Você está na página 1de 110

© Patrícia Garcia­‑Pereira, Eva Monteiro,

Filipa Vala e Cristina Luís, 2012


fotografias: Albano Soares, Alvaro Oporto,
AQUAWEB – avaliação da qualidade da água
através de uma plataforma web (PTDC/
AAC- AMB/105297/2008; financiado por
fundos nacionais, FCT/MCTES-PIDDAC;
co-financiado pelo FEDER através do
COMPETE – programa operacional factores
de competitividade – POFC), Bruno Pinho,
Bruno Pinto, Dinis Cortes, Edgardo González
Carducii, Eduardo J. Castro, Ernestino
Maravalhas, Eva Monteiro, João Valente,
Jorge Gomes, Isidro Martinez, Luís Miranda,
Maria João Feio, Michele Ferreti,
Nelson Fonseca, Maria João Verdasca,
Patrícia Garcia-Pereira, Paulo Rocha Monteiro,
Paulo Ribeiro, Paulo Rodrigues, Paulo Simões,
Pierre Tillier, Rui Andrade, Sandra Antunes.
revisão: Ernestino Maravalhas
Design: TVM Designers
Produção executiva: Marta Fonseca
Impressão: Gráfica Maiadouro, S.A.
ISBN: 978-972-95047-3-0
Depósito legal: 374 099/14
Tiragem: 3000 exemplares
2.ª edição
Patrícia Garcia­‑Pereira
Eva Monteiro
Filipa Vala
Cristina Luís
N O TA D E A B E R T U R A

Criado com o objetivo de dinamizar e dar maior visibilidade a actividades


científicas e culturais em curso e de valorizar e rentabilizar os melhores
recursos nacionais de divulgação científica, o programa O Mundo na Escola
elegeu a exposição Insetos em Ordem, como uma das mais importantes inicia‑
tivas de divulgação da Biologia realizadas nos últimos anos em Portugal.
A exposição foi desenvolvida no Ano Internacional da Biodiversidade
2010, no contexto do programa Bioeventos, por uma parceria constituída no
seio da Universidade de Lisboa pelo Centro de Biologia Ambiental, o TAGIS –
Centro de Conservação das Borboletas de Portugal e o Museu Nacional de His‑
tória Natural e da Ciência, onde foi exibida entre maio de 2010 e maio de 2011.
Ideia original, totalmente desenvolvida em Portugal, a exposição, que
explora o mundo dos insetos, consegue transmitir de uma forma lúdica atra‑
vés de um jogo de pista assumido como um divertimento, a metodologia da
chave dicotómica da observação científica de identificação dos organismos,
transmitindo a satisfação única de uma descoberta científica.
Promoveu-se, pois, um plano de itinerância que durou dois anos letivos,
visitando dez distritos diferentes, permitindo um acesso alargado a muitas
crianças e jovens pelo país. Foi complementado com este livro de campo, que
não chegou a ser publicado durante a primeira exibição, o qual constitui um
documento de trabalho que, esperamos, seja amplamente utilizado nas
escolas básicas ajudando a entender o papel fulcral dos insetos no funciona‑
mento dos ecossistemas terrestres e contribuindo para a sensibilização
sobre a biodiversidade.
Estamos certos que esta exposição, em que o visitante é biólogo por uma
hora, vai ajudar a motivar nos caminhos da ciência, não só crianças e jovens,
mas também pais e professores, revelando quão extraordinários são os inse‑
tos, esses fantásticos animais de seis patas sem os quais o nosso mundo
seria muito diferente...

Ana Eiró
Diretora de O Mundo na Escola
Professora Catedrática da Faculdade de Ciências
da Universidade de Lisboa
© ERNESTINO MARAVALHAS

7
P R E FÁC I O

Refletir sobre os insetos pode trazer­‑nos sentimentos tão diversos como de


assombro, de fascínio ou mesmo de surpresa. Totalizando em todo o mundo
pelo menos cinco milhões de espécies atuais e representando mais de três
quartos de todos os animais conhecidos, os insetos são os macrorganismos
predominantes do nosso planeta em termos de biodiversidade. Esta supre‑
macia, porém, não se resume apenas à diversidade específica. Também a
biomassa é colossal: só as formigas, que integram apenas parte dos insetos,
devem pesar aproximadamente o mesmo que os sete mil milhões de seres
humanos atuais. Por outro lado, o seu impacte ecológico é igualmente
impressionante. O desaparecimento dos insetos conduziria à extinção da
grande maioria das angiospérmicas (plantas com flor) por bloqueamento da
polinização e da dispersão de sementes, o mesmo acontecendo com os ver‑
tebrados terrestres, pela consequente interrupção do fluxo de matéria e
energia nas respectivas cadeias e teias tróficas. Em síntese, o nosso planeta
retrocederia a um primitivo cenário paleozoico.
Contudo e surpreendemente, apesar do seu papel fulcral no funciona‑
mento dos ecossistemas terrestres, incluindo os de água doce, os insetos
continuam ainda hoje muito mal conhecidos. Dos cinco milhões de espécies
que se julga existirem atualmente, a maioria das quais habitando as flores‑
tas tropicais húmidas, apenas são conhecidas pouco mais de um milhão.
Mesmo no nosso país, se bem que situado em área geográfica onde o conhe‑
cimento da biodiversidade em geral está avançado, das 30 000 que devem
existir, calcula­‑se que apenas 20 000 deverão estar catalogadas. Falta assim
descobrir e referenciar neste território ainda cerca de 10 000 espécies, muitas
das quais certamente ainda desconhecidas e novas para a Ciência ou mesmo
endémicas, i.e., exclusiva ou parcialmente lusitânicas. É seguramente injusto,
por outro lado, conotar os insetos com organismos prejudiciais, quando, na
verdade, as pragas resumem­‑se a pouco mais de dez centenas de espécies.
Na sua esmagadora maioria os insetos são organismos inequívoca e incon‑
tornavelmente úteis pelos diversos papéis ecológicos que desempenham
nos ecossistemas terrestres.
© RUI ANDRADE

9
Por tudo isto, dar a conhecer ao nosso público, especialmente o mais
jovem, uma panorâmica geral da diversidade destes pequenos animais – mas
seguramente gigantes em número e nas funções de que são responsáveis –,
é tarefa urgente e crucial. Urgente, porque muitas espécies de insetos estão
hoje a extinguir­‑se a um ritmo sem precedentes, sem mesmo terem sido des‑
critos para a Ciência. E crucial, porque deles depende o correto funciona‑
mento dos ecossistemas terrestres e, quiçá mesmo, a nossa própria sobrevi‑
vência. Vejam­‑se os incalculáveis serviços que estas maravilhosas criaturas
nos prestam, nomeadamente na propagação das plantas, incluindo na poli‑
nização e na dispersão de sementes, na manutenção da composição e estru‑
tura das comunidades vegetais, na decomposição e reciclagem de nutrientes
ou na manutenção das teias tróficas que permitem a existência de muitas
comunidades animais. E todos estes serviços são­‑nos oferecidos a custos
nulos. Considerando apenas as abelhas domésticas, se estas fossem recom‑
pensadas pelo seu trabalho na polinização dos pomares e de outras plantas
cultivadas, teríamos de lhes pagar como fatura anual cerca de cento e cin‑
quenta mil milhões de euros, a que seria ainda necessário adicionar várias
centenas de milhões de euros pelos lucros adicionais com a produção de mel.
Os promotores da presente exposição estão de parabéns por nos ofere‑
cerem esta perspetiva geral dum mundo assombroso e fascinante, tão pró‑
ximo de nós, mas ainda tão desconhecido. Que este livro contribua para que
os visitantes possam melhor conhecer e apreciar estes fascinantes peque‑
nos gigantes – «the little things that run the world», na expressão acertada
de Edward Wilson. E, finalmente, que cada um dos visitantes, através da
experiência tida nesta exposição com a identificação das ordens dos insetos,
possa, ainda e sobretudo, descobrir e vivenciar outro mundo igualmente fas‑
cinante que é o da descoberta científica.

J. A. Quartau
Professor Catedrático aposentado da Faculdade
de Ciências da Universidade de Lisboa;
Investigador do Centro de Biologia Ambiental
© ERNESTINO MARAVALHAS

10
ÍNDICE

Exposição Insetos em Ordem 15

Como utilizar este livro 18

Chave para a identificação das Ordens 20

Efémeras 32

Bichas­‑cadela 34

Baratas 35

Louva­‑a­‑deus 36

Libélulas e libelinhas 39

Gafanhotos, saltões e grilos 45

Cigarras e cigarrinhas 49

Percevejos 51

Bichos­‑pau 53

Besouros 55

Moscas e mosquitos 65

Moscas­‑escorpião e moscas­‑baloiço 70

Crisópas, libeloides e formigas­‑leão 72

Frigânios 74

Formigas, abelhas e vespas 76

Borboletas 85

Bibliografia consultada 106

Agradecimentos 107

Índice remissivo de espécies e grupos taxonómicos 108


© FRANK PENNEKAMP
Exposição Insetos em Ordem

© BRUNO PINTO
Exposição Insetos
em Ordem no Antigo
Picadeiro do Colégio
dos Nobres, Museu O conceito da exposição Insetos em Ordem teve origem num projeto de edu‑
Nacional de História
Natural e da Ciência. cação ambiental realizado em 2007 pela Sociedade Portuguesa de Entomolo‑
gia em parceria com o Tagis –­ Centro de Conservação das Borboletas de Por‑
tugal. O projeto decorria no âmbito de um programa de ensino experimental
das ciências para escolas do ensino básico e secundário, da responsabilidade
da Ciência Viva (www.cienciaviva.pt). O principal objetivo do projeto era pro‑
mover o conhecimento sobre a diversidade de insetos através da criação de
uma coleção científica nas escolas. Assim, aos professores inscritos na ini‑
ciativa era enviado material entomológico e um manual de apoio para proce‑
derem à identificação de insetos nas aulas.
Durante o trabalho de adaptação da chave de identificação de insetos
para alunos do 2.º ciclo surgiu a ideia de transmitir o conhecimento sobre a
diversidade de insetos de uma forma mais visual, intuitiva e lúdica, como se
fosse um jogo. Durante o processo de transformação da forma de comunicar
a informação, a chave dicotómica ganhou uma dimensão espacial. O percurso
© RUI ANDRADE

EXPOSIÇÃO INSETOS EM ORDEM 15


Anúncio publicado
no jornal Expresso
(maio, 2010).

Crítica publicada
na conceituada
revista Science
(outubro, 2010).

dicotómico, ditado, a cada passo, por uma decisão que é tomada consoante o
exemplar que se está a identificar, e que num livro, corresponde a mudanças
de páginas, foi transformado num percurso definido no espaço, terminando
com a identificação da ordem a que o inseto pertence. Em conclusão, passou­
‑se de um livro a uma exposição científica, capaz de transmitir, a qualquer
pessoa, o «segredo» da identificação biológica: um processo que decorre por
etapas baseadas na identificação de presença / ausência de características
por observação cuidadosa de um exemplar.
O intenso trabalho de campo realizado nos anos seguintes por investiga‑
dores do Tagis e do Museu Nacional de História Natural e da Ciência para a
criação da Rede de Estações da Biodiversidade, permitiu consolidar conheci‑
mentos e compilar informação, imagens e exemplares sobre a diversidade
de insetos da nossa fauna. As Estações da Biodiversidade (http://www.
facebook.com/EstacoesDaBiodiversidade) são mais de uma dezena, de norte
a sul do país, e podem ser definidas como percursos pedestres com painéis
informativos sobre plantas e insetos comuns (mais informações em http://
bioeventos2010.ul.pt).
A exposição Insetos em Ordem foi produzida pelo Museu Nacional de His‑
tória Natural e da Ciência (MUHNAC), pelo Centro de Biologia Ambiental
(CBA), ambas instituições da Universidade de Lisboa e abriu pela primeira vez

16 EXPOSIÇÃO INSETOS EM ORDEM


Exposição Insetos
em Ordem no Museu
Nacional de História
Natural e da Ciência.

© BRUNO PINTO
© BRUNO PINTO

ao público a 28 de maio de 2010 no Antigo Picadeiro do Colégio dos Nobres no


MUHNAC em Lisboa. Foi uma das iniciativas do programa de comemorações
do Ano Internacional da Biodiversidade, Bioeventos 2010, e teve o Banco Espí‑
rito Santo como mecenas exclusivo. Pelo interesse manifestado pelo público,
professores e outros agentes que trabalham na área da educação e sensibili‑
zação ambiental, e com o apoio do programa O Mundo na Escola, decidiu-se
compilar em livro os conteúdos da mostra expositiva, possibilitando que a
informação científica presente na exposição Insetos em Ordem fique disponí‑
vel para todos.

EXPOSIÇÃO INSETOS EM ORDEM 17


Como utilizar este livro

O objectivo deste livro é dar a conhecer a diversidade de insetos através


da experiência de identificação. Pretende­‑se que seja uma ferramenta útil
para conseguir identificar um inseto, quer este seja observado na natureza,
em fotografia ou numa coleção.
Para iniciar a experiência de identificação tem que ter a certeza absoluta
que está perante um inseto. Estes animais são artrópodes que se distinguem
dos demais invertebrados (como as aranhas ou os crustáceos) especialmente
pelas seguintes características: divisão do corpo em três partes – cabeça,
tórax e abdómen, presença de seis patas e, na maioria das espécies, um ou
dois pares de asas (nenhum outro invertebrado tem asas). Na cabeça têm
duas antenas, olhos compostos e a boca, que é muito importante para distin‑
guir os diferentes grupos. No tórax encontram­‑se as patas e as asas (quando
existem), e no abdómen os órgãos reprodutores.
A ordenação dos seres vivos faz­‑se através de grupos, que se organizam
por ordem decrescente de semelhança e parentesco evolutivo: a unidade
básica da classificação de seres vivos é a Espécie; espécies parecidas formam
um Género. Depois destes dois níveis, segue­‑se o agrupamento de Géneros
parecidos numa Família, o agrupamento de Famílias parecidas numa Ordem,
depois a Classe, o Filo e por último o Reino. No caso da classe Insecta, a cate‑
goria da Ordem reúne grupos de animais com características morfológicas
muito bem definidas, que permitem o agrupamento de grandes tipos de inse‑
tos: as borboletas, as libélulas, os gafanhotos ou os besouros pertencem a
ordens diferentes.
A título de exemplo, o nome científico da libélula que se encontra na ima‑
gem da página da direita é Anax imperator. Esta espécie pertence ao género
Anax, à família Aeshnidae, à ordem Odonata, classe Insecta, filo Arthopoda
e reino Animalia.
A diversidade de insetos é imensa. Só em Portugal deverão existir 30 000
espécies, das quais cerca de um terço estão ainda por descobrir. Perante
tanta diversidade, a classificação torna­‑se um processo difícil, e nem mesmo
os cientistas estão sempre todos de acordo sobre a melhor forma de o fazer.
Por exemplo, não há consenso quanto ao número de ordens. Alguns cientis‑

18 Como utilizar este livro


1­ ‑ CABEÇA
2 ­‑ TÓRAX
3 ­‑ ABDÓMEN
4 ­‑ PATAS
5 ­‑ ASAS

tas distribuem todos os insetos do mundo em 25 ordens, enquanto outros


chegam a considerar 35.
A chave de identificação que se apresenta de seguida permite identificar
16 ordens de insetos. Para utilizar corretamente a chave, deverá observar
atentamente as patas, as antenas, as asas, os apêndices e a boca do seu
exemplar. Prevê-se que esta chave seja adequada para identificar as ordens
da maioria dos insetos comuns visíveis a olho nu em Portugal, o que repre‑
senta milhares de espécies.
Após a identificação da ordem do exemplar, pode consultar as caracte‑
rísticas, particularidades e curiosidades do grupo e ainda imagens e comen‑
tários sobre algumas das espécies mais comuns.
Finalmente, se quiser contribuir para aumentar o conhecimento sobre
a biodiversidade existente em Portugal, que é a melhor forma de conservar
o nosso património natural, saia para a rua e procure registar em fotografia
a diversidade de insetos que encontra. Experimente identificar a ordem a
que pertencem os exemplares que fotografou e envie as suas observações
pessoais para www.biodiversity4all.org. Desta forma estará a contribuir
para enriquecer uma base de dados utilizada tanto por profissionais, como
por amadores da Biodiversidade.
Boas identificações e divirta­‑se!

