Você está na página 1de 18

TRINCAS E RACHADURAS EM ALVENARIAS E ESTRUTURAS DE CONCRETO

DEVIDO A RECALQUE DE FUNDAÇÃO

CRACKS AND CRACKS IN MASONRY AND CONCRETE STRUCTURES DUE TO FOUNDATION RECAL

Luciane Cristina de Souza¹ Geciane Gonçalves²

Resumo

O presente trabalho discorre sobre a influência do recalque diferencial de fundações no aparecimento de

patologias que apresentam como sintomas as trincas e rachaduras nas alvenarias. A pesquisa, realizada em sua maior parte por meio de revisão bibliográfica, mostra também como essa patologia interfere na vida dos usuários

da edificação através de um breve estudo de caso, enfatizando a importância de se estudar o solo antes da

implantação de edificações. Dessa forma evita-se o aparecimento de trincas, rachaduras e outras patologias que podem danificar a estrutura.

Palavra-chave: trincas, recalque diferencial, fundação.

Abstract

The present work discusses the influence of the differential repression of foundations on the appearance of pathologies that present as symptoms the cracks and cracks in masonry. The research, carried out mostly through bibliographic review, also shows how this pathology interferes in the life of the users of the building through a brief case study, emphasizing the importance of studying the soil before the construction of buildings. This prevents the appearance of cracks, cracks and other pathologies that can damage the structure.

Keywords: Cracks, differential pressure, foundation.

1. Introdução

a) Contextualização e Delimitação do Tema:

O foco desse trabalho reside no seguinte problema de pesquisa: trincas e

rachaduras nas edificações podem ter suas origens na fundação? Para configurar a pesquisa

em questão, foram observadas duas residências situadas na mesma região da cidade de Belo

Horizonte e que ambas as residências apresentaram essas patologias. Inicialmente, a primeira

residência teve a sua fundação pensada para receber somente seu peso próprio, mas,

1

1- Graduando em Engenharia Civil, Faculdades Kennedy. luciane_cristi@hotmail.com

atualmente, suporta cargas que não foram planejadas e/ou reajustadas para suportá-las. A segunda residência foi ampliada sem planejamento ou acompanhamento de profissionais e, além disso, contava com uma fossa séptica próxima ao local de sua ampliação. Nas edificações citadas, verificou que as trincas e rachaduras são patologias que foram causadas por recalque nas fundações. O termo recalque ou assentamento é o termo usado na engenharia civil para caracterizar o fenômeno que ocorre quando uma edificação sofre um rebaixamento devido ao adensamento do solo sob sua fundação. (CALISTO E KOSWOSKI, 2015 citado por MILITITSKY, 2005). Enquanto as trincas se apresentam como linhas que dividem o material e tem espessuras mais finas, as rachaduras são linhas mais profundas e sua espessura pode ser tamanha que chega a favorecer a passagem de sol e chuva. Apesar das trincas não serem tão temidas quanto às rachaduras, as duas patologias podem contribuir para a acelerada degradação da edificação chegando a levar a ruína toda sua estrutura.

O presente artigo tem como principal objetivo descrever a importância e os processos

de investigação do solo antes da concepção do projeto e no momento da execução da obra. Pretende-se também informar quais são os procedimentos a serem realizados após o aparecimento das patologias e quais os perigos de se conviver com elas sem tratá-las.

b) Apresentação dos Objetivos (Gerais e específicos):

O objetivo geral está ligado em identificar as principais manifestações patológicas presentes em edificações residenciais, conhecer os fatores que motivaram o surgimento de tais patologias e as conseqüências para a edificação.

O objetivo específico descreve os estudos que indica se as trincas e rachaduras podem

ter suas origens nas fundações, definir quais são os conceitos de patologia de edificações e como classificá-las, indicar quais são as melhores formas de se evitá-las e apresentar os riscos que as trincas e as rachaduras apresentam para a edificação.

c) Justificativa:

A importância desse projeto de pesquisa reside em analisar as patologias que aparecem

nas edificações após o solo sofrer recalque. Patologias como trincas e rachaduras geram

grande desconforto ao usuário da edificação, pois elas demonstram que o desempenho da estrutura pode estar comprometido, trazendo, assim, incertezas sobre a estabilidade da edificação, juntamente com a consciência que terá que arcar com o gasto na recuperação das partes danificadas.

