Você está na página 1de 13

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA

INSTRUÇÕES

1. Desligue celulares e congêneres; 2. Todo material desnecessário deve ser posto embaixo da sua
cadeira, inclusive telefones; 3. Responda a avaliação com caneta azul ou preta. Não use corretor
ortográfico; 4. Leia as questões com muita atenção; 5. Não faça perguntas acerca do conteúdo, a
interpretação das questões faz parte da avaliação. 6. Dupla resposta ou rasura ANULA a questão.7.
A prova dissertativa somente será corrigida para os candidatos que acertarem cinquenta (50%) por
cento das questões de múltipla escolha. 8. Os currículos somente serão avaliados para os candidatos
que acertarem cinquenta porcento (50%) da questão dissertativa.

PROVA DE MACROECONOMIA
1) De acordo com o modelo keynesiano simples para economias fechadas, se a
propensão marginal a consumir de certa economia for igual a 0,8 e sua alíquota
tributária marginal for igual a 0,25, seu multiplicador será igual a:

(A) 2,50. (B) 1,00. (C) 0,40. (D)10,00. (E) 3,20

2) De acordo com o modelo IS-LM padrão (desconsiderando o efeito Pigou), no


curto prazo uma redução da oferta de moeda:
(A) reduz a taxa de juros e o investimento.
(B) eleva a taxa de juros e o investimento.
(C) eleva a taxa de juros e reduz o investimento.
(D) reduz a taxa de juros e eleva o investimento.
(E) nenhuma das alternativas acima.

3) De acordo com o modelo IS-LM padrão, uma política fiscal expansionista


provoca no curto prazo:
(A) um deslocamento da função IS para a esquerda, uma redução da taxa de juros
e do nível de produção real.
(B) um deslocamento da função LM para a direita, uma redução da taxa de juros e
uma elevação do nível de produção real.
(C) um deslocamento da função LM para a esquerda, uma elevação da taxa de
juros e uma redução do nível de produção real.
(D) um deslocamento da função IS para a direita, uma elevação da taxa de juros e
do nível de produção real.
(E) nenhuma das alternativas acima.

4) Supondo obedecida a condição de Marshall-Lerner, uma desvalorização


(depreciação) da taxa de câmbio real gera:
(A) aumento das exportações e redução das importações.
(B) redução das exportações e aumento das importações.
(C) aumento das exportações e das importações.
(D) redução das exportações e das importações.
(E) nenhuma das alternativas acima.

1
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

5) De acordo com o modelo keynesiano simples para economias abertas, uma


desvalorização cambial gera:
(A) Aumento do produto e do Saldo em Transações Correntes.
(B) Redução do produto e do Saldo em Transações Correntes.
(C) Expansão do produto e redução do Saldo em Transações Correntes.
(D) Redução do produto e aumento do Saldo em Transações Correntes.
(E) Nenhuma das alternativas acima.

6) Considere, nos termos do modelo IS-LM-BP (ou Mundell-Fleming), uma


economia que opera em regime de câmbio flexível puro com plena
mobilidade de capitais. Uma política monetária expansionista desencadeia,
no curto prazo:
(A) Apreciação cambial e expansão do produto.
(B) Depreciação cambial e contração do produto.
(C) Depreciação cambial e expansão do produto.
(D) Apreciação cambial e expansão do produto.
(E)Nenhuma das alternativas acima.

7) Considere, nos termos do modelo IS-LM-BP (ou Mundell-Fleming), uma


economia que opera em regime de câmbio fixo puro com plena mobilidade de
capitais. Podem aumentar produção e emprego desta economia, no curto
prazo:
(A) Políticas fiscais e monetárias expansionistas.
(B) Políticas fiscais e monetárias contracionistas.
(C) Políticas monetárias expansionistas e valorizações cambiais.
(D) Políticas fiscais expansionistas e desvalorizações cambiais.
(E)Nenhuma das alternativas acima.

8) De acordo com o modelo convencional de oferta e demanda agregada para


economias fechadas, no curto prazo uma política monetária expansionista
ocasiona:
(A) elevação do nível de produção e um aumento do nível geral de preços.
(B) redução do nível de produção e uma queda do nível geral de preços.
(C) redução do nível de produção e uma elevação do nível geral de preços.
(D) nenhum efeito sobre o nível de produção e aumento do nível geral de preços.
(E) nenhuma das alternativas acima.

