Você está na página 1de 73

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE

PROJETOS

Prof. Ms. Louremir R. Jeronimo


louremir@fgvmail.br
REGRAS BÁSICAS

 Coffee-break
 Aulas
 Prova – 7 pontos
 Trabalho – 3 pontos
 Desligue o celular, por favor!
OBJETIVOS DO CURSO

• Apresentar os conceitos das


principais ferramentas utilizadas
na análise de viabilidade de
projetos;

• Fazer com que se compreenda a


sua utilização e as situações em
que devem ser exploradas;

• Apresentar técnicas que possam


ser utilizadas em análise que
envolvam diversos cenários;
ESCOLHA ENTRE PROJETOS

Projeto A Projeto B

0 (1.000) 0 (2.500)

1 200 1 1.200

2 300 2 1.000
3 400 3 800

4 500 4 300

5 600 5 200
PAYBACK SIMPLES

Projeto A Saldo Projeto B Saldo


Acumulado Acumulado
0 (1.000) (1.000) 0 (2.500) (2.500)

1 200 (800) 1 1.200 (1.300)

2 300 (500) 2 1.000 (300)

3 400 (100) 3 800 500

4 500 400 4 300 800

5 600 1.000 5 200 1.000

Payback = 4 Payback = 3
O período de payback é um índice que representa o
tempo que o capital investido irá levar para retornar ao
investidor
CARACTERÍSTICAS DO PAYBACK
SIMPLES

O método do payback simples leva em conta o tempo


de retorno para o capital investido.

O tempo necessário para recuperar o capital investido é


conhecido como "payback".

O investidor estabelece o prazo máximo para a


recuperação do investimento, que será o marco para a
aceitação ou não do projeto.

O método do "Payback Simples" é um procedimento


fácil e direto que compara o tempo necessário para
recuperar o investimento (PBS) com o máximo tempo
tolerado pelo investidor.
QUAL APROVAR?

Projeto A Saldo Projeto B Saldo


Acumulado Acumulado
0 (1.000) (1.000) 0 (2.500) (2.500)

1 200 (800) 1 1.200 (1.300)

2 300 (500) 2 1.000 (300)

3 400 (100) 3 800 500

4 500 400 4 300 800

5 600 1.000 5 200 1.000

Payback = 4 Payback = 3

Se o payback máximo aceitável pela empresa for


de 3 anos,qual projeto deverá ser aprovado?
QUAL APROVAR?

Projeto A Saldo Projeto B Saldo


Acumulado Acumulado
0 (1.000) (1.000) 0 (2.500) (2.500)

1 200 (800) 1 1.200 (1.300)

2 300 (500) 2 1.000 (300)

3 400 (100) 3 800 500

4 500 400 4 300 800

5 600 1.000 5 200 1.000

Payback = 4 Payback = 3

E se o payback máximo aceitável pela empresa for


de 4 anos,qual projeto deverá ser aprovado?
TIPOS DE PROJETOS

• Existem duas possibilidades


na análise de viabilidade de
projetos:

– Projetos independentes:
• A aprovação de um não
significa a exclusão de outro.

– Projetos mutuamente
excludentes:
• A aprovação de um
necessariamente tem como
consequência a reprovação
das outras possibilidades
APROVAÇÃO POR TIPOS DE PROJETOS

Projeto A Saldo Projeto B Saldo


Acumulado Acumulado
0 (1.000) (1.000) 0 (2.500) (2.500) Payback máximo
aceitável = 4
1 200 (800) 1 1.200 (1.300)

2 300 (500)
Mutuamente
2 1.000 (300)
excludente:
3 400 (100) 3 800 500
Aprova B

4 500 400 4 300 800


Independentes:
Aprova A e B
5 600 1.000 5 200 1.000
NECESSIDADES DO PAYBACK SIMPLES
Para aplicar o método do Payback Simples é
necessário que:

•O primeiro FC seja um investimento


•Os demais FC's do investimento apresentem
uma única mudança de sinal em relação ao FC
inicial.
•Definir o tempo máximo tolerado (TMT) pela
empresa para recuperar o capital investido.

