Você está na página 1de 105
M M A A do do i n i s t é r i o

M

M

A

A

do

do

i n i s t é r i o

i n i s t é r i o

d a

d a

g r i c u l t u r a ,

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

Rural e das Pescas

DRAALG

DRAALG

Direcção Regional

Direcção Regional

Noções Gerais de Rega

Noções Gerais de Rega

de Agricultura

de Agricultura

do Algarve

do Algarve

NOÇÕESNOÇÕES GERAISGERAIS DEDE REGAREGA

(1ª parte)

Algarve do Algarve NOÇÕES NOÇÕES GERAIS GERAIS DE DE REGA REGA (1ª parte) Patacão/Faro (2001) Armindo

Patacão/Faro

(2001)

Armindo J. G. Rosa

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

INTRODUÇÃO

A maior parte do Continente português tem um clima de tipo mediterrânico, caracterizado por:

Frio e chuva de Outubro a Abril, com excesso hídrico, mais acentuado a Norte que a Sul;

Quente e seco, de Maio a Setembro, com défice de água, mais saliente no Sul do que no Norte;

Assim em anos normais, no período de invernal, a regra é mais o excesso de água que a falta desta.

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

INTRODUÇÃO

Em contrapartida, no período estival, durante o qual as plantas cultivadas têm a fase mais intensa do seu ciclo vegetativo, torna-se necessário regar para compensar a deficiente humidade do solo.

Assim sendo em climas deste tipo a rega reveste-se, de um modo geral, de fundamental importância, uma vez que:

A água entra na composição das plantas, podendo representar até 95 % da massa verde de algumas culturas;

É a água que dissolve os elementos nutritivos existentes no solo ou adicionados sob a forma de adubos.

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

1 - Finalidades da Rega

No sentido mais geral, a rega pode ser definida como a aplicação artificial de água ao solo com o objectivo de fornecer humidade às plantas cultivadas e melhorar as condições em que as mesmas vegetam.

O solo sem água não produz, donde, sempre que se queira cultivar horto-frutícolas, em climas como o nosso, é necessário regar, em parte, ou durante todo o período cultural.

O fornecimento de água tem dois fins principais:

“Físico”, quando tem por fim facilitar os trabalhos agrícolas e a expansão radicular humedecendo os solos e endurecidos;

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

1 - Finalidades da Rega

“Fisiológico”, quando tem por fim auxiliar a vegetação, quer fornecendo às plantas a sua água de constituição quer presidindo às reacções químicas e á osmose, mediante as quais se realiza a assimilação dos nutrientes.

As regas podem ainda ter outras finalidades, pelo que alguns autores, as classificam em:

Regas de humedecimento - São as regas propriamente ditas, ou seja, as regas com as quais se pretende compensar a insuficiência de chuva;

Regas de protecção - Se têm por objectivo realizar a defesa das plantas contra condições climáticas desfavoráveis, especialmente ao nível das temperaturas;

Regas de fertilização - Que consistem na realização das fertilizações do solo simultaneamente com a rega. Esta técnica tem o nome de “Fertirrigação”;Fertirrigação”

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

As águas destinadas à rega não devem conter substâncias que sejam prejudiciais às plantas e o seu valor está intimamente associado à sua origem que determina em grande parte a sua composição, temperatura etc.

Toda a água tem, em última análise, origem na chuva, sendo esta a forma natural de administrar água ao solo e simultaneamente a fonte de toda a água utilizada para a rega das nossas hortas e pomares.

Na verdade, ao cair sobre o solo, uma parte da água escorre e é conduzida para os cursos de água, rios e ribeiros, onde fica à disposição do agricultor para posterior utilização;

Outra parte infiltra-se no solo até encontrar uma camada impermeável que a retém, podendo depois ser recolhida mediante a abertura de poços ou furos;

Podemos ainda aproveitar a água da chuva fazendo barragens, que impedem a sua perda para os rios;

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega 2. 1 - Qualidade das água de rega

A água, não se encontra na natureza em estado de pureza absoluta e contém muitas matérias em dissolução e suspensão.

A qualidade e quantidade dessas matérias dependem da origem da água e dos terrenos que atravessa ou banha.

uma boa água de rega apresentar as seguintes

características:

Ser muito alcalina ou muito ácida;

Ser isenta de substâncias nocivas às plantas (águas industriais ou residuais não tratadas não servem);

Ter

demasiado quente;

adequada, não inferior à do ambiente, ou

Resumidamente

temperatura

Ser suficientemente arejada, para dissolver os elementos nutritivos do solo:

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega 2. 1 - Qualidade das água de rega

Pelo contrário são más para a rega águas que apresentem as seguintes características:

Que tenham atravessado terrenos em zonas poluídas ou que se filtram através de bancos calcários;

Que se apresentem salinizadas;

Que se apresentem turvas, porque sujam as plantas e entopem filtros e tubagem em rega localizada;

Que apresentem algas, pelo mesmo motivo;

as reservas do solo

Águas mal arejadas arejadas por diminuírem em oxigénio.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 1 - Características que determinam a qualidade da água de rega

Modernamente, outros factores tão ou mais importantes que os anteriormente referidos, são tidos em conta para classificar a água.

Estes factores têm em conta, para além da qualidade da própria de cada água, o fim a que ela se destina e o modo como será utilizada.

Composição da água - As águas segundo a sua origem podem apresentar composições diferentes em elementos minerais, e a sua composição pode variar continuamente, dentro de certos limites, sem que o uso dessa água seja muito afectado.

