Você está na página 1de 119

ROTA DAS QUESTÕES

ARQUIVOLOGIA
Prof. Élvis Miranda
ROTA DAS QUESTÕES
ARQUIVOLOGIA
Prof. Élvis Miranda
(FGV/SEPOG-RO/2017) Assinale a opção que indica
como os documentos públicos são identificados para
fins de arquivo.
(A) Casuais e permanentes.
(B) Regulares e intermediários.
(C) Casuais, variáveis e regulares.
(D) Variáveis, regulares e permanentes.
(E) Correntes, intermediários e permanentes.

3
CICLO VITAL DOS DOCUMENTOS

1ª IDADE 2ª IDADE 3ª IDADE


4
(FGV/SEPOG-RO/2017) Assinale a opção que indica
como os documentos públicos são identificados para
fins de arquivo.
(A) Casuais e permanentes.
(B) Regulares e intermediários.
(C) Casuais, variáveis e regulares.
(D) Variáveis, regulares e permanentes.
(E) Correntes, intermediários e permanentes.

5
(FGV/ALE-RO/2018) Na dinâmica seletiva para formar a parte
da massa documental que apresente valores, o arquivista
atribui valor a um documento. Quando o arquivista vê no
documento uma utilidade diferente daquela para a qual foi
originalmente produzido, trata-se do valor
(A) probatório.
(B) secundário.
(C) primário.
(D) científico.
(E) gerencial.
6
CICLO VITAL DOS DOCUMENTOS
Valor primário Valor secundário
ou administrativo ou histórico

Eliminação ou
Descarte
7
(FGV/ALE-RO/2018) Na dinâmica seletiva para formar a parte
da massa documental que apresente valores, o arquivista
atribui valor a um documento. Quando o arquivista vê no
documento uma utilidade diferente daquela para a qual foi
originalmente produzido, trata-se do valor
(A) probatório.
(B) secundário.
(C) primário.
(D) científico.
(E) gerencial.
8
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) O arquivo corrente
caracteriza-se pela existência de uso em grande
frequência ou de possibilidade de uso em um conjunto
documental.

9
1ª IDADE: FASE CORRENTE
✓ Constituída por documentos mais novos;
✓ Documentos sujeitos a consultas frequentes;
✓ Documentos em tramitação (em curso ou
em andamento);
✓ Deve se localizar junto aos setores ou em locais próximos
e de fácil acesso.

10
2ª IDADE: FASE INTERMEDIÁRIA:
✓ Documentos menos utilizados;
✓ Otimiza o espaço dos setores;
✓ Atende às solicitações das diversas áreas da instituição;
✓ Não há necessidade de ser instalado junto à instituição
(questão de economia);
✓ Os documentos aguardam a sua destinação final
(eliminação ou guarda permanente).
11
3ª IDADE: FASE PERMANENTE

✓ Documentos de valor histórico;


✓ Seus documentos já possuíram valor administrativo
anteriormente;
✓ Não elimina seus documentos;
✓ Deve disponibilizar seus documentos para consulta tanto
pelo público interno quanto ao público externo e a consulta
não depende de autorização da área acumuladora.

12
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) O arquivo corrente
caracteriza-se pela existência de uso em grande
frequência ou de possibilidade de uso em um conjunto
documental.

13
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) O arquivo corrente
caracteriza-se pela existência de uso em grande
frequência ou de possibilidade de uso em um conjunto
documental.

14
(CESPE-UNB/IFF/2018) Um dos motivos para a
manutenção dos documentos nos arquivos correntes é
(A) o valor informativo.
(B) o prazo precaucional.
(C) o encerramento da tramitação.
(D) a destinação final.
(E) a grande possibilidade de uso dos documentos.

15
(CESPE-UNB/IFF/2018) Um dos motivos para a
manutenção dos documentos nos arquivos correntes é
(A) o valor informativo.
(B) o prazo precaucional.
(C) o encerramento da tramitação.
(D) a destinação final.
(E) a grande possibilidade de uso dos documentos.

16
(CESPE-UNB/STM/2018) O ciclo vital dos documentos
de arquivo compreende três idades. A primeira delas é
a idade corrente, durante a qual os documentos têm
localização física mais próxima ao acumulador do
documento.

17
(CESPE-UNB/STM/2018) O ciclo vital dos documentos
de arquivo compreende três idades. A primeira delas é
a idade corrente, durante a qual os documentos têm
localização física mais próxima ao acumulador do
documento.