9) De acordo com a versão de Lucas da curva de Phillips, quando as


autoridades monetárias reduzem a taxa de crescimento da oferta monetária
de maneira perfeitamente antecipada, ocorre:
(A) uma redução da taxa de inflação e uma elevação da taxa de desemprego.
(B) uma elevação da taxa de inflação e uma redução da taxa de desemprego.
(C) uma redução da taxa de inflação e da taxa de desemprego.
(D) uma elevação da taxa de inflação e da taxa de desemprego.
(E) nenhuma das alternativas acima.

10) De acordo com o modelo de crescimento convencional de Solow, um


aumento único da taxa de poupança faz com que a taxa de crescimento do
produto por trabalhador:
(A) aumente na fase dinâmica de transição, mas retorne à inicial em estado
estacionário.
(B) diminua na fase dinâmica de transição, mas retorne à inicial em estado
estacionário.
(C) aumente tanto na fase dinâmica de transição quanto em estado estacionário.

2
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

(D) diminua tanto na fase dinâmica de transição quanto em estado estacionário.


(E) nenhuma das alternativas acima.

PROVA DE MICROECONOMIA
1. Álcool e gasolina são bens substitutos para os proprietários de carros
flex fuel. Se o preço da gasolina aumenta, é correto afirmar que:
(A) A quantidade e o preço de equilíbrio no mercado de álcool vão aumentar.
(B) A quantidade e o preço de equilíbrio no mercado de álcool não se alteram.
(C) A quantidade e o preço de equilíbrio no mercado de álcool vão diminuir.
(D) No mercado de álcool, a quantidade de equilíbrio vai aumentar e o preço de
equilíbrio vai se reduzir.
(E) No mercado de álcool, a quantidade de equilíbrio vai se reduzir e o preço de
equilíbrio vai aumentar.

2. Imagine que o governo crie um novo imposto sobre o arroz. Sobre os


efeitos dessa medida, é correto afirmar que:
(A) O peso morto seria maior nos primeiros anos do imposto, pois a população ainda
não estaria habituada.
(B) A receita com o imposto seria menor nos primeiros anos, mas aumentaria com o
passar do tempo.
(C) O consumo de arroz não seria alterado, pois arroz é um bem inelástico.
(D) Todo o imposto seria pago pelos consumidores.
(E) O peso morto aumentaria no longo prazo, pois a demanda seria mais elástica.

3. (Anpec-2004, modificada) A figura abaixo mostra as curvas de indiferença


de um consumidor e a direção na qual a utilidade deste consumidor
aumenta.

(A) O indivíduo só consome um dos bens no equilíbrio.


(B) Existe saciedade.
(C) O indivíduo gosta da diversificação.
(D) O bem 1 é desejável.
(E) A utilidade marginal do bem 2 é negativa.

3
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

4. (Anpec-2003, modificada) Segundo a Teoria do Consumidor, é correto


afirmar que:
(A) se um consumidor está inicialmente em equilíbrio e, a partir desta posição, sua
renda e todos os preços caem em 5%, o consumo dos bens inferiores aumentará.
(B) se o preço do bem X cai e o efeito substituição é maior que o efeito renda, então
X é um bem de Giffen.
(C) seja um consumidor cuja função de utilidade é 𝑈(𝑥1 , 𝑥2 ) = min⁡{2𝑥1 , 𝑥2 }. Se o preço
de 𝑥1 for $3 e o preço de 𝑥2 for $1, a curva de renda-consumo será uma reta que
parte da origem com inclinação igual a 2 (represente 𝑥1 no eixo das abscissas e
𝑥2 no eixo das ordenadas).
(D) se a curva de demanda de mercado do bem Y é uma reta negativamente
inclinada, sua elasticidade-preço é constante.
(E) se ao preço corrente a demanda de um bem é elástica, uma redução no preço ao
longo da curva de demanda reduzirá a receita.

5. Sobre a teoria da firma é INCORRETO afirmar que:


(A) A curva de custo marginal passa pelo mínimo da curva de custo médio.
(B) As curvas de Isoquanta nunca se cruzam.
(C) Quando o custo marginal é maior que o custo médio, a curva de custo médio é
crescente.
(D) Se 𝐹(𝛼𝐾, 𝛼𝐿) > 𝛼𝐹(𝐾, 𝐿), então há rendimentos crescentes de escala.
(E) Uma função de produção caracterizada por rendimentos marginais decrescentes
dos fatores capital e trabalho não pode apresentar retornos crescentes de escala.

