Você está na página 1de 52

Instalações Prediais I

Aula 01 – Instalações Elétricas

PROFESSORA
Iara
Ferreira

ECV 142
UFVJM
TEÓFILO OTONI
+ legislação + número de + número de + número de + tipo de

estrutura
+ conceitos pontos pontos pontos fornecimento
elétricos + levantamento de + levantamento de + levantamento de + exercício
cargas cargas cargas
+exemplo + exemplo

Introdução Iluminação Tomadas (TUG’s) Tomadas (TUE’s) Fornecimento

Aula 2: Conforto
Térmico

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 2


INTRODUÇÃO + Legislação
Legislação em Instalações Elétricas

A NBR 5410/2004 – Instalações Elétricas em Baixa Tensão, baseada na norma


internacional IEC 60364, é a norma aplicada a todas as instalações cuja tensão

+ nominal é menor ou igual a 1000VCA ou 1500VCC.

Outras normas complementares à NBR 5410 são:

>> NBR 5456 – Eletrotécnica e eletrônica - Eletricidade geral – Terminologia;


>> NBR 5413/1992 – Iluminânica de Interiores;
>> NBR 5444/1989 – Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais;
>> NBR 13570 – Instalações Elétricas em Locais de Afluência de Público;
>> NBR 13534 – Instalações Elétricas em Estabelecimentos Assistenciais de
Saúde;

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 3


INTRODUÇÃO + Legislação
Instalações Elétricas

Uma instalação elétrica é definida pelo conjunto de materiais e

+
componentes elétricos essenciais ao funcionamento de um circuito ou
sistema elétrico. As instalações elétricas são projetadas de acordo com
normas e regulamentações definidas, principalmente, pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas, ABNT.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 4


INTRODUÇÃO + Conceitos
A Corrente Contínua (CC) é aquela que mantém sempre a mesma polaridade,
Elétricos
fornecendo uma tensão elétrica (ou corrente elétrica) com uma forma de onda
constante (sem oscilações), como é o caso da energia fornecida pelas pilhas e
baterias. Tem-se um polo positivo e outro negativo.

+
A Corrente Alternada (CA) tem a sua polaridade invertida um certo número de
vezes por segundo, isto é, a forma de onda oscilação diversas vezes em cada segundo.
O número de oscilações (ou variações) que a tensão elétrica (ou corrente elétrica)
faz por segundo é denominado de Frequência.

A sua unidade é Hertz e o seu símbolo é Hz. Um Hertz corresponde a um ciclo


completo de variação da tensão elétrica durante um segundo. No caso da
energia elétrica fornecida pela CEMIG, a frequência é de 60 Hz.

A grande maioria dos equipamentos elétricos funciona em corrente alternada (CA),


como os motores de indução, os eletrodomésticos, lâmpadas de iluminação, etc.
A corrente contínua (CC) é menos utilizada. Como exemplo, tem-se: os sistemas
de segurança e controle, os equipamentos que funcionam com pilhas ou baterias, os

5
motores de corrente contínua, etc.
Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas
INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos
A eletricidade é invisível, o que percebemos são seus efeitos, como:

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 6


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos
E esses efeitos são possíveis devido a:

+
>> Corrente elétrica (I)
>> Tensão elétrica (U)
>> Potência elétrica (P)

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 7


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos
Nos condutores, existem partículas invisíveis chamadas elétrons livres,
que estão em constante movimento de forma desordenada. Para que estes

+
elétrons livres passem a se movimentar de forma ordenada, nos
condutores, é necessário ter uma força que os empurre.

A esta força é dada o nome de tensão elétrica (U).

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 8


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

Esse movimento ordenado dos elétrons livres nos condutores,

+
provocando pela ação da tensão, forma uma corrente de elétrons.

Essa corrente de elétrons livres é chamada de corrente elétrica (I).

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 9


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

Logo:

+ Tensão: é a força que impulsiona os elétrons livres nos condutores. Sua


unidade de medida é o volt (V).

Corrente elétrica: é o movimento ordenado dos elétrons livres nos


condutores. Sua unidade de medida é o ampère (A).

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 10


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

+
A tensão elétrica faz movimentar os elétrons de forma ordenada, dando
origem à corrente elétrica. Com a corrente elétrica, a lâmpada se acende e
se aquece com uma certa intensidade. Essa intensidade de luz e calor
percebida (efeitos), nada mais é do que a potência elétrica que foi
transformada em potência luminosa (luz) e potência térmica (calor).