•Comparar o PBS do projeto com o TMT definido:

•Se PBS ≤ TMT, então o projeto de


investimento deve ser aceito.
•Se PBS >TMT, então o projeto de investimento
não deve ser aceito.
PAYBACK SIMPLES
PERÍODOS FRACIONADOS

Projeto A Saldo
Acumulado Para que o saldo acumulado se torne nulo,
0 (1.000) (1.000) não há necessidade de se completar
integralmente o quarto período. Assim, o
1 200 (800) payback seria de 3 anos acrescido do tempo
necessário para zerar o saldo acumulado.
2 300 (500)
Saldo negativo no final do período 3: (100)
3 400 (100) Valor de entrada no período 4 : 500

4 500 400
Assim, o payback simples seria:
5 600 1.000
3 + 100/500 = 3,2
PAYBACK SIMPLES
PERÍODOS FRACIONADOS

Projeto A Saldo
Acumulado
0 (1.000) (1.000)
O payback simples fracionado considera que
1 200 (800) o valores das entradas de caixa são gerados
linearmente durante o período, o que
2 300 (500)
geralmente não representa a realidade.
3 400 (100)
Desta forma, este indicador apesar de
apresentar um cálculo preciso, não pode ser
4 500 400
considerado exato.
5 600 1.000
QUAL PROJETO APROVAR?

Projeto A Projeto B

0 (2.000,00) 0 (2.000,00)
1 400 1 400
2 500 2 700
3 300 3 600

4 400 4 200

5 600 5 300
6 600 6 300

7 700 7 400

8 800 8 1.400
PAYBACK DOS PROJETOS

Projeto A Saldo Projeto B Saldo


Acumulado Acumulado
0 (2.000) (2.000) 0 (2.000) (2.000)
1 400 (1.600) 1 400 (1.600)
2 500 (1.100) 2 700 (900)

3 300 (800) 3 600 (300)

4 400 (400) 4 200 (100)

5 600 200 5 300 200


6 600 800 6 300 500
7 700 1.500 7 400 900

8 800 2.300 8 1.400 2.300


FLUXOS A VALOR PRESENTE

Proj. A Fluxo a VP Proj. B Fluxo a VP


(tx 8% (tx 8%
a.p.) a.p.)
0 (2.000) (2.000,00) 0 (2.000) (2.000,00)
1 400 370,37 1 400 370,37
2 500 428,67 2 700 600,14
3 300 238,15 3 600 476,30
4 400 294,01 4 200 147,01
5 600 408,35 5 300 204,17
6 600 378,10 6 300 189,05
7 700 408,44 7 400 233,40
8 800 432,22 8 1.400 756,38
PAYBACK DESCONTADO

Proj. A Fluxo a Saldo a Proj. B Fluxo a Saldo a


VP (tx VP VP (tx VP
8% a.p.) 8% a.p.)
0 (2.000) (2.000,00) (2.000,00) 0 (2.000) (2.000,00) (2.000,00)
1 400 370,37 (1.629,63) 1 400 370,37 (1.629,63)
2 500 428,67 (1.200,96) 2 700 600,14 (1.029,49)
3 300 238,15 (962,81) 3 600 476,30 (553,19)
4 400 294,01 (668,80) 4 200 147,01 (406,19)
5 600 408,35 (260,45) 5 300 204,17 (202,01)
6 600 378,10 117,65 6 300 189,05 (12,96)
7 700 408,44 526,10 7 400 233,40 220,43
8 800 432,22 958,31 8 1400 756,38 976,81
Payback Descontado = 6 Payback Descontado = 7
O período de payback é um índice que representa o tempo que o capital investido irá
levar para retornar ao investidor, considerando todo o fluxo a valor presente.
NECESSIDADES DO PAYBACK
DESCONTADO
Para aplicar o método do Payback Descontado
é necessário:

Verificar que:
 O primeiro FC seja um investimento
 Os demais FC's do investimento
apresentem uma única mudança de
sinal em relação ao FC inicial.

