlGetúlioio dede Barros,Barros, oo qualqual tínhamos,tínhamos, nana época,época, comocomo umum dede nossosnossos MestreMestress ee aoao qualqual devotávamosdevotávamos amizade,amizade, respeitorespeito ee lealdade.lealdade. FoiFoi muitamuita aa alegria,alegria, oo regozijoregozijo queque sentíamos,sentíamos, principalprincipal-- mentemente porpor parteparte dede nossosnossos MentoresMentores Espirituais,Espirituais, nono casocaso oo MagoMago dodo CruzeiroCruzeiro DivinoDivino —— oo CabocloCaboclo UrubatãoUrubatão dada Guia.Guia. NossosNossos ritosritos erameram comocomo sãosão muitosmuitos atualmente.atualmente. Possuía-Possuía- mosmos quatroquatro atabaques;atabaques; nossonosso pejipeji tinhatinha quatroquatro imagens:imagens: Jesus,Jesus, “São“São Jorge”,Jorge”, “São“São Sebastião”Sebastião” ee “Yemanjá”,“Yemanjá”, ee eraera só.só. EramEram dis-dis- postpostasas dede formformaa especiespecial,al, mamass oo grandegrande divisordivisor dede águaáguass erameram osos PontosPontos Riscados,Riscados, queque erameram diferentes,diferentes, masmas queque Sr.Sr. GuarantanGuarantan ee Sr.Sr. PedraPedra BrancaBranca afirmavamafirmavam serser “mironga”“mironga” dede Sr.Sr. UrubatãoUrubatão dada Guia,Guia, dizendodizendo queque sósó nosnos competiacompetia aceitaraceitar osos mistériosmistérios revrevela-ela- dosdos porpor esseesse grandegrande MestreMestre d’Aruanda.d’Aruanda. DissemosDissemos divisordivisor dede águas,águas, poispois foifoi porpor causacausa dessedessess si-si-

nanaisis ququee emem 1919 7711 procuprocuramosramos oo escescritorritor WW .W.W vava

dada MattaMatta ee Sil-Sil-

4646

UUamam unisiddunisidd kaka ^ArKa^ArKapipiagKaagKa ^^

ExpliquemosExpliquemos sucintamente,sucintamente, poispois oo queque relataremosrelataremos éé aa purapura verdadverdade,e, fufundamendamentalntal nãonão somsomenteente parapara explicarexplicar oo divisordivisor dede águas,águas, masmas parapara respondermosrespondermos comocomo chegamoschegamos àà UmbandUmbandaa emem seusseus aspectosaspectos universaisuniversais ee porpor queque escolhemosescolhemos aa MeMedicinadicina comocomo profissão.profissão. Portanto,Portanto, pedimospedimos aa suasua paciência,paciência, ccaroaro IrmãoIrmão Planetário,Planetário, poispois melhmelhoror entenderáentenderá estaesta UmbUmbanda;anda; teuteu entendentendi-i- mentomento tete iluminaráiluminará nana percepçãopercepção dede tãotão agudosagudos pormenorepormenoress dede minhasminhas tarefastarefas SacerdotaSacerdotalMediúnicalMediúnica,, MagísticaMagística ee Médica,Médica, qqueue nono fundofundo sãosão asas mesmasmesmas coisas,coisas, comocomo veremos.veremos. Retomando,Retomando, emem 1970,1970, quandoquando dada fundaçãofundação ee inaugura-inaugura- çãoção dede nossonosso Templo,Templo, alémalém dede recebermosrecebermos aa visitavisita dede RRobertooberto GetúlioGetúlio dede BarrosBarros (médium(médium dodo CabocloCaboclo Guarantan),Guarantan), rerecebe-cebe- mosmos outrosoutros PaisPais ee MãesMães dede Santo,Santo, inclusiveinclusive oo Sr.Sr. IsIsaías,aías, queque nana épocaépoca jájá contavacontava comcom maismais dede 8080 anos.anos. OO Sr.Sr. Isaías,Isaías, oo conhecíamosconhecíamos háhá anos,anos, poispois eleele freqüfreqüentavaentava umauma lojaloja dede artigosartigos religiososreligiosos ee lálá ficavaficava ppraticraticamentamentee oo diadia todotodo (na(na RuaRua BomBom Pastor,Pastor, próximopróximo àà RuaRua SilvaSilva Bueno).Bueno). EraEra umum crioulocrioulo desempenadodesempenado dede quasequase doisdois metrosmetros dede altura,altura, umauma almaalma bondosabondosa dede predicadospredicados insofismáveisinsofismáveis emem seuseu coração,coração, comcom conhecimentosconhecimentos irrefutáveisirrefutáveis sobresobre aa “Le“Leii dede Umbanda”.Umbanda”. AlgunAlgunss diasdias aapópóss aa inaugurinauguração,ação, convconversandoersando comcom ele,ele, poispois comocomo dissemos,dissemos, conheciaconhecia muitomuito dede Umbanda,Umbanda, dissenosdissenos queque háhá muitomuito nãonão iaia aa umauma giragira tãotão firmefirme comocomo aa nossanossa ee maismais,, queque oo Sr.Sr. UrubatãoUrubatão dada GuiaGuia revelourevelou aa eleele coisascoisas maravilhosas,maravilhosas, inclusi-inclusi- veve umum segredosegredo queque eleele mesmomesmo haviahavia esquecesquecido,ido, tantantoto oo tempotempo queque passara.passara. LembromeLembrome deledele dizer,dizer, estandoestando próximopróximo dede unsuns dezdez “Pais“Pais dede Santo”Santo” queque estavamestavam nana loja:loja: “olhe“olhe gente,gente, esseesse memeninonino queque vaivai serser doutor,doutor, éé bombom mesmomesmo nono “santo”,“santo”, faziafazia tempotempo queque nãonão viavia CabocloCaboclo pegarpegar tãotão firmefirme oo cavalo,cavalo, montarmontar parapara valer.valer. EstEstareiarei lálá nana próximapróxima gira,gira, poispois Caboclo,Caboclo, alémalém dede meme revelarrevelar algumalgumasas coicoi

4747

SSaacceerrddoottee,, JJVV\\aaggoo ee MMééddiiccoo

sassas importantes,importantes, vaivai fazermefazerme umum ajusteajuste nono ori,ori, poipoiss realmenterealmente eueu precisopreciso ee sósó vouvou lálá fazer,fazer, poispois lálá temtem CabocloCaboclo memesmo.smo. OlhaOlha menino,menino, continuecontinue assim,assim, aa UmbandaUmbanda precisaprecisa dede pessoapessoass comocomo você,você, queque nãonão interfiinterfiramram nono trabalhotrabalho dodo CaboCabocloclo ee gostemgostem dada Umbanda,Umbanda, queque queiramqueiram vêlavêla brilharbrilhar parapara melhormelhor aa totodosdos aju-aju-

dar

QuandoQuando estavaestava dizendodizendo aa eleele queque nãonão erameram parapara mimmim ooss elogios,elogios, masmas simsim parapara oo Caboclo,Caboclo, queque sese nãonão “bambea“bambeava”va” éé por-por- queque eleele eraera bombom ee nãonão eu,eu, eleele respondeumerespondeume queque sim.sim. QueQue eueu nãonão ficasseficasse envaidecidoenvaidecido comcom queque eleele dizia,dizia, poispois eueu eraera bombom mes-mes- mo,mo, incorporavaincorporava muitomuito bembem ee comcom certezacerteza algumaalguma coiscoisaa aa UmbandaUmbanda meme reservava,reservava, podendopodendo serser queque eueu viesseviesse aa eescrever.screver. EE disseme:disseme: “você“você verá”!!!verá”!!! QuandoQuando eleele dissedisse escrever,escrever, incontinenteincontinente olheiolhei parapara aa vi-vi-

dar

trinetrine dada lojaloja queque estavaestava àà minhaminha frentefrente ee havia,havia, nana parteparte dede bai-bai- xo,xo, umum livrolivro dede capacapa brancabranca cujocujo títulotítulo eraera DD outrinaoutrina SS ecrecretaeta dede

UmbandaUmbanda,, dodo autorautor WW .W.W

dada MattMattaa ee SSilva.ilva.

ObvioObvio queque pedipedi aoao vendedorvendedor parapara pegarpegar oo livro,livro, obteobtendondo oo avalaval dodo Sr.Sr. Isaías,Isaías, queque afirmouafirmou serser oo autorautor oo melhomelhorr escritorescritor dede Umbanda.Umbanda. PediumePediume parapara lerler comcom atençãoatenção redobradaredobrada aa obra,obra,

masmas queque nãonão deixassedeixasse dede lerler UmbandaUmbanda dede TodosTodos NósNós,, dodo mesmomesmo autor,autor, queque afirmouafirmou serser aa “Bíblia”“Bíblia” dada Umbanda.Umbanda. DepoiDepoiss dasdas reco-reco- mendaçõesmendações comprei,comprei, éé claro,claro, asas duasduas obras.obras. AbAbrinrindodo UmbandaUmbanda dede TodosTodos NóNós,s, chamarammechamaramme aa atençãoatenção osos encarteencartess ee osos mapasmapas,, principalmprincipalmenteente oo dada LeiLei dede Pemba.Pemba. NãoNão éé queque osos sinaissinais queque conhecíamosconhecíamos erameram ligeiramenteligeiramente ddiferentesiferentes daqueles,daqueles, masmas haviahavia profundasprofundas semelhanças?!semelhanças?! EssasEssas fforamoram com-com- provadasprovadas maismais tardetarde quandoquando enconencontreimtreimee comcom oo autor,autor, WW .W.W dada MattaMatta ee Silva,Silva, oo qualqual mostroumemostroume asas variações,variações, aafirmandofirmando meme queque osos mentoresmentores espirituaisespirituais têmtêm umauma “Pemba”“Pemba” nana vverdadeerdade similarsimilar àà queque eleele haviahavia transcritotranscrito nono livro,livro, poispois aa dodo livrolivro eraera parapara algualgunsns médiunsmédiuns invocáloinvocálos.s. OsOs guiasguias espirituaisespirituais podiampodiam

4848

TT aamm uu nn isis idid dd hh aa

AA ^^ hh aa pp iiaa gg kk aa

xx,,

traçartraçar sinaissinais queque obedeciamobedeciam aa flecha,flecha, aa chavechave ee aa raizraiz,, todaviatodavia diferentesdiferentes dosdos sinaissinais dodo livro.livro. RetornandoRetornando àquelesàqueles idosidos tempos,tempos, antesantes dede conhecerconhecer oo “Pai“Pai Matta”Matta” ee apósapós aa leituraleitura àsàs pressaspressas dosdos doisdois livros,livros, nãonão tivemostivemos dúvidas.dúvidas. FomosFomos aoao encontroencontro dodo autor,autor, poispois sabiasabia queque oo conheciaconhecia ee precisavaprecisava queque eleele meme iniciasse,iniciasse, meme consagrasse.consagrasse. EElele eraera umum MeMestrestre consumado,consumado, ee eueu pprecisavarecisava dede susuaa bençãobenção ee dede susuaa Inici-Inici- açãação,o, conforconformeme rezareza aa TradiçãoTradição dede Síntese,Síntese, aa qualqual parapara serser trans-trans- mitidamitida sósó podepode serser dede MestreMestre parapara Mestre,Mestre, numnum encadeameencadeamentonto dede consagraçõesconsagrações queque sese perdemperdem nasnas noitesnoites dodo Tempo.Tempo. NaNa verdade,verdade, fuifui buscarbuscar oo ashé,ashé, osos siddhisiddhiss queque sósó umum MM eses-- tretre EspiritualEspiritual podepode transmitir,transmitir, ee felizfeliz daqueledaquele queque enencontracontra oo verdadverdadeiroeiro MeMestrestre dada suasua atualatual existênexistência.cia. SouSou felizfeliz ee realizado,realizado, ee tambémtambém bemaventuradobemaventurado porpor terter encontradoencontrado umum verdadeiroverdadeiro Mestre;Mestre; queque eleele meme abençoeabençoe semsempre,pre, poispois heihei dede lolouváuválolo eternamente.eternamente. ApApósós estaesta sincerasincera exortaçãoexortação aoao MestreMestre continuemcontinuemosos ee ve-ve-

jamosjamos comocomo foifoi nossonosso primeiroprimeiro contatocontato comcom ele,ele,

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

7a7a FasFasee  dosdos 2121 aoaoss 3838 ananosos

VV

7a7a FasFasee  dosdos 2121 aoaoss 3838 ananosos VV dada MattaMatta ee SilvaSilva)) foifoi oo

dada MattaMatta ee SilvaSilva)) foifoi

oo reencontroreencontro comigocomigo mesmomesmo desnudodesnudo dasdas limitaçõeslimitações dodo eespaspa çotempo.çotempo. AbriaseAbriase aa dimensãomediunidade.dimensãomediunidade. NumaNuma tartardede dede 1971,1971, apósapós chegarmoschegarmos aoao RioRio dede Janeiro,Janeiro, nosnos dirigimosdirigimos àà ruarua SeteSete dede Setembro,Setembro, ondeonde pelapela primeiraprimeira vezvez encontramoencontramoss oo Mes-Mes- tretre MattaMatta ee Silva.Silva. EstávamosEstávamos ansiosos,ansiosos, poispois esperávamosesperávamos obterobter oo telefonetelefone ouou mesmomesmo oo endereçoendereço dodo autorautor dede UmbandaUmbanda dede TodoTodoss NóNóss e,e, parapara nossanossa surpresasurpresa oo encontramosencontramos pessoalmentepessoalmente nana LivrariaLivraria FFreitasreitas Bastos,Bastos, nana épocaépoca aa editoraeditora queque detinhadetinha osos direitosdireitos dede publicaçãopublicação dasdas obrasobras dede MattaMatta ee Silva.Silva.

OO reencontroreencontro cocomm oo MestreMestre (W(W .W.W

4499

SSaacceerrddoottee,,TTVVllaaggooeeMMééddiiccoo

Sinceramente,Sinceramente, quandoquando oo vimosvimos nãonão nosnos surpreendemos,surpreendemos, poispois sentimossentimos queque maimaiss queque umum encontroencontro,, eraera umum reencoreencontro,ntro, logologo confirmadoconfirmado porpor ele,ele, queque nosnos disse:disse:

—— HáHá tempotempo queque tete aguardo,aguardo, porpor queque demdemorasteoraste tanto?tanto? FicamosFicamos perplexo,perplexo, deslumbrado,deslumbrado, poispois nono diadia citou,citou, ssemem nuncanunca nosnos terter visto,visto, algumasalgumas funçõesfunções importantíssimimportantíssimasas dasdas en-en- tidadestidades espirituaisespirituais queque nosnos assistemassistem desempenhavam,desempenhavam, comocomo outrasoutras importantíssimasimportantíssimas constatações.constatações. AfAfirmirm ouou queque havíamoshavíamos vindovindo dodo ““CanCandomdombléblé”” ee oo popor-r- quêquê dede nossanossa cabeçacabeça (ori)(ori) nãonão terter sidosido “banhada”“banhada” cocomm sanguesangue (menga,(menga, ejé).ejé). ContounosContounos detalhesdetalhes dodo CandombléCandomblé dodo ttioio ErnestoErnesto ee queque oo mesmomesmo tinhatinha umum catimbócatimbó queque havíamoshavíamos frefre qüentado,qüentado, queque aa prioripriori eerara umum CandomCandombléblé dede Caboclo,Caboclo, dederivan-rivan- dodo parapara asas encantariasencantarias ee outrasoutras amalgamaçõesamalgamações (que(que hhojeoje seisei se-se- remrem importantes).importantes). ReveloumeReveloume queque realmenterealmente deveriadeveria terter começadocomeçado pelospelos CultosCultos Africanos,Africanos, poispois nono passadopassado haviahavia sidosido umum SacSacerdoteerdote ouou MagoMago dosdos oráculosoráculos —— BabalawôBabalawô emem plagasplagas dada ÁfricaÁfrica OcOciden-iden- tal,tal, emboraembora houvessehouvesse emem tempostempos maismais remotosremotos vivvividoido emem plagaplagass geladasgeladas nono sopésopé dodo Himalaia.Himalaia. MuitoMuito chamoumechamoume aa atençãoatenção quandoquando eleele perguntouperguntou so-so- brebre umauma moçamoça queque eueu haviahavia namorado,namorado, descrevendoadescrevendoa pormepormenoriznorizadamadamente.ente. InteressanteInteressante que,que, aoao descrevêdescrevêla,la, dissedisse meme tambémtambém queque oo genitorgenitor deladela levavalevava sempresempre nono bolsobolso dada cami-cami- sasa umum cravocravo vermelho.vermelho. Realmente,Realmente, eraera tudotudo comocomo eleele haviahavia des-des- crito.crito.

DepoisDepois dosdos primeirosprimeiros contatoscontatos porpor nósnós descritos,descritos, rorobusbus teçamosteçamos oo quadroquadro mental;mental; parapara tanto,tanto, tentareitentarei serser mmaisais minuci-minuci- osooso nana narrativanarrativa dede nossonosso primeiroprimeiro encontroencontro (reenco(reencontro)ntro) atéaté oo diadia emem queque vimosvimos seuseu corpocorpo serser inumadoinumado emem ItacurussItacurussá,á, emem 1717 dede AbrilAbril dede 1988.1988.

5050

YY LmwmLmwm ss ii dd dd hh aa j\vj\vU.U.apap\a\agUgU.c.c

YY LmwmLmwm ss ii dd dd hh aa j\vj\vU.U.apap\a\agUgU.c.c ““AA IniciaIniciaçãoção nãonão sese resuresumeme aa

““AA IniciaIniciaçãoção nãonão sese resuresumeme aa ensensinainamenmentostos ee ri-ri- tostos,, masmas àsàsvivvivênênciacia ss queque aa mandalamandala dodo MestMestrere des-des- pepertrtaa nono discípudiscípulolo preparadopreparado

””

YamunisiddhaYamunisiddha ArhapiaghaArhapiagha

dada

MattaMatta ee SilvaSilva (Mestre(Mestre Yapacany)Yapacany) durantedurante dezoitodezoito anoanos,s, nana pre-pre- sentesente existência,existência, nãonão estouestou negandonegando oo valorvalor dosdos outoutrosros queque oo antecederamantecederam emem nossanossa “Iniciação”.“Iniciação”. SeusSeus antecessoresantecessores despertaramme,despertaramme, cadacada umum àà suasua ma-ma- neira,neira, parapara oo Sagrado,Sagrado, queque desdedesde tempostempos remotosremotos eueu vivenciara.vivenciara. LevarammeLevaramme aoao conhecimentoconhecimento dosdos aspectosaspectos periféricosperiféricos,, porémporém necessánecessáriosrios dodo Sagrado,Sagrado, semsem osos quaisquais nãonão teriateria rereencon-encon- tradotrado MestreMestre Yapacany,Yapacany, oo qualqual proporcionoumeproporcionoume oo felfeliziz ensejoensejo dede reencontrarmereencontrarme comigocomigo mesmo.mesmo.

RelatandoRelatando oo convívioconvívio iniciniciátiiáticoco queque tivetive comcom WW .W.W

5151

SSaaccaannddoottee,,AAááaaggooeeAAááééddiiccoo

EsteEste reencontroreencontro comigocomigo mesmomesmo abriuabriu oo portalportal dede minhasminhas váriasvárias existênciexistênciasas emem váriasvárias plagaplagass dodo planeta,planeta, ondeonde vivivivi oo SaSa-- gradogrado manifestomanifesto nono SacerdóSacerdócio,cio, nana MagiaMagia ee nana MedMedicinaicina (com(comoo MestMestrere TântricoTântrico CCuraduradoror  curadorcurador dadass mazmazelaselas dodo mundmundo).o). SabiaSabia queque haviahavia algoalgo emem mimmim (espírito)(espírito) queque eraera imortalimortal,, eterno,eterno, ee istoisto meme acalmava.acalmava. Resignado,Resignado, pensavapensava porpor ququee tantostantos desencontros,desencontros, sese todostodos éramoséramos iguaisiguais nono nascimentonascimento ee nana mor-mor- te;te; possuíamospossuíamos algoalgo emem comum,comum, estávamosestávamos intimamenteintimamente liga-liga- dos,dos, mesmomesmo àquelesàqueles aa quemquem nãonão conhecia.conhecia. Então,Então, porpor queque asas desavençasdesavenças ee asas desigualdades?desigualdades? CompreendiCompreendi queque emboraembora cadacada umum tivessetivesse seuseu destino,destino, asas doresdores erameram dede todos;todos; portantoportanto haveriahaveria dede colaborarcolaborar nana suasua erradicação,erradicação, poispois aa sentiasentia comocomo sese fossefosse minha.minha. NoNo reencontroreencontro comcom oo MestreMestre Yapacany,Yapacany, volteivoltei aa sentirsentir asas mesmasmesmas coisas,coisas, nãonão queque eleele tenhatenha meme faladofalado algoalgo nesnestete sentido.sentido.

tácitas

SuasSuas liçõeslições foramforam inarticuladas,inarticuladas, tácitas

RelembreimeRelembreime que,que, emboraembora extrovertidoextrovertido ee bembem aceitoaceito nono grupo,grupo, forafora umum adolescenteadolescente queque pensavapensava nono espiritual,espiritual, poispois des-des- dede cedocedo houverahouvera tidotido contatocontato comcom oo mundomundo dosdos espíritespíritos,os, in-in- clusive,clusive, comocomo disse,disse, pelapela vidênciavidência e,e, principalmenteprincipalmente,, pelapela clari-clari- vidência.vidência.

AlAlémém dede estudestudar,ar, praticapraticarr esportes,esportes, sempresempre questionavaquestionava osos grandesgrandes enigmasenigmas dodo mundo,mundo, principalmenteprincipalmente asas doençdoenças.as. PorPor queque nascíamosnascíamos sese depoisdepois morreriamos?morreriamos? TodoTodo nasci-nasci- mentomento implicaimplica emem morte;morte; sejaseja estaesta comocomo for,for, traztraz sosofrimento,frimento, senãosenão aoao indivíduoindivíduo morto,morto, masmas aosaos queque ficam.ficam. PorPor queque aa uniãounião ee depoisdepois aa separação?separação? IstoIsto tudotudo meme fazia,fazia, muitasmuitas vezes,vezes, ficarficar alheioalheio aoao mumundondo externoexterno comcom seuseu “burburinho”,“burburinho”, parapara debruçarmedebruçarme longamenlongamentete emem meumeu mundomundo interno,interno, buscandobuscando respostasrespostas parapara oo grandegrande de-de- safiosafio —— aa vida.vida.

5252

^^amamuunniissiiddddkkaa ^K^KrUapiarUapiagUagUa yy

TalvezTalvez questionasquestionassese ttudoudo istoisto poispois oo vivencvivenciaraiara emem váriasvárias ee váriasvárias existências,existências, algoalgo confirmadoconfirmado ee esclarecidoesclarecido poporr MestreMestre YapaYapacany.cany. AA pópóss esteeste mergulhmergulhoo emem nosnossassas reminiscências,reminiscências, queque nana épocaépoca foramforam trazidastrazidas àà tonatona pelapela simplessimples presençapresença ddele,ele, que-que- remosremos reiterarreiterar oo quantoquanto nosnos foifoi importanteimportante oo seuseu mestradomestrado emem nossanossa vida,vida, emem nossanossa IniciaçãoIniciação (são(são aa mesmamesma coisa).coisa). SuaSua clarividênciaclarividência apuradíssiapuradíssimama (atempora(atemporal)l) propproporcionouorcionou nosnos verdadeiroverdadeiro êxtasêxtasee espiritual.espiritual. AssimAssim fêlofêlo,, poispois sabiasabia qqueue pau-pau- latinamentelatinamente iríamosiríamos deixardeixar aa formaforma ee penetrarpenetrar nana essêncessência;ia; sere-sere- nana ee silenciosamentesilenciosamente nosnos preparavapreparava parapara outrasoutras realidaderealidades.s. AlAlinhinhavoavouu oo porquêporquê dede termostermos sidosido sacerdote,sacerdote, magomago ee médicomédico nono passado,passado, algalgoo recorrerecorrentente nono presentepresente poispois nossonosso karmakarma pediapedia queque assimassim fosse,fosse, ee queque nana presentpresentee encarnaçãoencarnação estivésse-estivésse- mosmos emem missãomissão nono Brasil.Brasil. AA conversaconversa foifoi longa,longa, muitmuitoo longa,longa, ee eraera tãotão realreal queque meme vivi emem váriasvárias épocas,épocas, nosnos quatroquatro cantoscantos dodo planeta,planeta, emem váváriosrios seto-seto- resres Filosóficos,Filosóficos, Artísticos,Artísticos, CientíficosCientíficos ee ReligiososReligiosos,, masmas sempresempre interessadointeressado nono tratamentotratamento dasdas doençasdoenças dada sociedade,sociedade, ddoo ho-ho- mem,mem, dodo corpocorpo ee dada alma.alma. AsAs revelaçõesrevelações concedidasconcedidas pelopelo meumeu próprpróprioio ““eu”eu” fizeramfizeram comcom queque vissevisse nono MeMestrestre YapacanyYapacany oo MeMestrestre dodo ppassadassado,o, oo MestreMestre consumado,consumado, sendosendo eleele oo únicoúnico aa transmitirmetransmitirme aa Inicia-Inicia- ção,ção, oo queque parapara mimmim significariasignificaria reunirreunir oo passadopassado aoao prpresente,esente, cumprindocumprindo comcom alegriaalegria aa tarefatarefa aa mimmim destinada.destinada. MMuituitoo sese poderiapoderia dizerdizer dede InicIniciaçãoiação,, comocomo tambémtambém nadanada OO tudotudo ee oo nadanada nana IniciaçãoIniciação neutralizamneutralizam aa dualidadedualidade,, reme-reme- temtem àà unidade.unidade. NasNas outrasoutras obrasobras dede nossanossa autoriaautoria explicamosexplicamos oo relacio-relacio- namentonamento MestreMestre xx Discípulo.Discípulo. Nesta,Nesta, queroquero reiterarreiterar oo porqporquêuê dede nossanossa IniciaçãoIniciação serser comcom MeMestrestre YapacanyYapacany ee dede aa mesmamesma aconte-aconte- cercer nana Umbanda.Umbanda.

5353

SS aa cc ee rr dd oo tt ee

//

JJ \\AA aa gg oo

ee JJ VV \\éé dd iicc oo

PrimeiroPrimeiro reitero,reitero, comocomo venhovenho fazendofazendo háhá 4040 anos,anos, ququee escolhiescolhi aa Umbanda,Umbanda, poispois ElaEla éé universalista,universalista, mesmomesmo queque muitosmuitos nãonão AA percepercebambam comocomo tal,tal, precopreconizanizandondoAA comocomo umum apêndiceapêndice dasdas TradiçõesTradições Africanas,Africanas, denominandoAdenominandoA dede religiãoreligião afrodesafrodes cendente.cendente. RespeitandoRespeitando osos queque citamcitam aa UmbandaUmbanda comocomo sendosendo afroafro

descendente,descendente, achamoLaachamoLa Universodescendente,Universodescendente,

Universodescendente,Universodescendente, EE tãotão universalistauniversalista queque suasua
Universodescendente,Universodescendente, EE tãotão universalistauniversalista queque suasua
Universodescendente,Universodescendente, EE tãotão universalistauniversalista queque suasua
Universodescendente,Universodescendente, EE tãotão universalistauniversalista queque suasua

EE tãotão universalistauniversalista queque suasua TradiçãoTradição sese edificaedifica nasnas mmu-u- dançasdanças constantes;constantes; estáestá sempresempre penetrandopenetrando emem novosnovos ânângulosgulos dada Realidade,Realidade, queque éé umauma marcha,marcha, umum processo,processo, umauma esespiralpiral cons-cons- tituídatituída dede ciclosciclos ee ritmos,ritmos, atéaté oo momentomomento dede neutralineutralizarsezarse com-com- pletampletamenteente aa ilusãoilusão,, ppenetenetrandrandoseose nana RealidadeRealidade AbsoAbsolutaluta OO EspiritoEspirito éé aa únicaúnica RealidadeRealidade imutável.imutável. SeSe dissermosdissermos istoisto serser dogma,dogma, estaremosestaremos afirmando,afirmando, porpor absurdo,absurdo, queque aa Reali-Reali- dadedade AbsolutaAbsoluta tambémtambém oo é,é, poispois aa mesmamesma éé oo própriopróprio EsEspírito.pírito. DeixandoDeixando asas digressõesdigressões metafísicasmetafísicas queque gostaríamosgostaríamos dede continuar,continuar, penetremopenetremoss semsem mamaisis delongasdelongas nosnos meandrosmeandros dede nossanossa Iniciação.Iniciação. QuandoQuando reencontramosreencontramos oo Mestre,Mestre, queremosqueremos relembrarrelembrar aaoo IrmãoIrmão PlanetárioPlanetário ququee havíamhavíamosos fundadofundado nossnossoo TemploTemplo emem 1919 668,8, nosnos fundosfundos dada casacasa dede meusmeus pais,pais, ondeonde permanecemospermanecemos aatété osos idosidos dede 1970,1970, nosnos mudandomudando nono mesmomesmo anoano parapara umum prédprédioio si-si- tuadtuadoo nana ViaVia AnchAnchieta,ieta, 30308,8, nono SacomaSacoman.n. ConversandoConversando seriamente,seriamente, MestreMestre YapacanyYapacany dissemedisseme eses-- tartar cumprindocumprindo oo determinado,determinado, consolidandoconsolidando nossanossa IniciaIniciação.ção. EraEra oo MestreMestre dede queque precisávamos,precisávamos, poispois teríamosteríamos dede recebreceberer aa Consagração,Consagração, encadeamentoencadeamento dede egrégorasegrégoras consonantesconsonantes astralizadasastralizadas queque erameram transmitidastransmitidas desdedesde oo inícioinício dosdos tempos.tempos.