18
(CESPE-UNB/IPHAN/2018) Em instituições públicas, é
permitida a guarda de arquivos intermediários em
locais distantes de onde foram produzidos, se houver
essa necessidade em razão do volume crescente de
documentos físicos.

19
(CESPE-UNB/IPHAN/2018) Em instituições públicas, é
permitida a guarda de arquivos intermediários em
locais distantes de onde foram produzidos, se houver
essa necessidade em razão do volume crescente de
documentos físicos.

20
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) O arquivo intermediário,
por sua natureza, deve ficar localizado próximo do
usuário direto.

21
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) O arquivo intermediário,
por sua natureza, deve ficar localizado próximo do
usuário direto.

22
(CESGRANRIO/LIQUIGAS/2018) Numa organização pública de grande
porte, foi criado um plano de arquivo com três diferentes acervos
documentais, classificados segundo seus estágios de evolução. Foi
demandado a um assistente administrativo que arquivasse a
documentação de pessoal, dos dez últimos anos da empresa, que ainda
poderá ser consultada de modo esporádico. Ele inseriu corretamente
os documentos no arquivo
(A) sigiloso
(B) ultrassecreto
(C) intermediário ou de segunda idade
(D) permanente ou de terceira idade
(E) corrente ou de movimento
23
(CESGRANRIO/LIQUIGAS/2018) Numa organização pública de grande
porte, foi criado um plano de arquivo com três diferentes acervos
documentais, classificados segundo seus estágios de evolução. Foi
demandado a um assistente administrativo que arquivasse a
documentação de pessoal, dos dez últimos anos da empresa, que ainda
poderá ser consultada de modo esporádico. Ele inseriu corretamente
os documentos no arquivo
(A) sigiloso
(B) ultrassecreto
(C) intermediário ou de segunda idade
(D) permanente ou de terceira idade
(E) corrente ou de movimento
24
(FCC/CLDF/2018) Os arquivos correntes têm, entre
outras características, a de abrigar documentos
(A) cuja vigência já se esgotou.
(B) frequentemente consultados.
(C) desprovidos de todo e qualquer grau de sigilo.
(D) de valor histórico.
(E) correspondentes apenas às atividades-fim.

25
(FCC/CLDF/2018) Os arquivos correntes têm, entre
outras características, a de abrigar documentos
(A) cuja vigência já se esgotou.
(B) frequentemente consultados.
(C) desprovidos de todo e qualquer grau de sigilo.
(D) de valor histórico.
(E) correspondentes apenas às atividades-fim.

26
(FCC/SEGEP-MA/2018) O arquivo corrente distingue-se dos
demais arquivos (intermediário e permanente) pela presença
de documentos
(A) vigentes e de uso frequente.
(B) gerados pelos órgãos superiores da administração.
(C) destinados a fundamentar pareceres jurídicos.
(D) confidenciais e de acesso restrito.
(E) que não serão descartados no processo de avaliação.

27
(FCC/SEGEP-MA/2018) O arquivo corrente distingue-se dos
demais arquivos (intermediário e permanente) pela presença
de documentos
(A) vigentes e de uso frequente.
(B) gerados pelos órgãos superiores da administração.
(C) destinados a fundamentar pareceres jurídicos.
(D) confidenciais e de acesso restrito.
(E) que não serão descartados no processo de avaliação.

28
(FCC/CLDF/2018) O arquivo intermediário é um conjunto de documentos
originários de arquivos correntes, com uso pouco frequente, que aguarda
destinação.
Verifica-se que a afirmativa está
(A) incorreta; esse arquivo reúne documentos que se encontram no seu
período final de vigência que serão avaliados.
(B) correta; a destinação será o arquivo permanente ou o retorno ao arquivo
corrente, dependendo da frequência de uso.
(C) incorreta; chamado pré-arquivo, reúne documentos já avaliados e
destinados.
(D) incorreta; o uso é controlado em função do seu valor histórico ou
administrativo.
(E) correta; são também conhecidos como documentos de segunda idade.
29
(FCC/CLDF/2018) O arquivo intermediário é um conjunto de documentos
originários de arquivos correntes, com uso pouco frequente, que aguarda
destinação.
Verifica-se que a afirmativa está
(A) incorreta; esse arquivo reúne documentos que se encontram no seu
período final de vigência que serão avaliados.
(B) correta; a destinação será o arquivo permanente ou o retorno ao arquivo
corrente, dependendo da frequência de uso.
(C) incorreta; chamado pré-arquivo, reúne documentos já avaliados e
destinados.
(D) incorreta; o uso é controlado em função do seu valor histórico ou
administrativo.
(E) correta; são também conhecidos como documentos de segunda idade.
30
(FGV/ALE-RO/2018) Os conjuntos de documentos estreitamente
vinculados aos objetivos imediatos para os quais foram produzidos ou
recebidos no cumprimento de atividades-fim e atividades-meio e que se
conservam junto aos órgãos produtores em razão de sua vigência e da
frequência com que são por eles consultados, são denominados
(A) arquivos intermediários.
(B) acervos de protocolo.
(C) fundos de arquivo.
(D) arquivos correntes.
(E) pré-arquivos.