6. (Anpec -2005, modificada) Considere um mercado em concorrência perfeita,


avalie as afirmativas e marque a alternativa INCORRETA:
(A) Se a função de custo total da firma for 𝐶(𝑞) = 𝑞 3 − 9𝑞 2 + 42𝑞, então, a função de
oferta será 𝑝(𝑞) = 3𝑞 2 − 18𝑞 + 42, para 𝑞 > 3.
(B) A igualdade entre preço e custo marginal é condição necessária, mas não
suficiente para a maximização dos lucros da firma.
(C) No curto prazo, se o lucro econômico do produtor é positivo, a produção se faz
com custo marginal superior ao custo médio.
(D) Se a função de custo total de uma firma for 𝐶(𝑞) = 𝑞 3 − 9𝑞 2 + 42𝑞 e se o preço de
mercado for igual a 42, a inclinação da oferta deste produtor será igual a 18.
(E) O valor do excedente do produtor iguala-se aos lucros totais da firma mais o valor
do custo fixo.

7. Considerando uma empresa monopolista, selecione a alternativa correta.


(A) A curva de oferta por parte da empresa é elástica.
(B) O preço praticado pela empresa será inferior ao custo marginal.
(C) A empresa captura todo o excedente do consumidor através da discriminação de
preço de 3º grau.
(D) Para maximizar seu lucro, a empresa deve equalizará a receita marginal com o
custo marginal.
(E) A empresa vai estabelecer um nível de preço tal que o preço seja igual ao custo
marginal.

4
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

8. (Anpec-2003, modificada) Considere um duopólio de Cournot no qual as


firmas escolhem simultaneamente as quantidades. A função de demanda
inversa é dada por 𝑷 = 𝟔 − 𝑸. Suponha que as firmas possuam funções
custo iguais a: 𝒄𝟏 (𝒒𝟏 ) = 𝒒𝟏 e 𝒄𝟐 (𝒒𝟐 ) = 𝟐𝒒𝟐 . Em equilíbrio, qual a razão
entre os lucros das firmas 1 e 2 (𝝅𝟏 /𝝅𝟐 )?
(A) 4 (B)2 (C) 1 (D) 3 (E) 5

9. (Anpec-2007, modificada) Os pais de João e Maria viajaram, deixando


várias fatias de pizza e latas de refrigerante, juntamente com instruções
acerca de como João e Maria terão de alocar as fatias de pizza e latas de
refrigerante entre si, a partir de uma caixa de Edgeworth. Dada essa
situação, selecione a proposição correta:
(A) Se os pais alocarem as fatias e as latas de tal forma que as taxas marginais
de substituição sejam diferentes, sobrarão latas e fatias e, assim, haverá
desperdício.
(B) João e Maria reuniram-se com grande número de colegas, que podem trocar
seus estoques de fatias de pizza e latas de refrigerante em um mercado
competitivo, no qual o preço é anunciado por um leiloeiro que não participa
das trocas. O equilíbrio Walrasiano que será assim alcançado dependerá
das dotações iniciais de cada criança.
(C) Os pais alocaram todas as fatias de pizza e latas de refrigerante de tal forma
que tanto João como Maria ganharam fatias de pizza e latas de refrigerante,
mas Maria tem mais latas de refrigerante do que gostaria, dadas as fatias de
pizza que recebeu, e João tem mais fatias de pizza do que gostaria, dada a
quantidade de refrigerante que seus pais lhe deixaram. Ainda assim, pode
ocorrer que a alocação inicial tenha sido Pareto-eficiente.
(D) Ao negociarem, a partir de uma alocação inicial que não foi eficiente, mesmo
os dois sendo racionais e preferindo mais a menos, pode ocorrer que João
ou Maria acabem com um nível de satisfação inferior ao da alocação inicial.
(E) Se os pais decidirem alocar todas as fatias e latas para Maria e nada para
João, sendo que tanto João, como Maria, preferem sempre mais a menos
quando se trata de pizza e refrigerante, a alocação terá sido Pareto-
ineficiente.

