Você está na página 1de 13

O que são primeiros socorros?

Como o próprio nome sugere, são os procedimentos de emergência que devem ser aplicados à uma
pessoa em perigo de vida, visando manter os sinais vitais e evitando o agravamento, até que ela
receba assistência definitiva.

Quando devemos prestar socorro?


Sempre que a vítima não esteja em condições de cuidar de si própria.

Quais são as primeiras atitudes?


Geralmente os acidentes são formados de vários fatores e é comum quem os presencia, ou quem
chega ao acidente logo que este aconteceu, deparar com cenas de sofrimento, nervosismo, pânico,
pessoas inconscientes e outras situações que exigem providências imediatas.

Quando não estivermos sozinhos, devemos pedir e aceitar a colaboração de outras pessoas, sempre
se deixando liderar pela pessoa que apresentar maior conhecimento e experiência.

Se essa pessoa de maior experiência e conhecimento for você, solicite a ajuda das demais pessoas,
com calma e firmeza, demonstrando a cada uma o que deve ser feito, de forma rápida e precisa.

Apesar da gravidade da situação devemos agir com calma, evitando o pânico.

 Transmita confiança, tranqüilidade, alívio e segurança aos acidentados que estiverem


conscientes, informando que o auxílio já está a caminho.
 Aja rapidamente, porém dentro dos seus limites.
 Use os conhecimentos básicos de primeiros socorros.
 Às vezes, é preciso saber improvisar.

O que acontece
O choque elétrico, geralmente causado por altas descargas, é sempre grave, podendo causar
distúrbios na circulação sanguínea e, em casos extremos, levar à parada cardiorrespiratória.

Na pele, podem aparecer duas pequenas áreas de queimaduras (geralmente de 3º grau) - a de entrada
e de saída da corrente elétrica.

Primeiras providências
 Desligue o aparelho da tomada ou a chave geral.
 Se tiver que usar as mãos para remover uma pessoa, envolva-as em jornal ou um saco de
papel.
 Empurre a vítima para longe da fonte de eletricidade com um objeto seco, não-condutor de
corrente, como um cabo de vassoura, tábua, corda seca, cadeira de madeira ou bastão de
borracha.
O que fazer
 Se houver parada cárdio-respiratória, aplique a ressucitação.
 Cubra as queimaduras com uma gaze ou com um pano bem limpo.
 Se a pessoa estiver consciente, deite-a de costas, com as pernas elevadas. Se estiver
inconsciente, deite-a de lado.
 Se necessário, cubra a pessoa com um cobertor e mantenha-a calma.
 Procure ajuda médica imediata.

A ressucitação cárdio-pulmonar
Com a pessoa no chão, coloque uma mão sobre a outra e localize a extremidade inferior do osso
vertical que está no centro do peito (o chamado osso esterno).

Ao mesmo tempo, uma outra pessoa deve aplicar respiração boca-a-boca, firmando a cabeça da
pessoa e fechando as narinas com o indicador e o polegar, mantendo o queixo levantado para esticar
o pescoço.

Enquanto o ajudante enche os pulmões, soprando adequadamente para insuflá-los, pressione o peito
a intervalos curtos de tempo, até que o coração volte a bater.

Esta seqüência deve ser feita da seguinte forma: se você estiver sozinho, faça dois sopros para cada
quinze pressões no coração; se houver alguém ajudando-o, faça um sopro para cada cinco pressões.

Parada cárdio-respiratória
O que acontece
Em decorrência da gravidade de um acidente, pode acontecer a parada cárdio-respiratória, levando a
vítima a apresentar, além da ausência de respiração e pulsação, inconsciência, pele fria e pálida,
lábios e unhas azulados.
O que não fazer
 Não dê nada à vítima para comer, beber ou cheirar, na intenção de reanimá-la.
 Só aplique os procedimentos que se seguem se tiver certeza de que o coração não esta
batendo.

Procedimentos preliminares
Se o ferido estiver de bruços e houver suspeita de fraturas, mova-o, rolando o corpo todo de uma só
vez, colocando-o de costas no chão.

Faça isso sempre com o auxílio de mais duas ou três pessoas, para não virar ou dobrar as costas ou
pescoço, evitando assim lesar a medula quando houver vértebras quebradas. Verifique então se há
alguma coisa no interior da boca que impeça a respiração.