Definir o tempo máximo tolerado (TMT)


pela empresa para recuperar o capital
investido.

Comparar o PBD do projeto com o TMT


definido:
 Se PBD ≤ TMT, então o projeto de
investimento deve ser aceito.
 Se PBD > TMT, então o projeto de
investimento não deve ser aceito.
QUAL APROVAR?

Projeto A Projeto B

0 (4.000,00) 0 (4.000,00)
1 800,00 1 800,00
2 1.000,00 2 1.400,00

3 600,00 3 1.200,00

4 800,00 4 400,00

5 1.200,00 5 600,00
6 1.200,00 6 600,00

7 1.400,00 7 800,00

8 2.000,00 8 4.800,00
FLUXOS A VALOR PRESENTE

Projeto Fluxo a VP Projeto Fluxo a


A (tx 8% B VP (tx
a.p.) 8% a.p.)
0 (4.000,00) (4.000,00) 0 (4.000,00) (4.000,00)
1 800,00 740,74 1 800,00 740,74
2 1.000,00 857,34 2 1.400,00 1.200,27
3 600,00 476,30 3 1.200,00 952,60
4 800,00 588,02 4 400,00 294,01
5 1.200,00 816,70 5 600,00 408,35

6 1.200,00 756,20 6 600,00 378,10

7 1.400,00 816,89 7 800,00 466,79


8 2.000,00 1.080,54 8 4.800,00 2.593,29
PAYBACK DESCONTADO DOS
PROJETOS

Projeto Fluxo a Acum. a Projeto Fluxo a Acum. a


A VP (tx VP B VP (tx VP
8% a.p.) 8% a.p.)
0 (4.000,00) (4.000,00) (4.000,00) 0 (4.000,00) (4.000,00) (4.000,00)

1 800,00 740,74 (3.259,26) 1 800,00 740,74 (3.259,26)

2 1.000,00 857,34 (2.401,92) 2 1.400,00 1.200,27 (2.058,98)

3 600,00 476,30 (1.925,62) 3 1.200,00 952,60 (1.106,39)

4 800,00 588,02 (1.337,60) 4 400,00 294,01 (812,37)

5 1.200,00 816,70 (520,90) 5 600,00 408,35 (404,02)

6 1.200,00 756,20 235,31 6 600,00 378,10 (25,92)

7 1.400,00 816,89 1.052,19 7 800,00 466,79 440,87

8 2.000,00 1.080,54 2.132,73 8 4.800,00 2.593,29 3.034,16

Payback Descontado = 6 Payback Descontado = 7


VALOR PRESENTE LÍQUIDO - VPL

Projet Fluxo a VP Acum. a Projet Fluxo a VP Acum. a


oA (tx 8% VP oB (tx 8% VP
a.p.) a.p.)
0 (4.000) (4.000) (4.000) 0 (4.000) (4.000) (4.000)

1 800,00 740,74 (3.259,26) 1 800,00 740,74 (3.259,26)

2 1.000,00 857,34 (2.401,92) 2 1.400,00 1.200,27 (2.058,98)

3 600,00 476,30 (1.925,62) 3 1.200,00 952,60 (1.106,39)

4 800,00 588,02 (1.337,60) 4 400,00 294,01 (812,37)

5 1.200,00 816,70 (520,90) 5 600,00 408,35 (404,02)

6 1.200,00 756,20 235,31 6 600,00 378,10 (25,92)

7 1.400,00 816,89 1.052,19 7 800,00 466,79 440,87

8 2.000,00 1.080,54 2.132,73 8 4.800,00 2.593,29 3.034,16


FÓRMULADO DO VPL

O método do VPL também é


conhecido como método do
fluxo de caixa descontado, é
calculado pela soma dos
valor presente de cada
parcela do fluxo de caixa.

