Você está na página 1de 17

Índice

Introdução ............................................................................................................................................... 3
Objectivos ............................................................................................................................................... 3
Geral........................................................................................................................................................ 3
Especifico................................................................................................................................................ 3
Metodologia ............................................................................................................................................ 3
1.Conceito Básicos.................................................................................................................................. 4
1.1.Psicologia .......................................................................................................................................... 4
1.2.Desenvolvimento Humano................................................................................................................ 4
1.3.Factores que influenciam no desenvolvimento humano ................................................................... 5
1.4.Princípios gerais do desenvolvimento humano ................................................................................. 7
1.5.Aspectos de Desenvolvimento Humano ......................................................................................... 10
1.6.Períodos do desenvolvimento humano ........................................................................................... 11
2.Socialização: conceito ........................................................................................................................ 11
2.1.O indivíduo: ser social .................................................................................................................... 12
2.2.Cultura............................................................................................................................................. 13
2.3.Agentes socializadores do processo de socialização e sua importância.......................................... 14
2.4.Tipos de socialização ...................................................................................................................... 14
2.5.Papéis sociais .................................................................................................................................. 15
Conclusão.............................................................................................................................................. 17
Bibliografia ........................................................................................................................................... 18
3

Introdução
Desde o momento da concepção, tem início nos seres humanos um processo de
transformação que continuará até o final da vida. Uma única célula se desenvolve até se
tornar um ser vivo, uma pessoa, que respira, anda e fala. E embora essa célula única vá se
tornar um indivíduo único, as transformações que as pessoas experimentam durante a vida
apresentam certos padrões em comum.
O campo do desenvolvimento humano concentra-se no estudo científico dos processos
sistemáticos de mudança e estabilidade que ocorrem nas pessoas. Os cientistas do
desenvolvimento (ou desenvolvimentistas) – indivíduos empenhados no estudo profissional
do desenvolvimento humano observam os aspectos em que as pessoas se transformam desde
a concepção até a maturidade, bem como as características que permanecem razoavelmente
estáveis.
Assim, em todos os momentos da nossa vida, diante da nossa formação filogenética e
ontogenética, somos influenciados pelos meios sociais. Então, não podemos dizer que o
homem é um ser isolado. Somos seres individualizados e, ao mesmo tempo, colectivos,
somos influenciados pela sociedade a partir das relações culturais.
Por isso, este trabalho aborda a questão de Desenvolvimento Humano e o processo de
socialização, os agentes socializadores, onde far-se-á menção da cultura e o conceito de
identidade social, pois isso é de fundamental importância para compreender os problemas
sociais que ocorrem actualmente na nossa sociedade.
Objectivos
Geral
 Compreender o desenvolvimento do ser humano e a sua socialização.

Especifico
 Identificar o conceito de desenvolvimento humano e socialização;
 Destacar os aspectos de desenvolvimento humano;
 Descrever os factores que influenciam no desenvolvimento humano;
 Apresentar os tipos de socialização do ser humano.
Metodologia
Para a realização do presente trabalho foi necessário o uso do método bibliográfico que
consistiu na leitura de diversas obras que versam sobre o assunto em alusão.
4

1.Conceito Básicos

1.1.Psicologia
Na perspectiva de PAPALIA; OLDS & RUTH (2006:27) a psicologia é a ciência que estuda
os processos mentais (sentimentos, pensamentos, razão) e o comportamento humano. Deriva-
se das palavras gregas: psique que significa “alma” e logia que significa “estudo de”.
O comportamento e a experiência do homem observado e descrito pelos filósofos gregos
eram vistos como resultado das manifestações da alma.
Por outro lado, segundo BOCK; FURTADO & TEIXEIRA (1999:45) avançam que a
psicologia ganhou espaço na ciência no final do séc. XIX.A psicologia não é hoje apenas a
ciência da alma, mas também do comportamento e da experiência, pois corpo e mente não
são separados e um exerce influência sobre o outro. Dentro da psicopatologia existem as
personalidades desviantes, com comportamentos inadaptáveis, outro objecto de estudo da
psicologia.
No entanto, na perspectiva dos autores acima, considerada como áreas sociais ou humanas a
psicologia é uma ciência também da área médica, e é estudada em métodos quantitativos e
qualitativos. Estuda os processos psíquicos que originam os comportamentos. As questões
estudadas pela psicologia estão relacionadas à personalidade, aprendizagem, motivação,
memória, inteligência, funcionamento do sistema nervoso, comunicação interpessoal,
desenvolvimento, comportamento sexual, agressividade e comportamento em grupo.
Assim, de uma forma muito simplista, podemos definir a psicologia como a ciência que
estuda o comportamento, procurando princípios gerais que o expliquem. Metaforicamente, a
psicologia é o tronco de uma árvore, relativamente jovem, mas com inúmeros ramos, cada
um deles voltados para uma área específica.