10. O sistema elétrico de um edifício residencial antigo está depreciado,


sendo necessário reformá-lo. O síndico propõe a criação de uma cota de
contribuição para cada morador. Um problema econômico que surgir
nesse caso é denominado de:
(A) Problema do carona.
(B) Seleção adversa.
(C) Externalidade de produção.
(D) Risco moral.
(E) Tragédia dos comuns.

5
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS


PARTE 1 – MATEMÁTICA

1. Considere o sistema de equação linear a seguir, calcule os valores de x1, x2 e x3 e


assinale a alternativa correta.

x1  x2  x3  0
12 x1  2 x2  3x3  5
3x1  4 x2  x3  4

(A) x1=1, x2= -2 e x3 = 1

(B) x1=-1, x2= -2 e x3 = -1

(C) x1=1, x2= 2 e x3 = 1

(D) x1=-1, x2= -2 e x3 = -1

(E) x1=2, x2= -2 e x3 = 1

 1 2
2. Dada a matriz A=   . A inversa de A , se existir, será dada por:
 2 1  2 x 2
2 2 
(A) 
5 5 
2 1 
 5 5
1 2 
(B) 
5 5 
2 1 
 5 5
1 2 
(C) 
5 5
2 1 
 5 5
1 2 
(D) 
5 5
 2 1 
 5 5
(E) A inversa dessa matriz não existe.

2
3. Considere a função f ( x)  ( x 3  6 x 2  2) 3 . A primeira derivada de f (x) será:

1
(a) (2 x  8)( x  6 x  2)
2 3 2 3

6
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

2
(b) 2 x( x  3x  2)
2 3

1
(c) (2 x 2  8x)( x 3  6 x 2  2) 3
1

(d) (2 x 2  8)( x 3  6 x 2  2) 3

1

(e) (2 x  8x)( x  6 x  2)
2 3 2 3

4. O valor mínimo que a função f ( x)  x 2  12 x  36 pode assumir é:

(A) – 36 (B) -72 (C) -56 (D) -60 (E) -30

5. Considere que a função lucro total de uma firma seja determinada pela
equação π (Q) = 32Q – Q2 – 56, em que Q é a quantidade produzida. Que
quantidade a firma deve produzir para maximizar o seu lucro π?

(A) 33 (B) 12 (C) 16 (D) 32 (E) 10

PARTE 2 – ESTATÍSTICA

1. Uma pessoa tem quatro notas no bolso: uma de R$ 10,00; outra de R$ 20,00;
outra de R$ 50,00 e outra de R$ 100,00. Se ela tirar ao acaso duas notas do
bolso, ao mesmo tempo, qual a probabilidade de a soma ser R$ 30,00? Assinale
a alternativa correta.

(A) 1/12 (B) 1/4 (C) 1/3 (D) 1/6 (E) 2/3

2. Considere as afirmações obre a Teoria das Probabilidades e sejam A, B e C


três eventos quaisquer, mas com probabilidades de ocorrência diferentes de
zero. Assinale a alternativa correta:

(A) P(A|B) / P(B|A) = P(A)/P(B)


(B) Se dois eventos A e B são mutuamente exclusivos e exaustivos, eles são
independentes.
(C) P(A  B  C) = P(A  B) + P(C) se A, B e C são independentes.
(D) Probabilidade é uma função que relaciona elementos do espaço de eventos a
valores no intervalo fechado entre zero e infinito.
(E) Se P(A) = 0, então A = .

3.Um pesquisador deseja estabelecer o peso médio dos jovens entre 14 e 20


anos. Apesar de desconhecer a média e o desvio padrão populacional, sabe-se
por literatura da área que a distribuição dos pesos é aproximadamente normal.
Retira-se uma amostra aleatória simples de 60 jovens obtendo peso médio de 67

7
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

kg e desvio padrão de 9 kg. Considerando que a população é infinita e que


Z 2  1,96 , determinar o intervalo com 95% de confiança para o peso médio
populacional. Assinale a alternativa correta.

(A) 66,50    68,88


(B) 60,70    80,82
(C) 65,44    72,56
(D) 62,09    68,07
(E) 64,72    69,28

4. As afirmações abaixo se referem aos testes de hipótese. Assinale a


alternativa correta.