Assim em águas captadas em aquíferos, situados em zonas calcários, observa-se uma maior quantidade de cálcio no inverno do que no verão;

Se os aquíferos se situam em estratos ricos em sais solúveis , pode der-se um aumento da concentração de sais durante o verão;

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 2 - Características que determinam a qualidade da água de rega

A água captada a partir de furos e poços poderá ao principio apresentar aspecto lodoso, com areias e lama à mistura. Este problema demitiu ou desaparece na maioria dos casos à medida que o uso se intensifica;

Nas águas captadas a partir de furos ou poços, situados perto de águas correntes, à medida que as extracções são mais intensas, a água adquire composição semelhante à do curso de água;

O mesmo fenómeno se verifica perto do mar onde a água doce sobrenada a salgada, mais densa, pelo que extracções intensas podem conduzir ao aparecimento de águas “salobras” ou mesmo salgadas;

Pelo contrário as águas provenientes das serras, captadas em reservatórios ou barragens, são em geral de boa qualidade, podendo, em geral, ser usadas sem restrições na rega das culturas.

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 2 - Características que determinam a qualidade da água de rega

Solo a regar - É outro critério mais para classificar a aptidão de uma água baseia-se no solo sobre o qual se vai empregar essa água.

Assim uma água cujo conteúdo de sais a torne inadequada para regar um solo argiloso, pode muito bem ser apta para a rega num solo arenoso.

Sistema de rega - É outro elemento a ter em conta para avaliar a aptidão de uma água para rega.

A rega por aspersão, exige águas com menor concentração de sais que uma rega gota a gota;

Também as águas sujas com areias e limo podem ser utilizadas sem

problemas em rega por gravidade, causando porém sérios problemas

em rega localizada.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 1 - Características que determinam a qualidade da água de rega

Culturas a regar - As culturas têm exigências diferentes consoante a espécie a que pertencem, havendo desde as muito susceptíveis aos sais existentes na água até àquelas que vivem em sapais e outros locais junto ao mar.

No caso das culturas cultivadas, existem numerosas tabelas que referem a sua resistência à salinidade(CE) e a alguns sais específicos (Mg, B, Na, Cl etc )

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 1 - Características que determinam a qualidade da água de rega

Temperatura da água - É um factor menos estudado mas com grande importância na capacidade de dissolução da água.

Está comprovado que uma água à temperatura ambiente

é muito mais eficaz na lavagem de um solo que quando aplicada a temperaturas inferiores;

Casos haverá em que temperaturas muito altas aconselha a sua não utilização;

No caso da rega localizada, no verão, os tubos expostos ao sol atingem temperaturas muito altas pelo que não se aconselha a rega nas horas mais quentes do dia.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 3 - Análise das águas de rega

Como referimos anteriormente, as águas, especialmente as do litoral, do litoral, captadas por intermédio de furos no subsolo, apresentam com frequência salinidade elevada, com níveis por vezes altos de sódio, cloro, magnésio, cálcio e sulfatos.

Noutras ocasiões, apresentam grandes concentrações de azoto, sob a forma de nitratos, e pequenas quantidades de fósforo e potássio.

Assim torna-se importante avaliar,avaliar, dodo pontoponto dede vistavista químicoquímico, a qualidade da água como forma de prevenir futuros problemas de salinização e alcalinização ou acidificação do solo, bem como da possibilidade de ocorrerem danos devidos à toxicidade, que alguns elementos em excesso, possam provocar nas culturas.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 3 - Análise das águas de rega

Por outro lado certos elementos, como o cálcio e o magnésio, por si só ou devido a reacções com os adubos a aplicar, podem precipitar e entupir os gotejadores ou fitas de rega, na rega localizada.

Também as água muito sujas com areias, argilas, algas etc., podem causar problemas dado que podem ocasionar entupimentos e danos nas instalações.

Por vezes proliferam ainda microorganismos, (bactérias, fungos) que entopem os orifícios, dos gotejadores na rega gota a gota.

Assim a qualidade da água deveria também ser avaliada do ponto de vista físico-biológico, o que todavia não abordaremos neste curso.

Os problemas de entupimento físico dos gotejadores, de origem mineral ou orgânica, solucionam-se instalando filtros adequados, para o que se deverá contactar técnicos ou empresas da especialidade.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 3 - Análise das águas de rega

Os entupimentos devidos a microorganismos (bactérias filamentosas, bactérias ferrosas, bactérias sulfurosas, fungos e algas) podem tratar- se aplicando cerca de 200 c/c de hipoclorito de sódio a 10 % por cada m 3 de água.

No caso das algas (limos) recomenda-se evitar a exposição da água à luz solar, tapando os reservatórios.

Se esta solução não for viável, podemos ainda recorrer à adição de sulfato de cobre na proporção de 0.5 a 1 g/m 3 .

No caso das obstruções de origem química, com origem no cálcio (carbonatos e bicarbonatos), o ideal será actuar preventivamente, acidificando a água, de maneira a que o pH da água não seja superior a 6 – 6.5.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 3 - Análise das águas de rega

Se a obstrução já ocorreu, antes de iniciar a nova cultura, pode empregar-se ácido nítrico na proporção de 3 – 4 litros por cada m 3 de água, deixando actuar durante cerca de trinta minutos, com a água a correr a baixa pressão.

Depois, esperar cerca de 24 horas, destapando então as pontas dos tubos, com a água a correr à pressão normal, para que arraste o resto das impurezas.

Se as obstruções são devidas à existência de ferro utiliza-se ácido sulfúrico nas doses de 0.5 %a 1 % ou permanganato de potássio a 0.6 mg/l, por cada mg/l de ferro.

