Você está na página 1de 88

UMA OFERTA A TODAS AS ESCOLAS DE

CONDUÇÃO DE SÃO TOMÉ E PRÍCIPE

APOIO AO LIVRO DE CÓDIGO DA ESTRADA COM AS ALTERAÇÕES DE 2014

AUTOR:INSTRUTOR EXAMINADOR ENG.INFORMÁTICO


ALFREDO DIAS
TELM. 9904994
ÁGUA-ARROZ
SÃO TOMÉ
E:mail diasstp@gmail.com
Skype: Alfredo.dias151
Facebook: Alfredo Dias
ÍNDICE

Sinais verticais

Paginas

1. Sinais de Perigo----------------------------------------------------------------------------------------------------------3/86
2. Sinais de cedência de passagem--------------------------------------------------------------------------------------6/86
3. Sinais de proibição------------------------------------------------------------------------------------------------------7/86
4. Sinais de Obrigação---------------------------------------------------------------------------------------------------11/86
5. Sinais de seleção de vias----------------------------------------------------------------------------------------------13/86
6. Sinais de afetação de vias---------------------------------------------------------------------------------------------14/86
7. Sinais de zona-----------------------------------------------------------------------------------------------------------15/86
8. Sinais de Informação--------------------------------------------------------------------------------------------------17/86
9. Sinais de pré-sinalização---------------------------------------------------------------------------------------------25/86
10. Sinais de direção-------------------------------------------------------------------------------------------------------30/86
11. Sinais de confirmação-------------------------------------------------------------------------------------------------31/86
12. Painéis adicionais------------------------------------------------------------------------------------------------------33/86
13. Sinalização turístico-cultural----------------------------------------------------------------------------------------36/86
14. Sinais de carater temporário----------------------------------------------------------------------------------------38/86
15. Dispositivos complementares----------------------------------------------------------------------------------------41/86
16. Marcas diversas--------------------------------------------------------------------------------------------------------43/86
17. Elementos do sistema de circulação rodoviário-----------------------------------------------------------------47/86
18. Função da Condução--------------------------------------------------------------------------------------------------47/86
19. Tempo de reação-------------------------------------------------------------------------------------------------------47/86
20. Hierarquia entre as prescrições-------------------------------------------------------------------------------------48/86
21. Sinais dos agentes------------------------------------------------------------------------------------------------------48/86
22. Marcas rodoviárias----------------------------------------------------------------------------------------------------49/86
23. Sinais sonoros-----------------------------------------------------------------------------------------------------------50/86
24. Sinalização luminosa--------------------------------------------------------------------------------------------------51/86
25. Vias de sentido reversível--------------------------------------------------------------------------------------------52/86
26. Circulação de veículos------------------------------------------------------------------------------------------------52/86
27. Placas, postes, ilhéus e dispositivos semelhantes no eixo da via----------------------------------------------53/86
28. Início de marcha-------------------------------------------------------------------------------------------------------53/86
29. Lei da cedência de passagem----------------------------------------------------------------------------------------54/86
30. Cruzamentos de veículos numa via parcialmente obstruída--------------------------------------------------55/86
31. Cruzamento veículos obstruída dos dois lados------------------------------------------------------------------55/86
32. Rotundas-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------55/86
33. Auto-Estrada-----------------------------------------------------------------------------------------------------------56/86
34. Trânsito de peões------------------------------------------------------------------------------------------------------57/86
35. Condutores de velocípedes-------------------------------------------------------------------------------------------58/86
36. Transportes de Crianças---------------------------------------------------------------------------------------------59/86
37. Entrada e saída de passageiros--------------------------------------------------------------------------------------59/86
38. Visibilidade Insuficiente----------------------------------------------------------------------------------------------59/86
39. Iluminação de veículos------------------------------------------------------------------------------------------------59/86
40. Utilização das luzes----------------------------------------------------------------------------------------------------60/86
41. Veículos prioritários--------------------------------------------------------------------------------------------------62/86
42. Velocidade excessiva--------------------------------------------------------------------------------------------------62/86
43. Velocidades--------------------------------------------------------------------------------------------------------------63/86
44. Velocidade moderada-------------------------------------------------------------------------------------------------64/86
45. Manobras----------------------------------------------------------------------------------------------------------------64/86
46. Mudanças de direção--------------------------------------------------------------------------------------------------66/86
47. Marcha atrás-----------------------------------------------------------------------------------------------------------66/86
48. Inversão do sentido de marcha--------------------------------------------------------------------------------------66/86
49. Paragem e estacionamento-------------------------------------------------------------------------------------------67/86
50. Proibição de parar e estacionar-------------------------------------------------------------------------------------67/86
51. Estacionamento abusivo----------------------------------------------------------------------------------------------68/86
52. Bloqueamento e remoção---------------------------------------------------------------------------------------------68/86
53. Estado físico e psicológico--------------------------------------------------------------------------------------------69/86
54. Álcool---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------70/86
55. Impedimento de conduzir--------------------------------------------------------------------------------------------71/86
56. Veículos automóveis---------------------------------------------------------------------------------------------------71/86
57. Motociclos, ciclomotores, triciclos, quadriciclos-----------------------------------------------------------------72/86
58. Cargas e descargas----------------------------------------------------------------------------------------------------72/86
59. Sinalização de carga com comprimento superior ao do veículo----------------------------------------------73/86
60. Habilitação para conduzir-------------------------------------------------------------------------------------------73/86
61. Documentos obrigatórios---------------------------------------------------------------------------------------------74/86
62. Revalidações de cartas------------------------------------------------------------------------------------------------74/86
63. Cartas de condução----------------------------------------------------------------------------------------------------75/86
64. Responsabilidade------------------------------------------------------------------------------------------------------77/86
65. Contra ordenações-----------------------------------------------------------------------------------------------------78/86
66. Apreensão de veículos-------------------------------------------------------------------------------------------------78/86
67. Imobilização por avaria ou acidente-------------------------------------------------------------------------------80/86
68. Cintos de segurança---------------------------------------------------------------------------------------------------80/86
69. Circular numa descida------------------------------------------------------------------------------------------------80/86
70. Estacionamento numa descida--------------------------------------------------------------------------------------80/86
71. Estacionamento numa subida---------------------------------------------------------------------------------------80/86
72. Pré-sinalização de perigo---------------------------------------------------------------------------------------------81/86
73. Chapas refletoras------------------------------------------------------------------------------------------------------81/86
74. Inspeções periódicas obrigatórias----------------------------------------------------------------------------------81/86
75. Tabela das inspeções--------------------------------------------------------------------------------------------------83/86
76. Pesos e dimensões------------------------------------------------------------------------------------------------------83/86
77. Mecânica-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------84/86
78. Elementos da segurança ativa e passiva---------------------------------------------------------------------------86/86
79. Definições Gerais e classificação de vias--------------------------------------------------------------------------86/86
Sinais de perigo

A1a – Curva à direita A1b – Curva à esquerda A1c – Curva à direita e A1d – Curva à esquerda
contracurva e contracurva

A2a – Lomba A2c – Lomba ou A3a – Descida perigosa


A2b - Depressão depressão

A3b – Subida de A4a – Passagem estreita A4b – Passagem estreita A4c – Passagem estreita
inclinação acentuada

A5 – Pavimento A6 – Projecção de A7a – Bermas baixas A7b – Bermas baixas


escorregadio gravilha

A8 – Saída num cais ou A9 – Queda de pedras A10 – Ponte móvel A11 –Neve ou gelo
precipício

11
Pag. 3 / 86
A12 – Vento lateral A13 – Visibilidade
insuficiente A14 - Crianças A15 - Idosos

A16a – Passagem de A16b – Travessia de A17 – Saída de ciclistas


peões peões A18 - Cavaleiros

A19b – Animais A20 – Túnel A21 – Pista de aviação


A19a - Animais selvagens

A22 – Sinalização A23 – Trabalhos na via A24 – Cruzamento ou A25 – Trânsito nos dois
luminosa entroncamento sentidos

A26 – Passagem de A27 – Passagem de A28 – Intersecção com A29 – Outros perigos
nível com guarda nível sem guarda via onde circulam
veículos sobre carris

12
Pag. 4 / 86
A31 – Obstrução da via A32a – Local de A32b – Local de
A30 - Congestionamento passagem de nível sem passagem de nível sem
guarda guarda com duas ou
mais vias

13
Pag. 5 / 86
Sinais de cedência de passagem

B1 – Cedência de B2 – Paragem B3 – Via com prioridade B4 – Fim de via com


passagem obrigatória em prioridade
cruzamentos ou
entroncamentos

B5 – Cedência de B6 – Prioridade nos B7 – Aproximação de B8 – Cruzamento com


passagem nos estreitamentos da faixa rotunda via sem prioridade
estreitamentos da faixa de rodagem
de rodagem

B9a – Entroncamento B9b – Entroncamento B9c – Entroncamento B9d – Entroncamento


com via sem prioridade com via sem prioridade com via sem prioridade com via sem prioridade

14
Pag. 6 / 86
Sinais de proibição

C1 – Sentido proibido C2 – Trânsito proibido C3a – Trânsito proibido C3b – Trânsito proibido
a automóveis e a automóveis pesados
motociclos com carro

C3c – Trânsito proibido C3d – Trânsito proibido C3e – Trânsito proibido C3f – Trânsito proibido a
a automóveis de a automóveis de a motociclos simples ciclomotores
mercadorias mercadorias de peso
total superior a ... t

C3g – Trânsito proibido C3h – Trânsito proibido


a velocípedes a veículos agrícolas C3i - Trânsito proibido a C3j - Trânsito proibido a
veículos de tracção carros de mão
animal

C3l - Trânsito proibido a C3m - Trânsito proibido C3n - Trânsito proibido a C3o - Trânsito proibido a
peões a cavaleiros veículos com reboqueveículos com reboque de
dois ou mais eixos

15
Pag. 7 / 86
C3p - Trânsito proibido a C3q - Trânsito proibido a C3r - Trânsito proibido a C4a - Trânsito proibido a
veículos transportandoveículos transportandoveículos transportando automóveis e motociclos
mercadorias perigosasprodutos facilmenteprodutos susceptíveis de
inflamáveis oupoluírem as águas
explosivos

C4b - Trânsito proibido a C4c - Trânsito proibido a C4d - Trânsito proibido a C4e - Trânsito proibido a
automóveis deautomóveis, aautomóveis depeões, a animais e a
mercadorias e a veículos motociclos e a veículos mercadorias e a veículos veículos que não sejam
a motor com reboquede tracção animalde tracção animalautomóveis ou
motociclos

C4f - Trânsito proibido a C5 - Trânsito proibido a C6 - Trânsito proibido a C7 - Trânsito proibido a


veículos de duas rodas veículos de peso por veículos de peso total veículos ou conjunto de
eixo superior a ... t superior a ... t veículos de
comprimento superior a
... m

C10 – Proibição de C11a – Proibição de


C8 - Trânsito proibido a C9 - Trânsito proibido a transitar a menos de ... virar à direita
veículos de largura veículos de altura m do veículo precedente
superior a ... m superior a ... m

16
Pag. 8 / 86
C11b – Proibição de C12 – Proibição de C13 – Proibição de C14a – Proibição de
virar à esquerda inversão do sentido de exceder a velocidade ultrapassar
marcha máxima de ... km/h

C14b – Proibição de C14c – Proibição de C15 – Estacionamento C16 – Paragem e


ultrapassar para ultrapassar para proibido estacionamento
automóveis pesados motociclos e proibidos
ciclomotores

C17 – Proibição de C18 – Paragem C19 – Outras paragens C20a – Fim de todas as
sinais sonoros obrigatória na alfândega obrigatórias proibições impostas
anteriormente por
sinalização a veículos
em marcha

C20b – Fim da limitação C20c – Fim da proibição C20d – Fim da proibição C20e – Fim da proibição
de velocidade de ultrapassar de ultrapassar para de ultrapassar para
automóveis pesados motociclos e
ciclomotores

17
Pag. 9 / 86
C21 – Fim da paragem C22 – Fim da proibição
ou estacionamento de sinais sonoros
proibidos

18
Pag. 10 / 86
Sinais de obrigação

D1a – Sentido D1b – Sentido D1c – Sentido D1d – Sentido


obrigatório obrigatório obrigatório obrigatório

D1e – Sentido D2a – Sentidos D2b – Sentidos D2c – Sentidos


obrigatório obrigatórios possíveis obrigatórios possíveis obrigatórios possíveis

D3a – Obrigação de D3b – Obrigação de D4 – Rotunda D5a – Via obrigatória


contornar a placa ou contornar a placa ou para automóveis de
obstáculo obstáculo mercadorias