VPL = FC0 + FC1 + FC2 + ... + FCn


(1+i) (1+i)^2 (1+i)^n
Onde:

FC = Fluxo de Caixa Líquido


i = Taxa de juros
CARACTERÍSTICAS DO VPL

O método do VPL apresenta


o valor atual de um fluxo
de caixa, considerando
uma determinada taxa de
juros.

É utilizado para realizar


cálculos de valor de
investimentos e para
identificar o quanto investir
no presente para garantir
retiradas futuras a uma
determinada taxa
NECESSIDADES DO VPL

Para se utilizar o VPL alguns


pontos relevantes devem ser
observados:

 quanto foi investido

 quanto ele gera em


termos de fluxo de
caixa

 o instante de
ocorrência de cada
fluxo de caixa

 risco associado a cada


fluxo de caixa
GRÁFICO VPL x TAXA DE JUROS

R$ 600.000,00
R$ 500.000,00
R$ 400.000,00
R$ 300.000,00
R$ 200.000,00
VPL

R$ 100.000,00
R$ 0,00
(R$ 100.000,00) 0% 10% 20% 30% 40% 50%
(R$ 200.000,00)
(R$ 300.000,00)
Taxa de Juros
VANTAGENS DO VPL

 Considera todos os FC´s do projeto;

 Pode ser aplicado a qualquer tipo de


projeto de investimento,
independentemente de das
características de seu fluxo de caixa;

 Fornece a geração ou destruição de valor


para o investidor;

 Permite a comparação entre projetos


com fluxos de caixa distintos.
VPL NA HP12C

A calculadora HP 12 permite a Os passos para se


inserção de um fluxo de caixa, calcular o VPL na HP 12C,
de modo a calcular o seu VPL. serão:

Suponha o fluxo abaixo e uma 1000 CHS G Cfo


taxa de juros de 3% a.p.:
500 G Cfj

T0 (1.000) 200 G Cfj

T1 500 600 G Cfj

T2 200 2 G Nj

T3 600 3 i

T4 600 F NPV

Resp: 756,13
PERPETUIDADES

Existem determinados
fluxos de caixa que
PMT PMT PMT (...)
apresentam a
característica de
apresentaram fluxos taxa = i
iguais, constantes e 0 1 2 3 (...) ∞
infinitos.
PV
Estes fluxos são
chamados de PM T
perpetuidades. PV 
i
BALANÇO PATRIMONIAL

Capital de
Terceiros

Capital
Aplicação Origem
Próprio
de de
Recursos Recursos
CUSTO MÉDIO PONDERADO
DE CAPITAL

E quanto custa o dinheiro utilizado pela empresa?

Participação de
Empréstimo 3.000 Capital de Terceiros
30%
Custo 15%

Participação de
Patr. Liquido 7.000 Capital de Próprio
70%
Custo 17%

Total 10.000 100%


CÁLCULO DO CMPC

Uma vez que os recursos entram


na empresa, os mesmos se
tornam um mesmo montante.
Sendo assim, deve-se obter a
média ponderada de seus custos
em relação as origens para se
encontrar o custo do capital
utilizado pela empresa.

CMPC = Part. Cap. Terc. X CT + Part. Cap. Próprio x CP


CMPC = 30% x 15% + 70% x 17%
CMPC = 4,5% + 11,9%
CMPC = 16,4%

Deve-se observar que a ponderação será realizada pela


quantidade de fontes de recursos com custos distintos, não se
limitando apenas a duas
COMO DECIDIR?

VPL  0, o projeto é viável


VPL  0, o projeto é inviável

Mas e se o VPL for igual a zero?


VPL IGUAL A ZERO

• Custo de Financiamento:

VPL = 0, Não aprova o projeto a não ser


que seja necessária a realização

• Custo de Médio Ponderado de Capital

VPL = 0, Aprova o projeto

• Custo de Oportunidade

VPL = 0, pode-se escolher entre o


projeto e a oportunidade. Neste caso
seria melhor avaliar segundo outras
taxas.
BALANÇO PATRIMONIAL

Capital de
Terceiros

Capital
Próprio

Como encontrar o custo de cada tipo de origem de recurso?