Refira-se no entanto que todos estes produtos se deverão aplicar o menos possível, pois não só implicam custos como vão, em geral, diminuir a qualidade da água para as plantas.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2 - As Águas de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Para efeitos da rega (especialmente da fertirrega), interessa-nos fundamentalmente, os resultados da análise química, pois em última análise, são eles que nos permitem avaliar a aptidão das águas para efeitos da sua aplicação às culturas.

Recolha de amostras para análise

Ainda que nem sempre se dê a devida importância, o modo e os cuidados a ter aquando da recolha de água para análise, são de extrema importância pois se a amostra não for recolhida de forma adequada, os dados obtidos serão pouco fiáveis, podendo induzir em erro quem depois os for interpretar.

Técnica de recolha

O recipiente a utilizar deve ser de vidro ou plástico, estar provido de rolha ou tampa e ter capacidade de 1 a 1.5 litros. Uma garrafa de água mineral, fácil de encontrar e de limpar, serve perfeitamente;

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Recolha de amostras para análise Técnica de recolha

O recipiente a utilizar deve ser de vidro ou plástico, estar provido de rolha ou tampa e ter capacidade de 1 a 1.5 litros. Uma garrafa de água mineral, fácil de encontrar e de limpar, serve perfeitamente;

O recipiente deve estar limpo e ser enxaguado, umas três vezes, com água proveniente do mesmo local onde recolhemos a amostra a analisar;

O recipiente deve ser completamente cheio e a tampa colocada de modo a evitar a formação de bolhas de ar.;

No caso de água proveniente de poços ou furos, a amostra só deverá ser recolhida cerca de 30 minutos após o início da bombagem;

As amostras devem guardar-se em lugar fresco até serem analisadas.

Quando se pretende determinação dos nitratos, se a análise não pode ser efectuada nas três horas seguintes, a amostra deve ser guardada no frigorifico até à análise.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Recolha de amostras para análise Identificação da amostra e envio para o laboratório

Após a colheita, a amostra deverá ser enviada ao laboratório, o mais rapidamente possível, acompanhada de uma ficha (Anexo 1) onde constem o seguintes elementos informativos:

• Nome e morada do remetente • Origem da água • Identificação e local de
• Nome e morada do remetente
• Origem da água
• Identificação e local de colheita
• Cultura a regar

Tipo de rega

Tipo de solo a regar

Análises pretendidas

Para uma fácil identificação da amostra no laboratório, os quatro primeiros itens, acima referidos, deverão também constar num rótulo colado ou atado, ao recipiente.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Elementos a determinar pelo laboratório

Podemos dividir as determinações a efectuar em “AnálisesAnálises dede RotinaRotina” e AnálisesAnálises EspecificasEspecificas”.

No primeiro caso os elementos normalmente determinados são:

pH Condutividade (mmhos/cm a 25ºC) SAR Cloretos (Cl - ) Carbonatos (CO 3 =) Bicarbonatos (CO 3 H - ) Potássio (K + ) Cálcio (Ca ++ ) Magnésio (Mg ++ ) Sódio (Na + )

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Elementos a determinar pelo laboratório

Por vezes pode ainda ser pedida a determinação de outros elementos, que não se fazem habitualmente, mas que é necessário conhecer face à existência de problemas específicos sendo de referir, entre outros, os seguintes:

Azoto (N)

Fósforo (P)

Sulfatos (SO 4 )

Microelementos – Boro, Zinco, Ferro e outros.

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados

Para melhor interpretação dos dados destas análises, que podem ser efectuadas no laboratório da DRAALG, importa referir os seguintes aspectos:

pH

Avalia a acidez ou alcalinidade da água,

Para efeitos de rega, importa que os valores se situem entre 6 – 6.5;

Valores acima de 6.5 podem provocar precipitação dos iões Fe ++ , Cu,

Zn, Mn Ca ++ , Mg ++ e PO 4 =, dando origem à insolubilização dos sais,

provocando dificuldades na absorção dos nutrientes e entupimentos nos gotejadores;

Valores de pH altos aumentam a solubilidade do Mo;

Com

problemas de nutrição ou de toxidade nas plantas.

valores muito altos ou muito baixos de pH são de temer

M i n i s t é r i o d a DRAALG A g

M

i n i s t é r i o

d a

DRAALG

A

g r i c u l t u r a ,

Direcção Regional

do

Desenvolvimento

de Agricultura

Rural e das Pescas

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Salinidade

Este parâmetro permite avaliar a concentração de todos o sais, solúveis e ionizados, existentes na água, sais que dão lugar a uma pressão osmótica que é tanto maior quanto maior a sua concentração;

Uma pressão osmótica elevada dificulta a absorção da água e dos adubos, (caso do cálcio), a ela incorporados, pelo que a água será tanto melhor quanto menor for a sua salinidade;

Na prática os resultados da salinidade vêm expressos pela sua “condutividade eléctrica” (CE) que se exprime em milimhos/cm (mmhos/cm), sendo 1mmhos/cm igual a aproximadamente 0.64 g/l;

M i n i s t é r i o d a DRAALG A g

M

i n i s t é r i o

d a

DRAALG

A

g r i c u l t u r a ,

Direcção Regional

do

Desenvolvimento

de Agricultura

Rural e das Pescas

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Salinidade

de

salinidade com águas de CE até 0.75 mmhos/cm.

Refira-se também que os adubos adicionados à água fazem elevar a salinidade;

Dependendo da sensibilidade da cultura (Anexo 2) e da própria salinidade do solo, a concentração de sais na água de rega não deve exceder , na pior das hipóteses, 2 g de sais / litro de água;

Este dado é importante uma vez que as águas de baixa salinidade (condutividade) permitem a incorporação de maiores quantidades de adubo.