1.2.Desenvolvimento Humano
O termo desenvolvimento humano é utilizado para indicar um processo complexo de
transformação contínua, dinâmica e progressiva que começa com a vida, isto é, na concepção,
e a acompanha, sendo agente de modificações e aquisições (PINHEIRO, 2013:49).
Este processo ocorre durante todo o ciclo vital, por meio da interacção entre as características
biológicas individuais (crescimento e maturação) com o meio ambiente ao qual o sujeito é
exposto (PAPALIA & OLDS, 2006:37).
Neste sentido, o termo meio ambiente deve ser entendido como algo muito amplo, que
envolve cultura, sociedade, práticas e interacções.
5

Assim, o desenvolvimento é um caminhar contínuo, nem sempre linear, e ocorre em diversos


campos da existência, tais como o afectivo, cognitivo, social e motor.
Utilizam-se os termos desenvolvimento físico, cognitivo e psicossocial como uma forma de
facilitar o estudo do desenvolvimento humano, mas devemos estar cientes de que estes
aspectos estão interligados e influenciam-se mutuamente durante a vida do indivíduo (Brasil,
2002).
Por sua vez, ALMEIDA, (2008:31) afirma que o desenvolvimento humano refere-se ao
desenvolvimento mental e ao crescimento orgânico e é entendido como um processo de
evolução das capacidades do ser humano em “realizar funções cada vez mais complexas.”
O desenvolvimento mental é uma construção contínua, que se caracteriza pelo aparecimento
gradativo de estruturas mentais. Estas são formas de organização da actividade mental que se
vão aperfeiçoando e solidificando até o momento em que todas elas, estando plenamente
desenvolvidas, caracterizarão um estado de equilíbrio superior quanto aos aspectos da
inteligência, vida afectiva e relações sociais. Algumas dessas estruturas mentais permanecem
ao longo de toda vida. Por exemplo, a motivação está presente como desencadeadora da
acção, seja por necessidades fisiológicas, seja por necessidades afectivas ou intelectuais.

Essas estruturas mentais que permanecem garantem a continuidade do desenvolvimento.


Outras estruturas são substituídas a cada nova fase da vida do indivíduo. Por exemplo, a
moral da obediência da criança pequena é substituída pela autonomia moral do adolescente
ou, outro exemplo, a noção de que o objecto existe só quando a criança o vê (antes dos 2
anos) é substituída, posteriormente, pela capacidade de atribuir ao objecto sua conservação,
mesmo quando ele não está presente no seu campo visual.

1.3.Factores que influenciam no desenvolvimento humano


Diversos factores indissociáveis e em contínua interacção afectam todos os aspectos do
desenvolvimento. São eles (BOCK, FURTADO & TEIXEIRA, 1999):

1. Hereditariedade – conjunto de processos biológicos que asseguram que cada ser


vivo receba e transmita informações genéticas através da reprodução, sendo
responsável pelos muitos aspectos da forma do corpo, do funcionamento dos órgãos e
do tipo de comportamento. A carga genética define o potencial do indivíduo, que
pode ou não desenvolver-se.
6

Temos como exemplo as pesquisas que comprovam os aspectos genéticos da inteligência, no


entanto, ela pode desenvolver-se aquém ou além do seu potencial, dependendo das condições
do meio que encontra.

2. Crescimento orgânico – processo responsável pelas mudanças do organismo tanto


em tamanho como em complexidade. Refere-se às transformações do organismo
como um todo, sofrendo influências tanto ambientais quanto do processo
maturacional.

Por exemplo, pensemos nas possibilidades de descobertas de uma criança, quando começa a
engatinhar e depois a andar, em relação a quando esta criança estava no berço com alguns
dias de vida.

3. Maturação neurofisiológica – diz respeito ao processo de evolução da maturação


do sistema neurofisiológico, tornando possíveis determinados padrões de
comportamento.

Como exemplo, temos o processo de alfabetização, que depende dessa maturação, pois para
segurar o lápis e manejá-lo como nós é necessário um desenvolvimento neurológico que a
criança de 2 ou 3 anos ainda não tem.