Como utilizar este livro 19


Chave para a identificação das Ordens

Asas anteriores
de aspeto robusto,
duro e sem as
nervuras das asas
visíveis; se as
nervuras forem ¢ 14
visíveis, o inseto
tem um par de
patas diferente
dos outros;
inseto sem asas

Asas anteriores
delicadas,
membranosas ¢2
e com nervuras
bem visíveis

20 Chave para a identificação das Ordens


1
Um par de asas
1 ¢3
(anteriores )

Dois pares de asas


1 1 2 ¢4
(anteriores e posteriores )

1 Antenas formadas
1 ¢ Moscas
por três segmentos
(pág. 67)
ou menos

1 Antenas formadas ¢ Mosquitos


1
por mais de três segmentos (pág. 65)

Chave para a identificação das Ordens 21


2 1
Antenas curtas
(menores ou iguais ¢5
1 2
à cabeça )

4
1
1
Antenas compridas
2 ¢8
(maiores do que a cabeça )
2

1
Asas anteriores
¢6
ovais

1 Asas anteriores
1
¢ Efémeras
triangulares (pág. 32)

22 Chave para a identificação das Ordens


Boca com grandes
1 ¢7
mandíbulas1

6
2
Boca em forma
¢ Cigarras
de estilete2
(pág. 49)
(ou agulha)

Asas anteriores1
¢ Libélulas
mais estreitas
(pág. 42)
que as posteriores2
2

7
1
Asas anteriores1
¢ Libelinhas
e posteriores2
(pág. 40)
2 semelhantes

Chave para a identificação das Ordens 23


Asas sem revestimento,
translúcidas (deixam ¢9
passar a luz)

Asas revestidas,
opacas (que dificultam ¢ 12
a passagem da luz)

1
Asas com poucas
nervuras1, quase sem ¢ 10
nervuras transversais

9
2
Asas com aspeto de rede2,
pela presença de muitas
¢ 11
nervuras transversais
e longitudinais

24 Chave para a identificação das Ordens


1 Estrangulamento entre ¢ Abelhas e vespas
o tórax1 e o abdómen2 (pág. 78)
(com cintura)

2
10
1
Sem estrangulamento
¢ Vespas porta­‑serra
entre o tórax1
(pág. 76)
e o abdómen2
(sem cintura)

¢ Crisopas, libeloides
Cabeça sem e formigas­‑leão
prolongamento (pág. 72)

11

¢ Moscas­‑­escorpião
Parte da frente
e moscas­‑baloiço
da cabeça prolongada
(pág. 70)
num «focinho»

Chave para a identificação das Ordens 25


Asas cobertas
¢ 13
por escamas

12

Asas cobertas por ¢ Frigânios


pelos (sem escamas) (pág. 74)

1
Antenas em forma
de maça1, ou seja,
¢ Borboletas diurnas
que terminam
(pág. 86)
numa dilatação
arredondada

13

Antenas de várias
¢ Borboletas noturnas
formas, mas nunca
(pág. 99)
em forma de maça1

26 Chave para a identificação das Ordens


Terceiro1 par de patas
com forma e tamanho ¢ 16
semelhantes aos restantes
1

14

Terceiro1 par
1 de patas comprido ¢ 15
e adaptado ao salto

Antenas1 compridas,
¢ Grilos e saltões
1 com tamanho superior
(pág. 48)
ao do corpo

15

Antenas1 de tamanho
2 ¢ Gafanhotos
claramente inferior
(pág. 46)
1 ao do corpo

Chave para a identificação das Ordens 27


Com asas1 ¢ 18

1
16

Sem asas ¢ 17

Forma do corpo
¢ Bichos­‑pau
semelhante
(pág. 53)
a um pau

17

Corpo sem aspeto ¢ Formigas


de pau (pág. 78)

28 Chave para a identificação das Ordens


Abdómen sem apêndices,
ou, quando os tem, não são ¢ 19
em forma de pinça1
1

18

Abdómen a terminar ¢ Bichas­‑cadela


em pinças1 (pág. 34)

Final do abdómen
com apêndices1 ¢ 20
(cercos)

1
19

Final do abdómen
sem apêndices ¢ 21

Chave para a identificação das Ordens 29


Três pares de patas ¢ Baratas
com aspeto semelhante (pág. 35)

20
1
Primeiro par de patas1
mais largo e espinhoso ¢ Louva­‑a­‑deus
do que os restantes (pág. 36)
e com aspeto de garras

Boca em forma de estilete1


¢ 22
1 (ou agulha)

21

Boca com mandíbulas1 ¢ Besouros


visíveis (pág. 55)

30 Chave para a identificação das Ordens


Asas anteriores1 divididas
em duas áreas: mais perto
da cabeça, a asa tem um aspeto
¢ Percevejos
1 robusto e forte2;
2 (pág. 51)
na extremidade, a asa

3 é mais delicada, translúcida


e tem as nervuras visíveis3

22

Asas anteriores1 com o mesmo ¢ Cigarrinhas


aspeto em toda a sua extensão (pág. 49)
1

Chave para a identificação das Ordens 31


Efémeras
EPHEMEROPTERA

significa que vive um dia (ephemera)

As efémeras distinguem­‑se pelas antenas curtas, pela presença de


duas ou três longas «caudas» no final do abdómen e por um ou dois Efémera
Ephemera glaucops
pares de asas muito delicadas. Quando estão presentes, as asas ante‑ Espécie com três
riores são sempre muito maiores do que as posteriores. Na Europa há «caudas». As efémeras
quando estão em
cerca de 200 espécies, mas a maior diversidade encontra­‑se nos tró‑ repouso mantêm as
asas na posição vertical.

© FRANK PENNEKAMP

32 Efémeras
© FRANK PENNEKAMP
Macho de uma
efémera, em que picos. As efémeras europeias são mais pequenas e encontram­‑se nor‑
é bem visível o longo
primeiro par de malmente na proximidade de água doce.
patas, que serve para
segurar a fêmea
durante a cópula.
AS EFÉMERAS VIVEM MESMO SÓ 1 DIA?
A vida de uma efémera passa por várias metamorfoses ou mudas,
desde o ovo até ao adulto. Ao estádio que precede o adulto chama­‑se ninfa.
As ninfas são aquáticas, respiram através de brânquias e alimentam­‑se
vorazmente: são geralmente herbívoras e comem restos de plantas e algas.
Esta fase da vida das efémeras é particularmente longa e pode durar até
dois anos, mas o estado adulto é muito breve – as efémeras adultas vivem
apenas um dia ou somente algumas horas. Nesse curto espaço de tempo,
encontram um parceiro, reproduzem­‑se e morrem, sem se alimentarem.
Os machos adultos formam grupos que atraem fêmeas. Depois da cópula, as
fêmeas voltam à água, onde depositam os ovos e o ciclo recomeça.

Efémeras 33
Bichas­‑cadela
DERMAPTERA

significa que tem as asas (ptera) semelhantes a pele (derma)

São insetos alongados, com antenas longas e finas. No tórax encontram­


‑se dois pares de asas, sendo as anteriores curtas e duras e designa‑
das por tégminas. As asas posteriores são grandes e membranosas.
Quando estão em repouso, as asas posteriores ficam dobradas de uma
forma complicada debaixo das tégminas. O abdómen possui bastante
mobilidade e tem um par de segmentos terminais modificados em
forma de pinças. Nos machos adultos estas pinças são fortemente cur‑
vadas. As pinças têm várias funções: podem ser usadas para abrir as
asas, para capturar presas e também como arma de defesa contra pre‑
dadores. Os Dermaptera são uma ordem relativamente pequena, com
cerca de 1800 espécies no mundo inteiro.

Bicha­‑cadela­‑comum
Forficula auricularia
O macho (esquerda)
tem as pinças maiores
e curvas; a fêmea (direita)
possui as pinças direitas.
A espécie é comum
em Portugal, vive em
ambientes húmidos
e escuros de vários tipos,
como florestas, bosques
ou jardins. Pode ser
© BRUNO PINHO

© BRUNO PINHO

encontrada nos troncos


das árvores, entre
as folhas e debaixo
de pedras. São insetos
ativos principalmente
PERIGOSOS OU INOFENSIVOS? durante a noite.
As pinças dos machos têm um aspeto muito ofensivo, pelo que suscita‑
ram na fértil imaginação humana diversas histórias e superstições. Uma
velha crença fez destes animais pequenos monstros. Diz a lenda que as
bichas­‑cadela procuram ativamente entrar nas orelhas das pessoas para
perfurar os tímpanos e depositar os seus ovos no cérebro. Não há qualquer
fundamento científico nesta crença e a verdade é que as bichas­‑cadela são
totalmente inofensivas.

34 Bichas­‑cadela
Baratas
BLATTODEA

significa que foge da luz (blatta)

As baratas têm um corpo oval, achatado e uma coloração escura.


Caracterizam­‑se por terem um pronoto (primeiro segmento do tórax)
em forma de escudo e que cobre grande parte da cabeça. Muitas espé‑
cies de baratas possuem dois pares de asas: as anteriores são duras e
as posteriores são membranosas. A boca é do tipo mastigador. A maio‑
ria das espécies tem antenas longas e finas.

Barata-americana ANIMAIS INFESTANTES E PORTADORES DE DOENÇAS


Periplaneta americana
As baratas são um grupo característico dos trópicos, com cerca de 3500
(imagem da esquerda)
Apesar do nome, espécies conhecidas no mundo. Na Europa são particularmente comuns três
esta barata tem origem
espécies tropicais que foram introduzidas pelos humanos. Como são animais
africana. É uma espécie
muito comum em todo provenientes de zonas quentes e húmidas, nas regiões temperadas encon‑
o mundo.
tram condições ideais para viver no interior das casas, em armazéns ou res‑
Barata-oriental taurantes, que são locais com abundância de alimento e temperaturas mais
Blatta orientalis
elevadas. São animais noturnos que se escondem durante o dia. Os danos que
(imagem da direita)
A origem geográfica causam aos humanos não estão tanto no facto de consumirem os alimentos,
desta espécie é incerta
mas sim no de os contaminarem com odores desagradáveis e com microrga‑
e atualmente ocorre
em todo o mundo. nismos que podem transmitir doenças.
© BRUNO PINHO

© BRUNO PINHO

Baratas 35
Louva­‑a­‑deus
MANTODEA

significa que tem a forma de um «profeta»

Os louva­ ‑a­
‑deus distinguem­‑se facilmente pelas patas anteriores
espinhosas e desenvolvidas de maneira a poderem caçar. O primeiro
segmento do tórax (pronoto) é muito comprido e estreito. Algumas
espécies possuem dois pares de asas perfeitamente funcionais, nou‑
tras apenas o macho consegue voar e existem mesmo espécies sem
asas. Existem cerca de 2300 espécies de louva­‑a­‑deus, que se encon‑
tram sobretudo nas regiões tropicais. Na Europa são conhecidas doze
espécies e em Portugal foram registadas nove.

Louva­‑a­‑deus­‑
-do­‑corno
Empusa pennata
É característica desta
espécie a protuberância
localizada na cabeça de
forma cónica e dividida
em duas partes.
O macho (imagem
da esquerda) tem
longas antenas
em forma de pluma.
A fêmea (imagem da
direita) tem as antenas
mais curtas.
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP

GRANDES PREDADORES
Para caçar, estes insetos esperam, bem camuflados entre a vegetação,
com o tórax levantado, adoptando a postura que lhes valeu o nome comum:
as patas anteriores estão dobradas e juntas, como se rezassem. Todas as
espécies desta ordem são carnívoras e a sua dieta é constituída por outros
artrópodes, como por exemplo moscas, borboletas, gafanhotos, mas podem
também alimentar­‑se de pequenos vertebrados, especialmente lagartos e
micromamíferos.

36 Louva­‑a­‑deus
Louva­‑a­‑deus­‑
-de­‑asas­‑coloridas
Iris oratoria
Os machos desta
espécie caracterizam­‑se
pelas asas muito
compridas que,
em repouso, cobrem
a totalidade do
abdómen. Nas fêmeas
as asas são mais curtas.
As asas posteriores
de ambos os sexos
são muito coloridas
e servem para estes
insetos afastarem
os predadores.
© RUI ANDRADE

ACASALAMENTO CONTURBADO
O acasalamento do louva­‑a­‑deus é comparado ao das aranhas, dado que
as fêmeas são muito maiores do que os machos e muitas vezes acabam por
comer os parceiros. Mas este ato de canibalismo nem sempre acontece: é
principalmente quando o alimento escasseia que as fêmeas, de algumas
espécies, devoram a cabeça do macho em pleno acasalamento. Assim,
ganham nutrientes e energia para a postura dos ovos e eliminam um poten‑
cial competidor pelos recursos disponíveis.

AS OOTECAS DE LOUVA­‑ A­‑ DEUS


As fêmeas depositam entre 10 e 400 ovos numa cápsula endurecida
(ooteca) que colocam no solo, numa superfície plana, ou enrolada numa
folha. Em algumas espécies, as fêmeas permanecem perto da cápsula e
protegem­‑na contra os predadores. Os embriões passam a época desfavorá‑
vel protegidos pela ooteca e eclodem na primavera seguinte sob a forma de
pequenas ninfas, parecidas com os adultos mas ainda sem asas. Ninfa é o
nome dado aos estádios de desenvolvimento que precedem o adulto. Tal
como os adultos, as ninfas são caçadoras temíveis, correndo ou saltando
atrás de pequenos insetos e aranhas de todo o tipo.

Louva­‑a­‑deus 37
Louva­‑a­‑deus­‑comum
Mantis religiosa
O louva­‑a­‑deus­‑comum
é uma das maiores
espécies que ocorre
em Portugal. As fêmeas
atingem perto de 8 cm
de comprimento,
os machos são mais
pequenos. Os ovos são
muito vulneráveis, por
isso as fêmeas produzem
uma cápsula (ooteca ,
visível na imagem)

© RUI ANDRADE
para os proteger.

LOUVA­‑ A­‑ DEUS SEM ASAS


Em Portugal existem apenas duas espécies em que os adultos não têm
asas. Uma delas, a Apteromantis aptera, é uma espécie endémica do centro e
sul da Península Ibérica. Diz­‑se que uma espécie é endémica quando a sua
distribuição geográfica é exclusiva de um local ou região. Esta espécie foi
observada em Portugal na região do Algarve (Grosso-Silva & Soares-Vieira,
2004). Esta é também a única espécie de louva­‑a­‑deus com estatuto de prote‑
ção a nível europeu e mundial.

