Você está na página 1de 21

Centro Universitário

7 de Setembro

ELETROMECÂNICA

Prof. Silas Alysson S. Tibúrcio


Unidade 01 – Apresentação
 Introdução
 Panorama da Energia no Cotidiano
 Fundamentos da Conversão Eletromecânica

2
 Conceito de Energia

“Algo que atua, transforma e movimenta” (Aristóteles, IV A.C)

“A medida da capacidade de um corpo efetuar trabalho” (Young, 1807)

“Aquilo que permite uma mudança na configuração de um sistema, em


oposição a uma força que resiste a esta mudança” (Maxwell , 1872)

3
A maioria das leis físicas que descrevem a natureza são na realidade variantes
das leis básicas dos fluxos energéticos:
Lei da Conservação da Energia (1º Lei da Termodinâmica)

“Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. Logo, tudo que existe
provém de matéria preexistente, só que em outra forma, assim como tudo o que se
consome apenas perde a forma original, passando a adotar uma outra”

Lei da Dissipação da Energia

“Em todos os processos reais de conversão energética, sempre deve existir uma
parcela de energia térmica, processo esse irreversível”

4
 Processos de conversão energética

5
 Solar ou Luminosa

6
 Química

 Sonora

7
 Térmica

8
 Mecânica

9
 Elétrica

10
 Cadeia de Transformações para obtenção da Energia Elétrica

11
Topologia do Sistema de Geração Distribuída de Energia Elétrica
 Cadeia de Transformações para obtenção da Energia Elétrica

 Vantagens da conversão em energia elétrica


 Geração de elevada eficiência
 Transporte com baixas perdas, distribuição simples e de custo aceitável
 Facilidade e flexibilidade

12
A conversão eletromecânica da energia envolve a troca de energias entre um sistema
mecânico e um sistema elétrico através de um campo de acoplamento, que pode ser
de origem elétrica ou magnética.

 Diagrama Esquemático de Conversão Eletromecânica de Energia


13
A conversão eletromecânica se apresenta em várias categorias, tais como:
transdutores, dispositivos produtores de força, equipamentos de conversão contínua
de energia.

14
 Conceitos e Definições
 Campo Elétrico: é o campo de força estabelecido em todos os pontos do
espaço sob a influência de pelo menos uma carga elétrica. Cargas elétricas
inseridas num campo elétrico estão sujeitas à ação de forças elétricas.

 Campo Magnético: é uma região do espaço onde se manifesta


o magnetismo, através das chamadas ações magnéticas. Apenas algumas
substâncias são influenciadas de forma significativa pelo campo magnético.

15
 Conceitos e Definições

 Circuitos magnético: circuitos que direcionam o fluxo magnético para onde for
desejado, sendo dotado de materiais magnéticas cuja as dimensões são
diretamente relacionadas a estas propriedades.

 Linhas de campo: linhas que representam a direção e a intensidade do


campo magnético H e densidade de fluxo B num determinado espaço.
Sempre formam laços fechados.

16
 Fontes de Campo Magnético

 Determinação da direção da força para  Determinação do sentido do campo


carga positiva em movimento magnético em torno do fio

17
 Relação Eletricidade e Magnetismo
 Em 1820 o físico Dinamarquês Oersted comprovou, através de experimentos, que
cargas elétricas em movimento induzem a manifestação de fenômeno magnético.

 A constatação de Oersted levou a comunidade cientistas a acreditar que o contrário


também deveria ocorrer, ou seja, a variação de campo magnético poderia induzir
corrente elétrica.

 Em 1831 o físico Inglês Michael Faraday provou que eletricidade e magnetismo estão
intrinsecamente associadas. A lei de Faraday afirma que, se houver um fluxo
passando através de uma espira de fio condutor, então uma tensão será induzida
sendo diretamente proporcional à taxa de variação do fluxo em relação ao tempo

= [V]

 Em 1855 o físico Estoniano Heinrich Lenz descreveu que a corrente elétrica induzida
possui um sentido tal que o campo magnético gerado tende a compensar a variação do
fluxo magnético que a gerou.

=− [V]
18
 Exercício 01

Concurso para Eng. de Equipamentos Jr. Elétrico, Petrobrás 2018

19
 Exercício 01
Solução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------
a) (F) A quantidade de linhas de campo magnético que concatena a área do circuito
delimitado pelo trilho e a barra móvel diminui conforme a barra se aproxima do
resistor. Segundo a lei de Lenz, a corrente induzida no circuito gera um campo
magnético, cujo o sentido, é de compensar a variação do campo magnético que
induziu a corrente. Nesse caso, a corrente induzida circula no sentido anti-horário.
b) (V) Segundo a lei de Faraday, a tensão induzida (ε) num circuito sujeito à variação de
campo magnético é proporcional a derivada primeira do fluxo magnético concatenado
no tempo. Como o fluxo varia senoidalmente, uma vez que o movimento relativo
entre a barra e o trilho é uma senóide, os instantes de tempo t em que ε é máxima
ocorrem quando a barra passa pela posição x(t) = 0.
Equação do fluxo concatenado sobre a
área delimitada pela barra e o trilho Equação da tensão induzida no circuito Equação da corrente induzida
− ⋅ ⋅ cos( )
( )= + ⋅ ( ) ( )=− ⋅ ⋅ cos( ) ( )= 20
 Exercício 01
Solução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------
c) (F) Conforme a equação da corrente induzida, mostrada no slide anterior, verifica-se
que a amplitude da mesma é limitada pela resistência do circuito.
d) (F) Conforme a equação da corrente induzida, mostrada no slide anterior, verifica-se que
a amplitude da mesma é diretamente proporcional ao período de oscilação da barra.
e) (F) Conforme a equação da corrente induzida, mostrada no slide anterior, verifica-se que
o período de oscilação da mesma é igual ao período de oscilação da barra.

21

Você também pode gostar