4. Meio – diz respeito ao conjunto de influências e estimulações ambientais que


interferem nos padrões de comportamento do indivíduo, incluindo neste termo a
cultura, sociedade, práticas e interacções.

Por exemplo, se a estimulação verbal for muito intensa, uma criança de 3 anos pode ter um
repertório verbal muito maior do que a média das crianças de sua idade, mas, ao mesmo
tempo, pode ter dificuldades para subir e descer uma escada, porque esta situação pode não
ter feito parte de sua experiência de vida.

De forma sucinta pode se afirmar que os factores que influenciam no desenvolvimento


são:

 Hereditariedade;
 Ambiente (meio);
 Maturação.
7

No entanto, algumas influências sobre o desenvolvimento têm origem principalmente na


hereditariedade: traços inatos ou características herdadas dos pais biológicos.

Outras influências vêm em grande parte do ambiente (meio): o mundo que está do lado de
fora do eu, e que começa no útero, e a aprendizagem relacionada à experiência.

Actualmente, os cientistas encontraram meios de medir com mais precisão, numa


determinada população, o papel da hereditariedade e do ambiente no desenvolvimento de
traços específicos. Quando, porém, consideramos uma determinada pessoa, a pesquisa
relativa a quase todas suas características aponta para uma combinação de hereditariedade e
experiência.

Assim, embora a inteligência seja fortemente influenciada pela hereditariedade, a estimulação


parental, a educação, a influência dos amigos e outras variáveis também a afectam. Teóricos
e pesquisadores contemporâneos estão mais interessados em descobrir meios de explicar
como genética e ambiente operam juntos do que argumentar sobre qual dos factores é mais
importante.

Muitas mudanças típicas da primeira e da segunda infância, como a capacidade de andar e


falar, estão vinculadas à maturação do corpo e do cérebro – o desdobramento de uma
sequência natural de mudanças físicas e padrões de comportamento. À medida que as
crianças tornam-se adolescentes e depois adultos, diferenças individuais nas características
inatas e na experiência de vida passam a desempenhar um papel mais importante. Durante a
vida toda, porém, a maturação continua influenciando certos processos biológicos como, por
exemplo, o desenvolvimento do cérebro.

1.4.Princípios gerais do desenvolvimento humano


Apesar dos processos implícitos ao crescimento serem bastante complexos, tanto antes
quanto após o nascimento, o desenvolvimento humano ocorre de acordo com princípios
gerais, conforme apresentado a seguir (PINHEIRO, 2013):
1º: O crescimento e as mudanças no comportamento são ordenados e, na maior parte das
vezes, ocorrem em sequências invariáveis.
Exemplo: Certas capacidades cognitivas precedem outras, invariavelmente.
 Nascituros: movem a cabeça antes de poderem abrir as mãos.

 Recém-nascidos: apresentam padrões definidos de crescimento físico e de aumentos


nas capacidades motoras e cognitivas.
8

 Bebés: passam pela mesma sequência de estágios no desenvolvimento da fala –


balbuciam antes de falar, pronunciam certos sons antes de outros e formam sentenças
simples antes de pronunciar sentenças complexas.

 Infantes: conseguem sentar-se antes de ficar de pé, ficam de pé antes de andar e


desenham um círculo antes de poder desenhar um quadrado.

2º: O desenvolvimento é padronizado e contínuo, mas nem sempre uniforme e gradual. Há


períodos de crescimento físico muito rápido – nos chamados estirões ou surtos do
crescimento – e de incrementos extraordinários nas capacidades psicológicas. Exemplos:
 A altura do bebé e seu peso aumentam enormemente durante o primeiro ano, e os pré-
adolescentes e adolescentes também crescem de modo extremamente rápido.

 Os órgãos genitais desenvolvem-se muito lentamente durante a infância, mas de modo


muito rápido durante a adolescência.

Durante o período pré-escolar, ocorrem rápidos aumentos no vocabulário e nas habilidades


motoras.

 Na adolescência, a capacidade individual para resolver problemas lógicos apresenta


um progresso notável.