5454

VV aamm uu mm ssidid dd kk aa AA rr kk aa pp iicc ^^ kk aa

MestreMestre YapacanyYapacany insistiuinsistiu emem dizermedizerme queque eueu eraera umum MestreMestre dodo passadopassado reencarnado,reencarnado, ee queque eleele sósó nosnos tornariatornaria con-con- sagrado,sagrado, consumado,consumado, segundosegundo osos desígniosdesígnios dodo AstralAstral SuSuperior.perior. SuasSuas palavraspalavras aindaainda ecoamecoam emem meusmeus ouvidos;ouvidos; dissemedisseme queque eueu eraera umum MestreMestre EspiritualEspiritual emem missãomissão nono BrasilBrasil ee queque nasnas duasduas últimasúltimas reencarnaçõesreencarnações haviahavia reencarnadoreencarnado emem TerrasTerras ococi-i- dentaisdentais (não(não nono Brasil)Brasil) parapara meme acostumaracostumar vibratoriamentvibratoriamentee comcom aa presentepresente existênciaexistência emem solosolo ee astralastral brasileiros,brasileiros, jájá queque eraera ““orioriun-un- do”do” dede outrasoutras plagas.plagas. EstEstasas revelaçõesrevelações meme foramforam iimportantíssimas,mportantíssimas, poispois deramderam meme oo substrato,substrato, oo fiofio dede AriadneAriadne parapara penetrarpenetrar emem meumeu ddestinoestino porpor intermintermédioédio dada simplicidadesimplicidade ee humildadehumildade dodo ““TerreiTerreiro”ro” ddee Umbanda.Umbanda. NaNa época,época, oo terreiroterreiro dede MestreMestre YapacanyYapacany emem ItacurussáItacurussá eraera umauma edificaçãoedificação dede unsuns 5050 m2.m2. OO lugarlugar reservadoreservado àsàs coisascoisas espirituaisespirituais tintinhaha oo pisopiso dede areareia.ia. OO reservadoreservado aoaoss consulentesconsulentes ouou assistentesassistentes tinhatinha unsuns cincocinco ouou seisseis bancosbancos toscostoscos ee só.só. OO pejipeji tinhatinha osos sinaissinais sagradossagrados comcom asas OrdensOrdens ee DireiDireitostos estendidosestendidos aa eleele porpor PaiPai GuinéGuiné (Mestre(Mestre Yoshanan),Yoshanan), encencimadoimado porpor umauma efígieefígie dede “São“São MM iguigu el”.el”. NoNo solosolo haviahavia algumasalgumas efígiesefígies simbólicassimbólicas dede “Cabocl“Caboclos”os” ee “PretosVelhos”,“PretosVelhos”, masmas todostodos sobresobre umauma madeiramadeira ondeonde estaestavamvam riscadosriscados osos sinaissinais dada LeiLei dede Pemba.Pemba. ComCom oo passarpassar dodo tempotempo estasestas estatuetasestatuetas foramforam retiradas,retiradas, sendosendo levadaslevadas aa umum locallocal queque chamávamoschamávamos “Casa“Casa dasdas AAlmas”,lmas”, nosnos fundosfundos dodo terrenoterreno ondeonde sese localizavalocalizava oo ““terreterreiro”.iro”. NessNessee teter-r- reno,reno, àà direitadireita dede quemquem entravaentrava haviahavia umauma casinholacasinhola ccomom osos assentamentosassentamentos dosdos ExusExus GuardiõesGuardiões ondeonde haviahavia sinaissinais ririscados,scados, velas,velas, aguardente,aguardente, ponteiroponteiros,s, mamass nenhumanenhuma estátuaestátua queque reprerepre-- sentassesentasse esteeste ouou aqueleaquele Exu.Exu. ApAp ósós aa retiradretiradaa dasdas imagens,imagens, inclusiveinclusive aa dede SãoSão MigMigueluel (Mika(Mikael),el), sósó restourestou aa efígieefígie dede JesusJesus Iniciado,Iniciado, poispois estavaestava coroacoroa

5555

S>c\cS>c\ce.vde.vdo\e.o\e.,, JJ V[aV[a gogo ee MM éé dd icic oo

dodo dede espinespinhos,hos, muitomuito significativamentesignificativamente encimandoencimando todtodoo oo peji,peji, demonstrandodemonstrando queque aquelesaqueles queque desejassemdesejassem aa “coroa”“coroa” ssoubessemoubessem queque aa mesmamesma éé amor,amor, dedicação,dedicação, doaçãodoação ee nuncanunca priviprivilégio.légio. DescrevendoDescrevendo ee relembrandorelembrando oo saudososaudoso ee iluminadoiluminado tem-tem- ploplo dada extintaextinta T.U.O.T.U.O. (Tenda(Tenda dede UmbandaUmbanda OrieOrientalntal),), nãonão po-po- deriamosderiamos deixardeixar dede citarcitar oo pioneirismopioneirismo dada produçãoprodução literáliteráriaria dede MestreMestre Yapacany.Yapacany. NaNa época,época, ssuaua produçãoprodução literárialiterária eraera muitomuito superiorsuperior aa qual-qual- querquer outraoutra existenteexistente ee istoisto citamoscitamos nãonão porpor proselitismproselitismo,o, masmas porpor meramera constatação,constatação, prinprincipalmecipalmentente porpor causacausa dosdos pportortenento-to- sossos livroslivros queque meme levaramlevaram atéaté Itacurussá:Itacurussá: UmUm bandabanda dd ee TodosTodos NóNós,s,

DoutrinaDoutrina SecretaSecreta dede Umbanda,Umbanda, SuaSua EternaEterna Doutrina,Doutrina, LLiçõesições dede UmbandaUmbanda (e(e QQuimbauimbanda)nda) nana PalaPalavravra dede umum PPretoreto VVeellhhoo,, SegredosSegredos dada MagiaMagia dede Umbanda,Umbanda, UmbandaUmbanda ee oo PoderPoder dada MediunidaMediunidade,de, MM aacucu mmbaba ss ee CCanan dodommblblésés nana UUmbmbanandada e,e, fmalmente,fmalmente, umum com-com- pêndiopêndio sintéticosintético —— UmbandaUmbanda dodo Brasil.Brasil.

OsOs aspectosaspectos práticospráticos externos,externos, emem verdade,verdade, nãonão confir-confir- mavammavam aa teoria,teoria, poispois aquelaaquela seriaseria umauma fasefase ulterior;ulterior; aa maioria,maioria, emboraembora percebessepercebesse queque osos fundamentosfundamentos erameram transcendentatranscendentaisis ee universais,universais, sese demoravademorava aindaainda nana formaforma dodo ““terreterreiro”,iro”, algoalgo nanatu-tu- ralral parapara aa época.época. PoucosPoucos sese interessavaminteressavam pelospelos aspectosaspectos iniciáticos,iniciáticos, subje-subje- tivos,tivos, sese demorandodemorando nana forma,forma, nono objetivo,objetivo, nono externo,externo, segundosegundo palavraspalavras dodo própprópriorio MestreMestre MuitasMuitas vezesvezes conversandoconversando comcom oo insigneinsigne MestreMestre YapacYapacany,any, dizianos,dizianos, contristado,contristado, queque aa maioriamaioria estavaestava interesinteressadasada emem seusseus donsdons mediúnicos,mediúnicos, emem receberreceber estaesta ouou aquelaaquela mandala,mandala, eesteste ouou aqueleaquele fundamentofundamento ouou eróeró (principalmente(principalmente sese fossefosse dede Exu),Exu), masmas raríssimosraríssimos interessavamseinteressavamse emem conhecerseconhecerse melhomelhor,r, emem entenderentender aa profundidadeprofundidade dada vida,vida, osos motivosmotivos dede suassuas pprópriasróprias dores,dores, asas dodo mundo,mundo, enfim,enfim, parapara aa maioriamaioria aa IniciaçãoIniciação nãonão eraera oo conhecimentoconhecimento dede origemorigem dasdas coisascoisas ouou dede sisi mesmo,mesmo, mmasas dodo

5656

MamumsiddkciMamumsiddkci jj\A\A \a\a pp\a\a ggWaWa $$

exterior,exterior, dodo mundomundo objetivo,objetivo, oo queque dede sobejosobejo sabemossabemos nãonão serser esteeste oo motemote dada IniciaçãoIniciação Superior.Superior. ComCom aa exposiçãoexposição ficafica patenteadopatenteado queque nana épocaépoca valorizvaloriza-a- vasevase maismais oo ““terreiterreiro”ro” (que(que tambémtambém eraera ee éé importanimportantíssimo)tíssimo) dodo queque oo TemploTemplo (que(que aindaainda seriaseria erigido).erigido). TerreiroTerreiro sisignificagnifica terceirizarterceirizar osos problemas,problemas, entregarentregar aa alguémalguém aa resolresoluçãoução queque com-com- petepete sósó àà pessoa.pessoa. OO Templo,Templo, aoao contrárcontrário,io, traztraz responsabilidresponsabilida-a- des;des; oo MestreMestre consumadoconsumado queque desejadeseja oo melhormelhor aa seusseus didiscípulosscípulos éé umum vergastadorvergastador dede egos,egos, algoalgo raríssimoraríssimo nana atualidade,atualidade, queque di-di- zerzer háhá 3030 anos.anos. AA IniciaçãoIniciação nãonão éé algoalgo prosaico,prosaico, requerrequer decisãdecisão,o, convicconvic-- çãoção nono SagradoSagrado ee certezacerteza dede queque nossanossa essênciaessência imortaimortall sese ma-ma- nifestanifesta emem corposcorpos mortais.mortais. Estes,Estes, emboraembora mereçammereçam cuidacuidadodo ee respeitorespeito nãonão devemdevem serser tidostidos comocomo imortais,imortais, poispois estaesta éé aa maiormaior inversãoinversão dede valores,valores, sendosendo oo maiormaior óbiceóbice àà Iniciação.Iniciação. ApApósós estaestass ligeirasligeiras elucuelucubrações,brações, queque sutilmentesutilmente ddemonemons-s- tramtram asas diferençasdiferenças fundamentaisfundamentais dodo MestreMestre Espiritual,Espiritual, nãonão háhá dúvidasdúvidas queque oo pioneiropioneiro nestanesta denominaçãodenominação ee aplicaçãaplicaçãoo nana

dada MMattattaa ee Silva,Silva, oo qualqual iniciouiniciou ee elevouelevou

UmbandaUmbanda foifoi WW .W.W

algunsalguns dede seusseus discípulosdiscípulos aoao graugrau dede MestreMestre dede InicIniciação.iação. PorPor suasua vez,vez, seusseus discípulosdiscípulos MestresMestres dede IniciaçãoIniciação iniciainiciaramram outrosoutros

MestresMestres sobsob aa égideégide dede umauma sólidasólida TradiçãoTradição queque esbarraesbarra nasnas

noitesnoites dodo tempo

tempo

Portanto,Portanto, nãonão podemospodemos negarnegar aa primaziaprimazia dodo MestradoMestrado emem UmbandaUmbanda aa MestreMestre YapacanyYapacany e,e, aposterioriaposteriori,, aa seusseus IniciadosIniciados nono graugrau dede MestreMestre dede Iniciação,Iniciação, quequeffoorr aa mm aappeennaass sesetete AtuAtualmalm enente,te, outrasoutras EscoEscolaslas ouou SegmenSegmentostos dede Umbanda,Umbanda, sese assimassim denominaremdenominarem seusseus Iniciados,Iniciados, nãonão podempodem neganegarr queque estãoestão seguindoseguindo asas revelaçõesrevelações ofertadasofertadas porpor MestreMestre YapacYapacany,any, mesmomesmo queque seusseus FundamentosFundamentos sejamsejam completamentecompletamente difediferen-ren- testes dosdos preconizadospreconizados porpor eleele —— osos dada AugustaAugusta CorrenCorrentete AstralAstral

5757

SS aa cc

ee

rr dd oo íí ee

,,

MMaaggooeeMMééddiiccoo

dede UmbandaUmbanda nono BrasilBrasil e,e, nono mundo,mundo, dada ConfrariaConfraria CósmCósmicaica dede Ombhandhum.Ombhandhum. Prosseguindo,Prosseguindo, seremosseremos brevebreve emem nossasnossas citações,citações, poipoiss esteeste excertoexcerto nãonão comportariacomportaria ee nemnem suportariasuportaria asas vivêncivivênciasexperiasexperi ênciasências proporcionadasproporcionadas pelopelo relacionamentorelacionamento comcom nossonosso MestreMestre EspiritualEspiritual —— MestreMestre Yapacany.Yapacany. ComoComo afirmamos,afirmamos, aa IniciaçãoIniciação nãonão sese resumeresume aa conheci-conheci- mentos,mentos, ritosritos ouou fundamentosfundamentos transmitidostransmitidos porpor umum MeMestrestre con-con- sumadosumado aoao discípulodiscípulo preparado.preparado. IstoIsto éé epidérmico,epidérmico, pperiférico,eriférico, poispois aa IniciaçãoIniciação éé algoalgo ininterno,terno, dodo ininterioteriorr dodo indivídindivíduo,uo, sendosendo queque ritosritos seletosseletos ee secretossecretos sãosão catalizadorescatalizadores ouou mmesmoesmo galvanizadoresgalvanizadores dede vivênciasvivências passadas,passadas, resultadoresultado dede umum karma,karma, dede umauma missãomissão queque devedeve continuarcontinuar nestanesta ee emem outrasoutras existênci-existênci- aas.s.

OO queque possoposso afiançarafiançar aa todostodos éé queque conheciconheci muitosmuitos FFun-un-

damentos,damentos,

conheciconheci muitosmuitos FFun-un- damentos,damentos, ParaPara nãonão divagarmos,divagarmos, poispois
conheciconheci muitosmuitos FFun-un- damentos,damentos, ParaPara nãonão divagarmos,divagarmos, poispois
conheciconheci muitosmuitos FFun-un- damentos,damentos, ParaPara nãonão divagarmos,divagarmos, poispois
conheciconheci muitosmuitos FFun-un- damentos,damentos, ParaPara nãonão divagarmos,divagarmos, poispois

ParaPara nãonão divagarmos,divagarmos, poispois estamosestamos escrevendoescrevendo ouou tenten-- tandotando retratarretratar aspectosaspectos seletosseletos ee reaisreais dada IniciaçãIniciaçãoo Superior,Superior, queremosqueremos ressaltarressaltar queque aa mandalamandala dodo MestreMestre YapacanyYapacany desper-desper- tounostounos oo pretéritopretérito queque sese uneune aoao futuro.futuro. Primeiro,Primeiro, vimevime emem “terras“terras americanas”,americanas”, háhá centenascentenas dede milharesmilhares dede anos,anos, nono seioseio dada RaçaRaça SolarSolar —— oo PovoPovo dede CristalCristal —— queque seriaseria esquecida,esquecida, comocomo aa RaçaRaça Vermelha,Vermelha, queque eraera suasua rema-rema- nescente.nescente. QueQue áureosáureos tempostempos dede pazpaz ee luz!luz! EstaEsta eraera éé muitomuito anterioranterior àà Atlântida,Atlântida, muitasmuitas vezesvezes citadacitada porpor PlatãoPlatão ee outrosoutros sábsábiosios queque oo antecederam.antecederam. NaNa AtAtlânlântidtida,a, emem seuseu “Reinado“Reinado dada LuzLuz ee dada Glória”,Glória”, fuifui umum SacerdoSacerdoteMéditeMédi coco queque cultuavacultuava oo Sagrado,Sagrado, aa ReligiãoReligião Cósmica,Cósmica, aa quaquall eraera aa

5858

YamunYamun isis iddhciddhc ii j\À\ap'iaj\À\ap'iagl\agl\a kk

panacéiapanacéia dodo esculápiesculápio,o, dodo magomago ee dodo sacerdotesacerdote daquelesdaqueles áureosáureos tempos,tempos, emem queque atendiaatendia pelopelo nomenome Neshthale.Neshthale. VViimmee emem plagasplagas asiátiasiáticas,cas, comocomo umum humildhumildee SacerdoteSacerdote dada Mongólia;Mongólia; igualmente,igualmente, emem terrasterras dodo Indo,Indo, AscetaAsceta ee MédicoMédico VedantVedantaa AdAdvavaitaita ee mesmomesmo umum YYogueogue queque praticavapraticava ee respeitavarespeitava todastodas asas EscolasEscolas dede Yoga,Yoga, masmas principalmente,principalmente, aa BhaBhaktikti Yoga,Yoga, aa JnâJnânana YogaYoga ee oo TantraTantra Yoga.Yoga. DeixaDeixareirei dede citarcitar osos nomesnomes dadass váriasvárias personalidadespersonalidades pporor mmimim vivenciadasvivenciadas poispois sãosão esteesteiosios parapara minhaminha pequena,pequena, masmas árduaárdua tarefatarefa aa cumprir.cumprir. EmEm obediênciaobediência àà LeiLei dosdos ciclosciclos ee ritmosritmos queque regerege nosnossoso planetplanetaa ee nossanossa existência,existência, deixeideixei aass terrasterras gélidasgélidas dede ÁÁsiasia ee fuifui terter emem terrasterras tépidastépidas dede África,África, ondeonde novamentenovamente fuifui Sacerdote,Sacerdote, MagoMago ee MédicoMédico devotadodevotado aa IpháIphá emem Ifé,Ifé, ondeonde tinhatinha aa dijinadijina dede Iphat’oshoIphat’osho MetalofmMetalofm AlabaAlaba Ogunjá.Ogunjá. Então,Então, porpor intermintermédioédio dada caídacaída dosdos ikin,ikin, nono opon,opon, traçavatraçava oo destinodestino dosdos sereseres,s, seuseu kpoli,kpoli, seuseu oduodu pessoal.pessoal. Ah!Ah! queque bonsbons tempostempos dede vivênciavivência pupurara ee plenaplena dodo SagradoSagrado —— dodo MundoMundo Divino,Divino, oo ReinoReino ddosos OrisOrishashas nono OOrunrun ee nono Aye.Aye. EE assim,assim, rodandorodando sobresobre oo destino,destino, nono piãopião dodo univeruniverso,so, vviimeme ememergirergir maismais umauma vezvez nono topotopo dodo mundo,mundo, nasnas terrasterras dadass neves,neves, ondeonde retomeiretomei ee reencontreireencontrei aa paz,paz, oo amor,amor, aa sabedoriasabedoria dada compaixão,compaixão, aa SendaSenda dodo Caminho,Caminho, oo MantraMantra Secreto,Secreto, enenfimfim nono TibeteTibete vivivivi aa purezapureza dada vidavida dedicadadedicada aoao SagradoSagrado (c(comoomo Mahasiddha),Mahasiddha), àà medicina,medicina, àà curacura ee autocuraautocura tântricatântricass —— lou-lou- vandvandoo todastodas aass EscolaEscolass ee participarticipandopando dada formaçãformaçãoo dede outrasoutras onde,onde, emem nomenome dodo ReiRei dodo Mundo,Mundo, veneravavenerava aa SiddarthaSiddartha GautamaGautama —— oo BuddhaBuddha ShakyaShakya MuniMuni ee suasua LinhagemLinhagem dede BuddhasBuddhas Primevos.Primevos. EmEm rápidas,rápidas, sutissutis ee descoloridasdescoloridas pinceladaspinceladas colocamcolocamosos nana telatela vivencivivencialal umauma pequenapequena seqüêncseqüênciaia dede nossanossa ododisséia,isséia, ququee totor-r- nousenouse conscienteconsciente comcom aa Iniciação.Iniciação. Portanto,Portanto, esperoespero comcom istoisto terter reafirmadoreafirmado queque aa IniciaçãoIniciação sese encontraencontra totalmentotalmentete afastadaafastada

5959

SSaacceerrddoottee,,//VVGGgg00 eeMMééddiiccoo

dasdas glóriasglórias dodo mundomundo ee dede suassuas honrarias.honrarias. Aliás,Aliás, isistoto tudotudo éé opostooposto àà Iniciação,Iniciação, aoao reencontroreencontro comcom oo Sagrado,Sagrado, cocomm aa essên-essên- ciacia espiritualespiritual queque nãonão podepode serser conferidaconferida porpor nenhunenhumama mercê,mercê, masmas somentesomente conquistadaconquistada porpor aquelesaqueles discípulosdiscípulos despdespertos.ertos. AssiAssim,m, peçopeço escescusausass aoao LeLeitoitorr IrmãoIrmão PlanPlanetáretárioio porpor serser lacônicolacônico nestasnestas informações,informações, masmas éé istoisto mesmo,mesmo, osos IIniciadosniciados longelonge sese encontramencontram dada ribalta,ribalta, emboraembora respeitemrespeitem quequemm aa dese-dese- je,je, mesmomesmo queque sejaseja ilusória.ilusória. IstoIsto tambémtambém cederá,cederá, aa nósnós competecompete tolerância,tolerância, compreensãocompreensão ee amoramor aa todos.todos. Ritualisticamente,Ritualisticamente, fuifui consagradoconsagrado emem Itacurussá,Itacurussá, emem 28/28/ 07/1978,07/1978, nono graugrau dede MestreMestre dede Iniciação,Iniciação, numnum ritualritual singelosingelo ee singular,singular, masmas dede fartafarta assistênciaassistência espiritual,espiritual, prinprincipalmentecipalmente pe-pe- laslas presençaspresenças dede MestreMestre YoshananYoshanan (Pai(Pai GuinéGuiné D’AngolD’Angola)a) ee MestreMestre ArashamananArashamanan (Urubatão(Urubatão dada Guia).Guia). NaNa épocaépoca tínhamostínhamos 2828 anosanos dede idadeidade (anos(anos terrestresterrestres),), completávamoscompletávamos nossonosso primeiroprimeiro ciclociclo solarsolar ee oo quartoquarto ciclociclo lu-lu- nar.nar. TantoTanto oo setesete (as(as Potestades)Potestades) comocomo oo quatroquatro (os(os elementos),elementos), sãosão aa metameta dodo Iniciado,Iniciado, poispois sese utilizautiliza dodo PoderPoder EsEspiritualpiritual parapara atuaratuar nana EnergiaEnergia (nos(nos quatroquatro elementoselementos —— origináriooriginário dodo Éter)Éter) (Magia(Magia EtéreoFísica).EtéreoFísica). NessaNessa época,época, emem 1978,1978, tínhamostínhamos nossonosso TemploTemplo nono mes-mes- momo locallocal ondeonde edificamosedificamos nossanossa primeiraprimeira “tenda”“tenda” emem 1968,1968, nana RuaRua LordLord Cockrane,Cockrane, 613,613, nono Ipiranga.Ipiranga. AA PrimeirPrimeiraa Tenda,Tenda, fundadafundada emem 19196688,, funciofuncionavanava sema-sema- nalmente,nalmente, àsàs 4a4a feiras,feiras, nono fundofundo dada casacasa dede meusmeus papais,is, numnum re-re- cintocinto dede unsuns 10m2,10m2, sendosendo queque osos consulentesconsulentes ficavamficavam nono corre-corre- dor.dor.

NoNo anoano dede 1973,1973, construímosconstruímos nono pomarpomar dada casacasa citadacitada umum recintorecinto dede ununss 7700 m2m2,, ondeonde recebíamosrecebíamos maismais dede 115500 pespessoassoas NesteNeste locallocal ficamosficamos atéaté oo finalfinal dede 1980,1980, quandoquando mudmudamosamos parapara aa ruarua CheblChebl Massud,Massud, 157,157, ondeonde estamosestamos atéaté osos diasdias aatuais.tuais.

6060

\^amunisiddKa\^amunisiddKa j\rl\aj\rl\ap'\agp'\agl\al\a $$

InteressanteInteressante comocomo oo “astral”“astral” encaminhaencaminha asas coisas.coisas. OO tem-tem- ploplo dada CChheeblbl MMassassudud eraera dede umum exexddisciscípípuloulo dodo MMesestrtree YapaYapacany,cany, EduardoEduardo dada CoCostasta MaManso,nso, ee oo ququee éé maismais incrível,incrível, eleele haviahavia conhecidoconhecido ee sidosido “filho“filho dede santo”santo” dodo tiotio ErneErnesto,sto, oo ErnestoErnesto dede Xangô.Xangô. NosNos finsfins dede 1980,1980, emem dezembro,dezembro, nosnos mudamosmudamos parapara aa TravessaTravessa MagaMagalhãeslhães 66881,1, ondeonde nosnos encontraencontramosmos atéaté hojehoje (lá(lá háhá osos trêstrês templostemplos públicos).públicos). AlémAlém dasdas mudançasmudanças queque ocoocorreramrreram nesteneste período,período, queremosqueremos citarcitar queque oo nomenome dada ruarua hojehoje éé CheblChebl Massud,Massud, 157,157, AguaAgua Funda,Funda, SãoSão Paulo.Paulo. HaveriamosHaveriamos dede narrarnarrar muitosmuitos acontecimentosacontecimentos ocorridosocorridos nesteneste período,período, emem queque íamosíamos aa ItacurussáItacurussá umauma vezvez porpor mmês,ês, ee mesmomesmo dasdas muitíssmuitíssimasimas vvezesezes queque nossonosso MestMestrere esteveesteve nosnos honhon-- randorando comcom suasua presençapresença emem nossonosso Templo.Templo. UmaUma dede suassuas vindasvindas foimefoime profundamenteprofundamente significativsignificativa,a, poispois seriaseria oo inícioinício dede umauma tomatomadada dede posiçãoposição queque sósó maismais tardetarde seriseriaa entendidaentendida ee confirmadaconfirmada,, portanto,portanto, mamaisis umauma vezvez penetre-penetre- mosmos nana estradaestrada dodo tempotempo ee recuemosrecuemos aosaos idosidos dede 1983.1983. NumaNuma quartafeira,quartafeira, julhojulho dede 1919 8383 ,, estávestávamoamoss completandocompletando trintatrinta ee trêstrês anosanos dede vidavida terrenaterrena nana presentepresente existêncexistência.ia. QualQual nãonão foifoi nossanossa surpresasurpresa quandoquando vimosvimos MestreMestre YapacanyYapacany ee suasua esposaesposa (Salete)(Salete) entrarementrarem portaporta aa dentrodentro emem nossonosso templotemplo,, para-para- benizandobenizandonosnos aoao mesmesmomo tempotempo ququee presenteavanospresenteavanos comcom umum “presente“presente dodo passadopassado ee dodo futuro”.futuro”. Sim,Sim, apósapós osos cumprimentoscumprimentos ee aa forteforte comoçãocomoção queque contaconta-- giougiou oo templo,templo, MestreMestre YapacanyYapacany nosnos pediupediu parapara abrirabrir oo presen-presen- te.te. OO mesmomesmo estavaestava embrulhadoembrulhado emem papelpapel dede presente,presente, mmasas suasua formaforma eraera aa dede umum retânguloretângulo dede unsuns 5050 xx 4040 cm,cm, comcom mmenosenos dede 55 mmmm dede espessura.espessura. Claro,Claro, sósó poderiapoderia serser umum pedaçopedaço dede mmadei-adei- ra,ra, ee quandoquando abrimosabrimos constatamosconstatamos serser oo PontoPonto RiscadoRiscado ddee PaiPai GuinéGuiné d’Angolad’Angola emem queque ele,ele, MestreMestre Yapacany,Yapacany, receberarecebera ccomoomo

6161

SSaacceerrddoottee ,,

]] \\// \\aa gg oo

ee

AAAAééddiiccoo

suassuas OrdensOrdens ee DireitosDireitos dede TrabalhosTrabalhos (Ordenação(Ordenação Superior)Superior) emem

1946.1946.