D5b – Via obrigatória D6 – Via reservada a D7a – Pista obrigatória D7b – Pista obrigatória
para automóveis veículos de transporte para velocípedes para peões
pesados público

D7c – Pista obrigatória D7d – Pista obrigatória D7e – Pista obrigatória D7f – Pista obrigatória
para cavaleiros para gado em manada para peões e para peões e
velocípedes velocípedes

19
Pag. 11 / 86
D8 – Obrigação de D9 – Obrigação de D10 – Obrigação de D11a – Fim da via
transitar à velocidade utilizar correntes de utilizar as luzes de obrigatória para
mínima de ... km/h neve cruzamento (médios) automóveis de
acesas mercadorias

D11b – Fim da via D12 – Fim da via D13a – Fim da pista D13b – Fim da pista
obrigatória para reservada a veículos de obrigatória para obrigatória para peões
automóveis pesados transporte público velocípedes

D13c – Fim da pista D13d – Fim da pista D13e – Fim da pistaD13f – Fim da pista
obrigatória para obrigatória para gado obrigatória para peões e obrigatória para peões e
cavaleiros em manada velocípedesvelocípedes

D14 – Fim da obrigação D15 – Fim da obrigação D16 – Fim da obrigação


de transitar à velocidade de utilizar correntes de de utilizar as luzes de
mínima de ... km/h neve cruzamento (médios)
acesas

20
Pag. 12 / 86
Sinais de selecção de vias

E1 – Destinos sobre o itinerário

E2 – Destinos de saída

E3 – Sinal de selecção lateral

21
Pag. 13 / 86
Sinais de afectação de vias

F1a – Aplicação de prescrição a via F1b – Aplicação de prescrição a


de trânsito via de trânsito

F1c – Aplicação de prescrição a via F2 – Via de trânsito reservada a


de trânsito veículos de transporte público

22
Pag. 14 / 86
Sinais de zona

G1 – Zona de estacionamento G2a – Zona de estacionamento


autorizado proibido

G3 – Zona de paragem e
G2b – Zona de estacionamento estacionamento proibidos
proibido

G4 – Zona de velocidade limitada G5a – Zona de trânsito proibido

23
Pag. 15 / 86
G5b – Zona de trânsito proibido G6 – Fim de zona de
estacionamento autorizado

G7a – Fim de zona de paragem e G7b – Fim de zona de paragem e


estacionamento proibidos estacionamento proibidos

G8 – Fim de zona de velocidade G9 – Fim de todas as proibições


limitada impostas na zona

24
Pag. 16 / 86
Sinais de informação

H1a – Estacionamento H1b – Estacionamento H2 – Hospital


autorizado autorizado

H3 – Trânsito de sentido H4 – Via pública sem saída H5 – Correntes de neve


único recomendadas

H6 – Velocidade H7 – Passagem para peões H8a – Passagem


recomendada desnivelada para peões

H8b – Passagem H9 – Hospital com urgência H10 – Posto de socorros


desnivelada para peões médica

25
Pag. 17 / 86
H11 – Oficina H12 – Telefone H13a – Posto de
abastecimento de
combustível

H13b – Posto de H14a – Parque de H14b – Parque para


abastecimento de campismo reboques de campismo
combustível com GPL

H14c – Parque misto para H15 – Telefone de H16a – Pousada ou


campismo e reboques de emergência estalagem
campismo

26
Pag. 18 / 86
H16b – Albergue H16c – Pousada de H16d – Turismo rural
juventude

H17 – Hotel H18 – Restaurante H19 – Café ou bar

H20a – Paragem de H20b – Paragem de H20c – Paragem de


veículos de transporte veículos de transporte veículos afectos ao
colectivo de passageiros colectivo de passageiros transporte de crianças
que transitem sobre carris

27
Pag. 19 / 86
H22 – Posto de H23 – Estação de
H21 - Aeroporto informações radiodifusão

H24 – Auto-estrada H25 – Via reservada a H26 – Escapatória


automóveis e motociclos

H27 – Inversão de marcha

28
Pag. 20 / 86
H28 – Limites de velocidade

H29a – Identificação de país H29b – Identificação de país

29
Pag. 21 / 86
H30 – Praticabilidade da via

N.º 1 N.º 1

N.º 2 N.º 2

30
Pag. 22 / 86
N.º 2 N.º 3

H31a – Número e
sentido das vias de H31b - Número e H31c - Número e sentido das
trânsito sentido das vias de vias de trânsito
trânsito

H32 – Supressão de via H33 – Via verde


H31d - Número e de trânsito
sentido das vias de
trânsito

H34 – Centro de H36 – Fim da recomendação


inspecções H35 - Túnel do uso de correntes de neve

31
Pag. 23 / 86
H37 – Fim de velocidade H38 – Fim de auto- H39 – Fim de via reservada a
recomendada estrada automóveis e motociclos

H40 – Fim de H41 – Fim de túnel H42 – Velocidade média


estacionamento
autorizado

32
Pag. 24 / 86
Sinais de pré-sinalização

I1 – Pré–aviso simplificado I2a – Pré-aviso gráfico


(Intersecção desnivelada) (Intersecção de nível)

I2b – Pré-aviso gráfico I2c – Pré-aviso gráfico


(Rotunda) (Intersecção de nível)

33
Pag. 25 / 86
I2d – Pré-aviso gráfico I2e – Pré-aviso gráfico
(Intersecção desnivelada)

I2f – Pré-aviso gráfico I3a – Pré-aviso reduzido

I3b – Pré-aviso reduzido I4a – Aproximação de área de serviço

34
Pag. 26 / 86
I4b – Aproximação de via de saída para I5a – Aproximação de área de repouso
área de serviço

I5b – Aproximação de via de saída para I6 – Pré-sinalização de itinerário


uma área de repouso

35
Pag. 27 / 86
I7a – Pré-sinalização de via sem saída I7b – Pré-sinalização de via sem saída

I8 – Aproximação de travessia de crianças

36
Pag. 28 / 86
I9a – Aproximação de I9b – Aproximação de I9c – Aproximação de
passagem de nível passagem de nível passagem de nível

I9d – Aproximação de I9e – Aproximação de I9f – Aproximação de


passagem de nível passagem de nível passagem de nível

37
Pag. 29 / 86
Sinais de direcção

J1 – Direcção da via de saída J2 – Direcção de via de acesso

J3a – Indicação de âmbito urbano

J3b – J3c – J3d – Indicação de âmbito urbano

38
Pag. 30 / 86
Sinais de confirmação

L1 – Sinal de confirmação

Sinais de identificação de localidades

N1a – Início de localidade N1b – Início de localidade

N2a – Fim de localidade N2b – Fim de localidade

39
Pag. 31 / 86
O4a – Sinal de O4b – Sinal de O4c – Sinal de
aproximação de saída aproximação de saída aproximação de saída

O5a – Baia direccional para O5b – Baia direccional para balizamento


balizamento de pontos de de pontos de divergência
divergência

O6a – Baia direccional O6b – Baia direccional

O7a – Baliza de posição O7b – Baliza de posição

42
Pag. 32 / 86
Painéis adicionais

Indicador de distância Indicador de distância Indicador da extensão de um troço

Modelo 1a Modelo 1b Modelo 2

Indicadores do início ou fim do local regulamentado

Modelo 3a Modelo 3b Modelo 3c Modelo 3d

Indicadoresdecontinuaçãodolocal
Indicadores da extensão regulamentada e de repetição da extensão regulamentado quanto a estacionamento e
paragem

Modelo 4a Modelo 4b Modelo 5 Modelo 6a Modelo 6b

Indicadores de periodicidade

Modelo 7a Modelo 7b Modelo 7c Modelo 7d

Indicadores de
duração Indicadores de peso Indicadores de aplicação

Modelo 8 Modelo 9 Modelo 10a Modelo 10b

Indicadores de veículos a que se aplica a regulamentação

Modelo 11a Modelo 11b Modelo 11c Modelo 11d Modelo 11e

43
Pag. 33 / 86
Modelo 11f Modelo 11g Modelo 11h Modelo 11i Modelo 11j

Indicadores da posição autorizada para estacionamento

Modelo 12a Modelo 12b Modelo 12c

Modelo 12d Modelo 12e Modelo 12f

Diagramas de via com prioridade

Modelo 13a Modelo 13b

Informação diversa Indicadores de condições meteorológicas

Modelo 14 Modelo 15a Modelo 15b

Limpa-neves Indicador de via de saída Indicação de direcção

Modelo 16 Modelo 17 Modelo 18

44
Pag. 34 / 86
Indicadores de início ou fim de zona regulamentada

Modelo 19a Modelo 19b Modelo 20

45
Pag. 35 / 86
Sinalização turístico-cultural

T1 – Região

T2 – Património

46
Pag. 36 / 86
T3 – Património cultural

T4a – Identificação de circuito T4b – Direcção de circuito

T5a – Identificação de rota T5b – Direcção de rota

T6 - Localidade
47
Pag. 37 / 86
Sinais de carater
temporário

ST1a - Número e sentido das vias de ST1b- Número e sentido das vias de
trânsito trânsito

ST1c- Número e sentido das vias de ST1d- Número e sentido das vias de
trânsito trânsito

ST2 - Supressão de vi ST3 - Supressão da berma de ST4 - Desvio de via de


trânsito trânsito

55
Pag. 38 / 86
ST5 – Desvio para a faixa de ST6 – Estreitamento de via de trânsito
rodagem contrária

ST7 – Pré-sinalização de desvio de itinerário

ST8a – Desvio de itinerário ST8b – Desvio de itinerário

ST9 – Fim de desvio ST10 – Circulação alternada

56
Pag. 39 / 86
ST11 – Trânsito sujeito a demora ST12 – Telefone de emergência

ST13 – Acidente ST14 – Fim de obras

57
Pag. 40 / 86
Dispositivos complementares

ET1 – Raquetas de sinalização ET2 – Baias direccionais

ET3 – Baias de posição ET4 – Baliza de alinhamento

ET5 – Balizas de posição


ET6 - Cones

ET7 - Pórticos

ET8 – Conjunto de lanternas ET9 – Conjunto de lanternas


sequenciais sem fios sequenciais com fios

58
Pag. 41 / 86
Pag. 42 / 86
Marcas longitudinais

M1 – Linha contínua M2 – Linha descontínua M3 – Linha mista

M4 – Linha descontínua M5 – Linha de sentido M6 – Linha descontínua


de aviso reversível de abrandamento

48
Pag. 43 / 86
Marcas delimitadoras de corredores de
circulação

M6a – Linha descontínua M7 – Linha contínua M7a – Linha descontínua


de aceleração

Marcas transversais

M8 – Linha de paragem M8a – Linha de paragem com símbolo


“STOP”

M9 – Linha de cedência de passagem M9a – Linha de cedência de passagem


com símbolo triangular

49
Pag. 44 / 86
M10 – Passagem para ciclistas M10a – Passagem para ciclistas

M11 – Passagem para peões M11a – Passagem para peões

Marcas reguladoras de estacionamento e paragem

M12 – Linha contínua M12a – Linha contínua M13 – Linha descontínua


junto ao limite da faixa sobre o bordo do junto ao limite da faixa
de rodagem passeio de rodagem

50
Pag. 45 / 86
Marcas diversas e guias

M17 – Raias oblíquas delimitadas por M17a – Raias oblíquas delimitadas por
linhas contínuas linhas contínuas

M17b – Cruzamento ou entroncamento M18 – Marcação de objectos contíguos à


facilmente congestionável faixa de rodagem

M20 – Bandas cromáticas


M19 - Guias

53
Pag. 46 / 86
Elementos do sistema de circulação rodoviário:

-O homem
-A via publica
-O meio ambiente
-O veículo
O homem é elemento mais importante e mais vulnerável do sistema de circulação rodoviário.
O homem tem um papel fundamental nas causas principais dos acidentes devido ao consumo de
álcool, estupefacientes, droga, realização de manobras perigosas e excesso de velocidade.

Função da condução

Função da condução consiste:


-Na recolha de informação (observar tudo o que lhe rodeia)
- Na estratégia a adotar para evitar acidentes (Ex. circular a velocidade moderada próximo das
passadeiras)
. Em identificar atempadamente os possíveis perigos de forma a evita-los.
-Decidir em conformidade com o que lhe surge pela frente, ou seja, agir da forma mais segura de
forma a evitar acidentes.