CUSTO DE CAPITAL DE TERCEIROS

Receita 9.000
Custo (3.000)
Lucro Bruto 6.000

Despesas (1.000)

Lucro Antes Imp. 5.000

IR (25%) (1.250)

Lucro Líquido 3.750

Qual seria o impacto na DRE da empresa for captado um


empréstimo no valor de 20.000 e taxa de juros de 10% a.a.?
IMPACTO NOS TRIBUTOS A RECOLHER

Sem Com
Empréstimo Empréstimo

Receita 9.000 9.000


Custo (3.000) (3.000)
Lucro Bruto 6.000 6.000

Despesas (1.000) (1.000)

Despesas Financeiras (2.000)


Economia
Lucro Antes Imp. 5.000 3.000
de Tributos
IR (25%) (1.250) (750) 500

Lucro Líquido 3.750 2.250


FÓRMULA DO CUSTO DE CAPITAL DE
TERCEIROS

Valor do Empréstimo 20.000


Juros Contratuais 2.000
Economia de Tributos (500)
Valor Líquido Desembolsado 1.500
Custo Real do Empréstimo 1.500/20.000 = 7,5%

CT = Taxa Contratual x (1 – Taxa IR)


CT = 10% x (1 – 25%)
CT = 7,5%

Esta cálculo é válido apenas para empresas de lucro real.


Em empresas de lucro presumido o CT é igual a taxa contratual
CUSTO DE CAPITAL DE PRÓPRIO

Re = Rf + b x (Rm - Rf)
Onde:

Re = Retorno esperado de um titulo


Rm = Retorno da carteira de mercado
Rf = Taxa livre de risco
b = Medida de risco do titulo

O Re pode ser entendido como sendo o custo de capital próprio de uma


empresa
CUSTO DE CAPITAL DE PRÓPRIO -
EXEMPLO

Se uma empresa apresenta um b


igual a 0,75, sendo o retorno da
carteira de mercado (Ibovespa) de
19% e taxa dos titulos do governo
igual a 11%, qual deve ser a
rentabilidade esperada pelos
investidores para estarem dispostos a
investir neste titulo?

Re = Rf + b x (Rm - Rf)
Re = 11% +0,75 (19% - 11%)
Re = 11% + 6%
Re = 17%
ÍNDICE DE LUCRATIVIDADE (IL)

Quando se utiliza o método do


VPL não se tem uma referência
quanto ao valor investido em
cada projeto;

O método do IL, fazendo uma


comparação entre o valor
presente dos fluxos futuros
com o investimento realizado,
procura evidenciar o resultado
gerado e o seu investimento.
EXEMPLO DE IL

O fluxo de caixa anual depois dos impostos de um projeto


de investimento está resgistrado na tabela a seguir. Calcular
o IL do projeto considerando uma taxa mínima requerida
igual a 10% a.a.

Anos Capitais
PV dos retornos = 80 + 130 + 250 = 367,99
0 -$240,00 1,10^1 1,10^2 1,10^3
1 $80,00 IL = PV dos Retornos = 367,99
2 $130,00 Investimento 240
3 $250,00 IL = 1,53
CRITÉRIOS DO IL

 Se IL > 1, então:
 Para cada $1 investido, o VP dos retornos gerados pelo
projeto será maior que $1
 O VPL do projeto será maior que zero, devendo ser aceito

 Se IL =1, então:
 Para cada $1 investido, o VP dos retornos gerados pelo
projeto será igual a $1
 O VPL do projeto será igual a zero. Neste caso a análise
dependerá da taxa de desconto utilizada

 Se IL < 1, então:
 Para cada $1 investido, o VP dos retornos gerados pelo
projeto será menor que $1. O VPL do projeto será menor
que zero devendo ser recusado
EQUIVALÊNCIA FINANCEIRA

A equivalência financeira envolve o


conceito básico do raciocínio
financeiro. Segundo ele, valores são
equivalentes financeiramente quando
a uma determinada taxa comum e
em uma data específica apresentam
o mesmo resultado.