NoNo versoverso dosdos SinaisSinais RiscadosRiscados dede PaiPai Guiné,Guiné, estendidoestendido aoao insigneinsigne Mestre,Mestre, eleele nosnos escreveu:escreveu:

“Filho“Filho dede meumeu “Santé”,“Santé”, coroadocoroado nana RaizRaiz dodo PaiPai GuinéGuiné d’Angola.d’Angola. SeiSei queque coisacoisa algumaalguma materialmaterial seriaseria maismais imimportanteportante aa vocêvocê ouou seriaseria tãotão marcantemarcante parapara oo seuseu conscienciaconscienciall dodo queque osos sinaissinais queque estãoestão grafadosgrafados nestanesta simplessimples áreaárea dede madmadeira.eira.

nestanesta simplessimples áreaárea dede madmadeira.eira. NãoNão temostemos nadanada aa acrescentaracrescentar aa
nestanesta simplessimples áreaárea dede madmadeira.eira. NãoNão temostemos nadanada aa acrescentaracrescentar aa
nestanesta simplessimples áreaárea dede madmadeira.eira. NãoNão temostemos nadanada aa acrescentaracrescentar aa
nestanesta simplessimples áreaárea dede madmadeira.eira. NãoNão temostemos nadanada aa acrescentaracrescentar aa
nestanesta simplessimples áreaárea dede madmadeira.eira. NãoNão temostemos nadanada aa acrescentaracrescentar aa
nestanesta simplessimples áreaárea dede madmadeira.eira. NãoNão temostemos nadanada aa acrescentaracrescentar aa

NãoNão temostemos nadanada aa acrescentaracrescentar aa nãonão serser agradeceragradecer aoao inolvidávelinolvidável Pai,Pai, MestreMestre ee AmigoAmigo pelapela suasua sabedoriasabedoria milenarmilenar ee pelapela honhonrara aa mimmim concedidaconcedida dede serser seseuu discípulo,discípulo, porpor tertermmee aceitoaceito emem suasua luminarluminar ee coroadacoroada mandala.mandala. FinalizandoFinalizando aa narrativanarrativa destedeste sublimesublime momentomomento dede mi-mi- nhanha eternidade,eternidade, reiteroreitero oo queque escreviescrevi emem outrasoutras obras.obras. NaNa oca-oca- sião,sião, tínhamostínhamos asas OrdensOrdens ee DireitosDireitos dede TrabalhosTrabalhos queque CabocloCaboclo UrubatãoUrubatão dada GuiaGuia nosnos estendera.estendera. SobreSobre essesesses sinaissinais colcolocamosocamos osos dede PaiPai Guiné,Guiné, queque lálá permanecerampermaneceram atéaté oo finalfinal dodo aanono dede 1995,1995, algoalgo queque alhuresalhures explicamos.explicamos. Prosseguindo,Prosseguindo, emem 19841984 fomosfomos convidadosconvidados aa escreverescrever numnum matutinomatutino paulistanopaulistano umum artigoartigo semanal.semanal. EscrevemosEscrevemos eexatamentexatamente 5252 artigos,artigos, nana ocasiãoocasião bembem aceitosaceitos pelapela ComunidadeComunidade Umbandista,Umbandista, principalmenteprincipalmente pelospelos adeptosadeptos ee simpatizasimpatizantesntes dosdos conceitosconceitos propugnadospropugnados porpor MestreMestre Yapacany.Yapacany. NoNo mesmomesmo rumo,rumo, fomosfomos entrevistadosentrevistados pelapela RevistaRevista Pla-Pla- netaneta ondeonde emem váriasvárias páginaspáginas esmiuçamosesmiuçamos osos fundamentofundamentoss dodo OpeleOpele ee OponOpon Ifá.Ifá. FoiFoi umum sucesso,sucesso, poispois recebemosrecebemos cencentenastenas dede

6262

yamwmyamwmsisiddddkaka AA TT apiaghaapiagha

>>((

cartas,cartas, muitasmuitas dasdas quaisquais repassamosrepassamos aoao PaiPai MattaMatta (M(Mestreestre Yapacany)Yapacany),, ee outrasoutras maimaiss dede IrmãosIrmãos dede FéFé queque tivemostivemos aa honhonrara dede conhecerconhecer nana OrdemOrdem IniciáticaIniciática dodo CruzeiroCruzeiro Divino,Divino, quandoquando nosnos presentearampresentearam comcom suasua visita.visita. OutroOutro artigoartigo dede impactoimpacto foifoi nono jornaljornal “O“O EstadoEstado dede SãoSão Paulo”Paulo”,, quaquandondo oo jornalistjornalistaa JaJaryry CardosoCardoso escreescreveuveu queque  ““oo CardiologistaCardiologista F.F. RivasRivas Neto,Neto, tambémtambém SacerdoteSacerdote dede UmbaUmbandanda háhá 1515 anos,anos, afirmaafirma queque oo divãdivã dodo psicanalistapsicanalista foifoi trotrocadocado pelopelo banquinhobanquinho dede PretoVelho”.PretoVelho”. ComoComo podemospodemos constatar,constatar, MestreMestre YapacanyYapacany nana épocaépoca davadavanosnos totaltotal apoiapoio,o, tantotanto queque emem meadomeadoss dede 11998877 enviamenviamosos aa

suasua apreciaçãoapreciação aa obraobra

psicografadapsicografada pelapela EntidadeEntidade EspiritualEspiritual queque ssee identificaidentificavava comocomo

queque ssee identificaidentificavava comocomo —— CabocloCaboclo SeteSete Espadas Espadas
queque ssee identificaidentificavava comocomo —— CabocloCaboclo SeteSete Espadas Espadas

——

CabocloCaboclo SeteSete Espadas

Espadas

TambémTambém enviamosenviamos

SeteSete Espadas Espadas TambémTambém enviamosenviamos —— que,que, assimassim comocomo aa obraobra

——

Espadas Espadas TambémTambém enviamosenviamos —— que,que, assimassim comocomo aa obraobra anterior,anterior,

que,que,

assimassim comocomo aa obraobra anterior,anterior, forafora psicografadapsicografada pelapela mesmmesmaa En-En- tidadetidade Espiritual.Espiritual. PaiPai MMattaatta dissedisseme,me, nosnos ididosos dede 1919 887,7, ququee gostagostarara muitomuito dasdas duasduas obras,obras, asas quaisquais erameram revolucionáriasrevolucionárias (vide(vide prefácioprefácio es-es-

critocrito porpor EleEle emem UmbandaUmbanda —— AA PP roro toto -S-S ínín tete sese CCósósmmicaica),), queque se-se-

riamriam umum marcomarco importanteimportante parapara aa Umbanda,Umbanda, afirmandoafirmandomeme queque estavaestava felizfeliz emem sabersaber queque suasua obraobra continuariacontinuaria ee sseriaeria des-des- dobrada,dobrada, poispois osos tempostempos erameram chegados,chegados, ee maioresmaiores esesclareci-clareci- mentosmentos erameram inadiáveis.inadiáveis. NesseNesse mesmomesmo ano,ano, 1987,1987, umauma EntidadeEntidade EspiritualEspiritual queque

escreveriaescreveria oo livrolivro ExuExu —— OO GrandeArcano,GrandeArcano, oo ExuExu Sr

queque aa árdua,árdua, penosapenosa masmas iluminadailuminada tarefatarefa dede MestreMestre YapYapacanyacany

estavaestava emem seuseu epílogo.epílogo. AoAo vitoriosovitorioso asas loasloas dada glóriaglória!! ee EleEle maismais

umauma vezvez haviahavia sidosido vitorioso,vitorioso, venturoso

NãoNão quisemosquisemos acreditar,acreditar, poispois nossonosso MestreMestre eraera oo esteioesteio dada Umbanda,Umbanda, aqueleaquele queque haviahavia modificadomodificado aa opiniãoopinião ddee leigosleigos ee

doutosdoutos sobresobre osos FundamentosFundamentos dada

Sr

dissenosdissenos

venturoso

ee doutosdoutos sobresobre osos FundamentosFundamentos dada Sr dissenosdissenos venturoso masmas eiseis 6363

masmas eiseis

6363

SSaacceerrddoottee,,MMaaggooee MMééddiiccoo

queque nãonão demoroudemorou setesete diasdias ee EleEle meme chamachama parapara terter umauma con-con- versaversa lálá emem ItacurussItacurussá.á. CoComomo sempresempre fizemofizemos,s, aquiescemosaquiescemos ee

partimospartimos parapara lá.lá. LembromeLembrome bem,bem, eraera novembronovembro dede 1987.1987. NumNum crepús-crepús- culoculo dede tardetarde ensolaradaensolarada eiseis queque chegamos,chegamos, felizesfelizes ccomoomo sem-sem- pre,pre, aa Itacurussá,Itacurussá, àà ruarua BoaBoa VV ista,ista, 1515 77,, nono bairrobairro dede BraBrasilinha,silinha, locallocal dede suasua residênciaresidência ee dada famosafamosa TendaTenda dede UmbandaUmbanda Orien-Orien- taltal (T.U.O.).(T.U.O.). ComoComo sempre,sempre, aa emoçãoemoção tomavatomava contaconta dede nossonosso “Ser“Ser Es-Es- piripiritualtual”,”, poispois maismais umauma vezvez estaríamosestaríamos rrevendoevendo oo serser encaencarna-rna- dodo queque tínhamostínhamos comocomo aa luzluz norteadoranorteadora dada nossanossa vida,vida, nossonosso

MestreMestre milenamilenarr trtravestiavestidodo nana roroupagupagemem dede WW .W.W

Silva,Silva, nomenome dede umum PrPresidenteesidente dosdos EsEstadotadoss UnidosUnidos dada AmAméricaérica,, umum cidadãocidadão dodo mundomundo nascidonascido emem Garanhuns,Garanhuns, PernambucoPernambuco InteressanteInteressante que,que, emboraembora emocionadoemocionado espiritualmenteespiritualmente comocomo sempresempre ficaraficara ee comcom umauma certacerta ansiedadeansiedade emem revêlrevêloo —— apesarapesar dede nosnos falarmosfalarmos porpor telefonetelefone todastodas asas terçasfeiterçasfeirasras emem queque ficavaficava nono Rio,Rio, nana LivrariaLivraria FreitasFreitas BastosBastos (e(e istoisto fezfez porpor maismais dede 1515 anos),anos), destadesta vezvez estávamosestávamos calmos,calmos, serenos,serenos, mamaisis queque oo habitual.habitual. DiriaDiria estarestar pensativo,pensativo, ensimesmado,ensimesmado, masmas repirepito,to, cal-cal- mo,mo, tantotanto queque quandoquando oo vivi abracabraceio,eio, pedipedi suasua bençãobenção ee ele,ele, semsem rebuços,rebuços, convidoumeconvidoume parapara irir aoao congácongá ee aa seguirseguir aoao recrecintointo contíguocontíguo aoao templo,templo, queque denominávamosdenominávamos “suíte“suíte presidepresidencial”ncial” (um(um recintorecinto dede unsuns 55 m2),m2), ondeonde muitasmuitas vezesvezes tivemostivemos oo privilé-privilé- giogio dede lálá recostarrecostar nossonosso corpocorpo apóapóss asas inolvidáinolvidáveisveis ““GiraGirass dede PaiPai Guiné”.Guiné”. PerguntoumePerguntoume sobresobre aa viagem,viagem, sobresobre aa família,família, sobresobre aa medicina,medicina, masmas principalmenteprincipalmente sobresobre aa “Ordem”,“Ordem”, oo templotemplo ee de-de- poispois dede ouvirouvir minhasminhas respostas,respostas, dissemedisseme queque haviahavia meme chchama-ama- dodo poispois oo PaiPai GuinéGuiné queriaqueria queque fossefosse aa SãoSão PauloPaulo fazfazerer umum ritualritual dede transmissão,transmissão, ee queque eueu meme apressasse,apressasse, poispois tambémtambém sa-sa- biabia queque seusseus diasdias terrenosterrenos estavamestavam terminando.terminando.

dada MattaMatta ee

6464

\GmLmisicldka\GmLmisicldka yVkapiagkayVkapiagka

FalounosFalounos comcom serenidserenidade,ade, comcom naturalidade,naturalidade, tendotendo certezacerteza dede queque estávamosestávamos preparado.preparado. Todavia,Todavia, percebendopercebendo queque eueu sentiríasentiría susuaa falta,falta, lembroulembroumeme dodo presentepresente qqueue meme ofertouofertou emem 1919 8833 —— osos sinaissinais ouou signossignos sagradossagrados dada LeiLei dede PembaPemba queque PaiPai GGuinéuiné grafaragrafara emem 19461946 comocomo sendosendo suassuas OrdensOrdens ee DireitosDireitos dede TrabalTrabalhos,hos, ondeonde

disserame,disserame, ““ququ ee eerarapp rroovvaa ddee susuaa estiestimma,a, ee tatammbébé mm ereraa umum amam paparoro dede

”corpopresente

corpopresente

Pronto,Pronto, entenderaentendera tudo

tudo

maismais umauma vezvez aa LeiLei Di-Di-

vinavina manifemanifestandostandose,se, afirmanafirmandodo ququee aa transtransitoriitoriedadedadee ateatendende aa

evolução

evolução

queque aa mudançamudança éé aa constanteconstante dodo mundo,mundo, mmoveove oo mun-mun-

do

do

terminatermina umum ciclo,ciclo, horahora dede recomeçar.recomeçar.

EstávamosEstávamos osos doisdois frentefrente aa frente,frente, oo queque eraera ee oo ququee seria,seria, aa própriaprópria dialéticadialética dada vida,vida, oo velhovelho vendovendo nono novonovo suasua “imorta“imorta-- lidade”,lidade”, suasua permanência.permanência. EstaEsta éé aa LeiLei dada vida,vida, falfaloumeoume semsem dizerdizer nennenhumahuma palapalavravra àà audiçãaudiçãoo grosseira,grosseira, mamass aoao espírespíritoito queque aa tudotudo sobrevive,sobrevive, poispois eleele éé oo Imutável,Imutável, aa VerdadeVerdade AbsolutaAbsoluta ee Suprema.Suprema.

SobreSobre oo RitualRitual dede Transmissão,Transmissão, temostemos poucopouco aa dizer,dizer, poispois jájá oo fizemosfizemos emem outrasoutras obras.obras. ComoComo dissemos,dissemos, nãonão sãosão ooss ritos,ritos, masmas suasua oportunidadeoportunidade queque consumamconsumam aquiaqui nono mundomundo dasdas for-for- masmas oo queque jájá eraera nono mundomundo dada essência.essência. ParaPara nãonão serser tácitotácito ouou mesmomesmo lacônico,lacônico, diremosdiremos queque oo im-im- portanportantete dodo RitoRito foi,foi, quanquandodo mediunmediunizadoizado porpor PaPaii Guiné,Guiné, eleele mmee

deudeu aa “Taça“Taça dede Vinho”Vinho” (a(a essência,essência, oo espíritoespírito dasdas ccoisas)oisas) ee meme disse:disse:

“Bebas“Bebas dada TaçaTaça SagradaSagrada queque deidei aoao meumeu aparelho;aparelho; aoao beberes,beberes, se-se-

queque

guiráguiráss oo determinaddeterminado.o. NuncaNunca dedeixesixes oo vinvinhoho fafaltarltar nana TaçaTaça

OrixaláOrixalá ee todostodos osos SeteSete OrixásOrixás tete abençoemabençoem sempre

sempre

”.”

OO leitor,leitor, sagazsagaz comocomo é,é, devedeve terter percebidopercebido queque quandoquando dissedisse parapara beberbeber dodo vinhovinho quisquis alertarmealertarme parapara queque nuncanunca meme esquecesseesquecesse dada essênciaessência dasdas coisascoisas (vinho).(vinho). E,E, aoao afafirmarirmar queque podiapodia beberbeber dada TaçaTaça SagradaSagrada dede seuseu aparelho,aparelho, consumavaconsumava aa TradiçãoTradição Mestral,Mestral, sobresobre aa qualqual seloselo meusmeus lábios,lábios, masmas afirmoafirmo queque Ele,Ele, oo PaiPai Guiné,Guiné, pediumepediume queque deixassedeixasse osos SinaisSinais ouou SignosSignos SaSagradosgrados dede

6565

Sacerdote.;Sacerdote.; JV\agoJV\ago ee .M.Mééddiiccoo PembaPemba queque meme deradera emem 19831983 atéaté oo
Sacerdote.;Sacerdote.; JV\agoJV\ago ee .M.Mééddiiccoo
PembaPemba queque meme deradera emem 19831983 atéaté oo sétimosétimo anoano apósapós aa ppassagemassagem dede
seuseu “cavalo”“cavalo” aa outrasoutras dimensõesdimensões dada vidavida ee queque coloccolocasseasse asas OrdensOrdens
ee DireitosDireitos queque Sr.Sr. UrubatãoUrubatão dada GuiaGuia haviahavia meme concedconcedido.ido.
DDesdeesde aqaqueleuele diadia ((0707/1/122/1/1998787)) atéaté osos diasdias atuatuaisais nnuncuncaa dd is-is-
semossemos oo quequeffiizz eemm oo ss cocomm osos sisi nnaaisis ssaaggrara ddooss qq uuee PPaaii GG uiuinéné,, pp oo rr iinn --
termtermédioédio dede MMestreestre YapYapacacanany,y, nonoss outorgou;outorgou; continuarcontinuarememosos rereti-ti-
centes
centes
EncerramosEncerramos esteeste excertoexcerto inicialinicial lembrandolembrando queque emem abrilabril
dede 1988,1988, emem obediênciaobediência àsàs leisleis queque regemregem aa vida,vida, MeMestrestre
YapacanyYapacany dedesencarnavasencarnava emem plenaplena papaz.z. NãoNão desencarnava,desencarnava, ape-ape-
nasnas seuseu “corpo“corpo sutil”sutil” deixavadeixava oo escafandro,escafandro, libertalibertavasevase parapara al-al-
çarçar vôo,vôo, maismais umauma vezvez comcom asas glóriasglórias dede umum vencvencedoredor indômitindômito.o.
MestreMestre YapacaYapacanyny —— concretizconcretizadorador dada SabedoriaSabedoria dodo MuMu n-n-
dodo dosdos AráshasAráshas (Orishas)(Orishas) —— gratograto porpor suasua dedicaçãodedicação aoao nnossoosso
planeta,planeta, pelaspelas liçõeslições deixaddeixadasas que,que, sese seguidas,seguidas, farãofarão dede todostodos
nósnós cidadãoscidadãos planetáriosplanetários felizesfelizes ee realizados,realizados, construconstruindoindo umum
mundomundo dede glórias,glórias, ddee homensesphomensespíritosíritos bemsucedidos,bemsucedidos, poispois nãonão
haveráhaverá maismais desigualdade,desigualdade, nãonão havendohavendo conflito,conflito, guerrguerraa ee mor-mor-
tete fratricida.fratricida.
QueQue asas bênçãosbênçãos dada TuaTua LuzLuz iluminemiluminem nossonosso mundomundo in-in-
terno,terno, ee gratograto pelapela honrahonra dede sucedêlosucedêlo nana tarefatarefa queque meme foifoi dadadada
pepeloslos nossnossosos mamaioioresres dada EEspspirirituitu alalididadad ee —— OsOs MMeses trtreses
AriâAriândicndicos.os.
MestreMestre YapaYapacancany,y, permitamepermitame abençoálo,abençoálo, poispois meme aben-aben-
çoasteçoaste comcom tuatua espadaespada dede ouroouro ee comcom teusteus louroslouros dede glglóriaória parapara
sempre.sempre.
AranAranauaauam
m
AngAngá
á
Euá
Euá
^/amtmisi^/amtmisiddkaddka ;At*kapi;At*kapiagkaagka
AA ^^ ee ss trtr ee -T-T ^^ aa iziz
dd aa
EE ss cc oo lala
dd ee
.S.S ínín tete sese
00 33
CC DD
6666
FilhosFilhos PlanetPlanetáriosários,, AranauamAranauam  SarSaraváavá!! PorPor maioresmaiores queque sejamsejam

FilhosFilhos PlanetPlanetáriosários,, AranauamAranauam  SarSaraváavá!! PorPor maioresmaiores queque sejamsejam osos avançosavanços conquistadosconquistados pelopelo hoho-- memmem porpor intermédiointermédio dada TecnologiaTecnologia ee dasdas Ciências,Ciências, nãonão sese con-con- seguiuseguiu aindaainda debelardebelar osos inumeráveisinumeráveis sofrimentossofrimentos queque assolamassolam aa humanidadehumanidade terráquea.terráquea. NãoNão obstanteobstante aa disparidadedisparidade cultural,cultural, social,social, étnicaétnica,, políticapolítica ee ececonômiconômicaa dividindodividindo oo planetaplaneta emem váriosvários segmentossegmentos geopolíticos,geopolíticos, todostodos osos países,países, porpor conseqüênciaconseqüência todtodosos osos homens,homens, semsem exceção,exceção, sãosão acometidosacometidos dede enfermidadesenfermidades NossasNossas afirmaçõesafirmações nãonão pretendempretendem invalidarinvalidar osos pertinazepertinazess esforçosesforços dada CiênciaCiência AcadêmicaAcadêmica e,e, dentrodentro dela,dela, dada nonobrebre ee abnegadaabnegada MedicinaMedicina OficialOficial nemnem dede seusseus asseclas,asseclas, muimuitostos delesdeles dedicadosdedicados médicos,médicos, osos quaisquais cumpremcumprem suasua tarefatarefa dede fformaorma exem-exem- plaplar.r.

ApApesaesarr dosdos avançosavanços citados,citados, nono atualatual estágioestágio evolutevolutivoivo espiritualespiritual dodo planetaplaneta aa maioriamaioria dasdas enfermidades,enfermidades, dasdas doenças,doenças,

SSaacceerrddoottee//AAbbaaggooeeMMééddiiccoo

aindaainda sãosão rotuladasrotuladas dede idiopáticasidiopáticas (não(não sese conhececonhece asas causascausas desencadeadoras)desencadeadoras) ou,ou, quandoquando não,não, asas causascausas aventadaaventadass sãosão obs-obs- curas,curas, plausíveisplausíveis dede seremserem mudadasmudadas nono decorrerdecorrer dodo ttempo,empo, oo queque achamosachamos muitomuito natural,natural, estandoestando apenasapenas constatanconstatandodo taltal fato.fato. EE lícitolícito complementarcomplementar queque apesarapesar dede eminenteseminentes intelinteli-i- gênciasgências estenderemestenderem seuseu concursoconcurso àsàs CiênciasCiências Médicas,Médicas, utili-utili- zandozando dosdos recursosrecursos tecnológicostecnológicos oferecidosoferecidos nana atualatualidadeidade (sé-(sé- culoculo XXI),XXI), aindaainda nãonão sese consegueconsegue entenderentender aa causacausa ee osos meca-meca- nismosnismos desencadeantesdesencadeantes dede muitasmuitas moléstiasmoléstias queque infelinfelicitamicitam oo homemhomem hodierno,hodierno, nãonão sese conseguindoconseguindo também,também, pelopelo motmotivoivo aludido,aludido, aa terapêuticaterapêutica devida.devida. AfAfininal,al, chegaráchegará oo tempotempo emem queque todastodas asas moléstiasmoléstias terãoterão cura,cura, serãoserão curadas?curadas? SeSe aa respostaresposta forfor afirmativa,afirmativa, istoisto implicaráimplicará emem umauma sobrevidasobrevida planetáriaplanetária maior?maior? EstasEstas ee outrasoutras questõesquestões encontramseencontramse nana mentemente dede mumui-i- tostos FilhosFilhos Planetários,Planetários, inclusiveinclusive você,você, queque nesteneste iinstantenstante estáestá tendotendo aa paciênciapaciência dede seguirseguir oo raciocínioraciocínio destedeste CabocCaboclo.lo. ParaPara vocêvocê ee demaisdemais interessadosinteressados nono bemestarbemestar dada humhuma-a- nidade,nidade, afirmamosafirmamos queque porpor maismais nobrenobre queque sejaseja oo corcorpopo físicofísico denso,denso, eleele éé transitório,transitório, portantoportanto perecível.perecível. FoiFoi nnosos outorgadooutorgado aa títulotítulo precárioprecário parapara neutralizarmosneutralizarmos osos desacertos,desacertos, osos desvariosdesvarios conscienciaisconscienciais queque embotamembotam aa visãovisão dede nossanossa realidadrealidade,e, qualqual sejaseja

aa dede sermossermos seresseres espirituaisespirituais imortaisimortais,, eternoseternos,, pp oorrtata nn toto dd iviv inin oos.s.

eternoseternos ,, pp oorrtata nn toto dd iviv inin oos.s. EnquantoEnquanto nãonão sublimarmossublimarmos nossanossa
eternoseternos ,, pp oorrtata nn toto dd iviv inin oos.s. EnquantoEnquanto nãonão sublimarmossublimarmos nossanossa

EnquantoEnquanto nãonão sublimarmossublimarmos nossanossa essência,essência, ee istoisto temtemosos oportunidadeoportunidade dede fazêlofazêlo nono diaaddiaadia,ia, necessnecessitareitaremosmos dede veícu-veícu- loslos dede manifestação,manifestação, sejamsejam eleseles sutilíssimos,sutilíssimos, sutissutis,, etéreosetéreos ouou mesmomesmo dede energiaenergia condensadacondensada ouou dosdos feixesfeixes eletromageletromagnéticosnéticos queque formamformam aa matériamatéria físicafísica densa.densa.