Tempo de reação

O tempo de reação é o tempo que decorre desde que o condutor vê o obstáculo até ao exato
momento em que ele atua.
O tempo de reação em média é cerca de 1 segundo, e durante esse tempo o veículo continua a
avançar.

A maioria dos condutores demora aproximadamente um segundo a reagir às situações de perigo,


embora existam alguns fatores que podem aumentar bastante esse tempo de reação como, por
exemplo:

Ter pouca experiência de condução.

Ter idade mais avançada.

Estar sonolento ou fatigado.

Encontrar-se doente física ou mentalmente.

Estar sob o efeito de determinados medicamentos.

Estar sob a influência de álcool ou de estupefacientes.

Distância de Reação: é a distância percorrida pelo veículo durante o tempo de reação Durante o
tempo de reação, o veículo continua a movimentar-se (à mesma velocidade), percorrendo uma
determinada distância, avaliada em metros. Esta é tanto maior quanto mais elevada for a
velocidade a que se circula.
.

Pag. 47 / 86
Distância de Travagem: é a distância percorrida pelo veículo entre o momento em que o condutor
começa a travar e aquele em que o veículo se imobiliza.
Esta distância varia não só com a velocidade do veículo como também com o estado dos pneus, a
eficácia dos travões e o estado do pavimento (piso molhado, escorregadio ou arenoso).

Distância de Paragem: é a distância total percorrida pelo veículo entre o momento em que o
condutor vê o obstáculo e aquele em que o veículo se imobiliza.
A distância de paragem obtém-se somando a distância de reação com a distância de travagem.

A hierarquia entre as prescrições resultantes da sinalização é a seguinte:

1-As ordens dos agentes reguladores do trânsito prevalecem sobre as prescrições resultantes dos
sinais e sobre as regras de trânsito
2 -Prescrições resultantes de sinalização temporária que modifique o regime normal de utilização
da via;
3 -Prescrições resultantes dos sinais inscritos em sinalização de mensagem variável;
4 -Prescrições resultantes dos sinais luminosos;
5 -Prescrições resultantes dos sinais verticais;
6 -Prescrições resultantes das marcas rodoviárias.
7-Prescrições resultantes das regras de trânsito

Sinais dos agentes de trânsito

Pag. 48 / 86
MARCAS RODOVIÁRIAS (LINHAS NO PAVIMENTO)

NOTA: as vias de abrandamento e aceleração servem para o condutor adequar a velocidade avia
que vai entrar.

Pag. 49 / 86
MARCAS REGULADORAS DE ESTACIONAMENTO E PARAGEM

OUTRAS MARCAS RODOVIÁRIAS

SINAIS SONOROS
- Dentro das localidades devem ser utilizados por períodos curtos e em caso de perigo eminente e
servem para prevenir um condutor da intenção de o ultrapassar (se necessário) bem como nas
curvas, cruzamentos, entroncamentos e lombas de visibilidade reduzida para indicar a sua
aproximação e para chamar a atenção de uma pessoa que atravesse a rua sem tomar as devidas
precauções.
- Fora das localidades não há restrições para o uso de sinais sonoros

Pag. 50 / 86
PROIBIDO USAR OS SINAIS SONOROS

Como meio de chamamento e protesto.


Dentro das localidades de dia só é permitido usar os sinais sonoros em caso de perigo eminente.
NOTA: Pode-se apitar durante a noite só fora das localidades.

POLUIÇÃO SONORA
É proibido fazer ruídos superiores aos máximos fixados pela lei, bem como o uso de aparelhos
radiofónicos em altos berros. O condutor deve assim evitar todos os ruídos excessivos.

SINALIZAÇÃO LUMINOSA

SEMÁFOROS PARA PEÕES

Pag. 51 / 86
SEMÁFORO PARA OS VEÍCULOS DE TRANSPORTE PÚBLICO (BUS)

VIAS DE SENTIDO REVERSÍVEL

Nas vias de sentido reversível, o trânsito faz-se de forma alternada de acordo com os sinais
luminosos que identificam esta via.

Os veículos só podem circular nesta via quando não houver lugar na via mais à direita e têm que o
fazer com as luzes de cruzamento acesas.

CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS

Os condutores de veículos devem circular o mais à direita possível conservando uma distância
destes que lhe permita evitar acidentes.
Só podem usar os passeios para acesso a propriedades privadas e facilitar a passagem de veículos
prioritários em vias estreitas
Os peões devem abster-se de atos que impeçam ou embaracem o trânsito ou comprometam a

segurança rodoviária.
Dentro das localidades, os condutores devem escolher a via de trânsito mais conveniente ao seu
destino.

Pluralidade de vias de trânsito dentro das localidades

Dentro das localidades, os condutores devem utilizar a via de trânsito mais conveniente ao seu
destino, só lhes sendo permitida a mudança para outra, depois de tomadas as devidas precauções.

Pag. 52 / 86
Trânsito em filas paralelas

Sempre que existem mais de uma via de trânsito no mesmo sentido, os veículos devem circular na
via mais à direita deixando as vias da esquerda para a ultrapassagem.
Em caso de grande intensidade de trânsito, circulando os veículos em marcha lenta, e ocupando
toda a largura da faixa de rodagem destinada a esse sentido, os condutores não podem sair da
respetiva fila para outra mais à direita, salvo para mudar de direção, parar ou estacionar.
Em filas paralelas (varias filas de trânsito no mesmo sentido) em caso de congestionamentos de
trânsito o fato de os veículos da via da direita se moverem mais depressa do que os da via da
esquerda não constitui ultrapassagem pela direita.

PLACAS, POSTES, ILHÉUS E DISPOSITIVOS SEMELHANTES NO EIXO


DA VIA

-Nos cruzamentos, entroncamentos e rotundas o trânsito faz-se por forma a dar a esquerda à parte
central dos mesmos ou às placas, postes, ilhéus direcionais ou dispositivos semelhantes existentes,
desde que se encontrem no eixo da faixa de rodagem de que procedem os veículos.
-Só não é obrigado a dar a esquerda às placas quando houver sinalização que indique outra forma
de proceder ou a via seja de sentido único que aí o condutor vai pelo lado mais conveniente ao seu
destino.

INÍCIO DE MARCHA

Os condutores e passageiros de velocípedes com motor e os condutores de trotinetas com motor e


de dispositivos de circulação com motor elétrico, autoequilibrados e automotores ou de outros
meios de circulação análogos devem proteger a cabeça usando capacete devidamente ajustado e
apertado.

É proibida ao condutor, durante a marcha do veículo, a utilização ou o manuseamento de forma


continuada de qualquer tipo de equipamento ou aparelho suscetível de prejudicar a condução,
designadamente auscultadores sonoros e aparelhos radiotelefónicos (contra ordenação grave).
Só é premitido usar os aparelhos dotados de um único auricular ou microfone com sistema de alta
voz.
Ao iniciar a marcha o condutor é obrigado a assinalar com antecedência a sua intenção (sinal
indicador de mudança de direção) e tomar as precauções necessárias para evitar acidentes
cedendo a passagem a todos os veículos, com ou sem motor.

Qual a distância mínima entre veículos?


-Não há distância certa a respeitar. O condutor deve circular a uma distância mínima que lhe
permita fazer uma paragem sem perigo de acidente. Tudo depende da velocidade, estado da via,
estado das condições atmosféricas, carga transportada e estado dos pneus e dos travões.

Pag. 53 / 86
LEI DA REGRA GERAL DA CEDÊNCIA DE PASSAGEM NOS
CRUZAMENTOS E ENTRONCAMENTOS

Têm prioridade de passagem

- Têm prioridade todos os veículos com motor e velocípedes que se apresentem pela direita
desde que não haja sinalização a dizer o contrário.
- Os veículos que transitam nas autoestradas
- Os veículos que circulam dentro das rotundas de sentido giratório
- Qualquer veículo que assinale a marcha de urgência nos cruzamentos sem sinalização, ao
saírem de parques de estacionamento, de uma zona de abastecimento de combustíveis, ou de
qualquer prédio, caminho particular bem como quando pretendem entrar em rotundas.
-As colunas militares ou militarizadas também têm prioridade nos cruzamentos e

entroncamentos, apesar de não serem considerados veículos prioritários.

Quando é que a lei da prioridade não se aplica?


Quando houver sinalização a dizer o contrário (STOP, luz vermelha dos semáforos, a presença de
um agente de autoridade, Cedência de passagem)

O direito à prioridade é um direito absoluto?


Não. Se alguém não respeitar a nossa prioridade devemos é evitar o acidente.

Cedência de passagem

-O condutor sobre o qual recaia o dever de ceder a passagem deve abrandar a marcha, se
necessário parar, ou, em caso de cruzamento de veículos, recuar, por forma a permitir a passagem
de outro veículo, sem alteração da velocidade ou direção deste.

-O condutor com prioridade de passagem deve observar as cautelas necessárias à segurança do


trânsito.
-Os condutores de velocípedes, não podem atravessar a faixa de rodagem sem previamente se
certificarem que, tendo em conta a distância que os separa dos veículos que nela transitam e a
respetiva velocidade, o podem fazer sem perigo de acidente.

Não têm prioridade e devem ceder a passagem

- Qualquer condutor que saia de uma bomba de gasolina, parque de estacionamento, prédio,
garagem ou caminho particular.
- Quem entre numa autoestrada, independentemente de estar em serviço de urgência
- Quem entre numa via reservada para automóveis e motociclos ou via equiparada.
- Quem entre numa rotunda com sentido giratório.
-Os condutores de veículos de tração animal perante os condutores de veículos motorizados e
velocípedes nos cruzamentos sem sinalização.

Pag. 54 / 86
Os condutores devem ceder passagem:

-Aos velocípedes que atravessem as faixas de rodagem nas passagens assinaladas.


-Aos veiculos motorizados e também aos velocipedes que se encontrem pela direita nos
cruzamentos ou entroncamentos sem sinalização.
- Aos veículos que se desloquem sobre carris, estando estes pela direita ou esquerda.
- Às colunas militares ou militarizadas, bem como às escoltas policiais.

CRUZAMENTO DE VEÍCULOS NUMA VIA PARCIALMENTE OBSTRUÍDA.

-Deve ceder a passagem o condutor que tiver de contornar o obstáculo utilizando a parte esquerda
da faixa de rodagem.

VIA OBSTRUÍDA DOS DOIS LADOS

Deve ceder a passagem o condutor do veículo que chegou em 2º lugar, ou seja tem prioridade
aquele que chegar em primeiro lugar.
Se se tratar de uma via de forte inclinação e chegarem os dois ao mesmo tempo tem prioridade
aquele que sobe (para não ter de parar e mais tarde fazer o ponto de embraiagem); em relação ao
condutor do veículo que desce.

Dois veículos que se encontram frente a frente numa rua estreita onde não se podem cruzar;
quem é obrigado a fazer marcha atrás?
-Deve recuar o condutor que estiver mais próximo do local onde o cruzamento é possível ou seja

aquele que acabou de entrar na rua estreita.


Se estiverem os dois a meio da rua estreita, deve recuar (distâncias idênticas):
- O ligeiro perante o pesado
- O pesado de mercadorias perante o pesado de passageiros
- Qualquer veículo isolado perante um conjunto de veículos
- Numa subida de forte inclinação, se forem veículos da mesma categoria deve recuar aquele que
for a subir exceto se a manobra for mais fácil para o que desce.

ROTUNDAS

Nas rotundas, o condutor deve adotar o seguinte comportamento:

a) Entrar na rotunda após ceder a passagem aos veículos que nela circulam, qualquer que seja a via
por onde o façam.
b) Se pretender sair da rotunda na primeira via de saída, deve ocupar a via da direita;
c) Se pretender sair da rotunda em qualquer das outras vias de saída (2ª; 3ª; 4ª saída, etc.), deve
ocupar uma via mais interior da rotunda de acordo com o seu destino de saída, e só deve ocupar a
via de trânsito mais à direita após passar a via de saída imediatamente anterior àquela por onde
pretende sair, aproximando -se progressivamente desta e mudando de via depois de tomadas as
devidas precauções.

Pag. 55 / 86
Os condutores de veículos de tração animal ou de animais, de velocípedes e de automóveis
pesados, podem ocupar a via de trânsito mais à direita, sem prejuízo do dever de facultar a saída
aos condutores que circulem nos termos da alínea c).

Quem infringir o disposto nas alíneas b), c), é sancionado com coima de 60€ a 300€.

AUTO-ESTRADA

Via destinada ao trânsito rápido de veículos com separação de correntes de tráfego, com acessos
condicionados e sem cruzamentos de nível
NOTA: O condutor que circule numa autoestrada tem sempre prioridade em relação aos que estão
nos ramais de acesso e pretendem entrar.