Considera-se,

regra

geral,

que

não

ocorrem

problemas

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Cálcio

Se exceptuarmos os problemas de entupimento dos gotejadores, a sua presença não é prejudicial e em algumas ocasiões pode beneficiar os solos que contenham baixos teores de carbonatos;

Em

potássio;

pode interferir na absorção do

concentrações

elevadas,

Em águas salinas, é o catião em maior proporção, contribuindo para reduzir os efeitos tóxicos do excesso de sódio e magnésio;

A sua presença contribui para aumentar a permeabilidade de solos com excesso de sódio;

O cálcio contido na água de rega deverá ser tomado em consideração para efeitos de fertilização das culturas.

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados

Magnésio

É outro elemento que deve ser tido em consideração nos cálculos de adubação, podendo aparecer em concentrações elevadas nas águas salinas, situação em que poderá induzir o aparecimento de carências do potássio e do cálcio.

Quando a relação de Ca/Mg é inferior a 1, os efeitos do sódio tendem a aumentar.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Sódio

A existência do ião sódio nas águas de rega em nada beneficia as culturas, podendo ocorrer fenómenos de toxicidade à medida que o sódio absorvido se acumula nas folhas em concentrações superiores ao limite de tolerância das culturas;

Interfere na absorção de potássio e do cálcio diminuindo-a;

Nas culturas mais sensíveis, caso de algumas fruteiras e arbustos ornamentais, são de prever problemas crescentes a partir de valores da ordem dos 65 mg/l;

A maioria das culturas anuais são mais resistentes mas podem igualmente ser afectadas por concentrações mais elevadas;

Quando as águas apresentam valores elevados de sódio, este acumula-se nos primeiros centímetros do solo, degradando a sua estrutura;

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Sódio

Dai resulta uma obstrução dos poros e diminuição da permeabilidade, consequência do aumento de volume dos agregados existentes, devido ao seu humedecimento.

Assim podem surgir horizontes compactos, onde a água não circula em profundidade.

Adj.SAR

A quantidade de sódio, cálcio e magnésio existente no complexo de troca tem influência na compactação do solo e nos problemas de toxicidade, desempenhando estes elementos, em especial o cálcio, uma acção benéfica, contrária à do sódio;

Por esse motivo importa conhecer a acção, resultante da proporção em que cada um deles se encontra na água de rega, cujo valor nos é dado pelo índice de adj.SAR (razão de absorção de sódio ajustada);

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Adj.SAR

Assim quanto maior for a quantidade de sódio, em relação ao cálcio e magnésio, maior será o valor de adj.SAR e portanto maiores os problemas;

Águas com valores de adj.SAR superiores a 6 podem ocasionar problemas de impermeabilidade no solo e, para valores acima de 3, surgem os sintomas de toxicidade nas plantas mais sensíveis;

Potássio

Ao contrário do elemento anterior (Na), a presença do potássio revela- se benéfica, pois pode funcionar como um suplemento extra de adubo, devendo por isso ser tido em consideração quando se apresenta em quantidades elevadas nas águas de rega.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Cloro

A maioria das árvores e plantas lenhosas são sensíveis a pequenas concentrações de cloro ao passo que herbáceas anuais apresentam maior resistência;

Absorvido pelas raízes acumula-se nas folhas, tal como o sódio, apresentando todavia sintomas de toxicidade diferentes;

Nesta situação as folhas começam por apresentar queimaduras nas pontas e não nas bordaduras.

Com frequência ocorrem também cloroses foliares acentuadas nas partes muito iluminadas, que podem degenerar em queimaduras nas bordas;

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Cloro

À medida que as folhas envelhecem e o problema se agrava, estas queimaduras são acompanhadas pela queda periférica das folhas e desfoliação das plantas;

Se as concentrações de cloro são altas o fósforo e o azoto são absorvidos com dificuldade;

Em culturas sensíveis, concentrações superiores a 106 mg/l, no caso das plantas absorverem os sais pelas folhas ou 142 mg/l, se essa absorção se efectua pelas raízes, podem dar origem à ocorrência dos problemas anteriormente referidos.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Carbonatos e Bicarbonatos

Isoladamente os carbonatos não aparecem nas nossas águas de rega;

Os bicarbonatos não representam riscos de toxicidade mas quando

em concentrações elevadas podem provocar a precipitação no solo dos carbonatos de cálcio e magnésio, o que origina um subida da

concentração de sódio;

Em regas de aspersão, com baixa humidade e alta evaporação, podem formar-se manchas esbranquiçadas sobre as folhas e frutos que reduzem o valor comercial das culturas;

Além disso nos sistemas de rega gota a gota, na presença do cálcio e magnésio, produzem-se precipitados que vão obstruir os orifícios de saída da água,

O seu teor na água de rega não deve ultrapassar os 90 mg/l.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados

Ainda que de momento a sua análise não se efectue como rotina temos também os elementos Azoto (N), Sulfatos (SO 4 ) e Boro (B), que convém referir.

Azoto

Em principio não são de prever níveis elevados deste elemento nas águas de rega.

Todavia em zonas de forte implantação agrícola, como sejam aquelas em que se pratica horticultura intensiva na nossa região, há tendência para utilizar este elemento em excesso, contaminando depois os aquíferos.

Nestas situações para além dos aspectos ecológicos, temos que ter em mente que o azoto da água de rega é um elemento nutritivo, que estimula o crescimento da planta, tal como qualquer adubo azotado.

A produção de culturas sensíveis pode ver-se afectada por concentrações a partir dos 5 mg/l (5 Kg de N por 1000 m 3 de água);

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados

Azoto

Por isso recomenda-se que se analise este elemento, sempre que se suspeite da sua existência na água de rega, tendo-o depois em consideração no momento de efectuar a adubação, tanto mais que isso também é economicamente vantajoso para o agricultor;

Outro problema que pode ocorrer em águas com elementos azotados è a proliferação de algas que podem entupir os gotejadores.