A ressucitação cárdio-pulmonar
Com a pessoa no chão, coloque uma mão sobre a outra e localize a extremidade inferior do osso
vertical que está no centro do peito (chamado osso esterno).

Ao mesmo tempo, uma outra pessoa deve aplicar respiração boca-a-boca, firmando a cabeça da
pessoa e fechando as narinas com o indicador e o polegar, mantendo o queixo levantado para esticar
o pescoço.

Enquanto o ajudante enche os pulmões, soprando adequadamente para insuflá-los, pressione o peito
a intervalos curtos de tempo, até que o coração volte a bater.

Esta seqüência deve ser feita da seguinte forma: se você estiver sozinho, faça dois sopros para cada
quinze pressões no coração; se houver alguém ajudando-o, faça um sopro para cada cinco pressões.
A remoção ou movimentação de um acidentado deve ser feita com um máximo de cuidado, a fim de
não agravar as lesões existentes. Antes da remoção da vítima, devem-se tomar as seguintes
providências:

 Se houver suspeita de fraturas no pescoço e nas costas, evite mover a pessoa.


 Para puxá-la para um local seguro, mova-a de costas, no sentido do comprimento com o
auxílio de um casaco ou cobertor.
 Para erguê-la, você e mais duas pessoas devem apoiar todo o corpo e colocá-la numa tábua
ou maca, lembrando que a maca é o melhor jeito de se transportar uma vítima. Se precisar
improvisar uma maca, use pedaços de madeira, amarrando cobertores ou paletós.
 Apóie sempre a cabeça, impedindo-a de cair para trás.
 Na presença de hemorragia abundante, a movimentação da vítima podem levar rapidamente
ao estado de choque.
 Se houver parada respiratória, inicie imediatamente a respiração boca-a-boca e faça
massagem cardíaca.
 Imobilize todos os pontos suspeitos de fratura.
 Se houver suspeita de fraturas, amarre os pés do acidentado e o erga em posição horizontal,
como um só bloco, levando até a sua maca.
 No caso de uma pessoa inconsciente, mas sem evidência de fraturas, duas pessoas bastam
para o levantamento e o transporte.
 Lembre-se sempre de não fazer movimentos bruscos.

Atenção
 Movimente o acidentado o menos possível.
 Evite arrancadas bruscas ou paradas súbitas durante o transporte.
 O transporte deve ser feito sempre em baixa velocidade, por ser mais seguro e mais cômodo
para a vítima.
 Não interrompa, sob nenhum pretexto, a respiração artificial ou a massagem cardíaca, se
estas forem necessárias. Nem mesmo durante o transporte.

Fratura
É a quebra de um osso causada por uma pancada muito forte, uma queda ou esmagamento.

Há dois tipos de fraturas: as fechadas, que, apesar do choque, deixam a pele intacta, e as expostas,
quando o osso fere e atravessa a pele. As fraturas expostas exigem cuidados especiais, portanto,
cubra o local com um pano limpo ou gaze e procure socorro imediato.

Fratura fechada - sinais indicadores


 Dor ou grande sensibilidade em um osso ou articulação.
 Incapacidade de movimentar a parte afetada, além do adormecimento ou formigamento da
região.
 Inchaço e pele arroxeada, acompanhado de uma deformação aparente do membro
machucado.
O que não fazer
 Não movimente a vítima até imobilizar o local atingido.
 Não dê qualquer alimento ao ferido, nem mesmo água.

O que fazer
 Solicite assistência médica, enquanto isso, mantenha a pessoa calma e aquecida.
 Verifique se o ferimento não interrompeu a circulação sanguínea.
 Imobilize o osso ou articulação atingido com uma tala.
 Mantenha o local afetado em nível mais elevado que o resto do corpo e aplique compressas
de gelo para diminuir o inchaço, a dor e a progressão do hematoma.

Entorses
É a torção de uma articulação, com lesão dos ligamentos (estrutura que sustenta as articulações).
Os cuidados são semelhantes aos da fratura fechada.

Luxação
É o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação. Os primeiros
socorros são também semelhantes aos da fratura fechada. Lembre-se de que não se deve fazer
massagens na região, nem tentar recolocar o osso no lugar.

Contusão
É uma área afetada por uma pancada ou queda sem ferimento externo. Pode apresentar sinais
semelhantes aos da fratura fechada. Se o local estiver arroxeado, é sinal de que houve hemorragia
sob a pele (hematoma).