Sabe-se que, “os problemas patológicos têm suas origens motivadas por falhas que ocorrem durante a realização de uma ou mais atividades inerentes ao processo genérico a que

se denomina de construção civil.” (RIPPER & SOUZA, 2009). Dentre elas, as falhas podem

ser encontradas na concepção do projeto, no momento da sua execução ou na utilização da estrutura construída. Nas edificações que apresentam essas patologias pode-se constatar que a durabilidade pode ser comprometida, pois a estrutura perde a função de impermeabilidade à água, dos raios solares e do vento, comprometendo ainda mais a sua estabilidade e podendo levá-la a

deterioração acelerada, demolição e até eventual queda, podendo ser fatal aos seus usuários. A pesquisa apresenta sua relevância também como futura consulta bibliográfica, pois, sistematizará aspectos sobre os estudos prévios do solo, os materiais empregados e a metodologia adotada no processo construtivo, que são de grande importância para evitar as trincas e rachaduras nas alvenarias e estruturas de concreto causadas principalmente por recalque de fundações.

d) Objeto:

O objeto da pesquisa engloba os possíveis problemas que tem origem nas fundações.

O aparecimento de fissuras em alvenaria, até a ruptura da estrutura da edificação, pode ser

relacionado desde a falta de investigação do solo, que compromete a escolha da melhor opção da fundação e interfere no dimensionamento correto da sua estrutura. Ela também descreve

que a determinação do tipo de solo tem grande importância para evitar as patologias, pois ele

é o grande responsável pelo suporte das cargas transmitidas quando uma edificação é

construída. Com esses problemas relacionados, a vida útil de uma fundação e o desempenho

da edificação pode ficar comprometida.

2. Metodologia

A pesquisa aqui proposta será realizada através de revisões bibliográficas sobre o

assunto. Essa busca de informações irá definir do tema proposto através das bibliografias já

publicadas e de dissertações publicadas em meios eletrônicos.

Através dela, serão expostos a definição, os mecanismos de formação, as

conseqüências do seu surgimento, o que deverá ser feito para evitar a formação das fissuras

em alvenarias e estruturas de concreto. Também serão abordadas as conseqüências de se

conviver com essas patologias sem tratá-las no devido tempo e quais os prejuízos financeiros

que se tem quando devemos tratar essas patologias.

De acordo com Marconi e Lakatos (2004), a metodologia é qualitativa, pois foi

utilizado o método estudo de caso correlacionado a uma pesquisa bibliográfica. Por meio do

método qualitativo, o pesquisador entra em contato direto com o indivíduo ou grupos

humanos, com o ambiente e a situação que está sendo pesquisada, permitindo um contato de

perto com os informantes.

Serão entrevistados os moradores das casas que apresentaram alguma forma das

patologias mencionada no intuito de concretizar suas possíveis causas, apresentação de

fotos/ilustrações dessas patologias e um questionário aplicado para conhecer os métodos

adotados pelos moradores para se conviver com as trincas e rachaduras.

3. Referencial Teórico

a)

Introdução

Designa-se genericamente por Patologia das Estruturas esse o campo da Engenharia

das Construções que se ocupa do estudo das origens, formas de manifestação, conseqüências e

mecanismos de ocorrência das falhas e dos sistemas de degradação das estruturas (RIPPER E

SOUZA, 2009). Entende-se que as edificações já construídas, sofrem deterioração natural