(A) Considere o seguinte modelo de regressão linear: yi  0  1xi  ui ,em que


u é o erro da regressão, y é a variável dependente e X é a variável explicativa.
Caso o erro seja heteroscedástico, a estatística t usual para testarmos a
hipótese: H0: β1 =0 contra a alternativa H1: β1 ≠0 não é mais válida.
(B) Em uma regressão com várias variáveis explicativas, se individualmente os
coeficientes não forem significativos, o teste F de significância conjunta
também não terá a hipótese nula rejeitada.
(C) Considere um teste t para testar a significância estatística do parâmetro de
inclinação de uma regressão linear simples. Se a estatística de teste é igual a
3,85 e o valor crítico é 2,326, não se rejeita a hipótese nula de que o parâmetro
é igual a zero.
(D) Considere o seguinte modelo de regressão linear: yi  0  1xi , ui em
que u é o erro da regressão, y é a variável dependente e X é a variável
explicativa. Para testarmos a hipótese: H0: β1 =0 contra a alternativa H1: β1 > 0,
deve-se utilizar um teste t bilateral.
(E) Se o valor p de um teste é o maior do que o nível de significância adotado,
rejeita-se a hipótese nula.

5. A fim de estimar um modelo de regressão que tem por objetivo explicar as


variações de renda entre indivíduos, utilizou-se o método dos mínimos
quadrados ordinários. Uma amostra aleatória de 526 indivíduos forneceu os
seguintes resultados:

ln(renda) = 0,362+ 0,094 educ + 0,014 exper – 0,178 sexo – 0,010 exper x sexo + u
(0,128) (0,008) (0,002) (0,058) (0,002)

R2 = 0,368 n = 526

em que sexo é uma variável dicotômica (valor 1, se for mulher e 0, caso


contrário), educ é o número de anos de escolaridade (0  educ  17), exper são
anos de experiência profissional (0  exper  40) e u é a estimativa do erro. Os
números entre parênteses são os erros-padrão das estimativas, robustos à
heterocedasticidade. Com base nos resultados acima, assinale a alternativa
correta.

8
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

(A) Nenhum dos coeficientes estimados, individualmente, é estatisticamente


significante ao nível de 5%.
(B) Pela inspeção dos resultados da estimação fica claro que os erros do modelo são
heteroscedásticos.
(C) Se a um nível de significância de 5%, o valor crítico do teste F para a regressão
for 2,37, os coeficientes angulares serão conjuntamente diferentes de zero.
(D) Para um indivíduo com 10 anos de escolaridade, 1 ano adicional de estudo
acarreta um aumento médio da renda de aproximadamente 9,4%.
(A) As mulheres recebem salários 18% mais baixos que os dos homens, em média.

PROVA DE ECONOMIA BRASILEIRA


Parte I – Múltipla Escolha

1. O Plano de Metas foi um substancial programa de industrialização


nacional. O mesmo ficou mundialmente conhecido dado o fato de que:
(A) Foi um ambicioso projeto político que levou à transformação quantitativa e
qualitativa da indústria nacional, com a participação do Estado (como produtor,
administrador, financiador, fomentador etc.), do capital estrangeiro e do capital
nacional como nunca antes registrado na história da economia brasileira,
consolidando uma dinâmica produtiva com base no mercado interno;
(B) Aprofundou o processo de Substituição de Importações com base na indústria
leve e tornou o Brasil um importante exportador de matérias-primas e
alimentos;
(C) Aprofundou o processo de Substituição de Importações com base na indústria
pesada e tornou o Brasil um importante exportador de matérias-primas e
alimentos;
(D) Possibilitou a indústria nacional ser a maior e mais qualificada ofertante de
bens de capital e de bens duráveis ao mercado nacional sem nenhuma
interferência do comércio exterior;
(E) Criou as condições concretas, entre 1957 e 1970, da economia brasileira ser a
maior produtora de bens industrializados do continente Americano;

2. Para Furtado (1987) o “deslocamento do centro dinâmico” da economia


brasileira constituía-se em:
(A) Diversificar a produção primário-exportadora de forma a aumentar a oferta de
produtos primários com vistas à ampliação do comércio exterior e,
consequentemente, aumentar a captação de divisas internacionais;
(B) Transferir os esforços desenvolvimentistas da indústria leva para a indústria
pesada, ampliado assim a demanda por bens nacionais com maior grau de
tecnologia;
(C) Transferir para o capital internacional, sobretudo no setor industrial, o comando
da produção de mercadorias;
(D) Praticar uma política de produção e exportação de mercadoria com base na
agropecuária e sob o comando do capital estrangeiro;