6868

^amunisi^amunisidcldclKaKa .A^.A^ hapiagkhapiagk aa

}}{{

EstamosEstamos afirmandoafirmando queque possuiremospossuiremos organismosorganismos dada menmen-- te,te, dodo sentimento,sentimento, dada açãoação ee reaçãoreação enquantoenquanto nãonão tomarmostomarmos “ciência”“ciência” dede quemquem somos,somos, dede nossanossa unidadeunidade espiritual.espiritual. Havere-Havere- mosmos dede substituirsubstituir oo “quem“quem sou”sou” pelopelo “quem“quem somos”,somos”, ppoisois aa cons-cons- ciênciaciência dodo “eu”,“eu”, dodo “ego”“ego” nosnos fezfez doentesdoentes gravíssimgravíssimos,os, precisan-precisan- dodo sermossermos interinternadosnados emem diversosdiversos “organismos”“organismos” ouou ““corpcorpos”os”que,que, porpor contágio,contágio, tambémtambém adoecem,adoecem, manifestammanifestam sofrimentosofrimentoss vávári-ri- os,os, inclusiveinclusive oo dede nascer,nascer, adoecer,adoecer, sofrersofrer ee morrermorrer,, quantasquantas vezesvezes sese fizeremfizerem necessárias.necessárias. ComoComo osos organismosorganismos manifestammanifestam osos desvariosdesvarios dodo doentedoente (o(o Espírito),Espírito), éé justojusto afirmarseafirmarse queque aa causacausa dasdas dodoençasenças éé oo pró-pró- prioprio doente,doente, oo espíritoespírito insubmisinsubmisso.so. SimSim,, renegamosrenegamos nossanossa natu-natu- rezareza divinadivina,, nossanossa UnidadeUnidade ConscieConsciencialncial InIncriada,criada, surgindosurgindo destadesta negaçãonegação aa dualidadedualidade (eu/outros)(eu/outros) ee destadesta aa pluralidapluralidade,de, comcom gra-gra- vesves danosdanos àà ColeColetividadtividadee dodo ReinoReino NaturalNatural (Cosmos)(Cosmos) ouou UUnini-- versoverso AstrAstralal (os(os váriosvários planosplanos ondeonde háhá oo domídomínionio dada energiaenergia emem seusseus diversosdiversos grausgraus dede densidade).densidade). ComoComo oo conceitoconceito expendidoexpendido nãonão éé comum,comum, nãonão sendosendo discutidodiscutido pelapela maioria,maioria, tampoucotampouco pelaspelas “elites“elites dominantes”,dominantes”, ee osos “tempos“tempos sãosão chegados”,chegados”, queremosqueremos pedirpedir aosaos FilhosFilhos Planetá-Planetá- riosrios queque atentematentem parapara nossanossa humildehumilde exposição.exposição. NaNa EternidadeEternidade AbsolutaAbsoluta aa únicaúnica realidaderealidade éé aa “Suprema“Suprema ConsciênciaConsciência EspiritualEspiritual',', ondeonde háhá oo incriado,incriado, aa unidadeunidade consciencial.consciencial. EmEm umum determinadodeterminado “instante”“instante” destadesta EternidadeEternidade Abso-Abso- lutaluta tivemostivemos aa “Consciência“Consciência dede Si”Si” (individualidade),(individualidade), condiçãocondição necessárianecessária ee suficientesuficiente parapara deixardeixar aa Unidade,Unidade, aa EternidadeEternidade Ab-Ab- soluta,soluta, penetrandopenetrando nono ReinoReino VirginalVirginal ouou EternidadeEternidade Relativa,Relativa, ondeonde nãonão háhá maismais aa “Suprema“Suprema ConsciênciaConsciência Espiritual”,Espiritual”, masmas aa ““CoroCoroaa DivinDivina”a”,, osos ““SeteSete EspíritosEspíritos ViVirginaisrginais””  AA SupremaSuprema ConsciênciaUna.ConsciênciaUna.

6699

SSaacceerrddoottee,, ]] \Z\Z \a\a gg oo ee//VVAAééddiiccoo

]] \Z\Z \a\a gg oo ee//VVAAééddiiccoo NesseNesse ReinoReino VirginalVirginal ondeonde háhá
]] \Z\Z \a\a gg oo ee//VVAAééddiiccoo NesseNesse ReinoReino VirginalVirginal ondeonde háhá
]] \Z\Z \a\a gg oo ee//VVAAééddiiccoo NesseNesse ReinoReino VirginalVirginal ondeonde háhá
]] \Z\Z \a\a gg oo ee//VVAAééddiiccoo NesseNesse ReinoReino VirginalVirginal ondeonde háhá

NesseNesse ReinoReino VirginalVirginal ondeonde háhá Hierarquia,Hierarquia, havendohavendo oo KarmaKarma CausaiCausai (reação(reação àà perdaperda dada Unidade),Unidade), maismais umauma vezvez iríairía mosmos perderperder aa conexãoconexão comcom aa Eternidade,Eternidade, nãonão maismais absoluabsoluta,ta, masmas relativa.relativa. PerdemolaPerdemola poispois oo abaloabalo queque nosnos causoucausou aa “Consciênci“Consciênciaa dede Si”Si” (individualidade)(individualidade) nosnos fezfez sairsair dada unidadeunidade (U(Unidadenidade Consciencial),Consciencial), fatorfator desencadeantedesencadeante dada dualidade,dualidade, queque foifoi “per-“per- cebida”cebida” comocomo oo “outro”“outro” dodo “par“par vibracional”.vibracional”. Sim,Sim, nnossaossa nature-nature- zaza nono ReinoReino VirginalVirginal eraera una,una, nãonão possuíamospossuíamos maismais aa unidade,unidade, masmas esteeste unouno eraera dualdual (o(o parpar vibracional)vibracional) e,e, quandoquando popolarizado,larizado, (não(não era)era) nosnos fezfez descerdescer àsàs imensasimensas masmas finitasfinitas regiõeregiõess dodo Uni-Uni- versoverso AA strstral,al, ondeonde hháá dodomíniomínio dada energia,energia, sendosendo estaesta temtemporaporall ee dimensional,dimensional, portantoportanto destituíddestituídaa dede eternidade,eternidade, sendosendo transi-transi- tória,tória, sujeitasujeita aa constantesconstantes mudanças,mudanças, àà pluralidadepluralidade ee àà diversi-diversi- dadedade (diferenças(diferenças conflitantes).conflitantes).

(diferenças(diferenças conflitantes).conflitantes). NesteNeste ReinoReino NaturalNatural ouou UniversoUniverso
(diferenças(diferenças conflitantes).conflitantes). NesteNeste ReinoReino NaturalNatural ouou UniversoUniverso
(diferenças(diferenças conflitantes).conflitantes). NesteNeste ReinoReino NaturalNatural ouou UniversoUniverso
(diferenças(diferenças conflitantes).conflitantes). NesteNeste ReinoReino NaturalNatural ouou UniversoUniverso

NesteNeste ReinoReino NaturalNatural ouou UniversoUniverso AstAstralral estaesta ““dualidade”dualidade” espiritualespiritual sese manifestamanifesta comocomo “aspecto“aspecto masculino”masculino” ouou ativoativo ee “as-“as- pectopecto femfemininoinino”” ouou passivpassivo.o. TambémTambém nesnessese UniveUniversorso AsAstratra ll háhá HierarquiasHierarquias ee aa conseqüenteconseqüente LeiLei RegulativaRegulativa denominaddenominadaa KarmaKarma ConstitConstituído,uído, queque temtem comocomo causcausaa oo queque vimosvimos discutindodiscutindo ee priprinn **

7070

\\CCmmuunniissiiddddkkaa yyWW kkaapp iiaaggkkaa

44

cipalmentecipalmente oo fatofato dede serser oo “Eu“Eu Superior”Superior” (Ser(Ser Uno)Uno) diferentediferente dodo “Eu“Eu Inferior”Inferior” (Ser(Ser Pluralista).Pluralista). ApApósós estaestass ligeirasligeiras incursõincursõeses emem nossanossa MeMetafísitafísica,ca, ondeonde iremosiremos encontrarencontrar aa causaraiz,causaraiz, aa causacausa primevaprimeva dede ttodasodas asas do-do- ençasenças (sofrimentos(sofrimentos ee doresdores existenciais),existenciais), centralizcentralizemosemos aa aten-aten- çãoção nasnas enfermidadesenfermidades queque assolamassolam oo “Ser“Ser Espiritual”Espiritual” nono mundomundo dada energia,energia, sejaseja elaela sutilíssima,sutilíssima, sutilsutil ouou densa.densa. AAoo ““SeSerr EspiritEspiritual”ual” qqueue fazfaz usouso dede organismosorganismos mentalmental ee astrastral,al, constituídosconstituídos dede energiaenergia sutilíssimasutilíssima ee sutil,sutil, respectivamente,respectivamente, denominamosdenominamos genericamentegenericamente dede “alma”,“alma”, vocábulovocábulo muitomuito conhe-conhe- cidocido porpor todostodos osos estudiososestudiosos dasdas ciênciasciências teológicateológicass ee mesmomesmo pelopeloss leigos.leigos. AA ““alma”alma”podepode utiliutilizarsezarse dede umum corpocorpo físicofísico densodenso (reen-(reen- carnação),carnação), sendosendo queque nelenele asas humanashumanas criaturascriaturas acreacreditamditam estarestar asas doençasdoenças (manifestação(manifestação dodo doente).doente). NesteNeste corpocorpo fífísicosico densodenso ondeonde manifestamsemanifestamse asas doenças,doenças, estudemosestudemos suasua composcomposiçãoição oculta,oculta, infelizmenteinfelizmente aindaainda arcanoarcano indecifrávelindecifrável parapara aa CiênciaCiência OficialOficial terrena.terrena. OsOs estudantesestudantes dodo espiritualismo,espiritualismo, sejamsejam iniciantesiniciantes oouu avan-avan- çados,çados, sabemsabem queque tantotanto nono âmbitoâmbito sutilsutil ouou densodenso podpodeseese afir-afir- marmar queque tudotudo éé compostocomposto dada agregaçãoagregação dosdos “cinco“cinco eleelementosmentos sutis”.sutis”. NestesNestes “cinco“cinco elementoselementos sutis”sutis” temostemos umum arquetipal,arquetipal, indiferenciado,indiferenciado, dandodando origemorigem aosaos demais.demais. NoNo processprocessoo agregativo,agregativo, esteeste quintoquinto elementoelemento (Espaço(Espaço ouou Éter)Éter) ddáá origemorigem aoao elementoelemento eólico,eólico, esteeste poporr suasua vezvez aoao ígneo,ígneo, queque ssee transfortransformama emem hídrico,hídrico, parapara fmalmentefmalmente haverhaver aa transformaçãotransformação paparara oo telúrico.telúrico. ComoComo sese podepode avaliar,avaliar, partimospartimos dodo maismais susutiltil atéaté oo maismais denso.denso. OO processoprocesso inversoinverso tambémtambém acontece,acontece, ististoo é,é, dodo maismais densodenso aoao maismais sutil,sutil, sendosendo queque ambosambos osos procesprocessossos sese dis-dis- solvemsolvem nono éter,éter, queque contémcontém osos quatroquatro demais.demais. MasMas qualqual aa intençãointenção emem citarcitar osos elementoselementos sutis?sutis?

7711

SSaacceerrddoottee,,

SSaacceerrddoottee,, e, e,//VVUUddiiccoo ÉÉ simplessimples AA constituiçãoconstituição dosdos organismos,organismos,

e,

e,//VVUUddiiccoo

ÉÉ simplessimples AA constituiçãoconstituição dosdos organismos,organismos, desdedesde oo maismais sutilsutil aoao maismais denso,denso, éé feitafeita pelospelos “cinco“cinco elementoselementos”” e,e, comocomo asas doençasdoenças sese manifestammanifestam nosnos organismosorganismos ee estesestes sãosão cocompostosmpostos dosdos elementos,elementos, éé nestesnestes queque vamosvamos encontrarencontrar aa “orig“origemcausa”emcausa” dasdas doençasdoenças ee comocomo nelesneles encontraremosencontraremos aa terapia,terapia, ttomandoomando porpor basebase oo processoprocesso dede expansãoexpansão ee contração,contração, ouou agregaçãoagregação ee desagregação.desagregação.

agregaçãoagregação ee desagregação.desagregação. EstaEsta éé aa prpropostaoposta fundamfundamentalental
agregaçãoagregação ee desagregação.desagregação. EstaEsta éé aa prpropostaoposta fundamfundamentalental

EstaEsta éé aa prpropostaoposta fundamfundamentalental destadesta obra,obra, demondemonstrarstrar queque nana dependênciadependência dosdos “elementos“elementos sutis”sutis” (formadores(formadores dodoss organis-organis- mos)mos) podesepodese exteriorizarexteriorizar aa doençadoença ouou aa cura,cura, emboremboraa possa-possa- mosmos sublimarsublimar osos elementos,elementos, purificandoos,purificandoos, produzinproduzindodo bioenergiasbioenergias sadiassadias queque poderãopoderão aumentaraumentar aa qualidadequalidade dede vida,vida, inclusiveinclusive aa longevidade,longevidade, sese aa consciênciaconsciência sobresobre aa RRealidadeealidade forfor aa constanteconstante dodo espíritoespírito encarnado.encarnado. NecessitamosNecessitamos fazerfazer oo caminhocaminho dede retornoretorno e,e, oo maismais rrápi-ápi- dodo possível,possível, neutralizarneutralizar oo “homemconstituído”“homemconstituído” (Rei(Reinono Natu-Natu- ral),ral), responsávelresponsável pelospelos sucessivossucessivos nascimentosnascimentos ee momortesrtes que,que, em-em- borabora nobilitantes,nobilitantes, aindaainda demonstramdemonstram aa instabilidadeinstabilidade ouou labilidadelabilidade dosdos elementoselementos (mudanças(mudanças constantes)constantes) ee prprincipalmen-incipalmen- tete queque oo espíritoespírito aindaainda encontraseencontrase doente,doente, queque nãonão conseguiuconseguiu subtrairsubtrair dede sisi mesmomesmo asas diversidades,diversidades, conflitosconflitos ee ttodoodo séquitoséquito dede dores,dores, sofrimentos,sofrimentos, angústiasangústias ee afliçõesaflições existenexistenciaisciais própriaspróprias dodo “Reino“Reino dasdas Mudanças”.Mudanças”. Enfim,Enfim, nãonão sese conseguiuconseguiu vevencerncer osos apegosapegos ee desejosdesejos dede corpos,corpos, poispois nossonosso “Eu”“Eu” insisteinsiste ee resisteresiste emem nãonão quererquerer oo Uno,Uno, aa ConsciênciaUna.ConsciênciaUna. QueQue dizerdizer entãentãoo dada UnidadeUnidade Espiritual?Espiritual? EisEis aa ccausaausa dadass doenças;doenças; oo própriopróprio doente,doente, aa insubordininsubordina-a- çãoção aosaos aspectosaspectos incriadosincriados (Unidade)(Unidade) ee oo amorprópramorpróprioio (orgu(orgu

7722

\Vmuni\Vmunisidcsidcll\ll\aa .AA.AA \ap\ap iagkiagk aa

^^

lho,lho, egoísmoegoísmo ee vvaidade)aidade) exaltandoexaltando aa pluralidade,pluralidade, aa diversidadediversidade ee osos conflitosconflitos vários.vários.

ee osos conflitosconflitos vários.vários. EsperamosEsperamos queque estesestes humildeshumildes
ee osos conflitosconflitos vários.vários. EsperamosEsperamos queque estesestes humildeshumildes

EsperamosEsperamos queque estesestes humildeshumildes apontamentosapontamentos queque esten-esten- demosdemos aoao médiummédium possampossam localizarlocalizar aa causacausa dasdas doençadoençass huma-huma- nas,nas, masmas principalmenteprincipalmente aa origemorigem primevaprimeva delas,delas, queque sese encon-encon- tratra emem todostodos nós,nós, emem nossanossa essênciaessência polarizada,polarizada, degdegradadaradada emem criaçõescriações pluralistas,pluralistas, geradorasgeradoras dede umauma diversidadediversidade imensaimensa dede “doenças”,“doenças”, queque têmtêm suasua basebase discursiva,discursiva, suasua explicaexplicação,ção, nana pró-pró- priapria condutaconduta dodo doente,doente, queque poderpoderáá ddebelálebelálaa ouou agravála.agravála. QueQue aa “Suprema“Suprema CoConsciênciansciência EspiEspiritual”,ritual”, atravatravésés dosdos SeteSete Arashas/OrishasArashas/Orishas VVirginaiirginaiss  aa CoCoroaroa DivDivinaina ee todatoda aa HHieraierar-r- quiaquia Sagrada,Sagrada, abençoenosabençoenos aa todostodos comcom suassuas vibraçõesvibrações dede uni-uni- dade,dade, queque neutralizeneutralize todatoda diversidadediversidade ee pluralidadepluralidade causadorascausadoras dede doentesdoentes ee doenças.doenças. ComCom asas bênçãosbênçãos dodo AugustoAugusto Arashala,Arashala, dede OshalaOshala ee dede todostodos ooss ArashasArashas  OrixOrixás.ás.

AranAranauamauam

Savatara

Savatara

Samany

Samany

CabocloCaboclo UrubatãoUrubatão dada GuiaGuia (Arashamanan)(Arashamanan)

7733

FilhosFilhos Planetários,Planetários, Aranauam!Aranauam! MaisMais umauma vezvez retornamosretornamos aoao

FilhosFilhos Planetários,Planetários, Aranauam!Aranauam! MaisMais umauma vezvez retornamosretornamos aoao convívioconvívio salutarsalutar cocomm todos,todos, sejamsejam umbandistasumbandistas ouou não,não, poispois oo queque realmenterealmente importimportaa éé oo quantoquanto sese desejadeseja oo bembem dede todos,todos, ee apressamosapressamos emem exexplicarplicar oo porquê.porquê. NaNa verdadeverdade todostodos osos seresseres astralizadosastralizados responsáveisresponsáveis sãsãoo universalistas,universalistas, nuncanunca sectarissectaristastas ouou fomentadfomentadoresores dede cizâncizâniasias ouou inverdades.inverdades. MesmoMesmo sendosendo seresseres espirituaisespirituais astralizadosastralizados humil-humil- desdes sabemossabemos dada ReligiãoReligião Cósmica,Cósmica, daTriunidadedaTriunidade CósmicCósmica:a: Sa-Sa- bedoriabedoria  AAmmoror  PodPoderer DivDivinos,inos, sesendondo iistosto oo qqueue prpropaga-opaga- mos.mos.

 AAmmoror  PodPoderer DivDivinos,inos, sesendondo iistosto oo qqueue prpropaga-opaga- mos.mos. ,,
 AAmmoror  PodPoderer DivDivinos,inos, sesendondo iistosto oo qqueue prpropaga-opaga- mos.mos. ,,

,,

 AAmmoror  PodPoderer DivDivinos,inos, sesendondo iistosto oo qqueue prpropaga-opaga- mos.mos. ,,
 AAmmoror  PodPoderer DivDivinos,inos, sesendondo iistosto oo qqueue prpropaga-opaga- mos.mos. ,,

SS aa cc ee rr dd oo tt ee ,,

MM aa gg °°

ee

MM éé dd iicc oo

NoNo momentomomento afirmamosafirmamos pertencerpertencer aoao MovimentoMovimento UmbandUmbandista,ista, oo queque éé verdadeiro,verdadeiro, poispois oo mesmesmo,mo, nono mmenorenor espa-espa- çoço dede tempotempo possível,possível, buscabusca restaurarrestaurar aa ReligiãoReligião CóCósmicasmica ee nãonão fomentarfomentar sectarismosectarismo ee aa ortodoxiaortodoxia geradoresgeradores dada ignoignorância,rância, queque éé aa visãovisão distorcidadistorcida dada realidaderealidade ee queque levaleva aoao perperniciosonicioso fana-fana- tismo,tismo, aa factóidesfactóides insufladoresinsufladores dede conflitosconflitos queque cuculminamlminam emem violênviolênciacia emem todostodos osos âmbitosâmbitos dodo relacionamrelacionamentoento humano.humano. OsOs FilhosFilhos PlanetáriosPlanetários haverãohaverão dede convirconvir queque aa “Reli“Religião”,gião”, queque preferimospreferimos denominardenominar dede re(união)re(união) ouou conexãoconexão cocomm oo Sa-Sa- grado,grado, deveriadeveria serser umauma só,só, poispois umum sósó éoéo espíespíritrito,o, aa essênciaessência eternaleternal queque aa tudotudo sobrevive.sobrevive. MasMas sese éé verdadeverdade oo queque CaboclCabocloo estáestá di-di- zendo,zendo, porpor queque nãonão éé assimassim aa realidade,realidade, éé oo contrárcontrário?io? ConcordamosConcordamos comcom oo questionamentoquestionamento poispois oo mesmomesmo éé pertpertineninente,te, todavtodaviaia todostodos reconhecemreconhecem queque aass diferençadiferençass sãsãoo realçadasrealçadas muitomuito maismais queque asas semelhanças,semelhanças, ee istoisto sese devedeve aoao ego-ego- ísmo,ísmo, oo orgulhoorgulho ee aa vaidadevaidade dede muitosmuitos FilhosFilhos PlanetPlanetários.ários.

dede muitosmuitos FilhosFilhos PlanetPlanetários.ários. MuitosMuitos permanecempermanecem emem suassuas
dede muitosmuitos FilhosFilhos PlanetPlanetários.ários. MuitosMuitos permanecempermanecem emem suassuas

MuitosMuitos permanecempermanecem emem suassuas cidadelascidadelas acreditandoacreditando serser inexpugnáveisinexpugnáveis mamass emem verdadeverdade nãonão suportamsuportam aa mínimamínima aaragemragem dada realidade,realidade, dede consistência,consistência, dede boaboa lógicalógica espiriespiritualtual ouou huma-huma- na.na. Mas,Mas, afinal,afinal, oo queque éé aa taltal realidade?realidade? RealidadeRealidade éé umauma marcha,marcha, umum processoprocesso dede mudançasmudanças concons-s- tantes,tantes, poispois nono mundomundo dasdas formasformas aa prevalênciaprevalência éé dada transitoritransitori edade,edade, dada fmitudefmitude dede todastodas asas coisas.coisas. Teorias,Teorias, CiênCiências,cias, Filosofias,Filosofias, ArArtestes ee ReligiõesReligiões sãosão ttraran-n- sitórias,sitórias, poispois estãoestão nono “universo“universo dada energia”energia” cujacuja leilei éé aa constan-constan- tete mudança;mudança; tudotudo oo queque “nasce”“nasce” “morre”“morre” ee tudotudo passapassa porpor esteeste proceprocesso.sso. NegáloNegálo,, comocomo muitosmuitos vêmvêm fazendo,fazendo, éé atravanatravancarcar oo

7766

yy cc

5i5iddddkaka .Ark.Ark apap iaghiagh aa

^^

progressoprogresso ee contcontribuirribuir parapara aa estagnaçãoestagnação eevolutivavolutiva dada hhumaumani-ni- dadedade terrenaterrena ee dede suasua contrapartecontraparte astralastral contígua,contígua, ondeonde sese “aco-“aco-

modam”modam” milhõemilhõess dede seresseres espirituaisespirituais totalmentotalmen tete hhumanizados,umanizados, emem -- borboraa nãonão possuampossuam maismais corposcorposffííssiiccoo ss dendensossos

EstasEstas humanashumanas criaturascriaturas desencarnadasdesencarnadas (muitas(muitas delasdelas quandoquando encarnadasencarnadas sese diziamdiziam espiritualistas)espiritualistas) têmtêm trazitrazidodo mui-mui- tostos óbicesóbices àà evolução,evolução, ocasionandoocasionando umauma sériesérie imensaimensa dede iniqüiiniqüi dades,dades, poispois aoao perderperder aa noçãonoção dede sisi mesmas,mesmas, dada realrealidade,idade, levamlevam muitosmuitos encarnadosencarnados desatentosdesatentos aa cometercometer verdadeirosverdadeiros acinacintestes aoao bombom sensosenso ee àà éticaética espiritual.espiritual. EsteEste intercâmbiointercâmbio entreentre encarnadosencarnados ee desencarnadosdesencarnados “en-“en- louquecidos”louquecidos” distanciadistancia aa humanidadhumanidadee terreterrenana dada paz,paz, dada luzluz ee dada harmoniaharmonia indutorasindutoras dada convivênciaconvivência pacífica.pacífica. ApóApóss estaesta nefastanefasta constatação,constatação, devesedevese eentendntenderer oo quantoquanto devdevee seserr dificultosadificultosa aa convergênciaconvergência  oo retornretornoo àà unidadeunidade emem todostodos osos setoressetores humanos.humanos.

QuandoQuando aa convergênciaconvergência forfor conquistada,conquistada, elevaráelevará oo planeplane-- tata àà condiçãocondição dede Superior,Superior, reinadoreinado dada paz,paz, dodo amor,amor, dada sabedo-sabedo- riaria ee dada concórdia.concórdia. NestesNestes auspiciososauspiciosos tempostempos terseãterseãoo venci-venci- dodo asas iniqüidades,iniqüidades, asas guerrasguerras fratricidas,fratricidas, asas diferdiferençasenças sociais,sociais, políticpolíticas,as, eeconômicas,conômicas, étnicasétnicas ee aa ignóbilignóbil diferençadiferença rreligiosa,eligiosa, poipoiss religiãoreligião éé unidade,unidade, nuncanunca pluralidadepluralidade ouou conflitos.conflitos. MuitosMuitos afirmamafirmam nãonão serser justojusto possuirpossuir umum sósó sistemasistema relireli-- gioso.gioso. NãoNão éé democrático,democrático, ferefere aa liberdade,liberdade, oo livrearbílivrearbítrio,trio, sen-sen- dodo truculênciatruculência ee intransigênciaintransigência espiritualespiritual propagarsepropagarse ttalal con-con-

ceito

SemSem quererquerer polemizar,polemizar, poispois nenhumnenhum serser espiritualespiritual res-res- ponsávelponsável ssee interessainteressa emem instigainstigarr discudiscussõssõeses improdimprodutivas,utivas, que-que- remosremos externarexternar nossanossa humildehumilde opiniãoopinião aa respeito.respeito. NoNo atualatual estágioestágio evolutivoevolutivo dodo planetaplaneta TerraTerra temostemos muimuitastas diferendiferençasças queque diadia aa dia,dia, lentamlentamente,ente, estãoestão sendosendo aparadas,aparadas, poipoiss muitosmuitos homenshomens perceberamperceberam queque nãonão vivemvivem sósó ee necessinecessitamtam sese

ceito

7777

SSaacceerrddoottee,,

SSaacceerrddoottee,, eA eAAAééddiiccoo relacionarrelacionar comcom osos outrosoutros homens.homens. HáHá

eA

eAAAééddiiccoo

relacionarrelacionar comcom osos outrosoutros homens.homens. HáHá profundaprofunda interdinterdependênciaependência entreentre todos.todos. OO SistemaSistema funcionafunciona dede formaforma integradaintegrada ee nnãoão indi-indi- vidualizada.vidualizada. SeSe nãonão éé inindividuadividuall ee simsim coletiva,coletiva, éé justojusto pleipleiteartear se,se, oo queque jájá estáestá acontecendo,acontecendo, aa uniãounião dosdos povospovos emem seusseus aspec-aspec- tostos econômicos,econômicos, sociaissociais e,e, principalmente,principalmente, geopolítgeopolíticos.icos. ParaPara brevebreve estaremosestaremos vencendovencendo asas barreirasbarreiras geopolíticas,geopolíticas, raciaisraciais ee lingüísticas,lingüísticas, poispois deixaremosdeixaremos oo exclusivisexclusivismomo (orgulho,(orgulho, ignorânciaignorância ee vaidade)vaidade) nacionalistanacionalista ee falaremosfalaremos dodo PlaPlanetaneta TerraTerra comocomo nossanossa pátria.pátria. EstesEstes tempostempos chegarão,chegarão, sósó precisamoprecisamoss ven-ven- cercer aa avarezaavareza (apegos),(apegos), asas aversõesaversões (ódio)(ódio) ee osos engenganosanos (igno-(igno- rância)rância) dede acharmosacharmos queque asas diferençasdiferenças sãosão melhoresmelhores queque asas se-se- melhanças,melhanças, queque oo pluralismopluralismo éé melhormelhor queque oo monismo.monismo.

éé melhormelhor queque oo monismo.monismo. TodosTodos desejamosdesejamos umum mundomundo dede pazpaz
éé melhormelhor queque oo monismo.monismo. TodosTodos desejamosdesejamos umum mundomundo dede pazpaz

TodosTodos desejamosdesejamos umum mundomundo dede pazpaz ondeonde hajahaja igualdade,igualdade, masmas estaesta dependedepende dede todostodos ee nãonão sósó destedeste ouou daqueledaquele grupo;grupo; repetimos,repetimos, háhá aa necesnecessidadsidadee dede esforçosesforços unificadosunificados  resgatarresgatar aa UnidadeUnidade Planetária,Planetária, ondeonde nãonão maismais hajahaja lugarlugar àà guerra,guerra, poispois

venceuvenceusese aa ignóbilignóbil ambição,ambição, oo egoísmoegoísmo ee oo oorgulhorgulho destdestruidruido-o- res.res. SóSó haveráhaverá interesseinteresse nono hh oomm emem unun ii vv ee rr sasa ll independenteindependente dodo território,território, que,que, aliás,aliás, seráserá abolido,abolido, sendosendo todotodo ee qualqualquerquer terri-terri- tóriotório denominadodenominado planetário.planetário. BonsBons tempostempos estes,estes, nãonão é,é, FilhoFilho Planetário?Planetário? EE comocomo desencadeardesencadear oo processo?processo? OO mesmomesmo jájá foifoi desen-desen-

aguardar

cadeado,cadeado, éé sósó aguardar

NoNo términotérmino dede nossosnossos pensamentospensamentos expressosexpressos nesteneste des-des- pretensiosopretensioso textotexto,, querqueremosemos reiterarreiterar ququee aceitaceitamosamos aa todostodos comocomo são,são, masmas aquelesaqueles queque alhuresalhures questionaramquestionaram sobresobre oo livlivrearbírearbí trio,trio, aa liberdadeliberdade dede expressão,expressão, aa truculênciatruculência espirespiritual,itual, queque achamacham dede nossanossa propostaproposta dede união?união?