31
(FGV/ALE-RO/2018) Os conjuntos de documentos estreitamente
vinculados aos objetivos imediatos para os quais foram produzidos ou
recebidos no cumprimento de atividades-fim e atividades-meio e que se
conservam junto aos órgãos produtores em razão de sua vigência e da
frequência com que são por eles consultados, são denominados
(A) arquivos intermediários.
(B) acervos de protocolo.
(C) fundos de arquivo.
(D) arquivos correntes.
(E) pré-arquivos.

32
(FGV/ALE-RO/2018) A unidade arquivística responsável pelo
processamento técnico de documentos com uso pouco
frequente, aguardando pelo cumprimento do valor primário
estabelecido pelo instrumento de avaliação, no âmbito da
gestão de documentos, é denominada
(A) pré-arquivo.
(B) arquivo setorial.
(C) arquivo intermediário.
(D) arquivo central.
(E) serviço de arquivo.
33
(FGV/ALE-RO/2018) A unidade arquivística responsável pelo
processamento técnico de documentos com uso pouco
frequente, aguardando pelo cumprimento do valor primário
estabelecido pelo instrumento de avaliação, no âmbito da
gestão de documentos, é denominada
(A) pré-arquivo.
(B) arquivo setorial.
(C) arquivo intermediário.
(D) arquivo central.
(E) serviço de arquivo.
34
(FGV/CÂM MUN SALVADOR-BA/2018) Visando racionalizar a
guarda dos documentos e economizar o custo com espaço
físico e equipamentos, documentos que aguardam por um
grande prazo para serem eliminados devem ser enviados para o
arquivo:
(A) corrente;
(B) intermediário;
(C) permanente;
(D) especial;
(E) especializado.
35
(FGV/CÂM MUN SALVADOR-BA/2018) Visando racionalizar a
guarda dos documentos e economizar o custo com espaço
físico e equipamentos, documentos que aguardam por um
grande prazo para serem eliminados devem ser enviados para o
arquivo:
(A) corrente;
(B) intermediário;
(C) permanente;
(D) especial;
(E) especializado.
36
(FGV/ALE-RO/2018) Dentro do conceito de gestão de documentos, sobre os tipos de arquivo,
assinale (V) para a afirmativa verdadeira e (F) para a falsa.
( ) Arquivo corrente é o conjunto de documentos, em tramitação ou não, que, por seu valor
primário, é objeto de consulta frequente pelo órgão ou entidade que o produziu e ao qual
compete sua administração.
( ) Arquivo intermediário é o conjunto de documentos originários de arquivos correntes com uso
muito frequente pelo órgão ou entidade que o produziu e que aguarda eliminação.
( ) Arquivo permanente é o conjunto de documentos preservados em caráter definitivo em
função de seu valor secundário.
Assinale a opção que apresenta a sequência correta, segundo a ordem apresentada.
(A) F – V – F.
(B) F – V – V.
(C) V – F – V.
(D) V – V – F.
(E) F – F – V.
37
(FGV/ALE-RO/2018) Dentro do conceito de gestão de documentos, sobre os tipos de arquivo,
assinale (V) para a afirmativa verdadeira e (F) para a falsa.
( ) Arquivo corrente é o conjunto de documentos, em tramitação ou não, que, por seu valor
primário, é objeto de consulta frequente pelo órgão ou entidade que o produziu e ao qual
compete sua administração.
( ) Arquivo intermediário é o conjunto de documentos originários de arquivos correntes com uso
muito frequente pelo órgão ou entidade que o produziu e que aguarda eliminação.
( ) Arquivo permanente é o conjunto de documentos preservados em caráter definitivo em
função de seu valor secundário.
Assinale a opção que apresenta a sequência correta, segundo a ordem apresentada.
(A) F – V – F.
(B) F – V – V.
(C) V – F – V.
(D) V – V – F.
(E) F – F – V.
38
(FCC/CLDF/2018) No processo de gestão de documentos
arquivísticos, são definidos quais documentos serão
preservados e quais serão eliminados, de acordo com os
seus valores. Trata-se de atribuição
(A) do controle.
(B) do inventário.
(C) do descarte.
(D) da avaliação.
(E) da administração.
39
CICLO VITAL DOS DOCUMENTOS
Valor primário Valor secundário
ou administrativo ou histórico