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 11


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos
Para determinar a potência elétrica, é necessário ter: tensão elétrica (U) e
a corrente elétrica (I).

+ A potência é o produto da ação da tensão e da corrente, e a sua unidade


de medida é o volt-ampère (VA).

A essa potência dá-se o nome de potência aparente.

A potência aparente é composta por duas parcelas: Potência Ativa e


Potência Reativa.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 12


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos
A potência ativa é a parcela efetivamente transformada em:

A unidade de medida da potência ativa é o Watt (W).

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 13


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos A potência reativa é a parcela transformada em campo magnético,
necessário ao funcionamento de:

A unidade de medida da potência reativa é o volt-ampère reativo (VAr).

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 14


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

Em projetos de instalação elétrica residencial os cálculos efetuados são

+
baseados na potência aparente e potência ativa.

Portanto, é importante conhecer a relação entre elas para que se entenda


o que é fator de potência.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 15


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 16


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

Fator de Potência: sendo a potência ativa uma parcela da potência

+
aparente, pode-se dizer que ela representa uma porcentagem da potência
aparente que é transformada em potência mecânica, térmica ou luminosa.

A esta porcentagem dá-se o nome de fator de potência.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 17


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

Nos projetos elétricos, desejando-se saber o quanto da potência aparente


foi transformada em potência ativa, aplica-se os seguintes valores de fator

+ de potência:

- 0,92 - 1,0 para Iluminação;


- 0,8 – 1,0 para Tomadas de Uso Geral

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 18


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

+
Quando o fator de potência é igual a 1, significa que toda potência
aparente é transformada em potência ativa. Isto acontece nos
equipamentos que só possuem resistência, tais como: chuveiro elétrico,
torneira elétrica, fogão elétrico, etc.

Cemig: ND5.1: Para lâmpadas incandescentes, considerar fator de potência unitário;


Para lâmpadas fluorescentes e outras, considerar 0.92.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 19


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos

Os conceitos vistos anteriormente possibilitarão o entendimento do

+ próximo item:

Levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 20


INTRODUÇÃO + Conceitos
Elétricos
Levantamento das Potências

O levantamento das potências é feito mediante uma previsão das

+
potências (cargas) mínimas de iluminação e tomadas a serem instaladas,
possibilitando, assim, determinar a potência total prevista para a
instalação elétrica residencial.

Em função da potência ativa total prevista para a residência é que se


determina o tipo de fornecimento, a tensão de alimentação e o padrão de
entrada.

A previsão de carga deve obedecer às prescrições da NBR 5410/2004,


item 9.5.2.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 21


ILUMINAÇÃO + Número de
Pontos
Condições para se estabelecer a quantidade mínima de pontos de luz:

+ >> Em cada cômodo ou dependência deve ser previsto pelo menos um


ponto de luz fixo no teto, comandado por interruptor.

9.5.2.1.1 (Nota 2) Admite-se que o ponto de luz fixo no teto seja substituído por ponto na
parede em espaços sob escada, depósitos, despensas, lavabos e varandas, desde que de
pequenas dimensões e onde a colocação do ponto no teto seja de difícil execução ou não
conveniente.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 22


ILUMINAÇÃO + Número de
Pontos

+
Prever pelo menos Arandelas no
um ponto de luz no banheiro devem
teto, comandado estar distantes, no
por um interruptor mínimo, 60 cm do
de parede. limite do boxe.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 23


ILUMINAÇÃO + Levantamento
de Cargas

Condições para se estabelecer a potência mínima de iluminação:

+ Na determinação das cargas de iluminação (feita em função da área do


cômodo da residência), como alternativa à aplicação da ABNT NBR
5413 - Iluminação de interiores, conforme prescrito na alínea a) de
4.2.1.2.2, pode ser adotado o seguinte critério:

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 24


ILUMINAÇÃO + Levantamento
de Cargas

a) em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6 m²,

+ deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA;

b) em cômodo ou dependências com área superior a 6 m², deve ser


prevista uma carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m², acrescida
de 60 VA para cada aumento de 4 m² inteiros.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 25


ILUMINAÇÃO + Levantamento
de Cargas

NOTA: Os valores apurados correspondem à potência destinada à

+
iluminação para efeito de dimensionamento dos circuitos, e não
necessariamente à potência nominal das lâmpadas.