Em caso de engano
O condutor deve prosseguir a marcha e sair no primeiro ramal de saída à direita.

Avaria de luzes ou avaria mecânica nas auto-estradas


Retirar o veículo o mais à direita para fora da faixa de rodagem, colocar o pré-sinalização e tomar
as providências para remover o veículo o mais rápido possível.

Proibições na auto-estrada

Na auto-estrada só podem circular os veículos automóveis ligeiros e pesados, triciclos e


motociclos com mais de 50 cm3, todos outros não podem lá circular.
Nota: é proibida a circulação a todos os veículos de marcha lenta na auto-estrada.
São proibidas todas as manobras, exceto ultrapassar pela esquerda.
Proibido ensinar a conduzir (exceto nos casos legalmente previstos).
Proibido andar a menos de 50 Km/h e a mais de 120 Km/h.
Proibido circular sem as luzes regulamentares.

Pag. 56 / 86
CIRCULAÇÃO NUMA AUTO-ESTRADA
Deve-se circular nas filas o mais à direita porque as da esquerda são para as ultrapassagens

NOTA: Não se pode ultrapassar pela direita nas autoestradas.

Veículo prioritário assinalando a sua marcha ao entrar na autoestrada


Perde sempre a prioridade. Fica obrigado a ceder a passagem.

Circulação em contramão nas autoestradas ou vias equiparadas


Serão submetidos a novos exames (médicos, psicológicos ou de condução) e é considerado contra
ordenação muito grave ou crime.

TRÂNSITO DE PEÕES

É equiparado ao trânsito de peões:


a) A condução de carros de mão;
b) A condução à mão de velocípedes de duas rodas sem carro atrelado e de carros de crianças ou
de pessoas com deficiência;
c) A condução de velocípedes por crianças até 10 anos.
d) O trânsito de pessoas utilizando trotinetas, patins ou outros meios de circulação análogos,
sem motor;
e) O trânsito de cadeiras de rodas equipadas com motor elétrico;
f) A condução à mão de motocultivadores sem reboque ou retro trem.

Utilizadores vulneráveis’ — peões e velocípedes, em particular, crianças, idosos, grávidas,


pessoas com mobilidade reduzida ou pessoas com deficiência;

Passam a existir ‘Zonas de coexistência’ — zona da via pública especialmente concebida para
utilização partilhada por peões e veículos, onde vigoram regras especiais de trânsito e sinalizada
como tal (Sinal a publicar).

Numa zona de coexistência devem ser observadas as seguintes regras:


-Os utilizadores vulneráveis podem utilizar toda a largura da via pública;
-É permitida a realização de jogos na via pública;
-Os condutores não devem comprometer a segurança ou a comodidade dos demais utentes da via
pública, devendo parar se necessário;
-Os utilizadores vulneráveis devem abster-se de atos que impeçam ou embaracem
desnecessariamente o trânsito de veículos;
-É proibido o estacionamento, salvo nos locais onde tal for autorizado por sinalização;
-O condutor que saia de uma zona residencial ou de coexistência deve ceder passagem aos
restantes veículos.
‘ Zonas de coexistência’ --Velocidade max. 20 Km/
-O condutor de um veículo não pode pôr em perigo os utilizadores vulneráveis.
-Os eventos desportivos, festivos ou outras que possam afetar o trânsito normal ou colocar
restrições ao trânsito dos peões nos passeios só é permitida desde que autorizada pelas entidades
competentes, e com a correspondente aplicação local de sinalização temporária e identificação de
obstáculos.
-No caso de realização de obras que coloquem restrições ao trânsito nos passeios, é obrigatório
assegurar a comunicação entre os locais servidos pelo passeio, de forma a garantir a segurança e a
circulação.

Pag. 57 / 86
Não podem ser colocados nas vias públicas ou nas suas proximidades quadros, painéis,
anúncios, cartazes, focos luminosos, inscrições ou outros meios de publicidade que possam:

-Confundir-se com os sinais de trânsito ou prejudicar a sua visibilidade ou reconhecimento;


-Prejudicar a visibilidade nas curvas, cruzamentos ou entroncamentos;
-Perturbar a atenção do condutor, prejudicando a segurança da condução;
-Dificultar, restringir ou comprometer a comodidade e segurança da circulação de peões nos
passeios.

CONDUTORES DE VELOCÍPEDES

-Os velocípedes conduzidos por crianças até 10 anos (equiparados a peões) podem circular nos
passeios, desde que não ponham em perigo ou perturbem os peões.

-Os condutores de velocípedes devem transitar pelo lado direito da via de trânsito, conservando
das bermas ou passeios uma distância suficiente que permita evitar acidentes.
-Estes condutores de velocípedes podem ainda, circular paralelamente numa via, exceto em vias
com reduzida visibilidade ou sempre que exista intensidade de trânsito, desde que não circulem
em paralelo mais que dois velocípedes e tal não cause perigo ou embaraço ao trânsito.
-Os velocípedes podem atrelar, à retaguarda, um reboque de um eixo especialmente destinado ao
transporte de passageiros e devidamente homologado.
-Os velocípedes podem ainda ser equipados com uma cadeira especialmente concebida e
homologada para o transporte de crianças com idade inferior a 7 anos.

-O condutor de um veículo motorizado deve manter entre o seu veículo e um velocípede que
transite na mesma faixa de rodagem uma distância lateral de pelo menos 1,5 m, para evitar
acidentes.

-Na ultrapassagem de velocípedes ou à passagem de peões que circulem ou se encontrem na


berma, guarda a distância lateral mínima de 1,5 m e abranda a velocidade.

-Para a realização da manobra, o condutor deve ocupar o lado da faixa de rodagem destinado à
circulação em sentido contrário ou se existir mais que uma via de trânsito no mesmo sentido, a via
de trânsito à esquerda daquela em que circula o veículo ultrapassado.

-Os velocípedes com motor, as trotinetas com motor, bem como os dispositivos de circulação com
motor elétrico, autoequilibrados e automotores ou outros meios de circulação análogos com motor
são equiparados a velocípedes.

-Quando existam pistas especialmente destinadas a animais ou veículos de certas espécies, o


trânsito destes deve fazer-se preferencialmente por aquelas pistas.

-Nas pistas destinadas a velocípedes, é proibido o trânsito daqueles que tiverem mais de duas
rodas não dispostas em linha ou que atrelem reboque, exceto se o conjunto não exceder a largura
de 1 m.

-Os peões só podem utilizar as pistas especiais quando não existam locais que lhes sejam
especialmente destinados.

-Os peões não devem parar na faixa de rodagem ou utilizar os passeios e as bermas de modo a
prejudicar ou perturbar o trânsito.

-Ao aproximar-se de uma passagem de peões ou velocípedes assinalada, em que a circulação de


veículos estando ou não regulada por sinalização luminosa, o condutor, mesmo que a

Pag. 58 / 86
sinalização lhe permita avançar, deve deixar passar os peões ou os -velocípedes que já tenham
iniciado a travessia da faixa de rodagem.

-Ao mudar de direção, o condutor, mesmo não existindo passagem assinalada para a travessia de
peões ou velocípedes, deve reduzir a sua velocidade e, se necessário, parar a fim de deixar passar
os peões ou velocípedes que estejam a atravessar a faixa de rodagem da via em que vai entrar.

TRANSPORTE DE CRIANÇAS

-As crianças com menos de 12 anos de idade transportadas em automóveis equipados com cintos
de segurança, desde que tenham altura inferior a 135 cm, devem ser seguras por sistema de
retenção homologado e adaptado ao seu tamanho e peso.
-As crianças com deficiência que apresentem condições graves de origem neuro motora,
metabólica, degenerativa, congénita ou outra podem ser transportadas em assentos, cadeiras ou
outros sistemas de retenção tenham em conta as suas necessidades específicas e sejam prescritos
por médico da especialidade.

-Podem ser transportadas crianças no banco da frente:

a) Se a criança tiver idade inferior a 3 anos e o transporte se fizer utilizando sistema de retenção
virado para a retaguarda, não podendo, neste caso, estar ativada a almofada de ar frontal no lugar
do passageiro;
Se a criança tiver idade igual ou superior a 3 anos pode ser transportada no banco da frente se
b)
o automóvel não dispuser de cintos de segurança no banco da retaguarda, ou não dispuser deste
banco.

Nota: Existem 5 grupos de assentos de retenção para transporte de crianças.

ENTRADA E SAÍDA DE PASSAGEIROS

Veículo estacionado do lado direito - a entrada e saída de todos os passageiros faz-se pelo lado
direito com exceção do condutor.
Veículo estacionado do lado esquerdo a entrada e saída de passageiros faz-se pelo lado esquerdo
com exceção do passageiro que está sentado à frente ao lado do condutor.

VISIBILIDADE REDUZIDA OU INSUFICIENTE

É quando o condutor não consegue avistar a faixa de rodagem em toda a sua largura e numa
extensão de pelo menos 50 m.

Se só conseguirmos ver bem a estrada até 49 m temos má visibilidade, mas se ele vir a estrada em
50 m já é boa visibilidade.
ILUMINAÇÃO DOS VEÍCULOS

É obrigatória desde o anoitecer até ao amanhecer.


De dia é obrigatório acender as luzes de cruzamento nos túneis, transporte mercadorias
perigosas, vias de sentido reversível e quando as condições atmosféricas o exigirem, nuvens de pó
e de fumo, neve, gelo, chuva intensa.
Os ciclomotores e motociclos mesmo durante o dia também devem usar as luzes de cruzamento.

Pag. 59 / 86
De dia é ainda obrigatório ter os mínimos acesos quando o veículo aguarda parado a abertura de
uma passagem de nível, quando esta se abre acendem-se as luzes de cruzamento (médios).

Avaria total das luzes

Sempre que seja obrigatória a utilização de dispositivos de iluminação e de sinalização


luminosa, é proibido a circulação de veículos com avaria dos dispositivos referidos.

Estes condutores devem ligar as luzes avisadoras de perigo, caso em que apenas podem transitar
pelo tempo estritamente necessário até um local de paragem ou estacionamento.

Avaria parcial das luzes

O trânsito de veículos com avaria parcial nas luzes é permitido quando os mesmos
disponham de, pelo menos:

a) À frente: dois médios ou o médio do lado esquerdo, neste caso conjuntamente com os dois
minimos.
b) À retaguarda o indicador de presença do lado esquerdo e uma das luzes de travagem, quando
obrigatória.

UTILIZAÇÃO DAS LUZES


Mínimos
-Só servem para assinalar a presença e a largura do veículo e servem para que o veículo seja
visível a 150m.

-Não servem para iluminar a estrada.


-Nunca posso, em lugar algum, circular só com os mínimos acesos.
- Durante a paragem ou estacionamento ou enquanto aguardam a abertura das passagens de nível

Médios (luzes de cruzamento)


- No cruzamento com outros veículos, pessoas ou animais.
- Quando o veículo transite a menos de 100 m daquele que o precede
-No interior das localidades.
- Substituição de sinais sonoros durante a noite dentro das localidades

Máximos
-Fora das localidades quando não haja um veiculo a menos de 100 m, circulando no mesmo ou em
sentido contrário

Pag. 60 / 86
LUZES OBRIGATÓRIAS PARA VEÍCULOS LIGEIROS E PESADOS

À frente

-2 Mínimos (luzes de presença) - unicamente brancos, visíveis a 150 m.


-2 Médios - brancos ou amarelos, iluminando a estrada ou seja com um alcance não superior a
30 m. Não causam encandeamento
-2 Máximos - brancos ou amarelos iluminando a estrada no mínimo 100 m.
-2 Sinais luminosos de mudança de direção - brancos ou alaranjados (frente).

Atrás

-2 Mínimos (luzes de presença), unicamente vermelhos, visíveis a 150 m.


-2 Luzes de paragem (STOP) - vermelhos ou alaranjados
-2 Sinais luminosos de mudança de direção - vermelhos ou alaranjados.
-1 Luz de chapa de matrícula - branca, legível no máximo a 20 m.
-1 Ou 2 luzes de marcha atrás de cor branca com alcance máximo de 10 m, não provoca
encadeamento (não obrigatórias)
-Luzes de nevoeiro - só são obrigatórias a partir de Maio de 1990. Unicamente vermelhas

SINAIS DE MUDANÇA DE DIRECÇÃO (piscas)

Os condutores são obrigados a fazer o sinal de mudança de direção com a necessária


antecedência quando pretendem mudar de direção, de fila de trânsito, ultrapassar, parar ou
estacionar e fazer inversão do sentido de marcha.
A falta destes sinais é contra ordenação grave.