Louva­‑a­‑deus­‑ibérico
Apteromantis aptera
Esta espécie rara
e ameaçada é um
endemismo ibérico
(só ocorre na Península
Ibérica) e caracteriza­‑se
© ALVARO OPORTO

pela ausência de asas


e pelos olhos muito
pontiagudos.

38 Louva­‑a­‑deus
Libélulas e libelinhas
ODONATA

significa que tem dentes (odonto)

A ordem Odonata divide­‑se em dois grupos: as libelinhas (subordem


Zygoptera) e as libélulas (subordem Anisoptera). As libelinhas e as
libélulas têm uma excelente capacidade de visão, proporcionada por
dois enormes olhos compostos. Poderosas mandíbulas dotadas de
dentes permitem­ ‑lhes comer animais duros, como os besouros.
Ao contrário do que muitas vezes se pensa, as libélulas não têm fer‑
Tira-olhos-outonal
rão (e por isso não picam). Apesar de serem animais de aspeto bizarro,
Aeshna mixta são­muito úteis pois alimentam­‑se de grande quantidade de moscas
Acasalamento. O macho
segura a fêmea pela
e de mosquitos. As libélulas e as libelinhas são insetos inconfundí‑
cabeça. A fêmea dobra veis: distinguem­‑se pelos longos e finos corpos e por terem dois pares
o abdómen para se unir
ao segundo segmento
de asas, nos quais se pode ver um complexo sistema de nervuras.
do abdómen do macho As antenas são muito curtas. Em todo o mundo existem cerca de
(genitália secundária),
onde está concentrado
6000 espécies de Odonata. Na Europa vivem perto de 120 espécies,
o esperma. das quais 65 se encontram em Portugal.

JÁ ALGUMA VEZ VIU UMA LIBÉLULA OU LIBELINHA


A AGARRAR OUTRA PELA CABEÇA?
Este comportamento singular está relacionado com
a forma como os Odonata se reproduzem. Os machos
têm na parte debaixo do abdómen (próximo do tórax),
um órgão para onde transferem o esperma, a que se dá
o nome de genitália secundária. Depois de a fêmea ter
escolhido o companheiro e de terem feito o voo nupcial,
o macho segura-a pela cabeça utilizando pinças locali‑
zadas na extremidade do abdómen. A cópula dá­
‑se
quando as fêmeas dobram o abdómen para entrar em
contacto com a genitália secundária dos machos,
ficando os dois animais numa posição em forma de
«coração». Em muitas espécies a postura dos ovos dá­‑se
© ALBANO SOARES

ainda com o macho a agarrar a cabeça da fêmea, com‑


portamento designado por «tandem».

Libélulas e libelinhas 39
p
LIBELINHAS Caloptérix­‑ocidental
Calopteryx xanthostoma
Subordem ZYGOPTERA Família Calopterygidae
Espécie com uma
significa que tem asas (ptera) iguais (zygo)
distribuição exclusiva
do oeste da Europa
(Península Ibérica,
França e Itália).
As libelinhas têm dois pares de asas idênticos. Quando estão em
repouso mantêm as asas na vertical, fechadas ou ligeiramente aber‑
tas. Os olhos compostos encontram­‑se numa posição oposta, criando
uma estrutura que faz lembrar um pequeno martelo. As libelinhas
p
são insetos delicados, com um voo gracioso e lento. Por serem pouco Libelinha‑hibernante
velozes, caçam as suas presas quando estas estão em repouso, geral‑ Sympecma fusca
Família Lestidae
mente sobre a vegetação. Espécie comum no centro
e sul da Europa, mas que
aparece igualmente no
Norte de África, chegando
São conhecidas em Portugal 23 espécies de libelinhas pertencentes até à Ásia Central. Prefere
águas paradas com
a quatro famílias diferentes. abundante vegetação
nas margens.
FAMÍLIA CALOPTERYGIDAE
Esta família possui apenas um género na Europa – Calopteryx – represen‑ p
tado em Portugal por três espécies. Esta é a única família de libelinhas em Libelinha laranja
Platycnemis acutipennis
que as asas não têm um estrangulamento junto ao corpo. Família Platycnemididae
Espécie endémica de França
e da Península Ibérica.
FAMÍLIA LESTIDAE Prefere rios com águas
Representada em Portugal pelos géneros Lestes (seis espécies) e Sympecma bem oxigenadas e fluxo
relativamente rápido,
(uma espécie). embora possa surgir em
águas paradas. Os machos
são muito vistosos, com
FAMÍLIA PLATYCNEMIDIDAE um forte contraste entre
Existe apenas um género desta família na Europa –­ Platycnemis – e há os olhos azuis e o corpo
alaranjado.
duas espécies no nosso país. Esta família reconhece­‑se pela forma da cabeça
particularmente larga e pelo facto do corpo não possuir coloração metálica.
p
Libelinha vermelha
grande
FAMÍLIA COENAGRIONIDAE Pyrrhosoma nymphula
É a família de libelinhas com maior diversidade de espécies, algumas Família Coenagrionidae
Ocorre na Europa
delas difíceis de identificar. Em Portugal são conhecidas 11 espécies.
e no Norte de África.
Libelinha com o corpo
e os olhos vermelhos
e as patas pretas.

40 Libélulas e libelinhas
© ALBANO SOARES © ALBANO SOARES © ALBANO SOARES © ALBANO SOARES

Esquerda: machos; direita: fêmeas


© ALBANO SOARES © ALBANO SOARES © ALBANO SOARES © ALBANO SOARES

Libélulas e libelinhas
41
LIBÉLULAS
Subordem ANISOPTERA
significa que tem asas (ptera) diferentes (aniso)

Quando estão em repouso, as libélulas mantêm as asas abertas e na


horizontal. Têm músculos fortes que permitem um voo rápido e caçar
com grande eficácia. Sendo animais fundamentalmente aquáticos,
precisam da água para completar o seu ciclo de vida. Contudo, os Imperador­‑azul
Anax imperator
adultos são avistados muitas vezes longe dos rios e ribeiros onde Família Aeshnidae
nasceram, devido à sua grande capacidade de voo. É fácil encontrar Espécie comum em
África e em grande parte
libélulas nas clareiras de florestas a caçar insetos, em locais aqueci‑ da Europa e da Ásia.
dos pelo sol. Em Portugal aparece
por toda a parte,
embora prefira as
grandes massas de água
paradas com abundante
Em Portugal são conhecidas 42 espécies de libélulas pertencentes a vegetação nas margens.
cinco famílias. Distingue­‑se pelos olhos
verde­‑azulados e pelo
tórax verde na parte
FAMÍLIA AESHNIDAE lateral. Com uma
envergadura que
As libélulas desta família têm o corpo escuro com pequenas manchas pode atingir cerca de
brilhantes; os olhos estão muito juntos, havendo uma grande área de con‑ nove centímetros,
é uma das maiores
tacto. Em Portugal existem 10 espécies pertencentes a esta família. libélulas europeias.
Macho, esquerda;
fêmea, direita.
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES

42 Libélulas e libelinhas
FAMÍLIA LIBELLULIDAE
Trata­‑se da família mais numerosa em Portugal, representada por 20
espécies. A principal característica é a forma alargada do abdómen. A cor dos
adultos é geralmente uniforme.

Libélula­ de­ quatro


pintas
Libellula
quadrimaculata
Família Libellulidae
Macho.
Espécie com ampla
distribuição na Europa
e na América do Norte.
Prefere águas paradas
com vegetação bem
desenvolvida.
© ALBANO SOARES

FAMÍLIA GOMPHIDAE
As espécies desta família têm os olhos bem separados, parecendo­‑se
mais com os das libelinhas. O corpo dos adultos é amarelo (ou ocre) e muitas
espécies possuem extensas marcas negras. São conhecidas sete espécies em
Portugal.

Gonfos comum
Gomphus pulchellus
Família Gomphidae
Macho.
Espécie com
distribuição restrita
ao oeste da Europa
onde é comum.
Aparece em rios
e ribeiras com pouca
corrente. Nesta espécie
são características as
finas linhas pretas em
fundo amarelo na parte
lateral do tórax.
© ALBANO SOARES

Libélulas e libelinhas 43
FAMÍLIA CORDULEGASTRIDAE
Os olhos das espécies desta família
tocam­‑se apenas num ponto. Apesar de exis‑
tirem várias espécies europeias, em Portugal
aparece apenas Cordulegaster boltonii. É muito
frequente e dispersa no norte e centro, sendo
pouco frequente e localizada a sul do Tejo.

FAMÍLIA CORDULIIDAE
Esta família é típica das regiões frias do
norte e centro da Europa e apenas ocorrem
duas espécies em Portugal, ambas protegidas

© ALBANO SOARES
por lei (Anexos II e IV da Diretiva Habitats da
União Europeia).

Libélula­ anelada
Cordulegaster boltonii
Família
Cordulegastridae
Macho.
É uma libélula
de grande porte
(envergadura até
oito centímetros),
que se reconhece
facilmente pelo corpo
negro com manchas
transversais amarelas.
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES

Libélula esmeralda Macrómia


Oxigastra curtisii Macromia splendens
Família Corduliidae Família Corduliidae
Macho. Macho.
A oxigastra encontra­‑se apenas no oeste Espécie com distribuição exclusiva do sudoeste europeu (Portugal,
da Europa. Reconhece­‑se pelos olhos verdes Espanha e sudoeste de França). O corpo é negro e a face dorsal
brilhantes e pelas manchas amarelas da do abdómen possui pequenas manchas amarelas em forma de
face dorsal que contrastam com a cor coração. Espécie com ampla distribuição em Portugal mas restrita
escura (metalizada) do abdómen. a rios com vegetação arbórea bem conservada.

44 Libélulas e libelinhas
Gafanhotos, saltões e grilos
ORTHOPTERA

significa que tem asas (ptera) direitas (ortho)

Insetos com a cabeça grande e o primeiro segmento do tórax (pronoto)


bem visível e parecido com uma sela de montar. As patas traseiras
são muito maiores do que as restantes e estão adaptadas para saltar.
Os adultos possuem geralmente dois pares de asas, sendo as anterio‑
res duras ou coriáceas. Conhecem­ ‑se mais de 15 000 espécies no
mundo, sendo as regiões tropicais as mais ricas. Na Europa, a maior
diversidade de espécies encontra­‑se na região Mediterrânica. Existem
mais de 300 espécies na Península Ibérica e cerca de 140 em Portugal.

INSETOS CANTORES
As espécies desta ordem produzem sinais acústicos específicos, com
uma determinada frequência e amplitude. Os saltões (gafanhotos de ante‑
nas compridas) e os grilos produzem som raspando uma asa contra a outra
(subordem Ensifera). Os gafanhotos (subordem Caelifera) produzem sons
através de movimentos rápidos das patas posteriores contra as asas.

Grilo-comum
Gryllus campestris
A partir da primavera,
é comum ouvir-se
o som produzido pelos
machos para atrair
as fêmeas para
as suas tocas.
© FRANK PENNEKAMP

Gafanhotos, saltões e grilos 45


GAFANHOTOS
Subordem CAELIFERA
significa «gravar em relevo» (caelare)

A maioria das espécies de gafanhotos prefere prados e zonas abertas


com clima quente e seco.

BONS IMITADORES DO LOCAL ONDE VIVEM


As cores e os padrões dos gafanhotos não devem ser utilizadas para a
sua identificação, já que são características muito variáveis. Indivíduos da
mesma espécie, mas que vivem em locais diferentes, podem ter um aspeto
muito distinto. Os gafanhotos têm a capacidade de mimetizar (imitar) as
cores dos habitats onde vivem, camuflando­‑se e evitando assim serem dete‑
tados por predadores.
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP

Gafanhoto­‑narigudo Gafanhoto­‑de­‑cabeça­‑cónica
Truxalis nasuta Pyrgomorpha conica
É um dos gafanhotos mais A cabeça deste gafanhoto tem
curiosos da nossa fauna. uma forma cónica muito
Reconhece­‑se pela forma particular. O seu corpo pode
alongada do corpo apresentar variações na coloração.
(semelhante ao dos bichos­
‑pau), a cabeça alongada
e plana, e as antenas
achatadas.

46 Gafanhotos, saltões e grilos


NINFAS SEMELHANTES AOS ADULTOS
O desenvolvimento dos insetos ocorre por fases (mudas). Nos insetos
em que a metamorfose é incompleta (hemimetabólicos, ou seja, que não
passam pela fase de pupa), chamam-se ninfas às fases que antecedem o
estádio adulto – como é o caso dos gafanhotos. As ninfas são semelhantes
aos adultos, mas mais pequenas e sem asas, ou com asas vestigiais. Para
aumentar de tamanho, estes insetos passam por várias mudas, em que lar‑
gam o exoesqueleto antigo como se fosse um casaco que já não serve.

Ninfa (em cima)


e exúvia (exoesqueleto)
de Chorthippus
binotatus.
© FRANK PENNEKAMP
© FRANK PENNEKAMP

Gafanhotos, saltões e grilos 47


GRILOS E SALTÕES
Subordem ENSIFERA
significa «portador de espada» (ensifer)

A maioria das espécies deste grupo prefere locais com vegetação


densa como bosques e matos, pelo que a sua conservação depende
da manutenção destes habitats.

UM OVIPOSITOR MUITO COMPRIDO


As fêmeas têm um ovipositor comprido na extremidade do abdómen,
que usam para perfurar o substrato e fazer a postura de ovos em locais menos
acessíveis.
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP
Grilo-de-sela-ibérico
Neocallicrania miegii
Os adultos das espécies
deste género não têm
asas. O longo ovipositor
na extremidade do
abdómen das fêmeas
(imagem da esquerda)
serve para colocar
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP

os ovos num ninho


subterrâneo (imagem
da direita).

Saltão­‑verde­‑maior Saltão­‑de­‑cabeça­‑cónica
Tettigonia viridissima Ruspolia nitidula
Espécie predadora, muito útil nos campos agrícolas e nos jardins, Espécie comum em Portugal, embora esteja protegida
onde se alimenta de insetos prejudiciais às plantas. É um dos maiores noutros países europeus, por ali ser rara e se encontrar
gafanhotos deste grupo, sendo comum em toda a Europa Ocidental. em perigo de extinção.

48 Gafanhotos, saltões e grilos


Cigarras e cigarrinhas
HOMOPTERA

significa que tem asas (ptera) iguais (homo)

As cigarras e as cigarrinhas formam um grupo de insetos muito hete‑


rogéneo, com muitas formas e estilos de vida, mas que partilha uma
característica muito importante: a boca está transformada num longo
estilete ou bico que serve para sugar líquidos. Em muitos casos, este
bico está localizado numa posição muito inferior da cabeça, quase ao
nível das patas da frente. Todas as espécies de homópteros se alimen‑
tam de plantas, constituindo em muitos casos pragas de culturas
agrícolas. Estes insetos debilitam as plantas ao sugarem grandes
quantidades de seiva e muitos injetam toxinas e microrganismos que
são prejudiciais às plantas.

A cigarra­‑comum
(Cicada orni)
encontra­‑se
praticamente em todo
o país (imagem da
esquerda). Os machos
cantam de junho
a outubro. No sul
de Portugal existe a
cigarra-comum‑do‑sul
(Cicada barbara), que
é muito parecida
(imagem da direita).
Só se conseguem
© FRANK PENNEKAMP

distinguir as duas
© ISIDRO MARTINEZ
espécies através
do canto.