com a exposição do meio ambiente e que, muitas vezes, deve ter o cuidado de mantê-las íntegras, seja por questões econômicas, sociais, culturais ou históricas. A definição de patologia na área da engenharia civil pode ser comparada com a definição de patologia na área da medicina. Na medicina, o termo patologia é compreendido como sendo as alterações nos órgãos ou células que geram algum tipo de doença. Na área de engenharia civil, as patologias estudadas apresentam falhas e degradação nas estruturas, causando alterações na funcionalidade que compromete a vida útil dos edifícios e obras de arte especiais. Segundo Souza e Ripper (2009), toda edificação, durante a obra ou até mesmo após a sua conclusão, por um determinado período de tempo, está sujeita a deslocamentos verticais, lentos, até que o equilíbrio entre o carregamento aplicado e o solo seja atingido. Em projetos mal concebidos, com erros de calculo nas fundações, ocorrem recalques diferenciais entre os vários apoios, causando a abertura de fissuras e trincas nas alvenarias e na estrutura. No momento que as patologias atacam as fundações, podemos observar que são causados danos visuais e estéticos (sem risco de qualquer natureza), danos que comprometem o uso e funcionalidade do edifício e danos que pode comprometer a toda a estrutura (pondo em risco a vida dos usuários). (CALISTO E KOSWOSKI, 2015 citado por MILITITSKY, 2005).

b) Definição de solo

Observa-se que as patologias citadas dependem também do tipo de solo em que a fundação da edificação é apoiada. Essa teoria foi confirmada, pois a constituição do solo nada mais é que partículas sólidas, que pode ter matéria orgânica ou não na sua composição, preenchida por espaços vazios entre essas partículas. No momento em que a estrutura de uma fundação apóia-se no solo, há o deslocamento das partículas solidas e o preenchimento dos espaços vazios por elas. A partir daí, pode-se afirmar que os solos são materiais deformáveis que, ao serem carregados, apresentam variações de volume, provocando deslocamentos nas fundações (MILITITSKY, CONSOLI E SCHNAID, 2008). E por se tratar de materiais deformáveis, as diferentes composições de solo fazem com que as fundações da obra sofram tensões de grande intensidade, gerando o aparecimento de trincas.

c) Tipos de solo e recalques diferenciais

Pode-se constatar que em solos de argila dura ou areia compacta, os recalques acontecem basicamente de deformações por mudança de forma, função da carga atuante e do módulo de deformação do solo. Em solos fofos e moles, os recalques são basicamente provenientes da sua redução de volume já que a água presente no bulbo de tensões das fundações tenderá a percolar para regiões sujeitas a pressões menores. (CALISTO E KOSWOSKI, 2015 citado por MILITITSKY, 2005). Ainda é importante salientar que existem casos em que é difícil identificar se o solo resistirá à tensão aplicada pelas fundações, comprometendo assim a solução adotada para as fundações. Dentre os diversos casos podem-se citar os solos que tem influência de vegetação, solos colapsíveis ou expansivos, materiais cársticos, solos com presença de matacões. O solo que tem a presença de vegetação interfere fisicamente com as suas raízes ou modificando o teor de umidade no solo, provocando mudanças volumétricas em solos argilosos. Os solos colapsíveis estão sujeitos a rearranjos radicais de partículas e grande redução no volume devido à saturação, com ou sem carregamento externo adicional. Já o solo expansivo é o contrario dos solos colapsíveis, pois a alteração do seu volume por conseqüências de mudanças do teor de umidade, trás mudanças nos níveis de sucção por movimentos alterados de expansão e compressão. Assim, fundações superficiais são principalmente comprometidas por essas alterações do solo. Em solos cársticos, podemos observar que as rochas formadas por calcário e dolomitas podem apresentar grandes porosidades por sua fácil solubilidade em água, e conseqüentemente produzir cavidades nas camadas rochosas abaixo das mesmas, conduzindo aos engenheiros uma falsa impressão de segurança. A presença de matacões no subsolo tanto gera problemas de interpretação dos resultados de sondagens como interfere nos processos construtivos de fundações superficiais e profundas, dificultando a solução de fundações em obras de qualquer porte. (MILITITSKY, CONSOLI E SCHNAID, 2005). Isso ocorre, pois os matacões são blocos de rochas que não sofreram decomposição e geram uma falsa interpretação no estudo do solo.

d) Tipos de fundações

Verifica-se que há basicamente dois tipos de fundações: as superficiais ou diretas e as fundações profundas.