9
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

(E) Direcionar todas as políticas de desenvolvimento econômico para o


fortalecimento do mercado interno, onde a demanda agregada nacional seria a
maior responsável pela dinâmica da acumulação brasileira, pela transformação
das estruturas produtivas setoriais e pela maior integração da economia
nacional;

3. De acordo com Mello (1982) a diferença específica entre a economia


colonial e a primário-exportadora estava essencialmente marcada:
(A) Pelo modo de inserção das economias nacionais (latino-americanas) na
nova divisão internacional do trabalho que processualmente se estrutura a
partir da Revolução Industrial;
(B) Pelas diferentes tipologias dos produtos ofertados por ambas as economias;
(C) Por diferentes formas de organização da produção mercantil;
(D) Pelas diferenças das políticas econômicas praticadas na era das grandes
navegações (notadamente, especiarias) em relação às praticadas na era da
Revolução Industrial (notadamente, alimentos e matérias-primas);
(E) Pelas diferentes políticas de comércio exterior praticadas em ambos os
períodos;

4. (ANPEC 2004 modificada) Sobre o desempenho da economia brasileira e


sobre a política econômica na segunda metade da década de 1970, é correto
afirmar que:
(A) os projetos do II PND (Governo Geisel - 1974/79) contribuíram para o processo
de desconcentração regional da indústria;
(B) o BNDE dirigiu seus financiamentos prioritariamente a investimentos estatais
em infra-estrutura;
(C) os investimentos públicos desempenharam um papel anticíclico, ampliando a
redução nas taxas de crescimento do produto;
(D) a expansão agrícola baseou-se nas culturas voltadas ao mercado interno em
detrimento daquelas voltadas à exportação;
(E) foram implementados importantes projetos substituidores de exportação,
especialmente em indústrias de bens intermediários.

5. (ANPEC 2004 modificada) No período 1981-83, a economia brasileira viveu


uma crise recessiva de grandes proporções. Sobre tal período, é
INCORRETO afirmar que:

(A) a crise cambial e as políticas de ajuste que se seguiram afetaram


negativamente o crescimento do produto;
(B) as tentativas de estabilização de preços envolveram medidas de desindexação
salarial;
(C) Uma grave seca no Nordeste reduziu a oferta de bens primários, colaborado
para a elevação dos preços do produtos alimentícios e da inflação.
(D) as exportações brasileiras foram dificultadas pela recessão mundial e pelas
altas taxas de juros internacionais;
(E) as importações mostraram-se pouco sensíveis à queda do produto e à
desvalorização cambial.

10
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

6. (ANPEC 2004 modificada) Com relação ao Plano Cruzado (1986), é


INCORRETO afirmar que:
(A) Estabeleceu-se um congelamento de preços que foi rapidamente solapado
devido prática de um ágio sobre os preços tabelados.
(B) o seguro-desemprego, apesar de já estar previsto na legislação brasileira, só
foi implementado a partir da adoção desse Plano;
(C) embora o Plano tivesse fracassado, o entendimento de que a inflação brasileira
continha uma dimensão inercial foi encampado por todos os planos de
estabilização que se seguiram, inclusive pelo Plano Real.
(D) o Plano apoiava-se no entendimento de que o processo inflacionário no Brasil
era impulsionado pelas expectativas dos agentes econômicos com relação à
inflação futura;
(E) o plano cruzado não deu certo devido a crescente concessão de direitos
promovido pela nova constituição federal que ampliou despesas sem criar as
respectivas fontes de receita, implicando em desequilíbrio crescente das
contas públicas.

7. A respeito dos planos heterodoxos de combate à inflação, adotados no Brasil


na década de 1980, marque a alternativa que expressa sua principal
característica:

(A) apoiaram-se, pelo menos parcialmente, na teoria da inflação inercial para justificar
suas estratégias de combate à inflação.
(B) focaram o combate à inflação de demanda, pois essa apresentou-se
predominante, em função das ações de governos perdulários.
(C) congelaram a taxa de câmbio com vistas ao barateamento das importações e ao
equilíbrio do balanço de pagamentos, independentemente da fase do ciclo de crédito
internacional.
(D) implementaram congelamentos de preços e salários e adotaram a tablita com o
objetivo de garantir a neutralidade distributiva.
(E) foram precedidos por ajustes fiscais e maxidesvalorizações cambiais.