3º: Interacções complexas entre a hereditariedade e o ambiente (a experiência) regulam o


curso do desenvolvimento humano.
Muitos aspectos do físico e da aparência são fortemente influenciados por factores genéticos
– sexo, cor dos olhos e da pele, forma do rosto, altura e peso.
No entanto, factores ambientais podem exercer forte influência mesmo em algumas dessas
características que são basicamente determinadas pela hereditariedade (altura, peso).
Factores genéticos influenciam características do temperamento, tais como tendência para ser
calmo e relaxado ou tenso e pronto a reagir. A hereditariedade pode também estabelecer os
limites para o desenvolvimento da inteligência. No entanto, como e sob que condições as
características temperamentais ou de inteligência se manifestarão depende de muitos factores
do ambiente.
Exemplo: A filha de um bem sucedido homem de negócios e de uma advogada apresenta
quociente intelectual de 140, o que é muito alto. Esse resultado é o produto de sua herança de
um potencial alto ou de um ambiente mais estimulante no lar? Muito provavelmente é o
resultado da interacção dos dois factores.
9

Por esta razão, é extremamente difícil distinguir os efeitos dos dois conjuntos de
determinantes sobre características específicas observadas.

4º: Todas as características e capacidades do indivíduo, assim como as mudanças de


desenvolvimento, são produtos de dois processos básicos, embora complexos, que são: a
maturação e a experiência.
A maturação é entendida como o processo de mudanças orgânicas neurofisiológicas e
bioquímicas que ocorrem no corpo do indivíduo e que são relativamente independentes de
condições ambientais externas, de experiências ou de práticas. A experiência diz respeito ao
conhecimento adquirido pela aprendizagem, seja pela observação ou por treino.

A aprendizagem e a maturação quase sempre interagem tornando difícil distinguir seus


efeitos ou especificar suas contribuições relativas ao desenvolvimento psicológico.
Certamente, o crescimento pré-natal e as mudanças na proporção do corpo e na estrutura do
sistema nervoso são direccionados por processos de maturação. Em contraste, o
desenvolvimento das habilidades motoras e das funções cognitivas depende da maturação,
das experiências e da interacção entre os dois processos.

5º: Características de personalidade e respostas sociais, emocionais e modos habituais de


reagir são em grande proporção aprendidos, ou seja, o resultado de experiência e prática ou
exercício.
NB. Este princípio não nega o fato de que factores genéticos e de maturação desempenham
importante papel na determinação do que e como o indivíduo aprende, apenas propõe que
neste caso a experiência tem maior influência.

6º: Há períodos críticos ou sensíveis para o desenvolvimento de certos órgãos do corpo e de


certas funções psicológicas.
Exemplo:
Existem períodos críticos no desenvolvimento do coração, olhos, rins e pulmões do feto.
Caso ocorram interferências no desenvolvimento normal durante esses períodos (rubéola;
infecção), é possível que surjam deficiências ou disfunções permanentes.

7º. As experiências das crianças, em qualquer etapa do desenvolvimento, afectam seu


desenvolvimento posterior.
10

Exemplo: Caso uma mulher grávida sofra problemas severos de desnutrição, a criança em
formação pode não desenvolver o número normal de células cerebrais e, portanto, nascer com
deficiência mental. Os bebés que passam os primeiros meses em ambientes muitos
monótonos e não estimulantes parecem ser deficientes em actividades cognitivas e
apresentam desempenho muito fraco em testes de funcionamento intelectual em idades
posteriores.

1.5.Aspectos de Desenvolvimento Humano


Ao estudarmos o desenvolvimento humano, devemos estar cientes de que todos os seus
aspectos estão interligados e influenciam-se mutuamente durante a vida do indivíduo (Brasil,
2002), mas, para facilitar o estudo, este intrincado processo tem sido apresentado a partir de
quatro aspectos básicos (BOCK, FURTADO & TEIXEIRA, 1999):

 Aspecto físico-motor – refere-se ao crescimento orgânico, à maturação


neurofisiológica, à capacidade de manipulação de objectos e de exercício do próprio
corpo. Exemplo:
Por volta dos 7 meses a criança leva a chupeta à boca ou consegue tomar a mamadeira
sozinha, pois já coordena os movimentos das mãos.

 Aspecto intelectual - capacidade de pensamento, raciocínio. Exemplo: A criança de 2


anos que usa um cabo de vassoura para puxar um brinquedo que está embaixo de um
móvel ou o jovem que planeja seus gastos a partir de sua mesada ou salário.