7788

^amM^amM nisinisiddkaddka ;Ai*hapiagka;Ai*hapiagka

}}{{

SomosSomos porpor umauma pátriapátria una,una, istoisto emem nívelnível planetário,planetário, parapara nono decorrerdecorrer dodo tempotempo pleitearmospleitearmos nãonão maismais umum solosolo uuno,no, masmas oo cosmocosmo único,único, todostodos comocomo CidadãosCidadãos Cósmicos.Cósmicos. ClaroClaro que,que, maismais umauma vez,vez, insistimos;insistimos; respeitamosrespeitamos ququemem assimassim nãonão entende,entende, todavia:todavia:

NãoNão seriaseria bombom termostermos umauma sósó pátriapátria planetária?planetária? NãoNão seriaseria interessinteressanteante termostermos justiçajustiça parapara todos,todos, querquer nosnos âmbitosâmbitos social,social, econômico,econômico, cultural,cultural, político?político? NãoNão seriaseria espiritualizanteespiritualizante pensarmospensarmos emem igualdadeigualdade eemm todostodos osos setores,setores, ondeonde venceriamosvenceriamos oo karmakarma coletivocoletivo auxiliandoauxiliando aa neutralizaçãoneutralização dodo karmakarma individual?individual? NãoNão seriaseria maismais acertadoacertado umum sósó povopovo parapara umum sósó planeplaneta?ta? OndeOnde todostodos tivessemtivessem condiçõescondições dede evoluirevoluir ee progrediprogredir?r? ondeonde todostodos cooperassem?cooperassem? ondeonde houvessemhouvessem interessesinteresses comunscomuns pelapela evoluçãoevolução dede todos?todos? AcreditamAcreditamosos queque todostodos sejamsejam favoráveisfavoráveis popo rr esteestess estági-estági- osos avançadosavançados dede sociedade.sociedade. Portanto,Portanto, nãonão vemosvemos nenhnenhumum in-in- convenienteconveniente emem termostermos nono planetaplaneta umum sósó povo,povo, unidounido ee imbuí-imbuí- dodo dede elevadoselevados sentimentossentimentos dede progressoprogresso ee evolução;evolução; umauma sósó Religião,Religião, ouou melhor,melhor, umauma Re(união)Re(união) diretadireta ee imediatimediataa comcom oo SagSagradrado,o, sesendondo estaesta aa ReligiãoReligião CóCósmicasmica  aa dodo AmAmor,or, SabedSabedo-o- riaria ee PoderPoder Divinos.Divinos.

SabedSabedo-o- riaria ee PoderPoder Divinos.Divinos. EnquantoEnquanto istoisto nãonão aconteceracontecer
SabedSabedo-o- riaria ee PoderPoder Divinos.Divinos. EnquantoEnquanto istoisto nãonão aconteceracontecer
SabedSabedo-o- riaria ee PoderPoder Divinos.Divinos. EnquantoEnquanto istoisto nãonão aconteceracontecer

EnquantoEnquanto istoisto nãonão aconteceracontecer haveremoshaveremos dede terter muitasmuitas disdis sensõessensões ee guerras,guerras, provaprova insofismávelinsofismável dasdas mazelasmazelas oouu imperfei-imperfei- çõesções humanas,humanas, estasestas mesmasmesmas geradorasgeradoras dede doençasdoenças espespirituais,irituais, sociais,sociais, psíquicaspsíquicas ee somáticas.somáticas. Eis,Eis, pois,pois, aa causacausa básicabásica dasdas dodo

7799

SS aa cc ee rr dd oo tt ee ,,

J\AagoJ\Aago ee /vAéd/vAédicoico

enças,enças, aa qualqual seráserá esmiuçadaesmiuçada nestanesta obraobra que,que, porpor aqaquiescênciauiescência dodo “Mago“Mago dodo CruzeiroCruzeiro Divino”Divino” (Mestre(Mestre Arashamanan),Arashamanan), oo ArhArhapiaapiaghagha estáestá estendendestendendoo aa todatoda aa ColetColetividaividadede Terrena.Terrena. ComoComo perguntapergunta finalfinal poderíapodería questionarse:questionarse: comocomo debdebe-e- larlar definitivamentedefinitivamente asas doenças?!doenças?! CabocloCaboclo responde:responde: eliminandoeliminando asas imperfeiçõesimperfeições citadas.citadas. ParaPara eliminálaseliminálas éé que,que, pelospelos quatroquatro cantoscantos dodo Mundo,Mundo, milha-milha- resres dede enviadosenviados dodo PlanoPlano AstralAstral SuperiorSuperior transmitemtransmitem asas mesmes-- masmas exortações;exortações; penapena queque nemnem todostodos asas entendamentendam dada mesmamesma forma.forma. NãoNão importa,importa, CabocloCaboclo estaráestará sempresempre próximopróximo dede você.você.

EstaremosEstaremos sempresempre juntos;juntos; somossomos

imortaisimortais ee aindaainda estaremosestaremos haurindohaurindo dada UnidadeUnidade Consciencial.Consciencial. FiquemFiquem emem paz,paz, ee muitomuito gratograto pelapela tolerânciatolerância ee amizadeamizade

dispensadadispensada aa Caboclo.Caboclo. QueQue OxaláOxalá osos recompense.recompense. QueQue osos SeteSete Arashas/OrishasArashas/Orishas neutralizemneutralizem todatoda desigual-desigual-

FiqueFique próximopróximo dede Caboclo

Caboclo

dade.dade. SalveSalve OgunOgun queque meme ordena

ordena

Yama

Yama

TT aa tt

Uttara

Uttara

Vam

Vam

Ogun

Ogun

AsAsii

ôôô

ôôô

CabocloCaboclo SeteSete EspadasEspadas (Orishivara)(Orishivara)

8080

““HáHá duasduas espéciesespécies dd ee conhconhecimento.ecimento. HáHá umauma CiênciaCiência MédicaMédica ee

““HáHá duasduas espéciesespécies dd ee conhconhecimento.ecimento. HáHá umauma CiênciaCiência MédicaMédica ee umauma SabedoriaSabedoria Médica.Médica. AA com-com- prepreensensãoão ananimimalalpepe rtrtenencece aoao homehomemm animal,animal, masmas aa compreecompreensãonsão dosdos mistériosmistérios divinosdivinos pertenperten cece aoao es-es- pípíriritoto ddee DeusDeus neles.neles. ””

(Fundamento(Fundamento Sapientiae)Sapientiae)

AA UmbandaUmbanda comocomo DDououtrintrin aSaSababedoedo riaria entendeentende medici-medici- nana comocomo poçãopoção alquímicaalquímica quintessenciadaquintessenciada ee nãonão somensomentete comocomo ciênciaciência queque sese preocupapreocupa basicamentebasicamente comcom oo estudoestudo dadass doençasdoenças ee doentesdoentes alicerçadosalicerçados emem anatomia,anatomia, Fisiologia,Fisiologia, bioqbioquímica,uímica, pa-pa- tologia,tologia, Semiologia,Semiologia, terapêuticaterapêutica etc.etc. AA patologia,patologia, tãotão bembem retratadaretratada emem seseusus aspectosaspectos mm orforfoo fisiologicos,fisiologicos, encontraencontra sériassérias restriçõesrestrições parapara defindefinirir oo queque sejamsejam desconforto,desconforto, dor,dor, angústia,angústia, moléstiamoléstia etc.etc. AléAlémm dodo maismais,, popodesedese objetarobjetar contracontra aass definições,definições, poispois comocomo delimitardelimitar aa fronteirafronteira individualizadaindividualizada entreentre coconfortonforto ee desdes

SSaacceerrddoottee,,

MMaaggooee MMééddiiccoo

conforto,conforto, bemestarbemestar ee malestar?malestar? NãoNão háhá comocomo fazêlfazêloo dede for-for- mama absoluta,absoluta, poispois variavaria dede indivíduoindivíduo aa indivíduoindivíduo ee mais,mais, osos pro-pro- cecessossoss adaptativosadaptativos sãosão fatoresfatores limitantlimitanteses ee impossimpossibilitamibilitam sepa-sepa- rarrar osos sãossãos dosdos doentesdoentes segundosegundo fundamentosfundamentos abertosabertos àà discus-discus- sãsão.o. AA UmbanUmbandada preconizapreconiza queque oo graugrau dede saúsaúdede éé aa nossanossa aceacei-i- taçãotação ee consonânciaconsonância comcom oo natural,natural, comcom oo reconhecimreconhecimentoento dada unidadeunidade ee supremaciasupremacia dada Lei.Lei. EstaEsta LeiLei éé oo queque denomdenominamosinamos harmonia,harmonia, estabilidadeestabilidade ee equilíbrio.equilíbrio. SeSe aa estaesta triutriunidadenidade associ-associ- amosamos aa saúde,saúde, àà reciprocareciproca associamosassociamos aa doença,doença, queque comcom clarezaclareza meridianameridiana percebesepercebese serser decorrênciadecorrência dodo indivíduoindivíduo ddesconexo,esconexo, porportantotanto doente.doente.

ddesconexo,esconexo, porportantotanto doente.doente. NãoNão sese entendaentenda nossasnossas
ddesconexo,esconexo, porportantotanto doente.doente. NãoNão sese entendaentenda nossasnossas
ddesconexo,esconexo, porportantotanto doente.doente. NãoNão sese entendaentenda nossasnossas

NãoNão sese entendaentenda nossasnossas assertivasassertivas comocomo fatoresfatores conflconflitantesitantes entreentre UmbandaUmbanda ee MedicinaMedicina Acadêmica,Acadêmica, poispois sempresempre ouvouvimosimos dede ‘‘ nossosnossos MentoresMentores Espirituais”Espirituais” que,que, parapara oo momenmomento,to, aa nobrenobre artearte dede HipócratesHipócrates cumprecumpre suasua função,função, sendosendo merecedmerecedoraora dede nossonosso irrestritoirrestrito respeito,respeito, taltal qualqual osos outrosoutros setorsetoreses científicos.científicos. EnfatizandoEnfatizando osos benefíciosbenefícios incontestáveisincontestáveis proporcionproporcionadosados pelaspelas CiênciasCiências MédicasMédicas ee osos avançavançosos dede outrasoutras ciêncciênciasias utilutiliza-iza- dasdas tambémtambém emem medicina,medicina, sósó temostemos aa lamentarlamentar aa faltafalta dede pene-pene- traçãotração ee percepçãopercepção dede queque háhá umauma LeiLei UniversalUniversal queque quandoquando respeitadarespeitada traztraz harmoniaharmonia ee saúde.saúde. OO contrário,contrário, istoisto é,é, suasua trans-trans- gressão,gressão, acarretaacarreta desarmoniadesarmonia ouou doença.doença. Assim,Assim, temotemoss doençadoença comocomo desarmdesarmonia.onia. AA todatoda ee qualquequalquerr desarmoniadesarmonia denomindenomina-a- mosmos doença,doença, sejaseja elaela espiritual,espiritual, mental,mental, psicológicpsicológica,a, somáticasomática ouou social.social.

8282

^^aammuunniissiiddccllKKaa ;;AA rrkk aapp iiaaggkk aa

$$

AA UmbandaUmbanda aceitaaceita aa MedMedicinicinaa dada atualidade,atualidade, poispois sasabebe queque aa mesmamesma estáestá emem processoprocesso adaptativo,adaptativo, emem constanconstantete avan-avan- ço.ço. ComoComo tambémtambém utilizaseutilizase dede outrasoutras ciências,ciências, taltal qualqual aa Físi-Físi- ca,ca, queque estáestá chegandochegando àà conclusãoconclusão queque aa matériamatéria éé ccompostaomposta porpor feixefeixess ouou ““campocamposs eletromaeletromagnéticos”gnéticos” (é(é ilusórioilusório oo queque vve-e- mos);mos); concluiráconcluirá aa medicinamedicina queque deverádeverá focarfocar suasua ateatençãonção ee seusseus estudosestudos nana energiaenergia sutil,sutil, nasnas energiasenergias aindaainda nãonão dedetectadastectadas masmas queque nãonão invalidaminvalidam suasua existência.existência. Completando,Completando, poispois esperamosesperamos queque oo livrolivro demonstredemonstre oo queque aquiaqui resumimos,resumimos, ee comocomo tambémtambém somossomos umum asseclaassecla dede AsclépAsclépio,io, emboraembora umbandistaumbandista (universalista),(universalista), antesantes dede qualquerqualquer coisacoisa procuramosprocuramos nãonão ferirferir aa diceologiadiceologia médica,médica, tententamostamos interfacearinterfacear asas duas,duas, poispois cremoscremos queque nana UmbandaUmbanda encencontramosontramos oo subsídiosubsídio parapara todastodas asas explicaçõesexplicações nosnos âmbitosâmbitos dada Ciência,Ciência, dada Filosofia,Filosofia, dada ArteArte ee dada Religião.Religião. NaNa UmbandaUmbanda temostemos queque tudotudo éé universo,universo, istoisto é,é, oo mesmesmomo ssee expreexpressassa tantantoto nono macromacro comocomo nono micro.micro. AA própró priapria cosmogênese,cosmogênese, emem obediênciaobediência àà LeiLei Suprema,Suprema, suprimiusuprimiu oo caoscaos ee ssee fezfez ordemordem (Cosmo).Te(Cosmo).Temosmos coconvicçãonvicção dede queque oo mesmomesmo acon-acon- teceuteceu nana antropogênese,antropogênese, ondeonde oo SerSer EspiritualEspiritual subtrsubtraiuaiu dede sisi oo caoscaos (desarmonia)(desarmonia) ee nono UniversoUniverso encontrariaencontraria meiosmeios parapara een-n- contrarcontrar aa ordemordem ee aa harmharmoniaonia (C(Cosmoosmo == HomemHomem)) perdidasperdidas Eis,Eis, pois,pois, aa causacausa ee tambémtambém aa curacura dasdas doenças.doenças.

ee tambémtambém aa curacura dasdas doenças.doenças. DoençaDoença éé aa nãopercepçãonãopercepção
ee tambémtambém aa curacura dasdas doenças.doenças. DoençaDoença éé aa nãopercepçãonãopercepção
ee tambémtambém aa curacura dasdas doenças.doenças. DoençaDoença éé aa nãopercepçãonãopercepção
ee tambémtambém aa curacura dasdas doenças.doenças. DoençaDoença éé aa nãopercepçãonãopercepção

DoençaDoença éé aa nãopercepçãonãopercepção dada integraçãointegração ee dada conexãoconexão ddoo HomemHomem (microcosmo)(microcosmo) comcom oo UniversoUniverso (macrocosmo)(macrocosmo) ee suassuas

8833

SSaacceerrddoottee//

SSaacceerrddoottee// M Mééddiiccoo Leis.Leis. EstaEsta éé aa visãovisão umbandísticaumbandística dede saúdesaúde

M

Mééddiiccoo

Leis.Leis. EstaEsta éé aa visãovisão umbandísticaumbandística dede saúdesaúde ee doençadoença,, dede suasua MedicinaMedicina dede Síntese,Síntese, queque preconizapreconiza aa HarmoniaHarmonia ee aa CConexãoonexão entreentre macromacro ee micromicro atravésatravés dosdos CentrosCentros dede IluminaçIluminaçãoão (chakras),(chakras), sendosendo estesestes projeçãoprojeção dodo própriopróprio macromacro nono microcosmo.microcosmo. QueQue osos Arashas,Arashas, SupremosSupremos CuradoresCuradores ee SenhoresSenhores dede nonos-s- sossos centroscentros dede iluminação,iluminação, nosnos abençoem.abençoem. AranauAranauam!am!

^amunisiddka^amunisiddka yWkapiacjkayWkapiacjka

TcmTcm fncofnco (Sumd(Sumdotot**

8484

stasta obraobra introdutóriaintrodutória àà MedicinaMedicina Umbandística,Umbandística, tamtam bémbém denominadadenominada MedicinaMedicina dede SínteseSíntese ouou MedicinaMedicina TâTântrntricaica (sã(sãoo sinônimos),sinônimos), darádará subssubsídiosídios aa profundasprofundas reflexõesreflexões e,e, semsem dúvidas,dúvidas, algunsalguns ee necessáriosnecessários quesquestionamentos.tionamentos. EE oo queque realmenterealmente esperamos.esperamos.

EE

PrezadosPrezados IrmãosIrmãos PlaPlanetárionetários,s, sejamsejam vvocêsocês umbandistasumbandistas ouou não,não, atentematentem parapara asas seguintesseguintes considerações:considerações:

NoNo passapassadodo remotoremoto oo SaSacerdote,cerdote, oo MagMagoo ee oo MédicMédicoo erameram aa mesmamesma pessoa.pessoa. EraEra profundoprofundo conhecedorconhecedor dosdos MistériosMistérios dodo Sagrado,Sagrado, dodo UniversoUniverso ee dodo Homem.Homem. SabiaSabia dasdas LeisLeis queque reregiamgiam oo relacionamentorelacionamento dodo HomemHomem (microcosmo)(microcosmo) comcom oo UniversoUniverso (macrocosmo),(macrocosmo), tendotendo comocomo eloelo dede ligaçãoligação entreentre ambosambos oo Sa-Sa- grado,grado, oo Divino.Divino.

ambosambos oo Sa-Sa- grado,grado, oo Divino.Divino. EsteEste conceitoconceito foifoi amplamenteamplamente
ambosambos oo Sa-Sa- grado,grado, oo Divino.Divino. EsteEste conceitoconceito foifoi amplamenteamplamente
ambosambos oo Sa-Sa- grado,grado, oo Divino.Divino. EsteEste conceitoconceito foifoi amplamenteamplamente

EsteEste conceitoconceito foifoi amplamenteamplamente discutidodiscutido ee aceito,aceito, mamass nono decorrerdecorrer dodo tempotempo foifoi sendosendo esquecidoesquecido ee postergado,postergado, priprincipal-ncipal- mentemente apósapós oo adventoadvento dodo métodométodo cartesiano,cartesiano, oo qualqual éé pedrapedra angularangular dasdas ciênciasciências físicas,físicas, biológicasbiológicas ee sociais.sociais.

SS aa cc ee rr dd oo tt ee ,,

]\]\ AaAa gogo

ee

MM éé dd iicc oo

NaNa atualidade,atualidade, renomadosrenomados cientistascientistas queque fazemfazem ressalressalvasvas aoao “Método“Método Científico”Científico” retomaramretomaram osos estudosestudos dada coneconexãoxão macromicrocosmomacromicrocosmo (Doutrina(Doutrina Tântrica),Tântrica), sendosendo levantalevantadasdas in-in- teressantesteressantes hipóteseshipóteses ee mesmomesmo teorias,teorias, entreentre asas quaquaisis citamoscitamos aa dodo CaosCaos (fractais)(fractais) ee dasdas SupercordasSupercordas ouou dede CamposCampos UnifUnificados,icados, ambasambas avançadosavançados estudosestudos dada TeoriaTeoria dada RelatividadeRelatividade (E(Einstein)instein) ee dada TeoriaTeoria QuânticaQuântica (Max(Max Planck).Planck). AsAs duas,duas, ramosramos dada FísicaFísica dada AltaAlta Energia,Energia, têmtêm tentadotentado explicarexplicar muitosmuitos fenômefenômenosnos queque atéaté oo presentepresente nãonão haviamhaviam sidosido sequersequer discutidos.discutidos. CCitandoitando EinsteinEinstein ee Planck,Planck, aa bembem dada justiçajustiça ee dada verdade,verdade, nãnãoo podemospodemos olvidolvidarar oo genialgenial Heisenberg,Heisenberg, ququee afirmouafirmou serser impossívelimpossível aoao mes-mes- momo tempotempo sabersaber aa posiçãoposição ee aa velocidadevelocidade dodo elétron,elétron, nnaa entãoentão denominadadenominada TeoriaTeoria dada Incerteza.Incerteza.

EEstestess estestududosos,, emem boborara ddesescoconnhehe ciciddosos pp oo rr mm uiuitotos,s, sãsãoo pp eerrttiinn eenn -- testes àà TeologiaTeologia Umbandista,Umbandista, queque temtem nono SagradoSagrado aa EspEspiritualidadeiritualidade UUniversalniversal inereninerentete aa totododo serser espiespiritual,ritual, oo eloelo dede ligaçãoligação ee ununidadeidade enentretre Filosofia,Filosofia, CiênciCiência,a, ArteArte ee Religião.Religião.

CiênciCiência,a, ArteArte ee Religião.Religião. ApApósós estaestass ligeirasligeiras mamass
CiênciCiência,a, ArteArte ee Religião.Religião. ApApósós estaestass ligeirasligeiras mamass

ApApósós estaestass ligeirasligeiras mamass necesnecessáriasáriass digressõdigressõeses nono âmbitoâmbito dada Física,Física, penetremospenetremos nosnos meandrosmeandros dada existênciaexistência dodo SerSer (ontologia),(ontologia), perscrutemosperscrutemos suasua alma,alma, sintamossintamos seusseus ananseios,seios, an-an- gústias,gústias, sofrimentos,sofrimentos, dores,dores, verdadeiroverdadeiro martirológimartirológioo parapara mui-mui- tos,tos, ondeonde asas doençasdoenças espirituais,espirituais, morais,morais, mentais,mentais, pspsicológicas,icológicas, físicasfísicas ee sociaissociais constituemconstituem emem suassuas maismais variadasvariadas formasformas dede manifestaçãomanifestação aa maioriamaioria dasdas misériasmisérias dodo SerSer ee dodo MundoMundo Mas,Mas, afinal,afinal, oo queque éé doença?doença? QuemQuem sãosão osos doentes?doentes? SeriaSeria maismais acertado,acertado, segundosegundo aa visãovisão umbandística,umbandística, afafir-ir- marmar queque antesantes dada doença,doença, háhá oo doente.doente. OO doentedoente manifestamanifesta suasua desarmoniadesarmonia interior,interior, espiritual,espiritual, psíquicapsíquica ee psicológicpsicológicaa comocomo dodo

8888

^amunisiddkci^amunisiddkci .AAvapiagha.AAvapiagha

ença;ença; portanto,portanto, doençasdoenças sãosão efeitosefeitos ee nãonão causas.causas. AAss causascausas enen

contramsecontramse nono ppróró pprrioio inin ddiviv ídíd uuoo,, nana unidadeunidade EspíriEspírito-to-HomemHomem ,,

ondeonde oo imaterial,imaterial, atemporal,atemporal, adimensionaladimensional sese apreseapresentamntam nana energiaenergia emem seusseus diversosdiversos grausgraus dede condensaçãocondensação (desd(desdee aa energiaenergia sutilsutil atéaté aa matériamatéria densa),densa), sendosendo queque asas imperfeiçõimperfeiçõeses espirituaisespirituais sese exteriorizamexteriorizam comocomo alteraçõesalterações nana mesma,mesma, rebaixarebaixandondo suasuass vivi-- brações,brações, tendotendo comocomo conseqüênciaconseqüência funestafunesta asas doençasdoenças,, queque ti-ti- veramveram inícioinício nono esespíritopírito ee sese deflagradeflagraramram nnasas eneenergiargiass susutilístilíssimsimasas (Organismo(Organismo Mental),Mental), destasdestas parapara asas sutissutis (Organismo(Organismo Astral),Astral), parapara finalmentefinalmente atingiratingir oo organorganismoismo etéreetéreofísicoofísico comocomo umum todo.todo. EmboraEmbora respeitandorespeitando osos avançosavanços tecnológicostecnológicos ee cientícientífi-fi- coscos alcançadosalcançados pelaspelas CiênciasCiências Médicas,Médicas, ee nãonão háhá comocomo negánegá los,los, nãonão concordamosconcordamos quandoquando elaselas fragmentamfragmentam oo todotodo (orga-(orga- nismo)nismo) emem partespartes (órgãos),(órgãos), mormentemormente parapara diagnosticdiagnosticarar ee curarcurar estaesta ouou aquelaaquela enfermidade.enfermidade. AA diagnosediagnose dadass doençdoenças,as, segundosegundo aa MedMedicinicinaa AAcadcadêmêmi-i- ca,ca, baseiasebaseiase nasnas alteraçõesalterações dosdos órgãosórgãos ouou mesmomesmo dede sistemas,sistemas, todaviatodavia acreditamosacreditamos serser estaesta umauma visãovisão parcialparcial dodo pprocessorocesso ee nãonão oo processoprocesso emem si.si. HáHá umauma hipervalorizaçãohipervalorização dodo “órgão“órgão doente”,doente”, preterindpreterindoo sese oo organismo,organismo, oo complexocomplexo mentecorpo.mentecorpo. EstaEsta posturposturaa talveztalvez nãonão beneficiebeneficie oo enfermoenfermo comocomo aa priorprior ii sese pensava.pensava. OO doentedoente éé beneficiadobeneficiado quandoquando éé observadoobservado dede formaforma una,una, comocomo uumm todo,todo, ee nãonão comocomo umauma somatóriasomatória dede parcelasparcelas como:como: sistemassistemas,, órgãos,órgãos, tecidos,tecidos, células,células, organelasorganelas ee complexoscomplexos biomoleculabiomoleculares.res. AchAchamoamoss justjustaa taltal investigainvestigação,ção, comocomo veremosveremos aindaainda nes-nes- testes estudos,estudos, masmas preteriuse,preteriuse, maismais umauma vezvez afirmamoafirmamos,s, oo todotodo emem favorfavor dada parte.parte. OlvidaseOlvidase queque osos própriospróprios órgãosórgãos atuamatuam dede formaforma interdependenteinterdependente parapara atenderatender àà homeostasia,homeostasia, ssendoendo justojusto inferirseinferirse osos reaisreais benefíciosbenefícios aoao doentedoente quandoquando oo mmesmoesmo éé ana-ana- lisadolisado comocomo umauma unidadeunidade psicossomática,psicossomática, visãovisão estaesta defendidadefendida pelapela MeMedicidicinana UmbUmbandísticaandística ee porpor renomadosrenomados cientistacientistass ee mé-mé- dicosdicos dede escol.escol.

8899

SSaacceerrddoottee,, ]\Aago]\Aago ee MMééddiiccoo

AssiAssim,m, ccomoomo conceituadosconceituados médicos,médicos, queque tambémtambém podempodem serser umbandistasumbandistas universalistas,universalistas, poispois oo umbandistaumbandista éé eessencial-ssencial- mentemente pelapela convergênciaconvergência ee universalidade,universalidade, preconizamospreconizamos queque oo indivíduoindivíduo doentedoente manifestamanifesta aa doençadoença ee nuncanunca oo contrcontrário;ário; aa doençadoença podepode terter comocomo panopano dede fundofundo esteeste ouou aqueleaquele órgórgãoão alvo,alvo, porém,porém, insistimos,insistimos, nãonão sãosão osos órgãosórgãos queque estãoestão doentes,doentes, masmas oo indivíduoindivíduo comocomo umum todo,todo, seuseu complexocomplexo psicossopsicossomático.mático. ComoComo depreendese,depreendese, aa basebase discursivadiscursiva queque defendemosdefendemos ee sustentamossustentamos diferedifere dada tradicionaltradicional e,e, parapara continuarmoscontinuarmos nestanesta linha,linha, anexaremosanexaremos umauma pequenapequena IntroduçãoIntrodução àà DoutrinaDoutrina dodo TrípliceTríplice CamCaminhoinho,, queque constaconsta nana obrobraa dede nossanossa autorautoriaia  Intro-Intro-

duduçãoção àà AuAutocuratocura TTânântritricaca ——VVololumumee I.I.