Exemplo:

Pode-se dizer que R$ 100,00 hoje são equivalente a R$ 120,00 a


daqui um mês à uma taxa de 20% a.m.
EQUIVALÊNCIA DE FLUXOS DE CAIXA

Dois fluxos de caixa como sendo equivalentes quando ambos produzem


os mesmo valores presentes líquidos em um mesmo período e à
mesma taxa de desconto
Fluxo 1 Fluxo 2

0 0 0
1 9.900,99 0
2 9.900,99 20.000,00
Considerando-se uma taxa de
3 9.900,99 0 desconto de 2% ao período, o valor
4 9.900,99 20.000,00 do VPL para ambos os fluxos será de
5 9.900,99 0 88.936,49, sendo portanto
6 9.900,99 20.000,00 equivalentes.
7 9.900,99 0
8 9.900,99 20.000,00
9 9.900,99
10 9.901,00 20.000,00
COMPRAR OU ALUGAR?

Existem duas formas de analisar


esta situação:

A primeira seria calcular o


custo equivalente da opção de
compra, e compará-la com a
opção de locação;

A segunda seria projetar os


fluxos de caixa das duas
opções e comparar o
investimento líquido de cada
uma delas.
CUSTO EQUIVALENTE ANUAL

Calcule o custo equivalente anual referente à compra de


um equipamento de $120.000, cuja vida útil esperada é
de 5 anos, com valor residual de 20% do valor de
compra. Os custos operacionais anuais de manutenção e
operação do equipamento estão estimados em
$16.400,00 por ano. Supor uma taxa de 12% ao ano.

Cálculo do Investimento Líquido:


 Valor Bruto do Caminhão $120.000,00
 Valor residual atualizado
= (0,2 x 120.000) / (1,12)5 $ 13.618,24
Investimento Líquido $ 106.381,80

Cálculo do Custo Equivalente Anual:


 Custo Anual do Investimento (PMT) $29.511,33
 Custo Operacional & Manutenção $16.400,00
Custo Equivalente Anual $ 45.911,33
RENTABILIDADE

T0 (2.000)
T1 200
Taxa de Juros = 10% a.p. T2 200
T3 2.200

Qual a rentabilidade desta aplicação?

Qual o VPL da aplicação considerando a taxa


de rentabilidade?
TAXA INTERNA DE RETORNO - TIR

 A taxa Interna de Retorno


de um projeto, apresenta a
taxa de rentabilidade
esperada para o mesmo
considerando o seu fluxo de
caixa projetado

 A Taxa Interna de Retorno


pode ser definida como
sendo a taxa que faz com o
que o VPL de um fluxo seja
igual a zero
FÓRMULADO DA TIR

A TIR pode ser encontrada através da seguinte


expressão:

0 = Fco + Fc1 + Fc2 + ... + Fcn


(1+i)^1 (1+i)^2 (1+i)^n

Onde:

Fc = Fluxo de Caixa Líquido


CÁLCULO DA TIR

T0 (2.000)
T1 200 0 = (2.000) + 200 + 200 + 2.200
(1+i)^1 (1+i)^2 (1+i)^3
T2 200
T3 2.200 i = 10%
TIR NA HP 12C

Na HP-12C digita-se a
seqüência a seguir:

2000 CHS gCF0


200 gCFJ
2 gNJ
2200 gCFJ

F IRR = 10%
GRÁFICO DA TIR

750

600

450

300
TIR
150

0
VPL

0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40%


-150

-300

-450
Taxa
CRITÉRIOS DA TIR

 Para se avaliar a viabilidade de projetos


de investimentos baseado no método da
TIR, deve-se seguir o seguinte raciocínio:

 Se a taxa requerida for menor ou


igual a TIR, então o projeto deve ser
aprovado;