 Aspecto afectivo-emocional – o modo particular do indivíduo integrar as suas


experiências. É o sentir. A sexualidade faz parte desse aspecto. Exemplo: A vergonha
que sentimos em algumas situações, o medo em outras, a alegria de rever um amigo
querido.
 Aspecto social – a maneira como o indivíduo reage diante das situações que
envolvem outras pessoas.
Exemplo: Em um grupo de crianças, no parque, é possível observar algumas que
espontaneamente buscam outras para brincar e algumas que permanecem sozinhas. Ao
analisar esses exemplos você deve ter percebido que cada um dos aspectos está presente
também nos demais casos. Não é possível encontrar um exemplo "puro", pois todos estes
aspectos relacionam-se permanentemente.
Exemplo:
11

Uma criança com uma deficiência auditiva não detectada apresenta dificuldades de
aprendizagem, repete o ano, vai se tornando cada vez mais "tímida" ou "agressiva", com
poucos amigos. Quando a deficiência é corrigida, é possível reverter todo o
quadro, mas caso não seja percebida, o quadro pode ter desdobramentos graves (depressão,
desistência dos estudos). Para entender o comportamento de um indivíduo, em qualquer etapa
do seu desenvolvimento, é necessário conhecer tanto as mudanças cognitivas, sociais,
emocionais e biológicas, como também qual o impacto que cada uma delas pode ter sobre
todas as outras (CÓRIA-SABINI, 2004:18).
As teorias do desenvolvimento humano têm como pressuposto a compreensão de que esses
quatro aspectos são indissociados, mas elas enfatizam aspectos diferentes, ou seja, estudam o
desenvolvimento global a partir da ênfase em um dos aspectos.
Exemplo: A Psicanálise estuda o desenvolvimento a partir do aspecto afetivo-emocional, isto
é, do desenvolvimento da sexualidade. Jean Piaget enfatiza o desenvolvimento intelectual.

1.6.Períodos do desenvolvimento humano


A maioria dos estudiosos sobre o desenvolvimento concorda que o desenvolvimento se
processa por etapas em que mudanças ocorrem em várias dimensões. A existência humana é
dividida em fases ou períodos que possibilitam a estipulação de um sistema de
comportamento para cada uma delas. Na nossa sociedade os períodos do desenvolvimento
são (CÓRIA-SABINI, 2004:18):
 Pré-natal: da concepção até o nascimento.
 Infância: do nascimento aos 12 anos.
 Adolescência: dos 13 aos 18 anos.
 Adulto jovem: período dos 18 aos 40 anos.

2.Socialização: conceito
Designa os processos pelos quais os indivíduos se apropriam das normas, valores e funções
que regem o funcionamento da sociedade.
SAVOIA (1989:55) garante que “o processo de socialização consiste em uma aprendizagem
social, através da qual aprendemos comportamentos sociais considerados adequados ou não e
que motivam os membros da própria sociedade a nos elogiar ou a nos punir”.
Assim, ela favorece a adaptação de cada indivíduo à vida social e mantém uma certa coesão
entre os membros da sociedade.
12

2.1.O indivíduo: ser social


Cada indivíduo, ao nascer, segundo STREY (2002:59), “encontra-se num sistema social
criado através de gerações já existentes e que é assimilado por meio de inter-relações
sociais”. O homem, desde seus primórdios, é considerado um ser de relações sociais, que
incorpora normas, valores vigentes na família, em seus pares, na sociedade. Assim, a
formação da personalidade do ser humano é decorrente, segundo SAVOIA (1989:54), “de um
processo de socialização, no qual intervêm factores inatos e adquiridos”. Entende-se, por
factores inatos, aquilo que herdamos geneticamente dos nossos familiares, e os factores
adquiridos provém da natureza social e cultural.
O homem é um animal que depende de interacção para receber afecto, cuidados e até mesmo
para se manter vivo.
Somos animais sociais, pois o facto de ouvir, tocar, sentir, ver o outro fazem parte da nossa
natureza social. O ser humano precisa se relacionar com os outros por diversos motivos: por
necessidade de se comunicar, de aprender, de ensinar, de dizer que ama o seu próximo, de
exigir melhores condições de vida, bem como de melhorar o seu ambiente externo, de
expressar seus desejos e vontades.
Essas relações que vão se efectivando entre indivíduos e indivíduos, indivíduos e grupos,
grupos e grupos, indivíduo e organização, organização-organização, surgem por meio de
necessidades específicas, identificadas por cada um, de acordo com seu interesse.
Vivemos em diversos grupos (familiares, de vizinho, de amigos, de trabalho) nos quais
interagimos e crescemos. Os mais diversos grupos sociais influenciam na vida do indivíduo.
O indivíduo tem, para si, claras as características que o diferencia dos demais, como seus
factores biológicos, seu corpo físico, seus traços, sua psiquê que envolve emoções,
sentimentos, volições, temperamento. Todavia, o indivíduo, como objecto de estudo da
psicologia social e da sociologia, é considerado, segundo RAMOS (2003:238), da seguinte
maneira:
Indivíduo dentro dos seus padrões sociais, vive em sociedade, como
membro do grupo, como “pessoa”, como “socius”. A própria consciência da
sua individualidade, ele a adquire como membro do grupo social, visto que é
determinada pelas relações entre o “eu” e os “outros”, entre o grupo interno
e o grupo externo.
Assim, entende-se por grupos internos o grupo de família, da escola. São os grupos de
igualdade de atitudes, de opiniões. Já os grupos externos correspondem a grupos no qual não
pertencemos, como por exemplo, as famílias que passam nas ruas, que encontramos em
clubes sociais e esportivos, etc.
13