REFLECTORES À RECTAGUARDA

São sempre de cor vermelha e obrigatórios para todos os veículos.

LUZES AVISADORAS DE PERIGO

São os indicadores de mudança de direção usados em simultâneo, sempre que o veículo é


imobilizado bruscamente, quando o veículo é rebocado ou circula em serviço de urgência.

TENHO DE PASSAR DOS MÁXIMOS PARA AS LUZES MÉDIAS

- Ao entrar numa localidade


- No cruzamento com outros veículos, pessoas ou animais
- Sempre que transitar a menos de 100 m do veiculo precedente (da frente)

Pag. 61 / 86
VEÍCULOS DE TRANSPORTE COLECTIVO DE PASSAGEIROS (autocarros).

Nós somos obrigados a ceder a passagem sempre que estes veículos retomem a marcha à saída dos
locais de paragem.

VEÍCULOS PRIORITÁRIOS

- São todos os que transitam em missão urgente de socorro assinalando adequadamente a


marcha de urgência.

OS VEÍCULOS PRIORITÁRIOS

- Podem deixar de observar as regras e sinais de trânsito desde que não ponham em perigo os
utentes da via
- Têm prioridade ao sair de parques de estacionamento, prédios, garagens, bombas de
gasolina, desde que tomem todas as precauções.
- Têm prioridade ao entrar em rotundas
- Podem passar no sinal vermelho ou sinal de STOP depois de reduzir e parar para verificarem
que não poem em perigo os outros utentes da via.
- Os veículos prioritários NÃO TÊM PRIORIDADE ao entrar nas autoestradas e nas passagens de

nível

OS VEÍCULOS PRIORITÁRIOS SÃO OBRIGADOS

-A respeitar as ordens dos agentes reguladores de trânsito


-Parar perante o sinal vermelho e perante o sinal de STOP embora possam prosseguir a marcha
depois de tomadas as devidas precauções sem esperar pelo sinal verde
-Nos restantes casos devem abrandar e tomar as precauções e depois avançar.

VELOCIDADE EXCESSIVA

-É quando o condutor não consegue parar o veículo no espaço livre e visível à sua frente ou
quando o condutor excede os limites de velocidade fixados pela lei.
-Dependendo dos valores excedidos o excesso de velocidade pode ser leve grave ou muito grave.

Pag. 62 / 86
Limites de Velocidade 2014

Pag. 63 / 86
VELOCIDADE MODERADA

a) À aproximação de passagens assinaladas na faixa de rodagem para a travessia de peões


e ou velocípedes;
b)À aproximação de escolas, hospitais, creches e estabelecimentos similares, quando
devidamente sinalizados;
c)Nas localidades ou vias marginadas por edificações;
d)Nas zonas de coexistência;
e)À aproximação de vias de utilizadores vulneráveis;
f)À aproximação de aglomerações de pessoas ou animais;
g)Nas descidas de inclinação acentuada;
h)Nas curvas, cruzamentos, entroncamentos, rotundas, lombas e outros locais de
visibilidade reduzida;
i)Nas pontes, túneis e passagens de nível;
j)Nos troços de via em mau estado de conservação, molhados, enlameados ou que
ofereçam precárias condições de aderência;
k)Nos locais assinalados com sinais de perigo;
l)Sempre que exista grande intensidade de trânsito.

Andamento em marcha lenta


É proibido quando a lentidão causa embaraço aos restantes utentes da via.
No entanto pode circular-se a 10 quilómetros à hora desde que não se embarace o trânsito.

Diminuição brusca de velocidade


O condutor não deve diminuir subitamente a velocidade sem previamente se certificar que daí
não resulta perigo para os veículos que transitam à sua retaguarda.

MANOBRAS
Início de marcha, paragem ou estacionamento, ultrapassagem, mudança de direcção, inversão do
sentido de marcha e marcha atrás--só podem ser efetuadas desde que não resulte perigo nem

embaraço para o trânsito.

Ultrapassagens
O condutor do veículo não deve iniciar a ultrapassagem sem se certificar de que a pode realizar
sem perigo de colidir com veículo que transite no mesmo sentido ou em sentido contrário.

O condutor deve, especialmente, certificar-se que:


a) A faixa de rodagem se encontra livre na extensão e largura necessárias à realização da manobra
com segurança;
b) Pode retomar a direita sem perigo para aqueles que aí transitam;
c) Nenhum condutor que siga na mesma via ou na que se situa imediatamente à esquerda iniciou
manobra para o ultrapassar;

Pag. 64 / 86
Para ultrapassar o condutor:

-Deve dar o sinal de mudança de direção para a esquerda, dar sinal ao condutor da frente que o
quer ultrapassar, acelerar e só retomar o lado direito da via quando verificar que daí não resulta
perigo para o carro ultrapassado, dever ver isso pelo espelho retrovisor.
-REGRA GERAL - deve fazer-se pelo lado esquerdo da via, mas também se pode ultrapassar
pelo lado direito nalguns casos excecionais.

Ultrapassagem pelo lado direito (exceções)

Só se pode ultrapassar pelo lado direito:

1) Veículos que transitem sobre carris e que estejam em andamento ou se estiverem parados
desde que não estejam a receber ou largar passageiros ou exista placa de refúgio para os peões.
2) Veículos cujo condutor assinale a sua intenção de mudar de direção para o lado esquerdo.
3) Numa via de sentido único se os veículos que mostrem intenção de estacionar do lado

esquerdo.

É proibida a ultrapassagem:

a) Nas lombas;
b) Imediatamente antes e nas passagens de nível;
c) Imediatamente antes e nos cruzamentos e entroncamentos;
d)
e)
Imediatamente antes e nas passagens assinaladas para a travessia de peões e velocípedes.
f) Nas curvas de visibilidade reduzida;
g) Em todos os locais de visibilidade insuficiente;
Sempre que a largura da faixa de rodagem seja insuficiente.

É ainda proibida a ultrapassagem de um veículo que esteja a ultrapassar um terceiro.

Quem está a ser ultrapassado é obrigado a:


Chegar-se o mais à direita possível e não aumentar a velocidade (manter a velocidade e
encostar-se o mais à direita).

Se aquele que está a ser ultrapassado não respeitar o código e aumentar a velocidade nós devemos
desistir da manobra.

Veículos de marcha lenta


-Fora das localidades, em vias cuja faixa de rodagem só tenha uma via de trânsito afeta a cada
sentido, os condutores de automóveis pesados, de veículos agrícolas, de máquinas industriais, de
veículos de tração animal ou de outros veículos, com exceção dos velocípedes, que transitem em
marcha lenta devem manter em relação aos veículos que os precedem uma distância não inferior
a 50 m que permita a sua ultrapassagem com segurança.

Pag. 65 / 86
MUDANÇA DE DIREÇÃO PARA A DIREITA

-O condutor que pretenda mudar de direção para a direita deve aproximar-se, com a necessária
antecedência e quanto possível, do limite direito da faixa de rodagem e efetuar a manobra no
trajeto mais curto.

MUDANÇA DE DIREÇÃO PARA A ESQUERDA

-O condutor que pretenda mudar de direção para a esquerda deve:


Aproximar-se, com a necessária antecedência e o mais possível, do limite esquerdo da faixa de
rodagem se esta for de sentido único.
Se esta for de dois sentidos, aproximar-se, com a necessária antecedência do eixo da via .

-Deve efetuar a manobra:

Tanto na via que vai abandonar como naquela em que vai entrar, se o trânsito se processa nos dois
sentidos, o condutor deve efetuar a manobra de modo a dar a esquerda ao centro de intersecção
das duas vias, ou seja entrar de forma a que o veículo fique pela direita de via.

MARCHA ATRÁS
Realização da manobra
-A marcha atrás só é permitida como manobra auxiliar ou de recurso e deve efetuar-se
lentamente ,no menor trajeto possível e o mais à direita possível.

Lugares em que é proibida

a) Nas lombas;
b) Nas curvas, rotundas e cruzamentos ou entroncamentos de visibilidade reduzida;
c) Nas pontes, passagens de nível e túneis;
d)
Onde quer que a visibilidade seja insuficiente ou que a via, pela sua largura ou outras
características, não permita realizar a manobra.

INVERSÃO DO SENTIDO DE MARCHA


Definição:
É voltar o veículo na mesma via de modo a que este circule em sentido contrário.
É obrigatório fazer o sinal de mudança de direção para a esquerda.

Lugares em que é proibida

a) Nas lombas;
b) Nas curvas, cruzamentos ou entroncamentos de visibilidade reduzida;
c) Nas pontes, passagens de nível e túneis;
d)
Onde quer que a visibilidade seja insuficiente ou que a via, pela sua largura ou outras
características, seja inapropriada à realização da manobra;
e) Sempre a sinalização o proíba
f) Sempre que se verifique grande intensidade de trânsito.

Pag. 66 / 86
Numa via de sentido único
É proibido fazer inversão de marcha mas pode-se fazer marcha atrás.

PARAGEM E ESTACIONAMENTO

-Considera-se paragem a imobilização de um veículo pelo tempo estritamente necessário para a


entrada ou saída de passageiros ou para breves operações de carga ou descarga, desde que o
condutor esteja pronto a retomar a marcha e o faça sempre que estiver a impedir ou a dificultar a
passagem de outros veículos.

-Considera-se estacionamento a imobilização de um veículo que não constitua paragem e que


não seja motivada por circunstâncias próprias da circulação.

Como devem efetuar-se:


-Fora das localidades, a paragem e o estacionamento devem fazer-se fora das faixas de rodagem
ou, sendo isso impossível e apenas no caso de paragem, o mais próximo possível do respetivo
limite direito.

-Dentro das localidades, a paragem e o estacionamento devem fazer-se nos locais especialmente
destinados a esse efeito e pela forma indicada ou na faixa de rodagem, o mais próximo possível do
respetivo limite direito.

-Ao estacionar o veículo, o condutor deve deixar os intervalos indispensáveis à saída de outros
veículos, à ocupação dos espaços vagos e ao fácil acesso aos prédios, bem como tomar as
precauções indispensáveis para evitar que aquele se ponha em movimento.

Detenção do veículo -- quando à uma imobilização motivada por circunstâncias próprias da


circulação na faixa de rodagem.

PROIBIÇÃO DE PARAGEM OU ESTACIONAMENTO

-É proibido parar ou estacionar:


a)Nas rotundas, pontes, túneis, passagens de nível, passagens inferiores ou superiores e
em todos os lugares de visibilidade insuficiente;
b)A menos de 5 m para um e outro lado dos cruzamentos, entroncamentos ou rotundas.
c)A menos de 5 m para a frente e 25 m para trás dos sinais indicativos da paragem dos
veículos de transporte coletivo de passageiros.
d)A menos de 6 m de veículos de transporte coletivo de passageiros quando os referidos
veículos transitem sobre carris;
e)A menos de 5 m antes e nas passagens assinaladas para a travessia de peões ou de
velocípedes;
f)A menos de 20 m antes dos sinais verticais ou luminosos se a altura dos veículos,
incluindo a respetiva carga, os encobrir; caso contrário é a 5 m.
g)Nas pistas de velocípedes, nos ilhéus direcionais, nas placas centrais das rotundas, nos
passeios e demais locais destinados ao trânsito de peões;
h)Na faixa de rodagem sempre que esteja sinalizada com linha longitudinal contínua e a
distância entre esta e o veículo seja inferior a 3 m.

Pag. 67 / 86
-Fora das localidades é ainda proibido parar ou estacionar:
a)Parar ou estacionar a menos de 50 m para um e outro lado dos cruzamentos,
entroncamentos, rotundas, curvas ou lombas de visibilidade reduzida;
b)Estacionar nas faixas de rodagem (de noite contra ordenação muito grave).
c)Parar na faixa de rodagem.
a)Nos lugares por onde se faça o acesso de pessoas ou veículos a propriedades, a parques
ou a lugares de estacionamento;
b)A menos de 10 m para um e outro lado das passagens de nível;
c)A menos de 5 m para um e outro lado dos postos de abastecimento de combustíveis;
d)Nos locais reservados, mediante sinalização, ao estacionamento de determinados
veículos;
e)De veículos agrícolas, máquinas industriais, reboques ou semirreboques quando não
atrelados ao veículo trator, salvo nos parques de estacionamento especialmente destinados a esse
efeito;
f)Nas zonas de estacionamento de duração limitada quando não for cumprido o respetivo
regulamento;
g)De veículos ostentando qualquer informação com vista à sua transação, em parques de
estacionamento.

