Você está na página 1de 11

ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.

Laboratório 1: Caracterização de Formas de Ondas

1. Objetivo: Medição das características (valor máximo, valor médio, valor eficaz, valor
pico a pico, frequência e período) de diversas formas de onda com os diferentes instrumentos
disponíveis no laboratório; comparação e interpretação dos dados obtidos.

2. Introdução

2.1 Valor Médio

2.1.1 Definição: Seja uma tensão (ou corrente) variável no tempo conforme a mostrada na
Figura 1. Seu valor médio (Vmédia), no intervalo entre t1 e t2, é calculado através de:
t
1 2
t2  t1 t1
Vmédio  v(t )dt (1)

Figura 1: Tensão variável no tempo


v(t)

Ou seja, o valor médio de uma tensão (ou corrente) variável no tempo, num dado intervalo, é
igual à altura de um retângulo, cuja base é o mesmo intervalo de tempo considerado, e cuja área é
igual à área resultante da curva que descreve a tensão (ou corrente) em questão, conforme mostrado
na Figura 2. Por “área resultante” entenda-se a diferença entre a área abaixo da curva e acima do
eixo de referência (tensão igual a 0 volts) e àquela acima da curva e abaixo do eixo de referência.

Figura 2: Valor médio de uma tensão variável no tempo, no intervalo entre t1 e t2

v(t)

Obs.: Caso a tensão (ou corrente) seja periódica, basta calcular seu valor médio em um
período, por exemplo:
T
1
Vmédio   v(t )dt (2)
T 0
1
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3

2.2 Valor Eficaz (ou valor rms1)

2.2.1. Definição: O valor eficaz (Vef), ou valor rms (Vrms), de uma tensão (ou corrente) variável
no tempo é igual ao valor da tensão (ou corrente) constante que, aplicada num resistor, provoca a
mesma dissipação de energia daquela provocada pela tensão variável, no mesmo intervalo de tempo
( t  t 2  t1 ), ou seja:

v(t )
t2 2
Vef2
 t   dt (3)
R t1
R

Resolvendo-se a equação (3) para o valor eficaz,vem:

t
1 2
 v(t ) dt
2
Vef  Vrms  (4a)
t2  t1 t1

ou seja, o cálculo de Vef corresponde exatamente à raiz quadrada da média do valor da tensão (ou
corrente) ao quadrado.

Para um sinal periódico de período T, o valor eficaz é calculado por:

1
 v(t ) dt
2
Vef  Vrms  (4b)
TT

2.2.2 Regime Permanente Senoidal (RPS)

Figura 3: Tensão alternada senoidal aplicada num resistor

i(t)
(vazão de entrada)

R
V(t)
água x [°C]

(vazão de saída)

Seja uma tensão alternada em regime permanente senoidal v(t) dada por:

v(t )  Vmáx sen( t ) [V] (5)

aplicada num resistor R imerso num recipiente contendo água, com vazões de entrada e saída iguais,
de modo que seu volume permaneça constante, conforme mostrado esquematicamente na Figura 3.
O aquecimento do resistor, por efeito Joule, mantém a água à temperatura x [°C].
A corrente instantânea que se estabelece no circuito é, então, dada por:

1
Do inglês root mean square (raiz quadrada da média quadrática).
2
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3
v(t ) Vmáx
i(t )   sen( t ) [A] (6)
R R
Das equações (5) e (6), pode-se escrever a potência instantânea desenvolvida no resistor,
como:
Vmáx V2
p(t )  v(t )i(t )  Vmáx sen( t ) sen( t )  máx sen 2 ( t ) [W] (7)
R R
A potência média (Pmédia) dissipada no resistor, que mantém a água à temperatura x [°C], é
dada pelo valor médio da equação (7), ou seja:
T T 2 2 T 2
1 Vmáx Vmáx Vmáx
  p(t )dt  
R 0
Pmédia sen ( t )dt 
2
sen ( t )dt 
2
[W] (8)
T0 0
R 2R

Seja agora, a mesma montagem da Figura 3, substituindo-se a fonte de tensão alternada


senoidal por uma bateria de tensão contínua E [V], conforme mostrado esquematicamente na Figura
4. O valor da tensão E deve ser tal que, mantendo-se as mesmas condições descritas para a Figura 3,
a temperatura da água seja mantida em x [°C]. Deste modo, pode-se dizer que a potência média
dissipada pelo resistor R nos dois casos é a mesma.
Figura 4: Tensão contínua aplicada num resistor

I
(vazão de entrada)
+
R
E
água x [°C]

(vazão de saída)

Supondo que a corrente I se estabeleça no circuito da Figura 4, então:

E E2
Pmédia  EI  E  [W] (9)
R R
Igualando-se as equações (8) e (9), vem:
2
Vmáx E2
 → Vmáx  E 2  1,414E [V] (10)
2R R
Ou seja, o valor máximo da tensão alternada senoidal, que dissipa a mesma potência no
resistor que uma tensão contínua de valor E [V], deve ser 2 vezes maior que esta. Em outras
palavras, se substituirmos uma tensão alternada senoidal, com amplitude Vmáx por uma tensão
contínua de valor Vmáx/ 2 , teremos a mesma dissipação de calor no resistor e, como resultado, a
mesma temperatura da água. Concluímos então que o valor eficaz de um sinal senoidal é igual à sua
amplitude dividida pelo fator 2 .