AAoo LeLeitoitorr IrmãoIrmão PlanePlanetáriotário,, indicaindicamosmos aa leiturleituraa dada obraobra citada,citada, poispois nelanela encontramseencontramse firmadosfirmados algunsalguns fundafundamentosmentos dada MedicinaMedicina OficialOficial AcadêmiAcadêmicaca ee suasua cconeonexãoxão comcom aa MedicinaMedicina dede Síntese,Síntese, preconizadapreconizada pelapela Umbanda.Umbanda. EsperamosEsperamos queque aa introduçãointrodução queque faremosfaremos ilustreilustre melhormelhor nossanossa vertentevertente una,una, ouou seja,seja, osos FundamentosFundamentos dada TeolTeologiaogia UmbandistaUmbandista aplicadosaplicados nana MedicinaMedicina dede Síntese,Síntese, verdadverdadeiraeira Te-Te- rapiarapia dada Alma.Alma. OO livrolivro queque estáestá emem suassuas mãos,mãos, PrezadoPrezado LeitorLeitor Planetá-Planetá- rio,rio, PrinPrin cípiocípio ss dada CurCuraa ee AutocurAutocura,a, pretendepretende demonstrardemonstrar dede for-for- mama fidedignafidedigna aa realidaderealidade sobresobre asas “doenças”,“doenças”, comocomo aa UmbandaUmbanda (OMBHANDHUM),(OMBHANDHUM), porpor intermédiointermédio dede suasua DoutrinaSabeDoutrinaSabe doria,doria, percebe,percebe, entendeentende ee propõepropõe soluçsoluçõesões parapara debelardebelar asas ddores,ores, osos sofrimentossofrimentos váriosvários queque aquiaqui sãosão apresentadosapresentados comcomoo “doenças”.“doenças”. AAss ““doenças”doenças” sese manifestammanifestam nana mente,mente, nono sentimsentimento,ento, nono corpo,corpo, nono comportacomportamento,mento, comocomo sofrimentossofrimentos dada existênciaexistência,, sen-sen- dodo osos mesmosmesmos nana visãovisão UmbandistaUmbandista merosmeros reflexosreflexos dodo desequilíbrio,desequilíbrio, dada desestabilidadedesestabilidade ee dada desarmoniadesarmonia dodo indivíduoindivíduo doente.doente.

9090

VanunisicldkaVanunisicldka .Arkapiagka.Arkapiagka

OO doentedoente éé tidotido comocomo aa causacausa primevaprimeva dada etiologiaetiologia dede todastodas asas doençasdoenças ouou enfermidades,enfermidades, sendosendo estasestas decordecorrência,rência, re-re- açãoação àà causa,causa, portanto,portanto, efeito.efeito. IstoIsto estandoestando claro,claro, penetremospenetremos nosnos meandrosmeandros dasdas doresdores ee sofrimentossofrimentos queque têmtêm ascendentesascendentes espirituais;espirituais; antesantes porémporém en-en- tendamostendamos eemm suasuass nuancesnuances ee minudênciasminudências aa DoutDoutrinrinaa dodo TrípliceTríplice CaminCaminhoho  aa TrTradadiçiçãoão UnaUna,, oo OMBOMB HAHANNDHDH UMUM ququee oo MM o-o- vimenvimentoto UmbandUmbandistaista pretendepretende resgresgataatar.r. ““AA basebase discursiva,discursiva, aa pedrpedraa angularangular emem queque sese funfundamdamen-en- tata estaesta obraobra éé aa DoutrinaDoutrina dodo TrípliceTríplice Caminho1.Caminho1. ParParaa maismais fa-fa- cilmentecilmente penetrarmospenetrarmos naTriunidadenaTriunidade Cósmica,Cósmica, expexpressressaa nana DoDou-u- trinatrina dodo TrípliceTríplice Caminho,Caminho, éé necessárionecessário entendermosentendermos seuseu rela-rela- cionamcionamentoento diretdiretoo comcom aa ““CuCura”ra” ee aa ““AuAutoctocura”ura” dodo MMunundodo ee dodo Indivíduo.Indivíduo. ParaPara tanto,tanto, haveremoshaveremos dede remontarremontar umum paspassadosado longínqüo,longínqüo, perdidoperdido ee porpor muitosmuitos desconhecido,desconhecido, masmas queque per-per- mamanecnecee vivovivo nosnos ananaiaiss dodo PPlanolano AstAstralral SSuperuperiorior  PlanoPlano dosdos ArasArashas/has/OrisOrishas.has. EssesEsses registrosregistros fazemfazem alusãoalusão àà sagasaga dada PoderosíssimPoderosíssimaa ee AugAugustustaa RaçaRaça SoSolarlar ouou RaçaRaça DDououradradaa22 (os(os denominadosdenominados Ver-Ver- melhos).melhos). ForamForam Eles,Eles, segundosegundo osos arquivosarquivos citados,citados, aa PrimevPrimevaa RaçaRaça aa habitarhabitar oo planetaplaneta TTerra,erra, aa propiciarpropiciar condiçõescondições superiorsuperioreses dede vidavida àsàs civilizaçõescivilizações queque aa sucederiam.sucederiam. EramEram osos AugustosAugustos ee IluminadosIluminados EspíritosEspíritos Solares,Solares, queque sese tornariamtornariam osos AAncestraisncestrais DivinosDivinos dodo Planeta.Planeta. ComoComo estaesta obraobra éé introdutória,introdutória, resumiremosresumiremos oo fastígiofastígio espiritual,espiritual, moralmoral ee culturalcultural dada VenerávelVenerável RaçaRaça SolarSolar ee dede seuseu inigualávelinigualável SistemaSistema dede Síntese.Síntese. ComoComo pretendemospretendemos escreverescrever váriasvárias obrasobras ondeonde desdobra-desdobra- remos,remos, aprofundaremosaprofundaremos fundamentos,fundamentos, queremosqueremos explicitarexplicitar aoao LeitorLeitor IrmãoIrmão PlanetárioPlanetário queque oo faremosfaremos iniciandoiniciando pelpelasas coisascoisas maismais simplessimples atéaté atingiratingir asas maismais complexas,complexas, semsem perperderder oo prin-prin- cípiocípio dede Síntese,Síntese, vertentevertente unauna dede nossanossa propostaproposta doutrinária.doutrinária.

9911

SSaacceerrddoottee,,

MMaaggooeeAA^^ééddiiccoo

ObjetivamosObjetivamos provarprovar queque aa quebraquebra dada ProtoSínteseProtoSíntese CóCós-s- micamica tornoutornou oo MundoMundo ee oo HomemHomem doentes.doentes. PorPor outrooutro lalado,do, queremosqueremos demonstrardemonstrar quaisquais osos meiosmeios ee formas,formas, osos caminhcaminhosos queque nosnos farãofarão retornarretornar aoao equilíbrio,equilíbrio, àà estabilidadeestabilidade ee àà harmoniaharmonia perdidos.perdidos. IniciemosIniciemos nossosnossos estudosestudos afirmandoafirmando queque todostodos osos SistSiste-e- masmas FilosóficoReligiososFilosóficoReligiosos dede tradiçãotradição dodo passadopassado ee ddoo presentepresente tiveramtiveram ee têmtêm conhecimentoconhecimento dada passagempassagem pelopelo planetaplaneta dede po-po- derosaderosa civilizaçãocivilização dada RaçaRaça Solar.Solar. PossuíamPossuíam elevadoselevados padrõespadrões evolutivosevolutivos queque osos faziamfaziam sse-e- nhoresnhores dede ciclópicosciclópicos monumentosmonumentos arquitetônicos,arquitetônicos, construídosconstruídos dede

sutilsutilíssimosíssimos elemelem entosentos desconhecidosdesconhecidos atéaté aa presentepresente datadata pelapela Co-Co-

munidademunidade Planetária.Planetária. AssemelhavamseAssemelhavamse aoao maismais puropuro ee ddiáfanoiáfano cristal,cristal, dede sutilezasutileza ímpar.ímpar. PorPor istoisto foramforam chamadoschamados dede Civiliza-Civiliza- çãoção dodo PuroPuro Cristal.Cristal. SeSe fizemosfizemos alusãoalusão aa suassuas construçõesconstruções arquitetônicas,arquitetônicas, nãonão

podemospodemos deixardeixar dede citarcitar seseusus poderosospoderosos mananciaismananciais dede cultura,cultura, sociedadesociedade ee vidavida voltadavoltada àà RealidadeRealidade Absoluta.Absoluta. OsOs organismosorganismos físicosfísicos ouou corposcorpos físicosfísicos dessesdesses auguaugustosstos seresseres erameram totalmentetotalmente diferentesdiferentes dosdos atuais,atuais, pareciampareciam constitu-constitu- ídosídos dede materialmaterial etérico.etérico. EramEram comocomo cristalcristal eterizado,eterizado, ppoisois esta-esta- vamvam emem conexãoconexão esestreitatreita comcom osos ““AraArashashas”.s”. PossuíamPossuíam umum organismoorganismo físicofísico queque maismais sese assemelhavassemelhavaa aoao organismoorganismo astral.astral. NãoNão haviahavia tantastantas diferençasdiferenças entreentre ambos,ambos, poispois nono inícioinício dede suasua odisséiaodisséia planeplanetáriatária apenapenasas possuíampossuíam umum corpocorpo astralastral densificado,densificado, queque davadava aa aaparênciaparência dodo maismais puropuro cris-cris-

tal,tal, oraora “esbranquiçado”,“esbranquiçado”, oraora “translúcido”

Ratificando,Ratificando, poispois istoisto nosnos seráserá deverasdeveras importanteimportante nasnas páginpáginasas seguintes,seguintes, sseueuss corposcorpos físicosfísicos assemelhavamseassemelhavamse aosaos seseusus corposcorpos astrais.Tudoastrais.Tudo sese passavapassava comocomo sese tivessemtivessem apeapenasnas corposcorpos astrais,astrais, poispois alémalém dede seremserem sutilíssimossutilíssimos erameram maravilhomaravilhosos,sos, emem

tudotudo haviahavia belezabeleza simplessimples ee harmonia.harmonia.

“translúcido”

9922

VV oo mm uu nn isis idid dd KK aa

AA ^^ hh aa pp ii aa gg kk aa

TodoTodo esseesse requinterequinte ee beleza,beleza, nana formaforma queque desconhecdesconheciaia aa desarmoniadesarmonia ouou doenças,doenças, refletiarefletia suassuas conquistasconquistas nono âmbitoâmbito Es-Es- piritual.piritual. SeusSeus TemTemplosplos dosdos SeSetete SinSinosos CósmCósmicosicos evocavamevocavam emem seusseus ritosritos aa presençapresença dodo Amor,Amor, dada SabedoriaSabedoria ee dodo PoPoderder Divi-Divi- nos.nos. SuaSua “Religião”“Religião” eraera oo trinômiotrinômio PoderPoder  SabedoriSabedoriaa  AmorAmor DivinosDivinos qqueue dendenomiominavnavamam ddee OMOM BHBH ANANDHDH UMUM  AA PROTOPROTOSÍSÍNTESENTESE CÓSMCÓSM ICA.ICA. TiTinhnhaasese aa convicçãoconvicção dede queque tudotudo eraera sagradosagrado,, tratatratandondo aa tudotudo comocomo tal.tal. SóSó vivenciavamvivenciavam aa Paz,Paz, aa Harmonia,Harmonia, oo Amor,Amor, aa Sabedoria,Sabedoria, aa AtividadeAtividade Efetiva,Efetiva, sensendodo PurosPuros,, SimplesSimples ee HuHumil-mil- des,des, ee nãonão menosmenos Sábios,Sábios, AmorososAmorosos ee Diligentes.Diligentes. AA felicidadefelicidade conquistadaconquistada osos faziafazia desconhecerdesconhecer emem seseusus mundosmundos aa dor,dor, asas guerras,guerras, oo domíniodomínio escravagista,escravagista, oo poderpoder tirâ-tirâ- niconico e,e, principalmente,principalmente, asas doenças,doenças, aa contundênciacontundência (efusão(efusão dede sangue)sangue) ee aa mortemorte comocomo aniquilação.aniquilação. TinhamTinham vindovindo dede seusseus MundosMundos ouou PátriasPátrias SideraisSiderais disdis-- tantes,tantes, dede progressoprogresso ee evoluçãoevolução inimagináveis,inimagináveis, parapara ajudarajudar nos-nos- soso planetaplaneta ee suasua humanidadehumanidade aa alcançaralcançar aa evoluçãoevolução ee oo progres-progres- so.so. FariamFariam dodo PlanetaPlaneta umum MundoMundo dede Paz,Paz, AlegriaAlegria ee FeFelicida-licida- desdes Eternas.Eternas. EmboraEmbora cientescientes queque oo KarmaKarma ColetivoColetivo dodo Planeta,Planeta, dede seusseus Tutelados,Tutelados, eraera negativonegativo porpor motivosmotivos queque discutiremodiscutiremoss nono de-de- corrercorrer destadesta obra,obra, queriamqueriam auxiliarauxiliar nono resgate,resgate, nosnos processosprocessos evolutivos.evolutivos. Assim,Assim, tornaramse,tornaramse, emem obediênciaobediência aosaos ddesígniosesígnios dasdas HierarquiasHierarquias Constituídas,Constituídas, CondutoresCondutores MoraisMorais ee EEspiritu-spiritu- aisais dede todatoda ColetividadeColetividade Terrena.Terrena. OutrosOutros SistemasSistemas FilosóficoReligiosos,FilosóficoReligiosos, veneráveisveneráveis pporor seusseus feitosfeitos incontestesincontestes àà humanidade,humanidade, semsem oo saber,saber, preconizampreconizam emem suassuas maismais lídimaslídimas TradiçõesTradições oo queque estamosestamos afirmaafirmandondo sobrsobree aa AugustaAugusta ee nãonão menosmenos PoderosaPoderosa CivilizaçãoCivilização dada RaçaRaça dede Cris-Cris- taltal (Raça(Raça Solar).Solar).

9933

AA^^ééddiiccoo AfAfirmirm amam dada passpassagemagem pelopelo planetaplaneta dede IIlumluminainadada CC iviviliili--

AA^^ééddiiccoo

AfAfirmirm amam dada passpassagemagem pelopelo planetaplaneta dede IIlumluminainadada CC iviviliili-- zaçãozação queque teriateria deixadodeixado seusseus ensinamentosensinamentos e,e, apósapós lolongongo tempotempo dede permanênciapermanência entreentre nós,nós, sese desmaterializado,desmaterializado, retoretornandornando àà suasua PátriaPátria dede LuzLuz ee FelicidadeFelicidade perenes.perenes. PorPor oraora nãonão entraremosentraremos nestesnestes pormenores,pormenores, poispois aa Tradi-Tradi- çãoção éé patrimôniopatrimônio dede todos,todos, ee cadacada SistemaSistema FilosóficFilosóficoReligiooReligio so,so, segundosegundo seuseu graugrau consciencialkármico,consciencialkármico, interpretaointerpretao conso-conso- anteante aa suasua óptica,óptica, queque devedeve serser respeitadarespeitada porpor nós,nós, eemborambora tam-tam- bémbém tenhamostenhamos nossanossa visão,visão, queque podepode serser totaltotal ouou parciparcialmentealmente diferentediferente dasdas preconizadaspreconizadas porpor outros.outros. CremosCremos queque muitosmuitos SistemasSistemas FilosóficoReligiososFilosóficoReligiosos cocon-n- solidaramsolidaram seusseus PrincípiosPrincípios baseadosbaseados nono sentidosentido metafmetafórico,órico, mítico,mítico, masmas queque velamvelam oo apogeuapogeu dada RaçaRaça Vermelha,Vermelha, dede seusseus maravilhososmaravilhosos poderes,poderes, principalmenteprincipalmente dede seusseus FundamentFundamentosos dede Síntese,Síntese, infortunadamenteinfortunadamente perdidos.perdidos. SomosSomos cientescientes queque seusseus avançadosavançados sistemassistemas nono âmbitoâmbito dasdas CiênciasCiências erameram completamentecompletamente diversosdiversos dosdos atuais,atuais, poispois atua-atua- vamvam primprimeiroeiro nono planoplano dasdas energiasenergias sutissutis,, consconsolidanolidandoasdoas nono planoplano físicofísico denso.denso. AA recíprocarecíproca tambémtambém eraera verdadverdadeira,eira, poispois podiampodiam atuaratuar desdesmaterializando,materializando, oo qqueue tambémtambém faziamfaziam comcom seseusus organismosorganismos etéreofísicos.etéreofísicos. NoNo nascimento,nascimento, seusseus corposcorpos astraisastrais exsudavamexsudavam pranaprana vi-vi- taltal queque eraera condensado,condensado, formandoformando umum corpocorpo físicofísico dendensoso maismais belo,belo, delicado,delicado, sutilsutil e,e, nãonão obstante,obstante, maismais resisteresistentente queque osos atuais.atuais. OO fenômenofenômeno dada mortemorte nãonão tinhatinha aa conotaçãoconotação terrificaterrificantente ee dede aniquilaçãoaniquilação dede nossosnossos dias,dias, haviahavia simplesmentesimplesmente umum pro-pro- cessocesso dede desmaterializaçãodesmaterialização dodo organismoorganismo etéreofísico,etéreofísico, sendosendo aa energiaenergia livrelivre reabsorvidareabsorvida pelopelo corpocorpo astral.astral. ResquíciosResquícios ddee ener-ener- giasgias livreslivres insignificantesinsignificantes erameram absorvidasabsorvidas pelaspelas ccorrentesorrentes eólicaseólicas ee hídricashídricas dodo planeta,planeta, propiciandopropiciando aa renovaçãorenovação dada vidavida

9494

^amumsiddka^amumsiddka .Arkapiagka.Arkapiagka

^amumsiddka^amumsiddka .Arkapiagka.Arkapiagka AAppósós aa descrdescriçãoição queque fizefizemomos,s,
^amumsiddka^amumsiddka .Arkapiagka.Arkapiagka AAppósós aa descrdescriçãoição queque fizefizemomos,s,
^amumsiddka^amumsiddka .Arkapiagka.Arkapiagka AAppósós aa descrdescriçãoição queque fizefizemomos,s,
^amumsiddka^amumsiddka .Arkapiagka.Arkapiagka AAppósós aa descrdescriçãoição queque fizefizemomos,s,

AAppósós aa descrdescriçãoição queque fizefizemomos,s, reitreiteraeramomoss queque haviahaviamm materializadomaterializado seusseus MundosMundos nono nosso,nosso, emem obediênciaobediência aaosos de-de- sígniossígnios dodo SenhorSenhor dodo VerboVerbo dosdos Iluminados,Iluminados, sobsob aa égégideide dede AA RR AA SS HH AA LL AA —— OAugOAugusustoto SeSenhnhoror DDetetenentotorr dada CCororoaoa dodo AmAm oror,, SaSabebedodoriaria ee PodPoderer CCriariativtivoo CósCósmimicocoss —— SESE NNHHOORR FONTEFONTE DADA LUZLUZ DOSDOS ILUMINADOSILUMINADOS —— SENHORSENHOR LUMINARLUMINAR —— AA PRÓPRIAPRÓPRIA LUZLUZ ESPIRITUALESPIRITUAL QUEQUE COMOCOMO SOLSOL ILUMINAILUMINA OSOS PLANETASPLANETAS (OS(OS ILUMI-ILUMI- NADOS).NADOS). DeixemosDeixemos aa portentosaportentosa civilizaçãocivilização dosdos “Vermelhos”“Vermelhos” bbemem comocomo seusseus feitos,feitos, queque veremosveremos emem outrosoutros livros,livros, ee ppenetremos,enetremos, mesmomesmo queque superficialmente,superficialmente, nana suasua emigraçãoemigração dodo plaplaneta,neta, háhá quasequase meiomeio milhãmilhãoo dede anos.anos. AA AugAugustausta CivilizaCivilização,ção, gradativamgradativamente,ente, foifoi deixandodeixando oo planeta,planeta, permanpermanecendoecendo apenaapenass rarosraros missionáriosmissionários queque,, mesmomesmo poderosos,poderosos, nãonão puderampuderam impeimpedirdir oo crescimentocrescimento dasdas egrégorasegrégoras dissdissonantesonantes,, frutosfrutos dada ignorânignorância,cia, dodo ódioódio ee dada tiraniatirania (ina(inação)ção) Finalmente,Finalmente, ““dd eses mm aa tete riri aa lizliz aa rara mm '' suasua Civilização,Civilização, retornandoretornando àsàs suassuas pátriaspátrias dede Luz,Luz, HarmoniaHarmonia ee FeliciFelicidades,dades, deixandodeixando porém,porém, comocomo legadolegado dede seuseu AmorAmor Cósmico,Cósmico, umumaa DoutrinaDoutrina queque representasserepresentasse ee concretizasseconcretizasse aa TradiçTradiçãoão dede SínteseSíntese queque umum diadia seriaseria restaurada,restaurada, resgresgatada,atada, conquistadaconquistada pelopelo cidadãocidadão terráqueo.terráqueo. AA essessaa TradiçãoTradição dede SínteseSíntese ouou ProPrototoSínSíntestesee CósmCósmicaica denominaramdenominaram ee denominamdenominam dede OMBHANDHUM,OMBHANDHUM, AUAU MMBHBH ANAN DDHHANAN ,, UUMMBBHHAANNDDHHAA ouou OOMMBOBO UUDDDDHHA.A.

9955

SS aa cc ee rr dd oo tt ee ,,

JS/\agoJS/\ago ee

MM éé dd iicc oo

Introduzindo,Introduzindo, afirmamosafirmamos queque aa DoutrinaDoutrina dodo TrípliceTríplice CamCam inhinho,o, atravésatravés ddee TrTrêsês CaminhoCaminhoss convergentes,convergentes, nosnos levarlevaráá àà reconquistareconquista dada PazPaz ee FelicidadesFelicidades perdidas,perdidas, nosnos redimirredimiremosemos dosdos sofrimentos,sofrimentos, dasdas dores,dores, dada rodaroda dasdas sucessivassucessivas reenreencarnações,carnações, encerrandoencerrando assimassim oo ciclociclo dosdos renascimentosrenascimentos dolorosos.dolorosos. OsOs TrêsTrês CaminhosCaminhos erameram ee sãosão osos dodo Tantra,Tantra, MantraMantra ee YaYantntrara CósCósmicmicosos expressexpressando,ando, respectivamentrespectivamente,e, aa LuzLuz,, oo SomSom ee oo MovimentoMovimento SagradosSagrados (eventos(eventos cosmogenéticos).cosmogenéticos). OO TrípliceTríplice CaminhoCaminho ouou aTriunidadeaTriunidade CósmicaCósmica temtem comocomo escopoescopo trazernostrazernos àà UnidadeUnidade atravésatravés dede seusseus TrêsTrês CaminhCaminhosos ConvergentesConvergentes —— aoao reencontroreencontro dada ProtoSínteseProtoSíntese CósmiCósmica,ca, dada TradiçãoTradição CósmCósmicaica umum diadia perdperdidaida ee vilipendiada.vilipendiada. AA fragfragmementantaçãoção desdestata TradTradiçãoição CóCósmsmicaica éé aa causacausa dede nossasnossas dores,dores, nascimentonascimento ee morte,morte, dasdas doençasdoenças dodo esespírito,pírito, dada mentemente ee dodo soma,soma, comocomo veremosveremos emem nossosnossos estudos.estudos. EssaEssa DoutrinaDoutrina dodo TrípliceTríplice CaminhoCaminho éé expressaexpressa atravésatravés ddee trêstrês doutrinas:doutrinas: aa DoutrinaDoutrina Tântrica;Tântrica; aa DoutrinaDoutrina MânMântricatrica ee aa DoutrinaDoutrina Yântrica.Yântrica. TemosTemos esestestes vocábulosvocábulos comocomo primevos,primevos, origináriosoriginários dada pripri-- meirameira língualíngua ensinadaensinada aosaos terráqueosterráqueos pelospelos “Vermelhos”“Vermelhos” —— oo

HáHá estudosestudos queque tentatentamm provprovarar queque aass línguaslínguas

pproro toto nnooststrárá titicaca s,s, taltal ququalal oo SâSâ nsnscrcritito,o, ooririgginin aarara mm ssee dodo AbaAbanhenheengengaa (Linguagem(Linguagem dada RaçaRaça Solar).Solar). SegundoSegundo aa COROACOROA DADA PALAVRAPALAVRA OUOU DODO VERBO,VERBO, àà qualqual gentilmentegentilmente enviamosenviamos oo Leitor,Leitor, osos termostermos citacitadosdos têmtêm significadossignificados diversosdiversos dosdos atuais.atuais. MasMas estudemosestudemos asas noçõesnoções preliminarespreliminares sobresobre asas

DoutrinasDoutrinas proppropostaostas.s. AA DDouou tritrinana TânTântrictrica,a, segundosegundo aa TradiçãoTradição dede Síntese,Síntese, éé aa DoutrinaDoutrina ouou CaminhoCaminho queque proporcionaproporciona aa Iluminação.Iluminação. CComoomo podespodesee depreender,depreender, nadanada temtem emem comumcomum comcom aquelesaqueles queque baba seiamnaseiamna apenasapenas emem magiamagia sexualsexual grosseira.grosseira. EE dede lastilastimarmar queque

AbAbananheheenengaga

9966

YamYam unisiunisiddkaddka yy WW kapkap iagkaiagka

tenhamtenham apreendidoapreendido aa metáforametáfora ee nãonão aa Verdade,Verdade, queque éé LuzLuz CriadoraCriadora ouou LuzLuz Crescente.Crescente. AA DoDoutrutrinaina TânTântrictricaa éé oo CaCamiminhnhoo dosdos IlumIluminainados.dos. EE aa DoutrinaDoutrina dada LuzLuz Cósmica,Cósmica, dada SabedoriaSabedoria Espiritual,Espiritual, ddaa IluminaçãoIluminação InternInternaa ee ExterExterna.na. ParaPara melhormelhor compreensãocompreensão ee futurafutura aplicaçãoaplicação emem ritosritos ouou exerexercíciocícioss tântricos,tântricos, dividamosdividamos aa DoutrinDoutrinaa TântricaTântrica emem trêstrês ní-ní- veisveis coconvergentes,nvergentes, resultandoresultando aa Triunidade:Triunidade:

IoIo GrauGrau  TantraTantra SubstancialSubstancial ouou dada Ação.Ação. 2o2o GrauGrau  TantraTantra ExistencialExistencial ouou dada Tradução.Tradução. 3o3o GrauGrau  TantraTantra EssencialEssencial ouou dada Interiorização.Interiorização.

OO TantraTantra queque sintetizasintetiza osos trêstrês grausgraus convergentes,convergentes, emboembo-- rara nãonão sejaseja consticonstituídotuído deldeles,es, éé oo TanTantratra dada SínteSíntesese ouou dosdos Ilu-Ilu- minados—minados—TantraTantra dada LuzLuz CrescenteCrescente (Tantra(Tantra dada Re(uRe(união)nião) comcom osos Arashas).Arashas). AiAindnd aa queque respeitemorespeitemoss osos queque preconizapreconizamm oo vocábulovocábulo TantraTantra comocomo sendosendo ritritoo ouou conconjunjuntoto dede ritosritos conconstitustituídosídos dede invocações,invocações, mantras,mantras, mudhrasmudhras ee outrasoutras práticaspráticas ee exexercíciosercícios yogues,yogues, nãonão éé apenasapenas distodisto queque cogitarcogitaremosemos emem nossanossa AuAu totocucurara

ObviObvioo queque nãonão iremosiremos reinvereinventarntar aa rodrodaa ouou cunharcunhar

TâTântrntricaica

neologismosneologismos queque sósó viriamviriam complicarcomplicar osos jájá complicadoscomplicados concei-concei- tos,tos, masmas queremosqueremos deixardeixar patentepatente queque nãonão discutiremosdiscutiremos Tantra,Tantra, masmas DoutrinaDoutrina Tântrica,Tântrica, queque oo temtem comocomo umum dosdos componecomponentes,ntes, portaportantonto diferdiferenteente dodo TantraTantra conhecidoconhecido ee praticadopraticado porpor outrasoutras veneráveisveneráveis EscolaEscolas.s.

DeixaremosDeixaremos parapara oo interinteriorior dodo livrolivro aa citacitaçãoção ddasas DouDou tri-tri- nasnas MântricaMântrica ee Yântrica.Yântrica. PorPor ora,ora, penetremospenetremos apenasapenas ligeligeira-ira- mentemente nana DoutrinaDoutrina Tântrica.Tântrica.