Sulfatos

A presença de sulfatos promove a absorção de sódio e dificulta a absorção de cálcio mas, em principio, não afecta as plantas, se bem que em algumas espécies, concentrações elevadas, possam afectar o ápice e depois a bordadura das folhas, que perdem clorofila e se tornam amarelas.

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados Sulfatos

Em redes de rega que utilizem tubos de fibrocimento, valores da ordem dos 300 a 400 mg/l, ainda que não afectando as culturas, podem provocar a corrosão dos mesmos.

Boro

O boro é um elemento essencial para o crescimento das culturas, mas estas, consomem-no em quantidades reduzidas;

Quando em excesso é tóxico; O boro acumula-se nas folhas e em outras partes da planta, aparecendo os primeiros sintomas de toxicidade nas pontas das folhas mais velhas, assim como nos bordos;

Plantas tolerantes ao boro, tais como o espargo ou a fava podem regar-se com águas com 3 a 4 mg/l ao passo que as mais sensíveis, caso dos citrinos, podem ser afectadas se as águas contêm mais de 0.3 a 0.5 mg/l de boro.

d a A do Rural e das Pescas g r i c u l t

d a

A

do

Rural e das Pescas

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

M

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega Interpretação de resultados

Se possível, seria bom dispor também de indicações acerca dos Microelementos, em especial daqueles a que a cultura a regar é mais sensível, dado que isso seria bastante útil para elaborar os calendários de fertirrega da cultura.

No quadro 1 indicam-se as concentrações máximas recomendadas de alguns Microelementos em águas para rega.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Interpretação de resultados

Quadro I

Elemento

(Símbolo)

mg/l

Elemento

(Símbolo)

mg/l

Alumínio

Al

5.0

Chumbo

Pb

5.0

Arsénio

As

0.1

Lítio

Li

2.5

Berílio

Be

0.1

Manganês

Mn

02

Cádmio

Cd

0.01

Molibdénio

Mo

0.01

Cromo

Cr

0.1

Níquel

Ni

0.2

Cobalto

Co

0.05

Selénio

Se

0.02

Cobre

Cu

0.2

Vanádio

V

0.1

Flúor

F

1.0

Zinco

Zn

2.0

Ferro

Fe

5.0

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Normas para classificação das águas

Para mais fácil classificação das águas de rega, alguns autores elaboraram normas que têm em conta simultaneamente, 2 ou mais índices, dos referidos anteriormente.

No que no diz respeito abordaremos apenas as NormasNormas dede “Riverside”“Riverside”, referenciadas em várias publicações, que têm em conta a condutividade eléctrica e o SAR. Estas normas permitem classificar a água com respeito à sua salinidade, com os riscos inerentes para as plantas, e também quanto ao seu perigo ao nível da acumulação de sódio e dos riscos a ele associados, de perda de permeabilidade dos solos regados com estas águas; Tendo em conta estes índices, estabeleceram-se classes de água enunciadas segundo as letras CC) e S (primeiras iniciais de cada um dos índices escolhidos - Condutividade e SAR);

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Normas para classificação das águas

Estas letras são ainda afectadas de sub-índice numérico, cujo valor aumenta à medida que aumenta i índice respectivo; Estes sub-índices variam de 1 a 4, tanto para a condutividade eléctrica como para o SAR, de maneira que uma água será qualificada com a seguinte notação:

- Ci e Sj, em que i e j tomam valores compreendidos entre 1 e 4, sendo a água tanto melhor quanto menores forem estes índices;

- Por exemplo uma água C1 - S1 é melhor que outra qualificada C2 -

S4;

Na figura 1 apresenta-se a tabela referente às Normas de Riverside para classificação das águas de rega.

d a A do Rural e das Pescas g r i c u l t

d a

A

do

Rural e das Pescas

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

M

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

2. 3. 1 - Análise química das águas de rega

Normas de Riverside para classificação das águas de rega

Gerais de Rega 2. 3. 1 - Análise química das águas de rega Normas de Riverside
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

Durante séculos, o homem praticou a rega sem preocupações de fornecer ao solo as dotações mais adequadas e sem escolher os momentos mais convenientes para o efeito.

Actualmente, face às menores disponibilidades em água doce de qualidade e ao aumento dos consumos, face às múltiplas utilizações deste precioso líquido (consumos domésticos, industriais, agrícolas etc.), é importante que as regas não continuem a realizar-se de “qualquer maneira”.

Há pois que efectuá-las racionalmente, fornecendo às plantas cultivadas as quantidades exactas de água de que estas precisam e a utilizar, para o efeito, os momentos mais adequados.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

Na rega não se deve usar água a menos porque isso pode prejudicar as culturas; nem de mais, o que alem de afectar as plantas, origina perdas de água por escoamento superficial ou por infiltração profunda, com consequente erosão ou lavagem e arrastamento dos nutrientes nele contidos.

Para aplicação da água ao solo e regar as plantas, existem diversos sistemas de rega, os quais, como é lógico, devem ser utilizados de acordo com as circunstâncias em causa, particularmente a natureza das culturas, a topografia e as características terreno a regar.