Usualmente, caracteriza-se uma tensão alternada senoidal por seu valor eficaz e frequência,
por exemplo, 110V/60Hz, o que significa que esta tensão é descrita por:
3
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3

v(t )  Vmáx sen( t )  Vef 2 sen(2 f t )  110 2 sen(2  60 t )  155,6sen(377t ) [V]

Pode-se também encontrar a relação entre o valor eficaz da tensão em regime permanente
senoidal e seu valor máximo, diretamente pela definição do valor eficaz, dada pela equação (4).
Considerando-se a tensão alternada senoidal dada pela equação (5) e t  T , vem:

t T T
1 2 1 1 V
 v(t ) dt   Vmáx sen( t ) dt  Vmáx  sen2 ( t )dt  máx  0, 707Vmáx
2 2
Vef 
t2  t1 t1 T 0 T 0 2

 V 
Obs.1: Note que esta relação  Vef  máx  0, 707Vmáx  só é válida para sinais alternados
 2 
senoidais! Caso a tensão (ou corrente) periódica tenha outra forma de variação temporal (e.g.:
quadrada, triangular, dente-de-serra, etc.), pode-se encontrar a relação entre seus valores máximo e
eficaz através da equação (4b), resolvendo-se a integral envolvida.

Obs.2: Na medida de sinais alternados, os multímetro digitais normalmente fornecem no seu visor o
valor eficaz do sinal. Alguns multímetros fornecem o valor correto apenas para sinais senoidais. Se
o sinal alternado possuir outra forma de onda, a leitura nestes aparelhos será incorreta (embora seja
possível fazer uma conversão do valor lido para o valor eficaz do sinal, desde que seja conhecida
sua forma de onda). Os melhores multímetros são os aparelhos “true rms” ou “valor eficaz
verdadeiro”, que estimam o valor eficaz de forma mais adequada para formas de onda não
senoidais. Neste experimento, serão utilizados um multímetro de bancada e um multímetro portátil
“true rms” e um multímetro portátil comum, que apresenta o valor eficaz correto no visor apenas
para sinais senoidais.

3. Roteiro Experimental

3.1. Montagem experimental

Para realizar as medições, o circuito ilustrado na Figura 5 deve ser montado no protoboard,
lembrando que o gerador de sinais possui resistência interna Rg=50Ω. As medições serão feitas a
partir dos terminais do resistor de 15K.

Figura 5 – Circuito para a caracterização dos sinais senoidal e quadrado

Gerador de sinais

4
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3

Nota: Todos os valores nominais e teóricos que constam nas Tabelas (e que serão ajustados no
gerador de sinais) deverão ser apresentados no Pré-Relatório. Os valores cujos campos estão
sombreados não devem ser preenchidos (não são fornecidos pelos aparelhos).
Obs.: No gerador de sinais, ajuste inicialmente a tensão de pico a pico (Vpp) para 8V, offset de
tensão nulo e a frequência ( f ) para 250 Hz. Não se esqueça de passar a configuração do
aparelho para “HIGH Z”.

3.2. Forma de onda senoidal


v(t)
V(t)
Vmáx

-Vmáx

a) Frequência ( f ): 250 Hz – Tensão: 8Vpp


Vpp [V] Vmáx [V] Vmédio [V] Vef [V] T [ms] f [Hz]
valor nominal
(gerador de sinais)
Osciloscópio
(Acoplamento CA)
Bancada
multímetro Portátil 01
digital (comum)
Portátil 02
(true rms)

b) Frequência ( f ): 250 Hz e off-set de tensão CC igual a Vpp/2 (Nível CC) – Tensão: 8Vpp
Vpp [V] Vmáx [V] Vmédio [V] Vef [V] T [ms] f [Hz]
valor nominal
(gerador de sinais)
Acoplamento CA
CC CC
Osciloscópio
Acoplamento CA
CA CC
VDC
VAC
Bancada
VAC+VDC

multímetro
digital Portátil 01 VDC
(comum) VAC

Portátil 02 VDC
(true rms) VAC

5
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3

c) Frequência ( f ): 8 kHz (sem off-set) – Tensão: 8Vpp


Vpp [V] Vmáx [V] Vmédio [V] Vef [V] T [µs] f [kHz]
valor teórico
Osciloscópio
(Acoplamento CA)
Bancada
multímetro Portátil 01
digital (comum)
Portátil 02
(true rms)