9797

MMééddiiccoo AA DoDoutrutrinaina TâTântricntrica,a, segundosegundo aa CCororoaoa dada PaPalavralavra ouou dodo

MMééddiiccoo

AA DoDoutrutrinaina TâTântricntrica,a, segundosegundo aa CCororoaoa dada PaPalavralavra ouou dodo Verbo,Verbo, traduz:traduz:

TANTAN —>—> Luz,Luz, Iluminação,Iluminação, FogoFogo TRATRA —>—> Caminho,Caminho, Veículo,Veículo, LibertaçãoLibertação

PorPortanttanto,o, TANTANTRATRA::

OO CAMINHOCAMINHO QUEQUE CONDUZCONDUZ ÀÀ ILUMINAÇÃOILUMINAÇÃO INTERINTERNANA EE EXTERNA.EXTERNA. AA DoutriDoutrinana TântriTântricaca aa qqueue fifize-ze- mosmos alusãoalusão nãonão éé somentesomente asas práticaspráticas oriundasoriundas dodo peperíodoríodo dasdas OrtodoxiasOrtodoxias ouou HeterodoxiasHeterodoxias Brahmânicas,Brahmânicas, dede ondeonde sursurgiramgiram oo JAJA ININ ISIS MMOO dede MM AAHH AAVVIRIR AA ee oo BBUUDDISISMMOO dede SISIDDAARTRT AA GGAAUUTTAAMMAA (v(vididee notanota cocomplmplemeementantar)r) ParticularmenteParticularmente emem relaçãorelação aoao venerávelvenerável SistemaSistema FilFilosó-osó- ficoReligiosoficoReligioso denominadodenominado Budismo,Budismo, emem suassuas váriasvárias EEscolas,scolas, ee dentredentre elaselas citamoscitamos aa MahayanaMahayana ee seusseus aspectosaspectos TântTântricosricos pre-pre- conizadosconizados pelospelos VAJRAYANA,VAJRAYANA, nãonão podemospodemos negarnegar oo sabesaberr dodo LamLamaa revolucionáriorevolucionário TsonTsongg KaKa Pa,Pa, fundadorfundador dada EscolaEscola TibeTibetanatana dosdos GelukPa,GelukPa, ee seusseus discípulos,discípulos, comocomo osos TulkusTulkus (La(Lamasmas reencarnados)reencarnados) ee todostodos osos merecidamentemerecidamente alcunhadosalcunhados ddee Rimpoche.Rimpoche. ManifestamosManifestamos aa todostodos nossonosso apreço,apreço, aindaainda queque nãonão concordemosconcordemos comcom todostodos seusseus fundamentos,fundamentos, poispois nosnos memesmos,smos, desdedesde oo TantraTantra dada AçãoAção atéaté oo TantraTantra dada IluminaçãoIluminação SSuperior,uperior, acreditamosacreditamos haverhaver algumasalgumas interpolaçõesinterpolações ee atéaté inverinversõessões dede vavaloloreress queque prprododuzuzemem ququebebrara dede SíSínntetesese,, totornrnaannddoo seusseus fundamentosfundamentos essencialmenteessencialmente YônicosYônicos (Princípios(Princípios LunaLunares),res), contrárioscontrários aosaos nossosnossos queque sãosão DóricosDóricos (Princípios(Princípios SSolares)3.olares)3. AAoo memencioncionarnarmosmos aa EESSCCOO LLAA ouou OORRDDEEMM GGEELLUUKK papa dodo BudBudismoismo TTibeibetantano,o, nãonão ppodeoderiamriamosos ololvidvidarar asas OrdOrdenens:s:

NYINGMApa,NYINGMApa, SAKYApaSAKYApa ee KAGIUpa,KAGIUpa, todastodas merece-merece- dorasdoras dede nossonosso irrestritoirrestrito respeito.respeito. MesmoMesmo queque comcom eelaslas nãonão

9988

yyaamm uunniissiiddddkkaa jj\\rrll\\aapp\\aaggUUaa

tivéssemostivéssemos muitomuito emem comumcomum ouou houvessehouvesse discordânciasdiscordâncias conceituaisconceituais ee dede métodos,métodos, reconhecemosreconhecemos ee irmanamonirmanamonosos comcom seusseus nobresnobres propósitospropósitos ee aspirações.aspirações. Contudo,Contudo, nãonão éé aoao passadopassado recenterecente queque devemosdevemos nosnos rerepoportrtarar,, mmaass ssimim aaooss TETEMMPOPOSS ÁUÁU REREOSOS DADA AAUUGUGU STSTAA RAÇARAÇA VERMELHA,VERMELHA, seusseus TemplosTemplos dede LuzLuz DivinaDivina ee suassuas CidaCidadesdes AstraisAstrais ondondee brilhavambrilhavam ee brilbrilham,ham, alémalém dede AriaAriandndaa —— PPáátrtriaia dada LLuzuz,, TT AA NN AA LLAA ,, CC AA EE MM AA LL AA ,, GG AA OO VV AA LL AA ,, DAURALA,DAURALA, SHAMPAKALA,SHAMPAKALA, TSAIZALATSAIZALA ee BAHALA,BAHALA, fontesfontes dede LuzLuz referenciaisreferenciais dosdos Iluminados,Iluminados, dosdos SETESETE AARR AA SSHH AASS,, seusseus OO KK HH AARR AA (Tem(Templosplos dosdos IluIluminminadados).os). AA DDououtritrinnaa TâTâ ntntricricaa cogcogitaita dosdos pprocesrocessossos dede IIlulumminina-a- çãoção dodo Indivíduo.Indivíduo. EE aa vastíssimavastíssima DoutrinaDoutrina dosdos IlumiIluminadosnados queque nosnos apontaaponta oo CaminhoCaminho dada Iluminação,Iluminação, utilizandoutilizandosese dosdos

quatroquatro grausgraus ouou classesclasses dede Tantras,Tantras, queque vêmvêm oo indivindivíduoíduo  microcosmomicrocosmo  comocomo reflexoreflexo dodo macrocosmacrocosmo.mo. ComCom ististoo podpodemem osos pp erer -- ceber,ceber, concluirconcluir queque aa interdependênciainterdependência entreentre oo micrmicrocosmoocosmo ee oo macrocosmomacrocosmo éé aa basebase dada DDoutrinaoutrina Tântrica.Tântrica.

Reafirmando,Reafirmando, aa DoutrinaDoutrina TântricaTântrica pretendepretende proporci-proporci- onaronar oo CaminhoCaminho dada IluminaçãoIluminação InternaInterna (micro)(micro) ee dodo PPlane-lane- tata (macro).(macro). É,É, portanto,portanto, oo Caminho,Caminho, aa DoutrinaDoutrina dede ttodosodos osos IluminadosIluminados queque passaram,passaram, passampassam ee passarãopassarão pelopelo plaplaneta,neta, IlIlumiuminadnadosos pelpeloo LULUMMINAINARR ARAR AASHSH AALLAA,, qqueue éé Luz,Luz, VidaVida ee SabedoriaSabedoria queque neutralizaneutraliza asas trevastrevas  aa mortemorte  aa ignorância.ignorância. OO adeptoadepto queque quiserquiser sese iniciariniciar nestanesta Doutrina,Doutrina, assiassimm comocomo nasnas demais,demais, teráterá dede cultivarcultivar aa Humildade,Humildade, queque comba-comba- tete ouou neutralizaneutraliza osos apegos,apegos, oo egoísmo,egoísmo, oo orgulhoorgulho ee tantostantos outrosoutros “vírus”“vírus” dede difícildifícil controle.controle. “Vírus”“Vírus” queque invinvademadem oo in-in- divíduodivíduo dede formaforma generalizada,generalizada, contaminandocontaminando seusseus ororganis-ganis- mosmos dimensionais,dimensionais, tornandoostornandoos desequilibrados,desequilibrados, instinstáveisáveis ee desarmoniosos.desarmoniosos. EsteEste éé oo substratosubstrato básicobásico parapara aa ecleclosãoosão dede váriasvárias patpatoloologiagias,s, queque ininflufluenenciciaa decdecisivaisivamementente aa evoluevoluçãoção

9999

SS aacc eerrdd oo ttee ,, AAááaaggoo ee

AAóóééddiiccoo

dodo indivíduo,indivíduo, impedindoa.impedindoa. Sim,Sim, muitosmuitos estãoestão comcom seseusus pro-pro- cessoscessos evolutivosevolutivos comprometidos,comprometidos, doentes,doentes, precisandprecisandoo dede

CURA,CURA, dede AUTOCURA”

EsperamosEsperamos que,que, apósapós estasestas ligeirasligeiras elucidações,elucidações, queque de-de- sejamossejamos completarcompletar nono decorrerdecorrer destadesta ee dede outrasoutras obrobrasas queque surgisurgirão,rão, tenhasetenhase percebidopercebido ondeonde pretendemospretendemos chegarchegar ee quaquaisis osos objetivosobjetivos destadesta IntroduçãoIntrodução àà presentepresente obra.obra. LeitorLeitor AmAm igoigo—— AugustoAugusto IrmãoIrmão PlanetáriPlanetário,o, porpor favfavoror,, aoao iniciariniciar aa leituraleitura destadesta obra,obra, queiraqueira aceitaraceitar nosnossassas sincerassinceras

ee serenasserenas vibraçõesvibrações positivaspositivas pelopelo seuseu bemestar,bemestar, pproporcio-roporcio- nandolhenandolhe muitamuita paz,paz, muitamuita luz,luz, ee longalonga vidavida dede sucsucessosessos emem suasua presentepresente reencarnação.reencarnação. EstaEsta obraobra nãonão pretendepretende aprofundarseaprofundarse nosnos conceitosconceitos dada CuraCura ee AutocuraAutocura Umbandistas,Umbandistas, masmas proporcionarproporcionar aoao pre-pre- zadozado LeiLeitortor IrmãoIrmão PlanPlanetárioetário nãoversanãoversadodo nono assuassuntonto aa pos-pos- sibilidadesibilidade dede iniciálosiniciálos ee desenvolvêlosdesenvolvêlos emem nossasnossas obrasobras queque virvirãoão ouou nasnas dede outoutrosros autoautores.res. AsAssimsim ,, ininiciaiciamomoss afiafirmrmanandodo queque aa visãovisão queque temtemosos so-so- brebre doençasdoenças diferedifere dada tradicional,tradicional, dodo jargãojargão acadêmacadêmicoico ouou dosdos discípulosdiscípulos dodo SábioSábio dede Cós;Cós; aliás,aliás, somossomos umum deldeles.es. TemosTemos certezacerteza queque doençadoença nãonão éé somentesomente aa dordor físicafísica ouou moléstiamoléstia decorrentedecorrente dodo desequilíbriodesequilíbrio ouou compromecomprometimen-timen- toto fisiológicofisiológico ee anatômicoanatômico dede Sistemas,Sistemas, Aparelhos,Aparelhos, Órgãos,Órgãos, Tecidos,Tecidos, Células,Células, OrganelasOrganelas CelularesCelulares ouou mesmomesmo dodo DDesar-esar- ranjoranjo Biomolecular.Biomolecular.

AUTOCURA”

CelularesCelulares ouou mesmomesmo dodo DDesar-esar- ranjoranjo Biomolecular.Biomolecular. AUTOCURA” 110000
CelularesCelulares ouou mesmomesmo dodo DDesar-esar- ranjoranjo Biomolecular.Biomolecular. AUTOCURA” 110000
CelularesCelulares ouou mesmomesmo dodo DDesar-esar- ranjoranjo Biomolecular.Biomolecular. AUTOCURA” 110000
CelularesCelulares ouou mesmomesmo dodo DDesar-esar- ranjoranjo Biomolecular.Biomolecular. AUTOCURA” 110000
CelularesCelulares ouou mesmomesmo dodo DDesar-esar- ranjoranjo Biomolecular.Biomolecular. AUTOCURA” 110000

110000

VV aa mm uu nn ii ss ii dd dd KK aa jj \\ rr WW aapp \\ aa gg hh cc

NãoNão cremoscremos queque asas causascausas dasdas doençasdoenças ouou patologiaspatologias várváriasias sejamsejam defladeflagradagradass somsomenteente poporr altealteraçõraçõeses funfunciocionainais,s, hormonais,hormonais, metabólicas,metabólicas, bioquímicasbioquímicas ee estruturais;estruturais; istoisto sãosão apenasapenas efeitos.efeitos.

AAss causascausas dasdas doençdoençasas serãoserão momotivotivoss dede discussão,discussão, aa pepedradra anangulgularar dedestasta obrobra,a, masmas desdesdede jájá afafirmirm amam osos queque asas mesmasmesmas podempodem serser devidasdevidas àà própriaprópria condutaconduta dodo indivindivíduoíduo emem relaçãorelação aa sisi mesmo,mesmo, aosaos outrosoutros ee aoao própriopróprio planplaneta.eta. ToTodada ee qquaualqulqu erer cocondndututaa queque prprejueju didiququee aa ququemem quequerr queque sejaseja produz,produz, comocomo reação,reação, umum rebaixamentorebaixamento vibravibratório,tório, indutorindutor básicobásico dasdas váriasvárias doenças,doenças, queque sãosão manifestmanifestaçõesações reacionaisreacionais emem quemquem aa produziuproduziu (a(a condutaconduta negativa).negativa). Por-Por- tanto,tanto, asas impurezas,impurezas, imperfeiçõesimperfeições devidasdevidas àà condutaconduta inade-inade- quadaquada sãosão asas causascausas dasdas doençasdoenças ocasionadasocasionadas pelopelo rerebaixa-baixa- mentomento vibratóriovibratório queque sese processaprocessa emem nívelnível sutil,sutil, nonoss chakraschakras ouou núcleosnúcleos vibratóriosvibratórios ee nono organismoorganismo etéreofísicoetéreofísico,, comocomo desarranjodesarranjo eletromagnético,eletromagnético, indutorindutor fundamentalfundamental dada que-que- brabra dede homeostasiahomeostasia funcionalfuncional ee estrutural,estrutural, surgindosurgindo asas do-do- enças.enças.

AAppósós nossanossa lligeige iraira dissedissertaçãrtaçãoo sobresobre doendoença,ça, querequeremosmos ressaltarressaltar queque antesantes dada mesmamesma terter existênciaexistência concretconcreta,a, umauma manifestaçãomanifestação palpávelpalpável jájá encontravaseencontravase latentelatente nono ddoente,oente, ouou seja,seja, oo queque realmenterealmente háhá nãonão éé doença,doença, masmas simsim doendoentete ouou doentes,doentes, sendosendo asas doençasdoenças conseqüênciaconseqüência dasdas condutascondutas ina-ina- dequadasdequadas dodo indivíduo,indivíduo, ontemontem ouou hoje.hoje. Sim,Sim, mazelasmazelas ouou ““vírusvírus espirituaiespirituais”s”comocomo ódio,ódio, ira,ira, eego-go- ísmísmo,o, apegapegosos vários,vários, ignignorância,orância, mmenteente fechada,fechada, orgulho,orgulho, vavai-i- dade,dade, inação,inação, preguiçapreguiça ee tantastantas outrasoutras sãosão causascausas rreaiseais dasdas doendoençasças ouou enfeenfermidarmidades4des4

110011

SSaacceerrddoottee,,AAAAaaggooeeAAddééddiiccoo

SSaacceerrddoottee,,AAAAaaggooeeAAddééddiiccoo alteraralterar nossonosso comportamento,comportamento, nossanossa fofo
SSaacceerrddoottee,,AAAAaaggooeeAAddééddiiccoo alteraralterar nossonosso comportamento,comportamento, nossanossa fofo
SSaacceerrddoottee,,AAAAaaggooeeAAddééddiiccoo alteraralterar nossonosso comportamento,comportamento, nossanossa fofo

alteraralterar nossonosso comportamento,comportamento, nossanossa

fofo rrmm aa dede eencncarararar aa vvididaa epep rrinin cicippaalmlm enen tete dede vivenciá-la.vivenciá-la.

cicippaalmlm enen tete dede vivenciá-la.vivenciá-la. SeráSerá queque estamosestamos somentesomente parapara
cicippaalmlm enen tete dede vivenciá-la.vivenciá-la. SeráSerá queque estamosestamos somentesomente parapara
cicippaalmlm enen tete dede vivenciá-la.vivenciá-la. SeráSerá queque estamosestamos somentesomente parapara
cicippaalmlm enen tete dede vivenciá-la.vivenciá-la. SeráSerá queque estamosestamos somentesomente parapara

SeráSerá queque estamosestamos somentesomente parapara “gozar“gozar aa vida”,vida”, sermosermoss apologistasapologistas dodo hedonismo,hedonismo, essencialmenteessencialmente apegadosapegados aaoo “Eu”?“Eu”? SeráSerá queque nãonão conseguimosconseguimos perceberperceber aa misteriosamisteriosa sabesabedoriadoria dada vida?vida? SerãoSerão nosnossassas mazelasmazelas frufrutostos dada inconsciênciainconsciência dede queque umum dia,dia, maismais cedocedo ouou maismais tarde,tarde, haveremoshaveremos dede morrer?morrer? É,É, umum diadia nascemosnascemos ee distodisto temostemos certeza,certeza, emboraembora nãonão nosnos lemblembremos.remos. Contudo,Contudo, pareceparece queque nosnos esquecemosesquecemos queque umum diadia morremorreremos.remos. EE porpor quê?quê? PorquePorque temostemos medo;medo; aa fontefonte dede todostodos nossnossosos enga-enga-

nos,nos, inconseqüênciasinconseqüências ee inconsciênciasinconsciências várias

Sim,Sim, aa causacausa primeprimevava dodo medomedo éé oo próprpróprioio mmedoedo dede viver,viver, poportartantonto,, dada mmortorte,e, dasdas tratransfonsformarmaçõeções.s. TalTalvezvez poporr iistosto seja-seja-

mosmos misoneístas,misoneístas, conservadores,conservadores, avessosavessos àsàs mudançasmudanças,, poispois aa mortemorte éé aa grandegrande mudançamudança ouou transformaçãotransformação e,e, comocomo nnãoão que-que-

remosremos morrer,morrer, nãonão aceitamosaceitamos asas mudançasmudanças ee viceversviceversa SabemosSabemos queque istoisto aconteceráacontecerá umum dia,dia, masmas nãonão queremoqueremoss

cogitar,cogitar, preferimopreferimoss sósó ““vivviver”.er”. AliáAliás,s, acharachar queque ““vivemvivemos”

SeSe nascemosnascemos umum diadia ee aa vidavida seguesegue suasua marchamarcha dialétdialética,ica, nosnos encaminhandoencaminhando parapara aa morte,morte, porpor queque nãonão procurarprocurarmosmos entendêlaentendêla semsem preconceitos,preconceitos, receiosreceios ouou terror?terror? DevidoDevido aosaos nossosnossos apegos,apegos, cujoscujos objetosobjetos acreditamosacreditamos se-se- remrem eternoseternos ee nãonão transitórios,transitórios, tambémtambém nosnos julgamosjulgamos eternos,eternos, tendotendo receioreceio dada morte.morte. NãoNão queremosqueremos nosnos afastarafastar dodo queque achaacha

várias

a

os”

110022

VV amuamu nn ii ss ii dd dd hh aa j\*j\*'U.'U.apap\a\agl\gl\cc

mosmos bom;bom; pior,pior, nãonão somossomos apenasapenas apegados,apegados, masmas estamestamosos jungidosjungidos aosaos nossosnossos desejos,desejos, queque nosnos fazemfazem concreticoncretizarzar oo piorpior

dosdos apegosapegos —— oo dodo “Eu”,“Eu”, aa Egolatria,Egolatria, fontefonte dede todatoda ilusão

VivemVivemosos iludidos,iludidos, numanuma grandegrande ilusão,ilusão, numnum sonhosonho queque geralmentegeralmente transformasetransformase emem terrívelterrível pesadelo.pesadelo.

ilusão

emem terrívelterrível pesadelo.pesadelo. ilusão PensandoPensando nistonisto precisamosprecisamos
emem terrívelterrível pesadelo.pesadelo. ilusão PensandoPensando nistonisto precisamosprecisamos
emem terrívelterrível pesadelo.pesadelo. ilusão PensandoPensando nistonisto precisamosprecisamos
emem terrívelterrível pesadelo.pesadelo. ilusão PensandoPensando nistonisto precisamosprecisamos
emem terrívelterrível pesadelo.pesadelo. ilusão PensandoPensando nistonisto precisamosprecisamos

PensandoPensando nistonisto precisamosprecisamos entenderentender queque tudotudo sese encaenca-- deia,deia, sese relaciona.relaciona. EstamosEstamos todostodos enlaçados,enlaçados, entrelentrelaçadosaçados pelaspelas LeisLeis dodo Karma,Karma, sejamsejam elaselas relativasrelativas aoao indivíduo,indivíduo, aoao grupogrupo fa-fa- miliar,miliar, aoao grupogrupo étnico,étnico, aoao karmakarma planetárioplanetário etc.etc.

OO KarmaKarma podepode mudarmudar todotodo oo contextocontexto dede nossasnossas vidasvidas emem poucospoucos segundos.segundos. DeDe repente,repente, quantosquantos projetosprojetos popodemdem serser mudados?mudados? MuitosMuitos dizemdizem serser aa fatalidadefatalidade dada vida;vida; nósnós afirma-afirma- mosmos queque nãonão háhá fatalismofatalismo ouou determinismo,determinismo, aa nãonão serser queque aa própprópriaria conducondutata inconseqüenteinconseqüente dodo indivíduoindivíduo assassimim oo permita.permita. SomosSomos dotadosdotados dede Consciência,Consciência, Inteligência,Inteligência, AmorAmor ee VontadeVontade e,e, utilizautilizandondonosnos deledeless comcom sabedoriasabedoria atravésatravés dede nossnossaa personalidadepersonalidade trinatrina (Organismo(Organismo MeMentalntal,, OrganismOrganismoo AsAstratrall ee OrganismoOrganismo EtéreoFísico),EtéreoFísico), podemospodemos alteraralterar nossonosso karkarmama que,que, nana dependênciadependência dede nossanossa conduta,conduta, podepode serser amenizadoamenizado,, suavi-suavi- zadozado ouou exacerbado,exacerbado, diminuíddiminuídoo ouou aumentadoaumentado emem suasuass reaçõereações.s. NascerNascer ee morrermorrer fazfaz parteparte dede nossonosso desdescascasoo peranteperante aa Lei,Lei, peranteperante oo plplanetaaneta ee suasua humanidade.humanidade. HaveremosHaveremos dede entenderentender queque éé muitomuito fácilfácil morrermorrer ee nãonão tãotão simplessimples nascernascer ouou renascer.renascer. EmboraEmbora osos renascimerenascimentosntos nosnos

110033

SSaacceerrddoottee,, AAAAaaggooeeAAddééddiiccoo

tragamtragam sofrimentos,sofrimentos, sãosão oportunidadesoportunidades dede socorro,socorro, elevaçelevação,ão, reparaçreparaçãoão e,e, principalmente,principalmente, dede amplifiamplificarcar aa consciênciaconsciência dede nossanossa transitoriedadetransitoriedade ee dede nossanossa integraçãointegração comcom todostodos osos demaisdemais se-se-

resres planetários.planetários. EncerremosEncerremos porpor aqui,aqui, parapara retornarretornar comcom outrosoutros pormeporme-- noresnores nosnos capítuloscapítulos queque sese seguirão.seguirão.

psiquismo!

AcaAcalmemlmemosos oo psiquismo!

coração!

SerenemosSerenemos ee abramosabramos oo coração!

TomemosTomemos aa decisãodecisão sóbriasóbria dede agiragir rumrumoo àà evoluçãoevolução ee pepe-- netremosnetremos comcom todatoda isençãoisenção dede ânimosânimos nono cernecerne destedeste lilivro

vro

110044

yamwmsiddkayamwmsiddka .A^kapiagka.A^kapiagka

NOTANOTASS COMPLEMENTACOMPLEMENTARESRES

11

-- AA DDoutrinoutrinaa dodo TrípliceTríplice CCaminaminhoho ouou dada triunidadetriunidade cósmicacósmica preconpreconiza:iza:

 

DODOUTRINUTRINAA TÂNTÂNTRTRICAICA —— DoutrinDoutrinaa dada Luz,Luz, dada SabeSabedordoria,ia, ddaa HuHu mildade,mildade, comocomo sendosendo aa viavia dosdos IluminadosIluminados queque buscambuscam neutrahzarneutrahzar dede sisi mesmomesmo ee dada humhumanidadeanidade asas trevas,trevas, aa ignorância,ignorância, aa mortemorte ee aa tiranitirania.a. DODOUTUTRINRINAA MMÂNÂN TRTRICICAA —— DoutrinaDoutrina dodo VVererbobo,, ddoo AAmor,mor, ddaa PurePure za,za, comocomo sendosendo aa viavia dosdos IluminaIluminadosdos queque buscambuscam aa LibertaçãoLibertação ee aa RRealieali zação.zação. Expressa-seExpressa-se pelopelo VVerboerbo Sagrado,Sagrado, pelapela CoroaCoroa dada Palavra,Palavra, sendosendo porpor istoisto confundconfundidaida cocomm oo ManMantra.tra. OO MM anantratra éé somentesomente aa unidadeunidade básicabásica dada DoutrinaDoutrina Mântrica.Mântrica. DODOUTRINUTRINAA YÂNYÂNTRICTRICAA —— DoutrinaDoutrina ddoo MoviMovimento,mento, dada SimplicidaSimplicida de,de, dada AçãoAção Efetiva,Efetiva, comocomo sensendodo aa viavia dosdos IluminadosIluminados queque buscambuscam aa comcom preensãopreensão dada impermaimpermanêncianência ee dada não-estanão-estaticidade.ticidade. AssAssociamociam-na-na àà ForFormama ee àà GeometGeometria,ria, queque sãosão unidadesunidades componcomponentesentes dada DouDoutrinatrina YântricaYântrica queque emem verdadeverdade velavela osos ciclosciclos ee ritmosritmos dada LeiLei Cósmica,Cósmica, dada LeiLei Kármica.Kármica.

22

--

00 CCrisristaltal éé considconsideradoerado oo““avô”avô”dodo mumundo.ndo. TemTem impressasimpressas ttodasodas aass fases-fases- vivênciasvivências pelaspelas quaisquais passpassouou oo planetplanetaa ee aa vidavida plaplanetárnetária.ia.

33 -- 00 queque rressalvaessalvamos,mos, aa bbemem dada verdaverdade,de, éé qqueue oo títulotítulo dede IluminadoIluminado fazfaz pressuporpressupor umum MestreMestre queque oo iluminou.iluminou. TalTal comocomo aa LuaLua éé luzluz polarizadapolarizada ee

ameniamenizadazada dada coroacoroa solasolar,r, oo IluminadIluminadoo éé oo reflreflexoexo dede umum LumLuminar(inar(!ü).!ü). SóSó sese estaesta forfor aa explicaçãoexplicação dodo porqueporque associarassociar oo BuddhBuddhaa àà Lua,Lua, pois,pois, casocaso

?!

?!contrário

contrário

44 -- EstamosEstamos ututilizandilizandoo oo vvocábuloocábulo doedoençança dede formaforma generalistageneralista,, pois,pois, aa rigrigor,or, háhá diferençasdiferenças cconceituaisonceituais queque agoraagora rrelataremoselataremos aoao LeitorLeitor IrmãoIrmão PlanPlanetáetá rio.rio. OO MédicoMédico estudaestuda doençasdoenças ee tratatrata enfermidades.enfermidades. Portanto,Portanto, ambasambas asas palavraspalavras nãonão sãosão sinônimos.sinônimos. OO raciocínioraciocínio médicomédico jamjamaaisis poderápoderá confundconfundirir doençadoença comcom enfermidade,enfermidade, emboraembora preciseprecise terter conhecimconhecimentoento dede ambas.ambas. Infelizmente,Infelizmente, oo ensinoensino médicomédico compartimentalizado,compartimentalizado, queque dividedivide aa teoriateoria dada pragmpragmáticaática médicas,médicas, podepode levarlevar aoao ererroro crascrassoso dede confundir-seconfundir-se enferenfer midadmidadee (algo(algo concconcretoreto dodo indivíduoindivíduo queque apresentaapresenta sinais,sinais, sintomas)sintomas) comcom doençasdoenças (reação(reação tecidual,tecidual, celular,celular, microbiologia,microbiologia, eetc.).tc.).