Eliminação ou
Descarte
40
AVALIAÇÃO DOCUMENTAL

▪ É a análise dos documentos da instituição, a fim de definir


seus prazos de guarda e destinação final a partir de seus
valores;
▪ É realizada por uma Comissão Permanente de Avaliação de
documentos e resulta na Tabela de Temporalidade da
instituição.
TABELA DE TEMPORALIDADE
(FCC/CLDF/2018) No processo de gestão de documentos
arquivísticos, são definidos quais documentos serão
preservados e quais serão eliminados, de acordo com os
seus valores. Trata-se de atribuição
(A) do controle.
(B) do inventário.
(C) do descarte.
(D) da avaliação.
(E) da administração.
43
(FCC/CLDF/2018) No processo de gestão de documentos
arquivísticos, são definidos quais documentos serão
preservados e quais serão eliminados, de acordo com os
seus valores. Trata-se de atribuição
(A) do controle.
(B) do inventário.
(C) do descarte.
(D) da avaliação.
(E) da administração.
44
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) O instrumento que
operacionaliza a avaliação de documentos é a tabela de
temporalidade.

45
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) O instrumento que
operacionaliza a avaliação de documentos é a tabela de
temporalidade.

46
(CESPE-UNB/EBSERH/2018) A tabela de temporalidade
do arquivo de uma instituição pública deve contemplar
informações relativas à eliminação ou à guarda
permanente dos documentos, além dos prazos de
permanência em cada fase do arquivamento.

47
TABELA DE TEMPORALIDADE
(CESPE-UNB/EBSERH/2018) A tabela de temporalidade
do arquivo de uma instituição pública deve contemplar
informações relativas à eliminação ou à guarda
permanente dos documentos, além dos prazos de
permanência em cada fase do arquivamento.

49
(CESPE-UNB/EMAP/2018) A teoria das três idades é
utilizada para configurar a tabela de temporalidade.

50
(CESPE-UNB/EMAP/2018) A teoria das três idades é
utilizada para configurar a tabela de temporalidade.

51
(CESPE-UNB/EMAP/2018) São duas as possíveis
destinações dos documentos: a guarda permanente ou a
eliminação.

52
TABELA DE TEMPORALIDADE
(CESPE-UNB/EMAP/2018) São duas as possíveis
destinações dos documentos: a guarda permanente ou a
eliminação.

54
(CESPE-UNB/DPF/2018) A tabela de temporalidade é um
trabalho multidisciplinar, pois envolve profissionais de
várias áreas para definir os prazos de guarda e a
destinação final dos documentos, que pode ser a
eliminação ou guarda permanente.

55
(CESPE-UNB/DPF/2018) A tabela de temporalidade é um
trabalho multidisciplinar, pois envolve profissionais de
várias áreas para definir os prazos de guarda e a
destinação final dos documentos, que pode ser a
eliminação ou guarda permanente.

56
(FGV/ALE-RO/2018) Avaliação é o processo de análise
documental utilizado para definir os prazos de guarda e a
destinação final dos documentos. Assinale a opção que contém
instrumento originado a partir do processo de avaliação.
(A) Tabela de decisão.
(B) Tabela de materialidade.
(C) Tabela de temporalidade.
(D) Tabela de regimento.
(E) Tabela de relevância

57
(FGV/ALE-RO/2018) Avaliação é o processo de análise
documental utilizado para definir os prazos de guarda e a
destinação final dos documentos. Assinale a opção que contém
instrumento originado a partir do processo de avaliação.
(A) Tabela de decisão.
(B) Tabela de materialidade.
(C) Tabela de temporalidade.
(D) Tabela de regimento.
(E) Tabela de relevância