3.3. Forma de onda quadrada


v(t)
Vmáx
t

-Vmáx

a) Frequência ( f ): 250 Hz Tensão: 8Vpp


Vpp [V] Vmáx [V] Vmédio [V] Vef [V] T [ms] f [Hz]
valor nominal
(gerador de sinais)
Osciloscópio
(Acoplamento CA)
Bancada
multímetro Portátil 01
digital (comum)
Portátil 02
(true rms)

4. Material utilizado

- Gerador de sinais
- Osciloscópio e 1 ponta de prova 10x1
- Multímetro digital de bancada – Modelo MDM-8045A Minipa ou POL79 Politerm
- Multímetro digital portátil 01 (comum) – Modelo: ET-2075B Minipa
- Multímetro digital portátil 02 (true rms)– Modelo: ET-2510 Minipa
- 1 Protoboard
- 1 resistor de 15kΩ

6
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3

5. Questões
Obs: Recomenda-se fortemente que os itens 5.1 a 5.3 sejam investigados durante a confecção do pré-relatório, e
ANTES da realização do experimento.

5.1 Procure nos manuais dos equipamentos utilizados quais são as especificações dos mesmos,
anotando e apresentando os seguintes itens: precisão / incerteza, resolução e a faixa de
operação (grandeza medida e frequência).
5.2 Calcule o valor médio e o valor eficaz (apresente os cálculos!) para os seguintes sinais:

a) v(t) = VCC, constante para todo t real. (Tensão contínua – CC)


b) v(t) = V0.cos(.t + ), para todo t real. (Tensão Alternada – CA)
c) v(t) = VCC + V0 cos(.t + ), para todo t real (Tensão CA + CC)
d) Onda quadrada de amplitude V0 com e sem nível CC VCC
5.3 Mostre que para uma tensão que possui uma componente CC e outra CA, o valor eficaz da
mesma pode ser calculado como:
Vef  VCC
2
 VefCA
2

onde VCC e VefCA são, respectivamente, o valor CC e o valor eficaz da componente CA do


sinal de tensão.

5.4 Explique sucintamente qual a vantagem de utilizarmos multímetros True RMS para a
medição de tensões, apontando a diferença entre instrumentos True RMS CA e True RMS
CA+CC.

5.5 Há diferença nas medidas dos valores lidos no osciloscópio para os dois modos de
acoplamento da entrada (CA ou CC)? Justifique e identifique para quais parâmetros a
diferença foi maior. O que significam as medidas RMS CA e RMS CC no osciloscópio?
5.6 Houve concordância entre as medidas lidas nos diversos multímetros (dentro da precisão dos
instrumentos)? Identifique quais são os fatores que causaram possíveis diferenças nas
medidas. (Utilize como referência os dados dos manuais). Explique como a frequência do
sinal alternado pode afetar as medidas de tensão realizadas com os multímetros.

7
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3
ANEXOS
A.1 Potências de Dez
prefixo abreviatura magnitude origem
24
yotta Y 10 a partir do prefixo yocto
21
zetta Z 10 a partir do prefixo zepto
exa E 1018 grego héx, seis (103x6)
peta P 1015 grego pénte, cinco (103x5)
tera T 1012 grego téras, monstro
giga G 109 grego gígas, gigante
6
mega M 10 grego mégas, grande
3
quilo k 10 grego chílioi, mil
2
hecto h 10 grego hekatón, cem
1
deca da 10 grego déka, dez
deci d 10-1 latim decimus, décima parte
-2
centi c 10 latim centum, cem
mili m 10-3 latim mille, mil

-6
micro 10 grego mikrós, pequeno
-9
nano n 10 grego nánnos, anão
pico p 10-12 espanhol pico, pequena quantidade
-15
femto (ou fento) f 10 dinamarquês femten, quinze
-18
atto a 10 dinamarquês atten, dezoito
-21
zepto z 10 latim septe, sete (10-3x7)
yocto y 10-24 latim octo, grego októ, oito (10-3x8)
Obs.: Informática e Computação: 1 byte = 8 bits
1 Kbyte = 210 = 1.024 bytes
1 Mbyte = 220 = 1.048.576 bytes
1 Gbyte = 230 = 1.073.741.824 bytes
1 Tbyte = 240 = 1.099.511.627.776 bytes
A.2 Alfabeto Grego
maiúscula minúscula nome maiúscula minúscula nome
  Alfa   Nü
  Beta   Csi
  Gama   Ômicron
  Delta   Pi
  Épsilon   Rô
  Zeta   Sigma
  Eta   Tau
  Teta   Üpsilon
  Iota   Fi
  Kapa   Qui
  Lambda   Psi
  Mü   Ômega