As fundações superficiais são elementos de fundação que transmitem as cargas da edificação sobre o solo através de pressões que são distribuídas na base da fundação. As fundações profundas são aqueles elementos transmitem a carga ao terreno ou pela base ou por sua superfície lateral ou por uma combinação das duas, devendo sua ponta ou base estar assente em profundidade superior ao dobro de sua menor dimensão em planta, e no mínimo três (3,00) metros. (NBR 6122-2010). Existem no mercado, vários tipos fundações superficiais. Eles podem ser construídos como sapata, bloco, viga de fundação, grelha, sapata associada e radier conforme demonstrado abaixo:

Bloco: elementos de concreto simples, dimensionado de maneira que as

tensões de tração nele produzidas possam ser resistidas pelo concreto, sem necessidade de armadura;

Sapata: elemento de concreto armado, de altura menor que o bloco, utilizando armadura para resistir aos esforços de tração;

Viga de fundação: elemento que recebe pilares alinhados, geralmente de

concreto armado e pode ter seção transversal tipo bloco, chamados de baldrames ou tipo sapata;

Grelha: elementos constituídos por um conjunto de vigas que se cruzam nos

pilares;

Sapata Associada: elementos que recebe parte dos pilares da obra, o que a

difere do radier, sendo que estes pilares não são alinhados, o que difere da viga de fundação;

Radier: elemento que recebe todos os pilares da obra;

No que se entende por fundações profundas, podemos citar as estacas, tubulão e

caixão.

Estaca: elemento executado com auxilio de ferramentas ou equipamentos,

executados por cravação a percussão, prensagem, vibração ou por escavação, ou ainda, de

forma mista, envolvendo mais de um destes processos;

Tubulão: elemento de forma cilíndrica, em que, pelo menos na sua fase final de

execução, há a descida de operário;

Caixão: elemento de forma prismática, concretado na superfície e instalado por escavação interna; E as fundações mistas que associam fundações superficiais e profundas como as sapatas sobre estacas e radiers estaqueados;

Sapatas sobre estacas: associação de sapata com uma estaca (dependendo se há contato entre a estaca e a sapata ou não);

Radiers estaqueados: radiers sobre estacas, que transfere parte das cargas que

recebe por tensões de contato em sua base e parte por atrito lateral e carga de ponta das estacas.

e) Principais causas de problemas nas fundações

Autores como MILITITSKY destacam que a investigação inadequada do subsolo é a causa mais freqüente de problemas de fundações. Ele aponta que cada tipo de fundação mobiliza cargas e deforma de maneira específica, o que afeta o desempenho da estrutura apoiada sobre as mesmas. Com isso, as patologias nas fundações diretas podem aparecer na presença de recalques inadmissíveis ou ruptura causados por tensões de contato excessivas, incompatíveis com as reais características do solo; grandes deformações em fundações em solos ou aterros heterogêneos provocando por recalques; deformações excessivas em fundações sobre solos compressíveis sem estudos de recalques; recalques diferenciais causados por fundações apoiadas em materiais de comportamento muito diferente, sem junta; ruptura ou grandes deslocamentos da fundação, causados por fundações apoiadas em crosta dura sobre solos moles, sem análise de recalques. Já as patologias causadas nas fundações profundas são estacas de tipo inadequado ao subsolo, resultando mau comportamento; geometria inadequada, comprimento ou diâmetro inferiores aos necessários; estacas apoiadas em camadas resistentes sobre solos moles, com recalques incompatíveis com a obra e a ocorrência de atrito negativo não previsto, reduzindo a carga admissível nominal adotada para a estaca. (KALISTO E KOSWOSKI, 2015).

f) Recalque diferencial

Pode-se caracterizar como recalque o movimento vertical originado por um elemento estrutural que pode ser ascendente (conhecido como levantamento) e é convencionado pela norma 6122/96, com o sinal positivo. Quando se trata de diferenciar os recalques para saber qual é o nível de gravidade na estrutura, o conhecimento sobre “recalques admissíveis” é extremamente importante. Nele pode-se verificar que há recalques que ocorrem durante a etapa “análise e projeto de fundações” (quando é feito o cálculo/estimativa do recalque das fundações) e é preciso tomar

a decisão relativa à adequação dos resultados obtidos como o comportamento desejado da

estrutura. E no momento quando é feito o controle de recalques, durante a construção da estrutura ou na existência de dúvidas referentes a efeitos adversos externos (quando se