Então, quando estudamos sobre o indivíduo, percebemos a forma como ele organiza o seu
pensamento, seu comportamento. Assim, iremos concluir que essa construção e organização
ocorrem, a partir do contacto que tem com o outro. Por isso, temos a necessidade de estudar
não só o indivíduo enquanto ser social, mas este influenciado por padrões culturais diante da
sociedade em que vive, pois a cultura fornece regras específicas. Assim, para
compreendermos o indivíduo e a sociedade, precisamos entender a cultura à qual
pertencemos.

2.2.Cultura
O indivíduo, enquanto ser particular e social, desenvolve-se em um contexto multicultural,
em que temos regras, padrões, crenças, valores, identidades muito diferenciadas. Assim, a
cultura torna-se um processo de “intercâmbio” entre indivíduos, grupos e sociedades.
A partir do momento em que faz uso da linguagem, o indivíduo se encontra em um processo
cultural, que, por meio de símbolos, reproduz o contexto cultural que vivencia.
STREY (2002) aponta que o indivíduo tanto cria como mantém a sua cultura presente na
sociedade. Cada sociedade humana tem a sua própria cultura, característica expressa e
identificada pelo comportamento do indivíduo.
Segundo STREY (2002: 58), “o homem é também um animal, mas um animal que difere dos
outros por ser cultural”. Para ele, a cultura refere-se ao conjunto de hábitos, regras sociais,
intuições, tipos de relacionamento interpessoal de um determinado grupo, aprendidos no
contexto das actividades grupais.
Assim, não podemos considerar a cultura como algo isolado, mas como um conjunto,
integrado de características comportamentais aprendidas. Essas características são
manifestadas pelos sujeitos de uma sociedade e compartilhadas por todos. Com isso, a cultura
refere-se ao modo de vida total de um grupo humano, compreendendo seus elementos
naturais, não naturais e ideológicos.
Segundo RAMOS (2003:265), “as culturas penetram o indivíduo [...] da mesma forma que as
instituições sociais determinam estruturas psicológicas [...] o homem pensa e age dentro do
seu ciclo de cultura”.
Partindo desses princípios, devemos considerar o indivíduo como sujeito activo no contexto
cultural. Ele tem a liberdade de tomar decisões, por meio de novas interpretações. Ele recebe
a informação e constrói, criativa e colectivamente, um processo cultural voltado à época
histórica actual que vivencia. Ele mesmo constrói suas regras, por meio das actividades
14

colectivas, podendo alterá-las, da mesma forma que é afectado por elas. Podemos considerar
a cultura como uma herança social, que é transmitida por ensinamento a cada nova geração.
Portanto, devemos conhecer a realidade cultural do indivíduo para compreender suas práticas,
costumes, concepções e as transformações que ocorrem na sua vida. E é nessa realidade
sociocultural que o indivíduo se socializa. Sua personalidade, suas atitudes, opiniões se
formam a partir dessas relações sóciocultural, em que controla e planeja suas próprias
actividades.