Nesta base passamos de seguida a apresentar, resumidamente, algumas das características, vantagens e inconvenientes dando especial destaque aos sistemas de rega localizada por nos parecerem de maior interesse para as culturas que habitualmente se fazem no Algarve.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega Métodos Métodos Processos Processos Escorrimento

MétodosMétodos

ProcessosProcessos

Escorrimento

Submersão

Infiltração

Regadeiras de nível Regadeiras inclinadas Planos inclinados Cavaletes Faixas

Canteiros (alagamento) Caldeiras

Sulcos Rega Subterrânea Planos inclinados

Rega

Localizada

Gota a gota Miniaspersão

Rega por Aspersão

Rega

por

Gravidade

Rega à Pressão

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega Dos diferentes sistemas, anteriormente referidos,

Dos diferentes sistemas, anteriormente referidos, abordaremos apenas os principais, pormenorizando um pouco mais, aqueles cuja utilização é mais comum na nossa região.

Rega por escorrimento - Neste método a água escorre sobre o terreno, sob a forma de um lençol de água, com espessura mais ou menos regular, infiltrando-se no solo enquanto dura esse escorrimento.

O processo das faixas, de pouca utilização na região, é o único com interesse em agricultura moderna, pois permite a integral mecanização das operações culturais.

Rega em Faixas - O terreno fica dividido em “Faixas” planas, tanto quanto possível rectangulares, geralmente com pequeno declive no sentido do comprimento( figura 2).

d a A do Rural e das Pescas g r i c u l t

d a

A

do

Rural e das Pescas

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

M

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

1 - - Classificação Classificação dos dos sistemas sistemas de de rega rega Figura 2 -

Figura 2 - Terreno armado em faixas

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

33

11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega Rega por submersão - A água mantém-se parada,

Rega por submersão - A água mantém-se parada, ou desloca-se muito lentamente sobre o terreno, enquanto se verifica a sua infiltração no solo.

O processo dos canteiros - Também designado por alagamento, baseia-se na divisão do terreno a regar em canteiros com fundo plano, ou com reduzido declive, limitado por valados de terra, que se enchem de água até à altura adequada, durante determinado tempo;

Este processo é talvez o mais simples sistema de rega e, por isso mesmo, muito provavelmente o que o homem primitivo utilizou.

A submersão do canteiro pode ser temporária, tal como sucede na generalidade das culturas (hortícolas, forragens etc.), de modo a que a dotação de rega se infiltre na camada do solo que interessa à absorção radicular;

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega • A submersão do canteiro pode também ser

A submersão do canteiro pode também ser permanente, como sucede nos arrozais, servido a água não só para satisfazer as necessidades hídricas mas também para proteger as plantas contra as baixas temperaturas. Nestes casos o fundo do canteiros é horizontal;

Este processo é especialmente adequado para solos argilosos, pouco permeáveis á água e com boa capacidade de retenção para a água, proporcionando uma óptima satisfação das necessidades hídricas, ainda que á custa elevados gastos em água ;

Em relação a outros processos tradicionais, permite certa economia de mão de obra e alguma automatização, como acontece nos arrozais depois da instalação se encontrar devidamente montada e operacional;

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega • O processo tem o inconveniente de exigir

O processo tem o inconveniente de exigir uma armação cara, mesmo se efectuada mecanicamente, só sendo viável em terrenos com topografia favorável;

Por isso só tem justificação económica para culturas vivazes ou para culturas que se repetem no mesmo terreno vários anos seguidos;

O processo das caldeiras - Em rigor, é um caso particular do processo dos canteiros quando aplicado a árvores de fruta e em menor escala às vinhas.

Consiste na formação de pequenos canteiros, designados caldeiras, limitados por pequenos muretes de terra, à volta de cada árvore; (figura 3);

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

Classificação Classificação dos dos sistemas sistemas de de rega rega Figura 3 - Esquema de uma
Figura 3 - Esquema de uma caldeira circular
Figura 3 - Esquema de uma caldeira circular
M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

33-- 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega • Em certos casos, fazem-se caldeiras maiores, abrangendo

Em certos casos, fazem-se caldeiras maiores, abrangendo várias árvores, que são já autênticos canteiros;

Em rigor, o processo das caldeiras é um sistema intermédio entre o método por submersão e o método de rega por infiltração, uma vez que a água se infiltra lateralmente a partir da caldeira para o exterior desta;

As caldeiras são geralmente circulares, especialmente quando individuais, devendo então corresponder à projecção da copa da árvore, aumentando assim com a idade desta;

As caldeiras rectangulares ou quadradas, são usadas para servirem mais de uma árvore ou videira;

Em regra não convém que a água contacte com o tronco da árvore porque isso pode facilitar o aparecimento de certas doenças, como é o caso da gomose nos citrinos;

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega • O processo tem a vantagem de proporcionar

O processo tem a vantagem de proporcionar uma certa economia de

água, relativamente aos outros sistemas de rega por gravidade e de se poder adaptar a certos terrenos com declives elevados;

A respectiva armação é geralmente bastante simples e económica,

não impedindo normalmente a mecanização das operações culturais;

Em certos casos pode acabar por ficar um pouco mais cara, por ter

que ser periodicamente refeita, quando as caldeiras são desfeitas ou danificadas, devido á mecanização, em algumas operações culturais;

Este processo implica o emprego de muita mão de obra para a realização das regas;

É um processo muito utilizado a nível mundial, quase em exclusivo para a rega de fruteiras, mas que vai a pouco e pouco sendo substituído pela rega localizada .

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega Rega por infiltração - Neste método a água

Rega por infiltração - Neste método a água chega ao contacto das raízes das plantas depois de atravessar o terreno, deslocando-se sobretudo lateralmente.