considera o limite do problema, a segurança ou o desempenho da estrutura). (MILITITSKY, CONSOLI E SCHNAID, 2005). Estes são chamados de recalques admissíveis. Existem também aqueles recalques que se verificam quando o contato entre a fundação

e

o solo se rompe, fazendo com que a fundação da edificação afunde mais do que o esperado

e

quando ocorre em toda a fundação é chamado como recalque total. E ainda existem aqueles

recalques que ocorrem somente em um trecho, que é chamado de recalque diferencial. (KALISTO E KOSWOSKI, pg. 16). Para demonstrar numericamente, Milititsky indicou que em fundações isoladas, os recalques diferenciais em solos granulares (areias) variam entre 25 mm para recalques diferenciais e 40 mm para recalques totais. Em radiers, os recalques máximos admitidos são entre 40 a 60 mm. Em solos argilosos, Milititsky por Skempton e MacDonald, constataram que 40 mm é o máximo recalque diferencial e os recalques totais são de 65 mm para fundações isoladas e entre 65 a 100 mm para radiers. Nas figuras, podem-se distinguir os padrões típicos de deslocamentos.

podem-se distinguir os padrões típicos de deslocamentos. Fig.1.1 Fissuras típicas causadas por recalque de

Fig.1.1 Fissuras típicas causadas por recalque de fundações de pilares internos. Fonte: (MILITITSKY; CONSOLI E SCHNAID, 2005, pg. 24)

típicas causadas por recalque de fundações de pilares internos. Fonte: (MILITITSKY; CONSOLI E SCHNAID, 2005, pg.

Fig.1.2 Provável fissuramento em parede portante com recalque na extremidade (MILITITSKY; CONSOLI E SCHNAID, 2005, pg. 24)

g) Sintomatologia: trincas e rachaduras

Os danos causados pela movimentação das fundações podem manifestar de três formas

distintas: como danos arquitetônicos que comprometem a estética da edificação com o surgimento das trincas e não acarreta riscos a construção; danos funcionais que causam danos na edificação como o mau funcionamento de portas e janelas e são necessários reforço na construção e os danos estruturais que comprometem pilares, vigas e lajes. Neste ultimo caso,

a necessidade de reforço na estrutura é indispensável e deve ocorrer o mais rápido possível,

pois a construção fica instável e pode vir ao colapso. O surgimento de fissuras nos elementos estruturais se caracteriza por uma pequena abertura na superfície oriundo da ruptura sutil da massa do solido, com superfície que não ultrapassa 0,5 mm. As trincas podem ser observadas com maior facilidade, pois sua abertura é mais espaçada, variando entre 0,5mm até 1,00 mm e nota-se facilmente que o material solido de sua massa se rompeu. Já as rachaduras são aberturas significativas, pois sua espessura varia entre 1,00 mm até 1,5 mm, proveniente da acentuada ruptura de sua massa e de fácil visualização através dela, possibilitada pela espessura de sua abertura. E as fendas são aberturas encontradas nos materiais sólidos, com espessura superior a 1,5 mm. Convém assinalar que fissuras com aberturas inferiores a 0,05 mm são consideradas como microfissuras por não serem perceptíveis a olho nu e não serem significativas; as fissuras de amplitude entre 0,12 e 0,20 mm não costumam oferecer perigo de corrosão de

armaduras, salvo se o meio ambiente for agressivo. (CÁNOVAS, 1988) Dentre os inúmeros problemas patológicos que afetam os edifícios, sejam eles residenciais comerciais ou institucionais, particularmente importante é o problema das trincas, devido a três aspectos fundamentais: o aviso de um eventual estado perigoso para a estrutura,

o comprometimento do desempenho da obra em serviço (estanqueidade à água, durabilidade,

isolação acústica, etc.), e o constrangimento psicológico que a fissuração do edifício exerce

sobre seus usuários. (THOMAZ, 1989)

h) Reforço de fundações

O reforço de fundações representa uma intervenção no sistema solo-fundação-

estrutura existente, visando modificar seu desempenho. (GOTLIEB, Mauri, São Paulo, 1998). Esse reforço se mostra necessário quando há inadequação das cargas que atuam na estrutura

ou quando o carregamento na estrutura e ela não conseguem absorver sem riscos. Esses reforços são caracterizados da seguinte forma:

Reforço Permanente: são colocados de forma definitiva e tem o objetivo de

complementar a capacidade de suporte das fundações existentes.