Improvise uma tala


Amarre delicadamente o membro machucado (braços ou pernas) a uma superfície, como uma tábua,
revista dobrada, vassoura ou outro objeto qualquer.

Use tiras de pano, ataduras ou cintos, sem apertar muito para não dificultar a circulação sanguínea.

Improvise uma tipóia


Utilize um pedaço grande de tecido com as pontas presas ao redor do pescoço. Isto serve para
sustentar um braço em casos de fratura de punho, antebraço, cotovelo, costelas ou clavícula.

Só use a tipóia se o braço ferido puder ser flexionado sem dor ou se já estiver dobrado.
Primeiros Socorros de Emergência

Acidentes podem acontecer em qualquer lugar e a qualquer hora. No trânsito, em casa, na escola,
no trabalho, numa atividade esportiva, sempre estamos expostos a situações que podem exigir
atendimento de emergência.
O que fazer nesses momentos? Quem deve atender?
Atendimentos de emergência são normalmente feitos por adultos. Mas não é por isso que não
vamos abordar o assunto. O objetivo deste item é informar. Estando informado, você saberá evitar
as situações de acidentes. E poderá ajudar quando alguém próximo de você precisar de
atendimento.
Seja qual for a situação, é necessário antes de tudo tomar três medidas essenciais: procurar a
causa do acidente, afastar a vítima do perigo e avaliar o estado da vítima. Só então pode-se usar
o gráfico apresentado abaixo, para decidir qual a atitude tomar.
A vítima que estiver inconsciente tem sempre prioridade; mesmo que não seja necessário
reanimá-la, é preciso garantir que possa respirar. Só depois é que se deve começar a avaliar e
tratar lesões ou atender quaisquer outras vítimas que estiverem conscientes.
Avaliação

1. Verifique se a vítima está consciente.


Diga bem alto " Você está me ouvindo?" ou "Abra os olhos!" Sacuda levemente seus ombros. Se
ela estiver inconsciente, não haverá resposta.

2. Se estiver inconsciente, desobstrua a passagem de ar.


Remova qualquer obstrução visível da boca da vítima. Coloque dois dedos debaixo da ponta do
queixo e erga o maxilar. Ao mesmo tempo, coloque sua outra mão na testa da vítima e incline a
cabeça para trás.

3. Verifique a respiração.
Colocando a cabeça perto da boca e nariz da vítima: * Olhe para o peito para ver se há
movimento. * Procure ouvir o som da respiração. * Tente sentir a respiração da vítima na sua face.
Observe por 5 segundos antes de certificar-se de que não há respiração.

4. Verifique o pulso.
Mantendo a cabeça da vítima inclinada para trás, procure com dois dedos o pomo-de-adão.
Deslize os dedos para trás até encontrar a depressão entre a traquéia e o músculo ao lado.
Mantendo os dedos nesta posição, procure detectar a pulsação da carótida.
Posição de recuperação

1. Ajoelhando-se ao seu lado, incline a cabeça da vítima para trás e levante o queixo para
desobstruir as vias respiratórias. Depois de certificar-se de que as pernas estão esticadas, dobre o
braço que estiver mais próximo de você, formando um ângulo reto em relação ao corpo. A palma
da mão deve estar voltada para cima.

2. Dobre o outro braço da vítima sobre o peito e coloque a mão contra o rosto, com a palma virada para
fora. Com sua outra mão, pegue a coxa que esta mais afastada de você e dobre o joelho da vítima.
Mantenha o pé apoiado no chão.

3. Mantendo a mão da vítima contra o rosto, use a outra mão para pegar a perna e puxá-la
delicadamente em sua direção.

4. Incline a cabeça da vítima para trás para manter a passagem de ar livre. Acomode a mão para que a
cabeça fique bem apoiada. Ajuste a posição da perna que está em cima, de modo que o quadril e o joelho
formem um ângulo reto. Verifique a respiração e o pulso regularmente.

Respiração boca a boca

1. Certifique-se de que a passagem de ar está desobstruída e a cabeça inclinada para trás. Tape
bem as narinas da vítima, usando o indicador e o polegar.

2. Aspire profundamente e cole seus lábios à boca da vítima. Sopre para dentro da boca até que o
peito se levante.

3. Retire aos lábios e espere o peito abaixar. Continue numa média de 10 respirações por minuto.
Compressão cardíaca

1. Mantenha a vítima deitada de costas sobre uma superfície firme. Coloque a base de uma das
mãos dois dedos acima do ponto onde as costelas inferiores se encontram com o esterno. Ponha
a base da outra mão sobre a anterior e entrelace os dedos.