58
(FGV/MPE-AL/2018) Uma possível destinação de um
documento público é sua eliminação, que só poderá
ocorrer caso
(A) tenha autorização judicial da autoridade competente.
(B) esteja previsto no prazo da tabela de temporalidade.
(C) mantenha-se ocioso por período superior a 1 ano.
(D) seja considerado um documento intermediário.
(E) receba por lei o status de confidencial
59
(FGV/MPE-AL/2018) Uma possível destinação de um
documento público é sua eliminação, que só poderá
ocorrer caso
(A) tenha autorização judicial da autoridade competente.
(B) esteja previsto no prazo da tabela de temporalidade.
(C) mantenha-se ocioso por período superior a 1 ano.
(D) seja considerado um documento intermediário.
(E) receba por lei o status de confidencial
60
(CESPE-UNB/EMAP/2018) Transferência é a atividade de
passagem dos documentos ao arquivo permanente.

61
CICLO VITAL DOS DOCUMENTOS
Valor primário Valor secundário
ou administrativo ou histórico

Transferência Recolhimento

Recolhimento

Eliminação ou
Descarte 62
(CESPE-UNB/EMAP/2018) Transferência é a atividade de
passagem dos documentos ao arquivo permanente.

63
(CESPE-UNB/IFF/2018) O segundo momento do ciclo de
vida dos documentos de arquivos inicia-se com o (a):
(A) recolhimento.
(B) eliminação.
(C) transferência.
(D) expurgo.
(E) reformatação.

64
CICLO VITAL DOS DOCUMENTOS
Valor primário Valor secundário
ou administrativo ou histórico

Transferência Recolhimento

Recolhimento

Eliminação ou
Descarte 65
(CESPE-UNB/IFF/2018) O segundo momento do ciclo de
vida dos documentos de arquivos inicia-se com o (a):
(A) recolhimento.
(B) eliminação.
(C) transferência.
(D) expurgo.
(E) reformatação.

66
(CESPE-UNB/IPHAN/2018) A eliminação de um
documento público só será permitida se ele estiver em
um arquivo intermediário.

67
CICLO VITAL DOS DOCUMENTOS
Valor primário Valor secundário
ou administrativo ou histórico

Transferência Recolhimento

Recolhimento

Eliminação ou
Descarte 68
(CESPE-UNB/IPHAN/2018) A eliminação de um
documento público só será permitida se ele estiver em
um arquivo intermediário.

69
(CESPE-UNB/MP-PI/2018) A eliminação dos documentos
pode ocorrer em qualquer uma das idades arquivísticas.

70
CICLO VITAL DOS DOCUMENTOS
Valor primário Valor secundário
ou administrativo ou histórico

Transferência Recolhimento

Recolhimento

Eliminação ou
Descarte 71
(CESPE-UNB/MP-PI/2018) A eliminação dos documentos
pode ocorrer em qualquer uma das idades arquivísticas.

72
(FGV/COMPESA/2018) Em uma organização pública, durante a
avaliação de arquivos correntes, com base na tabela de
temporalidade, foi definida a parte dos documentos que deveria
ser destinada ao arquivo permanente.
Assinale a opção que indica o nome desse procedimento.
(A) Alocação.
(B) Transferência.
(C) Translado.
(D) Recolhimento.
(E) Repasse.
73
(FGV/COMPESA/2018) Em uma organização pública, durante a
avaliação de arquivos correntes, com base na tabela de
temporalidade, foi definida a parte dos documentos que deveria
ser destinada ao arquivo permanente.
Assinale a opção que indica o nome desse procedimento.
(A) Alocação.
(B) Transferência.
(C) Translado.
(D) Recolhimento.
(E) Repasse.
74
(FGV/ALE-RO/2018) Assinale a opção que indica a denominação
do serviço arquivístico encarregado do recebimento, registro,
classificação, distribuição, controle da tramitação e expedição de
documentos, dentro de um programa de gestão de documentos.
(A) Arquivo corrente.
(B) Protocolo.
(C) Arquivo central.
(D) Arquivo setorial.
(E) Pré-arquivo.