Reforço Provisório: são colocados somente no período em que os serviços de

reforço permanente estão sendo executados ou para atender a uma condição de curta duração.

Substituição de Fundações: são aqueles colocados nas peças existentes para a

substituição de uma fundação por outra nova. Uma forma de se fazer esse procedimento é a

submuração, que consiste na transferência do carregamento de um nível para outro mais baixo.

Escoramento Auxiliar para Execução do Reforço: quando é necessário reduzir

ou retirar o carregamento nas fundações existentes para realizar o reforço ou substituição das peças de fundação.

Incompatibilidades entre projetos de arquitetura, estruturas e fundações normalmente conduzem as tensões que sobrepujam a resistência dos materiais em seções particularmente desfavoráveis, originando problemas de fissuras. (THOMAS, 1989)

Na Bélgica, segundo a pesquisa desenvolvida pelo Centre Scientifiqueetm Technique

de La Construction, com base na análise de 1.800 problemas patológicos, chegou-se a conclusão de que a maioria deles origina-se de falhas de projetos (46%), seguindo-se de falhas de execução (22%) e qualidade dos materiais de construção empregados (15%). No tocante, concluiu-se que as causas mais importantes eram a deformabilidade das estruturas e as movimentações térmicas, seguindo-se os recalques diferenciais de fundações e as movimentações higroscópicas. (THOMAS, 1989)

Estudo de caso

Em duas edificações residenciais, localizadas na cidade de Belo Horizonte, apresentaram patologias relacionadas aos recalques de fundações e serão apresentadas a seguir.

A primeira edificação foi construída em 1977 e teve a sua alvenaria apoiada em blocos

corridos de concreto ciclópico, exercendo papel de fundação. Desde o inicio e nas alterações nos anos seguintes, a obra não foi acompanhada por um engenheiro o que indica a inexistência de um estudo de sondagem, dificultando a caracterização do tipo de solo. Os moradores desta residência informaram que a edificação foi locada em parte no solo natural (cortado) e a outra parte em aterro que não recebeu compactação adequada para a implantação, sendo compactado manualmente pelo morador com o auxilio de soquete de concreto. Segundo eles, o material utilizado para o aterro foi o próprio solo retirado pelo corte feito para a implantação. Eles também relataram que nos primeiros anos da construção, não havia rede coletora de esgoto domestico na região e por isso, houve a necessidade da abertura de uma fossa localizada a menos de 2 (dois) metros da edificação. Em 1984 a residência recebeu a rede coletora de esgoto e a fossa em questão foi desativada e aterrada utilizando

solo, resto de materiais de construção e pedras. Atualmente, essa edificação apresenta trincas no vão de janela, algumas paredes e uma rachadura no piso da varanda que fica acima da fossa desativada.

A segunda edificação foi construída também por volta do ano de 1975 e sua fundação

construída através de blocos corridos de concreto ciclópico. No decorrer da sua construção e ampliação, essa residência não recebeu nenhum acompanhamento de um engenheiro que poderia ter feito um estudo do solo para determinar a sua resistência à transmissão de cargas geradas pela construção de uma estrutura. A residência foi locada em uma parte de solo natural e em outra parte, há existência de um porão antes de se chegar à fundação. Nos 5 (cinco) anos de utilização, essa residência fez o uso de cisterna e fossa localizadas à aproximadamente 1(um) metro de distância da atual ampliação. Na época da sua desativação, elas foram aterradas com o próprio solo do terreno, restos de materiais de construção e pedras, sem a devida compactação. Atualmente, essa residência apresenta rachaduras e fendas que comprometem a integridade da edificação, trazendo riscos aos seus usuários.