Este método tem três processos de rega fundamentais:

Rega subterrânea;

Rega por sulcos;

Rega localizada;

Trataremos agora apenas os dois primeiros, deixando para um pouco mais adiante a rega localizada que, dado o sue grande interesse, será tratado mais em pormenor:

Rega subterrânea - A água é fornecida ao solo, não superficialmente, como nas processos anteriores, mas a uma certa profundidade da superfície, donde, por capilaridade se distribui pela espessura do solo ocupado pelo raizame das plantas (figura 4);

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega Figura 4 - Esquema de rega subterrânea, com
Figura 4 - Esquema de rega subterrânea, com valas abertas e tubagem enterrada
Figura 4 - Esquema de rega subterrânea, com valas abertas e tubagem enterrada
M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega • O processo de rega subterrânea é, em

O processo de rega subterrânea é, em principio, o mais perfeito sistema de rega, proporcionando elevada economia de água e mão de obra, para as operações de rega;

Infelizmente além do inconveniente do seu custo elevado, as tentativas levadas a efeito no sentido da sua maior divulgação têm falhado, pois, em rigor só é viável para terrenos de textura uniforme e permeabilidade apropriada, para que a água se desloque tanto na vertical como na lateral, facto que geralmente só sucede em terrenos turfosos ou pelo menos muito ricos em matéria orgânica;

Assim, salvo alguns casos especiais (geralmente associados à drenagem) pode dizer-se que a sua utilização se verifica principalmente na beneficiação de alguns campos desportivos (futebol, râguebi, etc )

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega Rega por sulcos - No processo dos sulcos,

Rega por sulcos - No processo dos sulcos, as plantas são cultivadas em leiras ou camalhões, limitados por sucos ou regos, geralmente com pequeno declive e paralelos entre si, através dos quais se faz correr a água que, por infiltração lateral e vertical, se distribui pela zona do solo onde se localiza o raizame.

Este processo adapta-se quase exclusivamente a culturas semeadas ou plantadas em linhas, como é o caso do milho e praticamente todas as culturas hortícolas ou horto-industriais

(tomate, melão, pimento, feijão, etc

Adapta-se a muito tipos de terreno, com excepção dos muito arenosos ou muito argilosos;

Pode empregar-se em terrenos com declive até 25%, e mesmo em topografias irregulares, desde que se faça a respectiva armação, que, nalguns casos pode passar pela formação de terraços (patamares);

)

e até pomares e vinhas;

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega • Em regra, tal como o das caldeiras,

Em regra, tal como o das caldeiras, o processo dos sulcos conduz a

uma certa economia de água, relativamente aos outros processos de rega por gravidade, mas a uniformidade de rega não é geralmente muito elevada;

Este processo permite a mecanização das operações culturais e uma

importante economia de mão de obra desde que a armação do terreno seja feita adequadamente e o fornecimento da água aos sulcos se realize de forma automática (por meio de sifões ou tubos perfurados);

O comprimento dos tubos pode ir até um máximo de 100-120 m em terrenos arenosos e de cerca de 800 m em solos argilosos;

Em contrapartida o declive deve ser maior nos terrenos ligeiros do que nos compactos, variando geralmente de um mínimo de 0.15 a 0.30% até um máximo de 2 a 3 %;

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega • O espaço entre sulcos deve ser cuidadosamente

O espaço entre sulcos deve ser cuidadosamente determinado para que fique assegurado o humedecimento da zona radicular das plantas;

Este espaçamento depende fundamentalmente da textura do solo e da natureza das culturas,

Assim, em solos arenosos, essa distancia não deve exceder 0.50 m , podendo nos argilosos ir até 1.20m,

Em Portugal é o processo mais utilizado, a grande distancia de qualquer outro, principalmente na rega de milho, sendo ainda utilizado nas culturas do tomate, melão, pimento entre outras culturas (figura 5 e fotos 1 e 2).

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega Rega por aspersão - Neste sistema a água

Rega por aspersão - Neste sistema a água sob-pressão é fornecida ao solo na forma de chuva, por meio de aspersores, distribuindo um caudal superior a 500 litros / hora.

Este método está indicado principalmente para o caso de culturas extensivas, como prados, forragens, culturas horto-industriais, etc.;

Apesar do desenvolvimento de outros sistemas, como a rega localizada, continua a ter interesse em muitos pomares, vinhas, culturas hortícolas etc., muito particularmente nos casos em que se pretende tirar também partido da sua notável polivalência (protecção contra geadas, tratamentos fitossanitários, fertirrigação orgânica etc.).

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega Face Face a a o o exposto exposto

FaceFace aa oo expostoexposto valevale aa penapena apresentarapresentar asas principaprincipaisis vantagensvantagens desdedesde métodométodo que,que, emem resumo,resumo, são:são:

Dispensa a armação do terreno necessária ao emprego dos métodos por gravidade;

Permite regular com certo rigor a quantidade de água fornecida ao solo em cada rega;

Possibilita uma boa uniformidade de distribuição da água ao terreno;

Permite uma importante economia de água relativamente aos processos de rega por gravidade;

Evita a erosão eventualmente provocada pela rega;

Conduz ao total aproveitamento do solo;

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega • Possibilita importante economia de mão-de-obra

Possibilita importante economia de mão-de-obra relativamente a outros processos de rega;

Origina melhor aquecimento e arejamento da água de rega;

Dá frequentemente origem a uma melhoria quantitativa e qualitativa das produções agrícolas;

As instalações têm grande polivalência pois, além da rega propriamente dita (rega de humedecimento) podem também realizar a defesa geadas, tratamentos fitossanitários, fertirrigação orgânica etc.).