O número de pontos de luz deve ser tal que haja uma distribuição
uniforme em cada cômodo, devendo, para destaques específicos, pontos
de luz complementares.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 26


ILUMINAÇÃO + Levantamento
de Cargas
Resumindo:

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 27


ILUMINAÇÃO + Levantamento
de Cargas

+
NOTA: a NBR 5410/2004 NÃO estabelece critérios para iluminação
de áreas externas em residências, ficando a decisão por conta do
projetista e do cliente.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 28


ILUMINAÇÃO + Levantamento
Exemplo: Prever a carga de iluminação da planta residencial utilizada como exemplo:
de Cargas

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 29


ILUMINAÇÃO + Exemplo

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 30


TOMADAS (TUG’s) + Tomadas de
Uso Geral
Levantamento da carga e pontos de tomadas

As tomadas são caracterizadas como sendo de uso geral, TUG’s ou de


uso específico, TUE’s.

+ Para as tomadas de uso específico, verifica-se o ponto fixo de cada


aparelho de grande potência, tais como chuveiro, torneira elétrica, forno
elétrico e de micro-ondas, aquecedor, lavadoras e secadoras de roupas e
de pratos e ar condicionado.

Segundo a NBR 5410, “todo ponto de utilização previsto para alimentar,


de modo exclusivo ou virtualmente dedicado, equipamento com corrente
nominal superior a 10A deve constituir um circuito independente”
(item 9.5.3.1).

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 31


TOMADAS (TUG’s) + Tomadas de
Uso Geral
Os Pontos de Tomadas de Uso Geral (PTUG’s) não se destinam à
ligação de equipamentos específicos e neles são sempre ligados:
aparelhos móveis ou aparelhos portáteis.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 32


TOMADAS (TUG’s) + Número de Condições para se estabelecer a quantidade mínima de pontos de
Pontos tomadas: Item 9.5.2.2.1

+
área de Na bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas
serviço e tomadas de corrente, no mesmo ponto ou em pontos
lavanderia. distintos.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 33


TOMADAS (TUG’s) + Número de
Pontos

NOTA: em diversas aplicações, é recomendável prever uma quantidade


de pontos de tomadas maior do que o mínimo calculado, evitando-se,

+
assim, o emprego de extensões e benjamins (tês) que, além de
desperdiçarem energia, podem comprometer a segurança da instalação.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 34


TOMADAS (TUG’s) + Levantamento
de Cargas

Condições para se estabelecer a potência mínima de pontos de


tomadas de uso geral (PTUG’s):

+ A potência de cada ponto de TUG depende do cômodo no qual ela se


encontra. Dessa forma, tal potência é função dos equipamentos que
ele poderá vir a alimentar e não deve ser inferior aos seguintes
valores:

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 35


TOMADAS (TUG’s) + Levantamento
de Cargas
a) em banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço,
lavanderias e locais análogos, no mínimo 600VA por ponto de
tomada, até três pontos, e 100VA por ponto para os excedentes,
considerando-se cada um desses ambientes separadamente;

+ b) nos demais cômodos ou dependências, no mínimo 100VA por


ponto de tomada.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 36


TOMADAS (TUG’s) + Levantamento
de Cargas

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 37


TOMADAS (TUG’s)

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 38


TOMADAS (TUE’s) + Número de
Condições para se estabelecer a quantidade de pontos de tomadas de
Pontos
uso específico (PTUE’s):

A quantidade de PTUE’s é estabelecida de acordo com o número de


aparelhos de utilização que sabidamente vão estar fixos em uma dada

+
posição do ambiente. São destinados à ligação de equipamentos fixos e
estacionários, como é o caso de:

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 39


TOMADAS (TUE’s) + Levantamento
de Cargas
Condições para se estabelecer a potência de pontos de tomada de uso
específico (PTUE’s):

Atribuir a potência nominal do equipamento a ser alimentado.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 40


TOMADAS + Levantamento
de Cargas

+
Voltando ao exemplo anterior ...