 Se a taxa requerida for maior que a


TIR, então o projeto não deve ser
aprovado.
FLUXOS NÃO CONVENCIONAIS

Anos Capitais
Neste fluxo:
0 $0
1 $360 1. Não há investimento inicial
2 $200
2. Nos 3 primeiros anos do
3 $100
projeto os retornos líquidos
4 -$3.600 são todos positivos.
5 $1200
6 $1000 3. No quarto ano ocorre o
investimento, seguido de
7 $800 vários outros recebimentos
8 $600
9 $400
10 $200
TIR DE FLUXOS NÃO CONVENCIONAIS

Na HP-12C digita-se a seqüência a seguir:

0 gCF 0 800 gCF J


360 gCF J 600 gCF J
200 gCF J 400 gCF J
100 gCFJ 200 gCF J
3.600 CHSgCFJ
1.200 gCF J F IRR  Error 3
1.000 gCFJ
O erro encontrado indica que a calculadora encontrou mais
de uma resposta possível para o problema. Desta
forma, para que ela indique o resultado, necessita-se de
uma estimativa do valor esperado para a TIR.
EXEMPLO GRAFICO DE TIR MÚLTIPLAS

Anos Capitais
0 $0
1 $360 1400

2 $200 1200

3 $100 1000

4 -$3.600 800
VPL

600
5 $1200 TIR1 TIR2
400
6 $1000
200
7 $800
0
8 $600 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90%
-30
9 $400
Taxa
10 $200
ESTIMATIVA DE TIR

0 gCF 0 800 gCF J


360 gCF J 600 gCF J
200 gCF J 400 gCF J
100 gCFJ 200 gCF J
3.600 CHSgCFJ F IRR 3
Error
1.200 gCF J 20 RCL g R/S  TIR = 24,04% a.a
1.000 gCFJ 50 RCL g R/S  TIR = 58,61% a.a

Com isso chega-se ao valor das duas TIR’s deste projeto.


TAXA INTERNA DE RETORNO
MODIFICADA

•Com forma de solucionar a


existência de múltiplas TIRs, pode-
se utilizar a Taxa Interna de
Retorno modificada (TIRM);

• Segundo esta metodologia, o


fluxo de caixa não convencional
será modificado, e sobre ele
calculado a TIR, encontrando-se a
TIRM.
PROCEDIMENTOS DA TIRM

 Todos os desembolsos do fluxo de Retornos


caixa do projeto devem ser
descontados à taxa mínima
requerida para a data inicial;
0 n
taxa = MTIR
 Todos os retornos do fluxo de
caixa do projeto devem ser
capitalizados à taxa mínima Desembolsos
requerida para a data final;

CRITÉRIO DA MTIR
MTIR::
 Com base no novo fluxo
• SE MTIR > Taxa Mínima
encontrado, calcula-se a TIR da
Requerida  aceitar o projeto
mesma maneira, mas o resultado
• SE MTIR  Taxa Mínima
será a TIRM. Requerida  rejeitar o projeto
EXEMPLO TIRM

Anos Capitais Anos Capitais Todos o valores


0 $0 0 - $ 868,06 positivos devem
ser levados ao
1 $180 1 $0 último período e
2 $100 2 $0 somados

3 $50 3 $0
4 - $1.800 4 $0 Todos o valores
$0 negativos devem
5 $600 5 ser trazidos a T0 e
6 $500 6 $0 somados
7 $400 7 $0
8 $300 8 $0
Calcula-se a TIR
9 $200 9 $0 do fluxo
10 $100 10 $5.530,89 modificado
Tx = 20%a.p.
TIRM = 20,34%
TIRM – UTILIZAÇÃO DE MERCADO

Anos Capitais Anos Capitais Muitas vezes a


0 $0 0 - $ 737,28 empresa não
aplica os seus
1 $180 1 $0 recursos ao CMPC.
2 $100 2 $0
3 $50 3 $0 Assim os valores
4 - $1.800 4 $0 positivos são
capitalizados à
5 $600 5 $0
taxa conseguida
6 $500 6 $0 nas aplicações.
7 $400 7 $0
8 $300 8 $0
Calcula-se a TIR
9 $200 9 $0
do fluxo
10 $100 10 $5.530,89 modificado