110055

FundamFundamentosentos dada MMedicinaedicina dede SíntesSíntesee FisiologiaFisiologia dada EnergiaEnergia SutSutil:il:
FundamFundamentosentos dada MMedicinaedicina dede SíntesSíntesee FisiologiaFisiologia dada EnergiaEnergia SutSutil:il:

FundamFundamentosentos dada MMedicinaedicina dede SíntesSíntesee

FisiologiaFisiologia dada EnergiaEnergia SutSutil:il:

CanaisCanais

ChakrasChakras

Humores:Humores:

LíquorLíquor ——SangSangueue -- SêmenSêmen LLininfafa ——BBililee

DialéticaDialética dada MedMedicinaicina UmbanUmbandísdísticticaa

EtEtioliologogiaia dasdas DoenDoençasças

aprendizaaprendizado,do, emem geral,geral, melhomelhorr sese dádá atravésatravés ddaa vivênciavivência ouou

aprendizaaprendizado,do, emem geral,geral, melhomelhorr sese dádá atravésatravés ddaa vivênciavivência ouou participaçãoparticipação efetivaefetiva naquilonaquilo queque denominamosdenominamos ex-ex- periêncperiênciaia direta;direta; outraoutra formformaa compcomplemelementarntar éé aa dodo conhecimentoconhecimento porpor meiomeio dasdas leituras,leituras, conversas,conversas, dodo questionamentoquestionamento verbal,verbal, enfim,enfim, dodo estudo,estudo, dada erudiçãerudição.o.

OO

AA vivvivênênciacia ouou parparticipticipaçãaçãoo efefetietivava devedeve serser coconsinsidedera-ra- dada oo verdadeiroverdadeiro aprendizado,aprendizado, emboraembora nãonão absoluto,absoluto, ppoisois aa erudiçãoerudição vemvem dardar explicações,explicações, confirmando.confirmando. PortantoPortanto,, aa prá-prá- ticatica éé primordial,primordial, imprescindível,imprescindível, mormentemormente aa experexperiênciaiência direta.direta. AA alusãoalusão fefeitaita aoao apraprendendizaizadodo comocomo vivvivênênciacia prepretentendede introduintroduzirzir àà ““DoDoutrutrinaina dodo TrípliceTríplice CamCam inhinho”,o”, basbasee discursivdiscursivaa dada MedicinaMedicina dede Síntese,Síntese, segundosegundo osos FundamentosFundamentos dede UmbandaUmbanda (Ombhandhum)(Ombhandhum) —— aa TriunidadeTriunidade CósmicaCósmica —— aa ProtoSínteseProtoSíntese Cósmica.Cósmica. SeSe nãonão conhecermosconhecermos ee praticapraticarmosrmos oo TrípliceTríplice Caminho,Caminho, dificilmentedificilmente seremosseremos capazescapazes dede realireali

SSaaccaannddoottee,, AAúúaaggoo ee AAââéédd iiccoo

zarzar aa MedicinaMedicina dede Síntese.Síntese. Observemos,Observemos, então,então, asas babasesses dodo TríTríplicplicee CaCammininhoho SegundoSegundo rezamrezam osos conceitosconceitos adoutrináriosadoutrinários dada “Doutri“Doutri-- na”na” dodo TrípliceTríplice CaminhoCaminho (sem(sem ortodoxia,ortodoxia, semsem limites,limites, aberta),aberta), muitomuito antesantes dosdos fenômenosfenômenos cosmogenéticoscosmogenéticos préexistiapréexistia oo Rei-Rei- nono VirginalVirginal ouou CosmoCosmo Espiritual,Espiritual, ondeonde aa únicaúnica realirealidadedade eraera oo EspíritoEspírito isentoisento dede veículosveículos dimensionaisdimensionais (relativos(relativos àà energia,energia, aa qualqual eraera inexistente).inexistente). NesteNeste ReinoReino VirginalVirginal nãonão havihaviaa ee nãonão háhá tempotempo (atemporal)(atemporal) ouou espaçoespaço (adimensional),(adimensional), cogitascogitasee sósó dodo infinito,infinito, dada “eternidade“eternidade relativa”.relativa”. SeusSeus domíniosdomínios ppertencemertencem aoao chamadochamado VazioNeutro.VazioNeutro.

aoao chamadochamado VazioNeutro.VazioNeutro. NesteNeste ReinoReino Natural,Natural, aoao
aoao chamadochamado VazioNeutro.VazioNeutro. NesteNeste ReinoReino Natural,Natural, aoao
aoao chamadochamado VazioNeutro.VazioNeutro. NesteNeste ReinoReino Natural,Natural, aoao
aoao chamadochamado VazioNeutro.VazioNeutro. NesteNeste ReinoReino Natural,Natural, aoao
aoao chamadochamado VazioNeutro.VazioNeutro. NesteNeste ReinoReino Natural,Natural, aoao
aoao chamadochamado VazioNeutro.VazioNeutro. NesteNeste ReinoReino Natural,Natural, aoao
aoao chamadochamado VazioNeutro.VazioNeutro. NesteNeste ReinoReino Natural,Natural, aoao

NesteNeste ReinoReino Natural,Natural, aoao contráriocontrário dodo ReinoReino VirginalVirginal,, háhá oo limitelimite dada finitude,finitude, regidoregido pelospelos conceitosconceitos dede espaespaçotempoçotempo (temporal,(temporal, dimensional).dimensional). SeusSeus domíniosdomínios estãoestão sobsob asas vibraçõesvibrações dada energiamassaenergiamassa (galáxias,(galáxias, sistemassistemas solares,solares, planetaplanetass etc.).etc.). SeparandoSeparando osos doisdois Reinos,Reinos, formandoformando verdadeiraverdadeira barrebarreiraira vibravibratóriatória,, háhá aa SuSubstânciabstância Etérica,Etérica, proprotofotoformarma dede antimantimatériaatéria ee matériamatéria que,que, quandoquando associadas,associadas, retornamretornam àà origem,origem, aa Subs-Subs- tânciatância Etérica.Etérica. OO queque atéaté oo momentomomento afirmamosafirmamos éé oo queque ensinamensinam osos SaSa-- gradosgrados PrincípiosPrincípios dede TuyabaécuaáTuyabaécuaá —— aa TradiçãoTradição dosdos VelhosVelhos —— aa SSababededorioriaa —— AAmm oorr ee AtAtiviividadadede CósCósmicmicosos preconizadopreconizadoss

111100

^^aammuummssiiddddkkaa AA rrkkaapp iiaagg kkaa

KK

pelapela purapura RaçaRaça Solar,Solar, aa primeiprimeirara aa habitarhabitar oo planplaneta,eta, sendosendo queque seuseu fastígiofastígio moralcientíficoespiritualmoralcientíficoespiritual estendeusestendeusee atéaté osos tem-tem- pospos imeimemoriaimoriaiss quandoquando ““desdesmamaterterialiializarzaramam”” seseusus ““MunMundosdos dede LuzesLuzes ee Felicidades”,Felicidades”, retornandoretornando aosaos PlanosPlanos AriândiAriândicoscos (Aruanda),(Aruanda), SagradosSagrados CimosCimos dada maismais altaalta espiritualidadeespiritualidade AA CosmogênCosmogênese,ese, segundosegundo essesseses princípios,princípios, foifoi concrconcreti-eti- zadazada atravésatravés dodo PoderPoder OperanteOperante ouou PoderPoder VolitivoVolitivo dosdos SESETETE AA RR AA SS HH AA SS ouou OrOrishishasas,, osos quaisquais adaadaptaptaramram aa SubSubstânstânciacia EtéricaEtérica atravésatravés dede seusseus poderosospoderosos influxosinfluxos espirituaisespirituais concreti-concreti- zadoszados emem ciclosciclos ee ritmos,ritmos, originandooriginando aa vibraçãovibração originoriginalal queque sese expressouexpressou emem Luz,Luz, SomSom ee MovimentoMovimento —— ouou PrincípiosPrincípios EEletro-letro- magnéticos,magnéticos, aa Gravitação.Gravitação. AA ““AdAdouou tritrinana dodo TrípliceTríplice CamCam inhinho”o”baseiase,baseiase, alicerçasealicerçase emem analogiasanalogias comcom osos eventoseventos dada Cosmogênese,Cosmogênese, quandoquando sese consolidaramconsolidaram osos trêstrês fenômenosfenômenos dada criação:criação: aa Luz,Luz, oo SoSomm ee oo Movimento.Movimento. AA DoDoutrutrinaina dodo TrípliceTríplice CamCaminhinhoo ouou dodo OmbhOmbhandhandhumum —— AA ProPrototoSínSíntestesee Cósmica,Cósmica, baseiase:baseiase: nono CamCaminhinhoo dada Luz,Luz, nono CaminhoCaminho dodo Som,Som, nono CaminhoCaminho dodo Movimento.Movimento. AoAo CamiCami-- nhonho dada LuzLuz associamosassociamos aa DoutrinaDoutrina Tântrica.Tântrica. AoAo CaminCaminhoho dodo SomSom associamosassociamos aa DoutrinaDoutrina Mântrica.Mântrica. Finalmente,Finalmente, àà DDoutrinaoutrina dodo MovimentoMovimento associamosassociamos aa DoutrinaDoutrina Yântrica.Yântrica.

——

aa DoutrinaDoutrina Yântrica.Yântrica. —— —— VerdadeVerdade AbsolutaAbsoluta —— ll ll ll
aa DoutrinaDoutrina Yântrica.Yântrica. —— —— VerdadeVerdade AbsolutaAbsoluta —— ll ll ll

——

aa DoutrinaDoutrina Yântrica.Yântrica. —— —— VerdadeVerdade AbsolutaAbsoluta —— ll ll ll
aa DoutrinaDoutrina Yântrica.Yântrica. —— —— VerdadeVerdade AbsolutaAbsoluta —— ll ll ll
aa DoutrinaDoutrina Yântrica.Yântrica. —— —— VerdadeVerdade AbsolutaAbsoluta —— ll ll ll
aa DoutrinaDoutrina Yântrica.Yântrica. —— —— VerdadeVerdade AbsolutaAbsoluta —— ll ll ll

VerdadeVerdade AbsolutaAbsoluta ——

ll ll ll

RealidadeRealidade Suprema.Suprema.

SSaacceerrddoottee,, ]\Aago]\Aago ee .M.Médédiicoco

ComCom estasestas ligeirasligeiras masmas necessáriasnecessárias consideraçõesconsiderações sobresobre osos FundamentosFundamentos dada DoutrinaDoutrina dodo TrípliceTríplice CaminhoCaminho melhmelhoror en-en- tenderemos,tenderemos, nosnos capítuloscapítulos queque sese seguirão,seguirão, aa MedicinaMedicina dede Sín-Sín- tesetese ee,, prprincipincipalmenalmente,te, aaAuAutoctocurauraTâTântrntricaica—— aa RealizaçRealizaçãoão Es-Es- pipiritrituaua ll —— CoCororoláláriorio SubSublimelime ee SupSupremremoo dede UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum.

““

””

UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum. ““ ”” Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas
UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum. ““ ”” Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas
UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum. ““ ”” Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas
UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum. ““ ”” Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas
UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum. ““ ”” Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas
UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum. ““ ”” Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas
UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum. ““ ”” Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas
UmUmbanbandada ouou Ombhandhum.Ombhandhum. ““ ”” Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas

Sim,Sim, TantraTantra nãonão eraera apenasapenas práticaspráticas ouou ritosritos ee muitomuito meme-- nosnos deturpaçõesdeturpações conscienciaisconscienciais sobresobre aa nobrezanobreza dada reuniãreuniãoo dodo parpar vibracvibracionalional HoHomeme mmMuMulhelherr queque dderivouerivou parapara osos aspectoaspectoss grosseirosgrosseiros dodo sexo.sexo.

osos aspectoaspectoss grosseirosgrosseiros dodo sexo.sexo. NoNo desenrolardesenrolar dodo enredoenredo destedeste
osos aspectoaspectoss grosseirosgrosseiros dodo sexo.sexo. NoNo desenrolardesenrolar dodo enredoenredo destedeste
osos aspectoaspectoss grosseirosgrosseiros dodo sexo.sexo. NoNo desenrolardesenrolar dodo enredoenredo destedeste
osos aspectoaspectoss grosseirosgrosseiros dodo sexo.sexo. NoNo desenrolardesenrolar dodo enredoenredo destedeste

NoNo desenrolardesenrolar dodo enredoenredo destedeste livrolivro perceberemosperceberemos queque aa MedicinaMedicina preconizadapreconizada pelapela UmbandaUmbanda compreendecompreende nãonão apapenasenas osos aspectosaspectos fisiogônicosfisiogônicos ee androgônicosandrogônicos masmas baseiasbaseiase,e, funda-funda- mentalmente,mentalmente, nosnos aspectosaspectos cosmogônicoscosmogônicos ee teogônicosteogônicos dodo

111122

\\CCuur\r\uuninisisiclclcclklk<<aa AA ^^ kk aa pp iaia gg kk aa KK

Tantra.Tantra. AA essessee enenredoredo dosdos TantrTantrasas emem seseusus aspectoaspectoss supersuperlati-lati- vosvos ouou dada LLuzuz CrescenCrescentete denominamdenominamosos DoDoutrutrinaina TâTântricantrica

denominamdenominamosos DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos
denominamdenominamosos DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos
denominamdenominamosos DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos

VerboVerbo Solar.Solar.

DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências
DoDoutrutrinaina TâTântricantrica VerboVerbo Solar.Solar. EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências

EmboraEmbora tenhamostenhamos divergênciasdivergências conceituaisconceituais comcom algunsalguns IrmãosIrmãos PlanetáriosPlanetários oriundosoriundos dasdas zonaszonas gélidasgélidas dosdos HimaHimalaias,laias, aindaainda nesteneste livrolivro iremosiremos ressaltarressaltar queque hindus,hindus, chinchineses,eses, mongóis,mongóis, tibetanostibetanos ee outrosoutros respeitáveisrespeitáveis povospovos sãosão reencarnaçõesreencarnações dede re-re- manescentesmanescentes dada RaçaRaça Solar,Solar, sãosão novasnovas expressõesexpressões reencareencarnatórnató

111133

SS aacc ee rr dd oo ttee,, AAAAaaggoo ee AAAA ééddiicc oo

riasrias dede seresseres espirituaisespirituais queque cindiramcindiram oo famosofamoso TroTronconco TupyTupy (Raça(Raça Vermelha).Vermelha). EsteEsteTroncoTronco Racial,Racial, aoao cindirsecindirse nono perigeuperigeu dada AtlâAtlântidantida,, deudeu origemorigem aosaos TupyNambásTupyNambás ee TupyGuaranys.TupyGuaranys. OsOs últiúltimos,mos, atravésatravés dada MigraçãoMigração EspiritualEspiritual Kármica,Kármica, foramforam animaanimarr novosnovos gruposgrupos reencarnatórios,reencarnatórios, levandolevando àsàs Américas,Américas, ÁfricaÁfrica,, ÁsiaÁsia ee demaisdemais plagaplagass dodo plplanetaaneta seseusus ensinamentos.ensinamentos. EsEssesses ensinamentosensinamentos jájá sese haviamhaviam deturpado;deturpado; comocomo simplessimples exemplo,exemplo, citemcitemosos oo Prin-Prin- cípiocípio Espiritual,Espiritual, associadoassociado aoao Sol,Sol, queque foifoi permutapermutadodo pelopelo Prin-Prin- cípiocípio Natural,Natural, associadoassociado àà Lua.Lua. DeixaremosDeixaremos aosaos IrmãosIrmãos Planetários,Planetários, queque sãosão perspicaperspicazeszes ee nãonão sectaristas,sectaristas, aa interpretaçãointerpretação dodo queque afirmamosafirmamos,, principal-principal- mentemente aa inversãoinversão dosdos valoresvalores citadoscitados ee suassuas consconseqüências.eqüências. NoNo epílogo,epílogo, nãonão podemospodemos deixardeixar dede aditaraditar queque parapara nnós,ós, adeptosadeptos dosdos PrincípiosPrincípios UniversaisUniversais dede UmbandaUmbanda ouou Ombhandhum,Ombhandhum, aa DoutrinaDoutrina dodo TrípliceTríplice CaminhoCaminho contémcontém eemm seseuu bojobojo aa MedicinMedicinaa Tântrica,Tântrica, aa quaquall éé tambémtambém dedenominadanominada dede MeMedicdicinaina CCósmósmicaica ouou dede SínteseSíntese ee qqueue visavisa curarcurar aa EssEssênciaência dodo SerSer Espiritual,Espiritual, fazendoofazendoo retornarretornar aoao estadoestado dede equequilíbrio,ilíbrio, per-per- didodido quandoquando dede suasua descidadescida dodo ReinoReino VirginalVirginal aoao ReiReinono Natu-Natu- ral.ral. EmEm verdade,verdade, esteeste fatofato acarretouacarretou aa DoençaDoença PrimePrimeva,va, mani-mani- festadafestada nasnas maismais variadasvariadas formasformas dede doençasdoenças ouou enfeenfermidades,rmidades, queque discutiremosdiscutiremos nosnos próximospróximos tópicostópicos comcom totaltotal iseisençãonção dede ânimos.ânimos. RecobremosRecobremos aa serenidade,serenidade, aa levezaleveza dada mentemente ee dodo coraçãocoração ee comcom determinaçãodeterminação ee bombom ânimoânimo penetremospenetremos nosnos pródrpródromosomos dada TerapiaTerapia dada AlmAlma,a, dodo entendimentoentendimento dada FisiologiaFisiologia dada EnergiaEnergia Sutil.Sutil.

111414

^^aammuunniissiiddccllkkaa AArr kkaa ppiiaa gghh aa

KK

^^aammuunniissiiddccllkkaa AArr kkaa ppiiaa gghh aa KK —— OO ss PrincípiosPrincípios Espirituais,Espirituais,
^^aammuunniissiiddccllkkaa AArr kkaa ppiiaa gghh aa KK —— OO ss PrincípiosPrincípios Espirituais,Espirituais,

——

^^aammuunniissiiddccllkkaa AArr kkaa ppiiaa gghh aa KK —— OO ss PrincípiosPrincípios Espirituais,Espirituais,

OO ss PrincípiosPrincípios Espirituais,Espirituais, atravésatravés dodo PoderPoder OperanteOperante

dosdos ArashasArashas ouou OrishasOrishas (Senhores(Senhores dada LuzLuz Espiritu-Espiritu-

al),al), foramforam manifestadosmanifestados nana Cosmogênese.Cosmogênese.

AA GênGêneseese CóCósmismicaca devedeveuseuse aosaos SESE TTEE AA RR AA SS HH AA SS ,, cujoscujos PoderesPoderes VolitivosVolitivos expressosexpressos emem ciclosciclos ee ritmosritmos pparticula-articula- resres foramforam impressosimpressos nana SubstânciaSubstância Etérica,Etérica, subtrainsubtraindolhedolhe aa indiferenciaçãoindiferenciação ee oo aspectoaspecto caótico.caótico.

OO instanteinstante primevoprimevo dada Cosmogênese,Cosmogênese, comocomo reaçãoreação ouou efeitoefeito dodo PoderPoder VolitivoVolitivo dosdos Arashas,Arashas, produziuproduziu TrêsTrês Fenôme-Fenôme- nosnos Arquetipais:Arquetipais:

111155

Sacerdote.,Sacerdote., J\AagoJ\Aago ee MMééddiiccoo

OsOs SeteSete ArashasArashas VirginaVirginaisis —— SenhoresSenhores dada ““CoroCoroaa DD ivi-ivi- na”na” estenderamestenderam seusseus AtributosAtributos UnosUnos modificadosmodificados àà HierarquiaHierarquia

VirgVirginalinal

ciência,ciência, Onipotência,Onipotência, Onipresença.Onipresença. EssesEsses atributosatributos virginaisvirginais manifestaramsemanifestaramse nosnos SeresSeres Es-Es- pirituaispirituais comocomo perpercepção,cepção, consciência,consciência, inteinteligênligência,cia, amoamor,r, vovo nn-- tadetade etc.etc. OsOs AtributosAtributos UnosUnos aludidosaludidos sese expressaramexpressaram nana CosmogêneseCosmogênese atravésatravés dosdos TrêsTrês FenômenosFenômenos Arquetipais.Arquetipais. AssimAssim,, tivemos:tivemos:

OsOs atributosatributos inerentesinerentes àà ““CorCoroaoa DivinDivina”a” eram:eram: OnOn isis

//**

OnisciênciaOnisciência manifestadamanifestada comocomo LuzLuz CósmicaCósmica SeteSete CoresCores FundamentaisFundamentais OnipotênOnipotênciacia manimanifestfestadaada cocomomo SomSom CósmicoCósmico SeteSete NotasNotas FundamentaisFundamentais OnipresençaOnipresença manifestadamanifestada comocomo MovimentoMovimento CósmicoCósmico SeteSete ForçasForças FundamentaisFundamentais

ApreAprecianciandodo comcom atençãoatenção oo queque atéaté aquiaqui expusemos,expusemos, nãonão teráterá oo PrezadoPrezado IrmãoIrmão PlanetárioPlanetário dificuldadesdificuldades emem ententenderender aa relaçãorelação ouou analogiaanalogia queque fizemosfizemos comcom aa DoutrinaDoutrina dodo TTrípliceríplice Caminho,Caminho, queque pretendepretende interpretarinterpretar parapara osos diversosdiversos grausgraus conscienciais,conscienciais, oo significadosignificado dada LuzLuz CósmicaCósmica (Doutri(Doutrinana TâTântrntricica),a), dodo SoSomm CósmCósmicoico (D(Dououtritrinana MM ânântrictric a)a) ee dodo MM oovivi -- mentomento CósmicoCósmico (Doutrina(Doutrina Yântrica).Yântrica).

CósmicoCósmico (Doutrina(Doutrina Yântrica).Yântrica). CosmosCosmos aa manifestaçãomanifestação ouou
CósmicoCósmico (Doutrina(Doutrina Yântrica).Yântrica). CosmosCosmos aa manifestaçãomanifestação ouou

CosmosCosmos

aa

manifestaçãomanifestação ouou concretizaçãoconcretização dodo PoderPoder VolitivoVolitivo ouou OperanteOperante dosdos SeteSete ArashasArashas ee HierarquiaHierarquia

éé

dodo PoderPoder VolitivoVolitivo ouou OperanteOperante dosdos SeteSete ArashasArashas ee HierarquiaHierarquia éé 111166

111166

\?am\?am un\un\ ssicicllddl\al\a j\rUj\rU

apap

\a\a gg l\al\a

KK

CentralizemosCentralizemos nossanossa percepçãopercepção ee atençãoatenção emem nossonosso Sis-Sis- tematema SolarSolar e,e, emem especial,especial, nono PlanetaPlaneta Terra.Terra. EsteEste órbitórbitaa sobsob osos influxosinfluxos vibracionaisvibracionais dodo Sol,Sol, luminarluminar queque lhelhe dádá sustsustentação,entação, vidavida ee luz.luz. RRemoemontemntemos,os, então,então, háhá apaproximadamenroximadamentete cincocinco bibi-- lhõeslhões dede anosanos ee penetremospenetremos nana PlanetogênesePlanetogênese (Criação(Criação dodo Pla-Pla- netaneta Terra).Terra). AA PlaPlanetonetogêngêneseese imimitouitou aa CosmCosmogêogênesenese (Cr(Criaçiaçãoão dodo Cosmos).Cosmos). AA SubstânciaSubstância FundamentalFundamental dodo SolSol (Hélio(Hélio ee ooutrosutros elementoselementos —— luz)luz) sofreusofreu sobresobre ssii oo PoderPoder VolitivoVolitivo dosdos SESE TETE AA RR AA SS HH AA SS SSOOLLAARREESS,, oo queque deudeu origemorigem aoao SistemSistemaa Solar.Solar. DentroDentro dessedesse Sistema,Sistema, focalizemosfocalizemos nossosnossos estudosestudos nono PlanetaPlaneta Terra,Terra, nossonosso mundomundo dede evoluçãoevolução ee vida.vida. MaisMais umauma vez,vez, oo PoderPoder OperanteOperante dosdos SeteSete ArashasArashas,, ma-ma- nifestonifesto emem ciclosciclos ee ritmos,ritmos, deudeu origemorigem àà SetessênciaSetessência dada matéria,matéria, emem analogiaanalogia comcom osos TrêsTrês PrincípiosPrincípios Arquetipais.Arquetipais. EstaEsta SetessênciaSetessência apresentase,apresentase, emem obediênciaobediência aosaos “Trê“Trêss Princípios”,Princípios”, posicionadaposicionada emem trêstrês planosplanos coexistentecoexistentess ee interdependentes,interdependentes, denominadenominados:dos:

PlanoPlano Mental:Mental: associadoassociado àà LuzLuz Espiritual,Espiritual, pedrapedra angangularular

dada DDououtrinatrina TâTântricantrica ouou dada

LuzLuz Divina.Divina. PlanoPlano Astral:Astral: associadoassociado aoao VerboVerbo Espiritual,Espiritual, pedrapedra angularangular dosdos fundamentosfundamentos dada DoutrinaDoutrina MântricaMântrica ouou dodo VerboVerbo Divino.Divino. PlanoPlano EtéreoFísico:EtéreoFísico: associadoassociado aoao MovimentoMovimento Espiritual,Espiritual, pedrapedra angularangular dosdos fundamentosfundamentos dada DouDoutrinatrina YântricaYântrica ouou dada LeiLei DivinaDivina

dodoss fundamfundam entosentos

AA

““mm aatété ririaa”” queque ccoonnstst itituuii oo PPlala nnoo MM eenn tata ll éé ddititaa

sutilíssima,sutilíssima, origemorigem ouou arquétipoarquétipo dasdas forçasforças vivasvivas oouu energiasenergias sutis.sutis.

111717

SS aa cc ee rr dd oo tt ee ,,

]\]\AA agag oo ee

MM éé dd iicc oo

AA ““matérimatéria”a” ququee constconstituiitui oo PPlanolano AA ststrarall éé nomeadanomeada sutisutil,l, sendosendo aa primeiraprimeira manifestaçãomanifestação dada energiaenergia sutilíssimsutilíssima.a. EstaEsta Ener-Ener- giagia AstralAstral éé origemorigem dasdas forçasforças sutis,sutis, aresares vitais,vitais, prana,prana, tattwastattwas etc.etc. NoNo PlanoPlano EtéreoFísicoEtéreoFísico temostemos aa densificaçãodensificação máximamáxima permpermitidaitida àà EnerEnergiagiaMassMassaa segundosegundo osos limiteslimites vibracionavibracionaisis ee gravitacionaisgravitacionais relativosrelativos aoao planetaplaneta Terra.Terra. EstaEsta EnergiaMassaEnergiaMassa possuipossui cincocinco estadosestados físicos:físicos: sólsólido,ido, líquido,líquido, gasogasoso,so, plasmáticoplasmático ee boseano,boseano, queque sãosão consolidaçõesconsolidações dede elementoselementos sutis,sutis, tambémtambém denominadosdenominados dede elementais:elementais: terra,terra, água,água, fogo,fogo, arar ee éter.éter. OO estadoestado etéricoetérico (Fluido(Fluido GeradorGerador ouou EspaçoEspaço InercialInercial),), oo AA KK AA SSHH AA ,, estáestá ininteiramteiramenteente aderidoaderido aoao planoplano físico,físico, sendosendo oo quintoquinto elemento,elemento, queque é,é, nana verdade,verdade, geratrizgeratriz dosdos demaidemais.s. ApóApóss estaesta descriçãodescrição dada constituiçãoconstituição dada matématériaria físicafísica ee hiperfísicahiperfísica dodo planetaplaneta (veículos(veículos concretizadoresconcretizadores dosdos vváriosários pla-pla- nosnos ee manifestaçõesmanifestações dada energia),energia), façamosfaçamos oo mesmomesmo cocomm oo Ho-Ho- mem.mem. Entenderemos,Entenderemos, assim,assim, asas íntimasíntimas relaçõesrelações destedeste (microcosmo)(microcosmo) comcom oo PlanetaPlaneta ee mesmomesmo comcom oo