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 41


TOMADAS + Exemplo
Determinar a quantidade mínima de pontos de tomadas de uso geral e
específico:

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 42


TOMADAS + Exemplo

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 43


TOMADAS + Exemplo

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 44


TOMADAS
Para obter a potência total da instalação, faz-se necessário:
a) calcular a potência ativa;

+
b) somar as potências ativas.

Potência de iluminação
1080 VA
Fator de potência a ser
Potência ativa de
adotado = 0,92
Cálculo da iluminação: 993,6 W
1080 x 0,92 = 993,6 W
potência ativa Cálculo da
de iluminação e Potência ativa de
potência ativa
pontos de PTUG’s: 6900 W
Potência de pontos de total
tomadas de uso
tomadas de uso geral Potência ativa de
geral (PTUG’s)
(PTUG’s) PTUE’s: 10600 W
7500VA
Total: 18493,6 W
Fator de potência a ser
adotado = 0,92

45
7500VA x 0,92 = 6900 W
Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas
FORNECIMENTO + Tipo de
Fornecimento

+
Com a potência ativa total prevista é possível determinar o tipo de
fornecimento, a tensão de alimentação e o padrão de entrada.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 46


FORNECIMENTO + Tipo de
Fornecimento
O tipo de fornecimento define o número de fases que irão alimentar a
instalação elétrica. Está relacionado com a carga instalada. A
determinação do tipo de fornecimento, para o caso de Minas Gerais,

+
deve ser feita de acordo com as normas da CEMIG, ND - 5.1
(edificações individuais) e ND - 5.2. (projeto de edificações coletivas).

A ND-5.1 define que são atendidos em baixa tensão (127V/220V)


aqueles consumidores que apresentarem carga (potência total) instalada
igual ou inferior a 75kW.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 47


FORNECIMENTO + Tipo de
Fornecimento Tipos de Fornecimento:

Tipos de fornecimento em baixa tensão (Cemig ND-5.1)

Tipo Fornecimento Carga Instalada (C)

+ A

B
1 fase + neutro (2 fios)
Tensão de 127V
2 fases + neutro (3 fios)
C≤ 10 kW

10,1 kW≤ C ≤ 15 kW
Tensão de 127V e 220 V
3 fases + neutro (4 fios) 15,1kW ≤ C ≤ 75 kW
C
Tensão de 127V e 220V

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 48


FORNECIMENTO + Tipo de
Fornecimento

+
Também são conhecidos como fornecimentos monofásico,
bifásico e trifásico.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 49


FORNECIMENTO + Tipo de
Fornecimento
Tipos de Fornecimento:

No exemplo anterior, a potência ativa total foi de: 18.493,6 W.

+ Portanto: fornecimento trifásico, têm-se disponíveis dois valores de


tensão: 127 V e 220V.

Uma vez determinado o tipo de fornecimento, pode-se determinar também


o padrão de entrada, que deverá atender ao funcionamento trifásico.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 50


FORNECIMENTO + Exercício 01 Considerando uma situação hipotética, você como engenheiro(a) civil, foi contratado para
produzir um projeto de instalação elétrica de baixa tensão para uma residência de três
dormitórios, localizada na cidade de Novo Cruzeiro (MG). A planta se encontra abaixo, assim
como as medidas de cada compartimento e as características das tomadas de uso específico.

+
Cômodos Medidas
Sala de estar 3,55 x 2,65 m
Quarto 1 2,35 x 2,10 m
Quarto 2 2,35 x 2,85 m
Quarto 3 2,35 x 2,85 m
Hall 1,00 x 1,00 m
BWC 1,20 x 1,85 m
Cozinha 3,55 x 2,10 m
Garagem 2,35 x 3,80 m
Varanda 3,55 x 1,00 m

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 51


FORNECIMENTO + Exercício 01

Tomadas de Uso Específico (TUE’S)


Chuveiro Potência: 5500 W
(em cada banheiro)

+
Ar condicionado Potência: 3200 W
(apenas no Quarto 3)

Com base nas informações descritas, responda:

a) Com base nas premissas da Norma NBR 5410/2004 descritas nesse projeto,
determine as quantidades mínimas de iluminação e tomadas (uso geral e
específico) a serem instaladas na casa demonstrada na planta anterior.

b) Calcule a potência total da instalação e o tipo de fornecimento.

Instalações Prediais I| Iara Ferreira de Rezende Costa Aula 01 – Instalações Elétricas 52