O CANTO DAS CIGARRAS É ÚTIL PARA IDENTIFICAR AS ESPÉCIES


Apesar de serem insetos comuns, as cigarras não são fáceis de observar.
Os estádios imaturos vivem no solo e os adultos encontram­‑se frequente‑
mente no topo das árvores. Por esta razão, é mais fácil ouvir as cigarras do
que vê­‑las. Geralmente cantam durante as horas mais quentes do dia. Cada
espécie produz um som específico, pelo que esta característica é muito útil
para as identificar. O estudo dos sons das cigarras já permitiu descrever
novas espécies para a Ciência, algumas das quais endémicas de Portugal

Cigarras e cigarrinhas 49
(o que significa que só existem no nosso país). As cigarras produzem sons
através de membranas especializadas – os tímbalos. Só os machos têm tím‑
balos, produzindo sons que se podem propagar a longa distância para atrair
as fêmeas.

PLANTAS COM SALIVA?


Com certeza que já encontrou no campo plantas com zonas cobertas
por uma espuma branca, lembrando saliva. As responsáveis por este fenó‑
meno são as ninfas (os estádios imaturos) das cigarrinhas da família Cerco‑
pidae que, para se proteger, produzem a espuma com a seiva das plantas
que parasitam.

© FRANK PENNEKAMP
© FRANK PENNEKAMP

Cigarrinha­‑do­
‑cuspo­‑de­‑sapo
Cercopis sp.
Se afastar
cuidadosamente
a espuma da planta
encontrará por baixo
uma ninfa, que parece
um adulto em
miniatura (imagem
da direita).

50 Cigarras e cigarrinhas
Percevejos
HETEROPTERA

significa que tem asas (ptera) diferentes (hetero)

O nome desta ordem refere­‑se às características das asas anteriores


destes insetos, em que a parte superior é dura e a parte inferior mem‑
branosa. De uma maneira geral, o corpo dos percevejos é achatado e as
asas estão dobradas sobre o corpo quando os animais estão em
repouso. À semelhança das cigarras e das cigarrinhas, todas as espé‑
cies desta ordem possuem a boca em forma de estilete. Muitas famílias
têm a capacidade de segregar substâncias, que são libertadas por glân‑
dulas existentes nas patas posteriores e que produzem um cheiro
desagradável.
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP
Percevejo-do-tojo
Piezodorus literatus
Os ovos dos percevejos
têm muitas vezes uma
espécie de tampa que
ajuda as ninfas jovens
a saírem.

Percevejo­‑do­‑solo­
‑comum
Spilostethus pandurus
Algumas ninfas de
percevejos (imagem
de cima) podem ter um
© RUI ANDRADE

aspeto bastante distinto


dos adultos (imagem
de baixo).

Percevejos 51
Percevejo­‑assassino
Rhinocoris sp.
Alguns percevejos
são predadores ativos,
caçando outros insetos
com o seu desenvolvido
bico, que também serve
para sugar as presas.

© FRANK PENNEKAMP
Alfaiate
Gerris lacustris
Há muitas espécies
de heterópteros
aquáticos. O alfaiate
é uma das espécies que
a partir da primavera
se encontra na maioria
dos cursos de água e
dos charcos. As patas
estão modificadas de
modo a permitir aos
animais andar e saltar
sobre a água sem se
afundarem. Os alfaiates
são predadores
de outros insetos.
© FRANK PENNEKAMP

52 Percevejos
Bichos­‑pau
PHASMIDA

significa «espírito» ou «aparição» (phasma)

Os bichos­‑pau são inconfundíveis: são insetos esguios, com longas


patas, mandíbulas fortes e um par de antenas compridas. Na Europa
não há nenhuma espécie com asas. As patas, todas idênticas,
são constituídas por cinco segmentos. São animais herbívoros: as
fortes mandíbulas são necessárias para mastigar as plantas de que
se alimentam.
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP

Consegue distinguir
os insetos nestas
imagens?
BONS IMITADORES
O nome científico desta Ordem chama a atenção para a capacidade de
mimetismo destes insetos: a sua forma e cor permitem­‑lhes tornarem­‑se
praticamente «invisíveis» no seu habitat. Os bichos­‑pau confundem­‑se facil‑
mente com os caules e pequenos ramos das plantas, escapando assim aos
predadores.

Bichos­‑pau 53
INSETOS COM REPRODUÇÃO SEXUADA E ASSEXUADA
É raro observar um acasalamento de bichos­‑pau na natureza porque há
menos machos do que fêmeas. Se um macho está presente, a reprodução
pode ser sexuada: neste caso o património genético dos filhos é uma mistura
do património genético do pai e da mãe. No entanto, nestes insetos é muito
comum as fêmeas reproduzirem­
‑se assexuadamente por partenogénese:
as fêmeas põem ovos sem acasalar e esses ovos dão origem a filhas que
têm exatamente o mesmo património genético da mãe, podendo considerar­
‑se clones maternos.

Bicho­‑pau­‑comum
Leptynia attenuata
Acasalamento.
A fêmea (verde)
é muito maior que
o macho (castanho).

© FRANK PENNEKAMP

54 Bichos­‑pau
Besouros
COLEOPTERA

significa que têm asas (ptera) protetoras (coleo)

Os adultos desta ordem possuem normalmente dois pares de asas.


As asas anteriores estão endurecidas, e não servem para voar, mas
sim para proteger o abdómen. Quando estão pousados, o par de asas
posterior e o abdómen não se vêem, pois estão ocultos pelas asas
endurecidas.

A DIVERSIDADE DOS BESOUROS É ENORME


Pormenor da boca Os besouros são muito abundantes quer em número de indivíduos, quer
de um besouro. Diz­‑se
em número de espécies. Estima­‑se que existam mais de 350 000 espécies em
mastigadora porque
está adaptada ao todo o mundo. A sua diversidade manifesta­‑se na variedade de habitats que
consumo de alimentos
podem colonizar e também na capacidade para explorar diferentes tipos de
sólidos, com grandes
mandíbulas que recursos alimentares. Esta capacidade está relacionada com o grupo a que
servem para cortar
pertencem e, por este motivo, serão apresentados tendo em conta as suas
e triturar os diferentes
tipos de alimentos. preferências alimentares.
© EVA MONTEIRO

Besouros 55
COISAS QUE DEVE SABER SOBRE BESOUROS
Todos os estádios de desenvolvimento dos besouros, desde as larvas aos
adultos, têm a boca adaptada para mastigar, com mandíbulas bem desenvol‑
vidas. Ao primeiro par de asas dos besouros dá­‑se o nome de élitros. A pre‑
sença dos élitros foi determinante para o sucesso deste grupo, conferindo­
‑lhe uma grande resistência e capacidade de colonizar diversos meios.
© ERNESTINO MARAVALHAS

© ERNESTINO MARAVALHAS
Besouro preparado
para voar. Bem visível
a diferença entre
as asas anteriores
BESOUROS QUE COMEM MADEIRA endurecidas
(designadas por élitros)
As larvas de muitos besouros alimentam­‑se de madeira. Como brocas e as posteriores
membranosas.
vivas perfeitamente adaptadas a furar a madeira, estes insetos abrem
túneis e galerias no interior de árvores, vivas ou mortas, e até em
madeira já transformada e tratada. Este grupo inclui algumas pragas,
como a broca­ ‑do­‑pinheiro (Chalcophora mariana), o caruncho­ ‑da­
‑madeira (Anobium punctatum) e algumas espécies emblemáticas e
protegidas, como o besouro­‑longicórneo (Cerambix cerdo) ou a cabra­
‑loura (Lucanus cervus).

BOSQUES ADULTOS, ÁRVORES VELHAS E ÁRVORES MORTAS:


VALORES A CONSERVAR
A cabra­‑loura (Lucanus cervus) depende da existência de carvalhos velhos
e mortos, em avançado estado de decomposição. As larvas desenvolvem­‑se
no interior dos troncos durante um período de 4 a 6 anos. Quando chega a
altura da metamorfose para o estado adulto abandonam os troncos. Esta

56 Besouros
espécie, outrora abundante, tem sofrido um declínio em vários países do
norte da Europa devido à destruição dos seus habitats e à gestão florestal, que
remove as árvores mais velhas e caídas. Esta espécie está, por isso, protegida
pelo Anexo II da Diretiva Habitats da União Europeia.
© EDUARDO J. CASTRO

© FRANK PENNEKAMP
Cabra­‑loura
Lucanus cervus
Macho (direita) e fêmea
(esquerda). Os machos
desta espécie têm
as mandíbulas muito
desenvolvidas,
lembrando a armadura
de um cervo ou veado.
Voam ao início da noite
em busca de fêmeas
para acasalar.

Os buracos no tronco
do velho carvalho
© PAULO SIMÕES

indicam a presença
de larvas de
Lucanus cervus.

Besouros 57
BESOUROS PARASITAS
Os besouros parasitas mais conhecidos pertencem à família Meloi‑
dae. Na Europa, de uma forma geral, os estádios larvares são parasi‑
tas dos ninhos de abelhas solitárias. Na primavera as fêmeas põem
milhares de ovos no chão, dos quais eclodem minúsculas larvas dota‑
das de poderosas garras. As larvas de algumas espécies procuram ati‑
vamente os ninhos que vão parasitar, outras arrastam­‑se até ao cimo
de uma flor e esperam pela «boleia» de uma abelha que as leva dire‑
tamente para o ninho. Uma vez no ninho começam por se alimentar
dos ovos de abelha e depois passam às reservas de pólen e de néctar.
© RUI ANDRADE

© RUI ANDRADE
Ninho subterrâneo O «bichinho» laranja agarrado às asas da abelha é uma larva de um besouro parasita,
de abelha­‑solitária alvo da família Meloidae. Esta larva apanhou «boleia» de uma abelha (Sphecodes sp.),
de um duplo ataque também ela parasita. A intenção da abelha parasita é colocar um ovo no ninho de outra
de parasitas. espécie de abelhas (Lasioglossum sp.). Neste caso, será a larva de Meloidae que se irá
alimentar dos ovos das duas abelhas e das provisões de pólen.

Arrebenta­‑bois
Berberomeloe majalis
À primeira vista pode
não parecer um
besouro, mas se
olharmos com atenção
veremos os dois élitros
junto ao tórax, que
nesta espécie são
muito reduzidos.
© FRANK PENNEKAMP

58 Besouros
Besouro­‑verde­‑
-das­‑verrugas
Lytta vesicatoria
Nem todos os membros
da família Meloidae
têm o primeiro par
de asas reduzido.
Esta família caracteriza­
‑se por ter a cabeça
bem separada
e ligeiramente mais
larga do que o tórax, e
as antenas semelhantes
a contas de um rosário.
© FRANK PENNEKAMP

BESOUROS QUE COMEM PLANTAS


A maioria dos besouros alimenta­‑se de plantas nalguma das fases do
seu ciclo de vida. Alguns podem ser vistos a comer folhas ou em cima
de flores a alimentar­‑se de pólen. Outros atacam as raízes das plan‑
tas ou as suas sementes. Aqui apresentam­‑se algumas das principais
famílias que se podem alimentar de plantas.

Luzerna (Medicago sp.)


atacada por larvas
de coleópteros da
família Chrysomelidae.
© FRANK PENNEKAMP

Besouros 59
FAMÍLIA CURCULIONIDAE
Família com cerca de 50 000 espécies conhecidas em todo o mundo.
Os gorgulhos, besouros da família Curculionidae, reconhecem­‑se pela cabeça
prolongada lembrando um focinho e pelas antenas em forma de cotovelo,
mais largas na extremidade. As larvas destes besouros vivem no interior de
raízes, caules ou sementes. Algumas espécies podem ser pragas, como é o caso
do gorgulho­‑do­‑trigo (Sitophilus granarius), que come cereais armazenados.

Gorgulho
Lixus sp.
Ocorre sobre folhas
e flores de plantas
herbáceas em parques,
jardins e prados
floridos.

© FRANK PENNEKAMP
FAMÍLIA CHRYSOMELIDAE
Família com cerca de 35 000 espécies
conhecidas em todo o mundo. Quase
todos estes besouros se alimentam de
folhas ou raízes. Muitos são minúsculos
e outros têm o corpo com cores metáli‑
cas. As antenas ligeiramente serradas e o
corpo oval e côncavo são característicos
desta família.

Besouro­‑das­‑
-folhas­‑lusitano
Exosoma lusitanica
© FRANK PENNEKAMP

Em épocas favoráveis
pode ser muito
abundante
em prados floridos.

60 Besouros
FAMÍLIA BRUCHIDAE
Os besouros desta família alimentam­‑se de sementes. O corpo tem um
aspeto aveludado e os élitros são um pouco mais curtos que o habitual,
deixando o abdómen exposto.

Besouro da família
Bruchidae.
Estes pequenos
besouros encontram‑se
muitas vezes nas flores.
© FRANK PENNEKAMP

FAMÍLIA CERAMBYCIDAE
Além de madeira, as larvas dos besouros­‑longicórneos também conso‑
mem as partes verdes dos caules de plantas herbáceas, arbustivas e arbó‑
reas. Os representantes desta família são facilmente reconhecíveis pelo
corpo alongado e pelas longas antenas de segmentos compridos.

Besouro­
‑longicórneo­
‑oculado
Oberea oculata
As larvas desta
espécie inconfundível
alimentam­‑se
dos caules verdes
de salgueiros.
© FRANK PENNEKAMP

Besouros 61
BESOUROS DECOMPOSITORES
Algumas famílias de besouros especializaram­‑se na decomposição
de matéria orgânica. Há os necrófagos, que comem animais mortos;
os coprófagos, que comem excrementos de outros animais; e os
detritívoros, que se alimentam de matéria vegetal em decomposição.
Os seus gostos podem parecer um pouco estranhos, mas estes esca‑
ravelhos prestam um serviço fundamental aos ecossistemas.
© EVA MONTEIRO

© EVA MONTEIRO
Um único excremento
BESOUROS QUE COMEM CADÁVERES de vaca pode sustentar
vários milhares de
Os besouros­‑enterradores pertencem à família Silphidae. O nome comum larvas de besouros,
destes insetos alude ao hábito de algumas espécies enterrarem pequenos pertencentes a várias
espécies. Adulto no
cadáveres. Depois de «enterrarem» o cadáver, as fêmeas colocam os ovos em interior de excremento
cima dele, esperam que as larvas nasçam e se alimentem da carne que arran‑ de vaca (esquerda).
Larvas de besouro
cam da carcaça do morto. (direita).

Besouro­‑enterrador
Thanatophilus rugosus
O nome científico deste
género significa
«aquele que é atraído
pela morte». De facto,
© RUI ANDRADE

as larvas deste besouro


alimentam­‑se
de animais mortos.

62 Besouros
BESOUROS QUE COMEM
EXCREMENTOS
São conhecidos como besouros­‑do­
‑estrume e pertencem quase todos à
família Scarabaeidae. A cabeça e o corpo
de muitas espécies desta família apre‑
sentam esculturas em forma de corno ou
outras formas bizarras, que são mais
desenvolvidas nos machos. Estes fabri‑
cam e transportam bolas de excremen‑
© BRUNO PINHO

tos para oferecer às fêmeas, onde estas


irão depositar os ovos.
Besouro­‑
-do­‑estrume
Bubas bison BESOUROS PREDADORES
Muitos besouros são ferozes predadores que caçam ativamente peque‑
nos invertebrados como artrópodes ou moluscos terrestres.