8. A década de 1980 apresentou diferenças significativas em comparação às


cinco décadas que a precederam. Nestas, a economia brasileira apresentou-se
bastante dinâmica, enquanto na década de 1980, foi vivenciada uma situação
completamente distinta. Assim, destaque a alternativa que melhor caracteriza a
economia brasileira durante a primeira década perdida (1980):

(A) alcançou a autossuficiência na produção petrolífera, em decorrência dos


investimentos sob a vigência do II Plano Nacional de Desenvolvimento
Econômico e a condição de principal produtor mundial de alimentos.
(B) experimentou drástica redução da taxa média de crescimento do produto,
estagnação do produto per capita, regressão dos investimentos e elevada
transferência de recursos ao exterior.
(C) apresentou alternância de ciclos breves de recessão e de expansão
econômica, bem como de crescimento da renda muito acima do apresentado
pela população, o que permitiu a melhoria das distribuições pessoal e funcional
da renda.
(D) caracterizou-se pelo equilíbrio do setor externo e do setor público, em
decorrência da política de alteração dos preços relativos, via desvalorizações
sistemáticas da taxa de câmbio, e da eliminação dos subsídios que estiveram
presentes nas décadas precedentes.

11
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

(E) em períodos de recessão, o consumo agregado não experimentou grande


retração, em decorrência do caráter pró-cíclico da demanda por bens de
consumo não duráveis.

9. Após um longo período com dificuldades de acesso ao mercado


internacional de crédito, a economia brasileira reconectou a este mercado
na década de 1990. Para tanto, teve que cumprir com a exigência do
processo de abertura financeira e comercial, que provocou impactos sobre o
crescimento econômico, a estrutura produtiva e o balanço de pagamentos.
Partindo de tal assertiva, escolha a alternativa que melhor caracteriza a
economia brasileira ao longo da citada década:

(A) A entrada de capitais externos, estimulados pela abertura financeira, contribuiu


para o êxito do Plano Real no combate à inflação, mas fugas de capital posteriores
prejudicaram o crescimento econômico ao induzir elevações das taxas de juros.
(B) O processo de abertura comercial consistiu, conforme a concepção teórica que a
lastreou, uma via de mão dupla, de modo que ao Brasil foi franqueado amplo acesso
ao mercado mundial em todos os segmentos produtivos, de modo que o país ampliou
consideravelmente as exportações de commodities e de bens com elevado conteúdo
tecnológico.
(C) Os ganhos dinâmicos de escala permitiram às empresas brasileiras a elevação da
produtividade, de maneira que o saldo comercial melhorou consideravelmente para o
conjunto das atividades, mas principalmente para os segmentos intensivos em
tecnologia.
(D) No período compreendido de 1995 a 1998, os déficits comerciais da indústria
manufatureira foram financiados exclusivamente pelo superávit agrícola – a real
âncora de sustentação do Plano Real.
(E) A entrada de bancos estrangeiros no Brasil foi fundamental para o aumento da
concorrência, o que se traduziu no declínio das tarifas e das taxas de juros, bem como
na expansão do crédito de curto e longo prazos.

10. O mercado de trabalho no Brasil teve, ao longo dos anos 1990, como principal
característica:

(A) redução contínua das taxas de desemprego aberto e oculto.


(B) elevação sistemática do salário real médio a partir de julho de 1994, em decorrência
da estabilidade dos preços, mas, sobretudo da ação estatal visando tal resultado.
(C) um intenso processo de flexibilização das relações trabalhistas e de aumento do
ritmo do processo de terceirização no setor industrial, comparativamente à década
anterior.
(D) estabilidade do grau de informalidade da ocupação no País, em decorrência da
melhora do indicador em áreas urbanas, não obstante a sua piora nas áreas rurais do
país.
(E) aumento continuo das taxas de emprego aberto e de salários reais, principalmente
do emprego industrial no Sudeste brasileiro.

PROVA DE ECONOMIA BRASILEIRA

12
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA REGIONAL – UFRN –PROCESSO SELETIVO 2016- PROVA A

Parte II - Discursiva

① Discuta a trajetória de economia brasileira no século XX, enfatizando a


dinâmica das desigualdades regionais e de renda, confrontando as
principais interpretações existentes e apresentando as propostas recentes
para o enfrentamento da questão da desigualdade.

13