2.3.Agentes socializadores do processo de socialização e sua importância


Tal como vimos, nós fazemos parte de diversos grupos sociais e que é por meio desses
grupos que o nosso processo de socialização ocorre. Temos, então, como agentes
socializadores, de acordo com SAVOIA (1989), três grupos: a família, a escola (agentes
básicos) e os meios de comunicação em massa.
O primeiro contacto que o ser humano tem, ao nascer, é a família: primeiramente, com a mãe,
por meio dos cuidados físicos e afectivos, e, paralelamente, com o pai e os irmãos, que
transmitem atitudes, crenças e valores que influenciarão no seu desenvolvimento
psicossocial.
Num segundo momento, tem a interferência da escola. Geralmente, nessa fase, o indivíduo já
traz consigo referências de comportamentos, de orientação pessoal básica, devido ao contacto
inicial com a família.
Já os meios de comunicação em massa são considerados como agente socializador, diante das
inovações tecnológicas na actualidade histórica, porém nem sempre eles têm consciência do
seu papel no processo de socialização e na formação da personalidade do indivíduo. Na
família e na escola, existe uma relação didáctica e, com a TV, a relação é diferente, visto que
a comunicação é directa e impessoal (SAVOIA, 1989).

2.4.Tipos de socialização
O processo de socialização ocorre durante toda a vida do indivíduo (SAVOIA, 1989); por
isso, esse processo é dividido em etapas:
 Socialização primária: ocorre na infância com os agentes socializadores citados
anteriormente, que exercem uma influência significativa na formação da
personalidade social;
15

 Socialização secundária: ocorre na idade adulta. Geralmente, nessa etapa, o


indivíduo já se encontra com sua personalidade relativamente formada, o que
caracteriza certa estabilidade de comportamento. Isso faz com que a acção dos
agentes seja mais superficial, mas abalos estruturais podem ocorrer, gerando crises
pessoais mais ou menos intensas.
Nesse momento, surgem outros grupos que se tornam agentes socializadores, como grupo do
trabalho.
 Socialização terciária: ocorre na velhice. Pela própria fase de vida, o indivíduo
pode sofrer crises pessoais, haja vista que o mundo social do idoso muitas vezes
se torna restrito (deixa de pertencer a alguns grupos sociais) e monótono. Nessa
fase, o indivíduo pode sofrer uma dessocialização, em decorrência das alterações
que ocorrem, em relação a critérios e valores. E, concomitantemente, o indivíduo,
nesta fase, começa um novo processo de aprendizagem social para as possíveis
adaptações a nova fase da vida, o que implica em uma ressocialização.
Todo esse processo de socialização que os seres humanos vivenciam está ligado à cultura do
indivíduo, como também a uma estruturação de comportamentos, à medida que aprendemos e
os internalizamos. Essa estruturação e atribuição de significados ocorrem por meio da
interacção com os outros. Isso faz com que criemos expectativas sobre esses comportamentos
diante do grupo social, desenvolvendo papéis sociais, pois o processo de socialização pode
ser visto também como um processo pelo qual cada indivíduo configura seu conjunto de
papéis.
2.5.Papéis sociais
Ao nascer, já temos alguns papéis prescritos como idade, sexo ou posição familiar. À medida
que adquirimos novas experiências, ampliando nossas relações, vamos nos transformando,
adquirindo outros papéis que são definidos pela sociedade e cultura (SAVOIA, 1989). Em
cada grupo no qual relacionamos, deparamo-nos com normas que conduzem as relações entre
as pessoas, algumas são mais sutis, outras mais rígidas. São essas normas que caracterizam
essencialmente os papéis sociais e que produzem as relações sociais (LANE, 2006).
Entende-se que os papéis que adquirimos nas nossas experiências e relações vão designar o
modelo de comportamento que caracteriza nosso lugar na sociedade.
Esses papéis podem ser objectivos ou subjectivos. Em relação a isso, SAVOIA
(1989:57) assevera que
Outro aspecto do papel social é que ele pode ser objectivo – aquilo
que os outros esperam de nós, ou subjectivo -, como cada indivíduo
16