ESTACIONAMENTO INDEVIDO OU ABUSIVO

Considera-se estacionamento indevido ou abusivo:


a)O de veículo, durante 30 dias ininterruptos, em local da via pública ou em parque ou
zona de estacionamento isentos do pagamento de qualquer taxa;
b)O de veículo, em parque de estacionamento, quando as taxas correspondentes a cinco
dias de utilização não tiverem sido pagas;
c)O de veículo, em zona de estacionamento condicionado ao pagamento de taxa, quando
esta não tiver sido paga ou tiverem decorrido duas horas para além do período de tempo pago;
d)O de veículo que permanecer em local de estacionamento limitado mais de duas horas
para além do período de tempo permitido;
e)O de veículos agrícolas, máquinas industriais, reboques e semirreboques não atrelados
ao veículo trator e o de veículos publicitários que permaneçam no mesmo local por tempo superior
a 72 horas, ou a 30 dias, se estacionarem em parques a esse fim destinados;
f) O que se verifique por tempo superior a 48 horas, quando se trate de veículos que apresentem
sinais exteriores evidentes de abandono, de inutilização ou de impossibilidade de se deslocarem
com segurança pelos seus próprios meios;
g)O de veículos ostentando qualquer informação com vista à sua transação, em parque de
estacionamento ou na via pública;
h)O de veículos sem chapa de matrícula ou com chapa que não permita a correta leitura
da matrícula.

i)

BLOQUEAMENTO E REMOÇÃO

Os veículos que se encontrem estacionados indevidamente ou abusivamente:


b)Estacionados ou imobilizados na berma de autoestrada ou via equiparada;
c)Estacionados ou imobilizados de modo a constituírem evidente perigo ou grave
perturbação para o trânsito;
d)Estacionados ou imobilizados em locais que, por razões de segurança, de ordem
pública, de emergência ou de socorro, justifiquem a remoção.

Pag. 68 / 86
Para os efeitos, considera-se que constituem evidente perigo ou grave perturbação para o
trânsito os seguintes casos de estacionamento ou imobilização:

a) Em via ou corredor de circulação reservados a transportes públicos;


b) Em local de paragem de veículos de transporte coletivo de passageiros;
c) Em passagem de peões ou de velocípedes sinalizada;
d)
Em cima dos passeios ou em zona reservada exclusivamente ao trânsito de utilizadores
vulneráveis;
e)Na faixa de rodagem, sem ser junto da berma ou passeio;
f)Em local destinado ao acesso de veículos ou peões a propriedades, garagens ou locais
de estacionamento;
g)Em local destinado ao estacionamento de veículos de certas categorias, ao serviço de
determinadas entidades ou utilizados no transporte de pessoas com deficiência;
h)Em local afeto à paragem de veículos para operações de carga e descarga ou tomada e
largada de passageiros;
i)Impedindo o trânsito de veículos ou obrigando à utilização da parte da faixa de
rodagem destinada ao sentido contrário, conforme o trânsito se faça num ou em dois sentidos;
j) Na faixa de rodagem, em segunda fila;
l) Em local em que impeça o acesso a outros veículos devidamente estacionados ou a saída
destes;
m) De noite, na faixa de rodagem, fora das localidades, salvo em caso de imobilização por
avaria devidamente sinalizada;
n) Na faixa de rodagem de autoestrada ou via equiparada.

ESTADO FÍSICO E PSICOLÓGICO


VISÃO:

Visão cromática- capacidade de distinguir as cores.

Campo visual ou visão lateral ou periférica- capacidade de ver para os lados sem mover a
cabeça.

Visões em túnel- os objetos parecem mais longe do que na realidade estão.

Visão estereoscópica- visão em profundidade; capacidade de distinguir distâncias, espaço e


velocidade

Acuidade visual- ver com nitidez; distinguir bem os objetos.

Visão noturna- é tudo aquilo que se consegue ver durante a noite com recurso às luzes do veículo.
A audição ajuda-nos na recolha de informação.

NOTA- Durante a visão noturna também se pode dar a visão cromática

Estados emocionais:
Um condutor afetado emocionalmente é um condutor que não pratica uma condução segura
porque não está atento ao que passa à sua volta.

Pag. 69 / 86
Fadiga e sonolência

Para evitar fadiga na condução principalmente em viagens longas devemos parar de 2 em 2


horas, descansar bem antes de iniciar a viagem; e se surgir sonolência parar e descansar.
Adotar uma posição correta ao volante vai também retardar a fadiga física.

Medicamentos e substâncias psicotrópicas


A condução sob efeito de psicotrópicos poderá constituir crime.
Todos os condutores, e todos os intervenientes em acidente de viação são obrigados a efetuar
exame de álcool e psicotrópicos

Álcool
Alcoolémia- presença de álcool no sangue.

Taxa de alcoolémia- quantidade de álcool em gramas por litro de sangue.

Quando o condutor tem 0,5 g/l de álcool no sangue, quer dizer que, em cada litro de sangue existe 0,5g
de álcool puro
Nota-O álcool é eliminado do sangue (fígado) por um processo muito lento, cerca de 0,1g por
hora.

Procedimento para a fiscalização da condução sob influência de álcool ou de


substâncias psicotrópicas

-Devem submeter-se às provas estabelecidas para a deteção dos estados de influenciado pelo
álcool ou por substâncias psicotrópicas:

a) Os condutores;
b) Os peões, sempre que sejam intervenientes em acidentes de trânsito;
c) As pessoas que se propuserem iniciar a condução.

Considera-se sob influência de álcool:

O condutor em regime probatório ( menos de 3 anos de carta) e o condutor de veículo de


socorro ou de serviço urgente, de transporte coletivo de crianças e jovens até aos 16 anos, de táxi,
de automóvel pesado de passageiros ou de mercadorias ou de transporte de mercadorias perigosas
que apresente uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,2 g/l ou que, após exame
realizado nos termos previstos no presente Código e legislação complementar, seja como tal
considerado em relatório médico.

Os restantes condutores só estão sob o efeito do alcool a partir dos 0,5 g/l.

Com o consume de álcool pelo condutor:


-Aumenta o tempo de reação
-Diminui a resistência fisica;
-Diminui a capacidade de reação.
-O álcool mesmo consumido em pequenas quantidades prejudica a condução;
-O ácool manifesta-se no condutor logo de imediato;
-O álcool atinge o máximo no organismo do condutor durante a primeira hora;

Pag. 70 / 86
-O ácool é sempre considerado contraordenação?
Não, para além de contraordenação também pode ser considerado crime se tiver 1.2 g/l ou mais de
ácool no sangue.

IMPEDIMENTO DE CONDUZIR

1-Quem apresentar resultado positivo no exame de pesquisa de álcool ou recusar ou não puder
submeter-se a tal exame, fica impedido de conduzir pelo período de doze horas, a menos que
comprove, antes de decorrido esse período, que não está influenciado pelo álcool, através de
exame por si requerido.

2-Os condutores, caso o exame de rastreio seja positivo de substâncias psicotrópicas, ficam
impedidos de conduzir pelo período de 48 horas, salvo se, antes de decorrido aquele período,
apresentarem resultado negativo em novo exame de rastreio;

3-Os condutores e os peões intervenientes em acidentes devem, sob pena de crime de


desobediência, submeter-se aos exames de rastreio e avaliação do estado de influenciado por
substâncias psicotrópicas;

4-Quem conduzir sob o efeito do álcool no período em que está impedido de o fazer é punido por
crime de desobediência qualificada.

Veículos Automóvel

-Automóvel é o veículo com motor de propulsão, dotado de pelo menos quatro rodas, com tara
superior a 550 kg, cuja velocidade mínima é, por construção, superior a 25 km/h, e que se
destina, pela sua função, a transitar na via pública, sem sujeição a carris.

Os automóveis classificam-se em:

a) Ligeiros — veículos com peso bruto igual ou inferior a 3500 kg e com lotação não superior a
nove lugares, incluindo o do condutor;
b)
c) Pesados — veículos com peso bruto superior a 3500 kg ou com lotação superior a nove
lugares, incluindo o do condutor.

Os automóveis ligeiros ou pesados incluem-se, segundo a sua utilização, nos seguintes tipos:

a) De passageiros — os veículos que se destinam ao transporte de pessoas;

b) De mercadorias — os veículos que se destinam ao transporte de carga.


-Os automóveis de passageiros e de mercadorias que se destinam ao desempenho de função
diferente do normal transporte de passageiros ou de mercadorias são considerados especiais

Pag. 71 / 86
Motociclos, ciclomotores, triciclos e quadriciclos

1 Motociclo é o veículo dotado de duas rodas, com ou sem carro lateral, com motor de propulsão
com cilindrada superior a 50 cm3, no caso de motor de combustão interna, ou que, por construção,
exceda em patamar a velocidade de 45 km/h.

2 Ciclomotor é o veículo dotado de duas ou três rodas, com uma velocidade máxima, em
patamar e por construção, não superior a 45 km/h, cilindrada não superior a 50 cm3 e cuja potência
máxima não exceda 4 kW, tratando-se de motor elétrico.

3 Triciclo é o veículo dotado de três rodas dispostas simetricamente, (uma roda à frente e duas
atrás) com motor de propulsão com cilindrada superior a 50 cm3, com velocidade em patamar
superior a 45 km/h.

Quadriciclo é o veículo dotado de quatro rodas, classificando -se em:


1 Ligeiro — veículo com velocidade máxima, em patamar e por construção, não superior a 45
km/h, peso bruto não exceda 350 kg, com motor de cilindrada não superior a 50 cm3,ou cuja
potência máxima não seja superior a 4 kW
2 Pesado — veículo com motor de potência não superior a 15 kW e cuja peso bruto não exceda
400 kg ou 550 kg, consoante se destine, respetivamente, ao transporte de passageiros ou de
mercadorias.

Veículos agrícolas
-Trator agrícola ou florestal é o veículo cuja função principal reside na potência de tração,
especialmente concebido para ser utilizado com reboques, alfaias ou outras máquinas destinadas a
utilização agrícola ou florestal.

-Tratocarro é destinada ao transporte de produtos agrícolas ou florestais e cujo peso bruto não
ultrapassa 3500 kg, sendo equiparado, para efeitos de circulação, a trator agrícola.

Reboques
1 Reboque é o veículo destinado a transitar atrelado a um veículo a motor.
2 Semirreboque é o reboque cuja parte da frente assenta sobre o veículo a motor, distribuindo o
peso sobre este.

CARGAS E DESCARGAS DE VEÍCULOS DE MERCADORIAS

As cargas e descargas devem ser feitas pela retaguarda ou pelo lado da faixa de rodagem onde o
veículo estiver estacionado.

-Cuidados a ter com a colocação da carga


- A carga não deverá reduzir a visibilidade do condutor
- Não arrastar no pavimento
- Não exceder a altura de 4 m a contar do solo
- Não vir a cair sobre a via ou oscilar para que haja perigo
- Não por em perigo o equilíbrio do veículo parado ou em marcha. Estar bem distribuída.
-A carga pode exceder o comprimento (desde que devidamente sinalizada e autorizada e

acompanhada pelo veículo piloto ou PSP)

Pag. 72 / 86
SINALIZAÇÃO DE VEÍCULOS CUJA CARGA EXCEDE O SEU
COMPRIMENTO

SP1- sinaliza a carga quando esta excede a largura e a altura do veículo que a transporta.

SP2- sinaliza a carga quando esta excede o comprimento do veículo que a transporta.

Durante a noite quando a carga excede as dimensões do veículo que a transporta devem ser
sinalizados com luzes vermelhas atrás e brancas à frente nas extremidades da carga.

Aplicação
O código da estrada é aplicável nas vias do domínio público e privado, quando abertas ao
trânsito público.

Liberdade de trânsito
A circulação é livre, com as restrições constantes do presente Código da estrada e legislação
complementar.

TÍTULO DA HABILITAÇÃO LEGAL PARA CONDUZIR


— Só pode conduzir um veículo a motor na via pública quem estiver legalmente habilitado para o
efeito.
Requisito para obter título (carta) de condução- saber ler e escrever

«Carta de condução» documento que titula a habilitação legal para conduzir ciclomotores, motociclos,
triciclos, quadriciclos pesados e automóveis.
«Licença de condução» documento que titula a habilitação legal para conduzir outros veículos a
motor diferente dos mencionados no anterior.
Fica sujeito a regime probatório quem obter carta condução durante os três primeiros anos da sua
validade.
Os titulares de carta de condução das categorias AM e A1 ou quadriciclos ligeiros ficam
sujeitos ao regime probatório quando obtenham habilitação para conduzir outra categoria de
veículos, ainda que o título inicial tenha mais de três anos de validade.