Tx aplicação= 20%a.p.
Tx captação = 25%a.p. TIRM = 22,33%
VPL X TIR

Projeto A Projeto B
(US$ Milhões) (US$ Milhões)

0 (1.800) 0 (1.800)

1 1.100 1 720

2 920 2 500

3 720 3 1800
Tx
20%a.p
VPL 172,22 VPL 188,89

TIR 26,51% TIR 25,56%

Qual projeto deve ser aprovado?


GRÁFICO TIR X VPL

VPL ($)

1.220 (B)

940 (A)

taxa de desconto
0 (%)
25,56 26,51
INTERSEÇÃO DE FISCHER

Projeto A Projeto B <>

0 (1.800) (1.800) 0

1 1.100 720 380

2 920 500 420

3 720 1800 (1.080)

Ao calcular a TIR do fluxo residual, encontra-se a taxa de 22,15%.


Esta é a taxa da Interseção de Fischer.

Para calcular o VPL do ponto da Interseção basta utilizar esta taxa no


fluxo de um dos dois projetos (A ou B), pois o resultado deve ser o
mesmo.

Atenção não calcular o VPL utilizando o fluxo residual!!!!


REINVESTIMENTO

VPL ($)
O método da TIR considera que os
fluxos de caixa intermediários do
1.220 (B) projeto de investimento sob análise
são reinvestidos a própria TIR,
gerando, em algumas situações, a
940 (A) divergência com o método do VPL.

112,21

0 22,15 25,56 26,51 (%)


ANÁLISE DE VIABILIDADE BASEADA
EM CENÁRIOS

• A análise de Viabilidade de um
projeto é baseada em projeções
de fluxo de caixa

• As projeções são distintas


dependendo da expectativa de
futuro
RETORNO ESPERADO

• Ao se trabalhar com cenários,


deve-se identificar as
probabilidades de ocorrência
de cada possibilidade;

• Ao se trabalhar com cenários,


deve-se avaliar o resultado de
cada um e ponderá-los com
base nas probabilidade de
ocorrência;
RETORNO ESPERADO - EXEMPLO

• Projeto A

– VPL otimista: 6 milhões; Probabilidade = 30%;


– VPL realista: 4 milhões; Probabilidade = 40%;
– VPL pessimista: - 2 milhões; Probabilidade = 30%.

• Retorno Esperado

RE = 6 x 30% + 4 x 40% - 2 x 30%


RE = 1,8 + 1,6 - 0,6
RE = 2,8

O retorno esperado para o projeto, considerando os cenários


colocados é de R$ 2,8 milhões, servindo este valor como
parâmetro para a decisão de investimento ou não.
ANÁLISE DE MONTE CARLO

• Quanto mais cenários são levados em


consideração, maior a compreensão
dos riscos a serem corridos;

• A análise de Monte Carlo, através da


utilização de recursos de informática
realizada uma grande quantidade de
simulações com combinações aleatória
de variáveis de modo a verificar a
dispersão dos resultados esperados de
um projeto.
SIMULAÇÕES E ANÁLISE DE
CENÁRIOS

• VPL positivo = Aprova Projeto

• Premissas com várias possibilidades


de valores.

Como decidir?
28%

Probabilidades:

28% de chance de VPL < 0


72% de chance de VPL >= 0

VPL
- $4 M - $2 M $0 M $2 M $4 M $6 M $8 M
SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO

O Monte Carlo é um método


de simulação baseado na
utilização de números
aleatórios que são sorteados
para gerar resultados e
as distribuições de
probabilidades
correspondentes

Há a necessidade de utilização de sistemas


especializados para realizar este tipo de
simulação
ANÁLISE DE VIABILIDADE DE
PROJETOS

Prof. Ms. Louremir R. Jeronimo


louremir@fgvmail.br