75
TRAMITAÇÃO

ASSESSORIA
JURÍDICA
ASSESSORIA
ARQUIVO
FINANCEIRA

PROTOCOLO

RH GABINETE
PRESIDÊNCIA
PROTOCOLO

✓ É o controle da tramitação dos documentos, que


permite acompanhar seus andamentos e prestar
informações aos interessados em tempo real.
ATIVIDADES DE PROTOCOLO
✓ Recebimento
✓ Registro
✓ Autuação
✓ Classificação
✓ Expedição / Distribuição
✓ Controle / Movimentação
(FGV/ALE-RO/2018) Assinale a opção que indica a denominação
do serviço arquivístico encarregado do recebimento, registro,
classificação, distribuição, controle da tramitação e expedição de
documentos, dentro de um programa de gestão de documentos.
(A) Arquivo corrente.
(B) Protocolo.
(C) Arquivo central.
(D) Arquivo setorial.
(E) Pré-arquivo.

79
(FGV/ALE-RO/2018) Assinale a opção que indica a denominação
do serviço arquivístico encarregado do recebimento, registro,
classificação, distribuição, controle da tramitação e expedição de
documentos, dentro de um programa de gestão de documentos.
(A) Arquivo corrente.
(B) Protocolo.
(C) Arquivo central.
(D) Arquivo setorial.
(E) Pré-arquivo.

80
(FGV/ALRO/2018) Assinale a opção que indica, dentre as
atividades realizadas em um órgão público, as que são exercidas
pelo Setor de Protocolo.
(A) Recebimento, autuação e eliminação.
(B) Recebimento, registro e arquivamento.
(C) Recebimento, registro e autuação.
(D) Registro, classificação, digitalização.
(E) Registro, autuação, arquivamento.

81
ATIVIDADES DE PROTOCOLO
✓ Recebimento
✓ Registro
✓ Autuação
✓ Classificação
✓ Expedição / Distribuição
✓ Controle / Movimentação
(FGV/ALRO/2018) Assinale a opção que indica, dentre as
atividades realizadas em um órgão público, as que são exercidas
pelo Setor de Protocolo.
(A) Recebimento, autuação e eliminação.
(B) Recebimento, registro e arquivamento.
(C) Recebimento, registro e autuação.
(D) Registro, classificação, digitalização.
(E) Registro, autuação, arquivamento.

83
(FGV/MPE-AL/2018) O setor de protocolo tem a função de
controlar a tramitação dos documentos de uma entidade,
acompanhando seu andamento e prestando informações aos
interessados. Em um protocolo, a abertura de um processo é
conhecida como:
(A) avaliação.
(B) recebimento.
(C) expedição.
(D) autuação.
(E) classificação.
84
RECEBIMENTO
✓ É o controle da entrada ou recepção dos documentos na
instituição.
RECEBIMENTO

PROTOCOLO
REGISTRO

✓ É a leitura, identificação e cadastro dos dados de acesso do


documento em sistema manual ou informatizado (origem,
espécie, assunto, interessado...).
AUTUAÇÃO

✓ É a formação ou abertura de processo a partir do


documento entregue no protocolo (inserção de capa e
atribuição de número de controle).
AUTUAÇÃO
ATIVIDADES DE PROTOCOLO
✓ Recebimento
✓ Registro
✓ Autuação
✓ Classificação
✓ Expedição / Distribuição
✓ Controle / Movimentação
CLASSIFICAÇÃO

✓ É a separação dos documentos por assunto ou por área.


EXPEDIÇÃO / DISTRIBUIÇÃO
✓ É o envio dos documentos aos destinários (expedição =
externa e distribuição = interna).
CONTROLE / MOVIMENTAÇÃO

✓ É o controle do andamento ou da tramitação dos


documentos. É realizado por meio de sistema manual ou
informatizado.
ATIVIDADES DE PROTOCOLO
✓ Recebimento
✓ Registro
✓ Autuação
✓ Classificação
✓ Expedição / Distribuição
✓ Controle / Movimentação
(FGV/MPE-AL/2018) O setor de protocolo tem a função de
controlar a tramitação dos documentos de uma entidade,
acompanhando seu andamento e prestando informações aos
interessados. Em um protocolo, a abertura de um processo é
conhecida como:
(A) avaliação.
(B) recebimento.
(C) expedição.
(D) autuação.
(E) classificação.
95
(FGV/MPE-AL/2018) O setor de protocolo tem a função de
controlar a tramitação dos documentos de uma entidade,
acompanhando seu andamento e prestando informações aos
interessados. Em um protocolo, a abertura de um processo é
conhecida como:
(A) avaliação.
(B) recebimento.
(C) expedição.
(D) autuação.
(E) classificação.
96
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) Uma das atividades que
podem ser realizadas no protocolo é o registro dos
documentos.