Apreensão preventiva de títulos de condução


Os títulos de condução devem ser preventivamente apreendidos pelas autoridades de
investigação criminal ou de fiscalização ou seus agentes quando:

a) Suspeitem da sua contrafação ou viciação fraudulenta;


b) Tiver expirado o seu prazo de validade;

Pag. 73 / 86
Cassação do título de condução

A Cassação da Carta de condução é declarada pelo Tribunal perante:

- A carta de condução em regime probatório caduca se o seu titular for condenado pela prática
de um crime rodoviário, de uma contraordenação muito grave ou de duas contraordenações
graves., ou lhe for atribuída a sanção acessória de inibição de conduzir.

Com a carta definitiva

O condutor perde a carta se no período de cinco cometer 3 contra ordenações muito graves e 5
graves ou então uma mistura entre contra ordenações muito graves e graves no total de 5.
-A quem tenha sido cassado o título de condução não é concedido novo título de condução de

veículos a motor de qualquer categoria antes de decorridos dois anos sobre a efetivação da
cassação.

DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS QUE O CONDUTOR DEVE SER


PORTADOR
- Cartão de cidadão
- Carta ou licença de condução
- Título de registo de propriedade
- Livrete
- Seguro

- Ficha de inspeção periódica (para os veículos que estejam abrangidos)

REVALIDAÇÕES DAS CATEGORIAS DE LIGEIROS E DE MOTOCICLO

RENOVAÇÃO PESADOS

Para as categorias C, CE, D, DE, a renovação começa aos 25 anos e depois de cinco em cinco
anos até aos 70 anos.
A partir dos 70 anos e para todas a categorias as renovações passam a ser de 2 em 2 anos.

Pag. 74 / 86
CARTAS DE CONDUÇÃO

Pag. 75 / 86
Pag. 76 / 86
Destaca‐se ainda:

-Só podem conduzir automóveis das categorias D e D+E, e ainda da categoria C+E, os condutores
de idade até 65 anos.

-Os titulares de carta de condução válida para a categoria B podem desde que maiores de 25 anos
conduzir ciclomotores e motociclos até 125cc e 11kw de potência.

Os titulares de licença e condução válida para a condução de ciclomotores ou de motociclos de


cilindrada não superior a 50cm3, cuja habilitação tenha sido obtida antes de 26 de março de 2005,
permanecem habilitados para a condução de triciclos de cilindrada não superior a 50cm3 e de
quadriciclos ligeiros.

Só pode conduzir motociclos de potência superior a 35kw quem:


Esteja habilitado, há pelo menos dois anos, a conduzir veículos da categoria A2, descontado o
tempo em que tenha estado proibido ou inibido de conduzir e se submeta a ação de formação em
Escola de Condução.
Seja maior de 24 anos e tenha sido aprovado em prova prática realizada em motociclo sem carro
lateral e de potência igual ou superior a 40kw e cilindrada de pelo menos 600cm3.

RESPONSABILIDADE

Condutor do veículo, é responsável pelas infrações cometidas por si no exercício da condução.

Os condutores de veículos que transportem passageiros menores ou inimputáveis e permitam


que estes não façam usam dos acessórios de segurança obrigatórios;

Os que facultem a utilização de veículos a pessoas que não estejam devidamente habilitadas para
conduzir, que estejam sob influência de álcool ou de substâncias psicotrópicas, ou que se
encontrem sujeitos a qualquer outra forma de redução das faculdades físicas ou psíquicas
necessárias ao exercício da condução

Os instrutores são responsáveis pelas infrações cometidas pelos instruendos, desde que não
resultem de desobediência às indicações da instrução.

Os examinandos respondem pelas infrações cometidas durante o exame.

ARREMESSO de qualquer objeto para o exterior do veículo, é da responsabilidade do condutor é


sancionado com coima de 60 a 300 euros.

Pag. 77 / 86
CLASSIFICAÇÃO DAS CONTRA ORDENAÇÕESRODOVIÁRIAS

As contra ordenações rodoviárias classificam-se em leves, graves e muito graves:

Leves -sancionáveis apenas com coima.

As graves -sancionáveis com coima e com sanção acessória de inibição de conduzir (1 mês a 1
ano)
As muito graves -sancionáveis com coima e com sanção acessória de inibição de conduzir (2
meses a 2 anos)

.NO EXERCÍCIO DA CONDUÇÃO, CONSIDERAM-SE GRAVES AS SEGUINTES


CONTRAORDENAÇÕES:

a) O trânsito de veículos em sentido oposto ao estabelecido;


b) O excesso de velocidade praticado fora das localidades superior a 30 km/h sobre os limites
legalmente impostos, quando praticado pelo condutor de motociclo ou de automóvel ligeiro, ou
superior a 20 km/h, quando praticado por condutor de outro veículo a motor;
c) O excesso de velocidade praticado dentro das localidades superior a 20 km/h sobre os limites
legalmente impostos, quando praticado pelo condutor de motociclo ou de automóvel ligeiro, ou
superior a 10 km/h, quando praticado por condutor de outro veículo a motor;
d) O excesso de velocidade superior a 20 km/h sobre os limites de velocidade estabelecidos para
o condutor ou especialmente fixados para o veículo, sem prejuízo do estabelecido nas alíneas b) ou
c);
e) O trânsito com velocidade excessiva para as características do veículo ou da via, para as
condições atmosféricas ou de circulação, ou nos casos em que a velocidade deva ser especialmente
moderada;
f) O desrespeito das regras e sinais relativos a distância entre veículos, cedência de passagem,
ultrapassagem, mudança de direção ou de via de trânsito, inversão do sentido de marcha, início de
marcha, posição de marcha, marcha atrás e atravessamento de passagem de nível;
g) A paragem ou o estacionamento nas bermas das autoestradas ou vias equiparadas;
h) O desrespeito das regras de trânsito de automóveis pesados e de conjuntos de veículos, em
autoestradas ou vias equiparadas;
i) A não cedência de passagem aos peões pelo condutor que mudou de direção dentro das
localidades, bem como o desrespeito pelo trânsito dos mesmos nas passagens para o efeito
assinaladas;
j) Trânsito de veículos sem utilização das luzes bem como o trânsito de motociclos, quadriciclos
e de ciclomotores sem utilização das luzes de cruzamento;
l)A condutor está sob influência de álcool, quando a taxa de álcool no sangue for igual ou
superior a 0,2 g/l e inferior a 0,5 g/l quando respeite a condutores em regime probatório,
condutores de veículo de socorro ou de serviço urgente, de transporte coletivo de crianças e jovens
até aos 16 anos, de táxi, de automóvel pesado de passageiros ou de mercadorias ou de transporte
de mercadorias perigosas, para os restantes condutores, quando a taxa de álcool no sangue for
igual ou superior a 0,5 g/l e inferior a 0,8 g/l;
m) A não utilização do sinal de pré-sinalização de perigo e das luzes avisadoras de perigo;
n) A utilização, durante a marcha do veículo, de auscultadores sonoros e de aparelhos
radiotelefónicos, salvo em algumas exceções;
o)A paragem e o estacionamento nas passagens assinaladas para a travessia de peões;
p) O transporte de passageiros menores ou inimputáveis sem que estes façam uso dos acessórios
de segurança obrigatórios.
q) Veículo sem seguro de responsabilidade civil.

Pag. 78 / 86
No exercício da condução, consideram-se muito graves as seguintes
contraordenações:

a) A paragem ou o estacionamento nas faixas de rodagem, fora das localidades, a menos de 50 m


dos cruzamentos e entroncamentos, curvas ou lombas de visibilidade insuficiente e, ainda, a
paragem ou o estacionamento nas faixas de rodagem das autoestradas ou vias equiparadas;
b) O estacionamento, de noite, nas faixas de rodagem, fora das localidades;
c) A não utilização do sinal de pré-sinalização de perigo, bem como a falta de sinalização de
veículo imobilizado por avaria ou acidente, em autoestradas ou vias equiparadas;
d) A utilização dos máximos de modo a provocar encandeamento;
e) A entrada ou saída das autoestradas ou vias equiparadas por locais diferentes dos acessos a
esses fins destinados;
f) A utilização, em autoestradas ou vias equiparadas, dos separadores de trânsito ou de aberturas
eventualmente neles existentes, bem como o trânsito nas bermas;
g) O trânsito de veículos em sentido oposto ao estabelecido quando praticado nas autoestradas ou
vias equiparadas;
h) O desrespeito das regras e sinais relativos a distância entre veículos, cedência de passagem,
ultrapassagem, mudança de direção ou de via de trânsito, inversão do sentido de marcha, início de
marcha, posição de marcha, marcha atrás e atravessamento de passagem de nível e ainda o trânsito
de veículos sem utilização das luzes, tudo isso, quando praticadas nas autoestradas ou vias
equiparadas.
i) Quando o excesso de velocidade for superior a 60 km/h (ligeiros e motociclos) ou a 40 km/h,
(outros veículos a motor) nas vias fora das localidades.
j) Quando o excesso de velocidade for superior a 40 km/h (ligeiros e motociclos) ou a 20 km/h,
(outros veículos a motor) nas vias dentro das localidades.
k) Quando a taxa de álcool no sangue for igual ou superior a 0,5 g/l e inferior a 1,2 g/l quando
respeite a condutores em regime probatório, condutor de veículo de socorro ou de serviço urgente,
de transporte coletivo de crianças e jovens até aos 16 anos, de táxi, de automóveis pesado de
passageiros ou de mercadorias ou de transporte de mercadorias perigosas, para os restantes
condutores, quando a taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,8 g/l e inferior a 1,2 g/l, bem
como quando o condutor for considerado influenciado pelo álcool em relatório médico;
l) O desrespeito da obrigação de parar imposta por sinal regulamentar dos agentes fiscalizadores
ou reguladores do trânsito ou pela luz vermelha de regulação do trânsito;
m) A condução sob influência de substâncias psico-trópicas;
n) O desrespeito pelo sinal de paragem obrigatória nos cruzamentos, entroncamentos e rotundas;
o)A transposição ou a circulação em desrespeito de uma linha longitudinal contínua
delimitadora de sentidos de trânsito ou de uma linha mista com o mesmo significado;
p)A condução de veículo de categoria ou subcategoria para a qual a carta de condução de
que o infrator é titular não confere habilitação;
q)O abandono pelo condutor do local do acidente.

Obrigação de seguro
Os veículos a motor e seus reboques só podem transitar na via pública desde que seja efetuado
seguro da responsabilidade civil contra terceiros.

APREENSÃO DE VEÍCULOS
O veículo deve ser apreendido pelas autoridades de investigação criminal ou de fiscalização
ou seus agentes quando:

a) Transite com números de matrícula que não lhe correspondam ou não tenham sido
legalmente atribuídos;

Pag. 79 / 86
b) Transite sem chapas de matrícula ou não se encontre matriculado, salvo nos casos
previstos por lei;
c)Transite com números de matrícula que não sejam válidos para o trânsito em território
nacional;
d)Transite estando o respetivo documento de identificação apreendido, salvo se este tiver
sido substituído por guia.

e) O respetivo registo de propriedade ou a titularidade do documento de identificação não


tenham sido regularizados no prazo legal;

f) Não tenha sido efetuado seguro de responsabilidade civil.

g) Não compareça à inspeção prevista sem que a falta seja devidamente justificada;

h) Transite sem ter sido submetido a inspeção para confirmar a correção de anomalias
verificadas em anterior inspeção, em que reprovou, no prazo que lhe for fixado;

IMOBILIZAÇÃO FORÇADA POR AVARIA OU ACIDENTE

O condutor tem que retirar o veículo da faixa de rodagem e chegá-lo o mais à direita possível e
tentar removê-lo o mais rápido possível.
Se o veículo não for visível a 100, deve vestir o colete retrorrefletor e colocar o sinal de pré-
sinalização no mínimo a 30 m do veículo imobilizado para que seja visível a 100 m.

CINTO DE SEGURANÇA.

É obrigatória a sua utilização dentro e fora das localidades para todos os passageiros incluindo o
condutor e incluindo nos trajetos bastante curtos, salvo as exceções previstas no código da
estrada.
NOTA: Apenas os veículos com matrícula posterior a Maio de 1990 são obrigados a ter cintos de
segurança atrás. Nesta data também passou a ser obrigatória a luz de nevoeiro à retaguarda de cor
vermelha.