Relatório Fotográfico – Residência 1

Foto 1: Trinca nas extremidades da janela. Fonte: Autoria própria Foto 2: Trinca na parede

Foto 1: Trinca nas extremidades da janela. Fonte: Autoria própria

Trinca nas extremidades da janela. Fonte: Autoria própria Foto 2: Trinca na parede entre o pilar

Foto 2: Trinca na parede entre o pilar e a laje. Fonte: Autoria própria

Foto 3: Trinca no piso da varanda construída acima da antiga fossa. Fonte: Autoria própria

Foto 3: Trinca no piso da varanda construída acima da antiga fossa. Fonte: Autoria própria

Relatório Fotográfico – Residência 2

Autoria própria Relatório Fotográfico – Residência 2 Foto 4: Fenda nas paredes da cozinha no interior

Foto 4: Fenda nas paredes da cozinha no interior da residência. Fonte: Autoria própria

Foto 5: Fenda nas paredes da cozinha em frente à cisterna desativada. Fonte: Autoria própria

Foto 5: Fenda nas paredes da cozinha em frente à cisterna desativada. Fonte: Autoria própria

em frente à cisterna desativada. Fonte: Autoria própria Foto 6: cisterna e fossa após o recalque.

Foto 6: cisterna e fossa após o recalque. Fonte: Autoria própria

4.

Conclusão:

A verificação e identificação do solo são de extrema importância para se minimizar os

efeitos dos deslocamentos verticais a que toda edificação é submetida e dos possíveis

problemas que pode surgir durante, após a conclusão e no período de utilização da

edificação. Ela possibilita o conhecimento dos possíveis comportamentos que o solo

poderá ter e que interfere nas etapas de projeto, execução, definição de materiais que serão

utilizados até o termino da construção. Esse estudo que todo profissional da área da

engenharia deve fazer, direciona a escolha mais eficiente de uma fundação que resistirá às

cargas que serão transmitidas da edificação para esse solo analisado, minimizando assim o

aparecimento de patologias que levam desde ao desconforto visual das trincas ao colapso

da edificação que coloca o seu usuário em risco. Apontando assim, a importância de que

uma estrutura corretamente dimensionada não se deve levar em conta somente o custo total

em que ela ira gerar ao proprietário da edificação e sim a segurança que ela proporcionará

aos seus usuários.

5. Referências Bibliográficas:

CALISTO, Aline; KOWOSKI Regiane. Efeito do Recalque Diferencial de Fundações em Estruturas de Concreto Armado e Alvenaria de Vedação. Estudo de caso, Curitiba, 2015.

CÁNOVAS Manoel Fernández. Patologia e terapia do concreto armado. São Paulo: Pini,

1988.

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI; Marina de Andrade. Fundamentos da metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2004.

LAPA, José Silva. Patologia, recuperação e reparo das estruturas de concreto. 2008. 56 f. Monografia (Especialização em Construção Civil) - Departamento de Engenharia de Materiais e Construção, Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo

em:

Horizonte,

<http://www.cecc.eng.ufmg.br/trabalhos/pg1/Patologia,%20Recupera%E7%E3o%20e%20Re

paro%20das%20Estruturas%20de%20Concreto.pdf>. Acesso em: 20 Out2016.

2008.

Disponível

MILITITSKY, Jarbas; CONSOLI, Nilo César; SCHNAID, Fernando. Patologia das Fundações. São Paulo: Oficina de Textos, 2015.

SOUZA, Vicente Custódio Moreira de Souza; RIPPER, Thomas. Patologia, Recuperação e Reforço de Estruturas de Concreto, São Paulo, abril de 2009.

THOMAZ, Ercio. Trincas em edifícios: causas, prevenção e recuperação. 192p Dissertação (Pós-graduação em Engenharia Civil) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.

VITÓRI, Afonso. Fundamentos da patologia das estruturas nas perícias de engenharia. 25 p, Artigo – Instituto Pernambucano de Avaliações e Perícias de Engenharia, Recife, novembro de 2013.

NBR 6122/1996.

HACHICH, Waldemar; FALCONI, Frederico F.; SAES, José Luiz; FROTA, Régis G. Q.; CARVALHO, Celso S. e NIYAMA, Sussumu. Fundações. Teoria e Prática, São Paulo, 2° edição, abril de 2009.