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
Rega 3 - Sistemas de Rega 3. 3. 1 1 - - Classificação Classificação dos dos
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega A A rega rega por por aspersão aspersão

AA regarega porpor aspersãoaspersão tem,tem, emem contracontra partida,partida, osos seguseguintesintes inconvenientesinconvenientes ouou limitações:limitações:

Custos das instalações e despesas de funcionamento relativamente elevados;

Distribuição irregular por efeito de vento forte;

Favorece o desenvolvimento de algumas doenças das plantas;

Pode provocar um certo calcamento do solo;

Impossibilidade de empregar águas com elevados teores salinos.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 . Sistemas de Rega

3.3. 11 -- ClassificaçãoClassificação dosdos sistemassistemas dede regarega

dos dos sistemas sistemas de de rega rega A A rega rega por por aspersão aspersão

AA regarega porpor aspersãoaspersão tem,tem, emem contracontra partida,partida, osos seguseguintesintes inconvenientesinconvenientes ouou limitações:limitações:

Custos das instalações e despesas de funcionamento relativamente elevados;

Distribuição irregular por efeito de vento forte;

Favorece o desenvolvimento de algumas doenças das plantas;

Pode provocar um certo calcamento do solo;

Impossibilidade de empregar águas com elevados teores salinos.

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores

Aspersores

Rega por aspersão Classificação dos aspersores Aspersores De cabeça De tubo perfurado Em torno de eixo
Rega por aspersão Classificação dos aspersores Aspersores De cabeça De tubo perfurado Em torno de eixo

De cabeça

De tubo perfurado

Em torno de eixo horizontal (oscilantes)

Em torno de (eixo) vertical

de eixo horizontal (oscilantes) Em torno de (eixo) vertical Estáticos Rotativos Outros tipos (semoventes etc.) De

Estáticos

Rotativos

Outros tipos (semoventes etc.)

De leque

De tubo perfurado

De rotação contínua ou alternativa (sector)

De rotação exclusiva- mente contínua

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores

Quanto ao nº de jactos

Quanto à inclinação das agulhetas

Quanto à pressão de funcionamento

Quanto ao alcance do jacto

Quanto à intensidade de precipitação

De um só jacto De dois jactos De mais de dois jactos

De um só jacto De dois jactos De mais de dois jactos Jacto de inclinação normal

Jacto de inclinação normal (27º a 32º) Jacto de inclinação entre 15º e 27º Jacto raso (4º a 15 º.

Baixa pressão (menos de 2.5 Kg/cm 2) Média pressão (2.5 a 5 Kg/cm 2) Alta pressão(mais de 5 Kg/cm 2)

Pequeno alcance (até 12 m) Médio alcance (12 a 25 m) Grande alcance (mais de 25 m)

Chuva lenta (até 5 mm/h) Média intensidade (5 a 15 mm/h) Grande intensidade (mais de 15 mm/h)

d a A do Rural e das Pescas M g r i c u l

d a

A

do

Rural e das Pescas

M

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação das instalações de rega por aspersão

Estacionários

Semovente (máquinas de rega)

por aspersão Estacionários Semovente (máquinas de rega) Completamente móveis Parcialmente móveis Móveis Com
por aspersão Estacionários Semovente (máquinas de rega) Completamente móveis Parcialmente móveis Móveis Com

Completamente móveis

Parcialmente móveis

de rega) Completamente móveis Parcialmente móveis Móveis Com ramais moveis Semi-fixas Temporariamente fixas

Móveis

Com ramais

moveis

Semi-fixas Temporariamente fixas

Permanentemente fixas

Semi-fixas Temporariamente fixas Permanentemente fixas Fixas Com movimento de rotação Com movimento de

Fixas

Com movimento de rotação

Com movimento de transladação

Em torno da parte central (aspersores gigantes

Em torno de uma extremidade (rampas rotativas)

Com vários aspersores (rampas lineares)

Com um só aspersor (canhões automotores)

Mistas (com movimento de rotação e de trasladação)

M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

Dentro dos aspersores rotativos, os mais utilizados são os de um ou dois jactos, de inclinação normal, média pressão, médio alcance e de média intensidade de precipitação ou chuvachuva lenta.lenta

Actualmente, estão também a empregar-se bastante os aspersores de alta pressão e grande alcance,

particularmente no caso dos canhões auto-motores.

Os outros modelos usam-se menos mas têm também grande importância não só na agricultura como também em jardinagem.

M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
M g r i c u l t u r a , do Rural e

M

g r i c u l t u r a ,

do

Rural e das Pescas

A

d a

i n i s t é r i o

Desenvolvimento

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

As instalações móveis, ou parcialmente móveis, (com grupo motor- bomba e toda a tubagem móveis) são as mais baratas mas têm o inconveniente de exigirem muita mão-de-obra para a mudança das tubagens de uma posição para outra.

O ideal são as instalações fixas (onde não há necessidade de efectuar mudanças de ramais), vulgarmente designadas de cobertura total.

Estas instalações são as mais funcionais de todas, exigindo um mínimo de mão-de-obra, podendo ser totalmente automatizadas;

Têm, porém, o inconveniente de obrigarem a elevados custos de primeiro investimento, custos que são ainda maiores nas instalações automáticas;

M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
M A Desenvolvimento Rural e das Pescas do d a g r i c u

M

A

Desenvolvimento

Rural e das Pescas

do

d a

g r i c u l t u r a ,

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
d a A do Rural e das Pescas g r i c u l t

d a

A

do

Rural e das Pescas

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

M

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura

do Algarve

Noções Gerais de Rega

3 - Rega por aspersão

Classificação dos aspersores e instalações

de Agricultura do Algarve Noções Gerais de Rega 3 - Rega por aspersão Classificação dos aspersores
M A do Rural e das Pescas d a g r i c u l

M

A

do

Rural e das Pescas

d a

g r i c u l t u r a ,

Desenvolvimento

i n i s t é r i o

DRAALG

Direcção Regional

de Agricultura