CIRCULAR NUMA DESCIDA DE FORTE INCLINAÇÃO

Nunca descer em ponto-morto para poupar combustível. Utilizar a mesma mudança que se
utilizaria se se fosse a subir, ou seja, usar uma mudança de força em andamento.

ESTACIONAMENTO NUMA DESCIDA

O veículo tem de estar engrenado em marcha atrás (recuo), travado (travão de mão) e com as
rodas viradas para o passeio.

Pag. 80 / 86
ESTACIONAMENTO NUMA SUBIDA

O veículo tem de estar engatado em primeira, travado (travão de mão) e com as rodas viradas
para o lado contrário ao do passeio.

PRÉ-SINALIZAÇÃO DE PERIGO

Os veículos das categorias B, B1, BE, C, CE D, DE, tratores agrícolas e tratocarros, devem
estar sempre munidos deste sinal.
Os motociclos e os ciclomotores não são obrigados a tê-lo.

Colete retrorrefletor
É obrigatório o seu uso em caso de avaria ou remoção de carga, pela pessoa que necessitar de sair
do veículo.

CHAPAS REFLETORAS

SINAL DE REBOQUE E REFLETOR DE VEÍCULO DE MARCHA LENTA

Pag. 81 / 86
Sinal de reboque--coloca-se em cima do tejadilho do veículo, do lado esquerdo.
Durante a noite é iluminado com uma luz branca para cada lado que deve ser visível a 100 m. Se o

reboque for mais alto coloca-se outro sinal de reboque no próprio reboque.
Refletor para veículo de marcha lenta- coloca-se na retaguarda dos veículos que circulam a
menos de 40 km/h e devem ser acompanhados por um pirilampo de cor amarelo.

INSPECÇÕES PERIÓDICAS OBRIGATÓRIAS


São realizadas em Centros acreditados para esse fim.

Quando veículo vai a primeira vez à inspeção, pode fazer a inspeção em qualquer centro de
inspeções.
Quando é reprovado na inspeção, deve-se dirigir ao mesmo centro onde foi anteriormente
reprovado

Documentos obrigatórios no acto da inspecção


Livrete
Título de Registo de Propriedade
Ficha de Inspeção (caso o veículo já tenha sido submetido a inspecção)

Se houver a falta de um desses documentos, é recusada a inspeção.

Gravidade ou não das deficiências

Tipo 1- Não afeta gravemente o funcionamento nem a segurança do veículo. Não precisa de voltar
a mostrar a reparação. Caso não exceda 5 deficiências.

Tipo 2- Afecta gravemente o funcionamento e a segurança do veículo. O condutor é obrigado a


reparar o veículo e no prazo estipulado (30 dias no max.) fazer novamente a reinspecção.

Tipo 3- Deficiência muito grave que vai afetar gravemente o funcionamento e a segurança do
veículo. Implica a paralisação do veículo ou permite somente a sua deslocação até ao local de
reparação. O condutor é obrigado a reparar o veículo e no prazo estipulado (30 dias no max.) fazer
novamente a reinspecção.

Veículo aprovado na inspecção

Dão-nos uma ficha de inspecção e uma vinheta de cor verde que devem conter o dia, o mês e o
ano para a próxima inspecção. A vinheta deverá ser colocada no vidro do veículo do lado direito.

Se reprovado é emitida uma vinheta de cor vermelha durante o período da reparação.

Reprovação na inspecção do veículo

Se verifiquem mais de 5 deficiências do tipo1 (UM)


Se verifiquem uma ou mais deficiências do tipo2 (DOIS)
Se verifiquem uma ou mais deficiências do tipo3 (TRÊS)

Pag. 82 / 86
Tabela de inspeções

PESOS E DIMENSÕES

Tara= peso do veículo vazio com o depósito de combustível cheio.

Peso Bruto= peso do veículo vazio mais a carga máxima autorizada


Exemplo: Um veículo com:
2000Kg de tara
5000Kg de peso bruto

Neste caso pode transportar 3000kg de mercadorias.

Peso total= tara mais a carga transportada no momento.


Exemplo: Um veiculo com:
2000Kg de tara
5000Kg de peso bruto
Se transportar 1000kg de mercadorias.
Fica com um Peso Total de 3000kg

NOTA: o peso total pode ser igual ao peso bruto, mas nuca superior.

LARGURAS MAXIMAS

Largura máxima para veículo automóvel= 2,55metros


Largura máxima para veículo automóvel com caixa frigorifica= 2,60metros
Altura máxima para veículo automóvel= 4 metros a contar do solo.

Pag. 83 / 86
MECÂNICA

-Embraiagem é o elo de ligação entre o motor e as rodas.


-Embraiagem é um elemento móvel do motor

Painel de instrumentos

NOTA- se uma luz vermelha se acender, no painel de instrumentos, durante o andamento do


veículo, o condutor deve imobilizar o veículo reparar imediatamente a avaria, sob pena de
danificar o motor.

Sistema de lubrificação

A principal finalidade da lubrificação é evitar o desgaste, perda de rendimento do motor.


O óleo também auxilia o movimento do motor reduzindo a fricção entre as várias peças metálicas
contribuindo assim para a diminuição do desgaste e do consumo.
Verifica-se o nível do óleo com o carro parado num local plano e com o motor frio.
O óleo deve ser visto semanalmente ou antes de uma grande viagem.
Para ver o nível do óleo utiliza-se a vareta.
O deve ser mudado regularmente de acordo com as instruções com o fabricante do óleo.
Cabe ao seu normal utilizador ter isso a seu cuidado.

Sistema de refrigeração
A finalidade da refrigeração do motor é manter o motor a funcionar a uma determinada
temperatura.
Em caso de aquecimento do motor, o condutor deve parar imediatamente o veículo, deixar
arrefecer um pouco, abrir a tampa do radiador lentamente para deixar sair a pressão e acrescentar
líquido de refrigeração.

Se continuar a aquecer, devemos parar o veículo imediatamente e mandar reparar.


O aquecimento em demasia pode provocar danificar gravemente o motor.

Pag. 84 / 86
Combustíveis mais utilizados
-gasolina
-gasóleo
-GPL (veículos a gaz)

Poluição
-Veículo menos poluente - GPL
-Mais poluente - gasóleo
NOTA- Só os veículos a gasolina podem ser transformados em veículos a GPL.

Sistema de travagem

O condutor deve utilizar o motor como auxiliar do travão para evitar o contato permanente das
pastilhas de travões com o disco de travões, ou seja, usar uma mudança de força em andamento.
Se os travões atuarem de modo diferente sobre o mesmo eixo (uma roda trava mais do que a
outra) o veículo altera a trajetória (desliza) para o lado da roda que trava mais
Depois de uma lavagem o condutor deve experimentar os travões.

Sistema de suspensão

Amortecedores servem para absorver as oscilações das molas


Os pneus fazem parte da suspensão do veículo.
A verificação da pressão dos pneus deve ser feita regularmente e com os pneus a frio.
A altura mínima do relevo dos pneus:
Ligeiros- 1,6mm

Pesados e Motociclos- 1mm

Para mudar o pneu deve-se:

-Imobilizar o veículo num local plano.


-Desapertar os prisioneiros (porcas das rodas) rodando da direita para esquerda.
-Colocar o macaco
-Tirar os prisioneiros e substituir a roda.
-Colocar os prisioneiros e fazer o aperto em cruz.
-Tirar o macaco e apertar o restante no chão.

Pag. 85 / 86
ELEMENTOS DA SEGURANÇA ATIVA E PASSIVA

A segurança ativa existente no veículo reduz a possibilidade de ocorrência de acidentes.

Fazem parte da segurança ativa:


Exemplos:
ABS- Sistema de anti bloqueio das rodas;
ASR- Sistema de conjunto de tração;
Direção assistida;
Espelhos retrovisores
Eficácia e segurança do sistema de travagem
Eficácia do sistema de iluminação

A segurança passiva todos os acessórios que o veículo tem, que lhe permite diminuir as
consequências para o condutor e passageiros, em caso de acidente.

Fazem parte da segurança passiva:


Exemplos:
Airbag
Encosto de cabeça
Barras laterais de protecção
Pré-tensores nos cintos de segurança
Cintos de segurança
Sistema de retenção para criança
Capacete de protecção para veículos de duas rodas.

O condutor não pode anular a ação silenciadora do escape (retirar o escape) dos veículos sob
pena de pagar coima e o veículo ter de fazer inspeção extraordinária para confirmar a colocação do
escape de origem.
A panela de escape serve para diminuir os ruídos que vêm do motor.

Os fumos do escape saem para a retaguarda para o lado esquerdo

O catalisador serve para filtrar os gases que vêm do motor.

Bateria - deve-se colocar água destilada até cobrir as placas.

Velocidade instantânea é a velocidade do momento e mede-se pelo velocímetro.

Tacógrafo serve para indicar os tempos de descanso do condutor e a velocidade média.

DEFENIÇÕES GERAIS-CLASSIFICAÇÕES DE VIAS

a) «Autoestrada» — via pública destinada a trânsito rápido, com separação física de


faixas de rodagem, sem cruzamentos de nível nem acesso a propriedades marginais, com acessos
condicionados e sinalizada como tal;
b)«Berma» — superfície da via pública não especialmente destinada ao trânsito de

Pag. 86 / 86
veículos e que ladeia a faixa de rodagem e deve ser utilizada em caso de avaria ou acidente.
c)«Caminho» — via pública especialmente destinada ao trânsito local em zonas rurais;
d)«Corredor de circulação» — via de trânsito reservada a veículos de certa espécie ou
afetos a determinados transportes;
e)«Cruzamento» — zona de intersecção de vias públicas ao mesmo nível;
f)«Eixo da faixa de rodagem» — linha longitudinal, materializada ou não, que divide
uma faixa de rodagem em duas partes, cada uma afeta a um sentido de trânsito;
g)«Entroncamento» — zona de junção ou bifurcação de vias públicas;
h)«Faixa de rodagem» — parte da via pública especialmente destinada ao trânsito de
veículos;
i)«Ilhéu direcional» — zona restrita da via pública, interdita à circulação de veículos e
delimitada por lancil ou marcação apropriada, destinada a orientar o trânsito;
j) «Localidade» — zona com edificações e cujos limites são assinalados com os sinais
regulamentares;
l) «Parque de estacionamento» — local exclusivamente destinado ao estacionamento de
veículos;
m) «Passagem de nível» — local de intersecção ao mesmo nível de uma via pública ou
equiparada com linhas ou ramais ferroviários;
n) «Passeio» — superfície da via pública, em geral sobrelevada, especialmente destinada ao
trânsito de peões e que ladeia a faixa de rodagem;
o)«Pista especial» — via pública ou via de trânsito especialmente destinada, de acordo com
sinalização, ao trânsito de peões, de animais ou de certa espécie de veículos;
p) «Rotunda» — praça formada por cruzamento ou entroncamento onde o trânsito se processa
em sentido giratório e sinalizada como tal;
q) «Utilizadores vulneráveis» — peões e velocípedes, em particular, crianças, idosos, grávidas,
pessoas com mobilidade reduzida ou pessoas com deficiência;
r) «Via de abrandamento» — via de trânsito resultante do alargamento da faixa de rodagem e
destinada a permitir que os veículos que vão sair de uma via pública diminuam a velocidade já
fora da corrente de trânsito principal;
s) «Via de aceleração» — via de trânsito resultante do alargamento da faixa de rodagem e
destinada a permitir que os veículos que entram numa via pública adquiram a velocidade
conveniente para se incorporarem na corrente de trânsito principal;
t) «Via de sentido reversível» — via de trânsito afeta alternadamente, através de sinalização, a
um ou outro dos sentidos de trânsito;
u) «Via de trânsito» — zona longitudinal da faixa de rodagem destinada à circulação de uma
única fila de veículos;
v) «Via equiparada a via pública» — via de comunicação terrestre do domínio privado aberta
ao trânsito público;
x) «Via pública» — via de comunicação terrestre afeta ao trânsito público;
z) «Via reservada a automóveis e motociclos» — via pública onde vigoram as normas que
disciplinam o trânsito em autoestrada e sinalizada como tal;
aa) «Zona de estacionamento» — local da via pública especialmente destinado, por construção
ou sinalização, ao estacionamento de veículos;
bb) «Zona de coexistência» — zona da via pública especialmente concebida para utilização
partilhada por peões e veículos, onde vigoram regras especiais de trânsito e sinalizada como tal..

A leitura deste resumo não dispensa a consulta ao Regulamento do Código da


Estrada

Pag. 87 / 86