2. Com os braços esticados, pressione verticalmente o esterno, fazendo com que afunde 4 ou 5
cm. Repita a compressão numa média de 80 pressões por minuto. Para alternar com respiração
artificial: faça 15 compressões para cada duas respirações até que chegue socorro.

Hemorragias Externas

1. Remova a roupa que estiver cobrindo o ferimento e faça pressão firme sobre ele, usando, de
preferência, um curativo ou proteção limpos. NÃO use torniquete.

2. Mantendo a pressão, erga e apóie a parte lesada.

3. Prenda a proteção com firmeza, mas não aperte muito para não impedir a circulação do sangue
no membro lesado.
4. Providencie socorro médico adequado. Se o sangramento for intenso, chame ambulância.
Mantendo a parte lesada erquida e apoiada, cubra a vítima com um cobertor, com as pernas
também erguidas e apoiadas. Se o sangramento vazar pela atadura, coloque outro curativo por
cima.

Queimaduras (I)
INCÊNDIOS

· Lique imediatamente para o corpo de bombeiros (193).


· Remova as vítimas do local do perigo se houver segurança em fazê-lo.
· Não entre em edifício em chamas.
· Não entre em sala cheia de fumaça ou gás.

ROUPAS EM CHAMAS

- Não deixe a vítima sair correndo.


- Deite a vítima com o lado queimado para cima, apagando o fogo com água ou então a enrole
num casaco ou tapete.

LESÕES PROVOCADAS POR ELETRICIDADE

- Não se aproxime antes de:


- desligar a corrente elétrica.
- ser oficialmente informado de que a corrente de alta tensão foi desligada e isolada.
VAZAMENTOS DE PRODUTOS QUÍMICOS

· Proteja-se de produtos químicos corrosivos.


· Certifique-se de que a água contaminada que lavou o local atingido escoou com segurança.
· Fique atento com relação aos perigos de gases tóxicos.

Queimaduras (II)

1. Refresque a queimadura a queimadura com água fria até aliviar a dor.


NÃO demore para conseguir socorro médico se a queimadura for grave.

2. Remova tudo o que possa apertar o local da queimadura roupas, cintos, sapatos, relógios,
anéis e outra jóias.
NÃO remova roupas ou qualquer outra coisa que esteja grudada à queimadura.

3. Cubra a queimadura com material leve, limpo e não felpudo.


NÃO use creme, ungüento ou gordura.
NÃO rompa nenhuma bolha.

Lesão na Cabeça
1. Se houver ferimento no couro cabeludo, coloque no lugar os pedaços de pele soltos. Usando
uma proteção limpa, pressione a ferida.
NÃO toque o ferimento com os dedos.

2. Após controlar o sangramento, prenda a proteção com uma atadura.

3. Verifique o nível de resposta da vítima, fazendo perguntas simples e diretas. Se o nível de


consciência continuar alterado por mais de 3 minutos, leve-a ao hospital. Anote o ritmo da
respiração, do pulso e o nível de resposta a cada 10 minutos.

4. Deite a vítima com a cabeça e os ombros apoiados e erguidos. Leve-a para o hospital nesta
posição.

Ataque Cardíaco

1. Coloque a vítima em posição confortável. Geralmente, a melhor posição é


recostada, com os joelhos dobrados e apoiados.

2. Dê-lhe uma aspirina e peça-lhe para mastigá-la devagar.

3. Leve a pessoa ao hospital e informe o enfermeiro de que suspeita de ataque


cardíaco. Chame o médico que cuida da vítima.
4.Tranqüilize a vítima e faça a verificação constante do pulso e da respiração até a
chegada de socorro.

Perda de Consciência

1. Erga com cuidado o queixo da vítima e incline lentamente a cabeça para trás para desobstruir a
passagem de ar. Verifique se há pulso e respiração. Avalie seu nível de resposta, falando alto
junto a seu ouvido e beliscando o dorso da mão. Anote suas conclusões.
NÃO mude a vítima de lugar sem necessidade.

2. Coloque a vítima na posição de recuperação.

3. Se a vítima não recuperar a consciência em 3 minutos, leve-a ao hospital. Anote o ritmo da


respiração e do pulso, bem como o nível de resposta, a cada 10 minutos. Permaneça com a
vítima até a chegada do médico. lhe entregue suas anotações.