Besouro­‑tigre
Cicindela lusitanica
Família Cicindelidae
Como o seu nome indica
é um feroz predador
que persegue em terreno
aberto as suas presas,
normalmente pequenos
artrópodes.
É considerados o inseto
corredor mais rápido
© FRANK PENNEKAMP

do planeta, por isso,


© RUI ANDRADE

talvez um nome melhor


fosse «Besouro­‑chita»...

Joaninha
Coccinella
septempunctata Pirilampo
Família Coccinellidae Lampyris noctiluca
Esta espécie talvez Família Lampyridae
dispense apresentação! Os pirilampos têm a rara capacidade
Larvas e adultos são de produzir luz. Os machos têm asas
vorazes predadores e voam para perto das fêmeas em
dos pulgões (Ordem resposta aos sinais luminosos destas.
Homoptera) e são muito Os pirilampos adultos quase não
importantes no seu se alimentam, mas as suas larvas
© FRANK PENNEKAMP

controlo biológico. têm uma dieta rica em caracóis.


Na foto vemos uma larva a injetar
sucos digestivos num caracol antes
de o comer.

Besouros 63
© RUI ANDRADE

1 ­‑ Último estádio larvar 2­‑ Muda de lagarta para pré­‑crisálida 3­‑ Crisálida

Carocha
Carabus rugosus
Família Carabidae
Ciclo de vida: de larva
a besouro adulto.
4­‑ Adulto ainda mole após a última metamorfose 5­‑ Adulto

BESOUROS AQUÁTICOS
Os besouros também conquistaram o meio aquático. Os besouros
aquáticos são quase todos predadores e estão representados na
Europa por cinco famílias. Adultos e larvas deslocam­‑se à superfície
ou na coluna de água, alimentando­‑se de pequenos insetos que caem
na água ou de outros artrópodes aquáticos.

Besouro­‑aquático
Dytiscus sp.
Estes animais têm
o corpo achatado
e hidrodinâmico.
A cabeça, o corpo
e as asas fazem uma
linha contínua.
© FRANK PENNEKAMP

As patas traseiras,
muito peludas,
são utilizadas
para nadar.

64 Besouros
Moscas e mosquitos
DIPTERA

significa que tem duas (di) asas (ptera)

As moscas e mosquitos, tal como as melgas e os moscardos, perten‑


cem à Ordem Diptera. Têm apenas duas asas membranosas, encon‑
trando-se as asas posteriores transformadas em balancetes, estrutu‑
ras características da ordem. A boca dos mosquitos é do tipo sugadora,
adaptada à sucção de líquidos. Os adultos de algumas espécies
alimentam­‑se de sangue e outros não se alimentam de todo. As lar‑
vas podem ser aquáticas ou terrestres e neste caso podem alimentar­
‑se de fungos e de matéria orgânica em decomposição.

MOSQUITOS E MELGAS
SUBORDEM NEMATOCERA

Os insetos desta subordem são os mais antigos da Ordem Diptera.


Reconhecem­‑se pelas antenas formadas por mais de três segmentos
e pelo corpo esguio. Os mosquitos e as melgas, devido à dependência
da água e da humidade para
o desenvolvimento das suas
larvas, estão normalmente
associados a habitats húmi‑
dos e sombrios, nas proximi‑
dades de cursos de água.

Mosquito da família
Sciaridae. As longas
antenas formadas
© RUI ANDRADE

por vários segmentos


são características da
subordem Nematocera.

Moscas e mosquitos 65
© RUI ANDRADE
Típula
Tipula sp.
Esta espécie é inofensiva e não se alimenta no
© FRANK PENNEKAMP

estado adulto. As longas pernas, as asas estreitas


e compridas e o aspeto corcunda são característicos
da família Tipulidae a que pertencem.
A larva (à direita) possui um aspeto vermiforme.

Mosquito (macho).
Os machos de mosquito
distinguem­‑se

© EDGARDO GONZÁLEZ CARDUCCI


das fêmeas por
terem as antenas
muito plumosas
© RUI ANDRADE

e desenvolvidas.
Além disso nunca
picam!
Culex sp.
Fêmea de mosquito da família
Culicidae. As fêmeas desta família Mosquito­‑da­‑casa­
são sugadoras de sangue. ‑de­‑banho
Utilizam este nutritivo alimento Família Psychodidae
para obter as proteínas necessárias É comum encontrar
para produzir ovos. As larvas pequenos mosquitos
desenvolvem­‑se quase sempre de aspeto peludo
em águas paradas, onde se nas paredes das
alimentam de bactérias, algas, casas­‑de­‑banho.
e mesmo de larvas de mosquitos. Os adultos
são facilmente
reconhecíveis por terem
as asas com numerosas
nervuras paralelas
e cobertas de pelos.
© RUI ANDRADE

Este pequeno mosquito


não tem mais de meio
centímetro.

66 Moscas e mosquitos
MOSCAS, MOSCARDOS E MOSCAS DAS FLORES
SUBORDENS BRACHYCERA E CYCLORRAPHA

Estas duas subordens caracterizam­‑se pelas antenas, que nunca têm


mais de 3 segmentos. Preste atenção às antenas para saber a que
subordem estes insetos pertencem:
–– ­Brachycera: se existir, o pelo sensorial encontra­‑se na ponta do
último segmento da antena, ocupando uma posição terminal.
–– ­Cyclorrapha: pelo sensorial colocado sobre a parte dorsal do
último segmento da antena.

p
Haematopota sp.
Mosca da subordem
Brachycera com
antenas sem pelo
sensorial.

pp
Vermileo nigriventris
Mosca da subordem
© RUI ANDRADE

© RUI ANDRADE
Brachycera com
antenas com pelo
sensorial terminal.
© RUI ANDRADE

© RUI ANDRADE

Rondania dispar Pipunculus campestris


Mosca da subordem É comum os olhos ocuparem a maior parte
Cyclorrapha com da cabeça de uma mosca, mas no que diz respeito
antenas com pelo ao tamanho dos olhos nenhuma se compara
sensorial dorsal. ao das moscas da família Pipunculidae.
Estas moscas são parasitóides de cigarrinhas
(Ordem Homoptera) e os grandes olhos
são importantes para detectar potenciais presas.

Moscas e mosquitos 67
ff
Trypetoptera
punctulata
Família Sciomyzidae
Estas estranhas moscas
pertencem a um grupo
em que as larvas são
predadoras de caracóis
(adultos ou ovos)
e de lesmas.
© RUI ANDRADE

© RUI ANDRADE
f
Cephalodromia nitens
Família Mythicomyiidae
Duas moscas
minúsculas
alimentam­‑se
de uma flor.
© FRANK PENNEKAMP

© RUI ANDRADE
Mosca­‑abelha Varejeira
Lomatia belzebul Lucilia sp.
Família Bombyliidae Família Calliphoridae
Um dos muitos insetos que imitam abelhas As varejeiras são responsáveis por várias doenças
para escapar aos predadores. Algumas espécies de animais domésticos e mesmo de humanos.
de moscas desta família reproduzem até As fêmeas depositam os ovos em carne, peixe, animais
o zumbido das abelhas. em decomposição, feridas infectadas e excrementos.

Mosca­‑predadora
Família Asilidae
As moscas não são só
terríveis para os humanos!
Todas as moscas desta
família são predadoras
de outros insetos, capazes
até de caçar outros vorazes
predadores, como
as libélulas, invertendo
os papéis habituais
© RUI ANDRADE

(normalmente são
as libélulas que comem
as moscas).

68 Moscas e mosquitos
UMA MOSCA NA VANGUARDA DA GENÉTICA
As drosófilas ou moscas­
‑da­
‑fruta são insetos de pequeno tamanho
(alguns milímetros) que desde o início do século XX estão ligadas à Genética.
Graças aos estudos realizados por Thomas Morgan, com populações de
Drosophila melanogaster criadas em laboratório, foi possível provar, em 1933,
que os genes se localizam nos cromossomas. Desde então que a mosca­‑da­
‑fruta se tornou um animal­‑modelo essencial nos estudos genéticos.

Mosca­‑da­‑fruta
Drosophila sp.
© RUI ANDRADE

Scathophaga stercoraria
Nas moscas, a cabeça é grande
em relação ao resto do corpo,
sendo a maior parte dela
ocupada por enormes olhos
compostos. Esta espécie
é muito comum em Portugal.
Os adultos são predadores
© RUI ANDRADE

de outros insetos mas também


se podem alimentar de pólen
e de néctar.

Moscas e mosquitos 69
Moscas­‑escorpião e moscas­‑baloiço
MECOPTERA

significa que tem asas (ptera) longas (meco)

A forma da cabeça destes insetos, projetada para baixo formando um


focinho com mandíbulas na extremidade, torna-os inconfundíveis.
A maioria das espécies tem dois pares de asas membranosas, longas
e com manchas escuras. As patas são muito finas. As antenas são
longas, com muitos segmentos. Os olhos são compostos e bem desen‑
volvidos. Existem cerca de 500 espécies descritas das quais cerca de
30 se encontram na Europa. A fauna portuguesa é representada por
duas famílias com apenas um sp. conhecido em cada uma delas: a
mosca-escorpião (Panorpa sp., família Panorpidae) e a mosca-baloiço
(Bittacus italicus, família Bittacidae).

MOSCAS‑ESCORPIÃO
Os machos das espécies desta família possuem uma dilatação, por vezes
bolbosa, na extremidade do abdómen, semelhante à dos escorpiões, o
que explica o seu nome comum. Os machos atraem as fêmeas vibrando
as asas e oferecendo-lhes presas durante o acasalamento. As fêmeas
depositam os ovos no chão e as larvas, quando eclodem, alimentam­‑se
de folhas em decomposição, insetos mortos ou minhocas. A transforma‑
ção da larva em pupa ocorre numa cavidade no solo. Os adultos
alimentam­‑se de pólen, néctar, pequenos insetos e aranhas. Preferem
locais com vegetação densa, em zonas sombrias e húmidas.

70 Moscas­‑escorpião e moscas­‑baloiço
© FRANK PENNEKAMP
© NELSON FONSECA

Mosca­‑escorpião
Panorpa sp.
O macho (esquerda) possui o abdómen levantado na
parte terminal, lembrando um escorpião. As fêmeas
são parecidas, mas não têm esta estrutura (direita).
Repare-se no longo bico situado na parte inferior
da cabeça que caracteriza esta Ordem.

MOSCAS‑BALOIÇO
As moscas­‑baloiço têm patas muito longas e finas para se pendura‑
rem nos galhos. São os únicos insetos predadores que capturam pre‑
sas com as patas traseiras.

Mosca­‑baloiço
Bittacus italicus
Há pouca informação
em Portugal sobre esta
espécie. Alguns autores
consideram­‑na comum,
enquanto outros acham
que é muito rara.
Procure esta espécie
em matos, bosques
ou florestas e envie
© PIERRE TILLIER

as fotografias para
o website www.
biodiversity4all.org.

Moscas­‑escorpião e moscas­‑baloiço 71
Crisopas, libeloides e formigas­‑leão
NEUROPTERA

significa que tem nervuras (neuro) nas asas (ptera)

Neuróptero­‑das­
‑duas-penas
Nemoptera bipennis
Família Nemopteridae
Em Portugal, esta
é a única espécie desta
família, facilmente
reconhecível pelas
asas posteriores
extremamente
finas, compridas
e ligeiramente
retorcidas
na extremidade.

© FRANK PENNEKAMP

Os insetos desta Ordem têm as asas membranosas com muitas ner‑


vuras longitudinais e transversais, formando uma rede de malha
apertada. As antenas são compridas e a boca tem poderosas mandí‑
bulas adaptadas à mastigação de materiais rijos. A maior parte das
espécies são predadoras em todas as fases do ciclo de vida. Em todo
o mundo existem mais de 4500 espécies.

72 Crisopas, libeloides e formigas­‑leão


© ERNESTINO MARAVALHAS
© FRANK PENNEKAMP

Libeloide-comum Formiga­‑leão
Libelloides longicornis Megistopus flavicornis
Família Ascalaphidae Familia Myrmeleontidae
Os insetos desta família Podem ser confundidas
têm hábitos diurnos com as libélulas, mas
e voo rápido, as formigas­‑leão
conseguindo caçar têm as antenas mais
outros insetos em voo. compridas.

Crisopa
Chrysopa sp.
Família Chrysopidae
As crisopas são os
insetos mais fáceis
de observar – nem
precisa de sair de casa.
Tal como muitos outros
insetos, à noite são
atraídos pela luz
e podem visitar
as lâmpadas dos
candeeiros.
São importantes
aliados dos agricultores
e jardineiros, uma vez
que as suas larvas
se alimentam de
pulgões e de outros
insetos herbívoros.
© FRANK PENNEKAMP

Crisopas, libeloides e formigas­‑leão 73


Frigânios
TRICHOPTERA

significa que tem pelos (trichos) nas asas (ptera)

As asas dos frigânios ou tricópteros possuem poucas nervuras trans‑


versais e estão cobertas por pelos. Quando o inseto está em repouso
mantém as asas sobre o corpo como se fossem um telhado. As ante‑
nas são finas e por vezes muito longas. Os frigânios podem lembrar
algumas borboletas. Distinguem-se destas pela presença de pelos a
revestir as asas e por terem mandíbulas na boca. Os adultos são
pouco conhecidos, têm cores e padrões pouco vistosos, e voam habi‑
tualmente ao anoitecer. A diversidade mundial ronda as 13 000 espé‑
cies, mas em muitas regiões o número real é ainda desconhecido.
As larvas de frigânios são aquáticas e os adultos vivem na proximi‑
dade de massas de água doce. Os casulos construídos pelas larvas
são fáceis de encontrar em rios e ribeiros, por isto, é esta a fase do
ciclo de vida dos tricópteros mais popular e conhecida.

OS FRIGÂNIOS SÃO EXCELENTES BIOINDICADORES


DA QUALIDADE DA ÁGUA
O regime alimentar das larvas é muito variado: podem alimentar­‑se de
algas e plantas, restos orgânicos, insetos e outros invertebrados. Vivem em
quase todos os tipos de ambientes aquáticos, mas são muito sensíveis à
poluição. São fundamentais nas cadeias alimentares dos ecossistemas,
servindo de alimento a peixes, aves, anfíbios e a larvas de outros insetos,
como as libélulas. As larvas são fáceis de capturar e de identificar pelo tipo
de casulo que constroem que pode ser feito com areia ou restos de vegeta‑
ção. A presença de larvas de frigânios num local é um ótimo indicador do
estado de conservação de todo o ecossistema.

74 Frigânios
© AQUAWEB

© AQUAWEB
Lepidostoma hirtum (esquerda)
Thremma tellae (direita)
Exemplos de larvas de frigânios.
A larva constrói um «casulo»
para se proteger. O «casulo»
é característico de cada espécie,
sendo por isso utilizado para
a sua identificação.
© ERNESTINO MARAVALHAS

© PATRÍCIA GARCIA-PEREIRA

Exemplos de frigânios adultos.


Repare-se na semelhança entre
frigânios e borboletas.
Os frigânios têm pelos a cobrir
o corpo e as asas, enquanto
as borboletas têm escamas.

