Você está na página 1de 4

4/26/2019 A tribo perdedora - 25/04/2019 - Laura Carvalho - Folha

Laura Carvalho (/colunas/laura-carvalho/)

A tribo perdedora
Falta a nós conhecimento sobre nossa posição relativa na pirâmide distributiva

25.abr.2019 às 2h00

EDIÇÃO IMPRESSA (https://www1.folha.uol.com.br/fsp/fac-simile/2019/04/25/)

Na coluna “A sua tribo está encolhendo”, publicada nesta Folha no domingo


(21/4), Clóvis Rossi (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/2019/04/classe-media-e-espremida-
aqui-e-na-ocde.shtml) chamou a atenção para o fenômeno da classe média espremida

verificado em estudos recentes para os países ricos e para o Brasil e concluiu:


“Parece razoável imaginar que essa situação, aqui como no resto do mundo,
ajudou muito a dar impulso a populistas de diferentes cores”. 

Conforme enfatizei nas colunas “Dos motivos de Antônio”


(https://www1.folha.uol.com.br/colunas/laura-carvalho/2018/11/dos-motivos-de-antonio.shtml) e
“Desembarque” (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/laura-carvalho/2019/03/desembarque.shtml),
publicadas nesta Folha em 8/11/2018 e 28/3/2019, a perda de participação na
renda nacional dos 40% da população que ganham mais que os 50% mais
pobres e menos que os 10% mais ricos —o “squeezed middle” identificado
pelo pesquisador Marc Morgan em um estudo de 2017 publicado pelo World
Inequality Lab— parece mesmo ter desempenhado um papel crucial no
processo eleitoral de 2018. 

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/laura-carvalho/2019/04/a-tribo-perdedora.shtml 1/4
4/26/2019 A tribo perdedora - 25/04/2019 - Laura Carvalho - Folha

Fila de desempregados em busca de vaga em SP - Amanda Perobelli - 26.mar.19/Reuters

Em particular, foi exatamente entre os brasileiros do miolo espremido que o


PT mais perdeu participação (https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/10/pt-perde-votos-em-todas-
regioes-e-fica-isolado-no-nordeste.shtml) nos votos no segundo turno entre 2014 e 2018.

Só que essa “tribo” está longe de ser aquela a que Clóvis Rossi fez referência
quando endereçou sua coluna à “maioria dos leitores da Folha”, que, assim
como ele, estaria encolhendo por ser “de classe média”.

Segundo o próprio banco de dados a que o jornalista fez menção —o World


Inequality Database, coordenado por Thomas
(https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/04/1879477-com-dados-novos-e-metodo-criativo-piketty-balanca-teoria-

economica.shtml)Piketty (https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/04/1879477-com-dados-novos-e-metodo-

criativo-piketty-balanca-teoria-economica.shtml)—,
os brasileiros ultrapassam a renda dos 50%
mais pobres quando ganham mais de R$ 1.800 por mês per capita (para cada
pessoa do domicílio).

A partir da renda mensal de R$ 5.137, o indivíduo já faz parte da faixa dos 10%
mais ricos, que, como destacou Rossi, elevou sua participação na renda

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/laura-carvalho/2019/04/a-tribo-perdedora.shtml 2/4
4/26/2019 A tribo perdedora - 25/04/2019 - Laura Carvalho - Folha

nacional desde os anos 2000. Quem ganha mais de R$ 20 mil ou R$ 30 mil


por mês está na faixa dos 2% ou 1% mais ricos, respectivamente.

Em um país de renda média com altíssimo nível de desigualdade


como o Brasil, o
(https://www1.folha.uol.com.br/colunas/viniciustorres/2019/02/um-pais-de-morte.shtml)

conceito cultural de classe média, que costuma estar associado ao padrão de


consumo da classe média europeia, está muito distante daquele observado
nas faixas intermediárias de nossa pirâmide distributiva.

A mesma base de dados indica que, em paridade de poder de compra —ou


seja, já levando em conta as diferenças no custo de vida de cada país—, a
renda média nessa faixa dos 40% do meio da pirâmide no Brasil é 1/3 da
francesa, por exemplo. Ao contrário, a renda do 1% mais rico é 1,3 vez maior
no Brasil do que na França, tamanha é a nossa concentração de renda.

Caso o leitor queira descobrir qual o percentual de brasileiros que vivem com
renda mensal ou anual abaixo da sua, pode usar o simulador disponibilizado
em wid.world/simulator (https://wid.world/simulator). 

A falta de conhecimento sobre nossa posição relativa na pirâmide


distributiva tem efeitos político-econômicos importantes. Se nós, do topo da
distribuição da renda, nos considerarmos de classe média, é natural que nos
tornemos resistentes a aumentos nas alíquotas de tributação da renda e do
patrimônio, por exemplo. Assim contribuímos para tornar o Estado
brasileiro um vetor adicional de concentração de renda, dificultando a
redução de nossas desigualdades abissais.

  

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/laura-carvalho/2019/04/a-tribo-perdedora.shtml 3/4
4/26/2019 A tribo perdedora - 25/04/2019 - Laura Carvalho - Folha

Laura Carvalho
Professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, autora de
"Valsa Brasileira: do Boom ao Caos Econômico".

ENDEREÇO DA PÁGINA

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/laura-carvalho/2019/04/a-tribo-
perdedora.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/laura-carvalho/2019/04/a-tribo-perdedora.shtml 4/4

Você também pode gostar