8
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3
A.3 Unidades de Grandezas Fundamentais
nome da unidade SI unidades
símbolo descrição dimensão
grandeza [abreviação] equivalentes
comprimento l - metro [m] - L
tempo t - segundo [s] - T
massa m - quilograma [kg] - M
carga C
corrente I, i ampère [A] I
tempo s
A.4 Grandezas Elétricas
nome da unidade SI unidades
símbolo descrição dimensão
grandeza [abreviação] equivalentes
carga Q, q corrente x tempo coulomb [C] A.s IT
1 A C2 I 2T 3
admitância Y mho [℧]   S1
impedância V J.s M L2
1 A C2 I 2T 3
condutância G mho [℧]   S1
resistência V J.s M L2
mho   I 2T 3

1 1 A
condutividade  
resistividade metro  m  .m V.m M L3
carga C C 2 A.s s I 2T 4
capacitância C farad [F]   
potencial V J V  M L2
permissividade farad  F 
capacitância C C2 A.s I 2T 4
ou constante   
dielétrica comprimento metro  m  V.m J.m V.m M L3
fluxo magnéticoenlaçado Wb J
 2 
V.s
 .s M L2
indutância L henry [H]
corrente A A A I 2T 2
indutância henry  H  Wb J V.s ML
permeabilidade   2 
comprimento metro  m  A.m A m A.m I 2T 2
potencial V W V2 M L2
impedância Z ohm [Ω]  
corrente A A2 W I 2T 3
potencial V W V2 M L2
resistência R ohm [Ω]  
corrente A A2 W I 2T 3
ohm.metro V.m M L3
resistividade S,  resistência x comprimento
[Ω.m] A I 2T 3
trabalho J W.s Wb N.m M L2
potencial V volt [V]   
carga C C s C I T3
potencial força volt  V  J W.s Wb N ML
campo elétrico E    
comprimento carga metro  m  C.m C.m s.m C I T3
campo força magnetomotriz ampère  A  N W I
H 
magnético comprimento metro  m  Wb V.s L
energia força x comprimento = M L2
W joule [J] N.m  W.s  V.C
(ou trabalho) potência x tempo T2
força comprimento J N.m V.C M L2
potência P watt [W]    V.A
tempo s s s T3
ciclos 1 1
frequência f hertz [Hz]
tempo s T

9
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3

Laboratório 1: Caracterização de Formas de Ondas


Resultados Experimentais

Equipe __________ Data:______________

RA Nome

Ao final da aula, cada equipe deverá entregar uma cópia destas folhas ao professor, contendo
todos os valores nominais/teóricos e valores medidos durante o experimento.

3.2. Forma de onda senoidal

a) Frequência ( f ): 250 Hz – Tensão: 8Vpp


Vpp [V] Vmáx [V] Vmédio [V] Vef [V] T [ms] f [Hz]
valor nominal
(gerador de sinais)
Osciloscópio
(Acoplamento CA)
Bancada
multímetro Portátil 01
digital (comum)
Portátil 02
(true rms)

b) Frequência ( f ): 250 Hz e off-set de tensão CC igual a Vpp/2 (Nível CC) – Tensão: 8Vpp
Vpp [V] Vmáx [V] Vmédio [V] Vef [V] T [ms] f [Hz]
valor nominal
(gerador de sinais)
Acoplamento CA
CC CC
Osciloscópio
Acoplamento CA
CA CC
VDC
VAC
Bancada
VAC+VDC

multímetro
digital Portátil 01 VDC
(comum) VAC

Portátil 02 VDC
(true rms) VAC

10
ESTA002-17 – Circuitos Elétricos I Laboratório 1- 2018.3

c) Frequência ( f ): 8 kHz (sem off-set) – Tensão: 8Vpp


Vpp [V] Vmáx [V] Vmédio [V] Vef [V] T [µs] f [kHz]
valor teórico
Osciloscópio
(Acoplamento CA)
Bancada
multímetro Portátil 01
digital (comum)
Portátil 02
(true rms)

3.3. Forma de onda quadrada

a) Frequência ( f ): 250 Hz Tensão: 8Vpp


Vpp [V] Vmáx [V] Vmédio [V] Vef [V] T [ms] f [Hz]
valor nominal
(gerador de sinais)
Osciloscópio
(Acoplamento CA)
Bancada
multímetro Portátil 01
digital (comum)
Portátil 02
(true rms)

11