Você está na página 1de 3

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE LISBOA

Contabilidade Financeira Intermédia


Exame Final – 31 de Janeiro de 2011
Duração: 1 H e 30 Minutos (mais 30 minutos de tolerância)

É permitida a consulta das IFRS (IFRS, IFRIC, IAS e SIC), das NCRF do SNC da CNC e, ainda, de
outra legislação, desde que não anotada. Durante a prova não são esclarecidas dúvidas.

I (12 valores)

Considere os seguintes demonstrativos financeiros da Empresa Alfa, Lda relativamente aos anos N e N-1:
(valores em euros)

1
Após se ter elaborado os demonstrativos financeiros acima, concluiu-se que, afinal, relativamente ao ano N:

a) A Taxa de IRC a considerar é de 20% e não de 29%;

b) As Depreciaçõesdo exercício são 11.000 e não 9.000;

c) A incorporação de Reservas no Capital foi de facto de 15.000, mas os sócios contribuiram com 20.000 em
dinheiro para aumentar o Capital, e não com 15.000;

d) O aumento de Acréscimos de Gastos foi de 3.000 e não de 2.000;

e) O aumento de Rendimentos Diferidos foi de 7.000 e não de 6.000;

f) Por omissão não se contabilizou uma Provisão para Outros Riscos e Encargos no montante de 25.000:

g) Todas as demais rúbricas estão correctas nos demonstrativos financeiros dados.

Pretende-se:

1 - Refazer o conjunto completo de demonstrativos financeiros dados tendo em conta, em simultâneo, as


correcções assinaladas de a) a g).

2- Muito sucintamente referencie as principais alterações ocorridas na IAS 1 a partir de 2007 inclusive e as
alterações que se perspectivam para o conjunto completo dos demonstrativos financeiros no futuro.

II (3 valores)

A Empresa TETA, SA, que se dedica à construção, no ano N, passou a adoptar o Método da Percentagem de
Acabamento na contabilização dos seus contratos plurianuais de construção. Previamente, em todos os anos
anteriores, utilizou o Método do Contrato Completado. Conhecem-se os seguintes dados relativamente à
Empresa TETA, SA:

Extractos das Demonstrações de Resultados Líquidos e de Resultados Retidos/Transitados, antes de qualquer


alteração de política contabilística, e sabendo-se que o Resultado Líquido de N já foi apurado utilizando o Método
da Percentagem de Acabamento
Rubricas N N-1
Resultado da Actividade Normal Antes de Impostos 390.000 420.000
Imposto sobre Lucros (90.000) (84.000)
Resultado Líquido 300.000 336.000
Resultados Retidos no Inicio do Período 456.000 120.000
Resultados Retidos no Fim do Período 756.000 456.000

Efeitos da Alteração de Politica Contabilística


Diferença no Resultado devida à Efeito da Alteração,
Rubricas adopção do Método da Líquida do Imposto
Percentagem de Acabamento
Relativamente aos exercícios
anteriores a N-1 90.000 63.000
Para o exercício N-1 75.000 52.500
Total no Início de N 165.000 115.500
Para o exercício N 90.000 63.000

a) Apresentar as Demonstrações de Resultados Líquidos e de Alterações no Capital Próprio


(Resultados Retidos) de acordo com o preconizado na IAS 8/NCRF 4.

b) Que lançamentos faria no ano N?

2
III (5 valores)

1 – Uma entidade, em 31/12/N-1, classificou um activo como “Não Corrente Detido para Venda”. Aquele
activo, em 31/12/N, permanecia ainda por vender, mas as condições de mercado para a sua venda tinham-se
deteriorado significativamente. A entidade, todavia, acreditava que as condições de mercado iriam melhorar
e não reduziu o preço de venda do activo, o qual continuava a estar classificado como “Não Corrente Detido
para Venda”. O Justo Valor do Activo era de 8 milhões de euros. O preço de venda pedido pela entidade era
de 8 milhões de euros.

De acordo com a IFRS 5/NCRF 8:

a) Podia o activo manter-se classificado como “Não Corrente Detido para Venda” em 31/12/N?
Justifique a resposta.
b) Referencie os critérios para que um activo possa ser classificado como “Activo Não Corrente Detido
para Venda”.

2 – Uma empresa obteve um Resultado Líquido de 110.000 euros no ano N. O número médio ponderado de
accões ordinárias em circulação durante aquele ano foi de 20.000. Existiam também 1.500 acções
preferenciais emitidas ao par, com o valor nominal de 100 euros, as quais tinham direito a um dividendo
preferencial cumulativo à taxa de 6%. Os detentores das accões preferenciais podiam convertê-las em 3.000
acções ordinárias.

De acordo com a IAS 33,

a) Calcular o RPA Básico.


b) Se tivesse que calcular o RPA Diluído como o faria?

3 - A Empresa KPB, SA aplica a IAS 2/NCRF 18 e valoriza os seus inventários no final do período de relato ao
mais baixo entre o custo e o valor realizável líquido. A empresa encerra contas em 31 de Dezembro de cada
ano. Em 31 de Dezembro de 2005, valorizou os seus inventários em 20.000.000 de euros. Em Janeiro de
2006, nada vendeu dos seus inventários. Em 05 de Fevereiro, foi-lhe feita uma oferta por parte de um
concorrente para aquisição da totalidade dos inventários por 12.000.000. Pressionada por falta de tesouraria
a empresa concordou com o preço oferecido. A data de autorização para emissão das contas foi 04 de
Fevereiro de 2006.

De acordo com a IAS 10/NCRF 24 como procedia? Justifique a resposta.

4 - A Empresa Alfa, SA faz relato financeiro intercalar trimestral. O seu ano financeiro termina a 31 de
Dezembro de cada ano. Para o segundo trimestre de 2010, quais os demonstrativos financeiros intercalares
que deve apresentar, com data de 30 de junho de 2010? E se houver actividade altamente sazonal?

5 – Muito sucintamente enuncia as alterações ocorridas recentemente relativamente ao domínio de


aplicação do SNC.

6 – Assinale as alterações já previstas para a nova estrutura conceptual do IASB – FASB.