Frigânios 75
Formigas, abelhas e vespas
HYMENOPTERA

significa que tem asas (ptera) mebranosas (hymen)

Os himenópteros caracterizam­‑se pela presença de dois pares de asas


membranosas com poucas nervuras, sendo as anteriores maiores do
que as posteriores. Alguns himenópteros, como as formigas, podem
não ter asas. A Ordem Hymenoptera é a segunda maior com cerca de
200 000 espécies conhecidas. Em Portugal estão registadas pouco mais
de 1000 espécies, provavelmente um número muito abaixo da reali‑
dade. Os himenópteros desempenham importantes funções nos ecos‑
sistemas como polinizadores e agentes de controlo biológico das popu‑
lações de outros insetos.

Vespa­‑porta­‑serra
Rogogaster viridis

© FRANK PENNEKAMP

VESPAS­‑PORTA­‑SERRA
SUBORDEM SYMPHYTA

As vespas­‑porta­‑serra distinguem­‑se dos restantes himenópteros por


não terem um estreitamento entre o tórax e o abdómen (a «cintura de
vespa»). O seu nome comum faz referência ao ovipositor da fêmea,
em forma de serra, que serve para cortar os tecidos das plantas onde
deposita os ovos. Os adultos alimentam­‑se de pólen.

76 Formigas, abelhas e vespas


Vespa­‑porta­‑serra
Macrophya montana
Acasalamento.
À esquerda, vê­‑se
o macho – repare que
não tem o típico
estrangulamento entre
o tórax e o abdómen
(a «cintura de vespa»).
© FRANK PENNEKAMP

Larva de vespa­‑porta­
‑serra. Depois das
três patas verdadeiras
situadas a seguir
à cabeça (a agarrar
a folha na imagem)
tem sete patas DIFERENÇAS ENTRE LARVAS DE VESPA­‑ PORTA­‑ SERRA E LAGARTAS
falsas localizadas
no abdómen. Na maioria dos casos as larvas destas vespas alimentam­‑se de plantas.
Na imagem da direita Algumas delas são muito parecidas com lagartas de borboletas. Para distingui­
vemos uma lagarta
da borboleta cauda­‑ ‑las é necessário contar o número de patas. Para além dos três pares de patas
-de­‑andorinha verdadeiras, no tórax, as larvas das vespas­
‑porta­
‑serra têm sempre pelo
(Papilio machaon),
a agarrar a planta com menos seis pares de patas falsas, no abdómen. As lagartas de borboleta têm
as cinco falsas patas. no máximo cinco pares de patas falsas.
© ERNESTINO MARAVALHAS

© RUI ANDRADE

Formigas, abelhas e vespas 77


FORMIGAS, ABELHAS, VESPAS,
VESPAS PARASITAS E PARASITÓIDES
SUBORDEM APOCRITA

A maior parte dos himenópteros, entre os quais as populares vespas,


abelhas e formigas, pertencem a esta subordem. Este grupo caracte-
riza­‑se por possuir um pronunciado estreitamento entre o tórax e o
abdómen – a «cinturinha de vespa». As larvas estão sempre rodeadas
de comida e por isso não precisam de se mover, razão pela qual a
cabeça é reduzida e não possuem patas.

VESPAS PARASITAS E PARASITÓIDES


GRUPO PARASITICA
Quase todos os insetos deste grupo são parasitas de plantas ou de outros
insetos. As fêmeas destas vespas possuem um ovipositor adaptado para per‑
furar a parede do corpo do hospedeiro e nele depositar os seus ovos. Quando
eclodem, as larvas vão­‑se alimentando dos hospedeiros vivos, comendo­‑os,
literalmente, por dentro. Este grupo é formado por pequenas vespas parasi‑
tóides, cujas larvas se desenvolvem no interior de outros insetos (os parasi‑
tóides conduzem sempre a sua vítima à morte) e por vespas parasitas que se
desenvolvem nos tecidos das plantas (mas sem necessariamente as matar).
Os himenópteros parasitóides são muito importantes na regulação das
populações de outros insetos e por isso são imprescindíveis para o controlo
de pragas.

Os típicos bugalhos dos carvalhos


são formados por vespas parasitas.
A vespa­‑das­‑galhas (Andricus
quercustozae, família Cynipidae),
deposita o ovo no interior de
rebentos de carvalho. Como
resposta a árvore forma um bugalho.
No interior desenvolve­‑se, bem
protegida e alimentada, uma larva
© FRANK PENNEKAMP

de vespa­‑das­‑galhas, para além de


uma infinidade de outros insetos
que aproveitam o abrigo
proporcionado pelo bugalho.

78 Formigas, abelhas e vespas


p
Vespa parasitóide da
família Ichneumonidae.

pp
Lagarta de Acronicta
ruminis parasitada.
O hospedeiro neste
caso era uma lagarta
de borboleta noturna
(família Noctuidae) que
© RUI ANDRADE

© RUI ANDRADE
foi completamente
esvaziada pelas larvas
da vespa.

Futura rainha
FORMIGAS, ABELHAS, VESPAS
do género Myrmica.
Em certas alturas GRUPO ACULEATA
do ano, as colónias
O outro grupo da subordem Apocrita é o Aculeata: as formigas, as abe‑
produzem machos
e fêmeas com asas, lhas e as vespas que se caracterizam por ter o ovipositor transformado num
que abandonam
ferrão. Muitas espécies têm veneno que usam para paralisar as presas ou
as colónias para
se reproduzirem. para se defenderem de predadores.
Os machos morrem
É a este grupo que pertence a maior parte dos insetos sociais. Estes
pouco tempo após
o acasalamento; organizam­‑se em colónias com diferentes castas de indivíduos: a rainha,
as fêmeas perdem
com funções reprodutoras; as obreiras, fêmeas estéreis que cuidam e ali‑
as asas e regressam
à terra para procurar mentam as larvas e defendem a colónia; e os machos que fecundam a rai‑
um sítio apropriado
nha. As formigas, algumas abelhas e vespas (para além das térmitas, que não
e fundar uma nova
colónia. pertencem a esta Ordem) são os únicos verdadeiros insetos sociais.

FORMIGAS
As formigas pertencem à numerosa
família Formicidae que conta com mais de
15 000 espécies em todo o mundo. Todas
elas são insetos sociais: formam grandes
colónias com castas especializadas em dife‑
rentes funções. As castas incluem as fêmeas
férteis (rainhas), os machos e as fêmeas
estéreis (obreiras e soldados).
© RUI ANDRADE

Formigas, abelhas e vespas 79


VESPAS SOCIAIS
Todas as vespas sociais pertencem à família Vespidae. Na primavera,
a rainha já fecundada escolhe o local para instalar a nova colónia e começa
a recolher material de construção: pedaços de madeira que mastiga para
produzir uma polpa semelhante ao papel. O ninho que irá abrigar a nova
colónia é composto por várias células e em cada uma delas é depositado um
ovo. A rainha cria a primeira geração de larvas, que se transformarão em
obreiras (fêmeas) e substituirão a rainha nos trabalhos de construção e de
alimentação, para que esta se possa dedicar exclusivamente a por ovos. No
fim do verão, a rainha deposita ovos­‑macho e ovos­‑rainha que crescem em
células especiais e de maiores dimensões. No princípio do outono, os jovens
machos e as futuras rainhas atingem a maturidade e acasalam. Os machos
morrem pouco depois de acasalar e as obreiras também não sobrevivem ao
inverno. Apenas as fêmeas fecundadas, futuras rainhas, sobrevivem para ini‑
ciar uma nova colónia no ano seguinte.
© FRANK PENNEKAMP

© RUI ANDRADE

Vespa­‑do­‑papel
Polistes sp.
Vespa­‑do­‑papel a beber néctar de
flores (esquerda). Apesar de passarem
o tempo a caçar para alimentar as larvas,
as vespas adultas alimentam­‑se a si
próprias de líquidos açucarados como
o néctar. No ninho (imagem da direita)
as obreiras alimentam as larvas
da colónia com insetos caçados
nas imediações.

80 Formigas, abelhas e vespas


Obreiras: são fêmeas
estéreis que
desempenham
diferentes funções na
colmeia ao longo da
sua curta vida, como
por exemplo alimentar
as larvas, construir
e reparar o ninho,
armazenar pólen e mel
para que a colmeia
tenha alimento para
sobreviver durante
o inverno. Uma colmeia
pode abrigar até 80 000
obreiras.
© RUI ANDRADE

ABELHAS
Nas abelhas podem observar­‑se vários graus de comportamento social:
as abelhas solitárias; as que fazem ninhos comunitários, mas onde não
existem tarefas nem castas diferenciadas (cada mãe abelha alimenta os
seus filhos); e as abelhas verdadeiramente sociais, como as abelhas­‑do­‑mel
(Apis sp.) e os abelhões (Bombus sp.). A espécie Apis mellifera é talvez o inseto
mais conhecido e estudado em todo o mundo. São também os mais queri‑
dos (embora simultaneamente temidos) e praticamente os únicos que
gozam de algum reconhecimento pelos serviços e produtos que oferecem
aos humanos.

Rainha das abelhas


(ao centro da imagem
e muito maior do que
as outras abelhas):
© RUI ANDRADE

é a única fêmea fértil


da colmeia. Pode viver
até sete anos.
É permanentemente Zangões: são abelhas macho e a sua
assistida pelas obreiras única função é fecundar a rainha.
© JOÃO VALENTE

para que se possa No outono, quando as reservas de


dedicar exclusivamente alimento escasseiam, são expulsos
à reprodução. da colmeia e morrem.

Formigas, abelhas e vespas 81


© MICHELE FERRETTI

© MICHELE FERRETTI
Colmeia: ninho com estrutura alveolar construído pelas Mel: suco doce produzido pelas abelhas e que resulta
obreiras e feito de cera. Tem como funções abrigar da deposição do néctar das flores nos favos da colmeia.
e proteger o enxame, permitir o crescimento das larvas É um produto aproveitado pelos humanos desde
e servir de armazém de alimento para as épocas a Antiguidade. A alimentação das abelhas é à base
desfavoráveis do ano. É formada por inúmeras de pólen e do néctar das flores. Como as colmeias
células hexagonais – favos –­ no interior das quais sobrevivem ao inverno, as abelhas têm que armazenar
é depositado um único ovo. estes produtos durante a primavera e o verão e por isso
voam incansavelmente de flor em flor durante este
período. O pólen é acumulado nas patas traseiras
e o néctar no bucho da abelha.

VESPAS E ABELHAS SOLITÁRIAS


A maioria das espécies de vespas e de abelhas são solitárias. Após o aca‑
salamento cada fêmea constrói o seu próprio ninho e assegura, sozinha, o
completo desenvolvimento das larvas. As estratégias para garantir a sobrevi‑
vência da descendência são várias. Há vespas que põem os ovos nos ninhos
de outras espécies; há vespas que colocam os ovos no interior de larvas para‑
lisadas de outros insetos; e ainda abelhas solitárias que recolhem pólen
incansavelmente para saciar o apetite dos descendentes.

PORQUE HÁ TANTOS INSETOS PRETOS E AMARELOS?


Para além do ferrão e do veneno, as abelhas e vespas têm um sabor
desagradável. As suas cores são um aviso que significa «impróprio para
comer». Na natureza, a combinação de preto com amarelo, vermelho ou
laranja, é geralmente sinal de perigo! Um predador inexperiente pode até

82 Formigas, abelhas e vespas


provar alguns insetos tóxicos, mas rapidamente aprende a associar as
cores garridas a insetos não­‑comestíveis. Este processo é conhecido por
mimetismo Batesiano e dá-se quando animais inofensivos copiam a forma
de animais tóxicos ou perigosos – como é o caso de muitos insetos inofen‑
sivos, mas cujas cores imitam as vespas e as abelhas.
© RUI ANDRADE

© RUI ANDRADE
Vespa­‑comum Escaravelho­‑vespa
Vespula germanica Clytus arietis
A vespa que serve de modelo. Se nos abstrairmos da forma e da cor, observando apenas as
características morfológicas, veremos que este inseto não tem
as asas membranosas. As asas anteriores estão endurecidas
(élitros), característica da Ordem Coleoptera.
© FRANK PENNEKAMP

© RUI ANDRADE

Borboleta­‑abelha Mosca­‑das­‑flores
Pyropteron affine Episyrphus balteatus
Repare que as asas deste inseto estão cobertas por escamas, Este inseto só tem um par de asas, logo pertence
característica da ordem Lepidoptera (borboletas). Os himenópteros, à Ordem Diptera.
como as abelhas, têm as asas translúcidas (desprovidas de escamas).

Formigas, abelhas e vespas 83


Latibulus sp.
Família Ichneumonidae
E quando os parasitas
imitam as presas?
As cores desta vespa
parasitóide imitam
as das vespas­‑do­‑papel
(Polistes sp., família
Vespidae), o que
lhes permite entrar
disfarçadas nos seus

© RUI ANDRADE
ninhos e colocar
os seus ovos nas larvas
da colónia.

TRUQUES PARA DISTINGUIR ENTRE ABELHAS E VESPAS


À vista desarmada, as abelhas distinguem­‑se da maioria das vespas
através do primeiro segmento do tórax e das patas posteriores.
As abelhas têm:
–– ­o tórax peludo;
–– ­as patas traseiras largas e cobertas de pelos de aspeto plumoso,
adaptados ao transporte de pólen.
Enquanto as vespas têm:
–– ­o tórax com poucos pelos;
–– ­o primeiro segmento do tórax forma um colar à volta do pescoço
que atinge a base das asas anteriores;
–– ­todas as patas são robustas, finas e sem pelos.
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP

Abelhão Vespa da família Vespidae.


Bombus sp.
Pode ver­‑se o «cesto­‑do­‑pólen» nas patas posteriores, carregado de pólen, misturado
com néctar regurgitado – as «bolas» laranja que aderem às patas traseiras.

84 Formigas, abelhas e vespas


Borboletas
LEPIDOPTERA

significa que tem escamas (lepido) nas asas (ptera)

As borboletas são insetos muito característicos: possuem dois pares de


asas membranosas, encontrando-se estas e o corpo cobertos por esca‑
mas. A boca da grande maioria das espécies é formada por uma pro‑
bóscide ou espirotromba, que é um tubo que permite aos animais
sugar líquidos (água e néctar), como se fosse uma palhinha. A probós‑
cide permanece enrolada em espiral por baixo da cabeça quando o ani‑
mal não se alimenta. A diversidade de lepidópteros atualmente conhe‑
cida é estimada entre 160 000 a 175 000 espécies. No entanto, pensa­‑se
que o total de espécies poderá chegar a meio milhão.

Pormenor da asa da Pandora (Argynnis pandora)


borboleta-do- com a probóscide esticada
medronheiro (Charaxes para sugar o néctar das flores.
jasius). São bem visíveis
as múltiplas escamas, Fritilária-mediterrânica
imbrincadas umas nas (Euphydryas desfontainii)
outras, como telhas com a probóscide enrolada.
num telhado.

© JORGE GOMES
© FRANK PENNEKAMP
© PEDRO PIRES

Borboletas 85
BORBOLETAS DIURNAS
RHOPALOCERA
Significa que tem as antenas (cera) em forma de maça (rhopalo)

Tal como o nome comum indica, estes animais têm hábitos diurnos.
O nome científico remete para a forma das antenas que são lineares
e terminam em forma de maça ou clava, ou seja, têm uma dilatação
na extremidade. A maioria das espécies não faz um casulo para pro‑
teger a pupa ou crisálida. Outra característica que distingue este
grupo é a ausência de qualquer sistema de ligação entre as asas ante‑
riores e posteriores.