assume os papéis de modo mais ou menos fiel aos modelos vigentes


na sociedade. Quando esses dois aspectos não coincidem, podem
transformar-se em obstáculo na interacção social.
Isso significa que a objectividade e a subjectividade configuram-se como um processo
dialéctico de desenvolvimento da configuração social, dinâmico, e está em constante
interacção na vida do indivíduo, como ser histórico, capaz de promover transformações
sociais, visto que o desempenho do papel nunca é solitário.
Porque desempenhamos vários papéis sociais (de filha(o), pai ou mãe, patrão ou empregado),
estes podem se cruzar por meio de uma situação divergente gerando conflito de papéis. Essas
incompatibilidades podem ocorrer por diferentes motivos, como, por exemplo, o conflito de
valores, que PISANI (1996:140) cita: “um cientista pode perceber que seus valores religiosos
não se coadunam com a experiência de laboratório que precisa desenvolver”. O que se
percebe é que o conflito de papéis pode variar quanto à intensidade, diante da importância
que se dá a cada papel de conflito, o que pode provocar perturbações na pessoa.
Além disso, dependendo do papel que o indivíduo exerce, ele adquire um lugar na sociedade
que é denominado de status, que, juntamente com os papéis sociais, determinam sua posição
social (PISANI, 1996). Então, papel é o comportamento, a acção, enquanto o status é o
prestígio que se adquire. SAVOIA (1989:60) afirma que “o papel é o comportamento que os
outros esperam de nós e o status é o que acreditamos ser”. Nesse sentido, os papéis que
desempenhamos e o status que acreditamos ter, diante da sociedade, explicam nossa
individualidade, nossa identidade social e consciência de-si-mesmo que adquirimos, a partir
das nossas relações sociais.
17

Conclusão
Feitas as leituras chegou-se a conclusão de que o desenvolvimento é um processo contínuo
que principia com a própria vida, no ato da concepção. Imediatamente após a concepção o
óvulo fecundado, uma célula única, divide-se e subdivide-se rapidamente até que milhões de
células sejam informadas.
À medida que o desenvolvimento prossegue, as novas células assumem funções altamente
especializadas, convertendo-se em parcelas de vários sistemas do corpo-nervoso, ósseo,
muscular ou circulatório.
Desta forma, o desenvolvimento orgânico continua evoluindo, a fim de atingir um nível
relativamente estável – caracterizado pela conclusão do crescimento e pela maturidade dos
órgãos.
Assim como o desenvolvimento orgânico, o desenvolvimento psíquico também evolui rumo
ao equilíbrio, embora este equilíbrio seja mais móvel do que o equilíbrio orgânico, pois se
trata de uma construção contínua, onde acções são desequilibradas pelas transformações que
aparecem no mundo, exterior e interior, e novas condutas vão funcionar para restabelecer o
equilíbrio e tender a um estágio mais estável para o interior.
Quanto a socialização, concluímos que o ser humano, é fruto das relações sociais. Ao mesmo
tempo em que ele é individual, é também colectivo, pois vive em um processo constante de
transformação, desde o nascimento até sua morte, por meio de interacções grupais (família,
vizinho, trabalho), sendo influenciados por padrões culturais. A cultura fornece regras,
padrões, crenças, etc., que são aprendidas no contexto das actividades grupais. Então, é a
partir dessa realidade sócio-histórica que nos socializamos. Por isso, também estudamos os
agentes socializadores do processo de socialização que são: família, a escola e os meios de
comunicação em massa. E à medida que nos socializamos, que ampliamos nossas relações,
vamos também adquirindo novos papéis sociais e status que determinam nossa posição social
na sociedade.
18

Bibliografia
ALMEIDA, Fabiane de A. Psicologia do desenvolvimento: a criança. São Paulo, 2008.
BOCK, A. M. B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T.; Psicologias: uma introdução ao
estudo de psicologias. São Paulo: Saraiva, 1999.
BRASIL. Relatório do Desenvolvimento Humano. Brasilia.2002.
CÓRIA-SABINI, Maria Aparecida. Psicologia do desenvolvimento. São Paulo: Ática, 2004.
LANE, Silvia T. Maurer. O que é psicologia social. 22. ed. São Paulo: Brasiliense, 2006.
MYERS, David G. Psicologia Social. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.
PAPALIA, D. E.; OLDS, S. W. & RUTH D. F. Desenvolvimento Humano. Colaboração
Dana Gross. 8ª edição. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: 2006.
PINHEIRO. J. Factores determinantes do índice de desenvolvimento humano dos municípios
do Brasil. São Paulo, 2013.
PISANI, Elaine Maria. Temas de psicologia social. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.
RAMOS, Arthur. Introdução à psicologia social. 4. ed. Santa Catarina: UFSC, 2003.
SAVOIA, Mariângela Gentil. Psicologia social. São Paulo: McGraw-Hill, 1989.
SAWAIA, Bader (Org.). As artimanhas da Exclusão: análise psicossocial e ética da
desigualdade social. 6. ed. Petrópolis, 2006.
STREY, Marlene Neves (Org.). Psicologia Social Contemporânea. 7. ed. Rio de Janeiro:
Vozes, 2002.