Você está na página 1de 10

A SEMANA DA ARTE MODERNA MARCOU A

HISTÓRIA DA ARTE NO BRASIL, FOI UM PERÍODO


IMPORTANTE, COMPARECERAM MUITOS
ARTISTAS FAMOSOS. O EVENTO OCORREU EM
SÃO PAULO – SP, ENTRE OS DIAS 11 E 18 DE
FEVEREIRO DE 1922, NO TEATRO MUNICIPAL DA
CIDADE.
FICOU CONHECIDA TAMBÉM COMO “SEMANA DE
22”.
AS PRIMEIRAS EXPOSIÇÕES EXPRESSIONISTAS
QUE PASSARAM PELO BRASIL – A DE LASAR
SEGALL EM 1913 E, UM ANO DEPOIS A DE ANITA
MALFATTI – NÃO DESPERTARAM ATENÇÃO; E
SOMENTE EM 1917, COM A SEGUNDA EXPOSIÇÃO
DE MALFATTI, OU MAIS AINDA COM A CRÍTICA
DE QUE ESTA RECEBEU DE MONTEIRO LOBATO,
QUE VAI OCORRER UMA POLARIZAÇÃO DAS
IDÉIAS RENOVADORAS.
ATRAVÉS DO EMPRESÁRIO PAULO PRADO E DI
CAVALCANTI, UM DOS PRINCIPAIS
ARTICULADORES DA SEMANA DE 22, PARA ELE A
SEMANA DE ARTE: “SERIA UMA SEMANA DE
ESCÂNDALOS E ARTÍSTICOS, DE METER OS
ESTRIBOS NA BARRIGA DA BURGUESIAZINHA
PAULISTA”.
FIZERAM A SEMANA DE 22 REALIDADE.
OUTROS MEMBROS DA COMISSÃO
ORGANIZADORA DA SEMANA DE 22 FORAM:
OSWALD DE ANDRADE
MANUEL BANDEIRA
E
MÁRIO DE ANDRADE
(PRINCIPAL ARTICULADOR DA SEMANA DE 22 E
UMA DAS FIGURAS CENTRAIS).
NO CENTENÁRIO DA INDEPNDÊNCIA DO PAÍS,
OCORRIDA EM 1822, O BRASIL PASSAVA POR
DIVERSAS MODIFICAÇÕES SOCIAIS, POLÍTICAS E
ECONÔMICAS (ADVENTO DA
INDUSTRIALIZAÇÃO, FIM DA PRIMEIRA GUERRA
MUNDIAL, ETC).
DISSO SURGE A NECESSIDADE DE RECORRER A
UMA NOVA ESTÉTICA, E DAÍ NASCE A “SEMANA
DE ARTE MODERNA”.
ELA ESTEVE COMPOSTA POR ARTISTAS,
ESCRITORES, MÚSICOS E PINTORES QUE
BUSCAVAM INOVAÇÕES ESTÉTICAS.
O INTUITO ERA CRIAR UMA MANEIRA DE
ROMPER COM OS PARÂMETROS QUE
VIGORAVAM NAS ARTES EM GERAL.
A MAIORIA DOS ARTISTAS ERAM
DESCENDENTES DAS OLIGARQUIAS CAFEEIRAS
(OLIGARQUIA CAFEEIRA FOI UMA ÉPOCA ONDE
OS CORONÉIS DE SÃO PAULO E MINAS GERAIS SE
REVESAVAM NO COMANDO DO PAÍS, E SÓ OS
BARÕES DE CAFÉ SUBIAM A PRESIDÊNCIA) DE
SÃO PAULO, QUE JUNTO AOS FAZENDEIROS DE
MINAS, FORMAVAM UMA POLÍTICA QUE FICO
CONHECIDA COMO “CAFÉ COM LEITE”.
ESSE FATOR FOI IMPORTANTE E DETERMINANTE
PARA A REALIZAÇÃO DO EVENTO, UMA VEZ QUE
FOI RESPALDADO PELO GOVERNO DE
WASHINGTON LUÍS, NA ÉPOCA GOVERNADOR
DO ESTADO DE SÃO PAULO.
A MAIORIA DOS ARTISTAS, OS QUAIS POSSUÍAM
POSSIBILIDADES FINANCEIRAS PARA VIAJAR E
ESTUDAR NA EUROPA, TROUXERAM PARA O
PAÍS DIVERSOS MODELOS ARTÍSTICOS. ASSIM,
UNIDOS À ARTE BRASILEIRA, FOI SE FORMANDO
O MOVIMENTO MODERNISTA NO BRASIL QUE
TORNOU-SE REFERÊNCIA CULTURAL DO SÉCULO
XX.
FOI ASSIM QUE DURANTE TRÊS DIAS (13, 15 E 17
DE FEVEREIRO) ESSA MANIFESTAÇÃO
ARTÍSTICA, POLÍTICA E CULTURAL REUNIU
JOVENS ARTISTAS IRREVERENTES E
CONTESTADORES.

O EVENTO FOI INAUGURADO PELA PALESTRA DO


ESCRITOR GRAÇA ARANHA: “A EMOÇÃO
ESTÉTICA DA ARTE MODERNA”; SEGUIDO DE
APRESENTAÇÕES MUSICAIS E EXPOSIÇÕES
ARTÍSTICAS.
OS ARTISTAS QUE COMPARECERAM NO EVENTO:
Artes Plásticas
- Anita Malfatti (pintora)
- Di Cavalcanti (pintor)
- Vicente do Rego Monteiro (pintor)
- Inácio da Costa Ferreira (caricaturista, desenhista e
ilustrador)
- John Graz (pintor)
- Alberto Martins Ribeiro (pintor)
- Oswaldo Goeldi (pintor)
- Victor Brecheret (escultor)
- Hidelgardo Leão Velloso (escultor)
- Wilhelm Haarberg (escultor)

Literatura
- Mario de Andrade (escritor)
- Oswald de Andrade (escritor)
- Sérgio Milliet (escritor)
- Plínio Salgado (escritor)
- Menotti del Picchia (escritor)
- Ronald de Carvalho (poeta e político)
- Álvaro Moreira (escritor)
- Renato de Almeida (escritor)
- Guilherme de Almeida (escritor)
- Ribeiro Couto (escritor)
Música
- Heitor Villa-Lobos (músico)
- Guiomar Novais (músico)
- Frutuoso Viana (músico)
- Ernâni Braga (músico)

Arquitetura
- Antônio Garcia Moya (arquiteto)
- Georg Przyrembel (arquiteto)

Outras áreas
- Eugênia Álvaro Moreyra (atriz e diretora de teatro)
Comissão Organizadora da Semana de Arte Moderna.

Você também pode gostar