97
(CESPE-UNB/CGM-PB/2018) Uma das atividades que
podem ser realizadas no protocolo é o registro dos
documentos.

98
(CESPE-UNB/EMAP/2018) O registro de determinado
documento consiste na identificação de pontos de
acesso a esse documento.

99
(CESPE-UNB/EMAP/2018) O registro de determinado
documento consiste na identificação de pontos de
acesso a esse documento.

100
(CESPE-UNB/MP-PI/2018) Depois de recebidos no
protocolo, os documentos devem ser registrados e, em
seguida, distribuídos aos destinatários.

101
(CESPE-UNB/MP-PI/2018) Depois de recebidos no
protocolo, os documentos devem ser registrados e, em
seguida, distribuídos aos destinatários.

102
(CESPE-UNB/STM/2018) Depois de receber um ofício, a
atividade seguinte do setor de protocolo é a de
registrar o documento, o que pode ser feito
manualmente ou diretamente em um sistema
informatizado.

103
(CESPE-UNB/STM/2018) Depois de receber um ofício, a
atividade seguinte do setor de protocolo é a de
registrar o documento, o que pode ser feito
manualmente ou diretamente em um sistema
informatizado.

104
(CESPE-UNB/ABIN/2018) O protocolo providencia a
tramitação dos documentos de arquivo e toma decisões
sobre as demandas contidas neles.

105
ATIVIDADES DE PROTOCOLO
✓ Recebimento
✓ Registro
✓ Autuação
✓ Classificação
✓ Expedição / Distribuição
✓ Controle / Movimentação
(CESPE-UNB/ABIN/2018) O protocolo providencia a
tramitação dos documentos de arquivo e toma decisões
sobre as demandas contidas neles.

107
(CESPE-UNB/ABIN/2018) O protocolo providencia a
tramitação dos documentos de arquivo e toma decisões
sobre as demandas contidas neles.

108
(CESPE-UNB/IPHAN/2018) A avaliação de documentos é
uma das atividades precípuas da área de protocolo, visto
que subsidia a criação da tabela de temporalidade dos
documentos.

109
(CESPE-UNB/IPHAN/2018) A avaliação de documentos é
uma das atividades precípuas da área de protocolo, visto
que subsidia a criação da tabela de temporalidade dos
documentos.

110
(CESPE-UNB/STM/2018) A eliminação de documentos
deve ser feita diretamente pelo setor de protocolo.

111
(CESPE-UNB/STM/2018) A eliminação de documentos
deve ser feita diretamente pelo setor de protocolo.

112
(CESPE-UNB/DPF/2014) Documento ostensivo pode ser
aberto no setor de protocolo e registrado no sistema
adequado.

113
NÃO PODEM SER ABERTOS NO PROTOCOLO:

✓ Documentos particulares
✓ Documentos sigilosos } Devem ser encaminhados
Diretamente aos destinatários

DEVEM SER ABERTOS NO PROTOCOLO:


✓ Documentos ostensivos
(CESPE-UNB/DPF/2014) Documento ostensivo pode ser
aberto no setor de protocolo e registrado no sistema
adequado.

115
(FGV/MPE-AL/2018) Assinale a opção que indica a atitude
correta a ser tomada pelo protocolo, caso receba um
documento considerado sigiloso.
(A) Descartar o item e informar a autoridade superior.
(B) Descartar o item, após o registro oficial.
(C) Encaminhar diretamente ao destinatário.
(D) Encaminhar ao destinatário, após a abertura e o registro
do documento.
(E) Produzir uma cópia do documento e encaminhar ao
destinatário.
116
(FGV/MPE-AL/2018) Assinale a opção que indica a atitude
correta a ser tomada pelo protocolo, caso receba um
documento considerado sigiloso.
(A) Descartar o item e informar a autoridade superior.
(B) Descartar o item, após o registro oficial.
(C) Encaminhar diretamente ao destinatário.
(D) Encaminhar ao destinatário, após a abertura e o registro
do documento.
(E) Produzir uma cópia do documento e encaminhar ao
destinatário.
117
118
ROTA DAS QUESTÕES
ARQUIVOLOGIA
Prof. Élvis Miranda

Você também pode gostar