Fritilária-escura
Melitaea athalia

© ALBANO SOARES

Os ropalóceros ou borboletas diurnas são o grupo de insetos melhor


conhecido. Na Europa há 420 espécies, especialmente concentradas
na região mediterrânica e nas zonas montanhosas (Alpes e Pirinéus).
A Península Ibérica, com 239 espécies, é dos locais mais ricos em bor‑
boletas. Em Portugal ocorrem 135 espécies.

86 Borboletas
UMA BORBOLETA AMEAÇADA DO SUL DE PORTUGAL
Fritilária-mediterrânica
Euphydryas desfontainii
Esta borboleta tem uma distribuição descontínua na região mediterrâ‑
nica ocidental, com populações apenas no norte de África, Península Ibérica e
sul de França. Em Portugal só ocorre no barlavento Algarvio e no sudoeste
Alentejano. É uma das espécies mais ameaçadas do país devido à destruição
do seu habitat. A fritilária-mediterrânica encontra­‑se em pequenos prados
situados nas margens de linhas de água, dominados pelo cardo­‑penteador –
Dipsacus fullonum – que é a planta que serve de alimento às lagartas (ou planta
hospedeira). A extensão deste tipo de habitat tem vindo a diminuir devido,
principalmente, à reconversão dos prados naturais em plantações de euca‑
lipto e em áreas agrícolas. É urgente a implementação de um plano de prote‑
ção para esta espécie baseado num modelo de gestão sustentável dos prados
com cardos, de modo a evitar a sua extinção no nosso país.

Habitat típico da
fritilária-mediterrânica
(Benafátima, Silves).
Mapa de distribuição
da espécie em Portugal
à direita.
© FRANK PENNEKAMP

Fritilária-
mediterrânica
Euphydryas
desfontainii
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES

Borboletas 87
Ciclo de vida
© FRANK PENNEKAMP

da borboleta
fritilária-
mediterrânica:

1 ­‑ Acasalamento
(abril e maio)

2 ­‑ Flores secas
do cardo­‑penteador
1 2 (Dipsacus fullonum)

3­‑ Fêmea a ovipositar


na face inferior da folha
de um cardo-penteador

3 4 4 ‑ Ovos

5 ­‑ Lagartas
na primeira fase de
desenvolvimento
(junho)

6 ­‑ Ninho de lagartas.
Durante o inverno, as
lagartas ficam inativas
e são protegidas
por uma estrutura
construída com seda
e partes da planta
hospedeira.
5 6

7 ­‑ Lagarta na
última fase de
desenvolvimento
(fevereiro do ano
seguinte)

8­‑ Crisálida (março


7 8 do ano seguinte)

88 Borboletas
UMA BORBOLETA AMEAÇADA DO NORTE DE PORTUGAL
Borboleta­‑azul­‑das­‑turfeiras
Phengaris alcon
A borboleta­‑azul­‑das­‑turfeiras é uma espécie muito emblemática e popu‑
lar na Europa devido ao seu invulgar ciclo de vida, que inclui uma estranha
relação com formigas do género Myrmica. Em Portugal a Phengaris alcon vive
apenas nos prados húmidos de montanha do norte do país, sendo que as prin‑
cipais populações se concentram nas Serras de Montemuro e do Alvão.

Prados húmidos
de montanha,
habitats típicos
da borboleta­‑azul­‑
-das­‑trufeiras
(Lamas de Olo,
Vila Real). Mapa
de distribuição
da espécie em
Portugal à direita.
© PAULO RIBEIRO

O poder da química
A borboleta-azul-das-turfeiras põe os seus ovos de julho a agosto em
flores de genciana (Gentiana pneumonanthe). Após a eclosão, as minúsculas
lagartas comem as flores durante duas ou três semanas e depois deixam-se
cair ao solo. As lagartas começam a libertar uma substância química seme‑
lhante à das larvas de formigas do género Myrmica. As formigas, atraídas
pelo cheiro, transportam as lagartas para o interior dos seus formigueiros,
assumindo que são larvas de formiga perdidas. Deste modo, as lagartas de
borboleta passam todo o inverno e a primavera seguinte protegidas, dentro
dos formigueiros, e alimentadas pelas suas anfitriãs.

Borboletas 89
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES
1
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES
2 3
© PAULO ROCHA MONTEIRO

© ERNESTINO MARAVALHAS

4 5

Ciclo de vida da borboleta-azul‑das­‑turfeiras:

1 ­‑ Adulto. 5- Crisálidas
A partir de julho do ano seguinte formam-se
2­‑ Acasalamento (julho e agosto). as crisálidas no interior dos formigueiros e uma semana
depois eclodem os adultos. As borboletas recém-eclodidas
3 ‑ Ovos (julho e agosto) procuram rapidamente uma saída do formigueiro e saem
Postura de ovos em genciana (Gentiana pneumonanthe). para o exterior. O Tagis – Centro de Conservação das
Borboletas de Portugal produziu um documentário sobre
­4 ‑ Lagarta a biologia e conservação desta espécie intitulado
Na primeira fase de desenvolvimento, as lagartas «A flor, a formiga e a borboleta ameaçada», adquirido
alimentam-se das flores de Gentiana pneumonanthe pela RTP. Uma versão curta pode ser vista em
(até meados de setembro) antes de serem «adotadas» www.borboletasatravesdotempo.com.
pelas formigas e introduzidas nos formigueiros.

90 Borboletas
FAMÍLIA HESPERIIDAE
As espécies desta família têm o corpo e a cabeça mais largos do que
as restantes borboletas diurnas. As antenas estão colocadas na cabeça, muito
afastadas uma da outra, e terminam numa espécie de gancho. Em Portugal
ocorrem 17 espécies.

© ALBANO SOARES
© V. SARTO

Axadrezada-das-malvas
Carcharodus alceae
Lagarta e adulto.

© FRANK PENNEKAMP
© ALBANO SOARES

Douradinha-silvestre Coma
Thymelicus sylvestris Hesperia comma

Borboletas 91
FAMÍLIA PAPILIONIDAE
Borboletas com padrões muito coloridos. Em muitas espécies, as asas
posteriores têm uma espécie de cauda. Em Portugal são conhecidas apenas
Borboleta­‑zebra
três espécies. Iphiclides feisthamelii
Ovo, lagarta, crisálida
e adulto.
© ERNESTINO MARAVALHAS
© ERNESTINO MARAVALHAS

© PAULO RODRIGUES
© FRANK PENNEKAMP

© ERNESTINO MARAVALHAS
© PAULO RODRIGUES

Cauda­‑de­‑andorinha
Papilio machaon
Lagarta, crisálida
e adulto.

92 Borboletas
© FRANK PENNEKAMP

© ALBANO SOARES
Borboleta­‑carnaval
Zerynthia rumina
Lagarta e adulto.

FAMÍLIA PIERIDAE
Borboletas brancas, amarelas ou laranja. São conhecidas 14 espécies
em Portugal.

Borboleta­‑limão
Gonepteryx rhamni
Ovo, lagarta, crisálida
e adulto.
© ERNESTINO MARAVALHAS

© ERNESTINO MARAVALHAS
© ERNESTINO MARAVALHAS

© ALBANO SOARES

Borboletas 93
© ALBANO SOARES
© PAULO SIMÕES

Branca­‑do­‑pilriteiro
Aporia crataegi
Lagartas e adulto.
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP
© PATRÍCIA GARCIA­‑PEREIRA
© PAULO RODRIGUES

Borboleta­‑da­‑couve
Pieris brassicae
Ovos, lagartas, crisálida e adulto (macho).

94 Borboletas
FAMÍLIA LYCAENIDAE
Borboletas pequenas de cor azul ou acobreada. Existem 35 espécies em
© FRANK PENNEKAMP Portugal.

© FRANK PENNEKAMP

Borboleta­‑da­
‑sardinheira
Cacyreus marshalli
Ovo, lagarta e adulto.
Apesar de ter sido
introduzida na Europa
há pouco mais de
dez anos, esta espécie
adaptou-se bem e pode
ser encontrada em
© FRANK PENNEKAMP

jardins e parques.
Em Portugal aparece
de norte a sul, evitando
as zonas muito frias.

Borboletas 95
FAMÍLIA NYMPHALIDAE
Grupo muito heterogéneo e com elevada diversidade (65 espécies em
Portugal). O primeiro par de patas dos adultos desta família está atrofiado,
especialmente nos machos, não servindo por isso para andar.

Pavão­‑diurno
Aglais io
Lagartas e adulto.
© ERNESTINO MARAVALHAS

© DINIS CORTES
Borboleta­‑do­
‑medronheiro
Charaxes jasius
Ovo, lagarta,
pré­‑crisálida,
crisálida e adulto.
© FRANK PENNEKAMP

© PAULO RODRIGUES
© PAULO SIMÕES

© FRANK PENNEKAMP
© PAULO RODRIGUES

96 Borboletas
e adulto.
Policloros

Ovos, lagarta, crisálida


Nymphalis polychloros
© ERNESTINO MARAVALHAS © ERNESTINO MARAVALHAS
Didima

e adulto.
Lagarta, crisálida
Melitaea didyma

© FRANK PENNEKAMP

© ALBANO SOARES © ERNESTINO MARAVALHAS

Borboletas
97
© FRANK PENNEKAMP © FRANK PENNEKAMP
© ALBANO SOARES © ERNESTINO MARAVALHAS

98
Borboletas
Loba

e adulto.
Maniola jurtina
Lagarta, crisálida
© ERNESTINO MARAVALHAS
BORBOLETAS NOTURNAS
HETEROCERA
Significa que tem as antenas (cera) com diferentes formas (hetero)

Cerca de 90% dos lepidópteros estão incluídos no grupo das borbole‑


tas noturnas. Este nome genérico atribuído ao grupo pode ser engana‑
dor. Apesar de ser associado a borboletas com actividade noturna e de
cores escuras (como as que visitam as lâmpadas de candeeiros), a ver‑
dade é que este grupo também inclui borboletas que voam durante o
dia e têm, por isso, asas muito coloridas. A principal característica
deste grupo é a forma das antenas, que pode ser muito variada (em
forma de pente, corda ou fio), mas nunca em maça como sucede nas
borboletas diurnas.

Em Portugal encontram-se inventariadas cerca de 2600 espécies e


todos os anos são descobertas novas espécies, fruto do trabalho de
investigadores nacionais e estrangeiros. Para mais informação sobre
a nossa fauna pode consultar www.lusoborboletas.org. Seguem­‑se
imagens de algumas espécies emblemáticas em diversas fases do
ciclo de vida.

FAMÍLIA GEOMETRIDAE
Borboletas de corpo esguio e largas asas delicadas, de cores ténues: cas‑
tanhos, cinzentos, brancos e ferrugem. Muitas pousam com as asas em
«leque» mostrando as linhas delicadas ou bandas que atravessam ambas as
asas num desenho contínuo. As lagartas perderam os primeiros três pares de
Lagartas típicas
de geometrídeo. patas abdominais. Existem mais de 300 espécies em Portugal.
© ERNESTINO MARAVALHAS

© ERNESTINO MARAVALHAS

Borboletas 99
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES
Camptogramma bilineata Idaea ostrinaria
Adulto. Adulto.

FAMÍLIA LASIOCAMPIDAE
Borboletas de tamanho variável, a maioria de cor castanha. São muito
peludas e com muitas escamas, fazendo lembrar bonecos de peluche.
As lagartas são peludas, protegendo-se assim do rigor do inverno. Existem
cerca de 20 espécies em Portugal.

© SANDRA ANTUNES
© PAULO SIMÕES

Lasiocampa trifolii
Lagarta e adulto.

100 Borboletas
FAMÍLIA NOCTUIDAE
É a família de borboletas com maior número de espécies, 400 das quais
se encontram em Portugal (mais de 20 000 em todo o mundo). Distinguem­‑se
pelo seu aspeto robusto e pelas asas anteriores normalmente rectangulares,
que assentam sobre o abdómen como um telhado. Na maioria das espécies,
as asas anteriores são escuras e com padrões diversos e as posteriores são
uniformes e claras.
© FRANK PENNEKAMP

© FRANK PENNEKAMP
Brithys crini
Lagarta e adulto.
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES

Euclidia glyphica Catocala dilecta


Adulto. Adulto.

Borboletas 101
FAMÍLIA SATURNIIDAE
Borboletas de grande tamanho. Os adultos possuem ocelos (olhos falsos)
nas quatro asas que servem para afugentar os predadores. Em Portugal são
conhecidas apenas duas espécies: o pavão­‑noturno, a maior borboleta da
Europa, e o pavão­‑noturno­‑pequeno.

Pavão­‑noturno
Saturnia pyri
Lagarta, crisálida
e adulto.
© ADRIANA GALVEIAS

© PAULO SIMÕES
© PATRÍCIA GARCIA­‑PEREIRA

Pavão­‑noturno­
‑pequeno
Saturnia pavonia
Lagarta e adulto.
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES

102 Borboletas
FAMÍLIA SPHINGIDAE
Borboletas de tamanho médio a grande, com asas alongadas e de voo
rápido (com batimentos das asas até 70 vezes por segundo). Algumas espécies
voam durante o dia ou ao crepúsculo. Possuem uma longa probóscide que
lhes permite sugar o néctar de flores com cálices profundos, contribuindo
assim para a sua polinização. As lagartas desta família possuem uma espécie
Borboleta­‑caveira de «corno» no final do abdómen. Existem cerca de 20 espécies em Portugal.
Acherontia atropos
Lagarta e adulto.
© LUÍS MIRANDA

© BRUNO PINHO
Esfínge­‑da­‑eufórbia
Hyles euphorbiae
Lagarta, crisálidas
e adulto.
© FRANK PENNEKAMP

© PAULO SIMÕES
© EVA MONTEIRO

Borboletas 103
FAMÍLIA NOTODONTIDAE
Borboletas de tamanho médio a grande, com formas bastante diversifi‑
cadas. As asas posteriores têm normalmente cores claras. Quando ameaça‑
das, as lagartas de algumas espécies adoptam uma postura curiosa e carac‑
terística: levantam a cabeça e a cauda. Existem cerca de 25 espécies no
nosso país.

© ERNESTINO MARAVALHAS
© PAULO SIMÕES

Cerura iberica
Lagarta e adulto.

FAMÍLIA ARCTIIDAE
A maioria das espécies possui hábitos noturnos, mas há diversas que
voam de dia, por isso, apresentam cores vivas e padrões diversificados. Exis‑
tem cerca de 40 espécies em Portugal.

© ERNESTINO MARAVALHAS
© FRANK PENNEKAMP

Tyria jacobaeae Euplagia quadripunctaria


Lagarta. Adulto. Espécie protegida por lei
(Anexos II e IV da Diretiva Habitats).

104 Borboletas
FAMÍLIA ZYGAENIDAE
Borboletas de pequeno tamanho, de cores vivas (vermelhas e pretas ou
verdes), a maioria metalizadas. Os adultos são diurnos e possuem toxinas.
Existem 15 espécies em Portugal.
© ERNESTINO MARAVALHAS

© FRANK PENNEKAMP
Zygaena sarpedon
Lagarta e adulto
(em cima).

Adscita sp.
(esquerda).

Zygaena trifolii
(direita).
© ALBANO SOARES

© ALBANO SOARES

Borboletas 105
B I B L I O G R A F I A C O N S U LTA D A

Bellmann, H. & Luquet, G. 2009. Guide des Sauterelles, Grillons et Criquets d’Europe occiden‑
tale. Les Guides du Naturaliste. Delachaux et Niestlé SA, Paris.

Chinery, M. 1988. Guía de Campo de los Insetos de España y de Europa. Ediciones Omega, S.A.
Barcelona, Espanha.

Dijkstra, K­‑D. & Lewington, R. 2006. Field Guide to the Dragonflies of Britain and Europe. Brit‑
ish Wildlife Publishing. Dorset, United Kingdom.

Grosso-Silva, J.M. & Soares-Vieira, P. 2004. First Record of Apteromantis aptera (Fuente, 1894)
for Portugal and of Perlamantis alliberti Guérin-Méneville, 1843 (Dictyoptera, Mantodea).
Boln. S. E. A., nº 35 : 277.

Leraut, P. 2003. Le guide entomologique. Delachaux et Niestlé, SA. Paris.

Maravalhas, E. (ed) 2003. As Borboletas de Portugal. Vento Norte, Porto.

Maravalhas, E. & Soares, A. 2013. As libélulas de Portugal. Booky Publisher.

Quartau, J. A. & Luna de Carvalho, E. 1998. Contribuição para o melhor conhecimento dos
insetos em Portugal : chaves para a determinação das ordens. Museu Bocage, Lisboa.
Publicações avulsas do Museu Bocage, 2.ª série, N.º 5.

Robineau, R. (ed) 2007. Guide des Papillons Nocturnes de France. Les Guides du Naturaliste.
Delachaux et Niestlé SA, Paris.

Scoble, M. J. 1995. The Lepidoptera – Form, Function and Diversity. The Natural History
Museum and Oxford University Press. Oxford.

Waring, P., Townsend, M. & Lewington R. 2009. Field Guide to the Moths of Great Britain and
Ireland. British Wildlife Publishing, Dorset.
AGRADECIMENTOS

A exposição Insetos em Ordem e este livro são fruto do trabalho de vários anos e da
generosa colaboração de diversas pessoas empenhadas em divulgar o conhecimento
sobre a nossa fauna de insetos.
Queremos agradecer a Frank Pennekamp pelo empenho no trabalho de campo, pelo
seu rigor científico, e curiosidade permanente, que contribuiu decisivamente para a cria‑
ção de uma base de imagens representativa dos diversos grupos de insetos. A Albano
Soares, excelente entomólogo para além de fotógrafo, que está sempre disponível para ir
ao campo e para partilhar as suas fotografias. A Rui Andrade pela sua contribuição fun‑
damental para completar a informação sobre muitas ordens, em especial, dipteros e
himenópteros. A Ernestino Maravalhas que está sempre presente e com o seu vasto
conhecimento melhora a qualidade do trabalho de investigação desenvolvido. A João
Pedro Cardoso dar o melhor uso à sua excelente coleção de lepidópteros, permitindo
explorar e tirar o maior partido da informação nela contida. A António Bívar de Sousa por
nos abrir as portas da Sociedade Portuguesa de Entomologia. A Cecília Fernandes pelas
mãos de ouro e pelo entusiasmo contagiante. A Bruno Pinho que se revelou um colabo‑
rador muito especial, a quem devemos muitas gargalhadas e as imagens da chave dico‑
tómica. A Pedro Andrade que se disponibilizou para tornar os nossos insetos resistentes
e portáteis. A Sandra Antunes que, embora tenha começado a trabalhar connosco mais
tarde, é uma entomóloga de paixão e está sempre disponível para ajudar.
Agradecemos a contribuição dos investigadores especialistas em determinados
grupos de insetos: Maria João Feio (IMAR­‑Instituto do Mar – Departamento de Ciências
da Vida), Artur Serrano, Paula Simões e José Alberto Quartau (Faculdade de Ciências da
Universidade de Lisboa) e Luís Mendes (Instituto de Investigação Científica e Tropical).
Queremos ainda deixar um agradecimento a todos os fotógrafos que colaboraram
neste projeto; à restante equipa do Bioeventos, Margarida Santos-Reis, Judite Alves, Cecí‑
lia Sérgio, Bruno Pinto, Sara Magalhães e Marta Fonseca; ao Luis Moreira, pelo profissio‑
nalismo e bom gosto; à equipa do Borboletário do Museu Nacional de História Natural e
da Ciência; e ao BES, mecenas exclusivo da exposição em 2010.
Por último, um agradecimento muito especial à Prof. Ana Eiró. por acreditar desde o
princípio neste projeto, primeiro como Coordenadora dos Museus da Politécnica, como
Coordenadora geral dos Bioeventos 2010 e agora como diretora do programa O Mundo na
Escola.

107
Í N D I C E R E M I S S I V O D E E S P É C I E S E G R U P O S TA X O N Ó M I C O S

A Besouro­‑verde­‑das­ Bruchidae 61
Abelha solitária 58, 81­‑82 ‑verrugas 59 Bubas bison 63
Abelhão 84 Besouro­‑aquático 64

Abelhas 25, 58, 68, 76­‑84 Besouro­‑enterrador 62 C


Acherontia atropos 103 Besouro­‑longicórneo 56 Cabra­‑loura 57

Acronicta ruminis 79 Besouro­‑tigre 63 Cacyreus marshalli 95

Aculeata 79 Besouros 18, 30, 39, 55­‑64 Caelifera 45, 46­‑47

Adscita sp. 105 Bicha­‑cadela­‑comum 34 Calliphoridae 68

Aeshna mixta 39 Bichas­‑cadela 29, 34 Caloptérix­‑ocidental 40


Bicho­‑pau­‑comum 54 Calopterygidae 40
Aeshnidae 18, 42
Bichos­‑pau 28, 46, 53 Calopteryx xantostoma 40
Aglais io 96
Bittacidae 70 Camptogramma bilineata 100
Alfaiate 52
Bittacus italicus 71 Carabidae 64
Anax imperator 18, 42
Blatta orientalis 35 Carabus rugosus 64
Andricus quercustozae 78
Blattodea 35 Carcharodus alceae 91
Anisoptera 39, 42
Bombus sp. 81, 84 Carocha 64
Anobium punctatum 56
Caruncho­‑da­‑madeira 56
Apis mellifera 81 Borboleta­‑carnaval 93
Catocala dilecta 101
Apocrita 78­‑84 Borboleta­‑da­‑sardinheira
95 Cephalodromia nitens 68
Aporia crataegi 94
Borboleta­‑do­‑medronheiro Cerambix cerdo 56
Apteromantis aptera 38
85, 96 Cerambycidae 61
Arctiidae 104
Borboleta­‑zebra 92 Cercopis sp. 50
Argynnis pandora 85
Borboleta­‑abelha 83 Cercopidae 50
Arrebenta­‑bois 58 Cerura iberica 104
Borboleta­‑azul­‑das­
Ascalaphidae 73 ‑turfeiras 89­‑90 Chalcophora mariana 56
Asilidae 68 Borboleta­‑caveira 103 Charaxes jasius 85, 96
Axadrezada­‑das­‑malvas 91 Borboleta­‑da­‑couve 94 Chorthippus binotatus 47
Borboleta­‑limão 93 Chrysomelidae 59, 60
B Borboletas 18, 26, 36, 74, 75, Chrysopa sp. 73
Barata­‑americana 35 77, 83, 85­‑105 Chrysopidae 73
Barata­‑oriental 35 Borboletas diurnas 26, Cicada barbara 49
Baratas 30, 35 86­‑98 Cicada orni 49
Berberomeloe majalis 58 Borboletas noturnas 26, Cicindela lusitanica 63
99­‑105
Besouro­‑das­‑folhas­ Cicindelidae 63
‑lusitano 60 Brachycera 67
Cigarra­‑comum 49
Besouro­‑do­‑estrume 63 Branca­‑do­‑pilriteiro 94 Cigarras 23, 49­‑50, 51
Besouro­‑longicórneo­‑ Brithys crini 101 Cigarrinha­‑do­‑cuspo­‑
­‑oculado 61 Broca­‑do­‑pinheiro 56 de­‑sapo 50

108
Cigarrinhas 23, 49­‑50, 51 Euplagia quadripunctaria 104 Heterocera 99­‑105
Clytus arietis 83 Exosoma lusitanica 60 Heteroptera 51­‑52
Coccinella septempunctata 63 Himenópteros 76
Coccinellidae 63 F Homoptera 49­‑50, 63, 67
Coenagrionidae 40 Forficula auricularia 34 Hyles euphorbiae 103
Coleoptera 55, 83 Formicidae 79 Hymenoptera 76­‑84
Coma 91 Formigas 28, 76, 78, 79,
Cordulegaster boltonii 44 89, 90 I
Cordulegastridae 44 Formigas­‑leão 25, 72­‑73 Ichneumonidae 79, 84
Corduliidae 44 Frigânios 26, 74­‑75 Idaea ostrinaria 100
Crisopas 25, 72­‑73 Fritilária­‑escura 86 Imperador­‑azul 42
Culex sp. 66 Fritilária­‑mediterrânica 85, Iphiclides feisthamelii 92
87­‑88
Culicidae 66 Iris oratoria 37
Curculionidae 60
G
Cyclorrapha 67 J
Gafanhoto­‑narigudo 46
Cynipidae 78 Joaninha 63
Gafanhoto­‑de­‑cabeça­
‑cónica 46
D L
Gafanhotos 18, 27, 36,
Dermaptera 34 45­‑48 Lampyridae 63
Didima 97 Genciana 89­‑90 Lampyris noctiluca 63
Dipsacus fullonum 87, 88 Gentiana pneumonanthe Lasiocampa trifolii 100
Diptera 65, 83 89­‑90 Lasiocampidae 100
Douradinha­‑silvestre 91 Geometridae 99 Lasioglossum sp. 58
Drosophila melanogaster 69 Gerris lacustris 52 Latibulus sp. 84
Dytiscus sp. 64 Gomphidae 43 Lepidoptera 83, 85­‑105
Gomphus pulchellus 43 Lepidópteros 85, 99
E Gonepteryx rhamni 93 Lepidostoma hirtum 75
Efémeras 22, 32­‑33 Gonfos comum 43 Leptynia attenuata 54
Empusa pennata 36 Gorgulho 60 Lestes 40
Ensifera 45, 48 Grilo­‑comum 45 Lestidae 40
Ephemera glaucops 32 Grilo­‑de­‑sela­‑ibérico 48 Libelinhas 23, 39, 40­‑41
Ephemeroptera 32­‑33 Grilos 27, 45­‑48 Libelinha hibernante 40
Episyrphus balteatus 83 Gryllus campestris 45 Libelinha laranja 40
Escaravelho­‑vespa 83 Libelinha vermelha grande
Esfínge­‑da­‑eufórbia 103 H 40

Euclidia glyphica 101 Haematopota sp. 67 Libelloides longicornis 73

Euphydryas desfontainii 85, Hesperia comma 91 Libellula quadrimaculata 43


87­‑88 Hesperiidae 91 Libellulidae 43

109
Libeloide­‑comum 73 Mosquito­‑da­‑casa­‑de­ Percevejos­‑do­‑solo­‑
Libeloides 72­‑73 ‑banho 66 -comum 51

Libélula­‑anelada 44 Mosquitos 65­‑66 Periplaneta americana 35

Libélula esmeralda 44 Myrmeleontidae 73 Phasmida 53­‑54

Libélula­de­quatro pintas Myrmica 79, 89 Phengaris alcon 89­‑90


43 Mythicomyiidae 68 Pieridae 93­‑94
Libélulas 18, 23, 39, 42­‑44, Pieris brassicae 94
68, 73 N Piezodorus literatus 51
Lixus sp. 60 Nematocera 65­‑66 Pipunculidae 67
Loba 98 Nemoptera bipennis 72 Pipunculus campestris 67
Lomatia belzebul 68 Nemopteridae 72 Pirilampo 63
Louva­‑a­‑deus­‑de­‑asas­ Neocallicrania sp. 48 Platycnemididae 40
‑coloridas 37 Platycnemis acutipennis 40
Neuroptera 72­‑73
Louva­‑a­‑deus­‑do­‑corno Policloros 97
Neuróptero­‑das­‑duas­
36
‑penas 72 Polistes sp. 80, 84
Louva­‑a­‑deus 30, 36­‑38
Ninfa­‑cor­‑de­‑fogo 40 Psychodidae 66
Louva­‑a­‑deus­‑comum 38
Noctuidae 101 Pulgões 63, 73
Louva­‑a­‑deus­‑ibérico 38
Notodontidae 104 Pyrgomorpha conica 46
Lucanus cervus 56, 57
Nymphalidae 96­‑98 Pyropteron affine 83
Lucilia sp. 68
Nymphalis polychloros Pyrrhosoma nymphula 40
Luzerna 59 97
Lycaenidae 95
R
Lytta vesicatoria 59 O Rhinocoris sp. 52
Oberea oculata 61 Rhopalocera 86­‑98
M Odonata 18, 39­‑44 Rogogaster viridis 76
Macrophya montana 77 Orthoptera 45­‑48 Rondania dispar 67
Maniola jurtina 98 Oxigastra curtisii 44 Ropalóceros 86
Mantis religiosa 38 Ruspolia nitidula 48
Mantodea 36­‑38 P
Mecoptera 70­‑71 Pandora 85 S
Medicago sp. 59 Panorpa sp. 71 Saltão­‑verde­‑maior 48
Megistopus flavicornis 73 Panorpidae 70 Saltão­‑de­‑cabeça­‑cónica
Melgas 65­‑66 Papilionidae 92­‑93 48
Melitaea athalia 86 Parageron sp. 68 Saltões 45, 48
Melitaea didyma 97 Parasitica 78­‑79 Saturnia pavonia 102
Meloidae 58, 59 Parasitóides 67, 78­‑79 Saturnia pyri 102
Mosca­‑abelha 68 Pavão­‑noturno­‑pequeno Saturniidae 102

Mosca­‑da­‑fruta 69 102 Scarabaeidae 63

Mosca­‑das­‑flores 83 Pavão­‑diurno 96 Scathophaga stercoraria 69

Moscas­‑baloiço 25, 70­‑71 Pavão­‑noturno 110 Sciaridae 65

Moscas­‑escorpião 25, Percevejo­‑assassino 52 Sciomyzidae 68


70­‑71 Percevejos 31, 51­‑52 Silphidae 62

110
Sphecodes sp. 58 Tipulidae 66 Vespas 25, 76, 78­‑84
Sphingidae 103 Tira-olhos-outonal 74­‑75 Vespas parasitas 78, 79
Spilostethus pandurus 51 Tricópteros 74
Vespas porta­‑serra 76­‑77
Sympecma fusca 40 Truxalis nasuta 46
Vespidae 80, 84
Symphyta 76­‑77 Trypetoptera punctulata 68
Tyria jacobaeae 104 Vespula germanica 83

T
Térmitas 79 V Z
Tettigonia viridissima 48 Varejeira 68 Zerynthia rumina 93
Thanatophilus rugosus 62 Vermileo nigriventris 67
Zygaena sarpedon 105
Thremma tellae 75 Vespa­‑comum 83
Zygaena trifolii 105
Thymelicus sylvestris 91 Vespa­‑das­‑galhas 78
Tipula 66 Vespa­‑do­‑papel 80 Zygaenidae 105

Tipula sp. 66 Vespa­‑porta­‑serra 76 Zygoptera 39, 40­‑41


O Mundo na Escola
PROG R A M A

F INANCI A M E N TO

Você também pode gostar